...

A importância da língua francesa no Brasil: marcas e marcos

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

A importância da língua francesa no Brasil: marcas e marcos
A importância da língua francesa no Brasil: marcas e marcos
dos primeiros períodos de ensino
Cristina Casadei Pietraróia1
1
Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo –
[email protected]
Abstract: The study of school subjects allows us to understand not only the
background and the transformation of contents vehiculated by them, but also
their important role in the overall formation of students as school culture is a
complex mechanism connected to political, religious and cultural contexts of
each epoch that promotes both the instruction and the moral education of the
students. Taking this importance into consideration, we are interested in the
teaching of one the school subjects that contributed greatly to the cultural
formation of several generations of Brazilian students during most part of the
twentieth century: the French language. We present in this article some
important landmarks of its teaching from 1837 to 1942.
Key words: School subjects; school books; French; teaching
Resumo: O estudo das disciplinas escolares permite-nos compreender não
apenas a trajetória e a transformação dos conteúdos por elas veiculados,
como também seu importante papel na formação geral dos alunos, pois a
cultura escolar é um complexo mecanismo ligado aos contextos político,
religioso e cultural de cada época, promovendo tanto a instrução quanto a
educação moral dos aprendizes. Considerando essa importância,
interessamos-nos pelo ensino de uma de suas disciplinas que muito contribuiu
para a formação cultural de várias gerações de aprendizes brasileiros
durante grande parte do século XX: a língua francesa. Nesse artigo serão
apresentados alguns marcos importantes de seu ensino de 1837 a 1942.
Palavras-chave. Disciplinas escolares; manuais; francês; ensino.
1. Introdução
O estudo das disciplinas escolares permite-nos compreender, segundo autores
como Chervel (1990) e Julia (2001)1, não apenas a trajetória e a transformação dos
conteúdos por elas veiculados, como também seu importante papel na formação geral
dos alunos, pois a cultura escolar é um complexo mecanismo ligado aos contextos
político, religioso e cultural de cada época, promovendo tanto a instrução (transmissão
de conteúdos programáticos) quanto a educação moral dos aprendizes. Segundo
Bourdieu (1967), a cultura escolar dota os indivíduos de um corpo comum de categorias
de pensamento e cumpre por isso uma função de integração lógica, moral e social.
Nesse importante sistema de formação que é a escola, as disciplinas e os
manuais utilizados adquirem um papel fundamental. E é esse papel que nos interessa
ESTUDOS LINGÜÍSTICOS, São Paulo, 37 (2): 7-16, maio-ago. 2008
7
aqui observar e analisar a respeito de uma disciplina que muito contribuiu para a
formação cultural de muitos aprendizes brasileiros durante grande parte do século XX: a
língua francesa. Nosso estudo faz parte do Projeto Temático FAPESP “Livros e
Memória”, coordenado pela Profa. Dra. Circe Bittencourt (FE-USP), e a pesquisa dos
manuais aqui citados foi realizada junto ao acervo didático da APFESP (Associação dos
Professores de Francês do Estado de SP), na Biblioteca do Livro Didático e nas
bibliotecas Paulo Bourroul e Macedo Soares, essas três últimas localizadas na
Faculdade de Educação da USP. Contamos também com os dados coletados em
pesquisa de iniciação científica realizada por Sahsha Kiyoko Watanabe Dellatorre
(bolsa FAPESP IC) sob nossa orientação.
