...

manual de compras

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

manual de compras
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
INSTITUTO FEDERAL DE
EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ
MANUAL DE COMPRAS
MARÇO, 2009
PRAD/DOCF-CTC
MANUAL DE COMPRAS
I - ESCLARECIMENTO
Este Manual não tem a pretensão de esgotar as dúvidas acerca dos
procedimentos de compras pela Administração do IFPI, mas esclarecer aos
solicitantes as questões básicas relacionadas ao assunto, a partir da experiência
acumulada pelos setores envolvidos no processo de compras, que são a PróReitoria de Administração, o Departamento de Orçamento, Contabilidade e
Finanças do Campus Teresina Central e suas frações.
II - OBJETIVO
Definir parâmetros para solicitação de compras de materiais e
contratação de serviços, visando à dinamização do processo; à racionalização
dos trâmites; à eficácia das aquisições do IFPI; e ainda, cumprir as
determinações legais e atender às orientações da Controladoria Geral da União
e do Tribunal de Contas da União.
2
PRAD/DOCF-CTC
III - DEFINIÇÕES PRÉVIAS
a) - Memorando de Solicitação de Compra ou Serviço
É o documento, emitido pelo interessado, contemplando a justificativa
da aquisição, a especificação do material ou serviço, bem como o preço
estimado; encaminhado à Direção Geral/Reitoria, para autorização da
autuação (abertura) do processo de compra.
Depois de autorizado, é encaminhado ao Departamento de Administração do
Campus/Pró-Reitoria de Administração da Reitoria que abre, instrui e
coordena a tramitação do mesmo pelos setores envolvidos, de acordo com as
características que determinarão a forma de aquisição, que poderá ser:
a) direta, isto é, por dispensa de licitação ou inexigibilidade, em casos e
condições específicas; ou
b) por licitação, em modalidade adequada.
Atenção: o procedimento de compra é realizado quando constatada a
inexistência ou insuficiência do material no Almoxarifado.
b) – Processo de aquisição de material ou de contração de serviço
Simploriamente, o processo de compras pode ser definido como o
conjunto de procedimentos documentado e circunstanciado por despacho
escrito assinado e datado por agente público designado, em obediência estrita
3
PRAD/DOCF-CTC
à legislação específica e aos Princípios da Administração Pública, organizado
em ordem cronológica, com numeração crescente, encadernado com capa de
cor rosa; e autuado, isto é, numerado segundo o sistema de protocolo gerido
pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão – MPOG.
O processo deverá conter os atos da Administração desde a solicitação
do gasto até o pagamento da despesa, preferencialmente encerrado com um
parecer analítico do controle interno, ressalvando as falhas porventura
cometidas com o fim de orientar o gestor e sua equipe a evitá-las em
procedimentos futuros.
Uma das finalidades da formalização do processo é servir de prova
documental dos atos praticados pela Administração e seus agentes. Os autos
do processo permitem deste modo a análise dos atos e identificação dos
agentes, na ordem em que aconteceram, por parte dos órgãos de controle
interno e externo e da sociedade em geral.
c) – Agente Público
É a pessoa física que exerce uma função pública no âmbito da
sociedade. A função pública é a atribuição, o encargo ou a competência
previamente definidos por lei, para o exercício de uma determinada atividade
que tem por objetivo precípuo o interesse público. Dentre os agentes públicos
figuram os agentes administrativos (funcionários/empregados públicos), que
mantêm com a Administração relação de trabalho remunerado, não eventual e
com vínculo de subordinação.
4
PRAD/DOCF-CTC
IV - ELABORAÇÃO DO PEDIDO
Todo processo administrativo de compras se inicia e se fundamenta no memorando
de compras e seus eventuais anexos. O êxito do processo depende das circunstâncias e
termos em que foram realizados os procedimentos de descrição, condições de entrega e
estimativa de preço do objeto a ser adquirido.
a) - Solicitação de Material
O responsável pelo setor interessado, verificando em seu planejamento a
necessidade de aquisição de materiais a fim de manter as condições adequadas de atividade
do setor, deve verificar a inexistência ou insuficiência do material no Almoxarifado.
