...

A evolução institucional da Polícia no século XIX: Inglaterra

by user

on
Category: Documents
7

views

Report

Comments

Transcript

A evolução institucional da Polícia no século XIX: Inglaterra
Artigos
A evolução institucional da
Polícia no século XIX: Inglaterra,
Estados Unidos e Brasil em
perspectiva comparada1
Eduardo Cerqueira Batitucci
Eduardo Cerqueira Batitucci é pesquisador do Núcleo de Estudos em Segurança Pública da Fundação João Pinheiro e doutor
em Sociologia pela UFMG.
[email protected]
Resumo
O artigo apresenta uma reflexão sobre as características do desenvolvimento institucional da Polícia durante o século
XIX no Brasil, Inglaterra e Estados Unidos, de forma comparada, procurando evidenciar as principais características
da consolidação do aparato policial nestas três realidades, bem como as possíveis continuidades entre características
históricas do desenvolvimento institucional da polícia no Brasil e alguns dos dilemas colocados para a profissionalização
das nossas polícias.
Palavras-Chave
Polícia. História da Polícia. Profissionalização da Polícia.
30
Revista Brasileira de Segurança Pública
|
Ano 4
Edição 7
Ago/Set 2010
Ano 4
Considerada a primeira polícia moderna em
um país com governo representativo (MILLER,
1999), sua característica de modernidade estava
associada à definição do seu papel como o de uma
polícia preventiva e, portanto, não prioritariamente voltada para a implementação da Lei, por meio
da repressão aos comportamentos desviantes. Estas duas ideias – um governo representativo e uma
polícia preventiva – implicariam a necessidade de
que a polícia deveria em primeiro lugar obter e,
então, utilizar a aceitação e concordância voluntária das pessoas para a sua autoridade (MILLER,
1999, p. 1), e que o policiamento efetivo, nestes
termos, requereria um consenso genérico de que
o poder que a polícia representa e o poder que ela
exerce são minimamente legítimos.
Neste caso, a despeito de representar, do
ponto de vista prático, a ideologia dominante em uma dada sociedade – haja vista que,
como afirma Reiner (1992, p. 3-4), o impacto
das leis, ainda que formuladas a partir de concepções genéricas e universalistas, reproduz as
desigualdades de uma determinada sociedade
–, a polícia, mesmo dispondo do poder para a
coerção, pode optar por agir por meio do consenso (EMSLEY, 1996, p. 5).
Edição 7
Ago/Set 2010
|
Revista Brasileira de Segurança Pública
31
Eduardo Cerqueira Batitucci
Artigos
Seja como for, é consenso para a maioria
dos autores (BAYLEY, 2001; EMSLEY, 1996;
GOLDSTEIN, 1990; LEE, 1971; MANNING, 1997; MILLER, 1999; MONKKONEN, 1981; PONCIONI, 2003 e 2005;
REINER, 1992; TONRY; MORRIS, 1992,
SENIOR, 1997; WALKER, 1977 e 1992;
entre outros) que, durante o séc. XIX, a polícia, especialmente na Europa e nos Estados
Unidos, desenvolveu-se no sentido da profissionalização e da legitimidade, conquistando o
monopólio da atividade de enfrentamento ao
crime e à desordem social.
A Polícia Metropolitana de Londres
Do ponto de vista de sua evolução institucional, o paradigma das polícias ocidentais é
a Polícia Metropolitana de Londres, a “nova
polícia” fundada em 1829.
A evolução institucional da Polícia no século XIX: Inglaterra,
Estados Unidos e Brasil em perspectiva comparada
M
uitos historiadores apontam para o
desenvolvimento institucional da
polícia como o mais eficiente instrumento de
opressão das classes proprietárias sobre as classes trabalhadoras, no calor das mudanças sociais
e urbanas da consolidação da revolução industrial na Europa, no início do séc. XIX; outros,
em visão oposta, identificam a polícia como o
melhor instrumento disponível para enfrentar
as consequências previsíveis destas mudanças –
caos, desordem e crime – por meio da qual toda
a sociedade, a despeito das profundas divisões
de classe, teria a ganhar (REINER, 1992). Em
uma perspectiva menos dicotomizada, Emsley
(1996, p. 5-7) afirma que seria mais realista
conceber a Lei e a Polícia como instituições
multifacetadas, utilizadas por pessoas de todas
as classes, para se opor, cooperar e conseguir
concessões uns dos outros.
Artigos
Para Manning (1997, p. 86), isso foi possível para a “nova polícia” em virtude de um
projeto institucional cuidadoso, voltado especificamente para a ideia de que a polícia foi
concebida, pelo menos em parte, como uma
força direcionada para a construção de uma
mediação política entre o povo e as elites. Neste sentido, a polícia deveria:
repressiva à sanção legal e procurando evitar a
Eduardo Cerqueira Batitucci
A evolução institucional da Polícia no século XIX: Inglaterra,
Estados Unidos e Brasil em perspectiva comparada
(...) prevenir o crime, sem recorrer de forma
intervenção militar em distúrbios domésticos
(tais como em motins e revoltas populares);
gerenciar a ordem pública de forma não violenta, com a aplicação de recursos violentos
apenas como última possibilidade para conseguir obediência e concordância; minimizar e
mesmo reduzir, se possível, a divisão ou separação entre a polícia e o público, e demonstrar
eficiência através da ausência de crime ou desordem, e não através da ação policial voltada
para este fim (MANNING, 1997, p. 92-93).
Estas características implicariam uma série
de novas demandas organizacionais, incompatíveis com os antigos sistemas de policiamento casuais ou esporádicos até então funcionais
na sociedade inglesa: os vigias noturnos (night
watchers), os “detetives” das cortes e os “Juizados de Paz”, atores privados ou semiprivados,
que agiam mediante contrato, pagamento, ou
imposto específico. Assim, a “nova polícia” seria, por exemplo, a primeira a desenvolver a
ideia de prevenção do crime por meio de patrulha constante, em vez da simples apreensão
de ofensores após a ocorrência do fato (MILLER, 1999, p. 2).
A despeito disso, a polícia como organização
não era bem vista tanto entre a classe trabalha-
32
Revista Brasileira de Segurança Pública
|
Ano 4
Edição 7
dora quanto entre os nobres e proprietários, porque representava de forma bastante tangível um
enorme potencial de regulação do governo sobre
a vida privada das pessoas, até então inédito.
(MILLER, 1999, p. 4; LOWE, 1990, p. 219).
Logo, se, por um lado, é suposto que a
visão das pessoas sobre a polícia reflete, em
algum grau, a ideia que elas têm do governo
que esta polícia representa, por outro, a polícia
pode ter um papel ativo na criação de sua própria imagem pública, sendo que, neste sentido,
um desenho institucional adequado pode ser
de grande ajuda. Dessa forma, Sir Robert Peel2
deliberadamente procurou moldar as características organizacionais da polícia de Londres,
em virtude da tradicional desconfiança britânica na autoridade oficial, no sentido de garantir que seus policiais não fossem vistos como
alguma forma de exército doméstico a serviço da proteção da coroa em detrimento ou ao
custo das liberdades individuais (SKOLNICK;
FYFE, 1993, p. 117).
