...

frankenstein na uti neonatal: o conflito entre o filho real e o filho

by user

on
Category: Documents
3

views

Report

Comments

Transcript

frankenstein na uti neonatal: o conflito entre o filho real e o filho
FRANKENSTEIN NA UTI NEONATAL:
O CONFLITO ENTRE O FILHO REAL E O FILHO IMAGINÁRIO
Marcus Vinícius Rezende Fagundes Netto*
Leandra Silva Duarte**
RESUMO:
Dentre as diversas criações artísticas, a literatura é uma das que mais pode estabelecer relações
estreitas com a Psicanálise já que escritor, assim como o psicanalista, usa da linguagem e da
interpretação. Assim, o objetivo do presente trabalho é, a partir da análise do romance
Frankenstein de Mary Shelley, apontar como a ambivalência de sentimentos, que permeia a
relação mãe-bebê na UTI neonatal, engendra-se a partir do confronto entre o filho imaginário e o
filho real que se coloca para a mãe como um estranho. Além disso, pretende-se mostrar a
importância da escuta e, consequentemente, do lugar para a palavra já que, por meio desta, a mãe
poderá caminhar em direção ao luto do filho imaginário abrindo uma possibilidade outra para o
nascimento psíquico deste bebê.
PALAVRAS-CHAVE: Literatura. Psicanálise. Estranho. Filho real. Filho imaginário.
*
Marcus Vinícius Rezende Fagundes Netto. Graduação em Letras pelo CES-JF, pós-graduação em Ensino de
Línguas Estrangeiras pela PUC-MG, pós-graduação em Psicanálise, Subjetividade e Cultura (UFJF). Aluno do curso
de especialização em Psicologia Hospitalar (USP), graduando em Psicologia (CES-JF) e estagiário do Setor de
Psicologia Clínica do Hospital Monte Sinai. E-mail: [email protected] Endereço: Avenida Independência
2565/205. Tel.: (32) 3232-1372/91917-0888.
**
Leandra Silva Duarte. Graduação em Psicologia e pós-graduação em Psicologia Hospitalar (Universidade
FUMEC/Belo Horizonte) e em Psicanálise: Subjetividade e Cultura (UFJF). Atua no Serviço de Psicologia do
Hospital Monte Sinai. Email: [email protected] Endereço: Rua Marechal Deodoro 836/720. Tel.: (32)
3215-9449
Psicanálise & Barroco em revista v.8, n.1: 175-188, jul.2010
175
Frankenstein na UTI neonatal: o conflito entre o filho real e o filho imaginário
PSICANÁLISE E LITERATURA: RELAÇÕES POSSÍVEIS
A literatura, dentre as criações artísticas, é aquela que, provavelmente, mais possui
laços estreitos com a Psicanálise já que, como essa, as obras literárias trabalham com a linguagem
e são compreendidas através da interpretação. No entanto, a interpretação que um analista faz de
um texto, seja ele produzido por um artista ou por um paciente em seu consultório, não é a
mesma feita por um crítico. Assim, segundo Sá (2007), enquanto a interpretação do crítico tem
como objeto o ego cartesiano do autor, a interpretação psicanalítica pretende, como na clínica, ter
notícias do sujeito dividido, ou, em outras palavras, do sujeito tocado pelo inconsciente que
Roudinesco (2000) chamou de sujeito freudiano.
Com isso, como enfatiza Villari (2000), da mesma maneira que Freud, o analista
deveria se aproximar da literatura tendo-a como textualidade a partir da qual se poderia dizer
mais sobre o Real. Dessa forma, quando os elementos disponíveis da teoria fazem-se
insuficientes e, por conseguinte, o limite da construção se impõe, o diálogo com a literatura pode
ser utilizado para relançar a elaboração teórica psicanalítica. Assim, a relação entre psicanálise e
literatura não deve ser aditiva, por meio da qual se tenciona adicionar sentidos ao texto, mas sim
extrativa tentando resgatar das criações literárias particularidades que podem nutrir a teoria
psicanalítica.
