...

Plantar árvores para colher o futuro - AS-PTA

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

Plantar árvores para colher o futuro - AS-PTA
Plantar árvores para colher o futuro
Plantar árvores para colher o futuro
Patrocínio
Plantar árvores para colher o futuro
Edição
Projeto Agroecologia na Borborema
Texto
Adriana Galvão Freire
Revisão de conteúdo
João Macedo Moreira
Equipe do Projeto Agroecologia na Borborema
Sumário
Mapa 5
Plantar árvores para colher o futuro 9
Árvores da Borborema 11
Angico 12
Aroeira 13
Baraúna 14
Emanoel Dias da Silva
Barriguda 15
João Macedo Moreira
Camunzé 16
Cleibson dos Santos Silva
Canafístula 17
Carlos Felipe Teodoro de Oliveira
Severino Pereira da Silva
Cardeiro 18
Severino Barbosa de Souza
Catingueira 19
Juraci Félix dos Santos (Ciba)
Cedro 20
Marcelo Galassi Paranhos
Cumaru 21
Revisão ortográfica e gramatical
Imburana de espinho 22
Rosa Peralta
Ingá 23
Projeto gráfico
Jatobá 24
ZDizain Comunicação
Jenipapo 25
Fotos
Juazeiro 26
Flávio Costa
Jucá 27
Impressão
Macaíba 28
Gráfica JB
Maçaranduba 29
AS-PTA Agricultura Familiar e Agroecologia
Mororó 30
www.aspta.org.br
Mulungu 31
Centro Agroecológico São Miguel
Oiti 32
Rodovia BR 104, Km 06 s/n Caixa Postal 33
Pau d’arco 33
CEP: 58.135-000 Esperança – PB
Sabiá 34
Tel. 83 3361 9040 | 3361 9041
email: [email protected]
Umbu 35
Bibliografia 37
Mapa
O território agroecológico da Borborema é composto por
várias zonas ambientais. De leste para oeste, observamos
um gradiente de ambientes que se modifica a partir da
disponibilidade de água. São os Brejos mais úmidos, os
Agrestes que compõe uma área importante de transição
e os Curimataús, Cariris e a Caatinga que desenham
uma área mais seca. Cada árvore se adapta a uma região
ou mais. Observe na tabela a ocorrência das plantas nas
zonas ambientais do Polo da Borborema.
Árvore
Moldura ambiental
Angico
Agreste, Cariri, Curimataú, Caatinga
Aroeira
Cariri, Curimataú
Baraúna
Cariri, Curimataú
Barriguda
Agreste, Cariri, Curimataú
Camunzé
Brejo, Agreste
Canafístula
Agreste, Cariri, Curimataú, Caatinga
Cardeiro/Mandacaru
Cariri, Curimataú, Caatinga
Catingueira
Agreste, Cariri, Curimataú, Caatinga
Cedro
Brejo
Cumaru
Agreste, Cariri, Curimataú, Caatinga
Brejo do Roçado
Imburana de espinho
Agreste, Cariri, Curimataú, Caatinga
Caatinga
Ingá
Brejo
Cariri
Jatobá
Brejo
Cariri Agrestado
Jenipapo
Brejo
Curimataú Plano
Juazeiro
Agreste, Cariri, Curimataú, Caatinga
Curimataú da Criação
Jucá
Agreste, Cariri, Curimataú, Caatinga
Curimataú das Serras e Baixios
Macaíba
Brejo
Maçaranduba
Brejo
Mororó
Brejo, Agreste, Curimataú, Caatinga
Mulungu
Brejo, Agreste
Oiti
Brejo
Pau d’arco
Brejo, Agreste, Cariri, Curimataú, Caatinga
Sabiá
Umbu
Brejo, Agreste
Cariri, Curimataú
Zonas Ambientais
Agreste Seco
Agreste Seco de Massaranduba
Agreste da Fava
Agreste do Leite
Agreste do Roçado
Brejo Agrestado
Brejo da Fruta
Brejo de Massaranduba
Brejo de Queimadas
Convenções
Açudes
Drenagem principal
Estradas
Municípios da Paraíba
Sedes e localidades
Plantar árvores para colher o futuro
A posição geográfica mais para o interior e as
características da paisagem e do clima da Borborema
fizeram com que a região fosse colonizada bem mais
tarde que o litoral. O interior do estado da Paraíba só
foi ocupado entre 1750 e 1800 com a necessidade de
ampliar as áreas de criação de gado. Na Borborema,
vários ciclos de culturas de renda se sucederam, como
a cana, o algodão, a pecuária extensiva, o café, o
sisal, a fumicultura e a olericultura intensiva. Essas
culturas foram introduzidas na região por meio de um
modelo de desenvolvimento monocultor e predatório,
sendo estimuladas por políticas oficiais de crédito e de
assistência técnica que mantiveram os privilégios dos
fazendeiros locais.
Além do avanço das culturas de renda, a produção
de lenha e carvão foi uma das principais atividades
responsáveis pela intensa exploração das matas nativas.
Desse processo, o que restou foi uma paisagem
praticamente sem árvores. Como consequência, a
população vive uma situação crítica de desequilíbrio
do ambiente, com terras expostas ao sol, às chuvas e
ao vento, provocando erosão e assoreamento de rios.
