...

PDF

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Description

Transcript

PDF
1ª Edição
curitiba
1
Abu Fobiya • 2012
Copyright © Abu Fobiya
Editor
Deive Pazos Gerpe
Re v i s ã o
Jair Barbosa
C apa
Rico Mendonça
P r o je t o g r á f i c o e d i ag r ama ç ã o
André Carvalho
ilustrações
© Michel Borges
F i c h a C a t a l o g r á f i ca
F651b Fobiya, Abu
Branca dos Mortos e os sete zumbis / Abu Fobiya ;
ilustração de Michel Borges. -- Curitiba : Nerdbooks, 2012.
240 p. : il.
i s bn : 978-85-913277-1-3
1. Literatura brasileira. 2. Conto. I. Borges, Michel. II. Título.
C DD
© Nerdbooks, 2012
Direitos reservados. Reprodução proibida.
www.jovemnerd.com.br
869.93
Reconhecimento
Este livro se apoia sobre os ombros dos grandes
colossos do terror: Dunsany, Lovecraft, Poe, Gaiman e,
é claro, Andersen, Grimm e Perrault.
Abu Fobiya
SÃO PAULO, 2 0 1 2
3
Prefácio
Você acredita em contos de fadas?
Não?
Bom, alguma coisa me diz que até o fim deste texto
você passará a acreditar.
Já parou para pensar o que eles significam, na verdade? Os contos de fadas são nada mais do que narrativas
folclóricas, dotadas de um significado implícito, que
não precisam ser interpretadas ao pé da letra, mas que
também não devem ser descartadas – faça isso e automaticamente alguns elfos e goblins morrerão a seus pés.
Heróis, princesas mágicas, orcs e trolls não só existem de fato como fazem parte (ativamente, às vezes) de
nossas vidas. São criaturas com as quais temos que lidar no dia a dia, na escola, na faculdade, no trabalho e
até mesmo no aconchego do lar. Não satisfeitas, essas
figurinhas bizarras ainda se escondem dentro de nós,
afinal, todos temos nosso lado bruto, ogro, nossa faceta heroica, cavalheiresca, somos mentores e vilões em
ocasiões adversas e diante de pessoas distintas.
4
No passado, esses ensinamentos – do que era bom e
ruim, certo e errado – eram transmitidos a uma determinada sociedade por grandes mitos, e os contos de fadas nasceram como suas versões infantis. Serviam para
ensinar às crianças como se comportar e principalmente para mostrar a elas o que não se devia fazer. Em vez
de pedir ao filho para não confiar em estranhos, por
exemplo, já que o pequeno iria logicamente questionar
o “por quê”, os pais narravam, ao invés, a clássica fábula do lobo mau, o ente perverso, devorador de menininhos... e quem pode dizer que eles estavam mentindo?
Quando bem contadas, essas alegorias nos fazem
entender a natureza humana de forma mais ampla,
como na cena de O Mágico de Oz em que Dorothy pergunta ao Espantalho como ele é capaz de falar se não
tem um cérebro. A resposta é brilhante: “Muitas pessoas sem cérebro falam um bocado, não acha?”
BINGO!
Este é precisamente o sabor de “Branca dos Mortos
e os Sete Zumbis”.
Os contos que se revelarão nas páginas seguintes
não se resumem a estórias para entreter, declamadas
ao redor da fogueira – são peças educativas, de leitura
envolvente, revistas e adaptadas sob as influências do
mundo de hoje.
De Hans Christian Andersen a Edgard Alan Poe,
passando por H. P. Lovecraft, Neil Gaiman e os irmãos
Grimm, todas essas referências estão enfim reunidas
5
nesta obra de fantasia e mistério, montada a partir da
mente genial e perturbada do (nem tão) enigmático
Abu Fobiya. São ecos de um reino distante, que no
entanto estão, e sempre estarão, mais próximos do que
a gente imagina.
E agora, você acredita?
– Eduardo Spohr
6
7
A Confissão
8
arde da
noite.
Tempo, dinheiro e prestígio eram coisas que aquele velho tinha em abundância. Graças a seus feitos, era
respeitado por todo o reino, da família real aos mais
humildes lenhadores. Durante os longos meses de inverno que massacraram aquela terra, sua casa era uma
das únicas a receber queijos, frutos e aves frescas enviadas pelo governo. Qualquer coisa que quisesse obter ali,
desde um simples pedaço de pão às terras do próprio
rei, já se via quitada pela gratidão que todos lhe deviam.
