...

crime hediondo - Faculdades Santa Cruz

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

crime hediondo - Faculdades Santa Cruz
CRIME HEDIONDO
Anny Carolini MARTINS1
Roberta da Silva Ramos RADTKE2
RESUMO
Este artigo trata da Progressão de Regime em Crime Hediondo onde
aborda o cumprimento da pena no Ordenamento Jurídico brasileiro. Sua
evolução histórica e legislativa, tem como finalidade a aplicação e suas
ordenações próprias e evolutivas dentro do devido Processo Legal. Assim como
evolução jurisprudencial sobre o instituto, pela doutrina, tem como expor os
anseios sociais sobre a dureza de tratamento aos criminosos, sem que isso
represente violação aos direitos e garantias fundamentais previstos na
Constituição Federal. Verifica e analisa os dados estatísticos da realidade do
sistema prisional brasileiro com sua infraestrutura e organização. Finaliza a
exposição apontando a atual tendência legislativa do instituto e os projetos que o
governo tem discutido no sentindo de garantir concomitantemente segurança ao
cidadão e dignidade e condição de ressocialização do condenado.
Palavras-chave: Crime. Hediondo. Progressão de Regimes.
INTRODUÇÃO
Crime hediondo não é crime praticado com extrema violência e com
requintes de crueldade como todos pensam, pois é um crime sem nenhum
senso se compaixão ou misericórdia por parte de seus autores, mas sim um dos
1
Anny Carolini Martins. Graduanda de Direito das Faculdades Integradas Santa Cruz - FARESC. e-mail:
[email protected]
2
Roberta da Silva Ramos Radtke. Graduanda de Direito das Faculdades Integradas Santa Cruz - FARESC.
e-mail: [email protected]
crimes expressamente previstos na Lei n. 8.072/90. Portanto, são crimes que o
legislador entendeu que merecem uma maior reprovação por parte do Estado.
Os crimes hediondos, do ponto de vista criminológico e social, são crimes
que estão no topo da pirâmide de desvaloração criminal, devendo, portanto, ser
entendidos como crimes mais graves, que causam pavor e medo na sociedade e
maior aversão a coletividade.
Crime hediondo diz respeito ao delito cuja lesividade é acentuadamente
expressiva, ou seja, crime de extremo potencial ofensivo, ao qual denominamos
crime de “gravidade acentuada”.
Do ponto de vista lógico, o termo “hediondo” significa profundamente
repugnante, imundo, sórdido, ou seja, um ato indiscutivelmente nojento,
segundo os padrões da moral vigente.
O Crime Hediondo é o crime que causa profunda e consensual repugnância por
ofender, de forma acentuadamente grave, valores morais de indiscutível
legitimidade, como o sentimento comum de piedade, de fraternidade, de
solidariedade e de respeito a dignidade da pessoa humana.
Desta feita, começaram a se agravar os questionamentos da constitucionalidade
sobre a impossibilidade da progressão de regime para os condenados pela Lei
de Crimes Hediondos, visto que esse agravamento não fazia mais sentido,
mesmo porque ele por si só não era capaz de garantir que o condenado tivesse
mais chance de se recuperar, devido à insalubridade e degradação do ambiente
carcerário, que somente lhe retirava o pouco de humanidade que lhe restara.
Como decorrência desses questionamentos, vimos a mudança da Lei de Crimes
Hediondos, no intuito de atender mais essa tendência do meio jurídico brasileiro,
que considerou danoso demais para o condenado restringi-lo ao regime
integralmente fechado. Entretanto, essa mudança de orientação pouco mostrou
em termos de resultados práticos para o combate à criminalidade.
O futuro do cumprimento de penas privativas de liberdade no Brasil está
incerto, visto que novamente começam a surgir projetos para modificar sua
funcionalidade, mostrando mais uma vez a tentativa do Poder Público em
remediar essa situação alarmante de nossa sociedade da maneira mais barata,
ou seja, tentando regular o tempo que os condenados permanecem no cárcere,
se esquecendo de fornecer ao condenado a possibilidade de recuperação em
estabelecimentos adequados.
Por intermédio de diversos estudos e discussões, verifica-se o quão
superficial é a atual abordagem que a questão do cumprimento de penas
privativas de liberdade possui no Poder Público, que tem o dever de prover as
soluções adequadas para atingir os objetivos intentados pelo legislador quando
da criação do sistema.
