...

I. Conformática Definologia. O falso cognato é a palavra, vocábulo

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

I. Conformática Definologia. O falso cognato é a palavra, vocábulo
Enciclopédia da Conscienciologia
1
FALSO COGNATO
(LEXICOLOGIA)
I. Conformática
Definologia. O falso cognato é a palavra, vocábulo, termo ou lexema com forma semelhante, porém significado diferente, em 2 ou mais idiomas distintos (Conformaticologia).
Tematologia. Tema central neutro.
Etimologia. O vocábulo falso deriva do idioma Latim, falsus, “enganado; iludido; não
verdadeiro”. Surgiu no Século XIII. O termo cognato vem igualmente do idioma Latim, cognatus,
“relativo a parente”. Apareceu no Século XVI. A expressão falso cognato surgiu no Século XX.
Sinonimologia: 01. Falso amigo; falso cognato interlinguístico. 02. Cognato aparente;
pseudocognato. 03. Cognato enganador; cognato enganoso. 04. Amigo traiçoeiro; cognato traiçoeiro. 05. Falso conhecido. 06. Falso análogo. 07. Falsa semelhança; falsa transparência. 08.
Semelhança enganosa; semelhança traiçoeira. 09. Não equivalência semântica. 10. Cognato de
sentido diferente; heterossemântico.
Cognatologia. Eis, na ordem alfabética, 27 cognatos do vocábulo falso: falsa; falsar;
falsária; falsário; falseabilidade; falseamento; falsear; falseta; falsete; falsetear; falsia; falsidade; falsídia; falsídica; falsídico; falsífica; falsificabilidade; falsificação; falsificada; falsificado;
falsificador; falsificadora; falsificar; falsificável; falsífico; falsinérveo; falsu (afora outras dezenas de expressões compostas).
Neologia. As duas expressões compostas falso cognato não etimológico e falso cognato
etimológico são neologismos técnicos da Lexicologia.
Antonimologia: 1. Falso amigo intralinguístico. 2. Amigo verdadeiro; cognato verdadeiro. 3. Cognato homossemântico. 4. Cognato genético. 5. Cognato monolíngue. 6. Termo parassinonímico. 7. Família de cognatos.
Estrangeirismologia: o pioneirismo do sintagma faux amis; a famosa expressão false
friends; os deceptive demons; as mots perfides; as mots sosies; o calco léxico; o calco paronímico; a loan Word; o background cultural do poliglota; o mental lexicon.
Atributologia: predomínio das faculdades mentais, notadamente do autodiscernimento
quanto à Cognatologia Interlíngue (Lexicologia Comparada).
Megapensenologia. Eis megapensene trivocabular relacionado ao tema: – Falso cognato: inverossimilhança.
Coloquiologia. A palavra parece mas não é. É preciso saber separar o joio do trigo,
pois trata-se de palavras amigas da onça.
Citaciologia. A seguinte citação do linguista estadunidense Robert Lado (1915–1995)
ajuda a esclarecer o tema em epígrafe: – “Cognatos aqui são palavras que são semelhantes em
forma e sentido, independentemente da origem. O sentido comum do termo é aparentado em origem. Para nós, mesmo se duas palavras não forem aparentadas na origem serão chamadas
cognatos se forem semelhantes em forma e sentido”.
II. Fatuística
Pensenologia: o holopensene pessoal lexicológico; o holopensene pessoal multicultural;
o holopensene pessoal da comunicabilidade interlíngue; o holopensene pessoal poliglótico; os poliglotopensenes fidedignos; a poliglotopensenidade autodiscernida; os traduciopensenes precisos;
a traduciopensenidade fiel; os ortolexicopensenes; a ortolexicopensenidade qualificada; os orismopensenes retilíneos; a orismopensenidade vigorosa; os nexopensenes; a nexopensenidade.
