...

Diagnóstico e Tratamento Precoce da Sepse Grave no Adulto

by user

on
Category: Documents
6

views

Report

Comments

Transcript

Diagnóstico e Tratamento Precoce da Sepse Grave no Adulto
C0RP-PROT-CORP-001
DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO PRECOCE DA SEPSE
GRAVE NO ADULTO
DOCUMENTO PREPARADO PELO COMITÊ EXECUTIVO DO PROTOCOLO DE
DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO PRECOCE DA SEPSE GRAVE NO ADULTO
Atualização 2014
Gerente do Protocolo: Dra. M Beatriz Gandra de Souza Dias
Integrantes da Comissão Executiva:
Enfa. DanielIa Vianna Correa Krokoscz
Farm. Graziela G B Moreno
Enfa. Ilka Spinola Furtado
Dr. Jorge Mattar Jr
Dra. Lorena Laborda
Dra. Mirian Dalben Corradi
INTRODUÇÃO
A sepse é uma síndrome caracterizada por um conjunto de alterações graves em todo o
organismo e que tem, como causa, uma infecção. A sepse era conhecida antigamente
como septicemia ou “infecção no sangue”. Hoje é mais conhecida como infecção
generalizada. Essa definição não é totalmente correta porque a infecção não está,
necessariamente, presente em todos os órgãos. Em geral, o diagnóstico infeccioso se
resume a um órgão ou sistema, como, por exemplo, pneumonia, peritonite, meningite,
erisipela etc., mas é suficiente para causar um processo inflamatório em todo o organismo,
ao que chamamos Síndrome da Resposta Inflamatória Sistêmica (SRIS). Tal síndrome
pode ter causas não infecciosas, como é o caso da pancreatite aguda grave, de pósoperatórios de cirurgias grandes, circulação extra-corpórea, algumas intoxicações, etc.
Quando a SRIS tem causa infecciosa , nós a chamamos de SEPSE.
Apesar de ter enorme potencial de gravidade, a sepse é um termo genérico que inclui
pacientes
em
diversos
estágios
da
resposta
inflamatória
sistêmica.
O
termo,
frequentemente, é usado de forma inadequada como sinônimo de infecção. O importante,
é sabermos que todos os pacientes com sepse podem apresentar uma ou mais disfunções
orgânicas e que, quando não tratados em tempo, evoluem invariavelmente para a morte.
Rua Dona Adma Jafet, 91 – 01308-050 – São Paulo – SP – Tel. 55 11 3155.0200
www.hospitalsiriolibanes.org.br
Atualizado em fevereiro/2014
DIAGNÓSTICO:
A sepse é diagnosticada facilmente pelo encontro de pelo menos dois dos
sinais abaixo:
•
Taquicardia: aumento dos batimentos cardíacos (acima de 90 batimentos por
minuto)
•
Febre: aumento da temperatura acima de 38°C (considere também
hipotermia: queda abaixo de 36°C)
•
Taquipnéia: aumento da frequência respiratória (acima de 20 inspirações por
minuto)
•
Outros sinais identificados por exames de laboratório, como aumento ou redução
de leucócitos e acúmulo de ácido lático no organismo.
ESTADIAMENTO
A sepse pode se manifestar de três formas progressivamente mais graves:
•
sepse não-complicada, que implica a existência de um quadro infecioso com
repercussões inflamatórias sistêmicas;
•
sepse grave, que define um quadro de sepse com sinais de disfunção orgânica
aguda como encefalopatia (agitação, confusão ou sonolência), queda da saturação
de O2 ou oligúria, e
•
choque séptico, caracterizado pela hipotensão refratária à expansão volêmica.
Os pacientes mais graves podem evoluir com falência de múltiplos órgãos, com oligúria,
dispnéia, confusão mental ou coma, sangramentos, hipotensão arterial (choque) e morte.
