...

Roger Narboni - Lume Arquitetura

by user

on
Category: Documents
6

views

Report

Comments

Transcript

Roger Narboni - Lume Arquitetura
entrevista
Roger Narboni
Por Maria Clara de Maio
EM 1981, ROGER NARBONI
Uma luz sobre as cidades, para os cidadãos
- ARTISTA PLÁSTICO E ENGENHEIRO
eletrônico – após uma série de viagens e permanências de curtas temporadas em diversos países, se estabeleceu em Paris para se dedicar
à pesquisa e ao trabalho criativo com a luz e o espaço. Quatro anos
mais tarde e após diversas peças, instalações e exposições ligadas ao
tema, Narboni se transformou no primeiro lighting designer da França.
Narboni criou então o termo francês concepteur lumière e passou
a se dedicar exclusivamente, à iluminação urbana e arquitetural. Em
1988 fundou a Concepto, um estúdio especializado em iluminação urbana, monumental e ambiental. Em 1991, a pedido do departamento
de planejamento urbano parisiense, Narboni concebeu a exibição e a
conferência internacional “La lumière et la Ville”, um verdadeiro manifesto pela reformulação das noites da cidade. Perseguiu este caminho
escrevendo um ensaio que culminou em seu livro La lumière Urbaine.
Roger Narboni é membro da Associação francesa de l’Eclairage
desde 1992, e foi um dos fundadores da Association française dês
Concepteurs lumière et Eclairagistes, da qual foi presidente de 1994 a
1999. Criou um número significativo de sistemas de iluminação para as
áreas urbanas e arquitetura, algumas das quais se transformaram em
referências internacionais. Dá aulas em renomadas escolas européias
e há anos participa de diversas conferências internacionais.
quando Narboni esteve em São Paulo para participar, como palestrante, do FONAI – Fórum Nacional de Arquitetura e Iluminação. Suas idéias
inovadoras, reflexos prováveis de uma trajetória que contemplou arte e
ciência, levam-nos a refletir sobre a luz, sobre os homens, e sobre a luz
das cidades dos homens.
6
L U M E ARQUITETURA
Foto: UN / arquivo Lume
Esta entrevista à Lume Arquitetura aconteceu em novembro de 2007,
Lume Arquitetura: L’Urbanisme Lumiére
Lume Arquitetura: Nos países onde está
Bagunça significa que uma grande parte
nasceu nos anos 80 e seu conceitos
o dinheiro?
dos investimentos está perdida, que o
– escritos e explicados no seu livro La
Roger Narboni: Sim, você está certa.
sistema de iluminação está errado depois
Lumière Urbaine – têm sido estudados e
É uma questão que cresce quando a
de poucos anos, e que o consumo de
utilizados desde então por muitos lighting
iluminação pública já é muito bem desen-
energia está muito alto. Também significa
designers. Vinte anos depois, estes
volvida, para coordenar todas as novas
que seus cidadãos não estão felizes com
conceitos ainda permanecem? Onde e
iluminações, para melhorar as antigas,
seus ambientes noturnos. Políticos já en-
como são aplicados?
para diminuir o consumo de energia,
tenderam isso, talvez em alguns países
Roger Narboni: Estes conceitos ainda
para iniciar uma abordagem sustentável.
mais cedo do que em outros, mas agora
permanecem porque quando começamos
Então, isso diz respeito, principalmente,
muitos prefeitos entendem que o plano
o L’Urbanisme Lumière, no final dos anos
aos países com alta tecnologia ou aos
diretor de iluminação é uma ferramenta
80, poucas pessoas entenderam com
países com alto desenvolvimento. Mas,
essencial para suas políticas urbanas. Se
exatidão o que era isso, qual era sua
mesmo os países que estão com sua
você é um prefeito e não tem uma política
aplicação e o propósito desse tipo de
economia fraca, precisam de um plano
urbana ou uma estratégia urbana, o que
estudo. Então, convencer as pessoas,
de iluminação para não começar com
pode fazer para melhorar ou desenvolver
especialmente os prefeitos e técnicos
a cidade? Com a iluminação urbana é
municipais, de que o conceito era na
exatamente a mesma coisa. Você precisa
realidade uma ferramenta muito útil levou
um longo tempo. Depois de 10 anos,
no final dos anos 90, estas ferramentas
Urbanismo diurno não é a mesma
de uma estratégia para seguir em frente.
coisa que o urbanismo noturno.
tar a si mesmo se está indo na direção
finalmente foram compreendidas e hoje
são utilizadas de maneira bastante comum
na França e Europa. Toda cidade tem ou
está começando seu plano diretor de
iluminação. Algumas cidades na França
estão na segunda geração dos seus
planos de iluminação porque, como toda
ferramenta, essas também ficam velhas e
obsoletas, deixando assim de contribuir
certa.
