...

o marketing e a relação de satisfação dos clientes

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

o marketing e a relação de satisfação dos clientes
O MARKETING E A RELAÇÃO DE
SATISFAÇÃO DOS CLIENTES
Flávia Silva Souza1
Luciano Martins Pontes2
Flávia Nascimento de Souza Oliveira3
RESUMO
Um dos temas mais debatidos nas organizações é sobre a conquista da satisfação do cliente e as possibilidades de
fidelizá-los. O objetivo deste artigo é apresentar a importância
de se estabelecer o relacionamento com o cliente, e demonstrar
suas principais ferramentas de apoio. A metodologia utilizada
foi a pesquisa bibliográfica, em método descritivo, através de
técnicas de leitura e análise. Uma das funções primordiais do
marketing de serviços é satisfazer as necessidades e os desejos
dos seus consumidores. Entende-se que classificar os serviços
é uma forma de ajudar os profissionais a diferenciar estratégias
de marketing que podem dar certo. Para analisar os processos
de compra, é importante que os profissionais de marketing de
serviços se preocupem em como são realizadas essas compras.
Além de conhecer o consumidor, deve-se conhecer as etapas
do processo de compra, pois conhecendo as mesmas, leva o
consumidor a fazer uma boa escolha. Defini-se que as decisões no estágio da compra de um consumidor estão geralmente ligadas às características do comprador, aos estímulos
e aos processos de decisão. O composto do serviço precisa de
considerações especiais e características que irá comercializar
como a qualidade, marca e embalagens. As expectativas dos
clientes podem sofrer variações, cabendo aos fornecedores
compreendê-las e se forma no momento em que estes avaliam
a qualidade de um serviço, e as expectativas abarcam diversos
elementos como o serviço desejado, serviço adequado, serviço
previsto, considerando-se que deve haver uma tolerância entre
os níveis de serviço que são desejados e os que são adequados. Percebe-se cada vez mais a necessidade de se dar uma importância maior de modo que possa satisfazer os clientes, ao
Bacharel em Administração de Empresas, Acadêmica do Curso de Pós-Graduação de Gestão Estratégica Empresarial. e-mail: [email protected]
hotmail.com
2
Técnico de Produção, Tecnólogo em Gestão de Pequenas e Médias
Empresas, Acadêmico do Curso de Pós-Graduação de Gestão Estratégica
Empresarial. e-mail: [email protected]
3
Especialista em Gerenciamento Empresarial. e-mail: [email protected]
com.br
1
se levar em conta a disputa do mercado em busca dos clientes.
Com isso, as organizações têm se preocupado em saber quais
são os desejos de cada cliente. Por fidelização, entende-se que
é a satisfação e a sensação de prazer ou desapontamento resultante da comparação entre o desempenho percebido de um
produto e as expectativas do comprador. Observa-se que a satisfação do comprador pode fornecer diversos benefícios, como
o oferecimento de níveis mais altos de satisfação, promovendo, assim, uma maior fidelidade aos clientes.
Palavras-chave: Serviços, fidelização e satisfação do cliente.
1. INTRODUÇÃO
A realidade em que o mercado se encontra é importante para que as empresas se preocupem com a satisfação do
cliente. A empresa possuía total poder com o mercado, determinava as regras e o cliente era visto somente como fonte de
lucros. O objetivo deste artigo é apresentar a importância de se
estabelecer o relacionamento com o cliente, e demonstrar suas
principais ferramentas de apoio.
As organizações necessitam antecipar-se às mudanças
para ter vantagens competitivas. A satisfação possibilita a fidelização dos clientes e a conquista de novos. Muitos fatores
podem influenciar a satisfação dos clientes como o oferecimento de produtos, serviços de qualidade e prazo corretos para a
entrega dos produtos ou serviços.
Os mercados estão em constante mudança, por isso é
importante lembrar que o cliente tem o poder de observar a
concorrência e de pesquisar outras empresas para a aquisição
de produtos e contratação de serviços.
