...

Ken Wilber - Metade de Tudo

by user

on
Category: Documents
12

views

Report

Comments

Transcript

Ken Wilber - Metade de Tudo
MetadedeTudo
16 de Novembro de 2011
Tradução de Simone Oliveira Zahran
Neste capítulo de No Boundary
(Kindle, iBooks), Ken Wilber explora o
dualismo intrínseco da mente,
oferecendo um caminho simples, mas
convincente, para “transcender os
pares” e descobrir o coração não dual
do Sempre Presente …
Você já se perguntou por que a vida se manifesta em opostos? Por que tudo o que
você valoriza é uma ponta de um par de opostos? Por que todas as decisões estão
entre opostos? Por que todos os desejos são baseados entre opostos?
Note que todas as dimensões espaciais e direcionais são opostas: acima vs. abaixo,
dentro vs. fora, alto vs. baixo, grande vs. pequeno, norte vs. sul, esquerda vs. direita,
comprido vs. curto. E observe que todas as coisas que consideramos sérias e
importantes são um dos polos de um par de opostos: bom vs. mau, vida vs. morte,
prazer vs. dor, Deus vs. Satanás, liberdade vs. vínculo.
Do mesmo modo, nossos valores sociais e estéticos são sempre colocados em termos
de opostos: sucesso vs. fracasso, lindo vs. feio, forte vs. fraco, inteligente vs. estúpido.
Mesmo nossas abstrações mais elevadas repousam em opostos. A lógica, por
exemplo, refere-se a verdadeiro vs. falso; a epistemologia, a aparência vs. realidade;
a ontologia, a ser vs. não ser. Nosso mundo parece ser uma coleção maciça de
opostos.
Este fato é tão corriqueiro, que mal precisa ser mencionado; mas quanto mais se
pondera acerca dele, mais ele se torna espantosamente peculiar. Porque a natureza,
ao que parece, desconhece esse mundo de opostos no qual as pessoas vivem. A
natureza não produz sapos verdadeiros e falsos, nem árvores morais e imorais,
tampouco oceanos certos e errados. Não há traços na natureza de montanhas éticas
e não éticas. Nem há algo como espécies bonitas e espécies feias – ao menos não as
há para a natureza, que se satisfaz em produzir espécies de todos os tipos. Thoreau
disse que a Natureza nunca se desculpa; aparentemente, porque a Natureza não
2
conhece os opostos certo e errado, e, assim, não reconhece o que os humanos
imaginam ser “erros”.
É certamente verdade que algumas das coisas as quais nós chamamos “opostas”
parecem existir na Natureza. Há, por exemplo, sapos grandes e pequenos, árvores
grandes e pequenas, laranjas maduras e verdes. Mas isso não é um problema para
eles, e não os leva a crises de ansiedade. Pode até haver ursos espertos e outros
bobos, mas isso não parece preocupá-los muito. Você simplesmente não encontra
complexo de inferioridade em ursos.
Da mesma forma, há vida e morte no mundo da natureza, mas, novamente, isso não
parece sustentar as dimensões terríveis ligadas a elas no mundo dos humanos. Um
gato bem velho não é arrebatado por torrentes de terror na iminência da sua morte.
Ele simplesmente caminha calmamente para um mata, enrola-se sob uma árvore e
morre. Um pintassilgo em estado terminal aninha-se num ramo de árvore e fita o
pôr do sol. Quando ele, finalmente, não consegue mais ver a luz, fecha os olhos pela
última vez e gentilmente cai no chão. Tão diferente de como os humanos enfrentam
a morte:
Não siga gentil em direção àquela boa noite de fúria, fúria contra a morte da luz.
Embora dor e prazer existam no mundo da natureza, eles não são problemas com
que se preocupar. Quando um cão está com dor, ele uiva. Quando não, ele,
simplesmente, não se preocupa com isso. Ele não tem medo de dor futura ou
ressente-se de dor passada. Parece ser algo bem simples e natural.
Nós afirmamos que tudo isso é verdade porque, para dizer de modo simples, a
natureza é burra. Mas isso não se sustenta, e por uma razão: estamos nos dando
conta de que a natureza é bem mais inteligente do que supúnhamos. E o grande
bioquímico Albert Szent-Gyorgyi nos oferece um exemplo mágico:
[Quando associei-me ao Instituto de Estudos Avançados em Princeton] eu
o fiz na esperança de que, estando próximo daqueles grandes físicos
atômicos e matemáticos, aprenderia algo sobre as coisas vivas. Mas assim
que eu revelei que, em qualquer sistema vivo, há mais de 2 elétrons, os
físicos não falaram mais comigo. Com todos os seus computadores, eles não
conseguiam dizer o que aquele terceiro elétron poderia fazer. A coisa mais
marcante é que ele mesmo, o elétron, sabe exatamente o que fazer. O que
significa dizer que aquele pequeno elétron sabe alguma coisa que os
homens sábios de Princeton não sabem, e isso só pode ser algo muito
simples.