Várias famílias agricultoras reclamam do aumento de
pragas e doenças em suas lavouras. Verifica-se também
o enfraquecimento dos solos, com queda na produção
de alimentos já registrada por várias famílias. Há ainda
uma escassez de lenha e madeira, bem como de frutas,
plantas medicinais e para a alimentação dos animais.
Em alguns locais, algumas espécies já se encontram
extintas da paisagem. Além disso tudo, há uma perda
dos conhecimentos tradicionais sobre o uso e o manejo
das plantas nativas.
No Território da Borborema, a rearborização passa então
a ser condição fundamental para o restabelecimento da
capacidade produtiva da região. É assim que, desde 1993,
o Polo da Borborema e a AS-PTA vêm mobilizando as
famílias agricultoras e estimulando um intenso processo
de inovação para a reconstituição da paisagem com a
introdução de árvores de múltiplos usos nos sistemas
agrícolas. Essa ação vem sendo implementada por meio
de uma estratégia centrada no resgate e na valorização
do conhecimento e das práticas tradicionais de uso das
árvores, buscando dessa forma mostrar a importância
de suas múltiplas funções nos diferentes espaços das
propriedades.
Desde 2010, essa iniciativa ganhou novo impulso com a
criação do Projeto Agroecologia na Borborema, patrocinado
pela Petrobras, por meio do Programa Petrobras Ambiental.
O projeto veio ampliar o debate sobre a problemática da
desarborização e, mais do que isso, fortaleceu o processo
de experimentação em todo o território. Ao lançar a
campanha Plantar árvores para colher o futuro, o projeto
busca restaurar as condições ambientais para que a
agricultura e a natureza se desenvolvam em harmonia na
região. Agricultores e agricultoras familiares da Borborema
estão estruturando uma Rede de Viveiros para a produção
de mudas. Estão também se organizando para coletar
sementes de árvores nativas em toda a região. Estão,
portanto, buscando formas alternativas e inovadoras de
conviver com o semiárido sem destruir a caatinga. Juntos,
estão plantando árvores para colher um futuro melhor,
contribuindo para uma vida mais digna num ambiente
mais saudável. Esperamos que esta cartilha seja mais uma
semente que essa grande campanha fará germinar.
9
Árvores da Borborema
Ao observarmos as características das árvores que estão
distribuídas pela paisagem do Território Agroecológico
do Polo da Borborema, nos deparamos com um
conjunto de espécies de fina adaptação ao regime de
águas do ambiente. Encontramos árvores que perdem
suas folhas na época da estiagem, que guardam água
em suas raízes, espécies suculentas ou com muitos
espinhos. Cada uma desenvolveu uma forma própria de
se adaptar ao clima da região.
Os agricultores e agricultoras do Território da
Borborema também foram aprendendo com suas
estratégias e hoje reconhecem os diversos usos e
funções que as árvores cumprem no desenvolvimento
da agricultura. As árvores são utilizadas para forragem,
remédio, alimento, energia, sombreamento, cerca-viva,
quebra-vento e abrigo para os animais. São também
empregadas como matéria-prima para construções,
fabricação de móveis e utensílios. Mas, principalmente,
são importantes para que a agricultura e a natureza se
desenvolvam em harmonia.
Um número cada vez maior de famílias agricultoras está
rearborizando suas propriedades por reconhecer que as
árvores contribuem para o equilíbrio do ambiente. Elas
são importantes no ciclo de nutrientes e na produção
de matéria orgânica do solo, recuperando assim sua
fertilidade. O solo alimenta a árvore e a árvore alimenta
o solo. As árvores não deixam que o solo fique exposto,
protegendo-o da ação das chuvas e dos ventos. Elas
são importantes também na regularização do ciclo das
águas, além de protegerem suas fontes e o leito dos
rios. Elas fornecem abrigo e alimentos para os animais
da natureza. Contribuem ainda para a fixação de
carbono e, consequentemente, combatem o efeito
estufa. Além disso, as árvores desempenham papel
determinante no enfrentamento da desertificação e
das mudanças climáticas.
Na Borborema, as árvores vêm sendo plantadas em
diversas áreas das propriedades, como nos quintais,
mas também como cercas ou em consórcios com
palma forrageira. Os agricultores e agricultoras
buscam reintroduzi-las em diferentes espaços, e os
resultados ecológicos e econômicos já são colhidos
em toda a região.
Em cada ambiente do Território, encontramos espécies
características. No Brejo, há os jatobás, cedros e oitis.
No Agreste, são comuns os mororós, mulungus e
camunzés. Já as baraúnas, catingueiras e aroeiras
recobrem o Curimataú.
Nesta cartilha, tratamos de 24 espécies da região da
Borborema que as famílias agricultoras mais usam.
Buscamos nos livros, mas também conversamos com
agricultores e agricultoras para conhecer experiências
de diferentes usos e formas de plantar. Esperamos
que as informações aqui reunidas possam fortalecer e
ampliar a imensa rede de coletores de sementes e de
viveiristas da região.