Fatologia: o falso cognato; o cognato enganador demasiadamente evidente; o parônimo
interlíngue; o cognato polissêmico; o cognato arcaico; a falsa cognação passando desapercebida
por fazer sentido às acepções tomadas pelo leitor, mesmo distantes da intenção do texto original;
2
Enciclopédia da Conscienciologia
o fato de a correspondência do confor, de 1 idioma a outro, não se manter em todo o campo polissêmico (Semântica); a polissemia incidente nos diversos registros linguísticos das palavras;
a multivocidade vocabular; a dificuldade de compilação de dicionários bilíngues (Dicionarística);
a Linguística de Corpus (Lexicologia) permitindo aos dicionários registrarem as acepções em ordem de frequência de uso; as sutilezas interidiomáticas; as nuances semânticas aprendidas diariamente; o verniz semântico de origem cultural (Filologia); o uso incorreto e apressado dos repertórios de palavras; a reaquisição de sentidos em desuso; a fraseologia; os estrangeirismos; a Anfibologia; a logomaquia; o solapamento da mensagem; as conotações insuspeitadas pelo leitor mais
atento; a cautela quanto às possíveis confusões vocabulares; as gafes tradutórias; as anedotas traduciológicas; o problema da intraduzibilidade; o aportuguesamento de estrangeirismos transformando cognatos falsos em cognatos autênticos; a incorporação de confor outrora inexistente na
língua receptora; a canonização dos erros de tradução; o detalhismo do revisor; a percuciência do
tradutor; o atilamento do intérprete; a Arte de traduzir; a tradução da subjetividade da palavra
através da literalidade dos elementos morfológicos; a Ecdótica; a tentativa de manter a vernaculidade sem incorrer em purismo retrógrado; o babelismo técnico; o poliglotismo interassistencial;
a Lexicografia Conscienciológica; a docência conscienciológica internacional (Reeducaciologia
Multicultural).
Parafatologia: a autovivência do estado vibracional (EV) profilático; a sinalética energética e parapsíquica pessoal atuando na identificação de falsos cognatos; a assimilação simpática
(assim) com o texto inspecionado; a desassim após o trabalho intelectual; a inspiração dos amparadores em atividade intelectual de base linguística; o amparo extrafísico de função poliglótico;
o autolegado paragenético facilitando o trabalho com a Lexicologia (Autorrevezamentologia).
III. Detalhismo
Sinergismologia: o sinergismo dos idiomas da mesma família linguística; o sinergismo
dos cognatos multilíngues; o sinergismo raiz-afixos; o sinergismo língua fonte–língua alvo; o sinergismo recursos vocabulares–recursos estilísticos; o sinergismo contexto linguístico–contexto
cultural; o sinergismo forma-conteúdo.
Principiologia: o princípio da evolução linguística; o princípio da interpenetração interidiomática; o princípio da analogia vocabular levando a conclusões errôneas; o princípio da fidelidade ao conteúdo em detrimento da fidelidade à forma; o princípio da explicitação comunicativa; o princípio da descrença (PD) orientando as autexperimentações idiomáticas; o princípio
do exemplarismo pessoal (PEP) indicando boas práticas quanto à escolha lexical; o princípio da
curiosidade no trabalho intelectual; o princípio da desconfiança perante provável cognato.
Codigologia: o código pessoal de Cosmoética (CPC) contemplando a veracidade dos fatos, atos e palavras (Autoverbaciologia; Autocoerenciologia); os códigos linguísticos em constante movimento.
Teoriologia: a teoria da equivalência interlinguística (Traduciologia).
Tecnologia: a técnica do desconfiômetro ligado ininterruptamente; a técnica da comparação de cognatos; as técnicas de tradução; a técnica do detalhismo; a técnica da exaustividade
comunicativa; a técnica das 50 vezes mais; a técnica da comunicação oral; a grafotecnia.
Voluntariologia: o voluntariado nas diversas frentes interassistenciais da Comunidade
Conscienciológica Cosmoética Interassistencial (CCCI).
Laboratoriologia: o laboratório conscienciológico da Comunicologia; o laboratório
conscienciológico da Parapedagogia; o laboratório conscienciológico do Cosmograma; o laboratório conscienciológico da Mentalsomatologia; o trio de laboratórios conscienciológicos de
desassédio mentalsomático (Tertuliarium, Holociclo, Holoteca); o laboratório conscienciológico
da Pensenologia; o laboratório conscienciológico da Evoluciologia; o laboratório da vida profissional poliglota.
