...

Vestir 9 - Sindivestuário

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

Vestir 9 - Sindivestuário
ISSN 2316 2961
Revista
da Indústria
do Vestuário
Jan/Fev/Mar – 2014
9
Cobertura
Inspiramais
antecipa
tendências
para a moda
em 2015
Exercício
com estilo
Mercado fitness se inspira na moda
praia para criar novas peças e
experimenta crescimento exponencial
Tecnologia Como o laser revolucionou os processos de produção no vestuário
preparamoda.blogspot.com.br / Reprodução
SUMÁRIO
4 Editorial
Os destaques da edição e do setor
5 Palavra do
presidente
Ronald Masijah opina sobre como
será 2014, diante de todos os
acontecimentos previstos para o ano
6 Entrevista
Flávia Santin, empresária e
diretora do Sindivestuário, comenta
atuação das mulheres no setor
10 Por dentro
do Sindicato
Notícias e informes
institucionais do Sindivestuário
Máquinas a laser revolucionaram
a produção no mercado têxtil e
do vestuário, proporcionando
muitos benefícios
18 Capa: Próxima estação
Reconhecidamente produtor de uma das melhores
moda praia do mundo, Brasil usa tais influências
na confecção fitness
RS Press / Divulgação
12 Tecnologia
28 Fuxico
Principais notícias e lançamentos
do segmento industrial
30 Na rede
Novidades mais relevantes da internet
32 Trabalho
e Justiça
Sped Social: entenda o que é,
como funcionará, quais seus
objetivos e qual o cronograma
para sua implantação
34 Agenda
Programação dos
próximos eventos do setor
24 cobertura
Fórum Inspiramais reúne cadeia produtiva de
moda e aponta tendências para a moda em 2015
Editorial
Influências da moda
praia no mercado fitness
Brasil usa
experiência
em produção
de moda
praia para
revolucionar
a confecção
de roupas
esportivas
Toda passagem de ano gera nas
pessoas e empresas uma renovação de
perspectivas. Tivemos um dos momentos
mais difíceis para o setor do vestuário
em 2013, e o ano que está começando
contará com diversos acontecimentos
relevantes no País, o que poderia gerar
expectativas de novas oportunidades
para o vestuário. Mas olhando friamente
para a realidade, tais acontecimentos
podem mais impedir que o ano de 2014
seja bom do que impulsioná-lo. Confira a
opinião do presidente do Sindivestuário,
Ronald Masijah, sobre o assunto na
seção Palavra do Presidente.
As tentativas para que o setor continue buscando alternativas para escapar
dos empecilhos existentes são muitas.
Para isso, nesta primeira edição do ano
da Vestir nós trazemos uma reportagem
sobre o mercado fitness e de moda
praia brasileiros, que tem vivenciado um
grande crescimento nos últimos anos.
O Brasil é reconhecidamente um País
que dita a moda quando o assunto é a
confecção de moda praia, e agora muitos
conceitos e tendências dessa área estão
influenciando a produção de fitness no
País. Confira todos os detalhes sobre o
assunto na matéria de capa.
Outro importante tema foi abordado
na editoria Tecnologia: como as máquinas a laser revolucionaram o mercado
de confecções e têxtil. Os novos equipamentos propiciaram muitas facilidades na produção de roupas e cortes de
jeans, por exemplo.
Nos primeiros dias do ano, nossa
equipe de reportagem cobriu o Fórum
Inspiramais, que aconteceu em São
Paulo e reuniu quase cinco mil pessoas da cadeia produtiva de moda para
adiantar as tendências do verão 2015.
E pegando gancho no Dia Internacional
da Mulher, celebrado em 8 de março,
entrevistamos a empresária e diretora do
Sindivestuário, Flávia Santin, que comentou a atuação das mulheres no setor.
REVISTA VESTIR é uma publicação trimestral do Sindicato da Indústria do Vestuário do Estado de São Paulo (Sindivestuário).
O conteúdo dos artigos é de inteira responsabilidade de seus autores e não representa necessariamente a opinião do Sindivestuário.
Jornalista responsável Roberto Souza (Mtb 11.408) Editor-chefe Hélio Perazzolo Editor Rodrigo Moraes Subeditoras Samantha
Cerquetani e Tatiana Piva Reportagem Vinicius Peixoto e Vinicius Morais REVISÃO Paulo Furstenau Projeto Editorial Fábio Berklian
Projeto Gráfico Rogério Macadura/StartUP Comunicação Designers Felipe Santiago, Leonardo Fial, Luiz Fernando Almeida e
Willian Fernandes Contato comercial [email protected] Conselho Editorial Camilo Sotelo e Maria Thereza Pugliesi Tiragem
5.500 exemplares CAPA Foto: Eduardo Rezende/CCM, Modelo: Natália Zambiasi, Stylist: Felipe Veloso, Beleza: Carla Biriba (Bliss Me)
Rua Cayowaá, 228, Perdizes | São Paulo - SP | CEP: 05018-000
11 3875-5627 / 3875-6296 | [email protected]
www.rspress.com.br
Diretorias - Triênio 2014 / 2017
Sindivest Sindicato da Indústria do Vestuário Feminino e Infanto Juvenil de São Paulo e Região
Presidente: Ronald Moris Masijah; Vice-presidente: Stéfanos Anastassiadis; Diretores: Maurice Marcel Zelazny, Eliana Penna Moreira, Sidney Knobloch,
Luiz Jaime Zaborowsky, Maria de Fátima Santana Silva, Flavia Santin Frugiuele, Dora Anastassiadis, Mario Perel, Dorival Carlos Cecconello, Sol Masijah
Sindiroupas Sindicato da Indústria do Vestuário Masculino no Estado de São Paulo
Presidente: Antônio Valter Trombeta; Vice-presidente: Heitor Alves Filho; Diretores: Max Paul Cassius, Heitor Alves Netto, Rubens Alberto Cohen, Francesco
D’Anello, Antero da Silva Clemente, Carlos Ernesto Abdalla, Renato André Cassius, Roque Antônio D’Avilla, José Alberto Saurê, Nelson Francischini Juniro
Sindicamisas Sindicato da Indústria de Camisas para Homem e Roupas Brancas de São Paulo
Presidente: Nelson Abbud João; Vice-presidente: Déborah Abbud João; Diretores: Adriana Dib Cury Silveira, Rodney Abbud João, Roberto da Silva Carvalho,
Vera Lúcia da Silva Carvalho
Rua Mario Amaral, nº 172, 2º andar, Paraíso - São Paulo-SP Tel.: 11 3889-2273
4 Revista Vestir
Palavra do Presidente
Muitos eventos relevantes
ocorrerão no Brasil este ano. No mês
de janeiro, tivemos as férias de verão.
No início de março, ao menos quatro
dias de folia param o País com as festas de carnaval. De 12 de junho a 13
de julho acontece a Copa do Mundo. No
segundo semestre, assim que cessarem
as atenções aos jogos de futebol, elas
serão totalmente voltadas às eleições
que ocorrerão em outubro. E se houver
segundo turno, novembro também será
um mês perdido.
Teoricamente, esses eventos deveriam movimentar a economia do País, já
que trazem milhares de turistas e, consequentemente, alguns dólares a mais
ao Brasil. Mas, ao contrário disso, tais
acontecimentos paralisarão o País ao
invés de criar algum desenvolvimento
econômico. Ou seja, 2014 será mais
um ano perdido. Perdido porque nada,
ou quase nada, foi feito pelo Governo
no sentido de incentivar a economia
brasileira para criar um ambiente de
negócios no Brasil. Ao contrário, o
governo federal criou incertezas, assustou investidores ao tentar estabelecer
os percentuais de lucros que os empresários poderiam ter em seus investimentos no País, demostrando um descompasso com a economia mundial e
revelando a filosofia dos dirigentes do
País, que nunca acreditaram em economia de mercado. Posturas como essas
afugentaram empresários e investidores brasileiros e do resto do mundo,
que viam em governos anteriores (até
mesmo o do Lula, guru da “presidenta
Dilma” - como ela gosta de ser tratada)
um País com mais condições e atrativos para se investir do que o de hoje.
Nas constantes reuniões feitas na
Federação das Indústrias do Estado
de São Paulo (Fiesp), fica claro que a
indústria brasileira está em frangalhos,
em particular a dos setores do vestuário e têxtil. Nem a destacada criatividade do empresariado brasileiro está
conseguindo saciar o voraz apetite tributário do governo brasileiro – o “sócio
oculto” das empresas –, que abocanha
42% do valor de cada peça de roupa
produzida no Brasil.
O setor do vestuário virou “moeda
de troca” para o Governo expor tar
commodities e automóveis, virando as
costas para os milhares de empregos que
compõem o nosso setor e incentivando
a entrada de produtos vindo do exterior.