Assim, a Polícia Metropolitana de Londres
introduziu vários elementos que fizeram parte,
daí para diante, da ideia moderna de policiamento (WALKER, 1992, p. 5): um sentido de
missão, relacionado à noção de prevenir o crime antes que ele ocorra, em que a estratégia era
a patrulha preventiva; uma estrutura organizacional definida, no caso em pauta, baseada na
estrutura das forças armadas, em especial o seu
sistema de comando e disciplina; e a presença
contínua da polícia na comunidade por meio
da patrulha preventiva em tempo integral.
Na verdade, seus princípios fundadores
sintetizavam uma já longa tradição de estu-
Ago/Set 2010
• organização burocrática: a nova polícia
seria organizada por princípios de uma hierarquia burocrática, com uma cadeia de co-
Entre as principais características deste modelo, citam-se: sistemas de patrulha derivados
de cálculos pré-programados que procuravam
excluir demandas políticas e monetárias; processos de recrutamento e seleção, com mínimos a serem atingidos pelos candidatos; estrutura de cargos e salários; política de carreira,
com progressão por mérito e antiguidade, mas
com grande ênfase no mérito; estabilidade no
emprego para policiais de boa conduta; uso do
uniforme; e estratégia de supervisão e controle da atividade de patrulha (MILLER, 1999;
REINER, 1992; EMSLEY, 1996).
mando em linhas quase-militares; regras e
regulamentos governavam vários aspectos da
vida do policial (uso do uniforme, hábitos de
higiene, formas de tratamento de populares
e superiores hierárquicos, horários de trabalho, etc.) e não só aqueles relacionados à sua
atividade de patrulha; a adesão a estes regulamentos era inculcada por meio de formação
e treinamento;
• mandato da lei: a forma como a polícia atuava na manutenção da ordem e no reforço do
sistema legal era, ela mesma, submetida a um
conjunto de regras e procedimentos que visavam restringir a liberdade de ação do policial;
Para Reiner (1992, p. 60-76), estas políticas
representavam uma “arquitetura” propositadamente desenvolvida, no sentido de conferir
legitimidade para a organização policial, justamente no momento das amargas lutas políticas
em torno da expansão do direito de voto e representação parlamentar na sociedade inglesa.
• estratégia do uso limitado da força: o grosso dos policiais não portava armas, estando
limitados a um bastão de madeira, sendo que
mesmo o seu uso era restrito, determinado
apenas como último recurso;
• neutralidade política: considerada um dos
elementos mais importantes, indicava que
a polícia deveria apresentar uma imagem
Logo, a ideia de consenso ou consentimento que subjaz o amadurecimento institucional
da polícia londrina, na primeira metade do séAno 4
de neutralidade política diante das agudas
divisões de classe da sociedade inglesa, procurando a imparcialidade na ação, que deve
Edição 7
Ago/Set 2010
|
Revista Brasileira de Segurança Pública
33
Eduardo Cerqueira Batitucci
Artigos
culo XIX, seria produto tanto da “pacificação
das relações sociais” na sociedade inglesa, isto
é, da incorporação das classes trabalhadoras ao
processo político – pela conquista do direito
ao voto e a representação parlamentar, principal fonte de resistência à organização policial
– como de políticas e estratégias organizacionais deliberadas, desenvolvidas no sentido de
dotar a polícia de condições institucionais para
a conquista de legitimidade social por meio,
especialmente, dos seguintes elementos:
A evolução institucional da Polícia no século XIX: Inglaterra,
Estados Unidos e Brasil em perspectiva comparada
dos e debates sobre a polícia na Inglaterra e
sua organização, sendo que uma das grandes
contribuições de Peel ao modelo da Polícia
de Londres foi sua insistência na aplicação de
normas burocráticas estritas no funcionamento
da organização e a nomeação de seus dois primeiros comandantes, estabelecendo as principais características da Polícia de Londres, sua
organização e sistema de disciplina, os sistemas
de patrulha, o uniforme e outros detalhes da
estrutura e normas de conduta na prática que
determinaram o desenho institucional da Polícia inglesa (MILLER, 1999, p. 2).
ser orientada por princípios genéricos (para
tanto, se proibia o voto aos policiais – política
Artigos
que perdurou até 1887);
• accountability: a despeito de não haver
controle formal por nenhum corpo eleito,
entendia-se que a polícia era accountable à lei,
em virtude de que suas ações eram revistas
pelas cortes, mas, especialmente, à população,
a polícia e as classes populares, incentivado
Eduardo Cerqueira Batitucci
A evolução institucional da Polícia no século XIX: Inglaterra,
Estados Unidos e Brasil em perspectiva comparada
através de um processo de identificação entre
Em resumo, o desenho institucional da Polícia Metropolitana de Londres privilegiava a
neutralidade política, o desenvolvimento de um
sentido profissional baseado nos critérios de admissão e treinamento, na regularidade procedimental e na adesão ao mandato da lei e o desenvolvimento de um espírito público por parte do
policial, através da sua identificação simbólica
com a população e com a sua missão.
por estratégias deliberadas de recrutamento
e seleção, que buscavam os policiais entre a
massa das classes populares;
• espírito público: incentivado por meio do
cultivo deliberado da noção de que o policial
é um servo da população;
• primazia da prevenção: determina a concentração da força nas atividades de patrulha
ostensiva uniformizada, visível (e controlável)
pela população, em detrimento das atividades
de investigação, usualmente desenvolvidas
em segredo;
• efetividade: observada pelo desenvolvimento progressivo de indicadores e critérios
De fato, nos termos de Bayley (2001, p.
64-65), a “nova polícia” representou um passo
importante na construção das três características essenciais da polícia moderna: ela é pública, pois representa a total transferência da
segurança de uma comunidade de sistemas privados ou quase privados para o Estado; é especializada no sentido de que desenvolveu uma
missão específica voltada exclusivamente para a
prevenção e repressão de crimes; e, finalmente,
caminha na direção da profissionalização, dado
que inaugura instrumentos organizacionais especificamente direcionados para a qualidade e
o desempenho no exercício de suas funções.
que procuravam validar a busca do oferecimento de um serviço de qualidade.
Neste sentido, nos casos de atendimento das
demandas de manutenção da ordem, em decorrência de crises políticas, motins ou revoltas da
classe trabalhadora, os comandantes da Polícia
londrina se preocupavam no desenvolvimento de
uma estratégia política de contenção do conflito
entre a força e a massa de trabalhadores, mantendo
a polícia como pano de fundo, para ser utilizada
em último caso. Procurava-se, com ênfase na imparcialidade e na legalidade das suas ações, construir uma imagem de impessoalidade ao policial
londrino e, por consequência, à sua autoridade.