No mercado, existe um grande número de compradores para os serviços, por isso há uma corrida das empresas
para conquistar os clientes. Os consumidores potenciais são
aqueles que contam com recursos para a divulgação de seus
serviços como comerciais de televisão, anúncios em jornais,
malas diretas e telefonemas de vendedores, podendo, através
desses meios, atrair mais clientes.
A fidelização de clientes é um processo que muitas empresas almejam alcançar no mercado em que se encontram. A
fidelização não se constitui em um processo fácil, sendo necessárias estratégias eficientes para a conquista dos clientes.
O interesse em aprofundar sobre o assunto da satisfação se
deu em função de entender como acontecem os processos de
satisfação, retenção e, principalmente, a fidelização de clientes
Revista Científica do Centro de Ensino Superior Almeida Rodrigues - ANO I - Edição I - Janeiro de 2013
ISSN 2317-7284
45
de uma empresa.
3. MARKETING DE SERVIÇOS
Às empresas cabe o papel de prestar um adequado e
excelente serviço ao cliente, independente do setor, do porte,
e dos desafios enfrentados. A empresa pode se tornar mais notória e competitiva, por meio dos serviços prestados ao cliente,
podendo estes serviços constituírem-se em ferramentas para
vencer a concorrência. A consciência de que o cliente é o principal foco de uma organização tem proporcionado avanços
significativos, no entanto, mesmo com os recentes desenvolvimentos observados, muitas empresas brasileiras encontram-se
atrasadas nesse setor.
Um serviço é baseado em uma série de atividades que
normalmente acontecem durante as interações entre clientes e
estruturas, recursos humanos, bens e sistemas do fornecedor,
com fins de atender às necessidades dos clientes. Houve uma
significativa evolução nos estudos sobre o tema Marketing de
Serviços e, desta forma, muitos autores passaram a estudar o
tema da qualidade dos serviços, bem como os conflitos por
eles gerados.
Para Churchill Junior e Peter (2000), a qualidade de
atendimento ao cliente depende das pessoas dentro das empresas. É preciso motivar os funcionários a prestarem sempre
um atendimento diferenciado e personalizado a cada cliente.
É preciso investir em qualidade de atendimento para se obter
sucesso nas negociações. O consumidor é o ponto de partida
para uma mudança no eixo decisório das empresas. “Os profissionais de marketing de serviço devem inovar e melhorar
continuamente. A motivação pode ser a chave para o sucesso
de uma empresa em detrimento de outra.”
3.1. Classificação dos Serviços
Os serviços podem ser classificados de diferentes maneiras, no entanto, uma das mais proveitosas é pelo meio de
entrega. Assim, Para Churchill Junior e Peter (2000, p. 292),
pensar em marketing de serviços é lembrar valores através do
desempenho, é valorizar as pessoas, os relacionamentos com
clientes, é entender e atender as expectativas através da transformação oferecida pelo serviço.
Entre as muitas classificações possíveis, uma delas
considera o esforço do consumidor na obtenção de serviços,
para Las casas (2007, p. 19), os serviços classificam-se em:
46
ISSN 2317-7284
Serviços de consumo: são os prestados diretamente ao
consumidor final, subdividido nas categorias a seguir:
a) Serviços de conveniência – ocorre quando o consumidor não que perder tempo em procurar a empresa prestadora de serviços por não haver diferenças perceptíveis entre elas;
b) Serviços de escolha - caracteriza-se quando alguns
serviços têm custos diferenciados de acordo com a qualidade
e tipo prestados, prestígio da empresa etc. Neste caso, compensará ao consumidor visitar diversas empresas em busca de
melhores negócios.
c) Serviços de especialidade - são os altamente técnicos e especializados. O consumidor, neste caso, fará todo o
esforço possível para obter serviços de especialistas, tais como
médicos, advogados, técnicos.