Acho que a Natureza não é apenas mais inteligente do que pensamos, a Natureza é
mais inteligente do que podemos supor. Afinal, ela também produz o cérebro
humano, aquele que nos vangloriamos de ser um dos instrumentos mais perfeitos
do cosmos. E seria possível que um completo idiota produzisse uma obra de arte?
De acordo com o Livro do Gênesis, uma das primeiras tarefas dadas a Adão foi
nomear os animais e plantas que existiam na natureza, pois a natureza não vem com
3
etiquetas e seria muito conveniente se pudéssemos classificar e nomear todos os
diversos aspectos do mundo natural. Adão, em outras palavras, foi incumbido de
selecionar a complexidade das formas e processos da natureza, e nomeá-los. "Este
grupo é de animais que se parecem e aqueles são completamente diferentes destes
aqui; então vamos chamar esse grupo de ‘leões’ e o outro de ‘ursos’. Vejamos, você
pode comer este grupo de coisas, mas aquele outro não. Vamos chamar esse grupo
‘uvas’ e aquele outro, ‘pedras’."
Mas a verdadeira tarefa de Adão não foi tanto pensar em nomes diferentes para
animais e plantas, mesmo que isso fosse indubitavelmente laborioso. Mais que isso,
a parte crucial do seu trabalho foi o processo de seleção em si. Pois, a menos que
houvesse apenas um animal de cada espécie, o que é bem improvável, Adão
precisava agrupar os animais que eram semelhantes e mentalmente diferenciá-los
dos seus não semelhantes. Ele teve que aprender a desenhar uma linha mental entre
os vários grupos de animais, porque, somente depois disso feito, ele conseguiria
reconhecê-los inteiramente e, a partir de então, nomear as diferentes bestas. Em
outras palavras, a grande tarefa que Adão iniciou foi a construção de linhas
divisórias mentais ou simbólicas. Adão foi o primeiro a delinear a natureza, para
mentalmente dividi-la, marcá-la, diagramá-la. Ele foi o primeiro grande cartógrafo:
Adão desenhou fronteiras.
Seu mapeamento da natureza foi tão bem sucedido, a ponto de, até hoje, nossas vidas
serem largamente despendidas em desenhar fronteiras. Cada decisão que tomamos,
cada ação, cada palavra proferida, é baseada na construção, consciente ou não, de
fronteiras. Não estou agora me referindo tão somente à fronteira da autoidentidade
– embora esta seja muito importante – mas a todas as fronteiras, no sentido mais
amplo que se possa conceber. Tomar uma decisão significa traçar uma fronteira
entre o que escolher e o que não escolher. Desejar algo significa traçar uma linha
divisória entre coisas que dão prazer das que geram dor e seguir na direção das
primeiras. Para defender uma ideia é preciso traçar uma linha divisória entre
conceitos tidos como verdadeiros daqueles tidos como falsos. Receber educação
significa saber onde e como traçar linhas divisórias e depois decidir o que fazer com
os aspectos limitados por essas mesmas linhas. Para sustentar um sistema judicial é
preciso traçar uma linha divisória entre aqueles que se enquadram nas regras
sociais e aqueles que não. Lutar uma guerra é dividir uma linha entre aqueles que
estão a nosso favor e os que estão contra nós. Estudar ética é aprender como traçar
as linhas que separam o bom do mau. Seguir a medicina ocidental é traçar com
clareza a linha que separa a saúde da doença. Obviamente, de incidentes menores às
grandes crises, de decisões cotidianas aos grandes negócios, das mais humildes
preferências às paixões flamejantes, nossas vidas são um processo de traçar
fronteiras.
A coisa mais peculiar sobre uma fronteira é que, não importa o quão complexa e
rarefeita ela possa ser, na verdade, ela nada mais faz que dividir ‘dentro’ vs. ‘fora’.
Por exemplo, podemos desenhar a forma mais simples de fronteira que existe, como
um círculo, e observar que ele define um ‘dentro’ (inside) e um ‘fora’ (outside).