Psicanálise & Barroco em revista v.8, n.1: 175-188, jul.2010
176
Marcus Vinícius Rezende Fagundes Netto e Leandra Silva Duarte
FRANKENSTEIN E SUA CRIAÇÃO
Tendo essa discussão como base, abordaremos nesse trabalho o confronto
existente entre o filho real e o filho imaginário que permeia toda relação mãe-filho, mas que no
hospital e, principalmente, na Unidade de Tratamento Intensivo neonatal, parece se manifestar de
forma muito mais expressiva. No entanto, para se tentar dar um contorno à ambivalência de
sentimentos – amor e ódio, por exemplo - que são engendrados neste contexto, tomaremos como
base a obra Frankenstein de Mary Shelley.
No verão de 1816, ao visitar seu amigo e poeta Lord Byron, Mary Shelley foi
desafiada, durante uma noite chuvosa, a participar de um concurso de história de fantasmas. Após
várias tentativas frustradas de escrever um bom conto de terror, Shelley decide, exausta, voltar a
seus aposentos e dormir. Durante aquela noite a autora de apenas 21 anos teve o sonho mais
assustador de sua vida:
Eu via – com os olhos fechados, mas com uma penetrante visão mental -,
eu via o pálido estudioso das artes profanas ajoelhado junto à coisa que
ele tinha reunido. Eu via o horrível espectro de um homem estendido,
que, sob ação de alguma máquina poderosa, mostrava sinais de vida e se
agitava com um movimento meio-vivo, desajeitado. Ele (o criador)
esperaria que, entregue a si mesma, a centelha de vida que ele lhe
comunicara extinguir-se-ia, que aquela coisa que recebera uma animação
tão imperfeita mergulharia na matéria morta, e ele poderia então dormir
na crença de que o silêncio do túmulo envolveria para sempre a breve
existência do hediondo cadáver que ele olhara como berço de uma vida.
(Shelley, 2007, p. 17)
Psicanálise & Barroco em revista v.8, n.1: 175-188, jul.2010
177
Frankenstein na UTI neonatal: o conflito entre o filho real e o filho imaginário
Este sonho, cujo desfecho se dá quando o cientista acorda e se depara com
monstruosos olhos vazios e amarelos fitando-o, serviu de inspiração para que Shelley escrevesse
uma das obras mais lidas e estudadas do século XIX – Frankenstein.
Este romance conta a história de Victor Frankenstein, um cientista que, movido
pelas indagações relativas as origens e aos segredos metafísicos, dá forma a um ser medonho que
é construído através de pedaços de cadáveres. Todavia, quando essa criatura volta a vida,
Frankenstein não fica satisfeito com o resultado de seu experimento e o abandona. A partir de
então, a vida do cientista fica a mercê de sua criação monstruosa que, sedento por vingança,
persegue-lhe e mata todos aqueles que lhe eram caros.
Uma leitura mais desatenta da obra poderia nos dar a impressão de que um diálogo
entre esse romance e a relação mãe-bebê na UTI neonatal seria uma tarefa impossível de ser
realizada. Entretanto, como sugere Sigmund Freud (1925) em seu texto Escritores Criativos e
Devaneios, a obra literária, assim como a fantasia, é um substituto do brincar infantil que,
diferentemente dos devaneios, não nos causa repulsa ou embaraço. Assim, por meio de sua obra,
o escritor nos oferece a possibilidade de, inconscientemente, deleitarmo-nos com os nossos
próprios devaneios sem auto-acusações. Dessa forma, segundo Sá (2002), Freud interessou-se
pelo estudo psicanalítico da obra literária. Porém, seu objetivo não era a análise da obra sob o
ponto de vista de seu valor estético, mas para complementar e/ou encontrar respaldo para sua
teoria do inconsciente. Este fato pode ser verificado na leitura feita pelo pai da psicanálise de
obras como Dostoievski e o parricídio e da própria narrativa mítica de Édipo Rei, através das
quais seu conceito de Complexo de Édipo foi sistematizado.
Com isso, recorreremos à riqueza do romance Frankenstein para podermos
delinear, ou pelo menos compreendermos um pouco melhor, quais são e como se configuram os
Psicanálise & Barroco em revista v.8, n.1: 175-188, jul.2010
178
Marcus Vinícius Rezende Fagundes Netto e Leandra Silva Duarte
sentimentos, desejos e angústias inconscientes que atravessam uma mãe frente a seu filho que,
após o nascimento, é levado para a UTI neonatal.