Assim, não nos enganemos com o ano
repleto de eventos no País. Porque no
carnaval, roupas, enfeites, instrumentos, brinquedos e demais produtos de
época serão impor tados da China. E
na Copa do Mundo não será diferente.
Porque já se vê em lojas e magazines
uma infinidade de camisas, jaquetas,
bandeiras e tantos outros objetos confeccionados em verde amarelo, produzidos nos países asiáticos.
Chegamos à conclusão de que apesar
de muitos acontecimentos importantes
neste ano, devemos esquecer 2014 e
nos preparar para o próximo ano. Sem
Copa, sem eleições, sem tantas férias e
feriados. E, principalmente, contar que,
fruto das urnas e da vontade popular,
possamos ter um novo Governo com uma
visão de política econômica voltada ao
crescimento econômico que traga de
volta as empresas e os empregos que
o setor industrial brasileiro perdeu ao
longo dos últimos anos.
Sindivestuário/Divulgação
Por tudo o que
não vai acontecer
em 2014, feliz 2015!!!
Ronald Masijah
presidente do Sindicato do
Vestuário (Sindivestuário)
Revista Vestir
5
Entrevista
Flávia Santin
Mulher de fibra
Março é o mês que homenageia as mulheres, e a revista Vestir
entrevistou a empresária e diretora do Sindivestuário, Flávia Santin,
para falar sobre o setor e os desafios delas nesse contexto
O dito sexo frágil já deixou de ser frá-
gil há muito tempo, ou talvez nunca tenha sido. A
mulher, peça central na cultura ocidental, viveu no
último século processos de profunda transformação:
saiu de casa para conquistar o mercado de trabalho
e fez com que seus valores fossem, sim, percebidos
e apreciados.
Ainda não é fácil, porém, ser mulher nos dias de
hoje. Apesar de ter conquistado muito espaço, ela
ainda carrega o estigma de ser a senhora do lar, a
responsável pela manutenção da casa e do bem-estar
6 Revista Vestir
da família. Para ser bem-sucedida nesse contexto,
a mulher precisa ousar, ter fibra e muita coragem.
Tais qualidades não faltam para a empresária e diretora do Sindivestuário, Flávia Santin. Sua paixão pela
vida é refletida em tudo o que faz. Seja caminhando no
parque, assistindo a musicais ou em uma sala cheia
de executivos e clientes, Flávia se doa por inteiro. Em
entrevista exclusiva concedida à revista Vestir, ela
conta suas motivações e, aproveitando a ocasião da
comemoração do Dia Internacional da Mulher, fala a
respeito das guerreiras que a acompanham no dia a dia.
Por Vinicius Peixoto | Foto Flávia Santin/Arquivo pessoal
Conte-nos um pouco sobre a senhora.
Onde nasceu, como foi sua infância e
qual sua formação acadêmica?
Flávia Santin - Sou paulistana de Santo
Amaro e descendente de italianos - fui
criada no meio de imigrantes. Comecei
minha educação estudando em um colégio de freiras, de onde saí na primeira
opor tunidade, e fui para um colégio
estadual. Lá as coisas aconteciam de
forma mais intensa. Lembro-me até hoje
da minha professora de literatura, dona
Ivete, que lia Camões para acalmar os
ânimos da turma. Quando ela começava,
parecia mágica. Aos poucos, o ambiente
ia silenciando, e lá estavam todos prestando atenção. Ainda guardo alguns trechos de Os Lusíadas na cabeça.
Minha formação não tem nada em
comum com minha área de atuação. Me
formei em biomedicina com 21 anos.
Depois de um período de estágio no
Instituto Adolfo Lutz, e com uma pós-graduação em imunologia na Escola
Paulista de Medicina (EPM), decidi passar para a área de medicina.
Como mudou da área médica para o
setor do vestuário?
Flávia - Sempre fui muito detalhista e
exigente comigo mesma. Estava estudando medicina, mas a chegada da minha
filha Antonela, junto com a perda do meu
pai, seis meses depois, me forçaram a
largar tudo. Quase sem perceber, comecei uma oficina de costura com minha
mãe, Noêmia. Trabalhamos muito, nós
duas, e o tempo passou. Tive mais dois
filhos, Mario e Franco. Nossa empresa
foi criando raízes e se for talecendo.
A FND Santin atua no desenvolvimento
e produção de peças para marcas muito
conceituadas no mercado, que atendem
a um público diferenciado. Estamos no
mercado há 30 anos, e temos uma equipe
de aproximadamente 50 pessoas.
Em março comemoramos o Dia
Internacional da Mulher. Como a
senhora avalia a posição delas na
sociedade?
Flávia - Vou começar a responder a essa
pergunta citando a frase de uma mulher
admirável, que teve um impacto importante na história do mundo. Em certa
ocasião, Margaret Thatcher disse: “Se
você quer que digam algo, peça a um
homem. Se você quer que façam algo,
peça a uma mulher”. A mulher sempre
foi multitarefa, multifuncional. Já se sabe
que essa capacidade é uma herança genética de tempos pré-históricos, quando
o homem, chefe da família, saía para
caçar e a mulher precisava cuidar das
crias, do ambiente, se preparar para a
chegada da comida etc.
E no meio empresarial?
Flávia - Outro dia estava conversando
com amigos que têm uma empresa de
advocacia, e eles me contaram que passaram a contratar somente mulheres. O
motivo é simples: quando um homem
vai resumir um processo, produz um
documento de 10, 15 páginas, normalmente. Já a mulher produz um material
de 40, 50 páginas, porque é mais detalhista e atenta.
A mulher entra no cenário mundial
desempenhando múltiplas funções,
disputando por igualdades social, salarial e de vida. E isso é uma coisa realmente admirável.
Qual é o papel das mulheres na sua
empresa?
Flávia - Na FND Santin, somos um time.
Sempre faço questão de mostrar para
as minhas funcionárias que elas não são
simples operárias, mas sim par te de
uma equipe que faz um trabalho minucioso. Para sobreviver no mercado brasileiro, tão incerto e difícil, passamos
a desenvolver um produto com qualidade e design. Tratamos cada peça
como uma obra de ar te, com acompanhamento dedicado. E nossas funcionárias adquiriram esse espírito. A
maioria delas é arrimo de família, e eu
realmente acredito que isso as ajuda
no dia a dia, no trato com aqueles de
casa e com a sociedade. Quando você
está segura profissionalmente, tem condições de se impor em outras áreas.
E para mim não é diferente. A escola
me deu conhecimento, a família me deu
valores, e no meu trabalho eu encontro
diariamente essas pessoas que me fazem
acreditar que vale a pena continuar.
Revista Vestir
7
Entrevista
Flávia Santin
Cerca de 70% do setor têxtil e de vestuário
é composto por mulheres – são costureiras,
passadeiras etc. Normalmente são pessoas sem
um grau de instrução elevado, mas com uma
vontade gigante de vencer. A essas mulheres
eu presto minha homenagem, pois elas
acordam cedo, preparam a casa, a comida
da família, vão ao trabalho, cuidam dos
filhos, do lar, do marido, e são felizes
A senhora acha que as empresas têm
mulheres suficientes em seus quadros
de funcionários?
Flávia - Cerca de 70% do setor têxtil
e de vestuário é composto por mulheres - são costureiras, passadeiras etc.
Normalmente são pessoas sem um grau
de instrução elevado, mas com uma vontade gigante de vencer. A essas mulheres eu presto minha homenagem, pois
elas acordam cedo, preparam a casa,
a comida da família, vão ao trabalho,
cuidam dos filhos, do lar, do marido, e
são felizes. Elas transmitem aos filhos
os valores da vida, coisa que nenhum
dinheiro compra: dignidade,honra, amor,
honestidade. Elas são exemplos de coragem, força, amor incondicional.
Quais as dificuldades enfrentadas por
elas no setor de confecções?
Flávia - Em nosso ramo enfrentamos diretamente a concorrência chinesa, pois o
tecido, roupa e aviamentos importados são
mais baratos que os nacionais. O mesmo
serve para a mão de obra da China, Índia
e Vietnã. Dois clientes importantes cancelaram nossa parceria no ano passado
dizendo que iriam comprar da China. Como
sobreviver a essa concorrência, uma vez
que temos uma carga tributária pesada
e encargos trabalhistas elevados, dilapidando nossa produção interna, engessando nossa competitividade e destruindo
nossa indústria de forma escandalosa?
Nesse caso, acho que as qualidades da
mulher entram em voga. Saber negociar
e lidar com tantos empecilhos exige que
você tenha jogo de cintura na hora de trabalhar com um cliente. Claro que existem
8 Revista Vestir
homens extremamente competentes, mas
ser mulher é um agente facilitador.