34
Revista Brasileira de Segurança Pública
|
Ano 4
Edição 7
Estes elementos, somados aos preceitos
para a institucionalização da organização policial, constituirão parâmetros indissociáveis ao
desenvolvimento da polícia como instituição,
no mundo ocidental.
A consolidação da polícia nos
Estados Unidos
A construção do consenso social sobre a
legitimidade da polícia na sociedade inglesa
resultou, parcialmente, de políticas organizacionais específicas, desenvolvidas para retirar a
polícia do debate político, procurando a cria-
Ago/Set 2010
Os Estados Unidos compartilham desta
tradição com os ingleses, especialmente no
que se refere à ideia de que a autoridade governamental e, por consequência, a autoridade
policial devem ser limitadas em virtude das necessidades de proteção dos direitos individuais.
Em seguida vêm o controle local sobre as instituições do sistema de justiça criminal, inibindo a criação de organizações nacionais, e, em
virtude desta característica, um alto nível de
descentralização e fragmentalização associado
ao funcionamento do sistema de justiça criminal (WALKER, 1992:4).
Herdando do sistema inglês os constables
e watchers, a polícia americana foi evoluindo
organizacionalmente de forma muito rápida
durante o século XIX, o que representou a mudança paulatina de uma estrutura tradicional,
semiprivada, ligada às cortes e funcionando sob
demanda ou recompensa, para uma estrutura
burocrática firmemente associada à administração governamental local (MONKKONEN,
1981, p. 31).
Ano 4
Assim, uma característica das nascentes
polícias americanas era a sua total imersão na
política local, uma vez que representavam uma
importante possibilidade de exploração política, seja por meio dos cargos a serem oferecidos,
seja pelo poder potencial que representavam
contra possíveis adversários. Logo, a composição dos departamentos de polícia refletia as
clivagens étnicas e religiosas da comunidade
local, bem como as forças políticas de momento, não sendo incomum que quase todo
o departamento de polícia fosse substituído,
no caso de uma mudança eleitoral (WALKER,
1992, p. 8).
A autoridade policial no contexto democrático americano emerge, portanto, muito mais
do indivíduo do que da instituição, baseandose mais na proximidade com os cidadãos e suas
expectativas informais sobre o trabalho policial do que em normas legais ou estamentos
burocráticos. Se o policial impessoal londrino
era um burocrata profissional, o policial americano era essencialmente um amador visto
como pouco mais do que um cidadão comum
a quem foi delegado poder legal, e o controEdição 7
Ago/Set 2010
|
Revista Brasileira de Segurança Pública
35
Eduardo Cerqueira Batitucci
Artigos
Manning (1997, p. 88-92) aponta que a
transformação do mandato da polícia inglesa
na sociedade americana ocorreu a partir das
características do pluralismo político, do localismo na alocação da responsabilidade política
e da diversidade étnica. Essas características
demandaram dos departamentos de polícia
americana, em contraste com a Polícia Metropolitana de Londres, uma forte dependência
dos contextos políticos locais, o que refletiu
de forma substantiva no controle e comportamento dos policiais.
A evolução institucional da Polícia no século XIX: Inglaterra,
Estados Unidos e Brasil em perspectiva comparada
ção de critérios universais de ação. Ao mesmo
tempo, a aceitação da polícia e de suas políticas
operacionais foi dependente de um processo
maior de mudanças estruturais na sociedade
inglesa, levando a uma relativa pacificação das
relações sociais entre trabalhadores e proprietários (REINER, 1992, p. 61). Ao mesmo
tempo, a Polícia Metropolitana de Londres é o
resultado de um processo de mudanças e experiências organizacionais contínuo e vigoroso,
que vinha se desenvolvendo desde meados do
século XVIII, lastreado por uma longa tradição histórica (EMSLEY, 1996; MANNING,
1997, p. 72-82).
Dessa maneira, em vez de depender de sua
legitimidade institucional, de um código formal de comportamento e de um sistema de
supervisão, de uma forma muito objetiva, cada
policial americano tinha que estabelecer sua
própria autoridade entre os cidadãos que ele patrulhava. Isso não seria evidentemente possível
se ele constantemente contraditasse padrões e
expectativas locais em prol de um ideal burocrático impessoal. Logo, embora isso signifique
diferentes padrões de policiamento em diversos
locais, a polícia tenderá a refletir e vocalizar os
conflitos da comunidade, em vez de estabelecer
e manter padrões que os transcendam.
Eduardo Cerqueira Batitucci
A evolução institucional da Polícia no século XIX: Inglaterra,
Estados Unidos e Brasil em perspectiva comparada
Artigos
le partidário da polícia foi a mais importante
consequência deste sentimento antiprofissional (MILLER, 1999, p. 16-17).
Dentro do contexto genérico das expectativas públicas, o patrulheiro americano tinha
menos poder, mas com menos limites legais e
institucionais do que os seus correspondentes
londrinos, e com muito maior discrição no
exercício cotidiano do seu trabalho. Isso era
possível porque o policial americano, vinculado intimamente ao sistema político partidário,
acabava se tornando accountable indiretamente
ao sistema político, da mesma forma que qualquer autoridade eleita, o que reduzia a possibilidade do exercício arbitrário do poder – num
“vigilantismo delegado, ele faria o que a maioria das pessoas faria se estivessem na posição
dele” (MILLER, 1999, p. 20).
De fato, como uma das primeiras burocracias urbanas a unificar as comunicações e
o controle territorial sobre a cidade, a polícia
se situava numa posição relevante dentro do
36
Revista Brasileira de Segurança Pública
|
Ano 4
Edição 7
debate político americano, oferecendo como
bônus aos seus controladores uma pletora de
cargos e posições públicas, a atividade de controle social, controle eleitoral e o controle de
atividades como jogo e prostituição, que geravam corrupção e dinheiro de proteção. Um
dos grandes obstáculos ao amadurecimento
institucional das polícias americanas foi o conflito entre as elites administrativas, políticas e
étnicas sobre o seu controle (MONKKONEN,
1981, p. 44).
Assim, os primeiros departamentos de
Polícia compartilhavam deste estilo de administração descentralizada, típico dos sistemas
quase-privados anteriores. O particularismo da
vizinhança, do distrito local, significava que os
policiais eram recrutados pelos líderes políticos
locais, de um determinado distrito ou bairro.
Em muitos casos, policiais de diferentes distritos ou bairros usavam, numa mesma cidade,
uniformes diferentes, o que dá uma ideia sobre
a dificuldade de implantação de critérios universais básicos, mesmo em uma única administração municipal (WALKER, 1977, p. 8).
Dado que a polícia era primariamente uma
ferramenta política, a composição da força era
muito importante, principalmente na ausência
da noção de que a atividade policial demanda
conhecimento, habilidade ou treinamento especial – lealdade política era a única qualificação
real para o cargo. Treinamento formal era virtualmente inexistente, e mesmo o uso do uniforme era considerado um sinal de status inferior
da profissão (WALKER, 1977, p. 12-13).
