...

avaliação de um programa de treinamento para cavalos de

by user

on
Category: Documents
5

views

Report

Comments

Transcript

avaliação de um programa de treinamento para cavalos de
AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA
CAVALOS DE CONCURSO COMPLETO DE EQUITAÇÃO:
EFEITOS SOBRE A FREQUÊNCIA CARDÍACA E A CURVA
DE LACTATO*
Bruno Gonçalves de Souza1+, Cristiano Chaves Pessoa da Veiga1, Gabriela Ferreira
de Oliveira2, Ana Maria Reis Ferreira3 e Fernando Queiroz de Almeida4
ABSTRACT. de Souza B.G., da Veiga C.C.P., de Oliveira G.F., Ferreira A.M.R. &
de Almeida F.Q. [Evaluation of a training program for eventing horses: effects on
heart rate and lactate threshold]. Avaliação de um programa de treinamento para
cavalos de Concurso Completo de Equitação: Efeitos sobre a frequência cardíaca e
a curva de lactato. Revista Brasileira de Medicina Veterinária, 35(4):385-391, 2013.
Programa de Pós-Graduação em Medicina Veterinária, Clínica e Reprodução Animal,
Faculdade Veterinária, Universidade Federal Fluminense, Rua Vital Brasil, 64, Santa
Rosa, Niterói, RJ 24320-340, Brasil. Email: [email protected]
This study aimed to evaluate the effects of training program for eventing horses with
six sessions weekly, during five months. The horses were submitted to two treadmill
incremental tests, one before and other after the training period. Was evaluated the
heart rate and plasma lactate concentration during the exercise. Athletic scores were estimated to evaluate the efficiency of training program. The adopted protocol was unable
to induce adaptive physiological responses on cardiovascular and muscle metabolism,
demonstrated by the maintenance of similar values of heart rate and plasma lactate concentrations during the tests, performed before and after the physical preparation period.
KEY WORDS. Athletic performance, equine, exercise.
RESUMO. Neste trabalho objetivou-se avaliar os
efeitos de um protocolo de treinamento para cavalos
de Concurso Completo de Equitação, com seis sessões semanais e duração de cinco meses. Os animais
foram submetidos a dois testes físicos em esteira ergométrica, um antes e outro depois do período de
preparação física. Foram avaliadas a frequência cardíaca e a concentração plasmática de lactato durante
o exercício. Foram estimados índices de condicionamento físico para avaliar a eficiência do treinamento. O protocolo de treinamento adotado não foi
capaz de induzir respostas fisiológicas adaptativas
sobre o sistema cardiovascular e o metabolismo
muscular destes animais, demonstrada pela manutenção de valores semelhantes de frequência cardíaca e de lactato plasmático, durante os testes realizados antes e após o período de preparação física.
PALAVRAS-CHAVE. Desempenho atlético, equinos, exercício.
INTRODUÇÃO
Nas diferentes modalidades equestres, especialmente nas que demandam grande esforço físico,
como o Concurso Completo de Equitação (CCE),
* Recebido em 15 de fevereiro de 2013.
Aceito para publicação em 18 de setembro de 2013.
1
Médico-veterinário, MSc. Programa de Pós-Graduação em Medicina Veterinária, Universidade Federal Fluminense (UFF), Rua Vital Brasil, 64, Santa Rosa, Niterói, RJ 24320-340, Brasil. +Autor para correspondência. Email: [email protected]; [email protected]
2
Médica-veterinária, MSc. Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias, Instituto de Veterinária (IV), Universidade Federal Rural
do Rio de Janeiro (UFRRJ), BR 465, Km 7, Seropédica, RJ 23894-314. Email: [email protected]
3
Médica-veterinária, DSc. Faculdade de Veterinária, Universidade Federal Fluminense (UFF), Rua Vital Brasil, 64, Santa Rosa, Niterói, RJ
24320-340, Brasil. Email: [email protected]
Médico-veterinário, DSc. Departamento de Medicina e Cirurgia Veterinária, IV, UFRRJ, BR 465, Km 7, Seropédica, RJ
23894-314. Email: [email protected]
4
Rev. Bras. Med. Vet., 35(4):385-391, out/dez 2013
385
Bruno Gonçalves de Souza et al.
o nível de preparação física dos cavalos é decisivo
para o alcance de resultados positivos (Gomide et
al. 2006).