POPULAÇÃO DE RISCO
Algumas pessoas têm maior chance de serem vítimas da sepse:
•
prematuros, crianças abaixo de 1 ano e idosos acima de 65 anos
•
portadores de imunodeficiência por câncer, quimioterapia, uso de corticóide,
doenças crônicas ou AIDS
•
usuários de álcool e drogas ilícitas
Rua Dona Adma Jafet, 91 – 01308-050 – São Paulo – SP – Tel. 55 11 3155.0200
www.hospitalsiriolibanes.org.br
Atualizado em fevereiro/2014
•
vítimas de traumatismos, queimaduras, acidentes automobilísticos e ferimentos por
arma de fogo
•
pacientes hospitalizados que utilizam antibióticos, cateteres ou sondas
EPIDEMIOLOGIA DA SEPSE
A disfunção ou falência de múltiplos órgãos é responsável por 25% da ocupação de leitos
em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) no Brasil. Atualmente a sepse é a principal causa
de morte nas UTIs e uma das principais causas de mortalidade hospitalar tardia,
superando o infarto do miocárdio e o câncer. Na sua forma mais grave (choque séptico)
tem alta mortalidade no país, ultrapassando 60% dos casos, sendo a média mundial em
torno de 37%.
Segundo um levantamento feito pelo estudo mundial conhecido como
Progress, a mortalidade da sepse no Brasil é maior que a de países como a Índia e a
Argentina.
Tabela 1 Mortalidade por gravidade e local de desenvolvimento
Dados obtidos do relatório do Instituto Latino Americano de Sepse (ILAS) “Campanha sobrevivendo a sepse”. Relatório
Nacional de Fev/201418 .* Dados Crit Care Med 2010 38(2):367-374
A sepse, atualmente, é uma das principais geradoras de custos nos setores público e
privado. Isto ocorre devido à necessidade de se utilizarem equipamentos sofisticados,
medicamentos caros e por exigir seguimento minucioso do paciente por parte da equipe
Rua Dona Adma Jafet, 91 – 01308-050 – São Paulo – SP – Tel. 55 11 3155.0200
www.hospitalsiriolibanes.org.br
Atualizado em fevereiro/2014
médica e de enfermagem. Em 2003 aconteceram 398.000 casos e 227.000 mortes por
choque séptico no Brasil, com destinação de cerca de R$ 17,34 bilhões ao tratamento.
Existe um consenso mundial de especialistas sobre as melhores formas de tratar a sepse.
Acreditamos que a aplicação sistematizada das melhores práticas reduz a mortalidade de
modo muito importante. No Brasil, o Instituto Latino-Americano de Sepse (ILAS) tem
liderado os movimentos que objetivam a redução da mortalidade por sepse. Para isso, o
ILAS (http://sepsisnet.org/), em parceria com um grupo de renomadas instituições em
âmbito mundial, elaborou diretrizes para tratamento da sepse, divulgadas na forma de uma
campanha conhecida como Surviving Sepsis Campaign ou Campanha de Sobrevivência à
Sepse.
OBJETIVO PRINCIPAL DO PROTOCOLO SEPSE
No sentido de alinhar o Hospital Sírio Libanês às recomendações da Campanha de
Sobrevivência à Sepse, foi elaborado o “Protocolo de Diagnóstico e Tratamento Precoces
de Sepse Grave em Adultos”. O objetivo maior deste é diminuir a mortalidade associada a
esta grave síndrome. Para tanto, algumas medidas precisam ser tomadas rapidamente,
principalmente início do antimicrobiano (ATM) eficaz na 1ª hora após o reconhecimento de
um quadro de sepse grave, caracterizado como um quadro infeccioso em que aparecem
sinais de disfunção orgânica aguda. Embora esta meta pareça pouco ambiciosa e seja de
conhecimento amplo entre os médicos de serviços de emergência e intensivistas, o gráfico
abaixo mostra que, mesmo em hospitais participantes da rede sepse, e com uma meta de
3h, e não de 1 h, para início de antibioticoterapia, a adesão a essa recomendação foi em
torno de 60% (era de 47% em 2010), ao passo que em âmbito mundial é de 68%.
