...

Produção de mudas de Eucalyptus para o

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

Produção de mudas de Eucalyptus para o
Comunicado 85
Técnico
ISSN 0102-0099
Brasília, DF
Novembro, 2003
Produção de mudas de
Eucalyptus para o
estabelecimento de plantios
florestais
Vicente Pongitory Gifoni Moura1
Daniel Pereira Guimarães2
RESUMO
O Gênero Eucalyptus com mais de 500 espécies é o mais
plantado no mundo. Até o ano de 1998 já existiam cerca
de 3.000.000 de ha plantados com esse gênero. Parte
dessa área foi plantada com eucalipto a partir de sementes,
porém um percentual significativo é de plantios clonais,
estabelecidos através de estacas enraizadas. Produção de
mudas num empreendimento florestal é talvez um de seus
componentes mais baratos e ao mesmo tempo mais
importantes por ser um fator fundamental na definição da
produtividade obtida através dos plantios. Este artigo
apresenta os aspectos tecnológicos e financeiros da
produção de mudas, conforme a experiência e praticas
dominantes comercialmente no Brasil. O trabalho está
dividido nas seguintes partes: 1) Sistemas de produção de
mudas para o estabelecimento de plantios florestais 2)
Técnicas para a produção de mudas. Na primeira parte são
discutidos aspectos sobre sistemas de produção de
mudas, como também os ganhos obtidos através de
plantios estabelecidos por mudas formadas a partir de
sementes e através de estacas enraizadas. São também
discutidos os aspectos da seleção de material para
1
2
propagação através dos dois sistemas. Na segunda
parte são apresentadas as técnicas para formação de
mudas, através de sementes (em sacos plásticos e
bandejas de isopor) e através de propagação vegetativa,
com descrição sucinta de todas as atividades, que vão
desde a instalação do viveiro até o preparo das mudas
para plantio.
INTRODUÇÃO
O Gênero Eucalyptus com mais de 500 espécies é o
mais plantado no mundo. Em torno de 90 países usam
este gênero em plantios comerciais, destacando-se entre
os mesmos a Índia, África do Sul, China, Itália, Israel,
Argentina, Chile, países Árabes e Brasil. No Brasil a
primeira introdução data de 1868. Porém, só a partir do
início deste século é que foi introduzido um significativo
número de espécies deste gênero (Andrade 1961). A
partir de então, os plantios comerciais começaram a se
expandir por todo o país e até o ano de 1998 já
existiam cerca de 3.000.000 de ha plantados com esse
gênero, principalmente nos Estados de Minas Gerais,
São Paulo, Paraná, Bahia e Rio Grande do Sul
(Sociedade Brasileira de Silvicultura 1999) (Tabela 1).
Hoje, estima-se que já se plantou 3.500.000 ha de
Eng. Florestal, PhD, EMBRAPA Recursos Genéticos e Biotecnologia, Parque Estação Biológica, Av. W-5 Norte (final) CEP 70770-901, Brasília, DF.
Eng. Florestal, PhD, EMBRAPA, Centro Nacional de Pesquisa de Milho e Sorgo, Rodovia MG 424, Km 65, CP 151, Sete Lagoas, MG, CEP 35701-970.
2
Produção de mudas de Eucalyptus para o estabelcimento de plantios florestais
Eucalyptus, onde cerca de 1.200.000 destes plantios são
clonais, estabelecidos através de mudas produzidas
através de enraizamento de estacas.
Muell. e Corymbia citriodora Hook. Alta qualidade da
madeira para uso como lenha e carvão. A madeira seca
tende a fornecer cerca de 4500 Kcal/Kg.
Tabela 1. ÁREA TOTAL REFLORESTADA NO BRASIL (ha)
- 1998
>>
Alta capacidade de rebrota. Após o corte,
espécies como Eucalyptus camaldulensis Dehnh. e E.
urophylla tendem a apresentar taxas de rebrota ao redor de
100%, o que permite um novo ciclo de crescimento das
plantas.
Estado
Eucaliptos
Minas Gerais
1.523.750
São Paulo
574.150
Paraná
67.000
Santa Catarina
41.550
Bahia
213.400
Rio Grande do Sul
115.900
Outros
431.030
Total
2.966.780
O grande interesse em se plantar eucalipto decorre dos
seguintes atributos inerentes a este gênero:
>>
Rápido crescimento. A espécie atinge idade de
corte entre 5 e 7 anos após o plantio, superando todas as
espécies madeireiras até então conhecidas.
>>
Baixa exigência nutricional. A espécie apresenta
bom desempenho mesmo em solos de baixa fertilidade.
