...

SÍNDROME DA DILATAÇÃO VÓLVULO GÁSTRICA EM CÃES

by user

on
Category: Documents
3

views

Report

Comments

Transcript

SÍNDROME DA DILATAÇÃO VÓLVULO GÁSTRICA EM CÃES
REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA – ISSN: 1679-7353
Ano VIII – Número 15 – Julho de 2010 – Periódicos Semestral
SÍNDROME DA DILATAÇÃO VÓLVULO GÁSTRICA EM CÃES –
RELATO DE CASO
RIBEIRO, Letícia
Acadêmica do curso de Medicina Veterinária FAMED/ACEG – Garça-SP
e-mail: letí[email protected]
CABRINI, Tatiana Monici
FRIOLANI, Milena
DIAS, Luis Gustavo G. G.
Docentes do curso de Medicina Veterinária FAMED/ACEG – Garça-SP
e-mail: [email protected]
RESUMO
A síndrome da dilatação vólvulo gástrica se refere a aumento no volume gástrico no
qual o estômago distendido, gira sobre seu eixo, podendo ou não ser agravado por
vólvulo, levando a desordens fisiopatológicas e sistêmicas. Os principais sinais clínicos
são distensão abdominal, timpanismo, náusea e angústia respiratória e o tratamento se
baseia inicialmente na estabilização do paciente, seguida por gastropexia. Afeta,
principalmente, cães de grande porte e o prognóstico é de razoável a bom quando não há
indicação de gastrectomia parcial.
Palavra chave: vólvulo, dilatação gástrica, timpanismo gástrico.
ABSTRACT
The syndrome of gastric dilatation volvulus (Bloat) is a gastric dilatation, which the
distended stomach, turns on its axis, can be or not aggravated by volvulus, leading to
physiological and systemic disorders. The main clinical signs are abdominal distension,
bloating, nausea and respiratory distress and the treatment is based initially on
stabilizing the patient, followed by gastropexy. Affects large dogs and the prognosis are
reasonable to good when there is not indication of partial gastrectomy.
Keyword: volvulus, gastric dilatation, bloats.
1. INTRODUÇÃO
A síndrome da dilatação vólvulo gástrica se refere a duas condições, a primeira
é a dilatação gástrica (distensão do estômago com gás e líquido) e a segunda é o
vólvulo, na qual o estômago distendido, gira sobre seu eixo, podendo agravar o estado
geral do paciente (BURROWS, 1999; FOSSUM, 2005; ELDREDGE, 2007; JOHNSON
Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária é uma publicação semestral da Faculdade de
Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça – FAMED/FAEF e Editora FAEF, mantidas pela Associação
Cultural e Educacional de Garça ACEG. Rua das Flores, 740 – Vila Labienópolis – CEP: 17400-000 –
Garça/SP – Tel.: (0**14) 3407-8000 www.revista.inf.br – www.editorafaef.com.br – www.faef.br.
REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA – ISSN: 1679-7353
Ano VIII – Número 15 – Julho de 2010 – Periódicos Semestral
et al., 2008). É descrito como distúrbio gastrintestinal agudo que leva a desordens
fisiopatológicas e sistêmicas podendo induzir o animal ao óbito (WARD et al., apud
D´ALKIMIN, 2008).
Afeta, principalmente, cães de peito profundo e de grande porte (Dog Alemão,
Pastor Alemão, Setter Irlandês, São Bernardo, Dobermann, Boxer, Sheepdog e Labrador
Retriever) entre 2 a 10 anos de idade com mortalidade em torno de 20% a 68% dos
casos (WILLARD, 1997; BURROWS, 1999; BRANDÃO, 2001; FOSSUM, 2005).
Os fatores que desencadeiam essa síndrome ainda não foram identificados, mas
acredita-se que os elementos de risco incluam idade, conformação corporal magra,
ingestão rápida de grandes volumes de comida e água (distensão gástrica crônica que
pode potencialmente danificar o esvaziamento gástrico), fornecimento de uma única
refeição diária, exercício e estresse pós prandiais e composição alimentar (rações secas
a base de cereais e volumosos) (BURROWS, 1999; JONES, 2000; JOHNSON et al.,
2008).
Os motivos do aumento gástrico decorrem do acúmulo de gás, fluído ou ambos
(FOSSUM, 2005), o mecanismo não é bem conhecido, teorias incluem que o gás possa
ser produzido por Clostridium perfringens, formação de CO2 durante a digestão, e
principalmente aerofagia (McGAVIN et al. apud D´ALKIMIN, 2008). Segundo
Fossum (2005) a secreção gástrica normal e a transudação de fluídos para o interior do
lúmen gástrico como resultado da congestão venosa contribuem com o acúmulo de
líquido.
