...

Max Mosley viu Rally de Portugal gostou e elogiou

by user

on
Category: Documents
11

views

Report

Comments

Transcript

Max Mosley viu Rally de Portugal gostou e elogiou
www.regiao-sul.pt
®
Preço: € 1,20
(IVA incluído)
ANO XVI
EDIÇÃO N.º 756
| DIRECTOR: JOSÉ MATEUS MORENO | CHEFE DE REDACÇÃO: NATÁLIA LUIS MORENO |
08Abr2009
Primeiro Ministro
inaugurou
Loja do Cidadão
m
0
0
1
2
s
o
ç
i
v
r
de Faro de Se
2
p|07
Max Mosley viu
Rally de Portugal
gostou e elogiou
p|19
Presidente da FIA também visitou
Autódromo Internacional do Algarve
Festa das Tochas
Floridas regressa
a São Brás de Alportel
Domingo de Páscoa
MAIS DE TRÊS TONELADAS DE FLORES
p|11
_página 02
_edição 756 _08abr2009
EquestrAlgarve acaba de ser criada
Considerando que a criação de equinos e a actividade
equestre constituem nos dias
de hoje um sector com uma
importância relevante na região do Algarve e que existe um
potencial de crescimento e de
geração de mais-valias na economia regional, “só possível de
se concretizar pela conjugação
dessa produção agrícola/pecuária com a actividade equestre
nas suas vertentes lúdica e de
oferta turística”, alguns dos
principais agentes da criação de
cavalos e da actividade equestre no Algarve – todos eles desde há mais de 30 anos ligados ao
sector – resolveram dar corpo a
um projecto pensado desde há
muito e criaram finalmente a
EquestrAlgarve - Associação
Equestre e dos Criadores de Cavalos do Algarve.
A EquestrAlgarve propõe-se
apoiar a actividade dos criadores e proprietários de equinos,
os Centros Hípicos e as Associações Equestres locais na região
e nos concelhos limítrofes, do
Baixo Alentejo. Para tal, vão
ser criadas estruturas de apoio
técnico, de formação e ensino,
e para a obtenção dos apoios
financeiros disponíveis para os
seus associados.
Um dos principais eixos da
actividade da EquestrAlgarve é
a organização de eventos, espectáculos e provas desportivas
das diversas disciplinas equestres A associação daá tamém
particular atenção ao fomento
de iniciativas na área do Turismo Equestre no litoral, no barrocal e na serra algarvia, tendo
já previstos acordos com outras
entidades.
Contactos com o Ministério
da Agricultura e outros organismos oficiais, com o objectivo
de assegurar a colaboração recíproca têm sido mantidos pelos elementos que formaram a
Associação e têm já agendadas
audiências com para apresentar
o seu plano de actividades, nomeadamente à CCDR do Algarve, ao Instituto de Turismo, à
Entidade Regional de Turismo
e às autarquias da Região, com
vista a assegurar apoio técnico,
logístico e financeiro.
A EquestrAlgarve vai, igualmente, realizar contactos com
entidades nacionais e estrangeiras com vista ao estabelecimento de protocolos de colaboração, nomeadamente com
a Federação Equestre Portuguesa, a Fundação Alter, o Serviço
Coudélico Nacional, associações
de criadores das diversas raças
de equinos.
Estão ligados ao arranque
da Associação diversos nomes
conhecidos no meio equino no
País e particularmente no Algarve.
Entre muitos outros, contam-se como promotores da
EquestrAlgarve Joaquim Cardeira da Silva, Francisco Rocha,
José Marreiros, Bernardo Nunes, Tyffany Nazar ou Francisco
Antunes.
Estádio de São Luís novamente à venda
A comissão de venda do
Estádio São Luís anunciou na
passada semana que os terrenos
ocupados pelo recinto estão de
volta ao mercado, desde segunda-feira, 6, com base de licitação nos 15 milhões de euros.
Depois de a primeira tentativa de negócio não ter chegado a «bom porto», por falta
de acordo com um dos interessados, as condições foram melhoradas nesta fase, oferecendo
mais espaço para áreas comerciais.
A área total de construção
aumentou de 35 para 44 mil
metros quadrados, incluindo,
F
i
c
h
agora, a zona do consultório
de Veloso Gomes, assim como o
passeio do Largo de São Luís.
Enquanto o espaço destinado a comércio, serviços, escritórios e lazer subiu de 5 mil
para 20.769 metros quadrados,
a zona de habitação diminuiu,
sendo permitidos 216 fogos.
Estas mudanças, já aprovadas pela autarquia, em assembleia municipal, foram
consideradas essenciais pelos
membros da comissão de venda
e dirigentes do clube, para aumentar o interesse de empresas
no estádio.
Os interessados devem
a
JORNAL SEMANÁRIO DA REGIÃO ALGARVE
Registo no I.C.S. - n.º 117042
Depósito Legal n.º 140203/99
PROPRIEDADE
Região Sul 2 - Publicações, Lda.
Cont. nº. 501 696 733 - Capital Social: € 5.000 euros
Empresa Jornalística n.º 216609
SEDE - ADMINISTRAÇÃO - REDACÇÃO
Betunes - 8100-254 Loulé
Telefone: 289 463 890 - Fax: 289 463 955 - E-mail: [email protected]
T
é
levantar a documentação necessária na sede do clube, por
300 euros, e entregar as suas
propostas até 4 de Maio. As três
melhores propostas vão a novo
leilão mas caso não seja ultrapassada a melhor proposta selada, será o autor desta a ficar
com o recinto.
Só com o negócio feito será
possível avançar para a assinatura da acta final do Procedimento Extra-judicial de Conciliação
(PEC), que permite pagar dívidas de forma faseada. O passivo
do clube estima-se ser superior
a 10 milhões de euros.
c
n
i
c
a
JORNALISTAS PROFISSIONAIS:
José Mateus Moreno - CPJ N.º 3386 - [email protected]
Natália Luis Moreno - CPJ N.º 4589 - [email protected]
João Vargues - CPJ N.º 7768 - [email protected]
Paulo Moreno - CPJ N.º 4197 - [email protected]
Edgar Pires - CPJ N.º 7239 - [email protected]
Cristina Elói - CPJ N.º 8433 - [email protected]
REDACTORES E COLABORADORES EFECTIVOS
António Montes, Jorge Cabaço, Aníbal Moreno, José Vitorino, Miguel Freitas, Júlio
Reis Silva, Ti Genoveva, Ana Luisa S., Mário Ferreira, Nelson Gago, Paulo Geraldo,
Miguel Gonçalves, António Grosso Correia, José Luz Santos, Teodomiro Neto,
Dora Agapito, Isa Mestre, Fábio Bota, Jorge Lami Leal, Nuno Silva, Nélia Faísca,
Pedro Hilário, Rita Branco, Rui Fernandes, Augusto Lima, Lurdes Morgado,
Vitor Ruivo, Cláudia Luz, José Manuel do Carmo, Sofia Andreia, Susana Castro,
Leonel Marcelino, Libertário Viegas, Jean-Pièrre Guerreiro e Cláudia Fonseca.
FOTOGRAFIA
Jornalistas do Região Sul, Agências e Arquivo RS
DIRECTOR
José Mateus Moreno
DESIGN, MAQUETAGEM E PAGINAÇÃO
José Mateus Moreno, Natália Luis Moreno e Paulo Moreno
SUBDIRECTORA
Natália Luis Moreno
IMPRESSÃO
Coraze - Zona Industrial de Oliveira de Azeméis, 587
3720 Oliveira de Azeméis
Tel. 256 600 580 - Fax. 256 600 589 - E-mail: [email protected]
CHEFE DE REDACÇÃO
Natália Luis Moreno
SECRETÁRIA ADMINISTRATIVA
Sónia Santos - Tel: 289 463 890 - E-mail: [email protected]
PUBLICIDADE
Sónia Santos: [email protected]
Tel. 289 463 890 - Fax. 289 463 955
DISTRIBUIÇÃO
Todo o Algarve
PREÇO AVULSO
Edição normal: € 1,20 Euro (IVA incluído)
ASSINATURA ANUAL:
Edição Impressa € 50,00 Euros (IVA incl.) - Edição On-Line € 35,00 Euros (IVA incl.)
TIRAGEM
4.800 a 5.000 exemplares por edição
EDIÇÃO ELECTRÓNICA ON-LINE (Constante actualização)
http://www.regiao-sul.pt | http://diario-online.com | http://diario-algarve.com
DIRECTÓRIO EMPRESARIAL DO ALGARVE / EMPRESAS ASSINANTES
http://www.sulempresas.com - E-mail: [email protected]
COLABORAÇÃO / OPINIÃO
O Semanário “Região Sul” acolhe com agrado todos os artigos que lhe sejam
enviados, mas apenas se obriga a publicar a colaboração solicitada. No caso de
“Cartas ao Director”, reserva-se do direito de as reduzir sem que seja atraiçoado
o seu conteúdo. Os textos e artigos publicados são da responsabilidade dos seus
autores, pelo que as opiniões neles expressas não identificam necessariamente a
posição editorial da direcção e corpo redactorial deste jornal .
MEMBRO:
Associação da Imprensa Regional Algarvia
Associação Portuguesa da Imprensa Regional
_página 03
_edição 756 _08abr2009
Editorial
!
Esperança será sempre a última ...
Sinais optimistas de que é possível controlar a crise a curto prazo
foi, a meu ver, o que a cimeira do Grupo dos 20 países mais ricos do
mundo, quis dar na passada semana em Inglaterra, perante o simpático, conciliador, humilde e, porque não, “revolucionário” Presidente Obama.
Curiosamente, ou talvez não, a cimeira do G20 foi realizada em
território de Sua Majestade, tendenciosamente “neutro” mas dotado
da maior visibilidade possível que a coroa ainda granjeia, com a Libra
a mostrar que é a aliada favorita do Dólar, mesmo que o Euro continue a fazer questão de se manter firme – sem desvalorizar – tentando
levantar o nariz perante os mais poderosos das várias latitudes, ao
mesmo tempo que com um certo ar de “rebeldia” vai procurando o
seu espaço na área da estabilidade cada vez mais difícil, teimosamente sentado na poltrona do poder económico dos 24 subscritores
da União a 27.
O mundo precisa urgentemente de estabilidade económica e, a
meu ver, essa estabilidade consegue-se através do ar que respiramos
e não na exploração dos recursos cada vez mais escassos, armazenados nas profundezas onde os especuladores poluentes ainda se vão
alimentando.
Sem radicalismos, creio que não há outra saída possível a não ser
através do aproveitamento e da transformação dos recursos naturais
existentes no Ambiente. Também sou daqueles que defende que a
Loulé: Juntas de Freguesia
recebem apoio para
serviços de ambulância
A autarquia de Loulé vai atribuir um subsídio de perto de 140
mil euros às Juntas de Freguesia de Alte, Ameixial, Benafim, Querença e Salir com vista a fazer face às despesas relacionadas com
os serviços de ambulância.
O apoio financeiro pretende apoiar as populações, na sua grande maioria idosos, com fracos recursos financeiros e que, em caso
de doença ou de uma emergência, são transportadas para o Centro
de Saúde de Loulé e para o Hospital Distrital de Faro, nas ambulâncias dos Bombeiros Municipais, mas também nas ambulâncias das
Juntas de Freguesia.
Também a Junta de Freguesia de Quarteira recebeu uma verba
de 60 mil euros destinada a suportar os custos com as viaturas no
transporte de crianças para as escolas, transporte de doentes e
para os clubes e associações.
A Junta de Boliqueime vai receber uma comparticipação financeira de 30 mil euros com vista a apoiar o transporte de pessoas
idosas e/ou carenciadas para unidades de saúde fora da freguesia.
Turismo: ocupação
hoteleira volta descer
em Março
A taxa média de ocupação de quarto no Algarve voltou a cair
em Março. Foi de 43,9%, 27,9% abaixo do valor verificado no mesmo
mês de 2008. A taxa média de ocupação de cama também baixou
para os 32,2%, 30,0% inferior ao ano anterior.
Os dados são divulgados pela Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA), que salienta que estes
dados estatísticos “foram influenciados pelo facto da Páscoa, em
2008, ter sido tido lugar em Março”.
Por zonas geográficas as maiores descidas verificaram-se nas
zonas de Albufeira (-36,4%), Carvoeiro / Armação de Pêra (-34,8%)
e Lagos / Sagres (-25,6%). A zona de Monte Gordo / VRSA apresentou a taxa de ocupação mais elevada com 75,7%. Tavira registou a
taxa de ocupação mais baixa com 34,0%.
O volume de vendas total registou uma descida de 20,9% relativamente ao período homólogo de 2008.
Informação em constante
actualização em:
www.regiao-sul.pt
José Mateus Moreno
[email protected]
energia solar e o hidrogénio poderão salvar o planeta. Até lá,
será imperioso minimizar o consumo dos combustíveis actuais
e proporcionar o equilíbrio entre o Euro e o Dólar, para que a
economia mundial deixe de pesar demasiado para uns e seja altamente volátil e rentável para os outros. Por sua vez, os governos têm que moderar a cobrança de impostos, porque se o não fizerem cada vez
haverá menos negócios rentáveis e capazes de ceder impostos aos governantes
- na quota parte acertada por decretos – lei sobre os benefícios angariados.
Se estes requisitos não forem minimamente alcançados, é o Mundo inteiro
que será afectado e não apenas a Europa ou a América, este ou aquele país.
Todos os povos serão prejudicados e o princípio da subsidariedade preconizado
passará a ser, forçosamente, uma utopia, uma hipocrisia, ou simplesmente um
ideal que já hoje quase não é cumprido.
Os recursos energéticos do subsolo têm estado na mão de meia dúzia e isso é
o mais grave de entre as graves ocorrências que o Homem tem cometido a favor
da sua auto-destruição.
Felizmente, o Homem novo está a chegar e a exploração dos combustíveis
existentes no subsolo poderá ter os dias contados, a não ser que os avanços próambientais de reconstrução da atmosfera terrestre sofram novos atentados que
impeçam a salvação do planeta azul, que eu acredito ainda ser possível, se Deus
também o quiser. Até lá, realizar-se-ão, certamente, ainda muitas cimeiras,
donde emanarão novas sensações de optimismo... que é como quem diz, novos
tempos de esperança, porque essa será a última a morrer.
Loulé celebra Dia Internacional
dos Monumentos e Sítios
A autarquia de Loulé assinala o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios (18 de Abril)
com diversas actividades que
têm em vista a promoção do
património concelhio.
Nos dias 16 e 17, das 10 às
12 horas e das 14 às 16 horas,
decorre a Oficina “Sentir o Património”, no Pátio da Alcaidaria do Castelo. Esta iniciativa
destina-se às escolas do 1º ciclo
e tem como objectivo dar a
conhecer aos alunos a riqueza
patrimonial do concelho no seu
todo e, em particular da cidade
de Loulé e do Centro Histórico,
e a importância da sua preservação.
A 18, o pátio do Castelo recebe actividades de animação,
entre as quais a apresentação
da peça “O Pescador do Gua-
diana”, pelo Teatro ao Lago.
A peça assenta numa temática
ambientalista, desenvolvendose a sua história a partir de um
poema do autor russo Aleksander Pushkin.
Refira-se que este ano o
ICOMOS (Conselho Internacional
dos Monumentos e Sítios) elegeu como tema estruturante do
Dia Internacional dos Monumentos e Sítios o tópico “Património
e Ciência”, com o objectivo de
proporcionar uma oportunidade
de reflexão e de reconhecimento do papel da ciência (e tecnologia) no património cultural, e
ainda, de incentivar a discussão
sobre os potenciais benefícios e
ameaças da ciência no futuro no
tocante à salvaguarda e à conservação do património.
Jogo da Democracia de Loulé
debate bullying
“Bullying – A Violência nas
Escolas: Realidades e Soluções”
é o tema do VIII Jogo da Democracia de Loulé que decorre a
23 de Abril, pelas 10:30 horas,
na Sala da Assembleia Municipal
de Loulé, Edifício Engº Duarte
Pacheco.
A iniciativa conta com a participação dos alunos da Escola
Secundária de Loulé, Escola
Básica 2,3 Engº Duarte Pacheco
(Loulé), Escola Básica Integrada
de Salir, Escola Básica Integrada Prof. Dr. Aníbal Cavaco Silva
(Boliqueime) e Escola Básica 2,3
S. Pedro do Mar (Quarteira).
Bullying é o termo inglês
utilizado para descrever actos
de violência física ou psicológica, intencionais e repetidos,
praticados por um indivíduo ou
grupo de indivíduos com o objectivo de intimidar ou agredir
outro indivíduo (ou grupo de
indivíduos) incapaz de se defender.
Proporcionar aos estudantes
o contacto com a vida política,
debater os problemas do concelho, da região e do país, desenvolver o espírito crítico e poder
argumentativo dos jovens, sen-
sibilizar os jovens para a vida
política e, fundamentalmente,
promover a cidadania e participação cívica são os principais
objectivos do Jogo da Democracia, levado a cabo pela Câmara
de Loulé e integrado nas comemorações do 25 de Abril.
Duo de Violinos actua em Quarteira
Quarteira volta a receber
mais uma “Noite Cultural”, no
próximo sábado, 11 de Abril,
com um concerto do Duo de
Violinos, a ter lugar na Galeria
de Arte da Praça do Mar.
Rui Gonçalves e José Gomes
vão apresentar um programa
musical para violino, com obras
de grandes nomes da música:
“Duo opus 5 nº1” de L. Boccherini, “Duo Vianense nº1” de
Mozart e “Duo Opus 70 nº7” de
F. Mazas.
A iniciativa tem entrada livre e começa às 21:30 horas.
_página 04
_edição 756 _08abr2009
Autárquicas/Silves: PSD aprovou
recandidatura de Isabel Soares
antónio cartaxo *
[email protected]
As Polícias e
o uso da força
económico, à capacidade para
atrair e construir equipamentos
sociais, públicos, educativos e
desportivos, a gestão de Isabel
Soares terá o justo corolário
deste período com uma nova vitória que reflectirá a confiança
e o reconhecimento do eleitorado”, rematou.
Recorde-se que, Isabel Soares é natural de Silves, licenciada em Geografia e Planeamento
Regional, e exerceu a profissão
de professora de Geografia no
ensino secundário até ter sido
eleita presidente da Câmara
Municipal de Silves pela primeira vez em 1997.
A actual presidente da Câmara Municipal de Silves vai ser
novamente candidata àquela
autarquia nas próximas eleições. O PSD/Algarve, em nota
de imprensa emitida à comunicaçãop social, anuncia que
aprovou a candidatura por unanimidade.
O líder do PSD Algarve, Mendes Bota, defendeu na reunião
de aprovação da candidatura,
que ”só por má-fé, ou cegueira
partidária, se poderá negar o
progresso experimentado pelo
município de Silves desde que
Isabel Soares tomou as rédeas
do seu destino”.
“Desde o desenvolvimento
O PSD Algarve está confiante na vitória autárquica em
Monchique. O nome do candidato laranja foi aprovado por
unanimidade no passado dia 30.
É Rui André, professor de profissão, 34 anos de idade, recentemente eleito presidente da
concelhia local.
“Ele é a grande esperança para dar o passo final rumo
à mudança de liderança do
município de Monchique”. As
palavras são do presidente do
PSD Algarve, Mendes Bota, que
aposta na juventude para “alterar” o que chama de “inércia
que afecta” Monchique.
Rui André tem pela frente
um confronto com o socialista
Carlos Tuta, presidente da Câmara de Monchique há cinco
mandatos consecutivos, o que o
torna o mais antigo edil algarvio em funções, sendo que se
Rui André for eleito, torna-se o
mais jovem.
“Rui André tem qualidade,
tem formação, e tem disponibilidade para resolver os problemas dos habitantes de Monchique”, considera o líder do PSD
Algarve, para quem “chegou a
hora de colocar Monchique no
mapa da modernidade”.
Partido da Terra vai votos em Vila do Bispo
O Movimento Partido da
Terra (MPT) vai concorrer às
autárquicas em Vila do Bispo.
O candidato é João Pedro Jacinto, arquitecto e empresário,
42 anos de idade. O nome foi
aprovado esta terça-feira pela
estrutura regional do partido.
O MPT justifica a escolha.
“Por ser uma pessoa de vastas
experiências e sensível às questões locais de fundo como o
urbanismo, o turismo, a fixação
dos jovens, a agricultura e as
pescas. Por ser nos seus objecti-
vos e valores dotado de grande
dinâmica, audácia e determinação”.
Deputados PS recebem cidadãos farenses
Os seis deputados socialistas eleitos pelo circulo eleitoral
do Algarve vão estar a receber
cidadãos no Gabinete do Elei-
tor, nas instalações do Governo
Civil de Faro. Os responsáveis
vão estar disponíveis nos dias
13, 20 e 27. Já no passado dia 6
esteve Hugo Nunes de manhã e
Jovita Ladeira à tarde. A 13, Manuel José Rodrigues de manhã,
Esmeralda Ramires à tarde. A
20, Aldemira Pinho de manhã,
David Martins à tarde. E a 27, de
novo Jovita Ladeira de manhã,
e Hugo Nunes à tarde.
BE questiona Governo sobre apoio de
praia no areal de Armação de Pêra
O BE enviou requerimento
ao Governo a pedir explicações
para aprovação de um apoio de
praia com 200 m2 a implantar
no areal de Armação de Pêra, a
30 metros da preia-mar. O partido diz que vai criar “profundos
impactos ambientais e paisagísticos”.
O apoio de praia foi aprovado pelo Ministério do Ambiente
através da Administração Hidrográfica do Algarve (ARH). Este
organismo regional, mediante
protestos e pareceres negativos
do poder local de Silves, defendeu que o projecto respeita o
Plano de Ordenamento da Orla
Costeira (POOC).
Mas o BE considera que é
“mais um grave erro urbanístico” numa vila “onde o desordenamento da construção predomina”. E pede justificações
para esta autorização ao Ministério do Ambiente.
Porém o partido não se fica
por aqui. Diz que a concessão
do referido apoio de praia não
foi sujeita às regras de concurso público previstas no POOC. E
questiona também o Governo
nesse sentido.
“Qual o motivo para não sujeitar esta concessão às regras
de concurso público previstas
no POOC? Como é possível que
o POOC permita infra-estruturas desta dimensão em plena
praia?”, são algumas das perguntas contidas no requerimento.
Recorde-se que este apoio
de praia resulta de um pedido
de deslocalização dos concessionários, que laboravam um
snack-bar junto à fortaleza da
vila, mas o estabelecimento não
podia manter-se naquele local
por se tratar de um monumento
nacional.
O P I N I Ã O
PSD de Monchique aposta
na juventude
Ao longo dos tempos os conceitos paradigmáticos de
polícia repressiva foram-se esvaindo das sociedades contemporâneas. Usar a polícia como instrumento meramente repressivo veio sendo entendido como um instrumento
ineficaz para se combater o crime. O bem-estar social
passou a ser perseguido por todas as comunidades modernas e aqueles que ainda persistem em admitir o uso da
violência como ferramenta para resolver os seus problemas sociais e subjugar o seu semelhante vêm perdendo
espaço nas sociedades em construção democrática.
A utilização da força física veio sendo inserida no ordenamento jurídico de forma estratégica e a violência foi
sendo retirada das mãos da sociedade privada. Não era
aceitável a utilização da violência por parte da sociedade, sendo admitido o uso da força somente em algumas
situações, como por exemplo, agir em legítima defesa.
Não sendo mais possível a utilização da força física por
parte de algumas pessoas ou grupos formados numa sociedade, foi então necessário criar-se uma força que desempenhasse a sua missão de forma a atender os interesses
da colectividade em geral.
Era preciso uma estrutura permanente e profissional
que estivesse sempre nas ruas, desta forma foi necessário
permitir, de forma residual, o uso legítimo da força por
parte de profissionais treinados e autorizados. Emergindo
desta autorização as Polícias da sociedade moderna.