11
12
Angico
Aroeira
Anadenanthera colubrina
Myracrodruon urundeuva
O angico é uma árvore de copa aberta e irregular. Possui
crescimento rápido e é bastante resistente à seca. Nas zonas mais
secas, o angico perde totalmente as folhas no verão. Sua madeira
é muito pesada, compacta e durável, mesmo quando exposta
ao sol e à chuva, sendo por isso valorizada na construção de
casas e mourões. Também é usada na marcenaria e carpintaria,
além de ser ótima lenha. O angico é comumente encontrado nas
áreas de pastagens por apresentar copa ampla e proporcionar
boa sombra. Suas folhas servem de alimento para os animais,
que as apreciam quando novas ou mesmo quando caem no chão
já secas. Porém, é importante observar que as folhas quando
murchas são altamente tóxicas.
Árvore de copa larga e crescimento lento. É bastante
apreciada pelas famílias agricultoras por seus vários usos.
Sua madeira, muito pesada e resistente, é valorizada na
construção civil (caibros, vigas, ripas, etc.) e em obras externas
(postes, mourões ou estacas). As flores são visitadas pelas
abelhas. As folhas são usadas na alimentação animal. Além
disso, a árvore fornece boa sombra para o gado em áreas
de pastagem. É uma das principais plantas da medicina
popular no Nordeste, usada em banhos de assento no pósparto, coceiras, problemas no aparelho urinário e nas vias
respiratórias.
O angico adapta-se a terrenos arenosos e cascalhentos. Costuma
formar reboleiras. A espécie é indicada para o reflorestamento no
semiárido por sua capacidade de estocar água nas raízes.
É uma árvore muito ornamental e floresce todos os anos. Suas
flores fornecem pólen e são muito apreciadas pelas abelhas.
A casca amarga possui uma elevada concentração de tanino,
sendo usada para curtir o couro e também na medicina popular
no tratamento de tosse, bronquite e coqueluche. O xarope ou o
chá das folhas é usado no tratamento do reumatismo. O extrato
da folha e da casca de angico também é bastante utilizado no
combate às pragas nos roçados.
Para produzir mudas, as vagens devem ser coletadas no pé logo
que amadurecem e levadas ao sol para completar a abertura e
liberar as sementes. As sementes devem ser recolhidas e secas à
sombra. É importante colocá-las em canteiros à meia sombra logo
que colhidas, pois perdem o poder de germinar quando guardadas
por muito tempo. A germinação se dá após cinco a oito dias. As
mudas estarão prontas para ir ao campo em três meses.
Também é recomendada para recomposição da vegetação.
Em alguns ambientes, é comum nascer por rebrota e formar
um bosque quase puro com plantas de várias idades. Árvore
resistente, sobrevive ao fogo. Nas zonas mais áridas, a aroeira
perde totalmente as folhas no verão. Embora tolerante à
seca, sente um pouco a falta de umidade do solo, secando
as pontas dos galhos. A aroeira pega facilmente por estacas
verdes. É preciso podá-las para ficar linheiras.
A colheita das sementes é bem difícil por serem muito
pequenas e possuírem asas. Recomenda-se colher os frutos
quando já estiverem bem maduros e iniciarem a abertura
das asas. Colocar no sol para secar. As sementes devem ser
plantadas logo que colhidas, pois perdem rapidamente a
capacidade de germinação.
13
14
Baraúna
Barriguda
Schinopsis brasiliensis
Chorisia glaziovii
A baraúna possui copa arredondada e densa e ramos com
espinhos. É uma espécie nativa do semiárido de grande
potencial econômico. Sua madeira é muito valorizada por ser
pesada, dura e altamente resistente. É excelente para usos
externos (mourões, postes, etc.). No passado, a baraúna foi
bastante utilizada na confecção de dormentes, o que levou
seu nome a ser incluído na lista de espécies em extinção. É
uma árvore bastante ornamental. Suas flores são apreciadas
pelas abelhas. Suas folhas são usadas para uso veterinário no
tratamento de vermes. Nas zonas mais secas, a baraúna perde
totalmente as folhas no verão. Pode ser uma planta bastante
útil no reflorestamento de áreas degradadas.
A barriguda é uma árvore bastante resistente à seca, pois
acumula água em seu interior. Possui um caule bem grosso,
que pode chegar a um metro de diâmetro, daí seu nome. Outra
característica é ter o tronco cheio de espinhos. A madeira é mole,
leve e de pouca durabilidade. É usada apenas para fazer caixotes,
cochos, gamelas – nada que requeira muita resistência. As flores
brancas ou rosas com produção de pólen são muito visitadas
pelas abelhas. A barriguda geralmente é encontrada isolada na
paisagem, com grande efeito ornamental.
O fruto é bastante grosso, característica de protecão para
os períodos de seca, mas que dificulta a germinação sob
condições naturais. Para retirar as sementes, o melhor é
colher os frutos ainda na árvore quando iniciarem sua queda
espontânea. Os frutos podem ser usados diretamente na
semeadura, não sendo necessário separar as sementes.
Recomenda-se colocá-los na água por 24 horas antes de
plantar. Plantar diretamente no saco individual e no canteiro
a pleno sol. Suas raízes são bastante sensíveis e, quando se
quebram, a muda pode morrer.
Por encontrar-se em vias de extinção, a baraúna é
protegida por lei.