Dentre as espécies domésticas, os cavalos são
os que apresentam maior capacidade atlética. Isto
ocorre devido, principalmente, a alta capacidade de
consumo de oxigênio, a eficiência cardíaca, a enorme reserva esplênica de eritrócitos e a capacidade
de acumular grandes quantidades de energia na forma de glicogênio muscular (Pösö et al. 2002).
Alguns parâmetros clínicos e bioquímicos são
utilizados para avaliar o grau de condicionamento
físico destes animais, além de orientarem a intensidade do exercício durante o período de treinamento
(Kingston 2004).
Diversos autores citaram que a determinação do
lactato plasmático, associado à mensuração da frequência cardíaca e ao monitoramento da velocidade
de corrida, representam os principais testes utilizados para avaliar o nível do condicionamento físico
dos cavalos atletas e a eficácia dos protocolos de
treinamento direcionados para estes animais (Aguera et al. 1995, Couroucé et al. 1997, Richard et al.
2009).
Segundo Lindner & Boffi (2007) não há melhor
variável sérica para avaliar a capacidade atlética
dos cavalos ou para avaliar o efeito do treinamento
do que a mensuração do lactato plasmático durante
o exercício.
O lactato é produzido a partir do trabalho muscular durante todo tipo de exercício físico e a relação
entre a concentração plasmática deste e a velocidade desenvolvida pelo animal, pode demonstrar o
momento no qual a contribuição energética da via
oxidativa começa a ser insuficiente frente aos requisitos energéticos totais, passando a prevalecer a
via glicolítica de geração de energia, que a partir de
reações bioquímica anaeróbias, tem como produto
final o lactato (Evans 2004).
Em resposta ao exercício intenso, a produção de
lactato muitas vezes excede a capacidade orgânica de tamponamento, metabolização e eliminação,
ocorrendo difusão deste excesso para a circulação,
com consequente aumento de sua concentração
plasmática (Simões et al. 2003, Leleu et al. 2005).
De uma forma geral, a elevação da concentração
de lactato plasmático pode ser utilizada para indicar
a capacidade atlética do cavalo, visto que animais
que apresentam melhor capacidade aeróbica geralmente têm pequenas elevações nas concentrações
plasmáticas de lactato em resposta ao exercício
386
(Rose et al. 1983, Rose & Hodgson 1994, Cardinet
1997).
A maneira mais comum de utilizar-se a concentração plasmática de lactato na avaliação da eficácia
do treinamento é comparando a velocidade atingida pelo animal, durante testes físicos padronizados,
quando a concentração plasmática destes atingir um
determinado valor, fixo e pré-estabelecido, comumente utilizando-se 4,0 mmol/L, que é geralmente
o valor próximo ao qual começa a ocorrer o aumento exponencial da concentração plasmática do lactato, ou seja, determinando e comparando um índice
de condicionamento, que neste caso é denominado
de VL4 (Aguera et al. 1995, Eaton et al. 1995, Thomassian et al. 2005, Lindner et al. 2009).
Um dos efeitos esperados de um bom protocolo de treinamento para equinos é o aumento do potencial aeróbico da musculatura esquelética, resultando numa maior capacidade de carga de trabalho
suportada até que o lactato comece a se acumular
(limiar anaeróbico), ou seja, a curva dos dados do
lactato pela velocidade se desloca para a direita nos
animais bem condicionados (Aguera et al. 1995, Art
& Lekeux 2005, Gomide et al. 2006).
Além do lactato, a avaliação da frequência cardíaca durante o exercício, também é frequentemente
utilizada na avaliação do grau de condicionamento dos cavalos, oferecendo importante subsídio ao
treinador para a avaliação do protocolo de preparação física. Segundo diversos autores, a frequência
cardíaca durante a atividade física, diminui com o
treinamento e consequente aumento da capacidade
aeróbica do animal, ou seja, um equino treinado é
capaz de executar um trabalho de mesma intensidade com menor frequência cardíaca, sendo então
a curva da frequência cardíaca pela velocidade deslocada para a direita nestes animais (Evans & Rose
1988, Kobayashi et al. 1999, Ohmura et al. 2002).