As Polícias são instituições que a todo o momento
são accionadas para actuar em diversas ocorrências, seja
para dirimir problemas sociais com alta complexidade,
seja para prevenir ou restaurar a ordem pública ou simplesmente para orientar as pessoas. Para se ter uma ideia
da instituição policial é fundamental definir os elementos
constitutivos da polícia. A exclusividade do uso da força
de forma legítima está conferida apenas às Policias.
Essa exclusividade, é uma característica essencial da
polícia moderna, embora existam outros segmentos que
usam da força para restaurar a ordem ou influenciar no
comportamento das pessoas ou de grupos sociais.
Todavia, o uso legítimo da força é uma exclusividade
das Polícias. É necessário à Policia ter autorização para
utilizar a força. Sem essa autorização a Policia não seria
reconhecida.
O agente da polícia está equipado, autorizado e requisitado para lidar com qualquer exigência para a qual
a força deva ser usada, contudo, se este policia não tiver
a autorização para utilizar a força física, tornar-se-á irreconhecível. Existem outras comunidades que exercem
a força, como forma de coerção, mas o polícia é o único
executivo da força.
A instituição policial deve e pode fazer uso da força, no desempenho de sua missão, de forma tal que esse
uso não vá além do necessário, não se constituindo força
excessiva ou uma acção violenta por si só. É considerado
uso legítimo da força, a utilização desta, pelas Polícias
modernas, até ao momento em que a extensão das medidas utilizadas para conter a resistência não ultrapasse o
limite mínimo do seu uso.
O uso legítimo da força somente é admitido quando
se mostra necessário a autodefesa, com o objectivo de
coerção ou na constituição de força policial para actuar
em nome de terceiros. Não é simplesmente o uso da força que caracteriza a distinção da polícia das instituições
privadas e sim, a autorização que ela tem para fazer uso
dessa força.
Quando a força é utilizada pela sociedade privada, o
termo, Polícia, é totalmente excluído. Qualquer pessoa
pode prender, mas a polícia não só pode como deve, e
detêm a legitimidade de usar a força para executar as
suas tarefas e cumprir a sua missão. As Polícias não se
distinguem somente por ter exclusividade em utilizar a
força, mas pelo facto de ser legítimo o seu uso.
A especialização das Policias e dos polícias são de extrema importância nas sociedades modernas e reflectese directamente na qualidade do serviço prestado pelos
profissionais de polícia. A especialização define-se na preparação específica para realizar funções exclusivas da actividade policial. A figura do agente de polícia truculento,
barrigudo, bonacheirão, desprovido de urbanidade não é
mais regra nas instituições policiais.
Os profissionais de polícia são recrutados por um crivo cada vez mais rigoroso, são treinados, disciplinados e
devem ter evolução nas suas carreiras como mérito pela
penosidade e risco da profissão. O uso de tecnologias modernas, autonomia, discrição e neutralidade na aplicação
da lei devem manter-se como exigências imaculadas para
alcançar um fim desejável: a manutenção da ordem e da
paz públicas e a garantia do regular funcionamento das
instituições democráticas.
* Dirigente Nacional do SPP/PSP
_página 05
_edição 756 _08abr2009
joão vargues
[email protected]
O P I N I Ã O
Há coisas que dão jeito
Por estes dias e até Junho muito vamos sofrer de cada vez que nos lembrarmos da Selecção
Nacional e do Campeonato do Mundo de Futebol
da África do Sul. Vamos conseguir... Não vamos
conseguir... Por isso não vou falar nisto!
Mas vou ficar no desporto rei.
Eu sou do Benfica, a minha mulher é valetudinária do Sporting e passa a vida fazer com que
a minha filha também seja lagarta. “O Benfica
é cocó!”, diz-lhe 30 vezes por dia. Se eu fizer
o mesmo a moça acaba tripeira, e por isso, dos
males o menor...
(Lá no fundo, sei que a miúda vai ser «lampiona» como todas as pessoas normais).
E no outro dia, dirigia-me calmamente para a
sala absorto no prazer de arrotar a coiratos e bebidas gaseificadas, quando oiço a mãe pedir pela
15ª vez em 24 horas, para que a petiz repetisse
uma daquelas frases. E a miúda repetiu: “A Juju
é do spotin”...
Passei-me de vez. Virei-me para a mãe e doutrinei: “Uma coisa, absolutamente inexplicável,
é tu quereres que a moça aprecie o futebol dos
Bayerns de Munique desta vida, outra coisa, ainda pior, é incentivares a miúda a falar à Miguel
Veloso ou à Jardel...”.
É que a criança ainda só tem dois anos e já
fala dela própria na 3ª pessoa como se fosse um
adulto jogador do Sporting. Qualquer dia ainda
me diz: “A Juju não quer a luz apagada. Porque a
Juju tem medo do escuro! O escuro não defende
a Juju!”... Isto é extremamente triste!...
Por outro lado, não sendo triste, mas preocupante, há outro assunto que aqui tenho de salientar. Algo que me arreliou nos dias subsequentes
ao famigerado encontro que redundou na vitória
do SLB, recentemente disputada no Estádio Algarve, com a concretização de três penaltis contra dois. Ainda esse jogo, é verdade.
Tem a ver com a pançada que Lucílio Baptista
apanhou de Pedro Silva, que quase criava uma
úlcera no árbitro, levando-o mesmo – como toda
a gente viu pela televisão - a esbugalhar os olhos
fulminando o jogador, mas que, por incrível que
pareça, no dia seguinte em entrevista à SIC, disse: “Não tive consciência da gravidade da situação”...
Percebi imediatamente que há uma nova e
grave patologia a disseminar-se em Portugal. Parece Alzheimer mas não é. E Lucílio Baptista é o
segundo caso. O primeiro apareceu com o estoiro
do BPN, na pessoa do administrador da Sociedade
Lusa de Negócios, Dias Loureiro, que não sabe
de nada, não se lembra de nada... Por isso aqui
fica o alerta à atenção dos cientistas. O que será
isto?
A terminar, dizer que o autor desta crónica
está preocupado com esta eventual nova patologia, mas ao mesmo tempo não está. Esta ambiguidade do autor explica-se da seguinte forma:
vai ou não vai dar jeito ao autor amanhã não ter
a noção de alguma vez ter escrito este texto? Vai
sim senhor!
Rastreios da ADSBA juntam
cerca de uma centena
Cerca de uma centena de pessoas compareceram, no passado
sábado, 4 de Abril, a um conjunto de rastreios realizados em Portimão, numa parceria entre a Associação de Dadores de Sangue do
Barlavento do Algarve (ADSBA), a Câmara Municipal de Portimão e
a Assistência Social Adventista (ASA).
Os participantes ficaram a conhecer, após despiste, os resultados nas medições de colesterol, glicémia e tensão arterial, nas
instalações da Associação de Dadores de Sangue do Barlavento do
Algarve.
A iniciativa “Oportunidade para Todos”, que visava sobretudo a
população adulta e idosa, vai continuar durante o ano, no primeiro
sábado de cada mês. As próximas sessões decorrem a 2 de Maio, 6
de Junho, 4 de Julho, 1 de Agosto, 5 de Setembro, 3 de Outubro, 7
de Novembro e 5 de Dezembro.
Luís Carito defende novas fontes
de receita para as autarquias
O vice-presidente da Câmara Municipal de Portimão, Luís
Carito, defende que as autarquias têm de criar novas fontes
de receita e libertarem-se da
dependência dos impostos municipais.
O responsável falava na passada sexta-feira no âmbito da
iniciativa do PS Algarve, Universidade Meridional. Luís Carito
foi abordar o tema: “Da gestão
pública à gestão empresarial: as
empresas municipais”.
“Quem não perceber que as
autarquias têm neste momento
legislação e meios à disposição
para encontrar receitas para a
reestruturação urbana, que é
uma das suas competências, vai
ter uma vida difícil no futuro”,
observou.
Carito deu o exemplo da
Portimão Urbis SGU-Sociedade
Gestão Urbana, EM, no que concerne à respectiva função regu-
ladora e correctora do mercado
imobiliário.
Uma competência que,
sustentou Luís Carito, traduzse numa nova forma de gerar
receitas para as autarquias, ao
permitir a negociação de mais-
valias entre o público e o privado no âmbito de processos de
revisão ou alteração de instrumentos como os Planos Directores Municipais.
Para o autarca, trata-se de
um novo paradigma de gestão
empresarial local que não põe
fim à gestão pública, conferindo
pelo contrário uma nova dimensão à administração pública,
designadamente no que diz respeito à eficácia e eficiência dos
recursos humanos.
Macário propõe desporto e turismo
para o interior de Faro
Água e esgotos, equipamentos desportivos e um núcleo de
desenvolvimento turístico com
500 camas. Tudo para o interior
do concelho de Faro. É o que
tenciona fazer o candidato do
PSD à Autarquia farense, Macário Correia.
O político esteve a jantar
com cerca de uma centena de
apoiantes na Conceição de Faro
no passado dia 3 de Abril. Diz
que constatou “o abandono político a que o interior tem sido
votado”. Considera “inacreditável” não haver água e esgotos
no século XXI no centro do Algarve.
Macário Correia lamenta
também que as freguesias e
zonas do interior não tenham
espaços desportivos públicos e
de livre acesso. Considerou que
esse será um dos seus compromissos, a construção de polidesportivos em cada uma das
freguesias.
O candidato assumiu também o compromisso de ampliar
as redes de água e esgotos; de
levar em conta os solos agrícolas no que toca ao traçado
de ligação à Via do Infante; e
de lançar um concurso público
para a criação de um núcleo de
desenvolvimento turístico de
400/500 camas no interior do
concelho.
PSD aprovou recandidatura
de Francisco Amaral a Alcoutim
terizou o líder do PSD Algarve,
Mendes Bota.
“A mão amiga dos mais desfavorecidos, que usa o poder e
os meios de que dispõe, para
dar qualidade de vida a quem
a perdera, a quem já olvidara
hábito e esperança de ver, ouvir
ou mastigar com normalidade”,
rematou.
Francisco Amaral vai candidatar-se ao quinto e último
mandato consecutivo.
O actual presidente da Autarquia de Alcoutim, Francisco
Amaral, já viu a sua recandidatura ser ratificada no seio do
PSD Algarve, que votou o nome
por unanimidade.
Francisco Amaral, médico
de profissão, tem 53 anos e é
natural da freguesia de Alcoutim onde sempre residiu.
É autarca naquele concelho
há 20 anos. “É o João Semana
dos tempos modernos”, carac-
Autárquicas/VRSA: CDU apresentou
candidato
A CDU aprovou e apresentou o seu candidato à Autarquia
de Vila Real de Santo António.
É Ângelo Barão, comerciante
local, 36 anos de idade. É também tesoureiro da Junta de Fre-
guesia da cidade pombalina.
A CDU destaca: “É um jovem
conhecido e respeitado no meio
local. Foi o criador do programa
de tempos livres daquela autarquia «Junta em Movimento»”.
Ângelo Barão completa agora o
segundo mandato no cargo de
tesoureiro.
Para a presidência da Assembleia Municipal de Vila Real
de Santo António, a CDU aposta
em José Cruz, 61 anos. É membro da Assembleia Municipal local. Foi vereador e deputado na
Assembleia da República. Actualmente preside à Assembleiageral da associação Odiana.
_página 06
_edição 756 _08abr2009
Estrasburgo analisa proposta
de Mendes Bota
cláudia luz *
[email protected]
O nosso Algarve
O deputado algarvio Mendes
Bota está em Estrasburgo a participar numa reunião com organizações internacionais como a
ONU que vão analisar a proposta
do deputado para a criação de
uma convenção europeia contra
a violência doméstica.
Trata-se de uma Comissão
Ad-Hoc que vai analisar a proposta de implementação da
«Convenção Europeia sobre a
Prevenção e o Combate à Violência Contra as Mulheres e a
Violência Doméstica».
Esta convenção foi proposta pelo deputado algarvio em
Outubro de 2008. Entre hoje e
quarta-feira está a ser discutida
em Estrasburgo. Participam 120
altos representantes dos 47 Estados-membros.
Além destes e da ONU,
participam ainda e outras organizações como a OSCE e observadores de organizações e
países como os Estados Unidos
da América, Japão, Vaticano,
Canada e México.
O objectivo desta Comissão
Ad-Hoc é analisar a proposta e
produzir um relatório para o Comité de Ministros do Conselho
da Europa tomar uma decisão
final.
Ressalve-se que há três linhas de rumo em discussão: os
que defendem que a Convenção
deverá compreender todos os
tipos de violência de género.
Os que defendem que só deve
ocupar-se da violência doméstica. E os que defendem que deve
actuar em seis formas mais frequentes de violência contra as
mulheres:
São os seguintes casos: vio-
lência doméstica; sexual (incluindo as violações, maritais
ou não); casamentos forçados;
crimes de “honra”; mutilação
genital feminina; e assédio.
Mendes Bota defende esta última.
Lagos: candidato PSD propõe plano
para pôr fim a obras inacabadas
O candidato PSD à Autarquia de Lagos, Nuno Marques,
diz que se vencer as eleições
vai acabar com o problema das
obras particulares inacabadas.
O responsável quer criar um
“programa especial” para resolver o problema.
Nuno Marques diz que já
identificou mais de uma dezena
de obras particulares dispersas
que ficaram por concluir “há
décadas” e que não têm hoje
“qualquer função habitacional
ou outra”. Considera-as “nódoas na paisagem”.
Para resolver o assunto o
candidato quer criar um “Programa Municipal Especial” com
vista a encontrar “alternativas
técnicas concretas e prazos
razoáveis para a resolução de
cada caso”, “em diálogo com
os proprietários e não por via
da tradicional relação burocrática”.
Uma das soluções apontadas no projecto de Nuno Marques passa por equiparar esses
edifícios a prédios reabilitados,
e assim “reduzir a taxa do IMI
aplicável em 15%”.
Para sermos um cidadão pleno, hoje em Portugal,
temos de possuir um cartão do cidadão. Quem já possui o novo documento de identificação tende a mostra-lo a todos, qual meninos com um brinquedo novo,
principalmente aos que ainda nunca viram nenhum,
para se maravilharem invejosamente.
Eu sou uma cidadã plena, já tenho o meu cartão
do cidadão (CC). Tendo o meu BI caducado vi-me na
obrigação de o substituir pelo CC. A primeira surpresa que tive foi ver que os portugueses responderam
positivamente ao apelo do Primeiro-ministro e foram
massivamente requerer o CC, mesmo que não necessitassem por motivos de caducidade de algum dos documentos associados. Existem filas grandiosas e muitas
pessoas iniciam a sua espera pela madrugada dentro.
A segunda surpresa foi não poder tirar a fotografia
com os meus indispensáveis óculos, nem poder sorrir
para a posteridade. Cada vez que olho para o meu CC
penso duas vezes se serei mesmo eu… Espantei-me novamente por receber, quinze dias depois, a carta com
os códigos pin e que permitem levantar o cartão. Uma
mostra de eficiência pois haviam-me alertado que poderia ficar mais de um mês à espera.
Fiquei deveras surpreendida com a eficiência de
todo o processo e senti-me uma cidadã orgulhosa do
meu país. Passado pouco tempo comecei a ser informada através da publicidade oficial que ficamos automaticamente recenseados na área de residência da
morada que está afecta ao CC, facto que não me tinha
sido referido quando o requeri. Posto isto, e porque
estou a morar a cerca de 500 km de distância da minha
morada oficial, achei melhor proceder à alteração da
morada para conseguir exercer o meu direito e dever
de cidadã consciente, e poder votar nas próximas três
eleições. O CC possui um chip que contém diversas
informações pessoais e deveríamos, por isso, de poder
utilizá-lo para votar numa qualquer mesa de voto do
país. Desta forma, certamente que conseguiríamos reduzir o número elevado de abstenções em actos eleitorais. Mas este é um sonho, não uma realidade.
Com o intuito de poder alterar a morada do CC fui
a uma loja do cidadão mas informaram-me que ainda
não era possível efectuar essa operação. Pelos vistos,
o sistema ainda não está preparado para permitir este
tipo de alterações. Talvez o permita no final do mês
de Abril ou mesmo em Maio, informaram-me. Sentime lesada enquanto cidadã! Senti vergonha! Vi que
continuamos a impor à realidade aquele “quê” de ser
português. Os tempos passam, os projectos realizamse, as falhas existem e persistem. É Portugal no seu
melhor!!!
* (Mestre em Gestão Pública)
Silves recebe conferência
sobre astronomia
com Alexandre Costa
O candidato diz que os casos onde não há hipótese de legalização, os edifícios serão de-
molidos, mas “o caminho será
sempre o da cooperação com os
proprietários e da total abertu-
ra da Autarquia para a resolução
amigável destas situações”.
Deputadas PS tomam pulso à situação
económico-social da região
As deputadas do Partido Socialista eleitas pelo Algarve, Aldemira Pinho e Esmeralda Ramires, reúnem dia 13 de Abril com
a Direcção Regional de Economia,
O P I N I Ã O
Combate à violência doméstica
a Delegação Regional do Algarve
do IEFP e o Instituto de Apoio às
Pequenas e Médias Empresas.
As deputadas querem obter informação das estruturas
regionais “sobre os resultados
obtidos com as medidas tomadas
pelo Governo”. E pretendem dar
continuidade “a um processo de
aproximação e acompanhamento
da situação das empresas e dos
trabalhadores no Algarve, a que
e seguirá uma auscultação às diferentes instituições que actuam
na área social.
O investigador Alexandre Costa participa
numa conferência sobre
astronomia esta quartafeira, dia 8 de Abril, no
Salão Nobre dos Paços do
Concelho de Silves, uma
iniciativa que vai proporcionar um momento de
aprendizagem e reflexão
sobre as questões relacionadas com o mundo das
estrelas e dos planetas.
Dar a conhecer o porquê de as estrelas nascerem, viverem e morrerem e de a sua morte
resultar, muitas vezes, no nascimento de novas estrelas; e saber as
razões que explicam a existência de estrelas azuis, brancas, amarelas, laranjas e vermelhas são algumas das curiosidades possíveis
de aprender.
Alexandre Costa possui um mestrado em Astronomia e Astrofísica, pela Faculdade de Ciências de Lisboa e é um dos formadores
portugueses da Associação Europeia para o Ensino da Astronomia.
A conferência decorre pelas 21:30 horas.
_página 07
_edição 756 _08abr2009
Primeiro-ministro inaugurou
Loja do Cidadão de Faro
José Vitorino
www.faronocoracao.net
TEMPOS NOVOS
E DIFICEIS, EXIGEM
NOVAS POLITICAS
O P I N I Ã O
Salvar o máximo de pequenas
empresas e criar condições para
nascerem outras com sucesso
São de grande preocupação os tempos que correm,
perante a gravíssima crise financeira “declarada” no segundo semestre de 2008 e cujos terríveis efeitos são cada
vez mais visíveis e profundos: falências de empresas; desemprego; crise social; agravamento do deficit publico;
etc.
Os sinos tocam a rebate em todo o mundo, mas a situação é particularmente grave em Portugal e no Algarve
em especial, por razões económicas de carácter estrutural e porque são poucas e débeis as “ almofadas sociais “
de carácter público. Por outro lado, como ao longo das
últimas duas décadas as pessoas foram “ aliciadas” para o
consumismo e “convidadas” para viverem acima das suas
possibilidades, chegada a crise a generalidade não tem “
trincheiras” onde se resguardar.
Entretanto, também o Estado e grandes empresas foram alegre e irresponsavelmente recorrendo a empréstimos externos desmedidos e operações especulativas, que
agravam ainda mais uma situação que, por si própria, já
seria sempre muito grave.
Tem-se falado muito e com fundamento, na destruição de que estão a ser vitimas as micro, pequenas e médias empresas. Argumenta-se que representam a quase
totalidade do tecido empresarial e que estão sufocadas.
É verdade!
Mas há outro aspecto que não tem sido referido, a
que atribuo importância excepcional e que ponho hoje á
reflexão. Fechadas as portas dessas empresas, será possível reabri-las, ou fazer uma regeneração empresarial com
novas empresas?
O problema é muito complexo, mas julgo poder afirmar-se que, infelizmente, uma percentagem muito elevada das que fecharem já não voltarão a abrir. E haverá condições para surgirem novas empresas em sua substituição
ou noutras áreas de actividade?
Seria (será) sempre mau o encerramento de empresas,
pelo que se deve procurar salvar o maior numero. Porém,
se fosse provável um rejuvenescimento do tecido empresarial, surgindo empresas mais modernas e competitivas,
algo de muito positivo teríamos a curto/médio prazo.
O problema é que, se olhar-mos o país e o Algarve
em particular, em que muito pouco ou nada se produz e a
nível de comércio e serviços (por virtude da globalização
e politicas nacionais) as grandes empresas e redes actuam
sem regras asfixiando o que existe e fazendo “ abortar”
pequenos projectos, parece ser medianamente lógico
concluir que é muito estreito o espaço para que se criem
e tenham sucesso outras pequenas empresas.
Sem querer ser pessimista, no plano económico – empresarial podemos estar perante uma situação de colapso
de uma alta percentagem deste tipo de empresas, com
consequências nefastas de dimensão imprevisível.
Por isso, qualquer que seja a dimensão que se possa
prever para a desgraça, julgo ser inevitável que num prazo que não pode (não deve) ser muito longo, a União Europeia e a nível mundial têm que se pôr alguns “travões”
ao mercado aberto.
Por sua vez, os responsáveis públicos portugueses têm
que perceber que só haverá futuro e só teremos um “
país real”, se no sector primário (agricultura e pescas)
e no secundário (industrias), formos capazes de produzir, naturalmente com o máximo de produtividade e com
ciclos completos nas cadeias de valor. Os serviços são
relevantes, mas em parte importante devem assentar no
que produzimos e, no caso do Algarve, no sector turístico
mas com politicas adequadas. Serviços especulativos e de
mera intermediação do que se importa ou “esmagamento” do pequeno não garantem a sustentabilidade do país.
Sem isso, o “ pais será cada vez mais virtual” e o futuro sombrio, sem condições para as micro, pequenas e médias empresas se afirmarem, inviabilizando a consequente
produção de riqueza e criação de empregos e acelerando
a desertificação humana e de actividades na maior parte
do território nacional, aí se incluindo o Algarve.
Porque os tempos são novos, são necessárias profundas alterações nas tendências actuais com novas politicas.
Com saudações algarvias.
centro”, considerando estar
cumprido um dos seus objectivos de campanha.
“Foi uma decisão estratégica para o futuro da cidade.
Permite viabilizar o mercado
municipal e trazer mais gente
ao centro, servindo a região e
afirmando Faro como capital de
serviços”, frisou.
Edgar Pires
[email protected]
A Loja do Cidadão (LC) de
Faro, a primeira no Algarve, foi
inaugurada na passada sextafeira pelo primeiro-ministro,
José Sócrates, que a considerou
um “exemplo” de uma administração pública “que puxa pelo
país”.
O governante chefiou uma
extensa comitiva que incluiu
ainda o ministro da Presidência,
Pedro Silva Pereira, a secretária
de Estado da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques, e o secretário de
Estado Adjunto e da Administração Interna, José Magalhães.
A obra, que custou três
milhões de euros, é o “último
grito em matéria de lojas do
cidadão”, assim a caracterizou
o ministro Pedro Silva Pereira,
encontrando-se localizada no
primeiro andar do Mercado Municipal de Faro.
Sócrates considerou a Loja
do Cidadão de Faro como “a
mais moderna, a mais progres-
2100 metros
quadrados
de serviços
sista e a mais avançada” de
todas as que existem no país,
elogiando o “empenho” da câmara de Faro na questão da localização.
“Justamente no centro da
cidade, o que tem tudo que ver
com uma nova lógica de administração pública, mais próxima
dos cidadãos”, acrescentou o
primeiro-ministro.
O responsável vê nesta loja
“um exemplo” para a ambição
de ter uma administração pública “que puxa pelo país” e
“na linha da frente em termos
de modernização tecnológica”,
permitindo “reduzir os custos
administrativos”.
