...

TEMA: Neocate® na alergia a leite de vaca

by user

on
Category: Documents
6

views

Report

Comments

Transcript

TEMA: Neocate® na alergia a leite de vaca
Data: 23/05/2013

NOTA TÉCNICA 75/2013
Medicamento/ x
dieta
Solicitante
Juiz de Direito Dr.Alexsander
Comarca de João Monlevade
Antenor Penna Silva
Material
Procedimento
Cobertura
Processo Número 0024 13 023060-0
TEMA:
Neocate® na alergia a leite de vaca
Sumário
1. Resumo executivo ....................................................................................... 2
Recomendação............................................................................................... 2
2. Análise da solicitação .................................................................................. 2
2.1 Pergunta clínica estruturada ..................................................................... 2
2.2 Contexto ................................................................................................... 2
2.3 Descrição da tecnologia a ser avaliada .................................................... 3
Indicações de Bula: ........................................................................................ 3
2.4 Disponibilidade no SUS ............................................................................ 3
2.5 Preço do medicamento: ........................................................................... 4
Prazo de Utilização ......................................................................................... 4
3.
Resultados da Revisão da literatura 1,2 ....................................................... 4
4.
Conclusão: .................................................................................................. 8
5.
Referências ................................................................................................. 9

NATS_GL
1
1.
Resumo executivo
Pergunta encaminhada
“Pretende sejam fornecidas 15 latas por mês de NEOCATE, enquanto houver
prescrição médica.
Médica diagnosticou CID K 52.2. Diz no relatório "IG CORRIGIDA 4 MESES 10
DIAS. Cólicas, icterícia e sangue nas fezes após uso de leite de vaca.
Apresenta melhora com exclusão de proteína uso de dieta elementar.
Necessita manter tal dieta por período mínimo de 06 meses."
Recomendação
Conclusão:
Como o quadro clínico da criança sugere fortemente alergia à proteína do leite
de vaca, há indicação para uso da dieta de aminoácidos durante pelo menos
seis meses.
2.
Análise da solicitação
2.1 Pergunta clínica estruturada
População: Criança com alergia a proteína do leite de vaca (APLV)
Intervenção: Neocate®
Comparação:fórmula a base de proteína isolada de soja, fórmula a base de
proteína extensamente hidrolisada com e sem lactose e fórmula a base de
aminoácidos.
Desfecho: Melhora e controle dos sintomas secundários a APLV.
2.2 Contexto
Alergia alimentar é o termo utilizado para descrever as reações adversas
decorrentes da ingestão de proteínas de alimentos ou aditivos alimentares. As
alergias à proteína de leite de vaca são dependentes de mecanismos
2
imunológicos IgE mediados ou não IgE mediados ou ambos (reação mista). As
manifestações clínicas podem ser imediatas e os sintomas ocorrerem em até 2
horas após a exposição, ou tardias desde 2 horas após contato com o
alergeno, até vários dias depois.
A alergia a proteína do leite de vaca (APLV) está relacionada com a
imaturidade fisiológica presente nos dois primeiros anos e vida e tende a
desaparecer com o crescimento. Dessa forma, a exclusão da proteína
alergênica da dieta pelo tempo necessário para adquirir tolerância é a única
forma de tratamento da APLV. De acordo com a história natural da doença,
cerca de 90% dos portadores vão adquirir tolerância imunológica até dois a três
anos de idade.
2.3 Descrição da tecnologia a ser avaliada
Neocate®
Fabricante: Danone
Leite em pó isento de proteína do leite de vaca. É um composto de
aminoácidos que não causa alergia e é utilizado no tratamento de bebês com
APLV.
Indicações de Bula:
Alergia a proteína do leite de vaca (APLV)
2.4 Disponibilidade no SUS
Não existe ainda política nacional de fornecimento de fórmulas infantis. Alguns
estados e alguns municípios possuem protocolo próprio para liberação de
fórmulas infantis para crianças portadoras de APLV.
Em Belo Horizonte, o Protocolo de Dispensação de fórmulas Infantis segue os
critérios abaixo:
Para obter as fórmulas infantis especiais, a criança deve passar por uma
avaliação médica. Após a confirmação do diagnóstico, o especialista deve
preencher a ficha de avaliação para o fornecimento de fórmulas infantis
especiais.
3
Além disso, o médico deve elaborar um relatório justificando a necessidade da
fórmula e duas vias da receita médica assinada e carimbada.
Os produtos, aprovados e registrados na ANVISA, adquiridos mediante
