...

Queijo Minas e Ricota, semelhantes, mas não iguais - ceo

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

Queijo Minas e Ricota, semelhantes, mas não iguais - ceo
Política
EDIÇÃO 45 - Quinta-feira, 02 de Setembro de 2010
Queijo Minas e Ricota, semelhantes, mas não iguais
Por Camila Ducati1, Cássia Nespolo2
M
uitas são as
dúvidas com
relação às diferenças existentes entre os diversos tipos de
queijos produzidos atualmente, principalmente com relação à Ricota
e ao queijo Minas Frescal, tais como os métodos de fabricação e as
diferenças nutricionais
e organolépticas.
Queijo Minas Frescal
ou queijo Minas é um
queijo muito popular
e de origem brasileira.
Segundo a Portaria Nº
352/1997 e a Instrução
Normativa Nº 4/2004,
ambas do Ministério da
Agricultura, que tratam
do Regulamento Técnico para Fixação de
Identidade e Qualidade
de Queijo Minas Fres-
cal, “Entende-se por
Queijo Minas Frescal o
queijo fresco obtido por
coagulação enzimática
do leite com coalho e/
ou outras enzimas coagulantes apropriadas,
complementada ou não
com ação de bactérias
lácticas específicas”.
O queijo Minas possui
um alto teor de umidade, massa branca, com
consistência mole, sabor suave a levemente
ácido. Já a ricota ou
ricotta é de origem Italiana, principalmente
da Região Sul da Itália, possui massa mais
branca que a massa do
queijo Minas, contando
com uma textura leve,
granulosa e de sabor
bem suave.
Com relação ao mé-
estes dois derivados apresenta a compositodo de fabricação, a
lácteos, como demons- ção nutricional da Riobtenção de ambos os
1
tra o quadroDesafios
compa- sanitários
cota e do equeijo
Minas namo.
queijos é bem simples.
No entanto
a riprodutivos
suinocultura
industrial
rativo a seguir, o qual Frescal.
O queijo Minas é obticota também possui
do a partir da coagulateores de proteína e
Quadro 1 – Composição nutricional do Queijo Minas Frescal e da Tabela 1 – Composição
nutricional
do Queijo
Minas
Frescal e da Ricota.
Ricota.
ção do leite com coalho
Sandro
Luiz
Benkendorf2,
Luis Henrique
Ebling
Farinatti3
cálcio que
auxiliam
na
Componentes
Queijo Minas Frescal
Ricota
(ácido láctico ou fernutrição humana, resmento). Sendo considesaltando seu preço de
Calorias (kcal/100g)
264
Segundo a Associação
Brasileira140
de Indústria
Produtora e Exportado
rado um queijo fresco,
comercialização
que
Umidade (%)
sem nenhuma matura56,1
73,6
viabiliza sua aquisição
Suina-ABIPECS, constatou um aumento de 21,8%
na produção
brasileira de
ção, com validade cure consumo
frequente.
Proteína (g)
17,4
12,6
ta de até 20 dias. Já
De maneira geral as
no período de 2004 á 2009. Motivos para esse indústrias
crescimento estão
devido
no caso da ricota, sua
brasileiCarboidratos (g)
3,2
3,8
produção, ao contrário
ras vêm ampliando a
genético
disponível
para
as granjas, no entanto,
Gordura
(g) dos animais e tecnificação
20,2
8,1
da maioria dos queijos,
variedade de queijos
é feita não a partir de
existentes no mercado,
a demanda
de produtos para
consumidor,
seja carne in natura o
Colesterol
(mg/100g)
62 o mercado 49
leite, mas sim a partir
além de garantirem a
da acidificação do soro
do nos
produCálcio
(mg/100g)
253
de suínos,
não podemos 579
esquecer o manejo
comqualidade
os animais,
quais se
do leite, rico em proteíto final, grande parte
Fonte:
Tabela
Brasileira
de
Composição
de
Alimentos
–
TACO
(2006).