Por seu lado, o presidente
da Câmara Municipal de Faro,
José Apolinário, destacou o
facto de a loja estar situada no
“coração da cidade, em pleno
Representando um investimento de três milhões de euros, a Loja do Cidadão de Faro,
de segunda geração, ocupa uma
área superior a 2100 m2 e vai
ter balcões especializados do
Instituto dos Registos e Notariado, Instituto da Segurança
Social, Alto Comissariado para a
Imigração e Diálogo Intercultural, Administração Regional de
Saúde do Algarve, entre outros.
O equipamento dispõe ainda de um balcão multiserviços,
uma das valias das lojas mais
avançadas, que permite levar
aos cidadãos diversos serviços
de vários outros organismos não
representados no edifício.
Trata-se, também, da primeira LC a integrar uma extensão do Centro Nacional de Apoio
ao Imigrante (CNAI), permitindo
à população imigrante residente no Algarve dispor de auxílio
para o seu processo de integração.
A loja funciona de segunda
a sexta-feira entre as 8:30 e as
19:00 horas, e ao sábado, das
9:00 às 13:00 horas.
O governo tenciona abrir
mais 30 lojas pelo país, duas
das quais em Portimão e Tavira,
num “momento de expansão
ambicioso”, disse Silva Pereira.
O investimento total ronda os
35 milhões de euros.
Ambiente do Algarve alvo de “assalto
generalizado”
Ambientalistas ameaçam fazer queixas à Comissão Europeia
Sete associações ambientalistas ameaçam levar várias
queixas à Comissão Europeia
(CE) devido ao “assalto generalizado” de que está a ser alvo o
Ambiente na região algarvia.
As associações reuniram
para fazer os ponto de situação
do estado do Ambiente no Algarve e o diagnóstico “é bastante preocupante”, dizem. Vão
tentar encontrar soluções para
os problemas, mas em última
instância farão queixas à CE.
Na mira dos ambientalistas
estão por exemplo os projectos
PIN- Potencial Interesse Nacional. Dizem que criam “enormes
problemas sustentabilidade” e
que passam por cima de todos
os planos de ordenamento.
Ainda sobre os projectos
PIN, falam concretamente no
projecto para o Pontal em Faro.
Defendem que a ser aprovado
irá “destruir o pulmão da cidade e uma das últimas manchas
de pinhal do Algarve”.
Os ambientalistas falam
ainda no Quadro de Referência
Estratégica Nacional (GREN).
Acusam a Comissão de Acom-
panhamento de só ter reunido
duas vezes desde 2007, e que a
taxa de aprovação “é reduzidíssima”, que está “nos 8,6%”.
Sobre o QREN sublinham
também que na questão dos
projectos ligados ao Ambiente
a taxa de aprovação ainda é
menor, “7,6%”. Caracterizam
de “ridiculamente pequena”.
Dizem que só foram aprovados
cinco projectos, todos de Autarquias.
Constituem outros motivos
de preocupação para os ambientalistas questões ligadas a
alguns planos de ordenamento
e excesso de campos de golfe,
mas salientam aquilo que chamam de “incidentes ambientais
gravosos”:
Falam dos “esvaziamentos
cíclicos da Lagoa dos Salgados
(...), liquidação do Pinhal da
Praia Verde, construções ilegais
e abandono na Mata de Vila Real
de Santo António, descargas irregulares de efluentes na Ria
Formosa”.
As associações são a Almargem, Quercus, LPN, A Rocha,
AMA, APOS e ALTELA.
Mais informação em www.regiao-sul.pt
_página 08
_edição 756 _08abr2009
Quarteira: lançada obra
na estrada das Pereiras
A Câmara de Loulé lançou
na quarta-feira da semana passada a obra de repavimentação
da estrada 585 nas Pereiras,
Quarteira.
A faixa de rodagem vai aumentar para cinco metros. A
obra inclui ampliação da rede
de água e esgotos.
São ao todo três quilómetros de estrada, ao longo da
qual serão criadas bermas com
um metro de largura. E no início da via, na intersecção com
a Estrada Municipal 527, vai ser
criada uma rotunda.
Esta é uma obra projectada
desde de 2004.
O presidente da Autarquia
de Loulé, Seruca Emídio, esclareceu que o atraso se deveu à
necessidade de integrar também a componente de sanea-
mento, pelo que “foi necessário
aguardar mais tempo”.
A obra vai ter um custo de
1,1 milhões de euros acrescidos
cristóvão norte *
[email protected]
Carta Aberta
ao Senhor Presidente
da Câmara Municipal
de Loulé
de iva e tem um prazo de execução de sete meses.
O primeiro-ministro, José
Sócrates, e o presidente da
Câmara Municipal de Portimão,
tério da Educação, cabendo ao
município de Portimão comparticipar com a restante verba.
quia assegura, em comunicado,
que “os trabalhos vão começar
muito em breve e que 90 por
cento da obra deverão estar
concluídos ainda neste ano”.
A escola, dotada de um pavilhão desportivo e de campos
de jogos exteriores, vai localizar-se num terreno municipal
situado na zona da Bemposta,
em espaço onde futuramente
serão edificados uma escola
do ensino básico do 1º Ciclo e
jardim-de-infância, as novas
instalações do núcleo local da
Escola de Hotelaria e Turismo
do Algarve e ainda o Campus
Universitário de Portimão.
Tribunal Judicial
de Faro
1º Juízo Cível
Av. 5 de Outubro – 8004-023 Faro
Telef: 289892900 Fax: 289892901 Mail: [email protected]
Manuel da Luz, assinaram no
passado dia 30, o acordo de
colaboração para a construção
da Escola E.B. 2,3 da Bemposta, que vem reforçar o parque
escolar de Portimão.
Com um custo de 5 milhões
de euros, a obra vai ser suportada em 80 por cento pelo minis-
O novo equipamento vai
descongestionar o número de
estudantes que actualmente
leccionam nas E.B. 2,3 da cidade e vai ter 30 salas de aula,
cada uma para 25 alunos, e possuirá condições adequadas ao
ensino artístico.
Quanto aos prazos, a autar-
Loulé: Autarquia quer
adjudicar serviços de
limpeza em praias
A Câmara de Loulé lançou um concurso público com vista à
contratação de serviços de limpeza de praias, parques de estacionamento adjacentes e acessos envolventes.
O objectivo é remover os resíduos das praias de Quarteira, Forte Novo, Cavalo Preto/Almargem, Loulé Velho e Trafal, bem como
os parques de estacionamento e acessos envolventes a estas praias
e ainda às praias do Garrão e Ancão.
Para além da recolha de resíduos sólidos, os serviços solicitados
pela Autarquia contam com remoção de areia nas passadeiras de
madeira bem como de lava-pés existentes nalgumas das referidas
praias.
Estes serviços serão contratados por sensivelmente 190 mil euros.
ANÚNCIO
Processo: 2105/07.8TBFAR
Acção de Processo Sumário
N/Referência: 4260139
Data: 24-03-2009
Autor: Torrefacção Camelo, Ldª
Réu: Jorge Aprigio da Cunha Ferreira
Nos autos acima identificados, correm éditos de 30 dias, contados da data da segunda e última publicação do anúncio, citando
o Réu: Jorge Aprigio da Cunha Ferreira, com última residência
conhecida na Rua de Loulé, Nº. 8 – 2º Dº., em Faro, para, no prazo de 20 dias, decorrido que seja o dos éditos, contestar, querendo, a acção, com a cominação de que a falta de contestação
pode vir a importar a confissão dos factos articulados pelo(s)
autor(es) e que em substância o pedido consiste no pagamento
do réu à outora, por incumprimento contratual, do valor de E.
9.348,57 acrescido dos respectivos juros legais e, a, restituirlhe o equipamento comodatado, tudo como melhor consta do
duplicado da petição inicial que se encontra nesta Secretaria, à
disposição do citando.
Fica advertido de que não é obrigatória a constituição de mandatário judicial.
O Juiz de Direito,
(Assinatura ilegível)
Dr(a). José Miguel Figueiredo Pereira da Rosa
O Oficial de Justiça,
(Assinatura ilegível)
Domingos José Ferreira Nunes
PUBLICIDADE - REGIÃO SUL N.º 756 - 2009.04.08
O P I N I Ã O
Portimão: Sócrates e Manuel da Luz
assinam acordo para construção
de nova escola
Li com atenção as palavras que contextualizaram a
sua pequena coluna cognominada “QUINTAS do Algarve”,
acontecida na página 8 do Jornal “Correio da Manhã” do
pretérito dia 26 de Março do ano corrente.
Subscrevo de forma enfática algumas reflexões contidas nesse pequeno escrito designadamente os seguintes
passos.
Longe vão os tempos em que dificilmente a nossa região era palco de eventos de expressão mediática quer
de indole sócio -cultural quer desportiva. É bom que se
retenha que tais manifestações só acontecem devido
à existência de empreendimentos – âncora de entre os
quais elejo o Parque das Cidades.
Não esquecendo a funcionalidade deste espaço estratégico, situado no Centro da região que contribui para
a economia regional do Algarve, especialmente na indústria, no turismo e na hotelaria”.
Como é sabido, nos termos da Constituição da Republica incumbe ao Estado e ipso facto às autarquias a
tarefa de promover o ordenamento do território tendo
em vista uma correcta localização das actividades e um
equilibrado desenvolvimento sócio - económico, aliás foi
na explicitação deste comando constitucional que surgiram os planos directores Municipais, instrumentos indubitavelmente indispensáveis e decisivos para dar conteúdo
e vida ao citado preceito fundamental.
Ao ler o mesmo diário de 30/03/2009 fui confrontado
na sua página 8 com o destaque emblemático com o titulo “O maior Ikea Ibérico nasce em Loulé” o que inequivocamente constituirá uma considerável mais valia para o
mais importante Concelho do Algarve.
O Senhor Presidente no último parágrafo desse artigo
emite a seguinte opinião que passo a citar “A sua localização não é o factor mais importante. Queremos é que o
investimento fique no Concelho” fim da citação.
A verdade é que é o publico é notório que são apontadas duas alternativas a saber: a zona do Parque das Cidades e o espaço das antigas instalações da Unicer, sendo
certo que para se optar conscientemente por uma delas
é indispensável emitir um juízo de valor, estribado em
critérios de rigorosa ponderação e equilíbrio tendo em
consideração não apenas os mais basilares interesses das
populações como também s sobretudo a sua sensibilidade
e consentaneidade.
A minha convicção tal como a veiculada por mais de
duas dezenas de personalidades habilitadas para o efeito, com quem troquei impressões sobre o assunto reconhecem-se claramente na alternativa da zona da antiga
Unicer, erigindo a localização como um factor a ter em
consideração.
Avultam nessa tomada de posição argumentos de indiscutível racionalidade e bom senso mesmo de carácter
preventivo, os engarrafamentos de transito que acontecem no Parque das Cidades aquando da prática dos mais
diversos eventos, os acessos ao Estádio e sobretudo construção dum Hospital Central onde se espera atender com
a maior desenvoltura e eficácia os doentes que ali ocorrem. Estas circunstancias constituem objectivamente um
obstáculo sério ao usufruto rápido e pronto de esse bem
inestimável que é a saúde que recorde-se o meu querido
amigo na sua qualidade de médico comungará plenamente e é um direito constitucional inalienável com acolhimento na Declaração Universal dos Direitos do Homem.
Não podemos correr o risco de deixar entrar pela
porta, aquilo que pode sair facilmente pela janela!
* Ex-Presidente da Assembleia de Municipal de Loulé
e Co-Autor do Projecto – Lei que elevou Loulé
à categoria de cidade.
Marilyn Tomás
A D V O G A D A
Rua Afonso III, n.º 51 - 1.º
8135-112 Almancil
Telef. 289 358 816 - Fax: 289 358 818
_página 09
_edição 756 _08abr2009
vitor ruivo *
[email protected]
O P I N I Ã O
OUTRO RUMO
PARA FARO
Pode dizer-se que, em época pré-eleitoral e da boca
para fora, este é um anúncio e um slogan comum a todos os projectos que pretendem candidatar-se ao poder
autárquico. Em Faro, como na generalidade dos outros
concelhos.
Mesmo o poder de turno no mandato não enjeita a
ideia da mudança, que eles protagonizam, claro!
E
se não mudou mais, é por culpa do poder anterior e das
actuais oposições.
Então, a necessidade de mudança é facto consensual
e assumido. Mas de pouco serve culpar o poder anterior e
a oposição, quando, pelo menos no caso de Faro, se pode
dizer que no essencial dos trinta e cinco anos de democracia pós 25 de Abril, esse poder foi sempre alternando
entre os mesmos dois partidos, cara e coroa da mesma
moeda que trouxe o concelho até aos graves problemas e
distorções que hoje enfrenta.
Ambos sempre prometendo a mudança, mas seguindo sempre o mesmo caminho. Por isso chegámos à actual
situação de angústia financeira, com a autarquia cheia de
dívidas e em risco de não poder contrair novos empréstimos, forçada a vender património e terrenos, quando
devia aumentá-los e alienando responsabilidades que devia assumir
É fácil fazer o diagnóstico de um concelho alheado do
aproveitamento dos seus recursos naturais, apenas concentrado na cidade e nos seus arredores. Mas com uma
cidade do caos urbanístico e do caos do trânsito, entupida
nas acessibilidades e sem espaços verdes.
Difícil é ter soluções sérias de mudança. Mais difícil
ainda é pô-las em prática.
Uma coisa é certa, só haverá a mudança que faz falta,
se acabar, ou pelo menos for travado, o garrote da especulação imobiliária e a soberania das grandes superficies
comerciais. Quando terminar a política dos factos consumados, em que o que interessa é fechar os olhos, assinar de cruz e depois logo se vê! Em que a culpa sempre
morre solteira e a autarquia fica manietada, incapaz de
corrigir os erros cometidos, mesmo quando toda a gente
os reconhece, e até os responsaveis, sobretudo quando
passam a ser oposição e os sacodem do capote. E que descaradamente os continuam, de braço dado embora com
muitos berros e cotoveladas, porque “agora há que assumir” e “temos que ser responsáveis”.E assim penamos
com a megalomania do Estádio do Parque das Cidades,
permanente buraco negro dos recursos camarários; com
o desconchavo do Mercado Municipal e do MARF que, por
este caminho, serão tudo menos o que deveríam ser; com
o desastre económico da FAGAR e a sujeição às Águas do
Algarve à custa dos recursos da autarquia e dos munícipes; com as loucuras das sucessivas direcções de Farense
e do apoio cego que a Câmara lhes foi prestando até às
actuais propostas de venda do Estádio de S. Luís em que
tudo vale para encontrar comprador...
É sem esperança o panorama se o dilema for Nário
ou Cário. Alguma vez irão romper com o bloco central
dos interesses instalados no concelho, mais aqueles que
se estão instalando, e aqueloutros que lá bem de longe
em nós vão mandando, se para eles o futuro passa pelo
investimento do Resort do Pontal, pela possível venda dos
terrenos do pólo da Penha da Universidade, por sempre a
pagar com a Fagar, por um Retail Park no MARF e mais 3 ou
4 grandes superfícies no concelho? E assim por diante.
Com certeza, a alternativa não é fácil. Muitos querem
mudar a sério mas têm medo. Mas reparem, não foi essa
alternativa ainda por experimentar quem nos trouxe até
à tristeza e à crise dos dias de hoje!
* Membro do Bloco de Esquerda
Música de Pais para Filhos
na Biblioteca de Olhão
Ana Maria Moura (violoncelo) apresenta-se aos papás e bebés
no 5.º Ciclo de Concertos “Música de Pais para Filhos”, no próximo
dia 11 de Abril, às 10:30 e às 11:30 horas, na Biblioteca Municipal
de Olhão.
A iniciativa, organizada pelo município de Olhão com produção da Associação Cultural Música XXI, visa promover, através da
música, a interacção entre pais e filhos, bem como estimular as
capacidades e competências dos bebés. As inscrições são limitadas
e devem ser efectuadas no Museu da Cidade.
Governo disponibiliza 175 milhões
em crédito para mundo rural
Já está publicado em Diário da República o diploma que
disponibiliza a linha de crédito
de 175 milhões de euros criada
pelo Ministério da Agricultura,
do Desenvolvimento Rural e das
Pescas, destinada a todo o mundo rural.
O decreto-lei já tinha sido
aprovado pelo Governo a 12
de Fevereiro. Tem como beneficiários as Pequenas e Médias
Empresas (PME), independentemente da sua forma jurídica,
que operem nos sectores agrícola, florestal e agro-indústrias.
À luz da recomendação da
Comissão Europeia, é entendido
por empresa qualquer entidade
que exerça actividade económica, o que permite considerar
como tal, quem desenvolve uma
actividade artesanal ou outras
actividades a título individual
ou familiar, bem como as sociedades de pessoas ou as associações que exercem regularmente
uma actividade económica.
Esta linha de crédito disponibiliza 75 milhões de euros para
o sector agrícola e 100 milhões
de euros para os sectores florestal e agro-indústrias. Permite reforçar o fundo de maneio
necessário ao desenvolvimento
de uma actividade e liquidar
dívidas junto de instituições de
crédito, ou de fornecedores de
factores de produção, incluindo
bens de investimento, que tenham sido contraídas no exercício da actividade.
O auxílio é concedido sob a
forma de bonificação de juros,
com variações entre os 100% e
os 80%, sendo os empréstimos
concedidos pelo prazo máximo
de quatro anos e amortizáveis
anualmente, permitindo um
ano de carência de capital.
A presente linha de crédito
tem um encargo total para o
Estado de cerca de 20 milhões
de euros, a saldar entre 2010 e
2013.
Praia de Faro sem carros ganha
concurso de ideias
A ideia é ter uma praia sem
carros nem prédios, apenas casas térreas e ordenadas, e quanto a transportes, só bicicletas
ou pequenas viaturas movidas a
energia renovável. É a ideia do
arquitecto Nuno Brandão Costa
para a Praia de Faro.
Foi esta visão da praia que
ganhou o concurso de ideias
para a requalificação e ordenamento da frente de mar da Praia
de Faro, cujos prémios foram
entregues na quinta-feira, dia 3
de Abril, em cerimónia que decorreu na capital algarvia.
O projecto venceu sobre
28 concorrentes, incluindo seis
equipas estrangeiras, três espanholas e três finlandesas. Os
vários projectos podem ser vistos no Centro Comercial Atriumfaro, na baixa da cidade, nos
próximos 20 dias.
O autor da ideia vencedora
defende que o futuro da Praia de
Faro passa por renaturalizar “ao
longo do tempo até atingir o seu
ponto primitivo”. Confessa que
há na ideia um lado “utópico”
mas salienta que o projecto tem
uma visão a 100 anos.
O projecto vencedor recebeu um prémio de 15 mil euros.
Jantar de solidariedade
a favor da AAPACDM
O Espaço Faro do Método
DeRose realiza um jantar de solidariedade a favor da Associação Algarvia dos Pais e Amigos
das Crianças Diminuídas Mentais
(AAPACDM), no próximo dia 22
de Abril, no restaurante SuiGeneris, na Praia de Faro.
Além do jantar, que conta
com a presença do mestre DeRose, outra forma de ajudar a
AAPACDM é através da compra
de livros da autoria do DeRose,
à venda no Espaço Faro, cujas
receitas vão ser entregues à instituição.
O jantar, que decorre a partir das 20 horas, tem um custo
de 40 euros e os interessados
podem efectuar marcação através dos telefones 289822116 ou
962039246.
Colheita de sangue em Albufeira
Sob o lema “Albufeira Solidária”, a ADSBA – Associação de
Dadores de Sangue do Barlavento do Algarve realiza uma colheita de sangue naquela cidade, no próximo dia 18 de Abril.
Recorde-se que podem doar
sangue todas as pessoas com
bom estado de saúde, com hábitos de vida saudáveis, peso
igual ou superior a 50 kg e idade compreendida entre os 18 e
os 65 anos. Para uma primeira
dádiva o limite de idade é aos
60 anos.
A acção, que conta com o
apoio do IPS – Instituto Português do Sangue e da Autarquia
de Albufeira, vai decorrer na
sala Paraíso do Hotel Paraíso
de Albufeira, das 10:30 às 14
horas.
Loulé comemora Dia do Combatente
dia 9 de Abril
A direcção do Núcleo de
Loulé da Liga dos Combatentes
em colaboração com a Câmara
Municipal de Loulé e Juntas de
Freguesia do concelho loule-
tano vão comemorar o Dia do
Combatente e da Batalha de La
Lys, a 9 de Abril.
As cerimónias têm lugar em
frente à Câmara Municipal de
Loulé. A apresentação da formatura está agendada para as
10:55 horas.
Na ocasião vão ser homenageados ex-combatentes fale-
cidos. Haverá lugar a condecorações.
E pelas 12:15 horas é inaugurada a ExpoLiga 2009.
_página 10
_edição 756 _08abr2009
CFC apresentaram órgãos sociais
e linhas de orientação
nuno silva *
[email protected]
José Vitorino mantém silêncio quanto a eventual candidatura a Faro
A associação cívica Cidadãos com Faro no Coração (CFC)
apresentou esta segunda-feira
os órgãos sociais eleitos. São 49
cargos. O mentor da associação,
José Vitorino, vereador independente na Autarquia de Faro,
é o presidente da direcção.
O empresário e ex autarca
João Horta é o presidente da
Mesa da Assembleia-geral. E a
advogada e também ex autarca
Rosa Valente Augusto é a presidente da Comissão Fiscalizadora
dos CFC, associação que conta
ainda com uma estrutura para a
Juventude, a JCFC.
Sobre o lema “Alcançar
uma nova era para Faro”, os
CFC querem criar uma nova
forma de intervenção e participação públicas, defendendo
que “o descrédito nos partidos
está a provocar o desespero na
população”.
Esta segunda-feira o presidente do organismo, José Vitorino, manteve a dúvida quanto
à candidatura à presidência da
Câmara de Faro. Disse: “Nem
sim, nem «nim», nem não”,
quando questionado sobre o
assunto.
Ressalvou que os CFC vão
avaliar os candidatos pelas suas
propostas e condutas, que daí
“retirarão as respectivas conclusões”, e só depois “decidirão como agir”. José Vitorino
salientou que a missão dos CFC
será uma “luta sem tréguas por
Faro e pelas gentes farenses”.
No entanto a associação defende 12 princípios orientadores para um candidato a Faro. E
entre eles, “deve ser da terra”,
sublinha, numa clara alusão aos
candidatos PS e PSD, José Apolinário e Macário Correia, que
são de Olhão e Tavira, respectivamente.
Nas linhas de orientação definidas pelos CFC, destaque para
a criação de “um Plano Estratégico que afirme a identidade
histórico-cultural e promoção
de Faro com desenvolvimento
equilibrado e sem fundamentalismos”.
Os CFC querem, por exem-
SINAIS
plo, “incrementar a actividade
agrícola”; “cooperar com as associações da juventude”; “criar
um plano global para as vias de
comunicação e meios de transporte”; e “captar investimentos
de apoio às pequenas e médias
empresas”, entre muitos outros
objectivos.
A associação, cuja a escritura pública teve lugar no
passado dia 28 de Janeiro, foi
apresentada a 31 do mesmo
mês em Faro num jantar que
contou com cerca de 600 pessoas. Actualmente os CFC têm 833
membros inscritos.
sado dia 2 de Abril a assembleia
deliberou “solicitar ao governo
para que suspenda de imediato
a Portaria 143/2009”. O objectivo é que a Portaria seja
revista “no mais breve prazo
possível” e “em diálogo com os
pescadores, as suas associações
e os representantes eleitos das
populações”. Na mesma sessão
o BE propôs ainda um segundo
documento também aprovado,
defendendo a necessidade de
um matadouro para o Algarve. A
assembleia deliberou manifestar a sua preocupação por “esta
grave carência regional”.
