...

sistema de testes de viena

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

sistema de testes de viena
SISTEMA DE TESTES DE VIENA
CATÁLOGO
INFOTESTE – CENTRO DE ESTUDOS E DIAGNÓSTICO PSICOLÓGICO COMPUTORIZADO, S.A.
Av. 5 de Outubro, 70 - 3º Andar │ 1050-059 LISBOA │ Tel. 21 793 70 70 │ Fax: 21 793 08 90
Capital Social: 105.000,00 Euros │ NPC: 501748849
www.infoteste.pt │ email: [email protected]
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
O SISTEMA DE TESTES DE VIENA – BREVE DESCRIÇÃO
Com o desenvolvimento e a aplicação das mais
modernas tecnologias, foi possível tornar
simples e exequível a fusão do diagnóstico
psicológico com o Sistema de Testes de Viena
(VTS).
O VTS é constituído por um software
especificamente desenvolvido para responder
aos requisitos da Psicometria, pelos vários
testes e por diversos meios de introdução das
respostas.
Para fins de diagnóstico, está disponível – de acordo com o respectivo campo de aplicação – uma
gama completa de testes:
Existe, no mercado, uma grande variedade de testes psicológicos, da Psicometria clássica. A firma
Schuhfried, no entanto, tem vindo a desenvolver cada vez mais testes adaptativos e com recurso à
multimédia, com base em tecnologias inovadoras e na “Psicometria moderna”.
A utilização do sistema de testes é simples e intuitiva e não requer quaisquer conhecimentos
informáticos específicos. No desenvolvimento do sistema foi dada ênfase especial a uma construção
compreensível e a uma configuração homogénea. Deste modo, o programa, concebido com estruturas
comparáveis às do Windows, conduz o utilizador passo a passo.
Os meios de introdução das respostas e os aparelhos periféricos adaptados ao utilizador permitem um
trabalho cómodo e correcto, mesmo com pessoas sem experiência com computadores.
Para a realização dos testes, estão disponíveis os seguintes meios de introdução das respostas:
• Aparelhos periféricos
• Ecrã de toque
• Painel de respostas
• Teclado do PC
• Lightpen
• Rato
A selecção dos testes é feita através de um sistema de ficheiro estruturado. Um catálogo com
informações sobre cada um dos testes, facilita a selecção.
Na apresentação do teste em computador, as instruções intercaladas com fases de treino asseguram a
compreensão da tarefa. Os feedbacks acústicos e visuais tornam a realização do teste estimulante e
económica.
Os resultados dos testes são apresentados de forma clara e podem ser imprimidos de imediato,
seleccionando-se de modo flexível as opções de impressão. Através da transferência directa dos
resultados para um programa de processamento de texto, a elaboração do diagnóstico é facilitada e
acelerada. Os resultados ao nível dos itens são armazenados numa base de dados do examinado e
podem ser trabalhados com um programa de estatística corrente (Excel, SPSS). O Sistema de Testes de
Viena transforma-se deste modo num verdadeiro instrumento de investigação.
-2Catálogo do Sistema de Testes de Viena
Seja com um computador portátil, com um computador convencional, em rede para avaliação local de
grupos ou para avaliações geograficamente descentralizadas, com equipamento standard ou com meios
de introdução de respostas específicos – a flexibilidade do VTS torna-o adequado aos diferentes
utilizadores.
Além disto, realizamos regularmente acções de formação, tendo em vista familiarizar os utilizadores
com o Sistema de Testes de Viena e fazer uma introdução ao diagnóstico psicológico informatizado.
Os nossos psicólogos zelam por uma actualização contínua dos testes através da construção de normas
adaptadas à população portuguesa. A Infoteste desenvolve, também, projectos e estudos quer
internamente quer em colaboração com institutos, empresas e clínicas.
Representação Mundial
A orientação internacional da empresa Dr. G. Schuhfried exige a apresentação do Sistema de
Testes em várias línguas.
O Software básico do Sistema de Testes de Viena está disponível em 7 diferentes línguas, alguns
programas de testes estão disponíveis em 19 línguas. Para além da tradução dos programas, foi dada
especial atenção à adaptação a diferentes culturas.
-3Catálogo do Sistema de Testes de Viena
MEIOS DE INTRODUÇÃO DAS RESPOSTAS
O rato e o teclado permitem realizar muitos testes no Sistema de Testes de Viena (VTS). Contudo,
nem todos os examinados se adaptam bem a estes meios e podem, eventualmente, ser
prejudicados. Assim, foram desenvolvidos meios ergonómicos de introdução das respostas, como
por exemplo, o lightpen – que pode ser utilizado adicionalmente ao teclado corrente do PC, ao rato
ou ao ecrã de toque. Ao seleccionar os meios de introdução de resposta mais ajustados a cada
examinado, para cada um dos testes, aumentam-se a motivação e a aceitação do examinado.
Lightpen
O lightpen é preferido por examinados que não
trabalham frequentemente com um computador.
Para a introdução das respostas, encontram-se no
ecrã determinados alvos. Estes iluminam-se quando
o examinado os toca com o lightpen. O registo da
resposta é confirmado através do surgimento de
uma cruz.
Painéis de Resposta
Foram desenvolvidos dois painéis de resposta especiais para garantir uma introdução de respostas
cómoda, que são utilizáveis na apresentação de muitos testes:
Painel de Resposta Standard:
• 7 teclas coloridas
• 10 teclas numéricas
• 1 tecla-sensor
• conexão para pedais
• porta-USB
Painel de Resposta Universal:
• 7 teclas coloridas
• 10 teclas numéricas
• 1 tecla-sensor
• 2 manípulos
• 2 joysticks analógicos
• conexão para pedais
• porta-USB
-4Catálogo do Sistema de Testes de Viena
Painel de Performances Motoras
Teste correspondente: Bateria de Testes de Performances Motoras (MLS)
A Bateria de Testes de Performances Motoras é uma prova precisa e altamente especializada, que foi
desenvolvida com base nos estudos de análise factorial da motricidade fina de Fleishmann. São
avaliadas as dimensões dinâmicas e estáticas dos movimentos dedo-mão-braço.
O painel do MLS é constituído por:
•
•
•
•
•
Orifícios de diferentes diâmetros para a prova
da Segurança, com uma ou ambas as mãos.
Um sulco sinuoso e labiríntico para a prova do
Labirinto, com uma mão.
Duas linhas com 20 pontos de contacto cada
uma, para a prova da Precisão, com uma ou
com ambas as mãos.
25 pequenos orifícios, dos lados esquerdo e
direito do painel, para a inserção de pinos, com
uma ou ambas as mãos.
Duas pequenas placas de metal para a prova de
Tapping com uma ou ambas as mãos.
Aparelho de Visão Auto-Cinética
Teste correspondente: Análise da Frequência de
Cintilação (FLIM)
A análise da frequência de cintilação permite
avaliar a activação do Sistema Nervoso Central
(estado de alerta).
•
•
Estímulo luminoso de 10.0 a 80.0 Hertz em
intervalos de 0.1 Hertz.
Pequena influência de variáveis fisiológicas e
físicas perturbadoras.
Aparelho de Percepção Periférica
Teste correspondente: Percepção Periférica (PP)
Este teste permite avaliar a capacidade de
percepcionar e processar estímulos periféricos.
A atenção do examinado é dirigida para o centro do
campo visual, enquanto realiza uma tarefa de
tracking. Simultaneamente, são apresentados
estímulos luminosos periféricos, aos quais o
examinado deve reagir selectivamente.
•
•
•
Display periférico: matriz LED, de 8 linhas x 64
colunas.
Estímulos luminosos do centro para a periferia
do campo visual.
A avaliação da distância por ultra-som
determina a posição da cabeça do
examinado.
-5Catálogo do Sistema de Testes de Viena
O PROGRAMA DO SISTEMA DE TESTES DE VIENA
Para que seja possível aceder rapidamente às funções do Sistema de Testes de Viena, o programa do
VTS é apresentado sob a forma de ficheiro, de modo claro e intuitivo. Assim, é possível ver de imediato
em que nível de funções o utilizador se encontra.
O programa é constituído por quatro ficheiros
principais: Testes, Avaliação, Lista de
Examinados e Configuração.
No ficheiro Lista de Examinados podem ser
registados novos examinados e modificados os
dados de examinados já existentes no sistema.
O ficheiro Testes é utilizado para seleccionar e
apresentar testes individualmente ou baterias
de testes.
Através das funções do ficheiro Configuração,
podem ser efectuadas importantes definições
no sistema de testes, ajustando-as às
exigências do utilizador. Pode-se, por exemplo,
determinar o modo de introdução das
respostas, instalar novos testes, determinar as
opções para a apresentação dos resultados e
definir autorizações de acesso.
No ficheiro Avaliação encontra-se a base de
dados das avaliações dos examinados. É através
desta função que os resultados dos testes são
imprimidos.
-6Catálogo do Sistema de Testes de Viena
AVALIAÇÃO COM O SISTEMA DE TESTES DE VIENA
Selecção dos Testes
Os
testes
podem
ser
seleccionados
individualmente ou em baterias.
Selecção de Testes Individuais
Quando o utilizador está familiarizado com os
diferentes testes, é possível seleccionar testes
individualmente, pela sua denominação.
Contudo, quando não se sabe qual o teste mais
adequado,
é
possível
seleccionar
um
determinado teste segundo as dimensões a
avaliar, a partir de um catálogo de dimensões.
Pode-se, depois, aceder à descrição do teste
através da tecla “Info”.
Versões do Teste
Muitos testes estão disponíveis em várias
versões, que se diferenciam, por exemplo, pela
sua duração ou grau de dificuldade. As várias
versões foram concebidas para utilização em
populações específicas (por exemplo, crianças)
ou para determinadas finalidades (por
exemplo, screening). Assim, é possível
introduzir de, modo flexível, um mesmo teste
para problemas diferenciados.
Baterias de Testes
Além da apresentação de testes individuais,
podem ser apresentadas baterias de testes
completas. Após a apresentação do último item
de um teste, o programa selecciona
automaticamente
o
teste
seguinte.
A
apresentação de uma bateria de testes
completa torna-se, deste modo, tão cómoda
como a apresentação de um teste individual.
Para
assegurar
uma
padronização
da
apresentação dos testes, por vezes é útil
definir as baterias previamente, gravá-las e
colocá-las à disposição do operador de testes.
Este pode seleccionar a bateria directamente e
apresentá-la, quando necessário. Dependendo
das questões psicológicas em causa, pode-se
definir uma “bateria de testes para
Neuropsicologia”, uma “bateria de testes para
Psicologia do Tráfego” ou uma “bateria de
testes para Orientação Vocacional”.
Para reduzir a duração de um teste, o Sistema
de Testes de Viena possibilita a construção de
baterias de testes com condições de
apresentação. A apresentação de um teste fica,
então, condicionada a um determinado
resultado no teste anterior.
Selecção do Idioma
Uma vez que o Sistema de Testes de Viena é
utilizado internacionalmente, está disponível
em vários idiomas. Independentemente do
idioma do programa, podem ser seleccionados
idiomas diferentes para a apresentação do
teste e para a emissão dos resultados. É
possível, por exemplo, manter o programa em
português, mas apresentar o teste em turco e
os resultados em inglês. Esta selecção flexível
dos idiomas já se mostrou de valor na prática.
-7Catálogo do Sistema de Testes de Viena
AVALIAÇÃO COM O SISTEMA DE TESTES DE VIENA
Realização do Teste
Após a selecção do teste ou da bateria de
testes, são introduzidos os dados do
examinado, e o teste é iniciado.
Instruções
Todos os testes começam com uma fase de
instruções para o examinado que, regra geral, é
apresentada no ecrã. Em alguns casos, como na
avaliação de crianças que ainda não sabem ler,
o operador deve dar as instruções.
Fase de Teste
O examinado responde, então, aos itens do
teste. Isto acontece sem a influência do
operador,
assegurando-se
uma
elevada
objectividade. Se o operador dispuser de um
sistema de dois monitores (vide funções
adicionais), é possível acompanhar o decorrer
do teste através do seu monitor.
Fase de Treino
Segue-se a fase de treino, na qual o examinado
é familiarizado com o teste e é assegurada a
compreensão da tarefa. As fases de instruções
e de treino estão frequentemente interligadas
e construídas em níveis, segundo as regras da
aprendizagem programada. Assim, a tarefa é
compreendida de modo especialmente rápido –
caso contrário, o operador é informado.
Avaliação do Teste
A avaliação dos resultados pode ser feita imediatamente após a conclusão do teste ou da bateria de
testes. Os resultados são apresentados individualmente, sob a forma de tabelas ou de gráficos.
Nas tabelas de resultados são indicados os resultados brutos obtidos, assim como os respectivos
resultados normalizados. Estes valores comparativos referem-se à amostra geral ou a amostras parciais,
construídas por idade, sexo, nível de escolaridade ou outro critério. Os valores normalizados estão
disponíveis em percentis, notas-T e/ou valores-Z. No caso de alguns testes, são utilizados ainda outros
resultados normalizados, como por exemplo, valores de QI (nos testes de inteligência) ou estaninos.
Nos casos em que estão disponíveis as fiabilidades, são indicados também os intervalos de confiança.
-8Catálogo do Sistema de Testes de Viena
A apresentação sob a forma de perfil, a cores, permite que a informação seja percebida rapidamente.
Como a área que corresponde aos valores normais é destacada a cinzento, os desvios são claramente
visíveis.
A matriz de respostas permite ver as respostas dadas pelo examinado, assim como o tempo de
realização por item. Para além disso, é possível verificar se foram feitas correcções de respostas.
Em alguns questionários, está disponível uma matriz de análise dos itens com as questões formuladas e
as respostas assinaladas.
O operador pode ajustar a extensão da avaliação a uma forma simples, de modo a que sejam
apresentados apenas os resultados que considera relevantes. Com isto, é dada ao utilizador a liberdade
de configurar a impressão.
Em alguns casos é de interesse que o
examinado repita um determinado teste após
uma intervenção (por exemplo, treino
cognitivo). Para a comparação rápida dos
resultados dessas repetições, o Sistema de
Testes de Viena pode apresentar a comparação
dos perfis. Neste modo de avaliação especial,
os perfis de cada uma das realizações do teste
são directamente sobrepostos. Assim, todas as
alterações são de imediato reconhecíveis. As
curvas dos perfis individuais são apresentadas
com cores diferentes ou com diferentes tipos
de traçado.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-9-
AVALIAÇÃO COM O SISTEMA DE TESTES DE VIENA
Exportação-Importação de Dados
Para o processamento estatístico posterior, todos os dados (resultados brutos e/ou normalizados das
variáveis dos testes) podem ser exportados para um programa estatístico corrente (como o Excel ou o
SPSS). É também possível a construção de um ficheiro ASCII.
A “permuta” de dados dos examinados entre dois Sistemas de Testes de Viena (VTS) é possível e muito
simples: os conjuntos de dados são importados através da rede ou de uma disquete para o outro
Sistema de Testes de Viena.
Transferência de Resultados para Processador de Texto
Os resultados dos testes podem ser transferidos do Sistema de Testes de Viena para um processador de
texto, facilitando a elaboração de diagnósticos, pareceres ou relatórios. No caso mais simples, as
apresentações dos resultados são copiadas para um programa de processamento de texto (por exemplo,
o WinWord).
-10Catálogo do Sistema de Testes de Viena
FUNÇÕES ADICIONAIS
A Função Ajuda
O Sistema de Testes de Viena contém uma
função de Ajuda abrangente e ajustada ao
contexto. Desde a instalação e utilização do
VTS, passando por sugestões e dicas, até às
referências bibliográficas, encontram-se todas
as informações necessárias.
A função de Ajuda do VTS está subdividida em:
• Fundamentos do Diagnóstico Psicológico
Informatizado
• O Sistema de Testes de Viena
• O Test-Generator
• Update-Info
• Documentação de testes
O Programa de Verificação do Hardware
Por meio do teste de hardware pode ser
verificada a capacidade funcional dos
componentes do sistema de testes. Após a
verificação, é apresentado no ecrã um
relatório, que também pode ser imprimido.
2 Monitores – 1 Sistema de Testes
A utilização de um único monitor, partilhado
pelo operador e pelo examinado, é
frequentemente pouco prática. O interface do
lightpen permite conectar dois monitores, de
modo que o operador pode, no seu monitor,
observar o decorrer do teste e, se necessário,
intervir. O monitor do examinado destina-se
exclusivamente à apresentação do teste.
Programas de Avaliação para Testes em
Papel-e-Lápis
Frequentemente, é de interesse aplicar testes
em papel-e-lápis, contudo efectuar a sua
avaliação e a gestão dos dados em computador.
No Sistema de Testes de Viena existe um
programa específico para este fim. As respostas
do examinado, constantes da folha de
respostas, são introduzidas através do teclado,
ou do scanner. Os resultados dos testes podem,
então, como é usual no Sistema de Testes de
Viena, ser apresentados no ecrã, imprimidos ou
mesmo
exportados.
Todas
as
normas
comparativas estão, também, disponíveis.
Tabela de Normas - Explorador
Para cada teste instalado, é feita a
correspondência dos resultados brutos de todas
as variáveis com os percentis e com as notas-T
(e/ou com os resultados normalizados próprios
do respectivo teste, por ex., nota-Z ou
estanino) e apresentada sob a forma de tabela.
Quando disponíveis, são apresentadas também
as fiabilidades. Regra geral, são indicadas as
dimensões das amostras, a distribuição por
sexo, por grupos etários e por nível de
escolaridade.
Cálculo do Escalonamento
Na utilização do Sistema de Testes de Viena no
âmbito da selecção de pessoal, a função de
escalonamento permite um acesso rápido e
eficiente ao melhor candidato para uma
determinada função. Para tal, basta criar uma
bateria de testes adequada, criar um perfil de
requisitos, aplicar a bateria de testes a todos
os candidatos e solicitar o cálculo do
escalonamento. O perfil de requisitos pode
conter dois tipos de variáveis:
- Variáveis dos testes (valores normalizados
com base em percentis)
- Variáveis adicionais (campos da base de dados
dos examinados, definidos pelo próprio
utilizador).
-11Catálogo do Sistema de Testes de Viena
SISTEMAS EM REDE
A utilização do Sistema de Testes de Viena em
rede possibilita muitas aplicações práticas:
Impressão
A impressão dos resultados dos testes ou de
outras informações pode ser feita através da
rede numa impressora central.
Utilização da Base de Dados
Todos os dados dos examinados e resultados
dos testes podem ser memorizados numa base
de dados central. Isto tem vantagens, por
exemplo, numa clínica, quando um paciente é
transferido de uma unidade para outra. O
psicólogo da nova unidade pode aceder aos
dados do paciente de forma imediata. Não é
necessária a transferência de dados por
disquete.