Todavia, antes de prosseguirmos, faz-se necessário esclarecer que não nos
ateremos à questão da maternidade como algo relativo ao feminino ou ao masculino. Tais
conceitos são por demais complexos e merecem uma discussão mais pormenorizada. Assim, no
presente trabalho, a maternidade será abordada como uma função que, na obra de Mary Shelley,
deveria ter sido exercida por Frankenstein já que este, literalmente, “deu a luz” a sua criação, que
voltou a vida durante uma noite chuvosa através de uma descarga elétrica.
FRANKENSTEIN DIANTE DO ESTRANHO
De acordo com Salles (1992), a história de um indivíduo começa antes de seu
nascimento. O filho é falado, imaginado e representado psiquicamente pela mãe. Com isso, esse
filho imaginário que é idealizado durante a gestação ou até antes dela, é uma atualização daquele
que foi fruto dos desejos incestuosos da menina em relação ao pai e também da rivalidade com a
mãe e, por isso, serve, como um falo que, no imaginário da mulher, tornar-lhe-ia completa. Além
disso, como explicita Freud (1914), a atitude de idealização dos pais com relação aos filhos é de
uma transferência do narcisismo parental para Sua Majestade o Bebê, que concretizará os sonhos
dourados que os pais jamais foram capazes de realizar.
Essa relação dos pais e, principalmente, da mãe com o filho, pode ser ilustrada
com as palavras de Dr. Frankenstein que nos relata seus desejos ligados a sua criação, a seu filho
imaginário. Dentre essas aspirações destacam-se a força, o vigor, a felicidade, a pureza e a eterna
Psicanálise & Barroco em revista v.8, n.1: 175-188, jul.2010
179
Frankenstein na UTI neonatal: o conflito entre o filho real e o filho imaginário
gratidão. “Assim, visualizei uma criatura com cerca de dois metros e meio de altura e
proporcionalmente vigorosa. [...] Seria o criador de uma nova espécie – seres felizes, puros que
iriam dever-me sua existência.” (Shelley, 2007, p. 56)
No entanto, sabemos através de Freud (1929), em Mal-Estar na Civilização, que a
plena satisfação é inatingível já que certo grau de renúncia pulsional seria o requisito essencial
para o estabelecimento das relações humanas. Além disso, Lacan (1959-60) parece compartilhar
da mesma idéia que Freud quando, em sua obra Ética da Psicanálise, nega a existência da
felicidade sem sombras. O sujeito, para Lacan (1959), tem na falta sua força motriz e, dessa
forma, está condenado à insatisfação eterna, simplesmente pelo fato de que a manutenção do
excesso de gozo - lê-se aqui satisfação completa - é da ordem do impossível.
Atrelado a isso, ao estudar os componentes da pulsão, Lacan (1964) nos chama
atenção para o paradoxo existente entre o alvo (Ziel) e a força (Drang) da mesma. Afinal, se o
alvo da pulsão é a satisfação, mas a pulsão é uma força constante não tendo nem dia nem noite,
nem primavera ou nem outono, nem subida nem descida, não é possível se falar de uma
satisfação última, total. A satisfação, pelo contrário, é sempre parcial, assim como toda pulsão o
é. Falando de outro modo, a pulsão apreendendo seu objeto, apreende de algum modo que não é
justamente por aí que ela se satisfaz. Isso porque nenhum objeto, de nenhuma necessidade
satisfaz a pulsão. Assim, com vistas essa impossibilidade de satisfação toda, após o nascimento
do filho, estabelece-se um conflito entre o filho até então imaginado e aquele que se coloca como
um estranho frente ao olhar e ao desejo da mãe.
Com relação ao sentimento de estranheza que é suscitado na mãe pelo filho real,
Freud (1919) em sua obra O Estranho afirma que este não representa nada de novo. O estranho é
aquilo que nos é familiar, o que já nos é íntimo e há muito estabelecido na mente, mas que, por
Psicanálise & Barroco em revista v.8, n.1: 175-188, jul.2010
180
Marcus Vinícius Rezende Fagundes Netto e Leandra Silva Duarte
algum motivo, alienou-se através do recalque. Deste modo, além de nunca corresponder aos
ideais de perfeição da mãe, pois esses são inalcançáveis, este estranho, este filho real ainda
atualiza conflitos infantis da mulher que agora ocupará o lugar daquela com quem sempre
rivalizou – sua mãe.