Aquele organismo público
vai assim “apelar ao Governo,
através do seu ministro da Agricultura, para que encontre as
soluções mais adequadas que
levem à resolução deste problema”.
Algarve: adesão ao rastreio do cancro
da mama aumenta
Mais de 12 mil mulheres
algarvias, dos 50 aos 67 anos,
aderiram à segunda volta do
rastreio do cancro da mama,
que arrancou em Fevereiro de
2008, quando estão rastreados
cerca de metade dos concelhos
da região, verificando-se um aumento da adesão.
A segunda volta do rastreio
do cancro da mama do Algarve
já percorreu 8 dos 16 concelhos,
verificando-se um acréscimo da
adesão em todos os locais, comparativamente com as taxas registadas na primeira volta que
decorreu entre Setembro de
2005 e Janeiro de 2008.
7.969 mulheres aderiram ao
rastreio nos concelhos de Olhão,
Loulé e Albufeira, atingindo respectivamente, 58 por cento,
contra 36 por cento na primeira
volta, 57 por cento, contra 36
por cento na 1ª Volta e 58 por
cento, contra 36 por cento, na
1ª volta.
Nos restantes concelhos
mantiveram-se valores elevados que superaram também
os da primeira volta: Alcoutim
(primeira volta: 68 por cento
- segunda volta: 72 por cento),
Castro Marim (primeira volta:
63 por cento - segunda volta: 63
por cento), Vila Real de Santo
António (primeira volta: 49 por
cento - segunda volta: 66 por
cento), Tavira (primeira volta:
49 por cento - segunda volta: 61
por cento) e São Brás de Alportel (primeira volta: 51 por cento
- segunda volta: 62 por cento).
Actualmente, o rastreio do
cancro da mama está a decorrer na Unidade Móvel junto ao
Centro de Saúde de Silves até
ao dia 29 de Abril. As mulheres com idades compreendidas
entre 50 e 67 anos, residentes
no concelho de Silves, recebem
por carta uma marcação para
realizar gratuitamente uma mamografia.
O rastreio é financiado e
organizado pela Administração
Informação em constante
actualização em:
www.regiao-sul.pt
Regional de Saúde do Algarve,
I.P. em colaboração com a Associação Oncológica do Algarve,
sendo gratuito para todas as
mulheres, que em caso de dúvi-
da, podem ligar para o telefone
289 889 912 ou contactar com
o responsável pelo rastreio:
[email protected]
pt
Associação dos Bombeiros
Voluntários de Aljezur
OPINIÃO
Por proposta do Bloco de
Esquerda (BE) a Assembleia Intermunicipal do Algarve aprovou um pedido de suspensão da
Portaria que restringe a pesca
lúdica nos concelhos algarvios
da Costa Vicentina.
Em sessão realizada no pas-
| Vialgarve
Algarve quer suspensão de Portaria 143
e construção de um matadouro
Não sei se o facto de pedirmos para que as pessoas
andem mais atentas, vai surtir algum efeito. Hoje em
dia, essas mesmas pessoas, andam demasiado ocupadas
com todos os seus problemas, sufocados pela crise que
se alastra, ansiosos por dias melhores que tardam em
chegar.
Mas, mesmo assim, seria interessante parar por momentos, quantos mais melhor, para tentar perceber alguns sinais que nos chegam da vida real, disfarçados de
pobreza encapotada, desgraças da vida que continuamos
teimosamente a pensar que só acontecem aos outros ou
ainda, certos esquissos de uma certa desumanidade que
ainda encontramos por aí.
A comunicação social, principalmente aquela que se
preocupa em nos contar a verdade, nua e crua como ela
pode ser, é o intermediário que nos envia alguns sinais,
cujos conteúdos deveríamos prestar mais atenção.
Atentemos a alguns casos. Jornal Região Sul, 25 de
Março: Algarve – Desemprego atinge 40,5 por cento em
Fevereiro; Jornal de Portimão, 2 de Abril: Comida, precisa-se!; Jornal Barlavento: Gabinete Anti-Crise de Portimão recebe 14 pessoas por dia. E poderíamos passar
para os órgãos de comunicação social de âmbito nacional…
Enfim, estes são retratos de uma sociedade que emite sinais. E, neste momento, convenhamos, não são os
melhores, nem estes auguram nada de bom.
Se juntarmos a violência com episódios concretos.
Se compararmos o modo de vida de agora, com aquele
que tínhamos há bem pouco tempo. Fundamentalmente,
se quisermos ser honestos connosco, temos de reconhecer que apenas uma intervenção forte e com medidas
vigorosas poderá fazer face a uma provável degradação
social, que a acontecer sentenciaria de imediato o mundo tal como o conhecemos.
São necessárias, por isso, medidas, políticas e acções que saibam interpretar estes sinais, fazendo com
que a cúpula de quem olha e decide, possa ser eloquente quanto aos desafios que tem pela frente.
Andamos todos preocupados. Justamente, diga-se.
Todavia, estou em crer que as lições que todos aprendemos todos os dias, nos impelirão para uma nova postura
face à realidade que temos, desde que saibamos interpretar a situação em que vivemos.
Lá fora, embora com decisões que não salvarão o
mundo milagrosamente, mas com uma nova atitude
perante todos nós, foi bom notar uma reviravolta na
agenda do G20, baptizada por Barack Obama, como
“um ponto de viragem”. Ora, esta é a razão pela qual
devemos andar atentos aos sinais que nos chegam todos
os dias. Só assim estaremos sempre sintonizados com o
que realmente se passa e ficaremos capacitados para
poder ajudar a agir.
* Licenciado em Gestão de Recursos Humanos
http://www.vialgarve.org/
http://sentirescrever.blogspot.com/
EDITAL
João Manuel Beles Carreiro, Presidente da Assembleia-geral da
Associação dos Bombeiros Voluntários de Aljezur, faz saber, por
este meio, a todos os sócios da Associação dos Bombeiros Voluntários de Aljezur que no dia 30 de Abril de 2009, entre as 16
horas e as 20 horas, decorrerá no Quartel Sede da Associação o
acto eleitoral para a eleição da Mesa da Assembleia-geral, da
Direcção e do Conselho Fiscal para o biénio de 2009/2010.
A eleição obedecerá ao que se encontra previsto no Capítulo
IV dos Estatutos da Associação dos Bombeiros Voluntários de
Aljezur.
As candidaturas deverão ser apresentadas na Secretaria da Associação até ao dia 20 de Abril de 2009.
As listas concorrentes e os respectivos programas de acção ficarão expostas no átrio do Quartel Sede da Associação.
Para constar se publica o presente edital e outros de igual teor
que vão ser afixados nos lugares públicos do costume e publicado em jornal de distribuição local.
EDITAL
Paulo Valério Vieira Bernardo, na qualidade de Presidente do
Conselho de Administração da Empresa Loulé Concelho Global,
EM, Unipessoal, S.A, torna público a rectificação do Edital já
publicado, pelo que, informa que no dia 10 de Abril, do corrente ano, feriado nacional, (Sexta-Feira Santa) o Mercado Municipal de Loulé, encontrar-se-à aberto, na sequência da vontade
expressa, nos inquéritos realizados aos concessionários do edifício supra mencionado.
Para constar e devidos efeitos se pública este e outros que serão afixados nos lugares públicos de estilo.
Em, 20 de Março de 2009
O Presidente da Assembleia-geral,
(Assinatura ilegível)
João Manuel Beles Carreiro
Loulé, 06 de Abril de 2009
O Administrador do Mercado Municipal de Loulé
(Assinatura ilegível)
(Paulo Valério Vieira Bernardo)
PUBLICIDADE - REGIÃO SUL N.º 756 - 2009.04.08
PUBLICIDADE - REGIÃO SUL N.º 756 - 2009.04.08
_página 11
_edição 756 _08abr2009
Joss Stone e Mariza Festa das Tochas Floridas regressa
no Allgarve
a São Brás de Alportel
A cantora
Joss Stone e a
fadista portuguesa Mariza são
os dois primeiros
nomes confirmados para a edição deste ano
do programa de
animação turística Allgarve’09.
Joss Stone
actua dia 31 de
Julho, no Largo
Duarte Pacheco,
em Loulé. A cantora, que começou a carreira
com apenas 17
anos de idade
graças ao álbum
de estreia “The
Soul Sessions”
(2003), já vendeu mais de 10
milhões de álbuns e conquistou um Grammy.
Mariza sobe ao palco dia 14 de Agosto, na Zona Ribeirinha de
Vila Real de Santo António. Com quatro álbuns de originais editados, Mariza tornou-se na voz que mais tem popularizado a alma
portuguesa em todo o mundo.
Recorde-se que esta é já a terceira edição do Allgarve, uma
iniciativa que aposta em eventos musicais, desportivos, culturais,
gastronómicos e de animação social, como forma de complementar
a tradicional oferta de sol e praia, combater a sazonalidade e reforçar a atractividade e a animação do Algarve.
De
referir
ainda que os bilhetes vão estar
à venda a partir
do próximo dia
13 de Abril e custam entre 25 e
30 euros para o
concerto de Joss
Stone e entre 15
e 20 euros para
o espectáculo de
Mariza.
Podem ser adquiridos na Worten, Fnac, CTT, El
Corte Inglês, Plateia (www.plateia.pt), Agências
Abreu e Ticketline (reservas pelo
telefone 707 234
234 ou www.ticketline.pt), entre outros.
São Brás de Alportel é novamente palco no próximo Domingo de Páscoa, 12 de Abril, de
uma das mais genuínas manifestações culturais de cariz religioso do país – a secular Procissão
de Aleluia, em honra de Cristo
Ressuscitado, onde os andores
dão lugar às flores, que ornamentam magníficas tochas.
O Tapete
de Flores
Um longo tapete de flores
com um quilómetro de extensão
cobre o chão, descrevendo o
percurso da Procissão, que tem
lugar a partir das 11:00 horas,
como se a Primavera também
ela viesse celebrar este dia de
Festa. Para construir esta verdadeira obra de arte, são precisas cerca de três toneladas de
flores e a mão-de-obra de uma
centena de voluntários, que na
véspera do Domingo de Páscoa,
pela noite dentro até ao amanhecer, constróem o tapete
florido para a partir das 09:30
horas estar a cobrir as ruas da
Vila.
O Encontro
de Sabores
A partir das 10:00 horas, no
Largo de São Sebastião, o visitante pode apreciar os doces
típicos desta Vila do Sotavento
Algarvio, numa pequena feira
em que estão representados os
irresistíveis sabores do sul do
país: os típicos folares da Páscoa, as amêndoas tenras de São
Brás, os doces à base de frutos
secos: figo, amêndoa e a maravilhosa alfarroba, o chocolate
da serra, que não vai querer
deixar de provar. Tudo isto e
muito mais para provar no En-
contro de Sabores, na Festa das
Tochas Floridas.
As festas são organizadas
pelo Município de São Brás de
Alportel, Associação Cultural
Sambrasense, Paróquia de São
Brás e contam com o apoio da
Junta de Freguesia de São Brás
de Alportel.
Festa Pequena da Mãe Soberana
no Domingo de Páscoa
Elemento escultório em homenagem aos homens do andor
É já no próximo dia 12 de
Abril, Domingo de Páscoa, que
Loulé recebe o primeiro momento da mais importante manifestação religiosa do Sul do
Pais. Trata-se da Festa Pequena
da Mãe Soberana, em homenagem a Nossa Senhora da Piedade, a padroeira da cidade.
No Domingo de Páscoa, a
imagem da padroeira é transportada da sua ermida, no alto
do cerro, até à Igreja de S. Francisco, pelos Homens do Andor,
onde vai permanecer durante
15 dias, até à realização da
chamada Festa Grande. Durante este período, a Nossa Senhora da Piedade é venerada pelos
fiéis que lhe rendem culto com
vigílias, novenas e sermões.
Este ano, o momento alto
da Festa Pequena vai ser a inauguração de uma escultura em
homenagem aos homens do andor, da autoria do artista Miguel
Cheta, que será colocada na
Rua dos Homens do Andor, junto
à sede da Junta de Freguesia de
S. Sebastião.
A Festa Pequena da Mãe Soberana decorre pelas 17 horas.
José Cid é cabeça de cartaz da Semana Académica de Loulé
A cidade de Loulé preparase para acolher, entre 21 e 25
de Abril, a festa dos estudantes
do INUAF – Instituto Universitário
D. Afonso III, naquela que é a 12ª
edição da Semana Académica de
Loulé, realizada no Parque Municipal de Loulé. O principal nome
do cartaz é o músico José Cid.
O primeiro dia, terça-feira, é
dedicado às bandas portuguesas
residentes no Algarve. Em palco
vão estar os Ludo, NOME e Six
Irish Men. Também nessa noite
actuam os DJS EEEEP, Andjo e
Jossa.
A segunda noite da Semana
Académica é preenchida com a
actuação de várias tunas do país.
O destaque vai para a anfitriã da
festa, a TUALLE – Tuna Afonsina
de Loulé. Pela noite dentro vai
haver também animação na Discoteca Black Jack, com o DJ Luiz
L.
Rita Redshoes, uma das vozes mais promissoras da música
portuguesa, cujo disco de estreia
conta com temas como “Dream
On Girl”, “Choose Love” ou “The
Beginning Song”, sobe ao palco na quinta-feira, 23 de Abril.
Acompanham Rita Redshoes nessa noite os Hot Pink Abuse, Bubble Bath e Root&Roll DJ Set.
Os ritmos africanos invadem
o Parque Municipal na véspera
de feriado, sexta-feira, com os
Irmãos Verdade. Com mais de
uma década de existência esta
constitui uma das mais conhecidas bandas de kizomba e um dos
grupos mais criativos dos PALOPS.
Axé Bahia e DJ Fernando Alvim
vão animar o resto da noite.
José Cid encerra a XII Semana Académica de Loulé. O
músico, que se tornou famoso
durante os anos 80, regressou em
força aos palcos portugueses nos
últimos anos, com alguns dos temas que permanecem na memória de todos nós como, tais como
“Um Grande, Grande Amor”, “Na
Cabana junto à Praia” e “Como
o Macaco Gosta de Banana”. La
Plante Mutante, o grupo de covers dos anos 80, e os DJs João
Pessoa e Jorge K são os outros
convidados da noite de encerramento.
Refira-se que a Semana Académica de Loulé é uma iniciativa
da Associação de Estudantes do
INAUF e que conta com o apoio
da autarquia de Loulé.
_página 12
_edição 756 _08abr2009
PS tenta conquistar Tavira doze anos depois
Pelo PS vai tentar ganhar a Câmara de Tavira o actual director
distrital do Centro Regional de Segurança Social do Algarve, Jorge
Botelho. Também presidente da concelhia rosa local, Botelho tem
41 anos, é licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra. Em
entrevista online ao Região Sul o candidato analisa 12 anos de PSD
na Autarquia e explica o que quer para a cidade.
ligado à construção de respostas sociais nos últimos anos.
RS: Se vencer a corrida autárquica quais serão as primeiras
mudanças estratégicas a efectuar relativamente à filosofia do
anterior executivo?
JB: Queremos mudar desde logo o paradigma do exercício do
poder autárquico em Tavira no que diz respeito à relação entre a
Vereação, o Presidente e os Tavirenses, humanizando e facilitando
esta interacção, com uma postura mais próxima da população e das
suas necessidades, recebendo e ouvindo os munícipes quando eles
necessitarem. A importância está nas pessoas e o poder autárquico
deve estar ao serviço destas. Por outro lado, deverá ser definido um
novo rumo para Tavira em termos desenvolvimento económico, que
se deverá virar para o mar, para as actividades náuticas e requalificando as suas zonas ribeirinhas e frente de mar, de forma a que
possamos ser atractivos para o turismo, com melhores oportunidades para os que cá vivem. Iremos fomentar o pequeno comércio,
abrindo o trânsito da baixa em primeiro lugar e promovendo um
estudo geral sobre acessibilidades da cidade e das suas freguesias.
Tavira tem uma riqueza histórica e cultural que deve potenciar, e
um património arquitectónico singular que deverá atrair quem nos
visita e ser motivo de orgulho para quem cá vive.
Entrevista de João Varques
Região Sul (RS): Como analisa os 12 anos de mandatos do PSD
em Tavira?
Jorge Botelho (JB): Nos 12 anos de mandato do PSD em Tavira
verificou-se um crescimento do Concelho em termos urbanos e uma
visibilidade do mesmo em termos jornalísticos e de comunicação
social. Foram construídos um conjunto substancial de loteamentos
e blocos de apartamentos que, ajudaram a descaracterizar o concelho, nomeadamente em freguesias como Conceição e Cabanas.
Realçar as iniciativas culturais e de preservação do património histórico que teve realce positivo, já que existiram meios financeiros
para tal. Por outro lado cometeram-se um conjunto de erros, já
que a baixa da cidade foi encerrada ao trânsito, prejudicando de
forma grave o comércio tradicional, as acessibilidades estão desordenadas e as taxas municipais caracterizam-se por ser as mais altas
do Algarve, bem como o preço da água e saneamento, cujos preços
são os mais caros.
RS: Mobilidade urbana foi uma das áreas anunciadas como
prioritárias pelo PS local. Que problemas encontra nesta área em
Tavira e como tenciona resolvê-los?
JB: Fundamental para a cidade e o Concelho, nomeadamente
para a sua dinâmica comercial é de facto a mobilidade. É preciso
combater eficazmente a desertificação humana e económica da
cidade de Tavira, que efectivamente já se verifica, resultado de
medidas erradas tomadas no tempo da actual vereação. É preciso
de forma urgente abrir a baixa da cidade ao trânsito, para que
as pessoas acedam mais facilmente ao centro da cidade, é necessário proceder imediatamente a um estudo de trânsito global da
cidade, que fomente as acessibilidades e a dinâmica económica,
é necessário criar parques de estacionamento na baixa da cidade
que permito o afluxo de pessoas ao mesmo e acima de tudo é necessário fomentar medidas que levem pessoas ao Centro da cidade,
em ambas as margens para que todos possam usufruir do Gilão,
da ponte romana, da cidade em si, da sua arquitectura, das suas
gentes simpáticas e hospitaleiras.
Este é sem dúvida um desafio, já
que o pequeno comércio em Tavira
terá brevemente um grande superfície no concelho. Por isso é necessário incentivar as pessoas a comprar
no comércio tradicional, por uma
relação de proximidade com as pessoas.
RS: Outra das preocupações anunciadas pelo PS/Tavira prende-se com a dinamização do pequeno comércio. Objectivamente, o que pretende fazer nesse sentido?
JB: Este é sem dúvida um desafio, já que o pequeno comércio
em Tavira terá brevemente um grande superfície no concelho. Por
isso é necessário incentivar as pessoas a comprar no comércio tradicional, por uma relação de proximidade com as pessoas. Todavia
é necessário reordenar as acessibilidades do trânsito, de forma a
que quem cá vive e quem nos visita conheça ou tenha possibilidade
de conhecer a baixa da cidade. É necessário dinamizar o comércio
da baixa e é necessário tomar medidas que incentivem o comér-
Areias e Serviços, Lda.
http://www.servareias.com
[email protected]
Terminal Ferroviário de:
• Areias Certificadas Provenientes do Rio Tejo • Cimento
• Areias Finas de Vale do Guizo • Telha e Tijolos Cerâmicos
• Argila Expandida • Cimentos Cola
Tel: 289 435 085
Fax: 289 435 089
Estação de Loulé - Gare
8100-306 Loulé
cio tradicional. Pretendemos criar um nova dinâmica para o baixa,
de forma a combatermos a desertificação que hoje se verifica e o
grande desânimo dos comerciantes, que vêm enfraquecer os seus
negócios.
Sem dúvida que a minha experiência e sensibilidade para a área
social se traduzirá no futuro numa
mais valia para as pessoas do concelho de Tavira. Está previsto para
breve uma transferência de competências sociais, que neste momento
estão com a Segurança Social, isto
é, na minha actual gestão, para as
autarquias locais.
RS: Com o actual momento de crise, a área social é uma preocupação transversal a todos autarcas e candidatos a autarcas.
O facto de estar profissionalmente ligado a essa área poderá ser
uma mais valia em relação a outros? Se sim, porquê?
JB: Sem dúvida que a minha experiência e sensibilidade para a
área social se traduzirá no futuro numa mais valia para as pessoas
do concelho de Tavira. Está previsto para breve uma transferência
de competências sociais, que neste momento estão com a Segurança Social, isto é, na minha actual gestão, para as autarquias locais.
Esta é desde logo uma vantagem, pois a adaptação destas novas
competências a nível local deve ser feita imediatamente, para que
os cidadãos não tenham quebras num apoio que neste momento é
prestado pela Segurança Social e que passarão paras as Câmaras,
ao nível da própria vida das pessoas e de apoios imediatos para
situações de carência familiar. Por outro lado, a Segurança Social
aprovou um conjunto de equipamentos sociais para Tavira, que agora começarão as obras e que é necessário que a autarquia tenha os
meios financeiros e técnicos direccionados para a sua construção.
também neste campo de alargamento das respostas sociais considero-me uma mais valia para Tavira, uma vez que tenho estado
SondaLoulé
Sondagens e Captações de Água, Lda.
Furos e Bombas
De Manuel António Guerreiro
Vale da Rosa
Caixa 198 A
8100-331 Loulé
Telf: 289 415 712
Fax: 289 435 034
Tlm: 917 268 792
Melhorar as taxas de cobertura
dos equipamentos sociais em Tavira, de forma a que todas as famílias
tenham uma resposta social no seu
concelho (creches, pré-escolar, ATL,
lar de idosos, apoio domiciliário,
pessoas com deficiência cuidados
continuados...), em parceria com as
instituições de solidariedade do concelho.
RS: Que outras linhas orientação quer desde já destacar daquele que será o seu programa eleitoral?
JB: Melhorar as taxas de cobertura dos equipamentos sociais
em Tavira, de forma a que todas as famílias tenham uma resposta
social no seu concelho (creches, pré-escolar, ATL, lar de idosos,
apoio domiciliário, pessoas com deficiência cuidados continuados...), em parceria com as instituições de solidariedade do concelho. Dar condições ao parque escolar e à comunidade educativa
para o exercício das suas funções; apoiar as instituições culturais
do concelho; apoiar as instituições desportivas; promover eventos
no concelho durante todo o ano e ter no Verão uma programação
de qualidade; e agilizar os procedimentos administrativos da Câmara, de forma a dar uma celeridade nas respostas ao cidadão e aos
agentes económicos.
_página 13
_edição 756 _08abr2009
Olhão: CDU assume-se como “alternativa”
à gestão socialista
O cabeça-de-lista da CDU à Câmara Municipal de Olhão, José
Castanheira, disse, em entrevista online ao Região Sul, que a coligação se assume como “alternativa” à gestão socialista, a qual tem
“asfixiado” a sociedade olhanense, acusa.
Membro eleito da assembleia municipal local pela CDU, o candidato explica que a estratégia da coligação passa por três vectores
estratégicos: mar e Ria Formosa; formação, cultura e cidadania; e
inovação e competência.
José Castanheira, 58 anos, casado, é gestor de seguros na Mútua
dos Pescadores e estudante universitário de Psicologia. Membro do
PCP e da Comissão Concelhia de Olhão, é eleito e líder da bancada
CDU na Assembleia Municipal de Olhão. Fundou o movimento cívico
«Avisar Toda a Gente» e a Rádio Ria Formosa, que emitiu em Olhão.
É membro do «Somos Olhão!» e preside à mesa da assembleia geral
da Associação de Defesa do Património de Olhão.
e democráticos, que condicionam o Concelho e conduzam a uma
situação em que dê gosto, não apenas morar, mas sim, viver no
Município de Olhão.
O desenvolvimento e a concretização destes princípios, para os
quais temos propostas concretas e contamos com os trabalhadores
do Município, terão que ser feitos de forma articulada, integrada
e participada por todos os actores envolvidos, isto é, os homens,
as mulheres, os pescadores, os mariscadores, os agricultores, os
comerciantes, os intelectuais, em suma, o Povo de Olhão.