A cidade à noite nada tem a ver
com a cidade durante o dia. É uma
outra cidade. Há novos conceitos
surgindo na Europa, como por
exemplo, que nós devemos eleger
Nantes ou Lyon, na França, já têm a
segunda geração desses conceitos. Estas
Lume Arquitetura: Como utilizar os
conceitos do “L’Urbanisme Lumiére”
considerando as diferenças culturais e
geofísicas entre as antigas e as novas
cidades?
Roger Narboni: Os conceitos são diferentes, mas a metodologia é sempre
a mesma. Você analisa uma cidade,
para o desenvolvimento das cidades e
suas novas estratégias. Cidades como
Se não tem nenhuma, é melhor pergun-
um prefeito para a noite, diferente
do prefeito da cidade durante o dia.
os planos históricos e a partir daí tenta
pensar em algumas orientações para
desenvolver idéias. É óbvio que o conceito para uma cidade antiga será muito
idéias de planos diretores de iluminação
diferente do conceito para uma nova
agora estão presentes em pequenas e
grandes cidades. Também mudamos a
erros, diminuir os gastos com energia,
cidade, porque nas cidades antigas
escala de planos diretores de iluminação
criar ambientes adequados, reforçar
existem muitos prédios históricos, ruas
para estudar centros históricos, áreas
e embelezar suas heranças históricas
pequenas e complicadas e talvez poucos
industriais, centros médicos e comerciais,
e para gastar melhor seu dinheiro em
edifícios ou casas. Mas a abordagem é
câmpus universitários e áreas de lazer
iluminação de qualidade. Países como
semelhante: você tenta imaginar o que
social. Essas ferramentas realmente
Marrocos ou Argélia, no norte da África,
podem ser os ambientes noturnos, os ei-
demonstraram sua capacidade para
estão começando seus planos diretores
xos simbólicos ou principais; onde estão
responder questões sobre iluminação
de iluminação.
os acessos, as portas da cidade; o que
urbana e os ambientes noturnos
Portanto, não é apenas uma ques-
é necessário para reforçar a paisagem
em situações diversas. Portanto, eu
tão para um país rico, mas sim sobre
durante a noite; o que pode fazer para
realmente penso que estes conceitos
como uma cidade vê seus sistemas de
a morfologia, a silhueta e a linha do ho-
ainda permanecem, principalmente na
iluminação e como ela pensa planejá-lo.
rizonte da cidade. E é por isso que cada
Europa, como também nos estados
Se você não planeja uma estratégia de
cidade tem um conceito diferente. Você
Unidos, Canadá e Ásia.
iluminação, logo ela vira uma bagunça.
tem que analisar a história, a geografia e
L U M E ARQUITETURA
7
a morfologia da cidade e, então, concluir
arquitetura ou simplesmente andar pelas
hobbies. Discordo muito freqüentemente
com idéias sólidas e começar a construir
ruas. Penso que os lighting designers são
dos que trabalham na indústria de ilumi-
algo, porque fazer apenas um estudo
os únicos profissionais capazes de lidar
nação, porque não pensam muito longe;
não é o suficiente. Você tem que tomar
com essas questões, pois eles têm um
eles deveriam tentar começar a fazer um
atitudes de fato para realizar algo.
conhecimento aprofundado sobre esse
tipo de ficção cientifica. Eu tento pensar
tipo de necessidades, as necessidades
sobre nossas cidades noturnas no futuro.
Lume Arquitetura: L’Urbanisme Lumiére
das pessoas relacionadas à luz artificial.