4
Note, entretanto, que os opostos ‘dentro’ e ‘fora’ não existiam em si mesmos até que
desenhássemos a fronteira do círculo. É a linha divisória do círculo, em outras
palavras, que cria o par de opostos. Resumindo, desenhar fronteiras é fabricar
opostos. Assim, podemos começar a ver que a razão pela qual vivemos em um
mundo de opostos é precisamente porque a vida como a conhecemos é um processo
de traçar fronteiras.
E o mundo dos opostos é um mundo de conflitos, como Adão logo descobriria. Adão
deveria estar fascinado com o poder gerado ao traçar fronteiras e invocar seus
nomes. Imagine: um som tão simples como “céu” poderia representar a totalidade
da imensidão azul, e que era, pelo poder das linhas divisórias, reconhecida como
distinta da Terra, da água, do fogo. Então, em vez de manusear e manipular objetos
reais, Adão podia, em sua cabeça, manipular esses nomes mágicos que
representavam os respectivos objetos. Antes da invenção das linhas divisórias e dos
nomes, por exemplo, se Adão quisesse dizer a Eva que a achava tão estúpida quanto
um burro de carga, ele teria que agarrá-la pelos braços e andar com ela até que
encontrasse um burro de carga, depois apontar para ele e, em seguida para Eva, e
pular para baixo e para cima, grunhir e fazer caretas idiotas. Mas agora, através
dessas palavras mágicas, Adão podia simplesmente olhá-la e dizer-lhe: “Céus, minha
querida, você é tão estúpida quanto um burro de carga”. Eva, que a propósito era
muito mais sábia que Adão, normalmente segurava sua língua! Isto é, ela declinava
devolver a ofensa com a mágica das palavras, pois sabia, em seu coração, que as
palavras são espadas de dois gumes, e que aquele que vive pela espada, morre por
ela.
No enquanto, os resultados das empreitadas de Adão foram espetaculares,
poderosos, mágicos e, compreensivelmente, ele começou a ficar um tanto arrogante.
Ele começou a estender as fronteiras para – e assim ganhando conhecimento sobre
– lugares que seriam melhores se não fossem mapeados. Esta arrogância culminou
na Árvore do Conhecimento, que, na verdade, era a árvore dos opostos Bem e Mal. E
ao reconhecer a diferença entre os opostos Bem e Mal, ou seja, quando ele desenhou
uma fronteira fatal, seu mundo ruiu. Quando Adão pecou, o mundo inteiro de
opostos que ele mesmo havia ajudado a criar, voltou-se contra ele para aterrorizálo. Dor vs. prazer, bem vs. mal, vida vs. morte, trabalhar duro vs. brincar — todo o
amplo leque de opostos conflitantes despencou sobre a raça humana.
O fato exasperante aprendido por Adão é que toda linha divisória é também uma
linha potencial de batalha, de tal forma que traçar uma linha é se preparar para o
conflito. Mais especificamente, o conflito da guerra de opostos, a luta agonizante da
vida contra a morte, do bem contra o mal. O que Adão aprendeu – e o fez muito tarde
– é que “onde a linha é traçada” na verdade significa “onde a batalha vai acontecer”.
5
O fato simples é que vivemos num mundo de conflitos de opostos porque vivemos
num mundo de fronteiras. Desde que toda linha de fronteira é também uma linha de
batalha, aqui está a condição humana: quanto mais firme a linha de alguém, mais
entrincheiradas serão suas batalhas. Quanto mais eu me apego ao prazer, mais
necessariamente temerei a dor. Quanto mais eu persigo o bem, tanto mais serei
obcecado com o mal. Quanto mais obstinadamente busque o sucesso, mais atrairei
o fracasso. Quanto maior meu apego à vida, mais aterrorizante se torna a morte.
Quanto mais eu valorize algo, mais obcecado fico com sua perda. A maioria dos
nossos problemas, em outras palavras, são problemas de fronteiras e os opostos por
elas criados.
Agora, nosso jeito habitual de tentar resolver esses problemas é tentar erradicar um
dos opostos. Lidamos com o problema de bom vs. mau tentando exterminar o mau.
Lidamos com o problema de vida vs. morte tentando esconder a morte sob símbolos
de imortalidade. Na filosofia, lidamos com os conceitos opostos ignorando um dos
polos ou tentando reduzi-lo ao outro. Os materialistas tentam reduzir a mente à
matéria, e os idealistas tentam reduzir a matéria à mente. Os monistas tentam
reduzir pluralidade a unidade, os pluralistas tentam explicar unidade como
pluralidade.
O ponto é que sempre tentamos tratar a fronteira como real e então manipular os
opostos criados pela fronteira. Mas parece que nunca questionamos a existência da
fronteira em si mesma. Por acreditarmos ser a fronteira real, teimosamente
imaginamos que os opostos são irreconciliáveis e para sempre separados. “Oeste é
oeste e leste é leste, e nunca os dois se encontrarão”. Deus e o Diabo, vida e morte,
bem e mal, amor e ódio, eu e o outro – são tão diferentes, nós dizemos, como noite e
dia.
