...

produção de mudas de amoreira-preta

by user

on
Category: Documents
3

views

Report

Comments

Transcript

produção de mudas de amoreira-preta
PRODUÇÃO DE MUDAS DE AMOREIRA-PRETA
João Paulo Tadeu Dias1; Elizabeth Orika Ono2
A cultura da amoreira-preta (Rubus sp.) surge como
opção para a diversificação do cultivo de frutas, pois
apresenta rusticidade e possibilidade de geração de
renda. O fruto da amoreira destaca-se na preferência
dos consumidores pela aparência, sabor e pela
versatilidade, podendo ser usado para o consumo in
natura ou processado na forma de sucos naturais ou
concentrados, frutos em caldas, polpa para sorvetes,
corantes naturais, produtos geleificados como geléias e
doces cremosos.
É um fruto saudável, cuja composição nutricional
proporciona uma série de benefícios à saúde, contendo
quantidades apreciáveis de água, carboidratos, ferro, cálcio, vitaminas A e B. Possui ácido
elágico, um poderoso antioxidante, que pode ter funções antimutagênicas e anticancerígenas,
além de prevenir o envelhecimento precoce das células.
A amoreira-preta pertence à família Rosaceae e ao gênero Rubus, o qual é bastante
diversificado, contemplando cerca de 400 espécies, principalmente de framboeseira e
amoreira, difundidas pela América do Norte, América do Sul, Europa, África e Ásia.
Na América do Sul, a Argentina e o Chile destacam-se como maiores produtores de amoreirapreta. O Brasil desponta como potencial produtor dessa espécie e o Rio Grande do Sul, Santa
Catarina, Paraná e Minas Gerais são os estados que mais se destacam na produção
(ANTUNES, 2002; RASEIRA et al., 2004).
Demandas constantes dos produtores de frutas por mudas de alta qualidade fitossanitária,
uniformes, que proporcionem rendimentos em produtividade e na qualidade do fruto, exigem o
desenvolvimento de novas tecnologias e produtos, além do aprimoramento das práticas de
cultivo. As técnicas de propagação assumem grande importância na formação da muda de
amoreira-preta.
A propagação da planta de amoreira-preta pode ser sexuada (sementes) ou assexuada. As
sementes apresentam baixo índice de germinação e um curto período de viabilidade, sendo
mais utilizadas em programas de melhoramento.
A propagação assexuada da amoreira-preta se dá por meio de rebentos (brotos), estacas
herbáceas e lenhosas, além de estacas de raízes.
O perfilhamento da planta é elevado, produzindo muitas brotações entre as linhas de plantio, as
quais precisam ser retiradas para não dificultar o trânsito de implementos e de pessoas durante
as práticas de manejo e tratos culturais. Esses perfilhos podem ser utilizados para a produção
de mudas, desde que o substrato permita a manutenção das estacas em um ambiente úmido,
escuro e bem aerado (FACHINELLO, citado por ANTUNES, 1999).
Os rebentos, estacas herbáceas ou lenhosas quando utilizados na produção de mudas,
normalmente não apresentam brotação uniforme e, consequentemente, podem não atender o
número suficiente de mudas, além de apresentarem tamanho irregular e com a possibilidade de
transmitirem patógenos. O uso de rebentos tem a vantagem de assegurar maior sucesso na
propagação, porém tem como desvantagens a proliferação de patógenos de solo, além da
transmissão de viroses.
A utilização de estacas da parte aérea (Fig. 1 e 2) tem como vantagens o aproveitamento dos
materiais retirados da planta no momento da poda e a não proliferação de patógenos do solo,
porém apresenta variabilidade no enraizamento e brotação.
A cultura de tecidos surge como outra opção na propagação da amoreira-preta. Embora seja
um método que necessite de mão-de-obra especializada, com consequente aumento do preço
do propágulo para o produtor, apresenta como vantagens a melhor qualidade das mudas, como
uniformidade, vigor e sanidade, principalmente a isenção de viroses e nematóides,
responsáveis pela degenerescência da planta.
O método de propagação por estacas de raízes (Fig. 3, 4 e 5) é o tradicionalmente utilizado, de
simples preparo e de baixo custo. Consiste na multiplicação de segmentos de raízes, com
diâmetro e comprimento em torno de 10 mm e 5 cm, respectivamente. Esses segmentos de
raízes são destacados da planta matriz, que em condições favoráveis, produzem raízes
adventícias e emitem brotações que formam a nova muda. Tal método tem a desvantagem de
produzir mudas desuniformes, além da possibilidade de transmissão de patógenos do solo,
principalmente, nematóides.
Uma alternativa para a produção de mudas mais uniformes, em maior quantidade e qualidade,
pode ser a utilização de reguladores vegetais para promoção de enraizamento e brotação.
Segundo Taiz & Zeiger (2006) o crescimento e desenvolvimento das plantas são controlados
por substâncias orgânicas naturais, denominados hormônios vegetais, sintetizados em
pequenas concentrações e que agem em diferentes locais nas plantas. Quando essas
substâncias são produzidas artificialmente, são chamadas de reguladores vegetais, como por