3.2. O Comprador de Serviços
Para analisar os processos de compra é importante que
os profissionais de marketing de serviços se preocupem em
como são realizadas essas compras. Além de conhecer o consumidor, deve-se conhecer as etapas do processo de compra,
pois conhecendo as mesmas, leva o consumidor a fazer uma
boa escolha.
Para que os profissionais possam conduzir seus clientes
no ato da compra de seus serviços, é importante que eles não
se esqueçam de determinar os processos de compra de cada
cliente. Portanto, é importante procurar pesquisas formais que
possam ajudar no processo, e, assim, não se basear somente
nas suas próprias opiniões que, muitas vezes, não são a representação da realidade.
No que diz o autor, um processo envolve pessoas e
objetos. Em alguns casos, o processo é físico e tangível, porém, serviços que são processados com informações podem
ser intangíveis.
Conforme Lovelock (2001, p.36), esses processos são
divididos em:
1. Processamento com pessoas: envolve ações tangíveis nos corpos das pessoas, como transporte de passageiros,
corte de cabelos e serviços odontológicos. Os clientes precisam
estar fisicamente presentes durante a entrega do serviço para
receber os benefícios desejados.
2. Processamento com bens: inclui ações tangíveis
nos bens e outras posses físicas pertencentes ao cliente, como
transporte de cargas aéreas, poda de gramados e serviços de
limpeza. Nesses exemplos, o objeto que precisa ser processado
Revista Científica do Centro de Ensino Superior Almeida Rodrigues - ANO I - Edição I - Janeiro de 2013
deve estar presente, mas o cliente não precisa estar.
3. Processamento com estímulo mental: refere-se à
ações intangíveis dirigidas à mente das pessoas, como entretenimento, espetáculos esportivos, apresentações de teatro e
educação. Nesses exemplos,os clientes devem estar mentalmente presentes, mas podem estar situados em instalação de
serviços específica ou em local remoto conectado por sinais de
radiodifusão.
4. Processamento com informações: descreve ações
intangíveis dirigidas aos bens de um cliente, como seguros,
serviços bancários e consultoria. Nesta categoria, pode ser preciso pouco envolvimento direto com cliente uma vez iniciado o
pedido de serviço.
A qualidade na prestação de serviços depende de uma
boa infraestrutura da empresa e também no desempenho de
cada funcionário consciente do papel que tem a cumprir e o
comprometimento com o sucesso dos negócios, por isso é importante que ocorram processos que facilitem a vida do gerente e ele possa ter direcionamentos corretos.
Segundo Las casas (2008), ”Os benefícios de um processo também são comercializados nos serviços’’, ou seja, um
cliente, ao entrar em algum lugar para fazer suas compras,
terá que interagir com todos aqueles que fazem parte do estabelecimento até o final de sua compra. A interação destas
pessoas aos aliados da empresa, que resultará na satisfação
do cliente, esta estratégia pode ter bons resultados para a empresa.
3.3. Estágios da Compra
O que impulsiona o processo de compra é a necessidade de algum tipo de serviço. Ao necessitar de um serviço,
o consumidor buscará fontes, informações sobre este tipo de
oferta no mercado.
No processo de compra de um bem ou serviço, é necessário observar diversos aspectos relacionados à decisão de
compra do consumidor. Na maioria das vezes, esta decisão
está relacionada à uma resposta que parte de um estímulo inicial. De acordo com Las Casas (2007, p.35), algumas etapas
são percorridas pelo comprador: necessidades, informações,
avaliação, decisão e pós-compra.
A primeira etapa é constituída pelo saber da necessidade da compra do serviço. Através dessa necessidade, o consumidor irá procurar informações para saber sobre as ofertas que
o mercado oferece. A segunda etapa é feita das informações
que ele precisa para adquirir o produto. A avaliação constitui-se na etapa em que o consumidor analisa as características
que eles acham importantes como condições de pagamento,
preços oferecidos pela organização. Outra etapa importante
é quando ele escolhe o serviço que poderá lhe proporcionar
maiores vantagens e, finalmente, decide sua compra.