Já escrevi alguns textos sobre a cidade no
traz novamente, e de forma incisiva, a
E é por isso que precisamos trabalhar
ano de 2050 e como será a iluminação,
questão de responsabilidade dos urba-
em equipe, todos juntos, paisagistas, ur-
porque acho este exercício uma coisa
nistas pela criação da noite na cidade.
banistas, arquitetos e lighting designers,
muito importante a se fazer. Não se trata
Você acha que essa responsabilidade
especialmente se você trabalhar em um
apenas de uma questão de tecnologia,
deveria ser formalmente passada para
novo projeto urbano. Quando falamos
é também uma questão sobre a evolu-
os urbanistas?
de uma cidade antiga é mais fácil fazer
ção das nossas necessidades. Teremos
Roger Narboni: Bem, se você está falan-
o lighting design, pois a cidade já possui
muitos problemas: poluição luminosa,
do de urbanismo diurno, não é a mesma
belas paisagens e belos espaços diurnos,
grande população, cidades enormes,
coisa que o urbanismo noturno. A cidade
o que torna mais fácil ativar a imaginação
diferenças sociais, nada de sombra e,
à noite não tem nada a ver com a cidade
talvez, nem de escuridão. Então, para
durante o dia. É uma outra cidade. Há no-
responder ou pelo menos tentar entender
vos conceitos surgindo na Europa, como
por exemplo, que nós devemos eleger um
prefeito para a noite, diferente do prefeito
da cidade durante o dia. Acho que seria
muito interessante experimentar isso porque se você pensar, há muita gente que
trabalha durante a noite e não vive na ci-
Se você faz somente City
Beautification, planeja a
Lume Arquitetura: O que você pensa
sobre a criação de uma matriz global para
visitantes, não para as pessoas que
é possível colocar em ordem a noite na
a iluminação das cidades? Você acha que
cidade de hoje, tão caótica e em pleno
vivem e trabalham na cidade.
estado de desordem?
mais ou menos 50 quilômetros da cidade.
Roger Narboni: Depende do que signi-
Então, suas necessidades noturnas não
fica caótica para você. Se significa uma
têm nada a ver com as necessidades das
perturbação, por não poder ir à rua, por
que vivem e votam em Paris, mas que só
e criatividade. Mas quando você planeja
se sentir agredido pela luz, você está
trabalham durante o dia. Então, por que a
uma nova cidade, no meio do deserto ou
certa: isso não é bom. Mas, se caótico
cidade noturna não pode ser organizada
em uma parte perdida num canto da cida-
significa diversidade, coisas diferentes,
para as pessoas que lá trabalham e para
de, é bem diferente conceber e imaginar
iluminações desuniformes, diferentes lu-
as que saem à noite?
tudo sobre a iluminação começando do
gares e pessoas de culturas de diferentes
Os planejadores urbanos de hoje
zero. E um urbanista não pode simples-
coabitando nesta cidade, é um conceito
em dia têm pouco conhecimento sobre
mente imaginar o que será a iluminação
bem interessante.
a visão noturna e a iluminação urbana.
e os ambientes noturnos da cidade
Não quero planejar uma iluminação
Se num programa educacional de ur-
quando pronta. Esse é o nosso trabalho.
de um jeito uniforme, de uma forma que
banismo eles começassem a aprender
O lighting designer é o profissional que
tudo seja igual em todo lugar. Diversidade
sobre iluminação urbana e ambientes
pode imaginar como criar ambientes
não é o caos, é, sim, muito importante
noturnos, talvez em 10 anos eu respon-
noturnos até para uma cidade que ainda
para manter o mosaico de abordagens
desse a sua pergunta assim: “Claro, eles
não existe.
sociais e culturais.
É por isso que odeio o conceito de
devem fazer seus estudos de iluminação
8
planejar a iluminação do futuro.
iluminação principalmente para os
dade. Não sei como é em São Paulo, mas
em Paris é assim. As pessoas vivem a
isto, nós também precisamos sonhar e
e o plano diretor”. Mas agora, se nós
Lume Arquitetura: E você ainda tem que
uma matriz global e a palavra global
delegarmos isso a eles, tudo virará uma
imaginar como serão as cidades em 10
também. Este conceito é virtual. É uma
bagunça, porque eles não têm idéia
anos...
solução muito simples, sem qualquer
sobre a necessidade das pessoas que
Roger Narboni: Sim, e talvez também em
diálogo, sem qualquer percepção ou
saem à noite para trabalhar, para olhar a
50 anos! Este é um dos meus principais
estudo mais complexo.