Colegiologia: o Colégio Invisível dos Tradutores; o Colégio Invisível dos Intérpretes;
o Colégio Invisível dos Poliglotas; o Colégio Invisível dos Aprendizes de Idiomas; o Colégio In-
Enciclopédia da Conscienciologia
3
visível dos Linguistas; o Colégio Invisível dos Lexicólogos; o Colégio Invisível dos Etimólogos;
o Colégio Invisível dos Filólogos; o Colégio Invisível dos Verbetógrafos.
Efeitologia: o efeito do autoparapolineuroléxico pujante e saudável no diagnóstico, remediação e profilaxia dos falsos cognatos.
Neossinapsologia: as neossinapses especializadas resultantes da dedicação pessoal aos
estudos de Lexicologia Comparada (Poliglotismologia).
Ciclologia: o ciclo dos estudos linguístico-lexicológicos; o ciclo de vida dos modismos
linguísticos.
Enumerologia: o falso cognato substantivo; o falso cognato qualificativo; o falso cognato adverbial; o falso cognato conjuntivo; o falso cognato verbal; o falso cognato sintagmático;
o falso cognato sintático. O falso cognato cultural; o falso cognato de empréstimo; o falso cognato estrangeirístico; o falso cognato decalcado; o falso cognato de gênero; o falso cognato homofônico; o falso cognato homográfico; o falso cognato idiomático; o falso cognato prosódico;
o falso cognato sociolinguístico.
Binomiologia: o binômio falso cognato parcial–falso cognato total; o binômio Exegese-Hermenêutica; o binômio sincronia-diacronia; o binômio significante-significado; o binômio
homógrafo-homófono; o binômio Arte da tradução–técnica de tradução; o binômio tradutor-revisor; o binômio tradução escrita (Grafologia)–tradução oral (Fonologia); o binômio comunicação escrita–comunicação oral.
Interaciologia: a interação entre as línguas neolatinas; a interação estrangeirismo–falso estrangeirismo; a interação decalque–empréstimo semântico; a interação interlíngua-babelismo; a interação jogo de palavras–trocadilhos–idiomatismos; a interação universo linguístico–
–universo extralinguístico; a interação educação formal–autodidatismo.
Crescendologia: o crescendo erro sutil–erro grosseiro; o crescendo semelhança fonética–confusão interlinguística; o crescendo estrangeirismo–falso cognato–naturalização–cognato
autêntico; o crescendo cotejo de formas cognatas–identificação do étimo remoto comum; o crescendo da rede ideativo-analógica de falsos cognatos no âmbito da Autoparapolineurolexicologia;
o crescendo cognitivo da Semântica Descritivo-Comparativa; o crescendo da família lexicográfica glossário-vocabulário-dicionário-tesauro-enciclopédia.
Trinomiologia: o trinômio origem comum–grafia comum–significado diferente; o trinômio origem diferente–grafia comum–significado diferente; o trinômio autor-tradutor-leitor; o trinômio orador-intérprete-plateia; o trinômio leitura-registro-debate; o trinômio leitor-revisor-resenhista; o trinômio intelectualidade-parapsiquismo-comunicabilidade; o trinômio racionalidade-discernimento-holomaturidade; o trinômio (aliteração) bom senso–bom gosto–bom tom nas escolhas lexicais.
Polinomiologia: o polinômio das habilidades linguísticas compreensão escrita–compreensão auditiva–produção escrita–produção oral; o polinômio da estrutura linguística Ortografia-Fonética-Morfossintaxe-Semântica-Lexicologia; o polinômio da evolução semântica extensão-restrição-enfraquecimento-reforço; o polinômio lexicográfico básico Definologia-Etimologia-Sinonimologia-Antonimologia ajudando a evitar falsos cognatos; o polinômio lusofonia-hispanofonia-galofonia-anglofonia-italofonia.
Antagonismologia: o antagonismo cognato verdadeiro / falso cognato; o antagonismo
transculturação mórfica / transculturação semântica; o antagonismo purismo / estrangeirismo;
o antagonismo naturalidade / literalidade; o antagonismo monossemia / polissemia; o antagonismo denotação / conotação; o antagonismo hipoglotismo / hiperpoliglotismo; o antagonismo superficialidade / profundidade.
Paradoxologia: a aproximação simples com o paradoxo dos contrônimos.