Licença de Servidor
Caso se pretenda uma contagem das aplicações
do teste, pode ser inserida uma licença na
rede, à qual acedem os sistemas de testes
individuais da rede. A contagem das aplicações
é feita centralmente e as avaliações em si de
forma descentralizada.
Configurações
Num sistema em rede podem ser utilizadas em
conjunto
as
configurações
definidas
centralmente, como baterias de testes,
definições da base de dados dos examinados,
opções de exportação de dados e avaliações
das baterias de testes. Assim, por exemplo, as
baterias que foram definidas num sistema
podem ser utilizadas em todos os sistemas da
rede. Em grandes empresas, que dispõem de
sistemas em rede em diversas salas ou mesmo
em locais geográficos distintos, é possível um
técnico definir baterias de testes no Porto e as
mesmas serem utilizadas num sistema em Faro.
Sistema Multiposto
No caso de ser necessário avaliar um grande
número de examinados, recomenda-se um
sistema multiposto. Este é constituído por um
posto de trabalho para o operador e vários
postos de trabalho para os examinados.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
O posto de trabalho do operador serve para o
controlo dos postos dos examinados e para a
gestão dos dados. No posto do operador são
recenseados os dados dos examinados,
preparadas as baterias de testes e realizadas as
avaliações.
O sistema de testes em multiposto tem duas
funções que apoiam substancialmente as
avaliações: o monitor de controlo e o Auto-Teste.
O Monitor de Controlo
O monitor de controlo é um programa próprio
que se destina ao controlo e comando dos
postos de trabalho dos examinados num
sistema multiposto. É inicializado no posto de
trabalho do operador e apresenta a seguinte
informação para cada posto de trabalho do
examinado:
• Bateria de teste actual
• Duração desde o início da bateria
• Teste e versão actuais
• Duração do teste actual
• Dados do examinado
• Indicações diversas (p. ex. se o examinado
necessita da ajuda do operador)
Nos diversos postos de trabalho, os examinados
podem realizar os testes simultaneamente, mas
de modo completamente independente uns dos
outros e ao seu próprio ritmo. Em cada posto
de trabalho podem ser apresentados diferentes
testes ou baterias de testes. Em geral, nos
postos de trabalho é utilizada a função de
Auto-Teste.
Auto-Teste
O Auto-Teste é específico para a utilização de
sistemas em multiposto. Esta função permite
ao operador preparar com antecedência as
avaliações dos diferentes examinados. No início
do exame, todos os examinados introduzem um
código de identificação num posto de trabalho
aleatório, onde serão depois apresentadas as
baterias de testes pré-definidas. Após a
avaliação, pode ser feita a impressão
automática dos resultados.
-12-
A PROTECÇÃO DE DADOS
O Sistema de Testes de Viena prevê a
protecção dos dados através de funções que
impedem a utilização incorrecta do sistema e
dos dados obtidos – especialmente aqueles
relativos aos examinados.
Os itens dos testes e os dados dos examinados
são arquivados em código.
A licença de utilização pode ser protegida de
modo progressivo, através de três senhas que
determinam os seguintes níveis de segurança:
1. São permitidas todas as funções do sistema
de testes.
2. Não podem ser construídas ou modificadas
quaisquer baterias de testes, alteradas
configurações básicas e instalados ou
apagados quaisquer testes. Não há,
contudo, restrições ao acesso à base de
dados.
3. O sistema é utilizável exclusivamente para
a apresentação de testes; todas as outras
funções estão vedadas. Os conjuntos de
dados memorizados durante a apresentação
dos testes podem ser imprimidos no final
da apresentação. O acesso a outros dados
da base de dados não é permitido.
-13Catálogo do Sistema de Testes de Viena
PROGRAMA DE CONSTRUÇÃO DE TESTES – O TEST-GENERATOR
Muitos clientes utilizam testes desenvolvidos
por eles próprios e pretendem apresentá-los
através do Sistema de Testes de Viena.
Por intermédio do Test-Generator é possível
construir os próprios programas de testes para
o VTS, de modo a responder ainda melhor às
necessidades de cada utilizador. Para a
construção
dos
próprios
testes,
estão
disponíveis as mesmas funções que para os
outros testes do Sistema de Testes de Viena.
Vantagens:
• Não requer qualquer conhecimento de
programação
• Construção de testes com um dispêndio
mínimo de tempo
• É possível a construção de normas próprias
ou a importação de normas
• Máxima flexibilidade e possibilidades de
configuração individuais
O Test-Generator
questionários (TQ)
taquistoscópio (TT).
está disponível para
e para testes em
Os questionários podem ser construídos como
testes de desempenho ou de personalidade.
Para esta finalidade, podem introduzir-se as
questões directamente no Test-Generator ou
aceder a possibilidades de configuração
multimédia: gráficos, fotos, apresentações
scannerizadas, ficheiros de áudio e vídeo.
Na construção de testes de taquistoscópio,
podem integrar-se as imagens ou séries de
imagens pretendidas e definir a duração de
apresentação. Mesmo as questões que são
colocadas ao examinado, após a apresentação
das figuras em taquistoscópio, podem ser
facilmente construídas.
Para os testes construídos pelo cliente com o
Test-Generator, é possível utilizar todos os
meios de introdução de resposta disponíveis
(lightpen, painel de respostas, rato, teclado do
PC). A avaliação dos testes é feita segundo o
modo padronizado do VTS. Assim, obtêm-se
automaticamente tabelas de resultados, perfis
e matrizes de respostas.
Para a avaliação, podem ser definidas as
variáveis dos testes pretendidas, com
designações seleccionadas livremente. Como
escalas de normas estão disponíveis tanto as
escalas de notas-T, notas-Z, QI, estaninos,
valores-Sten e C11.
O Test-Generator representa um padrão que se
baseia nas experiências e conhecimentos
adquiridos ao longo de uma história de
desenvolvimento de mais de duas décadas do
Sistema de Testes de Viena, e que leva em
consideração o estado actual da Psicologia e da
Tecnologia.
SERVIÇO DE APOIO A CLIENTES
Para qualquer informação sobre questões de software ou de hardware, contacte-nos através do
telefone 21 790 70 70 ou através do nosso e-mail [email protected]
Updates
Para que o cliente possa trabalhar sempre com a versão mais actual do Sistema de Testes de Viena,
estão disponíveis updates. Através destes, o cliente recebe todas as actualizações relativamente às
normas, às versões do teste e às funções de utilização. Para além disso, o software é regularmente
adaptado aos mais modernos padrões tecnológicos.
-14Catálogo do Sistema de Testes de Viena
PROGRAMAS DE TESTES
-15Catálogo do Sistema de Testes de Viena
MATRIZ DE TESTES
Testes de Inteligência
IBF – Funções Básicas da Inteligência
Teste de Inteligência Não Verbal
AMT – Teste Adaptativo de Matrizes
APM – Teste das Matrizes Progressivas Avançadas
CPM – Teste das Matrizes Progressivas Coloridas
FOLO – Teste de Raciocínio Lógico
SPM – Teste das Matrizes Progressivas Standard
Testes de Aptidões Gerais
ALS – Bateria de Testes de Performances de Trabalho
COG – Teste Cognitivo
DAUF – Teste de Atenção Contínua
DT – Teste de Reacções Complexas e Múltiplas em Ecrã
RA – Teste de Análise do Tempo de Reacção
RT – Teste de Reacções Simples e de Escolha em Ecrã
SIGNAL – Teste de Detecção de Sinais
VIGIL – Teste de Vigilância
Testes de Aptidões Específicas
2HAND – Teste de Coordenação Bimanual
A3DW – Teste Adaptativo de Representação Espacial
CORSI – Teste de "Block-Tapping" de Corsi
DAKT – Teste Diferencial de Atenção
FVW – Teste de Reconhecimento Visual Contínuo
IGS – Teste de Memória Incidental
LVT – Teste do Labirinto
MLS – Bateria de Testes de Performances Motoras
MTA – Teste de Capacidade Técnico-Mecânica
PERSEV – Teste de Perseverança
PP – Teste de Percepção Periférica
PST – Teste Espacial para Pilotos
SMK – Teste de Coordenação Sensório-Motora
STROOP – Teste de Interferência de Stroop
TAVTMB – Teste de Tráfego de Mannheim
VISGED – Teste de Memória Visual
ZBA – Teste de Antecipação do Tempo e do Movimento
Testes Factoriais de Personalidade
AHA – Teste de Atitudes Laborais
DSI – Inventário Diferencial do Stresse
EPP6 – Perfil de Personalidade de Eysenck (Versão 6)
FET – Teste de Capacidade de Liderança
IVPE – Inv. Traços Personalidade relev. para Condução
MMG – Multi-Motive-Grid
SBUSB – Avaliação do Stresse e Insatisfação Profissional
WRBTV – Teste de Predisposição para o Risco (Tráfego)
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-16-
Matriz de Testes (Continuação)
Testes de Atitudes e Interesses
AIST – Teste Estrutural de Interesses Gerais
FIT – Teste de Interesses de Tempos Livres
MOI – Bateria de Testes de Interesses – Multimodal
Testes Auto-Descritivos do Comportamento
ABI – Questionário de Controlo da Ansiedade
FBS – Questionário de Avaliação do Risco de Suicídio
FFT – Funções Psicossociais do Consumo de Álcool
GAT – Teste de Assertividade de Graz
KOEPS – Aval. de Sintomas Físicos, Psíquicos e Sociais
POMS – Perfil de Estados de Humor
UFB – Questionário de Insegurança
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-17-
ÍNDICE DE TESTES
2HAND - Teste de Coordenção Bimanual
20
ABI - Questionário de Controlo da Ansiedade
22
AHA – Teste de Atitudes Laborais
24
AIST – Teste Estrutural de Interesses Gerais
26
ALS - Bateria de Testes de Performances de Trabalho
28
AMT – Teste Adaptativo de Matrizes
30
APM - Teste das Matrizes Progressivas Avançadas
32
A3DW – Teste Adaptativo de Representação Espacial
34
COG - Teste Cognitivo
36
CORSI – Teste de "Block-Tapping" de Corsi
38
CPM – Teste das Matrizes Progressivas Coloridas
40
DAKT - Teste Diferencial de Atenção
42
DAUF - Teste de Atenção Contínua
44
DSI – Inventário Diferencial do Stresse
46
DT - Teste de Reacções Complexas e Múltiplas em Ecrã
48
EPP6 - Perfil de Personalidade de Eysenck – Versão 6
50
FBS – Questionário de Avaliação do Risco de Suicídio
52
FET – Teste de Capacidade de Liderança
54
FFT – Questionário das Funções Psicossociais do Consumo de Álcool
56
FIT – Teste de Interesses de Tempos Livres
58
FOLO – Teste de Raciocínio Lógico
60
FVW – Teste de Reconhecimento Visual Contínuo
62
GAT - Teste de Assertividade de Graz
64
IBF – Funções Básicas da Inteligência
66
IGS – Teste de Memória Incidental
68
IVPE – Inventário de Traços de Personalidade relevantes para a Condução
70
KOEPS – Questionário de Avaliação de Sintomas Físicos, Psíquicos e Sociais
72
LVT – Teste do Labirinto
73
MLS – Bateria de Testes de Performances Motoras
75
MMG – Multi-Motive-Grid
77
MOI – Bateria de Testes de Interesses Multimodal
79
MTA – Teste de Capacidade Técnico-Mecânica
81
PERSEV – Teste de Perseverança
83
POMS – Perfil de Estados de Humor
85
PP – Teste de Percepção Periférica
86
PST – Teste Espacial para Pilotos
89
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-18-
Índice de Testes (Continuação)
RA – Teste de Análise do Tempo de Reacção
91
RT – Teste de Reacções Simples e de Escolha em Ecrã
93
SBUSB – Escalas de Avaliação do Stresse e Insatisfação Profissional
95
SIGNAL – Teste de Detecção de Sinais
96
SMK – Teste de Coordenação Sensório-Motora
98
SPM – Teste das Matrizes Progressivas Standard
100
STROOP – Teste de Interferência de Stroop
102
TAVTMB – Teste de Tráfego de Mannheim
104
UFB – Questionário de Insegurança
106
VIGIL – Teste de Vigilância
107
VISGED – Teste de Memória Visual
109
WRBTV – Teste de Predisposição para o Risco (Tráfego)
111
ZBA – Teste de Antecipação do Tempo e do Movimento
113
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-19-
TESTE DE COORDENAÇÃO BIMANUAL ...................................2HAND
Autor do Teste:
G. Schuhfried
Campo de Aplicação:
O Teste de Coordenação Bimanual, tem como objectivo avaliar a capacidade técnico-motora, em especial, a
coordenação olho-mão e a coordenação bimanual. Embora possa ser utilizado a vários níveis, os principais campos
de aplicação são: Diagnóstico de Capacidades e Aptidões, especialmente na avaliação de operadores de
equipamentos fabris, maquinistas, condutores de gruas e pessoal para controlo e monitorização de equipamentos,
Psicologia Organizacional, Psicologia do Tráfego e Psicologia do Desporto.
Quadro de Referência Teórico:
A exigência do teste está focalizada em duas componentes da capacidade: a coordenação sensório-motora olhomão e a coordenação bimanual. Este tipo de capacidades são habitualmente descritas com base nos modelos
utilizados ao nível da engenharia de controlo. A principal dificuldade que surge na análise da coordenação
bimanual consiste no desenvolvimento de avaliações correctas, através do sistema visual, dos desvios para a
esquerda e para a direita, e na realização dos respectivos ajustamentos. Um outro factor importante a considerar
no teste é a capacidade para antecipar a trajectória dos movimentos.
Aplicação do Teste:
O teste é constituido por vários exercícios que consistem, basicamente, em mover um ponto luminoso, ao longo de
uma determinada trajectória, com a ajuda de dois comandos analógicos ("rodízios") ou de dois manípulos
(joysticks). Esta trajectória compõe-se de três secções que estabelecem diferentes níveis de exigência, quanto à
coordenação das mãos direita e esquerda. O ponto é movido da direita para a esquerda.
Versões do Teste:
No teste de Coordenação Bimanual, estão disponíveis cinco versões do teste, mais concretamente:
S1: Realização com joystick (10 circuitos); S2: Realização com joystick (4 circuitos); S3: Realização com rodízios
(4 circuitos); S4: Realização com rodízios (10 circuitos); S5: Realização com joystick - sentido inverso
(10 circuitos).
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-20-
2HAND
Avaliação:
São várias as variáveis analisadas no Teste 2HAND, mais concretamente:
Duração média total; Duração média total do erro; Percentagem total da duração do erro (resulta do quociente
entre a duração total do erro e a duração total do teste) e Factor de coordenação (diferença de tempo,
normalizada, entre as secções com e sem exigências de coordenação).
Relativamente à variável Factor de Coordenação, convém salientar que corresponde à precisão com que é
conseguida a coordenação. O valor desta variável indica em que factores se prolonga o tempo necessário, quando
é percorrida uma secção com exigências de coordenação (arco e forma em V) e sem exigências de coordenação
sensório-motora (L invertido). Em resumo, a variável em questão corresponde a uma medida da capacidade de
coordenação do examinado.
Fiabilidade:
A consistência interna (Alpha de Cronbach) situa-se entre α=.85 e α=.97.
Validade:
A validade do teste é dada em termos de validade lógica. Karner & Neuwirth (2000), demonstraram que o
desempenho no 2HAND se correlaciona de forma significativa (r=.50) com o desempenho na condução. A validade
de constructo foi, também, comprovada pelas correlações existentes entre as variáveis do teste, revelando-se o
2HAND um instrumento adequado para a avaliação da velocidade e da exactidão do desempenho sensório-motor.
Normas:
Para cada uma das versões disponíveis, existem diferentes tipos de normas comparativas.
Versão S1: Adultos (N=151); Indivíduos à procura de emprego - Suécia (N=209); Candidatos a formação técnica Suécia (N=186); Adultos – Suécia (N=168); Psicologia do Tráfego (N=126); Condutores alcoolizados (N=100); Normas
do tempo de realização (N=110); Utentes IEFP - Portugal (N=80).
Versão S2: Adultos (N=244); Operários - Luxemburgo (N=2867); Valores de referência para Psicologia do Tráfego
(N=54); Utentes IEFP - Portugal (N=131).
Versão S3: Adultos (N=211).
Versão S4: Adultos (N=210); Indivíduos à procura de emprego - Suécia (N=386); Adultos - Suécia (N=125);
Psicologia do Tráfego (N=930); Candidatos a emprego - Macau (N=115); Motoristas profissionais- Macau (N=187).
Versão S5: Adultos (N=182).
Duração do Teste:
O teste 2HAND, tem uma duração de cerca de 10 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-21-
QUESTIONÁRIO DE CONTROLO DA ANSIEDADE.............................ABI
Teste do tipo questionário
Autor do Teste:
H. W. Krohne, B. Egloff
Campo de Aplicação:
O teste ABI é um instrumento destinado à avaliação das duas dimensões centrais do controlo da ansiedade,
Vigilância e Evitamento Cognitivo. O objectivo do teste é identificar os sujeitos que, em determinadas situações
geradoras de ansiedade (por exemplo, preparação para uma intervenção cirúrgica, situações de exame ou
competição desportiva), apresentam estratégias de controlo pouco adequadas. Assim sendo, é indicado na
avaliação inicial e no controlo do progresso, no âmbito de programas de intervenção e modificação do
comportamento. Além disto, o ABI tem a sua aplicação na realização de estudos comparativos (por exemplo, no
âmbito da Psicologia da Saúde).
Quadro de Referência Teórico:
O teste ABI baseia-se no modelo dos Modos de Controlo, de Krohne (1989, 1993). Segundo este modelo, a Vigilância
é definida como uma componente das estratégias de controlo da ansiedade, introduzidas com o objectivo de
reduzir ou impedir o aumento da ansiedade em situações críticas, através de um reforço do registo e do
processamento da informação. O Evitamento Cognitivo refere-se às estratégias que têm em vista proteger o
organismo dos estímulos que induzem excitação. Segundo o modelo, a medida na qual os sujeitos reagem com
estratégias de vigilância e/ou evitamento cognitivo, em situações críticas, é disposicionalmente diferente, sendo a
vigilância e o evitamento cognitivo avaliados como dimensões separadas da personalidade. Na sua estrutura, o ABI
baseia-se nos pressupostos dos inventários de estímulo-resposta na investigação da ansiedade.
Aplicação do Teste:
Na versão completa, são apresentados oito cenários fictícios (quatro cenários de ameaça física e quatro cenários
de ameaça à auto-estima). Cada situação está associada a cinco estratégias de vigilância e cinco estratégias de
evitamento cognitivo.
Versões do Teste:
Estão disponíveis três versões do teste:
S1: Versão completa: abrange as situações de ameaça física e de ameaça à auto- estima.
