...

SUPEREU: NOTAS SOBRE LEI E GOZO Paula Issberner Legey

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

SUPEREU: NOTAS SOBRE LEI E GOZO Paula Issberner Legey
SUPEREU: NOTAS SOBRE LEI E GOZO
Paula Issberner Legey
Freud nomeou o supereu como herdeiro do complexo de Édipo, mas não deixou
de notar que as coisas não se esgotavam nisso. Ao criar o termo em “O eu e o Isso”
([1923] 2007), ele falou de uma crueldade própria dessa instância psíquica e
demonstrou sua ligação com o fenômeno clínico da reação terapêutica negativa e a
pulsão de morte. Lacan, no seminário 20, “Mais, ainda”, apontou para a face paralisante
do supereu ao afirmá-lo enquanto imperativo de gozo “Nada força ninguém a gozar,
senão o superego. O superego é o imperativo de gozo – Goza!” (LACAN, 1985). Será o
superego em sua face de gozo que nos interessará aqui.
Constitui uma enorme diferença considerar o supereu como parceiro do gozo ou
considerá-lo como uma instância que veicula uma lei capaz de organizar a
subjetividade. A clínica nos ensina que nem sempre a lei é reguladora e que o gozo se
infiltra também na lei, existindo formas de satisfação pulsional que não conduzem ao
bem e ao prazer.
Lacan extraiu o conceito de gozo a partir da idéia de pulsão em Freud,
especialmente a partir da constatação clínica do além do princípio do prazer em 1920
(FREUD,1920/1996). Importante marcar que o gozo sendo equivalente à satisfação
pulsional, não é em si “bom” ou “mau”. O gozo é substância de vida, mas pode seguir
caminhos mortíferos.
Em 1923, Freud usou o termo supereu pela primeira vez para nomear uma parte
do eu que se diferencia dele, o tomando como objeto ao assumir ao mesmo tempo a
função de julgar o eu e servir como modelo para ele. O supereu, então, seria o herdeiro
do complexo de Édipo na medida mesma em que seria formado a partir da renuncia dos
desejos edípicos pela interiorização da interdição. Mas já nesse mesmo texto, Freud
indica uma outra face do supereu para além dessa função de barrar o incesto, ou seja,
para além de sua função estruturante, afirmando que ele não é completamente
consciente, e que pode ser cruel como apenas o Isso poderia ser (FREUD, 1923/2007, p.
61).
Freud não delineou de forma clara uma distinção entre ideal do eu e a instância
censora, contudo, Lacan forneceu importantes diretrizes clínicas ao traçar divergências
entre os dois. Enquanto o ideal do eu fica mais próximo de uma função organizadora,
daquilo que Lacan denominou da “metáfora paterna”, o supereu aparece mais como
uma instância observadora, que encaminha para a paralisia na medida mesma em há
uma satisfação pulsional na exigência do impossível. Neste sentido o supereu não está
de modo algum relacionado ao bom senso e à racionalidade, mas, ao contrário,
apresenta-se em seu aspecto insensato, que Freud destacou especialmente nos textos em
que trata da melancolia, do masoquismo, e da reação terapêutica negativa e mesmo da
neurose obsessiva. A questão que se coloca para nós é: que direção clínica tomar para
tratar desse impasse econômico em a culpa esmaga o sujeito, chegando ao extremo de
eclipsá-lo, independente de ele obedecer ou não ao mandato superegóico?
A pulsão a serviço do supereu
Em diversos momentos, Freud falou em uma associação entre supereu e pulsão
de morte. Em “Além do princípio do prazer” (FREUD,1920/2006), ele ainda não havia
cunhado o termo supereu, mas para teorizar Tanatos descreve situações em que pessoas
parecem perseguidas por um destino maligno: o benfeitor que depois de algum tempo é
invariavelmente abandonado por seus protegidos, o homem cujas amizades terminam
com a traição por parte do amigo, ou mesmo a mulher que se torna viúva em três
casamentos consecutivos. Aí entra a reação terapêutica negativa como uma explicação
possível. Nesse fenômeno clínico, o sujeito coloca-se na direção contrária de seu
restabelecimento, sendo a aproximação dele sentida como um verdadeiro perigo.