Dessa forma, supomos que a vida seria perfeitamente desfrutável se pudéssemos
erradicar todos os polos negativos e indesejáveis dos pares de opostos. Se
pudéssemos fazer desaparecer a dor, o mal, a morte, o sofrimento, a doença, de
modo que o bem, a vida, a alegria e a saúde fossem abundantes – isso certamente
seria a boa vida e, de fato, é o que muitas pessoas entendem por Paraíso. O Paraíso
se tornou, assim, não a transcendência de todos os opostos, mas o lugar onde todas
as metades positivas dos pares de opostos estão acumuladas, enquanto o Inferno é
o lugar onde estão concentradas todas as metades negativas: dor, sofrimento,
tormenta, ansiedade, doença.
Esta meta de separar os opostos e perseguir suas metades positivas parece ser uma
característica distintiva da civilização ocidental – sua religião, ciência, medicina,
indústria. Progresso é, afinal de contas, simplesmente progredir em direção ao
positivo, distanciando-se do negativo. Mesmo assim, apesar dos evidentes confortos
proporcionados pela medicina e agricultura, não há a mínima evidência que sugira
que, após séculos de reforço do positivo e tentativa de eliminar o negativo, a
humanidade esteja algo mais feliz, mais contente ou perto de encontrar a paz
interior. Na verdade, as evidências disponíveis sugerem precisamente o contrário:
vivemos hoje a “idade da ansiedade”, do “choque futuro”, da frustração e alienação
epidêmicas, de tédio em meio à riqueza e da falta de sentido em meio à fartura.
6
Parece que “progresso” e infelicidade possam bem ser os dois lados da mesma
imprevisível moeda. Pois a mesma urgência em progredir implica no
descontentamento com o estado presente das coisas, de modo que quanto mais eu
persigo o progresso, mais agudamente me sinto descontente. Ao buscar o progresso
cegamente, nossa civilização conseguiu, com efeito, institucionalizar a frustração.
Porque na busca por acentuar o positivo e eliminar o negativo, esquecemo-nos
inteiramente de que o positivo só pode ser definido em termos do negativo. Os
opostos podem sim ser tão distintos quanto noite e dia, mas o ponto essencial é que,
sem a noite, jamais seríamos capazes de reconhecer algo chamado “dia”. Destruir o
negativo é, ao mesmo tempo, destruir qualquer possibilidade de desfrutar do
positivo. Assim, quanto mais bem sucedidos formos nesta aventura do progresso,
mais, de fato, falimos e, desta forma, mais acentuado se torna nosso sentimento de
total frustração.
A raiz de toda essa dificuldade está em nossa tendência em enxergar opostos como
irreconciliáveis, apartados e totalmente divorciados um do outro.
Mesmo o mais simples dos opostos, como vender vs. comprar, é percebido como dois
eventos separados. Bem, é verdade que comprar e vender são, nalgum sentido,
diferentes, mas eles são também – e é este o ponto fundamental – completamente
inseparáveis. A qualquer momento que alguém compra algo é porque, na mesma
ação, alguém vende algo. Em outras palavras, vender e comprar são simplesmente
os dois polos de um mesmo evento, ao qual chamamos transação comercial. E
embora os dois polos da transação sejam “diferentes”, eles representam um evento
único.
Da mesma forma, todos os opostos partilham uma identidade implícita. Isto é,
independente de quão vividamente as diferenças entre estes opostos nos impactem,
eles, apesar disso, permanecem completamente inseparáveis e mutuamenteinterdependentes, pela simples razão de que um não pode existir sem o outro. Por
esta perspectiva, obviamente, não há um dentro sem um fora, acima sem abaixo,
ganhos sem perdas, prazer sem dor, vida sem morte. Diz o velho sábio chinês Lao
Tzu:
Há alguma diferença entre sim e não? Há alguma diferença entre bem e
mal? Devo temer o que os outros temem? Quanta bobagem! Ter e não ter
surgem juntos; fácil e difícil se complementam; comprido e curto se
contrastam; alto e baixo se sustentam; frente e trás seguem um ao outro.
Chuang Tzu elabora:
Assim, aqueles que dizem haver o certo sem seu correlato, errado; ou bom
governo sem seu correlato, desgoverno, não apreendem os grandes
princípios do universo, nem a natureza de toda a criação. Discorrer sobre
a existência do Céu sem a existência da Terra, ou sobre o princípio do
negativo sem o positivo, é claramente impossível. Mesmo assim as pessoas
continuam discutindo isso sem parar; tais pessoas são tolas ou tratantes.