Rua Dona Adma Jafet, 91 – 01308-050 – São Paulo – SP – Tel. 55 11 3155.0200
www.hospitalsiriolibanes.org.br
Atualizado em fevereiro/2014
Gráfico 1 - Adesão a antibioticoterapia precoce na sepse. “Dados obtidos do relatório do Instituto Latino Americano de
Sepse (ILAS) “Campanha sobrevivendo a sepse”. Relatório Nacional de Fev/2014. .* Dados mundiais: 2010
No hospital Sírio Libanês, ao longo dos anos que se seguiram à implantação do protocolo,
pudemos observar uma melhora progressiva no início da antibioticoterapia antes de 1 h
após o reconhecimento do quadro de sepse grave, conforme podemos ver no gráfico
abaixo:
Gráfico 2 – Dados de adesão ao início precoce de antibioticoterapia no Hospital Sírio Libânes, obtidos do “Protocolo sepse”
Rua Dona Adma Jafet, 91 – 01308-050 – São Paulo – SP – Tel. 55 11 3155.0200
www.hospitalsiriolibanes.org.br
Atualizado em fevereiro/2014
Vários estudos nas últimas décadas mostram a importância do uso de um ATM adequado
e do início precoce do ATM, nas 24-48h iniciais após a instalação do quadro infeccioso. É
considerado um ATM adequado aquele ao qual o agente infeccioso é sensível “in vitro”.
Isto foi demonstrado principalmente nas pneumonias associadas à ventilação mecânica
(PAV) e nas infecções da corrente sanguínea. No quadro abaixo, podemos ver vários
exemplos destes estudos (tabela 2), inclusive no Hospital Sírio Libanês.
Mortalidade com tratamento
AUTOR
ANO
McCABE, 1962; 1962
1951-1958
22,2%
48,9%
Gram negativos
FREID, 1968
1959-1966
32,1%
48,3%
Gram negativos
BRYANT, 1971
1965-1968
26,6%
46,7%
Gram negativos
MYEROWITZ, 1971
1967-1969
6,3%
47,1%
Gram negativos
SETIA, 1977
1974-1975
19%
64,3%
Gram negativos
KREGER, 1980
1965-1974
19,5%
37,2%
Gram negativos
BRYAN, 1983
1977-1978
15,4%
29%
Gram negativos
WEINSTEIN, 1983
1975-1977
7%
24%
Todas ICS
WEINSTEIN, 1997
1992-1993
10,5%
33,3%
Todas ICS
SALOMÃO, 1993
1985-1986
21%
57,1%
Todas ICS
GATELL, 1988
1983-1986
13,3%
25%
ICS H
LEIBOVICI, 1998
1988-1994
20%
34%
Todas ICS
IBRAHIM, 2000
1997-1999
28,4%
62%
ICS em UTI
SOUZA DIAS, 2002
1987-1989
18,2%
36%
ICS PAC
obs>2d
18,5%
42,4%
adequado (%)
inadequado (%)
Observação
1997-1999
Todos (aproximado)
Tabela 2 – Mortalidade associada à adequação do tratamento das infecções da corrente sanguínea
ICS: Infecção de Corrente Sanguínea
PAC: Pneumonia Adquirida na Comunidade
Mais recentemente, o estudo de Kumar6 demonstrou que a cada hora de atraso na infusão
do antimicrobiano, a sobrevivência dos pacientes com sepse grave diminuía em 7,6%. Se
o paciente recebeu o ATM eficaz após a 1ª hora em relação à hipotensão
persistente/recorrente, a sua chance de morrer na internação aumentou significativamente,
em pelo menos 12%.
Na análise multivariada dos 2154 pacientes analisados neste
estudo, o tempo para início do antimicrobiano eficaz foi a variável mais fortemente
preditora do desfecho, mais importante do que o escore pela avaliação APACHE e outras
variáveis. Neste mesmo estudo, o tempo médio para início do antimicrobiano foi de 6 h. No
gráfico abaixo, pode-se observar que a mortalidade dos pacientes foi significativamente
Rua Dona Adma Jafet, 91 – 01308-050 – São Paulo – SP – Tel. 55 11 3155.0200
www.hospitalsiriolibanes.org.br
Atualizado em fevereiro/2014
maior no grupo que teve o ATM iniciado após a primeira hora em diferentes subpopulações
do estudo, mostrando a universalidade desta meta.
Gráfico 3 – Risco de morte em diferentes subpopulações comparando o grupo em que o antimicrobiano foi administrado
dentro da 1ª hora versus o grupo em que o antimicrobiano foi administrado após a primeira hora, tendo como referência
inicial do o momento de diagnóstico de sepse grave.
Os dados do ILAS, divulgados trimestralmente, mostram a situação de mortalidade
no Brasil, comparando com dados internacionais; comparam, também, a
mortalidade nos hospitais públicos e privados, de pacientes que foram admitidos
com o diagnóstico de sepse grave/choque séptico. Os resultados de mortalidade
de pacientes atendidos em Pronto Socorro com Sepse Grave ou Choque Séptico
podem ser vistos no gráfico a seguir (gráfico 4).