2. A língua francesa como instrumento
Em um texto de grande relevância para a história dos estudos brasileiros – “O
francês instrumento de desenvolvimento” –, Antônio Cândido de Mello e Souza (1977)
distingue alguns traços que definem a grande influência da cultura francesa nos países
da América Latina a partir de suas independências. Segundo o autor, esta cultura e sua
língua tiveram, primeiramente, um papel de mediação entre as jovens nações e as
demais culturas vigentes. Foi por intermédio das traduções francesas, por exemplo, que
os brasileiros do século XIX leram autores clássicos da literatura mundial, como
Goethe, Byron, Schiller, absorvendo tanto as interpretações feitas quanto as lacunas
deixadas. Tal mediação trouxe, como conseqüência, a paulatina substituição do estudo
das culturas e línguas clássicas pelo estudo do francês, língua considerada “universal”
no início do século XIX, em que a França atingira seu apogeu de prestígio e de função
civilizadora. Foi, portanto, por meio do francês – cujo ensino era obrigatório — que
aprendemos a “ver o mundo, que adquirimos o senso da História, que lemos os clássicos
de todos os países, inclusive gregos e romanos” (Cândido, 1977:12). O contato com a
língua e a cultura francesa também nos permitiu adquirir uma maior humanidade nas
questões sociais, uma vez que não apenas a elite dominadora delas se alimentava, mas
também as classes dominadas buscavam sua inspiração nos ideais revolucionários
franceses. Socialistas e anarquistas liam e se inspiravam na literatura francesa,
“trocavam entre eles livros de Balzac e principalmente de Zola, considerado como um
grande escritor humanitário; gostavam de evocar os “filósofos” do século XVIII (...),
chegavam mesmo a dar aos filhos nomes como Germinal”. (Cândido, 1977:14). O hino
nacional francês, no início do século XX, era executado em manifestações políticas, em
comícios, em reuniões operárias. E, finalmente, graças à flexibilidade e à universalidade
da cultura francesa, esta respondeu, mais do que qualquer outra, a inúmeras
necessidades da constituição de nosso país.
O ensino obrigatório da língua francesa na escola secundária brasileira teve
início no século XIX, em 1837, com a criação do Colégio Pedro II, instituição imperial
destinada à formação secundária e cujos currículos, enciclopédicos, apresentavam-se
com uma feição dominantemente literária. Em um de seus primeiros programas de
ensino (1856, in Vechia, 1998:28), o francês consta como uma das principais
disciplinas, a ser ensinada já no primeiro dos sete anos do curso:
No primeiro anno, o alumno, depois de algumas prelecções de Grammatica
geral, aperfeiçoa-se na Grammatica e Língua Portugueza, e começa a estudar
latim, francez, e arithmetica. (Vechia, 1998:28)
8
ESTUDOS LINGÜÍSTICOS, São Paulo, 37 (2): 7-16, maio-ago. 2008
Percebe-se, nessa citação, a importância da língua francesa na formação básica
do aluno e isso em dois eixos. Primeiramente em relação a sua proficiência lingüística,
uma vez que, já a partir do segundo ano, os manuais de algumas disciplinas, como
zoologia, botânica, física e química, eram franceses (p.ex.: Guerin-Varry: Eléments de
chimie, précédés de notions de physique). No livro Belle Époque Tropical, Jeffrey
Needell afirma sobre o ensino ministrado no Colégio Imperial:
O ensino ministrado sob olhares tão severos baseava-se em obras de clérigos (...)
bem como em textos franceses, tais como o Atlas de Delamarche, a
Grammatica Franceza de Sévene, as Nouvelles narrations françaises de
Filon, a História romana de De Rosoir e Dumont, o Cours de Littérature
française de Charles André, o Cours élémentaire de philosophie de Barbe e o
Manuel d’études pour la préparation du baccalauréat em lettres: Histoire
de temps modernes. (Needell, 1993:78)
A proficiência lingüística capaz de dar conta de tantas leituras em diferentes
disciplinas era buscada por meio do ensino tradicional da língua, metodologia também
conhecida como “gramática-tradução”, vigente até o início do século XX e que consistia
no estudo do vocabulário, da gramática e da prática da tradução-versão. Herdeira do
ensino ministrado para o estudo do grego e do latim, tendo de um lado um livro de
gramática normativa e de outro um dicionário bilíngüe ou listas temáticas de palavras
com os termos equivalentes na língua materna, o aluno exercitava-se traduzindo textos
— de preferência e sempre que possível literários — da língua estrangeira para a língua
materna e vice-versa. (Coste, 1978).