Em sua opinião, o que pode ser feito
para mudar esse quadro?
Flávia - A concorrência é internacional,
o planeta está na rede e o que temos a
oferecer? Não adianta fechar os portos,
nem queimar os navios. A indústria é
estertora, as portas se fecham. A mulher
executiva precisa batalhar, dia a dia, tentando sobrepor seus interesses à negligência dos governantes, à apatia do povo.
Precisamos de ferramentas para negociar, competir. A capacidade multitarefa
da mulher fica mais evidente quando
ela ocupa uma posição como a minha.
Todos os dias, além de cuidar da casa,
dos filhos e da minha vida pessoal, preciso me desdobrar para ser mais competitiva no mercado em geral e cuidar
para que o nível de qualidade da minha
produção não caia. É uma tarefa árdua
e exige muita energia.
A ascensão da mulher em todas as
camadas da sociedade nos últimos anos
tem gerado frutos. Não acho que atualmente haja tanto preconceito como
existia há décadas. Nosso espaço tem
sido conquistado cada vez mais, e acredito que chegamos em um nível onde a
competência supera o gênero.
Gostaria de encerrar a entrevista
com alguma mensagem para todas as
mulheres?
Flávia - Outro dia estava lendo sobre o
caso de um presidente de empresa, gay,
que foi em uma boate e encontrou um de
seus funcionários. O rapaz ficou maluco,
pediu para o executivo não contar para
ninguém, mas foi demitido em seguida.
Como a situação gerou controvérsia, o
executivo argumentou: “Não quero gente
pela metade trabalhando pra mim. Quero
que as pessoas sejam aqui o que elas
são na vida delas”. Essa é uma lição preciosa que aprendi. Não importa se você é
homem, mulher, heterossexual ou homossexual, negro ou branco. O importante é
que você seja competente e tenha vontade de crescer e vencer.
Revista Vestir
9
Por dentro do SIndicato
Alinhavando
Cultura e marketing
O Sindivestuário está
produzindo um livro que conta a história do vestuário no Brasil. A obra será
intitulada A Roupa Faz o Monge.
A história do vestir no Brasil é apresentada de maneira completa, baseada
em uma profunda pesquisa, que abrange
desde os primórdios da indumentária
nacional até os dias atuais, englobando
suas influências, linguagens e importância para a nossa cultura.
Com belas imagens e depoimentos
documentais e testemunhais, o livro possui acabamento primoroso, como requer o
tema, composto por 320 páginas de 26 cm
x 28 cm em papel couchê matte 150g,
a cores e P&B, capa dura e sobrecapa.
E a tiragem será de três mil exemplares.
O projeto é composto por cinco partes:
1.Brasil pré-Cabralino
2.Brasil colônia e a influência por tuguesa e católica
3.Brasil republicano e as influências
europeias e de classes
4.Século 20: diferença do vestuário
até o final da 2ª Guerra Mundial e
pós-anos 1950
5.Contemporaneidade: diversidade e
criatividade brasileira, inclusive fora
do eixo Rio-São Paulo
Justificativa
O vestuário como elemento simbólico é
comunicação não verbal. Sob esse ponto
de vista, o projeto pretende recuperar
as diversas expressões da indumentária brasileira, desde os primórdios da
colonização até a contemporaneidade
e seus múltiplos significados.
A publicação pretende também resgatar essas diversas influências em sua
forma e conteúdo, e como constituíram
a base de um estilo de vida no vestuário brasileiro.
Hoje nossa “linguagem do vestir”
alcançou grande projeção internacional, e nossos criadores, finalmente
mais livres e autônomos, com tecnologia ao alcance, maior variedade
de matérias-primas, informação e
formação mais elaboradas, podem
fazer dessa linguagem uma verdadeira
expressão nacional.
Aprovado pela Lei de Incentivo
à Cultura – Lei Rouanet
A empresa escolhida para o projeto editorial, edição e produção foi a Via Impressa,
de Carlos Magno Bomfim, reconhecido
pelo refinamento e qualidade de suas
diversas obras. Em parceria com ele, e
contratada pelo Sindivestuário, a economista Claudete Greiner, pós-graduada
em gestão cultural, é a responsável pela
captação de patrocínios.
Camilo Muradas Sotelo
Diretor-executivo do Sindivestuário
Ajude a viabilizar uma obra de fundamental importância para o nosso setor!
Saiba como: [email protected]
(11) 97236-3001 ou via Sindivestuário
10 Revista Vestir
Como ativar sua empresa
no B2B Sindivestuário
O B2B Sindivestuário é uma
ferramenta criada pelo Sindicato para
aumentar as oportunidades para as empresas expandirem seus mercados, reduzindo custos e aumentando a eficiência e
satisfação de seus clientes. Além disso,
possibilita um ambiente de colaboração
entre os agentes da cadeia produtiva.
O acesso ao software já está disponível para todos os associados do
Sindivestuário. Para ativar a sua empresa
no sistema de negociação eletrônica,
basta seguir os passos do box abaixo:
Mais mobilidade
Além disso, mais uma solução vem se somar
aos benefícios do B2B Sindivestuário: a
tecnologia móvel. Um aplicativo (App)
que tem como propósito integrar as informações da Solução B2B de maneira que
usuários de dispositivos móveis que queiram utilizar a solução B2B possam pesquisar sobre as diversas oportunidades
de mercado geradas pelo ambiente B2B
e negociar de acordo com as possibilidades existentes. Saiba mais sobre o aplicativo no site do Sindivestuário.
1) Acesse o site www.sindicatos-e.com.br/sneb2b/sindivestuario.
2) Clique no link Código de Ativação para efetuar a ativação do sistema. O código é individual e intransferível, e o Sindivestuário irá
enviá-lo por e-mail e/ou correio.
3) A ativação pode ser feita a qualquer momento, e para isso basta
digitar o CNPJ e o código de ativação na tela do sistema.
4) Após a validação do código de ativação do sistema, a ficha cadastral será apresentada para complementos de perfil de usuário.
5) Após a validação da ficha cadastral e o perfil de usuário, login e
senha serão ativados no sistema.
6) Com o login e senha no sistema, o uso está liberado.
Sindicato adere à
Campanha do Agasalho
Como ocorre há alguns anos, o
Sindivestuário esteve presente no lançamento oficial da Campanha do Agasalho
2014, promovida pelo Fundo Social de
Solidariedade do Estado de São Paulo,
no Palácio dos Bandeirantes, no dia 12
de fevereiro.
No ano passado, o Sindicato teve uma
participação bastante ativa e arrecadou
mais de quatro toneladas de roupas,
tornando-se um dos for tes parceiros
da campanha.
Na abertura da reunião, a primeira-dama do estado, Lu Alckmin, que coordena o projeto, anunciou que este ano o
recolhimento das roupas e demais artigos começa em 5 de março e, a partir
de junho, já começam as entregas em
entidades assistenciais.
O presidente do Sindivestuário, Ronald
Masijah, manifestou o orgulho e satisfação dos sindicatos do vestuário de São
Paulo em participar novamente dessa
ação social: “Estamos focados na qualidade dos produtos que vamos arrecadar junto às empresas e colaboradores
do setor, ou seja, roupas novas ou em
muito boas condições de uso”.
O Sindivestuário disponibilizará
caixas de papelão para os interessados em promover arrecadação em suas
empresas. Mais informações no site
www.sindivestuario.org.br ou pelo telefone (11) 3889-2275.
Metas
para 2014
No dia 23 de
janeiro, nove
integrantes do
corpo diretivo do
Sindivestuário
se reuniram na
sede do Sindicato
para discutir um
pré-planejamento
para 2014.
O presidente
do Sindivestuário,
Ronald Masijah, fez
a abertura da reunião, que foi liderada pelo diretor-executivo Camilo
Muradas Sotelo.
Alguns dos
assuntos discutidos na ocasião
foram o pré-budget
voltado aos principais projetos da
entidade; as palestras que o Sindicato
pretende oferecer
aos associados
sobre a ferramenta
eSocial; o andamento e as novidades sobre o projeto
B2B Sindivestuário;
a aproximação da
entidade com o
Serviço Brasileiro
de Apoio às
Micro e Pequenas
Empresas (Sebrae)
e o aumento das
bases em munícipios que ainda
não pertencem
ao Sindicato.
Revista Vestir
11
TECNOLOGIA
facilidades
Laser
uma revolução
nos processos
de produção
Equipamentos propiciaram muitos
benefícios para o setor do vestuário e têxtil
Origem
O laser (acrônimo do termo em inglês Light Amplification by
Stimulated Emission of Radiation) vem sendo pesquisado por
cientistas no mundo todo desde o início do século passado.