nas do soro (albuminas
Fonte:
Tabela Brasileira
de Composição
Alimentos – TACO -(2006).
dos produtos
possuem
Higiene
e desinfecção
dasde instalações;
Cronograma
das Vacinas;
- Proc
e lactoglobulinas) que
características orgaprecipitam e formam aSendo reprodutores;
Sendo
assim,
a estar
como
o Minas
queijo
Minas
é denolépticas
assim, tanto
a ricota
quanto
o queijo
apresentam
seus
-tanto
Bem
animal;
- frescal
Controle
Roedores;
-favoráveis
Qualidade d
massa que dá origem
à
ricota
quanto
o
queijo
mais
concentrado
nuà
seu
consumo,
obbenefícios à saúde humana, mas como o queijo Minas é mais concentrado
ricota.
Minas
frescal
apresentricionalmente
ganha
tendo-se
boa
aceitação
Entre outros.
nutricionalmente ganha destaque no aspecto preferência e consumo. No entanto a ricota
Nutricionalmente
há
tam seus benefícios à destaque no aspecto
pelo mercado consuteores de
proteína e cálcio
auxiliam na nutrição
humana, ressaltando
grande diferença também
entre possui
saúde
humana,
masquepreferência
e consumidor.
seu preço de comercialização
que viabiliza sua
aquisição
e consumo nos
frequente.
Para uma propriedade
rural
se destacar
índices
1. Acadêmica do Curso de Zootecnia, Chapecó CEO-UDESC;
2. Professora Orientadora, curso de Zootecnia, Chapecó CEO-UDESC.
reprodutivos e produtiv
De maneira geral as indústrias brasileiras vêm ampliando a variedade de queijos
pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária-EMBRAPA (Qu
existentes no mercado, além de garantirem a qualidade do produto final, grande parte
1
os colaboradores
Desafios sanitários e produtivos
na suinocultura industrial
situação do plantel e edificações existentes, identificando e corrigindo
dos produtosfundamental
possuem características
à e
seudiscutir
consumo,
anotar osorganolépticas
dados reaisfavoráveis
da granja
com
obtendo-se boa aceitação pelo mercado consumidor.
Sandro Luiz Benkendorf2, Luis Henrique Ebling Farinatti3
S
egundo a Associação Brasileira de Indústria Produtora e
Exportadora de Carne
Suina-ABIPECS, constatou um aumento de
21,8% na produção
brasileira de carne suína no período de 2004
á 2009. Motivos para
esse crescimento estão devido ao material
genético dos animais e
1. Acadêmica do Curso de Zootecnia, Chapecó CEO-UDESC;
tecnificação disponível
para as granjas, no entanto, para atender a
demanda de produtos
para o mercado consumidor, seja carne in
natura ou derivados de
suínos, não podemos
esquecer o manejo com
os animais, nos quais
se encaixam:- Higiene e desinfecção das
instalações; - Cronograma das Vacinas; -
valores críticos.
Procedência dos reproanotar
os laboradores
como está identificando e corri2. Professoradamental
Orientadora, curso
de Zootecnia,
Chapecó CEO-UDESC.
dutores; - Bem estar
dados reais da granja a situação do plantel e gindo os pontos e valoanimal; - Controle de
e Quadro
discutir 1.
comValores
os co- críticos
edificações
existentes,
res pela
críticos.
e Metas
sugeridas
EMPRABA 2006
Roedores; - Qualidapropriedade
ruralpela
seEMPRABA
destacar
nos
reprodutivos
e produt
Quadro 1. Valores críticos
e Metas sugeridas
2006,
paraíndices
uma propriedade
rural se destade da Carcaça; - Entre
car nos índices reprodutivos e produtivos.
outros.