Para facilitar a avaliação dos efeitos do treinamento sobre a frequência cardíaca dos cavalos, frequentemente, utilizam-se índices como o V150 e o
V200, que são determinados pela regressão linear
dos dados referentes à velocidade desenvolvida pelo
cavalo ao atingir as frequências cardíacas de 150 e
200 bpm, respectivamente. O V150 é, geralmente,
utilizado para animais que desenvolvem atividades aeróbicas de intensidade moderada, enquanto o
V200 é, frequentemente, utilizado para animais que
praticam atividades mais intensas, onde há predomínio do metabolismo anaeróbico. Em geral, animais com maior capacidade cardiovascular e metaRev. Bras. Med. Vet., 35(4):385-391, out/dez 2013
Avaliação de um programa de treinamento para cavalos de Concurso Completo de Equitação: Efeitos sobre a frequência cardíaca e a curva de lactato
bólica apresentam valores superiores de V150 e/ou
V200 e de VL4 (Rose & Hodgson 1994, Kobayashi
et al. 1999, Evans 2004).
Apesar de muitos trabalhos abordarem temas referentes a avaliação do condicionamento físico de
cavalos atletas, poucos são os que estudam animais
da modalidade de Concurso Completo de Equitação, uma modalidade olímpica, em expansão no
país, que garantiu participação nos últimos cinco
Jogos Olímpicos e conquistou medalhas para o Brasil nos últimos seis jogos Pan Americanos, sendo
atualmente considerado o mais forte da América do
Sul (Hipismo Brasil 2012).
Diante do exposto, este trabalho foi conduzido
com o objetivo de, a partir de testes padronizados
em esteira de alta velocidade, obter dados que possibilitassem a avaliação das práticas de treinamento
dos cavalos de Concurso Completo de Equitação
(CCE) da Escola de Equitação do Exército, além de
contribuir para os estudos da fisiologia do exercício
de equinos praticantes desta, ainda tão pouco estudada, modalidade equestre.
MATERIAL E MÉTODOS
Este trabalho foi conduzido no Laboratório de Avaliação
do Desempenho de Equinos – LADEQ, localizado na Escola
de Equitação do Exército, na Vila Militar, em Deodoro, Rio de
Janeiro. Foram utilizados treze cavalos, na faixa etária de seis
a doze anos, mestiços, provenientes do cruzamento entre as
raças Puro Sangue Inglês, Hanoveriano e Brasileiro de Hipismo, todos praticantes da modalidade de CCE.
Os animais foram submetidos a um protocolo de treinamento que incluía a realização de noventa minutos diários de
atividade física moderada, seis dias por semana, durante cinco meses. A rotina semanal de treinamento foi distribuída em
dois dias de atividades de adestramento, dois dias de trabalho
de condicionamento aeróbico e outros dois dias de trabalho
específico de salto. Todo o treinamento foi realizado montado, com cavaleiros de nível técnico semelhante, sempre com
orientação direta de, no mínimo, um instrutor e um monitor
de equitação.
Os animais foram submetidos a dois testes de esforço físico, realizados na esteira ergométrica, antes (teste inicial) e
após (teste final) o período de treinamento. No dia da realização dos testes, os animais foram retirados das baias respeitando-se o intervalo mínimo de duas horas após a última refeição.
Após a antissepsia da fossa jugular esquerda, foi implantado
um cateter intravenoso flexível calibre 14G (Medex®), seguido do acoplamento de um tubo extensor flexível, com 1m de
comprimento (Brasino®) e do preenchimento de todo o sistema de coleta sanguínea com solução fisiológica heparinizada
(10.000 UI/l).
Em seguida, a faixa elástica contendo os sensores do frequencímetro cardíaco modelo GS200 (Polar®) foi posicionada em torno do tórax do animal, sobre a região do cilhadouro,
e ainda na fase de preparação, o cavalo foi equipado com um
Rev. Bras. Med. Vet., 35(4):385-391, out/dez 2013
selote, que acoplado à cinta de segurança da esteira, acionam
o freio de emergência e minimizam lesões decorrentes de possíveis acidentes (Figura 1).
Na sequência, os animais foram conduzidos para a sala
da esteira, onde a temperatura foi mantida ao redor de 24°C,
utilizando-se sistema de ar refrigerado. Após alguns instantes
de ambientação, com a estabilização da frequência cardíaca,
acessada por meio de um relógio monitor, os animais foram
posicionados sobre a esteira (Figura 2) e procedido os testes
que tiveram duração total de 28 minutos, sendo realizados
exercícios em velocidades incrementais até a velocidade máxima de 10m/s. O protocolo de exercício utilizado nos testes
de esforço está descrito na tabela 1.