A minha lista, os Candidatos da CDU, comprometem-se com
estes objectivos e esta metodologia.
Entrevista de Edgar Pires
Região Sul (RS): Quais são as razões que o levaram a apresentar-se a votos na liderança da lista da CDU?
José Castanheira (JC): Fundamentalmente a ideia de que existe uma outra forma de estar ao serviço da causa pública, servindo
e não servindo-se. Candidato-me porque é necessário vencer os
medos existentes em Olhão e é necessário desemaranhar a teia de
interesses que o Partido Socialista foi tecendo ao longo de demasiados anos, em Olhão. Essa teia de medos e de interesses, asfixia
a Sociedade Olhanenses e impede-a de viver e respirar plenamente. Faz falta a transparência, a participação das populações e uma
maior proximidade com as pessoas, que o projecto CDU e a equipa
que o assume, trazem consigo. Por isso a CDU é a Alternativa. Os
eleitos pela CDU dirão sempre ao Povo o que o Partido Socialista
tenta esconder. São as pessoas, os habitantes de Olhão, da Fuzeta,
de Pechão, de Moncarapacho e de Quelfes, a razão de ser desta
candidatura.
Mesmo as comemorações dos 200
anos da insurreição contra a ocupação francesa, da ida do caíque ao
Brasil e da elevação de Olhão a Vila,
exceptuando uma ou outra iniciativa, ficaram muito aquém do propagandeado.
RS: Como membro da Assembleia Municipal, tem acompanhado de perto a gestão do executivo socialista nos últimos
anos. Como classifica o trabalho do PS?
JC: Mau! O PS trabalha para as aparências e não para resolver
os reais problemas das populações e dos cidadãos. A CDU considera
que a gestão socialista, tem sido errática, sem estratégia ou fio
condutor. Vão-se fazendo umas obras (algumas quase megalómanas…), mas não se percebe para onde caminha Olhão.
Na aparência, mas só na aparência, tudo está “arrumadinho”.
Mas se “levantarmos um pouco o tapete”, o que vemos? Um Concelho dormitório… As Pescas e as Actividades ligadas ao Mar passando
mal… A Ria Formosa poluída… As Indústrias a desaparecerem… A
Agricultura depauperada… O que resta do Comércio Local tradicional, asfixiado entre grandes superfícies… 20% da população a viver
no limiar da pobreza… Milhares de utentes sem médico de família…
Elevadas taxas de insucesso e abandono escolar… Níveis de Criminalidade alarmantes… Mais de 5.000 Olhanenses que diariamente
deixam a sua terra para trabalhar… Milhares e milhares de euros,
gastos em obras de duvidosa prioridade, como o Parque de Estacionamento do Pingo Doce… A suspeição sobre os licenciamentos
de obras… Os cidadãos marginalizados da participação na vida da
comunidade…
Mesmo as comemorações dos 200 anos da insurreição contra
a ocupação francesa, da ida do caíque ao Brasil e da elevação de
Olhão a Vila, exceptuando uma ou outra iniciativa, ficaram muito
aquém do propagandeado.
São estes os resultados da gestão do Partido Socialista e do Sr.
Eng. Leal, que apresenta o Concelho como o “oásis” e para quem,
o turismo tudo resolverá… Creio que o Eng. Leal se esgotou e se
esgotou a sua ideia (se é que a tinha…), para Olhão! O Eng. Leal e o
Partido Socialista não têm mais nada para dar a Olhão! O verdadeiro progresso e desenvolvimento de Olhão, serão feitos, rompendo
com o tipo de gestão autárquica, corporizada pelo Eng. Francisco
Leal.
Não encaramos as eleições autárquicas propriamente como um concurso de ideias. Para a CDU, as pessoas são o mais importante.
RS: Que ideias tem a CDU para apresentar à população?
JC: Não encaramos as eleições autárquicas propriamente como
um concurso de ideias. Para a CDU, as pessoas são o mais importante. Por isso, temos um projecto e uma estratégia coerentes e
um conjunto de medidas que se articulam e fazem sentido entre
si, com o objectivo de melhorar a vida (e a sua qualidade), das
populações do Concelho.
A meu ver essa estratégia deverá assentar nos seguintes pilares:
1 – O Mar, A Ria Formosa e o cluster do Mar: Olhão deve a sua
origem ao mar e à Ria. Não lhes pode voltar costas como tem sido
feito. Tem que potenciar ao máximo, mas duma forma equilibrada
os recursos que estas componentes proporcionam. Em coordenação com o Governo central, revitalizar as Pescas, despoluir a Ria,
relançar o Marisqueio, aproveitar a Aquacultura em todas as suas
disciplinas, relançar a Construção e Reparação Naval para a área
da Marinha de Recreio. Criar condições para que Olhão seja efectivamente o Concelho do Mar e nessa medida o Turismo tenha o seu
espaço para se afirmar.
2 – A Formação, a Cultura e a Cidadania: Cerca de 30% da população de Olhão, tem menos de 30 anos. A formação de Quadros
Qualificados é essencial para atrair e reter investimentos. É portanto, necessário apostar decisivamente nos recursos humanos. Por
outro lado, o Património, a História e a preservação da Memória
Colectiva, potenciam o desenvolvimento económico e social e também nesta área há lugar para o turismo. Só cidadãos bem formados,
socialmente conscientes e activamente intervenientes na vida da
comunidade, permitirão a gestão participada e participativa de que
Olhão necessita para neste início de século caminhar decisivamente para Olhão, Concelho da Cultura e da Cidadania!
3 – A Inovação e a Competência, como factores de alavancagem
da dinamização dos sectores económicos tradicionais de Olhão, até
da agricultura. Criação dum espaço científica e tecnologicamente avançado, que inclua incubadoras de empresas de diverso tipo,
serviços ligados à Investigação e ao Desenvolvimento, aos Sistemas
de Informação, ao Design, aos recursos do Mar, eventuais parcerias
com a Universidade do Algarve, etc., para Olhão, Concelho do Conhecimento.
A complementaridade destes 3 princípios e a sua articulação
com as 5 Freguesias (no quadro dum diálogo intermunicipal e regional), permitirão estabelecer um quadro de aproveitamento dos
recursos naturais e humanos, de criação de riqueza e de instalação
de serviços e estruturas que, que respeitando o Ambiente e a Natureza, proporcionem num prazo relativamente curto, a eliminação de alguns dos constrangimentos económicos, sociais, culturais
RS: Várias unidades turísticas e hoteleiras já abriram ou vão
abrir nos próximos tempos. Essa realidade beneficia ou prejudica Olhão?
JC: Em tudo existe o lado bom e o lado mau. Mas claramente
afirmo que, como Autarca da CDU, nunca concordaria com a volumetria, dimensão e densidade da construção que está a ser feita a
poente de Olhão, escondendo a Zona Histórica e criando uma enorme barreira de betão junto à Frente Ribeirinha, e que parece ser o
modelo de “turismo de 5 estrelas” que o Sr. Eng. Leal defende para
Olhão, assim como considero que não houve suficiente discussão
pública do projecto da UOP 2, que aponta para o desaparecimento
da Fábrica do Carepinha (conjunto único no Algarve, no âmbito da
Arqueologia Industrial) e do Circuito de Manutenção dos Pinheiros
de Marim. No Concelho existem poucos serviços e equipamentos
de apoio ao turismo. A criação de uma incubadora de empresas na
área do Turismo, poderia resolver essa carência. Entretanto, apesar
dalguns aspectos contraditórios, para a definição de Olhão como
um destino turístico de qualidade, como sejam a existência de zonas degradadas, a deficiente qualidade ambiental, ou o nível cultural da população, o Concelho tem potencialidades, na área das
actividades culturais, a ruralidade e o património, a restauração,
as actividades ligadas ao mar, ao desporto, etc., que devidamente
aproveitadas podem permitir um tipo de Turismo, que respeite as
nossas características e tradições e permita um desenvolvimento
sustentável.
Mas o Turismo no Concelho de Olhão, deverá ser visto como
uma actividade complementar e não a principal, não só para não
estarmos sujeitos às contingências da sazonalidade e das alterações
internacionais que se reflectem nesta actividade, como também
porque a grande vocação de Olhão é o Mar, a Ria e tudo o que lhe
está ligado.
RS: Integra o movimento «Somos Olhão!», que tem sido
acusado de interesses políticos pelo presidente da Câmara de
Olhão. Como comenta a ligação ao grupo cívico e essa acusação
em particular?
Para mim, nada do que se passa em meu redor – seja no plano
internacional ou nacional, seja no
Concelho de Olhão, onde resido há
mais de 30 anos, e onde sempre tenho tido intervenção cívica e política
– me é indiferente.
JC: O Sr. Eng. Leal convive muito mal com a diversidade de
opiniões. Toda a organização que em Olhão não seja alinhada com
as ideias do Sr. Presidente da Câmara, é, para ele, movida por “interesses políticos” e essa acusação visa condicionar pessoas eventualmente menos informadas.
O Sr. Eng. Leal pode inventar e acusar o «Somos Olhão!» de
muita coisa. Mas não pode acusar de falta de transparência as suas
acções, ou de desonestidade pessoal os seus elementos.
O “interesse político” do «Somos Olhão!» é a defesa da cidadania activa. E não só convive bem com a diversidade de posições políticas dos seus membros, como a sua existência é a prova do vazio
de participação cívica que o Sr. Presidente da Câmara promove.
Existisse em Olhão transparência, vivência democrática e participação cívica, e provavelmente, não só não teríamos 54% de abstenções, como eventualmente não seria necessária a existência de
organizações como o «Somos Olhão!».
Para mim, nada do que se passa em meu redor – seja no plano
internacional ou nacional, seja no Concelho de Olhão, onde resido
há mais de 30 anos, e onde sempre tenho tido intervenção cívica e
política – me é indiferente.
O «Somos Olhão!» está empenhadamente envolvido na cidadania activa.
Portanto, sinto-me naturalmente, no meu elemento.
_página 14
_edição 756 _08abr2009
Vodafone Rally
de
Portugal
Loeb, Araújo e Pascoal foram os vencedores
Algarvio Ricardo Teodósio liderou campeonato nacional nos dois primeiros dias
de prova mas dois troços neutralizados no último dia não o deixaram triunfar
1,5s, mas com o grande e evidente desgaste no carro do norueguês, Prokop acabou por triunfar e
terminar na segunda posição. Nasser Al Attiyah conseguiu finalizar
a prova na quarta posição e Tapper fechou o lote dos cinco mais
rápidos.
O piloto do Suzuki Swift S1600, Michal Kosciuszko, liderou com
grande à vontade o ultimo dia de rally, à semelhança do que já
vinha a acontecer. Finalizou o Vodafone Rally de Portugal com uma
vantagem de mais de seis minutos para Kevin Abbring que foi assim
o segundo, na frente de Hans Weijs.
O azar de Teodósio
Depois do abandono de Bruno Magalhães, provocado pela cedência da bomba de água do 207 S200, na fase inicial da prova,
Ricardo Teodósio passou a comandar as hostes em termos nacionais
pelo que após as duas primeiras etapas o piloto da Guia (Albufeira)
estava detinha uma vantagem de 9,6s sobre o mais directo adversário, Vítor Pascoal.
No derradeiro dia de prova, com a anulação da primeira passagem por Loulé e a segunda por S. Brás de Alportel, devido a
neutralizações por acidentes com outros pilotos, Teodósio perdeu
tempo para Pascoal, 2,6s, pelo que na Super Especial, tendo em
conta que o carro que tripulava era menos apropriado para o traçado que o do adversário, teve que se resignar ao segundo lugar
sificados, os último a pontuar
para o mundial.
Guardado
estava o PWRC
para Araújo
Foto: Nuno Castro
Tal como se esperava Sebastien Loeb voltou a vencer
mais uma prova do WRC, desta
feita o Vodafone Rally de Portugal que se realizou em território algarvio e baixo alentejano
desde 2 a 5 de Abril terminando
em clima de festa no Estádio Algarve onde marcaram presença
cerca de 20.000 espectadores,
tal como aconteceu no dia do
arranque da prova.
Assim, em quatro provas, o
francês soma quatro vitórias, o
que não deixa dúvidas de que
Loeb continua a não dar hipóteses à concorrência. A tarefa
do francês para o último dia de
Rally de Portugal não perspectivava grandes dificuldades, já
que a vantagem angariada sobre Mikko Hirvonen era suficiente para gerir o andamento e não
correr riscos.
Apesar dos esforços do
finlandês, este acabou por reconhecer a impossibilidade de
chegar a Loeb, resignando-se também ele a trazer o carro até final,
e garantir o segundo lugar. Com alguns problemas de motor, Dani
Sordo ficou a grande distância de Hirvonen. Também o piloto espanhol antevia que já pouco ou nada havia a fazer, terminado no
último lugar do pódio na frente de Peter Solberg que ainda assim
conseguiu colocar o Citroen Xsara WRC num positivo quarto lugar.
Depois de um rally interessante Matthew Wilson, teve uma
saída de estrada seguida de capotanço a poucos quilómetros do
final. Ainda conseguiu repor o carro na estrada mas ao queimar a
embraiagem foi obrigado a abandonar quando detinha confortavelmente no quinto posto. A lucrar com isso ficou Henning Solberg,
que triunfou nas duas Super Especiais, e conseguiu ascender uma
posição – passou a 5.º - já fora do seu alcance, devido a problemas
com o carro logo na primeira especial do último dia que o distanciaram da luta com Wilson.
Aquilo que se previa ser uma interessante luta entre Ostberg
e Novikov também não veio a acontecer já que o piloto russo do
Citroen C4 WRC desistiu na 15.ª especial. Para desalento do norueguês, que queria lutar até ao fim, terminou assim na sexta posição
da geral. Frederico Villagra e Al Qassimi foram sétimo e oitavo clas-
Armindo Araújo conquistou
a sua primeira vitória no PWRC,
um resultado muito especial,
não só por ser a primeira vitória, mas especialmente por ser
em casa. Além do resultado fantástico, terminou na nona posição da geral, e passou a liderar
o PWRC.
Um dia em grande para o
piloto português, que fez questão de partilhar com todos os
apoiantes, colocando uma enorme bandeira de Portugal nas
costas, e subindo ao tejadilho
do seu Mitsubishi, depois de ter
terminado a Super Especial final, deixando o Estádio Algarve completamente em delírio.
Neste agrupamento a luta pela segunda posição arrastou-se até
ao final, tendo sido decidida nos últimos quilómetros feitos dentro do estádio. Brynildsen e Prokop entraram separados por apenas
O Estádio Algarve esteve quase repleto de público
em termos nacionais, ficando a 5,2s do vencedor.
Apesar de tudo, o piloto algarvio estava satisfeito com o resultado e vai repensar a possibilidade de participar no nacional mais
a sério, haja patrocinadores.
PM / P&M
_página 15
_edição 756 _08abr2009
VIII TRIATLO CIDADE DE QUARTEIRA
Força do público levou
Vanessa ao 16.º lugar
Bruno Pais foi o melhor português,
acabando em 3.º lugar
Os incentivos dos milhares de pessoas que torceram por Vanessa Fernandes levaram a vice-campeã olímpica em Pequim, ainda
não totalmente recuperada de uma lesão, a acabar em 16.º lugar o
VIII Triatlo Cidade de Quarteira, disputado domingo.
O russo Dmitry Polyansky e a checa Radka Vodickova, em masculinos e femininos, foram os vencedores da primeira etapa da
Taça da Europa de 2009 da modalidade, pontuável para o «ranking»
mundial, em que Bruno Pais foi o melhor representante nacional
(3.º lugar masculino).
As ruas de Quarteira encheram-se para vibrar com a passagem
de Vanessa Fernandes que,
depois de ter sido uma das
melhores no percurso de
natação, fugiu dos lugares
da frente nos percursos de
ciclismo e atletismo.
Nos últimos quilómetros
de corrida, a medalha de
prata em Pequim juntou-se
à compatriota Anaís Moniz,
também a atrasar-se depois
de um arranque excelente
na natação, e as duas cortaram a meta lado a lado.
Vanessa Fernandes agradeceu ao público o enorme
apoio: “O público foi a principal energia para eu terminar a prova, senão teria
desistido. Quando estava na
bicicleta e no atletismo, vi
tantos miúdos e famílias a
apoiarem-me que percebi
que tinha de acabar a prova.”
A triatleta do Benfica, recuperada de uma fractura da clavícula
direita, confessou que esperava mais, mas «culpou» os índices de
treino: “Queria mais mas o meu treino para esta prova foi violento
e acabei por ressentir-me. Espero estar melhor dentro de quatro
semanas, na Taça do Mundo da Coreia”, disse.
Anaís Moniz terminou em 15.º lugar mas revelou-se insatisfeita
com a posição: “Não estou satisfeita, queria ficar no «top-10» mas
a corrida foi muito complicada, além de ainda estar a caminho da
melhor forma, depois de uma lesão nas costas ter prejudicado os
treinos. Agradeço à Vanessa a força que me deu no final…”
Na prova de masculinos, Bruno Pais forçou um ataque na prova de ciclismo mas não conseguiu fugir, acabando por perder, no
percurso de atletismo, face à maior valia dos russos Polyansky e
Brukhankov, que terminaram em 1.º e 2.º lugares, respectivamente.
“Tentei sempre atacar na parte de ciclismo e isso provocou um
desgaste enorme, que acusei na corrida. Mas, de qualquer forma,
o 3.º lugar é brilhante e estou contente com a minha prestação”,
referiu o atleta benfiquista.
João Pereira fez uma óptima prova, concluindo em 7.º lugar,
a 39 segundos do vencedor. O terceiro melhor português foi João
Silva (15.º).
São Brás de Alportel conclui 2.ª fase
do Parque Desportivo e de Lazer
Laurentino Dias inaugurou campo de futebol municipal
Edgar Pires
[email protected]
A segunda fase do Parque
Desportivo e de Lazer de São
Brás de Alportel ficou concluída
no passado sábado, com a inauguração do campo de futebol
municipal, presidida pelo secretário de Estado da Juventude e
do Desporto, Laurentino Dias.
A obra, que conta com um
relvado sintético financiado
pelo Instituto de Desporto de
Portugal (IDP), ocupa um espaço de 6120 metros quadrados e
representou um custo total de
416 mil euros.
O recinto vai servir as camadas jovens dos clubes do concelho, que movimentam cerca
de uma centena de jovens. As
«promessas» são-brasenses do
1.º de Janeiro e do Sambrasense
desfilaram no sábado, a par dos
atletas seniores dos conjuntos
locais que participam na I Divisão Distrital.
um jogo oficial, a contar para
a competição máxima regional,
que a turma do Machados, mais
necessitada de pontos, venceu
momento histórico”, referiu o
presidente da Câmara Municipal
de São Brás de Alportel, António
Eusébio.
Sambrasense e Machados
concluíram a cerimónia de inauguração do equipamento com
por 1-3.
“Hoje é um dia muito importante para o concelho, um
Trata-se do segundo passo
para o Parque Desportivo e de
Lazer, iniciado com a obra das
piscinas municipais cobertas.
Fica a faltar a terceira fase.
“Para concluir o projecto,
essencial para o desenvolvimento do concelho e para a melhoria da qualidade de vida, serão
construídos quatro campos de
ténis municipais, para além de
circuitos de manutenção e de
parques infantis e de outros espaços”, salientou o autarca.
O secretário de Estado da
Juventude e do Desporto, Laurentino Dias, elogiou a obra por
ir ao encontro das políticas governamentais de combater “a
evolução desequilibrada do país
no que toca a infra-estruturas
desportivas”.
O governante lembrou
que, quando chegou ao poder,
apesar dos muitos pedidos de
relvados, a sua política passou
por atribuir relvados sintéticos
“aos concelhos que ainda não o
tinham, cerca de oito dezenas,
quase todos no interior”.
Mundial de Motocrosse
passa pela Cortelha
Edgar Pires
Depois de se ter estreado
em Portugal no ano passado, o
Campeonato do Mundo de Motocross MX3 está de volta ao Algarve, trazendo os melhores pilotos da actualidade ao Circuito
Internacional da Cortelha, nos
próximos dias 2 e 3 de Maio.
A etapa portuguesa será a
terceira do Mundial de 2009, de
um total previsto de 15 provas.
O campeonato abre a 12 de Abril
na Grã-Bretanha, deslocando-se
a 19 de Abril até Espanha, para
disputar a prova de Talavera,
antes de visitar a região algarvia, pontuando ainda para o Europeu de MX2.
O belga Sven Breugelmans,
campeão do mundo de MX3, é
o cabeça-de-cartaz da prova da
Cortelha, liderando uma lista
de pilotos de grande qualidade.
Entre os portugueses, destaque
para Hugo Basaúla, que disputará o campeonato pela equipa
2 e 3 de Maio
Suzuki Champ.
A organização da prova, a
cargo da Associação dos Amigos
da Cortelha (AAC), preparou um
sítio completamente renovado
com todas as informações - disponível em www.mxcortelha.
com - da prova, que conta com
o apoio de diversas entidades
da região. O jornal Região Sul é,
por seu turno, o média partner
regional do evento.
_página 16
_edição 756 _08abr2009
Filipe Albuquerque quer
vencer no Algarve
LIGA VITALIS
Derrota não retira liderança
Oliveirense, 1 – Olhanense, 0
Apesar de ter sofrido a sétima derrota da época ante a Oliveirense, que partia para esta ronda como penúltima classificada,
o Olhanense conseguiu segurar a liderança, mercê do empate do
Santa Clara.
Um golo de Sérgio Grilo deu
o triunfo à turma de Oliveira
de Azeméis, que saltou para o
antepenúltimo lugar, ultrapassando o Boavista, enquanto o
conjunto de Olhão, que não
perdia há cinco encontros, ficou
a queixar-se da equipa de arbitragem.
Motivada pela derrota do
Boavista, horas antesa, a equipa da casa entrou mais forte e,
logo no primeiro minuto, Laranjeira, de livre, obrigou Bruno
Veríssimo a uma bela defesa.
O Olhanense respondeu,
de imediato, com Djalmir a cabecear com perigo, abrindo as
hostilidades para um período de
equilíbrio e de várias ocasiões
desperdiçadas, com o jogo acalmar mais perto do intervalo.
Os algarvios surgiram com maior dinâmica após o intervalo,
criando duas oportunidades, que João Gonçalves (49) e Rui Duarte
(52) desperdiçaram, momentos antes de a Oliveirense abrir o activo, por intermédio de Sérgio Grilo.
Em situação de desvantagem, o Olhanense empurrou os locais
para a sua área e dessa pressão resultaram diversos lances de perigo, parados pela eficácia defensiva da turma de Pedro Miguel.
Numa dessas situações, ao minuto 87, João Paulo Oliveira mar-
Futebol algarvio de luto
por João Calvinho
Faleceu esta sexta-feira, aos 93 anos, João Calvinho, uma
das glórias do futebol algarvio, tendo representado o Lus. VRSA
na I Divisão.
Calvinho, interior-direito, foi jogador dos vila-realenses no
seu período de maior fulgor, representando os raianos entre
1938 e 1952. Entre 1947 e 1950, o clube esteve na I Divisão.
Enquanto treinador, orientou, entre outros, o Lus. VRSA
e o Olhanense. Residia em Olhão e foi a enterrar sábado, no
cemitério de Vila Real de Santo António.
Por: Edgar Pires
cou mas o árbitro, Jorge Sousa, anulou, indicando ter existido falta
na pequena área, o que gerou revolta entre os visitantes.
Depois de visionar o lance, Jorge Costa surgiu agastado na sala
de imprensa: “Só foi falta porque o árbitro assinalou. Achei estranho porque não houve protestos por parte dos jogadores da Oliveirense. O árbitro terá de explicar o porquê deste golo anulado. Já vi
o lance e não há falta”, revelou.
“A minha equipa não entrou bem na partida”, comentou ainda,
dando “todo o mérito ao adversário”. O próximo adversário é o
Feirense, 3.º classificado: “Perdemos três pontos e sábado teremos
um jogo fundamental que queremos vencer para nos aproximarmos
mais do nosso maior objectivo.”