S2: Versão reduzida (ABI-F): abrange as situações de ameaça física (por exemplo, na consulta médica, antes de
uma cirurgia)
S3: Versão reduzida (ABI-A): abrange as situações de ameaça à auto-estima (por exemplo, antes dos exames, numa
entrevista de selecção ou um discurso público)
A aplicação de uma ou outra versão prende-se com o tipo de problema a avaliar.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-22-
ABI
Avaliação:
Variável principal:
O ABI é composto pelos subtestes "Evitamento Cognitivo" (40 itens) e "Vigilância" (40 itens).
Na forma completa são apresentados ambos os subtestes, subdivididos em:
- Evitamento cognitivo em situações de ameaça à auto-estima
- Vigilância em situações de ameaça à auto-estima
- Evitamento cognitivo em situações de ameaça física
- Vigilância em situações de ameaça física
Variável adicional
- Tempo de realização em minutos e segundos.
Fiabilidade:
A consistência interna (alpha de Cronbach) situa-se entre .71 (Evitamento cognitivo em situações de ameaça física)
e .86 (Vigilância).
Validade:
A estrutura interna das escalas foi comprovada através de análises factoriais e de correlação. Além disto, o ABI foi
introduzido em inúmeros estudos de campo e laboratoriais (nomeadamente na preparação de pacientes para
intervenções cirúrgicas, na área da Psicologia da Saúde e na área do Desporto).
Normas:
A partir de uma amostra de aferição de N=763 (425 homens e 338 mulheres), foram construídas normas por sexo,
para o grupo etário de 18 a 64 anos de idade, estando disponíveis notas-T e percentis com intervalos de confiança,
para todas as escalas.
Duração do Teste:
Aproximadamente 15 minutos para a forma completa e 8 minutos para cada uma das formas reduzidas.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-23-
TESTE DE ATITUDES LABORAIS...............................................AHA
Autor do Teste:
Klaus Kubinger e Hannes Ebenhöh
Campo de Aplicação:
O AHA é uma bateria de testes para avaliação de diferentes dimensões da personalidade com base na realização de
tarefas simples.
Principais campos de aplicação: diagnóstico de capacidade no âmbito da personalidade, Psicologia do Trabalho e
das Organizações, orientação escolar e vocacional, gestão da carreira e Psicologia do Desporto.
Quadro de Referência Teórico:
Com o teste AHA estão disponíveis testes objectivos no sentido de R. B. Cattell, que avaliam tanto o estilo
cognitivo impulsividade/reflexão como os constructos psicológicos da motivação "nível de exigência", "motivação
para o desempenho" e "tolerância à frustração". A avaliação da motivação para o desempenho reporta aos
princípios de McClelland e Atkinson.
Aplicação do Teste:
O primeiro subteste Comparar superfícies analisa a Impulsividade/Reflexão. Para comparação de duas superfícies
apresentadas em simultâneo, estão disponíveis ao examinado três alternativas de resposta (direita/esquerda e
nenhuma decisão). O segundo subteste Codificar símbolos avalia o nível de exigência e a tolerância à frustração.
O examinado deve fazer corresponder um símbolo a uma figura abstracta, de acordo com um determinado código,
e apresentar um prognóstico relativamente ao seu próximo desempenho. Adicionalmente, são apresentados
feedbacks. O terceiro subteste Diferenciar figuras avalia a motivação para o desempenho. A tarefa do examinado
consiste em identificar a figura que não se enquadra numa série de símbolos.
Versões do Teste:
Existe uma única versão do teste.
Avaliação:
No subteste "Comparar superfícies" são avaliados três parâmetros: "exactidão", "capacidade de decisão" e
"impulsividade/reflexão". No subteste "Codificar símbolos", analisam-se os parâmetros: "nível de desempenho",
"nível de exigência", "tolerância à frustração", "momento do desempenho máximo" e a "discrepância do objectivo".
No último subteste "Diferenciar figuras", é avaliado o parâmetro "motivação para o desempenho".
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-24-
AHA
Fiabilidade:
A determinação do erro padrão de medida não faz sentido, no caso do AHA.
Validade:
Pode-se referir a existência da validade de conteúdo dos parâmetros apresentados. Ebenhöh (1994), Kubinger
(1995) e Frebort (2002) demonstraram que o resultado do teste discrimina significativamente os funcionários bem
sucedidos do grupo de funcionários com pouco sucesso e/ou formandos. Além disto, Kubinger & Hofmann (1998)
demonstraram num estudo de análise factorial que a "Impulsividade/Reflexão" se relaciona com extroversão,
enquanto que a "Tolerância à frustração" se correlaciona com rectidão. A "Motivação para o desempenho", ao
contrário, parece constituir um factor próprio, que não é avaliado através dos "Big Five". Wagner-Menghin (2003)
relata os resultados de um estudo para identificação de três tipos motivacionais.
Normas:
Está disponível uma amostra de N=326. Além disso, existe uma amostra de N=314, composta maioritariamente por
estudantes universitários e funcionários de empresas. Está também disponível uma amostra de Candidatos a
emprego da firma NOKIA (N=498). São apresentados percentis e notas-T, excepto para o parâmetro "momento do
desempenho máximo".
Duração do Teste:
A duração dos subtestes Comparar superfícies e Codificar símbolos é de cerca de 15 minutos, no total. Para o
subteste Diferenciar figuras, o tempo de realização médio é de 20 minutos (máx. 45 minutos).
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-25-
TESTE ESTRUTURAL DE INTERESSES GERAIS..............................AIST
Teste do tipo questionário
Autor do Teste:
Ferdinand Eder & Christian Bergmann
Campo de Aplicação:
O AIST é um teste diferencial para a determinação dos interesses escolares e profissionais, a partir dos 14 anos de
idade. Com base nesta concepção, é aplicado principalmente na orientação escolar e profissional.
Quadro de Referência Teórico:
Segundo Holland (1985), existem seis orientações básicas de personalidade no domínio da nossa cultura. Holland
também postula que todo o indivíduo procura o meio que corresponde ao seu tipo de personalidade e, deste modo,
aos seus interesses. Se o indivíduo consegue encontrar esse meio, existe uma completa congruência entre o
indivíduo e o meio. O AIST mede essa congruência pessoa-meio. O teste é composto por 60 itens, que abrangem as
seis dimensões de interesses, designadas por: interesses prático-realistas, intelectuais-investigação, artístico-linguísticos, sociais, empreendedores, assim como, interesses convencionais (burocráticos). Com base no conceito
da congruência, o teste possibilita agrupamentos psicológicos diferenciais de indivíduos e profissões.
Aplicação do Teste:
Após as instruções, os itens são apresentados no ecrã de forma sequencial. O examinado assinala as suas respostas
numa escala de classificação de cinco pontos. É permitido fazer uma única correcção e saltar itens. Todos os itens
não respondidos são novamente apresentados no fim do teste.
Versões do Teste:
Estão disponíveis seis versões do teste:
S1: Versão correspondente à forma original do teste, sendo aplicada na Alemanha.
S3: Versão para a língua sueca.
S4: Versão para a língua checa.
S5: Versão para a língua italiana.
S6: Versão para a língua portuguesa.
S7: Versão para a língua inglesa.
As versões S3, S4, S5, S6 e S7 contêm listas modificadas de profissões.
Avaliação:
São cotados os resultados brutos de cada uma das escalas e o tempo de resposta por item.
São fornecidas:
1. Uma impressão para o técnico, que inclui:
- Resultados brutos e normalizados das seis orientações de interesses (incluindo o perfil);
- Código-Holland (as três orientações de interesses mais acentuadas) e uma lista das profissões congruentes com o
respectivo Código-Holland (Índice ZS);
- Medida da diferenciação das seis orientações de interesses;
- Representação hexagonal das orientações de interesses.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-26-
AIST
2. Uma impressão para o examinado, que inclui:
- Perfil de interesses;
- Código-Holland e lista de profissões congruentes com o mesmo código;
- Medida da diferenciação dos interesses.
Fiabilidade:
Em estudos realizados com a amostra de normalização de alunos encontraram-se índices de consistência interna
(alpha de Cronbach) das escalas de interesses entre .79 e .85, para a versão em papel-e-lápis. A fiabilidade de
teste-reteste varia, num intervalo de 2 dias, entre .83 e .96 e, num intervalo de 2 anos, entre .60 e .75. A
fiabilidade Split-half das escalas de interesses da versão informatizada, calculada com base em mais de 3000
utentes de diversos Centros de Formação Profissional, situa-se entre .74 e .89.
Validade:
Estão disponíveis vários estudos de validade do AIST. A validade convergente do teste foi determinada através da
correlação com testes de interesses já existentes (PIT, BIT II e DIT). Foram encontradas as seguintes correlações
para as dimensões semelhantes, avaliadas por estes testes: .40 a .78 (DIT), .51 a .67 (BIT II) e .25 a .51 (PIT).
Normas:
Para as 6 dimensões de interesses, são calculados os percentis, as notas-T e as notas-Z.
Para a versão S1 estão disponíveis normas gerais e específicas por sexo, quer para a versão informatizada quer
para a versão em papel-e-lápis. As normas da versão em papel-e-lápis foram construídas a partir de uma amostra
de aferição de 4393 adolescentes, com idades compreendidas entre os 14 e os 20 anos, oriundos dos principais
Centros de Formação da Áustria. As normas para a versão informatizada provêm de mais de 3000 utentes de
diferentes Centros de Formação Profissional austríacos.
Para a versão S3 está disponível uma amostra de aferição de N=1239 indivíduos à procura de emprego (Suécia).
Para além das normas gerais, existem ainda normas específicas por idade, por sexo, assim como por idade e sexo.
Para a versão S4 estão disponíveis normas gerais e específicas (por sexo), obtidas com base numa amostra de
aferição de N=1688 indivíduos com idades compreendidas entre os 14 e os 20 anos, dos Centros de Emprego
checos.
Para a versão S6 existe uma amostra de N=13928 utentes do Instituto de Emprego e Formação Profissional de
Portugal (recolha de dados em 2004). Existem normas gerais e normas específicas por sexo, por idade e por nível
de escolaridade. Estão, ainda, disponíveis normas obtidas a partir das seguintes amostras: Utentes IEFP – Formação
Profissional (N=6111), Utentes IEFP – Orientação Vocacional (N=1864) e Utentes IEFP – Selecção (N=269).
Visto não existirem normas próprias para as versões S5 e S7, são utilizadas as normas da Alemanha. Por este
motivo, convém efectuar a interpretação dos resultados com algumas reservas.
Duração do Teste:
Aproximadamente 20 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-27-
BATERIA DE TESTES DE PERFORMANCES DE TRABALHO.................ALS
Autor do Teste:
G. Schuhfried
Campo de Aplicação:
O ALS é um teste que se inclui na classificação de Testes de Aptidões Gerais e avalia a capacidade de
concentração, saturação e fadiga psíquicas, em Psicologia Aplicada, especialmente, no campo do diagnóstico de
aptidões. É de salientar, também a sua ampla aplicação na área da Psicologia Clínica.
Quadro de Referência Teórico:
O Teste de Pauli corresponde a um modelo desenvolvido com base nos trabalhos de investigação de Kraepelin,
recorrendo à utilização do método da adição consecutiva, com o objectivo de analisar o decorrer do desempenho
de um examinado. Em termos gerais, a tarefa consiste em somar dois números de um só dígito, o mais rápido e
correctamente possível, durante um longo período de tempo. O teste está dividido em sequências, permitindo
assim determinar a progressão do desempenho. A "Bateria de Testes de Performances de Trabalho", pode ser
definida como a aplicação e avaliação informatizadas do Teste de Pauli. Para além da versão original, podem,
também, ser aplicadas versões modificadas do teste. Estas novas versões são obtidas a partir de uma modificação
do grau de dificuldade dos problemas aritméticos e da inclusão de uma tarefa de memória de curto termo. Desta
forma, o teste possibilita a avaliação dos aspectos da inteligência fluída do examinado.
Aplicação do Teste:
A aplicação informatizada do Teste de Pauli, divide-se em três fases, mais concretamente: (a) uma fase de
instrução padronizada; (b) uma fase de treino e (c) uma fase de teste, com a duraçãode 20 minutos, durante a
qual o examinado deve efectuar o maior número possível de adições de dois números. Os números são
apresentados no ecrã, um por cima do outro. O examinado introduz o resultado da operação aritmética
pressionando as teclas numéricas do painel de respostas. Nos exercícios em que é requerida a memória de curto
termo, o número de baixo é transferido para cima, sendo aí ocultado, após cada introdução de resposta. Desta
forma, antes de introduzir a resposta, o examinado deve memorizar o número de baixo para conseguir resolver o
exercício seguinte.
Versões do Teste:
Estão disponíveis três versões standard do teste.
Versão S1: Teste de Pauli - Deve ser calculada a soma de um número em cima e de um número em baixo. Esta
versão compreende 20 sequências, com a duração de um minuto cada uma.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-28-
ALS
Versão S2: Teste de Pauli com memória de curto termo - Deve ser calculada a soma de um número em cima e
um número em baixo, sendo requerida a memória de curto termo. Esta versão compreende 20 sequências, com a
duração de um minuto cada uma.
Versão S7: Forma de Luxemburgo - Os dois números devem ser somados ou subtraídos. Uma lógica de correcção
não permite a existência de exercícios com resultados negativos. Esta versão abrange 10 sequências com a duração
de um minuto cada uma.
Avaliação:
No teste ALS surgem normalizadas várias variáveis, mais concretamente:
- Número total de exercícios realizados (medida da velocidade de trabalho);
- Progressão da realização (medida do aumento ou declínio do desempenho) e
- Percentagem de erros relativamente ao total de exercícios realizados (medida da exactidão do desempenho).
Por outro lado, poderão, também, ser apresentados diagramas que correspondem aos resultados das sequências, os
quais fornecem informação sobre o decorrer do desempenho. Convém, ainda, salientar que um número elevado de
exercícios realizados, associado a um número reduzido de soluções incorrectas e de correcções, indica uma boa
capacidade de atenção e concentração, assim como resistência à fadiga mental.
Fiabilidade:
Os estudos realizados pelos autores, tendo em conta diferentes amostras de aferição, mostram fiabilidades "split-half" que variam entre .91 e .99, para o número total de exercícios realizados e erros cometidos.
Estes valores estão de acordo com os dados obtidos na versão em papel-e-lápis, na qual foram encontradas
fiabilidades de teste-reteste e "split-half" superiores a .95, para o número total de exercícios realizados; e entre
.68 e .88 para erros e correcções.
Validade:
O Teste de Pauli avalia o que é descrito na literatura como "concentração contínua em tarefas mentais realizadas
sob pressão de tempo". Este factor apela a características da personalidade, tais como: (a) resistência a
distracções, distúrbios e interferências; (b) motivação e força de vontade e (c) capacidade para manter a atenção
numa determinada tarefa.
Normas:
Tendo em conta a versão do teste seleccionada, existem diferentes tipos de normas de aferição.
Versão S1: Candidatos a emprego (N=662); Pacientes com disfunções orgânicas (N=130); Indivíduos à procura de
emprego (N=187); Pessoas idosas (N=95); Utentes IEFP de Portugal (N=83).
Versão S2: Candidatos a emprego (N=105); Indivíduos à procura de emprego (N=103); Forças de Segurança de
Macau (N=196).
Versão S7: Operários (N=2907).
Duração do Teste:
A duração do teste é de aproximadamente 25 minutos para as versões standard S1 e S2; para a versão S7 é de
cerca de 15 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-29-
TESTE ADAPTATIVO DE MATRIZES...........................................AMT
Autor do Teste:
Lutz F. Hornke, Stefan Etzel e Klaus Rettig
Campo de Aplicação:
Avaliação da inteligência geral não verbal com base no raciocínio lógico, tratando-se assim de um teste
independente da cultura e da socialização; aplicável a indivíduos a partir dos 15 anos de idade.
Principais campos de aplicação: diagnóstico de aptidões no âmbito do desempenho, orientação escolar e
vocacional, gestão da carreira, Psicologia do Tráfego, Psicologia do Trabalho e das Organizações, Psicologia
Aeronáutica e Psicologia do Desporto.
Quadro de Referência Teórico:
Os itens assemelham-se aos exercícios clássicos das matrizes mas, ao contrário destes, foram construídos com base
em regras de formação explícitas. No total, foram construídos quase 300 itens e avaliados no âmbito de um estudo
de grande envergadura numa ampla amostra recolhida em Aachen, Katowice, Moscovo e Viena. Foram estimados
valores probabilísticos para os itens. A base de itens resultante permite a apresentação adaptativa do teste com
todas as vantagens de um moderno teste de diagnóstico informatizado: uma duração mais reduzida com uma
precisão maior e uma elevada motivação do examinado, graças a uma selecção de exercícios ajuastada ao
desempenho.
Aplicação do Teste:
A apresentação dos itens é feita de modo adaptativo. Não é possível saltar itens ou voltar ao item anterior. As 9
alternativas de resposta reduzem a probabilidade de uma resposta correcta por acaso.
Versões do Teste:
Existem três versões do teste que diferem entre si quanto à precisão da estimativa do parâmetro individual (PAR).
Na versão S1, o erro de estimativa é ajustado em 0.7, na versão S2 em 0.6 e na versão S3, em 0.5. A versão de
screening é utilizada para uma rápida visão geral, nos casos em que a avaliação não traga consequências para o
examinado (por ex., em estudos nos quais a inteligência geral é avaliada como um factor de controlo). A versão
completa deverá ser aplicada apenas em situações específicas, quando a precisão tem uma importância relevante
(por ex., em pareceres judiciais). O aumento da precisão de avaliação (=diminuição do erro de estimativa)
prolonga a fase de teste.
Avaliação:
O resultado do teste corresponde ao cálculo do parâmetro individual da variável "Inteligência Geral".
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-30-
AMT
Fiabilidade:
A fiabilidade, em termos de consistência interna, é apresentada com base na validade do modelo de Rasch e na
validade de conteúdo dos itens. Obteve-se, para as três versões do AMT (S1-S3) fiabilidades de .60, .80 e .85,
válidas para todos os examinados em todas as áreas escalonáveis. Esta é a vantagem decisiva relativaente aos
testes psicométricos convencionais: todos os examinados são avaliados com a mesma fiabilidade.
Validade:
O teste apresenta validade de conteúdo em relação ao reasoning, segundo Thurstone.
Normas:
Estão disponíveis normas que se baseiam na avaliação de N=1356 examinados (580 homens e 776 mulheres), com
idades compreendidas entre os 15 e os 77 anos de idade.
Duração do Teste:
A duração do teste propriamente dito é de 15 a 45 minutos, dependendo da precisão de avaliação seleccionada. A
fase de instruções dura de 5 a 10 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-31-
TESTE DAS MATRIZES PROGRESSIVAS AVANÇADAS.......................APM
Autor do Teste:
John C. Raven
Campo de Aplicação:
O APM é um teste não-verbal utilizado para avaliar a capacidade cognitiva ao nível do raciocínio não verbal, em
sujeitos com capacidade intelectual acima da média.