Durante os testes, foram colhidas amostras de sangue
utilizando-se seringas descartáveis (BD®) acopladas ao tubo
extensor, sendo estas imediatamente transferidas para tubos
a vácuo contendo fluoreto de sódio (Vacutainer BD®) e acondicionados em água e gelo. As amostras foram colhidas imediatamente antes do início dos testes (basal) e durante os 15
segundos finais de cada etapa dos testes de esforço.
As amostras foram imediatamente centrifugadas a 3000 rotações por minuto, durante 10 minutos, para separação do plasma.
Em seguida, alíquotas de um mililitro foram separadas e armazenadas em tubos de polipropileno tipo Eppendorf, devidamente
identificados, e então armazenados em freezer à temperatura de
-18°C para posterior análise, que foi realizada com o auxílio de
kit reagente comercial para lactato (Katal®), utilizando-se um
espectrofotômetro modelo BTS 315 (Biosystem®).
Tabela 1. Protocolo de exercício utilizado nos testes de esforço físico dos animais do experimento.
Velocidade (m/s) Tempo (minuto)
2,0
4,0
5,0
6,0
7,0
8,0
9,0
10,0
2,0
10
2
1
1
1
1
1
1
10
Inclinação (%)
0
6
6
6
6
6
6
6
0
Andamento
Passo
Trote
Galope
Galope
Galope
Galope
Galope
Galope
Passo
Figura 1. Equino cateterizado, equipado com a faixa de sensores do frequecímetro cardíaco, com o selote de segurança e
pronto para a realização do teste físico.
387
Bruno Gonçalves de Souza et al.
Figura 2. Animal preparado e posicionado sobre a esteira ergométrica de alta velocidade para o início do teste de esforço físico.
Os resultados foram utilizados para determinar, por meio
de regressão exponencial, a VL2 e a VL4 dos animais em ambos os testes físicos realizados.
Os resultados da frequência cardíaca, obtidos e armazenados durante os testes, foram transferidos para o computador
através de transmissão direta por infravermelho, utilizando-se a interface fornecida pelo fabricante do equipamento. Os
dados foram tabulados e submetidos à regressão linear para
estabelecimento da equação das curvas de frequência cardíaca
e posterior determinação dos índices de condicionamento físico V150 e V200.
Os valores médios da frequência cardíaca e do lactato plasmático, em cada uma das etapas dos testes foram submetidos
à análise de variância, sendo as médias comparadas pelo teste
de Tukey a 5% de significância. Os procedimentos de regressão linear e de regressão exponencial, com a determinação de
suas respectivas equações e coeficiente de correlação, foram
realizados utilizando-se o Programa de Análises Estatísticas
e Planejamento de Experimentos (Saeg 2007). Os efeitos do
treinamento sobre a frequência cardíaca e a concentração plasmática de lactato foram avaliados pelo método de comparação
de pares (t de Student) a 5% de probabilidade.
Tabela 2. Frequência cardíaca média dos cavalos (bpm), em
cada momento dos testes de esforço.
Momento
Teste Inicial
RESULTADOS E DISCUSSÃO
Apesar do intervalo de referência para a frequência cardíaca de equinos em repouso ter sido descrito
por McKeever & Hinchcliff (1995) como entre 20 e
40 bpm, neste estudo obtivemos valores basais médios de 60 bpm e 62 bpm, aferidos imediatamente
antes da realização do teste de esforço inicial e final, respectivamente. Segundo Ferraz et al. (2009),
é muito comum que a frequência cardíaca de cavalos atletas esteja aumentada em até 100% quando
aferidas imediatamente antes do início da atividade
física. Segundo estes, fatores psicogênicos como a
ansiedade pelo início da atividade que costumam
realizar, além do ambiente movimentado em sua
volta, costumam ser os responsáveis por esta elevação, e segundo Prates et al. (2009), esta ansiedade
é suficiente para desencadear respostas neuroendócrinas simpáticas que levam ao aumento imediato
da FC dos equinos na fase pré-exercício, o que pode
justificar os resultados encontrados.