Na articulação freudiana, a reação terapêutica negativa seria conseqüência de um
sentimento de culpa inconsciente, ou a necessidade de punição. Freud dedicou-se em
algumas ocasiões ao estudo do sentimento de culpa atrelando-o ao supereu. O
sentimento de culpa, diz ele, pode ser recalcado, causando seus efeitos sem que seja
percebido como tal. No texto sobre o masoquismo ao tratar do masoquismo moral,
Freud (1924/2007), aponta a reação terapêutica negativa como uma forma das mais
extremas dessa patologia. Ele afirma que é pelo sofrimento causado que a neurose se
torna valiosa para certas pessoas e dá indicações de casos em que a neurose
“desaparece” justamente quando ocorre uma situação indesejável para o sujeito como
entrar em um casamento infeliz, perder seu patrimônio ou contrair uma perigosa doença
orgânica, por exemplo. Vemos, portanto, que Freud associou a necessidade de punição à
compulsão à repetição, à pulsão de morte e ao supereu.
Além do princípio do prazer e gozo superegoico
A lei pode se apresentar de várias formas na clínica. Em alguns casos, o gozo
pode ser a lei ou a lei pode ser o gozo. Freud (1923/2007, p.45), em “O eu e o isso”
comparou o supereu ao imperativo categórico kantiano visando destacar o caráter
imperativo do supereu em sua exigência compulsiva de obediência. No texto “Kant com
Sade”, Lacan (1998) se empenhou em mostrar o quanto o imperativo superegóico está
ligado ao gozo e o quanto se enlaçam, portanto, lei e gozo, através da aproximação do
imperativo categórico kantiano com a máxima sadiana que afiança o direito ao gozo.
Ele demonstra como Kant separa aquilo que seria o Bem final a ser alcançado, das
Gute, em alemão, de pequenos prazeres,bens cotidianos, wohl, que Lacan afirma como
equivalentes ao princípio do prazer. Kant separa qualquer consideração sobre o prazer,
sobre os sentimentos, sobre o pathos de maneira geral, desse Bem superior, das Gute,
cujo reconhecimento se dá pela voz da consciência, se apresentando como um
imperativo categórico. Portanto Kant separa prazer e Bem, brecha onde se instala Sade.
Para que a máxima apontada pela consciência seja uma lei universal, ela deve valer para
todos os casos, precisamente, diz Lacan, ela não deve valer em nenhum caso se não
valer para todos. Esse Bem universal kantiano deve ser algo independente de qualquer
objeto, que possibilitariam apenas uma satisfação contingente.
Em Sade, a regra universal é o gozo, é a máxima sadiana: “Tenho direito de
gozar de teu corpo, pode dizer-me qualquer um, e exercerei esse direito, sem que
nenhum limite me detenha no capricho das extorsões que me dê gosto de nele saciar”.
Lacan demonstra como a máxima sadiana atende perfeitamente às exigências da moral
kantiana pois rejeita considerações patológicas, ou seja, considerações que levem em
conta um bem ou uma paixão qualquer e, ao mesmo tempo, obedece à forma da lei
moral, pois rejeita de sua prática “toda razão que não seja de sua própria máxima”
(LACAN,1998, p.781), quer dizer, também se afirma como universal.
O imperativo categórico da lei moral e o gozo têm o mesmo caráter mudo, cego,
absoluto. Nesse sentido, podemos apontar uma ligação entre o gozo e a lei; podemos
também retomar de outro ângulo a associação entre o supereu e a pulsão de morte: no
caminho da satisfação impossível ditada pelo supereu está a destruição absoluta. No
seminário “A ética da psicanálise”, Lacan (1997) diferencia o gozo daquilo que seria o
princípio do prazer, situando seu campo no mais- além, o princípio do prazer sendo uma
barreira necessária ao gozo, que uma vez alcançado equivaleria à morte, ou seja, à
destruição absoluta. É esse gozo que o supereu visa na medida em que ignora o limite
inscrito na própria linguagem para a completude. Isso só seria obtido através de um
forçamento que ameaça romper a própria estrutura de linguagem que faz existir o
sujeito barrado. Por isso, essa satisfação liga-se necessariamente à morte, abolição do
sujeito desejante no encontro com o indizível do gozo.
