...

A ameaça dos disruptores endócrinos

by user

on
Category: Documents
6

views

Report

Comments

Transcript

A ameaça dos disruptores endócrinos
A rtigo
A ameaça dos disruptores endócrinos *
Santamarta, José **
Resumo: Este artigo, publicado originalmente na edição em espanhol da revista World
Watch, é uma abordagem sobre o conteúdo do
livro Nosso Futuro Roubado. O autor resgata
aspectos centrais das pesquisas já realizadas
para alertar a todos nós que estamos sendo
vítimas de certas substâncias químicas que,
por diferentes mecanismos, estão afetando
especialmente os processos reprodutivos de
aves e mamíferos. Tais substâncias, agindo
no sistema endócrino, inclusive dos seres humanos, podem colocar em risco nossa sobrevivência como espécie.
Os chamados disruptores endócrinos (ou
burladores, fraudadores) não são venenos clássicos, eles interferem no sistema hormonal,
sabotando as comunicações e alterando os
mensageiros químicos que se movem, permanentemente, dentro do nosso corpo. Como resultado, estamos sujeitos a um conjunto de
efeitos maléficos à saúde, o que inclui anormalidades sexuais em crianças e adultos,
homens e mulheres. Nos homens, pesquisas mostram a redução drástica do número
de espermatozoides no sêmen.
Não obstante, os riscos incontroláveis dos
disruptores endócrinos, a indústria química
continua colocando no mercado, anualmente, cerca de mil novas substâncias, enquanto
a capacidade para exames e pesquisas conclusivas sobre potenciais externalidades e
18
* Texto traduzido por Francisco Roberto Caporal,
Diretor Técnico da EMATER/RS, com autorização do
autor.
** José Santamarta é revisor e editor da edição em
espanhol do livro Nosso Futuro Roubado e diretor da
edição em castelhano da revista World Watch.
Agroecol.e Desenv.Rur.Sustent.,Porto Alegre, v.2, n.3, jul./set.2001
riscos desses produtos não supera a 500 substâncias por ano. Deste modo, somente conhecemos os reais efeitos maléficos de uma minoria das 100 mil substâncias químicas sintéticas que podem, potencialmente, funcionar
como disruptores endócrinos.
Portanto, o alerta presente neste artigo
pretende ajudar na reflexão sobre nosso modo
de vida e de consumo, ademais de sugerir a
necessidade de medidas que alterem o rumo
da lógica perversa de nosso estilo de desenvolvimento e de nosso conceito de progresso.
Palavras-chave: agrotóxicos, disruptores
endócrinos, compostos sintéticos, doenças
hormonais, reprodução humana
A rtigo
1 Introdução
Numerosas substâncias químicas, como as
dioxinas, PCB's, agrotóxicos, ftalatos, alquilfenóis e o bisfenol-A, ameaçam nossa
fecundidade, inteligência e sobrevivência.
Em 1962, o livro de Rachel Carson, Primavera Silenciosa, deu o primeiro aviso de que
certos produtos químicos artificiais haviam
se difundido por todo o planeta, contaminando praticamente a todos os seres vivos, até
nas terras virgens e mais remotas. Aquele
livro, que se constituiu num marco destes
estudos apresentou provas do impacto que
estas substâncias sintéticas causavam sobre
as aves e fauna silvestre. Entretanto, até agora, não tínhamos sido advertidos sobre as plenas conseqüências desta absurda invasão,
que está transtornando o desenvolvimento
sexual e a reprodução, não só de numerosas
populações de animais, senão que, também,
dos seres humanos.
Nosso Futuro Roubado, escrito por Theo
Colborn, Dianne Dumanoski e Pete Myers1,
reuniu, pela primeira vez, as alarmantes evidências, obtidas em estudos de campo, experimentos de laboratório e estatísticas humanas, para tratar em termos científicos, mas
acessíveis para todos, o caso deste novo perigo. Este livro começa onde terminou a Primavera Silenciosa, revelando as causas primeiras dos sintomas que tanto alarmaram a
Rachel Carson. Baseando-se em décadas de
pesquisa, os autores apresentam um impressionante informe que segue a pista de defeitos congênitos, anomalias sexuais e falhas na
reprodução, evidenciados em populações silvestres, até encontrar sua origem: substâncias químicas que substituem os hormônios
naturais, transtornando os processo normais
de reprodução e desenvolvimento.
Os autores de Nosso Futuro Roubado estudaram a pesquisa científica que relaciona
estes problemas com os "disruptores endócrinos", agentes químicos que dificultam a re-
produção dos adultos e ameaçam com graves
perigos seus descendentes em fase de desenvolvimento. Explicam como estes contaminantes chegaram a converter-se em parte
integrante da nossa economia industrial, difundindo-se com assombrosa facilidade por
toda a biosfera, do Equador aos pólos. E estudam o que podemos e devemos fazer para combater este perigo onipresente. Nosso Futuro
Roubado, como afirma Al Gore, ex-vice-presidente dos Estados Unidos e autor do prólogo,
é um livro de importância transcendental, que
nos obriga a pensar em novas perguntas sobre as substâncias químicas sintéticas que
temos espalhado por toda a Terra.