>>
Baixo nível de competição entre plantas. A
espécie apresenta bom crescimento mesmo em
espaçamentos reduzidos, suportando até uma lotação de
3000 plantas/ha, embora o mais utilizado seja o
espaçamento de 3x2 metros (1666 plantas/ha).
>>
Baixa incidência de pragas e doenças. Os danos
graves às plantações de eucalipto se devem quase que
exclusivamente aos provocados pelo ataque de formigas
cortadeiras e cupins, os quais devem ser sistematicamente
controlados.
>>
Forma do tronco. De modo geral, as árvores de
eucalipto tendem a apresentar troncos retos e de grandes
dimensões em altura, o que permite o aproveitamento da
madeira para diferentes propósitos.
>>
Alta densidade básica da madeira. A densidade da
madeira do eucalipto situa-se em torno de 0.5 g/cm3 para
Eucalyptus grandis Hill ex. Maiden e Eucalyptus urophylla
S. T. Blake e 0.6 g/cm3 para Eucalyptus cloeziana F.
>>
Facilidade de produção de mudas. Em função da
facilidade de germinação das sementes, uso de recipientes
de tamanho reduzido e do tempo reduzido para a formação
das mudas (entre 60 e 90 dias).
SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MUDAS
PARA O ESTABELECIMENTO DE
PLANTIOS FLORESTAIS
No Brasil os sistemas de produção de mudas mais
utilizados são: Mudas a partir de sementes e através do
enraizamento de estacas (plantios clonais).
No sistema onde as mudas são produzidas por sementes,
estas podem ser obtidas de plantios comerciais, áreas de
produção ou de pomares porta sementes melhorados
geneticamente através de seleções.
GANHOS GENÉTICOS ESPERADOS A
PARTIR DE PLANTIOS ESTABELECIDOS
ATRAVÉS DE SEMENTES E DE
PROPAGAÇÃO VEGETATIVA
No estabelecimento dos plantios comerciais com
Eucalyptus, quatro etapas devem ser seguidas para que se
possa obter ganhos genéticos:
1.
Escolha da melhor espécie em relação àquelas
testadas na área;
2.
Seleção da melhor procedência
3.
Seleção dos melhores indivíduos dentro das
melhores procedências e produção massal de sementes
melhoradas através da formação de pomares porta
sementes;
4.
Seleção de árvores excepcionais de origem híbrida
interespecífica e produção massal através de mudas
enraizadas;
Os ganhos genéticos obtidos através do estabelecimento
de plantios via propagação vegetativa são altos, porém é
Produção de mudas de Eucalyptus para o estabelecimento de plantios florestais
um evento que ocorre uma única vez. Enquanto no
estabelecimento de plantios via sementes os ganhos
podem ser alcançados por seleção recorrente através de
cruzamentos entre indivíduos de populações de
melhoramento bem adaptadas; estes ganhos são mais
modestos comparados com os clonais, porém são
repetíveis e cumulativos através das gerações
SELEÇÃO DE MATERIAL PARA PROPAGAÇÃO
No processo de seleção, os aspectos mais importantes a
serem considerados são os produtivos (alto volume de
madeira), seguidos dos aspectos qualitativos (boa forma,
derrama natural, galhos finos, baixo conteúdo de casca),
silviculturais (bons índices de rebrota e capacidade de
enraizamento), de resistência (doenças, pragas e condições
adversas do meio) e tecnológicos.
A seleção de matrizes para propagação vegetativa, é feita
em talhões estabelecidos com sementes de origem local,
muitas vezes em populações híbridas, onde concorreram
espécies tais como: E. grandis Hill ex. Maiden, E.
urophylla S. T. Blake, Eucalyptus saligna Smith e
Eucalyptus tereticornis Smith.
A seleção dos clones varia de acordo com o uso, e pode
ser dirigida para a produção de óleo essencial, madeira
para energia, madeira para serraria, movelaria e para a
construção civil, postes, mourões e etc.
Na formação de híbridos através de polinização controlada,
busca-se combinar os atributos desejáveis das espécies,
para diversos usos, como também estabelecer plantios em
áreas marginais, onde espécies geneticamente puras têm
dificuldade de estabelecimento.
TÉCNICAS PARA A FORMAÇÃO DE MUDAS
O primeiro passo para a formação de mudas, consiste na
escolha da espécie/procedência que mais se adapte às
condições locais em termo de crescimento e de uso.
