...

Atuação da Fisioterapia na Miastenia Grave: Estudo de Caso

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

Atuação da Fisioterapia na Miastenia Grave: Estudo de Caso
Atuação da Fisioterapia na Miastenia Grave:
Estudo de Caso
Role of Physical Therapy in Myasthenia Gravis: Study Case
relato de caso
doi: 10.4181/RNC.2014.22.817.6p
Anderson Rolim de Brito1, Elisangela Vilar de Assis2,
José Humberto Azevedo de Freitas Junior3
RESUMO
ABSTRACT
Objetivo. O objetivo deste estudo foi analisar a atuação da fisioterapia
na Miastenia Grave (MG) por meio de um caso clínico. Método.
O método compreendeu o relato de um paciente do sexo feminino,
acometida por MG, submetido a um programa de atividades fisioterapêuticas, com três sessões semanais, com duração de 50 minutos cada
uma, em dias alternados, totalizando 15 sessões. Utilizou-se técnicas
de alongamento e fortalecimento muscular, associadasà técnicas de
hidroterapia pelo método BadRagaz. Resultados. Os resultados apresentaram ganhos na motricidade, sensibilidade, trofismo muscular,
reflexos superficiais, reflexos profundos e força muscular. Conclusão.
Em conclusão, observou-se que este programa fisioterapêutico, nesta
pessoa acometida por MG, mostrou-se capaz de melhorar seu desempenho motor, trazendo, consequentemente, benefícios funcionais.
Objective. The aim of this study was to analyze the role of physiotherapy in Myasthenia Gravis (MG) through a case study. Method.
The method comprised a case report of a female patient, affected by
MG, undergoes a program of physiotherapy activities. Was conducted
with three physical therapy sessions weekly for fifty minutes each on
alternate days, totaling 15 sessions, using techniques of stretching and
strengthening exercises, hydrotherapy techniques associated with the
method Bad Ragaz. Results. The results showed gains in motor function, sensitivity, muscle tropism, superficial reflexes, deep tendon reflexes and muscle strength. Conclusion. In conclusion, we observed
that the physical therapy program, this person affected by MG, was
able to improve motor function, thus bringing functional benefits.
Unitermos. Doenças Neuromusculares, Miastenia Gravis, Hidroterapia, Fadiga Muscular.
Keywords. Neuromuscular Disorders, Myasthenia Gravis, Hydrotherapy, Muscle Fatigue.
Citação. Brito AR, Assis EV, Freitas Junior JHA. Atuação da Fisioterapia na Miastenia Grave: Estudo de Caso.
Citation. Brito AR, Assis EV, Freitas Junior JHA. Role of Physical
Therapy in Myasthenia Gravis: Study Case.
Trabalho realizado na Faculdade Santa Maria, Cajazeiras-PB, Brasil.
1.Fisioterapeuta, Pós-Graduando em Recursos Cinesioterapêuticos da Faculdade Santa Maria, Cajazeiras-PB, Brasil.
2.Fisioterapeuta, Mestre em Ciências da Nutrição pela UFPB, Professora Assistente da Faculdade Santa Maria, Cajazeiras-PB, Brasil.
3.Fisioterapeuta, Mestrando em Ciências do Desporto pela UTAD, Professor
Auxiliar da Faculdade Santa Maria,Cajazeiras-PB, Brasil.
Endereço para correspondência:
José Humberto Azevedo de Freitas Júnior
Rua: Antônio Jovino de Lima, 58, Apto.104, Bessa
CEP 58035-480, João Pessoa-PB, Brasil.
E-mail: [email protected]
Rev Neurocienc 2014;22(1):53-58
Relato de Caso
Recebido em: 17/07/12
Aceito em: 27/10/13
Conflito de interesses: não
53
relato de caso
54
INTRODUÇÃO
A Miastenia Grave (MG) configura-se como uma
doença neurodegenerativa que provoca diversas limitações. Apesar dos estudos na área, as causas e o tratamento
definitivo desta doença ainda não estão claramente definidos. A sua baixa incidência dificulta a realização de
pesquisas envolvendo um grupo maior de pessoas diagnosticadas. MG é uma desordem neuromuscular crônica
que pode ser classificada em ocular ou generalizada. O
envolvimento ocular é frequentemente o primeiro sinal
de MG com pacientes queixando-se de diplopia e ptose
assimétrica flutuantes; em seguida, começam os episódios
de fraqueza muscular1.