2 Os disruptores endócrinos
Um grande número de substâncias químicas artificiais que foram colocados no meio
ambiente, assim como algumas substâncias
naturais, tem o potencial para perturbar o sistema endócrino dos animais, inclusive os dos
seres humanos. Entre elas se encontram
substâncias persistentes, bioacumulativas e
organohalógenas, que incluem alguns agrotóxicos (fungicidas, herbicidas e inseticidas)
e as substâncias químicas industriais, outros
produtos sintéticos e alguns metais pesados.
Muitas populações de animais já foram afetadas por estas substâncias. Entre estas repercussões, figuram a disfunção da tireóide
em aves e peixes; a diminuição da fertilidade
em aves, peixes e crustáceos e mamíferos; a
diminuição do sucesso da incubação em aves,
peixes e tartarugas; graves deformidades de
nascimento em aves, peixes e tartarugas;
anormalidades metabólicas em aves, peixes
e mamíferos; anormalidades de comportamento em aves; desmasculinização e feminilização de peixes, aves e mamíferos machos; desfeminilização e masculinização de
peixes e aves fêmeas; e o perigo para os sistemas imunológicos de aves e mamíferos.
Os disruptores endócrinos interferem no
19
Agroecol.e Desenv.Rur.Sustent.,Porto Alegre, v.2, n.3, jul./set.2001
A rtigo
funcionamento do sistema hormonal, mediante algum dos três mecanismos seguintes:
substituindo os hormônios naturais; bloqueando a ação hormonal; aumentando ou diminuindo os níveis de hormônios naturais. As
substâncias químicas disruptoras endócrinas
não são venenos clássicos, nem carcinogênicos típicos. Funcionam por regras diferentes.
Algumas substâncias químicas hormonalmente ativas apresentam pouco risco de câncer. Nos níveis em que se encontram normalmente no nosso ambiente, as substâncias
químicas disruptoras hormonais não matam
células nem atacam o ADN. Seu objetivo são
os hormônios, os mensageiros químicos que
se movem constantemente dentro da rede de
comunicação do corpo.
As substâncias químicas sintéticas hormonalmente ativas são como delinqüentes da
autopista da informação biológica, que sabotam as comunicações vitais. Atacam os mensageiros e os substituem, ocupando seu lugar.
Mudam de lugar os sinais. Misturam as
mensagens. Plantam desinformação. Causam
toda a classe de estragos. Dado que as mensagens hormonais organizam muitos aspectos decisivos do desenvolvimento animal, desde a diferenciação sexual até a organização
do cérebro, as substâncias químicas disruptoras hormonais representam um perigo
muito especial antes do nascimento e nas
primeiras etapas da vida. Os disruptores endócrinos podem pôr em perigo a sobrevivência de espécies inteiras e, provavelmente, a
longo prazo, da própria espécie humana.
As pautas dos efeitos dos disruptores endócrinos variam de uma espécie para outra e
de uma substância para outra. No entanto,
podem ser formuladas quatro hipóteses gerais:
20
a) As substâncias químicas que preocupam
podem ter efeitos totalmente distintos sobre
o embrião, o feto e o organismo perinatal, em
Agroecol.e Desenv.Rur.Sustent.,Porto Alegre, v.2, n.3, jul./set.2001
relação ao adulto;
b) Os efeitos se manifestam com maior freqüência nos filhos do que no progenitor exposto;
c) O momento da exposição no organismo
em desenvolvimento é decisivo para determinar seu caráter e seu potencial futuro;
d) Ainda que a exposição crítica ocorra durante o desenvolvimento embrionário, as
manifestações óbvias podem não se produzir
até a maturidade.
Os disruptores endócrinos podem
pôr em perigo a sobrevivência de
espécies inteiras e, a longo prazo,
da própria espécie humana.
A espécie humana carece de experiência
evolutiva com estes compostos sintéticos.
Estes imitadores artificiais dos estrógenos
diferem em aspectos fundamentais dos estrógenos vegetais. Nosso organismo é capaz de
descompor e excretar os imitadores naturais
dos estrógenos, mas muitos dos compostos
artificiais resistem aos processos normais de
decomposição e se acumulam no organismo,
submetendo humanos e animais a uma contaminação de baixo nível mas de longa
duração. Esta forma de contaminação crônica por substâncias hormonais não tem precedentes em nossa história evolutiva e, para
adaptar-se a este novo perigo nos faltariam
milênios e não décadas de evolução.
A indústria química prefere pensar que,
uma vez que já existem na natureza tantos
estrógenos naturais, como a soja, não há por
que preocupar-se com compostos químicos sintéticos que interferem nos hormônios. Entretanto, é importante ter em mente as diferenças que existem entre os impostores hormonais naturais e os agressores sintéticos. Os
A rtigo
Muitos dos compostos artificiais
imitadores hormonais artificiais supõem um
perigo muito maior que os compostos naturais, porque podem persistir no corpo durante
anos, enquanto que os estrógenos vegetais
podem ser eliminados em um dia.
Ninguém sabe ainda que quantidades destas substâncias químicas disruptoras endócrinas são necessárias para que representem
perigo para o ser humano. Os dados indicam
que poderiam ser quantidades muito pequenas, se a contaminação ocorre antes do nascimento. No caso das dioxinas, estudos recentes têm demonstrado que a contaminação por
ínfimas doses já é perigosa.