Houve alta correlação linear e positiva entre a
frequência cardíaca e a velocidade desenvolvida
pelos animais durante o teste de esforço físico inicial (R2= 0,9208), corroborando com o relatado por
Evans (2004), que descreveu ainda uma fase em
platô da curva, no final do exercício, onde independente de novos incrementos na intensidade do exercício, a FC não se altera, indicando a capacidade
cardíaca máxima do animal, que situa-se, geralmente, entre 200 e 240 bpm. As frequências cardíacas
médias, obtidas nas velocidades de 2, 4, 5, 6, 7, 8,
9 e 10 m/s, foram respectivamente de 86, 140, 162,
171, 183, 196, 209 e 216 bpm.
Após o período de treinamento, assim como
ocorreu no teste inicial, a frequência cardíaca média
aumentou significativamente à medida que ocorre-
Teste Final
Basal 60,69±18,69aA62,69±17,52aA
2 m/s 86,69±10,32aB
88,38±14,97aB
4 m/s 140,70±23,94aC
138,76±13,71aC
5 m/s 162,53±20,89aC
162,00±17,96aCD
6 m/s 171,61±14,85aCD
179,50±21,52aD
7 m/s 183,84±16,60aD
190,36±16,79aD
8 m/s 196,07±12,69aD
203,91±11,06aDE
9 m/s 209,46±10,74aDE
216,00±07,74aE
10 m/s
216,36±10,68aE
223,00±07,74aE
Letras minúsculas indicam a comparação das frequências cardíacas
médias, de cada momento avaliado, entre os testes inicial e final,
obtida pelo método de comparação de pares (p < 0,05). Letras maiúsculas indicam a comparação das frequências cardíacas médias,
entre os momentos avaliados em cada teste, obtida pelo teste de
Tukey (p < 0,05).
388
Figura 3. Frequência cardíaca média dos animais (bpm), durante os testes de esforço físico, conduzidos antes do treinamento (teste inicial) e após o treinamento (teste final).
Rev. Bras. Med. Vet., 35(4):385-391, out/dez 2013
Avaliação de um programa de treinamento para cavalos de Concurso Completo de Equitação: Efeitos sobre a frequência cardíaca e a curva de lactato
ram os incrementos na velocidade dos animais (R2=
0,9051), alcançando valores médios de 88, 138,
162, 179, 190, 203, 216 e 223 bpm durante as etapas do teste onde as velocidades são de 2, 4, 5, 6, 7,
8, 9 e 10 m/s, respectivamente.
Não houve efeito significativo, imposto pelo
treinamento, sobre a FC média dos cavalos. Na figura 3, que demonstra a curva da relação entre a
frequência cardíaca média dos animais e a velocidade desenvolvida por estes durante os dois testes de
esforço, é possível perceber que o treinamento não
foi capaz de deslocar significativamente a curva da
FC durante o exercício físico.
O valor médio estimado do V150 dos equinos
antes do período de treinamento foi de 4,57 m/s e
após este período, foi de 4,34 m/s. Antes do treinamento o V200 dos cavalos foi estimado em 7,32
m/s, enquanto que após a preparação física, este foi
estimado em 6,91 m/s. Estes valores são inferiores
aos descritos por Rose & Hodgson (1994) e Kowal
(2006), que avaliando cavalos da raça Puro Sangue
Inglês (PSI), obtiveram valores de V200 variando
entre 8 e 9 m/s, enquanto Santiago (2010), avaliando cavalos de CCE treinados, descreveu valores
médios de 6,0 m/s e 8,5 m/s para o V150 e o V200,
respectivamente. No entanto, ressalta-se que o autor
trabalhou com animais submetidos a rotina física
diferente da adotada neste estudo, que incluía a realização de simulações da prova de CCE e avaliações
realizadas a campo, o que justifica as diferenças na
comparação com nossos resultados.
Não houve diferença estatística significativa entre os valores do V150 antes e após o treinamento.
Já o V200 diminuiu significativamente após o período de preparação física dos animais, onde mesmo
sob condições idênticas, o exercício representou um
desafio superior ao sistema cardiovascular dos animais durante os testes (EVANS 2004).