L U M E ARQUITETURA
BLUMENOX
L U M E ARQUITETURA
9
Lume Arquitetura: Como diminuir o pro-
planeja a iluminação principalmente para
recentemente eleito, é François Migeon.
blema da poluição luminosa nos centros
os visitantes, não para as pessoas que
Nossa principal missão é desenvolver
urbanos?
vivem e trabalham na cidade. Sou contra
a profissão do lighting designer, infeliz-
Roger Narboni: Boa iluminação ou
a idéia do City Beautification. Se tomar-
mente, ainda não temos um programa
iluminação de qualidade nada tem a ver
mos como exemplo Salvador, na Bahia,
educacional para lighting designers.
com poluição luminosa. Você não pode
que precisa atrair turistas durante a noite
Ainda não temos porque nossos políti-
se autodenominar lighting designer sim-
para seu centro antigo, significa que os
cos não estão interessados em criar um
plesmente por direcionar luz para o céu.
turistas são sua principal preocupação.
programa educacional especial para essa
Nós, como profissionais, lutamos contra
Então, está certo, faça um pouco de City
nova profissão. É uma pena, porque essa
a poluição luminosa. Precisamos iluminar
Beautification. Mas se sua preocupação
profissão na França é bem conhecida e
o que é necessário, não precisamos se-
é com as pessoas que vivem lá, saiba
há muito trabalho disponível. Dei aulas em
guir os loucos programas de segurança.
que elas não estão muito interessadas
programas de educação em escolas de
Quando faço planos diretores de ilumina-
em saber como as fachadas históricas
paisagismo e arquitetura, na Landscape
ção, faço planos para a escuridão e tento
são iluminadas. Elas se preocupam em
School of Versailles and Blois, mas este
preservar o céu escuro. Nesse caso, no-
sair com segurança durante a noite e se
tema ainda é uma parte muito pequena de
vamente, temos que educar os políticos,
todo o programa educacional. Portanto,
porque se um político apregoa, em nome
uma das nossas principais tarefas da ACE
da segurança, que temos que iluminar
tudo em todo lugar, é uma coisa louca
de se fazer! Educação é a única forma
Não quero planejar a
é desenvolver e reforçar a relação entre
iluminação de um jeito
gistas e lighting designers. Precisamos
de resolver esse tipo de problema. Temos
que ensinar que precisamos do contraste,
da oposição entre a luz e a escuridão.
Lighting designers são os profissionais
que trabalham em novos sistemas de
iluminação ou renovam os antigos para
melhorá-los, evitando assim a poluição
luminosa, não o contrário.
fazê-los entender o quanto é importante
uniforme, de uma forma que
tudo seja igual em todo lugar. É
muito importante para manter
o mosaico de abordagens sociais
e culturais. É muito importante
Lume Arquitetura: Ações de iluminação,
como City Beautification, podem ser
preservar essa diversidade.
consideradas parte dos conceitos do
trabalhar todos juntos, ter numa equipe
pessoas que sabem melhor e mais sobre
luz e sobre soluções de iluminação. A
comunicação sobre nossas realizações
na iluminação é feita pelo nosso website
[www.ace-fr.org].
Desde janeiro de 2007, também
construímos uma nova associação na
França, Lighting Designers without Borders [Lighting Designers sem Fronteiras],
cujo site é www.concepteurslumieresans-
L’Urbanisme Lumière?
frontieres.org. Motivados por uma ação
Roger Narboni: Acho que no início, o
o espaço urbano é bacana e atraente à
humanitária, um grupo de lighting desig-
conceito de City Beautification foi lançado
noite. Nós não trabalhamos com essa
ners profissionais fundaram essa associa-
pela Philips Lighting, porque eles queriam
idéia básica de “beautification”. É uma
ção. Agora temos mais de 40 membros
vender mais produtos em todo o mundo.
pequena parte do conceito de Urbanisme
de vários países e eu sou o presidente.
Embelezar a cidade é, de certa forma,
Lumière.
Os principais campos de atuação da
como decorar ou maquiar uma cidade.
10
arquitetos, planejadores urbanos, paisa-
associação são: programas educacionais
O L’Urbanisme Lumière é mais profundo
Lume Arquitetura: Você é o fundador
e ações como parte do desenvolvimento
que isso. Ele não se importa com City
presidente e membro honorário da ACE
regional, prover respostas sobre ilumina-
Beautification. Ele cuida das funções,
(Association des Concepteurs Lumière
ção em situações de emergência, parti-
das formas que as pessoas usam a ci-
et Éclaragistes in France). Quais são
cipação em operações de reconstrução
dade. Também cuida das fachadas e dos
as suas missões e quais as categorias
de situações pós-emergência. Estamos
prédios, mas seu foco principal está nos
podem se afiliar a ACE?
tentando desenvolver o relacionamento
ambientes noturnos e nas necessidades
Roger Narboni: Começamos essa
com cidades africanas, que necessitam
noturnas das pessoas.
associação francesa em 1995, ou seja,
de um conceito de lighting design, mas
São dois conceitos diferentes. Se
há 12 anos. Contamos com cerca de 90
não podem pagar por isso. Então, fa-
você faz somente City Beautification,
membros na França, e nosso presidente,
zemos isso “pro bono”, gratuitamente.