As sementes são envolvidas por uma pluma que, ao ser facilmente
carregada pelo vento, contribui para o plantio natural da espécie.
A pluma já foi muito utilizada para preencher travesseiros,
almofadas e brinquedos. Pode também ser usada como isolante
de som ou calor.
Para a reprodução, é preciso coletar os frutos maduros, mas que
estejam iniciando a abertura da casca. Eles devem ser colocados
para secar até que se abram espontaneamente. É importante
também cobrir os frutos com uma peneira durante a secagem
para evitar que o vento leve as sementes.
As sementes podem ser plantadas diretamente em sacos
individuais ou nos canteiros. Duas a três semanas depois da
germinação, as mudas devem ser transferidas para sacos.
Recomenda-se colocar as sementes em água fria antes de semear.
Na medicina caseira, a casca da barriguda é indicada para
inflamação de coluna, hérnia de disco, reumatismo, tosse, catarro,
sinusite e inflamação no ovário.
15
16
Camunzé
Canafístula
Albizia polycephala
Senna spectabilis
O camunzé, ou vassourinha, é uma árvore característica da
região agreste. É uma planta muito útil na recuperação de áreas
degradadas e no melhoramento do solo. É conhecida pelos
agricultores e agricultoras como uma planta de sombra fria,
ou seja, o roçado se desenvolve bem a sua volta, não havendo
competição por sol e água. Foi uma planta muito utilizada
no sombreamento do cultivo de café. As folhas e ramos do
camunzé são utilizados na alimentação animal. É uma forragem
importante, pois permanece verde durante a seca. Suas folhas
verdes também são usadas para amadurecer frutas, assim como
para fazer enchimento das cangalhas dos animais.
A canafístula possui uma sombra fresca. É uma árvore muito
ornamental. Durante sua floração, fica carregada de botões
dourados que se abrem em folhas amarelas em um momento
de grande beleza. Durante o verão, perde completamente as
folhas que, fenadas naturalmente e assim como as vagens
secas, servem de forragem para bodes, ovelhas e gado. De
crescimento rápido, tem um papel importante em locais de
reflorestamento no semiárido. É também uma árvore boa para
o manejo de agrofloresta, pois suporta poda e produz bastante
massa verde para incorporar no solo.
De madeira leve e dura, o camunzé é usado na construção civil
e como estacas e mourões. Também permite o uso do entalhe
para confecção de artesanatos. Sua lenha possui um alto poder
calorífico, queima bem até verde. Durante a queima, libera um
líquido que os agricultores usam no tratamento de impinge.
Para reproduzir, é necessário colher as vagens diretamente da
árvore quando iniciarem sua abertura natural. Produz anualmente
poucas sementes, que devem ser colocadas logo que colhidas
para germinar em canteiros a meia sombra e regadas duas vezes
ao dia. O desenvolvimento das mudas é rápido e em cinco a seis
meses já estão prontas para irem ao campo.
A madeira é mole e utilizada em trabalhos de marcenaria, na
confecção de objetos leves como mesa ou cadeiras de couro.
Na medicina tradicional, o chá das folhas é usado como
laxativo e purgativo, e o cozimento da casca tem indicação
contra gripes e resfriados.
Para reprodução, seus frutos devem ser colhidos quando
mudarem a coloração de verde escuro para marrom claro. As
sementes devem ser plantadas logo que colhidas em canteiros
ou diretamente nos saquinhos a meia sombra. Cobrir com uma
leve camada de terra. As mudas devem ser transplantadas para
sacos individuais quando atingirem quatro a seis centímetros e
mudadas para o local definitivo em quatro a cinco meses.
17
18
Cardeiro / Mandacaru
Catingueira
Cereus jamacaru
Caesalpinia pyramidalis
O cardeiro, ou mandacaru, é um dos cactos mais representativos
do semiárido. Uma planta grande – pode atingir de três a oito
metros de altura –, suculenta e espinhenta. Ocorre em áreas
rochosas, solos pedregosos e compondo a diversidade da mata.
A catingueira é uma árvore típica do semiárido e de grande
valor econômico devido a seus múltiplos usos na agricultura
familiar. Ela é uma árvore rústica, muito apropriada para
reflorestamento de áreas degradadas.
O cardeiro possui um valor inestimável na alimentação dos
animais, principalmente nos períodos mais críticos de estiagem.
Na região da Borborema, é comumente plantado nas cercasvivas cumprindo duas funções: divisão de cercados e reserva
estratégica de alimentos para os animais.
Possui grande potencial forrageiro, madeireiro e medicinal.
Os animais apreciam comer as folhas quando ainda muito
jovens. Após uns dias de chuva, a catingueira libera um cheiro
característico que lhe rendeu o nome. Nessa fase, os animais
a evitam. Porém, quando as folhas caem no início da estação
seca, o chão fica coberto por uma forragem bastante nutritiva.
Folhas e galhos da catingueira podem ser armazenados na
forma de feno.
As flores solitárias e grandes são visitadas pelos morcegos e
mariposas à noite. Os frutos são de um vermelho forte. Eles
contêm muitas sementes dispersas numa polpa branca bastante
doce e muito apreciada na alimentação humana. Os ramos e
raízes são usados na medicina popular para o tratamento de
doenças do pulmão, escorbuto e infecções da pele.