Politicologia: a lexicocracia; a traduciocracia; a lucidocracia; a cogniciocracia; a discernimentocracia; a conscienciocracia; a evoluciocracia; a democracia direta.
Legislogia: a lei do maior esforço na pesquisa das equivalências interlinguísticas; as
leis etimológicas (normas de derivação).
4
Enciclopédia da Conscienciologia
Filiologia: a bibliofilia; a comunicofilia; a criteriofilia; a criticofilia; a escriptofilia; a lexicofilia; a glossofilia; a leiturofilia; a linguisticofilia; a mnemofilia; a neofilia; a traduciofilia;
a verbofilia; a xenofilia.
Fobiologia: a culturofobia; a definofobia; a grafofobia; a leiturofobia; a neofobia; a literofobia; a onomatofobia; a raciocinofobia; a verbetofobia; a verbofobia.
Mitologia: o mito da sinonímia absoluta; o mito da tradução perfeita.
Holotecologia: a lexicoteca; a encicloteca; a linguisticoteca; a gramaticoteca; a idiomatoteca; a traducioteca; a poliglototeca; a comunicoteca.
Interdisciplinologia: a Lexicologia; a Cognatologia; a Orismologia; a Terminologia;
a Traduciologia; a Intercomunicologia; a Interpretaciologia; a Exaciologia; a Conformaticologia;
a Cogniciologia; a Mentalsomatologia; a Paremiologia; a Enciclopediologia; a Erudiciologia;
a Parapolimaticologia.
IV. Perfilologia
Elencologia: a conscin lúcida; a isca humana lúcida; o ser desperto; o ser interassistencial; a conscin enciclopedista; a conscin intermissivista; a conscin universalista.
Masculinologia: o refém da forma; o tradutor amador; o tradutor circunstancial; o intermissivista; o verbetógrafo; o verbetólogo; o articulista; o tradutor profissional; o gramaticista;
o linguista; o poliglota; o revisor; o editor; o autor; o tratadista; o dicionarista; o lexicólogo; o filólogo; o paracientista; o neologista; o conscienciólogo; o holofilósofo.
Femininologia: a refém da forma; a tradutora amadora; a tradutora circunstancial; a intermissivista; a verbetógrafa; a verbetóloga; a articulista; a tradutora profissional; a gramaticista;
a linguista; a poliglota; a revisora; a editora; a autora; a tratadista; a dicionarista; a lexicóloga;
a filóloga; a paracientista; a neologista; a consciencióloga; a holofilósofa.
Hominologia: o Homo sapiens definologus; o Homo sapiens orismologus; o Homo sapiens lexicologus; o Homo sapiens lexicographus; o Homo sapiens poligloticus; o Homo sapiens
philologus; o Homo sapiens mentalsomathicus; o Homo sapiens eruditus; o Homo sapiens polimatha; o Homo sapiens professor.
V. Argumentologia
Exemplologia: falso cognato não etimológico = os homófonos, homógrafos ou homônimos interlíngues heterossemânticos sem cognação comum; falso cognato etimológico = os homófonos, homógrafos ou homônimos interlíngues heterossemânticos com cognação comum.
Culturologia: a cultura lexicológica; a cultura lexicográfica; a cultura verbetológica;
a cultura gramatical; a cultura linguística; a cultura tradutória; a cultura filológica; a cultura
poliglótica; a Interculturologia; a Multiculturologia.
Cognatologia. Segundo a Traduciologia, eis 100 falsos cognatos perante a Língua Portuguesa, a partir de 4 idiomas – Espanhol, Francês, Inglês e Italiano –, provenientes de variadas
classes gramaticais, enumerados em ordem alfabética, nos quais o primeiro termo em itálico representa o vocábulo estrangeiro e a outra palavra ou expressão composta apresenta a tradução
capaz de dirimir a confusão causada pelos false friends ou faux amis:
A. Espanhol:
01. Aderezo / tempero.
02. Aguinaldo / décimo terceiro salário (Argentina).
03. Almohada / travesseiro (Brasil).
Enciclopédia da Conscienciologia
04.
05.
06.
07.
08.
09.
10.
11.
12.
13.
14.
15.
16.
17.
18.
19.
20.
21.
22.
23.
24.
25.
Apartado / tópico.