Esta fraqueza origina-se de alterações na placa motora, sinapse neuromuscular, devido a ação de anticorpos
contra os receptores pós-sinápticos de acetilcolina (ACh).
A redução no número de receptores íntegros para a interação com a ACh livre gera uma transmissão falha na
placa terminal, prejudicando a contração muscular1-3.
Em consequência, há diminuição da força dos músculos em ações voluntárias, geralmente quando o indivíduo realiza esforços e movimentos repetitivos. A fadiga
gerada pelo recrutamento muscular regride quando cessa
o esforço3. O surgimento de sinais e sintomas alterna-se
em períodos de exacerbação e remissão. Qualquer músculo esquelético pode ser acometido, no entanto, aqueles
inervados por nervos cranianos, principalmente, os inervados pelos núcleos bulbares, parecem ser os que apresentam maior comprometimento, causando diplopia, ptose,
disfagia, disartria e acometimentos respiratórios4,5.
Como forma de minimizar as limitações da MG,
o papel da Fisioterapia consiste na elaboração do diagnóstico cinesio-funcional e na programação terapêutica
direcionada a cada caso, objetivando os benefícios dos
exercícios terapêuticos e suas variáveis metabólicas e psicológicas, com consequente impacto na melhora da qualidade da vida destes pacientes1.
A fisioterapia também age na prevenção de complicações decorrentes do sedentarismo e do uso prolongado de corticoides, os quais aumentam os riscos de doenças secundárias como aterosclerose e dislipidemias6.
Assim, o estudo deste caso objetivou analisar a
evolução da função motora de um paciente com miastenia grave submetido a sessões de fisioterapia.
MÉTODO
Trata-se de um relato de caso, com abordagem
quantitativa e experimental, realizado na Clínica Escola
Integrada da Faculdade Santa Maria em Cajazeiras – PB.
O mesmo obedeceu os princípios éticos e legais da resolução nº 196/96, sendo iniciado após aprovação do Conselho de Ética em Pesquisa da Faculdade Santa Maria,
protocolo nº 626122010, e esclarecimento e assinatura
do Termo de Consentimentos Livre e Esclarecido pela
participante.
Participou do estudo um paciente acometidopor
Miastenia Grave, do sexo feminino, com 21 anos de idade.
Os procedimentos consistiram de coleta de dados e aplicação de técnicas fisioterapêuticas. Inicialmente, realizou-se anamnese com coleta de dados sobre sua
identificação, queixa principal, história da doença atual,
história patológica pregressa e familiar, medicamentos
utilizados, estado de moradia, hábitos alimentares. Em
seguida, realizou-se exame físico com a coleta dos sinais
vitais, assim como os demais testes que se seguem, foram
mesurados usando-se o valor absoluto obtido em apenas
uma tentativa. Os sinais vitais apresentaramos seguintes valores: temperatura: 36,7ºC, frequência cardíaca:
80bpm, frequência respiratória: 16ipm e pressão arterial:
110 x 70mmHg. Na realização dos testes neurológicos
aplicou-se: a) Avaliação da força muscular, por meio
do teste manual, graduado de 5 a 0, no qual o paciente
era orientado a realizar um movimento contra uma determinada resistência; b) Teste de motricidade, no qual
observou-se a execução de movimentos ordenados pelo
examinador, como: erguer as pernas estendidas, sendo
a paciente orientada a elevar da mesa de avaliação, um
membro inferior de cada vez, sem fletir o joelho, na máxima flexão de quadril que ela conseguisse. Também foi
orientada a realizar a dorsi-flexão e flexão-plantar dos tornozelos, no máximo da amplitude articular que ela conseguisse; um tornozelo de cada vez. Também foi orientada
a fletir e estender as articulações metacarpofalangeanas e
interfalangeanas dos dedos dos pés, no máximo da amplitude articular que ela conseguisse; c) Avaliação do Tônus
muscular, realizado pela palpação do ventre muscular; d)
Trofismo muscular, verificado pela medida deperimetria
do músculo; e) Testes de Amplitude de movimento, por
goniometria; f ) Coordenação motora, pelos testes indexRev Neurocienc 2014;22(1):53-58
Rev Neurocienc 2014;22(1):53-58
movimentava pela água, com apoio axilar. Ao atingir o
cansaço, descansava e realizava o mesmo exercício com a
pelve esquerda.