Entretanto, como ressalta Salles (1992), esse conflito entre o filho imaginário e o
real tem que acontecer. O bebê somente será dono de seu desejo e ingressará em uma ordem
social quando um terceiro operar a separação simbólica entre mãe e filho e este não mais ocupar
o lugar desse ser perfeito que a mãe sonhou para torná-la completa – o falo.
FRANKENSTEIN NA UTI NEONATAL
Por outro lado, se o filho sonhado e idealizado nasce doente, o conflito entre o
filho imaginário e o real é ainda mais significativo e avassalador. Frankenstein, diante do
estranho que criara, parece expressar muito bem a frustração da mãe diante de seu filho doente.
“Eis que terminada minha escultura viva, esvaia-se a beleza que eu sonhara, e eu tinha diante dos
olhos um ser que me enchia de terror e repulsa. [...] Senti o gosto amargo da decepção. Sonhos
que me haviam embalado por tanto tempo eram, repentinamente, transformados numa realidade
infernal.” (Shelley, 2007, p. 59-60)
Além da frustração que parece evidente na fala de Victor Frankenstein, podemos
mais uma vez nos reportar a Freud (1919) para delinearmos uma possível razão para o sentimento
de horror e repulsa que o criador sentiu diante de sua criatura e que, provavelmente, é similar ao
que a mãe sente quando olha seu filho na UTI neonatal. Freud relaciona o medo de monstros, de
Psicanálise & Barroco em revista v.8, n.1: 175-188, jul.2010
181
Frankenstein na UTI neonatal: o conflito entre o filho real e o filho imaginário
fantasmas e de cadáveres ao medo daquilo que mais desconhecemos – a morte. Segundo o autor,
assim como a própria ciência, “nosso inconsciente tem tão pouco uso hoje, como sempre teve,
para a idéia de sua própria mortalidade”. Por isso, tanto Victor Frankenstein quanto a mãe de um
filho doente e/ou prematuro são tocados pela possibilidade de sua própria finitude tendo em vista
que o medo da morte é tão intenso dentro de nós, que está sempre pronto para emergir a partir de
qualquer provocação.
Tal como alguém que, por deserta estrada,
Vai caminhando tangido pelo medo,
E tendo, uma vez, olhado em torno,
Não mais volve a cabeça e segue a diante,
Pois sabe que a sombra do demônio
Segue-lhe os passos no vagar constante.
(Coleridge apud Shelley , 2007, p. 61)
SUPERPROTEÇÃO, ABANDONO E ETERNA GESTAÇÃO
Todavia, quais seriam as possíveis reações de uma mãe após esse turbilhão de
sentimentos? Como ressalta Salles (1992), na fantasia materna, o “defeito” da criança é fruto de
um erro da mãe e, dessa forma, ela poderá apresentar três condutas com relação ao filho:
superproteção com buscas incessantes de tratamentos muitas vezes desnecessários como uma
tentativa de reparar sua culpa, abandono da criança que poderá ser entregue a outras pessoas ou a
instituições ou, finalmente, uma eterna gestação deste filho doente.
No caso de Frankenstein, podemos perceber que o que ocorre é o abandono e a
eterna gestação. Mesmo que aparentemente divergentes, são exatamente esses dois tipos de
Psicanálise & Barroco em revista v.8, n.1: 175-188, jul.2010
182
Marcus Vinícius Rezende Fagundes Netto e Leandra Silva Duarte
condutas que inferimos da fala da criatura sobre sua solidão e do relato de Victor acerca de sua
implacável perseguição ao monstro.