7
A unidade inerente dos opostos não é uma ideia confinada aos místicos, orientais ou
ocidentais. Se olharmos para a física moderna, o campo no qual o intelecto ocidental
fez seus maiores progressos, o que encontramos é outra versão da realidade como
uma união de opostos. Na teoria da relatividade, por exemplo, os velhos opostos
inércia vs. movimento tornaram-se totalmente indiferenciáveis, ou seja, “cada um é
ambos”. Um objeto que parece estar inerte para um observador está, ao mesmo
tempo, em movimento para um outro observador. Do mesmo modo, a divisão entre
partícula e onda extingue-se na “ondícula,” e o contraste entre estrutura e função
evapora-se. Mesmo a separação histórica entre massa e matéria colapsou com a
equação de Einstein E = mc2; estes opostos ancestrais são vistos como meramente
dois aspectos da mesma realidade, uma realidade a qual Hiroshima tão
violentamente testemunhou.
Igualmente, opostos como sujeito vs. objeto e tempo vs. espaço são agora vistos
como sendo tão mutuamente interdependentes que formam um tecido contínuo, um
padrão unificado singular. O que chamamos “sujeito” e “objeto” são, assim como
comprar e vender, somente duas formas diferentes de abordar o mesmo processo
único. E porque o mesmo é válido para o tempo e espaço, não podemos falar num
objeto que está localizado no espaço ou acontecendo num dado tempo, mas somente
podemos falar em termos de uma ocorrência no espaço-tempo. De forma sucinta, os
físicos modernos proclamam que a realidade só pode ser considerada uma união de
opostos. Nas palavras do biofísico Ludwig von Bertalanffy:
Se o que foi dito procede, a realidade é o que Nicholas de Cusa chamou
coincidentia oppositorum. A narrativa discursiva sempre vai representar
somente um único aspecto da realidade última, chamada Deus na
terminologia de Cusa; e nunca poderá exaurir sua infinita multiplicidade.
Portanto, a realidade última é uma unidade de opostos.
Do ponto de vista da coincidentia oppositorum – “a coincidência dos opostos” – o que
pensamos ser opostos totalmente irreconciliáveis e separados vieram a se tornar,
na frase de von Bertalanffy, “aspectos complementares de uma única realidade”.
E por todas essas razões, Alfred North Whitehead, um dos filósofos mais influentes
deste século, estabeleceu sua filosofia do “organismo” e “existência vibratória”,
sugerindo que “todos os elementos são, em essência, vibratórios”. Ou seja, todas as
coisas e eventos que normalmente consideramos irreconciliáveis, tais como causa e
efeito, passado e futuro, sujeito e objeto, são em verdade, nada mais que a crista e o
cavado de uma onda única, de uma única vibração. Pois uma onda, embora em si
mesma seja um evento singular, somente se expressa através dos opostos de crista
e cavado, parte alta e parte baixa. Por esta mesma razão, a realidade não é
encontrada somente na crista ou somente no cavado, mas na sua unidade (tente
imaginar uma onda com crista mas sem cavado). Obviamente, não existe crista sem
cavado, um ponto alto sem um ponto baixo. Crista e cavado – na verdade, todos os
opostos – são aspectos inseparáveis de um única atividade inerente. Assim, como
Whitehead propõe, cada elemento do universo é o fluxo e refluxo vibratório de uma
energia ou atividade subjacente”.
8
Nada esclarece mais esta unidade intrínseca de opostos do que a teoria de percepção
da Gestalt. De acordo com ela, nunca estamos conscientes de qualquer objeto, ou
evento, ou figura, a menos que este esteja num fundo contrastante. Por exemplo,
algo a que chamamos “luz” é, na realidade, uma forma de luz que se apresenta num
fundo escuro. Quando eu olho para o céu de uma noite escura e percebo a luz de uma
estrela brilhante, o que estou de fato vendo – o que meu olho “introjeta” – não é uma
estrela separada, mas todo o campo da Gestalt de “estrela brilhante mais o céu
escuro”. Entretanto, por mais drástico que seja o contraste entre a estrela brilhante
e o fundo de céu escuro, eu jamais perceberia um sem o outro. “Luz” e “escuridão”
são, assim, dois aspectos correlatos de uma única experiência sensorial da Gestalt.
Do mesmo modo, não consigo perceber movimento sem inércia, nem esforço sem
descanso, nem complexidade sem simplicidade, tampouco atração sem repulsão.
