...

julie engell-günther: um perfil feminista entre a europa - Aninter

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

julie engell-günther: um perfil feminista entre a europa - Aninter
CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES
Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X
JULIE ENGELL-GÜNTHER: UM PERFIL FEMINISTA ENTRE A
EUROPA E O BRASIL DO SÉCULO 19
Izabela Liz Schlindwein
Doutoranda do Programa Interdisciplinar em Ciências Humanas da Universidade
Federal de Santa Catarina (UFSC), pesquisadora do Núcleo de Identidades de Gênero
e Subjetividades (NIGS). E-mail: [email protected]
Miriam Pillar Grossi
Professora associada do Departamento de Antropologia da Universidade Federal de
Santa Catarina desde 1989, atua nos Programas de Pós-graduação em Antropologia
Social e Interdisciplinar em Ciências Humanas e no curso de graduação em Ciências
Sociais da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). E-mail:
[email protected]
Resumo
Busco neste artigo propor momentos de reflexão sobre os contextos sociais vividos por
uma jornalista alemã do século 19 – acontecimentos e convicções que ajudaram na
construção de epistemologias feministas em percursos entre e Europa e o Brasil.
Durante toda a vida, Julie Engell-Günther (1819-1910), revolucionária de 1848, esteve
ligada à rede de livres pensadoras na Europa, decidindo migrar no outono deste mesmo
ano com um desiludido grupo de professores, pesquisadores, naturalistas, artistas
plásticos e músicos de Berlim. Depois de passar pela Austrália, Engell-Günther viaja ao
Brasil, vivendo e inscrevendo os processos sociais e de imigração na imprensa alemã. O
texto aqui apresentado é composto pelos primeiros olhares que ajudarão na qualificação
da tese do Programa Interdisciplinar em Ciências Humanas – ênfase em Gênero – da
Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
Palavras-chaves:Epistemologias feministas – século 19 – Europa/Brasil
Introdução
Este artigo apresenta as lutas pelos direitos da mulher no século 19 pela voz de uma
jornalista livre pensadora alemã que passou pelo Brasil e escreveu sobre a própria
experiência nos dois países. Mais do que isso, este texto ainda procura relacionar esses
1
eventos com as conquistas dos muitos feminismos e as construções de epistemologias
dos movimentos.
Ciente de que os pensamentos feministas são fruto da expressão de ideias e que
estão relacionados a teorias e práticas políticas, não é possível neste texto dar conta das
inúmeras paisagens que se apresentaram ao longo dos anos, até a constituição atual –
embora muitas manifestações ainda persistam.
Os contextos sociais vividos por Julie Engell-Günther (1819-1910), por exemplo,
estão ligados à Revolução de 18481 e à rede de livres pensadoras2 na Europa. São
preocupações o lugar da mulher nas políticas de imigração e como esta presença esteve
apagada nos meios de divulgação do conhecimento – por muitas vezes, os textos desta
jornalista não eram bem recebidos pelos editores europeus3.
É pela perspectiva da interdisciplinaridade que esta pesquisa se desenvolve enquanto
mais escritos de Julie Engell-Günther são traduzidos por Elke Dislich4, que trabalha
neste momento com os dois livros da autora: “Noites de Natal no Brasil”5, publicado em
1862; e 18 cartas trocadas com Karl Kautsky6 (1854-1938), enviadas pelo Museu de
Amsterdam ao Brasil. O conteúdo será material de análise para a escrita de uma tese no
doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas na Universidade Federal de Santa
Catarina (UFSC). Memórias registradas em cartas, dados sociológicos, historiografias e
noções pós-coloniais do gênero ajudam a compreender a construção dessas
epistemologias feministas que são interesse da tese.
Na primeira carta enviada por Julie Engell-Günther a Karl Kautsky, na época um
editor do semanário socialista “Die Neue Zeit” saindo de lua de mel, a articulista se
mostra satisfeita por encontrar em Kautsky um editor aberto a ideias de uma mulher.
1
A época era marcada pelo abalo à monarquia e luta pelo fim de regimes autocráticos. Enquanto a classe
média estava comprometida com princípios liberais, os trabalhadores buscavam melhores condições de
trabalho e de vida.
2
Os livres pensadores estavam ligados à ideologia do espírito livre, defendendo a igualdade, tolerância,
não-violência e independência religiosa.