Indicador
Valor Crítico
Metas
Para uma proprieTaxa
de
partos
(%)
<
80
>86
dade rural se destacar
nos índices reproduTaxa de retorno ao cio (%)
>13
<10
tivos e produtivos su<10
>10,5
Numero Leitões Desmamados/ Parto
gerido pela Empresa
Peso dos Leitões 28 Dias (Kg)
<6,8
>7,7
Brasileira de Pesquisa
Conversão
alimentar
(Kg
de
ração/Kg
de
peso
ganho)
>2,6
<2,4
Agropecuária-EMBRAPeso
Medio
aos
154
dias
(Kg)
<98,0
>103,0
PA (Quadro 1), é fun-
1. Parte do Estágio de Vivência realizado de 7 a 14 de Agosto de 2010 em Caxambu do Sul
2. Estagiário, acadêmico do curso de Zootecnia, Chapecó CEO-UDESC
1. Parte do Estágio de Vivência realizado de 7 a 14 de Agosto de 2010 em Caxambu do Sul
3. Professor Orientador, curso de Zootecnia, Chapecó CEU-UDESC
2. Estagiário, acadêmico do curso de Zootecnia, Chapecó CEO-UDESC
3. Professor Orientador, curso de Zootecnia, Chapecó CEU-UDESC
Caderno Rural
Quinta-feira, 02 de Setembro de 2010
Código Florestal
Revisão sem sustentação científica
Revisão do Código Florestal motiva manifestações da comunidade científica. Pesquisadores
explicam porque a proposta poderá levar a desastres ambientais de grandes proporções
legislação ambiental vigente fosse cumprida ao
pé da letra. O documento, no entanto, foi produzido de forma tão errônea que alguns pesquisadores envolvidos em sua elaboração se negaram
a assiná-lo”, apontou.
O principal argumento para as reformas, baseia-se na alegação de que há um estrangulamento da expansão de terras agrícolas, bloqueArgumentação desmontada
ando o avanço do agronegócio. Esse bloqueio, no
Luiz Antonio Martinelli, pesquisador do Cena- entanto, não existe, afirma. “A falácia desse arUSP, afirma que o Código Florestal, criado em gumento foi cientificamente demonstrada.”
Martinelli cita estudo coordenado por Gerd
1965, de fato tem pontos que necessitam de revisão, em especial no que diz respeito aos pe- Sparovek, pesquisador da Esalq-USP, que usou
quenos agricultores, cujas propriedades eventu- sensoriamento remoto para concluir que a área
almente são pequenas demais para comportar a cultivada no Brasil poderá ser praticamente dobrada se as áreas hoje ocupadas com pecuária
presença das APPs e a RL.
Segundo Martinelli, o argumento central da de baixa produtividade forem realocadas para o
proposta de reformulação foi construído a partir cultivo agrícola.
“Melhorando a eficiência da pecuária em oude um “relatório cientificamente incorreto enco– COMO
CUIDAR
tras áreas por meio de técnicas já conhecidas e
mendado diretamenteGRAMADOS
pelo Ministério
da Agricultura a um pesquisador ligado a uma instituição de baixo custo, não há qualquer necessidade de
avançar sobre a vegetação natural protegida pelo
Por Émerson
Horostecki1
brasileira
deNunes
pesquisa”.
Florestal atual”, disse.
1.Engº
Agrº Responsável
Técnico
Floricultura
e Paisagismo
(49) 8833-1855
“O relatório
concluía
que Viverde
não haveria
área
su- Código
As pastagens ocupam hoje, cerca de 200 mificiente para a expansão agrícola no país, caso a
Parte 1. Esta matéria será apresentada em partes. É possível acessar todas as edições
anteriores no site: www.ceo.udesc.br (link - Sul Brasil Rural)
4ª e última parte. Considerando a importância do assunto e a extensão do texto, esta
matéria foi apresentada em partes. É possível
acessar as edições anteriores no site www.
ceo.udesc.br (link – Sul Brasil Rural).
lhões de hectares, com aproximadamente 190
milhões de cabeças de gado. “Caso dobremos a
produção de uma para duas cabeças de gado,
liberamos cerca de 100 milhões de hectares.