Da mesma forma, eu nunca teria consciência do prazer sem a dor. Eu posso estar me
sentindo bem confortável e contente neste momento, mas jamais poderia apreender
isso sem a pré-existência da referência de desconforto e dor. E é por essa razão que
prazer e dor parecem sempre se alternar, pois somente em seu contraste e
alternância mútuos é que a existência de cada um pode ser reconhecida. Assim, não
importa o quanto eu goste de um e repudie o outro, o intento de isolá-los é fútil.
Como Whitehead diria, prazer e dor são tão somente a inseparável crista e cavado
da mesma onda de consciência, e tentar acentuar a crista positiva e eliminar o
cavado negativo é tentar eliminar a onda de consciência como um todo.
Talvez agora possamos começar a entender porque a vida, quando vista como um
mundo de opostos separados, é tão absolutamente frustrante, e porque o progresso
se tornou, de fato, não crescimento, mas um câncer. Ao tentar separar os opostos e
apegar-nos àqueles que julgamos serem positivos, tais como prazer sem dor, vida
sem morte, bem sem mal, estamos, na verdade, lutando contra fantasmas sem pé na
realidade. Poderíamos, do mesmo modo, lutar por um mundo de cristas sem
cavados, compradores sem vendedores, esquerdas sem direitas, dentro sem fora.
Assim, como Wittgenstein bem observou, uma vez que nossas metas não são
elevadas, mas ilusórias, nossos problemas não são difíceis, mas sim desprovidos de
sentido.
O fato de que todos os opostos – tais como massa e energia, sujeito e objeto, vida e
morte – sejam perfeitamente inseparáveis ainda impacta a maioria dos seres
humanos, a ponto de dificilmente acreditarmos. Mas isso se dá somente porque
aceitamos como reais as linhas divisórias entre os opostos. Recordemo-nos de que
são as fronteiras em si que criam a aparente existência dos opostos. Resumindo,
dizer que “a realidade última é a unidade dos opostos” é o mesmo que dizer que na
realidade última não há fronteiras. Em nenhum lugar.
O fato é que estamos tão enfeitiçados pelas fronteiras, tão subjulgados pela magia
do pecado de Adão, que nos esquecemos por completo da real natureza dessas
linhas. Tais fronteiras nunca são encontradas no mundo real, mas tão somente na
imaginação dos cartógrafos. Certamente que há muitas linhas no mundo natural,
como as linhas costeiras que dividem os continentes dos oceanos em seu entorno.
Há, de fato, todos os tipos de linhas e superfícies na natureza – contornos de folhas
e das peles dos organismos, horizontes, contornos de árvores e lagos, superfícies de
9
sombra e luz, e linhas que destacam todos os objetos de seu ambiente. Claramente
que essas superfícies e linhas, de fato, existem, mas tais linhas, como uma linha
costeira que divide a terra da água, não representam meramente a separação entre
a terra e a água, como geralmente supomos. Como Alan Watts tão insistentemente
pontuou, estas então chamadas “linhas divisórias” igualmente marcam com precisão
os lugares onde terra e água se tocam, se encontram. Ou seja, essas linhas juntam e
unem tanto quanto dividem e distinguem. Essas linhas, em outras palavras, não são
fronteiras! Há uma grande diferença entre um linha e uma fronteira, como veremos.
O ponto, então, é que as linhas juntam os opostos tanto quanto os distinguem. E esta
é precisamente a essência e função de todas as linhas e superfícies reais na natureza.
Elas explicitamente marcam os opostos, ao mesmo tempo que, implicitamente, os
unem. Por exemplo, vamos desenhar uma linha representando uma figura côncava,
como segue:
Mas note que, imediatamente, com a mesma linha, eu também criei uma figura
convexa. É isto que o sábio taoísta Lao Tsu quis dizer ao apontar que todos os
opostos emergem simultânea e mutuamente. Como o côncavo e o convexo do
exemplo, elem vêm à existência juntos. Portanto, não podemos dizer que a linha
separa o côncavo do convexo, pois há somente uma linha que é totalmente
partilhada pelos dois. A linha, longe de separar côncavo de convexo, torna
absolutamente impossível que um exista sem o outro. Devido a esta única linha, não
importa como desenhemos o côncavo, ao mesmo tempo, também desenharemos o
convexo, porque a linha externa do côncavo é a linha interna do convexo. Por isso,
você nunca encontrará um côncavo sem um convexo, pois estes, como todos os
opostos, estão fadados a intimamente abraçar um ao outro pela eternidade.