Constatada a necessidade de realização da despesa, o responsável pelo setor deve
emitir um memorando de compras a seu superior hierárquico, quem encaminhará o
memorando à Direção Geral do campus para autorização.
Por este memorando de solicitação de compra, o interessado solicita ao Diretor
Geral autorização para aquisição do material de consumo, equipamento, material
permanente; justificando sua necessidade e indicando o valor estimado do gasto e, em
anexo, projeto básico, memorial descritivo ou termo de referência contemplando relação
dos bens com os seguintes elementos: especificação detalhada, padrão de qualidade e
desempenho, unidade de fornecimento, quantidade, preço estimado e, ainda, se
necessário: condições de fornecimento, garantia, instalação, adequação a normas de
padronização, acessórios ou itens inclusos etc.
Deve ser emitido um memorando para cada grupo de material, conforme os
exemplos:
a) Material de consumo para laboratório de eletrônica;
b) Material de Expediente;
c) Material de Distribuição consumo para setor médico-odontológico;
d) Material de Consumo - Suprimentos de informática;
5
PRAD/DOCF-CTC
e) Material de consumo para manutenção elétrica e hidráulica;
f) Material de consumo – peças de reposição para equipamentos de refrigeração;
g) Equipamento de refrigeração para climatização de ambiente;
h) Equipamento de informática para área de ensino;
i) Equipamento de informática para área administrativa;
j) Equipamento para laboratório de Alimentos.
b) – Solicitação de Serviço
O responsável pelo setor interessado, constatando a necessidade de contratação de
um serviço avulso ou continuado, deve emitir um memorando de compras à Direção Geral
do campus.
Por este memorando de solicitação de serviço, o interessado solicita autorização
para contratação de pessoa jurídica (339039) ou física (339036) para prestação do serviço
almejado; justificando a necessidade do gasto e indicando o valor estimado da contratação
e, em anexo, projeto básico, memorial descritivo ou termo de referência contemplando os
seguintes aspectos: especificação detalhada, padrão de qualidade e desempenho,
unidade de fornecimento, quantidade, preço estimado e, ainda, se necessário: condições
de fornecimento, garantia, instalação, adequação às normas de padronização.
c) – Descrição do Objeto.
A descrição do objeto deve contemplar especificações técnicas detalhadas e
precisas. Sua fidelidade é fator preponderante para a cabal realização da despesa pública
dentro dos parâmetros morais e legais da Administração, haja vista que a impessoalidade
deve permear todo o processo de compra, vedando a utilização de critério técnico seleção
de proposta que não esteja expressamente previsto no memorando de compra ou em seus
6
PRAD/DOCF-CTC
anexos. A questão da descrição é fundamental, porque “ as melhores compras começam
pela descrição detalhada do produto na sua solicitação, resultando na aquisição de bens
de qualidade, melhor oferta de preços e adequação às necessidades do órgão solicitante.”1
Um dos fenômenos recorrentes constatado na prática é o desapontamento do
solicitante ao concluir que o bem adquirido não corresponde às suas expectativas, quando é
adquirido.
Talvez isso se dê pela falta de correspondência entre as expectativas do solicitante e
a descrição do objeto constante no pedido. Isso ocorre, aparentemente, porque o solicitante
tende a conceituar mais e definir menos o objeto pretendido2.
Exemplo de descrição com tendência ao Conceito (subjetiva):
Item
01
Discriminação
Bebedouro de garrafão com pé pintado.
Unidade
Quantidade
Preço unit.
Preço total
Um
10
286,00
2.860,00
Exemplo de descrição com tendência à Definição (impessoal e precisa)
Item
Discriminação
Unidade
Quantidade
Preço unit.
Preço total
01
Bebedouro de coluna, para garrafão de 20 litros, com
duas torneiras, sendo uma para água em temperatura
natural e outra para água gelada, com desempenho
mínimo de 3,5 litros de água gelada por hora, cuba com
capacidade de pelo menos 5 litros, bandeja coletora de
água removível, baixo consumo de energia, tensão 220
Volts. Garantia de um ano. Prestação de Assistência
Técnica em Teresina-PI.
