...

O que é ser gaúcho

by user

on
Category: Documents
3

views

Report

Comments

Transcript

O que é ser gaúcho
Guia Gaudério e Abagualado das Cousas do Rio Grande
O que é ser gaúcho
“Ser gaúcho é uma questão de identidade, mas não basta apenas sentir-se gaúcho. Ser
gaúcho não é apenas um estado de espírito. É preciso agir como gaúcho em todas as
situações. Para isto, é necessário estudar a história dos povos do Sul e enfronhar-se na
cultura gaúcha, assumindo e vivendo os valores gaúchos.”
Lendas gaúchas
O Negrinho do Pastoreio
No tempo dos escravos, havia um estancieiro muito ruim, que levava tudo por diante, a
grito e a relho. Naqueles fins de mundo, fazia o que bem entendia, sem dar satisfação a
ninguém. Entre os escravos da estância havia um negrinho, encarregado do pastoreio de
alguns animais, coisa muito comum nos tempos em que os campos das estâncias não
conheciam a cerca de arame: quando muito alguma cerca de pedra erguida pelos
próprios escravos, que não podiam ficar parados, para não pensar em bobagem... No
mais, os limites dos campos eram aqueles colocados por Deus Nosso Senhor: rios,
cerros, lagoas. Pois de uma feita o pobre negrinho, que já vivia sofrendo as maiores
judiarias às mãos do patrão, perdeu um animal no pastoreio. Prá quê! Apanhou uma
barbaridade atado a um palanque e depois, caindo, ainda foi mandado procurar o animal
extraviado. Como a noite vinha chegando, ele agarrou um toquinho de vela e uns avios
de fogo, com fumo e tudo saiu campeando. Mas nada! O toquinho acabou, o dia veio
chegando e ele teve que voltar para a estância. Então foi outra vez atado no palanque e
desta vez apanhou tanto que morreu, ou pareceu morrer. Vai daí, o patrão mandou abrir
a "panela" de um formigueiro e atirar lá dentro, de qualquer jeito, o pequeno corpo do
negrinho, todo lanhado de laçaço e banhado em sangue. No outro dia, o patrão foi com a
peonada e os escravos ver o formigueiro. Qual é a sua surpresa ao ver o negrinho do
pastoreio vivo e contente, ao lado do animal perdido. Desde aí o Negrinho do Pastoreio
ficou sendo o achador das coisas extraviadas. E não cobra muito: basta acender um
toquinho de vela ou atirar num canto qualquer um naco de fumo.
1
Guia Gaudério e Abagualado das Cousas do Rio Grande
Boitatá
Em tempos mui antigos, que as gentes mal se lembram, houve um grande dilúvio, que
afogou até os cerros mais altos. Pouca gente e poucos bichos escaparam - quase tudo
morreu. Mas a cobra-grande, chamada pelos índios de Guaçu-boi, escapou. Tinha se
enroscado no galho mais alto da mais alta árvore e lá ficou até que a enchente deu de si
as águas começaram a baixar e tudo foi serenando, serenando... Vendo aquele mundaréu
de gente e de bichos mortos, a Guaçu-boi, louca de fome, achou o que comer. Mas coisa estranha! - só comia os olhos dos mortos. Diz-que os viventes, gente ou bicho,
quando morrem guardam os olhos a última luz que viram. E foi essa luz que a Guaçuboi foi comendo, foi comendo... E aí, com tanta luz dentro, ela foi ficando brilhosa, mas
não de um fogo bom, quente e sem de uma luz fria, meio azulada. E tantos olhos comeu
e tanta luz guardou, que um dia a Guaçu-boi arrebentou e morreu, espalhando esse
clarão gelado por todos os rincões. Os índios, quando viram aquilo, assustavam-se, não
mais reconhecendo a Guaçu-boi. Diziam, cheios de medo: "Mboi-tatá! Mboi-tatá!", que
lá na língua deles quer dizer: Cobra de fogo! Cobra de fogo! E até hoje o Boitatá anda
errante pelas noites do Rio Grande do Sul. Ronda os cemitérios e os banhados, e de
onde sai para perseguir os campeiros. Os mais medrosos disparam, mas para os valentes
é fácil: basta desaprilhar o laço e atirar a armada em cima do Boitatá. Atraído pela
argola do laço, ele se enrosca todo, se quebra e se some.