Portanto, com medidas simples de manejo poderemos devolver para a agricultura uma área
equivalente ao dobro ocupado pelas três maiores
culturas brasileiras – soja, milho e cana”, afirmou.
A operação não seria tão simples, mas a aproximação dá uma idéia de como é possível gerar
terras agriculturáveis sem derrubar nenhuma
árvore.
Para Martinelli, pesquisador do Cena-USP, a
maior parte das reformulações propostas tem
o único propósito de aumentar a área agrícola
a baixo custo. “O mais paradoxal é que as mudanças beneficiam muito mais os proprietários
de grandes extensões de terra do que pequenos
produtores”, disse.
Fonte:
Por Fábio de Castro
Agência FAPESP 19/7/2010
Gramados – como cuidar
O Gramado dá á vida ao jardim, que fica com um aspecto mais ordenado, mais limpo e
de maior dimensão integrando flores, árvores e objetos de decoração.
É um importante purificador do ar. Suas folhas absorvem o dióxido de carbono e
liberam o oxigênio, fundamental
para nossaNunes
saúde. Horostecki1
Por Émerson
Protege o solo contra erosão, reduz a poeira e o calor, permite o pisoteio e por isso pode
ser usado para piqueniques, esportes, lazer, banhos de sol, brincadeiras das crianças, etc.
Muitas vezes a grama que você conhece ou ouve falar, não é a melhor para o seu terreno
ou jardim.
O clima, tamanho do terreno e o tipo de uso pretendido, devem ser bem definidos na
Parte 2. Esta matéria será apresentada em partes. É possível acessar
hora de escolher uma grama.
todas as edições anteriores no site: www.ceo.udesc.br (link - Sul Brasil
Rural)
A tabela abaixo apresenta algumas variedades de gramas:
A tabela abaixo apresenta algumas variedades de gramas:
Espécie
Sempre verde
Esmeralda
Coreana
Batatais
Santo Agostinho
Bermudas
Características Indicação
Também chamada de são carlos ou curitibana. É a mais tradicional na
nossa região. Possui folhas largas, lisas e sem pêlos; coloração verde
intensa e estolhos (caules) rastejantes em grande quantidades. Usada em
jardins públicos e residenciais, áreas industriais e casas de campo,
principalmente em regiões de clima mais frio. Adapta-se em áreas
ensolaradas e semi-sombreadas.
Tem folhas estreitas e médias, de cor esmeralda, e estolhos penetrantes
que enraízam facilmente. Ideais para jardins residenciais, casas de praia e
campo, playgrounds e campos de esportes em geral, a pleno sol.
Tem folhas muito estreitas, pequenas e pontiagudas. É rizomatosa, isto é,
o caule fica abaixo do solo e emite as folhas para cima. É perfeita para
jardins residenciais, condomínios, empresas e campos de golfe, formando
gramados extremamente densos e macios quando bem cuidados. Cultivada
a pleno sol. Não tolera pisoteio ou secas.
Também conhecida como grama forquilha ou mato-grosso, é bastante
comum, de folhas verde claro,duras e ligeiramente recobertas de pêlos.
Parques públicos, campos de futebol e bordas de piscinas. Resiste bem às
secas e pisoteio. Evita erosão e filtra a água.
É conhecida também por grama inglesa, e tem folhas de largura e
comprimento médios, lisas e sem pêlos, de coloração verde-escuro e
muitos estolhos. Áreas semi-sombreadas e litorâneas, casas de campo,
praia e jardins residenciais. Não gostam muito de frio.
Possui folhas estreitas, crescimento rápido e coloração verde vivo.
Playgrounds, campos de futebol, polo, tênis e outros esportes.
Altura corte
2 - 3cm
3 cm
2 cm
5 cm
3 cm
2 cm
1.Engº Agrº Responsável Técnico Viverde Floricultura e Paisagismo
O Solo
Assim como numa
horta, a qualidade
do solo é fundamental. Ele proporciona
um gramado saudável. Portanto prepare-o bem antes de
plantar a grama.