Como exemplo, na parte central do Brasil, as espécies mais
utilizadas em reflorestamento são: E. grandis, E. urophylla,
C. citriodora, E. cloeziana e E. camaldulensis.
Cada uma destas espécies apresenta peculiaridades
distintas, as quais são sumariadas no quadro abaixo:
Característica
E. grandis
E. urophylla
C. citriodora
E. cloeziana
E. camaldulensis
Produtividade
(m3/ha/ano)
25-30
20-25
10-15
15-20
10-15
Exigência
nutricional
alta
média
alta
média
baixa
Forma
do tronco
reta
reta
reta
reta
tortuosa
Densidade
da madeira
baixa
baixa
alta
alta
média
Rebrota
baixa
alta
média
média
alta
Formação
de mudas
fácil
fácil
média
difícil
fácil
Crescimento
inicial
Pragas e
doenças
rápido
rápido
baixo
baixo
médio
Alto
Alto
Médio
Médio
Baixo
3
4
Produção de mudas de Eucalyptus para o estabelcimento de plantios florestais
Num processo maior de refinamento, procura-se selecionar
dentro das espécies, as procedências de maior destaque e
que melhor se adaptem às condições climáticas e edáficas
locais, que permitam a obtenção de ganhos excepcionais
em produtividade, e que sejam resistentes a pragas e
doenças. Nesta região do Brasil se destacaram:
Espécie
plásticos devemos seguir etapas e um cronograma que
comumente está ligado ao início e em muitos casos com o
começo do período chuvoso. No Cerrado (Savana), as
atividades e época de execução estão listadas no quadro
abaixo.
Procedência
Atividade
E. grandis
E. urophylla
C. citriodora
Época de execução
Atherton, Queensland, Austrália
Preparo do viveiro
abril-maio
Preparo do substrato
maio-junho
Flores, Indonésia
Comp. Agro Florestal Sta. Bárbara,
Acesita, IPEF (Brasil)
E. cloeziana
Gympie, Kennedy e Cardwell,
Queensland, Austrália
E. camaldulensis
Petford, Queensland, Austrália
Preparo dos recipientes
junho
Teste de germinação
junho
Semeio
Repicagem
Em ambos os processos, a boa qualidade da muda a ser
produzida é vital para o sucesso do empreendimento.
Quando o reflorestador, por um motivo ou outro, está
impossibilitado de produzir suas próprias mudas e optar
pela aquisição de mudas de terceiros, é muito importante
certificar-se da origem do material e avaliar a qualidade das
mudas a serem adquiridas (tamanho, aspecto da parte
aérea e sistema radicular). Caso opte por produção própria,
deve procurar fornecedores de sementes idôneos que
certifiquem a qualidade genética das sementes. É mais
seguro adquirir sementes produzidas em áreas de produção
ou de pomares porta sementes, localizadas em áreas
próximas às do empreendimento. Melhor ainda é produzir
sua própria semente. O dinheiro investido numa boa
semente, aumentará substancialmente os rendimentos do
povoamento e consequentemente os lucros.
O produtor deverá adquirir sementes em quantidade
suficiente para satisfazer as necessidades do plantio e
dimensionar seu viveiro em função da quantidade de
mudas a serem produzidas.
A instalação de um viveiro comercial. requer estudos a
respeito da viabilidade econômica do empreendimento
tendo como base o potencial do mercado consumidor, o
nível de sofisticação do viveiro e a diversificação de
espécies a serem utilizadas.
julho
15 dias após a germinação
raleio
45 dias após germinação
Adubação de cobertura
À partir de 45 dias após a
germinação
Re-encanteiramento
75 dias após a germinação
Dança das mudas
75 dias após a germinação
Endurecimento
das muda
90 dias após a germinação
DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES
Instalação do viveiro. Este deve se situar em área de fácil
acesso, possuir disponibilidade de água, ser protegido
contra ventos, formigas ou acesso de animais. A infraestrutura mínima de um viveiro para produção de mudas
para consumo próprio deve constar de um pátio para os
canteiros e um abrigo para insumos e implementos. Os
implementos indispensáveis são: peneira para
homogeneização do substrato (malha de aço com 0,8 cm,
montada sobre um cavalete), reservatório de água (caixa
de 500 ou 1000 litros), regador de crivo fino, carrinho de
mão, pá, enxada e lona plástica.
PRODUÇÃO DE MUDAS EM SACOS
PLÁSTICOS
Preparo do substrato. Utiliza-se preferencialmente subsolo
para evitar o risco de contaminação por fungos ou plantas
invasoras. Para tal, retira-se a camada superficial de 5 cm
do solo antes de coletar o substrato.
Para produção de mudas de eucalipto em recipientes
A adubação consiste na aplicação de 5 Kg da fórmula 4-
Produção de mudas de Eucalyptus para o estabelecimento de plantios florestais
14-8 (N-P-K) para cada m3 de solo, o que é equivalente a
100g do adubo para cada recipiente de 20 litros ou 300g
para cada carrinho de terra. Caso haja urgência no preparo
das mudas, a quantidade de adubo pode ser usada em
dobro (10kg/m3 substrato). A utilização de esterco de
gado na proporção de 10% do volume do substrato
contribui para acelerar o crescimento das mudas, porém,
esta prática somente seria recomendável caso o esterco
esteja bem curtido, uma vez que este pode ser uma fonte
de contaminação por fungos causadores do tombamento
das mudas (“damping-off”).