Um
10
286,00
2.860,00
Não há uma única forma de descrever um bem ou serviço, porém são
comuns as descrições mais assemelhadas a um conceito e outras mais
correspondentes a uma definição. A conduta mais afeita à Administração é
1
SILVEIRA E CAMARGO. O processo de compras na prefeitura municipal de Santa Maria. [email protected] Revista Eletrônica
- Edição Especial -2006
2
Um exemplo simples e esclarecedor da diferença entre conceito e definição pode ser obtido a partir da
palavra água. Seu conceito pode ser de um líquido incolor, inodoro e essencial para a sobrevivência dos seres
humanos. Sua definição é única: uma partícula de hidrogênio associada a duas de oxigênio. (MONTEIRO.
Sumário ou índice? Conceitos, definições e controvérsias. Acta Cirúrgica Brasileira. Vol. 13, n. 2, São
Paulo. abr/maio/jun 1998.)
7
PRAD/DOCF-CTC
aquela pautada no sentido da definição do objeto. Seguem mais alguns
exemplos de descrição detalhada:
Material de consumo – Gêneros Alimentícios
Item
Discriminação
Unidade
Quantidade
Preço unit.
Preço total
01
Café torrado e moído, embalado a vácuo, em
embalagem não superior a 1Kg
Kg
500
8,00
4.000,00
Equipamento de refrigeração de água.
Item
Discriminação
Unidade
Quantidade
Preço unit.
Preço total
01
Bebedouro de coluna, para garrafão de 20 litros, com
duas torneiras, sendo uma para água em temperatura
natural e outra para água gelada, com desempenho
mínimo de 3,5 litros de água gelada por hora, cuba com
capacidade de pelo menos 5 litros, bandeja coletora de
água removível, baixo consumo de energia, tensão 220
Volts.
Um
10
286,00
2.860,00
Serviço de Terceiros Pessoa Jurídica – Locação de veículo com motorista
Item
Discriminação
Unidade
Quantidade
Preço unit.
Preço total
01
Serviço de locação de ônibus, com condutor, capacidade
mínima de 42 lugares, trecho Teresina - Picos Teresina, rodagem em pavimentação asfáltica, com
percurso aproximado de 660 Km, Saída de Teresina às
7h do dia 20/02 e retorno de Picos previsto para as 19h
do dia 21/02.
Ônibus
03
2.000,00
6.000,00
Manutenção de Equipamento (serviço e peças)
Serviço de Manutenção
Item
Discriminação
Unidade
Quantidade
Preço unit.
Preço total
01
Higienização ar condicionado; Limpeza do sistema de
Injeção; revisão geral; alinhamento e balanceamento.
Obs: os serviços serão executados no veículo L-200 de
placa NHZ – 4940, tombo 34567, do Campus Rio
Bonito, conforme Memo nº 042/2009 – Campus Picos e
documentação, anexos.
UM
01
333,90
333,90
Item
Discriminação
Peças e Insumos a serem aplicados na Manutenção
01
02
03
04
05
06
07
Líquido arref. 1 lt
Fluido freio dot-4
Filtro óleo motor
Filtro combustível
Óleo Tection 15w/40
Limpa sist. Ar condicionado
Limpador diesel
Unidade
Quantidade
Preço unit.
Preço total
Lt
Und
Und
Und
Und
Und
Und
04
01
01
01
07
01
01
30,73
27,63
42,73
38,02
17,88
50,00
70,00
122,92
27,63
42,73
38,02
125,16
50,00
70,00
8
PRAD/DOCF-CTC
Atenção:
1 - Não indicar marca nem modelo de um determinado fabricante; exceto quando se tratar
da identificação de um equipamento, cuja manutenção ou peças de reposição constituam o
objeto da despesa pretendida;
2 – Fazer um pedido para cada grupo de material (ex.: suprimento de informática,
equipamento de informática, material de expediente, material de consumo laboratorial,
material para manutenção elétrica, hidráulica e refrigeração, mobiliário, locação de veículo,
limpeza e lubrificação de equipamento sem reposição de peças etc). Quando se tratar de
serviço de manutenção de equipamento com reposição de peças, um mesmo processo
abrigará as duas despesas: serviço de manutenção e aquisição de peças de reposição;
3 - A especificação completa (sem determinação de marca ou modelo) do material ou
serviço com o padrão de desempenho e de qualidade é fundamental para que você receba
exatamente o que necessita, jamais esqueça que pensar é uma atividade psíquica abstrata
bem diferente de escrever clara e objetivamente. Invariavelmente, você receberá o que
escreveu e não o que imaginou;
4 – Pedidos de natureza complexa ou específica devem ser elaborados ou, pelo menos,
supervisionados por um profissional competente. No caso de obra ou serviço de engenharia
é imprescindível a participação circunstanciada de um engenheiro; equipamento e
suprimento de informática, de um analista de sistemas; equipamento e material de
laboratório, do coordenador do laboratório; equipamento e material médico hospitalar, do
médico coordenador do setor; quem deve saber do que um setor precisa é o servidor (e
profissional competente) responsável por suas atividades;
5 - Assuntos relacionados a recursos orçamentários deverão ser dirimidos com a fração de
administração orçamentária, contábil e financeira de cada unidade.