3
Na dissertação de mestrado, a presente autora analisou o primeiro texto sobre Joinville-SC publicado em
jornal alemão pela jornalista Julie Engell-Günther em 3 de maio de 1851. O artigo era voltado para
alemães interessados em emigrar. Julie chegou às terras da futura Joinville vestida como um “pobre
homem” – já que mulheres não poderiam viajar sem suas famílias. Por ter vindo em companhia do diretor
da Colonizadora de Hamburgo, Hermann Günther, foi descrita pela historiografia como “amásia” deste
agrimensor e acusada de ter feito uma propaganda enganosa para os imigrantes – o que não se confirmou
na análise do artigo.
4
Elke Dislich é tradutora e mestranda em letras/alemão da Universidade de São Paulo (USP).
5
Este livro trata de histórias de brasileiras e portuguesas, indígenas, negras, imigrantes, animais,
paisagens, micro histórias pitorescas do cotidiano, fábulas...
6
O político alemão que viveu entre 1854 e 1938 foi um dos fundadores da ideologia social-democrata,
tendo editado o quarto volume de "O Capital", de Karl Marx, e as Teorias de Mais-Valia, avaliação crítica
de Marx a teorias econômicas.
2
Era assim que Engell-Günther, ou Frau Gê, como era conhecida entre suas alunas de
francês no Brasil, conseguia refletir sobre sua experiência com o ensino de meninas em
diferentes países.
Nesta mesma carta, a autora percorre outros assuntos, como casamento e direitos das
mulheres – pontos de vistas também analisados hoje pela pesquisadora da área do
Direito da Universidade de Hamburgo Tanja-Carina Riedel. No conteúdo, EngellGünther relata que, na Inglaterra, havia sido concedida às mulheres a propriedade
irrestrita também no casamento.
Permita-me dizer que é devido a essa enorme tolice de afirmar-se para as
meninas que é somente o casamento sua única profissão, que decorre uma
imensa desgraça. – A prostituição que aumenta de forma desenfreada
finalmente conseguiu chamar a atenção também das classes mais elevadas;
porém – também lá “não se enxerga a floresta pelo excesso de árvores”*!
Enquanto o casamento for considerado uma instituição provedora, não se
poderá falar de virtude e de pureza. Por outro lado, porque uma mulher
deveria trabalhar e receber salário, se ela será somente alvo de zombaria e
escárnio, como acontece frequentemente? (ENGELL-GÜNTHER, carta de
19 de janeiro de 1883, p. 2)
Ao falar sobre si, já na segunda correspondência, Engell-Günther coloca que é uma
self made woman como poucas. Na infância, não tinha frequentado a escola. Como a
mais velha de 11 irmãos, tinha de ensiná-los o que sabia e trabalhar como professora em
casas de família. Essas mesmas convicções empurraram-na à rede de livres pensadoras e
ao título de autora do maior número de trabalhos publicados no jornal “Freidenker”
(periódico dos livres pensadores), de Milwaukee/Wisconsin, nos Estados Unidos.
Após a passagem pelo Brasil, na década de 1850, Engell-Günther vivia sozinha. É
quando perde o filho mais velho Arthur (1859-1881), na Inglaterra, onde terminava seus
estudos, que o marido Hermann obriga-a a se divorciar para que possa casar-se com
uma mulher 40 anos mais jovem. Mesmo sem direitos financeiros garantidos depois do
divórcio, Engell-Günther luta para dar estudo do filho mais novo Reinhold, fazendo
bordados para vender e administrando com dificuldade metade dos negócios do marido,
um comércio de pólvora e munições.
Mas muito antes disso, as subjetividades da jornalista já eram forjadas nas
discussões da Revolução de 1848, quando, ao lado de nomes como Louise Otto-Petters
– considerada uma das primeiras feministas alemãs –, participou do Manifesto pela
Liberdade. O envolvimento de Engell-Günther com os protestos vinha também do
3
contato com Wilhelm Loewe (1814- 1886), o liberal médico e político alemão, seu
cunhado e com quem rompeu por ter aderido à monarquia mais tarde.
Importante aqui é entender os motivos da desilusão do grupo de pensadores de
Engell-Günther e a decisão por migrar justamente em 1848. O fato de ter participado do
movimento fez com que fosse chamada de heroína das barricadas por Theodor
Rodowicz-Oswiecimsky, capitão prussiano e membro da Sociedade Hamburguesa.