O ponto fundamental é que todas as linhas que encontramos na natureza, mesmo
aquelas que construímos, não meramente distinguem os diferentes opostos, mas
também os unem numa unidade inseparável. Uma linha, em outras palavras, não é
uma fronteira. Uma linha, quer natural, mental ou lógica, não somente divide e
separa, mas também junta e une. Fronteiras, por outro lado, são puras ilusões – elas
pretendem separar o que é, de fato, inseparável. Neste sentido, o mundo real contém
linhas, mas não fronteiras.
Uma linha real se torna uma fronteira ilusória quando imaginamos seus dois lados
separados e não relacionados; ou seja, quando reconhecemos a diferença exterior
dos dois opostos, mas ignoramos sua unidade interior. Uma linha se torna um
fronteira quando imaginamos que ela só separa, mas não une ao mesmo tempo.
Tudo bem traçar linhas, desde que não as confundamos com fronteiras. Tudo bem
distinguir prazer de dor; é impossível separar prazer de dor.
Agora, nós geramos as ilusões das fronteiras do mesmo jeito que Adão o fez
originalmente, pois os pecados dos pais visitam seus filhos e filhas. Começamos por
10
seguindo as linhas da natureza – costeiras, florestais, horizontes, superfícies de
rochas, de pele, etc. – ou construindo nossas próprias linhas mentais (que são ideias
e conceitos). Através deste processo, distinguimos e classificamos aspectos do nosso
mundo. Aprendemos a reconhecer a diferença entre dentro e fora de cada classe de
coisas: entre o que são pedras do que não são pedras, entre o que é prazer e o que
não é prazer, entre o que é alto e o que não é alto, entre o que é bom e o que não é
bom...
Nossas linhas já estão em perigo de se tornarem fronteiras, pois estamos
reconhecendo as diferenças explícitas, mas nos esquecendo da unidade implícita. E
este equívoco é facilitado na medida em que prosseguimos nomeando, anexando,
para a classe em questão, uma palavra ou símbolo para dentro e outra palavra ou
símbolo para fora. Pois as palavras que usamos para dentro da classe, tal como “luz”,
“cima”, “prazer”, são definitivamente desconexas e separadas das palavras que
usamos para o lado de dentro da classe da coisa em questão, tais como “escuro”,
“baixo” e “dor”.
Assim, podemos manipular os símbolos independentemente dos seus opostos
compulsórios e intrínsecos. Por exemplo, eu posso criar uma sentença afirmando,
“Eu quero prazer”, e não haver referência nela ao oposto necessário ao prazer, dor.
Eu posso separar prazer de dor nas palavras, em meus pensamentos, mesmo que,
no mundo real, um nunca seja encontrado sem o outro.
Neste ponto, a linha entre dor e prazer se torna uma fronteira, e a ilusão de que os
dois são separados parece convincente. Não enxergando que os opostos são tão
somente dois nomes diferentes do mesmo processo, eu imagino que há dois
processos diferentes estabelecidos um contra o outro. Comentando sobre isso, L. L.
Whyte disse: “Assim, a mente imatura, incapaz de escapar ao seu próprio
preconceito... está condenada a lutar na camisa de força de seus dualismos:
sujeito/objeto, tempo/espaço, espírito/matéria, liberdade/necessidade, livre
arbítrio/lei. A verdade, que deve ser única, está escondida dentro da contradição. O
homem não consegue pensar onde ele está, porque ele criou dois mundos a partir de
um único.”
Nosso problema, parece, é que criamos um mapa convencional, completo de
fronteiras, a partir de um território natural real que não tem fronteiras, e então
sistematicamente confundimos os dois. Como Korzybski e sua semântica geral
apontara, nossa palavras, símbolos, sinais, pensamentos e ideias são meramente
mapas da realidade, não a realidade em si, porque “o mapa não é o território”. A
palavra “água” não saciará sua sede. Mas vivemos num mundo de mapas e palavras
como se esse fosse o mundo real. Seguindo as pegadas de Adão, perdemo-nos
totalmente num mundo de mapas e fronteiras puramente fictícios. E estas fronteiras
ilusórias, com os opostos por elas criados, tornaram-se nossas batalhas passionais.