Christian Puren, em seu livro Histoire des méthodologies de l’enseignement des
langues (1988), comenta um aspecto bastante interessante dessa metodologia. Para esse
autor, a metodologia tradicional implantada na escola, ao herdar os pressupostos do
ensino do latim, herdou também uma coerência fornecida do exterior pelo sistema
educativo que permitiu uma economia em termos metodológicos. Na realidade, sua
principal característica técnica não é a articulação entre a aprendizagem das regras e sua
aplicação em exercícios, mas sim seu fraquíssimo nível de integração didática. Isso
explica a justaposição de diferentes atividades, propostas em uma ordem aleatória,
durante uma mesma aula: os alunos podiam recitar uma lista de palavras e algumas
regras de gramática, como também fazer o ditado de um poema, corrigir uma tradução
ou ainda começar uma versão oral sem que houvesse, entre os diversos materiais
apresentados, uma coesão temática ou gramatical. E Puren conclui:
Este fraco nível de integração didática explica porque na MT [metodologia
tradicional] escolar não se sente a necessidade do manual [grifo do autor] como
o generalizará a metodologia direta (...) Até os anos 1870, em efeito, as grandes
editoras escolares só propõem dicionários, gramáticas (“simplificadas”, sem
exercícios, ou “cursos”, com exercícios), obras e trechos escolhidos de autores
clássicos. (Puren, 1988 :60)
Efetivamente, entre os livros indicados pelo Colégio Pedro II para o primeiro
ano (programa de 1856), consta, no que diz respeito ao ensino do francês, a
Grammatica franceza, de Emilio Sevène. A edição por nós localizada, tomo 1 –
ESTUDOS LINGÜÍSTICOS, São Paulo, 37 (2): 7-16, maio-ago. 2008
9
Theoria, sem data, indica tratar-se de um “novíssima edição, corrigida e augmentada
por um habilíssimo professor de lingua franceza”2 e estrutura-se em torno de tópicos
gramaticais a partir do “nome” até “as quatro figuras da syntaxe”.
Ao lado dessa gramática, o programa indicava ainda duas outras obras —
Télémaque e Fables choisies, de Fénelon — que, a nosso ver, indicam o segundo eixo
de formação: o eixo moral. Les aventures de Télémaque, romance didático de Fénelon,
publicado em 1699 e dedicado à educação do Duque de Borgonha, herdeiro presumido
de Luis XIV. Dessa forma, essa obra faz parte do gênero literário “Espelhos dos
príncipes”, que compreende as obras destinadas à educação principesca na Europa dos
séculos XVII e XVIII, mas que se tornaram exemplares da educação como um todo e
serviam de modelo e de referência para o público culto da época. Nesse livro, Fénelon
retrata as peregrinações de Telêmaco em busca de seu pai Ulisses, durante as quais é
amparado por Mentor, responsável por sua educação na ausência paterna.
Nas atas do colóquio “Les Aventures de Télémaque: trois siècles d’enseignement
du français”, organizado em Bolonha em 2003 pela Sociedade Internacional para a
História do Francês Língua Estrangeira ou Segunda (SIHFLES), os autores dos diversos
artigos são unânimes em afirmar a importância não apenas moral e política da obra, mas
também seu interesse educacional, uma vez que entre as figuras de Telêmaco e Mentor
estabelece-se uma verdadeira relação pedagógica e, nesta relação, Fénelon muda o
centro de interesse do projeto pedagógico do “objeto” a ser ensinado para o sujeito, o
“eu” do aluno.