Por seu lado, Pedro Miguel ficou satisfeito com uma “vitória sofrida” ante “uma das melhores equipas do campeonato”. “Faltam
sete finais para concretizar o nosso de ficar na Liga Vitalis e vamos
lutar até à exaustão apesar das dificuldades.”
Ficha de Jogo
Estádio Carlos Osório, em Oliveira de Azeméis. Árbitro: Jorge Sousa
(AF Porto), auxiliado por José Ramalho e Álvaro Mesquita.
Oliveirense – Tó Ferreira; Bruno Sousa, Laranjeira, Banjai e Vítor;
Magano (Artur, 80’), Godinho e Luís Coentrão; Carlitos, Marcos António (Filipe Tavares, 85’) e Sérgio Grilo (Vargas, 75’). Treinador: Pedro
Miguel.
Olhanense – Bruno Veríssimo; João Gonçalves, Marco Couto, Anselmo e Stéphane (Messi, 63’); Castro, Rui Baião e Rui Duarte; Toy (João
Paulo, 71’), Ukra (Guga, 71’) e Djalmir. Treinador: Jorge Costa.
Marcador: Sérgio Grilo (58’).
Disciplina: cartão amarelo a Stéphane (1’), Rui Duarte (34’), Luís
Coentrão (50’), Castro (69’) e Tó Ferreira (90’).
Por: Edgar Pires
Odeáxere festeja, por enquanto…
Esp. Lagos regressa aos triunfos
O Odiáxere festejou no sábado, na última ronda da competição,
a subida à I Divisão Distrital, a par de Culatrense e Serrano, mas a
questão pode não estar totalmente decidida.
É que em cima da mesa do conselho de Justiça da Associação de
Futebol do Algarve poderá estar um protesto pelo atraso de cinco
minutos da equipa do Odeáxere no encontro referente à penúltima
jornada da prova, em Bensafrim, que as regras ditam, pelo facto de
ser numa das três últimas rondas, poder ser punido com derrota.
Na ronda final, o Odiáxere goleou o 11 Esperanças e manteve o
escasso ponto de distância em relação ao Imortal (3-0 ao Infante de
Sagres), a grande desilusão da temporada.
O Esp. Lagos regressou este fim-de-semana aos triunfos, depois
de duas jornadas consecutivas sem conhecer o sabor da vitória.
A equipa de Paulo Nunes goleou, em casa, o Gin. Tavira, por
6-0, ocupando a liderança da I Divisão Distrital com dez pontos de
vantagem sobre o Ferreiras, que bateu o Salgados, em casa deste,
por 0-3. Com esta vantagem, a turma lacobrigense necessita de
uma vitória, na próxima ronda, em Estômbar, para festejar o título
e consequente subida aos escalões nacionais.
Na parte final da tabela, mantêm-se a batalha na fuga aos
lugares que podem ditar a descida, consoante o número de clubes
despromovidos da III Divisão Nacional.
O português Filipe Albuquerque, que veste as cores do A1 Team
Portugal, está preparado para lutar pela vitória ante o seu público,
na corrida do A1GP que decorre, entre sexta-feira e domingo (10 a
12), no Autódromo do Algarve.
O piloto ocupa o terceiro lugar do campeonato e está em acesa batalha com os
pilotos da Suíça e
da Irlanda, pelo
que considera de
primordial importância conseguir
vencer em Portimão.
“O
campeonato está em
aberto e eu quero
aproveitar o facto
de estar a correr
em casa, com o
apoio do público
português para
me superiorizar
face aos meus
adversários. Em
termos de campeonato está será
uma corrida muito importante”,
referiu.
A pressão de
estar diante do
público português e até da família e dos amigos que vão marcar
presença no Algarve não assusta o jovem piloto de Coimbra.
“Felizmente, lido muito bem com a pressão. Não me deixo intimidar minimamente nem a minha postura muda pelo facto de
estar a correr em casa. Sou habitualmente muito focado nos meus
objectivos e acredito que a equipa está o mais motivada possível
para me ajudar a chegar às vitórias”, prosseguiu Albuquerque.
“Venham ao Autódromo Internacional do Algarve, tragam a
bandeira portuguesa e apoiem a equipa nacional. Vai ser um fimde-semana de festa, cheio de animação e surpresas. Esse apoio é
fundamental”, finalizou.
As corridas de A1GP decorrem no domingo, às 11:00 horas
(sprint race) e 15:00 horas (feature race), com transmissão na
SportTV e SIC, respectivamente.
Por: Edgar Pires
Louletano mais perto da subida
Foi um excelente arranque para o Louletano, que iniciou
a segunda fase da III Divisão Nacional a golear, em casa, o Atl.
Reguengos, por 4-0, aproveitando o empate caseiro do Cova da
Piedade para elevar a vantagem para os mais directos adversários,
agora cifrada em cinco pontos.
Ainda no grupo da subida, o Farense desaproveitou o empate
do 2.º classificado e também não foi além de um nulo, na Costa da
Caparica, mantendo o 4.º lugar.
Nos dois grupos da permanência, o destaque vai para
Quarteirense e Messinense, que venceram Barreirense e
Campinense, respectivamente, arrancando para esta fase com o
pensamento na manutenção.
_página 17
_edição 756 _08abr2009
CICLISMO
Cândido Barbosa triunfa
em duas etapas da Volta
ao Alentejo
O ciclista português Cândido Barbosa (Palmeiras Resort/Prio/
Tavira) regressou às vitórias na Volta ao Alentejo, triunfando nas
duas últimas etapas de uma prova ganha por Maxime Bouet (Agritubel).
O corredor do conjunto tavirense venceu no sábado, na tirada
de 164,7 km entre Alter do Chão e Nisa, e repetiu a festa no dia
seguinte, em Évora, após 169,4 km com partida de Vendas Novas.
“É uma dupla alegria voltar a ganhar no Alentejo e levar para
Tavira a segunda vitória em etapas e a geral dos pontos. A equipa
foi incansável para chegarmos aqui e discutir este triunfo”, disse
Cândido Barbosa, 8.º na geral individual final, a 42 segundos de
Bouet.
O «top-10» contou com outros dois representantes tavirenses:
Alejandro Marque e David Blanco, nos 7.º e 9.º lugares, respectivamente.
Calendário
A equipa do Centro de Ciclismo de Loulé/Louletano/AquashowCCLoulé-Louletano-Aquashow vai participar, entre 10 e 19 de
Abril, na 22.ª edição do Tour de Maroc 2009.
A corrida compreende 10 etapas que incluem as localidades de
El Jadida, Safi, Essaouira, Agadir, Aouluz, Rabat, Casablanca, entre
outras, num total de 1460 km durante os dez dias de prova.
O director-desportivo, Jorge Piedade, convocou Pablo de Pedro, Pedro Lopes, César Quitério, Pedro Soeiro, Hugo Vítor e Alexandre Oliveira.
Por seu lado, a próxima corrida da equipa profissional do Clube
de Ciclismo de Tavira será a Klássica da Primavera, no País Basco
(Espanha), a 12 de Abril.
3.ª Divisão – Série F (2.ª fase)
Excelente primeira parte
Louletano, 4 – Atlético Reguengos, 0
Estádio Municipal de Loulé. Árbitro: João Constantino – Beja.
Louletano – Bruno Lúcio; Rafael, Nuno Abreu, Idalécio e Dante; Mazinho, Loukima, Fábio Teixeira e Matias; Rodrigo e Devigor. Jogaram ainda:
Pintinho, Tiago e André Pereira. Treinador: Manuel Balela.
Atlético Reguengos – Daniel; Barona, Cravosa, Paulo Sérgio e Roberto;
André, Monzelo, Queiroz e Ben; Coxola e Barry. Jogaram ainda: Nabor, Vasco
e Luís Canhoto. Treinador: Jorge Vicente.
Marcadores: Mazinho, 19’ Devigor, 34’ Nuno Abreu, 40’ e Matias, 41’.
No primeiro jogo da segunda fase desta prova, onde o Louletano foi a única equipa penalizada com esta fórmula, na medida
que perdeu pontos para todas as outras equipas que compõem esta
série, o conjunto orientado por Manuel Balela recebeu ainda no
Municipal de Loulé a formação do Atlético de Reguengos e com
uma primeira parte de grande categoria voltou a golear, desta vez
por quatro golos sem resposta e ficou em excelente posição para
pensar, já mais a sério, no regresso à 2.ª divisão nacional.
Consciente do valor da equipa que tinha pela frente, o técnico
da formação alentejana, montou um esquema para adiar para o
mais tarde possível o golo da formação anfitriã mas aos 19’ num período de grande pressão da turma louletana – que já tinha falhado
duas oportunidades para marcar - Loukima cruzou para dentro da
área, Devigor falhou o pontapé e a bola sobrou para Mazinho que
sem oposição não teve dificuldade em bater o guardião Daniel.
Com a mexida no marcador o jogo ficou mais aberto uma vez
que o Reguengos abandonou o seu esquema defensivo e veio à
procura do empate. Bruno Lúcio que tinha sido praticamente um
espectador passou a ter mais trabalho e numa dessas investidas do
Atlético a bola chegou mesmo a estar em cima da linha de golo,
com a equipa visitante a reclamar a validação desse tento.
Com esta atitude atacante o Reguengos expôs-se mais às investidas caseiras e aos 34’ Devigor recebeu uma bola à entrada da
área, passou por dois adversários, picou a bola sobre o guarda-redes e rematou para a baliza deserta.
Desalentados com a vantagem da equipa da casa o Atlético deixou de ser tão pressionante e o jogo do Louletano passou a ser mais
fluído, mais imaginativo e com um pendor ainda mais atacante e
aos 40’ Fábio Teixeira marcou um livre em direcção da baliza, Paulo
Sérgio cortou para trás com a cabeça e a bola foi ter às mãos de
Daniel que inexplicavelmente a deixou cair para onde estava Nuno
Abreu que só teve que encostar para dentro da baliza.
Apenas um minuto volvido e desta vez foi Matias que bem servido por Rodrigo, aguentou uma carga à entrada da área e à meia
volta rematou para o quarto e último golo da partida.
Na segunda metade o jogo perdeu quase tudo do que de espectacular tinha acontecido no primeiro tempo. O Louletano limitouse - e bem - a gerir a larga vantagem e o Atlético embora tentasse,
é verdade, mostrou sempre alguma incapacidade para ultrapassar
a bem escalonada defensiva louletana que neste jogo, frente a um
dos mais complicados adversários nesta fase, se apresentou em excelente forma o que é sempre bom numa altura em que estão em
jogo as grandes decisões. Excelente arbitragem.
António Montes
«Galos» dóceis no regresso às vitórias
Portimonense, 3 – Gil Vicente, 0
O Portimonense voltou às
vitórias este domingo, ao bater em casa o Gil Vicente, por
3-0, quebrando uma sequência
de quatro jogos sem triunfos e
dando novo fôlego à luta pela
manutenção.
Apesar da melhor entrada
em jogo, os gilistas falharam
três boas ocasiões no primeiro
quarto-de-hora, por ineficácia
ofensiva dos seus dianteiros.
Depois deste período, o
Portimonense «acordou» e, em
contra-ataque, abriu o activo,
por Narcisse, após assistência
de Vasco Matos, aumentando a
vantagem ainda antes do intervalo, por Henrique.
Na segunda parte, que arrancou com o terceiro golo, por
Raphael Freitas, os algarvios
mantiveram o controlo da partida, gerindo o resultado até ao
apito final com algumas oportunidades desperdiçadas pelo
meio.
“Fomos felizes, concretizando a maior parte das oportunidades criadas. As coisas estão
a caminhar de forma positiva,
num campeonato que vai ser difícil até ao fim”, disse o técnico
do Portimonense, Lito Vidigal.
“Tendo em conta os primeiros dez minutos da minha
equipa, este resultado era impensável. Não estivemos bem a
defender e o adversário aproveitou os nossos erros”, confessou o treinador do Gil Vicente,
João Eusébio.
Ficha de Jogo
Estádio Municipal de Portimão.
Árbitro: Paulo Costa (AF Porto), auxiliado por Vítor Carvalho e Nuno
Manso.
Portimonense – Alê; Ricardo
Pessoa, Anilton, Heslley e Emídio
Rafael; Nuno Coelho, Luís Loureiro
e Narcisse (Rui Pedro, 67’); Vasco
Matos (Gonzalo, 83’), Henrique
(Maxi Asís, 87’) e Raphael Freitas.
Treinador: Lito Vidigal.
Gil Vicente – Rui Sacramento;
Rodrigo Galo, Daniel, Diego Gaúcho
e João Pedro; João Coimbra (Hugo
Monteiro, 78’), Filipe Fernandes
(Igor Souza, 45’), Kalaba e Leonel
Olímpio; Hermes e Zequinha (Tiago
André, 54’).
Marcadores: Narcisse (15’),
Henrique (42’), Raphael Freitas
(51’).
Disciplina: Cartão amarelo a
Zequinha (36’), João Pedro (41’),
Narcisse (70’), Luís Loureiro (76’) e
Henrique (80’).
Por: Edgar Pires
Por: Edgar Pires
Por: Edgar Pires
Beira-Mar ganha alento…
Discussão a quatro
«Grandes» vencem
O Beira-Mar ganhou novo alento com a vitória caseira sobre
o penúltimo classificado do grupo D da fase de manutenção na II
Divisão Nacional. A equipa de Eduardo Rodrigues bateu o Torreense,
no sábado, por 2-0, e diminuiu a desvantagem (dois pontos) para
o clube posicionado imediatamente acima, curiosamente, o seu
adversário deste jogo. Os montegordinos ainda vão aguardar pelo
desenrolar de um processo que lhes poderá dar três pontos e retirar
outros tantos ao líder do agrupamento, o Ol. Moscavide.
Na fase de subida, o Lagoa foi derrotado em casa pelo Real
Massamá, com golo de William, a dois minutos do fim, e está agora
na 4.ª posição.
Os resultados da 23.ª ronda da Liga Vitalis deixaram a discussão
da subida (e das duas vagas em causa) aparentemente limitada a
um grupo de quatro equipas, liderado por Olhanense e Santa Clara,
que partilham o 1.º lugar, com 42 pontos.
Os algarvios perderam em Oliveira de Azeméis mas os açorianos
não aproveitaram, empatando em casa com o Sp. Covilhã (1-1),
garantindo um ponto com uma grande penalidade, a poucos minutos
do fim. A perseguição à dupla da frente é feita pelo Feirense, que
bateu o Desp. Aves por 2-1, uma semana antes do «escaldante»
embate com o Olhanense. Mais atrás, surge a União de Leiria, que
empatou em casa com o Vizela.
Os três «grandes» venceram na jornada 23 da Liga Sagres
e, embora Sporting e Benfica mantenham a esperança de poder
lutar pelo título, o FC Porto deu mais uma prova da sua qualidade
ao bater o Vit. Guimarães, por 1-3. A sete jogos do fim, os rivais
lisboetas vêem cada vez mais complicada a tarefa de tirar os
campeões nacionais do topo.
A equipa de Jesualdo Ferreira conta com quatro pontos de
vantagem sobre «leões», que derrotaram o Leixões, por 0-1, e
cinco em relação às «águias», que venceram o Est. Amadora, por
1-2, num jogo polémico em que os três golos surgiram todos na
primeira parte e… de grande penalidade.
_página 18
_edição 756 _08abr2009
Grande Prémio
de
Portugal / Algarve F1
em
Motonáutica
jean-pièrre guerreiro
[email protected]
Team Abu Dhabi entra com o pé
direito e vence as duas mangas
sete dos dez G.P. de Portugal /
Algarve, terminou na 10.ª posição e ainda não foi desta, que
conseguiu regressar às vitórias,
que lhe vêm fugindo desde
2006.
O único elemento feminino
em prova, Marit Stromoy (F1
Team Azerbaijan), beneficiou de
algumas desistências, e elevouse do 18.º posto para o sétimo
lugar da tabela classificativa,
arrecadando os correspondentes 4 pontos.
Duarte
Benavente
no pódio
No segundo dia do G.P.
de Portugal / Algarve, Duarte
Benavente (F1 Atlantic Team)
partiu apostado em contrariar
a falta de sorte que o forçou
a desistir na primeira corrida
realizada ontem, devido a problemas com o motor do barco,
começando por assegurar o sétimo lugar da grelha de partida.
Com um desempenho ao nível
dos melhores do mundo, o piloto português não desiludiu os
milhares de espectadores que
assistiram na zona ribeirinha
de Portimão, à jornada inaugural do Campeonato do Mundo e
garantiu um lugar no pódio, ao
concluir na terceira posição,
após luta acérrima com o italiano Francesco Cantando (Shinga
F1 Racing Team) pelo segundo
lugar.
Também, Thani Al Qamzi
(Team Abu Dhabi), que já tinha
dado mostras de querer intrometer-se no trio da frente, ao
concluir a primeira corrida na
quarta posição, se bem o pensou melhor o fez, e seguiu rumo
à vitória. Com este resultado,
a Team Abu Dhabi, sai de Portimão com dois primeiros lugares
de pódio, depois de ontem o
colega de equipa Ahmad Al Hameli ter igualmente arrecadado
o triunfo.
Andy Elliot (Ace Racing),
que havia sofrido um pequeno
incêndio no bólide, conseguiu
solucionar o incidente, e a de-
terminação do piloto inglês, em
terminar entre os 10 primeiros,
ainda lhe permitiu assegurar a
quarta posição.
Já Jonas Andersson (F1
Team Azerbaijan) que ainda
chegou a incomodar os líderes
não foi além do oitavo lugar,
enquanto a colega de equipa e
única mulher em prova, Marit
Stromoy acabaria desclassificada por falha na rondagem de
uma bóia.
Mais azarado continua Guido Cappellini (Zepter Team) que
continua afastado dos lugares
cimeiros e teve que abandonar
a prova, logo na sétima volta,
por dificuldades mecânicas. O
mesmo sucedeu com o actual
Campeão do Mundo, Jay Price
(Qatar), segundo classificado na
corrida de abertura.
Parkalgar Honda termina no “top ten”
em Valência
Um curto aguaceiro, cinco
minutos antes do arranque da
terceira corrida do Campeonato do Mundo de Supersport que
se realizou no passado fim-desemana em Valência (Espanha),
baralhou por completo as perspectivas dos pilotos da equipa
algarvia Parkalgar Honda.
Eugene Laverty arrancou
mal e Miguel Praia nunca sentiu
confiança na moto enquanto o
traçado de Valência esteve húmido. Por isso, o vencedor da
jornada do Qatar foi apenas 9.º
e o algarvio 18.º, mas Laverty
conseguiu manter o terceiro lugar do campeonato.
A chuva acabou por baralhar
as coisas e o piloto britânico da
Parkalgar Honda ficou “um pouco preocupado com o aguaceiro
que caiu minutos antes do início
da corrida e arranquei mal, ao
contrário do resto do pelotão.
Fiquei atrás do Andrew Pitt e
normalmente ele é um demónio no início da corrida, pelo
que pensei ir atrás dele. Só que
ao contrário do que esperava,
começámos a ser passados. Fiquei tempo a mais atrás dele e
fui cauteloso em demasia. Fiz a
volta de aquecimento com o pé
no chão e sabia quais eram as
curvas escorregadias, por isso
devia tê-lo atacado mais cedo.
O P I N I Ã O
Ahmad Al Hameli (Team Abu
Dhabi) entrou com o pé direito
na corrida que ditou o arranque
do Campeonato do Mundo de
F1, em Portimão.
Com o melhor tempo
nos treinos cronometrados
(0:39.98), o piloto dos Emiratos Árabes Unidos assegurou a
primeira posição da grelha de
partida, agarrou a liderança e
controlou até ao final a ronda
de abertura, registando a primeira vitória da carreira.
Nem as várias interrupções que se registaram durante a corrida, com a primeira a
acontecer logo na volta inicial
com um aparatoso acidente de
Marco Gambi (Shinga F1 Racing
Team), atrapalharam o desempenho do piloto da Team Abu
Dhabi, que deixou para trás o
actual Campeão do Mundo, Jay
Price (Qatar Team), segundo
classificado, e Jonas Andersson
(F1 Team Azerbaijan), que ocupou o terceiro lugar do pódio.
Já o piloto português, Duarte Benavente (F1 Atlantic
Team), que partiu da 16.ª posição, não foi feliz na estreia,
após ser forçado a desistir por
problemas com o motor do barco, quando tinha
efectuado 30 voltas ao circuito montado no Rio Arade.
O italiano Guido Cappellini (Zepter Team), vencedor de
O grande circo
da Fórmula 1
Cá estamos novamente em frente de uma nova
temporada de Formula 1. Um grande circo onde palhaços e palhaçadas, este ano, parecem não faltar, a
começar pelos resultados quer seja nas qualificações,
ou depois nas corridas.
Um tal é desqualificado da grelha de partida porque incomodou outro piloto e recua 5 ou 10 posições;
outro porque mudou de caixa de velocidades ou de motor; outro ainda porque o carro não estava conforme
ao regulamento. Um piloto vai ao pódio e é também
desqualificado porque ultrapassou outro que, afinal,
já o tinha ultrapassado e que, por sua vez, também
é desqualificado. O pobrezinho tem depois que apresentar desculpas para não ser o “mau da fita”. Quanto
ao segundo Grande Prémio, na Malásia, interrompido
por causa da chuva, as posições da última volta não
contam mas sim, como estipula o regulamento, as que
foram registadas duas voltas antes. Afinal de contas, é
melhor não se fiar ao pódio e esperar que a FIA decida
quem ganhou.
E que dizer dos cinquenta minutos de espera para,
no final, receber-se a notícia de que a corrida afinal
não vai continuar. Isso tudo para, na verdade, garantir
um tempo de antena que corresponda ao que estava
previsto e não pelo desporto em si. É que, os direitos
de imagem custam caro.
Este ano a França, como Portugal alguns anos antes, perdeu o seu Grande Prémio. Isto por decisão do
Sr. Bernie Ecclecstone que achou que o tal grande prémio, em Magny-Cours, não rendia o suficiente - capacidade hoteleira fraca, circuito já velhote… - o Sr. Ecclecstone quer um circuito mais perto de Paris. Neste
ano de crise e de preocupação do ambiente, onde se
privilegia o baixo-custo, gaba-se que, com os novos regulamentos, vai-se realizar uma economia de cerca de
30%. Afinal, o Sr. Bernie só quer um circuito francês,
que deve ainda custar alguns milhares de euros. E, por
outro lado, organiza um grande prémio nocturno onde
cerca de 1500 projectores de uma potência de 3000
lux gastam mais do que quatro estádios de futebol.
Outro ponto do qual o Sr. Ecclecstone não se vai
gabar, é do fracasso desses tais grandes prémios deslocalizados. A maioria deles nem consegue encher metade das bancadas. A diferença é que os príncipes árabes
e outros governos asiáticos pagam, e pagam bem aos
Senhores Mosley e Ecclecstone, para que as máquinas
andem às voltas por lá. Por isso, GP’s como o de Portugal, França, Canadá, Bélgica e outros, vão-se à vida.
Money is money e o desporto automóvel que se lixe.
Vá lá que Portugal recuperou o seu rali, um evento de qualidade a nível mundial. Uma das melhores
provas do mundo. Quanto à Formula 1, o circuito de
Portimão teve sorte de receber algumas das máquina
antes da temporada começar nas com os novos regulamentos, que proíbem os ensaios uma vez as provas
iniciadas, pistas como Jerez, Estoril ou Portimão ficam
automaticamente penalizadas. Ainda bem que a A1GP
faz o espectáculo
Quanto ao regresso de um grande prémio de Formula 1 em França ou em Portugal, apesar do Senhor
Ecclecstone ter estado em Portimão, não será para
amanhã. A não ser que ponham a mão no bolso e que
dêem uma notazinha (das grandes) ao maior dos palhaços da modalidade...