O cardeiro multiplica-se facilmente por estacas, mas as sementes
podem ser retiradas despolpando o fruto maduro. Elas são então
secadas à sombra e devem ser logo colocadas para germinar
em sementeira com substrato arenoso. As mudas possuem
crescimento lento, passando de um ano para o outro.
As folhas, flores e cascas são usadas no tratamento de
infecções catarrais, diarreias e disenterias. Sua madeira ainda é
usada para lenha, muito apreciada na queima de cerâmicas e
na produção de estacas e mourões.
Geralmente, o tronco da catingueira apodrece formando ocos
que são ocupados por abelhas nativas e servem de abrigo para
pequenos animais.
Para tirar as sementes da catingueira, colete a vagem quando
começar a atingir a maturação, ou seja, quando ela começar
a mudar de cor. Colocar as vagens para secar ao sol e retirar
as sementes. Plantar diretamente nos saquinhos a uma
profundidade de um centímetro ou semear a lanço em áreas
degradadas.
19
20
Cedro
Cumaru
Cedrella odorata
Amburana cearensis
O cedro é uma árvore de madeira nobre, leve, macia
e bastante resistente. Por ser muito valorizada na
construção civil e na fabricação de móveis, a árvore
encontra-se em extinção em alguns ambientes. É
uma importante espécie para recomposição de áreas
degradadas. O cedro se reproduz facilmente por estacas
e pode ser usado como cerca-viva. Suas flores amarelas
são bastante visitadas pelas abelhas.
O cumaru, ou imburana de cheiro, possui um odor agradável e
característico, sendo considerada a cerejeira do Nordeste. Sua
madeira nobre é valiosa, possuindo bom preço no mercado. É
usada na construção civil para fazer portas e janelas e é bastante
empregada em mobiliário fino.
Na medicina popular, as folhas e cascas são usadas no
alívio da febre, contra vermes e reumatismos. Também
são usadas na forma de banhos para dores no corpo,
resfriados, gripes e febres.
Para reprodução, os frutos devem ser colhidos da árvore
quando maduros, mas ainda fechados, e colocados sob
o sol debaixo de uma peneira para evitar a perda das
sementes que possuem asas e podem ser levadas pelo
vento. Por ocasião da semeadura, retire as asas das
sementes. Plante em canteiros a pleno sol, cobrindo
com uma fina camada de substrato peneirado. Regue
duas vezes ao dia. Por ser uma planta de capoeira grossa
ou mata, no campo, o cedro prefere locais de sombra,
quando jovens, e precisam de sol, quando adultos.
As sementes e cascas são usadas na medicina caseira, com
indicações para problemas pulmonares (asmas, bronquites),
cólicas intestinais e uterinas, febre, gripe e inflamações. As
sementes, de cheiro agradável, já foram muito usadas para
perfumar roupas. A casca do cumaru também é comumente
usada para guardar sementes ou como repelente de insetos e
pragas nos roçado.
Para tirar as sementes, os frutos devem ser colhidos quando
começarem a cair naturalmente ou assim que atingirem o
chão. Devem então ser colocados ao sol com uma peneira para
facilitar sua abertura e a coleta das sementes. É preciso ficar
atento na coleta, pois as sementes possuem asas. Para o plantio,
coloque duas sementes para germinar logo que colhidas em
saquinhos individuais ou diretamente em sementeiras a meia
sombra. As sementes também podem ser usadas diretamente
na cova (usar três sementes) ou podem ser simplesmente
lançadas no terreno. Elas não podem ser guardadas por muito
tempo, pois perdem seu poder de germinação.
21
22
Imburana de espinho
Ingá
Commiphora leptophlocos
Ingá vera
A imburana de espinho, ou imburana de cambão, é uma
árvore de ampla presença no semiárido nordestino. Possui
uma madeira leve e suscetível ao apodrecimento, formando
ocos, o que faz com que seja muito procurada pelas abelhas
com e sem ferrão ou por outros animais para fazerem seus
ninhos. É empregada no artesanato e fabrico de utensílios
caseiros (colher de pau, cachimbo, pilão, cochos, etc.).
Também pode ser usada para fazer canga ou cambão para
os animais puxarem carroças, daí seu nome.
O ingá é uma árvore comumente encontrada em baixios
e margens de rios. É considerada uma planta protetora de
nascentes de água e comum nas matas ciliares. Uma ótima
árvore de sombra e pode ser usada para reflorestamento.
Seu nome é de origem indígena e significa empapado ou
ensopado, devido ao aspecto de suas sementes, que são
envolvidas por uma polpa branca, levemente doce. O fruto é
comestível e muito apreciado pela população. Muitas famílias
agricultoras levam o fruto para vender nas feiras.
A imburana é uma planta bem rústica e fácil de manter. A
reprodução se dá facilmente por estacas, mesmo quando feita
com galhos grossos, podendo rapidamente formar cercasvivas. Proporciona também ótima sombra.
Para retirar as sementes, deve-se colher os frutos maduros
ainda nas árvores e abrir manualmente as vagens. Não deixe
as sementes secarem e coloque-as para germinar logo que
retiradas das vagens em canteiros a meia sombra. Após sua
coleta, a semente perde sua capacidade de germinar em
quatro dias. As mudas crescem rápido.