Nomes como Einstein e Bohr foram alguns dos primeiros a estudar o compor tamento de átomos e sua capacidade de produzir
fótons, uma das essências físicas da luz. Porém, o termo laser
só foi realmente apresentado ao mundo em 1959, por conta de
um trabalho publicado pelo cientista americano Gordon Gould.
Antes disso, os soviéticos Nikolai Basov e Aleksandr Prokhorov
ganharam o Prêmio Nobel de Ciência por aper feiçoar o dispositivo que antecedeu o laser, mas que ainda não era capaz de
fazer uma emissão contínua.
A sócia-diretora da Automatisa Laser Solutions, Joana de Jesus
explica o uso do laser no setor: “Com essa tecnologia, é possível remover material por mudança de estado físico (do sólido para
o gasoso, por exemplo) ou transformação de matéria (mudança
12 Revista Vestir
Shutterstock
A evolução da tecnologia é um dos agentes
fomentadores mais importantes em todas as áreas do conhecimento humano. Não existe no mundo um único setor que não tenha
se beneficiado da agilidade, facilidade ou qualquer outro artifício
que as novas tecnologias trazem consigo. As indústrias têxteis e
de vestuário não fogem à regra, e é fácil perceber como novas tecnologias vêm transformando os processos de produção em termos
de rapidez, eficiência, segurança e custo-benefício.
Uma das tecnologias que mais influenciaram o setor nos últimos anos é, sem dúvida, o laser. Utilizado para diversos fins, desde
corte de tecidos até marcações nas peças, sua presença na indústria é crescente.
Por Vinicius Peixoto
Revista Vestir
13
TECNOLOGIA
facilidades
2
1
1- A associação do
laser com a visão
artificial permite que
os desenhos mais
complexos e delicados
sejam cortados com
precisão; 2- O sistema
Conecti permite que a
máquina faça bordados
e cortes a laser ao
mesmo tempo, o que
resulta em peças
bem trabalhadas e
detalhadas; 3- As
máquinas da Linha
Mira utilizam o laser
para fazer gravações
superficiais nas peças
14 Revista Vestir
de uma cor para outra). Dentro desse
escopo, existem muitas técnicas que
podem ser adotadas tanto no corte como
na gravação, além de separar o material através da interação com o laser ou
evaporar a camada superficial, eventualmente transformando a coloração da
superfície ou escavando a peça”. Joana
ressalta que a tecnologia permite que
esse trabalho seja feito sem contato com
o material. isto é, não existe nenhuma
ferramenta mecânica agredindo o material a ser ‘cortado’ ou ‘gravado’, e sim
a interação do raio laser com a energia luminosa concentrada em um feixe
muito fino, que realiza a operação. A
Automatisa tem sede em Santa Catarina
e foi uma das pioneiras na fabricação
e introdução de equipamentos que utilizam a tecnologia na indústria têxtil e
de vestuário na América Latina.
Novos métodos, grandes mudanças
Trabalhos de corte ou desgaste de
peças antes eram efetuados manualmente, por operários que estavam, na
maior parte do tempo, sujeitos aos malefícios causados, fossem por movimentos repetitivos ou por materiais nocivos à saúde. O jateamento do jeans,
por exemplo, antes do laser, era feito
com ferramentas abrasivas, ou jatos de
areia, que causavam muitos problemas
respiratórios para o trabalhador, que
nem sempre utilizava os equipamentos
de segurança necessários. Além disso,
a manufatura aumentava significativamente o tempo de produção das peças,
já que exigia do operário um trabalho
exclusivo e minucioso.
Dono de uma confecção de jeans
no interior de São Paulo, o empresário
Roberto Silva está muito satisfeito com
3
Automatisa / Divulgação
os resultados proporcionados pelo laser
até o momento. “Com sua utilização, conseguimos uma diminuição de cerca de
30% no tempo de produção de cada peça.
Além disso, reduzimos drasticamente o
número de afastamentos de funcionários e
subsequentes gastos com direitos trabalhistas etc. Estamos utilizando máquinas
a laser na gravação e descoloração de
jeans há cerca de dois anos, e podemos
dizer, com certeza, que o investimento
já teve o retorno necessário”, analisa.
E acrescenta: “Quase dobramos nossa
produção mensal, e isso nos ajudou a
estreitar e diversificar nossa relação
com clientes e fornecedores, tornando
Modelos e
finalidades
Mira
Amplamente utilizada na indústria de vestuário, fazem
parte da linha a Mira 2 eixos, Mira 3 eixos e Mira LTX
2 e 3 eixos. “A Mira 2 eixos serve muito bem para gravações em áreas não superiores a 300 mm x 300 mm.
Equipada com lasers de alta tecnologia e longa duração,
é utilizada principalmente por empresas que produzem
etiquetas externas, tags etc”, declara Joana de Jesus,
sócia-diretora da Automatisa Laser Solutions, citando
o Sistema Conecti, que permite que o equipamento se
conecte com máquinas de bordar, viabilizando a técnica
do corte a laser sobreposto, anteriormente possível apenas com a utilização de máquinas importadas e muito
caras. Já a Mira 3 eixos possui o dispositivo do eixo Z,
com um laser ultrafino, permitindo que a máquina possa,
além de gravar, realizar cortes nas peças. A máquina é
muito utilizada na indústria de couro e calçados e está
presente em plantas fabris de empresas como a Azaleia.
A Mira LTX 2 eixos, por sua vez, é usada na descoloração de jeans e malhas, especialmente para empresas
que não precisam decorar artigos superiores a 500 mm x
500 mm de uma só vez. A versão de três eixos desempenha a mesma função, porém em superfícies maiores, de
até 1000 mm x 1000 mm.
Visão LED
Composta pelos equipamentos Prisma e Vista, as primeiras unidades dessas máquinas foram responsáveis pela
democratização dos patches de bordados e bordados termocolantes, além de etiquetas produzidas em teares em
formatos diferenciados. A Haco Etiquetas, um dos maiores fabricantes mundiais, foi o primeiro cliente brasileiro
da Automatisa com essa tecnologia. O grande diferencial
do produto é a tecnologia de Visão LED, que permite cortes de materiais com base em uma imagem. Os cortes
são gerados automaticamente por softwares, eliminando
a necessidade de desenhos pré-preparados.
ID Laser
Abrangendo os modelos ID Laser Fiber, ID Laser CO2 e ID
Laser CO2 Gráfica, esta linha é indicada para trabalhos
de codificação e identificação de materiais - normalmente
em brindes, mas também na marcação indelével em peças
mecânicas, instrumentos cirúrgicos etc. O modelo ID
Laser Gráfica será o próximo responsável pela quebra de
paradigmas na indústria brasileira, agora na área gráfica,
pois permitirá que o laser substitua facas mecânicas. Os
principais benefícios da introdução dessa tecnologia no
mercado é a redução dos lotes mínimos de fabricação de
rótulos e etiquetas de papel e plástico e o aumento da
qualidade de vida dos operários desse segmento.
TECNOLOGIA
Automatisa / Divulgação
facilidades
Delicado patch de
bordado cortado por
máquina a laser
o dia a dia da empresa mais dinâmico.
São muitos os benefícios que o laser traz
para uma confecção, não importa qual
seja seu tamanho”.
O acesso à tecnologia demanda investimento, qualificação de pessoal e manutenção constante. “Apesar dos investimentos iniciais, vale muito a pena a
introdução da tecnologia na produção
das peças. Agora nossa intenção é
adquirir mais máquinas e aumentar o
número de saída de produtos finais”,
conclui Silva.
Segurança
Com o surgimento do laser, os processos ficaram mais seguros e otimizados. No setor têxtil e de vestuário, houve
grandes avanços decorrentes da democratização do laser. “Como nos casos
de manufatura de apliques de tecido
para serem utilizados em bordados, ou
a técnica de vazados em roupas e calçados – esta última revolucionou a moda,
ao permitir que materiais pouco nobres
fossem valorizados pela decoração do
16 Revista Vestir
laser. O vazado, de volta nesses últimos
tempos, trouxe ao estilo brasileiro uma
técnica de moda que poderia ressaltar
a beleza do corpo através de uma brincadeira de estilo, onde a pele aparece
sem vulgaridade”, comenta a executiva.
“Além disso, como não precisavam mais
fazer trabalhos repetitivos e nocivos, os
colaboradores foram transferidos para
desempenhar funções em processos de
maior valor agregado”, conclui.