Portanto, o presente artigo tem por finalidade demonstrar a ineficácia
histórica do sistema progressivo de cumprimento de penas, através do estudo
evolucionário da doutrina e da jurisprudência e os desdobramentos sociais que
esse instituto proporcionou no país. Por fim, o presente estudo aponta uma visão
abrangente e sistemática do problema, propondo uma nova percepção sobre a
atual situação da questão. Podemos nos manifestar de diversas formas e
sentidos, seja neles restritos a estudos e pesquisas, e até mesmo artigos
científicos.
A progressão de regime prisional é um instituto que visa permitir ao
condenado a possibilidade de diminuir o rigor do regime de cumprimento de sua
pena enquanto a mesma é efetivamente cumprida. Em outras palavras, trata-se
de uma forma de execução de pena privativa de liberdade que permite ao
condenado sair de um regime prisional mais severo para integrar um regime
menos severo e deve ser concedido pelo Estado punidor quando o condenado
cumpre os requisitos previstos em lei, demonstrando que está buscando dentro
do cárcere a condição de voltar ao convívio social sem que isso represente um
perigo para a coletividade.
Esse instituto, na verdade, é “um direito público subjetivo do sentenciado.
Integra-se ao rol dos direitos materiais penais” MOREIRA, José Carlos Barbosa.
Desta feita, verifica-se que o mesmo faz parte do rol dos direitos que são
discutidos em sede de execução criminal, ou seja, onde vigora o princípio do in
dubio pro societate. Por conta disso, tal matéria é de competência originária do
juízo da execução responsável pelo cumprimento da pena imposta ao
sentenciado.
A PROGRESSÃO DE REGIME NOS CRIMES HEDIONDOS
No ano de 1984 o Brasil passava por grandes mudanças políticas. Dentre
essas mudanças, uma que chama a atenção do meio jurídico é a reforma da
parte geral do Código Penal brasileiro e a edição da Lei de Execuções Penais.
Com esse novo sistema jurídico, o Estado buscava uma resposta mais
adequada à criminalidade que o País enfrentava, a qual buscava um
alinhamento mais humanitário e ressocializador, em concordância com os novos
rumos do Direito Penal no âmbito internacional.
Com a criação do cumprimento de penas privativas de liberdade de forma
progressiva, o Estado permitiu que houvesse diferenciação no trato com os
condenados, de modo que aqueles que demonstrassem vontade de recomeçar
a vida dignamente fora dos presídios tivessem a oportunidade de reconquistar
sua liberdade de modo gradual.
Entretanto, com o transcorrer do tempo, surgiram no Brasil as primeiras
facções criminosas e os primeiros sequestros de grande repercussão, que
levaram a população a questionar essa nova sistemática, exigindo novamente
um endurecimento no trato com os custodiados pelo Estado, indo na contramão
do anseio anterior liberalista. A essa altura, o País já vivia um regime
democrático, pois a ditadura que oprimira o cidadão por décadas já havia se
retirado do poder.
Com a promulgação da Constituição Federal em 1988, viu-se que era o
momento ideal para tratar a questão, até mesmo porque a crescente onda de
crimes violentos no País começou a assustar todas as esferas da sociedade
brasileira. Foi nesse momento, em 1990, que foi editada a Lei dos Crimes
Hediondos, que era a resposta que o Estado dava a essa situação, visando
reprimir de forma contundente essas condutas delituosas.
São considerados Crimes Hediondos: homicídio quando praticado em
atividade típica de extermínio, ainda que cometido por um só agente, e
homicídio qualificado no artigo (121 paragrafo II e incisos: I, II, III, IV, e V do
Código Penal), latrocínio, extorsão qualificada pela morte, extorsão mediante
sequestro na forma qualificada, estupro, epidemia com qualificação resultado de
morte, falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto destinado a
fins terapêuticos ou medicinais, crime de genocídio previsto nos artigos (1, 2,e 3
da Lei 2.889/56). São também Crimes equiparados Hediondos: Tráfico de Ilícitos
de entorpecentes, tortura e terrorismo.