Espécie
Preparo dos recipientes. Utilizam-se normalmente sacos
plásticos de 6 cm de diâmetro por 12 cm de altura. Os
saquinhos devem conter perfurações na base para permitir
a aeração e escoamento da água de irrigação em excesso.
Cerca de 300 recipientes ocupam uma área de um metro
quadrado. O enchimento dos saquinhos pode ser feito com
a ajuda de um funil de lata. Para maior rendimento, o
substrato deve estar seco. Um operário, mesmo não
treinado, consegue encher cerca de 1000 saquinhos/dia,
enquanto operários treinados chegam a encher até 3000
sacos/dia. No caso de produção de grandes quantidades
de mudas, o uso de moegas é recomendável, uma vez que
com este equipamento pode-se encher até 8000 sacos/dia.
Os canteiros devem medir 1,20 metros de largura para
facilitar o manuseio das mudas. O comprimento pode ser
variável não devendo porém ultrapassar 20 metros. Entre
os canteiros, deixa-se um espaço livre de pelo menos 60
cm para permitir o trânsito de pessoal. No caso de viveiros
contendo vários canteiros, deve-se deixar um carreador
central com cerca de 3,5 metros de largura, para trânsito
de máquinas e veículos. Finaliza-se o encanteiramento
adicionando terra na lateral dos sacos plásticos das bordas
do canteiro.
Semeadura direta. Antes de proceder a semeadura, os
canteiros devem ser irrigados. As sementes devem ser
colocadas no centro dos sacos plásticos. A seguir, as
sementes devem ser cobertas com palha de arroz ou com
uma fina camada de terra peneirada. Efetua-se então nova
irrigação dos canteiros semeados. A partir desta fase até a
completa germinação das mudas, deve-se ter bastante
cuidado com a rega dos canteiros no sentido de evitar que
as sementes sejam carregadas pela água. No caso de
pequenas quantidades de mudas, sugere-se que os
recipientes sejam cobertos com sacos de aniagem até que
a germinação se complete.
Teste de germinação. Uma das grandes dificuldades na
produção de mudas de eucalipto reside no diminuto
tamanho das sementes. Antes de efetuar o semeio
definitivo o produtor deve calibrar a quantidade de
sementes a ser semeada de modo a garantir no mínimo
uma e no máximo 3 ou 4 plantas por recipiente. Dentre as
espécies anteriormente citadas, apenas E. citriodora
apresenta semente com tamanho que permite sua
diferenciação das impurezas. A capacidade de germinação
depende da viabilidade da semente e de seu grau de
impurezas. Para maiores quantidades de mudas, sugere-se
a aquisição de seringas apropriadas para o semeio.
Normalmente os lotes de sementes de boa qualidade
apresentam as seguintes capacidades germinativas:
Sementes germinadas/kg
E. grandis
500.000
E. urophylla
400.000
E. citriodora
90.000
E. cloeziana
140.000
E. camaldulensis
500.000
Repicagem. A semeadura indireta somente é recomendada
no caso da produção de um pequeno número de mudas.
Esta é efetuada em caixas de areia com aproximadamente
10 cm de altura e o transplante das mudas é efetuado
quando estas apresentarem um tamanho de
aproximadamente 5 cm e contiverem de 2 a 3 pares de
folhas. As mudas repicadas devem receber sombreamento
por cerca de 3 a 4 dias e maiores turnos de rega.
Normalmente, mudas transplantadas tendem a apresentar
menores crescimentos e somente estarão aptas para plantio
no campo com cerca de 120 dias. As espécies E.
citriodora e E. cloeziana são muito sensíveis à repicagem.
Raleio das mudas. Esta operação é efetuada cerca de 45
dias após a germinação no sentido de deixar apenas uma
muda por recipiente, no caso selecionando-se a mais
vigorosa e posicionada no centro do saco plástico. As
mudas arrancadas que não apresentarem danos no sistema
radicular podem ser transplantadas para os recipientes que
não apresentaram germinação. Antes e após esta operação
os viveiros devem ser regados.