Era grande a preocupação com a formação dos jovens da época, pois a escola
formava a elite brasileira. É Sévene que nos fala de seu público no “Aviso aos Editores
da gramática já citada:
Indispensavel a muitos, a lingua franceza é de summa utilidade para todos. A
consideração de que ella goza no Brazil, onde occupa distincto lugar a par da
educação, é prova bastante da utilidade da obra cuja nova edição, hoje
apresentamos ao Publico, e offerecemos em particular á mocidade que frequenta
os collegios, e aos mancebos que se preparão para depois nas Academias e nas
Faculdades, entregarem-se a estudos mais elevados. (Sévene, s/d)
Efetivamente, no Segundo Reinado (1840-1889) e na República Velha (18891930), como afirma Needell (1993: 74, 75) apenas as famílias abastadas tinham acesso à
educação secundária. Na infância, essa elite, composta pelos filhos de fazendeiros ricos,
grandes comerciantes e homens de negócios, bem como filhos de altos burocratas e de
profissionais bem-sucedidos, era educada por preceptores e tutores para depois
continuar seus estudos nos colégios, em geral nas capitais dos estados e das províncias,
onde tinham acesso a uma formação humanista, conservadora e católica, voltada para
futuros líderes. Estes, além de aprender a conjugar verbos, também aprendiam nas aulas
de francês orientações de boa conduta, de honestidade, de civismo, como aquelas que
compõem os 180 exercícios do segundo volume de uma outra famosa gramática,
Grammatica Theorica e Pratica da Língua Franceza, de Francisco Halbout (Livraria
Francisco Alves, 1921 para a 33ª edição):
L’homme instruit parle peu et bien; l’ignorant parle beaucoup et mal. L’homme
ami du bien public est estimable. La crainte de Dieu est le commencement de la
sagesse.
10
ESTUDOS LINGÜÍSTICOS, São Paulo, 37 (2): 7-16, maio-ago. 2008
Assim, entre lições de civismo e moral, os alunos eram conduzidos aos textos
literários franceses, uma vez que ter acesso a esses textos era essencial num mundo em
que a França era um referencial literário e cultural. E isso não poderia ser diferente.
Iniciando um de seus artigos com a frase “Tantos caminhos levam a Paris”, Gilberto
Pinheiro Passos (2006:61) coloca de imediato a pergunta “até que ponto uma literatura
nova, como a nossa, em pleno século XIX, escaparia à força da circulação artística, cujo
centro emissor seria a velha Europa?”.
O objetivo, portanto, do ensino da língua francesa era levar o aluno a ter,
sobretudo, uma proficiência de compreensão escrita nessa língua, e também – como já
foi dito - ler os grandes autores franceses, como indica o programa dos exames do
Colégio Pedro II em 1850:
1º ano : Gramática (formação do plural dos substantivos e dos adjetivos,
formação do feminino dos adjetivos, adjetivos e pronomes possessivos, verbos)
2º ano : Buffon, Morceaux Choisis
3º ano: Fénelon, Morceaux Choisis
4º ano: Massillon, Petit Garême
5º ano: Montesquieu: Selecta de Blair
6º ano: Racine, Athalia
7º ano: Bossuet, orações fúnebres
A ênfase em um ensino centrado nos textos literários, de caráter moralizante,
cristão e educador manteve-se até o início do século XX, quando então o francês já era
ensinado em muitas outras instituições de todo o país e um número maior de manuais
entra em cena. Além dos manuais importados da França, como Le livre unique de
français, de L. Dumas (Paris, Hachette, 1928), também eram utilizados manuais
franceses impressos no Brasil em edições fac-similadas, como a Grammaire Cours
Moyen de Claude Auge (s/d, Paris, Larousse, Porto Alegre, Livraria do Globo) ou ainda
totalmente editados e impressos no Brasil, como Nouvelle Anthologie d’Auteurs
Français, de Henri de Lanteuil (Biblioteca Didática Brasileira, nº1, Rio de Janeiro,
1934), publicada conforme os programas oficiais. Henri de Lanteuil, aliás, fez parte de
toda uma geração de professores catedráticos de francês no Brasil que eram também
escritores.
Nessas obras, a exploração dos textos era ainda feita pelo método gramáticatradução, e grande era a função educadora das mesmas, como se pode observar na capa
do livro de Claude Auge e também na primeira lição do Le livre unique de français:
lecture, grammaire, vocabulaire, orthographe, composition française , de L. Dumas,
publicado pela Hachette em 1928 para os cours moyen e supérieur – “ouvrage adopté
pour les Écoles primaires de la Ville de Paris. Partindo do mundo do aluno, o manual
trazia pouco a pouco outras aberturas e novos textos, cada vez mais literários. Assim,
textos de autores como Balzac, Daudet, Anatole France, Pierre Loti, Guy de Maupassant
eram lidos, estudados, repetidos, decorados.