Santiago (2010) também não detectou alterações
significativas, induzidas pelo período de treinamento, nos valores destes índices e ressaltou que, no geral, os protocolos de treinamento para a modalidade
de CCE acabam enfatizando mais a parte técnica e
menos a preparação física dos cavalos, sendo quase
sempre conduzidos sob intensidades, consideradas
apenas moderada.
Acredita-se que a manutenção dos valores médios da FC ocorreu, provavelmente, devido à falhas
no protocolo de treinamento adotado pela Escola de
Equitação do Exército, que direcionado para animais
de CCE, ou não visou prepará-los para exercícios
Rev. Bras. Med. Vet., 35(4):385-391, out/dez 2013
máximos, já que esta não é a natureza da modalidade, ou pelo contrário, por ter sido longo e frequente
demais, com seis dias semanais durante cinco meses, ultrapassou os limites da adaptação fisiológica
e falhou, não tendo sido capaz de melhorar a capacidade cardiovascular dos animais deste estudo.
Antes do período de treinamento, a concentração
média de lactato dos animais em repouso (basal),
foi de 0,69 mmol/l, corroborando com os resultados
encontrados por Art et al. (1990), Snow & Valberg
(1994), Pöso (2002) e McGowan (2008), que descrevem valores de lactato plasmático para equinos
em repouso, variando entre 0,5 e 1,0 mmol/l.
Houve significativo incremento da concentração
plasmática média de lactato a partir da velocidade de 6 m/s, onde alcançou 2,20 mmol/l. A partir
deste momento, verificaram-se novos incrementos
significativos e de maior magnitude na lactacidemia plasmática média dos animais, passando esta
a apresentar comportamento exponencial, alcançando valor médio máximo de 10,16 mmol/l na última
etapa do teste de esforço físico inicial.
A concentração plasmática média de lactato após
o treinamento foi de 0,52 mmol/l. Semelhante ao
que ocorreu no primeiro teste, houve incrementos
significativos no valor médio do lactato plasmático
dos cavalos, à medida que o teste se intensificou,
passando este a diferir significativamente do valor
basal médio a partir da velocidade de 6 m/s, quando
alcançou 2,33 mmol/l, passando a apresentar comportamento também exponencial a partir de então,
alcançando o valor máximo de 11,08 mmol/l, na velocidade de 10 m/s.
Kowal et al. (2006), avaliando cavalos da raça
PSI, descreveram comportamento semelhante para
a curva do lactato plasmático durante o exercício
físico, com a mudança do comportamento, de linear
para exponencial, ocorrendo entre 5 e 6 m/s em todos os animais avaliados.
Pinkowski et al. (1998), avaliando cavalos trotadores, descreveu resultados semelhantes aos deste
estudo, com a concentração plasmática de lactato atingindo, após o exercício físico, valor médio
de 12,62 mmol/l. Do mesmo modo, Gomide et al.
(2006), ao avaliarem cavalos de CCE, relataram
valor médio de 11,57 mmol/l de lactato plasmático
após a prova de Cross-country, relatando ainda que
estes resultados demonstraram que o exercício praticado demandou esforço apenas submáximo.
Não houve diferenças significativas nos valores
médios da concentração plasmática de lactato dos
389
Bruno Gonçalves de Souza et al.
equinos, nos diferentes momentos avaliados, entre
os testes realizados antes e depois do período de
treinamento, demonstrando não ter havido efeito
significativo do treinamento sobre este parâmetro
avaliado.
Como nossos resultados demonstraram que em
ambos os testes, o comportamento da curva de lactato plasmático passou a exponencial a partir de
valores próximos a 2,0 mmol/l, e com o intuito de
avaliar melhor os efeitos do treinamento adotado,
optamos por estimar, além do VL4, também o VL2,
ou seja, o índice de condicionamento expresso pela
velocidade desenvolvida pelo animal ao atingir a
concentração plasmática de lactato de 2,0 mmol/l.
O valor médio do VL2 dos animais, estimado após
o teste físico inicial foi de 5,93 m/s. Neste mesmo
teste, o valor médio do VL4 foi de 7,57 m/s. Após o
período de treinamento, no segundo teste de esforço
físico, os valores médios do VL2 e do VL4 dos animais foram de 6,08 e 7,56 m/s, respectivamente.
Não houve diferença significativa na comparação dos valores do VL2 e do VL4, entre os testes
de esforço realizados antes e depois da preparação
física, demonstrando não ter havido efeito significativo imposto pelo treinamento sobre estes índices
de condicionamento físico.