Rua Dona Adma Jafet, 91 – 01308-050 – São Paulo – SP – Tel. 55 11 3155.0200
www.hospitalsiriolibanes.org.br
Atualizado em fevereiro/2014
Gráfico 4. Mortalidade trimestral dos pacientes provenientes do pronto socorro- comparação com dados dos hospitais
públicos, hospitais privados e dados globais. Dados obtidos do relatório do Instituto Latino Americano de Sepse (ILAS)
“Campanha sobrevivendo a sepse”. Relatório Nacional de Fev/2014
Os dados trimestrais de mortalidade de pacientes admitidos no Pronto Atendimento
do Hospital Sírio Libanês, obtidos a partir de 2012, podem ser vistos no gráfico
abaixo (gráfico 5).
Gráfico 5. Mortalidade trimestral, em percentual, dos pacientes provenientes do pronto atendimento do Hospital Sírio
Libanês. Dados obtidos da análise do Protocolo Institucional de Sepse do Hospital Sírio Libanês
Rua Dona Adma Jafet, 91 – 01308-050 – São Paulo – SP – Tel. 55 11 3155.0200
www.hospitalsiriolibanes.org.br
Atualizado em fevereiro/2014
DESCRIÇÃO DO PROTOCOLO
Se um paciente apresenta história sugestiva de infecção e pelo menos dois sinais de
alerta, deve-se suspeitar de Sepse. Se identificada alguma disfunção orgânica, trata-se de
Sepse Grave. Nesse caso, o enfermeiro deverá acionar o médico plantonista da unidade
ou o médico hospitalista por meio do bip 206 e comunicar a equipe médica responsável
pelo paciente. O médico acionado decide com a equipe responsável pelo paciente quanto
à coleta de hemoculturas, outras culturas e outros exames. Embora também pareça um
objetivo fácil, nos Hospitais da rede sepse no Brasil, fortemente estimulados a aderir ao
protocolo, a coleta de hemoculturas só ocorreu em torno de 69% das vezes, enquanto que
o dado mundial é de quase 78% (gráfico 6).
Gráfico 6 - “Coleta de hemoculturas antes da administração de antimicrobiano”. Dados obtidos do relatório do Instituto
Latino Americano de Sepse (ILAS) “Campanha sobrevivendo a sepse”. Relatório Nacional de Fev/2014
Se a equipe responsável não for localizada rapidamente (10 min), o médico
plantonista deverá ditar a conduta conforme o protocolo. A coleta das culturas e
Rua Dona Adma Jafet, 91 – 01308-050 – São Paulo – SP – Tel. 55 11 3155.0200
www.hospitalsiriolibanes.org.br
Atualizado em fevereiro/2014
demais exames, a administração do antimicrobiano e a expansão volêmica, quando
prescritos, deverão ser realizados imediatamente, antes de qualquer transferência do
paciente.
Kit-SEPSE: para agilizar a administração do antibiótico, as unidades de internação do
Hospital Sírio Libanês contam com um “kit” onde se encontram os antibióticos
preconizados para o tratamento das diversas infecções causadoras do quadro de Sepse
Grave.
A composição desses “kits”, o controle do uso dos antibióticos nele contidos e a sua
reposição ficam a cargo da equipe de farmacêuticos do HSL.
Após a primeira avaliação médica e confirmação da Sepse Grave, o enfermeiro deverá
preencher o impresso de notificação do caso, que, além de conter as orientações, permite
a obtenção do número mensal de pacientes notificados e a mensuração da adesão às
recomendações. O preenchimento adequado do documento também tem a finalidade de
nos permitir avaliar as dificuldades encontradas para a obtenção da meta.
Para identificar casos de sepse grave elegíveis para o protocolo e que não foram incluídos
(não notificados), é feita uma busca ativa de dados pela Enfermeira de Protocolos, por
meio do sistema de informação hospitalar (SIH), da investigação do motivo da internação
de todos os pacientes internados em áreas críticas e do diagnóstico de saída de todos os
pacientes junto ao SAME (Serviço de Arquivo Médico e Estatística).