Produz anualmente muitas sementes. Para recolhê-las, é
preciso coletar os frutos diretamente das árvores quando
maduros. Deve-se então semear em canteiros a meia sombra e
regar duas vezes ao dia. As sementes germinam rapidamente
quando frescas.
23
24
Jatobá
Jenipapo
Hymenae courbaril
Genipa americana
Jatobá significa árvore do fruto duro em tupi. Possui uma
madeira difícil de ser cortada e é empregada na construção
civil como caibros, ripas e vigas. Também dá bons cabos
de ferramenta e é bastante usada na marcenaria. Os frutos
contêm uma farinha comestível de cheiro forte, bastante
nutritiva e medicinal. As sementes, cascas e folhas são usadas
na medicina tradicional para o tratamento de asma, bronquite,
coqueluche, diarreia e cólicas intestinais. Da casca, faz-se um
chá calmante para dormir.
O jenipapo é uma árvore comum de várzeas úmidas. Seu
nome vem do tupi-guarani e significa fruta que mancha.
Os índios usam os frutos para pintar seus corpos. Sua polpa
adocicada pode ser consumida diretamente ou utilizada para
fabricar licores, vinhos e doces.
É uma espécie pouco exigente em fertilidade e umidade do
solo, sendo considerada importante em reflorestamentos.
É apícola, suas flores produzem néctar.
Para coletar as sementes, é preciso colher os frutos maduros
ou já caídos das árvores. Leve-os para secar ao sol e quebreos com a ajuda de um martelo para liberar as sementes. A
farinha deve ser removida manualmente. Separe as sementes
perfuradas por insetos. Semear em recipientes individuais. De
desenvolvimento rápido, as mudas estão prontas para irem a
campo em seis meses.
Todas as partes da planta são usadas na medicina popular. O
chá das raízes é considerado laxante. A casca é usada como
remédio para diarreia e também empregada em emplastos
para úlceras, dores diversas e faringite. O fruto é utilizado na
medicina popular como digestivo, para problemas hepáticos,
como laxante e tônico. As folhas são forrageiras e podem
funcionar como estimulantes de apetite do gado.
A madeira é bastante flexível, compacta e fácil de trabalhar.
É empregada na construção civil, na marcenaria e na
confecção de móveis e peças curvadas.
Para retirar as sementes, os frutos devem ser recolhidos
quando começarem a cair no chão. É preciso despolpar na
água corrente dentro de uma pequena peneira e deixar as
sementes secarem à sombra em local ventilado. O início da
geminação pode ser acelerado se as sementes ficarem em
água à temperatura ambiente por 48 horas. Possui rápido
crescimento no viveiro.
25
26
Juazeiro
Jucá
Zizyphus joazeiro
Caesalpina ferrea
O juazeiro é uma espécie muito abundante no Nordeste. É uma
planta muito resistente à seca e de inúmeros usos. Sua copa se
mantém sempre verde, mesmo durante o verão, proporcionando
uma sombra fria. Folhas, frutos e ramos verdes são apreciados
pelos animais, mas as folhas também podem ser oferecidas
fenadas. É importante reserva de alimentos verdes na estação
seca. A madeira é usada em construções rurais, mourões e
na marcenaria. Os frutos são ricos em vitamina C e podem
ser consumidos frescos ou transformados em doces e geleias.
As flores são muito apreciadas pelas abelhas sem ferrão.
Árvore de pequeno porte e tronco curto. Possui casca fina
que se renova com frequência, deixando nos troncos manchas
claras características. A madeira é dura e resistente. Quando
adulto, o jucá é bastante apreciado na construção civil para
fabricar vigas, esteios, caibros e estacas. De crescimento
rápido, pode ser uma árvore importante para recuperação de
áreas degradadas. Proporciona também boa sombra. As flores
são melíferas. A forragem (folhas e vagens) dessa espécie
apresenta grande quantidade de proteínas. Geralmente as
famílias agricultoras deixam o jucá crescer no roçado, mas
principalmente nas áreas de palma forrageira.
As folhas, frutos, cascas e raízes do juazeiro são também
usados como cosméticos e na medicina popular. O extrato em
água é usado por via oral no alívio de problemas gástricos e,
externamente, para limpeza de cabelos, dentes e pele do rosto,
assim como tônico capilar anticaspa. O pó da entrecasca foi
amplamente usado por ser eficaz na diminuição da placa dental.
Na medicina popular, a tintura feita da planta pode ser de
uso local em curativos de contusões e ferimentos. Já o xarope
produzido a partir do pó das vagens é utilizado no tratamento
caseiro da tosse, bronquite e coqueluche. Na veterinária, é
usado como vermífugo.
Para a produção de mudas, colha os frutos quando maduros
diretamente no pé assim que começarem a cair. Tirar a polpa
manualmente, lavar as sementes em água corrente e deixá-las
secando à sombra. Passar as sementes no liquidificador para
facilitar a entrada da água. Colocá-las logo que colher para
germinar em ambiente a meia sombra. O desenvolvimento
da muda é lento. A melhor forma de multiplicar o juazeiro é
coletando as mudas nos currais dos animais.