Segundo Gomide et al. (2006), o objetivo de
todo protocolo de treinamento de equinos é aumentar o potencial aeróbico dos músculos, refletido pelo
aumento da capacidade do animal em suportar exercícios mais intensos antes que o acúmulo de lactato
ocorra, levando consequentemente ao deslocamento da curva do lactato à direita após o período de
preparação física.
Segundo Aguera et al. (1995) e Evans (2004),
utilizando cavalos das raças Andaluz e PSI respectivamente, foi possível detectar efeitos positivos do
treinamento, com o aumento do VL4 após os animais terem sido submetidos à preparação física.
Nogueira et al. (2002) observaram menores concentrações de lactato plasmático nos equinos após
a realização de três protocolos distintos de treinamento, e sugeriram tratar-se de uma adaptação metabólica ao treinamentos. Já, Tateo et al. (2008) e
Santiago (2010) ao avaliarem os efeitos de treinamentos prolongados, com 140 e 180 dias de duração respectivamente, não verificaram efeitos destes
sobre o VL4 dos animais, resultados semelhantes
aos encontrados neste estudo.
Diante destes resultados pode-se deduzir que o
treinamento adotado na preparação física dos ani390
mais não ofereceu um desafio capaz de estimular
as adaptações metabólicas esperadas, ou como ditas anteriormente, devido a sua alta frequência e/ou
duração ocasionou o que denominamos de estresse
físico ou overtrainning, que é responsável pelo insucesso de muitos protocolos de treinamento.
CONCLUSÃO
O protocolo de treinamento adotado pela Escola
de Equitação do Exército na preparação dos cavalos
de CCE, não foi capaz de induzir respostas fisiológicas adaptativas sobre os sistemas cardiovascular
e muscular destes animais, refletida pela manutenção de valores semelhantes da frequência cardíaca
e do lactato plasmático, durante os testes em esteira
ergométrica, realizados antes e após o período de
preparação física.
A mudança de comportamento da curva do lactato pela velocidade, de linear para exponencial,
ocorreu na média, próximo à concentração de 2,0
mmol/l, valor abaixo do que o frequentemente descrito na literatura.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Aguera E.I., Rubio D., Vivo R., Santisteban R., Aguera S.,
Muñoz A. & Castejón F.M. Heart rate and plasma lactate
responses to training in andalusian horses. J. Equine Vet.
Sci., 15:532-536, 1995.
Art T. & Lekeux P. Exercise-induced physiological adjustments to stressful conditions in sport horses. Livest. Prod.
Sci., 92:101-111, 2005.
Cardinet G.H. Skeletal muscle function, p.407-440. In:
Kaneko J.J., Harvey J.W. & Bruss M.L. (Eds), Clinical
Biochemistry of domestic animals. 5th ed. Academic Press,
London, 1997.
Couroucé A., Chatard J.C. & Auvinet B. Estimation of Performance Potential of Standardbred Trotters from Blood Lactate Concentrations Measured in Field Conditions. Equine
Vet. J., 29:365-369, 1997.
Eaton M.D., Evans D.L., Hodgson D.R. & Rose R.J. The effect of treadmill incline and speed on metabolic rate during exercise in Thoroughbred horses. J. Appl. Physiol.,
79:951-957, 1995.
Evans D.L. & Rose R.J. Cardiovascular and respiratory responses to submaximal exercise training in the Thoroughbred horse. Pflugers Archiv., 411:316-321, 1988.
Evans D.L. Exercise testing in the field, , p.19-31. In: Hinchcliff K.W., Kaneps A.J. & Geor R. J. (Eds), Equine Sports
Medicine and Surgery, 1st ed., Saunders, London, UK.
2004.
Ferraz G.C., Teixeira-Neto A.R., Lacerda-Neto J.C., Pereira
M.C. & Queiroz-Neto A. Respostas ao exercício de intensidade crescente em equinos: alterações na glicose, insulina e lactato. Cienc. Anim. Bras., 10:1332-1338, 2009.