Com a introdução do patrulhamento preventivo, um dos problemas que se tornaram
Ago/Set 2010
Para o autor, entretanto, uma forma mais
razoável de observar estas mudanças refere-se
ao reconhecimento de um processo de inovação na administração pública americana e sua
subsequente difusão. A massificação da polícia
uniformizada nos Estados Unidos, até os anos
1880, estaria relacionada ao crescimento mais
amplo das burocracias de serviços públicos urbanos do final do século XIX e não simplesAno 4
Artigos
Para as grandes cidades, o sucesso da Polícia Metropolitana de Londres representava
um modelo a ser seguido, uma vez que eventos
diversos precipitavam as necessidades de mudança dos antigos sistemas. Progressivamente,
pequenos municípios também passaram a adotar a polícia uniformizada como solução, consolidando, progressivamente, a polícia como
uma tendência da governança urbana americana (MONKKONEN, 1981, p. 53-57).
Nesse sentido, sinais de institucionalização
progressiva da polícia poderiam ser identificados não apenas pelo uso sistemático do uniforme, mas também pelo recrutamento interno
para os postos de liderança, pela separação entre as funções de patrulhamento e investigação, pela especialização nas funções em cada
área de atuação, pela criação e uso de critérios
universais, não discricionários, meritocráticos
e impessoais para a condução das atividades internas da organização, enfim, pelo desenvolvimento das burocracias policiais. A consequência previsível destas mudanças apontava para
a despolitização das polícias americanas, como
uma necessidade do processo mais amplo de
racionalização e uniformização (MONKKONEN, 1981, p. 58-59).
Edição 7
Ago/Set 2010
|
Revista Brasileira de Segurança Pública
37
Eduardo Cerqueira Batitucci
Seja como for, a polícia uniformizada
se massificou nos Estados Unidos entre as
décadas de 1850 e 1880, transformando-se
em lugar comum tanto nas grandes cidades
como em pequenos condados do interior.
Segundo Monkkonen (1981, p. 50-52), três
explicações são usualmente associadas a este
fenômeno: a incapacidade dos antigos sistemas de enfrentarem tendências crescentes de
criminalidade e percepção de insegurança;
demandas mais severas de controle social associadas à cada vez mais frequente intolerância das elites com relação a motins e revoltas
de natureza sindical ou étnica; insegurança
simbólica advinda dos processos de imigração em massa e suas consequências no meio
urbano das grandes cidades.
mente a demandas das elites sobre o controle
dos trabalhadores ou das classes perigosas, a
despeito de a polícia oferecer serviços desta natureza. As administrações públicas urbanas nos
Estados Unidos, na última metade do século
XIX, passaram a se orientar para a oferta de
um crescente conjunto de serviços racionalizados (tais como a polícia, bombeiros, esgoto e
saúde pública), que antes eram disponibilizados por entes privados diversos.
A evolução institucional da Polícia no século XIX: Inglaterra,
Estados Unidos e Brasil em perspectiva comparada
mais prementes foi o da supervisão do trabalho
policial. Este é, na opinião de Walker (1977, p.
13), um dos grandes motivos que subsidiaram
os movimentos de profissionalização da polícia americana – a busca de meios eficazes de
supervisão dos policiais de linha –, no que se
refere tanto ao desenvolvimento organizacional das polícias americanas, quanto ao uso e
à adoção de tecnologias. Muito do desenvolvimento institucional da atividade policial se
deve a tentativas para resolver esta questão.
O desenvolvimento institucional da
polícia no Brasil
Do ponto de vista histórico, uma das questões fundamentais na definição do Sistema de
Justiça Criminal brasileiro pode ser apontada a
partir do contexto do século XVIII, que marca a expansão e consolidação da atividade de
mineração do ouro e a consequente mudança
do foco da coroa portuguesa na, então, colônia
brasileira: da produção do açúcar do Nordeste
brasileiro, administrado a partir da cidade de
Salvador, para o ouro das Minas balizado pela
mudança da capital e da burocracia para a cidade do Rio de Janeiro.
Eduardo Cerqueira Batitucci
A evolução institucional da Polícia no século XIX: Inglaterra,
Estados Unidos e Brasil em perspectiva comparada
Artigos
Algumas das dificuldades de institucionalização das polícias nos Estados Unidos também
foram observadas no Brasil, com as devidas
ressalvas, fruto das diferenças sociais e de cultura política e judicial.
As características da exploração do ouro impunham uma nova abordagem para o controle
das riquezas e da tributação. Se o engenho de
açúcar demandava alto investimento na construção do maquinário, plantação da cana, colheita, processamento e exportação do açúcar
e, portanto, carência de muitos anos para o
retorno do investimento, o ouro apresentava
outra dinâmica de produção, bastante diversa,
mais barata e menos intensiva e, em virtude de
sua característica de equivalente universal, oferecia novos problemas para a questão da ordem
colonial (ANASTASIA, 1998, p. 11-12).
Assim, um aspecto fundamental da consolidação da exploração colonial na época do
ouro foi o desenvolvimento dos instrumen-
38
Revista Brasileira de Segurança Pública
|
Ano 4
Edição 7
tos de manutenção da ordem pública e do
monopólio do exercício legítimo da violência
por parte das autoridades coloniais. Este desenvolvimento, entretanto, foi profundamente
marcado, de um lado, pelas características do
Estado patrimonialista português e, de outro,
pela resistência e rebeldia de vários setores da
população, especialmente entre aqueles que
detinham poder econômico ou militar.
Durante o século XVIII floresceram as ordenanças e milícias, que compreendiam, no
primeiro caso, tropas civis convocadas pelo
rei e, no segundo, corpos militares de vassalos
não pertencentes às forças regulares do exército
português (COTTA, 2006, p. 53). Em ambos
os casos, entretanto, sua atividade estava mais
voltada para vigilância ao desvio do quinto
do ouro, perseguição aos escravos revoltosos
e proteção das instalações coloniais (LIMA
JÚNIOR, 1960, p. 56-57). Neste sentido,
as ordenanças e milícias eram completamente dependentes dos desígnios das elites locais
e de suas intenções militares, econômicas ou
políticas, sendo, frequentemente, instrumentalizadas a partir de seus interesses, como na
rebelião em Vila Rica, em 1720, quando a elite da cidade se revoltou contra a cobrança do
quinto do ouro por parte da coroa portuguesa
(ANASTASIA, 1998).
