...

Som grave. Como equalizar

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

Som grave. Como equalizar
Som grave. Como equalizar.
Autor: Fernando A. B. Pinheiro
Um rapaz veio dizer que "ama" quando ouve um "pancadão". Tipo esses carros de playboys, que ligam o
som alto e praticamente só se ouve "bum-bum-bum" característico da batida grave da música. Que
quando ouve um grave bem forte, desses que faz tudo tremer, "eu me amarro" nas palavras dele. Na
igreja, o contrabaixo é o seu instrumento preferido, assim como a bateria, e gosta de tudo bem alto.
Isso é questão de gosto, respondi. Eu prefiro os agudos. São os sons que ajudam na questão de
inteligibilidade, são os responsáveis pela clareza e definição do que ouvimos. Mas não posso negar que
um grave bem profundo (subgrave) "mexem" comigo e com toda a população de modo geral. Fiquei
curioso, e quando estiver com um médico vou perguntar, pensei. Meu filho teve que ir à uma
fonoaudióloga, e aproveitei para perguntar isso para ela. Descobri então que existe uma explicação
biológica para esse fato. Os sons graves realmente "mexem com as pessoas".
Ela respondeu o seguinte: os sons graves são ouvidos no ápice da cóclea. Traduzindo: lá no fundinho do
órgão que transforma o som em sinais para o cérebro. O ápice é ligado ao labirinto (responsável pela
nossa sensação de equilíbrio, por isso que problemas no ouvido causam tonteiras) e este é ligado ao
cerebelo, que controla nossas funções básicas: respiração e batimento cardíaco, independente da nossa
vontade.
Os sons graves são poderosos, sendo que abaixo de 60Hz são praticamente mais sentidos que
propriamente ouvidos. Dão a sensação de "peso", "poder" à música. Essas vibrações são tão fortes que
atingem o cerebelo , e ocorre uma alteração na frequência cardíaca da pessoa: o coração passa a bater
no ritmo da batida do grave (que corresponde ao ritmo da música), e isso libera endorfinas, substância
produzida no cérebro que nos dá uma sensação de bem estar. Por isso que existe uma preocupação tão
grande em sonorização ao vivo com os sons graves e principalmente subgraves. São sons "gostosos",
que devem estar presentes na reprodução sonora.
Só que graves e subgraves são difíceis de serem reproduzidos. Exigem movimentações de grandes
quantidades de ar, e isso exige alto-falantes grandes, potentes e caros, amplificadores também potentes
e caros. E por uma questão fisiológica, só ouvimos certos sons graves quando o volume está bem alto, a
partir de 80dB, sendo que quanto maior o volume, melhor ouvimos os graves. Ou seja, realmente não dá
para ouvir o "pancadão" sem incomodar os vizinhos.
Os sons subgraves tem características interessantes:
- eles precisam de woofers grandes - 12", 15" ou 18". Quanto maior o woofer, mais perto de 20Hz ele
responderá (à exceção de falantes especialmente desenhados para frequências graves). Existem caixas
especializadas nisso - os famosos subwoofers, ou simplesmente sub´s.
- precisam de muito volume para serem percebidos por nossos ouvidos (80dB ou mais)
- são ondas ominidirecionais, se espalham por todo o ambiente onde forem reproduzidas, até mesmo
para trás da caixa acústica;
- são dificilmente absorvidas e facilmente refletidas. Superfícies lisas (vidros, paredes, etc) atuarão como
um espelho, refletindo todos os graves e subgraves;
- em locais fechados, costumam ter volume menor próximo às caixas de som e maior quando se está
mais afastado. Quando estamos longe da caixa, ouvimos além da onda sonora original também as
reflexões.
Mas como isso se aplica à uma igreja? Primeiro de tudo, precisamos saber quais são os instrumentos
musicais que conseguem reproduzir essas faixas de frequência. Se analisarmos uma tessitura musical um mapa que mostra diversos instrumentos musicais e suas respostas de frequência, veremos que
poucos instrumentos "falam" abaixo de 80Hz. São eles: o contrabaixo (baixo), o piano, o teclado de 7