O engenheiro-geógrafo escreveu em 1853 o livro “Die Colonie Dona Francisca”, no
qual Engell-Günther era descrita como a amásia do agrimensor Hermann Günther, que
teria chegado às terras onde seria instalada a Colônia Dona Francisca – Joinville/SC –
como uma aventureira disfarçada de “pobre criado”, por estar viajando desacompanhada
da família.
Para Rodowicz, a jornalista construiu uma propaganda enganosa da Colônia para
estimular novas levas colonizatórias – o que não se confirmou na análise do primeiro
texto sobre Joinville-SC escrito por Engell-Günther no “Leipziger illustrierte Zeitung”,
objeto de análise da dissertação do mestrado em patrimônio cultural e sociedade
defendida pela presente autora na Universidade da Região de Joinville (Univille).
O fato é que os regimes autocráticos fizeram eclodir em 1848, tempo da migração
de Engell-Günther, uma série de revoluções na Europa. Crises econômicas e a falta de
representação política das classes médias e do nacionalismo abalaram as monarquias e
suas tentativas de reformas políticas e econômicas.
A Primavera dos Povos, como foi chamada a cadeia de reivindicações, é
considerada por historiadores como a primeira revolução potencialmente global. Em
Berlim, os acontecimentos se repetiam, os preços dos alimentos subiam porque a safra
tinha sido ruim. A população exigia de Frederico Guilherme IV o apoio ao liberalismo e
a convocação de uma assembleia eleita pelo sufrágio universal. Em algumas semanas,
as manifestações e os comícios tornaram-se diários, quando os liberais exigiam uma
Constituição. Surgiram barricadas por toda a cidade, pequeno-burgueses e operários
lutavam contra as tropas reais burgueses.
Ao fim de 1848, a Assembleia Nacional de Frankfurt é dissolvida pela Prússia, o
sufrágio universal é eliminado e os privilégios da nobreza recuperados. O sonho da
unificação estava fracassado. Os radicais continuaram a lutar, mas foram impedidos
4
pelo exército prussiano. A burguesia liberal alemã sentia-se frustrada. No fim das
contas, a unificação começa a se concretizar pela Prússia e não pelo caminho das
revoluções.
Influências literárias e políticas na vida de Julie Engell-Günther
Os feminismos são demarcados a partir do século 18. Algumas autoras
defendem que esta fase, chamada de primeira onda, terminou depois da Segunda Guerra
Mundial, quando homens morrem em combate, as mulheres assumem a casa e as
gerações mais novas ajudam no lar ou entram no mercado de trabalho porque as mães já
são consideradas velhas para conseguir emprego.
Autoras como Lígia Amâncio (1992) escrevem que tanto a Revolução Francesa
quanto a Revolução Industrial foram marcos para os feminismos. A Declaração
Universal dos Direitos da Mulher e da Cidadã, em contraposição ao documento dos
direitos humanos, é outro passo importante, quando as mulheres reagem à subordinação
dos pais e maridos, pregando o direito à justiça e à propriedade.
A Declaração Universal dos Direitos da Mulher e da Cidadã foi escrita em 1791,
durante a Revolução Francesa (1789-1799), por Olympe de Gouges, que acabou
guilhotinada em 1793, condenada como contra-revolucionária e considerada mulher
desnaturada.
No artigo primeiro, coloca que “a mulher nasce livre e tem os mesmos direitos
do homem. As distinções sociais só podem ser baseadas no interesse comum”. No
segundo parágrafo, destaca: “O objeto de toda associação política é a conservação dos
direitos imprescritíveis da mulher e do homem. Esses direitos são a liberdade, a
propriedade, a segurança e, sobretudo, a resistência à opressão”.
O texto também enfatizava que ninguém deveria ser molestado por suas opiniões,
mesmo de princípio. “A mulher tem o direito de subir no patíbulo, deve ter também o de
subir ao pódio desde que as suas manifestações não perturbem a ordem pública
estabelecida pela lei”. Sobre a paternidade, reitera que toda cidadã deve dizer
5
livremente: “Sou mãe de um filho seu”, sem que seja preciso esconder esta informação
ou ser vítima de preconceito e violência.