licitação pública que estarão disponíveis para dispensação são: fórmula a base
de proteína isolada de soja, fórmula a base de proteína extensamente
hidrolisada com e sem lactose e fórmula a base de aminoácidos. Prescrições a
partir de nomes comerciais não serão atendidas.
A criança deve ser menor de dois anos de idade, quando portador de APLV.
O composto de aminoácidos fornecido no protocolo é similar ao Neocate®,
podendo ser o próprio Neocate®, conforme licitação.
2.5 Preço do medicamento:
R$ 148,00 a lata
Preço mensal – R$ 2220,00
A compra realizada diretamente do distribuidor tem preço 50% mais barato.
Prazo de Utilização
Depende da evolução da criança.
Uma vez inserida no protocolo, a criança será acompanhada e a fórmula é
fornecida pelo tempo necessário. A partir dos seis meses, a maioria das
crianças pode substituí-la pela fórmula de leite de soja.
3.
Resultados da Revisão da literatura 1,2
Em lactentes, deve-se priorizar a manutenção do aleitamento materno
exclusivo até seis meses com introdução da alimentação complementar
posterior a esta idade. Nessas condições, caso identificada uma alergia
alimentar isolada ou múltipla, submete-se a mãe a dieta de exclusão com
orientação nutricional adequada para ela e para a criança por ocasião da
introdução dos alimentos complementares.
4
A utilização de fórmulas consideradas hipoalergênicas em situações de alergia
à proteína do leite de vaca onde houve a interrupção do aleitamento materno é
a alternativa preconizada. Segundo a Academia Americana de Pediatria (AAP),
para ser considerada hipoalergênica, tal fórmula não deve causar reações
alérgicas em até 90% das crianças com alergia ao leite de vaca, comprovação
esta realizada em testes de provocação duplo-cego controlados com placebo,
em estudos prospectivos e randomizados. Neste sentido, não são
recomendadas as fórmulas parcialmente hidrolisadas, por conterem proteínas
intactas do leite de vaca e, portanto, potencial alergênico; os preparados à
base de soja em apresentações líquidas ou em pó (por não atenderem
recomendações nutricionais para faixa etária e gênero e por não conterem
proteínas isoladas e purificadas), assim como os produtos à base de leite de
cabra, ovelha e outros mamíferos (pela similaridade antigênica).
As fórmulas atualmente disponíveis no mercado adequadas para crianças
menores de um ano e que podem ter indicação no manejo dietético da alergia
às proteínas do leite de vaca são:
1) fórmulas à base de proteína isolada de soja, com proteínas purificadas e
suplementadas para atingir as recomendações nutricionais do lactente;
2) fórmulas e dietas à base de proteína extensamente hidrolisada (hidrolisados
protéicos), compostas por peptídeos, sobretudo, e aminoácidos obtidos por
hidrólise enzimática e/ou térmica ou por ultrafiltragem;
3) dietas à base de aminoácidos, as únicas consideradas não alergênicas.
As fórmulas à base de proteína de soja apresentam algumas diferenças em
sua composição quando comparadas a fórmulas poliméricas à base de leite de
vaca: maior conteúdo protéico (2,45 a 3,1g/100 kcal) devido ao menor valor
biológico de suas proteínas, são isentas de lactose, contêm fitatos (cerca de 1
a 2%) e oligossacarídeos que interferem na absorção do cálcio, fósforo, zinco e
ferro (os níveis de cálcio e fósforo, por exemplo, são superiores em 20% às
fórmulas com proteína do leite de vaca), contêm glicopeptídeos da soja
5
interferem no metabolismo do iodo, conteúdo mais elevado de alumínio e
presença de fitoestrógenos (isoflavonas, genisteína e daidzeína).
Nas hipersensibilidades não mediadas por IgE e manifestadas como colites,
enterocolites ou esofagites, o risco de sensibilização simultânea à soja pode
chegar a 60%, não sendo, portanto, rotineiramente recomendado o seu uso,
exceto em formas clínicas leves ou nas fases mais tardias de tratamento em
algumas situações, após, no mínimo, seis a oito semanas de uso de dietas à
base de proteína extensamente hidrolisada ou à base de aminoácidos.
Por apresentarem eficácia em 80 a 90% dos casos, as dietas à base de
proteína extensamente hidrolisada (hidrolisados protéicos) são recomendadas,
especialmente nas formas não mediadas por IgE, por todas essas sociedades
científicas internacionais americanas e européias, incluindo a Academia
Americana de Alergia, Asma e Imunologia (AAAAI) e o Colégio Americano de
Alergia, Asma e Imunologia (ACAAI). Apenas uma pequena proporção de
crianças, entre 5% e 10%, também demonstrarão alergia a tais dietas, e podem
apresentar reações alérgicas em resposta à presença de resíduos alergênicos.
Crianças com persistência dos sintomas em uso de dieta extensamente
hidrolisada (alergia ao hidrolisado protéico) ou síndrome de má absorção grave