Existem vários processos que podem facilitar o desenvolvimento dos negócios. A empresa poderá fazer um simples
levantamento de mercado, caso a empresa não conte com recursos sofisticados, ela poderá fazer um pequeno questionário
com algumas perguntas que podem ser anexadas ao material
enviado regularmente como cartas, faturas. Essas perguntas
podem facilitar, aos prestadores de serviços, o diagnóstico dos
desejos dos clientes (LAS CASAS, 2007).
Pode haver alguma interferência antes que o consumidor tenha interesse em adquirir algum serviço. A necessidade
desses serviços pode-se apresentar em três condições básicas:
- O cliente sabe do problema, mas não sabe identificá-lo;
- O cliente pensa em um problema, mas tem outro;
- O cliente pensa que tem um problema, mas, na verdade, não tem.
De posse dessas informações, o prestador de serviços
pode interferir de alguma forma. Os profissionais de vendas
devem desenvolver um trabalho de identificação dos problemas, por meio de conversações e levantamento de dados. A
experiência do profissional vai auxiliar no processo de comparações, ajudando na determinação do produto. O profissional
deverá vender um produto que realmente o comprador necessita. Segundo Las casas (2008), “o entendimento do processo
de compra para o prestador de serviço é fundamental, pois
a escolha de estratégias mais apropriadas dependem desta
informação’’.
Geralmente, as necessidades são enraizadas. Elas já
existem há algum tempo, quando um cliente decide comprar
algum serviço para atender alguma necessidade. Normalmente passam por um processo. Segundo Lovelock (2001), “o processo de compra para os clientes possui três etapas distintas:
pré-compra, encontro de serviço e pós-compra”.
a) A etapa da pré-compra é o princípio de tudo. Ela se
inicia a partir das necessidades individuais. Em alguns casos,
o cliente pode escolher de forma rápida o serviço. Se na aquisição de um bem, o cliente pode decidir quando, onde e como
consumi-lo (LOVELOCK, 2001).
b) Para a compra de serviços é imprescindível o en-
Revista Científica do Centro de Ensino Superior Almeida Rodrigues - ANO I - Edição I - Janeiro de 2013
ISSN 2317-7284
47
contro do serviço, ou seja, contato entre o cliente e o prestador, para que esses possam tomar decisões sobre o que vai
ser comprado, promover trocas pessoais entre os clientes e os
profissionais de serviços, pois esse processo é também considerado parte do serviço. O momento do encontro entre cliente
e consumidor deve ser planejado e oportuno, podendo, assim,
influenciar o consumidor na avaliação sobre o serviço (LOVELOCK, 2001, p. 86).
c) Ainda citando Lovelock (2001, p. 88), o estágio póscompra é caracterizado pela avaliação do consumidor, sobre
a experiência que vivenciou ao contratar o serviço comprado.
Esta avaliação dependerá, em grande parte, da expectativa
que ele tinha sobre o serviço antes de ser adquirido, o desempenho dos funcionários e sua percepção sobre o serviço
prestado.
3.4. O Composto do Serviço
O marketing de serviços precisa de considerações especiais para que sua comercialização aconteça, assim não basta
somente que ele decida sobre as características que irá comercializar como a qualidade, marca, embalagens. Ele deve decidir
também sobre como essas atividades serão desempenhadas,
onde e por quem será comercializada. Para isso, é necessário
que ele decida também sobre os quatro Ps dos serviços: perfil,
processos, procedimentos e pessoas, conforme descritos a seguir (LAS CASAS, 2005, p. 79).
a) Perfil: o perfil faz referência ao local em que ocorrerá a prestação de serviços. Contempla toda a parte visual do
estabelecimento comercial, bem como a limpeza, disposição
de móveis, layout. Então, cabe ao administrador a decisão do
perfil do local para a sua ação.