A maioria de nós leva várias centenas de
substâncias químicas persistentes em nosso
organismo, entre elas muitas que foram identificadas como disruptores endócrinos. Por
outro lado, as levamos em concentrações que
multiplicam por milhares os níveis naturais
dos estrógenos livres, isto é, estrógenos que
não estão enlaçados com proteínas
sangüíneas e que são, portanto, biologicamente ativos.
Se descobriu que quantidades insignificantes de estrógenos livres podem alterar o curso do desenvolvimento do útero, em quantidades tão insignificantes como um décimo de
parte por milhão. As substâncias químicas
disruptoras endócrinas podem atuar juntas e,
pequenas quantidades, aparentemente insignificantes, de substâncias químicas individuais, podem ter um importante efeito acumulativo. A descoberta de que podem existir substâncias químicas que alteram o sistema
hormonal em lugares inesperados, inclusive
em alguns produtos que se consideravam biologicamente inertes, como os plásticos, coloca em xeque as idéias tradicionais sobre a
contaminação por estes químicos.
3 Os efeitos sobre os seres humanos
Os seres humanos também foram afetados pelos disruptores endócrinos. O efeito do
resistem aos processos normais de
decomposição e se acumulam no
organismo, submetendo humanos e
animais a uma contaminação de
baixo nível mas de longa duração
DES (dietilestilbestrol), um agente estrogênico, foi apenas um claro aviso. O risco do câncer é insuficiente porque as substâncias químicas podem causar graves efeitos à saúde,
distintos do câncer. Causa grande preocupação a crescente freqüência de anormalidades
genitais em crianças, como: testículos não
descendidos (criptorquidia), pênis sumariamente pequenos, além de hipospadias, um
efeito no qual a uretra que transporta a urina
não se prolonga até o final do pênis. Nas zonas de cultivo intensivo na província de Granada (Espanha), onde se usa o endosulfan e
outros pesticidas, foram registrados 360 casos de criptorquidias. Alguns estudos com
animais indicam que a exposição a substâncias químicas hormonalmente ativas, durante o período pré-natal ou na idade adulta, aumenta a vulnerabilidade a tipos de câncer
sensíveis aos hormônios, como os tumores
malignos na mama, próstata, ovários e útero.
Entre os efeitos dos disruptores endócrinos
está o aumento dos casos de câncer de testículo e de endometriosis, uma doença na qual
o tecido que normalmente recobre o útero se
move, misteriosamente, para o abdome, os
ovários, a vagina ou para o intestino, provocando crescimentos que causam dor, abundantes hemorragias, infertilidade e outros
problemas.
O sinal mais espetacular e preocupante de
que os disruptores endócrinos podem já ter
cobrado um alto preço se encontra nos relatórios que indicam que a quantidade e mobilidade dos espermatozóides dos homens caiu
21
Agroecol.e Desenv.Rur.Sustent.,Porto Alegre, v.2, n.3, jul./set.2001
A rtigo
em queda livre nos últimos cinqüenta anos.
O estudo inicial, realizado por uma equipe da
Dinamarca, liderada pelo doutor Niels Skakkebaek e publicado no Bristish Medical
Journal, em setembro de 1992, descobriu que
a quantidade média de espermatozóides masculinos havia caído 45%, de uma média de
113 milhões por mililitro de sêmen, em 1940,
para apenas 66 milhões por ml, em 1990. Ao
mesmo tempo, o volume de sêmen ejaculado
havia caído 25%, razão pela qual a queda real
na quantidade de espermatozóides havia sido
de 50%. Durante este período, havia triplicado
o número de homens que tinham quantidades extremamente baixas de espermatozóides, da ordem de 20 milhões/ml. Na Espanha,
se passou de uma média de 336 milhões de
espermatozoides por ejaculação, em 1977,
para 258 milhões, em 1995. Esta queda ameaça à capacidade fertilizadora masculina. Se
continuar esta tendência de queda, dentro de
50 anos, os homens poderiam ser incapazes
de se reproduzir de forma natural, tendo que
depender de técnicas de inseminação artificial ou de fecundação "in vitro".
Dentro de 50 anos, os homens
poderiam ser incapazes de se
reproduzir de forma natural,
tendo que depender de técnicas
de inseminação artificial ou de
fecundação "in vitro"
22
A exposição pré-natal a substâncias químicas imitadoras de hormônios pode estar exacerbando também o problema médico mais
comum que afeta o homens ao envelhecer: o
crescimento doloroso da glândula prostática
(próstata), que dificulta a excreção da urina
e, freqüentemente, requer intervenção cirúr-
Agroecol.e Desenv.Rur.Sustent.,Porto Alegre, v.2, n.3, jul./set.2001
gica. Nos países ocidentais, 80% dos homens
apresentam sinais desta enfermidade aos 70
anos e, 45% dos homens sofrem um grave
crescimento da próstata. Nas últimas décadas, ocorreu um espetacular aumento desta
doença.
A experiência com o DES (dietilestilbestrol)
e os estudos com animais sugerem, também,
uma vinculação entre as substâncias químicas disruptoras endócrinas e vários problemas
de reprodução nas mulheres, especialmente
abortos, gestações ectópicas e endometriose.