com intenso comprometimento da condição nutricional (escore z de peso para
a estatura inferior a 2 desvios-padrão) são consideradas prioritárias para o uso
das fórmulas à base de aminoácidos. Após a recuperação do quadro e da
função intestinal, poder-se-á cogitar a possibilidade de substituição pelas
fórmulas extensivamente hidrolisadas.
O tempo de duração da dieta de exclusão tem como variáveis a idade do
paciente ao iniciar o tratamento e sua adesão a esse, os mecanismos
envolvidos e as manifestações apresentadas e o histórico familiar para alergia.
Admite-se que a maioria das crianças desenvolverá tolerância clínica nos
primeiros três anos, embora este percentual possa ser variável. Para a alergia
ao leite de vaca, preconiza-se que a dieta de exclusão seja, no mínimo, de seis
a doze meses.
Fórmulas e dietas extensamente hidrolisadas para lactentes:
6
Alfaré: proteínas do soro de leite extensamente hidrolisadas (peptídeos 80%) +
20 % aminoácidos livres
Pregestimil Premium: 100% caseína hidrolisada (40% peptídeos e 60% de
aminoácidos)
Pregomin: proteínas de colágeno (40%) e soja (40%) extensamente
hidrolisadas e 20% aminoácidos livres
Dieta à base de aminoácidos para lactentes:
AminoMed: 100% aminoácidos livres
Neocate: 100% aminoácidos livres
Esquema da Sociedade Brasileira de Pediatria para bebês abaixo de 2
anos com suspeita de alergia à leite de vaca: 1
- para bebês amamentados:
Em lactentes, deve-se priorizar a manutenção do aleitamento materno
exclusivo até seis meses com introdução da alimentação complementar
posterior a esta idade. Nessas condições, caso identificada uma alergia
alimentar isolada ou múltipla, submete-se a mãe a dieta de exclusão com
orientação nutricional adequada para ela e para a criança por ocasião da
introdução dos alimentos complementares.
A duração da exclusão dependerá da idade da criança, da gravidade da
manifestação clínica e da positividade dos anticorpos IgE para a proteína do
leite de vaca.
As manifestações clínicas são desencadeadas pela ingestão de leite e
derivados ou anafilaxia relacionada à ingestão de leite.
Estas reações podem ser manifestações imediatas (menor de 2 horas) e pode
ocorrer anafilaxia, síndrome da alergia oral, urticária, angiodema, náuseas e
vômitos, diarréia, dores abdominais e broncoespasmo. Podem ocorrer
7
associações de manifestações digestivas com sinais e sintomas extradigestivos ou cutâneos e as reações em geral são tardias (mais de 2 horas
após a exposição ao leite).
Crianças em aleitamento materno devem ser sempre estimuladas a
manutenção do aleitamento materno e orientar a dieta materna com restrição
total do leite de vaca e derivados.
Crianças com APLV menores de um ano não amamentadas ao seio, que ainda
não podem ou não aceitam bem a alimentação complementar, devem receber
fórmulas especiais para suprir suas necessidades nutricionais total ou
parcialmente. Para crianças alimentadas artificialmente as recomendações
conforme faixa etária é:
- Menores de 6 meses: fórmula extensamente hidrolizada;
- 6 a 12 meses sem comprometimento intestinal: fórmula a base de soja; e com
comprometimento intestinal: fórmula extensamente hidrolizada;
- 12 a 24 meses: com falência de crescimento e sem comprometimento
intestinal
fórmula
de
soja;
com
comprometimento
intestinal
fórmula
extensamente hidrolizada.
Com 12 semanas de tratamento para ALPLV com sucesso, a criança
recomenda-se que a criança seja submetida a teste de provocação e quando
não responder favoravelmente dever-se-á continuar a investigação, pois
provavelmente o diagnóstico está incorreto. 2
4.
Conclusão:
Como o quadro clínico da criança sugere fortemente alergia à proteína do leite
de vaca, há indicação para uso da dieta de aminoácidos durante pelo menos
seis meses.
A fórmula de aminoácidos é fornecida a pacientes do SUS que são incluídos no
protocolo para liberação de fórmulas alimentares para crianças com APLV na
Rede SUS em Belo Horizonte.
A Secretaria de Saúde de cada cidade possui esquema próprio de liberação da
dieta.
8
5.
Referências
1. Consenso Brasileiro sobre Alergia Alimentar: 2007, Documento
conjunto elaborado pela Sociedade Brasileira de Pediatria e
Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia. Acesso em:
24/05/2013. Disponível em:
http://www.sbai.org.br/revistas/vol304/ART%202-08%20%20Consenso%20Brasileiro%20sobre%20Alergia%20Alimentar%20%202007.pdf
2. Protocolo de Liberação de Fórmulas alimentares Para Crianças com
APLV na Rede SUS. Acesso em: 24/05/2013. Disponível em:
http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&c
d=1&ved=0CDEQFjAA&url=http%3A%2F%2Fportalpbh.pbh.gov.br%
2Fpbh%2Fecp%2Ffiles.do%3Fevento%3Ddownload%26urlArqPlc%3
Dprotocolo_aplv.pdf&ei=qNMrUYmpFZDk9gSalICQBQ&usg=AFQjC
NGkPagp4bgi47zyzOgJ1mt-FgaR6g&bvm=bv.42768644,d.eWU
9
Fly UP