Durante a Revolução de 1848, além da feminista Louise Otto-Petters e de Wilhelm
Loewe, membro do partido de extrema democracia, outros personagens cruzam a
história de Engell-Günther; como Ricarda Huch (1864-1947), uma das primeiras
mulheres alemãs a receber o título de doutora e chamada por Thomas Mann de
“primeira mulher da Alemanha”; Fanny Lewald (1811-1889), autora de ensaios sobre os
direitos das mulheres; e Bettina Von Arnim (1785-1859), também escritora alemã da
área.
Em 1883, aos 64 anos, Engell-Günther deixa a Alemanha do seu tão odiado
Bismarck7 para dar aulas em um colégio internacional para meninos em Zurique, na
Suíça, onde escreve para jornais e revistas na Alemanha, Áustria, Suíça e Estados
Unidos.
Pelas correspondências, é possível perceber que ainda influenciaram o pensamento
de Engell-Günther leituras como ensaios da britânica que escreveu sobre os direitos das
mulheres Mary Wollstonecraft (1759-1797). Assim como outros autores e autoras da
Europa, como a iluminista Madame de Staël (1766-1817, de “Delphine” e “Corinna”); o
socialista Saint-Simon (1760-1825); George Sand, pseudônimo da feminista Amandine
Aurore Lucile Dupin (1804-1876); o pensador liberal Stuart Mill (1806-1873); o crítico
dinamarquês Georg-Brandes (1842-1927), o escritor Alexandre Dumas Filho (18241895) e o jornalista e político Èmile de Girardin (1806-1881). Sobre este último, ela
destaca a obra sobre “filhos ilegítimos”, livro que gostaria de traduzir do francês para o
alemão.
Ao mesmo tempo, Engell-Günther critica em carta “A história das mulheres”, de G.
Jung, que diz “iluminar de forma mal-humorada a forma indigna e injusta, com a qual a
mulher sempre foi tratada”. No momento em que se correspondia com Kautsky, ela
conta que estava lendo o livro de August Bebel (1840-1913). “A mulher” trata da
emancipação da mulher no socialismo.
7
Conhecido com Napoleão da Alemanha, Otto von Bismarck lançou as bases do Segundo Império, ou 2º
Reich (1871-1918).
6
São nessas lutas políticas que acabam nascendo linguagens feministas,
epistemologias que ajudam a construir o conhecimento científico. Assim, torna-se
importante descobrir como a historiografia tem sido incluída nos deslocamentos
teóricos construídos pelos feminismos e vice-versa. Neste processo, devem estar
previstas também as visões de autoras que nos fazem acreditar na morte do feminismo
para o surgimento de outros. São elas Butler (1990), Haraway (1995) e Spivak (1994).
Como era ser livre pensadora no século 19
Grande parte do movimento de livres pensadores apoiava os ideais liberais, como a
igualdade racial, social e sexual, a abolição da escravatura e o fim da tirania política. Os
imigrantes alemães levaram o movimento a Wisconsin, nos Estados Unidos, em 1850.
Nesta época, os chamados forty-eigthers fugiam dos regimes autocráticos alemães
depois das revoltas que fracassaram em 1848, como Julie Engell-Günther.
O movimento organizava conferências, debates, concertos, danças e outros eventos
sociais. Além disso, os livres pensadores publicavam artigos em seus próprios jornais,
que circularam de 1855 a 1880, como o “Freidenker”, periódico onde Engell-Günther
era dona do maior número de trabalhos publicados por não encontrar abertura na
imprensa europeia.
As posições extremistas contra a religião e as divergências internas levaram os
ideais ao enfraquecimento. No início do século 20, a maioria dos grupos já havia se
dissolvido.
Com o aniversário dos 150 anos da Revolução de 1848, lembrado em 1998, os
Estados Unidos refletiram sobre a influência dos 48ers na vida social, cultural e política
do país. O historiador da imigração Carl Wittke (1892-1971) lembrou de que os livres
pensadores assumiram posições na vida política, econômica, cultural e da educação do
século 20, na perspectiva dos ideais da tradição liberal de Immanuel Kant; Johann
Gottlieb Fichte (1762-1814), um dos criadores do idealismo alemão; e Johann Friedrich
von Schiller (1759-1805), representante do romantismo alemão conhecido pelas cartas
7
trocadas com Goethe. Nas universidades, contribuíram para as pesquisas, trabalhando
também nos serviços públicos e atuando na mídia.