L U M E ARQUITETURA
DOMALUZ
L U M E ARQUITETURA
11
Não queremos que os lighting designers
caso, ninguém pergunta ao cidadão qual
sejam vistos como um grupo de elite,
iluminação ele quer ou prefere no seu
ou como um tipo de profissionais que
bairro, na sua própria rua. Alguns técnicos
só trabalha para pessoas ricas. A asso-
chegam ao local, definem a iluminação,
ciação é aberta a todos os interessados
instalam, e nunca perguntam se você está
no assunto e será um prazer ter lighting
de acordo, satisfeito ou não. Novamente,
designers brasileiros conosco.
eu acredito na educação. É preciso edu-
FORLAMP
car as pessoas, os cidadãos e os jovens
Lume Arquitetura: Como os lighting
na escola, para que eles sejam capazes
designers constroem sua formação edu-
de definir o que é uma melhor iluminação
cacional na França?
e para que exijam isso no futuro. Então,
Roger Narboni: Normalmente, eles bus-
faremos propostas, experimentaremos
cam se formar arquitetos ou arquitetos
e mostraremos a eles arranjos de luz,
paisagistas e aí, se ainda estiverem
ambientações e efeitos luminosos e, em
interessados em lighting design, vão
conjunto, decidiremos qual a boa ilumina-
para um escritório como o meu ou ten-
ção para o seu bairro, se ela é adequada
tam conseguir experiência com algum
para o local onde vivem. Eu diria que o
lighting designer. Outra opção é a ida
nosso principal desafio para o futuro é en-
para o exterior, estudar em Hildesheim ou
tender melhor o que as pessoas querem
Wismar na Alemanha [www.hs-wismar.de]
para a luz da cidade e como podemos
ou na Bartlett School, na Inglaterra [www.
responder, como profissionais, às neces-
bartlett.ucl.ac.uk], por exemplo.
sidades que elas ainda, provavelmente,
Mas se eles não querem ou não po-
nem sabem que têm.
dem ir para o exterior, vão para escritórios
Se continuarmos a fazer o que pen-
de lighting designers trabalhar durante 5
samos ser melhor para elas, não acho
ou 6 meses e aprender o que é lighting
que estaremos no melhor caminho. Eu
design. E aí, nós tentamos treiná-los. Trei-
acredito em democracia, e mesmo como
nei cerca de 15 lighting designers desde
um técnico ou como um especialista, não
1988, incluindo estrangeiros. É uma boa
quero ser o dono da verdade, aquele que
opção para trocar experiências.
diz “você não sabe o que quer, mas eu
sei por você porque sou um especialista
Lume Arquitetura: As cidades existem
no assunto”.
há séculos e a iluminação elétrica há
Tento, de verdade, absorver muito
pouco mais de 100 anos. Iluminar uma
das pessoas, para captar suas impres-
cidade é, portanto, uma atividade recente,
sões, reações e necessidades, não
sem referências no passado, bem como
somente sobre cidades, mas também
conceitos críticos. O que deve ser avalia-
sobre iluminação de seus escritórios, de
do para elaborar iluminação de qualidade
um quarto de hospital, de sua casa, um
nas cidades?
restaurante ou uma escola. Afinal de con-
Roger Narboni: Essa é uma questão
tas, o único objetivo da boa iluminação,
muito difícil... É difícil responder porque
da iluminação de qualidade, deve ser a
a medida da qualidade é muito pessoal;
humanidade.
todo mundo tem uma idéia própria sobre
o que é qualidade. Na minha opinião, o
que devemos fazer é cuidar das pessoas
que vivem na cidade. Esta é minha principal preocupação na verdade. Devemos
ajudá-las a se expressar sobre o que
querem da iluminação. Hoje, esse não é o
12
L U M E ARQUITETURA
Colaboraram nesta entrevista: José Canosa Miguez, Luiza de
Maio Cardoso e Rodrigo Casarin
TODA LUZ
L U M E ARQUITETURA
13
Fly UP