Adubação de cobertura. Efetuada para promover maior
desenvolvimento das mudas caso seus crescimentos
estejam aquém do esperado. Recomenda-se a dosagem de
10g de uréia ou 20g de sulfato de amônia dissolvidos em
10 litros de água. Alguns minutos após a aplicação, regar
novamente as mudas com água para evitar a queima das
folhas. A operação pode ser repetida 15 a 20 dias após a
primeira aplicação de adubação nitrogenada Sobre as
5
6
Produção de mudas de Eucalyptus para o estabelcimento de plantios florestais
necessidades de adubação, calagem e aplicação de
micronutrientes em mudas de eucalipto sugere-se consultar
os trabalhos de Novais et al (1979a e 1979b); Rocha
Filho et al. (1979); Novais (1980a e 1980b); Barros et al.
(1985); Neves et al. (1985); Silva & Defilipo (1993) e
Grespan et al. (1998).O crescimento médio das mudas
tende a seguir o padrão apresentado no quadro abaixo.
Comparando-se o crescimento das mudas sob produção
com o apresentado, pode-se avaliar a necessidade de
efetuar a adubação em cobertura.
Recomenda-se a utilização de bandejas de 35x70 cm com
capacidade para 128 mudas. A utilização de substrato
comercial evita a ocorrência de doenças e menores riscos
de danos às mudas por ocasião do plantio no campo. É
comum a ocorrência do tombamento de mudas devido a
“damping-off” causados por fungos tais como
Cylindrocladium sp., Pythium sp., Rhizoctonia sp.,
Fusarium sp. e Botrytis sp. (Ferreira 1989). Para evitar
esse problema recomenda-se tratamento químico do
substrato previamente. A eficiência de tratamentos
químicos no controle destes fungos em mudas de
eucalipto foi estudada por Krugner (1971).
Caso o produtor opte por preparar o próprio substrato,
sugere-se utilizar 50% de material de subsolo, 30% de
matéria orgânica bem curtida (esterco de curral) e 20% de
areia.
Re-encanteiramento. Operação que consiste em efetuar
uma nova distribuição das mudas nos canteiros de forma a
agrupá-las em função do tamanho. Através de adubação
de cobertura suplementar nas mudas de menores
tamanhos, busca-se igualar os seus tamanhos com as
maiores. Este procedimento permite evitar também que as
raízes penetrem no chão do viveiro, processo chamado de
dança das mudas.
Endurecimento das mudas. Redução gradual dos níveis de
irrigação das mudas, buscando fortalecer a resistência da
mesma ao estresse hídrico. Desta forma, a muda
apresentará maior resistência após plantio no campo. A
redução da água deverá ser feita de modo que a muda
aparente estar sofrendo com a falta de água, o que é
verificado pela cor avermelhada das folhas. Deve-se porém
tomar cuidado para que a falta de irrigação não provoque
seca dos brotos terminais.
PRODUÇÃO DE MUDAS EM BANDEJAS
DE ISOPOR
Neste caso, ao invés dos recipientes plásticos, utiliza-se
bandejas de isopor. As vantagens deste método referem-se
à boa conformação do sistema radicular, menor incidência
de pragas e doenças, redução do tempo de permanência
em viveiro e facilidade de manuseio e transporte das
mudas.
Como desvantagem, tem-se a necessidade da construção
de suportes para que as bandejas fiquem suspensas a
cerca de um metro do solo.
Os custos de produção de muda apresentam grandes
variações em função da quantidade de mudas a serem
produzidas e da mão de obra empregada. A decisão de
produzir suas próprias mudas deve ser tomada caso os
custos de produção sejam inferiores a R$ 50,00/milheiro.
PRODUÇÃO DE MUDAS VIA
PROPAGAÇÃO VEGETATIVA
A propagação vegetativa através de estacas enraizadas
está sendo largamente utilizada por diversas companhias
florestais, devido aos altos ganhos genéticos obtidos em
curto espaço de tempo, tanto em volume quanto em
qualidade da madeira. Esta técnica é também utilizada na
propagação de espécies com baixa oferta de sementes
melhoradas ou que produzam pouca quantidade de
sementes. Entre estas podemos citar o E. dunnii que tanto
na Austrália como no Brasil, produz sementes em
quantidades diminutas. Como alternativa para propagar
essa espécie foi aperfeiçoada a técnica de produção de
mudas através de enraizamento de estacas (Cooper et al.
1994). A grande vantagem desse método em relação à
propagação via sementes é que as seleções de indivíduos
podem ser feitas em talhões existente dentro da
propriedade sem a preocupação de pureza genética.
Após selecionados os melhores indivíduos, de acordo com
as características preestabelecidas, estes são derrubados e
deixados a rebrotar. O material desta rebrota será enraizado
e utilizado na formação de áreas de multiplicação clonal.
Nessa fase, são avaliadas as capacidades de rebrota do
material, como também a capacidade de enraizamento.