Nenhum pai velara meus dias de infância, nenhuma benção de mãe
baixara sobre minha fonte [...] Jamais vira um ser semelhante a mim, que
eu pudesse considerar da minha espécie ou que tivesse qualquer relação
comigo. Quem era eu? O que era eu? [...] O próprio Satã tinha seus
companheiros, demônios como ele, que o seguiam e encorajavam, mas eu
sou absolutamente solitário. (Shelley, 2007. p 115-124)
Fui retornar-lhe a trilha nos ermos da Tartária, subindo depois a Rússia,
mas ele sempre se esquivando da minha aproximação. Por vezes os
camponeses, apavorados, davam-me notícias de sua passagem. Outras
ocasiões, como se tivesse o intuito maligno de prolongar a perseguição e
temesse vê-la terminada pela minha morte ou meu desespero, ele próprio
se incumbia de deixar alguma pista. (Shelley, 2007. p. 189)
Com relação ao abandono, este parece evidente quando o monstro, por mais
hedionda fosse sua aparência ou mais malignos seus atos, diz não se identificar nem com Satã.
Por outro lado, não é fácil percebermos a eterna unidade dual estabelecida entre Frankenstein e o
monstro. No entanto, para compreendermos essa ligação simbiótica entre criador e criatura,
caracterizando assim a eterna gestação, temos que entender Victor Frankenstein quase como a
personagem Mafouka concebida por Anaïs Nin (2007) em Delta de Vênus.
Hermafrodita perfeita, Mafouka não conseguia exercer seu papel masculino e nem
feminino diante de seus objetos de desejo. Quando indagada sobre sua real sexualidade Mafouka
responde “Todo mundo quer saber. Todo mundo sente que não sou rapaz. As mulheres sentem.
Os homens não sabem ao certo. Sou artista” (Nin, 2007, p.56). Victor Frankenstein, por sua vez e
analogamente a Mafouka, não é pai e nem mãe, é Criador.
Psicanálise & Barroco em revista v.8, n.1: 175-188, jul.2010
183
Frankenstein na UTI neonatal: o conflito entre o filho real e o filho imaginário
Assim, Dr Frankenstein ao mesmo tempo em que não realiza a função paterna de
funcionar como um terceiro e, com isso, operar a inserção social simbólica da criança ao separála da mãe, não consegue, como conseqüência, abandonar sua criatura por completo, mesmo que
aparentemente o queira. Dessa forma, amor e ódio, abandono e reparação, decepção e culpa são
os sentimentos ambivalentes que permearam não só a relação criador-criatura em Frankenstein,
mas são também esses os afetos que se fazem presentes e dão o tom à relação mãe e filho na UTI
neonatal.
O QUE PODE UM ANALISTA NA UTI NEONATAL?
O trabalho do analista na UTI neonatal pode ser pensado em várias vertentes.
Permanecendo na direção apontada no título deste artigo, será aqui abordado o trabalho do
psicanalista com as mães de bebês prematuros.
O nascimento a termo de um bebê ocorre com 37 a 41 semanas de gestação. Antes
desse período diz-se nascimento pré-termo. São bebês que nascem com baixo peso e uma
condição clínica bastante instável, a maturação de seu sistema pulmonar e neurológico ainda é
insatisfatória, o que justifica a necessidade de internação na unidade de tratamento intensivo. A
separação imposta pela necessidade médica cria por si só um vazio de palavras, um buraco de
linguagem. A permanência desse hiato não será sem conseqüências e aponta aí para um espaço de
intervenção. Trata-se de intervir nesse espaço oco de forma que a fala e a escuta sejam possíveis,
na tentativa de pela simbolização, (re)construir a história.“A psicanálise é a experiência da
Psicanálise & Barroco em revista v.8, n.1: 175-188, jul.2010
184
Marcus Vinícius Rezende Fagundes Netto e Leandra Silva Duarte
palavra. Ela entende o ser humano como conseqüência de um ser animal que fala e está
submetido à linguagem que o pré-existe e determina seu destino.” (Moura, 2005, p. 90)
Antes mesmo do bebê nascer, há uma história que o situa na cultura da família.
Ele não irá ocupar um lugar vazio de significantes, pois antes da vinda ao mundo de um ser
biológico, a palavra já determina o lugar desse sujeito. Seu lugar vai sendo construído e
representado na fantasia dos pais a medida que imaginam suas características, escolhem seu
nome e planejam os preparativos para sua chegada.