Aline Gohard-Radenkovi (1999) lembra bem que os tipos de discurso
encontrados nesses manuais, assim como a escolha do nível de língua utilizado, são
representativos de uma concepção do ensino da língua e da civilização francesas
característica do século XIX e vigente até metade do século XX. Essa concepção
humanista, baseada no ensino das línguas clássicas e com ênfase aos textos literários ou
moralizadores, coincidia, na verdade, com o papel da própria língua francesa no império
ESTUDOS LINGÜÍSTICOS, São Paulo, 37 (2): 7-16, maio-ago. 2008
11
colonial francês nascente. Valorizar as qualidades morais, a família, a casa, o país,
levava o aprendiz a sair de um círculo mais imediato para alcançar um espaço mais
vasto, indo do concreto e do conhecido para o abstrato e o desconhecido, E, em um
sistema de “inclusões encadeadas”, eram-lhe inculcados valores moralizadores e
patrióticos que, aos poucos, podiam ser transpostos do solo natal para o novo país e a
nova cultura que se descortinava.
3. A metodologia direta
Em 1931, a República impõe, com a reforma Francisco de Campos, uma nova
metodologia de ensino de línguas, destinada a “fazer falar” os alunos que, até então, só
praticavam a compreensão e a expressão escrita, a tradução e a versão. Segundo
Chagas:
No que tange à orientação propriamente didática, o regime de 1931 constituiu a
primeira tentativa realmente séria já empreendida entre nós para atualizar o
estudo dos idiomas modernos. Outros fins foram visados e novos processos de
ensino se recomendaram para adoção do que se chamou o “método direto
intuitivo” (Chagas, 1957:110).
A metodologia direta já havia sido implantada na França em 1901 e —
rompendo completamente com a metodologia tradicional, à qual criticava o fraco
desempenho de comunicação dos aprendizes — tinha como principais orientações 1. o
ensino das palavras estrangeiras sem passar pelo intermediário de seus equivalentes na
língua materna do aluno; 2. o ensino da língua oral sem passar pelo intermediário de sua
forma escrita; 3. o ensino da gramática sem passar pelo intermédio de sua regra
explícita (Puren, 1988).
A implantação de uma metodologia que privilegiava o oral era resultante
também de uma demanda social de maior praticidade no aprendizado de uma língua
estrangeira e da necessidade francesa de conquista de novos espaços. Pode-se ler nas
Instruções Oficiais francesas de 1901 (apud Puren, 1988:99) : “O conhecimento prático
das línguas vivas tornou-se uma necessidade tanto para o comerciante e o industrial
quanto para o sábio e o letrado”.
As aulas se baseavam em situações concretas do próprio ambiente escolar, sendo
o professor o responsável pela descrição das mesmas e pela introdução de todos os
elementos necessários à sua compreensão: o professor nomeava objetos, descrevia
gestos, atitudes e movimentos rotineiros de sua prática, tais como abrir a porta, fechar a
janela, apontar algo ou alguém. Depois de realizadas, essas situações suscitavam
diálogos de tipo pedagógico, em sentido único e na forma interrogativa (pergunta do
professor, resposta do aluno). Essa prática da denominação e da descrição do real,
seguida das constantes repetições orais, obrigava assim o aluno a se «impregnar» do
sentido e a ele aceder diretamente, uma vez que a tradução interlingual estava
completamente banida do curso.