oitavas ou mais, trombone, o violoncelo. A bateria também tem no bumbo um forte reprodutor de graves
profundos. Quanto às vozes, pessoas que conseguem reproduzir menos de 100Hz são raríssimas
(mesmo os baixos).
Então, se na sua igreja não tem nenhum dos citados acima, meus parabéns. As caixas de som serão
menores, o gasto com equipamentos será menor, os problemas de acústica serão menores (em geral,
são os graves que "embolam" o som, por causa das suas características de serem ominidirecionais e
pouco absorvidos). Enfim, a vida do operador de som será mais simples. Assim como o louvor, que será
mais simples e todos sempre terão a impressão de que "está falanto algo".
Mas se na sua igreja os instrumentos citados acima existem e são valorizados, e o público da igreja gosta
do "pancadão", então não economize. Compre uns sub´s potentes e consiga um crossover para dividir as
frequências. Algumas mesas de som já vem com saída para subwoofers. Existem até alguns periféricos,
como equalizadores que tem uma saída para graves, exatamente para alimentar um subwoofer. Até
alguns subwoofers já vem com o crossover interno.
Por causa das características dos sons graves, os sub´s podem ficar em apenas um lugar da igreja (em
geral, lá na frente) e seu som alcançará todo o templo. Podem ser instalados no chão mesmo* (um
sistema comum são as caixas de médios e agudos no alto e os subwoofers no chão). Mas lembre-se de
fazer o alinhamento das caixas. Os subs devem estar na mesma linha vertical das caixas de médioagudos (exatamente embaixo delas), e não recuados ou adiantados em relação à elas.
* na verdade, encostado no chão ou no teto. Os subwoofers chegam a ganhar 3dB de volume por
estarem próximos a uma superfície refletora.
Mas se sua igreja é relativamente pequena, o dinheiro para investimentos em sonorização anda curto, a
bateria não é microfonada e o único dos instrumentos citados acima que existe é um contrabaixo elétrico,
as coisas podem ser mais simples. O macete aqui é ter caixas simples para o PA e um cubo para o
contrabaixo. O cubo será o seu subwoofer. Nem precisa colocar o baixo na mesa de som (e nas caixas do
PA), o som do cubo se espalhará e atingirá a todos no ambiente. Característica dos graves.
É uma solução boa pois atende os baixistas (que controlarão seu próprio volume e regulagem - mas
precisa ser educado para evitar exageros), ao operador de som (menos uma coisa para cuidar) e a igreja
(terá o grave que deseja, mas sem gastar muito em equipamentos). As caixas do PA serão menores
(woofer de 10" ou até mesmo 8" são suficientes para voz e a maioria dos instrumentos) e mais baratas,
mas não se perderá em nada a qualidade sonora.
Essa solução poderá ser adotada mesmo em ambientes grandes. O Anfiteatro em que trabalho (5.000
pessoas), por exemplo, tem uma acústica muito ruim. Muitas paredes, muito vidro, quase uma caixa de
sapato. Lá, deixamos o baixo fora da mesa de som, ligado apenas ao seu cubo. Os graves são
perfeitamente audíveis dentro de todo o local. Claro que cada caso é um caso, e experimentações (testes,
testes e mais testes) são sempre bem vindos.
Cuidado com o público da igreja! Jovens gostam mais de sons graves que os idosos. Pessoas idosas tem
uma deficiência natural na percepção de sons agudos, e os graves podem deixar o som "embolado" para
elas. Assim, cultos voltados para jovens podem ter mais "peso" que o público vai gostar. Mas é melhor
"segurar a mão" no caso de reuniões onde há a presença de público misto, e evitar a presença de
subgraves nas reuniões dedicada a um público de maior idade.
E sempre tenha cuidado com quem senta mais distante. Por causa das reflexões, o volume em partes do
recinto mais distantes das caixas pode ficar muito alto, e excesso de graves provoca perda de
inteligibilidade.
Que os sons graves são bons, são! Mas cuidado para o "pancadão" não dar uma "surra" nos ouvidos do
pessoal.
Fly UP