Rua Dona Adma Jafet, 91 – 01308-050 – São Paulo – SP – Tel. 55 11 3155.0200
www.hospitalsiriolibanes.org.br
Atualizado em fevereiro/2014
INDICADORES
Nos primeiros anos de implantação do “Protocolo Sepse”, dividíamos a medida da adesão
à meta em dois grupos: casos notificados em ficha própria ou não notificados. Como se
pode verificar no gráfico a seguir, apenas em cerca de 1/3 dos casos de sepse a
notificação era realizada, e nestes casos, a adesão à recomendação (ATM em até 1 hora)
foi sistematicamente maior quando comparada àqueles não notificados.
Portanto,
podemos notar que o preenchimento da ficha de notificação tem como conseqüência
secundária uma maior adesão à conduta preconizada. No entanto, pode se tornar um
processo “burocrático” em um atendimento que precisa ser ágil já que a meta é a
administração do antimicrobiano em um intervalo menor do que 60 minutos após a
suspeita da Sepse Grave. Por isso, a partir de 2013, passamos a mensurar a adesão à
recomendação, independentemente do preenchimento, ou não, da ficha do protocolo de
sepse, conforme mostra a ficha do indicador 1, abaixo.
Rua Dona Adma Jafet, 91 – 01308-050 – São Paulo – SP – Tel. 55 11 3155.0200
www.hospitalsiriolibanes.org.br
Atualizado em fevereiro/2014
Ficha do Indicador 1.
Nome do
Indicador:
Percentagem de uso precoce de antimicrobiano em pacientes com sepse grave ou
choque séptico
Finalidade:
Mensurar a frequência com que, pacientes com Sepse Grave ou Choque Séptico,
receberam ATM no tempo preconizado, isto é, em até 1 hora após o reconhecimento
dos sinais de disfunção orgânica.
nº de eventos com administração de antimicrobiano na primeira hora após
identificação dos sinais de sepse grave ou choque séptico
X 100
nº de eventos de sepse grave ou choque séptico incluídos
Fórmula:
O indicador 2 se refere à mortalidade dos pacientes com Sepse Grave ou Choque Séptico
atendidos no Serviço de Pronto Atendimento do HSL, conforme descrito na ficha do
indicador 2.
Ficha do indicador 2
Nome do
Indicador:
Taxa de mortalidade por Sepse Grave ou Choque Séptico de pacientes
admitidos pelo PA.
Finalidade:
Avaliar a mortalidade apenas no grupo de pacientes atendidos no PA devido
a Sepse Grave ou Choque Séptico. A apreciação da mortalidade nesse
subgrupo nos dá a oportunidade de comparação com os dados de outros
serviços de atendimento de urgência, nacionais ou estrangeiros
(benchmark), o que nos permite uma avaliação da qualidade do atendimento
prestado a esses pacientes no HSL.
Fórmula:
Nº de óbitos dos pacientes admitidos no PA em sepse grave ou choque
séptico / Nº de saídas (altas + óbitos) de pacientes admitidos no PA em
sepse grave ou choque séptico x 100
BIBLIOGRAFIA
Rua Dona Adma Jafet, 91 – 01308-050 – São Paulo – SP – Tel. 55 11 3155.0200
www.hospitalsiriolibanes.org.br
Atualizado em fevereiro/2014
1. Angus DC, Linde-Zwirble WT, Lidicker J, Clermont G, Carcillo J, Pinsky MR. Epidemiology of
severe sepsis in the United States: analysis of incidence, outcome, and associated costs of
care. Crit Care Med. 2001;29:1303–1310.
2. Dellinger RP, Carlet JM, Masur H, Gerlach H, Calandra T, Cohen J, Gea-Banacloche J, Keh
D, Marshall JC, Parker MM, Ramsay G, Zimmerman JL, Vincent JL, Levy MM., Surviving
Sepsis Campaign Management Guidelines Committee Surviving Sepsis Campaign guidelines
for management of severe sepsis and septic shock. Crit Care Med. 2004;32:858–873
3. El Solh AA, Akinnusi ME, Alsawalha LN, Pineda LA. Outcome of septic shock in older adults
after implementation of the sepsis “bundle” J Am Geriatr Soc. 2008;56:272–278
4. Gatell JM, Trilla A, Latorre X, Amela M, Mensa J, Moreno A, Miro JM, Martinez, JA, Jimenez
De Anta MT, Soriano E, Garcia San Miguel J. Nosocomial Bacteremia in a large spanish
teaching hospital: analysis of factors influencing prognosis. Rev. Infect. Dis
1988;10:203-
10.