Se no método gramática-tradução o ponto de partida eram os textos, no método
direto este era o léxico e as estruturas básicas da língua (interrogação, negação,
afirmação). Assim, por exemplo, no método de Marc Valette, La méthode directe
12
ESTUDOS LINGÜÍSTICOS, São Paulo, 37 (2): 7-16, maio-ago. 2008
(Londres: Hachette & Cia, 1914), a primeira lição se inicia pela aprendizagem de uma
série de palavras e construções consideradas básicas para o desenrolar de uma aula:
Le bras, le doigt, le pied. Est-ce le bras? Est-ce le doigt? Est-ce le pied? Oui,
c’est le bras. Non, ce n’est pas le bras, c’est le doigt (Valette, 1914:3)
Procurando oferecer ao aluno uma língua mais cotidiana, que pudesse ser
utilizada em seu dia-a-dia, a metodologia direta abusava de textos fabricados, artificiais
e destinados sobretudo à aquisição lexical, prioridade da que se traduzia na
memorização, por parte do aluno, de listas inteiras de palavras. Um exemplo desse tipo
de texto e do trabalho lexical proposto pode ser visto na décima-quarta lição do método
Le Français par la méthode directe II (Robin, Bergeaud, Paris: Librairie Hachette
1951):
Le cerveau se trouve dans le crâne. La circulation du sang se fait par le coeur, les
artères (une artère) et les veines (une veine). (...) Le géant est un homme très
grand qui a souvent plus de deux mètres de hauteur (*la hauteur). Un nain (une
naine) est un homme qui reste tout petit. (p.33)
Mais uma vez, além dos processos ditos “intuitivos”, tais como gestos e
mímicas, e dos recursos como a demonstração de objetos, de imagens e exemplos, não
se sabe bem ao certo como o aluno construía o sentido das palavras e do próprio texto,
que nada mais era do que um conjunto de frases sem qualquer coesão ou característica
realmente textual.
Na medida em que vão se esgotando as situações passíveis de uma
demonstração na própria sala de aula, recorre-se a imagens que ilustram, por exemplo,
um dia de inverno, uma casa, a fazenda. Aos poucos também a leitura, a escrita e o
estudo da gramática vão sendo integrados ao método, mas percebe-se que a questão do
trabalho com textos mais longos e a compreensão da escrita é um problema de difícil
solução.
No manual Lecture expliquée – Le Français par plaisir - Dois últimos anos do
curso ginasial, de J. de Matos Ibiapina (Porto Alegre – Edição da Livraria do
Globo,1941), o autor aponta no prefácio as dificuldades de trabalho com a metodologia
direta:
(...) O método direto exige que o professor argua todos os alunos, todos os dias
de aula, fazendo a cada um tantas perguntas quantas forem necessárias à
assimilação perfeita do vocabulário de cada lição. Isso não é possível em turmas
de mais de quinze alunos. Nos ginásios e escolas normais do Brasil, as turmas
são, na sua generalidade, de mais de trinta alunos, o que torna dificílima a
aplicação eficiente do método direto.
Para dar conta dessa situação, Ibiapina propõe o fim do uso das seletas e
coletâneas e apresenta em seu método leituras agradáveis e de temas apropriados “que
divirtam o aluno e arrastem-no a compreensão do texto, levado menos pela obrigação da
tarefa a executar do que pelo prazer de chegar ao fim da história, da anedota, do
‘’calembour’’ etc.”.
ESTUDOS LINGÜÍSTICOS, São Paulo, 37 (2): 7-16, maio-ago. 2008
13
As dificuldades metodológicas encontradas geram novas publicações menos
radicais, como o Cours de français – méthode semidirecte à l’usage des écoles
supérieures, lycées et collèges. 1ère année, de Suzanne Burtin-Vinholes (Porto Alegre:
Edição da Livraria do Globo - Barcellos, Bertaso & Cia,1934). Neste método, a autora –
francesa — afirma que não é possível trabalhar com o método direto na escola, tal como
ela o faz em suas aulas particulares:
Após alguns meses de ensino na Escola Normal desta cidade onde o número de
alunos é muito elevado chegamos à conclusão que era necessário empregar o
meio têrmo, isto é, das lições práticas e teóricas (...).