A endometriose afeta, hoje em dia, cinco milhões de mulheres americanas. No início do
século XX, a endometriose era uma doença
quase desconhecida. As mulheres que padecem de endometriose têm níveis mais elevados de PCB's no sangue que as mulheres que
não apresentam esta enfermidade. Diferentes estudos concordam em afirmar que entre
60% e 70% das gravidezes são perdidas na fase
embrionária inicial e outros 10% terminam
nas primeiras semanas por aborto espontâneo.
Mas a tendência sanitária mais alarmante, especialmente para as mulheres, é a crescente taxa de câncer da mama, que é o câncer
feminino mais comum. Desde 1940, nos primórdios da química, as mortes por câncer de
seio aumentaram nos Estados Unidos em um
por cento ao ano e se sabe de aumentos semelhantes em outros países industrializados.
4 A indústria química
Nosso Futuro Roubado abre um novo horizonte que, muito provavelmente, conclua
com novos tratados internacionais, assim
como ocorreu com os CFC's, que afetam a camada de ozônio, mesmo contra a posição das
indústrias químicas. Atualmente, podemos
encontrar no mercado umas 100 mil substâncias químicas sintéticas. Cada ano são
introduzidas mil novas substâncias, a maioria sem nenhuma verificação ou revisão ade-
A rtigo
quada. No melhor dos casos, as instalações
de verificação e teste existentes no mundo
podem submeter à prova unicamente 500
substâncias por ano. Na realidade, só uma
pequena parte desta cifra é submetida a provas. Já foram identificados 51 produtos químicos que alteram o sistema hormonal, mas
se desconhecem os possíveis efeitos hormonais da grande maioria. Um dos aspectos mais
inquietantes dos disruptores endócrinos é que
alguns de seus efeitos se produzem com doses muito baixas.
As normas atuais, que regulamentam a
comercialização dos produtos químicos sintéticos, se desenvolveram sobre a base do risco
de câncer e de graves problemas de nascimento e se calculam estes riscos tendo como referência um jovem masculino de 70 Kg de
peso. Não é levada em consideração a especial vulnerabilidade das crianças antes do nascimento e nas primeiras etapas da vida, nem
os efeitos no sistema hormonal. As normas
oficiais e os métodos de teste da toxidade avaliam, atualmente, cada substância química
por si mesma, enquanto que no mundo real,
encontramos complexas misturas de substâncias químicas. Nunca existe uma sozinha. Os
estudos científicos mostram com claridade
que as substâncias químicas podem interagir
ou podem agir juntas para produzir um efeito
superior ao que produziriam individualmente (sinergia). As leis atuais ignoram estes
efeitos aditivos ou interativos.
Os fabricantes, por sua vez, utilizam as leis
sobre segredos comerciais para negar acesso
público às informações sobre a composição de
seus produtos. Deste modo, se os fabricantes
não colocam rótulos completos em seus produtos, os consumidores não terão a informação que necessitam para proteger-se de produtos hormonalmente ativos. Em alguns casos, as substâncias químicas podem se decompor em substâncias potencialmente mais
perigosas que a substância química original.
A indústria química trata de desacreditar
as conclusões de Nosso Futuro Roubado, do
mesmo modo que até bem pouco tempo fazia
com respeito aos CFCs, ou como as campanhas da indústria do fumo, negando a relação
entre o hábito de fumar e o câncer de pulmão. A Chemical Manufacturers Association,
entidade que reúne as maiores multinacionais da indústria química, o Chlorine
Chemistry Council, o American Plastics
23
Agroecol.e Desenv.Rur.Sustent.,Porto Alegre, v.2, n.3, jul./set.2001
A rtigo
24
Council, a Society of the Plastics Industry e a
American Crop Protection Association (dos
grandes fabricantes de agrotóxicos) recolheram grande quantidade de dinheiro entre suas
associadas para lançar uma campanha contra o livro Nosso Futuro Roubado. Quando em
1962 se publicou o livro de Rachel Carson,
Primavera Silenciosa (Silent Spring), a revista da Chemical Manufacturers Association,
respondeu usando o título Silence, Miss
Carson. A indústria do cloro, agrupada no
Chlorine Council, que reúne as empresas Du
Pont, Dow, Oxychem e Vulcan, gasta, anualmente, nos Estados Unidos, 150 milhões de
dólares em campanhas de imagem e de intoxicação informativa. Na Espanha, a empresa
encarregada pelos fabricantes de PVC, de intoxicar a opinião pública com suas informações é a Burson - Marsteller.
Trinta e cinco anos depois, a mesma indústria que quase acabou com a camada de
ozônio, que ocasionou o acidente de Bhopal e
que fabrica milhares de substâncias tóxicas,
enfrenta agora o desafio de Nosso Futuro Roubado. As empresas Burson-Marsteller, Edelman e Hill & Knowlton, dedicadas à lavagem
Agroecol.e Desenv.Rur.Sustent.,Porto Alegre, v.2, n.3, jul./set.2001
da imagem da indústria do fumo, do PVC e de
empresas contaminantes, muitas delas do
setor químico, realizam campanhas de "intoxicação" contra os pesquisadores, jornalistas
e ONGs, tratando de impedir, ou ao menos
reduzir, os efeitos de livros como Nosso Futuro Roubado e dezenas de estudos científicos,
relatórios e artigos, sobre os efeitos das substâncias químicas que funcionam como disruptores endócrinos.