Para coletar as sementes, deve-se colher as vagens
diretamente das árvores quando adquirirem coloração mais
escura e começarem a cair naturalmente. Levar as vagens ao
sol para facilitar o quebramento para liberação das sementes.
As sementes têm uma casca dura e, portanto, para facilitar
sua germinação, é importante deixá-las por 12 horas em água
antes do plantio. Semear duas sementes em sacos individuais,
cobrir com fina camada de terra e regar duas vezes ao dia.
27
28
Macaíba
Maçaranduba
Acromia aculeata
Manilkara rufula
A macaíba é uma palmeira nativa do Brasil, de ampla
ocorrência e múltiplos usos. Os frutos são comestíveis ou
pode-se extrair deles um óleo fino utilizado pelas indústrias
de cosméticos e alimentos. Com a polpa branca do fruto,
pode-se fazer sorvetes, sucos, licores, geleias, bolos e
doces. A amêndoa oferece um óleo claro com qualidade
semelhante ao azeite de oliva. Os frutos também são
importante fonte de alimento para os animais da natureza.
A maçaranduba é uma árvore própria de ambientes úmidos
do Nordeste, presente apenas nos limites dos brejos de
altitude. Sua madeira avermelhada é dura, porém fácil
de trabalhar. É muito utilizada na construção civil, o que
ocasionou sua extinção em muitos lugares.
As folhas são forrageiras, fornecem fibras têxteis e
são muito usadas para cobertura de barracos, latadas
ou abrigo de animais. O caule é bastante usado nas
construções rurais (ripas, calhas d’água, fabrico de cortiços
de abelha sem ferrão). Do miolo do tronco, pode-se fazer
uma farinha nutritiva. A ocorrência da macaíba indica
presença de solos férteis.
Para reprodução, colha os frutos diretamente das árvores
quando começarem a cair. Podem ser diretamente
utilizados para o plantio, sem despolpá-los. Semear em
substrato rico em material orgânico e manter em ambiente
sombreado. Irrigar duas vezes ao dia. Em condições
naturais, as sementes podem levar até dois anos para
germinar.
É uma árvore apreciada por várias espécies de passarinhos.
Produz uma resina que serve de alimentos para micos e saguis.
A maçaranduba também pode cumprir papéis ecológicos na
recuperação de áreas degradadas.
29
30
Mororó
Mulungu
Bauhinia cheilantha
Erythrina velutina
Os mororós são árvores de médio porte e caule muito duro.
As folhas lembram o rastro da pata de vaca. A madeira é usada
como estacas e mourões. Suas folhas, frutos e ramas são usados
como forragem para gado bovino, caprino e ovino. Destacase na recuperação de áreas degradadas e no melhoramento
da fertilidade do solo. Apresenta importante uso medicinal,
pois possui propriedades que provocam queda da glicose em
pacientes diabéticos. Suas flores são apreciadas pelas abelhas.
O mulungu é uma árvore comum no agreste, de tronco
espinhento e copa ampla, aberta e arredondada. Sua
madeira é muito leve e esbranquiçada, bastante utilizada
na confecção de brinquedos, mamulengos e caixotaria. As
sementes são ornamentais e usadas para confeccionar colares
e brincos. As flores vermelhas são visitadas pelas abelhas
como fonte de néctar. É amplamente usada como cerca-viva,
desempenhando ainda função importante de quebra-vento.
Reproduz-se facilmente por estacas. Suas copas são muito
procuradas por passarinhos para fazerem seus ninhos.
Para o plantio de novas mudas, colha as vagens diretamente
da árvore quando começarem a mudar de cor, mas antes de
secarem totalmente. Coloque as vagens ao sol para secar e
retirar as sementes. Quando secas, basta uma manhã de sol
para explodirem e jogarem as sementes para bem longe. Plante
as sementes em saquinhos individuais contendo uma terra
com bastante matéria orgânica. Por sua baixa capacidade de
germinação, aconselha-se embebê-las em água antes do plantio.
As cascas e frutos são usados tradicionalmente na medicina
popular por seu efeito sedativo, calmante de tosses e
bronquites e para dor de dente.
Os frutos devem ser colhidos quando maduros e expostos
ao sol para completar a abertura e soltar as sementes. Estas
devem ser plantadas em sacos individuais e cobertas com uma
camada de meio centímetro de substrato. Regar diariamente.
As plantas possuem desenvolvimento rápido no campo.
31
32
Oiti
Pau d’arco roxo
Licania tomentosa
Tabebuia impetiginosa
De copa frondosa, o oiti possui flores pequenas e brancas
que resultam numa grande quantidade de frutos por planta.
As sementes são envoltas por uma massa amarela, de forte
aroma e muito saborosa, que pode render suco e sorvete
deliciosos. Os frutos podem ter um efeito levemente laxativo
e são também bastante procurados pelos animais da natureza.
O pau d’arco, ou ipê roxo, possui madeira nobre e duríssima,
própria para construções pesadas. É também usado na
fabricação de arcos de violino ou outros instrumentos musicais.
Daí seu nome popular. A floração é numerosa e sincronizada,
rápida e anual, produzindo um espetáculo da natureza. Atrai
abelhas e pássaros, principalmente beija-flores. É uma excelente
espécie para recompor a vegetação de áreas degradadas.