A análise dosdados se deu pela observação dos valores mensurados a cada ciclo de cinco sessões de fisioterapia. Os dados foram apresentados ao longo do tempo
em valores absolutos, dispostos em tabelas.
relato de caso
-nariz e calcanhar-joelho; g) Avaliação de Equilíbrio, com
a aplicação dos testes de Romberg; h)Avaliação da Sensibilidadeutilizando-se sobre a pelealgodão(táctil), alfinete
(dolorosa), tubos de ensaio gelado e morno (térmica), e,
diapasão de 128 vibrações por minuto (vibratória). i) Verificação de Reflexos como o superficial, pela aferição dos
reflexos cutâneo-abdominal e cutâneo-plantar e profundo, por meio dos reflexos bicipital, tricipital e aquileu. A
cada cinco sessões, repetia-se esta avaliação, totalizando
quatroavaliaçõesno final do estudo.
Após a avaliação inicial, o paciente foi submetido a
um programa de atividades fisioterapêuticas durante três
dias na semana, com duração de 50 minutos cada sessão, com intervalo de um dia entre as sessões, totalizando 15 atendimentos. As sessões consistiam de três séries
de alongamentos passivos com duração de 30 segundos
cada uma,para os músculos adutores e abdutores, flexores
e extensores do quadril, flexores e extensores de joelhos,
tríceps sural, peitorais, bíceps braquial, tríceps braquial,
flexores e extensores dos punhos, adutores e abdutores,
extensores e flexores dos ombros.
Após as atividades de alongamento, com intuito de
deixar as fibras musculares mais distensível7,8, preparando
para os exercícios de hidroterapia, pelo método BadRagaz,
que emprega flutuadores, exercíciosisotônicos e ativo-assistidos foram realizados para ganho de força muscular,
em 3 séries com 10 repetições para cada grupo muscular:
adutores e abdutores; flexores e extensores e os rotadores
de quadril; flexores e extensores do joelho;dorsi-flexores
e flexores plantares; peitorais; extensores e flexores, abdutores e adutores e os rotadores dos ombros; flexores e
extensores dos cotovelos; flexores, extensores e adutores
de punhos. Nestes exercícios foram utilizados halterese
bastões de espuma sintética apropriadospara atividade em
meio aquático, com peso inferior a meio quilo. Pausas de
45 segundos entre as séries de exercícios foram realizadas
para evitar a fadiga muscular.
Exercícios isométricos e em diagonal, também típicos do método BadRagaz, foram utilizados, levando-se
em consideração a capacidade da paciente e suas limitações. A postura em isometria cessava quando a paciente
referia cansaço. Nestes exercícios a paciente era orientada
a ficar sobre os flutuadores e rodar a pelve direita para
cima e, assim, permanecendo enquanto o terapeuta a
RESULTADOS
Os dados com melhora funcional estão ilustrados
na Tabela 1. Observa-se progressão funcional nas avaliações de motricidade, tônus, sensibilidade e de reflexos.
A Tabela 2 apresenta a evolução de força muscular.
Houve melhora da função da maioria dos grupos musculares trabalhados, exceto abdutores e flexores de ombro.
DISCUSSÃO
Quando atividades são realizadas no meio aquático, ocorrem ganhos na melhora das disfunções neuromusculares, como visto no trabalho de Biasoli e Machado9. A
hidrocinesioterapia promove um melhor ajuste do tônus
muscular levando a uma reabilitação neuro-sensório-motora, devido à resistência imposta pelo meio, e diminuição do peso corporal. Nas doenças neuromusculares este
ambiente previne a fadiga e fornece estímulos sensoriais9.
Em nosso estudo de caso observamos que a atividade física em ambiente aquático melhorou a motricidade, provavelmente devido ao melhor ajustamento do
tônus muscular. Na miastenia grave a hipotonia chega a
ser grave a ponto de inibir os movimentos articulares pela
falta de contração muscular. Com a inversão deste quadro, total ou parcial, percebe-se maior motricidade, que
é revertida em forma de maior independência da pessoa
acometida pela doença.