Uma boa prova do quanto são corretas as
conclusões do livro Nosso Futuro Roubado é
que o governo dos Estados Unidos gasta de 20
a 30 milhões de dólares, em 400 projetos, para
analisar os efeitos das substâncias químicas
no sistema endócrino. O objetivo da Agência
de Meio Ambiente (EPA) dos EUA é desenvolver toda uma estratégia para pesquisar e submeter à prova 600 agrotóxicos e 72.000 substâncias químicas de uso comercial nos Estados Unidos, com a finalidade de verificar seus
efeitos como possíveis disruptores endócrinos. A National Academy of Sciences dos Estados Unidos realizou um amplo estudo para
aprofundar os conhecimentos sobre os perigos dos disruptores endócrinos. É difícil o mês
A rtigo
O Governo dos Estados Unidos
gasta de 20 a 30 milhões de
em que não se publica algum artigo, nas mais
prestigiosas revistas científicas, confirmando e aprofundando sobre os riscos das substâncias químicas.
O mercado mundial de agrotóxicos representou 2 milhões de toneladas em 1999 e incluía 1.600 substâncias químicas. O consumo mundial de agrotóxicos continua crescendo. Os agrotóxicos são uma classe especial de
substâncias químicas, na medida em que são
biologicamente ativos por desenho e se dispersam intencionalmente no ambiente. Hoje
em dia se usam nos Estados Unidos 30 vezes
mais agrotóxicos sintéticos do que em 1945.
Neste mesmo período, o poder biocida por quilo destes venenos foi multiplicado por 10. Hoje,
35% dos alimentos consumidos têm resíduos
detectáveis de agrotóxicos. Os métodos de
análise, entretanto, só têm capacidade para
detectar um terço dos mais de 600 agrotóxicos em uso. A contaminação dos alimentos
por agrotóxicos é, freqüentemente, muito superior nos países em desenvolvimento.
5 Recuperar Nosso Futuro Roubado
Defender-nos de todos estes riscos, requer
a ação de várias frentes, com a intenção de
eliminar as novas fontes de disruptores endócrinos e minimizar a exposição a poluentes
que interferem no sistema hormonal e que
agora estão no meio ambiente. Para isto, será
necessário mais pesquisa científica, redesenho das substâncias químicas, dos processos
de produção e dos produtos das empresas; novas políticas governamentais e esforços pessoais para protegermos a nós mesmos e a
nossas famílias. A agricultura ecológica, sem
agrotóxicos e outras substâncias químicas, é
uma alternativa sustentável e viável. (grifo
do tradutor).
Com 100 mil substâncias químicas sintéticas no mercado, em todo o mundo, e mais
mil novas substâncias a cada ano, há pouca
esperança de descobrir como afetarão os e-
dólares, em 400 projetos, para
analisar os efeitos das substâncias
químicas no sistema endócrino
cossistemas e quais serão seus efeitos para
os seres humanos e outros seres vivos, até
que os danos já tenham ocorrido. É necessário reduzir o número de substâncias químicas que se usam em um determinado produto e fabricar e comercializar somente aquelas substâncias químicas que possam ser detectadas facilmente com a tecnologia atual e
cuja degradação no meio ambiente seja conhecida. Estas substâncias não alteraram a
estrutura genética básica da nossa humanidade. Eliminem-se os disruptores presentes
na mãe e no útero e as mensagens químicas
que guiam o desenvolvimento poderão chegar outra vez sem obstáculos. Não obstante, a
proteção da próxima geração dos efeitos dos
disruptores endócrinos requererá uma vigilância de anos e, inclusive, de décadas, porque as doses que chegam ao feto dependem
não somente do que ingere a mãe durante a
gravidez, senão que também dos poluentes
persistentes acumulados na gordura corporal
até este momento da sua vida. As mulheres
transferem esta reserva química acumulada
durante décadas a seus filhos, durante a gestação e durante a amamentação.
O sistema atual dá por suposto que as substâncias químicas são inocentes, até que se
demonstre o contrário. O ônus da prova deve
atuar de modo contrário, porque o enfoque
atual, a presunção de inocência, fez com que
muitas vezes tivéssemos efeitos maléficos
sobre a saúde das pessoas e danos aos ecossistemas. As provas que surgem sobre as
substâncias químicas hormonalmente ativas
devem ser utilizadas para identificar àquelas
que apresentam maior potencial de risco a
fim de eliminá-las do mercado. Cada novo produto deve ser submetido a estes testes, antes
25
Agroecol.e Desenv.Rur.Sustent.,Porto Alegre, v.2, n.3, jul./set.2001
A rtigo
de que se permita que seja levado ao mercado. A avaliação do risco é utilizada hoje para
manter os produtos perigosos no mercado até
que se demonstre que são culpados. As políticas internacionais e nacionais deveriam basear-se no princípio da precaução. Uma política adequada para reduzir a ameaça das substâncias químicas que alteram o sistema
hormonal requer a proibição imediata de agrotóxicos como o endosulfan e o metoxicloro,
assim como fungicidas como a vinclozolina e
herbicidas como a atrazina, os alquilfenóis,
os ftalatos e o bisfenol-A.