Mesmo sendo tão afortunado, o velho se sentia ainda
mais vazio do que nos tempos de pobreza e mais miserável do que os vendedores de fósforos que morriam de
frio pelas ruas. Pois, desde que perdera o único filho, sua
vida se transformara numa tediosa espera por notícias,
que jamais chegavam, ou pelo fim, o que viesse primeiro.
Quis o destino enviá-los em comitiva.
O velho ouviu batidas vindas do andar térreo. Pegou sua antiga lamparina para iluminar o caminho,
9
desceu e abriu a porta para o xerife, que disse sem cerimônia:
“Senhor... creio que o encontramos!”
O maltratado coração do velho disparou. Ele arrumou os óculos no rosto, franziu a testa e perguntou:
“Como sabeis que é ele?”
“Fizemos o que mandaste. Apenas seguimos a trilha de sangue, até encontrarmos uma pobre viúva, cujo
marido fora assassinado. A partir do relato da desamparada mulher, pudemos encontrar o suspeito, e ele se
entregou sem a menor resistência. Contudo...”
“Contudo o quê?”
“... há algo que não encaixa na história. Pois, além
deste crime horrendo, ele ainda confessou outro, sem
sequer ter sido questionado. Simplesmente desatou a
falar, de maneira sádica, satisfeita, até prazerosa. Certamente te lembras da pobre menina dos cachinhos
dourados...”
“Claro”, respondeu o velho, lamentando-se. “A pobrezinha que foi devorada por ursos!”
“Pois bem, segundo o... hã, suspeito, não se tratou de
um simples acidente, mas de uma ação premeditada!”
O velho, que amava crianças, tirou os óculos e esfregou os olhos.
“Céus!”
“Infelizmente, meu relato não acaba aqui. O meliante afirma ainda estar ligado a diversos outros crimes, especialmente fraudes, como a dos sete gigantes
10
supostamente assassinados. Mas, em todos meus anos
de polícia, acho difícil crer que um único ser humano,
que tem no máximo 19 ou 20 anos, tenha sido capaz
de acumular tamanho currículo de perversidades, por
mais endemoniado que seja!”
“Tu não o conheces, caro xerife! Não sabes o que ele
fez comigo nem do que é capaz!”, disse o velho, pegando seu casaco e seu chapéu. “Vamos até lá, tenho contas a ajustar!”
O xerife levou o velho até o calabouço, onde os piores tipos encontrados no reino eram aprisionados. Assassinos, charlatões e adoradores do diabo dividiam
seus claustros com baratas, ratazanas e sócios corruptos, aguardando a execução em praça pública que tanto apetecia os cidadãos.
Cada passo por aqueles corredores abafados e úmidos era uma tortura para o velho. Mas sem sombra de
dúvida ele preferia ficar preso ali a encarar o que veria
a seguir. Dentro de um claustro, amarrado a uma cadeira, estava um rapaz magro, de tez morena como um
pinheiro, olhos azuis e cabelos lisos e negros, encharcados pelo suor que lhe caía sobre os olhos.
“Eu assumo daqui, xerife. Vai descansar”, ordenou
o velho.
“Por favor, lembra-te de nosso acordo!”, pediu o
xerife, tirando do bolso um enorme molho de chaves.
Abriu as grades do claustro e o velho entrou, acompanhado por dois guardas. Virou-se e fez sinal para que
11
saíssem também. Eles olharam para o chefe, em busca
de aprovação, e deixaram o ancião a sós com o marginal.
Olhou para o rapaz amarrado diante de si. Durante
vários minutos, as goteiras e a respiração eram os únicos sons que se ouvia. As lembranças dos dias felizes ao
lado do filho inundaram sua mente, mas ele conteve
as lágrimas, prendendo a respiração. Esfregando a mão
na testa, disse:
“O que houve com meu filho?”
Nenhuma resposta.
A cada palavra, o velho elevava o tom de voz:
“O que houve com meu filho!?”
Nada.
O velho percebeu que era inútil gritar.
“Que diabos estás tentando fazer?”
O rapaz jogou a cabeça para trás, mas estava apenas
tentando tirar a franja molhada de suor da frente dos
olhos. Tornou a baixar o queixo.
“Tu não vais escapar desta vez. Finalmente vais responder por todas tuas fraudes e crimes.”
Silêncio.
“O pobre gigante. Ele era meu amigo. E tu subiste
num pé de feijão até a casa dele só para matá-lo?”
O rapaz enfim reergueu o queixo, encarou o velho e
desatou a falar:
“Sim! Mas, antes disso, resolvi roubar todo o ouro
que o desgraçado possuía!” Ele mal cabia em si. “Depois roubei sua galinha que botava os ovos de ouro.