* Emigrante em França
A moto esteve muito bem e no
piso seco os meus tempos por
volta foram competitivos. Estou
só a 11 pontos do líder do campeonato, depois de estar a 14,
depois da primeira prova. Marcar pontos em corridas como
a de hoje é muito importante
para se conseguirem títulos”,
explicou Eugene Laverty.
Depois do warm-up onde foi
14.º a apenas meio segundo do
“top-five”, Miguel Praia foi bastante prejudicado pela chuva.
“O aguaceiro que caiu cinco
minutos antes do arranque foi a
pior coisa que podia ter acontecido. Tivemos de arrancar com
pneus de seco, pois percebemos
que não ia chover mais e a pista ia secar. Nessa fase não senti
confiança na moto, uma vez que
depois de um bom arranque e de
ter tentado ir com os mais rápidos tive duas ameaças de queda
e acabei por ter algumas cautelas. Quando secou imprimi o
ritmo da qualificação mas já era
tarde. Foi pena, porque a forma
como me tinha corrido o warm
up abria boas perspectivas para
a prova”, referiu o piloto português da Parkalgar Honda.
Cal Crutchlow (Yamaha YZF
R6) foi o vencedor cumprindo as
23 voltas em 38m15,613s. Anthony West (Honda CBR 600 RR)
foi 2.º e ficou a 0,171s, enquanto que no degrau mais baixo ficou Kenan Sofuoglu (Honda CBR
600 RR) a 8,408s.
A próxima prova é dia 26 de
Abril no Circuito de Assen, na
Holanda.
_página 19
_edição 756 _08abr2009
Mosley viu Rally de Portugal gostou e elogiou
Presidente da FIA também visitou Autódromo Internacional do Algarve
No passado sábado, numa
conferência de imprensa realizada no Estádio do Algarve, o
Presidente da Federação Internacional do Automóvel (FIA),
Max Mosley, considerou que o
Rally de Portugal, quarta prova
do WRC 2009, é do ponto de vista da federação que coordena
um sucesso.
Aos jornalistas presentes,
Max Mosley mostrou-se deliciado com a prova portuguesa, tecendo os mais rasgados elogios
a todos os factores envolventes:
“O Rally de Portugal é excepcionalmente bem sucedido do
ponto de vista da FIA. Todos os
que nele participam parecem
encantados e o ambiente e a
localização são perfeitos. Os
relatórios que me têm chegado
de todos os intervenientes, incluindo dos pilotos e co-pilotos,
são entusiasmantes”.
Mosley mostrou-se agradado com o trabalho feito até aqui
pelo ACP, considerando que o
rally evoluiu em relação à temporada passada, classificando a
prova lusa de 2009 como “um
grande passo em frente relativamente à última prova do Mun-
dial realizada em Portugal”.
O presidente da FIA falou
ainda e justificou também o
sistema de rotatividade implementado no WRC e que tem
efeitos no Rally de Portugal. “O
propósito do sistema de rotatividade é lidar com um problema
básico, que é termos 20, e no
futuro 24 ou mais, que podiam
estar no Mundial, quer pela
qualidade da organização, quer
pela localização da prova. Neste momento existe uma grande
quantidade de opções para o
WRC e o problema é encaixar
o número de provas numa tem-
Fórum Algarve oferece
viagem a São Tomé
e Príncipe
Até 30 de Abril, os clientes do Fórum Algarve podem habilitarse a uma viagem para duas pessoas a São Tomé e Príncipe. Para
participar basta efectuar compras no valor de 20 euros, e seus múltiplos, nas lojas deste centro comercial, incluindo o Hipermercado
Jumbo, e dirigir-se ao Balcão de Informações, onde vão receber
preencher um cupão.
Os vencedores ganham uma viagem de oito dias a São Tomé e
Príncipe, para duas pessoas, com alojamento em regime de meia
pensão: três noites no Pestana São Tomé Hotel e quatro noites no
Pestana Resort no Ilhéu das Rolas.
De referir que de 3 a 12 de Abril, a STP Airways vai ter um espaço no Fórum Algarve a informar sobre o destino em concurso.
Segilink chega
ao Algarve
A Segilink, empresa de mediação de seguros participada pelo
Grupo Lena, reforçou recentemente a sua rede de balcões agora na
zona sul do país, com a abertura de uma nova delegação na cidade
de Portimão.
O novo balcão está localizado na Rua dos Bombeiros Voluntários
de Portimão, uma das principais ruas da cidade, tem um horário
alargado, funcionando aos sábados da parte da manhã, e conta com
uma equipa jovem e dinâmica de dois colaboradores directos e vários angariadores locais.
Fundada em 1997, a empresa de seguros do Grupo Lena está
sedeada em Lisboa e possui escritórios em Leiria, Ansião, Pombal,
Fátima, Porto de Mós, Torres Novas, Lisboa e agora em Portimão,
oferecendo aos seus clientes todos os ramos de seguros disponíveis
no mercado, assim como soluções disponibilizadas por todas as seguradoras a operarem no mercado nacional.
www.regiao-sul.pt
porada em que as equipas só
têm capacidade para disputar
14 rallyes, pois, para algumas,
16 já é demais. Podemos escolher os que consideramos ser
os melhores 14 e perdemos os
outros 10, que também podem
ter alguma qualidade, ou então
colocamos os 24 no calendário
e cada equipa escolhe 14. Mas
com isto, os construtores podem escolher apenas 14 provas
à partida e não comparecerem
nas provas que faltam”.
Ainda na sequência destes
comentários, Mosley reconheceu que o sistema tem o proble-
ma dos eventos relegados para
segundo plano, ou “segunda
divisão”, estarem em desvantagem para os que se mantém
todos os anos no calendário.
No dia anterior, sexta-feira,
o responsável máximo da FIA,
acompanhado pelo presidente
do ACP, visitou o Autódromo
Internacional do Algarve e, na
mesma conferência de imprensa, no Estádio Algarve, Max Mosley não se conteve nos elogios
ao circuito algarvio. “O circuito é impressionante. É muito
bonito e original. Interessante
porque tem grandes diferenças
de altura e curvas cegas, sendo
que muitas vezes não sabemos
para onde são as curvas, um
pouco a exemplo do que sucede
nos antigos circuitos europeus.
Quanto a receber a Fórmula 1,
isso não depende só de nós, mas
também de um acordo comercial e é esse mesmo o primeiro passo. Havendo um acordo
comercial, pelo que vi aqui em
termos de segurança e por toda
a infra-estrutura penso que não
será difícil colocar o AIA no calendário”, explicou o Presidente da FIA.
PM / P&M
Henrique Sá Pessoa modera Algarve
Chefs Fórum
A 12 de Maio, o Auditório
Municipal de Olhão recebe a segunda edição do Algarve Chefs
Fórum, um evento que este ano
é dedicado ao tema do peixe,
elemento algarvio fulcral, e que
é moderado pelo gastrónomo
Henrique Sá Pessoa.
Valorizar a oferta turística
algarvia e fomentar o reconhecimento do seu património
são os principais objectivos do
evento que vai reunir chefes de
referência nacional e internacional.
A segunda edição conta
com um painel de oradores de
luxo: Dieter Koschina com duas
estrelas Michelin, únicas em
Portugal (Hotel Vila Joya), Jens
Rittmeyer, uma estrela Michelin
(Restaurante São Gabriel), Leonel Pereira (Sheraton Lisboa
Hotel & Spa), Paulo Morais (Restaurante Q.B.), Júlio Pereira
(ex-Arola Penha Longa), Albano
Lourenço (Quinta das Lágrimas),
Dore Guy (Restaurante Pequeno
Mundo), Renato Costa (gastrónomo) e Fernando Fonseca (Hotel Grande Real Santa Eulália).
Com a duração de um dia,
o evento tem como parceiro a
Câmara Municipal de Olhão.
Paradoxon Produções filma “Manhã
Triste” em Lagos
Curta-metragem é uma adaptação de um conto de
Urbano Tavares Rodrigues
“Manhã Triste”, a curtametragem da Paradoxon Produções, adaptada de um conto de
Urbano Tavares, está a ser rodada em Lagos, desde Fevereiro, com previsão para término
no presente mês de Abril.
A curta-metragem, de
Hernâni Duarte Maria e Pedro
Noel da Luz, surgiu através da
descoberta do livro de contos
“Estação Dourada” da autoria
do escritor português Urbano
Tavares, o qual obteve o prémio literário “Camilo Castelo
Branco”.
“Pensámos que tínhamos de
realizar um filme importante
que transportasse a Paradoxon
Produções para um reconhecimento mais visível, tanto na
região algarvia, de onde somos
oriundos, como no panorama
do cinema português” refere
Hernâni Duarte Maria, realizador e membro fundador da
produtora.
A escolha dos actores principais, Ricardo Viana e Joana
Oliveira, também não foi pensada ao acaso. “Achámos que
tanto a Joana como o Ricardo
seriam os actores ideais para
representarem os papéis principais no nosso próximo filme
porque já tinham trabalhado
ambos em teatro e pensámos
logo que iria existir a química
necessária para este filme” refere o realizador.
As filmagens dividem-se em
dois locais distintos, os exteriores, feitos na cidade de Lagos,
e os interiores, numa casa ce-
dida pela prima da actriz principal.
Paradoxon
Produções
surge da paixão
pelo cinema
A Paradoxon Produções
nasceu no Algarve em 1997, a
partir de um grupo de amigos
que decidiu criar a produtora
independente, pela mão do
jovem entusiasta pelo cinema, Hernâni Duarte Maria.
“A ideia partiu por todos
gostarmos de cinema e também pelo simples facto de na
região algarvia a produção e
divulgação do cinema ser praticamente inexistente, no que
diz respeito a jovens cineastas” explica Hernâni Duarte
Maria.
No ano passado, a Paradoxon Produções obteve o
prémio de “Melhor Filme Nacional”, no Festival Internacional de Cinema de Arouca
2008, com a curta-metragem
“Insónia”.
“Continuamos com as nossas produções independentes
porque achamos que o cinema
português necessita de novos
talentos e novas visões de
uma cinema que a nosso ver
está estagnado de ideias e sobretudo minado de elitismos”
termina o realizador.
_página 20
_edição 756 _08abr2009
Carrossel Manège Carré Sénart
chega a Portimão
Carlos Carames *
[email protected]
“Gato por Lebre - III”
Inaugurou este sábado dia
4 de Abril na zona ribeirinha de
Portimão o Carrossel Manège
Carré Sénart, uma obra de arte
que é ao mesmo tempo uma diversão para crianças e adultos.
Há búfalos alados, cigarras,
pulgas gigantes e enormes cabeças de peixe. Cabe aos passageiros a bordo “domar” estas
criaturas accionando os elementos móveis disponíveis.
É uma máquina de 18 metros de largura, 14 metros de
altura, tudo numa superfície de
mais de 300 m2, acomodando
49 pessoas em cada viagem. Já
esteve em Madrid, e depois de
Portimão segue para Bélgica,
França e Inglaterra.
O carrossel vai estar em Portimão até dia 3 de Maio, aberto
de terça-feira a domingo, das
14:00 às 20:00 horas, com cada
viagem a custar 1 euro, mas
10 viagens a custar 8 euros, e
as crianças até aos 10 anos não
pagam.
Praticas cautelares a observar na
compra, em fase de projecto,
de um apartamento residencial
de qualidade superior.
(continuação)
A ópera está de regressa ao
Algarve nos próximos dias 10,
11 e 12 com “Aida”, de Verdi,
uma superprodução da Grande Ópera de Kazan, que traz o
drama sobre paixão e triunfo
no antigo Egipto a duas grandes
salas da região, no âmbito do
Festival Internacional de Música
do Algarve (FIMA).
Mais de 200 participantes
– entre solistas, cantores, músicos, maestro e bailarinos – vão
estar em palco para narrar a
história da princesa e escrava etíope Aida, que empresta
o nome à ópera que se tornou
uma das obras-primas do italiano Giuseppe Verdi.
Encomendada a Verdi para
glorificar a abertura do Canal do
Suez, “Aida” foi encenada pela
primeira vez no Cairo, em 1871.
Mais de cem anos depois da sua
estreia, e agora em palcos algarvios, a ópera vai mostrar o
motivo que a leva a continuar a
encher estádios e salas em todo
o mundo.
A Grande Ópera de Kazan é
uma companhia russa fundada
em 1939 e que tem já no reper-
tório numerosas digressões europeias e passagens frequentes
pelo Japão e pelo continente
americano. O “libretto” – que ganhou
vida com a música de Verdi – é
cantado nos dias 10 e 11 de Abril
no Teatro das Figuras, em Faro,
às 21:30 horas, e no dia 12 no
Centro de Congressos do Arade,
em Lagoa, pelas 17 horas.
Os bilhetes custam entre 15
e 20 euros (Centro de Congressos do Arade) e 35 euros (Teatro
das Figuras). Para Faro, podem
ser adquiridos no Teatro das
Figuras. Para o Centro de Congressos, no Teatro Municipal de
Portimão (TEMPO), no Convento
de São José (Lagoa) e no próprio
local, no dia do espectáculo, a
partir das 18 horas.
Buraka Som Sistema e Blasted Mechanism
na Semana Académica da UALg
Entre os dias 7 e 17 de Maio,
a capital algarvia volta a receber
mais uma edição da Semana Académica do Algarve, este ano no
Largo de São Francisco. Blasted
Mechanism e Buraka Som Sistema
são para já as bandas confirmadas
para a 24ª edição do evento.
Os Blasted Mechanism vão novamente pisar o palco da Semana
Académica do Algarve na noite
de quarta-feira, 13 de Maio, no
ano do lançamento de um novo
álbum. A banda junta-se aos Buraka Som Sistema que actuam na
sexta-feira 15 de Maio.
Os interessados podem
consultar todas as informações
referentes ao evento em www.
saalgarve.com.
O P I N I Ã O
Grande Ópera de Kazan traz “Aida”
de Verdi ao Algarve
9- Atenção ao valor dos pagamentos que vai fazer por
conta do preço final.
Se para recuperar mais-valias fiscais resultantes da
venda da anterior habitação dentro do prazo limite, resolver entregar por conta do preço ajustado o valor dessas
maisvalias, tenha cuidado porque se o montante pago atinge uma percentagem significativa do valor total do imóvel,
aí começa a ficar “na mão” do vendedor.
Nessas circunstâncias se o produto final não corresponder ao que esperava porque surgiram “n” situações que não
estão a ser cumpridas ou que não salvaguardou no c.p.c.v.,
caso queira fazer a resolução do contrato, provavelmente
terá de recorrer à via judicial que é extremamente morosa,
onerosa e o seu dinheiro ficará entretanto empatado.
Por diversas razões de que falaremos mais tarde, é
aconselhável reduzir ao máximo as entregas por conta do
preço final.
10- Normalmente temos a tendência de ficar satisfeitos
quando nos dizem que estão previstos dois elevadores.
Confirme previamente qual a lotação prevista para os
elevadores e a área interior de cada um.
Pode acontecer que um deles tenha uma lotação nominal para seis pessoas (450 kg) mas quatro cabem à justa e
no outro de quatro pessoas (320 kg) apenas caibam três. Se
assim for, às horas de ponta terá algumas vezes de descer
pelas escadas para não chegar atrasado. Assegure-se que
a lotação, a programação e velocidade dos elevadores é
adequada ao número de utentes.
11- Voltando de novo ao problema abordado no ponto
8 -, relativamente ao impacto que a inesperada construção de um telheiro tem na Segurança e Salubridade da sua
habitação, colocam-se para o enfrentar quatro tipos de
actuação:
a) - Conviver com a situação e aceitar uma plataforma
tipo andaime encostada ao longo da fachada ao nível do seu
pavimento com impacto na sua segurança e salubridade.
Arriscar ser surpreendido por um intruso quando estiver entretido a ver televisão ou a dormir descansadamente
e sujeitar-se às consequências que um incêndio que atinja
esse telheiro venha a ter na sua habitação.
Terá de ter cuidado quando ventilar esses quartos porque provavelmente com o vento entra-lhe pelas portas e
janelas traseiras poeira e detritos, que se acumularão na
cobertura do telheiro e quando chover forte, tape os ouvidos enquanto tenta conciliar o sono.
b) Mandar colocar gradeamentos articulados em todas
as portas e janelas que confrontam com a fachada posterior que sendo inestéticos dificultam a intrusão.
Mas atenção, a insegurança não fica resolvida com a
colocação dos gradeamentos articulados pois com um “péde-cabra” podem ser arrancados em menos de um minuto.
Claro que se estiver em casa a dormir, provavelmente
acordará a tempo de se opor à intrusão ou de fugir pela
porta principal. Não é por isso uma solução definitiva.
E se a cobertura do referido telheiro for de material
termoplástico muito em uso, então ponha-se à tabela porque passou a ter à sua frente uma estrutura de materiais
combustíveis que em caso de incêndio na fracção do seu
vizinho de baixo, mais facilmente as chamas entrarão pelos
vãos das suas portas e janelas. Será certamente afectado
com fumos tóxicos gerados na combustão desses materiais
e sofrerá maiores danos materiais.
E neste caso será desejável que o seu vizinho de baixo
tenha uma apólice com adequada cobertura de responsabilidade civil e/ou bens suficientes para responder pelos
danos que possa causar.
Lembro o célebre e triste acidente ocorrido em Setúbal
a 22 de Novembro de 2007 em que uma forte explosão em
edifício residencial, junto ao Intermarché na zona do Montebelo Norte, fere trinta e quatro pessoas, destrói vários
andares e deixa o prédio em risco de ruir.
Das 70 (setenta) fracções afectadas, 13 (treze) nem
sequer tinham seguro.!!!
(Continua)
* Engenheiro
_página 21
_edição 756 _08abr2009
nélia faísca *
[email protected]
Regime Jurídico da RAN
O Decreto Lei 196/89 de 14 de Junho que definia o regime jurídico da Reserva Agrícola Nacional, vulgarmente designada por RAN, acaba de ser substituído
pelo Decreto Lei 73/2009 de 31 de Março, que entrará em vigor apenas 10 dias
após a sua publicação.
A RAN é o conjunto das áreas que, segundo determinados critérios, apresentam maior aptidão para a actividade agrícola. A RAN corresponde a uma restrição
de utilidade pública, que está sujeita a um regime jurídico territorial especial.
Esse regime define um conjunto de condições a que ficam sujeitas as utilizações
não agrícolas dos solos.
Trata-se quase sempre de uma matéria sensível que afecta os proprietários
de prédios integrados na RAN na medida em que condiciona fortemente a possibilidade de edificação de novas construções ou mesmo de ampliação de construções existentes nesses solos.
A revisão do regime jurídico não pretende introduzir, e nem tal se esperava,
um regime mais flexível no que se refere às excepções aos condicionalismos.
A tendência continua a ser cada vez mais no sentido de defender e proteger a
sensibilidade ambiental aqui em especial na sua vertente agrícola e florestal,
encarando o solo como um recurso precioso e escasso que urge defender e conservar.
À semelhança do regime anterior, consagra-se a proibição de todas as acções
“11/35 SuperExpoColectiva”
no Instituto Português
da Juventude
Inaugura dia 4 de Abril, às 19:00 horas, na sala de exposições
do Instituto Português da Juventude, Direcção Regional do Algarve,
a exposição “11/35 SuperExpoColectiva” que pretende celebrar
um duplo aniversário, 11 anos do
Terminal Studios e
os 35 anos do 25 de
Abril.
Durante
a
inauguração haverá caricaturas ao
vivo e pelas 19:30
horas os convidados poderão assistir a uma performance de Angel de
DeVal que tem por
nome “Stranger”,
a qual está inspirada em aspectos
do desconhecido e
em tudo o que está
para além da nossa
imaginação, esta
performance tem
uma duração aproximada 15mins.
“11/35 SuperExpoColectiva” com trabalhos do Terminal Studios e de vários
artistas de todo o país, é uma organização conjunta da Direcção
Regional do Algarve do IPJ, Edições Drmakete e Terminal Studios.
A exposição fica patente até dia 29 de Abril e pode ser visitada
todos os dias úteis das 09:00 às 20:00 horas.
Discoteca em Portimão
oferece 5 euros
às clientes
ao fim-de-semana
Numa tentativa de combater a crise que assola o país, a Fashion
Danceteria, situada na Praia da Rocha, em Portimão, teve uma ideia
original para atrair clientes: todos os sábados oferece às clientes, à
entrada, uma nota de 5 euros.
Segundo os responsáveis do estabelecimento esta é uma forma
de “combater a dificuldade monetária das pessoas, que as leva a
não sair de casa”, podendo ser vista como um plano de apoio aos
seus clientes.
“Da mesma forma que muitos governos apoiam as multinacionais dos respectivos países, porque não os proprietários dos estabelecimentos nocturnos apoiarem os seus clientes a atravessar esta
crise apoiando monetariamente a suas saídas nocturnas?” referem
os responsáveis.
que possam diminuir ou destruir as potencialidades agrícolas dos terras e dos solos,
nomeadamente operações de loteamento, obras de urbanização, construção ou
ampliação.
As utilizações não agrícolas de áreas integradas RAN só podem verificar -se
quando não exista alternativa viável fora das terras ou solos da RAN. Quando assim
for, podem ser permitidas algumas obras como sejam “Obras com finalidade agrícola, quando integradas na gestão das explorações ligadas à actividade agrícola,
nomeadamente, obras de edificação, obras hidráulicas, vias de acesso, aterros e
escavações, e edificações para armazenamento ou comercialização, construção ou
ampliação de habitação para residência própria e permanente de agricultores em exploração agrícola; Construção ou ampliação de habitação para residência própria e
permanente dos proprietários e respectivos agregados familiares, com os limites de
área e tipologia estabelecidos no regime da habitação a custos controlados em função
da dimensão do agregado, quando se encontrem em situação de comprovada insuficiência económica e não sejam proprietários de qualquer outro edifício fracção para fins
habitacionais, desde que daí não resultem inconvenientes para os interesses tutelados
pelo presente decreto –lei” . Quanto a estas ultimas, apenas se permite uma única
utilização não agrícola de áreas integradas na RAN.
Quando haja lugar a parecer prévio vinculativo da entidades regionais da RAN,
este deverá ser emitido no prazo de 25 dias.
* Advogada
Colaboração:
Nélia Faísca, Eurico
Alves & Associados
Sociedade
de Advogados
8135 ALMANCIL
Helder Moutinho leva fado moderno
ao TEMPO
Depois de uma bem-sucedida tour pelos EUA, Helder
Moutinho regressa a Portugal
para dar início à sua digressão
nacional. No próximo dia 18 de
Abril, o fadista actua no Teatro
Municipal de Portimão, local
onde vai apresentar o seu terceiro disco “Que fado é este
que trago”.
Através de um repertório
dividido em fados clássicos/tradicionais, fados-canções/fados
descritivos e fados originais escritos, Helder Moutinho e os seus
músicos fazem uma abordagem
a alguns géneros que pertencem
ao panorama musical do fado.
Ricardo Parreira (guitarra
portuguesa), Yami (baixo acústico), Marco Oliveira (viola de
fado), Pedro Santos (acordeão)
e Quiné (percussão) são os músicos que vão acompanhar Helder Moutinho no espectáculo
em Portimão.
Concerto de flauta de bisel e cravo
em Faro
No âmbito da iniciativa «Momentos Musicais», o Conservatório Regional do Algarve Maria
Campina organiza, no próximo
dia 18 de Abril, um concerto de
flauta de bisel e cravo no Museu
Municipal de Faro.
Neste evento, a ex-aluna
Ana Figueiras, actualmente a
frequentar o 1º ano do curso de
flauta de bisel na Escola Superior de Música de Lisboa, vai actuar acompanhada pelo professor Ricardo Correia no cravo e
pelo Consort de Flautas, alunos
do professor Francisco Rosado,
também do CRAMC.
O momento musical vai contar com peças do renascimento
e do período barroco, recordando compositores como Claudin
de Sermisy, Giovanni Cavaccio,
Arcangelo Corelli, François Couperin e António Vivaldi.