Esta área normalmente tem um tratamento especial, como
Produção de mudas de Eucalyptus para o estabelecimento de plantios florestais
se o mesmo fosse um pomar porta sementes, onde o
controle de ervas daninhas, irrigações quando necessárias,
fertilização periódica, controle de insetos, conservação de
solos e etc. são realizados.
casa de vegetação, os tubos são dispostos a 16 cm de
altura, ficando, a parte inferior do mesmo, a quatro cm do
solo. As raízes que atravessam o tubo ficam em contato
com o ar e normalmente morrem, o que é desejável.
As áreas de multiplicação clonais, normalmente são
localizadas próximas ao viveiro e os clones são cortados a
cada dois anos, para a produção de estacas. Estudos
demonstraram que a época do ano e o horário da coleta
afetam a capacidade de enraizamento. Para que os índices
de enraizamento sejam aumentados os cortes devem ser
feitos no início do verão (Cooper & Graça 1987) e nas
primeiras horas da manhã (Zani Filho & Balloni 1988).
As estacas após o tratamento fungicida, recebem um
tratamento hormonal, para a promoção da formação de
raízes. Um dos mais usados é o acido indol-butírico (IBA),
diluído em talco, numa concentração de 0,6%. Entretanto,
estes tratamentos podem variar de espécie para espécie e
também com as condições ambientais sob as quais se está
realizando o enraizamento (Borges 1978). Sugere-se a
realização de testes para determinar o melhor hormônio e
também sua concentração ideal, já que a capacidade de
enraizamento varia de espécie para espécie. E.
camaldulensis, E. grandis, Eucalyptus pellita F. Muell.
apresentam bons índices de enraizamento, independente
do local; ao contrário C. citriodora não apresentou nenhum
enraizamento em nenhuma localidade (Guimarães et al.
1983). Estes mesmos autores verificaram que espécies
como C. citriodora, Corymbia maculata Hook e E.
cloeziana, espécies que normalmente têm densidade de
madeira mais alta do que outras espécies de Eucalyptus,
apresentaram os menores índices de enraizamento.
O corte é feito a uma altura de 15 a 20 cm acima do solo
e após 55 dias os rebrotos são colhidos e levados para o
viveiro em recipientes com água. Nessa idade os brotos
estão com um grau adequado de suculência, o que facilita
bastante o processo de enraizamento. Normalmente a partir
dessa idade, o material passa a sofrer um processo de
lignificação maior, alterando as relações carbono/
nitrogênio, o que pode afetar as taxas de enraizamento
(Guimarães et al. 1983). A produção desses rebrotos,
varia de região para região, e assim testes locais são
recomendados para se determinar a melhor idade de corte
para a coleta do rebroto e para a maior produção de
estacas. Estes rebrotos são divididos em estacas com duas
folhas. Se as folhas são grandes, estas devem ser
reduzidas através de cortes, para diminuir a transpiração e
evitar que as mesmas cubram as estacas vizinhas, durante
o encanteiramento. Todas as brotações das estacas devem
ser eliminadas, para favorecer o desenvolvimento de novas
gemas. As pequenas estacas são colocadas em um
solução fungicida para tratamento. Algumas companhias,
como a Aracruz Florestal usa Benlate numa concentração
de 200 ppm, (Campinhos 1987), ficando a parte basal da
estaca imersa nessa solução por um período de meia hora.
Entretanto outras companhias utilizam outros fungicidas,
tais como Serban e Dithane (Guimarães et al. 1983).
Caso sejam usados recipientes recicláveis, estes devem ser
lavados e cheios com o meio de crescimento. A vermiculita
pura e de qualidade uniforme tem sido bastante utilizada,
porém outros substratos como mistura de perlita e
vermiculita, material de subsolo misturado com moinha de
carvão, composto orgânico misturado com cinza de
caldeira e etc. também podem ser usados (Guimarães et al.
1983; Borges 1978). Os recipientes utilizados tanto
podem ser bandejas de isopor (descrito anteriormente) ou
tubos cônicos de polietileno, com 12 cm de comprimento,
3 cm de diâmetro na parte superior; na base há um furo de
um cm de diâmetro por onde saem as raízes e o excesso
de água. Na parte interna do tubo existem quatro
saliências de alto a baixo, que têm a finalidade de dirigir as
raízes no sentido vertical, evitando o espiralamento. Na
O tratamento dado à estaca, consiste em se fazer o talco
(talco mais IBA) aderir na sua parte basal (dois cm). A
estaca tratada é colocada nos tubos, até uma profundidade
de quatro cm e levada para casa de vegetação, que em
certos casos é apenas uma casa de sombra, como nas
regiões tropicais, onde as diferenças entre as temperaturas
diurnas e noturna não são elevadas. Em outras condições,
estas se constituem realmente em casa de vegetação, onde
a temperatura é controlada para permitir um melhor
enraizamento das estacas.