Para evitar a geração de dioxinas, é necessária a eliminação progressiva do PVC, do
percloroetileno, de todos os agrotóxicos
clorados, assim como o branqueamento da
pasta de papel com uso do cloro e a incineração de resíduos.
6 Para conhecer as substâncias
químicas que funcionam como
disruptores endócrinos
Entre as substâncias químicas que apre-
26
Agroecol.e Desenv.Rur.Sustent.,Porto Alegre, v.2, n.3, jul./set.2001
sentam efeitos disruptores sobre o sistema
endócrino figuram:
– as dioxinas e furanos, que são geradas a partir da produção de cloro e compostos clorados,
como o PVC, os agrotóxicos clorados, o branqueamento da pasta de papel e a incineração
de resíduos;
– as PCBs - atualmente proibidas. As concentrações em tecidos humanos permanecem
constantes nos últimos anos, ainda que a
maioria dos países industrializados tenham
parado a produção de PCBs há mais de uma
década. Isto ocorre porque dois terços das
PCBs produzidas em todas as épocas continuam em uso nos transformadores e outros equipamentos elétricos e, por conseguinte, podem
ser objeto de liberação acidental. Na medida
em que vão ascendendo na cadeia alimentar,
a concentração de PCB's nos tecidos animais
pode aumentar até 25 milhões de vezes.
– Numerosos agrotóxicos, alguns proibidos e
outros em uso, como o DDT e seus produtos
de degradação, o lindane, o metoxicloro, piretróides sintéticos, herbicidas de triazina,
A rtigo
kepona, dieldaim, vinclozolina, dicofol e
clordane, entre outros;
– O agrotóxico Endosulfan, de amplo uso na
agricultura, apesar de estar proibido em muitos países;
– O HCB (hexaclorobenzeno), usado em sínteses orgânicas, como fungicida para tratamento de sementes e como preservador de madeira;
– Os ftalatos, utilizados na fabricação de PVC.
Cerca de 95% do DEHP (di-2etilexil-ftalato) se
utiliza na fabricação de PVC;
– Os alquilfenóis, antioxidantes presentes no
poliestireno modificado e no PVC, assim como
o produto da degradação dos detergentes. O
pnonilfenol, pertencente à família de substâncias químicas sintéticas alquilfenóis. Os fabricantes acrescentam nonilfenóis ao polies-
tireno e ao cloreto de polivinila (PVC) como
antioxidante para que estes plásticos sejam
mais estáveis e menos frágeis. Um estudo
descobriu que a indústria de processamento e
embalagem de alimentos utilizava PVCs que
continham alquilfenóis. Outro informava a
descoberta de contaminação por nonilfenol em
água que havia passado por canos de PVC. A
decomposição de substâncias químicas presentes nos detergentes industriais, agrotóxicos e produtos para o cuidado pessoal, pode dar
origem, também, ao nonilfenol;
– O bisfenol-A, de amplo uso na indústria alimentícia (normalmente recobrindo o interior
de embalagens metálicas de estanho) e também por dentistas. Um dos pioneiros pesquisadores sobre os efeitos do bisfenol-A é o médico espanhol Nicolás Olea. A
7 Referências bibliográficas
ARNOLD, S.F.; KLOTZ, D.M.; COLLINS, B.M.;
VONIER, P.M.; GUILLETTE, L.J.; MCLACHLAN,
J.A. Synergistic activation of estrogen receptor with
combinations of environmental chemicals.
Science, n.272, p.1489-1492, 1996.
COLBORN, T; DUMANOSKI, D.; MYERS, J. P. Our
Stolen Future. New York: Penguin Books, 1996.
(Edición en castellano: Nuestro futuro robado, de
Theo Colborn, Dianne Dumanoski y Pete Myers
(1997); Ecoespaña y Gaia-Proyecto 2050, Madrid.)
AUGER, J.; KUNSTMANN, J.; CZYGLIK, F.;
JOUANNET, P. Decline in Semen Quality Among
Fertile Men in Paris During the Past 20 Years. New
England Journal of Medicine, v.332, n.5, p.28185, 1995.
COLBORN, T.; CLEMENT, C. (Eds.) Chemically
Induced Alterations in Sexual and Functional
Development: The Wildlife-Human Connection.
Princeton, New Jersey: Princeton Scientific
Publishing, 1992.
BERGSTROM, R. et al. Increase in Testicular Cancer
Incidence in Six European Countries: a Birth Cohort
Phenomenon. Journal of the National Cancer
Institute, v. 88, p.727-33, 1996.
COLBORN, T; SAAL, F. vom ; A. SOTO, A.
Developmental Effects of Endocrine-Disrupting
Chemicals in Wildlife and Humans. Environmental
Health Perspectives, n.101, p.378-384, 1993.
BROTONS, J.; OLEA-SERRANO, M.; VILLALOBOS,
M.; PEDRAZA, V.; OLEA, V. Xenoestrogens Released
from Lacquer Coatings in Food Cans.
Environmental Health Perspectives, v.103, n.6,
p.608-612, 1995.
CONE, M. River Pollution Linked to Sex Defects in
Fish. Los Angeles Times, 22 Septiembre 1998.