São Sepé
Sepé era um índio valente e bom, que lutou contra os estrangeiros para defender a terra
das missões. Ele era predestinado por Deus e São Miguel: tinha nascido com um lunar
na testa. Nas noites escuras ou em pleno combate, o lunar de Sepé brilhava, guiando
seus soldados missioneiros. Quando ele morreu, vencido pelas armas e o número de
portugueses e espanhóis, Deus Nosso Senhor retirou de sua testa o lunar, que colocou
no céu do pampa para ser o guia de todos os gaúchos - é o Cruzeiro do Sul.
2
Guia Gaudério e Abagualado das Cousas do Rio Grande
Quero-Quero
Quando a Sagrada Família fugia para o Egito, com medo das espadas dos soldados do
rei Herodes, muitas vezes precisou se esconder no campo, quando os perseguidores
chegavam perto. Numa dessas vezes, Nossa Senhora, escondendo o Divino Piá, pediu a
todos os bichos que fizessem silêncio, que não cantassem, porque os soldados do rei
podiam ouvir e dar fé. Todos obedeceram prontamente, mas o Quero-quero, não:
queria-porque-queria cantar. E dizia: Quero! Quero! Quero! E tanto disse que foi
amaldiçoado por Nossa Senhora: ficou querendo até hoje.
Expressões Gaudérias
A la cria
Ao Deus-dará, à aventura. Foi-se a la cria, significa foi-se embora, foi-se ao Deus-dará,
caiu no mundo.
A la pucha
Exprime admiração, espanto.
A laço e espora
Com muita dificuldade, com muito esforço, vencendo grandes obstáculos.
À meia guampa
Meio embriagado, levemente ébrio.
Agüentar o tirão
Topar a parada, sustentar com brio uma opinião.
Andar com a barriga no espinhaço
Andar com fome, magro, desnutrido.
Andar com a cincha na virilha
Necessitar urgentemente de dinheiro, estar em grande apertura financeira.
3
Guia Gaudério e Abagualado das Cousas do Rio Grande
Andar como cachorro que roubou toucinho
Andar ressabiado, arredio, desconfiado. O mesmo que "Andar como cachorro que
lambeu graxa".
Andar como pau de enchente
Andar de um lado para outro, ao sabor dos acontecimentos.
Andar cortando arame com os dentes
Andar sem dinheiro.
Arrastar a asa
Paquerar.
Bacalhau de porta de venda
Pessoa muito magra, esmirrada, demasiadamente seca.
Bater as botas
Morrer
Berrar como um touro
Falar forte e corajosamente, desafiando os opositores.
Boi manso é que arromba a porteira
Em sentido figurado, diz-se do indivíduo de boas maneiras que consegue passar por
bom, quando na verdade não o é.
Botar a cola no lombo
Disparar, fugir.
Botar os cachorros
Atiçar os cachorros. || Em sentido figurado, falar mal de alguém.
Cabeça de passarinho
4
Guia Gaudério e Abagualado das Cousas do Rio Grande
Diz-se de pessoa distraída, leviana, desatenta, irresponsável.
Cair de costas
Ficar extremamente surpreendido com alguma notícia.
Cair na vida
Prostituir-se.
Cavalo dado não se olha o pêlo
Para receber um presente ou favor não se impõem condições.
Cerrar a noite
Escurecer
Cerrar o tempo
Ameaçar chuva. || Em sentido figurado, haver briga, luta, conflito.
Chegar a jeito
Abordar o assunto com boas maneiras, na ocasião oportuna, a fim de conseguir o
pretendido.
Cheirar a defunto
Haver perigo iminente de um conflito de conseqüências graves.
Chorar pitanga
Queixar-se sem motivo. Lamuriar-se.