- Revolva o solo
20 a 30 cm de profundidade retirando
todo e qualquer entulho;
- Para grandes
áreas colete amostras do solo a uma
profundidade de 20
cm e envie para um
laboratório
analisar. Procure um Engenheiro agrônomo
para fazer interpretação da análise e a
correta recomendação de fertilizantes
e corretivos para o
solo. A aplicação
de calcário com incorporação no solo
antes do plantio é
fundamental, pois
nossos solos geralmente são ácidos e
necessitam da correção da acidez para
um bom desenvolvimento radicular.
Lembre-se,
de
nada vale um alto
investimento
em
uma grama de qualidade, se não se faz
um bom preparo de
solo, com correção
e adubação do mesmo.
Sistemas de
Plantio
- Por placas (leivas): mais prático,
rápido, custo mais
alto.
- Por mudas: prático, 3 a 4 meses
para formar gramado, menor custo que
placas.
- Por sementes:
risco de não germinação, perda pelas
chuvas, menor custo que por mudas.
O Solo
Assim como numa horta, a qualidade do solo é fundamental. Ele proporciona um
Sul brasil
www.jornalsulbrasil.com.br
16 Anos
Caderno Rural
Quinta-feira, 02 de Setembro de 2010
MICOTOXINAS - Importância & Efeitos
Por Alsiane Capelesso1, Lenita Moura Stefani2
2ª e última parte. Esta
matéria está sendo apresentada duas partes. É
possível acessar todas as
edições no site: www.ceo.
udesc.br (link - Sul Brasil
Rural)
Principais micotoxinas e
seus efeitos:
Existem em torno de 400
micotoxinas
conhecidas
sendo as mais preocupantes, em relação à toxicidade
e ocorrência, as aflatoxinas,
zearalenona, fumonisina,
T-2 e toxinas semelhantes
à T-2 chamadas de tricotecenos produzidas por fungos principalmente do tipo
Aspergillus spp, Fusarium
spp, e Penicillium spp.
As aflatoxinas ocupam
posição de destaque dentre
as micotoxinas, tanto pelos
efeitos tóxicos ao homem e
animais como pelas dificuldades da sua remoção em
alimentos
contaminados.
Como efeito na produção
animal, estas podem causar
danos no fígado, diminuir
o desempenho reprodutivo,
reduzir a produção de leite,
prejudicar a saúde embrionária, tumores, e redução
das funções imunológicas
do organismo. Já no homem, as aflatoxinas estão
envolvidas na etiologia do
câncer hepático.
No que diz respeito a fumonisina, esta é uma toxi-
na que pode prejudicar as
funções do sistema imunológico deixando os animais
mais susceptíveis as doenças, causar lesões no fígado
e rins, edemas pulmonares
podendo levar os animais a
morte.
A zearalenona apresenta ação estrogênica e pode
prejudicar a reprodução de
muitas espécies, principalmene os suínos. Elevadas
concentrações de zearalenona na alimentação de suínos
pode provocar distúrbios na
concepção e abortos.
Já a toxina T-2 e substâncias químicas afins causam
perdas na produção animal
devido a perda de peso, baixa eficiência alimentar, falta
de apetite, vômito, diarréia
sanguinolenta,
hemorragias, disfunção imunológica, alterações em orgãos reprodutivos, abortos e até a
morte.
A remediação do problema
através do uso de adsorventes que inibem a absorção
da toxina pelo trato digestório dos animais é efetiva
porém cara. Os prejuízos
causados pelas micotoxinas
justificam a sua prevenção
sendo a medida mais efetiva a inibição do crescimento
dos fungos com a colheita
dos grãos de baixo teor de
umidade e no próprio armazenamento. Medidas que
reduzam o risco à saúde
humana como campanhas
Espigas de milho ao centro contaminadas por micotoxina
educativas para o produtor
rural e ações eficientes da
vigilância sanitária também
são de grande valia.