Nesse sentido, os 9 meses de gestação representam não apenas um tempo para
maturidade física mas, para além disso, um tempo para construção dos lugares: lugar-pai, lugarmãe e lugar-filho. “Tornar-se pai e tornar-se mãe é um processo [...]” (Mouhallem, 2005, p. 99).
Desta forma, a vinda prematura de um bebê representa além de uma pré-maturação, um corte,
uma antecipação dos lugares ainda em construção. Frente ao nascimento de seu filho no 6º mês
gestacional, um pai diz durante o atendimento: “nem os sentimentos estavam preparados”.
Da “Majestade” ao mostro de “Frankenstein”, o nascimento pré-termo coloca os
pais diante de um pequeno corpo, ligado à vida pelos fios da incubadora e esse encontro com o
real pode precipitar o sujeito no horror: “Se o luto do filho imaginário está sempre por fazer no
momento de um nascimento, no caso de crianças prematuras este luto parece ter-se tornado ainda
mais difícil, até mesmo impossível.” (Mathelin, 1999, p. 66)
“Rejeição”. É este o sentimento que uma mãe define ter sentido após ter visto pela
primeira vez seu filho de 850 gramas. O nascimento psíquico do bebê ocorre na medida em ele é
investido, desejado, inscrito numa rede através dos significantes. “A criança precisa se localizar
em relação ao desejo de seus pais, precisa construir um sentido para se fazer história, para se
fazer singular”, aponta Mohallem (2005, p. 96). Com bebês prematuros é preciso que o simbólico
Psicanálise & Barroco em revista v.8, n.1: 175-188, jul.2010
185
Frankenstein na UTI neonatal: o conflito entre o filho real e o filho imaginário
venha para dar contorno ao real, que as coisas inomináveis tentem ser ditas, que o horror frente
ao real seja ressignificado.
Desta forma, se nada de simbólico vier inscrever esse bebê no desejo do Outro, ele
corre o risco de ficar reduzido a um “pedaço de carne”. É pela simbolização que o bebê do horror
do real poderá ser descolado para a possibilidade de um futuro e uma nova possibilidade se
instaure: do monstro “Frankenstein” à “Majestade”.
Desde a primeira entrevista e por ocasião de todas as outras, os pais falam
de sua angústia, do traumatismo que representa esse encontro com o real.
Uma simbolização deve poder ser possível para que os pais continuem a
imaginar esse filho, para que ele não se torne para eles um pedaço de carne
a ser reanimado, objeto da medicina, e continue sendo uma criança, o filho
deles. (Mathelin, 1999, p. 24)
A partir disso, ressalta-se que cabe ao psicanalista guiar-se pela ética da
psicanálise que, segundo Lacan (1991), é a ética da verdade do sujeito. O analista, então, só
conseguirá guiar a mãe em direção ao luto do filho imaginário, quando puder, sem julgamentos
de valor, oferecer sua escuta para, assim, possibilitar a palavra. Com isso, o filho imaginário
somente dará lugar ao real quando for dada voz ao que angustia e horroriza não só a mãe, mas
também à mulher que, na UTI neonatal, é convocada a se haver com a sua própria falta, com sua
própria castração.
Psicanálise & Barroco em revista v.8, n.1: 175-188, jul.2010
186
Marcus Vinícius Rezende Fagundes Netto e Leandra Silva Duarte
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
FREUD, S. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. 2ª
Ed. Rio de Janeiro: Imago, 1987.
FREUD, S. (1907) Escritores Criativos e Devaneios. vol. IX.
________. (1914) Sobre o narcisismo: uma introdução. vol. XIV.
________. (1919) O estranho. vol. XVI.
________. (1929) O mal-estar na civilização. vol. XXI.
LACAN, J. (1959-1960). O Seminário, livro 7: A Ética da Psicanálise. Rio de Janeiro, Jorge
Zahar Editor, 1997.
________. (1964). O Seminário, livro 11: Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Rio
de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 1985.
MATHELIN, C. O sorriso da Gioconda: clínica psicanalítica com os bebês prematuros. Rio de
Janeiro: Companhia de Freud, 1999.