Com o pé no estribo
Prestes a partir.
Cor de burro quando foge
Diz-se de uma cor, com intenção depreciativa.
5
Guia Gaudério e Abagualado das Cousas do Rio Grande
Daí Tchê
Oi.
Dar a lonca
Deixar-se surrar, dar o couro, apanhar. || Morrer.
Dar carão
Negar-se a moça a dançar quando convidada pelo rapaz, ou vice-versa.
Dar com os burros n´água
Ser mal sucedido.
De charola
Com acompanhamento de muitos admiradores.
De laço a laço
Em toda a extensão.
De orelha em pé
De sobreaviso, atento.
De vereda
Imediatamente, de momento, de uma vez.
Desabar o tempo
Chover forte.
Descambar a madeira
Surrar, espancar. || Em sentido figurado, atacar, censurar, criticar, falar mal de alguém.
|| O mesmo que meter o pau
Dobrar o cotovelo
Beber, levantar o copo à boca.
6
Guia Gaudério e Abagualado das Cousas do Rio Grande
Elas por elas
Uma coisa pela outra. O mesmo que na orelha, de mano, ou de mano a mano.
Em cima do laço
Imediatamente, em seguida, ao pé da letra.
Em quatro paletadas
Em pouco tempo, rapidamente, com facilidade.
Embarrar o pastel
Estragar o que estava bom. Pôr um plano a perder.
Encostar o relho
Surrar, esbordar, castigar, bater de relho.
Enfiar água no espeto
Trabalhar inutilmente.
Enfrenar mal o cavalo
Ser mal sucedido.
Enrolar o poncho
Preparar-se para viajar.
Entregar as fichas
Entregar-se, ceder, concordar.
Entreverar os pelegos
Casar-se, ajuntar-se com mulher.
7
Guia Gaudério e Abagualado das Cousas do Rio Grande
Esconder o leite
Negar a pessoa o que havia prometido ou o que se esperava dela. || Dissimular. ||
Mostrar-se medroso.
Espalhar o pé
Dançar. || Fugir.
Estar com o diabo no corpo
Estar furioso. Estar insuportável.
Farejar catinga agourenta no ar
Pressentir acontecimento desagradável.
Fazer a viagem do corvo
Sair e demorar muito a regressar.
Fazer boca
Comer alguma coisa para que o vinho fique com melhor sabor. || Fazer alguma coisa
como início de uma ação mais importante.
Fazer corpo de cobra
Mostrar grande agilidade ao defender-se de ataque de arma branca. || O mesmo que
fazer corpo de mico.
Fazer costado
Ajudar, colocar-se ao lado de outro.
Fazer-se de chancho rengo
Fazer-se de desentendido. Fazer-se de tolo.
Fazer-se fumaça
Desaparecer, fugir, ir embora.
8
Guia Gaudério e Abagualado das Cousas do Rio Grande
Filho de tigre sai pintado
Tal pai, tal filho; o filho se assemelha ao pai.
Fincar as guampas no inferno
Morrer (aplica-se em relação a pessoa indesejável).
Flor e flor
Duplamente bom.
Ganhar de mano
Anteceder-se na disputa de determinada coisa; chegar em primeiro lugar para pedir o
que se deseja.
Gastar pólvora em chimango
Desperdiçar esforços, sem proveito nenhum.
Gemer nas puas
Estar sofrendo castigo moral ou tendo aborrecimentos, em conseqüência de faltas
cometidas.
Há cachorro na cancha
Significa que há qualquer coisa atrapalhando a execução de determinado plano, assim
como um cão na raia atrapalha a corrida.
Ir aos pés
Defecar
Ir para o laço
Submeterem, as pessoas em contenda, o seu caso à apreciação judicial, quando não
conseguem solução amigável. || Ir para o castigo.
9
Guia Gaudério e Abagualado das Cousas do Rio Grande
Jogar de mano
Jogar em combinação de outrem, comprometendo-se, ambos, a dividirem entre si,
igualmente, os lucros ou prejuízos. || Jogar um contra o outro, em igualdade de
condições.