O presente trabalho tem por finalidade realizar um relato de caso sobre a
síndrome da dilatação volvo gástrica em cães.
2. RELATO DE CASO
Foi encaminhado ao Hospital Veterinário FAMED/FAEF um cão da raça
Akita, sexo feminino, 12 anos de idade pertencente ao canil FAEF/FAMED
Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária é uma publicação semestral da Faculdade de
Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça – FAMED/FAEF e Editora FAEF, mantidas pela Associação
Cultural e Educacional de Garça ACEG. Rua das Flores, 740 – Vila Labienópolis – CEP: 17400-000 –
Garça/SP – Tel.: (0**14) 3407-8000 www.revista.inf.br – www.editorafaef.com.br – www.faef.br.
REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA – ISSN: 1679-7353
Ano VIII – Número 15 – Julho de 2010 – Periódicos Semestral
apresentando prostração e choque. De acordo com o responsável pelo setor o animal se
encontrava deitado em decúbito lateral apresentando exaustão muscular e apatia.
Ao exame físico observou-se aumento abdominal, dispnéia, percussão
abdominal com som timpânico, mucosas hipocoradas, levando a suspeita de dilatação
vólvulo gástrica. O diagnóstico definitivo foi realizado através de exame complementar
com raio-X. Neste foram encontrados achados sugestivos clássicos de dilatação vólvulo
gástrica como distensão excessiva do estômago, caracterizado por área interna
radioluscente mais compartimentação por tecido mole. Juntamente com o raio-X
também foi solicitado hemograma. Os principais achados foram número de plaquetas
30.000/ul e presença de neutrófilos com granulações tóxicas e macroplaquetas.
Diante a constatação da patologia o primeiro procedimento realizado foi a
descompressão do estômago por intubação orogástrica para remover gases e fluído. Foi
instituído juntamente com a descompressão fluidoterapia com cristaloides e terapia com
corticoides (hidrocortisona na dose de 50 mg/kg) e antibioticoterapia (metronidazol na
dose
de 25mg/kg). Terminado os procedimentos de emergência o animal foi
encaminhamento à cirurgia.
Durante a cirurgia, após o reposicionamento anatômico do estômago e
estruturas adjacentes, foi possível verificar as condições clínicas destas. Os principais
achados foram alterações patológicas, indicando necrose, na região fúndica e pilórica
havendo assim, a necessidade de uma gastrectomia parcial em ambas as áreas. O baço
também sofreu alterações culminando em esplenectomia.
Ato contínuo, realizou-se gastropexia do antro pilórico na parede abdominal
direita do animal. É importante salientar que durante este procedimento o cão
apresentou duas paradas respiratórias e uma cardíaca.
Decorrido, aproximadamente, 2 horas após a cirurgia o animal veio a óbito.
Este foi encaminhado para o setor de patologia da FAMED/FAEF para que fosse
realizada a necropsia. Os principais achados no exame interno indicavam mucosa
gástrica moderadamente hiperêmica associado a presença de úlceras gástricas e
Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária é uma publicação semestral da Faculdade de
Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça – FAMED/FAEF e Editora FAEF, mantidas pela Associação
Cultural e Educacional de Garça ACEG. Rua das Flores, 740 – Vila Labienópolis – CEP: 17400-000 –
Garça/SP – Tel.: (0**14) 3407-8000 www.revista.inf.br – www.editorafaef.com.br – www.faef.br.
REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA – ISSN: 1679-7353
Ano VIII – Número 15 – Julho de 2010 – Periódicos Semestral
hiperemia de serosa gástrica, discreta enterite catarral e edema de mucosa intestinal.
Como causa mortis o laudo indicou choque toxêmico.
3. DISCUSSÃO
A dilatação vólvulo gástrica (DVG) corresponde a aumento gástrico rápido em
que o estômago canino gira sobre seu eixo em rotação de 190° e 300° (WILLARD,
1997; BURROWS, 1999; JONES, 2000). Assim, o piloro passa por sob o estômago e
posiciona-se dorsalmente à cárdia gástrica no lado esquerdo, ficando deslocado entre o
esôfago e o estômago, deslocando também o baço para o lado ventral direito do
abdome, assim, obstruindo o fluxo gástrico, causando dilatação (WILLARD, 1997;
FOSSUM, 2005; ELDREDGE, 2007). A progressiva distensão gasosa levará a
compressão das veias cava caudal e veia porta, diminuindo o fluxo venoso e o débito