A sensibilidade e o tônus muscular, apresentaram
melhora da sua condição, também observado no estudo
de Romão e Caetano. Estes pesquisadores afirmam que
a hidroterapia é eficaz no trabalho de adequação destas
duas variáveis, equilibrando todo o esquema corporal10.
A percepção do tato e dos estímulos dolorosos
melhoraram na paciente de nosso estudo, corroborando
com as afirmativas de Romão e Caetano. Em ambos os
estudos, a hidrocinesioterapia mostrou-se como uma técnica eficaz e apropriada para as doenças neuromusculares,
55
relato de caso
Tabela 1
Variáveis com melhora da função após a submissão do programa fisioterapêutico
1ª avaliação
2ª avaliação
3ª avaliação
4ª avaliação
D
E
D
E
D
E
D
E
Erguer pernas estendidas
0
0
1
1
2
2
3
3
Estender e fletir pés
1
1
2
2
3
3
3
3
Tônus / palpação
1
1
1
1
2
2
2
2
Tátil
2
1
2
2
3
3
3
3
Dolorosa
2
2
2
2
3
3
3
3
Cutâneo-Abdominal
2
2
2
2
2
2
3
3
Cutâneo-Plantar
0
0
0
0
1
1
2
1
Biciptal
0
0
1
1
1
1
2
2
Triciptal
0
0
1
1
1
1
1
1
Aquileu
1
1
1
1
2
1
2
1
Motricidade
Sensibilidade
Reflexos Superficiais
Reflexos Profundos
D = direito. E = esquerdo. Motricidade, 0 = ausência total de movimento, 1 = pouco movimento, 2 = movimento moderado, 3 = movimento normal. Tônus muscular, 0 = visível hipotonia, 1 = moderado de hipotonia,
2 = leve hipotonia, 3 = tonus muscular normal. Sensibilidade, 0 = nenhuma sensibilidade, 1 = pouca sensibilidade, 2 = sensibilidade moderada, 3 = sensibilidade normal. Reflexos superficiais e profundos, 0 = arreflexia, 1
= pouca resposta motora, 2 = moderada resposta motora, 3 = resposta motora normal.
Tabela 2
Comportamento da força muscular após a submissão do programa fisioterapêutico
Av. inicial
Av. final
Av. inicial
Av. final
MMSS
D
E
D
E
MMII
D
E
D
E
Abdutores do ombro
3
3
3
3
Flexores do quadril
1
1
3
3
Adutores do ombro
3
3
4
4
Abdutores do quadril
1
1
3
3
Flexores do ombro
3
3
3
3
Adutores do quadril
1
1
3
3
Flexores do cotovelo
3
3
4
4
Flexores do joelho
2
2
3
3
Extensores do cotovelo
3
3
4
4
Extensores do joelho
2
2
4
4
Flexores do punho
3
3
4
4
Extensores do quadril
1
1
3
3
Extensores do punho
3
3
4
4
Dorsi-flexão
3
3
4
4
Flexão-plantar
3
3
4
4
Av. = Avaliação. 1 = contração muscular sem movimento articular. 2 = contração muscular com movimento articular
sem a ação da gravidade. 3 = contração muscular com movimento articular contra a ação da gravidade. 4 = contração
muscular com movimento articular contra uma leve resistência.
como a miastenia grave. O conforto e as propriedades
físicas da água são capazes de atuar na percepção de sentidos, pela melhora na função dos receptores cutâneos,
como os de Meisnner e as terminações nervosas livres,
e da sua condução pelos nervos periféricos aos centros
nervosos superiores, capazes de interpretá-los.
56
As doenças neuromusculares como a MG representam uma extensa lista de disfunções que comprometem a unidade motora, a junção neuromuscular e, consequentemente, o tecido muscular esquelético, gerando
perda funcional que leva a atrofia muscular por desuso,
agravando o processo evolutivo da doença inicial. Em seu
Rev Neurocienc 2014;22(1):53-58
Sinais vitais
Avaliação inicial
Avaliação final
Temperatura
36,7ºC
36,7ºC
Frequência cardíaca
80bpm
80bpm
Frequência respiratória
16ipm
16ipm
110 x 70mmHg
110 x 70mmHg
Pressão arterial
ºC = grau centígrado. bpm = batimentos por minuto. ipm = incursões por
minuto. mmHg = milímetros de mercúrio
levantamento bibliográfico, Tarini, Vilas, Cunha, Oliveira11, observaram na maioria dos estudos, benefícios
proporcionados pelos exercícios em doenças neuromusculares, porém, aconselham evitar generalizações devido
às particularidades de cada doença.