As casas de vegetação ou de sombra, são cobertas com
uma tela de polietileno que permite passar apenas 50% da
luminosidade (Campinhos 1987; Guimarães et al. 1983).
A mesma é equipada com um sistema de irrigação por
nebulização, pois as folhas das estacas devem permanecer
úmidas, durante o período de formação de raízes. Este
período é variável, porém dentro de condições ideais é de
35 a 45 dias. Após um período de 25 dias de
permanência na casa de vegetação, as mudas recebem uma
primeira fertilização, pois as raízes já se desenvolveram.
Três quilos de NPK (5-7-13) dissolvidos em 100 litros de
água, são suficientes para fertilizar 15.000 estacas. Após
o período de enraizamento as mudas devem ser
transferidas para uma área adjacente a sol aberto onde
recebem uma nova fertilização, pois espera-se que a
maioria das estacas tenha enraizado. Nesta área,
denominada de “‘área de desenvolvimento de estacas
enraizadas”, se faz a seleção das estacas que enraizaram.
Este processo envolve o descarte das estacas mortas; da
7
8
Produção de mudas de Eucalyptus para o estabelcimento de plantios florestais
separação das mudas vivas de acordo com o tamanho; da
seleção das que melhor brotaram, eliminando as outras; do
descarte das folhas originais, vivas ou mortas; poda das
raízes que cresceram através do furo da base do recipiente.
Após este processo, as mudas são selecionadas por
tamanho dentro das bandejas
Segundo Rogério Miranda (Comm. Pess.) a PLANTAR,
companhia florestal atuando no estado de Minas Gerais,
produz mudas a um preço de aproximadamente R$150/
1000 de estacas enraizadas e R$ 70/1000 de sementes.
A muda produzida através de estaquia é mais cara que a
de sementes melhoradas e esta mais cara que a de
sementes comerciais, porém a produtividade das
plantações é diretamente proporcional ao preço da muda.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ANDRADE, E. N. de. O eucalipto. 2. ed. São Paulo: Brasil
de Rothschild, 1961. 660 p.
Edição Comemorativa da 2a Conferência Mundial do
Eucalipto, São Paulo.
BARROS, N. F.; NEVES, J. C. L.; NOVAIS, R. F.;
MARTINS FILHO, C. A.; AMORIM NETO, A. Efeito de
combinações de boro e zinco no crescimento de mudas de
eucalipto. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO
SOLO, 20., 1985, Belém. Programas e resumos.
Campinas: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 1985.
p.109-110.
BORGES, E. E. de L. e. Enraizamento de estacas de
Eucalyptus saligna Sm. e Eucalyptus grandis W. Hill ex
Maiden. 1978. 65 f. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.
CAMPINHOS JÚNIOR, E. Propagação vegetativa de
Eucalyptus spp. por enraizamento de estacas. In:
SIMPOSIO SOBRE SILVICULTURA Y MEJORAMIENTO
GENETICO DE ESPECIES FORESTALES, 1., 1987.
Buenos Aires, Argentina. [Buenos Aires, Argentina]:
Centro de Investigaciones y Esperiencias Forestales,
[1987]. p. 208-214.
COOPER, M. A.; GRACA, M. E. C. Perspectivas para a
maximização de enraizamento de estacas de Eucalyptus
dunnii Maiden. Curitiba: EMBRAPA-CNPF, 1987. 9 p.
(EMBRAPA-CNPF. Circular Técnica, 12).
COOPER, M. A.; GRACA, M. E. C.; TAVARES, F. R.
Enraizamento de estacas de Eucalyptus dunnii Maiden.
Colombo: EMBRAPA-CNPF, 1994. 15 p. (EMBRAPACNPF. Circular Técnica, 22).
FERREIRA, F. A. Patologia florestal: principais doenças
florestais no Brasil. Viçosa: Sociedade de Investigações
Florestais, 1989.
GOMES, J. M.; COUTO, L.; BORGES, R. C. G.;
FONSECA, E. P. Efeitos de diferentes substratos na
produção de mudas de Eucalyptus grandis W. Hill ex
Maiden, en win-strip. Communications in Soil Science and
Plant Analysis, New York, v. 27, n. ¾, p. 763-771,
1996.
GRESPAN, S. L.; DIAS, L. E.; NOVAIS, R. F. Crescimento
e parâmetro cinéticos de absorção de amônio e nitrato por
mudas de Eucalyptus spp submetidas a diferentes relações
amônio/nitrato na presença e ausência de fósforo. Revista
Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, v. 22, n. 4, p.
667-674, 1998.