O perfil constitui-se em um importante componente de
comunicação, devido à intangibilidade do serviço. Las Casas
(2005, p.79) expõe alguns exemplos de clientes, que decidem
sobre a compra, analisando o perfil do prestador de serviços.
Cabe ao administrador cuidar para que suas evidências estejam de acordo com as expectativas do público-alvo, no qual
ele tem interesse.
b) Processos: a empresa deve decidir também como
administrar o processo de prestação de serviços. Ao entrar em
uma empresa, o cliente interage com diversos aspectos da organização. Sendo assim, esse processo precisa ser administrado de maneira organizada, trazendo a satisfação dos clientes
e que o prestador também possa obter lucro. Processos con48
ISSN 2317-7284
fusos, demorados e desorganizados devem ser evitados. Caso
haja ocorrência desse tipo de processo, o prestador de serviços
corre o risco de perder seu cliente.
c) Procedimentos: o processo refere-se ao atendimento
do cliente no momento que este for comprar o serviço. É conhecido também como o momento da verdade. É nessa ocasião,
que tudo aquilo que foi ensinado e praticado no treinamento,
no planejamento será observado pelo cliente, sendo que, no
contato pessoal, haverá a percepção se um serviço será bem
prestado ou não. Desta forma, a empresa deverá especificar
que tipo de procedimentos deverá ter seus funcionários.
d) Pessoas: os maiores investimentos que acontecem
na área de serviços estão relacionados à mão de obra. As
empresas prestadoras de serviço precisam comercializar atos,
ações, desempenho. Para comercializar desempenho, é preciso
treinar os vendedores, gerentes e demais funcionários, havendo, para isso, a necessidade de contratar as pessoas certas. As
pessoas de uma organização são importantes para a qualidade
dos serviços prestados.
3.5. Avaliação do Desempenho dos Serviços
Diante do aumento da competitividade, as empresas
têm buscado cada vez mais a inovação em seus processos,
utilizando-se de novas ferramentas, objetivando alcançar a excelência.
Segundo Lovelock (2001, p. 74), em relação aos produtos, os clientes, às vezes, podem voltar atrás em sua decisão
de compra se a mesma não lhe agradou, o que não é prontamente percebido em termos de serviços. Assim, os serviços
referentes aos produtos assemelham-se com a compra de um
produto, pois estes podem retornar para o conserto, caso o
trabalho não tenha sido eficiente da primeira vez.
São importantes as informações dos clientes quanto às
suas necessidades e expectativas em relação aos serviços que
a empresa vem oferecendo. Sem ter essa preocupação com o
cliente não é possível conhecer seu verdadeiro anseio.
3.6. Expectativa dos Clientes
Abordar sobre a expectativa dos clientes não é uma
tarefa fácil, pois são bastante diferenciadas, havendo também
vários tipos de serviços que podem ser prestados. As expectativas dos clientes podem sofrer variações, cabendo aos fornecedores compreendê-las (LOVELOCK, 2001, p. 103).
Revista Científica do Centro de Ensino Superior Almeida Rodrigues - ANO I - Edição I - Janeiro de 2013
As expectativas do cliente são construídas com base em
fatores que indireta ou diretamente, interagem com o cliente.
Estes factores vão “ditar” a procura de um serviço pelo cliente.
No modelo de ZEITHAML, PARASURAMAN e BERRY são identificados 4 grandes fatores que influenciam o serviço esperado
pelo cliente, ou seja, o desejo e necessidades, as experiências
anteriores, comunicação externa e o passa a palavra, emergem
no cliente a expectativa do que ele espera de um bem adquirido o serviço prestado por uma empresa.