12
Preciso dizer o que eu fiz com ela?”
“Maldito, a galinha era um presente dos céus para
os homens, que poderia pôr fim à fome que há anos assola nosso reino! O que tua mente deturpada fez? Tu a
abriste querendo os ovos?”
“Abrir? Mas é claro que não! Desde quando me importo com ouro? Primeiro, eu quebrei-lhe o pescoço, e
deleitei-me ao vê-la girar desesperadamete no chão ao
redor do próprio eixo. Depois, enfiei-a num buraco e,
em seguida, ateei fogo, ha, ha, ha!”
“Ateou fogo? Que espécie de ser humano és tu?”
“Oras, tu bem sabes a resposta para essa pergunta!”
A fúria do velho estava prestes a transbordar. Ele
sentia seu coração palpitando, o braço formigando, sabia que um infarto se aproximava, mas, no fundo de
seu ser, ele não se importava mais. Viver ou morrer naquela noite era indiferente.
“E a menina dos cachinhos dourados? Também foste tu?”
“Não. Ao menos, não exatamente. Quem matou a
intrometida foram os ursos. Eu apenas disse a ela o que
encontraria na casa: três pratos de mingau, três cadeiras, três camas e ninguém para importuná-la. Quando
a pirralha entrou, eu só alertei os ursos que ela estava
lá, ha, ha, ha!”
“E a amiga dela?”
“Ah, a do capuz vermelho? Menininha irritante.
Não me admira que o pai dela tenha deixado-a sozinha
na floresta!”
13
“O que fizeste com ela?”
“Eu? Eu não fiz nada. Mas nada posso dizer pelo
lobo que seguiu minha dica, ha, ha, ha!”
“Miserável, como podes rir de uma situação dessas?
Será possível que não tens coração!?”
“Ha, ha, ha”, gargalhou o rapaz, histericamente.
“Logo TU vens me perguntar isso?”
Mais do que a confissão dos crimes, aquelas palavras fizeram o velho finalmente perder o controle. Cerrou o punho direito e desferiu um golpe no rosto do
suspeito, que urrou cuspindo sangue e dentes.
Do corredor, os guardas se prepararam para entrar,
mas foram impedidos pelo xerife.
“Isso é entre eles!”, censurou.
O velho desferiu outro golpe, depois mais outro e
mais outro, até se tornarem incontáveis como as lágrimas que finalmente se libertaram e desceram furiosamente por seu rosto.
“Tu querias chamar minha atenção?”
“Na verdade, sim, eu quer...”
“Pois conseguiste! Conseguiste! Miserável! Maníaco! Assassino!”, berrou o velho, massacrando o rapaz.
Por mais que o esmurrasse repetidamente, o velho
sentia como se estivesse num sonho, e nenhum dos socos saía com a força que refletia seu perturbado estado de espírito. E, pior, nada era capaz de tirar o sorriso
cínico do suspeito, que o mantinha mesmo depois de
perder os dentes da frente.
14
Sem se importar com o que fora acordado com o xerife, o velho o agarrou pelas cordas e o empurrou com
tudo para o lado, em cima de uma poça. Em seguida,
chutou-lhe o estômago e o viu agonizar em busca de
oxigênio enquanto a água suja espirrava em sua boca.
“Desgraçado! Por que fazes isso? Por quê? POR
QUÊ?!”
Então, a criatura disse as palavras que ecoariam na
mente do velho até sua morte:
“PORQUE EU TE ODEIO!”
Tão logo ele as pronunciou, seu sorriso cínico desapareceu e ele desabou a chorar. As lágrimas que escorriam de seus olhos azuis não eram de remorso, pois
isso era algo que não sentia desde o dia em que perdera
o grilo de sua consciência. Eram lágrimas de derrota,
envergonhadas pelo nariz que crescia em seu rosto e
já atingia quase um palmo. Dentre tantas confissões
horripilantes e verdadeiras, ele contou a única mentira
daquela noite, a maior mentira que um filho poderia
contar ao pai.
O velho Gepeto deixou o claustro, consternado.
Agradeceu ao xerife e pediu que se assegurasse de que o
criminoso jamais deixaria aquele local.
Voltou a sua oficina. Foi encontrado morto no dia
seguinte.
15
Achou mega-boga?
Então compre agora
“Branca dos Mortos e os Sete Zumbis” para ler contos
macabros como “Cindehella e o Sapatinho Infernal”,
“Samarapunzel” e “João, Maria e os Outros”.
À venda exclusivamente na Nerdstore:
http://www.nerdstore.com.br
www.jovemnerd.com.br
Fly UP