...

bence jones, proteína de

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

bence jones, proteína de
BENCE JONES, PROTEÍNA DE
CADEIAS LEVES KAPPA E LAMBDA
CBHPM 4.03.11.20-1
AMB 28.13.033-2
Sinonímia:
PBJ. BJP. Pesquisa de cadeias leves kappa () e lambda (). Paraproteínas. Proteína M. Proteína
Monoclonal.
Fisiologia:
Paraproteína posta em evidência pelo inglês Dr. Henry Bence Jones em 1845, presente no soro
e na urina. Trata-se de uma variedade de albumose, produto da digestão incompleta das
proteínas. Essa molécula apresenta a mesma estrutura química das cadeias leves Kappa e
Lambda das imunoglobulinas monoclonais.
Material Biológico:
Urina de 24 horas. Soro.
Coleta:
Alíquota de 40 ml de urina de 24 horas.
1,0 ml de soro.
Armazenamento:
Urina: congelar a amostra a -20ºC.
Não estocar em freezer tipo frost-free.
Soro: conserva-se até 3 dias refrigerado entre +2 a +8ºC
Exames Afins:
Imunoeletroforese de proteínas séricas.
Valor Normal:
URINA
Bence Jones
Bandas de  e 
SORO
Kappa ()
Lambda ()
Negativo ou inferior a 1,45 g/l
Ausentes
566,0 a 1.300,0 mg/dl
304,0 a 735,0 mg/dl
Preparo do Paciente:
Soro: Jejum de 4 ou mais horas. Água ad libitum.
Urina: Manter a urina em geladeira durante todo o período de coleta.
Interferentes:
A prova de calor é relativamente pouco sensível e não permite detectar a PBJ em quantidades
abaixo de 1,45 g/l, além do mais, não é específica, pois outras proteínas como a transferrina
podem dar um resultado falso-positivo.
Método:
Imunofixação. Nefelometria. IDR – Imunodifusão radial. Teste de Harrison (prova do calor).
Interpretação:
AUMENTO:
Mieloma múltiplo. D. de Kahler. Gamapatia monoclonal maligna. Macroglobulinemia de
Waldenström. Albumosúria. Osteomalacia. Leucemias. Policitemia vera. Metástases ósseas.
Hiperparatireoidismo. Câncer. Cirrose hepática. Afecções acompanhadas de inflamação crônica.
DD. auto-imunes. Fraturas ósseas múltiplas. Tuberculose inativa. Sarcoma osteogênico.
Amiloidose.
Obs.: O nível das paraproteínas é um marcador útil no monitoramento da resposta à
terapêutica.
CLASSIFICAÇÃO DAS GAMAPATIAS MONOCLONAIS:
Progressivas com evidência clínica
1. DD. malignas derivadas de linfócitos B:
1.1. Mieloma múltiplo e suas variantes
1.2. Plasmocitoma
1.3. DD. linfoproliferativas
1.3.1. Macroglobulinemia de Waldenström
1.3.2. Linfoma não Hodgkiniano
1.3.3. Leucemia linfocítica crônica
1.3.4. D. das cadeias pesadas
2. DD. relacionadas às propriedades dos componentes monoclonais:
2.1.
2.2.
2.3.
2.4.
2.5.
2.6.
Crioglobulinemia tipo II
Amiloidose tipo de cadeia leve (AL-amiloidose)
Polineuropatias
D. de deposição de cadeias leves/pesadas
Aglutininas frias crônicas
Anormalidades hemostáticas
Estáveis sem evidência clínica
1. Gamapatia monoclonal de significado indeterminado
2. Gamapatia monoclonal benigna
Transitórias sem evidência clínica
1.
2.
3.
4.
Infecções pediátricas
Transferência passiva do sangue materno
Infecções virais
Reconstituição consequente a transplante de medula óssea
Sitiografia:
E-mail do autor: [email protected]
Fly UP