Jogar o pelego
Arriscar a vida.
Juntar o torresmo
Economizar, juntar dinheiro, enriquecer.
Juntar os trapos
Casar, amasiar-se.
Lamber a cria
Permanecer o pai em casa mimando o filho recém-nascido.
Lamber esporas
Adular, engrossar, bajular.
Lançar um pealo
Lançar uma indireta
Largar campo fora
Deixar que vá embora.
Largar de mão
Desistir de um empreendimento. Abandonar. Não se preocupar mais com determinado
assunto. "O velho, a conselho do médico, largou de mão o cigarro.
10
Guia Gaudério e Abagualado das Cousas do Rio Grande
Adágios Gaúchos
"Mais triste que último dia de rodeio."
"Mais quieto que guri cagado."
"Mais curto que coice de porco."
"Mais bonita que laranja de amostra."
"Mais apressado que cavalo de carteiro."
"Judiado como filhote de passarinho em mão de piá."
"Frouxo como peido em bombacha."
"Firme que nem prego em polenta."
"Fino e comprido como pio de pinto."
"Feliz que nem lambari de sanga."
"Faceiro como mosca em rolha de xarope."
"Esparramado como dedo de pé que nunca entrou em bota."
"Esfarrapado que nem poncho de gaudério."
"Encardido como peleia de caudilho."
"Mais perdido que filho da puta em dia dos pais."
"Mais perdido que cusco em procissão."
"Mais perdido que sapo em cancha de bocha."
"Mais faceiro que mosca em tampa de xarope."
"Mais cheio que corvo em carniça de vaca atolada."
"Mais comprido que cuspe de bêbado."
"Mais conhecido que parteira de campanha."
"Mais constrangido que padre em puteiro."
"Mais chato que gilete caída em chão de banheiro."
"De boca aberta que nem burro que comeu urtiga."
"Mais medroso de cascudo atravessando galinheiro."
"Mais bonita que laranja de amostra."
"Mais baixo que vôo de marreca choca."
"Mais atirado que alpargata em cancha bocha."
"Mais sofrido que joelho de freira em Semana Santa."
"Mais apertada que bombacha de fresco."
"Mais ansioso que anão em comício."
11
Guia Gaudério e Abagualado das Cousas do Rio Grande
"Feliz que nem lambari em sanga."
"Mais por fora que surdo em bingo."
"Mais angustiado que barata de ponta-cabeça."
"Mais por fora que quarto de empregada."
"Mais ligado que merda em tamanco."
"Mais assustado que véia em canoa."
"Mais faceiro que gúri de bombacha nova."
"Mais perdido que cego em tiroteio."
"Calmo que nem água de poço."
"Saracoteando mais que bolacha em boca de véia."
"Mais amontoado que uva em cacho."
"Mais pesado que sono de surdo."
"Solto que nem peido em bombacha."
"Mais curto que coice de porco."
"Firme que nem prego em polenta."
"Mai nojento que mocotó de ontem."
"Mais curto que estribo de anão."
"Mais ligado que rádio de preso."
"Mais grosso que dedo destroncado."
"Mais firme que palanque em banhado."
"Mais grosso que cintura de pato."
"Mais grosso que pino de patrola."
"Mais feio que resbalão de porco na lajota."
"Mais feio que Paraguaio baleado."
"Mais feio que coxar a mãe no tanque."
"Mais grudado que merda em tamanco de leitero."
"Mais baixo que vôo de marreca choca."
"Mais raro que enterro de anão."
"Mais sério que criança cagada."
"Mais fechado que baú de viúva."
"Mais perdido que anão em comício."
"Mais enfeitado que quarto de china."
"Mais informado que gerente de funerária."
"Mais por fora que cotuvelo de caminhoneiro."
12
Guia Gaudério e Abagualado das Cousas do Rio Grande
"Mais por fora que joelho em mine-saia."
"Mais ligado que rádio de preso."
"Mais chato que chinelo de gordo."
Jogos gaudérios
Truco
Jogo de cartas entre dois ou quatro parceiros, cada um dos quais recebe três cartas.