O Brasil também foi precursor no
corte a laser de peças bordadas e etiquetas tecidas. Os patches, que devem
ser cortados de acordo com a imagem
do bordado, receberam atenção especial. A Automatisa desenvolveu uma
solução chamada de Visão LED [Ver box
na página 15], que dá ao laser a capacidade de “enxergar” o corte, possibilitando a fabricação em alta escala das
mais variadas peças bordadas. A solução foi exportada para a Europa e outros
países da América Latina, e há mais de
15 anos é fornecida exclusivamente pela
empresa catarinense. Outra solução de
grande importância para a indústria do
vestuário foi a descoloração do jeans.
“As máquinas a laser substituem um
intenso e insalubre trabalho operário.
Os equipamentos de gravação de jeans
podem ser utilizados em outros materiais,
como o acrílico, couro e malhas. Mas
no jeans elas oferecem o maior benefício por substituir produtos químicos e
abrasivos, promovendo a evaporação da
tinta exclusivamente através do calor”,
comenta Joana.
Maquinário
Existem materiais que só interagem
com lasers específicos, como cer tos
metais. Outros precisam que o laser
esteja instalado em uma máquina construída especialmente para realizar cortes limpos, rápidos e com acabamento
superior, como os tecidos naturais.
A potência das máquinas e sua estrutura variam de acordo com sua utilização.
Eles são considerados de média potência,
chegando a 1000 W. Equipamentos que
fazem o corte de peças podem ter até
450 W de potência, e alguns possuem sistema de visão artificial e posicionamento
automático. Confira no box da página
15 algumas dessas máquinas e suas funções no processo de produção.
Revista Vestir
17
Próxima estação
fitness
Exercício
com muito
estilo
18 Revista Vestir
Foto: Eduardo Rezende/CCM
Por Vinicius Peixoto
Mercado fitness se inspira na praia e
no verão para criar suas novas peças
A costa brasileira
possui
aproximadamente 7,5 mil quilômetros
de extensão. Boa parte dela composta
por algumas das mais belas praias do
mundo. Por isso, anualmente, centenas de milhares de visitantes de todo
o planeta vêm ao País à procura de
tais belezas. Além do turismo, outro
setor se beneficia historicamente
com essa particularidade: o das roupas de praia.
Ao longo das últimas quatro décadas, o Brasil foi e continua sendo um
importante representante no cenário de moda destinada ao verão e à
praia no mundo todo. As exportações
de roupas e acessórios para esse fim
formam uma fatia considerável da
balança comercial brasileira no setor.
Nossas roupas de banho são exclusivas e costumam ditar tendências no
resto do mundo.
Sócio-diretor da marca brasileira
Siriloco, Ricardo Mourad comenta o
fenômeno: “Desde a década de 1970,
uma das coisas mais conhecidas e
comentadas no exterior sobre o Brasil
é nossa roupa de banho, as peças que
produzimos para usar na praia. Sempre
fomos muito bem vistos por isso”.
O biquíni brasileiro, com a parte de
baixo cavada e em diferentes formatos, é objeto de procura por mulheres
do mundo todo - isso porque as formas
do corpo da brasileira sempre pediram
desenhos diferenciados. “A mulher
brasileira tem quadril largo e bumbum
grande. O fio dental, por exemplo, foi
criado para mostrar esses atributos”,
explica a estilista Hellen Gusmão.
“Fomos umas das primeiras a não ter
vergonha de mostrar o corpo, a deixar
de lado o pudor e permitir que o mundo
visse nossa beleza natural. E isso,
claro, encorajou outras mulheres ao
redor do mundo a fazerem o mesmo.”
Para malhar
Outro mercado desponta e se mostra promissor: o da moda fitness.
Roupas criadas para a prática de exercícios físicos não são exatamente
uma novidade no Brasil, e tampouco
no mundo - mas as novas tendências,
sim: cada vez mais, a moda fitness
tem se inspirado na praia e no verão
para criar suas peças. “Quem se
beneficia com isso, além do consumidor, que tem acesso a uma variedade
muito maior de produtos, é o próprio
produtor”, explica Mourad. A Siriloco,
surgida no fim da década de 1970, é
uma empresa familiar que começou
suas atividades produzindo agasalhos
escolares. “Quando fiz 20 anos, larguei
a faculdade e vim para o mundo das
confecções. Aprendi todo o processo
de produção, do momento em que o
tecido chega à oficina até o acabamento final. Durante toda a década de
1980, começamos a produzir roupas
para surfistas e para praia. Na metade
dos anos 1990, passamos também a
investir em roupas para a prática de
exercícios.” O executivo explica que o
período que sucede o verão sempre foi
fraco para as empresas especializadas
em moda praia, surgindo a necessidade de criar uma variedade de produtos que pudessem ser produzidos e
vendidos nos intervalos.
A ideia parece ter dado certo. “O
mercado fitness representa, em determinados anos, mais da metade das
Revista Vestir
19
Próxima estação
fitness
Ao lado, amostra do
que é tendência na
moda praia e fitness
atualmente: estampas
coloridas, maiôs com
cortes mais sofisticados,
alças longas e listras;
e para o público
masculino, sungas
maiores, que modelam
as pernas e criam um
look mais moderno
Como
escolher
a peça
de acordo
com o
formato do
seu corpo
20 Revista Vestir
nossas vendas. Quando o verão acaba,
e estou começando a pensar na coleção da próxima temporada, ainda
tenho a moda fitness para trabalhar.
Esse mercado cresceu muito nos últimos tempos”, conclui Mourad.
O aumento da procura por artigos
fitness também tem uma explicação.
Atualmente, o dia a dia das pessoas
é muito mais dinâmico em relação a
décadas atrás. Estresse, obesidade e
insistentes mensagens de bem-estar
em todos os meios de comunicação
começaram a fazer com que as pessoas frequentassem mais academias
e parques públicos. “Grandes empresas tiveram um impacto importante
nessa mudança de hábitos do brasileiro. Muitas criaram programas de
bem-estar e qualidade de vida para
incentivar os funcionários a levarem
uma vida mais saudável. É só prestar atenção na quantidade de corridas Corpore que acontecem todos os
anos”, explica o professor de educação física Jefferson Coimbra.
Pensar na modelagem de peças
para o mercado fitness não é uma
tarefa fácil. A Siriloco, cuja produção
anual é de mais de 300 mil peças
de moda praia, fitness e casual,
segue princípios e padrões claros no
momento da criação de seus produtos. “Nossa principal meta é proporcionar ao nosso consumidor um bom
custo/benefício, mas também priorizamos conforto, beleza e qualidade
do acabamento de nossas peças”,
declara Mourad.
Pera
Aposte em peças da
parte de baixo lisas
e discretas e tops
trabalhados. Listras
verticais alongam e
afinam a silhueta.
Triângulo invertido
Evite tops com
muitas estampas.
Os modelos frente
única, que possuem
melhor estruturação,
são a melhor opção.
1. jptop.blogspot.com.br/Reprodução 2. Marcelo JS - Canoan/Divulgação
3, 4, 5. Siriloco/Divulgação
A relação da moda praia com a
moda fitness tem se estreitado cada
vez mais. “A tecnologia pode até
determinar qual material será usado na
confecção dos produtos fitness, como
tecidos antitranspirantes ou com propriedades térmicas, por exemplo. Mas
Retângulo
Peças coloridas
com estampas,
babados e
franjas são as
mais indicadas.
Oval
Peças com pouca
ou nenhuma estampa
evitam chamar a
atenção. Decotes
generosos nas
costas ou na frente
modernizam o look.
é na moda praia que nos inspiramos ao
criar roupas para a prática de exercícios físicos”, relata o executivo.
“Nem todo mundo quer ir para a
academia com aquela calça legging
e aquela regata pretinha, básica. As
mulheres querem roupas bonitas,
transadas e pensadas para frequentar
esse tipo de ambiente, também. E é
natural que as roupas para exercícios
busquem na moda praia a inspiração
para suas estampas e cores. Afinal
de contas, ambas procuram valorizar
o corpo, cada uma à sua maneira”,
analisa Hellen.
Neste verão, as maiores tendências, tanto na moda praia quanto
fitness, foram as estampas ricas em
cores. Tons de neon e cores florescentes foram a grande sensação das
praias. “Cores fortes também têm sido
utilizadas na moda fitness. Leggings
com detalhes pink ou verde-limão são
uma tendência importante. Estampas
de bichos também. Mas elas são moda
desde sempre”, comenta Mourad.
Quem usa o quê?
Seja na praia ou na academia, existem alguns truques que ajudam na
hora da escolha do que usar. Segundo
Revista Vestir
21
Próxima estação
preparamoda.blogspot.com.br/Reprodução
Marcelo JS - Canoan/Divulgação
fitness
Peças ricas em
estampas são ideais
para valorizar e
chamar a atenção
para as partes do
corpo desejadas
22 Revista Vestir
a estilista Hellen, o importante é vestir roupas confortáveis que valorizem
seu biótipo, ressaltando o que há de
melhor em seu corpo e escondendo
áreas que estão fora do ideal. Antes
de comprar, procure levar em consideração as características de seu
corpo: tamanho dos seios, quadril,
cintura e abdômen.