1. Graduanda em Zootecnia, Chapecó CEO - UDESC, 2. Médica Veterinária, Draª. Professora orientadora, Curso de Zootecnia, Chapecó CEO - UDESC
Nove Alimentos que Combatem o
Envelhecimento Precoce
C
onheça
os
9
alimentos
que ajudam a
combater o envelhecimento precoce:
1. Maçã
2. Aveia
3. Alho
4. Soja
5. Azeite de oliva extra
6. Tomate
7. Castanha-do-pará
8. Semente de linhaça
9. Uva
A cada edição do
Sul Brasil Rural, será
descrito um destes alimentos por ordem numérica.
6.TOMATE
Devemos comer o
ano inteiro. Diminui
40% de câncer de esôfago se você comer
apenas um tomate por
semana. Um tomate
cru de tamanho médio
contém somente 25
calorias.
Tem licopeno, retarda envelhecimento das
células da próstata. O
cozimento do tomate
facilita a absorção do
Sul brasil
Uréia (nitrogênio não
protéico) na nutrição de
vacas leiteiras
Eveline Caterine Sandri1, Elvis Ticiani1, Dimas Estrasulas
de Oliveira2
O
licopeno pelo corpo,
portanto o molho de
tomate cozido é melhor
do que o tomate cru.
Coloque azeite de oliva
no tomate, para absorver melhor o licopeno.
Se for beber suco de
tomate coma alguma
nozes antes (gordura),
pois facilita a absorção
do licopeno.
10 colheres de molho
de tomate ingeridas
semanalmente podem
reduzir em 50% o risco
de ocorrência de 11 tipos de câncer. Além de
ser uma boa fonte de
vitamina C, o tomate é
ideal para quem quer
perder peso, pois contém poucas calorias. 0
tomate funciona como
antitóxico e laxante e
ajuda o organismo a
combater
infecções.
Além disso, é um excelente depurador do
sangue. Também é rico
em sais minerais, tais
como: potássio, sódio,
fósforo, cálcio, magnésio e ferro.
Nunca compre tomates com manchas
escuras, partes podres
ou emboloradas. Nem
compre os verdes, que
amadurecem fora do
pé, pois eles têm menos vitaminas que
os maduros. Escolha
sempre os bem vermelhos, firmes e com a
casca lisa.
nitrogênio (N)
é
reconhecido
como
um elemento essencial para os animais
há muitos anos. Em
ruminantes porém, é
necessário separar o
N necessário também
aos microrganismos
ruminais, sendo possível o uso de fontes
de nitrogênio não protéico (NNP).
Embora exista uma
variedade de compostos nitrogenados
(uréia, biureto, sais
de amônio e nitratos),
a uréia devido ao custo, disponibilidade e
manuseio, é a mais
utilizada.
A uréia possui características especí-
ficas: é deficiente em
todos os minerais,
não possui valor energético próprio, é extremamente
solúvel
e no rúmen é rapidamente convertida em
amônia. Além disso,
se fornecida em doses
elevadas pode ocasionar toxidez, podendo levar os animais à
morte.
Dietas com excesso de proteína bruta,
falta de carboidratos fermentáveis, ou
desbalanço entre degradação da proteína
e a disponibilidade
de energia, promove
grande concentração
de uréia no rúmen,
passando ao sangue e
leite podendo reduzir
os índices reprodutivos do rebanho.
Assim como as fontes
de proteínas verdadeiras, a uréia pode ser
bem aproveitada pelos ruminantes, desde
que não fornecida em
excesso. Ambas fontes
de N necessitam de
um correto balanceamento de acordo com
a disponibilidade de
carboidratos fermentáveis, aliado a sincronização de degradação no rúmen entre
as fontes de proteína
e de carboidratos, otimizando desta forma,
a produção microbiana, evitando a formação de excesso de
amônia e reduzindo o
custo total da dieta.