O século XIX trouxe, com a chegada da coroa portuguesa ao Rio de Janeiro, a Intendência Geral de Polícia para o Brasil, que, baseada
em sua congênere lisboeta, foi estabelecida a
partir do molde da L’intendance de Police francesa, constituindo, de um lado, “instrumento
do príncipe para impor sua própria presença
e autoridade contra as forças tradicionais da
Ago/Set 2010
A Guarda Real de Polícia (GRP) era o principal instrumento à disposição do intendente
para o exercício do controle social nas ruas do
Rio de Janeiro. Criada em 1809, constituía,
no universo de uma sociedade escravocrata, a
força de manutenção da ordem social imperial,
sendo formada por homens pagos, usualmente
egressos dos regimentos de linha do exército
imperial, que trabalhavam em emprego de
tempo integral. Organizada desde o seu nascedouro como instituição de natureza militar,
seus praças saíam das classes sociais inferiores
Ano 4
Artigos
Como instituição, a meta da GRP era reprimir e subjugar, mantendo um nível aceitável de
ordem e tranquilidade que possibilitasse o funcionamento da cidade no interesse das classes dominantes (HOLLOWAY, 1997, p. 47-55). De
fato, citando trabalho de Leila Algranti, Holloway evidencia que a quase totalidade dos casos
julgados pelo intendente de polícia, no período
1810-1821, referia-se, de alguma forma, à questão dos escravos (41,2% eram ofensas a ordem
pública, tais como capoeira, desordens, suspeito,
vadiagem, etc.; 18,8% correspondiam à fuga de
escravos; 23% contra a propriedade e 12% contra a pessoa), sendo que, do total, 80% eram escravos e 15% ex-escravos (HOLLOWAY, 1997,
p. 51-52 e 266-267).
A Intendência Geral de Polícia e a sua GRP,
entretanto, se restringiam à cidade do Rio de
Janeiro e não representam, portanto, uma pretensão de âmbito mais amplo na construção de
um sistema policial mais substantivo, de possibilidade duvidosa para a época (VELLASCO,
2007, p. 242).
A Constituição de 1824, o Código Penal de
1830, a crise do Primeiro Império em 1831 e o
Código de Processo Penal de 1832 abriram o espaço para a experimentação institucional e a modernização das instituições de justiça criminal.
Uma das inovações mais importantes é a do
juiz de paz que introduzia mudanças significativas na forma de funcionamento da justiça:
(...) com atribuições administrativas, policiais
e judiciais, o juiz de paz, eleito, acumulava
Edição 7
Ago/Set 2010
|
Revista Brasileira de Segurança Pública
39
Eduardo Cerqueira Batitucci
O intendente ocupava o cargo de desembargador, com status de ministro de Estado e,
no que se refere à segurança pública, detinha
o poder de decidir sobre os comportamentos
a serem considerados criminosos, estabelecer a
punição que julgasse apropriada e então prender, levar a julgamento, condenar e supervisionar a execução da sentença. Representava
o monarca absoluto e, de forma coerente com
a sobreposição de poderes típica da administração colonial, seu cargo englobava poderes
legislativos, executivos e judiciários (HOLLOWAY, 1997, p. 46).
livres que eram, coincidentemente, alvos importantes da repressão policial.
A evolução institucional da Polícia no século XIX: Inglaterra,
Estados Unidos e Brasil em perspectiva comparada
sociedade imperial” (CARVALHO, 2008, p.
110) e, de outro, lugar de administração, onde
se desenrolavam as funções de urbanização, saneamento, saúde pública, iluminação pública,
etc. (COTTA, 2006, p. 41). De fato, além das
funções de polícia política, segurança pública e
promoção do bem-estar geral, a Intendência de
Polícia também trazia uma ideia mais ilustrada à
renovação da sociedade colonial, “o instrumento do governo português que levaria à transformação da cidade do Rio de Janeiro em sede do
Império” (CARVALHO, 2008, p. 131).
amplos poderes até então distribuídos por diferentes autoridades, ou reservados aos juízes
Artigos
letrados (tais como o julgamento de pequenas
demandas, feitura do corpo de delito, formação de culpa, prisão, etc...). O exercício do
juiz de paz envolvia a justiça conciliatória e o
julgamento de causas cujo valor e/ou a pena
não ultrapassasse certo limite, a imposição
ordem pública e o emprego da força pública,
Eduardo Cerqueira Batitucci
A evolução institucional da Polícia no século XIX: Inglaterra,
Estados Unidos e Brasil em perspectiva comparada
dos termos de bem viver, a manutenção da
o cumprimento das posturas municipais(...)
(VELLASCO, 2004, p. 100).
O juizado de paz surgia, assim, como uma alternativa institucional ao Judiciário tradicional,
moroso, decadente e distante, uma experimentação, cuja expectativa apontava para a extensão
dos mecanismos de implantação da justiça pelo
território brasileiro. De fato, os juízes de paz representariam, em arraiais e distritos distantes, a
primeira autoridade local formal, até então existente (VELLASCO, 2004, p. 120).
A nova organização judiciária das comarcas
determinava a extinção dos cargos que ainda
sobreviviam do período colonial (ouvidores,
juízes de fora e ordinários), surgindo, em seu
lugar, o juiz de direito (máximo de três por comarca), nomeado pelo imperador entre bacharéis formados, o juiz municipal e o promotor
público, nomeados pela Corte e presidentes de
Província, por indicação de lista tríplice da Câmara Municipal, preferencialmente graduados
em Direito (VELLASCO, 2004, p. 121).
Vellasco, entretanto, aponta para a extrema
precariedade desta estrutura, sempre envolvida
em disputas internas, constantemente questionada em sua legitimidade pelos poderosos
40
Revista Brasileira de Segurança Pública
|
Ano 4
Edição 7
locais e, no limite, incapaz de se impor diante até dos estratos mais baixos da população.
Logo, o funcionamento da organização judiciária dependia, de forma muito substantiva, da
existência de grupos locais hegemônicos e interessados na manutenção e reprodução do equilíbrio de forças e do controle social. Assim, se
em grandes cidades ou comarcas importantes o
juiz de paz era normalmente recrutado entre as
mais altas elites letradas locais, em termos ou
vilas mais distantes, a função frequentemente
permanecia vaga ou era ocupada com um alto
padrão de rotatividade, o que indicava o prestígio social relativo do cargo ou sua duvidosa cotação como moeda política para as elites
(VELLASCO, 2004, p. 126-130).
Tal não era, entretanto, o caso para a Guarda Nacional – GN, fundada em 1831. Pensada
como força nacional estabilizadora, “um instrumento paramilitar específico dos grandes proprietários, destinado a neutralizar, em qualquer
eventualidade, as tendências da tropa regular”
(SODRÉ, 1965, p. 120), deveria substituir as
milícias paramilitares e as ordenanças, herdadas
do regime colonial. Além dos deveres genéricos de defender a Constituição, a pátria, etc., a
GN ajudaria o Exército na defesa das fronteiras
do país e, como força policial interna, deveria
“preservar ou restabelecer a ordem pública”,
ficando formalmente subordinada ao ministro
civil da Justiça, em nível federal, e “sob controle
de autoridades políticas e judiciárias locais, nomeadas pelo governo central e os Juízes de Paz”
(HOLLOWAY, 1997, p. 88).