Quem tem quadril largo deve utilizar
peças da parte de baixo com poucos
detalhes, procurando desviar a atenção dessa parte do corpo. O ideal é
a utilização de peças mais largas,
lisas ou com estampas que não criem
volume. A estrela do conjunto de quem
tem o quadril largo é o top, que é para
onde todos devem olhar.
Já quem tem quadril estreito,
deve abusar de detalhes e estampas
na parte inferior do conjunto, para
que essa parte do corpo tenha mais
volume. Biquínis menores na parte de
baixo, com laços ou cordões laterais
e estampas ou bordados por toda a
região da peça são uma boa pedida.
Para quem tem seios pequenos, a
jogada fica por conta dos truques de ilusão de volume. As peças que vestirão a
região devem sempre possuir detalhes
de modelagem que aumentem a área,
como drapeados e franzidos. Os modelos que possuem bojo também podem
ser usados, mas com cuidado para que
não falte seio para preencher o biquíni.
Aquelas que têm seios fartos devem
evitar tops com muitas estampas. O
excesso de formas e cores aumenta
ainda mais a região, causando um
impacto visual não desejado. O
segredo para uma bela produção nesses casos são os tops que possuem
estruturação, para dar sustentação
aos seios. Os modelos frente única
são a melhor opção.
Quem está acima do peso também
pode usar moda praia. Todos os setores
de vestuário estão preocupados com a
criação de linhas de tamanhos maiores. O Plus Size é um mercado quente,
e para roupas de banho isso não é diferente. Também nesses casos, as calcinhas devem ser maiores, com a cintura mais elevada. Peças com pouca
ou nenhuma estampa evitam chamar a
atenção. Os maiôs também podem ser
utilizados. Decotes generosos nas costas ou na frente modernizam a peça.
Revista Vestir
23
cobertura
inspiramais
Lançamentos
de tendências
para a moda 2015
Salão Inspiramais aconteceu nos primeiros dias do novo
ano e antecipou as novidades para as próximas estações
24 Revista Vestir
Por Tatiana Piva | Fotos: RS Press/Divulgação
Evento reuniu aproximadamente cinco mil
pessoas da cadeia produtiva da moda
O Brasil ainda curtia dias
de sol intenso e os recordes de calor
do verão 2014 enquanto a nona edição do Inspiramais - Salão de Design
e Inovação de Materiais já antecipava
várias novidades do verão 2015 para
toda a cadeia produtiva de moda.
Aproximadamente cinco mil pessoas, entre confeccionistas, fabricantes de calçados, insumos e componentes, técnicos, designers, estilistas,
estudantes de moda e varejo estiveram
presentes no evento, nos dias 14 e 15
de janeiro, no Centro de Convenções
Frei Caneca, em São Paulo (SP). Todos
puderam conferir mais de 600 lançamentos de tecidos, sintéticos, forros,
fitas, pedrarias, solados, couros, cabedais, entre outros componentes.
A cerimônia de abertura foi marcada pela presença de dirigentes
empresariais, representantes dos
setores produtores de moda e ainda
políticos das esferas estadual e federal, como o senador Eduardo Suplicy e
a ministra da Cultura, Marta Suplicy,
que revelou projetos favoráveis a toda
a cadeia produtiva, além de destacar a importância cultural da moda
na projeção do Brasil em mercados
internacionais.
O
presidente
da
Associação
Brasileira de Empresas de Componentes
para Couro, Calçados e Artefatos
(Assintecal), entidade responsável
pela realização do Inspiramais, William
Marcelo Nicolau, enfatizou a indiscutível importância do evento para a
indústria da moda brasileira, “sendo
responsável pela geração de ideias,
propostas em design e lançamentos
de produtos cada vez mais sustentáveis, tripé que garante um posicionamento estratégico no que diz respeito
à competitividade”, declarou Nicolau,
completando: “Mais do que nunca,
todos os setores estão conectados na
criação da marca Brasil, carregada de
design e inovação. Portanto, o Fórum
comprova que as indústrias se profissionalizaram em moda, ação que
ganha força com a união das associações que atuam de forma integrada
para promover um ambiente mais
favorável à produção nacional”.
Novos conceitos
As últimas edições do Inspiramais
relataram as modificações econômicas causadas pelos conglomerados
de luxo e o significado do romantismo
como válvula de escape para as dificuldades econômicas e sociais vividas no
Brasil naquele momento. Já na edição
deste ano, foi abordado o surgimento
de um nacionalismo inédito, fruto de
inúmeros fatores, especialmente o
aumento da consciência política e o
engajamento em causas sociais, ocorridos no País ao longo de 2013. De
acordo com a Assintecal, esse desejo
coletivo de criar um País do qual se
possa ter orgulho implicou na valorização das raízes, tradições e valores
brasileiros mais ancestrais. A questão
da brasilidade, que andava dormente,
ganhou uma injeção de energia e originou um dos principais destaques do
Revista Vestir
25
cobertura
inspiramais
evento: o Fórum de Inspirações, que
incentiva empresas a criarem novos
produtos baseados nesse direcionamento. Este ano o tema foi Caminhos,
desenvolvido em três conceitos inspirados em pesquisa assinada pelo estilista Walter Rodrigues, do Núcleo de
Design Assintecal. Conheça cada um
deles no box ao lado.
Além do espaço onde ficavam os
expositores, o evento também teve
programação paralela de palestras
e oficinas ocorrendo no auditório do
Centro de Convenções. No primeiro dia,
o destaque foi a Oficina de Criação com
o designer Marnei Carminatti, além
de uma oficina de inovação e a palestra Fórum de Inspirações Verão 2015,
com o estilista Walter Rodrigues. No
segundo dia, aconteceu o Seminário de
Inovação em Artigos Esportivos.
26 Revista Vestir
Fórum teve oficinas,
palestras e exposição
de novos produtos que
serão tendência nas
próximas estações
A grande novidade do Fórum
deste ano ficou por conta do projeto
+Estampa, com o objetivo de incentivar o desenvolvimento de novos
produtos para o setor de confecção,
criando uma ofer ta ampla e qualificada e culminando na apresentação
de 36 estampas, de seis diferentes
estamparias – todas inspiradas nos
três conceitos mencionados, portanto cores vibrantes como laranja,
verde, vermelho e azul estão muito
presentes. Além disso, folhas, aves
e paisagens bem brasileiras ficaram
estampadas nos tecidos.
Preview Inverno 2015
Além destas, outras referências
inspiraram novos produtos apresentados durante a programação do
Inspiramais. E mais do que adiantar
os três caminhos do
fórum de inspirações
Terra Adorada
No conceito 1, o grafismo ingênuo dos letreiros
interioranos, a pintura manual dos caminhões e as
texturas das madeiras envelhecidas são alguns dos
pontos que estimulam e despertam os sentidos.
Sol da Liberdade
No conceito 2, enfoca-se o hedonismo das cidades
litorâneas, onde sol, praia e mar são o ponto de encontro
e de partida de tudo e de todos. A vegetação tropical,
as cores do pôr do sol e a arquitetura das favelas
fornecem os elementos para a criatividade.
as tendências do verão 2015,
algumas dicas do que pode ocorrer no inverno 2015 também foram
apresentadas durante o evento.
As aves brasileiras foram tema
de um estudo que originou o projeto Referências Brasileiras, que,
assim como o Preview do Couro,
antecede as inspirações para a fria
estação de 2015.
Após uma pesquisa realizada pelo
designer e consultor Jefferson de
Assis, com o auxílio da fotógrafa
Regilucy Brandão Ferreira, foram
desenvolvidos 10 protótipos baseados no estudo, que também foram
expostos no Inspiramais. A ideia do
projeto foi a criação de produtos com
apelo emocional ligado às raízes culturais de seus usuários, sem perder
seu caráter contemporâneo.
Novo Mundo
No conceito 3, olha-se para o caos urbano como catalisador
de uma nova estética. A poluição visual da cidade passa
a ser fonte de inspiração, e os espaços públicos são
transformados pela street art. Formas geométricas,
simples e coloridas parecem simplificar, simbolicamente,
a vida estressante e confusa dos citadinos.