As árvores adultas são tolerantes a períodos de seca.
É uma ótima planta de sombra. O tronco linheiro é usado na
fabricação de postes, estacas e na construção civil. Precisa de
boa disponibilidade de água para se desenvolver.
Os frutos devem ser coletados da árvore quando maduros
para a retirada das sementes. Podem ser levados diretamente
para o plantio, sem despolpar. Cobrir com uma camada de
1,5 centímetro de terra e regar diariamente. É uma planta de
desenvolvimento rápido.
Da casca é possível extrair substâncias de uso na medicina
popular de efeito diurético, contra fungos ou no combate
ao câncer e infecções da pele.
As sementes possuem asas e devem ser colhidas dos frutos
ainda nas árvores no momento da mudança de coloração de
verde para marrom. Os frutos devem ser espalhados em local
arejado, seco e à sombra. As sementes devem ser plantadas
logo após a coleta, pois perdem rapidamente o poder de
germinação. A semeadura pode se dar sob sol pleno ou a meia
sombra, mas as sementes devem ser plantadas superficialmente
para que a plantinha consiga nascer.
33
34
Sabiá
Umbu
Mimosa caesalpiniifolia
Spondias tuberosa
O sabiá é uma árvore nativa do Nordeste. Apesar de não
ser natural da Paraíba, povoa bem e de forma espontânea,
formando reboleiras. Ocorre naturalmente em ambientes
amenos e com grande umidade. É uma planta muito precoce
e com espinhos nos ramos.
O umbu é considerado a “árvore sagrada do sertão” por ter
raízes superficiais que formam uma batata que armazena água.
É, portanto, uma importante estratégia de sobrevivência nos
longos períodos de estiagem. Possui uma copa em forma de
guarda-chuva, com diâmetro de 10 a 15 metros. Oferece ótima
sombra. As folhas são apreciadas pelo gado bovino, caprino e
ovino. São consumidas diretamente no pé ou quando secas no
chão. O umbu perde totalmente as folhas no verão. A floração
se inicia ainda na seca. Os frutos também são muito apreciados
pelos nordestinos, sendo consumidos frescos ou na forma de
refrescos, sorvetes, doces ou na tradicional umbuzada.
A madeira é dura, compacta e muito durável, sendo bastante
usada para fazer estacas, cabo de ferramentas, caibros, mourões
e lenha. As folhas são ótimas forrageiras, pois possuem um
bom teor de proteína e energia. Por isso, é espécie valorizada na
construção de banco de proteínas para alimentação animal. As
flores são muito apreciadas pelas abelhas.
Possui crescimento rápido, desenvolve muito bem em áreas
degradadas e atua com excelência na recuperação da fertilidade
de solos. É amplamente utilizada para cercas-vivas e quebraventos. É muito cultivada para a produção de madeira, garantido
resultados positivos na geração de renda.
Na medicina caseira, a casca é usada como tônico no tratamento
da bronquite, na lavagem de ferimentos e para estancar
sangramentos.
Para multiplicação, colha os frutos quando maduros diretamente
das árvores. Leve-os ao sol para secar e facilitar o manuseio. As
sementes podem ou não ser retiradas das pequenas vagens, mas
devem ser separadas pelos seus segmentos. Deixar as sementes
dentro d‘água por 24 horas, tendo o cuidado de trocar a água
a cada seis horas, pois a casca libera muito tanino. Colocá-las
diretamente nos canteiros a meia sobra e cobrir com substrato
peneirado. Regar duas vezes ao dia. As sementes podem ser
guardadas por um ano.
Na medicina caseira, usa-se a água das batatas para o combate
de verminoses e disenterias. Já a casca é usada para aliviar
diarreias, hemorroidas e dores de garganta.
A reprodução pode se dar por estacas ou sementes. Neste
caso, coletar os frutos diretamente da árvore quando maduros.
Semear os frutos diretamente ou despolpá-los. Após a despolpa,
lavá-los e deixá-los secar à sombra. Plantar os caroços maiores
logo que colhidos para que não percam sua capacidade de
nascer. No entanto, as sementes que germinam melhor são
aquelas colhidas nos currais ou quintais, provenientes dos
estercos de caprinos, bovinos ou ovinos.
No caso do plantio por estacas, a experiência das famílias
agricultoras mostra que a melhor época para retirar a planta
é quando ela está sem folhas. As estacas devem ser cortadas
com dois metros e plantadas numa cova de meio metro de
profundidade. Dessa forma, elas levam três anos para começar
a produzir.
35
Bibliografia
CARVALHO, P. E. R.: Espécies Arbóreas Brasileiras. Brasília: Embrapa Informação
Tecnológica; Colombo, PR: Embrapa Florestas, 2003.
LORENZI, H.: Árvores Brasileiras – Manual de Identificação e Cultivo de Plantas
e Árvores Nativas do Brasil. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, Vol. I, 2002.
LORENZI, H.: Árvores Brasileiras – Manual de Identificação e Cultivo de Plantas
e Árvores Nativas do Brasil. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, Vol. II, 2002.
LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil – Nativas e Exóticas.
Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2002.
37
Realização
Parceria
Patrocínio
Fly UP