Para Graham (1997:49-51), a Guarda Nacional reproduzia as divisões sociais na sociedade brasileira, com suas fileiras distinguindo
Ago/Set 2010
O serviço na Guarda Nacional não era remunerado e, em vez de duplicar ou simplesmente reforçar a estrutura da autoridade existente, a GN visava estender a responsabilidade
pela defesa da propriedade e da ordem social
aos membros da sociedade que tinham interesse na manutenção do status quo. Na prática,
entretanto, quem decidia sobre o alistamento
eram as juntas locais, presididas pelos juízes de
paz e das quais participavam as autoridades locais, o que abria o caminho para que determinado tipo de pessoas evitasse ou fosse dispensado do serviço ativo e, “em áreas urbanas, o
serviço recaía, especialmente, sobre pequenos
comerciantes e artesãos, que não tinham influência para obter dispensa” (HOLLOWAY,
1997, p. 89).
São inúmeros os depoimentos sobre conflitos entre a Guarda Nacional e as outras
Ano 4
Uma segunda inovação é representada pelo
Corpo de Guardas Municipais Permanentes – instituição que originou as Polícias Militares contemporâneas –, subordinado ao ministro civil da
Justiça na corte e aos presidentes de Província,
no interior. Organizava-se por patrulhas em serviço de 24 horas, nos grandes centros urbanos e
quando a situação assim exigisse.
Vellasco afirma que as fontes criminais e judiciais deste período apontam para uma clara
divisão entre a polícia e a justiça: na primeira,
a grande parte dos casos se relaciona às atividades de vigilância das ruas e manutenção da
ordem e “tranquilidade pública”, evidenciando o predomínio do papel da vigilância sobre
os comportamentos indesejados, do controle
social sobre escravos, pobres, desviantes, bêbados e prostitutas. Já no caso da justiça, os crimes violentos aparecem com mais frequência
e os homens livres em proporções superiores
aos escravos e subcidadãos, cabendo às cortes,
portanto, a resolução dos conflitos mais graves
(VELLASCO, 2007, p. 240-241).
O primeiro regulamento dos permanentes
(ou Força Policial, como passou a ser designado em Minas Gerais a partir de 1835) determinava que “poderiam alistar-se cidadãos brasileiros, de 18 a 40 anos, que tenham descendência, sobriedade e robustez e que servirão
Edição 7
Ago/Set 2010
|
Revista Brasileira de Segurança Pública
41
Eduardo Cerqueira Batitucci
Artigos
forças policiais e o uso dos postos da guarda
para o clientelismo típico das elites brasileiras do século XIX. Em 1873, no entanto, a
Guarda Nacional perdeu suas funções policiais
(GRAHAM, 1997, p. 92), sendo que seus postos e graduações transformaram-se unicamente
em prebendas honoríficas.
A evolução institucional da Polícia no século XIX: Inglaterra,
Estados Unidos e Brasil em perspectiva comparada
seus componentes por meio de critérios de
classe, pois os oficiais – eleitos, como ocorria
antes de 1850, ou nomeados – vinham sempre
das classes mais abastadas. O nascimento legítimo fornecia apenas um dos vários quesitos
para a nomeação (que também implicava um
critério de renda mínima) e, de modo geral, os
oficiais eram políticos, letrados, donos de terra
ou de escravos, sendo que possuir uma patente
servia como declaração da posição social. Em
contraste, os soldados eram artistas, operários,
posseiros ou “homens de cor”. As instruções
governamentais excluíam especificamente determinadas pessoas do corpo de oficiais e, além
disso, como existiam duas categorias (membros ativos e reservistas), pessoas com algum
cabedal político ou econômico só serviriam
como oficiais.
A partir de 1841, a força policial se vinculava ao chefe de polícia provincial, numa estrutura hierarquizada que incluía os delegados
e subdelegados de polícia, a Guarda Nacional
e as autoridades locais. Entretanto, na província de Minas Gerais, a título de exemplo, as
informações apontam para a eterna carência
de tropas, alta rotatividade e dificuldades de
manutenção, sendo que o seu número sempre
ficou em torno de 400 policiais para toda a
província, até próximo do final do século XIX
(VELLASCO, 2007, p. 246).
Eduardo Cerqueira Batitucci
A evolução institucional da Polícia no século XIX: Inglaterra,
Estados Unidos e Brasil em perspectiva comparada
Artigos
enquanto quiserem”.3 Além disso, bastava um
atestado do juiz de paz ou autoridade equivalente sobre a vida pregressa do candidato.
Cotta (2006, p. 73-83) narra uma miríade
de corpos auxiliares que foram sendo criados
e extintos durante todo o século XIX para auxiliar a força policial em virtude dos seus problemas de efetivo, o que evidencia as graves
questões de profissionalização, instabilidade e
rotatividade, para o período.
A terceira e última inovação do período da
regência, e que completa a definição do sistema de justiça criminal consolidado durante o
século XIX, é a Chefia de Polícia e os seus delegados e subdelegados de polícia, os equivalentes
funcionais das Polícias Civis contemporâneas.
O Código de Processo de 1832 determinava que os “juízes de direito”, isto é, os juízes
responsáveis pelo julgamento de causas mais
graves, que se colocavam acima dos limites estabelecidos pela jurisdição do juiz de paz, deveriam ser “nomeados entre homens, com idade
mínima de 22 anos, formados em direito, com
42
Revista Brasileira de Segurança Pública
|
Ano 4
Edição 7
pelo menos um ano de experiência no exercício
da advocacia”. O número de juízes em cada
comarca era determinado pela população da
cidade (um máximo de três juízes para cidades
muito populosas, como Rio de Janeiro, Recife,
São Luiz e Salvador), com jurisdições sobrepostas, dos quais um seria nomeado o chefe
de polícia. Entre as funções deste novo órgão,
incluíam-se fiscalização, supervisão e instrução
dos juízes de paz, que a ele se subordinariam.
A partir de 1841, os delegados, subordinados aos chefes de polícia provincial, assumiram
a maioria das funções dos juízes de paz, podendo acusar, reunir provas, ouvir testemunhas e
apresentar ao juiz municipal um relatório escrito da investigação, no qual este baseava o
seu veredicto. Além disso, o delegado expedia
mandatos de prisão e estabelecia fianças, assim
como julgava, ele mesmo, delitos menores, tais
como a infração de posturas municipais. Ele
podia contar com instrumentos legais poderosos para o exercício de suas atividades, tais
como o direito de decretar prisão preventiva e
de exigir “termos de bem viver” que, se violados, poderiam resultar em prisão e condenação
praticamente certa (GRAHAM, 1997, p. 88).