Limites: lei e gozo
Freud iniciou a psicanálise supondo que era possível desfazer as formações
sintomáticas pela via da interpretação simbólica, mas percebe ao longo dos anos que as
coisas são muito mais complicadas ao dá-se conta de um obstáculo à cura que vai além
do Édipo. É o que aparece na teorização da pulsão de morte. No Seminário 20, Lacan
(1985) afirma que o direito não desconhece o gozo, ao contrário, ocupa-se dele, tratando
de reparti-lo, buscando encontrar a justa medida. Ao tratar do direito ao gozo, contudo,
o jurista não dá conta do dever ao gozo, que aparece na figura do supereu.
O gozo superegóico demonstra que de nada adianta supor que o paciente está a
favor de sua cura, e que basta comunicá-lo o significado de seu sintoma para que ele
possa caminhar para seu bem. Nesse sentido, ignorar esse gozo na clínica apenas pode
ter conseqüências desastrosas. É preciso operar em outro nível. A constatação do gozo
supergoico, parceiro da pulsão de morte, impõe limites à clínica levada em nome do pai,
uma clínica baseada no simbólico, que não leve em devida conta a satisfação pulsional.
Se por um lado o simbólico pode promover alguma organização e mediação para o
sujeito e seu desejo, também o a lei paterna falha em conter o gozo: o que Freud mesmo
já apontava de alguma forma em “O mal estar na civilização” ao falar do resto pulsional
que nunca é capturado pela civilização e que tampouco desaparece pela ação do
supereu, mas, ao contrário, se aloja nele. A lei não domina tudo; não porque precisa ser
melhorada, mas porque o resíduo pulsional não é de fato apreensível por uma lei geral.
Nesse sentido somos levados a pensar numa clínica muito mais pautada em um trabalho
com o gozo do uma que opere apenas pela via do simbólico.
BIBLIOGRAFIA
FREUD, S. Rascunho K. Em: Edição standard brasileira das obras psicológicas
completas, Vol I. Rio de Janeiro Imago, 1996.
________ Sobre o Narcisismo: Uma Introdução. Em: Edição standard brasileira das
obras psicológicas completas, Vol.XIV. Rio de Janeiro: Imago,1996.
________ Além do princípio do prazer. Em: Obras psicológicas de Freud, escritos
sobre a psicologia do inconsciente,Vol. 2. Rio de Janeiro: Imago Ed., 2006.
_______ O Eu e o Id. Em: Obras psicológicas de Freud, escritos sobre a psicologia
do inconsciente, Vol. 3. Rio de Janeiro: Imago, 2007.
_______ O problema Econômico do Masoquismo. Em: Obras psicológicas de Freud,
escritos sobre a psicologia do inconsciente, Vol. 3. Rio de Janeiro: Imago, 2007.
________ O mal estar na civilização. Em: Edição standard brasileira das obras
psicológicas completas, Vol. XXI. Rio de Janeiro: Imago,1996.
________ Por que a guerra?. Em: Edição standard brasileira das obras psicológicas
completas, Vol.XXII. Rio de Janeiro: Imago,1996.
LACAN, J. O Seminário, livro 5: As formações do inconsciente. Rio de Janeiro:
Jorge Zahar, 1999.
________ O Seminário, livro 7: A ética da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar,
1997.
________ Kant com Sade. Em: Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.
________ O Seminário, livro 10: A angústia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.
________ O Seminário, livro 20: Mais, ainda. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.
LAPLANCHE, J., PONTALIS, J.B. Vocabulário da Psicanálise. São Paulo: Martins
Fontes, 2001.
SOBRE O AUTOR
Paula Issberner Legey. Psicóloga. Mestranda em Psicanálise: Clínica e Cultura pela
Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Bolsista pelo Conselho
Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ). Especialista em
Clínica Psicanalítica pelo Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de
Janeiro (IPUB- UFRJ).
Fly UP