Sendo assim, embora o método direto se mostrasse eficaz em suas aulas
particulares, a autora admite que este encontrava problemas quando se tratava de uma
classe numerosa, propondo então um método “semidireto”, com exercícios de
gramática, fonética e conversação. O manual traz ainda lições de dificuldade gradativa,
propondo a leitura e o comentário de trechos escolhidos de grandes autores. Além da
descrição do próprio manual, a autora também sublinha que seguiu “escrupulosamente”
os programas do Colégio Pedro II e o programa da Escola Normal do Rio de Janeiro.
Outro aspecto bastante importante desse prefácio refere-se à importância
atribuída aos laços que ligam a França ao Brasil como um meio de facilitar a
aprendizagem da língua:
Procurando facilitar aos jovens brasileiros o estudo de nossa língua, pensamos
estreitar os laços de solidariedade e simpatia que ligam a nossa pátria à risonha
terra brasileira.
Isso pode ser percebido principalmente no final do livro, onde é apresentada
uma série de textos sobre o Brasil, suas cidades e belezas naturais.
Trazer para o aluno brasileiro elementos de seu ambiente é também um dos
recursos utilizados por Edgard Liger Belair, no método Francez pelo methodo direto
(Rio de Janeiro: Livraria Educadora Eugenio Braga da Silva, 1932), adotado no Colegio
Pedro II. Professor catedrático de Francês não apenas desta instituição (para a qual
escreveu uma tese de ingresso na cátedra de francês – Prêmio Faguet, 1953 –
“Comment La Fontaine est devenu fabuliste”), mas também do Externato Frei de
Guadalupe, da Faculdade de Humanidades Pedro II e da Faculdade de Filosofia Souza
Marques do Rio de Janeiro, Belair faz parte do grupo dos grandes mestres de francês de
nossa história: escreveu prosa, poesia, livros infantis, fábulas, canções, teatro, filmes
educativos, fez traduções e versões. Em suas Fables de mon Brésil (Rio de Janeiro:
Livraria Educadora Eugenio Braga da Silva, 1938),, encontramos histórias com várias
animais brasileiros como “L’once et le chat”, “Le caracara et le busard”, “Le tamanoir
et le tatou”, “L’ara et le jaboti”, “Le jeune singe et les combucas”, “Le coati, le maître et
le valet”.
Percebe-se, dessa forma, que o valor moral dos textos presentes nos métodos
permanece, mas com temas mais próximos ao aluno, no caso, brasileiro. Isso condiz
com a própria gradação dos temas no método direto, que parte dos universos e
referências mais próximos do jovem aprendiz para, aos poucos, levá-lo à literatura
francesa que continuava a fazer parte do programa nos níveis mais avançados (3º e 4º
anos do Ginásio) e trabalhados segundo a metodologia gramática-tradução, uma vez que
14
ESTUDOS LINGÜÍSTICOS, São Paulo, 37 (2): 7-16, maio-ago. 2008
não se descobriu um modo de fazer o aluno compreender diretamente um texto escrito
em língua estrangeira....
4. Conclusão
O que podemos observar no espaço de tempo aqui analisado — que vai da
implantação do francês na escola secundária até as vésperas da Reforma Capanema, em
1942 — é a grande preocupação em, pelo ensino do idioma francês, trazer uma
formação literária e humanística ao aluno brasileiro, focalizando, é claro, a importância
cultural francesa na época, mas buscando um diálogo com esse aluno, tanto por meio
dos conteúdos veiculados quanto por meio da metodologia utilizada.
O manual de francês contribuiu, dessa forma, para a construção da cultura que
imperava no início e meados do século XX, cultura que, segundo Jérôme Bruner (1986),
é um fenômeno simbólico, produzido pelo homem, que legitima a realidade de certos
produtos do espírito em detrimento de outros e, o mais importante a nosso ver, é
construída:
A cultura é construída.(…) E embora seja transmitida de geração em geração,
ela deve ser, a cada vez, reatualizada e relegitimada pela nova geração. O que dá
a uma cultura sua continuidade « intergeracional » são as obras que ela cria e
que transmite de uma geração à próxima: sua ciência, suas artes, suas leis, seus
dispositivos institucionais, sua mitologia (Bruner, 1986:7)
Os manuais aqui apresentados são as obras que nos permitem, hoje, melhor
compreender a escola e a educação brasileira no contato que estabeleceram com outras
culturas.