cardíaco, acarretando em hipotensão arterial, aumento do catabolismo celular e
decréscimo na função renal (JONES, 2000; FRASER apud GUIDOLIN, 2009),
resultando em desidratação aguda (ELDREDGE, 2007), septicemia bacteriana, choque
circulatório, arritmias cardíacas, perfuração gástrica, peritonite e morte (WILLARD,
1997; FOSSUM, 2005; ELDREDGE, 2007).
Os principais sinais clínicos da DVG, inicialmente são distensão abdominal e
timpanismo, seguido de náusea, ânsia de vômito não produtiva, depressão, salivação,
agitação e angústia respiratória. O exame físico revela distensão abdominal com som
timpânico, achados indicativos de hipovolemia ou choque, bradicardia, pulso femoral
fraco, menor tempo de preenchimento capilar, palidez de mucosa e dispneia
(WILLARD, 1997; FOSSUM, 2005; ELDREDGE, 2007; JOHNSON et al., 2008).
Para diferenciar a dilatação simples da dilatação mais vólvulo é necessário a
avaliação radiográfica (FOSSUM, 2005), mas esta só deve ser obtida depois da
estabilização do paciente. A vista em decúbito lateral direito é a melhor neste caso
(WILLARD, 1997) e os principais achados radiográficos sugestivos de DVG incluem
distensão excessiva do estômago por gases, deslocamento dorsal e a esquerda do piloro,
Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária é uma publicação semestral da Faculdade de
Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça – FAMED/FAEF e Editora FAEF, mantidas pela Associação
Cultural e Educacional de Garça ACEG. Rua das Flores, 740 – Vila Labienópolis – CEP: 17400-000 –
Garça/SP – Tel.: (0**14) 3407-8000 www.revista.inf.br – www.editorafaef.com.br – www.faef.br.
REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA – ISSN: 1679-7353
Ano VIII – Número 15 – Julho de 2010 – Periódicos Semestral
deslocamento caudal e a direita do fundo gástrico e compartimentação do estômago
(JOHNSON et al., 2008).
O tratamento médico inicial se baseia na descompressão do estômago por
intubação orogástrica e caso esse procedimento não possa ser realizado é recomendado
à descompressão com agulha calibre 18 e repetir a intubação orogástrica (ELDREDGE,
2007; JOHNSON et al., 2008). O tratamento para choque deve ser instituído juntamente
com a descompressão e monitoramento constante do paciente até sua total estabilização
(FOSSUM, 2005; JOHNSON et al., 2008; MATTHIESEN apud GUIDOLIN, 2009).
Caso esteja ocorrendo o vólvulo há necessidade de cirurgia para recolocar o
estômago em sua posição normal (BURROWS, 1999), e assim, restabelecer o fluxo
sanguíneo, evitar necrose e recidivas (FOSSUM, 2005).
A principal técnica cirúrgica, denominada gastropexia, consiste em aderir o
estômago permanente na parede abdominal direita (FOSSUM, 2005; JOHNSON et al.,
2008). Existem vários tipos de gastropexia (WATSON et al. apud D´ALKIMIN, 2008)
sendo a gastropexia com sonda e gastropexia circuncostal as mais comuns, estas serão
descritas sucintamente a seguir.
A gastropexia com sonda consiste em inserir e fixar a ponta do cateter de Foley
no interior do lúmen gástrico por uma sutura em bolsa de fumo. Antes de iniciar a
cirurgia, coloque quatro fios de sutura absorvíveis entre o antro pilórico e a parede
abdominal, onde a sonda sairá. O estômago deve ser puxado até a parede corporal e
amarram-se os fios de sutura previamente colocados, a sonda é fixada na pele com
padrão de sutura tipo bailarina. Já a gastropexia circuncostal consiste em realizar um
retalho seromuscular em dobradiça em uma ou duas camadas no antro pilórico. Realizase uma incisão sobre a 11ª ou 12ª costela, no nível da junção costocondral formando um
túnel sob a costela, com o auxílio de pinça hemostática introduz o retalho antral gástrico
cranialmente sob a costela e sutura-o na margem gástrica original ou no outro flap
(FOSSUM, 2005).
Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária é uma publicação semestral da Faculdade de
Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça – FAMED/FAEF e Editora FAEF, mantidas pela Associação
Cultural e Educacional de Garça ACEG. Rua das Flores, 740 – Vila Labienópolis – CEP: 17400-000 –
Garça/SP – Tel.: (0**14) 3407-8000 www.revista.inf.br – www.editorafaef.com.br – www.faef.br.
REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA – ISSN: 1679-7353
Ano VIII – Número 15 – Julho de 2010 – Periódicos Semestral
É importante salientar que as condições do baço e estômago devem ser
observadas, se estes estiverem necrosados ou houver trombose esplênica a
esplenectomia e ou gastrectomia parcial deverão ser realizadas (WILLARD, 1997;
FOSSUM, 2005).
Os principais cuidados pós cirúrgicos consistem em monitoração de arritmias
cardíacas, teores séricos de eletrólitos, proteína total e produção de urina. A motilidade
gastrointestinal deve ser estimulada e protetores de mucosa devem ser administrados.
Podem-se oferecer pequenas quantidades de água e alimentos pobres em gorduras
dentro de 24 a 48 horas e a fluidoterapia deve ser mantida até total restabelecimento do
consumo hídrico (FOSSUM, 2005; JOHNSON et al., 2008). O prognóstico é de
razoável a bom quando não há indicação de gastrectomia parcial (JOHNSON et al.,
2008).
Cães que respondem a tratamento não cirúrgico possuem 70% de chance de ter
outro episódio de DVG e este pode ser evitado seguindo algumas práticas como dividir
a ração do dia em várias frações, levantar comedouros, restringir o acesso a água uma
hora antes e uma após a alimentação e evitar exercícios após alimentação (ELDREDGE,
2007; JOHNSON et al., 2008).
4. CONCLUSÃO
A síndrome da dilatação vólvulo gástrica (DVG) é um distúrbio gastrintestinal
agudo que causa desordens fisiopatológicas e sistêmicas, comum em cães de raças
grandes e que pode levar o animal ao óbito. É considerada emergência clínica e
cirúrgica, portanto, necessita de diagnóstico e intervenção precoces, além do tratamento
de problemas coexistentes para aumentar a sobrevida dos animais acometidos.
5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BRANDÃO, C. V. S. et al. Análise retrospectiva de 34 casos de dilatação vólvulo
gástrica em cães (1995-2000) Rev. Educ. contin. CRMV·SP, volume 4, fascículo 3, p.
84·89. 2001.
Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária é uma publicação semestral da Faculdade de
Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça – FAMED/FAEF e Editora FAEF, mantidas pela Associação
Cultural e Educacional de Garça ACEG. Rua das Flores, 740 – Vila Labienópolis – CEP: 17400-000 –
Garça/SP – Tel.: (0**14) 3407-8000 www.revista.inf.br – www.editorafaef.com.br – www.faef.br.
REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA – ISSN: 1679-7353
Ano VIII – Número 15 – Julho de 2010 – Periódicos Semestral
BURROWS, C. F. Sistema Digestório. In: GOLDSTON, R.T. Geriatria e
Gerontologia do Cão e do Gato. 1 ed. São Paulo: Roca, 1999, pg 185 a 226.
D´ALKIMIN, F. B. Gastropexia na síndrome dilatação-volvo gástrica. 2008. 62f.
Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização). Universidade Castelo Branco,
Londrina, 2008.
ELDREDGE, D. M. The Digestive System. In: ELDREDGE, D. M. Dog Owner’s
Home Veterinary Handbook. 4 ed. New Jersey: Wiley, 2007, pg 255 à 309
FOSSUM, T. W. et al. Cirurgia do Sistema Digestório In: FOSSUM, T. W. et al.
Cirurgia de Pequenos Animais. 2 ed. São Paulo: ROCA, 2005, p.306-312,
GUIDOLIN, L. L. Dilatação gástrica-vólvulo em cães: revisão de literatura. 2009. 41f.
Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização), Universidade Federal Rural do SemiÁrido, Porto Alegre, 2009.
JOHNSON, S. E. et al. Doenças do Estômago. In: BIRCHARD, S. J.; SHERDING, R.
G. Manual Saunders Clínica de Pequenos Animais. 3ed. São Paulo: Roca, 2008, pg
708 a 718.
JONES, T. C. et al. Sistema Digestivo. In: JONES, T. C. et al. Patologia Veterinária. 6
ed. Barueri: Manole, 2000, pg 1063 a 1130.
WILLARD, M. D. Afecções do Estômago. In: ETTINGER, S.; FELDMAN, E.
Tratado de Medicina Interna. 4 ed. São Paulo: Manole, Vol 2, 1997, pg. 1583 a 1617.
Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária é uma publicação semestral da Faculdade de
Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça – FAMED/FAEF e Editora FAEF, mantidas pela Associação
Cultural e Educacional de Garça ACEG. Rua das Flores, 740 – Vila Labienópolis – CEP: 17400-000 –
Garça/SP – Tel.: (0**14) 3407-8000 www.revista.inf.br – www.editorafaef.com.br – www.faef.br.
Fly UP