3.6.1. Como se Forma
De acordo com Lovelock (2001, p. 103), as expectativas se diferem entre os grupos demográficos, como entre homens e mulheres, velhos e jovens, trabalhadores de escritórios
ou de fábrica. Diferenciam-se também de país para país.
A expectativa do cliente se forma no momento em que
este avaliam a qualidade de um serviço sob a ótica de algum
padrão interno baseada em alguma experiência anterior.
3.6.2. Diferentes Níveis de Expectativas
As expectativas abarcam diversos elementos como o
serviço desejado, serviço adequado, serviço previsto, considerando-se que deve haver uma tolerância entre os níveis de
serviço que são desejados e os que são adequados. De acordo
com Lovelock (2001, p. 104), o serviço desejado constitui-se
naquele que o cliente espera receber, ou seja, trata-se de um
nível almejado para o serviço. Os clientes, geralmente, possuem um nível de expectativa inferior para o serviço, por acreditarem que as empresas nem sempre prestam os melhores
serviços.
O serviço adequado consiste no nível mínimo de serviço que os clientes aceitarão sem que fiquem insatisfeitos.
Dentre os fatores que ajudam no estabelecimento desta expectativa estão o desempenho antecipado das alternativas de
serviços percebidas e fatores relativos ao uso dos serviços em
uma ocasião especial.
O nível de serviço previsto é aquele que os clientes
esperam de fato receber do seu fornecedor. As estimativas de
serviços antecipadas podem prejudicar o nível de serviço adequado ao cliente, caso seja previsto um bom serviço, o resultado alcançado será melhor e mais adequado aos clientes.
3.7. Como os Clientes Avaliam a Qualidade dos Serviços
Os clientes costumam avaliar a qualidade dos serviços prestados na ocasião em que possuem uma expectativa
baseada nas necessidades individuais, experiências anteriores,
informações ou recomendações de terceiros, propaganda de
fornecedores de serviços.
Segundo Lovelock (2001, p. 107), ao comprar e consumir o produto, os clientes comparam a qualidade esperada
com a qualidade do produto que receberam. Os serviços, que
apresentarem um alto desempenho, são capazes de encantar
os clientes, pois estão acima dos níveis de expectativas esperadas. Caso esses serviços não excedam aquilo que é esperado
pelo cliente, ficam na zona de tolerância e aqueles que ficam
abaixo do adequado constituem-se em uma lacuna na qualidade entre o desempenho do fornecedor e as expectativas do
cliente.
3.7.1. As Cinco Dimensões da Qualidade
Segundo Lovelock (2001, p. 109), diversas abordagens
podem ser conferidas em relação à dimensão da qualidade, o
tipo de serviço prestado, podendo destacar a confiabilidade,
tangibilidade, sensibilidade, segurança, empatia.
Confiabilidade: a empresa inspira confiança no fornecimento de serviço conforme o prometido;
Tangibilidade: refere-se às evidências físicas do serviço, tais como a aparência das instalações, equipamentos, pessoas e materiais de comunicação;
Sensibilidade: os funcionários da empresa são prestativos e capazes de fornecer pronto atendimento;
Segurança: refere-se ao grau de conhecimento do
prestador de serviços e sua habilidade em transmitir confiança;
Empatia: refere-se ao cuidado e atenção individualizada oferecidas pelo prestador de serviços ao cliente ao cuidado
e às suas necessidades. Diante do exposto, compreende-se
que, muitas vezes, ocorrem lacunas capazes de afastar a qualidade esperada do serviço, podendo estas ser favoráveis ou
desfavoráveis ao prestador de serviços.
3.8. Satisfação, Retenção e Fidelidade
3.8.1. Satisfação
A satisfação é algo que se acha voltado para a qua-
Revista Científica do Centro de Ensino Superior Almeida Rodrigues - ANO I - Edição I - Janeiro de 2013
ISSN 2317-7284
49
lidade do produto que se oferece ou de serviço de qualquer
natureza que se preste.