Quadro de Referência Teórico:
Da ampla aplicação das Matrizes Progressivas Standard de Raven (SPM) resultou a necessidade de, por um lado,
existir um método reduzido de "screening" e, por outro, de existir um teste para avaliação das capacidades
cognitivas acima da média. O teste das Matrizes Progressivas Avançadas (APM) foi construído para satisfazer estas
necessidades.
O APM é composto por uma fase de treino ou familiarização -Série I, com 12 itens (que pode, também, ser
utilizada como instrumento de "screening") e uma fase de avaliação mais precisa - Série II, com 36 itens.
À semelhança de todos os testes das Matrizes de Raven (RPM), o APM também mede a capacidade de reconhecer a
ordem na desordenação ou de encontrar o sentido na casualidade aparente, isto é, a capacidade dedutiva (a
palavra ’dedutiva’ deriva do verbo latino "educere": deduzir). Como a percepção é basicamente um processo
conceptual, que abrange a capacidade de reconhecer o sentido na completa confusão, podemos afirmar que que o
APM avalia, ainda, a capacidade de perceber e pensar com clareza. Spearman defende que o factor geral (Factor
G), que é comum à maioria dos testes de inteligência, se compõe de dois elementos fundamentais: as capacidades
dedutiva e evocativa. Seguindo esta perspectiva, pode-se dizer que o RPM avalia uma das mais fundamentais
capacidades humanas.
Aplicação do Teste:
Após a fase de instruções, os itens são apresentados de acordo com o respectivo grau de dificuldade. O examinado
deve seleccionar uma resposta, entre as seis ou oito alternativas apresentadas, podendo utilizar para o efeito o
lightpen, o rato, o teclado do computador ou o painel de respostas. Existe a possibilidade de corrigir várias vezes
os item, seja o actual, seja o anterior. Se o examinado não conseguir resolver um exercício, pode omiti-lo. Os
itens não respondidos são novamente apresentados no final do teste.
Versões do Teste:
O APM tem disponível cinco versões, mais concretamente: S1 - Série I e II; S5 - Série II, com tempo limite;
S2 - Série I e II, sem tempo limite; S3 - Série I, sem tempo limite; S4 - Série II, sem tempo limite
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-32-
APM
Avaliação:
No teste APM é analisada, como variável principal, o total de respostas correctas para as Séries I e II. Por outro
lado, na matriz de respostas é, também, indicado o tempo de realização de cada um dos exercícios.
Fiabilidade:
Os autores indicam fiabilidades entre r=.83 e r=.87. A fiabilidade teste-reteste é de r=.91 (considerando um
intervalo de 6-8 semanas).
Validade:
Foi desenvolvido um estudo bastante pormenorizado sobre a validade do APM, descrito com mais detalhe no
manual técnico do teste em questão. Este descreve, entre outros aspectos, o modo como a capacidade dedutiva
contribui para o desempenho a nível profissional e social. Também são mencionados outros estudos que mostram
em que medida os resultados do APM se relacionam com determinadas capacidades de obtenção e conservação da
profissão. É, ainda, referida uma relação com desempenhos de estudantes de diferentes àreas, assim como com
grupos profissionais específicos.
Normas:
São várias as normas comparativas disponíveis quer para a versão em papel-e-lápis, quer para a versão
informatizada. Entre elas, podemos destacar as normas por idade e as normas para grupos étnicos e profissionais
específicos.
Duração do Teste:
As versões S1 e S2, tem uma duração que varia entre os 25 e os 50 minutos. Quanto à Versão S3, bastante mais
reduzida, a sua aplicação ronda os 7-12 minutos. Por fim, as versões S4 e S5, têm uma duração de 20 a 40 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-33-
TESTE ADAPTATIVO DE REPRESENTAÇÃO ESPACIAL...................A3DW
Autor do Teste:
Georg Gittler
Campo de Aplicação:
Este teste adaptativo, e homogéneo segundo o modelo de Rasch, avalia a capacidade (não verbal) de
representação e de transformação mental de objectos tridimensionais (capacidade de representação espacial), em
jovens a partir dos 13 anos e adultos.
Principais campos de aplicação: diagnóstico de aptidões, orientação escolar e profissional, gestão da carreira,
Psicologia do Tráfego, Psicologia Aeronáutica, Psicologia Clínica, Psicologia do Trabalho e das Organizações, e
investigação científica.
Quadro de Referência Teórico:
A capacidade de representação espacial é uma das dimensões primárias da inteligência. A unidimensionalidade
(homogeneidade, segundo Rasch) do A3DW, foi demonstrada em vários estudos empíricos. Isto significa que foi
avaliada, essencialmente, a mesma dimensão latente da capacidade, em todos os examinados. Assim, a crítica de
que os testes de representação espacial não seriam adequados para comparar os desempenhos de homens e
mulheres, devido ao facto de estes utilizarem diferentes estratégias de resolução dos itens, não se aplica ao
A3DW. Foram estimados valores probabilísticos para os itens. Os dados resultantes permitem, então, a
apresentação adaptativa do teste, com todas as vantagens do moderno diagnóstico informatizado: duração mais
reduzida, maior precisão de avaliação e elevada motivação, devido a uma selecção de itens adequada ao
desempenho.
Aplicação do Teste:
A apresentação dos itens é feita de modo adaptativo. Não é possível saltar itens ou voltar ao item anterior. As 8
alternativas de resposta reduzem a probabilidade de acertos ao acaso.
Versões do Teste:
Existem três versões do teste que diferem quanto à precisão de estimativa do parâmetro individual (PAR).
A versão de screening é utilizada para uma rápida visão geral, nos casos em que a avaliação não traga
consequências para o examinado (por ex., em estudos nos quais a capacidade de representação espacial é avaliada
como factor de controlo). A versão completa deverá ser aplicada apenas em situações específicas, quando a
precisão tem uma importância relevante (por ex., em pareceres judiciais).
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-34-
A3DW
Avaliação:
O resultado do teste corresponde ao parâmetro individual da variável ‘representação espacial’.
Fiabilidade:
A consistência interna é dada com base na validade do modelo de Rasch (válida para todo o conjunto de
exercícios). Os coeficientes de fiabiliade, nas diversas amostras e segundo diferentes métodos (split-half; alpha de
Cronbach), situam-se entre r=.82 e r=.91. A fiabilidade do reteste em N=231 alunos, num intervalo de 21 meses, é
de r=.61.
Validade:
Os resultados de numerosas análises de correlação estatística e comparações intergrupos (incluindo outros testes e
diversos critérios externos), confirmam a validade convergente e discriminante do A3DW e permitem um
julgamento diferenciado do teste relativamente a diversos aspectos da validade. Como exemplo, menciona-se o
seguinte: estudantes universitários de áreas técnicas obtêm resultados significativamente mais elevados no teste
do que os de outras áreas.
Normas:
Arrer (1992) demonstrou que a versão em papel-e-lápis do A3DW é válida para a versão informatizada. O A3DW
tem, assim, normas representativas, específicas por sexo e níveis de escolaridade; Estudantes universitários;
Adultos.
Duração do Teste:
Entre 10 e 30 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-35-
TESTE COGNITIVO..............................................................COG
Autor do Teste:
G. Schuhfried
Campo de Aplicação:
O COG inclui-se na classificação dos testes que avaliam as aptidões gerais e é utilizado para avaliar a atenção e a
concentração, através da comparação de figuras relativamente à sua similaridade. Dependendo da versão
utilizada, o teste pode ser aplicado a partir dos 4 anos de idade. Os principais campos de aplicação são: Psicologia
do Trabalho e das Organizações, Diagnóstico de Aptidões, Psicologia Clínica, Neuropsicologia, Psicologia do
Tráfego, Psicologia Aeronáutica, Psicologia do Desporto e Psicofarmacologia.
Quadro de Referência Teórico:
Os constructos Atenção e Concentração foram estudados desde os primórdios da Psicologia, pelo que estão
representados nos mais diversos modelos teóricos, na literatura especializada. Contudo, não existe, até à data,
uma definição geral vinculativa. Subjacente ao Teste Cognitivo está o modelo teórico de Reulecke (1991), que
considera a concentração como um estado. Assim sendo, o autor descreve a concentração através de três
variáveis:
1.
Energia: o estado de concentração é cansativo e consome energia.
2.
Função: a função da concentração na realização da tarefa.
3.
Exactidão: a qualidade da realização da tarefa.
Aplicação do Teste:
Como meio de introdução das respostas é utilizado o painel de respostas ou o teclado do computador. Uma fase de
instruções animada e uma fase de treino com feedback do erro antecedem a apresentação dos exercícios.
Nas versões do teste que não têm tempo limite, a tarefa do examinado consiste em comparar uma figura isolada
com um bloco-modelo e avaliar a sua similaridade com uma das figuras do bloco-modelo (idêntico=tecla verde, não
idêntico=tecla vermelha). Após a introdução de cada resposta, o programa apresenta automaticamente o exercício
seguinte. Não é possível "saltar" itens ou corrigir uma resposta.
Por outro lado, nas versões do teste com tempo limite é requerida uma reacção apenas quando a figura isolada é
idêntica a uma das figuras do bloco-modelo (tecla de reacção=tecla verde). Esgotado o tempo de apresentação, o
programa passa automaticamente para o exercício seguinte. Também nestas verdões não é possível "saltar" itens,
voltar ao item anterior ou corrigir respostas.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-36-
COG
Versões do Teste:
Estão disponíveis sete versões do teste sem tempo limite (S1-S3, S7-S9, S11) e três versões com tempo limite de
1,8 segundos (S4-S6). As versões do teste S1/S4, S2/S5 e S3/S6 contêm o mesmo material de estímulos. Os 3
grupos diferem, contudo, quanto à complexidade do traçado das figuras. A versão S7 contém um material de
estímulos muito reduzido: a figura isolada deve ser comparada apenas com uma figura do bloco-modelo. As versões
S8 e S9 compreendem um material de estímulos muito simples e constante, sendo a versão S8 um pouco mais
difícil. Adicionalmente, em ambas as versões, o tempo total é limitado a sete minutos (após este tempo, o teste é
automaticamente interrompido).
Avaliação:
Tendo em conta o vasto número de variáveis que poderão ser analisadas através do teste COG, serão, de seguida,
apresentadas apenas as variáveis mais importantes.
Versões S1-S3, S7, S11: Tempo médio de "Rejeições correctas" (seg.).
Versões S4-S6: Total de "Reacções correctas" e Total de "Reacções incorrectas"
Versões S8-S9: Total de "Reacções" (reacções correctas e incorrectas) e Percentagem de "Reacções incorrectas"
Fiabilidade:
As fiabilidades devem ser analisadas separadamente para cada versão do teste. São, em geral, elevadas e
situam-se, com poucas excepções, acima de 0.95.
Validade:
Estão disponíveis inúmeros estudos que confirmam a validade do instrumento (validade de conteúdo, validade
convergente e discriminante, validade de constructo e validade de critério).
Normas:
Tendo em conta a versão do teste seleccionada, o utilizador dispõe de várias normas comparativas,
nomeadamente:
Versão S1: Amostra normalizada (N=870); Infractores de tráfego (N=1218); Adultos - Suécia (N=198); Psicologia do
Tráfego - Portugal (N=764); Alunos (N=240); Utentes do Instituto de Emprego e Formação Profissional - Portugal
(N=171).
Versão S2: Amostra normalizada (N=221); Psicologia do Tráfego - Portugal (N=199); Candidatos CTA - Portugal
(N=115).
Versão S3: Amostra normalizada (N=165).
Versão S4: Amostra normalizada (N=530); Indivíduos à procura de emprego (N=410); Adultos - Suécia (N=327).
Versão S5: Amostra normalizada (N=394).
Versão S6: Candidatos a piloto (N=284); Pilotos PCA - Portugal (N=194).
Versão S7: Alunos de escolas primárias da cidade de Viena (N=75).
Versão S8: Amostra normalizada (N=193).
Versão S9: Amostra normalizada (N=281); Valores comparativos de maquinistas (N=40).
Versão S11: Amostra normalizada (N=1230).
Duração do Teste:
O tempo de realização do teste COG varia entre 5 e 20 minutos, dependendo da versão seleccionada.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-37-
TESTE DE “BLOCK-TAPPING“ DE CORSI..................................CORSI
Autor do Teste:
Dieter Schellig
Campo de Aplicação:
Análise da memória visuo-espacial de curto termo e da aprendizagem visuo-espacial.
Quadro de Referência Teórico:
Nos testes que avaliam a amplitude da memória, é requerida basicamente a memória de curto termo, cuja
capacidade é limitada. Com a avaliação da amplitude da memória é alcançado um limite importante.
A memória de curto termo abrange, além de um subsistema verbal, um subsistema visuo-espacial. Nos
traumatismos cranianos, estes subsistemas podem ser afectados isoladamente, o que confirma a sua ampla
independência. O TESTE DE BLOCK TAPPING de blocos de memória imediata (UBS) avalia o limite da capacidade do
subsistema visuo-espacial, dentro da memória de curto termo.
O quadro de referência teórico tem como base o conceito de memória de trabalho de Baddeley.
O TESTE DE BLOCK TAPPING de blocos de memória supra (SBS) vai além da avaliação da memória de curto termo:
são utilizadas sequências (de várias dimensões), que ultrapassam a amplitude de memória do respectivo
examinado, exigindo assim processos de aprendizagem. O examinado deve aprender uma sequência que se repete
com frequência, inserida num conjunto mais amplo de sequências da mesma dimensão. O examinado desconhece
que nos itens apresentados existe uma sequência que se repete frequentemente. Deve, portanto, ser
operacionalizada a aprendizagem implícita. É avaliado o número de repetições até que a sequência a aprender
seja correctamente reproduzida.
O teste foi concebido no âmbito de investigações neuropsicológicas do lobo temporal direito.
Aplicação do Teste:
No ecrã, são apresentados 9 cubos, distribuídos de forma irregular. Um marcador assinala sucessivamente um
determinado número de cubos, que vai aumentando em cada sequência.
O examinado deve assinalar os cubos de acordo com a sequência anteriormente apresentada. Após cada 3 itens
resolvidos, o número de cubos aumenta em uma unidade. O teste é interrompido se o examinado responder
incorrectamente a três itens consecutivos.
Para se conhecer a aprendizagem visuo-espacial implícita (SBS), é avaliado em primeiro lugar o Bloco de Memória
Imediata (USB) do examinado. De seguida, são apresentadas sequências aumentadas em um bloco. O teste é
constituído por 24 itens. Dentro destas 24 sequências, existe uma que se repete oito vezes (sequência-alvo). O
teste é interrompido quando essa sequência é correctamente reproduzida.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-38-
CORSI
Versões do Teste:
Versão S1: Forma para adultos. O Bloco de Memória Imediata é avaliado com sequências de 3 até 8 cubos.
Versão S2: Forma para crianças e grupos clínicos. O Bloco de Memória Imediata é avaliado com sequências de 2 até
8 cubos.
Versão S3: Forma para adultos. Além do Bloco de Memória Imediata, é avaliado o potencial de aprendizagem visuo-espacial.
Versão S4: Forma para crianças e grupos clínicos. Além do Bloco de Memória Imediata, é avaliado o potencial de
aprendizagem visuo-espacial.
Avaliação:
A amplitude da memória visuo-espacial é operacionalizada através da variável "Bloco de Memória Imediata". A
variável corresponde à sequência de maior dimensão reproduzida correctamente pelo menos uma vez.
A aprendizagem visuo-espacial implícita é operacionalizada através da variável "Bloco de Memória Supra". A
variável corresponde ao número de tentativas efectuadas pelo examinado até reproduzir correctamente a
sequência-alvo.
Fiabilidade e Validade:
O TESTE DE BLOCK-TAPPING é referido frequentemente na literatura neuropsicológica, no âmbito da avaliação da
amplitude da memória visuo-espacial e tem também uma ampla divulgação na área clínica. Estudos efectuados
com o teste em pacientes com lesões cerebrais provaram que este teste permite avaliar a função visuo-espacial da
memória de curto termo de forma independente do subsistema verbal.
Normas:
Em vez de uma normalização no sentido usual, foram calculados valores cut-off. Quando o Bloco de Memória
Imediata de um examinado se situa abaixo do valor cut-off, o programa emite uma nota de rodapé.
Duração do Teste:
Aproximadamente 10 minutos em cada versão.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-39-
TESTE DE DAS MATRIZES PROGRESSIVAS COLORIDAS....................CPM
Autor do Teste:
John C. Raven
Campo de Aplicação:
Teste não verbal para avaliação da inteligência geral em crianças e adultos subdotados, com base no raciocínio
lógico; aplicável a crianças a partir dos 5 anos de idade e a adultos em questões do foro clínico.
Principais campos de aplicação: Psicologia Clínica (p.ex., questões do foro geronto-psicológico), Psicologia
Pedagógica e Neuropsicologia.
Quadro de Referência Teórico:
O CPM baseia-se no mesmo princípio do teste das Matrizes Progressivas Standard de Raven, mas foi concebido para
avaliar desempenhos situados no intervalo inferior da dispersão. Avalia a capacidade de atribuir significado a um
material aparentemente confuso, portanto, a capacidade de reconhecimento e de raciocínio lógico. Esta
capacidade dedutiva é um dos dois componentes da inteligência geral (Factor-G). Os 36 itens são apresentados em
3 séries de 12 itens cada uma, com grau de dificuldade crescente, e permitem ao examinado familiarizar-se com o
tipo de raciocínio requerido. A apresentação colorida destina-se especialmente a crianças, ajudando-as a manter a
motivação para o teste.
Aplicação do Teste:
Foi dado especial valor a uma apresentação em ecrã adaptada às crianças. As instruções são breves e simples e
devem ser lidas em voz alta para examinados com dificuldades ou distúrbios da leitura. As instruções para adultos
foram ligeiramente modificadas. As respostas são introduzidas com o lightpen, o rato ou o teclado. Regra geral, o
lightpen é fácil de utilizar mesmo por crianças do ensino pré-escolar. Pode-se recuar, saltar ou corrigir itens.
Versões do Teste:
Estão disponíveis 3 versões do teste. De acordo com a idade, são apresentadas instruções para crianças (até 15
anos) e para adultos.
S1: Versão standard
S2: Versão de Preenchimento de Padrões (com ajudas). Nesta versão, o modo de apresentação dos exercícios na
fase de instruções (o padrão é preenchido com a alternativa de resposta seleccionada) continua na fase de teste,
porém não é dado qualquer feedback ao examinado.