O nosso estudo de caso mostrou que um programa
fisioterapêutico estruturado e direcionado foi eficiente
para ganho de força e amplitude de vários grupos musculares, sem provocar dor ou fadiga muscular que prejudicassem o desempenho locomotor da paciente.
Uma das principais características da MG é a diminuição da força que está intimamente ligada à fadiga
muscular. A utilização de exercícios para ganho de força
e resistência mostrou-se eficaz no nosso caso. O relato de
caso publicado por Davidson, Hale, Mulligan12, também
sugere a importância dos exercícios físicos nestes dois
pontos. Eles estudaram paciente miastênico de 78 anos
de idade, com incapacidade de elevar os braços acima da
cabeça, dificuldade na marcha, fraqueza e fadiga muscular
generalizada. Após um programa de treinamento aeróbio
e resistência muscular para MMII, a avaliação mostrou
redução significativa de fadiga e elevação moderada do
grau de força muscular dos músculos extensores e flexores
do quadril, e extensores do joelho.
Nosso relato de caso, apesar da diferença de idade
entre os pacientes, coincide os resultados de Davidson,
Hale e Mulligan. Mais uma vez, indivíduos miastênicos
expostos a programas de fortalecimento muscular tem
seu desempenho muscular melhorado. Mesmo diante de
uma idade avançada e dos desgastes neuromusculares que
são típicos da terceira idade, foi fundamental o tratamento físico. A miastenia grave associada à idade avançada é
uma combinação condenatória ao indivíduo no leito.
Rev Neurocienc 2014;22(1):53-58
A associação de exercícios para ganho de força aos
recursos da hidroterapia são realmente válidos, principalmente com o emprego de algumas ferramentas que
possam diminuir ou aumentar a resistência imposta pela
água. De acordo com Carenzi e Cunha13, a própria viscosidade da água pode graduar os exercícios ativos, resultando em ganho de força e, a utilização de acessórios especiais, torna possível aumentar a resistência ao movimento
na água. Contudo, deve ser levada em conta a frequência
e a duração das séries e, principalmente, o quadro clínico
do paciente.
Nosso programa realizado na água baseou-se nas
propriedades físicas da água, juntamente com o ambiente físico, diferente dos ambulatórios convencionais. Tais
condições estimularam nossa paciente a ter disciplina e
aderência ao tratamento, comparecendo em todas as sessões terapêuticas.
Na literatura outros autores citam a hidroterapia
como recurso relevante no tratamento da MG. De acordo
com Silva6, os pacientes miastênicos são capazes de seguir uma conduta de exercícios de hidroterapia, a ponto
de aumentar seu condicionamento e desempenho físico,
evoluindo fisiologicamente e estagnando a evolução da
doença com diminuiçãodas sequelas.
A cautela na realização dos exercícios, permitindo
a recuperação da musculatura entre uma série e outra e a
reestruturação das fibras entre as sessões, também contribuiu para a evolução do quadro da paciente. Em sua pesquisa, Santos1 relata que programas de exercícios de baixo
impacto e bem monitorados são indicados para pacientes
com doenças neuromusculares, por evitarem a degeneração das fibras musculares, o que não acontece quando
estes são expostos a atividades físicas exageradas, ou seja,
com duração e resistência capazes de fadigá-los e tornar o
exercício desconfortável na sua realização.
O trabalho de Santos1, reforça a filosofia do programa físico utilizado no nosso relato de caso: séries de
baixo impacto e repetições, evitando fadiga muscular.
Embora, em situações convencionais, a fadiga muscular
possa ser o estimulante para a melhora da desempenho
muscular, em nosso caso a atividade física permaneceu na
tênue linha entre fadigar o músculo devido estimulação,
mesmo que numa intensidade leve, e não estimulá-lo pela
falta de intensidade adequada, pois qualquer estímulo a
relato de caso
Tabela 3
Comportamento dos sinais vitais após a submissão do programa fisioterapêutico
57
relato de caso
mais pode gerar fadiga.