Quando é apenas entre duas pessoas chama-se truco de mano.
Sete em porta
Jogo de cartas, variante do monte. Joga-se com vinte e um ou mais baralhos, em uma
caixa da qual o banqueiro tira duas cartas, fazendo-se nestas as apostas.
Não ficando reservada ao banqueiro nenhuma carta, a vantagem dele consiste em pagar
apenas 50% das apostas quando a carta sai em porta, quer dizer, quando é a primeira a
ser tirada, e, além disso, em ganhar, em tal caso, o total apostado na outra carta.
Jogo do Osso
Jogo de azar em que intervem dois contendores, frente a frente numa faixa de terreno,
chamada cancha, com extensão variável de oito a 11 passos, e que consiste em
arremessar para cima um osso de jarrete de gado bovino, aparelhado em dois de seus
lados, ganhando caso o osso caia no chão com sua parte concava para cima.
13
Guia Gaudério e Abagualado das Cousas do Rio Grande
Bocha
Este jogo consiste em arremessar, desportivamente, bochas (bolas) de madeira ou de
resina sintética, sobre uma cancha de terra batida.
Numa disputa, entre duas pessoas, visa-se o lugar mais próximo ao "balim" (pequena
bocha), concorrido com arremessos de 4 bochas cada jogador e a posterior contagem
dos pontos.
Bolita
As bolinhas de gude, de inhaque, unhas ou bolitas, são o jogo por excelência dos guris
de qualquer idade.
Carreira de Boi
Diversão popular registrada em várias localidades do vale do Jacuí, a Carreira de Bois
na "talha" é uma competição de força e adestramento entre bois e touros.
Carreira de Cancha Reta
A carreira foi o esporte e o jogo de preferência do homem do pampa.
Fazia parte tanto de negócios que envolviam grandes somas de dinheiro como das
brincadeiras telúricas.
14
Guia Gaudério e Abagualado das Cousas do Rio Grande
Danças
Anú
Dança típica do fandango gaúcho. Divide-se em duas partes distintas: uma para ser
cantada e outra para ser sapateada. É dança de pares soltos mas não independentes. É
grave e viva ao mesmo tempo, na parte cantada é cerimoniosa e na sapateada realiza
evoluções bastante marcantes.
Balaio
Dança folclórica brasileira, originária do Nordeste. Trata-se de dança sapateada e, ao
mesmo tempo, de conjunto. Além do sapateio destaca-se a formação de rodas que
giram.
Cana Verde
Originária de Portugal, se tornou popular em vários estados brasileiros e adquiriu
formas locais em cada região, produzindo variantes da dança origem. Os pares postamse frente a frente, executam uma marcação de passos para os lados e após, tomados pelo
braço, giram em torno de si mesmos. Num segundo momento fazem o mesmo com os
demais dançarinos trocando de pares em evoluções através do círculo formado pelos
pares.
Caranguejo
Há referências sobre esta dança em todo o Brasil desde o século XIX. É uma dança
grave, de pares dependentes, lembrando bastante o minueto.
15
Guia Gaudério e Abagualado das Cousas do Rio Grande
Chimarrita
Dança folclórica gaúcha trazida para o Sul do Brasil pelos colonos portugueses das Ilhas
dos Açores, no século XVIII. Dança de pares em fileiras opostas.
Chimarrita Balão
Pode ser uma variação do "balão" dançado em Portugal ou do "balão faceiro", dançado
no Brasil, porém muito diferente da Chimarrita. É conhecida apenas no Litoral e no
Planalto Norte do Rio Grande do Sul.
Chula
Dança folclórica do Rio Grande do Sul, executada por homens e cuja coreografia, com
muitas sapateadas, exige grande habilidade do dançarino. A chula tradicional era
dançada da seguinte forma: Dois dançarinos ficavam frente a frente tendo entre si uma
lança de quatro metros de comprimento. Cada um dos oponentes executava uma
seqüência de difíceis passos coreográficos indo até a extremidade oposta da lança e
retornando ao seu lugar de origem.