S3: Forma paralela da versão S1
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-40-
CPM
Avaliação:
São cotadas as seguintes variáveis:
Total de respostas correctas, Comparação do resultado esperado em cada série com o resultado bruto total e
Distribuição do erro. A impressão dos resultados inclui resultados brutos, percentis e, opcionalmente, a matriz de
respostas do examinado.
Fiabilidade:
No manual do teste são apresentados vários estudos de fiabilidade. Os resultados variam em função da população
estudada e, de modo geral, são mais baixos em grupos clínicos e em indivíduos subdotados. A maior parte dos
coeficientes de consistência interna situa-se entre r=.85 e r=.90; a fiabilidade do reteste situa-se acima de r=.80,
na maioria dos estudos.
Validade:
Todos os estudos de análise factorial mostram que o teste das Matrizes de Raven tem uma elevada saturação do
Factor G de Spearman. As correlações com o desempenho escolar são tipicamente inferiores às verificadas entre o
desempenho escolar e os testes de conhecimentos.
Normas:
Estão disponíveis percentis e notas-T para os seguintes grupos:
Crianças entre 4;9 e 12;00 anos, Adultos com idades entre os 55 e os 85 anos. Versão S2: são apresentadas normas
corrigidas da versão standard (apenas para crianças).
Duração do Teste:
Entre 10 e 30 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-41-
TESTE DIFERENCIAL DE ATENÇÃO..........................................DAKT
Autor do Teste:
Oswald Bratfisch & Eva Hagman
Campo de Aplicação:
Teste para avaliação da capacidade de atenção, operacionalizada através da rapidez perceptiva e da tendência ao
erro. O DAKT foi concebido para aplicação no âmbito da selecção de pessoal e da consultadoria. Tem também
aplicação na Psicologia do Tráfego, na Psicologia Militar e na Psicologia Clínica.
Quadro de Referência Teórico:
O DAKT é um teste não verbal para avaliação da rapidez perceptiva (perceptual speed) e da tendência ao erro. A
rapidez perceptiva é definida como a capacidade de reconhecer rapidamente pormenores num campo perceptual
de distractores e de discriminar o material irrelevante. A tendência ao erro é representada pela relação entre o
número de erros e o desempenho quantitativo (percentagem de erros).
Aplicação do Teste:
O teste é composto por três subtestes, que avaliam a rapidez perceptiva e a tendência ao erro, através de
diferentes materiais (números, letras e figuras). A tarefa do examinado consiste em assinalar, o mais rapidamente
possível, os itens críticos.
Versões do Teste:
Estão disponíveis duas versões paralelas do teste, ambas com 250 itens. É também possível aplicar os subtestes de
forma individual.
Avaliação:
O número de itens correctamente resolvidos representa a medida para a "rapidez perceptiva"; o valor percentual
dos erros em relação ao desempenho global constitui a medida para a "tendência ao erro". O protocolo dos
resultados inclui valores brutos e normalizados para cada um dos subtestes e para o desempenho global.
Fiabilidade:
A fiabilidade da variável "rapidez perceptiva" situa-se em r=.96. Os coeficientes de consistência interna para a
variável "tendência ao erro" situam-se em r=.84.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-42-
DAKT
Validade:
A validade psicológica é dada pela definição operacional. A validade de conteúdo foi verificada através da análise
factorial. A validade de prognóstico foi confirmada em profissões que colocam elevadas exigências ao nível da
rapidez perceptiva e da exactidão do desempenho. Como critérios serviram, entre outros, os "bons resultados na
formação profissional" vs. os "maus resultados na formação profissional".
Normas:
Para a versão S1 estão disponíveis normas de uma amostra representativa de N=109 adultos. Existe, ainda, uma
amostra representativa composta por N=1120 adultos suecos. As normas suecas encontram-se estratificadas por
nível de escolaridade, por sexo e por idade. Para a versão S2 existem normas de uma amostra representativa de
N=109 adultos e de N=189 adultos suecos.
Duração do Teste:
A duração de cada um dos subtestes é de aproximadamente 3 minutos. As respectivas instruções têm a duração de
4 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-43-
TESTE DE ATENÇÃO CONTÍNUA.............................................DAUF
Autor do Teste:
G. Schuhfried
Campo de Aplicação:
O teste DAUF avalia a "capacidade de atenção e de concentração por um período de tempo longo", em crianças e
adultos.
Quadro de Referência Teórico:
A atenção foi considerada um conceito fundamental, desde o início da Psicologia. No entanto, até hoje, não se
conseguiu delimitar completamente os diferentes aspectos da atenção e os resultados da investigação, por forma a
integrá-los numa teoria reconhecida. Segundo uma definição básica, atenção significa selecção, isto é, a
percepção e a representação são dirigidas para e delimitadas a uma parte dos estímulos que actuam
simultaneamente sobre o organismo. O aspecto da longa duração realça o facto de que a realização das operações,
que exigem atenção, é dificultada pela repetição contínua.
Em oposição à vigilância, a atenção contínua é definida, operacionalmente, como a percepção selectiva de
estímulos que ocorrem de modo contínuo e frequente. A vigilância, por seu lado, exige reacções pouco frequentes
a estímulos que se apresentam de modo irregular, no tempo e no espaço.
Na avaliação da atenção são abrangidos, principalmente, os aspectos que dizem respeito à "capacidade geral de
desempenho e/ou motivação", que são independentes da inteligência.
Aplicação do Teste:
No ecrã, é apresentada uma série de triângulos em linha, que se desloca para baixo ou para cima em sucessão
rápida. Os vértices dos triângulos podem apontar para cima ou para baixo. Sempre que um número de triângulos,
previamente definido, apontar para baixo, o examinado deve pressionar a tecla de reacção.
Versões do teste:
Em relação ao Teste DAUF, estão disponíveis três versões diferentes, nomeadamente:
- S1: Versão clínica 1 (filas com 5 triângulos, saltos regulares)
- S2: Versão clínica 2 (filas com 5 triângulos, saltos irregulares)
- S3: Versão standard (filas com 7 triângulos, saltos irregulares)
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-44-
DAUF
Avaliação:
São apresentadas as seguintes variáveis normalizadas:
•
Número de correctas,
•
Número de incorrectas e
•
Tempo médio de correctas (seg.)
O número de reacções correctas e o número de reacções incorrectas correspondem a medida da exactidão do
desempenho. Um número reduzido de reacções correctas ou um número elevado de reacções incorrectas indicam
uma capacidade de concentração reduzida, fraca motivação ou compreensão deficiente da tarefa a realizar.
Fiabilidade:
Dependendo da versão do teste e da amostra comparativa, foram encontrados coeficientes de consistência interna
(alpha de Cronbach) e fiabilidades split-half entre r=.64 e r=.99.
Validade:
A validade é apresentada em termos da validade de critério. A atenção contínua é um constructo psicológico
considerado, em geral, como um pré-requisito do desempenho, relativamente independente da inteligência e que
opera durante um longo período de tempo. Para que o Teste de Atenção Contínua seja realizado com êxito, não
são necessárias "funções cognitivas superiores". O resultado do teste permite tirar conclusões acerca da
estabilidade do desempenho da atenção contínua, como um pré-requisito das capacidades cognitivas sob pressão
de tempo.
Normas:
Estão disponíveis normas sob a forma de Notas-T e Percentis (com intervalos de confiança), para todas as versões
do teste.
Versão S1: Amostra de indivíduos saudáveis (N=297); Amostra de pacientes com sintomatologia neurológica
(N=369).
Versão S2: Amostra de indivíduos saudáveis (N=319); Amostra de Utentes do IEFP - Instituto de Emprego e
Formação Profissional, Portugal (N=312).
Versão S3: Amostra de indivíduos saudáveis (N= 568).
Duração do Teste:
As versões S1 e S2 têm a duração aproximada de 20 minutos; a versão S3 tem a duração aproximada de 35 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-45-
INVENTÁRIO DIFERENCIAL DO STRESSE......................................DSI
Teste do tipo questionário
Autor do Teste:
S. Lefèvre e K. D. Kubinger
Campo de Aplicação:
O Inventário Diferencial do Stresse possibilita a avaliação diferenciada das causas do stresse, dos sintomas de
stresse, das estratégias de coping e dos riscos da manutenção do stresse.
Principais campos de aplicação: Psicologia do Trabalho e das Organizações, Psicologia da Saúde e Psicologia
Clínica.
Quadro de Referência Teórico:
A motivação para o desenvolvimento do Inventário Diferencial do Stresse surgiu da necessidade de criar um
instrumento para avaliar a forma como os indivíduos lidam com o stresse respeitando, simultaneamente, a
multidimensionalidade do constructo.
O teste é composto por 9 dimensões que abrangem os diferentes aspectos das causas do stresse, dos sintomas de
stresse, das estratégias de coping e da manutenção do stresse.
Tendo em consideração a forma como os indivíduos vivenciam e lidam com o stresse é, ainda, possível realizar
uma classificação de acordo com diferentes tipos: Normal, Sobrecarga, Resistência ao stresse, Reduzido nível de
stresse - coping bem sucedido, Elevado nível de stresse - coping bem sucedido.
Aplicação do Teste:
Após as instruções, os itens são apresentados de forma sequencial no ecrã. O examinado introduz as suas respostas
numa escala de 4 pontos (desde quase nunca a quase sempre). É possível corrigir uma única vez a resposta anterior
e não é permitido saltar itens.
Versões do teste:
Existe uma versão do teste, com 122 itens relacionados com os seguintes temas: causas do stresse, sintomas de
stresse, coping e manutenção do stresse.
Avaliação:
São apresentados os valores brutos das escalas, assim como os tempos de resposta para cada item.
A impressão dos resultados abrange uma tabela de resultados com valores brutos e valores normalizados para todas
as escalas, assim como o perfil individual. Como variáveis normalizadas são apresentadas:
Causas de stresse: acontecimentos do quotidiano; relações interpessoais; receios existenciais.
Sintomas de stresse: sintomas físicos; sintomas emocionais e cognitivos.
Coping: coping paliativo; coping instrumental.
Manutenção do stresse: factores externos; factores internos.
Para além disso, para cada examinado é determinada a semelhança do seu perfil para com 5 perfis de vivência do
stresse (perfis de referência), através do cálculo de probabilidades.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-46-
DSI
Fiabilidade:
O Inventário Diferencial do Stresse apresenta em todas as escalas uma consistência interna elevada (Alpha de
Cronbach entre .73 e .94).
Validade:
As escalas do Inventário Diferencial do Stresse resultam de estudos de análise factorial, estando assim garantida a
validade de constructo de acordo com a teoria clássica de testes.
Normas:
As normas são provenientes de uma amostra normalizada de N=378 indivíduos (177 indivíduos do sexo masculino e
201 indivíduos do sexo feminino). Estão disponíveis normas gerais, assim como normas por sexo, por idade e por
nível de escolaridade.
Duração do Teste:
Aproximadamente 15 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-47-
TESTE DE REACÇÕES COMPLEXAS E MÚLTIPLAS EM ECRÃ................DT
Autor do Teste:
G. Schuhfried
Campo de Aplicação:
O Teste DT é utilizado para a avaliação da tolerância ao stress reactivo, para a análise da capacidade de reacção
de escolha múltipla face a estímulos rápidos em constante mudança e para a avaliação de défices da atenção, no
diagnóstico de capacidades e aptidões.
Quadro de Referência Teórico:
O principal objecto de avaliação do DT é a "tolerância ao stress reactivo", assim como a velocidade de reacção que
lhe está associada. Este teste exige, ao nível das capacidades cognitivas, a discriminação de cores e sons, a fixação
conceptual das características relevantes da configuração de estímulos e dos elementos de controlo. Requer,
ainda, a fixação dos critérios de coordenação e a selecção das reacções relevantes, de acordo com as respectivas
instruções e/ou com as regras aprendidas ao longo do teste. O teste exige, também, reacções contínuas,
atempadas e diferenciadas, face a estímulos em rápida mudança, o que se apresenta como sendo uma situação
altamente geradora de stress.
Aplicação do Teste:
Este teste representa um aperfeiçoamento do Aparelho de Reacções Complexas e Múltiplas (DG). Os estímulos
visuais são, contudo, apresentados em ecrã e os estímulos acústicos são produzidos através do interface do
Sistema. A reacção é dada através do pressionar das respectivas teclas no painel de respostas. Apesar destas
diferenças, estudos preliminares revelaram uma elevada concordância entre os resultados nos testes DT e DG.
A apresentação dos estímulos é feita de três modos diferentes, nomeadamente, no modo adaptativo (a velocidade
de apresentação adapta-se ao nível de desempenho do examinado), no modo acção (tempo de realização livre) e
no modo reacção (tempo de realização fixo).
Versões do Teste:
Estão disponíveis as seguintes versões standard do teste:
S1: Adaptativa reduzida; S2: Adaptativa; S3: Versão de Rostock; S4: Versão de Hannover; S5: Versão de Viena A;
S6: Versão de Viena B; S16: Versão turca.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-48-
DT
Foram, ainda, desenvolvidas as seguintes versões do teste principalmente para a área clínica:
S7: Apresentação estímulo central; S8: Versão de Meidling A - cores, sons, pé direito, pé esquerdo; S9: Versão de
Meidling B - cores, sons, pé esquerdo; S10: Versão de Meidling C - cores, sons, pé direito; S11: Versão de Meidling
D - cores, sons; S12: Versão de Meidling E - cores, pé direito, pé esquerdo; S13: Versão de Meidling F - cores, pé
direito; S14: Versão de Meidling G - cores, pé esquerdo e S15: Versão de Meidling H - cores.
Avaliação:
De acordo com o modo de reacção aos estímulos (adaptativa, de acção ou de reacção), são avaliadas as seguintes
variáveis:
- Mediana do tempo de reacção;
- Número de reacções correctas (atempadas e atrasadas);
- Número de reacções erradas;
- Número de reacções omitidas;
- Número de estímulos e
- Número de reacções.
Fiabilidade:
As fiabilidades (consistência interna) apresentadas, mostram bons resultados: mediana do tempo de reacção
(r=0.99), número de estímulos (r=0.99), correctas (r=0.99), atempadas (r=0.99), atrasadas (r=0.99), erradas
(r=0.99), reacções (r=0.99), omitidas (r=0.99).
Validade:
Estão disponíveis vários estudos de validade. No âmbito do estudo de normalização das versões S1 e S2, o teste DT
foi aplicado em conjunto com o Teste de Reacções Simples e de Escolha (RT) e o Teste de Tráfego-Taquistoscópio
(TAVTMB) a uma amostra de 180 indivíduos "saudáveis". Foram registadas correlações significativas entre a
mediana do tempo de reacção do RT e a mediana do tempo de reacção do DT. O total das reacções correctas no
DT correlaciona-se de forma muito significativa com as respostas correctas no teste TAVTMB. Este último, TAVTMB,
corresponde a um método que avalia a capacidade de percepção visual e a velocidade perceptiva, através da
apresentação rápida de imagens, nas quais são visíveis situações de tráfego.
Normas:
Tendo em conta as diferentes versões consideradas, estão disponíveis várias amostras comparativas, mais
concretamente:
Versão S1: Amostra normalizada (N=1179); Infractores de tráfego (N=4949); Adultos – Portugal (N=144); Psicologia
do Tráfego - Portugal (N=123): Forças de Segurança - Macau (N=329).
Versão S2: Amostra Normalizada (N=797).
Versão S3: Amostra normalizada (N=102); Utilizadores de cadeiras de rodas eléctricas (N=75); Pacientes com AVC
N=150.
Versão S4: Amostra normalizada (N=229); Motoristas profissionais (N=888); GNR-CAP 2004 (N=1660).
Versão S5: Amostra normalizada (N=444); Motoristas profissionais N=182; Amostra normalizada – África do Sul
(N=983); Maquinistas (N=52); Mineiros qualificados e não qualificados – África do Sul (N=217).
Versão S6: Amostra Normalizada (N=392).
Duração do Teste:
Tendo em conta a versão do teste escolhida, o tempo de duração varia entre os 6 a 15 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-49-
PERFIL DE PERSONALIDADE DE EYSENCK – VERSÃO 6...................EPP6
Teste do tipo questionário
Autor:
H. J. Eysenck, G. D. Wilson & C. J. Jackson
Campo de Aplicação:
O EPP6 é um inventário modular e multi-dimensional da personalidade para a avaliação das três dimensões
Extroversão, Emotividade e Espírito de Aventura, de acordo com Eysenck. Pode ser utilizado como instrumento de
screening ou para o diagnóstico diferencial da personalidade em todas as áreas da psicologia.
As principais áreas de aplicação são: Psicologia Ocupacional e Organizacional, Psicologia do Tráfego, Psicologia
Aeronáutica, Psicologia do Desporto e Psicologia Clínica.
Quadro de Referência Teórico:
O EPP6 é um questionário multi-dimensional baseado na teoria da personalidade de Eysenck. Graças à abrangência
do modelo, os factores Extroversão, Neuroticismo e Psicoticismo de Eysenck, adaptam-se bem à estrutura do
"modelo dos cinco factores" (Bartussek, 1991). A universalidade destes factores não torna supérfluo o estudo das
características mais específicas da personalidade, ao contrário, deve fomentá-lo. As três dimensões Extroversão,
Emotividade (Neuroticismo) e Espírito de Aventura (Psicoticismo) sustentam esta concepção e reúnem os
resultados de 7 subescalas cada uma. Além disso, foi acrescentada ao questionário uma escala de Dissimulação.
Aplicação do Teste:
Após as instruções, os itens são apresentados de forma sucessiva no ecrã. O examinado introduz as suas respostas
seleccionando uma das três alternativas (Sim, Não e Não sei). Logo que um item tenha sido respondido, surge no
ecrã o item seguinte. É possível corrigir o item imediatamente anterior.
Versões do Teste:
A versão completa S1 é composta por 440 itens, agrupados em 22 escalas (incluindo a escala de Dissimulação). A
versão reduzida S2 é composta por 200 itens, agrupados em 10 escalas (incluindo a escala de Dissimulação).
Avaliação:
São registados os resultados brutos de todas as subescalas, da escala de Dissimulação e das respostas "Não sei". Os
resultados brutos das três dimensões são calculados a partir das respectivas subescalas.
Fiabilidade:
As fiabilidades (consistência interna) da versão S1 do teste situam-se entre .56 (Insensibilidade) e .85
(Inferioridade, Melancolia) nos homens e entre .41 (Insensibilidade) e .89 (Melancolia) nas mulheres. A versão S2
do teste mostra resultados entre .68 (Irresponsabilidade) e .89 (Melancolia) nas mulheres e entre .74
(Assertividade) e .85 (Melancolia) nos homens.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-50-
EPP6
Validade:
Os estudos de análise factorial das 22 variáveis do EPP6 (versão S1) mostram uma estrutura distinta de três
factores. O factor Emotividade explica 27.2 % da variância, o factor Espírito de Aventura explica 17.9% e o factor
Extroversão explica 10.1%. Eysenck, Barrett, Wilson & Jackson (1992) e Costa & McCrae (1995) reproduziram estes
resultados. Para além disso, Costa & McCrae (1995) fornecem algumas soluções factoriais alternativas as quais são
particularmente interessantes no que se refere ao "modelo dos cinco factores". A validade factorial do EPP6
mantém-se em diferentes culturas e grupos etários com uma estrutura factorial equivalente (Eysenck, Wilson &
Jackson, 2000).