exemplo, auxinas sintéticas. Atualmente, algumas auxinas sintéticas são utilizadas
comercialmente como o ácido indol-3-butírico (IBA) e o ácido naftalenoacético (NAA) para
promoção do enraizamento, especialmente em certas estacas de plantas que tem dificuldade
de enraizar.
No caso das auxinas, o IBA é considerado um dos melhores estimuladores do enraizamento,
substância mais estável, de ação localizada e não tóxico. Já o NAA, é um composto mais
tóxico que o IBA, sendo utilizado em concentrações mais baixas.
No enraizamento de estacas semi-lenhosas de mirtilo, tratadas com diferentes concentrações
de IBA, sob telado equipado com nebulização intermitente, a cultivar Bluebelle respondeu
melhor na concentração de 1.000 mg L-1¬¬¬, aos 120 dias, com maior número e comprimento
de raízes, maior número e comprimento de brotações e enraizamento de 37,5% (FISHER et al.,
2007).
Com relação à citocinina, sua ação é essencial no desenvolvimento da parte aérea, mas o
excesso pode ser tóxico, causando grande número de brotos, diminuição das folhas,
encurtamento dos entrenós, engrossamento exagerado dos caules e vitrificação. A
benzilaminopurina (BAP), uma citocinina, tem sido muito eficiente na multiplicação da parte
aérea, indução de gemas adventícias e quebra da dominância apical.
Villa et al. (2007), estudando a influência do carvão ativado e BAP na multiplicação in vitro de
amoreira-preta e videira, verificaram que o maior peso da matéria fresca da parte aérea das
duas fruteiras foi obtido na ausência de carvão ativado e com adição de 2,0 mg L-1 de BAP. No
mesmo trabalho, também verificaram que o maior número de folhas e raízes de amoreira-preta
foi obtido com 0,5 mg L-1 de BAP.
Já Villa et al. (2005), avaliando diferentes concentrações de meio de cultura MS e BAP na
multiplicação in vitro de amoreira-preta, constataram que os melhores resultados foram em
meio MS a 150% acrescido de 1 mL L-1 de BAP para as características, número de folhas e
brotos. Estudando o efeito de meios de cultura, cinetina e GA3 na multiplicação in vitro de
amoreira-preta, Villa et al. (2006) constataram que a multiplicação de brotos ocorreu apenas
nos tratamentos que continham cinetina associada aos meios de cultura B5 e Knudson.
Novas técnicas e produtos, como os reguladores vegetais, podem ser utilizados com certa
cautela, necessitando de pesquisas adicionais para segurança e eficiência do processo de
produção de mudas de amoreira-preta.
REFERÊNCIAS
ANTUNES, L. E. C.; Amora-preta: uma nova
opção de cultivo no Brasil. Ciência Rural, n.
32, 2002, p.151-158.
ANTUNES, L. E. C.; REGINA, M de A.;
DUARTE FILHO, J. A cultura da amora-preta.
Belo Horizonte: EPAMIG, 2002, 28 p. (Boletim
Técnico, 69)
FISHER, D. L. de O.; FACHINELLO, J. C.;
ANTUNES, L. E. C.; TIMM, C. R. F.;
GIACOBBO, C. L. Enraizamento de estacas
semi-lenhosas de mirtilo sob o efeito de
diferentes concentrações de ácido indolbutírico. Revista Brasileira de Fruticultura, SBF.
Jaboticabal, 2007.Disponível em: Acesso em: 06/10/2008.
NAKASU, B. J. Reprodução assexuada de plantas: Rosáceas. Revista Brasileira de Sementes,
Curitiba: v. 1, n. 1, 1979, p. 33-38. (Palestra apresentada no 1º Congresso Brasileiro de
Sementes)
RASEIRA, M. C. B. A pesquisa com amora-preta no Brasil. In: Simpósio Nacional do morango,
2 e Encontro de Pequenas frutas e frutas nativas, 1. Pelotas, Palestras... Pelotas: Embrapa
Clima Temperado, 2004, p.119-123. (Embrapa Clima Temperado. Documentos, 124).
RASEIRA, M. C. B.; GONÇALVES, E. D.; TREVISAN, R.; ANTUNES, L. E. C.; Aspectos
técnicos da cultura da framboeseira. Embrapa Clima temperado. Pelotas: CNPFT. 2004. 24 p.
(Documentos, 120)
TAIZ, L. & ZEIGER, E. Auxins: Growth and Tropisms. In: Plant Physiology. California: The
Benjamin/Cummings Publishing Company, p.398-424.
VILLA, F.; ARAUJO, A. G. de; PIO, L. A. S.; PASQUAL, M. Multiplicação in vitro de amoreirapreta "Ébano" em diferentes concentrações de meio MS e BAP. Ciência Agrotéc. Lavras. V. 29,
n. 3, 2005. p.582-589.
VILLA, F.; PASQUAL, M.; PIO, L. A. S.; TEODORO, G. S.; MIYATA, L. Y. Multiplicação in vitro
de amoreira-preta "Cherokee": efeito de meios de cultura, cinetina e GA3. Revista Ceres:
Viçosa - vol. 1, nº. 1, 2006., p.357-362.
VILLA, F.; PASQUAL, M.; PIO, L. A. S.; ASSIS, F. A.; TEODORO, G. S. Influência do carvão
ativado e BAP na multiplicação in vitro de duas frutíferas de clima temperado. Revista Ceres:
Viçosa - vol. 1, nº. 1, 2007, p.119-125.
***
Artigo enviado ao TodaFruta para publicação em 24/02/10
I - João Paulo Tadeu Dias ([email protected])
II - Elizabeth Orika Ono ([email protected])
Endereço
Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"
Fazenda Lageado
Portaria I: Rua José Barbosa de Barros, nº ,1780
Portaria II: Rodovia Alcides Soares, Km 3 Botucatu - SP
Caixa Postal 237 - CEP 18610-307
Departamento de Horticultura. Tel: (14) 3811- 7203
Fonte: UNESP - Botucatu
Fly UP