Na Alemanha, os livres pensadores ainda hoje dizem defender os interesses
materiais e de maternidade das mulheres, pensando que merecem realizar-se como
esposa e mãe em plena igualdade e aceitação, sem perda financeira ou outra
desvantagem. Igualmente, voltam-se para as questões de opressão na velhice e de
exploração das mulheres, considerando os efeitos de sua eliminação quase completa da
história. Da mesma forma, o texto do movimento diz procurar evitar fraudes científicas,
culturais e sociais, sendo a favor da descriminalização do aborto.
A associação dos livres pensadores na Alemanha, chamada de Deutschen Freidenker
Verband (DFV) reúne hoje sua comunidade em encontros, guiados pelos ideais de Karl
Marx. Em http://www.freidenker.org/cms/dfv/ ou edição impressa, eles expressam
opiniões sobre as situações políticas da Líbia, Síria e Irã, assumindo posições antiguerra
e de solidariedade internacional.
Esta associação existe desde 1991, com sede em Dortmund, denominando-se como
uma comunidade ideológica baseada na experiência histórica de lutas pela liberdade.
Seus membros se manifestam contra a violência abusiva de autoridade nas esferas
religiosa e política e o privilégio de capital.
Mas depois da unificação alemã, novas perguntas passaram a ser feitas, como as
relacionadas à sobrevivência da espécie humana no planeta, cultura política democrática
e convivência entre diferentes. Problemas que são pensados também pela rede de livres
pensadores no Brasil – grupos que mantêm sites: http://www.livrespensadorespb.org/,
http://livrespensadores.ning.com/,
http://www.livrespensadores.com.br/;
promovem
fóruns e publicam textos em revista sobre assuntos como ateísmo, ciência, filosofia,
meio ambiente e contextos políticos e econômicos brasileiros. Muitos deles são jovens,
professores e estudantes – alguns também ligados à maçonaria – que expressam suas
ideias nas redes sociais, opinando sobre fatos recentes.
Este ano, a associação alemã organizou uma conferência internacional em memória
a Rosa Luxemburgo, em Berlim. O público do encontro foi formado por representantes
da América Latina, países árabes e europeus. De acordo com a organização, cerca de
dois mil participantes discutiram sobre as contribuições de Rosa Luxemburgo para a
8
esquerda na teoria e política, a história e a presença de movimentos anti-imperialistas e
perspectivas de mudança social.
Ainda não foram encontradas provas concretas de que Julie Engell-Günther teve
contato com Rosa Luxemburgo, mas como eram contemporâneas e compartilhavam do
mesmo sentimento ideológico, devem ter trocado influências e inspirações. Até mesmo
porque Rosa foi uma revolucionária polonesa que esteve no centro do debate da social
democracia alemã em 1900, quando escreveu “Reforma ou Revolução?”.
Na obra – uma crítica ao revisionismo da teoria escrita por Marx feita por Eduard
Bernstein – Rosa explica que “A teoria dele tende a nos aconselhar a renunciar à
transformação social, a meta final da social-democracia e, inversamente, fazer das
reformas sociais, os meios da luta de classes, seu objetivo”. Para ela, reformas
ininterruptas do capitalismo se refletiria no apoio permanente à burguesia, afastando-se
da possibilidade de construção de uma sociedade socialista.
Rosa desejava que os revisionistas fossem expulsos do partido, o que não ocorreu,
mas Karl Kautsky manteve a teoria marxista no programa do partido. Logo depois da
edição deste livro, em 1904, Rosa ficou presa por quase dois meses, acusada de insultar
o imperador Guilherme II em discurso público.
Durante a Revolução Russa de 1905, Rosa defendeu a teoria marxista, apoiando os
Bolcheviques. Ela também defendia a greve como forma de lutar, pensamento que a
manteve em oposição a August Bebel e Kautsky, no Partido Social Democrata da
Alemanha. Logo depois, romperia com Kautsky por ele não apoiar sua campanha a
favor do fim da monarquia e criação de uma República.
Em 1919, Rosa Luxemburgo e os outros dois líderes do partido comunista da
Alemanha foram executados. O jipe militar onde era levada virou. Ela foi baleada e
jogada semi-morta nas águas geladas de janeiro do Landwerkanal. O corpo só foi
encontrado seis meses depois, mas seus assassinos jamais foram condenados.
Só em 1999 que uma investigação do governo alemão concluiu que as tropas
haviam recebido ordens e dinheiro dos governantes social-democratas para matar Rosa.
O corpo dela, enterrado em Berlim, é visitado todos os anos por socialistas e comunistas
que se reúnem no local na segunda segunda-feira de janeiro para homenageá-la.