Normas:
Está disponível uma normalização de ambas as versões do teste (apenas normas gerais) sob a forma de percentis,
notas-T e valores-Stanine, com base numa amostra de N=1394. A amostra é composta por 697 homens e 697
mulheres, com idades a partir dos 20 anos.
Duração do Teste:
Versão completa S1: 55 minutos.
Versão reduzida S2: 20 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-51-
QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DO RISCO DE SUICÍDIO...................FBS
Teste do tipo questionário
Autor do Teste:
Jochen Storck
Campo de Aplicação:
O FBS utiliza-se para o estudo de quadros de personalidade depressivo-suicida, em jovens com mais de 17 anos e
adultos, sobretudo na área clínica.
Quadro de Referência Teórico:
Com o auxílio deste teste, pretende-se compreender o "campo suicida consciente", no qual, segundo o autor, se
incluem o suicídio com consequência de morte, a tentativa de suicídio e as tendências para o suicídio (ideações
suicidas, intenções suicidas, declarações suicidas e medo de cometer suicídio).
Além do risco de suicídio, são também avaliadas formas de comportamento, as quais, segundo o autor do teste, se
incluem no "campo suicida inconsciente" (por exemplo, abuso de álcool ou de drogas e comportamento
anti-social).
Para a construção da forma definitiva do teste, foi utilizada uma amostra de mais de 2700 indivíduos. Após uma
análise do comportamento suicida, foram formados quatro grupos que se distinguiam pelo grau de manifestação de
tendências suicidas (ideações suicidas; intenções suicidas; declarações suicidas; medo de cometer suicídio), assim
como em relação às tentativas de suicídio consumadas. Face aos valores de pontuação destes grupos, foi efectuada
a avaliação do estado depressivo-suicida e a apreciação do risco de suicídio de um indivíduo.
Aplicação do Teste:
Após as instruções, são apresentados os 52 itens do FBS, um a um, no ecrã. O examinado assinala as suas respostas
segundo uma escala bipolar (correcto/incorrecto). É permitido efectuar uma única correcção por item e saltar
itens. Todos os itens não respondidos serão novamente apresentados no final do teste, embora não exista
obrigatoriedade de resposta.
Versões do Teste:
Existe uma única versão do teste.
Avaliação:
São cotados o valor total (resultado bruto) e o tempo de resposta para cada item. O examinado é agrupado num
dos 5 domínios ("Normalidade", "Normalidade duvidosa", "Baixo risco de suicídio", "Alto risco de suicídio", "Elevado
risco de suicídio") segundo o valor total atingido.
Fiabilidade:
As respectivas indicações não se encontram na literatura. Estudos isolados, efectuados com uma amostra de
doentes psiquiátricos, para a variável "Valor total", apresentaram um coeficiente split-half de rtt=.89. Schmidtke e
Schaller (1975) estudaram a fiabilidade teste-reteste em amostras de adolescentes. Desses estudos resultaram
coeficientes de estabilidade entre rtt = .81 e rtt = .85.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-52-
FBS
Validade:
Estudos revelaram correlações significativas com algumas escalas do "Questionário de Queixas de Giessen"
("ressonância social negativa vs. positiva" r=-.39, "hipomania vs. modo depressivo" r=.55) e o questionário de
atitudes do "Outro Generalizado" ("Vivência da rejeição e menosprezo pelos outros" r=-.50, "atitude positiva ou
negativa perante o meio social" r=-.41, "impedimentos no desempenho": r=-.41, "dominância e capacidade de
liderança":r=-.34).
Normas:
O valor total obtido pelo examinado é avaliado verbalmente. Os resultados comparativos de grupos, que se
diferenciam nos critérios "Tendências suicidas" e "Tentativas de suicídio", constituem a base desta avaliação.
Para além disso, existe, para a versão informatizada, uma amostra normalizada de 266 doentes psiquiátricos.
Duração do Teste:
10-15 min.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-53-
TESTE DE CAPACIDADE DE LIDERANÇA......................................FET
Teste do tipo questionário
Autor do Teste:
Walter Schmidt
Campo de Aplicação:
O Teste de Atitudes de Liderança foi desenvolvido como um instrumento auxiliar na determinação da aptidão
pessoal para assumir responsabilidades de chefia.
O FET tem a sua aplicação na selecção e na formação de indivíduos para cargos de chefia. É adequado, também,
como instrumento de orientação para todos aqueles que aspiram a uma posição de chefia, a fim de poderem
reconhecer mais claramente as suas necessidades de desenvolvimento pessoal.
Quadro de Referência Teórico:
A concepção deste teste baseia-se na consideração de que o sucesso da liderança depende (também) de
determinadas atitudes pessoais. Isto porque existe um conjunto de características estruturais comuns a todas as
situações de liderança, para cujo domínio são necessárias determinadas atitudes (da personalidade). As atitudes
são estruturas complexas, nas quais influem componentes cognitivos e afectivos, a dependência da respectiva
estrutura organizacional, assim como as experiências pessoais de aprendizagem e as experiências de vida. O
conceito de atitude para a descrição da personalidade foi também escolhido porque nas respostas ao teste se
revelam (as) atitudes do examinado.
Aplicação do Teste:
Após as instruções, as questões são apresentadas sucessivamente no ecrã. O examinado responde com 'verdadeiro'
ou 'falso'. É permitida uma única correcção, assim como saltar itens. Os itens não respondidos são apresentados,
uma vez mais, no final do teste, não havendo no entanto obrigatoriedade de resposta.
Versões do teste:
Existe uma versão com 100 itens.
Avaliação:
São avaliados os resultados brutos de todas as escalas, assim como o tempo de resposta em cada um dos itens. A
impressão dos resultados abrange uma tabela de resultados brutos e normalizados para todas as escalas, o tempo
de realização do teste e, opcionalmente, um perfil e uma matriz de análise dos itens.
Fiabilidade:
Os coeficientes de consistência (alpha de Cronbach) das 10 escalas situam-se acima de 0.70.
Validade:
Foram encontradas correlações muito significativas entre as escalas do Teste de Atitudes de Liderança e os
critérios externos de sucesso na carreira (5 critérios) e comportamento de liderança (5 critérios).
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-54-
FET
Normas:
A amostra de normalização é constituída por 100 pessoas (71 chefes de departamento e 29 chefes de secção e
directores). Como critérios externos utilizaram-se cinco características de carreira (vencimento bruto, aumento
salarial, cargo ocupado, assim como dois critérios salariais que levam em conta o nível de formação académica, a
idade e o tempo de serviço). Um segundo grupo de critérios externos é constituído pelas descrições e/ou
avaliações do comportamento de chefia, pelos subordinados.
Duração do Teste:
Entre 15 e 20 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-55-
QUESTIONÁRIO DAS FUNÇÕES PSICOSSOCIAIS DO CONSUMO
DE ÁLCOOL.......................................................................FFT
Teste do tipo questionário
Autores:
Eberhard Belitz-Weihmann e Peter Metzler
Campo de Aplicação:
O questionário analisa os efeitos psíquicos sentidos de forma positiva derivados da ingestão de álcool, assim como
a função social inerente ao consumo do mesmo. O questionário pode ser aplicado com todos os sujeitos que têm
experiência de consumo de álcool. O FFT fornece indicações sobre pacientes de risco, ou seja, indivíduos no limiar
da dependência alcoólica, baseando-se na extensão dos efeitos do álcool vivenciados de forma positiva. Para além
disso, o FFT fornece informações fiáveis para aconselhamento e terapia de casos individuais. Principais campos de
aplicação: Psicologia Clínica.
Quadro de Referência Teórico:
O FFT baseia-se nos resultados da investigação sobre o alcoolismo, orientada segundo a teoria da aprendizagem
cognitiva e social, encontrando também aplicabilidade nos casos de reincidência no âmbito da dependência
alcoólica. Em primeiro plano encontra-se o valor reforçado do álcool, devido a uma ausência de estratégias de
comportamento alternativas. Podem ser analisados, em 5 escalas, itens de 17 diferentes domínios funcionais do
álcool,
segundo
o
modelo
de
Rasch.
Estas
escalas
permitem
avaliar:
1. "Efeito excitante do álcool", 2. "Efeito psicofarmacológico do álcool", 3. "Função sócio-dinâmica do consumo de
álcool", 4. "Aceitação social do consumo de álcool" e 5. "Sintomas de dependência física e psíquica".
O FFT é um dos poucos questionários homogéneo segundo o modelo de Rasch. Na construção do presente
questionário evitou-se a utilização de questões que pudessem suscitar tendência para a negação por parte dos
indivíduos com dependência alcoólica (p.ex., evitou-se a utilização de questões relacionadas com a quantidade de
álcool consumida).
Aplicação do Teste:
Os itens do FFT são apresentados de forma sequencial no ecrã. O examinado deverá seleccionar uma resposta, entre
quatro alternativas possíveis.
Versões do Teste:
Existem duas versões completas do teste, a S1 e a S2, ambas com 93 itens (S1: Presente e S2: Passado) e uma
versão reduzida S3 (Presente, sem a escala 5) com 64 itens. Existe, também, a possibilidade de aplicar apenas
determinadas escalas.
Avaliação:
São apresentadas as seguintes variáveis normalizadas: "Efeito excitante do álcool", "Efeito psicofarmacológico do
álcool", "Função sócio-dinâmica do consumo de álcool", "Aceitação social do consumo de álcool", e "Sintomas de
dependência física e psíquica". Adicionalmente é calculado um valor de discriminação, o qual indica o grau de
risco de alcoolismo. É, ainda, possível apresentar uma matriz de análise dos itens na qual são indicadas todas as
respostas às diferentes questões.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-56-
FFT
Fiabilidade:
As fiablidades (Alpha de Cronbach) situam-se, para as 5 escalas, entre r=.87 e r=.96. Existe precisão de medida
devido à validade do modelo de Rasch para todas as 5 escalas. Relacionado com a unidimensionalidade do teste,
podemos assumir que os diferentes grupos de indivíduos não são colocados em desvantagem ou vantagem em
determinados itens.
Validade:
Mesmo sem se considerar a escala 5, o FFT oferece elevadas garantias relativamente à discriminação entre
indivíduos com consumo de álcool normal e indivíduos que apresentam dependência alcoólica. Para além disso, são
demonstradas diferenças de perfil em função do sexo, da idade, do tipo de dependência e do grau de cronicidade.
Normas:
A normalização das diferentes versões teve como base os resultados de N=244 "pacientes com dependência
alcoólica" em abstinência, pertencentes a 12 Centros de Tratamento (internamento e ambulatório) e de N=95
sujeitos com consumo normal de álcool.
Para a versão S3 existe, adicionalmente, uma amostra normalizada de N= 284, recolhida no ano de 2003.
Duração do Teste:
Aproximadamente 15 a 20 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-57-
TESTE DE INTERESSES DE TEMPOS LIVRES...................................FIT
Teste do tipo questionário
Autor:
Werner Stangl
Campo de Aplicação:
O FIT é um teste diferencial para a determinação dos interesses e preferências nos tempos livres, a partir dos 14
anos. Este teste pode ser utilizado no aconselhamento de actividades de tempos livres. O FIT está orientado
segundo um modelo de interesses gerais, podendo assim ser utilizado para a definição de interesses gerais.
Quadro de Referência Teórico:
Segundo J.L. Holland (1973, 1985), existem seis orientações básicas da personalidade no domínio da nossa cultura:
realista, intelectual, artística, social, empreendedora e convencional.
Estas seis orientações básicas podem também ser utilizadas para a descrição ou classificação dos meios
circundantes, uma vez que estes são predominantemente definidos pelas acções dos indivíduos, suas atitudes e
tipos de comportamento. O FIT teve como base, na sua construção, ambos os aspectos deste modelo, mesmo
quando a ênfase incide na classificação da estrutura da personalidade.
No FIT, são formados 15 pares de orientações possíveis. Para eliminar ou manter constante a influência das
situações, ocorrem no FIT, respectivamente, duas comparações; uma vez, na situação que constitui a primeira
orientação e uma segunda, na situação que corresponde à segunda orientação. Ao serem consideradas todas as
situações com a mesma frequência, as comparações ocorrem de forma equilibrada em relação às seis possíveis
áreas de interesses.
Aplicação do Teste:
Após as instruções, com um exercício de treino, surgem no ecrã, 30 situações, cada uma com dois pares de
actividades. O examinado deverá escolher uma das alternativas de resposta.
É possível efectuar uma única correcção e saltar itens. Todos os itens não respondidos serão novamente
apresentados no final do teste. No entanto, não existe obrigatoriedade de resposta.
Avaliação:
São cotados os valores brutos do conjunto das escalas e o tempo de resposta para cada item. É fornecido:
1. Uma impressão para o operador, com:
- Valores brutos e normalizados das seis orientações de interesses
- Código-Holland (as três orientações de interesses mais intensamente manifestadas)
- Medida de diferenciação das seis orientações de interesses
2. Uma impressão para o examinado, com:
- Perfil de interesses
- Código-Holland
- Medida de diferenciação dos interesses
A impressão para o examinado contém, ainda, um comentário aos resultados.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-58-
FIT
Fiabilidade:
Para a versão papel-e-lápis, os coeficientes do teste-reteste (com um intervalo de tempo de 8-10 semanas),
apresentaram um valor médio de .78 para as seis escalas, numa pequena amostra se aferição.
Validade:
A validade de constructo foi confirmada através de dois estudos em que se analisou a hipótese teórica respeitante
às relações dentro do próprio modelo e também através da investigação da consistência do modelo teórico das
orientações.
A validade convergente do teste foi analisada através de correlações com factores de personalidade (medidos com
o teste ESV16) e também através da comparação com o teste AIST (rtt de .24 a .56).
A validade de critério foi confirmada através de comparações entre as orientações de tempos livres e as
actividades reais de tempos livres.
Normas:
Para a versão papel-e-lápis, as normas comparativas, para as seis orientações de interesses, foram obtidas a partir
de duas amostras de aferição (121 alunos do ensino secundário, entre os 16 e os 18 anos; 219 estudantes
universitários, entre os 18 e os 27 anos).
Com a versão informatizada, obtiveram-se normas portuguesas (N=1163 Utentes IEFP). A amostra normalizada é
constituída por 483 homens e 685 mulheres e está estratificada por idade, nível de escolaridade e sexo.
Duração do Teste:
Aprox. 20 min.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-59-
TESTE DE RACIOCÍNIO LÓGICO..............................................FOLO
Autores:
Eva Hagman & Oswald Bratfisch
Campo de Aplicação:
O teste FOLO é um instrumento não verbal para avaliação da capacidade de raciocínio lógico, com base no
reconhecimento de regras e na continuação de séries de formas, aplicável a indivíduos com idade superior a 12
anos. O presente teste foi, em primeira linha, concebido para aplicação no âmbito da selecção de pessoal e da
consultadoria. Tem, também, aplicação na Psicologia do Trabalho e das Organizações, na orientação escolar e
vocacional e na gestão da carreira.
Quadro de Referência Teórico:
O teste FOLO tem um carácter indutivo, isto é, visa avaliar a capacidade para estabelecer uma regra geral a partir
de um caso específico. O FOLO deve ser atribuído ao factor Reasoning Ability – R (raciocínio lógico). Este factor-R
é considerado um factor fundamental em todos os modelos da inteligência.
As múltiplas definições deste factor abrangem um vasto espectro: raciocínio abstracto, capacidade para
estabelecer
relações,
raciocínio
dedutivo,
capacidade
analítica,
capacidade
de
processamento,
etc.
Frequentemente, o factor-R é considerado como o verdadeiro cerne da inteligência.
Aplicação do Teste:
É apresentada uma série de seis figuras, construída de acordo com uma determinada regra. A tarefa do examinado
consiste em descobrir a regra e indicar as duas figuras que representariam a continuação correcta da série. Para
tal, são apresentadas oito alternativas de resposta.
Versões do Teste:
Está disponível uma única versão com 25 itens.
Avaliação:
O número de itens resolvidos de forma correcta representa a medida para o raciocínio indutivo. O protocolo dos
resultados inclui valores brutos e valores normalizados.
Fiabilidade:
A fiabilidade Split-half situa-se entre r=.89 e r=.91 para indivíduos com diferentes níveis de escolaridade.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-60-
FOLO
Validade:
A validade facial do teste FOLO é evidente – o conteúdo do teste é imediatamente associado ao raciocínio lógico. A
validade lógica é dada pela definição operacional do conceito raciocínio indutivo. A validade de conteúdo foi
comprovada através de estudos de análise factorial. A validade de prognóstico foi confirmada em profissões que
colocam, entre outras, elevadas exigências ao nível do raciocínio lógico. Como critérios foram utilizados os "bons
resultados na formação profissional" e os "fracos desempenhos no exercício da profissão".
Normas:
Está disponível uma amostra normalizada de N=375 adultos, assim como uma amostra normalizada de N=1147
adultos provenientes da Suécia. Ambas as amostras encontram-se também estratificadas por idade e por nível de
escolaridade.
Duração do Teste:
A duração do teste situa-se em 15 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-61-
TESTE DE RECONHECIMENTO VISUAL CONTÍNUO.........................FVW
Autor do Teste:
J. Kessler e U. Pietrzyk
Campo de Aplicação:
Teste para análise da capacidade de memorização e das perturbações das funções cerebrais (quantificação dos
défices mnésicos), tendo o examinado que decidir se um objecto surge ou não pela primeira vez. O teste pode ser
aplicado a indivíduos com idade superior a 6 anos.
Principais campos de aplicação: Diagnóstico de aptidões, Psicologia Clínica (para o diagnóstico do declínio normal
da memória, resultante da idade ou de patologia), Neuropsicologia e Psicofarmacologia.
Quadro de Referência Teórico:
A maioria das teorias pressupõem que, na memória, cada informação (item) possui uma certa familiaridade, a qual
aumenta em função do número de apresentações. É ainda suposto que esta familiaridade esteja sujeita a
oscilações casuais, de modo a que os itens familiares possam ser avaliados como novos e vice-versa. São utilizadas
várias características específicas desta área de sobreposição, para avaliar a exactidão com que o examinado é
capaz de diferenciar itens familiares de itens novos. As perturbações da memória podem ser indicadores sensíveis
de disfunções cerebrais e consistem no sintoma mais frequentemente referido, após uma lesão cerebral. A
capacidade de reconhecimento é também válida como indicador de envelhecimento patológico.