Embora haja impedimento de indicação de marca e também de
descrição que direcione a compra para um determinado fabricante, a
Subsecretaria de Assuntos Administrativos do MEC vem utilizando marcas
como referência de padrão de qualidade e desempenho, conforme segue:
CANETA esferográfica, plástico, latão com esfera de tungstênio, média, preta, material
transparente e com orifício lateral – (tipo BIC, Faber Castel ou similar com o mesmo
padrão de qualidade).
A expressão “tipo marca X, marca Y, marca Z” não direciona o pedido
para um determinado fabricante. A enumeração de marcas serve para definir
9
PRAD/DOCF-CTC
um padrão de qualidade sendo possível o oferecimento de similares de outras
marcas desde que com o mesmo padrão de qualidade.
Até que se prove o contrário, este parece um recurso eficaz para se
evitar a compra de materiais que não satisfazem às expectativas do solicitante
e da Administração. Resta saber qual o critério a ser utilizado pelo pregoeiro
para estabelecer a similaridade. Tal critério deve constar no edital de licitação.
10
PRAD/DOCF-CTC
V - POR ONDE ANDA O PROCESSO DE COMPRAS
T R Â M I T E
F
A
S
E
C
O
M
U
M
F
A
S
E
E
S
P
E
C
Í
F
I
C
A
F
A
S
E
C
O
M
U
M
Passo
P R O C E S S U A L
Setor
Ação
1
2
3
4
5
6
7
8
Interessado
Formaliza o Pedido
Diretor Geral / Reitor
Autoriza a tramitação
Setor de Orçamento
Informa saldo orçamentário
Almoxarifado
Confere ausência do material pedido no estoque.
DAP do campus/PRAD Reitoria
Instrui e coordena processo
Ordenador da despesa
Autoriza
Protocolo
Abre processo – autua
DAP do campus/PRAD Reitoria
Monitora e encaminha
9
Setor de Licitação
COMPRA DIRETA
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Procedimentos de compra direta ou
Cotação Eletrônica: cotação de
preço de, no mínimo, três empresas
e indicação daquela que ofertou o
bem ou serviço de menor preço.
10
Procuradoria Jurídica
11
Setor de Compras/Licitação
10
Diretor Geral/Reitor
11
12
13
14
15
DAP do campus/PRAD Reitoria
LICITAÇÃO
Elabora Edital de licitação de acordo
com projeto básico, memorial
descritivo ou termo de referência
elaborado pelo interessado
Analisa e emite parecer acerca do
edital, sugerindo, eventualmente,
modificações a fim de adequá-lo à
legislação.
Realiza procedimentos licitatórios:
publicação do Edital e do Aviso de
Licitação, realização do certame em
sessão pública presencial ou virtual,
indicação (adjudicação) da empresa
que atendeu às condições previstas
no Edital e ofereceu o menor preço.
Homologa resultado da cotação ao Homologa resultado do certame ao
fornecedor que ofertar o bem ou fornecedor indicado vencedor na
serviço com menor preço
licitação.