Somente percebe a qualidade, aquele que consome o
produto ou serviço. Desta forma, este autor considera que de
nada adianta a empresa oferecer produtos ou serviços de altíssima qualidade técnica, se, ao serem ofertados ao mercado,
o público-alvo não perceber essa qualidade, também não há
de se considerar o fato de desenvolver produtos baseados na
sensibilidade de seus criadores. Na maioria das vezes, esse recurso não funciona.
Para as empresas que desejam satisfazer seus clientes
com valor e serviços excepcionais, são mais que um conjunto
de políticas ou ações, trata-se de atitudes disseminadas em
toda empresa, uma parte importante da sua cultura geral.
O mercado tem se tornado cada dia mais competitivo
e desafiador. Os clientes têm sua disposição uma infinidade de
serviços e produtos. Então, nem sempre é fácil perceber se eles
estão ou não satisfeitos com os serviços recebidos.
3.8.2. Retenção e Fidelização
serviços.
3.8.3. Benefícios da Satisfação dos Clientes
A retenção e fidelização de clientes encontram-se interligadas e, por este motivo, é que as empresas estão entendendo a necessidade em satisfazer, fidelizar e reter seus clientes.
Para Lovelock (2001, p. 150), a palavra fidelidade é antiquada e tem sido usada para descrever lealdade, devoção a
um país ou indivíduo. Contudo, recentemente no meio empresarial, tem sido utilizada para descrever o desejo de um cliente
em continuar prestigiando uma empresa durante um período
maior de tempo, comprando e utilizando os mesmos serviços
adquiridos anteriormente, recomendando-os a terceiros.
“Existem duas maneiras principais de fortalecer a retenção do cliente. Uma é erguer barreiras elevadas para impedir a mudança. Os clientes são menos propensos a mudar para
outros fornecedores se isso envolver altos custos de capital,
altos custos relacionados à pesquisa de fornecedores ou à perda de desconto para clientes fiéis. O melhor método, porém, é
entregar um alto grau de satisfação a ele. Isso torna mais difícil
para os concorrentes ultrapassarem as barreiras, oferecendo,
simplesmente preços mais baixos ou incentivos”.
Se clientes satisfeitos são a alma de qualquer negócio
bem-sucedido, clientes fiéis são essenciais para a sustentação
da liderança no negócio. Conforme expõe Lovelock (2001), o
maior desafio dos profissionais de marketing não é o de fazer
com seus clientes potenciais continuem fiéis e comprando seus
Diante do que foi revisado na literatura pode-se perceber que as empresas precisam ter uma relação bem construída com seus clientes, em termos de oferecimento de serviços,
competitividade, propostas e planos de fidelidade que possam
vir ao encontro das necessidades e expectativas dos clientes
pois, para firmar-se no mercado, é preciso oferecer serviços
diferenciados a preços significativos, de modo que haja lucratividade sobressaindo-se em um mercado de economia emergente como a do Brasil.
Foi possível observar que quando a empresa investe
em relacionamento com o cliente, diminui sensivelmente os
custos para atrair novos consumidores, deste modo, os clientes
satisfeitos possivelmente indicarão a empresa para outras pessoas, melhorando, inclusive, o status desta organização, que
passará a demonstrar o quanto se importa em satisfazer as
necessidades de sua clientela, não só no ato da venda, mas,
posteriormente, estabelecendo assim, um relacionamento.
O objetivo maior das empresas, atualmente, é reter o
cliente já que isto significa maximizar o lucro a longo prazo,
durante o período em que o cliente se relaciona com ela e não
obter o lucro máximo em apenas uma única transação.
Os clientes devem ser identificados, reconhecidos, comunicados, em relação à satisfação e respondidos. Para tanto,
as empresas de sucesso rastreiam as expectativas dos seus
50
ISSN 2317-7284
Todos os profissionais de marketing desejam apresentar aos seus clientes um serviço que possa atender às suas exigências. No entanto, esta não pode ser a única meta. Deve-se
também pensar em outras vantagens como a competitividade
e o lucro.