O pensamento, além de jurídico, também possuía um aspecto politico que
ainda nos dias de hoje deve ser levado em conta. O aspecto jurídico é de que o
próprio ambiente carcerário é prejudicial ao detento, pois o mesmo encontra-se
exposto as terríveis formas do cárcere e sua corrupção, que lhe retira a aptidão
ao trabalho, conforme encontra na sua exposição dos motivos da Lei 7.209 de
1984.
Ainda finaliza o legislador, sinalizando pela humanização da aplicação das
penas nesse novo sistema.
Entretanto, um dos motivos políticos que moveram essa mudança foi, sem
dúvida, o custo de construir e manter estrutura prisional no Brasil de maneira
que as prisões pudessem oferecer ao detento uma possibilidade de reinserção
social e também atendesse a nova tendência, de que fosse um lugar no qual o
encarcerado tivesse a oportunidade de trabalhar, receber por isso e ser assistido
pela Previdência Social. O intento do legislador era permitir a reconquista da
liberdade para aqueles detentos que mostrassem condições de receberem
novamente e que conquistassem de forma progressiva, através de seu
merecimento. Era uma análise personalíssima, ou seja, dependeria muito do
comportamento ostentado pelo condenado que estivesse cumprido a pena.
Com a entrada em vigor do novo sistema em 1984, através de advento da
reforma do Código Penal e a entrada em vigor da Lei de Execução Penal, pelo
principio da aplicação da lei mais benéfica, essa forma de execução já pode ser
aplicada a diversos detentos, desde que seus requisitos legais já estivessem
cumpridos. Porém como passar dos anos, a sociedade brasileira começou a
chamar por um rigor maior a aquele que praticavam crimes mais graves,
principalmente com o crescimento no Brasil do crime organizado, já final dos
anos 1980. Como resposta, atendendo ao vetor constitucional do artigo 5.º,
inciso XLIII, da Constituição Federal de 1988, o legislador promulgou em 25 de
julho de 1990 a Lei Federal 8.072, dispondo sobre os crimes hediondos.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
O Crime Hediondo é um dos atos possíveis de punição que possui
tratamento mais severo pela Justiça. Assim como os Crimes de Tortura, Tráfico
Ilícito de Entorpecentes e Drogas afins e Terrorismo. Após condenação os
envolvidos deixam de ter o direito a pagamento de fiança, anistia, graça e indulto
de acordo com a Lei 8.072, de 25 de julho de 1990.
A Sentença deve ser cumprida inicialmente em regime fechado. É
interessante salientar que a lei dos crimes hediondos previa anteriormente que a
pena deveria a ser cumprida em regime fechado, mas o Supremo Tribunal
Federal reconheceu a inconstitucionalidade deste dispositivo e posteriormente a
Lei 11.464/2007 mudou a redação, passando a permitir a progressão de regime.
REFERÊNCIAS
AVOLIO, Luiz Francisco Torquato. Crime Hediondo. São Paulo: Editora
Revista dos Tribunais,1995.
DUCLERC, Elmir. Prova Penal e Garantismo: Uma investigação crítica
sobre a verdade fática construída através do processo. Rio de Janeiro:
Editora Lumen Júris, 2004.
FILHO, Fernando da Costa Tourinho. Manual de Processo Penal, 5ªed. São
Paulo: Editora Saraiva,2003.
MIRABETE, Júlio Fabbrini. Processo Penal, 16ª ed. São Paulo: Atlas, 2004.
MOREIRA, José Carlos Barbosa. A Constituição e os Crimes Hediondos
Obtidos. Revista Trimestral de Direito Público, São Paulo, n. 13, p. 216-226,
jan./mar. 1996.
OLIVEIRA, Eugênio Pacelli de. Curso de Processo Penal. Belo Horizonte:
Del Rey, 2004.
PARIZATTO, João Roberto. Comentários À Lei nº 9.296, de 24-07-96.
Interceptação de Comunicações Telefônicas. São Paulo: LED de Direito,
1996.
RANGEL, Ricardo Melchior de Barros. A Progressão do Regime nos Crimes
Hediondos e no direito processual penal brasileiro. Rio de Janeiro:
Forense, 2000.
VASCONCELOS, Anamaria Campos Torres de. Prova no Processo Penal.
Belo Horizonte: Del Rey, 1992.
Fly UP