A revisão sistemática realizada por Cup EH, Pieterse AJ, Broek-Pastoor JMT, et al14, mostra que métodos
mais confiáveis de avaliação dos programas de tratamento
da miastenia grave devem ser utilizados para se mensurar os resultados. Concordamos com esta afirmação, pois
com o uso de instrumentos mais precisos e de um maior
controle na evolução do programa, é possível chegar a
resultados mais acurados. Os testes que podem ser influenciados pela subjetividade, embora utilizados pela comunidade científica, não permitem conclusões assertivas.
CONCLUSÃO
Em nosso relato de caso observamos que técnicas
de Fisioterapia podem auxiliar na melhora da motricidade, sensibilidade, tônus muscular, reflexos superficiais e
profundos e principalmente na força muscular em paciente com miastenia grave.
A melhora desses parâmetros podem aumentar a
capacidade funcional destes pacientes, interferindo de
forma positiva na realização das atividades diárias, na
marcha, na diminuição da dependência, na fadiga muscular e na fraqueza, comuns nos indivíduos miastênicos.
A importância do tema confrontada com a escassez de estudos nesta área é um desafio para novas investigações, possibilitando trazer maior conhecimento dos
recursos fisioterapêuticos a serem utilizados na miastenia
grave.
58
REFERÊNCIAS
1.Santos FRM, Tiago APPP, Fonseca AL, Christofoletti G. Revisão da fisioterapia na miastenia grave. Rev Movim 2008;1:16-22.
2.Rezer G, Bagatini A, Gomes CR, Dias ML. Anestesia venosa total para
timectomia em pacientes com miastenia gravis. Relato de caso. Rev Bras de
Anestes 2003;53:39-45.
http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942003000100005
3.Lima MC. Qualidade de vida da pessoa com Miastenia Gravis. (Dissertação)
Fortaleza: Universidade Técnica de Lisboa. Faculdade de Motricidade Humana, 2009, 64p.
4.Bussolotti RM, Boscariol MJ, Girold EHJ. Anestesia ambulatorial para radioterapia em paciente portador de Miastenia Gravis. Relato de caso. Rev Bras
de Anestes 2006;56:419-425.
http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942006000400011
5.Noda JL,Sonoda LT, Sangean M, Fávero FM, Fontes SV, Oliveira ASB. O
efeito do treinamento muscular respiratório na miastenia grave: revisão da literatura. RevNeurocienc 2009;17:37-45.
6.Silva ADS. Tratamento fisioterapêutico em hidroterapia direcionado ao condicionamento físico de paciente portador de miastenia gravis. Cascavel: Faculdade Assis Gurgacz – FAG, 2006, 107p.
7.Conceição AO, Dias GAS. Alongamento muscular: uma versão atualizada.
Lato & Sensu 2004;5:1-6.
8.Kisner C, Colby L.A. Exercícios Terapêuticos fundamentos e técnicas. São
Paulo: Manole, 3. ed., 2003, 1000p.
9.Biasoli MC, Machado CMC. Hidroterapia: aplicabilidades clínicas. Rev Bras
Med 2006;63:225-237.
10.Romão AL, Caetano LF. efeitos da hidrocinesioterapia no paciente portador
de síndrome de down. Corp et Scie 2009;5(2):45-52.
11.Tarini VAF, Vilas L, Cunha MCB, Oliveira ASB. Os exercícios em doenças
neuromusculares.Rev Neurocienc 2005;13:67-73.
12.Davidson L, Hale L, Mulligan H. Exercise prescription in the physiotherapeutic management of Myasthenia Gravis: a case report. N Z J Physiother
2005;5:13-18.
13.Carenzi T, Cunha MB. Abordagem hidroterapêutica em fortalecimento
muscular para pacientes portadores de distrifiamiotônicadesteinert– uma revisão bibliográfica. Rev Cient UNINOVE 2003;2:83-88.
14.Cup EH, Pieterse A J, Broek-Pastoor JMT, Munneke M, Engelen BGV,
Hendricks HT. Exercise Therapy and Other Types of Physical Therapy for Patients With Neuromuscular Diseases: A Systematic Review. Arch Phys Med
Rehabil 2007;88:1452-64.
http://dx.doi.org/10.1016/j.apmr.2007.07.024
Rev Neurocienc 2014;22(1):53-58
Fly UP