GUIMARÃES, D. P.; MOURA, V. P. G.; RESENDE, G. C.;
MENDES, C. J.; MAGALHÃES, J. G. R.; ASSIS, T. F.;
ALMEIDA, M. R.; RESENDE, M. E. A.; SILVA, F. V.
Avaliação silvicultural e dendrométrica e tecnológica de
espécies de Eucalyptus. Planaltina, DF: EMBRAPA-CPAC,
1983. 73 p. (EMBRAPA-CPAC. Boletim de Pesquisa, 20).
KRUGNER, T. L. Controle químico do “damping-off” em
eucalipto. 1971. 60 f. Tese (Mestrado) - ESALQ,
Piracicaba.
NEVES, J. C. L.; LEITE, R. A.; NOVAIS, R. F.; BARROS,
N. F. Equilíbrio ótimo P/S para o crescimento de mudas de
eucalipto em amostras de dois solos sob Cerrado. In:
CONGRESSO BRASILEIRO DE CIENCIA DO SOLO, 20.,
1985, Belém. Programas e resumos. Campinas: Sociedade
Brasileira de Ciência do Solo, 1985. p. 99-100.
NOVAIS, R. F. de; GOMES, J. M.; ROCHA, D.; BORGES,
E. E. de L. e. Calagem e adubação mineral na produção de
mudas de eucalipto (Eucalyptus grandis W. Hill. ex
Maiden): I. Efeitos da calagem e dos nutrientes N, P e K.
Revista Árvore, Viçosa, v. 3, n. 2, p. 121-34, 1979a.
NOVAIS, R. F. de. Calagem e adubação mineral na
produção de mudas de eucalipto (Eucalyptus grandis W.
Hill ex Maiden) II.: efeitos da calagem, do N e do
superfosfato simples. Revista Árvore, Viçosa, v. 4, n. 1,
p. 1-13, 1980a.
Produção de mudas de Eucalyptus para o estabelecimento de plantios florestais
NOVAIS. R. F de. Calagem e adubação mineral na
produção de mudas de eucalipto (Eucalyptus grandis W.
Hill ex Maiden). III. efeitos da calagem, do superfosfato
simples e de um fertilizante NPK. Revista Árvore, Viçosa,
v. 4, n. 2, p. 111-123, 1980b.
NOVAIS, R. F.; GOMES, J. M.; ROCHA, D.; LIMA, E. E.;
NASCIMENTO FILHO, B. M. B. Calagem e adubação NPK
na produção de mudas de eucalipto (Eucalyptus grandis
W. Hill ex Maiden). Boletim Técnico. SIF, v. 2, p. 27-66,
1979b.
ROCHA FILHO, J. V. de C.; SARRUGE, R. J.; HAAG, H.
P.; OLIVEIRA, G. D. de. Efeitos da aplicação de fósforo,
boro, zinco e calagem no teor de macronutrientes das
folhas de mudas de Eucalyptus grandis (Hill, ex Maiden)
cultivadas em solo de Cerrado. Anais da Escola Superior
de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Piracicaba, v. 36, p.
493-507, 1979.
SILVA, D. J.; DEFELIPO, B. V. Necessidade de calagem e
diferentes relações Ca: Mg para a produção de mudas de
Eucalipto. Revista Arvore, Viçosa, v. 17, n. 3, p. 303313, 1993.
SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA. Disponível
em: <http://www.florestal/ipef.br/sbs/estatisticas/>.
Acesso em 1999.
ZANI FILHO, J.; BALLONI, E. A. Enraizamento de estacas
de Eucalyptus: efeito do substrato e do horário de coleta
do material vegetativo. IPEF, Piracicaba, v. 40, p. 39-42,
1988.
Comunicado
Técnico, 85
Exemplares desta edição podem ser adquiridos na:
Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia
Serviço de Atendimento ao Cidadão
Parque Estação Biológica, Av. W/5 Norte (Final) Brasília, DF. CEP 70.770-900 - Caixa Postal 02372
PABX: (61) 448-4600
Fax: (61) 340-3624
http://www.cenargen.embrapa.br
e.mail:[email protected]
1a edição
1a impressão (2003): 150 unidades
Comitê de
publicações
Expediente
Presidente: José Manuel Cabral de Souza Dias
Secretário-Executivo: Maria José de Oliveira Duarte
Membros: Regina Maria Dechechi G. Carneiro
Maurício Machaim Franco
Luciano Lourenço Nass
Sueli Correa Marques de Mello
Vera Tavares Campos Carneiro
Supervisor editorial: Maria José de Oliveira Duarte
Normalização Bibliográfica: Maria Alice Bianchi
Editoração eletrônica: Jorge Luiz de C. Vieira Júnior
9
Fly UP