Maçanico
Dança catarinense, das lagoas do Imaruí, nasceu para homenagear a batuíra, pesca-empé, ou maçarico, pássaro migratório que passa os verões no Sul do Brasil. Sua
corridinha para lá e para cá, à beira da lagoa, tentando pescar, inspirou alguns passos da
dança.
16
Guia Gaudério e Abagualado das Cousas do Rio Grande
Pau-de-Fitas
É tida como dança universal, pois não se consegue encontrar o ponto geográfico de
origem. Ela surge de todos os lados e em todos os povos. Provavelmente venha da
dança das fitas evidenciando as solenidades de culto às árvores entre os povos
primitivos. No Rio Grande do Sul é dançada, embora com raridade, como parte
integrante das festas de reis, em 6 de janeiro. Hoje dança-se em torno de um mastro
formando figuras com as fitas de acordo com as evoluções dos dançarinos que levam as
fitas, em duas cores, uma para os homens e outra para as mulheres, nas mãos fazendo
os entrelaçamentos.
Pezinho
Originária de Portugal e Açores é vivaz e alegre, com características de sã ingenuidade.
É a mais conhecida dança do folclore gaúcho, onde os dançarinos apresentam duas
partes: na primeira há uma marcação dos pés e na segunda os pares giram em torno de si
próprios, tomados pelo braço.
Rancheira de Carreirinha
É uma variante de rancheira, dançada grupalmente.
Ratoeira
Dança de roda, aparentando uma ciranda, própria dos açorianos catarinenses.
Roseira
Uma das danças regionais sul-riograndenses onde se percebe maior parentesco com
danças regionais de Portugal. Coreografia muito rica onde os pares dançam soltos,
outras de mãos dadas em ritmo rápido, outras há a execução de um namoro com gestos
17
Guia Gaudério e Abagualado das Cousas do Rio Grande
lentos e delicados e uma última onde, através de evoluções os homens e mulheres
trocam com todos os outros pares da roda até reencontrar seu par original.
Sarrabalho
Tem origem na Ibéria. Trata-se de um sapateado, em que os dançarinos vão
castanholando com os dedos, em pares soltos, com o homem parecendo perseguir a
mulher.
Tatu de Castanholas
Música folclórica gaúcha, cuja coreografia foi criada posteriormente utilizando-se de
sapateios já existentes em outras danças, mas que adquiriram uma forma especial
quando os pares soltos alternam sapateios e evoluções chamadas passeios.
Tatu Novo
É uma dança riograndense, criada em 1954, para homenagear a Sociedad la Criolla, que
visitava Porto Alegre. É um sapateado com a formação de círculos.
Tatu-com-volta-no-meio
Originalmente, o Tatu não tinha a "volta no meio". Consistia num sapateado de pares
soltos sem maiores características. A volta no meio foi introduzida na metade do século
XIX.
Tirana do Lenço
Dança espanhola muito difundida na América Latina, na qual os dançarinos são pares
soltos que entre passeios e sapateios dos homens e sarandeios das mulheres, agitam
pequenos lenços na indicação de uma conquista entre o homem e a mulher.
18
Guia Gaudério e Abagualado das Cousas do Rio Grande
Xote de Carreirinha
Dança folclórica gaúcha, originária do schottinh trazido pelos imigrantes alemães. Na
primeira parte da dança, os pares desenvolvem uma pequena corrida compassada, o que
deu razão ao nome da dança: carreirinha.
Xote Inglês
Dança de salão difundida nas cidades brasileiras no final do século XIX, por influência
da cultura inglesa. Começou pelos centros urbanos, executado ao piano e ganhou o
interior já executado na gaita.
Xote-de-duas-damas
É uma bonita variante do xote, em que um peão dança com duas prendas, possivelmente
reproduzindo o que acontecia na Alemanha. Na Argentina se dança o palito do mesmo
modo. Em São Paulo, na década de 1920, dançou-se um xote militar com duas damas.
Diz-se que teve origem num momento em que por causa das guerras haviam poucos
rapazes nos bailes.
19
Fly UP