A maioria dos nossos “problemas existenciais”, então, são baseados na ilusão de que
os opostos podem e devem ser separados e isolados uns dos outros. Mas, desde que
todos os opostos são, na verdade, aspectos de uma mesma realidade intrínseca, isto
é como tentar separar as duas pontas de um elástico. Tudo o que você pode fazer é
puxar mais e mais forte, até que algo violentamente arrebenta. Assim, podemos
11
agora entender porque, em todas as tradições místicas do mundo, aquele que vê
através da ilusão dos opostos é chamado “liberto”. Porque aquele que está “livre dos
pares” de opostos está livre, nesta vida, dos problemas e conflitos
fundamentalmente não essenciais envolvidos na guerra dos opostos. Ele não mais
manipula os opostos uns contra os outros em sua busca por paz, mas, em vez disso,
os transcende. Não bem vs. mal, mas além do bem e do mal. Não a vida contra a
morte, mas um centro de consciência que transcende a ambas. O objetivo não é
separar os opostos e fazer um “progresso positivo”, mas unificar e harmonizar
positivo e negativo, por descobrir um campo que transcenda e inclua a ambos. E este
campo, como logo veremos, é a unidade da consciência em si mesma. Enquanto isso,
notemos que, de acordo com a Escritura Hindu Bhagavad Gita, esta liberação não
trata da liberação do polo negativo, mas sim da liberação dos dois polos:
Contente-se em receber o que chega, como chega. Superado para além dos
pares, liberto da inveja, Não apegado ao sucesso ou ao fracasso, Ainda que
agindo, ele não está preso. Será reconhecido como eternamente livre,
Aquele que nem detesta nem anseia; Pois aquele que se liberta dos pares,
está livre do conflito.
Este “liberto dos pares” é, em termos ocidentais, o descobrimento do Reino dos Céus
na Terra, mesmo que os evangelizadores populares o tenham esquecido. Pois o
Paraíso não é, como a religião popular afirma, um estado de somente positivos e
nenhum negativo, mas o estado realizado de “não opostos” ou “não dualidade,” ao
menos de acordo com o Evangelho de São Tomás:
Eles Lhe disseram: Então nós, sendo como crianças, entraremos no reino
dos céus? E Jesus lhes disse: Quando tornarem dois, um, e quando tornarem
o interior como o exterior e o exterior como o interior, e o acima como o
abaixo, e quando tornarem o masculino e o feminino num único, então
vocês entrarão no Reino dos Céus.
Esta ideia de não opostos e não dualidade é a essência do Hinduísmo Advaita
(advaita sinifica não dualidade) e do Budismo Mahayana. A ideia está
maravilhosamente expressa num dos textos budistas mais importantes, o
Lankavatara Sutra:
Imaginação falsa nos ensina que coisas tais como luz e sombra, comprido
e curto, preto e branco, são diferentes e devem ser discriminadas; mas elas
não são independentes umas das outras; elas são tão somente aspectos
diferentes da mesma coisa, são termos de relação, não de realidade. As
condições da existência não são de um caráter mutuamente exclusivo; na
essência, as coisas não são duas, mas uma.
Poderíamos multiplicar essa citações indefinidamente, mas todas apontariam para
a mesma coisa: a realidade última é a união dos opostos. E desde que são,
expressamente, as fronteiras que sobrepomos à realidade o que a fatia em inúmeros
pares de opostos, a afirmação de todas essas tradições, de que a realidade é livre dos
pares de opostos, é a afirmação de que a realidade é livre de fronteiras. Realidade
não-dual significa realidade sem fronteiras.
12
Assim, a solução da guerra dos opostos requer a rendição de todas as fronteiras, e
não a prestidigitação progressiva dos opostos, uns contra os outros. A guerra dos
opostos é um sintoma de uma fronteira assumida como real, e para curar os
sintomas devemos ir à raiz do problema em si: nossas fronteiras ilusórias.
Mas, perguntamos: o que acontecerá com nosso desejo de progresso se percebemos
que todos os opostos são um? Bem, com alguma sorte, nosso desejo cessará – e com
ele aquele peculiar descontentamento que nos assola na ilusão de que a grama do
vizinho é mais verde. Porém, esclareçamos isto. Não quero dizer que vamos parar
de fazer progressos de algum tipo na medicina, agricultura e tecnologia. Somente
cessaremos de ancorar nossa ilusão de que a felicidade depende disso. Pois, quando
enxergarmos através da ilusão das nossas fronteiras, veremos, aqui e ali, o universo
da mesma forma como Adão o contemplara antes da queda: uma unidade orgânica,
uma harmonia de opostos, uma melodia de positivo e negativo, prazer com a
diversão da nossa existência vibratória. Quando os opostos são vivenciados como
um, a discórdia dissolve-se em concórdia, as batalhas transformam-se em danças e
velhos inimigos tornam-se amantes. Aí então, estaremos em condição de estabelecer
amizade com todo o nosso universo, e não somente como metade dele.
Para mais informações: http://integrallife.com/integral-post/half-it-unionopposites#sthash.AnjPPaj0.dpuf .
Fly UP