Apellido / sobrenome (Brasil).
Asignatura / disciplina.
Avocado / abacate.
Bizcocho / bolo.
Botiquín / caixa de primeiros socorros.
Crianza / criação (sincronia).
Cubierto / talheres.
Embarazada / grávida.
Exquisito / delicioso (coloquialismo).
Fideo / macarrão.
Largo / comprido.
Mayor / idoso.
Oficina / escritório.
Oso / urso.
Pegar / colar (coloquialismo).
Polvo / pó.
Propina / gorjeta (coloquialismo).
Recalcar / reforçar (coloquialismo).
Salada / salgada.
Uno / alguém.
Vaso / copo.
B. Francês:
26. Abonné / assinante.
27. Amasser / juntar.
28. Attirer / atrair.
29. Auge / cocho.
30. Bâton / bastão.
31. Billion / trilhão.
32. Carpette / tapete.
33. Carte / mapa.
34. Carton / papelão.
35. Chat / gato.
36. Envier / invejar.
37. Femme / mulher.
38. Gâteau / bolo.
39. Jus / suco.
40. Morne / melancólico.
41. Outil / ferramenta.
42. Pelle / pá.
43. Pote / camarada (coloquialismo).
44. Pourtant / contudo.
45. Sol / solo.
46. Subir / sofrer.
47. Thème / versão (para a língua estrangeira).
48. Version / tradução (para a língua materna).
49. Ville / cidade.
50. Violon / violino.
C. Inglês:
51. Absolutely / certamente.
52. Adept / especialista.
5
Enciclopédia da Conscienciologia
6
53.
54.
55.
56.
57.
58.
59.
60.
61.
62.
63.
64.
65.
66.
67.
68.
69.
70.
71.
72.
73.
74.
75.
Alumnus / ex-aluno (já graduado).
Anthem / hino.
Candid / franco.
Casualty / vítima.
Comprehensive / abrangente.
Con(victed) / condenado.
Coroner / médico legista.
Enrol / inscrever-se.
Estate / propriedade.
Idiom / expressão idiomática.
Inhabitable / habitável.
Notorious / famigerado (negativo).
Phrase / expressão.
Physic / purgante.
Policy / política.
Preservative / conservante.
Push / empurrar.
Relapse / recidiva.
Resume / retomar.
Self-deception / autengano.
Sensible / sensato.
Syllabus / conteúdo programático.
Travesty / arremedo.
D. Italiano:
76. Affaturamento / feitiço.
77. Annegare / afogar.
78. Argomento / assunto.
79. Attendibile / fidedigno.
80. Baffo / bigode.
81. Birra / cerveja.
82. Brutto / feio.
83. Burro / manteiga.
84. Caldo / quente.
85. Cattivo / mau.
86. Coppia / casal.
87. Feriale / dia útil.
88. Fino / até.
89. Gamba / perna.
90. Gola / garganta.
91. Morbido / macio.
92. Palestra / ginásio esportivo.
93. Particolare / peculiar.
94. Ragno / aranha.
95. Retore / retórico.
96. Riso / arroz.
97. Salire / subir.
98. Sfruttamento / exploração.
99. Silloge / florilégio.
100. Speziale / alquimista.
Enciclopédia da Conscienciologia
7
VI. Acabativa
Remissiologia. Pelos critérios da Mentalsomatologia, eis, por exemplo, na ordem alfabética, 15 verbetes da Enciclopédia da Conscienciologia, e respectivas especialidades e temas centrais, evidenciando relação estreita com o falso cognato, indicados para a expansão das abordagens detalhistas, mais exaustivas, dos pesquisadores, mulheres e homens interessados:
01. Autoconsciência verbal: Comunicologia; Neutro.
02. Cérebro dicionarizado: Holocerebrologia; Neutro.
03. Cognato: Comunicologia; Neutro.
04. Conformática: Comunicologia; Neutro.
05. Diferença semântica: Comunicologia; Neutro.
06. Estrangeirismo: Estrangeirismologia; Neutro.
07. Etimologia: Linguisticologia; Neutro.
08. Lexicoteca: Mentalsomatologia; Neutro.
09. Linguagem denotativa: Comunicologia; Neutro.
10. Palavra: Comunicologia; Neutro.
11. Revisão conscienciológica: Conscienciografologia; Neutro.
12. Sinônimo: Comunicologia; Neutro.
13. Traduciopensene: Pensenologia; Neutro.
14. Tradutor-revisor: Traduciologia; Neutro.
15. Variação vernacular: Conformática; Neutro.
A EVITAÇÃO AUTOCONSCIENTE DOS FALSOS COGNATOS
POR PARTE DO(A) INTERMISSIVISTA LÚCIDO(A) INDICA
DESTREZA INTERIDIOMÁTICA CAPAZ DE POTENCIALIZAR
A COMUNICAÇÃO INTERCULTURAL (POLIGLOTISMOLOGIA).
Questionologia. Você, leitor ou leitora, está consciente para as armadilhas dos falsos
cognatos? Em quais línguas?
Bibliografia Específica:
1. Mascherpe, Mário; & Zamarin, Laura; Os Falsos Cognatos na Tradução do Inglês para o Português;
112 p.; 5 enus.; glos. 410 termos; 3 tabs.; 11 refs.; 21 x 14 cm; br.; 8a Ed.; Bertrand Brasil; Rio de Janeiro, RJ; 2002; páginas 7 a 12.
2. Santos, Agenor Soares dos; Guia Prático de Tradução Inglesa: Como Evitar as Armadilhas das Falsas
Semelhanças; pref. Regina Alfarano; 858 p.; 7 caps.; 55 citações; 34 enus.; 5 tabs.; glos. 3.700 entradas; 934 refs.; 10
apênds.; 24,5 x 17,5 x 4,5 cm; br.; Ed. rev. ampl. e atual.; Elsevier; Rio de Janeiro, RJ; 2007; páginas 8 a 13.
3. Tosi, Renzo; Dicionário de Sentenças Latinas e Gregas (Dizionario delle Sentenze Latine e Greche);
revisoras Andréa Stahel M. da Silva; & Lilian Jenkino; trad. Ivone Castilho Benedetti; XXVI + 904 p.; 10.000 citações;
1 E-mail; 24 enus.; 1.180 frases gregas; 3.220 frases latinas; glos. 1.841 termos; 56 ilus.; 1 website; 130 refs.; 20,5 x 13,5
x 4,5 cm; enc.; 3ª Ed.; Editora WMF Martins Fontes; São Paulo, SP; 2010; páginas XIII a XXV.
4. Idem; Dizionario delle Sentenze Latine e Greche: 10.000 Citazioni dall’Antichità al Rinascimento
nell’Originale e in Traduzione con Commento Storico, Letterario e Filologico; XXX + 896 p.; 10.000 citações; 1 E-mail; 24 enus.; 1.180 frases gregas; 3.220 frases latinas; glos. 1.841 termos; 56 ilus.; 1 website; 130 refs.; 20 x 13 x 5 cm;
enc.; 17ª Ed.; Bur Rizzoli Dizionari; Milano; Italia; 2012; páginas XIII a XXV.
5. Xatara, Cláudia; & Oliveira, Wanda Leonardo de; Dicionário de Falsos Cognatos Francês-Português
/ Português-Francês; pref. 1a Ed. Maria Tereza Camargo Biderman; pref. 2a Ed. Maria Cláudia Rodrigues Alves; 216
p.; 7 enus.; glos. 2.130 entradas; 2 micrografias; 33 refs.; 16 x 23 cm; br.; 2a Ed. rev e ampl.; Editora de Cultura; São
Paulo, SP; 2008; páginas 14 a 22.
Webgrafia Específica:
1. Fang, Yueh-Wen; Falsos Amigos Español-Inglés en Estudiantes de Español como Lengua Extranjera:
El Caso de Taiwanés; Tese; VII + 468; 166 citações; 221 enus.; 282 fotos; 1 questionário; 61 tabs.; 3 testes; 248 refs.;
1 apênd.; Universidad de Salamanca; Facultad de Traducción y Documentación; Departamento de Traducción e Inter-
8
Enciclopédia da Conscienciologia
pretación; Salamanca; España; 2012; páginas 54 a 92; disponível em: <http://gredos.usal.es/jspui/handle/10366/115556>;
acesso em: 01.10.13.
O. M.
Fly UP