CARPENTER, C. Investigating the Next 'Silent
Spring'. U.S. News & World Report, 11 Marzo 1996.
CARLSEN, E.; GIWERCMAN, A.; KEIDING, N.;
SKAKKEBAEK, N. Evidence for Decreasing Quality
of Semen During Past 50 Years. British Medical
Journal, n.305, p.609-613, 1992.
CRISP, T.M. et al., "Environmental Endocrine
Disruption: An Effects Assessment and Analysis,"
Environmental Health Perspectives , Febrero
1998.
EDWARD V. Y. et al. Canadian Semen Quality: An
Analysis of Sperm Density Among Eleven Academic
Fertility Centers. Fertility and Sterility, Julio 1998.
FIELD, B.et al. Reproductive Effects of
Environmental Agents. Series in Reproductive
27
Agroecol.e Desenv.Rur.Sustent.,Porto Alegre, v.2, n.3, jul./set.2001
A rtigo
7 Referências bibliográficas
Endocrinology, v. 8, 1990.
GARCÍA RODRÍGUEZ, R.L. et al. Exposure to
Pesticides and Cryptochidism: Geographical
Evidence of a Possible Association. Environmental
Health Perspectives, Octubre 1996.
GILL, W.B. et al. Association of Diethylstilbestrol
Exposure in Utero with Cryptorchidism, Testicular
Hypoplasia and Semen Abnormalities. Journal
of Urology, Marzo 1979.
GINSBURG, J. et al. Residence in the London
Area and Sperm Density. Lancet, Enero 1994.
GRAY, L.; OSTBY, J. In utero 2,3,7,8
Tetrachlorodibenzo-p- dioxin (TCDD) Alters
Reproductive Morphology and Function in Female
Rat Offspring. Toxicology and Applied
Pharmacology, 1995.
GRAY, L.; KELCE, W.; MONOSSO, N.; OSTB, J.;
BIRNBAUM, L.
Exposure to TCDD During
Development Permanently Alters Reproductive
Function in Male Long Evans Rats and Hamsters:
Reduced Ejaculated Epididymal Sperm Numbers
and Sex Accessory Gland Weights in Offspring with
Normal Androgenic Status. Toxicology and
Applied Pharmacology, 131:108-118, 1995.
GUILLETTE
JR., L.J. et al.
Developmental
Abnormalities of the Gonad and Abnormal Sex
Hormone Concentrations in Juvenile Alligators from
Contaminated and Control Lakes in Florida.
Environmental Health Perspectives, Agosto, 1994.
HANNA H. S. et al. Have Sperm Densities
Declined? A Reanalysis of Global Trend Data.
Environmental Health Perspectives, nov, 1997.
HARRY FISCH, H.: GOLUBOFF, E.T. Geographic
Variations in Sperm Counts: A Potential Cause of
Bias in Studies of Semen Quality. Fertility and
Sterility, Mayo 1996
IRVINE et al. Evidence of deteriorating semen
quality in the United Kingdom: birth cohort study
in 577 men in Scotland over 11 years. British
Medical Journal, n.312, p. 467-471, 1996.
MACILWAIN, C. US Panel Split on Endocrine
Disruptors. Nature, 29 Octubre 1998.
MICHAEL D. L. What's Wrong With Our Sperm?
Time, 18 March 1996.
OLEA, N. R.; PULGAR, P. ; PEREZ, F.; OLEASERRANO, A.; RIVAS, A.; NOVILLO-FERTRELL, V.;
PEDRAZA, A. S.;
SONNENSCHEIN, C.
"Estrogenicity of resin-based composites and
sealants used in dentistry. Environmental Health
Perspectives, v.104, n.3, p.298-305, 1996.
PAJARINEN et al. Incidence of disorders of
spermatogenesis in middle-aged Finnish men,
1981-1991: two necropsy series. British Medical
Journal, n.314, 1997.
RALOFF, J. That Feminine Touch. Science News,
22 enero 1994.
RICHARD M. SHARPE, R.M.; SKAKKEBAEK, N.E.
Are Oestrogens Involved in Falling Sperm Counts
and Disorders of the Male Reproductive Tract?
Lancet, 29 Mayo 1993.
SAAL, F.S. vom; SHEEHAN, D.M. Challenging Risk
Assessment. Forum for Applied Research and
Public Policy, Otoño 1998.
SHARPE, R.M. et al. Gestational and Lactational
Exposure of Rats to Xenoestrogens Results in Reduced
Testicular
Size
and
Sperm
Production.
Environmental Health Perspectives, Diciembre
1995.
SOKOL, R.Z.
Toxicants and Infertility:
Identification and Prevention, . en E.D. Whitehead
y H.M. Nagler, eds., Management of Impotence
and Infertility (Philadelphia: J.B. Lippincott
Company, 1994).
Nature,
SOTO, A.M.; CHUNG, K.L. ; SONNENSCHEIN,
C. The pesticides endosulfan, toxaphene, and
dieldrin have estrogenic effects on human estrogensensitive cells.
Environmental Health
Perspectives , n.102, p.380-383, 1994.
KRISHNAN, A.; STATHIS, P.; PERMUTH, S.; TOKES,
L.; FELDMAN, D. Bisphenol-A: An Estrogenic
Substance is Released from Polycarbonate Flasks
During Autoclaving. Endocrinology, v.132, n.8,
p.2279-2286, 1993.