Determina emissão de nota de empenho e encaminha
Setor de Contabilidade
Emite nota de empenho
Reitor, Gestor Administrativo
Assinam Nota de empenho
Gestor Financeiro
Entrega Nota de Empenho ao fornecedor
Almoxarifado / Setor Solicitante
16
Setor de Finanças
17
Reitor/Diretor Geral e Gestor
Financeiro
Confere material com Nota de Empenho e recebe formalmente o material e
a nota fiscal do fornecedor. / Atesta que os serviços foram prestados.
Realiza pagamento do fornecedor, emitindo uma Ordem Bancária, no valor
da Nota Fiscal devidamente atestada pelo almoxarifado ou solicitante de
serviço.
Autorizam pagamento da OB, assinando a relação de pagamento a ser
encaminhada à agência de relacionamento do Bco. do Brasil.
11
PRAD/DOCF-CTC
VI - RECEBIMENTO DE MATERIAL & ATESTADO DE PRESTAÇÃO DE
SERVIÇO
Todo material adquirido será entregue no Almoxarifado, onde
permanecerá à disposição do interessado. No ato do recebimento será
observado se o material confere com as especificações formalizadas no
processo de compras, momento em que será atestado o recebimento pelo
almoxarife junto a laudo de profissional competente quando necessário.
Tratando-se de equipamento ou material permanente, é necessário o
tombamento do bem pela Coordenação de Patrimônio.
Quando se tratar de equipamento que depende de instalação por
parte do fornecedor, a entrega será diretamente ao Interessado, na presença do
coordenador do Almoxarifado, servidor vinculado à essa coordenação, ou
outro servidor designado pela Administração. Depois de instalado e em
perfeito funcionamento, o interessado atesta a Nota Fiscal e a encaminha
imediatamente ao Almoxarifado, a fim de que seja processada a entrada do
material, a respectiva incorporação do bem ao acervo patrimonial e o pronto
pagamento ao fornecedor.
Quando se tratar de serviço avulso, a entrega será diretamente ao
Interessado, que, após a prestação do mesmo nos padrões de qualidade e
desempenho circunstanciados no memorando de solicitação, atesta a Nota
Fiscal de Serviço e a encaminha imediatamente ao setor financeiro, a fim de
que seja procedido o pagamento ao fornecedor.
IMPORTANTE
Nenhum material pode ser recebido pelo interessado, sem que antes tenha sido entregue no
Almoxarifado, de acordo com o Decreto Lei nº 200/64, Lei nº 4320/64, e normas
complementares em vigor. O descumprimento deste procedimento implica em
responsabilidades por parte de quem recebeu o material, pelo seu ressarcimento, caso o
mesmo não seja localizado para tombamento.
12
PRAD/DOCF-CTC
LEGISLAÇÃO
As aquisições realizadas pela Administração Pública são normatizadas, entre outros, pelos
documentos:

Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. Estabelece normas gerais sobre licitações e
contratos administrativos pertinentes a obras, serviços (inclusive de publicidade),
compras, alienações e locações no âmbito dos Poderes da União, dos Estados, do
Distrito Federal e dos Municípios;

Lei nº 10.520, de 17 de julho de 2002. Institui, no âmbito da União, Estados,
Distrito Federal e Municípios, nos termos do art. 37, inciso XXI, da Constituição
Federal, modalidade de licitação denominada pregão, para aquisição de bens e
serviços comuns, e dá outras providências.
CONTATOS
Setor
Responsável
Telefone
Reitoria
Profº. Santana
3215 – 5224
Pró-Reitoria de Administração
Tarcísio
3215 – 5209
Setor de Contabilidade Orçamento e Finanças Jurandi – Amaral - Gardênia
– Reitoria
3215 – 5202
Setor de Licitação - Reitoria
Antônio Luiz
3215 – 5257
Setor de Compras – Reitoria
José Mário
3215 – 5221
SUGESTÕES, ESCLARECIMENTOS E CRÍTICAS QUANTO AO MANUAL DE
COMPRAS
Campus Teresina Central
Departamento de Orçamento Contabilidade e Finanças
A/C Ricardo de Souza
E-mail: [email protected]; [email protected];
Fone: (86) 3215-5221 - (86) 9434-8084
13
PRAD/DOCF-CTC
MODELO MEMORANDO DE SOLICITAÇÃO DE
COMPRAS OU SERVIÇO
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
INSTITUTO FEDERAL DE
EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ
COORDENAÇÃO DE LABORATÓRIOS
Mem. nº 345/09
Em 23 de agosto de 2009.