Notas:
1
Manual escolar: “um conjunto de normas que definem conhecimentos a ensinar e
condutas a inculcar, e um conjunto de práticas que permitem a transmissão desses
conhecimentos e a incorporação desses comportamentos; normas e práticas coordenadas
a finalidades que podem variar segundo as épocas (finalidades religiosas, sociopolíticas
ou simplesmente de socialização)” (JULIA, 2001:10).
2
São Paulo, Casa Garraux, Fischer Fernandes & Cia, Successores. 40, rua da
Imperatriz, 40. Paris, 15, rua d’Hauteville, 15. Typografia A. Parent, 52, Rua Madame
et rua Corneille, 3. A edição que nos serve de referência, sabe-se pelo “Aviso aos
editores”, data de 40 anos após a primeira edição e é dedicada, em particular, “á
mocidade que frequenta os collegios, e aos mancebos que se preparão para depois nas
Academias e nas Faculdades, entregarem-se a estudos mais elevados”
Referências
BOURDIEU, Pierre. Systèmes d’enseignement et systèmes de pensée, Revue
Internationale des Sciences Sociales, Paris: Unesco, vol. 3, pp. 367-409, 1967.
ESTUDOS LINGÜÍSTICOS, São Paulo, 37 (2): 7-16, maio-ago. 2008
15
BRUNER Jérôme. Culture et modes de pensée: L’esprit humain dans ses oeuvres, Paris,
Retz, 1986.
CHERVEL, André. História das disciplinas escolares. Reflexões sobre um campo de
pesquisa, Teoria & Educação, nº2, Porto Alegre: Pannonica Editora, 1990, pp.
177-229.
COSTE, Daniel. Le renouvellement méthodologique dans l’enseignement du français
langue étrangère, in BOUACHA, A. Sel. — La pédagogie du français langue
étrangère. Paris: Hachette, pp. 10-28, 1978.
GOHARD-RADENKOVIC, Aline. Représentations culturelles véhiculées sur l’
Orient et l’Occident dans un manuel intitulé Le Tour d’Europe. in SALEMA,
M.J., KAHN, G. dir. – Atas do Colóquio L’enseignement de la langue et de
littérature françaises dans la seconde moitié du XIX e siècle, Documents pour
l’histoire du français langue étrangère ou seconde, n.23, Saint-Cloud: SIHFLES,
1999.
JULIA, Dominique. A cultura escolar como objeto histórico, Revista Brasileira de
História da Educação, Campinas, n. 1, p. 9-44, 2001.
MINERVA, Nadia (dir.). Les Aventures de Télémaque: trois siècles d’enseignement du
français, Atas do Colóquio organizado em Bolonha, de 12 a 14 de junho de 2003.
Revista Documents pour l’histoire du français langue étrangère ou seconde ,
Saint-Cloud: SIFLES, nº 30, 2003.
NEEDELL, Jeffrey. Belle époque tropical : sociedade e cultura de elite no Rio de
Janeiro na virada do século, São Paulo, Companhia das Letras, 1993.
PASSOS, Gilberto Pinheiro. Cintilações Francesas, Revista da Sociedade Filomática,
Machado de Assis e José de Alencar. São Paulo: Ed. Nankin, 2006.
PUREN, Christian. Histoire des méthodologies de l'enseignement des langues, Paris :
Clé International, 1988.
SOUZA, Antônio Cândido de Mello e. O francês instrumento de desenvolvimento, in
SOUZA, Antônio Cândido de Mello e 1977 – O Francês Instrumental, a
experiência da Universidade de São Paulo, São Paulo: Hemus, pp. 9-17, 1977.
VECHIA, Ariclê, LORENZ, Karl Michael. (orgs.). Programa de ensino da escola
secundária brasileira 1850-1951, Curitiba: Editora do Autor, 1998.
16
ESTUDOS LINGÜÍSTICOS, São Paulo, 37 (2): 7-16, maio-ago. 2008
Fly UP