Para auxílio e cumprimento de suas atividades, o delegado podia requisitar a força policial
ou depender de pedestres a ele subordinados, que
se encontravam no limite inferior da hierarquia
dos agentes de segurança, “homens cuja posição
social só suplantava a dos escravos” (VELLASCO, 2007, p. 249). Estes, empregados em outros ofícios, tais como artesãos, carroceiros, etc.,
se prestavam aos serviços de ronda eventual ou
sob demanda, mediante um pequeno pagamento mensal. Para Vellasco (2007, p. 252), isso
Ago/Set 2010
revela uma característica praticamente comunal
na estrutura da época, semelhante à estrutura
anterior e que vai vagarosamente definhando
com o passar do século XIX.
formação de culpa do acusado, mas os resultados desse inquérito eram entregues aos proArtigos
motores públicos ou juízes para sua avaliação
e decisão final. Assim, nem o chefe de polícia
ou os seus delegados podiam tomar uma de-
Com o avançar do século, ficava clara a necessidade de profissionalização de todo o corpo
policial, em suas várias dimensões. O fracasso
da Guarda Urbana4 evidenciava a necessidade
de profundas mudanças no sistema, consolidadas na reforma judicial de 1871, que separava
definitivamente a polícia da justiça. A partir
daquele momento, o chefe de polícia estava impedido de julgar qualquer caso, encaminhando
o resultado de suas investigações (o Inquérito
Policial) aos juízes de direito e seus auxiliares,
que passaram a se encarregar do julgamento de
todas as causas criminais. Assim,
Pela nova Lei, os chefes de polícia continuavam encarregados de reunir provas para a
Ano 4
cisão final sobre culpa ou inocência, embora
mantivessem considerável poder de facto nos
casos de crime, conforme a diligência ou mogações (HOLLOWAY, 1997:228).
Para Vellasco, finalmente, os dados disponíveis sobre as instituições do sistema de justiça
criminal brasileiro neste período indicam que,
em virtude das inúmeras carências e deficiências,
as atividades possíveis para estes atores estariam
muito mais próximas das de manutenção da
ordem e do controle de comportamentos desviantes ou indesejáveis, do que daquelas da prevenção e/ou combate às atividades criminosas,
que supõem algum perfil de profissionalização,
inalcançável a estas organizações (VELLASCO,
2007, p. 258-259). De fato, a “polícia de moleque”, como era conhecida, originou-se tanto
na fraqueza real e institucional quanto em sua
missão difusa, voltada essencialmente para o
controle dos escravos e subcidadãos livres, único lugar social onde poderia afirmar sua posição
hierárquica superior (VELLASCO, 2007, p.
260) e, mesmo neste caso, ainda sujeita à negociação e aceitação, caso a caso, junto à miríade
confusa de autoridades.
Conclusão
A análise empreendida evidencia algumas das
características e limitações do desenvolvimento
institucional no aparato moderno da polícia na
Inglaterra, nos Estados Unidos e no Brasil.
Edição 7
Ago/Set 2010
|
Revista Brasileira de Segurança Pública
43
Eduardo Cerqueira Batitucci
rosidade através das quais dirigiam as investiA evolução institucional da Polícia no século XIX: Inglaterra,
Estados Unidos e Brasil em perspectiva comparada
O juiz de paz e a nova organização judiciária representaram o auge da influência liberal
no desenvolvimento institucional do sistema de
justiça criminal no Império. Baseada no poder
local, esta estrutura evidenciava um corte no
processo inicial de centralização representado
pelas iniciativas de Dom João VI, e sobreviveu
por apenas dez anos, sendo mitigada nas reformas de 1841. Neste momento, o governo central reformou a estrutura judiciária, redefinindo
poderes e atribuições, promovendo a centralização do sistema de justiça e retirando poder das
instâncias locais. A maioria das atribuições do
juiz de paz foi transferida para os delegados de
polícia, submetidos ao chefe de polícia da província, recrutado entre os juízes de direito e subordinado diretamente ao Ministério da Justiça
(VELLASCO, 2004, p. 135-145).
Eduardo Cerqueira Batitucci
A evolução institucional da Polícia no século XIX: Inglaterra,
Estados Unidos e Brasil em perspectiva comparada
Artigos
O final do século XIX e o início do XX trouxeram o amadurecimento da profissionalização
do aparato policial, especialmente na Europa
e nos Estados Unidos, através do surgimento
do que se convencionou a chamar de “modelo profissional-burocrático” de policiamento
(WALKER, 1977), largamente baseado nas
características do modelo inglês, mas consolidado nos Estados Unidos, especialmente pela
reforma administrativa e burocratização, militarização, incentivos à formação profissional e,
a partir do início do século XX, uso intensivo
de tecnologia (principalmente por meio do automóvel, do telefone e do rádio).
Enredada nas disputas políticas e corporativas, desfocada na perseguição e vigilância ao
perigo representado pelas “classes perigosas”
e incapacitada pela crônica fraqueza e experimentação institucional, a profissionalização
das forças policiais no Brasil foi tardia, formalmente se completando, do ponto de vista do
seu arcabouço institucional, apenas no decorrer do século XX.
Muitos autores (BRETAS, 1991 e 1997;
KANT DE LIMA, 1995 e 2000; PAIXÃO,
1982, entre outros) apontam, no que se refere
às características do desenvolvimento institucional da polícia no Brasil durante os séculos
XIX e XX, para a prevalência de continuidades
culturais e institucionais, como o predomínio
da vigilância sobre a prevenção, informalização das práticas, personalismo na decisão e na
gestão e uma alta discricionariedade associada
à prática do policial de linha. Muitas destas
questões estão relacionadas à complexidade
e características da evolução do Estado e da
democracia no Brasil, às nossas características
culturais, aos limites econômicos e aos dilemas
associados à modernização periférica.
Este artigo procurou evidenciar que existem continuidades entre características históricas do desenvolvimento institucional da
polícia no Brasil e alguns dos dilemas da profissionalização do nosso aparato policial, tendo
por referência a experiência de outras culturas
e suas características.
1.Este artigo é uma versão resumida de um capítulo da tese de Doutorado, defendida na UFMG. O autor agradece as críticas dos professores Paula
Poncioni, Arthur Costa, Luís Flávio Sapori e Telma Menicucci, ao orientador, professor Otávio Dulci, e a leitura atenciosa do professor Marcus Vinícius Cruz.
2.Parlamentar britânico reconhecido como uma das pessoas que conceberam o desenho institucional da Polícia Metropolitana e autor da Lei que
aprovou a sua criação, o Metropolitan Police Act.
3.Citado por Vellasco (2007, p. 244) e Cotta (2006, p. 75).
4.Instituição de natureza civil, criada durante a Guerra do Paraguai, para aliviar a necessidade de policiamento na corte, em virtude da convocação
da maioria dos permanentes para a Guerra. Criada em 1866, foi extinta em 1885, diante das muitas críticas com relação à sua incompetência e
brutalidade (HOLLOWAY, 1997, p. 221).