Aplicação do Teste:
Dependendo da versão do teste, é apresentada uma sequência de palavras, objectos, números, sílabas sem
sentido, combinações de letras e números e itens difíceis de nomear. O examinado terá de decidir se um item é
apresentado no ecrã, pela primeira vez, ou se já foi apresentado anteriormente.
Versões do Teste:
O FVW existe em sete versões (S2 a S8). As versões S2 a S5 diferem quanto ao nível de dificuldade do teste. Cada
versão do teste contém 210 itens (105 verbais e 105 não verbais). S6 e S7 são versões reduzidas, com um grau de
dificuldade menor e aplicam-se, nomeadamente, na área clínica. A S8 consiste numa versão reduzida e é,
especialmente, dirigida a crianças.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-62-
FVW
Avaliação:
A avaliação efectua-se de acordo com as seguintes variáveis:
- Número de acertos: Esta variável assinala o número de itens correctamente reconhecidos.
- Número de falsos positivos: Número de respostas-sim em itens distractores, ou seja, um item apresentado uma
única vez é avaliado como tendo sido apresentado duas vezes.
- Tempo médio de reacção dos acertos
- Capacidade de discriminação: Medida de distribuição livre para a capacidade do examinado em discriminar
entre itens apresentados anteriormente e itens novos (familiaridade).
- Tendência de resposta: Revela se o examinado responde de forma "conservadora" (em caso de dúvida, responde
"Não") ou de forma "liberal" (em caso de dúvida, responde "Sim").
- Tempo de realização
Fiabilidade:
A fiabilidade (Alpha de Cronbach) situa-se entre r=.78 e r=.86, conforme a versão do teste e a amostra
comparativa.
Validade:
O desempenho no teste FVW, não revelou quaisquer correlações com os desempenhos cognitivos dos examinados
nos testes CPM (Matrizes Progressivas Coloridas) e DAUF (Atenção Contínua).
No que se refere à versão S8, o número de acertos em itens concretos e itens abstractos correlaciona-se em igual
medida com o resultado total (.73 a .87). Isto indica que todos os grupos de itens são adequados para crianças.
Normas:
Versão S2 – Versão A (UBS 3):
Indivíduos saudáveis (N=226) com idades compreendidas entre os 10 e os 99 anos.
Versão S3 – Versão B (UBS 4):
Indivíduos saudáveis (N=53) com idades entre os 16 e os 90 anos.
Versão S4 – Versão C (UBS 5-6):
Indivíduos saudáveis (N=78) com idades entre os 16 e os 89 anos.
Versão S5 – Versão D (UBS > 6):
Indivíduos saudáveis (N=159) com idades compreendidas entre os 15 e os 67 anos.
Versão S6 – Versão reduzida E (Clínica):
Adultos (N=763) com idades entre os 17 e os 91 anos.
Versão S8 – Versão G (Crianças):
Crianças (N=240) com idades entre os 6 e os 9 anos.
Duração do Teste:
Aproximadamente 15 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-63-
TESTE DE ASSERTIVIDADE DE GRAZ.........................................GAT
Teste do tipo questionário
Autor do Teste:
Rudolf Skatsche
Campo de Aplicação:
Este teste foi concebido como instrumento de screening clínico, para a avaliação de distúrbios do comportamento
no âmbito da auto-segurança e competência social, em adultos, e também no planeamento terapêutico (terapia
comportamental).
Quadro de Referência Teórico:
O questionário foi desenvolvido com base no constructo da assertividade, o qual abrange os conceitos de auto-segurança, auto-afirmação e competência social. Estes conceitos integram-se numa perspectiva multidimensional
que engloba as atitudes subjectivas para consigo próprio, o receio ou inibição social e as competências sociais. O
questionário compõe-se de 99 itens, os quais se agrupam em 5 escalas de análise factorial: 1. Competência Social
(33 itens); 2. Opiniões Próprias (18 itens); 3. Autodefesa (14 itens); 4. Espontaneidade vs Receio (14 itens); 5.
Autoconfiança Geral (20 itens).
Aplicação do Teste:
Após as instruções, os itens são apresentados de forma sucessiva, no ecrã. O examinado selecciona a sua resposta
entre duas alternativas de resposta (concordo / não concordo). É permitido fazer uma única correcção e "saltar"
itens. Todos os itens não respondidos são novamente apresentados no final do teste não existindo, contudo,
obrigatoriedade de resposta.
Versões do Teste:
Existe apenas uma versão do teste, com 99 itens.
Avaliação:
São cotados os valores brutos para todas as escalas e o tempo de resposta para cada item. A impressão dos
resultados inclui uma tabela de resultados, com valores brutos e normalizados para todas as escalas, assim como,
o tempo de realização e, opcionalmente, um perfil do teste e uma matriz de respostas do examinado.
Fiabilidade:
Para as escalas do GAT, obtiveram-se coeficientes de consistência (Alfa de Cronbach) entre .75 e .87. Os
coeficientes Split-half situam-se entre .68 e .86.
Validade:
A validade de constructo inclui, para além de correlações com diversos inventários de personalidade, correlações
com a idade, sexo e quociente de inteligência. Assim, registaram-se correlações negativas com as escalas de
agressividade do FAF e correlações negativas bastante significativas com o "medo" (avaliado com o STAI, de
Spielberger).
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-64-
GAT
Além disso, na aplicação do EPI, constatou-se que um indivíduo se descreve tanto mais extrovertido e
emocionalmente estável, quanto mais elevado for o seu valor (total) de Assertividade, o que leva a supor que o
comportamento assertivo é também determinado pela dimensionalidade das características fundamentais da
personalidade. A idade, o sexo e o quociente de inteligência não se correlacionam, de modo significativo, com as
escalas do GAT.
Normas:
Existem normas, obtidas a partir de uma amostra de aferição de N=110, para a faixa etária dos 18 aos 65 anos.
Encontram-se, também, à disposição normas obtidas a partir das seguintes amostras: Candidatos a emprego de
Portugal (N=654), Forças de Segurança de Macau (N=217), Candidatos a emprego de Macau (N=142), Utentes IEFP
de Portugal (N=1047), Utentes IEFP - Formação Profissional (N=664) e Utentes IEFP – Selecção (N=622).
Duração do Teste:
Aproximadamente 15 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-65-
FUNÇÕES BÁSICAS DA INTELIGÊNCIA.........................................IBF
Autor do Teste:
ITB Instituto de Investigação Psicológica de Bona (Direcção: Dr. E. Fay, Dr. G. Trost) e Dr. G. Gittler do Instituto de
Psicologia da Universidade de Viena
Campo de Aplicação:
Este procedimento é considerado um teste de inteligência geral, cujos grupos de exercícios abrangem diferentes
áreas da inteligência. Permite uma ampla avaliação do nível de inteligência e da estrutura da inteligência, em
indivíduos com idade superior a 13 anos. O IBF constitui um instrumento de screening particularmente útil na
avaliação global do nível de inteligência.
Os principais campos de aplicação são a orientação escolar-vocacional e profissional, a selecção de pessoal; assim
como, a área clínica e a investigação.
Quadro de Referência Teórico:
O desenvolvimento do teste teve por objectivo a avaliação diferenciada de várias áreas de aptidão relevantes. Na
versão completa, o teste é composto pelas seguintes quatro dimensões:
- "Funções verbais da inteligência" (35 exercícios)
- "Funções numéricas da inteligência" (40 exercícios)
- "Capacidade de representação figurativo-espacial" (17 exercícios)
- "Capacidade de memorização" (20 exercícios).
Aplicação do Teste:
Os grupos de exercícios são resolvidos, um a um, com limite de tempo. Cada grupo de exercícios é precedido de
uma instrução padronizada com exercícios de treino. A resposta correcta é seleccionada segundo o método da
escolha múltipla. Cada item de um subteste poderá ser corrigido as vezes que o examinado pretender. É também
possível aceder novamente aos itens e proceder a correcções, desde que o examinado não tenha ainda esgotado o
tempo permitido para cada um dos grupos de exercícios.
Versões do Teste:
Existem duas versões do teste:
Versão S1 – Versão standard
Versão S2 – Versão simples reduzida
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-66-
IBF
Avaliação:
É cotado o número de respostas correctas (resultado bruto) para o teste global, assim como para as diferentes
áreas de aptidão (funções verbais da inteligência, funções numéricas da inteligência, capacidade de representação
figurativo-espacial e capacidade de memorização). Além disso, efectua-se uma comparação com as normas
(percentis, notas-T e valores-QI), sendo os resultados apresentados sob a forma de tabela e de perfil. A matriz de
respostas faculta as respostas aos itens (correcta, incorrecta, corrigida, omitida), assim como, o tempo de
realização do teste.
Fiabilidade:
A consistência interna (Alpha de Cronbach) das várias áreas de aptidão situa-se, para a versão standard, entre
r=.84 (capacidade de representação figurativo-espacial) e r=.94 (funções numéricas da inteligência). Para o teste
global, obteve-se um valor de r=.95.
A consistência interna (Alpha de Cronbach) das várias áreas de aptidão situa-se, para a versão reduzida, entre
r=.74 e r=.92. Para o teste global, obteve-se um valor de r=.93.
Validade:
Existem estudos que mostram correlações com os Testes das Matrizes de Raven APM (Raven, Raven & Court, 1998)
e SPM Plus (Raven, Raven & Court, 1979) entre r=.30 e r=.41 (APM, N=237) e entre r=.42 e r=.52 (SPM Plus, N= 256)
para os grupos de exercícios, e entre r=.52 e r=.66, para o teste global. As correlações com o INKA (Heyde, 1995)
situam-se entre r=.36 e r=.47 para os grupos de exercícios; para o teste global são de r=.54 (N=320).
Normas:
Para a versão S1 estão disponíveis normas de uma amostra de 4771 indivíduos com idade superior a 14 anos. Para
além das normas gerais estão, ainda, disponíveis normas por idade, por sexo e por nível de escolaridade.
Para a versão S2 existem normas de uma amostra de 5581 indivíduos com idade superior a 13 anos.
Duração do Teste:
Versão S1 – entre 45 a 65 minutos (sem instruções)
Versão S2 – entre 30 a 45 minutos (sem instruções)
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-67-
TESTE DE MEMÓRIA INCIDENTAL..............................................IGS
Autor:
Elfriede Opgenoorth e E. Bolten
Campo de Aplicação:
Teste para objectivação da eficácia dos processos de memorização incidental, no âmbito do paradigma da
aprendizagem incidental: codificação, evocação e reconhecimento.
Principal campo de aplicação: Psicologia Clínica.
Quadro de Referência Teórico:
O IGS foi desenvolvido face à necessidade de um teste de memória que correspondesse às modernas teorias,
baseadas na investigação psicológica, e que permitisse uma visão geral sobre os processos de codificação do
examinado, em especial, o aspecto da casualidade. No âmbito clínico, é sabido que a capacidade de memorização
incidental (codificação) é aquela que se encontra alterada no início de um processo de deterioração mental, nos
distúrbios afectivos, como efeito secundário da terapia medicamentosa, etc. Os testes tradicionais de memória
não permitem avaliar muitas das formas de distúrbios da capacidade cognitiva, uma vez que os examinados são
informados, durante as instruções, de que a sua capacidade de memorização está a ser avaliada. A motivação, a
elevada activação, a atenção e a focalização da concentração na tarefa de memorização, mas também os
chamados modos de reacção neuróticos (como o medo de um exame) entram como factores perturbadores no
resultado do desempenho em processos de avaliação intencionais. O IGS é aplicado como exercício de
categorização, em que o operador pode induzir, à escolha, diferentes codificações no examinado. Este método
baseia-se nos estudos de Craik & Lockhart (depth of coding) e em estudos experimentais posteriores, assim como
em Paivio e na sua teoria da codificação dual (dual coding). Os estímulos são constituídos por figuras e palavras,
pelo que a aplicação do teste é indicada, principalmente, na reabilitação de pacientes com lesões cerebrais, para
formulação de pareceres.
Aplicação do Teste:
A tarefa de categorização é realizada sem limite de tempo. O operador pode seleccionar uma das duas
possibilidades de instrução e, deste modo, orientar o processo de codificação.
A verificação dos itens distractores imediatamente após a fase de codificação serve, sobretudo, para preparar o
examinado para a avaliação dos itens do teste (evocação e/ou reconhecimento). Uma secção específica do teste
permite introduzir conteúdos de memória reproduzidos livremente pelo examinado (fase de evocação). Na fase de
reconhecimento, o examinado decide se o item lhe é familiar, revelando assim a sua segurança subjectiva.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-68-
IGS
Versões do Teste:
Existem 4 versões do teste, que se diferenciam quanto ao tipo de codificação, assim como à evocação e ao
reconhecimento.
Avaliação:
São apresentadas as seguintes variáveis normalizadas: subteste Codificação: "Total de codificações correctas",
"Tempo de realização". Subteste Itens distractores: "Total de respostas correctas". Subteste Evocação: "Total de
evocações", "Total de evocações correctas", "Total de perseveranças", "Total de incorrectas". Subteste
Reconhecimento: "Total de respostas corretas", "Total de respostas incorrectas", "Número de acertos", "Número de
rejeições correctas", "Número de omitidas", "Número de falsos positivos", "Capacidade de discriminação" entre
itens antigos e novos, "Tempo de realização".
Fiabilidade, Validade:
Para a validação do teste foi realizada uma análise comparativa entre ambas as versões S1 (Codificação semântica)
e S3 (Codificação afectiva) e diferentes grupos clínicos Matauschek, 1996), cujo resultado foi muito satisfatório.
Normas:
S1,S2: Adultos (N=203); Idosos (N=87); Doentes psiquiátricos (N=63)
S3,S4: Adultos (N=67); Doentes psiquiátricos (N=56)
Duração do Teste:
Aproximadamente 20 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-69-
INVENTÁRIO DE TRAÇOS DE PERSONALIDADE RELEVANTES
PARA A CONDUÇÃO............................................................IVPE
Teste do tipo questionário
Autor do Teste:
M. Herle, M. Sommer, M. Wenzl & M. Litzenberger
Campo de Aplicação:
O IVPE avalia traços de personalidade relevantes para a condução: aventureirismo, sentido de responsabilidade,
auto-controlo e estabilidade psíquica, no contexto da avaliação psicológica relacionada com a condução.
Principais campos de aplicação: Psicologia do Tráfego.
Quadro de Referência Teórico:
O inventário IVPE é um teste de personalidade informatizado que avalia traços de personalidade relevantes para a
psicologia do tráfego: sentido de responsabilidade, auto-controlo, estabilidade psíquica e aventureirismo. O
comportamento social em situações de tráfego é visto como estando ligado, acima de tudo, à capacidade e
motivação para agir conforme determinadas regras e normas. A avaliação do sentido de responsabilidade baseia-se
no modelo dos três componentes da atitude face a valores sociais, de Stahlberg e Fey (1996). A Teoria Geral do
Crime, de Gottfredson e Hirschi (1990), fornece a base para a construção dos itens da escala do auto-controlo. O
neuroticismo, que é definido como sendo o oposto de estabilidade psíquica, é avaliado através de traços de
personalidade que Ostendorf (1990) demonstrou serem os melhores indicadores desta dimensão latente da
personalidade. O constructo aventureirismo é avaliado recorrendo a uma escala construída com base na dimensão
„procura de emoções e aventura“, postulada por Zuckermann (1994) no seu modelo de „Sensation Seeking“. A
justificação para a escolha desta subescala relaciona-se com a relevância da mesma para a condução segura
(cf. Jonah, 1997).
Aplicação do Teste:
São apresentadas afirmações relacionadas com o comportamento no trânsito, no trabalho e em actividades de
lazer. A tarefa do examinado consiste em indicar em que medida concorda com as várias afirmações, utilizando
para o efeito uma escala que varia entre „não concordo“ e „concordo“. É possível corrigir o item imediatamente
anterior.
Versões do Teste:
O teste tem uma única versão com 48 itens.
Avaliação:
São avaliadas as seguintes variáveis: estabilidade psíquica, sentido de responsabilidade, auto-controlo e
aventureirismo. Para além disso, o IVPE inclui uma escala de sinceridade, para o controlo da tendência de
falseamento dos resultados. Os resultados são apresentados sob a forma de valores brutos e valores normalizados
(percentis e notas-T).
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-70-
IVPE
Fiabilidade:
A fiabilidade, em termos de consistência interna, é apresentada com base na validade do modelo de Rasch para as
escalas individuais.
Validade:
A validade de constructo das escalas individuais pode ser comprovada com base na validade do modelo de Rasch e
na fundamentação teória inerente à construção dos itens. A validade foi, também, demonstrada num estudo de
análise factorial.
Normas:
Estão disponíveis normas para uma amostra de 489 indivíduos (240 homens, 249 mulheres; intervalo de idades
17-88).
Duração do Teste:
Aproximadamente 15 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-71-
QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE SINTOMAS FÍSICOS,
PSÍQUICOS E SOCIAIS........................................................KOEPS
Teste do tipo questionário
Autor:
Rolf Manz
Campo de Aplicação:
O KOEPS é um teste especialmente indicado no âmbito da Psicologia Clínica, Psicologia Forense, Medicina
Psicossomática, Psicoterapia e Psiquiatria, assim como na área da Psicologia da Saúde e da Saúde Pública.
Quadro de Referência Teórico:
O teste compõe-se de 60 itens e abrange os sintomas indicativos de patologias ao nível físico, psíquico e da
interacção social, que são característicos da Medicina Psicossomática, da Psicologia Clínica e da Psiquiatria.
Aplicação do Teste:
Após as instruções, os itens são apresentados um a um, no ecrã. O examinado introduz as suas respostas,
seleccionando um dos quatro níveis ("muito", "bastante", "um pouco" e "não"). É permitido fazer uma única
correcção e saltar itens. Os itens não respondidos são apresentados novamente no final do teste, não existindo,
contudo, obrigatoriedade de resposta.
Versões do Teste:
Existe uma versão standard com 60 itens.
Avaliação:
São apresentadas escalas para avaliação dos distúrbios físico, psíquico e sócio-relacional e ainda uma escala
global. A avaliação inclui uma tabela de resultados, o perfil e a matriz de análise dos itens.
Validade:
Numa amostra de aferição de N=205 adultos foram aplicados, além do KOEPS, o FPI e o Teste de Giessen. Foram
encontradas correlações significativas entre a escala Distúrbio Físico, do KOEPS, e as escalas Nervosismo,
Depressividade e Labilidade Emocional, do FPI; entre as escalas Distúrbio Psíquico, do KOEPS, Nervosismo,
Depressividade, Serenidade e Labilidade Emocional, do FPI, e a escala Modo de Estar Básico, do Teste de Giessen;
entre a escala Distúrbio Sócio-Relacional, do KOEPS, e as escalas Depressividade e Labilidade Emocional, do FPI. A
validade discriminante foi confirmada em diversas amostras de "Pacientes" em comparação com um grupo de
controlo de "Indivíduos sem sintomas".