A entrada será livre, sendo
que o concerto tem início pelas
21:30 horas.
Arte robótica em exposição em Tavira
O Palácio da Galeria/ Museu
Municipal de Tavira inaugura
amanhã, dia 9 de Abril, pelas
18:30 horas, a exposição “RAP.
Um robô português em Nova Iorque” de Leonel Moura, que vai
estar patente ao público até ao
próximo dia 28 de Junho.
RAP [Robotic Action Painter]
é um robô criado pelo artista Leonel Moura que decide quando
a obra está terminada e assina
com o seu nome no canto inferior direito. Encontra-se, desde
Fevereiro de 2007, no Museu
de História Natural, em Nova
Iorque, onde, todos os dias, demonstra a sua autonomia e criatividade. A exposição apresenta
dez desenhos feitos por RAP, em
Nova Iorque, e outros dez feitos
pelo seu “irmão”, em São Paulo, no Verão de 2008.
O autor da mostra tem-se
destacado, nestes últimos anos,
com o seu trabalho com robótica e inteligência artificial. Em
2003, criou a primeira geração
de robôs pintores capazes de
produzir, de forma autónoma
e baseados no comportamento
emergente, obras de arte originais. Em 2006, surge RAP (Robotic Action Painter).
Também, nesse ano, aparece ISU (O robô poeta) que constrói composições pictóricas,
com letras, palavras e manchas
de cor, muito ao estilo da Poesia
Concreta e do Letrismo, donde
retira o seu nome em homenagem a Isidore Isou criador deste
movimento.
Além da arte robótica, Leonel Moura dedica-se, igualmente, na arquitectura e tem produzido uma continuada reflexão
sobre a criatividade, a inovação
e a cidade na linha do conceito
das Cidades Criativas.
Foi ainda designado, pela
Comissão Europeia, embaixador
do Ano Europeu da Criatividade
e da Inovação.
_página 22
_edição 756 _08abr2009
t e l e f o n e s
SOS - e m e r g ê n c i a
FOGO - INCÊNDIO
117
EMERGÊNCIA MÉDICA
112
Corporações de Bombeiros
Municipais
Faro ……....………
Loulé …….……….
Olhão …………….
Tavira ……..………
289888000
289416702
289710000
281322122
Voluntários
Albufeira ………… 289586333
Alcoutim …....…… 281540450
Aljezur ….………… 282998258
Faro …………….…
Lagoa ………….….
Lagos ……...……...
Messines …………
Monchique ….……
Portimão ….………
S. Brás Alportel ....
Silves …….……..…
Vila do Bispo ..……
V. R. Stº António ...
289823630
282352888
282770790
282339633
282912115
282422122
289842606
282442411
282639285
281543202
Conversas Vadias com
Laborinho Lúcio
Álvaro Laborinho Lúcio é o convidado de José Fanha, em mais
uma acção integrada no ciclo Conversas Vadias, já amanhã, dia 9 de
Abril, pelas 21:30 horas, na Biblioteca Municipal Álvaro de Campos,
em Tavira.
Licenciado em Direito e mestre em Ciências Jurídico-Civilísticas, pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, Laborinho Lúcio desempenhou, entre outros, o cargo de director do
Centro de Estudos Judiciários e a nível político foi ministro da Justiça no XI e XII Governos Constitucionais (1987-1995), bem como
ministro da República na Região Autónoma dos Açores.
Actualmente, por designação do Presidente da República é vogal do Conselho Superior de Magistratura e por nomeação do ministro da Justiça é membro da Comissão para a instalação, na Universidade de Coimbra, do Tribunal Universitário Judicial Europeu e
membro eleito da Academia Internacional da Cultura Portuguesa.
Tem proferido inúmeras conferências e publicado vários artigos acerca da justiça, educação, cidadania, direito de crianças e
jovens, bem como sobre o direito em termos gerais. Concebeu e
coordenou no domínio do exercício activo da cidadania, na Universidade Autónoma de Lisboa, o “Programa Malhoa”, enquanto
que, na Região Autónoma dos Açores, criou e geriu o Congresso da
Cidadania.
É autor das obras “A Justiça e os Justos”, “Palácio da Justiça” e “Educação, Arte e Cidadania” (Maio de 2008), constituindo,
este último, uma abordagem da relação entre estas três vertentes,
trabalhada a partir do exterior e sustentada na legitimidade do
cidadão interessado em temas e problemas que tendem a marcar o
fundamental do seu tempo.
Premiado na área da psicologia foi agraciado pelo Rei de Espanha com a Grã-Cruz da Ordem de D. Raimundo de Peñaforte, pela
sua acção como ministro da Justiça, no âmbito da União Europeia,
e pelo Presidente da República Portuguesa com a Grã-Cruz da Ordem de Cristo, pela sua acção como ministro da República.
VRSA: fado e flamenco
na Via Sacra Cantada
O fado e o flamenco vão estar em harmonia em Vila Real de
Santo António, na sexta-feira santa, 10 de Abril, através de uma Via
Sacra Cantada, interpretada por Nuno da Câmara Pereira e Nayra
Madera na Praça Marquês de Pombal.
A Via Sacra será composta por 15 estações, sendo que cada um
dos artistas vai interpretar sete estações, de forma alternada. A 15ª
Estação será interpretada conjuntamente pelos artistas.
As 15 Estações serão assinaladas por uma cruz iluminada por
um archote, dispostas à volta da Praça Marques de Pombal. A Via
Sacra vai iniciar-se junto à Igreja, sendo conduzida pelo Pároco da
Igreja de Nossa Senhora da Encarnação que, após cada oração junto
da Estação respectiva, vai aguardar pelo Cântico Sacro.
Logo após a 14ª estação terá início a Procissão do Enterro que
manterá o percurso dos anos anteriores com a duração de cerca de
45 minutos. Durante este período, no centro da praça, serão interpretados, ao piano, vários trechos de música Sacra de vários compositores clássicos.
Com a chegada da Procissão do Enterro à Praça, retoma-se a
Via Sacra na última Estação e, após a interpretação conjunta dos
artistas, será finalizada com o Avé-Maria de Schubert. A Via Sacra Cantada terá início pelas 19 horas.
Limpeza de Chaminés
e Recuperadores
de Calor
Não suja a sua casa.
917868933
Este espaço pode
ser seu !...
Contactar 289 463 890
HOSPITAIS
LOULÉ
FARO (HDF)
289 891 100
Informações 289 891 130
PORTIMÃO (HBA)
282 450 300
Linha Azul 282 413 400
LAGOS (HDL)
282 763 034
CENTROS de SAÚDE
ALBUFEIRA ALCOUTIM Giões Martinlongo
Pereiro Vaqueiros ALJEZUR
CASTRO MARIM
289 586 350
281 546 559
281 498 124
281 498 194
281 547 263
281 498 152
282 998 113
281 531 027
Altura Azinhal Odeleite 281 957 846
281 495 711
281 495 226
FARO
289 823 680
Montenegro
Conceição Culatra Estoi
Stª B. Nexe
Bordeira
LAGOA
Carvoeiro Estombar Ferragudo Parchal Porches
LAGOS
Bensafrim Odiáxere JF da Luz Espiche B. S. João 289 817 181
289 824 259
289 703 327
289 991 372
289 990 105
289 991 372
282 340 370
282 432 665
282 432 665
282 461 361
282 418 081
282 381 005
282 770 100
282 687 756
282 799 450
282 789 722
282 788 565
282 687 439
G N R
Grupo Territorial
Faro ................................ 289887600
Destacamentos Territoriais
Faro................................. 289887605
Tavira .............................. 281325704
Loulé .............................. 289410490
Albufeira ........................ 289590790
Portimão ........................ 282420750
Silves ............................. 282442414
Postos Territoriais
Albufeira ………………... 289590790
Alcoutim ………………... 281546208
Aljezur ………………...... 282998130
Almancil ……………....... 289351530
Armação de Pêra …..…. 282312178
Carvoeiro …………...….. 282356460
Castro Marim ……...…… 281531004
Faro ……………........….. 289887603
Lagoa ……………...……. 282380190
Lagos ……………...……. 282762809
Loulé ……………...…….. 289410490
Martinlongo ……...…….. 281498131
Monchique ……...……… 282912629
Odeceixe ………...…...… 282947682
289 401 000
Almancil
289 395 674
Alte
289 468 174
Ameixial289 847 182
Benafim
289 416 512
Boliqueime 289 366 328
Cortelha
289 416 513
Monte Seco 289 432 146
Quarteira
289 313 665
Querença 289 462 942
Salir
289 489 200
Tôr
289 416 512
MONCHIQUE 282 910 100
OLHÃO
PORTIMÃO
289 700 260
282 416 272
S.BRÁS ALPORTEL
SILVES
289 842 450
282 442 416
Alferce 282 912 585
Marmelete 282 955 136
Alvor
282 459 268
Mexilhoeira Grande 282 968 133
Algoz
282 574 269
Armação de Pêra 282 312 572
Pêra 282 313 819
S. B. de Messines 282 339 022
S. Marcos de Serra 282 361 193
Tunes
282 576 449
TAVIRA
281 324 023
Cabanas/Conceição
Cachopo Luz Stª Catarina Fonte Bispo Stª Luzia Stº Estevão 2813 70 275
289 844 135
281 961 218
281 971 547
281 381 045
281 961 295
VILA DO BISPO
282 639 179
Barão de S. Miguel 282 695 597
Burgau 282 697 230
Luz-Budens 282 695 155
Sagres 282 624 173
V. R. STº ANTÓNIO
281 512 645
Monte Gordo 281 542 252
Vila Nova de Cacela 281 951 232
Olhão …………………….
Olhos D’Água …………...
Paderne ………………….
Portimão …………………
Quarteira …………………
Salir ………………………
Silves …………………….
S. Bartolomeu Messines São Brás de Alportel …..
Tavira …………………….
Vilamoura ……………….
Vila do Bispo ……….......
Vila R. de Stº António ….
Posto Sazonal
Fuseta ….........................
289703089
289501478
289367115
282420750
289315662
289489136
282442414
282339246
289840800
281325704
289381780
282639112
281530150
289793365
P S P
FARO ..................................
Aeroporto de Faro .......
LAGOS ...............................
OLHÃO ...............................
PORTIMÃO ........................
TAVIRA ...............................
V.R.Stº ANTÓNIO ...............
289822022
289800688
282762930
289710770
282417510
281322022
281543066
CÂMARAS MUNICIPAIS
Albufeira ………...…….......
Alcoutim …………..…........
Aljezur ………...…..…........
Castro Marim …….............
Faro ……………………......
Lagoa ………………….......
Lagos ………………….......
Loulé ……………………....
289599500
281540500
282998102
281510740
289870870
282380400
282780060
289400600
ARRENDA-SE
QUARTO
LISBOA CENTRAL
Tel: 919 459 742
VENDE-SE
CANTARIAS
ANTIGAS
Contactar Sr. José Afonso
Telm: 962 949 823
Monchique …………..….... 282910200
Olhão ………………...….... 289700100
Portimão ……………..….... 282470700
S. Brás de Alportel …….... 289840000
Silves ………………..…..... 282440800
Tavira ………………...….... 281320500
Vila do Bispo …….……..... 282639105
Vila R. Stº António ….….... 281510000
Limpeza de Fossas
e Esgotos
Rua Vale Formoso, nº 33
Almancil
Tel: 289 397 892
VENDE-SE
TELHA VELHA
REGIONAL
Contactar Sr. José Afonso
Telm: 962 949 823
Anuncios Classificados - 3 publicações
ATÉ 6 PALAVRAS (incl. n.º de telefone) ... Grátis
DE 6 a 12 PALAVRAS (40 X 25mm) .......... 15 € + IVA
DE 12 a 25 PALAVRAS (80 X 25mm) ......... 25 € + IVA
Se conduzir...
... não beba!
previsão astrológica de joãobidu
período: 08abr2009 / 14abr2009
| carneiro | 21 março / 20 abril
Este é um bom período para investir em seu crescimento e na carreira profissional. O seu lado prestativo será valorizado. Na conquista,
mudar de táctica pode ser uma excelente ideia.
| touro | 21 abril / 21 maio
Fazer o que gosta é um privilégio de poucos, por isso, aproveite para
dar o melhor de você no trabalho. Interesses em comum vão te aproximar de quem ama. Cuidado com falsos amigos.
| gémeos | 22 maio / 21 junho
Não brinque com questões emocionais. Pode haver um transbordamento de problemas afectivos que você vinha tentando evitar, mas
que não será possível escapar. Esqueça o passado de vez.
| caranguejo | 22 junho / 22 julho
Boa fase para trocar ideias com os amigos, expressar o que pensa e
estimular o espírito de colaboração com os colegas. Use e abuse da
sua intuição. Viagem ou encontro promete alegrias.
| leão | 23 julho / 23 agosto
Fazer economia e organizar a sua vida financeira é a palavra de ordem. Procure agir com menos ansiedade. No campo sentimental, é
um bom período para demonstrar a sua dedicação.
| virgem | 24 agosto / 23 setembro
Terá a sensação de que o céu conspira a seu favor. Mercúrio indica
muito sucesso com tudo que envolva comunicação. Vencer as diferenças será essencial para que o romance tenha futuro.
| balança | 24 setembro / 23 outubro
Poderá perceber a necessidade de fazer alguns ajustes nos relacionamentos para chegar a um ponto consensual com as pessoas queridas.
No amor, você vai valorizar (e muito!) a lealdade.
| escorpião | 24 outubro / 23 novembro
Mercúrio deixa você mais comunicativo(a) e bem-humorado(a), razão pela qual conseguirá cativar a atenção dos outros. Momentos de
maior intimidade vão estimular a relação com quem ama.
| sagitário | 23 novembro / 20 dezembro
Você vai começar a semana com pique total. Há chance de aumentar
sua renda mensal, mas estará mais à vontade para agir nos bastidores. O clima é de forte envolvimento no romance.
| capricórnio | 21 dezembro / 20 janeiro
Trabalho e escola poderão bater de frente com suas necessidades
emocionais. Confie na sua força interior e mude seu destino! Ouça os
mais velhos. Só evite deixar o romance de lado.
| aquário | 21 janeiro / 19 fevereiro
Evite resistir a certas mudanças, elas podem melhorar as coisas! É
tempo de demonstrar maior interesse por sua profissão. Movimente a
vida social. Vénus trará muita sorte para o amor.
| peixes | 20 fevereiro / 20 março
Zelar pelos relacionamentos pessoais ou de trabalho será fundamental se quiser mantê-los. Clima ideal para organizar as finanças. No
campo sentimental, há chances de reconciliação.
_página 23
_edição 756 _08abr2009
jorge carrega
[email protected]
Uma Páscoa
com Cinema
O P I N I Ã O
-
7ª
A R T E
Ele não está assim tão interessado
Entre os filmes que estreiam nas salas de cinema
portuguesas, um género destaca-se pela quantidade de
títulos regularmente oferecidos aos espectadores.
A par do triller policial, a comédia romântica domina a produção cinematográfica de Hollywood. A proválo basta observar os filmes actualmente em cartaz nas
salas de cinema portuguesas. Películas como Marley e
Eu, Dupla Sedução, e A Namorada do meu melhor amigo, dão cartas na bilheteira e outros títulos semelhantes
aguardam pela estreia nas próximas semanas.
Ele não está assim tão interessado, é a mais recente comédia romântica a estrear no nosso país e tal como
as já referidas parece destinada a tornar-se um êxito.
Realizado por Ken Kwapis e baseado no livro com o
mesmo título da autoria de Liz Tuccillo e Greg Behrendt, o filme conta a historia de um diversificado leque
de personagens e dos seus problemas amorosos, num
conjunto de historias entrecruzadas, que reflectem humoradamente sobre os motivos que levam as mulheres
a acreditar que estão apaixonadas por um homem que
não está realmente interessado nelas.
Protagonizado por um naipe de actores familiares
neste tipo de
filmes, como:
Jennifer Anniston, Drew
Barrymore,
Ben Affleck e
Scarllet
Johansson, Ele
não está assim
tão interessado, proporciona duas horas
de
entretenimento aos
apreciadores
da comédia romântica, mas
peca pela falta de ambição
que normalmente caracteriza este género. Incapaz de apresentar
um retrato convincente das personagens interpretadas
por Ben Affleck, Drew Barrymore e Scarlett Johansson,
que pouco mais fazem do que exibir o seu charme natural, o filme é completamente dominado pelas interpretações de Ginnifer Godwin e Jennifer Connelly, que
elevam as suas personagens acima dos estereótipos que
caracterizam as restantes histórias deste filme.
Connelly, que regressa aos papéis de mulher traída depois do aclamado Pecados Íntimos (2006), volta
a demonstrar o seu talento para compor personagens
emocionalmente complexas, e neste caso à beira de
um ataque de nervos, sem cair nos excessos histriónicos
que caracterizam outras actrizes. Por seu lado Ginnifer Godwin, ainda pouco conhecida dos espectadores
portugueses, revela um enorme talento para a comédia
dramática, oferecendo uma dimensão humana à sua
personagem que a impede de se tornar numa mera caricatura cómica, como aliás é tão frequente acontecer
neste tipo de filmes.
Se gosta de comédias românticas, Ele não está assim tão interessado, constitui uma boa opção para uma
visita ao cinema, mas se não é o seu género favorito não
será este o filme que o vai fazer mudar de ideias.
Se preferir acompanhar o seu filho, os cinemas SBC
criaram o Kids Club, uma iniciativa que decorre todos
os fins-de-semana e que permite aos pais levarem os
mais pequenos a assistir filmes infantis, falados em português.
As sessões começam às 10.40 e às 11.30 de Sábado
e Domingo, e os bilhetes custam apenas 1.50 euros para
as crianças, assim como para os adultos que as acompanham.
Ele não está assim tão interessado (2009) Realizado
por: Ken Kwapis.
Com: Ginnifer Godwin, Jennifer Connelly, Scarlett
Joahnsson, Jennifer Aniston, Drew Barrymore e Ben
Affleck. 129 m. M/12 anos.
“Movimentos na Cidade”
em exposição em Portimão
O Museu de Portimão recebe
a exposição “Movimentos na Cidade”, que apresenta pinturas
e tecelagens de Zé Ventura, e
que vai estar patente ao público
até 30 de Maio.
Zé Ventura nasceu na cidade
de Lagos, em 1956, frequentou
a Escola Superior de Belas Artes
de Lisboa e reside em Portimão,
onde desenvolve o seu trabalho
criativo.
Recebeu o Prémio Nacional
e Regional de Tecelagem Criativa, fazendo parte obras suas
do acervo de diversas colecções
em Portugal e no estrangeiro.
Também participa com regularidade em exposições individuais
e colectivas no país tendo o seu
livro “As cores do tempo” merecido uma menção honrosa no
London Book Festival de 2007.
“Movimentos na Cidade”
tem entrada livre e pode ser
visitada às terças-feiras, das
14:30 às 18 horas, e de quartafeira a domingo, das 10 às 18
horas, numa organização da Câmara Municipal de Portimão.
Loulé promove concurso de incentivo
à leitura
A sexta edição do concurso
“(Re)conhecer os sons e os cheiros da Língua Portuguesa” está
de regresso à Biblioteca Municipal de Loulé, com vista a promover o livro e a leitura, bem
como a descoberta da literatura
em língua portuguesa.
O objectivo é que os participantes identifiquem os autores
de língua portuguesa (portugueses, brasileiros e africanos) dos
14 excertos de textos apresentados no folheto que se encontra na recepção da Biblioteca.
Para os apoiar, vão ser dadas
algumas dicas sobre esses escritores, a sua vida e obra.
No Dia Mundial do Livro, 23
de Abril, às 21:30 horas, vão ser
sorteados os três premiados que
vão receber cinco livros, cada
um. Caso não estejam presentes, são escolhidos outros con-
correntes.
Para participar os concorrentes têm de preencher
o folheto com os seus dados e
colocá-lo numa caixa que se encontra na recepção da Biblioteca, até ao dia 20 de Abril.
Pintura abstracta de Rafael Canales
em Vale do Lobo
A Galeria de Arte Vale do
Lobo apresenta uma exposição
de pintura abstracta tridimensional do artista espanhol Rafael Canales, que expôs pela primeira vez em Vale do Lobo em
2004, e que vai estar patente
até dia 2 de Junho.
Rafael Canales nasceu em
1937 e é natural de Sevilha. É
um pintor abstracto muito conceituado, pela originalidade do
seu trabalho que reside na sua
técnica, utilizando em vez do
pincel e da cor, diversos materiais tais como pó de vidro, pó
de mármore e outras pastas
grossas. Consegue assim que
os seus trabalhos transmitam
um efeito quase tridimensional
pela aplicação de diversas camadas sobre a tela.
A mostra sugere vários temas como a terra, rochas, céu
e a água através do contraste
entre a beleza serena das su-
perfícies e o vigor das linhas
profundas, enigmáticas que as
atravessam.
A exposição, organizada em
colaboração com o Centro Cultural São Lourenço, pode ser vi-
sitada de segunda a sábado, das
10 às 19 horas.
CCDR Algarve divulga novas regras
para aceder aos Incentivos do QREN
Em virtude de estar em
curso uma nova fase de candidaturas aos Sistemas de Incentivos às Empresas do QREN, vai
ter lugar um seminário dirigido
a empresários e consultores,
onde serão dadas a conhecer
as novas regras e apresentado o
Plano anual de Concursos 2009.
O seminário realiza-se no
próximo dia 15 de Abril, no auditório do Teatro Municipal de
Portimão (TEMPO), onde para
além de João Faria, gestor do
PO Algarve 21 e de Manuel da
Luz, presidente da Câmara de
Portimão, participam na sessão de esclarecimento, técnicos
da CCDR Algarve e do IAPMEI
que irão abordar as várias mo-
dalidades de projectos, dando
resposta a questões como as
seguintes: Por exemplo, que
requisitos específicos deve um
projecto cumprir?; quais as
características fundamentais
de um projecto de qualidade?;
quais as principais razões de
não elegibilidade de projectos,
e como corrigi-las?; exemplos
de projectos aprovados?; e
quais as novidades para o sector
da construção?
De referir que como resposta à situação económica
actual, foi efectuada uma revisão dos Sistemas de Incentivos
e introduzidas várias medidas
de flexibilização nomeadamente maiores níveis de incenti-
vos, facilitação e aumento dos
adiantamentos de incentivos,
alargamento da tipologia de
projectos apoiáveis, adaptação
dos critérios à actual situação
financeira das empresas. Por
outro lado o tempo para preparação e o prazo de resposta
das empresas às candidaturas a
esta nova fase de candidaturas
é mais reduzido.
Cooperam com a realização
deste seminário, a ACRAL (Associação do Comércio e Serviços
da Região do Algarve), rede Enterprise Europe Network e TEMPO. As inscrições encontram-se
abertas no sítio www.ccdr-alg.
pt
15 de Abril, no auditório do Teatro Municipal de Portimão
Reflorestação no Ludo
Algumas dezenas de pessoas participam no passado fimde-semana na plantação de 500
sobreiros no Pontal, Parque Natural da Ria Formosa.
A plantação prolonga-se nos
próximos dias num terreno privado cujo proprietário apoia a
acção.
No sábado tratou-se de dar
o arranque a uma campanha
promovida pela empresa SASEL,
SA (Águas da Serra da Estrela).
A campanha decorre em vários
pontos do país. O objectivo é
sensibilizar os cidadãos para a
preservação da Natureza.
No Algarve, a campanha
contou com o envolvimento de
várias entidades, entre as quais
a Sociedade Polis Litoral Ria
Formosa, o Parque Natural da
Ria Formosa, a Câmara Municipal de Faro e o Governo Civil de
Faro.
No passado sábado foram
plantadas no Ludo cerca de 250
das 500 árvores previstas, com
a ajuda de técnicos dos organismos envolvidos, populares e
dos Escuteiros do Agrupamento
1172 de Faro.
Fly UP