44
Revista Brasileira de Segurança Pública
|
Ano 4
Edição 7
Ago/Set 2010
ANASTASIA, C. M. J. Vassalos rebeldes: violência cole-
LIMA JÚNIOR, Augusto de. Crônica militar. Belo Hori-
tiva nas Minas na primeira metade do séc. XVIII. Belo
zonte: ed. do autor, 1960.
Artigos
Referências bibliográficas
Horizonte: Editora C/ Arte, 1998.
LOWE, W. J. The Lancashire Constabulary, 1845-1870:
BAYLEY, D. H. Padrões de policiamento. São Paulo: Edi-
the social and occupational function of a Victorian poli-
tora da USP, 2001.
ce force. In: KNAFLA, L. A. (Ed.). Crime, police and the
courts in british history. London: Meckler, 1990.
MANNING, P. K. Police work: the social organization
Bibliográfico em Ciências Sociais, BIB, n. 32, 1991.
of policing. 2ª ed. Prospect Heights: Waveland Press,
1997.
BRETAS, Marcos Luiz. A Guerra das Ruas: o povo e a polícia na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Arquivo
MILLER, W. R. Cops and bobbies: police authority in
Nacional-Ministério da Justiça, 1997.
New York and London 1830-1870. 2ª ed. Columbus:
Ohio State University Press, 1999.
CARVALHO, M. P. de. Uma idéia ilustrada de cidade: as
transformações urbanas no Rio de Janeiro de D. João VI
MONKKONEN, E. H. Police in urban America, 1860-
(1808-1821). Rio de Janeiro: Odisséia Editorial, 2008.
1920. Cambridge: Cambridge University Press, 1981.
COTTA, F. A. Breve história da Polícia Militar de Minas
PAIXÃO, A. L. A organização policial numa área metro-
Gerais. Belo Horizonte: Ed. Crisálida, 2006.
politana. Dados – revista de Ciências Sociais, v. 25, n.
1, p. 63-85, 1982.
EMSLEY, C. The english police. 2ª. ed. Harlow: Pearson
PONCIONI, P. Tornar-se policial: a construção da identi-
Education, 1996.
dade profissional do policial do estado do Rio de JaneiGOLDSTEIN, H. Problem oriented policing. New York:
ro. Tese (Doutorado). São Paulo, Universidade de São
McGraw Hill, 1990.
Paulo, 2003.
GRAHAM, R. Clientelismo e política no Brasil. Rio de
_________. O modelo profissional policial e a formação
Janeiro: Ed. UFRJ, 1997.
profissional do futuro policial nas academias de Polícia
do Estado do Rio de Janeiro. Sociedade e Estado, Brasí-
HOLLOWAY, T. H. Polícia no Rio de Janeiro; repressão
lia, v. 20, n. 3, p. 585-610, set.-dez. 2005.
e resistência numa cidade do séc. XIX. Rio de Janeiro:
REINER, R. The politics of the Police. 2ª ed. Toronto:
Fundação Getúlio Vargas, 1997.
The University of Toronto Press, 1992.
KANT DE LIMA, R. A polícia na cidade do Rio de Janeiro: seus dilemas e paradoxos. Rio de Janeiro: Forense,
TONRY, M.; MORRIS, N. (Orgs.). Modern policing. Chica-
1995.
go: The University of Chicago Press, 1992.
_________. Violência, criminalidade, segurança pública
SENIOR, H. Constabulary: the rise of police institutions
e justiça criminal no Brasil: uma bibliografia. Boletim
in Britain, The Commonwealth and the United States.
Informativo e Bibliográfico em Ciências Sociais, BIB,
Toronto: Dundurn Press, 1997.
n. 50, 2º semestre de 2000.
SKOLNICK, J. H.; FYFE, J. J. Above the Law: police and the
LEE, W.L. Melville. A history of police in england. Mon-
excessive use of force. New York: The Free Press, 1993.
tclair: Patterson Smith Publishing, 1971.
Ano 4
Edição 7
Ago/Set 2010
|
Revista Brasileira de Segurança Pública
45
Eduardo Cerqueira Batitucci
revisão da pesquisa recente. Boletim Informativo e
A evolução institucional da Polícia no século XIX: Inglaterra,
Estados Unidos e Brasil em perspectiva comparada
BRETAS, M. L. O crime na historiografia brasileira: uma
SODRÉ, N. W. História militar do Brasil. Rio de Janeiro:
na Província de Minas Gerais (1831-1850). In: CARVALHO, J.
Ed. Civilização Brasileira, 1965.
M. (Org.). Nação e cidadania no Império: novos horizontes. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2007.
criminalidade e administração da justiça, Minas Gerais,
WALKER, S. A critical history of police reform. Lexing-
séc. XIX. Bauru: Edusc, 2004.
ton: Lexington Books, 1977.
_________. Policiais, pedestres e inspetores de quarteirão:
_________. The police in America: an introduction. 2ª
algumas questões sobre as vicissitudes do policiamento
ed. New York: McGraw Hill, 1992.
Eduardo Cerqueira Batitucci
A evolução institucional da Polícia no século XIX: Inglaterra,
Estados Unidos e Brasil em perspectiva comparada
Artigos
VELLASCO, I. de A. As seduções da ordem: violência,
46
Revista Brasileira de Segurança Pública
|
Ano 4
Edição 7
Ago/Set 2010
Artigos
A evolução institucional da Polícia no século XIX:
Inglaterra, Estados Unidos e Brasil em
perspectiva comparada
Abstract
La evolución institucional de la Policía en el siglo XIX:
Institutional development of the Police in nineteenth-
Inglaterra, Estados Unidos y Brasil en una perspectiva
century England, the United States and Brazil: a
comparada
comparative perspective
El artículo presenta una reflexión sobre las características
This paper presents a reflection on the features of police
del desarrollo institucional de la Policía durante el
institutional development in nineteenth-century Brazil,
siglo XIX en Brasil, Inglaterra y Estados Unidos, de
England and the United States in comparative perspective.
forma comparada, intentando poner de manifiesto
It is an attempt to highlight the key features in the process
las principales características de la consolidación del
of consolidation of the police apparatus in these three
aparato policial en estas tres realidades, así como las
countries in the period described above. It also looks into
posibles continuidades entre características históricas del
potential links between historical developments in the
desarrollo institucional de la policía en Brasil y algunos
institutional evolution of the Brazilian police and some of
de los dilemas planteados para la profesionalización de
the dilemmas around the professionalization of the police
nuestras policías.
in this country.
Palabras clave: Policía. Historia de la Policía.
Keywords: Police. Police History. Professionalization of
Profesionalización de la Policía.
the Police.
Data de recebimento: 11/05/2010
Data de aprovação: 25/05/2010
Ano 4
Edição 7
Ago/Set 2010
|
Revista Brasileira de Segurança Pública
47
Eduardo Cerqueira Batitucci
Resumen
A evolução institucional da Polícia no século XIX: Inglaterra,
Estados Unidos e Brasil em perspectiva comparada
Eduardo Cerqueira Batitucci
Fly UP