1. Acadêmicos do curso de Zootecnia, Chapecó CEO-UDESC
2. Prof. Orientador DSc. Dimas Estrasulas de Oliveira, curso de Zootecnia, Chapecó CEO-UDESC
www.jornalsulbrasil.com.br
16 Anos
Caderno Rural
Quinta-feira, 02 de Setembro de 2010
Indicadores
Receita
Tempo
O mês começa sem chuva
significativa em SC!
Quinta e Sexta-feira (02 e 03/09): Mais nuvens nas regiões próximas do RS, com chance de chuva
isolada a qualquer hora do dia especialmente na divisa
com o estado gaúcho. Temperatura elevada para a época
do ano.
Sábado (04/09): O tempo muda em SC, com previsão de chuva e trovoadas especialmente na divisa com
o RS, devido ao deslocamento de uma frente fria pelo Litoral do Sul do Brasil. Temperatura em declínio devido a
cobertura de nuvens e da chuva.
Domingo (05/09): O tempo volta a ficar estável devido ao avanço de uma massa de ar frio e seco. A temperatura declina com formação de geada nas áreas mais
altas do estado.
TENDÊNCIA 06 a 16/09
O período inicia com tempo firme e temperaturas baixas,
com formação de geada nas áreas altas de SC até o dia
6. Entre os dias 11 e 15, duas frentes frias e áreas de
baixa pressão deve deixar o tempo mais instável no estado, com mais nuvens e condições de chuva freqüente na
maioria das regiões.
PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL
SETEMBRO/OUTUBRO/NOVEMBRO:
La Niña será responsável por uma primavera
mais seca em SC!
Na primavera de 2010, os totais de chuva devem ficar
abaixo da média climatológica, em SC, devido à atuação do fenômeno La Niña. Dentro desses meses, há uma
perspectiva mais otimista para setembro, com chance de
chuva melhor distribuída no tempo e no espaço, e valores
que podem se aproximar da média climatológica. Já os
meses de outubro e novembro, devem ser marcados por
pouca chuva, com predomínio de sol e períodos prolongados de tempo firme e seco, o que pode acarretar em
problemas para a agricultura e abastecimento de água.
Em períodos contínuos sem chuva, o solo fica bastante
seco e, este fator aliado à baixa umidade do ar, favorece
a ocorrência de focos de incêndio.
Setor de Previsão de Tempo e Clima
Epagri/Ciram
(48) 3239-8064
ESPAÇO DO LEITOR
Este é um espaço para você leitor (a).Tire suas dúvidas, critique,
opine, envie textos para publicação, divulgue eventos, escrevendo
para:
SUL BRASIL RURAL
A/C UDESC-CEO
Rua Benjamin Constant, 84E, Centro. Chapecó-SC
CEP.: 89.802-200
[email protected]
Publicação Quinzenal
Próxima Edição – 16 de setembro de 2010
Sul brasil
Pão Devocional
O pão faz parte da cultura universal do ser humano e foi um dos primeiros alimentos que contribuiu para produzir a unidade grupal que conhecemos como família.
Ingredientes
- 2 xícaras de farinha de trigo integral
- 2 xícaras de farinha de trigo branca com ½ xícara de farelo de trigo e ¼ xícara de germe de trigo
(esses ingredientes têm a função de devolver os
elementos retirados da farinha no processo de beneficiamento)
- 1 xícara de farinha de centeio
- ½ xícara de farinha de aveia ou aveia em flocos
- 2 colheres de linhaça
- 1 colher de sopa rasa de sal
- 1 colher de sopa cheia de fermento biológico
- 500 ml de água morna
- ½ xícara de óleo de milho
- 2 colheres de açúcar mascavo
- 1 colher de mel (optativa)
Obs.: Para deixar o pão mais nutritivo e saboroso
pode acrescentar frutas cristalizadas, uva-passa,
castanha, ervas aromáticas, canela, a gosto, seguindo a intuição e temperando a vida com novos
sabores
Preparo da Receita
Coloque os ingredientes secos em uma vasilha
grande, tendo o cuidado para adicionar o fermento
ao final, misturando bem.