9
Em um contexto mais amplo, é importante situar, ainda, o pensamento iluminista
no qual livres pensadoras como Julie Engell-Günther permaneciam imersas, mesmo no
século 19. O Iluminismo, movimento cultural da elite de intelectuais do século 18 que
passou longe das realidades vividas no Brasil, tinha como crença o uso da razão para
reformar a sociedade e o conhecimento, em contextos de dogmatismos da Igreja e
abusos do Estado e eminência da Revolução Francesa. Lembrando que o Iluminismo é
uma criação protestante, e que é nesta fase que Immanuel Kant rompe com o
movimento medieval. 8
Kant procura a diferença entre o hoje e o ontem, acreditando que as formas de
interpretação de verdades correspondem a formas de interpretações históricas. Isto
porque é no Iluminismo que surge a necessidade de uma memória, quando são criados
os museus como espaço de exposição de dominação entre os povos. Neste sentido, a
aposta do Iluminismo é:
• No paradoxo das relações de capacidade e poder: como desvincular o
crescimento das capacidades e a intensificação das relações de poder?
• Homogeneidade: o que fazemos e de que forma fazemos, enquanto conjuntos
práticos. A homogeneidade das análises histórico-críticas é assegurada com sua
versão tecnológica e estratégica.
• Sistematização: possui três grandes domínios: com as coisas (eixo do saber),
sobre os outros (eixo do poder) e sobre si (eixo da ética).
• Generalidade: forma de analisar de maneira historicamente singular as questões
de abrangência geral.
Considerações finais
Depois de descritos os contextos sociais vividos pela jornalista Julie EngellGünther, são preocupações as influências destes meios na construção de epistemologias
feministas, ciência na qual o sujeito do conhecimento deve ser considerado como efeito
8
Mais tarde, o romantismo vai retomar o medieval com as histórias dos cavaleiros e das damas,
diferentemente do Iluminismo, que só enxergava o futuro.
10
das determinações culturais, inserido em um campo complexo de relações sociais,
sexuais e étnicas. É com a intensificação de estudos como os feministas que o
conhecimento deixa de ser fruto da neutralidade herdada do positivismo para considerar
a dimensão subjetiva.
Em um contexto mais atual, as assimetrias de poder que colocam as mulheres em
desvantagens vêm sendo analisadas ao longo dos anos a partir de categorias articuladas.
Abordagens atuais, como as que atuam com as interseccionalidades, oferecem
alternativas de compreensão.
Nos ambientes migratórios, como o vivido por Julie Engell-Günther, estão
relacionadas categorias como gênero, sexualidade, raça e etnicidade/nacionalidade. Se,
por um lado, as categorizações podem limitar, também abrem possibilidades para a
agência (BRAH, 2006).
Neste caso, as categorias oferecem ferramentas de análise para o entendimento das
diferenças. Diferenças e poder são utilizadas por muitos campos do conhecimento,
divergindo de acordo com as agências que são dadas aos sujeitos, ou seja, com as
possibilidades de ação que são mediadas de forma cultural e social.
Para a autora Lia Zanotta Machado (1992), as tendências atuais das pesquisas
feministas são os estudos de gênero. “Julia Kristeva entendia que a produção feminina e
acadêmica sobre sexo/gênero tendia a deixar correr paralelas ou misturadamente três
gerações: isto é, a do igualitarismo, a da especificidade e/ou diferença radical e a da
multiplicidade de diferenças e alteridades”.
A partir destas questões surgem muitas outras perguntas: “qual é o modo feminista
de pensar? Seria preciso encontrar o próprio assunto, o próprio sistema, a própria teoria,
a própria voz”, diz Showalter (1994). Já para Helen Longino (1990), o pensamento
feminista trouxe a subjetividade como forma de conhecimento. Uma nova relação entre
teoria e prática e um tipo de conhecimento situado.
Na reconstrução destes percursos, como entender as contribuições do passado
feminista sem considerar as desestabilizações e as rupturas da entrada desses temas em
campos epistemológicos masculinos? “Para quê necessitamos de uma nova ordem
explicativa do mundo?”, pergunta Sandra Harding (1996), ao lado de muitas outras
feministas. Ela questiona se não estaríamos correndo o risco de repor o tipo de relação
11
poder-saber que tanto criticamos: “Como o feminismo pode redefinir a relação entre
saber e poder se ele está criando uma nova epistemologia, mais um conjunto de regras
para controlar o pensamento?”