Revista Vestir
27
Fuxico
notícias
Exigências
Shutterstock
novidade
Rhodia
apresenta
denim inovador
Durante a
Première Vision São
Paulo, que aconteceu
nos dias 21 e 22 de
janeiro, na capital
paulista, a Rhodia,
empresa do grupo
Solvay, em parceria
com a Canatiba, lançou o Emana® Denim,
primeiro jeans produzido com o fio feito de
poliamida com cristais bioativos, e que é
um aliado no combate
à celulite. “Foram cinco anos de pesquisa
e investimento para
desenvolver o Emana®
Denim. Os benefícios
das peças feitas com
a tecnologia Rhodia
são permanentes,
independentemente
da forma e quantidade de lavagens que a
peça sofra”, explica
o diretor da Rhodia
Todos os tipos de máquinas devem estar dentro das especificações
Normas de segurança do trabalho
estão dando o que falar na indústria
Criada em 2010, a Norma Regula-
mentadora nº 12, do Ministério do Trabalho, vem gerando muita discussão na indústria brasileira. De acordo com dados
da Pasta, mais de sete mil multas foram
geradas pela NR até agosto de 2013.
No começo eram 50 especificações,
que chegam agora a 340. As exigências
não se limitam aos equipamentos novos, todos devem se adequar, ou seja,
100% das empresas nacionais podem
entrar na ilegalidade quanto às normas
de segurança do trabalho. O custo estimado para a adequação do parque de
máquinas e equipamentos instalados no
Brasil bate os R$ 100 bilhões, segundo
a Confederação Nacional da Indústria
(CNI). Apesar dos valores das multas
não serem altos, o grande problema é a
inativação das máquinas. A CNI tem encampado uma verdadeira batalha contra essas medidas em todos os campos
que possam de algum modo contribuir
para a flexibilização das exigências
nela contidas. Para isso, a Confederação tem atuado junto ao Ministério do
Trabalho, à Presidência da República e
até ao Congresso Nacional.
Novela
Salopetes podem voltar a ser tendência
Em família, a nova novela das nove da Globo, a personagem Clara, vivida pela atriz Giovanna
Antonelli, usará uma das peças mais revisitadas
dos últimos tempos: a salopete. Como uma dona
de casa alto-astral, Clara aparecerá na telinha com
o modelo de macacão que parece uma jardineira,
mas com uma saia reta ou godê.
A salopete esteve em alta na primavera-verão e
promete voltar com tudo aos guarda-roupas nessa
estação. É uma peça versátil, funciona bem para a
28 Revista Vestir
balada, mas virou protagonista do look street style.
Confortáveis e casuais, jardineiras e salopetes superam até a calça jeans na escala da informalidade. A versão com suspensórios – item que sobe
vertiginosamente no termômetro fashion – é a mais
quente, mas as outras opções também são ótima
escolha, basta caprichar nos complementos, como
um top cropped, ou seja, aquele top mais curto e
camisas. Bem descontraído e moderno, pode ser
usado com All Star, sapatilhas e rasteirinhas.
facilidade
Reprodução
Lançamento
Easyman aposta em serviço de
assinaturas para cuecas e meias
Há dois anos, o empreende-
dor Daniel Chu conheceu uma grande ideia quando esteve nos Estados
Unidos (EUA): uma empresa americana que aproveitava a falta de preocupação dos homens em comprar
roupas básicas para criar uma facilidade - a venda desses produtos
pela internet.
Na época ele trabalhava na criação de uma empresa de vendas
online de fraldas descar táveis e
produtos de higiene e alimentação
infantil, mas ocorreram dificuldades em domar a logística dos produtos. Em 2012, ele criou o site
Easyman (www.easyman.com.br),
que oferece vendas de roupas básicas do vestuário masculino de
diversas marcas para entrega em
todo o País.
O diferencial é o ser viço de
assinatura, em que o consumidor
opta pela periodicidade de reposição (mensal ou semestral) de peças como cuecas, meias e camisetas básicas. O cliente escolhe
os produtos que deseja receber
em casa, especificando modelo,
cor, tamanho e quantidade. “Nosso cliente não precisa mais ter o
trabalho de ficar repondo roupas
que se desgastam facilmente devido ao uso diário”, afirma Chu.
to
Compartilhamen
Aplicativo de moda chega a
100 mil usuários em menos de um ano
Dujour App / Reprodução
O
aplicativo
Dujour,
usado por amantes de moda para
compar tilhar o que estão vestindo
no dia a dia, chegou a mais de 100
mil usuários cadastrados no final
de 2013. Lançada há um ano, a ferramenta surgiu com a experiência
dos sócios do por tal Bolsa de Mulher, onde projetos parecidos para
o público feminino alcançaram
muito sucesso.
Até o momento, milhares de looks
foram publicados, e agora os usuários também podem dar opiniões e
sugestões sobre trocas de peças.
Em março do ano passado, o Dujour
recebeu recursos de dois grupos de
investidores-anjo, um do Brasil e outro da Europa. Agora, de acordo com
o CEO e cofundador da star tup, Felipe Venetiglio, o aplicativo possui três
fontes de receita. Isso porque ele
reproduz anúncios de parceiros
de e-commerce, ações de marcas que miram o público que se
interessa por moda e inteligência
de mercado.
Cinema inspira
catálogos
da Lycra
O cinema não
influencia apenas outras
artes, mas também dita
novas ideias no mundo
da moda. O novo catálogo de Moda Praia Verão
2015 da Lycra traz
influência de grandes
clássicos e sucessos
atuais da sétima arte.
O filme Um corpo que
cai, (1958), de Alfred
Hitchcock, inspirou
a coleção com suas
formas geométricas.
Sucesso de bilheteria no
mundo inteiro, a franquia
Jogos vorazes (2012,
2013) também foi estímulo para criações de
beachwear, misturando
aspectos esportivos e
futuristas. As releituras
de obras cinematográficas passam ainda
pelo filme Houve uma
vez um verão (1971),
com clima romântico e
características retrô, e
The bling ring (2013),
o mais recente filme
de Sofia Coppola, que
se passa em Hollywood
com predominância de
cores fortes, como o
amarelo e o rosa.
Revista Vestir
29
Na rede
Notícias
Dupla cria
plataforma
online de
aluguel de
vestidos de luxo
O site Dress and Go
(www.dressandgo.com.br), criado
pelas empresárias Bárbara Diniz e
Mariana Penazzo, tem um foco pouco explorado no Brasil: o aluguel
de vestidos de luxo pela internet.
Na hora de fazer o pedido, o cliente
precisa dizer qual o melhor dia para
o recebimento do vestido. Feito
isso, a peça é enviada por Sedex
para o endereço informado.
Segundo Bárbara, a Dress and
Go vem conquistando um público bastante amplo. “Atendemos
pessoas de maior poder aquisitivo,
que já compraram vestidos e viram
que não compensa comprar algo
que será usado apenas uma vez.
Por outro lado, alugamos para
pessoas que não têm dinheiro
para comprar a peça, mas que
agora têm a chance de usar vestidos de estilistas famosos.”
Atualmente, o estoque da loja
possui 300 vestidos das marcas
Missoni, Carlos Miele, Reinaldo
Lourenço, Iódice, André Lima e Huis
Clos. Além do preço do aluguel, o
site divulga o valor original do vestido para mostrar a economia feita
com o uso da plataforma. Além
dos vestidos, a Dress and Go tem
uma seção de acessórios composta
basicamente por bolsas.
Educação
Financiamento
Senai oferece curso a distância
de modelagem de lingerie
Finep divulga
novo site em
palestra na Abit
O Serviço Nacional de Aprendizagem
Industrial (Senai) oferece o curso de Modelagem
de Lingerie no padrão educação a distância (EAD), com o
objetivo de capacitar profissionais da área para modelagem básica de lingerie.
A grade tem 90 horas de duração, e o curso será autônomo por meio de material didático impresso e vídeo, e entrega
de atividades por meio de correio, fax ou e-mail. As próximas
turmas começarão em 1º de abril e 3 de junho. No final, o
Senai emitirá certificado de aperfeiçoamento profissional.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
- Vestuário e lingerie
- Modelagem da calcinha
- Modelagem da cueca
- Modelagem do sutiã
- Modelagem de sutiã meia-taça
Mais informações em: www.portalead.sp.senai.br
30 Revista Vestir
No mês de janeiro, a Finan-
Dress and Go / Divulgação
ideia
ciadora de Estudos e Projetos (Finep),
vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), palestrou na
Associação Brasileira da Indústria Têxtil
e de Confecção (Abit) sobre o Projeto
30 dias, plataforma online de avaliação
de crédito em 30 dias corridos.
A iniciativa engloba um sistema
único no País, que utiliza um conjunto
de mais de 80 indicadores de análise
para classificar os projetos. Nele, a
Finep se compromete com cadastro
gratuito, 100% online, 100% paperless,
equipes de suporte para cadastramento e apresentação do pedido.