Preparar em uma caneca à parte uma mistura de
500 ml de água morna, ½ xícara de óleo de milho,
as duas colheres de açúcar mascavo e a colher de
mel. Adicione esta mistura aos poucos aos ingredientes secos, até que forme uma massa que possa ser sovada com as mãos.
Sova-se bem a massa em uma mesa polvilhada,
interagindo com a massa até que ela fique bem
unida e solte-se das mãos.
A seguir, coloca-se a massa para crescer em uma
vasilha cobrindo-a com um guardanapo de algodão, por cerca de uma hora, protegida do vento.
Depois que a massa estiver crescida, divide-se em
pedaços e, em uma mesa polvilhada, abre-se com
as mãos sovando suavemente. Neste momento se
acrescenta os ingredientes opcionais (uva-passas,....). Após se da forma de pão à massa e coloca-se em uma forma untada com óleo, deixando o
pão descansas por mais meia à uma hora (até de
dobre de tamanho).
Assa-se por 45 minutos em um forno previamente
aquecido.
Fonte: Mama Isolda - Mística Andina
Agenda
22 a 24/09 – IV Congresso Sul Brasileiro de
Qualidade do Leite. Florianópolis/SC.
Informações: (48) 3035-4388 www.cbql2010.
com.br
www.jornalsulbrasil.com.br
R$
Suíno vivo
- Produtor independente
- Produtor integrado
2,32 kg
2,37 kg
Frango de granja vivo
Boi gordo - Chapecó
- Joaçaba
- Rio do Sul
Feijão preto (novo)
Trigo superior ph 78
Milho amarelo
Soja industrial
Leite–posto na plataforma ind*.
Adubos NPK (3:18:18)1
(9:33:12)1
(0:32:0)1
1,44 kg
77,00 ar
85,50 ar
86,50 ar
70,00 sc
23,00 sc
18,00 sc
37,50 sc
0,64 lt
46,00 sc
52,80 sc
33,00 sc
Fertilizante orgânico2
Granulado - saca 40 kg2
Granulado - granel2
Queijo colonial3
Salame colonial3
Torresmo3
Linguicinha
Cortes de carne suína3
Frango colonial3
Pão Caseiro3 (600 gr)
Pé de Moleque
Mini pizza
Batata doce assada
Peixe limpo, fresco-congelado3
- filé de tilápia
- carpa limpa com escama
- peixe de couro limpo
- cascudo
Mel3
Muda de flor – cxa com 15 uni
Suco laranja – copo 300 ml3
Suco amora concentrado e
congelado – 300 ml3
Caldo de cana – copo 300 ml3
Banana prata agroecológica
Calcário
- saca 50 kg1 unidade
- saca 50 kg1 tonelada
- granel – na propriedade
14,00 sc
350,00 ton
10,00 – 11,00 kg
10,00 – 12,00kg
7,50 – 15,00 kg
6,50 kg
5,50 – 8,00 kg
6,75 – 7,50 kg
2,50 uni
8,00 kg
2,50 uni
2,50 – 3,50 kg
15,00 kg
7,50 kg
9,00 kg
13,50 kg
9,00 – 10:00 kg
8,00 – 10,00 cxa
1,00 uni
2,50 uni
1,00 uni
2,00 – 3,00 kg
6,00 sc
4,80 sc
70,00 – 75,00 tn
Dólar comercial
Compra: 1,756
Venda: 1,757
Salário Mínimo Nacional
Regional (SC)
510,00
587,00 – 679,00
Fontes:
Fontes:
Instituto Cepa/DC – dia 18/08
Instituto Cepa/DC – dia 1/09
1 Cooperativa Alfa/Chapecó
2 Ferticel/Coronel Freitas.
3 Feira Municipal de Chapecó (Preço médio)
Obs.: todos os valores estão sujeitos a alterações.
16 Anos
Fly UP