REFERÊNCIAS
AMÂNCIO, Lígia. As assimetrias nas representações de gênero. Instituto Superior
de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE). Centro de Investigação e Estudos
de Sociologia (CIES). Revista Crítica de Ciências Sociais, fevereiro de 1992.
BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cad. Pagu, Jun. 2006, no.26,
p.329-376. ISSN 0104-8333.
BUTLER, Judith (1990). Gender Trouble: feminism and the subversion of identity.
New York: Routledge.
HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o
privilégio da perspectiva parcial (1995). In: Cadernos Pagu (7-41).
HARDING, Sandra. Ciencia y feminismo. Tradução de Pablo Manzano. Madrid:
Ediciones Morata, S.L., 1996.
HÉRITIER, Françoise. Valencia Diferencial dos Sexos (La Valence differentielle dês
sexes). In: Masculin, Feminin. Paris: Odile Jacob, 1996, pp 15 a 29.
HOBSBAWM, Eric J. A era das revoluções: 1789-1848. São Paulo: Editora Paz e
Terra, 2009. 25a. edição.
LONGINO, Helen. The fate of knowledge. New Haven: Princeton University Press,
2001.
LONGINO, Helen. Science as social knowledge. Values and Objectivity in Social
Inquiry. New Haven: Princeton University Press, 1990.
LONGINO, Helen. Can there be a feminist science? New Haven: Princeton Univ.
Press, 1986.
12
MACHADO ZANOTTA, Lia. Feminismo, academia e interdisciplinaridade. In:
COSTA, Albertina; BRUSCHINI, Cristina (Orgs.). Uma questão de gênero. Rio de
Janeiro: Rosa dos Tempos; São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 1992. p. 24-38.
ORTNER, Sherry. Está a mulher para o homem assim como a natureza para a cultura?
IN: ROSALDO, Michelle Z; LAMPHERE, Louise (Orgs.). A mulher, a cultura e a
sociedade. Rio de Janeiro, Editora Paz e Terra, 1979, p. 95-120.
Primeira minuta para um novo Código Civil de 1888 e sua repercussão no Movimento
Feminino Burguês. Capítulo 21, 1889: Dr. Löwenfeld e Julie Engell-Günther. In:
RIEDEL, Tanja-Carina: Gleiches Recht für Frau und Mann, die bürgerliche
Frauengbewegung und die Entstehung des BGB. Köln, Böhlau, 2008, p. 148, 149,
150, 151, 155, 156, 157,159, 160, 162, 164, 166, 167 e 168.
RAGO, Margareth. ‘Epistemologia Feminista, Gênero e História’. In: Joana M. PEDRO
e Miriam P. GROSSI (orgs.). Masculino, Feminino, Plural. Florianópolis: Editora das
Mulheres, 1998, p.: 21-42.
REITER, Rayna R. Introduction. In: Toward an anthropology of women. New York
and London: Monthly Review Press, 1975, p. 11-16.
SCHNEIDER, Liane. Contando estórias feministas e a reconstrução do feminismo
recente. In: Revista de Estudos Feministas (jan./abr. 2009).
SHOWALTER, Elaine. A crítica feminista no território selvagem. In: HOLLANDA,
Heloísa Buarque de (org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da
cultura. Rio de Janeiro, Rocco, 1994. p. 23-57.
SPIVAK, Gayatri. Quem reivindica a alteridade?. In: BUARQUE DE HOLLANDA,
Heloisa (Org.). Tendências e Impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de
Janeiro, Editora Rocco, 1994. pp 187/205.
STRATHERN, Marilyn. Um lugar no debate feminista. In: O gênero da dádiva.
Campinas: Editora da Unicamp, 2006, p. 53-77.
13
Imagens:
Cabeçalho do jornal de
livres pensadores que
circulava em Wisconsin,
nos Estados Unidos.
Julie Engell-Günther
aparece à direita
Trabalho de campo em SP:
entrevista da pesquisadora
com a tradutora Elke Dislich
14
Capa do livro “Noites de Natal
no Brasil”, escrito por
Engell-Günther em 1862
Uma das cartas escritas por
Engell-Günther a Karl Kautsky
Assinatura de Engell-Günther ao final
de uma das cartas enviadas a Karl Kautsky
15
Fly UP