Mais informações:
www.finep.gov.br/30dias
Revista Vestir
31
Trabalho e Justiça
esocial
Sped Social
Sistema unirá em um só arquivo
informações que atualmente são prestadas
a diferentes órgãos. Entenda o que é, como
funcionará, quais seus objetivos e qual o
cronograma para sua implantação
O Sped Social consiste
na escrituração fiscal da folha de pagamento e das obrigações previdenciárias,
trabalhistas e fiscais. O sistema reunirá
em um só arquivo informações atualmente
prestadas em separado a diversos órgãos,
como Ministério do Trabalho e Emprego
(MTE), Receita Federal, Instituto Nacional
do Seguro Social, Caixa Econômica
Federal e Conselho Curador do Fundo
de Garantia por Tempo de Serviço.
O eSocial englobará todos os contribuintes, do empregador doméstico às
grandes corporações, e tem como objetivo reunir em um único arquivo digital
todas as informações das empresas
sobre trabalhadores com ou sem vínculo empregatício.
O que ocorre atualmente em relação à remuneração do empregado é
que cada órgão público, ao analisar
os ganhos do trabalhador, tem interesses diferenciados: à Receita Federal
importa saber se o empregado obteve
ganhos que ultrapassaram o limite para
isenção do pagamento do imposto de
renda, enquanto ao INSS é importante
constatar se as parcelas da remuneração do empregado correspondem ao
salário de contribuição para regime da
Previdência Social, assim como o enquadramento correto para efeito de recolhimento através das alíquotas – 8%, 9% ou
11% –, assim como interessam as informações relativas aos eventos ocorridos
na relação de trabalho, pois estes podem
gerar a percepção do auxílio–doença
32 Revista Vestir
e auxílio-doença acidentário, pagos
por esse órgão. Para o Ministério do
Trabalho e Emprego, que tem como uma
de suas principais funções a fiscalização, importa saber se os empregadores
estão cumprindo as normas trabalhistas, inclusive o recolhimento do FGTS.
Conhecer informações sobre a folha
de pagamento da empresa e sobre a
remuneração do empregado é um meio
do MTE saber se o empregador está
efetivamente pagando os adicionais a
que o empregado faz jus, se está calculando o FGTS sobre a base correta.
E, finalmente, para a Caixa Econômica
Federal, a quem compete a gestão do
FGTS, interessa saber se o empregador está procedendo corretamente no
tocante aos recolhimentos fundiários.
Nesse sentido, diminuirá consideravelmente a quantidade de obrigações
acessórias praticadas pelo empregador,
que deixará de fornecer a mesma informação a vários e diferentes órgãos, uma
vez que todas as informações estarão
disponíveis no EFD Social, a que efetivamente todos os referidos órgãos
terão acesso.
Mas é evidente que o objetivo do programa não é somente facilitar a vida dos
empregadores, mas também diminuir a
sonegação fiscal, que segundo cálculos
do Sindicato Nacional dos Procuradores
da Fazenda Nacional é de R$ 415 bilhões
anuais, e na forma da escrituração fiscal digital o cruzamento de dados será
feito de imediato.
Por Maria Thereza Pugliesi
• Admissões
• Demissões
• Horas extras
• Diferenças salariais obtidas nos dissídios coletivos
• Acidentes de trabalho
• Informações ligadas à saúde do
trabalhador
• Afastamentos do trabalho
• Controle das atividades
desempenhadas
• Serviços prestados por autônomos e
demais prestadores de serviço (inclusive aqueles prestados por outras
pessoas jurídicas, processo que se
denomina terceirização)
• Reclamações trabalhistas
• Além disso, a própria folha de pagamento deverá ser entregue pelo eSocial,
demonstrando os valores pagos, verba
por verba, de tal maneira que haja conferência dos recolhimentos efetuados.
Será obrigatório até mesmo para as
empresas que gozam de alguma imunidade ou suspensão realizar a comunicação do processo judicial ou administrativo que originou esse benefício
A entrega do eSocial deverá
ser realizada em três fases:
I – Inicial: informações cadastrais
(nome, data de nascimento, CPF,
PIS etc)
II – Mensal: informações de folha, número
de empregados e recolhimentos
III –Aleatória: informações que deverão
ser enviadas à medida que os eventos
ocorrerem na relação de emprego.
Esses eventos esporádicos serão
enviados individualmente através
da nomenclatura RET – Registro de
Evento Trabalhista
Exemplo: o aviso prévio deve ser comunicado ao trabalhador com no mínimo
30 dias de antecedência (Ar t. 487/
CLT), evento que consiste em informação; caso ocorra o cancelamento do
respectivo aviso, também deverá ser
enviado um registro de cancelamento
à primeira informação.
Dessa forma, haverá um monitoramento constante da vida do trabalhador,
incluindo mudanças de remuneração e
de condições de trabalho, exposição a
agentes nocivos, entre outros fatores.
As comunicações deverão ser procedidas de duas formas. A primeira poderá
ser feita por empresas com até 10 trabalhadores pelo Portal eSocial, sendo
permitido o envio das informações de
forma manual.
Quanto à segunda forma, os arquivos
deverão ser enviados no formato XML
por meio de webser vices conectados
através dos softwares, que darão carga
em tais arquivos, ou seja, obrigatoriamente deverão estar adaptados à nova
metodologia.
No tocante à matriz e filiais, as informações deverão ser prestadas por
empresa com transmissão descentralizada. Quem assina é a empresa: e-CNPJ,
procuradores e representantes legais.
Cronograma estimado para
implantação do eSocial:
Empresas do Lucro Real: cadastramento inicial até 30/4/2014; envio
dos eventos mensais de folha e apuração dos tributos até 30/5/2014. A
partir da competência 7/2014 – substituição da GFIP.
MEI e Pequeno Produtor Rural – final
do primeiro semestre de 2014.
Empresas do Lucro Presumido e
Simples Nacional: cadastramento inicial até 30/9/2014; envio dos eventos
mensais de folha e apuração dos tributos até 30/10. A partir da competência
11/2014 – substituição da GFIP.
Substituição da DIRF, RAIS, CAGED
e outras informações acessórias: a partir de 1/2015.
Entrada do módulo da reclamatória
trabalhista – 1/2015.
Sindivestuário/Divulgação
O eSocial tem grande abrangência,
pois além dos recolhimentos, deverão
ser informados todo e qualquer evento
relacionado a mão de obra, seja direta
ou indireta, tais como:
Dra. Maria Thereza Pugliesi
Advogada
do Sindivestuário
jurí[email protected]
Revista Vestir
33
AGENDA
Programe-se
FÓRUM NACIONAL DO VAREJO
Em sua primeira edição, realizada em 2013, o Fórum Nacional
do Varejo reuniu mais de 300 empresários. Este ano, será
abordado o tema Responsabilidade do Varejo no Redesenho
Estratégico do Brasil. O Fórum é realizado pelo LIDE – Grupo
de Líderes Empresariais, do empresário Dória Junior.
Data: 28/3 a 30/3
Local: Hotel Sofitel Guarujá Jequitimar – São Paulo (SP)
Site: www.forumdovarejo.com.br
SÃO PAULO FASHION WEEK
(SPFW) – VERÃO 2015
Maior e mais importante evento de moda da América Latina,
o São Paulo Fashion Week já antecipa o que será referência
do design e da criatividade brasileira para o verão 2015. São
16 anos de referência econômica, em uma rede criativa de
comunicação. Em suas edições, há um aquecimento relevante
em turismo, hotelaria, serviços e varejo.
Data: 30/3 a 4/4
Local: Parque Villa-Lobos – São Paulo (SP)
Site: www.ffw.com.br
FEIRA INTERNACIONAL DE SOLUÇÕES
PARA A INDÚSTRIA TÊXTIL (FEMATEX)
catwalker / Shutterstock.com
Com grande variedade de lançamentos e tendências de materiais, a Feira Internacional de Soluções para a Indústria Têxtil
(Fematex) contribui para o crescimento do segmento. O evento
respira inovação e traz as referências do que será destaque
na indústria têxtil e do vestuário na próxima estação.
Data: 22/5 e 23/5
Local: Parque Vila Germânica – Blumenau (SC)
Site: www.fematex.com.br
34 Revista Vestir
SALÃO MODA BRASIL 2014
Evento internacional especializado em moda íntima, praia,
fitness, têxtil e aviamentos. Na última edição, movimentou
mais de R$ 800 mil entre 400 expositores e mais de 20 mil
lojistas nacionais e internacionais.
Data: 14/6 a 16/6
Local: Expo Center Norte – São Paulo (SP)
Site: www.salaomodabrasil.com.br
NOVO VÍDEO
www.sindivestuario.org.br/B2B
Fly UP