A longo prazo é mais favorável, em termos de lucratividade para as empresas, manter os clientes já existentes em relação ao desenvolvimento de nova busca. Considera-se que os
clientes altamente satisfeitos difundem informações positivas,
evitando, assim, a existência de custos no processo de atração
de novos clientes (LOVELOCK, 2001, p. 116).
Observa-se que a satisfação do comprador pode fornecer diversos benefícios, como o oferecimento de níveis mais altos de satisfação, promovendo, assim, uma maior fidelização.
CONCLUSÃO
Revista Científica do Centro de Ensino Superior Almeida Rodrigues - ANO I - Edição I - Janeiro de 2013
clientes, investigam como o seu próprio desempenho é percebido e monitoram a satisfação do cliente continuamente.
Assim, percebe-se que para manter seus clientes fiéis,
é imprescindível que a empresa focalize suas ações, conquiste
confiança dos seus clientes, invista nos funcionários, preocupe
-se com detalhes e cuide constantemente de sua imagem.
ABSTRACT
One of the most debated topics in organizations is on
the achievement of customer satisfaction and the possibilities
of fidelizá them. The goal of this article is to present the importance of establishing the customer relationship, and demonstrate its main support tools. The methodology used was the bibliographic search in descriptive method, through reading and
analysis techniques. One of the primary functions of marketing
services is to satisfy the needs and wishes of its customers.
It is understood that sort the services is one way to help professionals differentiate marketing strategies that can succeed.
To analyze the buying processes is important for marketers in
how services are held to be concerned such purchases. In addition to knowing the consumer, you must know the steps in
the buying process, because knowing the same, takes the consumer to make a good choice. Set if that decisions on the stage
of the purchase of a consumer are usually attached to the characteristics of the purchaser, to stimuli and to decision-making
processes. The compound of the service requires special considerations and characteristics that will market as quality, brand
and packaging. Customer expectations can vary, and it is up to
the suppliers understand them and that shape at the time at
which they evaluate the quality of a service, and several cover
expectations as the desired service elements, adequate service, service provided, assuming that there must be a tolerance
between the levels of service that are desired and that they
are suitable. Increasingly realizes the need to give greater importance so that it can satisfy customers, to take into account
the market in search of customers. As a result, organizations
have been keen to know what are the desires of each client.
By loyalty means that is the satisfaction and the feeling of pleasure or disappointment resulting from the comparison between the perceived performance of a product and the buyer’s
expectations. We observe that buyer satisfaction can provide
several benefits, such as providing higher levels of satisfaction,
thereby increasing customer loyalty.
Keywords: Services, customer loyalty and customer satisfaction.
REFERÊNCIAS
CHURCHILL JUNIOR, G.A.; PETER, P.Marketing: criando valores
para os clientes. 2.ed. São Paulo: Saraiva, 2000.
KOTLER, P.; KELLER, K. L. Administração de marketing: a bíblia do marketing. 12.ed. São Paulo: Prentice Hall Brasil, 2006.
LAS CASAS, A. L. Marketing de serviços. 5.ed. São Paulo:
Atlas, 2007.
LOVELOCK. C. Serviço, marketing e gestão. Tradução Cid Knipel Moreira. Revisão Técnica Mauro Neves Garcia. São Paulo:
Saraiva, 2001.
http://marketingfaculty.blogspot.com.br/2007/05/descobrir-as-expectativas-dos-clientes.html link acessado em 10.05.2012
AMBRÓSIO, V.; SIQUEIRA, R. Plano de marketing. Rio de Janeiro: Reichmann e Affonso Editores, 2002.
Revista Científica do Centro de Ensino Superior Almeida Rodrigues - ANO I - Edição I - Janeiro de 2013
ISSN 2317-7284
51
Fly UP