5. Ibrahim EH,
Sherman G, Ward S, Fraser V, Kollef MH. The influence of inadequate
antimicrobial treatment of bloodstream infections on patient outcomes in the ICU setting.
Chest 2000; 118:146-155.
6. Kumar A, Roberts D, Wood KE, Light B, Parrillo JE, Sharma S, Suppes R, Feinstein D,
Zanotti S, Taiberg L, Gurka D, Kumar A, Cheang M. Duration of hypotension before initiation
of effective antimicrobial therapy is the critical determinant of survival in human septic shock.
Crit Care Med. 2006;34:1589–1596.
7. Leibovici L, Shraga I, Drucker M, et al.
The benefit of appropriate empirical antibiotic
treatment in patients with bloodstream infections. J Intern Med 1998; 244:379-86..
8. Levy MM, Fink MP, Marshall JC, Abraham E, Angus D, Cook D, Cohen J, Opal SM, Vincent
JL, Ramsay G; SCCM/ESICM/ACCP/ATS/SIS (2003) 2001 SCCM/ESICM/ACCP/ATS/SIS
international sepsis definitions conference. Crit Care Med 31:1250–1256.
9. Martin GS, Mannino DM, Eaton S, Moss M. The epidemiology of sepsis in the United States
from 1979–2000. N Engl J Med. 2003;348:1546–1554
10. McCabe W, Jackson, GG. Gram-negative bacteremia I - etiology and ecology. Arch Intern
Med 1962; 110:847-855.
11. Salomão, R.;
Castelo Filho, A.; Pignatari, A.C.; Wey, S.B. Nosocomial and Community
acquired bacteremia: variables associated with outcomes. Rev . Paul. Med., v.111, n.6,
p.456-61, 1993.
12. Silva E, Pedro Mde A, Sogayar AC, Mohovic T, Silva CL, Janiszewski M, Cal RG, de Sousa
EF, Abe TP, de Andrade J, de Matos JD, Rezende E, Assunção M, Avezum A, Rocha PC, de
Matos GF, Bento AM, Corrêa AD, Vieira PC, Knobel E; Brazilian Sepsis Epidemiological
Study.
Brazilian
Sepsis
Epidemiological
Study
(BASES
study).
Crit
Care.
2004
Aug;8(4):R251-60
Rua Dona Adma Jafet, 91 – 01308-050 – São Paulo – SP – Tel. 55 11 3155.0200
www.hospitalsiriolibanes.org.br
Atualizado em fevereiro/2014
13. Souza Dias MBG. Estudo epidemiológico comparativo das infecções da corrente sanguínea
no final das décadas de 80 e 90 no Hospital Sírio-Libanês [tese] São Paulo: Faculdade de
Medicina da Universidade de São Paulo, 2002.
14. Townsend SR, Schorr C, Levy MM, Dellinger RP. Reducing mortality in severe sepsis: The
Surviving Sepsis Campaign. Clin Chest Med. 2008;29:721–733.
15. Weinstein MP, Murphy JR, Reller LB, Lichtenstein KA.. The clinical significance of positive
blood cultures: a comprehensive analysis of 500 episodes of bacteremia and fungemia in
adults. II: Clinical observations with special reference to factors influencing prognosis. Rev
Infect Dis 1983; .5:54-70.
16. Weinstein MP, Towns ML, Quartey SM, Mirrett S, Reimer LG, Parmigiani G, Reller LB. The
clinical significance of positive blood cultures in the 1990s: a prospective comprehensive
evaluation of the microbiology, epidemiology and outcome of bacteremia and fungemia in
adults. Clin Infect Dis 1997; 24:584-602.
17. Campanha “Sobrevivendo ‘a Sepse” – Relatório trimestral, junho 2010. Disponível em :
http://www.sepsisnet.org. Acesso em 03/11/2010.
18. Campanha “Sobrevivendo a Sepse” – Relatório Nacional. Fevereiro de 2014. Disponível em :
http://www.sepsisnet.org. Acesso em fevereiro/março de 2014.
Rua Dona Adma Jafet, 91 – 01308-050 – São Paulo – SP – Tel. 55 11 3155.0200
www.hospitalsiriolibanes.org.br
Atualizado em fevereiro/2014
Fly UP