MOHALLEM, L. N. “‘Nada como o tempo...’– Prematuridade e trauma”. In MOURA, Marisa
Decat (org). Psicanálise e hospital - novas versões do pai: reprodução assistida e UTI – 4. Belo
Horizonte: Autêntica/FCH-FUMEC, 2005.
MOURA, M. D. “In vitro veritas – reprodução assistida: ‘Um saber sem verdade’ e ‘Um saber
não sem verdade’”. In: MOURA, Marisa Decat (org). Psicanálise e hospital - novas versões do
pai: reprodução assistida e UTI – 4. Belo Horizonte: Autêntica/FCH-FUMEC, 2005.
NIN, A. (1969) Delta de Vênus – Histórias eróticas. Porto Alegre: L&PM, 2007.
ROUDINESCO, E. Por que a psicanálise? Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2000.
SÁ, O. de. “Psicanálise e Literatura: a interpretação”. In: Literaturas, Artes, Saberes. São Paulo,
2007.
SALLES, A. C. T. C. “A mãe e seu filho doente. Epistemossomática”. In: Publicação do
Departamento de Psicologia e Psicanálise do Hospital Mater Dei. Belo Horizonte: vol. II,
abril/1992.
SHELLEY, M. (1817) Frankenstein. São Paulo: Martin Claret, 2007.
VILLARI, R. A. “Relações possíveis e impossíveis entre a psicanálise e a literatura”. In: Revista
Psicologia: ciência e profissão. v. 20, n.2, 2000. p.2-7.
Psicanálise & Barroco em revista v.8, n.1: 175-188, jul.2010
187
Frankenstein na UTI neonatal: o conflito entre o filho real e o filho imaginário
FRANKENSTEIN AT THE PEDIATRIC ICU:
THE CONFLICT BETWEEN THE REAL CHILD AND THE IMAGINARY ONE
ABSTRACT:
Amongst various artistic creations, literature is the one that best relates with Psychoanalysis as
the writer, just like a psychoanalyst, uses language and interpretation. Therefore, through the
analysis of Frankenstein by Mary Shelley, the aim of this study is to show how the paradox
concerning the feelings involved in the relationship between mother and child in the ICU for
children is established once the confront between the imaginary child and the real one who is
seen as a stranger by the mother occurs. Moreover, it is also the intention of this article to point
out the importance of the psychoanalyst’s listening that gives a room for words and, thus, the
mother can grieve for the loss of the imaginary child which will allow the psychic birth of her
baby
KEYWORDS: Literature. Psychoanalysis. Stranger. Real child. Imaginary child.
FRANKENSTEIN DANS L’ UTI NÉONATALE:
LE CONFRONT ENTRE LE FILS REEL ET LE FILS IMAGINAIRE
RÉSUMÉ :
Parmi les plusieurs créations artistiques, la literature est celle qui meilleur établit des relations
étroites avec la Psychanalise, quand on considère que l’écrivain, comme le psychanalyste, fait de
l’usage du langage et de l’interpretation. Alors, l’objectif de ce travail est de, à partir de l’analyze
du roman Frankenstein de Mary Shelley, montrer comme l’ambivalence des sentiments qui
circule la relation mère et bébé dans la UTI néonatale est construite sur le confront entre le fils
imaginaire et le fils réel vu par la mère comme un étranger. D’ailleurs, on a aussi l’intention de
relever l’importance de l’écoute et, conséquemment, le rôle de la parole, une fois que que la mère
pourrait se diriger vers le deuil de son fils imaginaire ce qui va permettre la naissance psychique
de son bébé.
MOTS-CLÉS : Literature. Psychanalyse. Étranger. Fils réel. Fils imaginaire.
Recebido em 25/01/2010
Aprovado em 02/05/2010
© 2010 Psicanálise & Barroco em revista
Núcleo de Estudos e Pesquisa em Subjetividade e Cultura/CNPq – UFJF.
www.psicanaliseebarroco.pro.br
Programa de Pós-Graduação em Memória Social – UNIRIO.
Memória, Subjetividade e Criação.
www.memoriasocial.pro.br/proposta-area.php
[email protected]
www.psicanaliseebarroco.pro.br/revista
Psicanálise & Barroco em revista v.8, n.1: 175-188, jul.2010
188
Fly UP