SOTO, A.M.; SONNENSCHEIN, C.; CHUNG,
K.L.; FERNANDEZ, M.F.; OLEA, N.; OLEA
SERRANO, F. The E-SCREEN assay as a tool to
identify estrogens: an update on estrogenic
environmental pollutants.
Environ Health
Perspectives, n.103(suppl 7), p.113-122, 1995.
LIPSHULTZ, L. I. The Debate Continues-The
SOTO,
JAPAN Studies Drop in Sperm Counts.
29 Octubre 1998.
28
Continuing Debate over the Possible Decline in
Semen Quality (editorial). Fertility and Sterility,
Mayo, 1996.
Agroecol.e Desenv.Rur.Sustent.,Porto Alegre, v.2, n.3, jul./set.2001
A.M.;
JUSTICA, H.;
WRAY, J.;
A rtigo
7 Referências bibliográficas
SONNENSCHEIN, C. p- Nonylphenol: A Estrogenic
Xenobiotic Released from "Modified" Polystyrene.
Environmental Health Perspectives , n. 92,
p.167-173, 1991.
TOPPARI, J. et al. Male Reproductive Health and
Environmental Xenoestrogens. Environmental
Health Perspectives, Agosto 1996.
VONIER, P. M. et al. Interaction of Environmental
Chemicals with the Estrogen and Progesterone
Receptors from the Oviduct of the American
Alligator. Environmental Health Perspectives,
Diciembre 1996.
WAELEGHEM, K. Van et al. Deterioration of Sperm
Quality in Young Healthy Belgian Men. Human
Reproduction, Febrero, 1996.
WILCOX, A. J. et al. Fertility in Men Exposed
Prenatally to Diethylstilbestrol. New England
Journal of Medicine, 25 abril 1995.
Notas
1
N.T. - A resenha do livro Nosso Futuro
Roubado foi publicada no v. 2, n. 1, da Revista
Agroecologia e Desenvolvimento Rural
Sustentável.
Notas de esclarecimento (melhor entendimento de alguns termos técnicos)
a) Alquilfenoles = Alquilfenóis e Bisfenol-A, são
produtos químicos industriais, polímeros como o
Alquilfenol Poliglicoleter e Nonilfenol Poliglicoleter,
que são usados como espalhantes adesivos; O
Bisfenol-A apresenta-se à temperatura ambiente
no estado sólido sob a forma de micropérolas,
branco, com ligeiro odor fenólico. Tem aplicações
na fabricação de resinas epóxi, poliéster e fenólicas;
fungicida na indústria têxtil; bactericida; agente
curtidor do couro; PVC; borracha; antioxidante e
estabilizante de cor para fluídos hidráulicos.
misteriosamente para o abdome, os ovários, a
vagina, a bexiga ou o intestino, provocando
crescimentos que causam dor, abundantes
hemorragias, infertilidade e outros problemas.
b) "Disruptores endócrinos" são estafadores
químicos...
=
(burladores,
fraudadores,
ludibriadores,);
g) CFCs = Clorofluorocarbonos são gases compostos
por átomos de cloro, flúor e carbono, usados como
agentes propulsores nos aerossóis, na produção da
espuma (por exemplo extintor de fogo); em
refrigeradores, condicionadores de ar. Foram
desenvolvidos na década de 30 e são a causa
principal da destruição do ozônio na estratosfera.
Os CFCs têm uma vida de aproximadamente 20100 anos e podem consequentemente continuar a
destruir o ozônio por um período longo. Uma
molécula de CFC pode resultar na perda de 100.000
moléculas do ozônio. A Lei Daudt, proibiu a utilização
desse produto no RS.
c) Organohalógenas = Organo-halógenas ou
Organo-halogenadas, são substâncias sintéticas
com potencial deletério para o sistema hormonal,
como as dioxinas, PCBs e percloroetileno.
d) DES (Dietilestilbestrol) são substâncias sintéticas,
derivadas do Estilbeno (hidrocarboneto sólido,
incolor, cujas moléculas contêm 2 anéis benzênicos
e uma insaturação; Fórm. C14H22), que têm a
atividade semelhante à de certos esteróides
hormonais usados como indutor de crescimento
em gado de corte, mas que está banida em vários
países por ser considerada cancerígena
(C18H20O2).
e) Gestações ectópicas (extra-uterinas) e
endometriose (uma doença na qual o tecido que
normalmente recobre o útero se desloca
f) PCBs = Bifenilas policloradas ou policlorados de
bifenilas são hidrocarbonetos aromáticos formados
por dois anéis benzênicos ligados, cujos derivados
clorados usados como isolantes termelétricos em
transformadores antigos, contaminam muito
landfills e lixões industriais.
h) Endosulfan, metoxicloro, vinclozolina =
Endosulfan e metoxicloro são inseticidas
classificados no grupo dos organoclorados.
Metoxicloro foi proibido no Brasil. Vinclozolina é
um fungicida atualmente registrado apenas para
uso exclusivo em feijoeiro irrigado. Antes de 1995
era também permitido em várias outras culturas.
29
Agroecol.e Desenv.Rur.Sustent.,Porto Alegre, v.2, n.3, jul./set.2001
Fly UP