A Sra. Diretora Geral do Campus de Lírios – Jacinta Florinda de Jesus
Assunto: Aquisição de Equipamento para Laboratórios dos Cursos de Saúde
Senhora Diretora,
Considerando o aumento de alunos nos cursos de saúde desta instituição
verificado nos últimos dois anos e o conseqüente aumento no volume de aulas práticas
realizadas no Laboratório de Saúde, faz-se necessário a aquisição do equipamento
especificado no Anexo, necessário ao satisfatório atendimento de alunos dos cursos de
saúde. (justificativa).
O preço estimada para a aquisição é de R$ 32.000,00 ( trinta e dois mil
reais).
Atenciosamente,
Manoel Leão de Souza
Coordenador de Laboratórios
14
PRAD/DOCF-CTC
ANEXO
Item
01
Descrição
Unidade
Centrífuga para leitura de exames de Peça
hematócrito, leitura manual, através
de régua graduada. Estrutura em
metal de alta resistência e pintura em
epóxi, blindagem interna, tampa de
segurança.
Rotor em alumínio
anodizado de alta resistência
mecânica, sem reentrâncias que
dificultem a limpeza, dinamicidade
balanceada, velocidade fixa de 12
mil rpm, capacidade para 24 tubos
capilares de 1,75 x 75mm. Motor
com categoria de consumo padrão A,
tensão de trabalho 220V, cabo de
alimentação com pelo menos 1,5 m
de cumprimento, baixo nível de
ruído,
desligamento
com
acionamento conjugado de freio,
LED indicativo de funcionamento,
base da carcaça em borracha.
Garantia de 2 anos, com assistência
técnica e suporte em Teresina, e
atendimento técnico em 24 horas,
realização de manutenção corretiva
em 72 horas.
Quantidade
10
Preço
Unitário
3.200,00
Preço
Total
32.000,00
OBSERVAÇÃO:
O recebimento definitivo do equipamento pelo almoxarifado dar-se-á
mediante exame a ser procedido pelo Coordenador de Laboratórios, ou técnico por ele
designado, devidamente circunstanciado e apenso ao processo de compra.
15
PRAD/DOCF-CTC
MODELO – Projeto Básico
SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL
Ministério da Educação
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí
PROJETO BÁSICO
1.
SETOR SOLICITANTE
1.1. NOME DO SETOR.
2.
OBJETO
2.1. BEM A SER ADQUIRIDO OU SERVIÇO A SER CONTRATADO.
3.
JUSTIFICATIVA
3.1. JUSTIFICATIVA DA AQUISIÇÃO OU CONTRATAÇÃO
4.
ESTIMATIVA DE CUSTO
4.1. CUSTO ESTIMADO DA CONTRATAÇÃO OU AQUISIÇÃO BASEADO EM VALORES
PRATICADOS NO MERCADO.
5.
ESTRATÉGIA DE FORNECIMENTO/PRESTAÇÃO DE SERVIÇO
5.1. COMO OS BENS DEVERÃO SER FORNECIDOS OU O SERVIÇO SERÁ PRESTADO.
6.
OBRIGAÇÕES
6.1. PERTINENTES AO OBJETO DA LICITAÇÃO:
6.1.1. DO CONTRATANTE:
6.1.1.1.
OBRIGAÇÕES DO CONTRATANTE EXCLUSIVAMENTE NO QUE SE REFERE
AO OBJETO DO PROJETO BÁSICO
6.1.2. DA CONTRATADA:
6.1.2.1.
OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA EXCLUSIVAMENTE NO QUE SE REFERE
AO OBJETO DO PROJETO BÁSICO
7.
HABILITAÇÃO
7.1. HABILITAÇÃO:
7.1.1. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES EXIGÍVEIS DA LICITANTE PARA EFEITOS DE
HABILITAÇÃO REFERENTES AO OBJETO DO PROJETO BÁSICO.
8.
OUTROS
8.1. OUTROS CRITÉRIOS RELEVANTES PARA UMA BOA AQUISIÇÃO OU CONTRATAÇÃO.
16
Fly UP