Gomide L.M.W., Martins C.B., Orozco C.A.G., Sampaio
Rev. Bras. Med. Vet., 35(4):385-391, out/dez 2013
Avaliação de um programa de treinamento para cavalos de Concurso Completo de Equitação: Efeitos sobre a frequência cardíaca e a curva de lactato
R.C.L., Belli T., Baldissera V. & Lacerda Neto J.C. Concentrações sanguíneas de lactato em equinos durante a prova de fundo do Concurso Completo de Equitação. Cienc.
Rur., 36:509-513, 2006.
HIPISMOBRASIL. Disponível em: < http://www.hipismobrasil.com.br >. Acess em: jul. 2012.
Kingston J.K. Hematologic and serum biochemical responses
to exercise and training, p.939-948. In: Hinchcliff K.W.,
Kaneps A.J. & Geor R.J. (Eds), Equine Sports Medicine
and Surgery, 1a ed. Saunders, Philadelphia, 2004.
Kobayashi M., Kuribara K. & Amada A. Application of V200
for evaluation of training effects in the young Thoroughbred under field conditions. Equine Vet. J., 19:189, 1999.
Leleu C., Cotrel C. & Courouce-Malblanc A. Relationships
between physiological variables and race performance in
French standardbred trotters. Vet. Rec., 156:339-342, 2005.
Lindner A. & Boffi F.M. Pruebas de ejercicio, p.243-254. In:
Boffi F.M. (Ed.), Fisiologia Del Ejercicio en Equinos, 1a
ed. Inter-Médica, Buenos Aires, 2007.
Lindner A., López R.A., Durante E., Ferreira V. & Federico
F.M.B. Conditioning horses 3 times per week does not enhance VL4. J. Equine Vet. Sci., 29:828-832, 2009.
McKeever K.H. & Hinchcliff K.W. Neuroendocrine control of
blood volume, blood pressure, and cardiovascular function
in horses. Equine Vet. J., 14:77-81, 1995.
Ohmura H., Hiraga A., Matsui A., Aida H., Inoue Y., Sakamoto K., Tomita M. & Asai Y. Changes in running velocity
at heart rate 200 beats/min (V200) in young Thoroughbred horses undergoing conventional endurance training.
Equine Vet. J., 34:634-635, 2002.
Pösö, A.R., Hyyppä, S., Geor, R.J. Metabolic responses to
Rev. Bras. Med. Vet., 35(4):385-391, out/dez 2013
exercise and training. In: Hinchcliff, K.W., Geor, R.J. &
Kaneps A.J. (Eds), Equine Exercise Physiology, 1a ed.
Saunders, Philadelphia, cap. 6, 2002.
Prates R.C., Rezende H.H.C., Lana A.M.Q., Borges I., Moss
P.C.B., Moura R.S. & Rezende A.S.C. Heart rate of Mangalarga Marchador mares under marcha test and supplemented with chrome. Rev. Bras. Zootec., 38:916-922, 2009.
Richard E.A., Fortier G.D., Pitel P.H., Dupuis M.C., Valette
J.P., Art T., Denoix J.M., Lekeux P.M. & Erck E.V. Subclinical diseases affecting performance in Standardbred
trotters: diagnostic methods and predictive parameters.
Vet. J., 4:456-468, 2009.
Rose R.J. & Hodgson D.R. An overview of Performance and
Sports Medicine, p.3-25. In: Hodgson D.R. & Rose R.J.
(Eds), The Equine Athlete: Principles and Practice of
Equine Sports Medicine. Saunders, Philadelphia, 1994.
Rose R. J., Allen J.R., Hodgson, D.R. & Stewart J.H. Responses to submaximal treadmill exercise in the horse:
changes in haematology, arterial blood gás and acid base
measurements, plasma biochemical values and heart rate.
Vet. Rec., 113:612-618, 1983.
Simões H.G., Campbell C.S., Kushnick M.R., Nakamura A.,
Katsanos C.S., Baldissera V. & Moffatt R.J. Blood glucose
threshold and the metabolic responses to incremental exercise tests with and without prior lactic acidosis induction.
Eur. J. Appl. Physiol., 89:600-620, 2003.
Thomassian A., Watanabe M.J., Alves A.L.G., Hussni C.A.,
Nicoletti J.L.M. & Fonseca B.P. Concentrações de lactato
sanguíneo e determinacyão do V4 de cavalos da raça Árabe durante teste de exercício progressivo em esteira de alta
velocidade. Arch. Vet. Sci., 10:63-68, 2005.
391
Fly UP