Fiabilidade:
A consistência interna das três escalas situa-se entre .89 e .95, a fiabilidade de teste-reteste, num intervalo de 4
semanas, entre .76 e .90.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-72-
Normas:
Está disponível uma amostra de N=494 indivíduos, subdividida em duas amostras (por idade e por sexo).
Duração do Teste:
Aproximadamente 12 a 18 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-73-
TESTE DO LABIRINTO...........................................................LVT
Autor do Teste:
Bernd Biel
Campo de Aplicação:
O teste LVT consiste num teste de percepção visual que avalia a concentração dirigida. Este teste é
principalmente aplicado na área da Psicologia do Tráfego.
Quadro de Referência Teórico:
Para investigar as complexas dimensões da percepção, são necessários métodos psicológicos específicos. Quando se
estuda o desenvolvimento histórico destes métodos, verifica-se que não se baseiam numa fundamentação teórica,
mas sim em determinadas experiências práticas no âmbito da psicologia. O mesmo é válido para o Teste do
Labirinto.
O teste LVT não é uma mera revisão de um método antigo, baseia-se sim em numerosas observações e
investigações de versões anteriores do teste. O seu objectivo é, essencialmente, a avaliação dos aspectos da
capacidade de orientação visual, que permitem ao indivíduo "perseguir" ou percorrer com o olhar, estruturas
ópticas simples num campo (complexo) dirigido para um alvo, isento de distractores e sob pressão de tempo.
Versões do Teste:
Estão disponíveis três versões do teste: a versão completa S1 (com 80 itens), a versão reduzida S2 (com 40 itens) e
uma versão de screening S3 (com 18 itens).
Aplicação do Teste:
O teste consiste numa combinação entre a fase de instruções e a fase de treino. Se os 8 exercícios de treino forem
resolvidos com um número de erros inferior a 3, o programa passa à fase de teste. É o próprio examinado que
determina o ritmo de trabalho.
Avaliação:
Variáveis principais: "Mediana do tempo de respostas correctas" e "Resultado" (esta variável tem em conta a
rapidez, assim como a qualidade da realização do teste).
Variáveis adicionais: "Número de respostas correctas", "Número de imagens visualizadas", "Mediana do tempo de
respostas incorrectas" e "Tempo de realização".
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-74-
LVT
Fiabilidade:
A consistência interna é de r=0.96 para a versão completa, de r=0.92 para a versão reduzida e de r=0.92 para a
versão de screening.
Validade:
Actualmente, existem algumas validações efectuadas com grupos extremos por Cale (1992) e Neuwirth & Karner
(2000) onde pôde ser demonstrado que indivíduos com desempenhos mais fracos no LVT tinham mais acidentes,
tendo também obtido classificações mais baixas nas provas de condução a que foram sujeitos. Existem ainda
estudos de comparação de grupos entre "População normal" e "Condutores com comportamento alcoólico" (Karner,
2000), bem como com amostras de "Pacientes psiquiátricos e neurológicos" (Neuwirth & Dorfer). Os estudos
existentes fornecem provas evidentes em relação à validade de critério no teste LVT.
Normas:
Versão S1: Amostra normalizada (N=221).
Versão S2: Amostra normalizada (N=785); Condutores de risco (N=4104); Amostra normalizada de África do Sul
(N=800); Psicologia do Tráfego de Portugal (N=502).
Versão S3: Amostra normalizada (N=646).
Duração do Teste:
Versão reduzida: aproximadamente 15 minutos
Versão completa: aproximadamente 25 minutos
Versão de screening: aproximadamente 5 minutos
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-75-
BATERIA DE TESTES DE PERFORMANCES MOTORAS......................MLS
Autor do Teste:
Schoppe & Hamster
Campo de Aplicação:
Este teste para avaliação da motricidade fina tem a sua aplicação, em especial, no âmbito da Neuropsicologia e
Neurologia, na Psicologia do Desenvolvimento e Farmacologia, na Psicologia do Trabalho, Psicologia Organizacional
e Psicologia do Desporto, assim como na Reabilitação.
Quadro de Referência Teórico:
A Bateria de Testes de Performances Motoras (MLS) foi desenvolvida por Schoppe com base nos estudos de análise
factorial feitos por Fleishman.
O MLS avalia os seguintes factores da motricidade fina: "Precisão" (movimento orientado para um alvo);
"Insegurança das mãos, tremor"; "Precisão dos movimentos braço-mão"; "Destreza de mãos e dedos"; "Velocidade
dos movimentos do braço e da mão" e "Velocidade pulso-dedos".
Realização do Teste:
Para a realização da bateria é necessário o painel de trabalho do MLS.
Este painel mede 300x300x15 mm e é constituído por perfurações, sulcos e superfícies de contacto. Dos lados
esquerdo e direito do painel está conectado um ponteiro; o ponteiro do lado direito é preto, o ponteiro do lado
esquerdo é vermelho.
No painel de trabalho são realizados os seguintes exercícios:
- Segurança (com uma ou ambas as mãos): O ponteiro deve ser colocado perpendicularmente a um furo
pré-definido, e não deve tocar as superfícies laterais nem o fundo do mesmo. Da realização da tarefa em furos de
diferentes diâmetros resultam diferentes graus de dificuldade.
- Labirinto (com uma mão): Deve ser percorrido um sulco com o ponteiro, sem que sejam tocadas as paredes
laterais ou o fundo do painel.
- Precisão (com uma ou ambas as mãos): Vinte pontos com o diâmetro de 5 mm estão ordenados em linha. A
distância entre os pontos é de 4 mm. A tarefa do examinado consiste em tocar com o ponteiro cada um dos pontos
de uma linha, o mais rapidamente possível, sem tocar a superfície de trabalho.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-76-
MLS
- Inserção de pinos (com uma ou ambas as mãos): A tarefa consiste em tirar pinos curtos ou longos de um suporte
(colocado ao lado do painel de trabalho) e colocá-los em 25 furos, o mais rapidamente possível. A distância entre
os furos é de 5 mm. O suporte com os pinos curtos deve estar colocado a 10 cm da borda do painel, o suporte com
os pinos longos, a 30 cm da borda do painel. Deste modo, são avaliados dois tipos de movimentos: o de apanhar e o
de alcançar, relativamente a diferentes distâncias.
- Tapping (com uma ou ambas as mãos): Uma placa com 40 mm de lado deve ser tocada com o ponteiro, o maior
número de vezes possível, durante um determinado tempo.
Versões do Teste:
Estão disponíveis as seguintes versões do teste: S1 - Forma standard segundo Schoppe & Hamster (17 subtestes);
S2 - Forma reduzida segundo Sturm & Büssing (8 subtestes) e S3 - Forma reduzida segundo Vassella (10 subtestes)
Avaliação:
- Tabela de resultados: são calculadas as medidas de rapidez e/ou precisão da mão direita e da mão esquerda, na
realização com uma e com ambas as mãos.
- Tabela de resultados dos factores de motricidade fina: tabelas com os factores de Fleishman, estimados
matematicamente para a mão direita.
- Perfil: as variáveis normalizadas e os factores de Fleishman podem ser apresentados sob a forma de perfil.
Fiabilidade:
Versão S1: Os coeficientes de consistência interna para o subteste "Tapping", calculados em várias amostras,
situam-se em .84.
Versão S2: Para os parâmetros de todos os subtestes (com excepção da "Segurança") foram calculados coeficientes
de teste-reteste (intervalo de um dia), resultando valores de .52 a .92 para a mão direita e de .60 a .90 para a
mão esquerda.
Versão S3: O coeficiente de consistência interna (alpha de Cronbach) do subteste "Tapping" (variável "Acertos")
situa-se em .94.
Validade:
Os estudos de controlo de análise factorial com grupos clínicos e com um grupo de indivíduos saudáveis mostraram
que os seis factores do MLS explicam acima de 85% da variância total. Comparações entre indivíduos com e sem
distúrbios motores do SNC mostraram diferenças de desempenho significativas e muito significativas. Isto confirma
que com o MLS é possível objectivar os distúrbios da motricidade fina. Entre as variáveis do MLS e exigências
cognitivas, como aquelas que se expressam, por exemplo, no HAWIE, no CFT e no teste de STROOP, e em relação a
diferentes dimensões da personalidade (por ex., extroversão, neuroticismo, rigidez) encontram-se apenas
pequenas correlações (até .35).
Normas:
Versão S1: Alunos (N=300); Estudantes universitários (N=100); Adultos (N=420).
Versão S2: Pacientes sem sintomatologia neurológica (N=200); Pacientes com doença de Parkinson (N=70/N=114);
Utentes IEFP – Portugal (N=335); Psicologia do Tráfego – Portugal (N=1904).
Versão S3: Crianças e adolescentes dextros (N=352/N=92); Crianças e adolescentes esquerdinos (N=46/N=29).
Duração do Teste:
A duração do teste é de aproximadamente 30 minutos na versão S1 e de 20 minutos nas versões S2 e S3.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-77-
MULTI-MOTIVE-GRID...........................................................MMG
Autores do Teste:
H.-D. Schmalt, K. Sokolowski, T. Langens
Campo de Aplicação:
Avaliação dos motivos relacionados com o desempenho, o controlo, a aceitação social e gestão da motivação.
As principais áreas de aplicação situam-se ao nível da avaliação de aptidões na área da Personalidade; Psicologia
Organizacional e Psicologia da Saúde.
Quadro de Referência Teórico:
A análise factorial sugere uma constelação de três factores: um factor de receio (receio de insucesso, receio de
perda de controlo e receio de rejeição), um factor relativo a expectativas de sucesso e de controlo, e um terceiro
factor, respeitante a expectativas de aceitação social.
Aplicação do Teste:
Após a fase de instruções, os itens (imagem e afirmações) são apresentados sucessivamente no ecrã. O examinado
responde a cada afirmação através de uma escala bipolar (sim/não). Não é possível omitir qualquer uma das
afirmações.
Versões do Teste:
Existe uma única versão do teste.
Avaliação:
As imagens 1-4 não são avaliadas, funcionando apenas como "itens de familiarização", que têm por objectivo
aumentar o grau de aceitação do teste por parte do examinado.
A apresentação dos resultados consiste numa tabela que fornece resultados brutos e padronizados, sendo também
apresentado o tempo de realização do teste. É, ainda, possível aceder ao perfil do teste e a um protocolo de
análise dos itens que fornece detalhes sobre as respostas do examinado. São calculadas as seguintes seis variáveis:
•
Expectativa de sucesso (sucesso)
•
Receio do insucesso (sucesso)
•
Expectativa de controlo (controlo)
•
Receio da perda de controlo (controlo)
•
Expectativa de aceitação social (aceitação social)
•
Receio de rejeição (aceitação social)
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-78-
MMG
Fiabilidade:
A consistência interna (Alpha de Cronbach) das escalas situa-se entre r=.78 e r=.90.
Validade:
Estudos demonstraram que indivíduos com elevada expectativa de sucesso apresentaram melhor desempenho num
curso de gestão da formação e que indivíduos com elevada expectativa de controlo beneficiaram mais deste tipo
de treino.
Wegge, Quaeck e Kleinbeck (1996) investigaram a influência dos motivos – avaliados através do MMG, do TAT e de
um questionário (AMS) – nas preferências de videojogos dos sujeitos.
Foram apresentados aos sujeitos três jogos à escolha: um jogo que envolvia luta, um jogo de aventura e uma
simulação de corridas de motociclos. O "receio do insucesso" foi um bom preditor da duração do tempo de jogo. O
"receio da perda de controlo" e o "receio do insucesso" foram bons preditores da quantidade de tempo que o
sujeito dispendeu com os jogos. Indivíduos com elevada "expectativa de aceitação social" tiveram, claramente, a
maior preferência pelo jogo de aventura.
Quando questionados acerca das suas preferências gerais de videojogos, indivíduos com elevada "expectiva de
aceitação social" mencionaram a cor e a música dos jogos, enquanto indivíduos com elevada "expectiva de sucesso"
revelaram que apreciam sobretudo jogos nos quais possam determinar eles próprios o nível de dificuldade.
Normas:
Estão disponíveis normas para uma amostra representativa de N=390 indivíduos, com idades compreendidas entre
os 16 e os 81 anos. Existem, ainda, subamostras específicas por sexo e por idade.
Duração do Teste:
Aproximadamente 8-10 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-79-
BATERIA DE TESTES DE INTERESSES - MULTIMODAL.....................MOI
Autores:
René T. Proyer & Joachim Häusler
Campo de Aplicação:
Avaliação dos interesses vocacionais, com base na teoria de Holland (1997), aplicado a candidatos com idade
superior a 14 anos.
Diversas áreas de aplicação: Orientação escolar, vocacional e profissional, Gestão da carreira, Psicologia
Organizacional.
Quadro de Referência Teórico:
J.L. Holland (1997) faz a distinção entre os interesses Prático-Realistas (R),Intelectuais-Investigação (I), ArtísticoLinguísticos (A), Sociais (S), Empreendedores (E) e Burocráticos (C). Tendo por base a sua teoria, que é bastante na
prática (Proyer, 2007a; Rayman & Atanasoff, 1999), o MOI operacionaliza as seis dimensões de interesses de
diferentes formas.
A bateria de testes inclui um questionário verbal e um não-verbal, testes de personalidade objectivos e uma escala
para medir a identidade vocacional. A principal finalidade destes testes de personalidade objectivos é retirar
informação sobre os interesses vocacionais, através da observação do comportamento do examinado perante
situações de trabalho padronizadas (ver mais em: Ortner et al., 2006; Proyer & Häusler, 2007). Este tipo de
informação é particularmente útil se as escolhas do examinado não revelarem os seus interesses vocacionais ou
apresentarem baixos níveis de diferenciação ou pouca identidade vocacional. Contudo, elevados níveis de
identidade vocacional e diferenciação no perfil de interesses, torna desnecessário este tipo de informação
adicional.
Aplicação do Teste:
O MOI é composto por num questionário de interesses verbal e não-verbal, três testes de personalidade objectivos
("Distractibilidade", "Atribuição" e "Taquistoscópio") e uma escala que mede a identidade vocacional.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-80-
MOI
Versões do Teste:
Existem duas versões do teste com combinações de sub-testes pré-definidos. A versão reduzida (S2) contém apenas
dois subtestes que medem os interesses vocacionais explícitos; a versão completa, designada por "forma variável"
(S1) inclui também os subtestes das medidas implícitas. A composição da bateria pode, no entanto, ser alterada de
forma manual.
Avaliação:
Para todos os subtestes são calculados resultados específicos de cada uma das seis dimensões de interesses. Em
todos os subtestes aplicados são apresentados os resultados para as medidas implícitas e explícitas. Os dados
podem ser interpretados tendo como referência a norma geral ou as diferenças intra-individuais nos interesses.
Fiabilidade:
Dependendo das escalas utilizadas, os coeficientes de fiabilidade das escalas do questionário variam entre 0.70 e
0.89. No caso dos testes de personalidade variam entre 0.64 e 0.92.
Validade:
Das correlações encontradas, as mais elevadas, foram entre as escalas do questionário verbal e não-verbal e as
escalas equivalentes, retiradas do Teste Estrutural de Interesses Gerais. A correlação entre as medidas de autoavaliação e os testes de personalidade objectivos foram mais baixas, tal como esperado, com base nas
investigações mais recentes (Ortner et al., 2006). Para além disto, as correlações entre as diferentes escalas do
MOI e medidas de inteligência vão de encontro à literatura. Assim, estes resultados suportam a validade de
construto desta medida. Além disso, verificou-se que os subtestes do MOI conseguem identificar os indivíduos que
estão a estudar disciplinas diferentes.
Normas:
Está disponível uma amostra normalizada de N=452 indivíduos com idades compreendidas entre os 14 e os 68 anos.
A recolha de dados ocorreu entre 2007 e 2008.
Duração do Teste:
Versão 1: 40–60 Minutos.
Versão 2: 15–20 Minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-81-
TESTE DE CAPACIDADE TÉCNICO-MECÂNICA...............................MTA
Autor do Teste:
Konrad Liedl
Campo de Aplicação:
O Teste de Capacidade Conceptual Técnico-Mecânica pertence ao grupo dos testes de avaliação de capacidades e
aptidões específicas, e avalia a compreensão técnico-mecânica. O teste é utilizado, sobretudo, no âmbito dos
exames de selecção e avaliação de aptidões (vide Liedl, 1985, 1989). É indicado para fins de diagnóstico e
prognóstico, nos seguintes casos:
-
avaliação da aptidão técnico-mecânica como um aspecto relativamente independente da inteligência geral
-
como procedimento complementar nos exames de diagnóstico, nos quais a inteligência geral é avaliada apenas
através de testes verbais
-
no aconselhamento de indivíduos interessados em conhecer o seu nível de aptidão técnico-mecânica
-
no aconselhamento vocacional, no âmbito da orientação e formação profissional inicial, na reconversão ou
actualização da formação
-
sempre que sejam feitas exigências ao nível do desempenho técnico-mecânico.
Quadro de Referência Teórico:
Na Psicologia, existe uma multiplicidade de designações, tais como, "compreensão técnico-construtiva" ou
"compreensão prático-técnica", que são utilizadas em relação à compreensão técnico-mecânica.
Pauli & Arnold (1972) delimitam o conceito: "A compreensão técnica abrange, no essencial, as seguintes
capacidades:
a) compreensão e descrição de desenhos ou aparelhos técnicos;
b) reconhecimento do significado funcional das partes e explicação do seu modo de acção em conjunto;
c) compreensão correcta e descrição das leis básicas da mecânica (por ex., a acção do braço de uma alavanca),
com as quais lidamos no quotidiano;
d) a relação interior, pessoal, com questões de ordem técnica (satisfação ou resistência relativamente a essas
questões)."
As capacidades técnicas dependem, também, da capacidade de representação espacial. "É indiscutível, que o
raciocínio técnico está ligado à representação espacial, que a ’aptidão’ técnica pressupõe uma boa capacidade de
representação espacial." (Kraak, 1961, Gittler, 1990).
Por fim, a capacidade de raciocínio lógico também é, em parte, responsável pela compreensão técnica (Lienert,
1964).
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-82-
MTA
Aplicação do Teste:
Na primeira fase, são apresentados 4 planos por dispositivo e o exercício consiste em descobrir o único plano que
não permite a evolução do movimento anteriormente apresentado (representado através de uma animação do
dispositivo). Caso todas as quatro construções permitam a evolução do movimento, a resposta a seleccionar será
"Todas as construções estão correctas". Na segunda fase, deve-se descobrir qual dos quatro planos apresentados
está correcto ou, então, seleccionar "Todas as construções estão erradas". Portanto, entre os quatro planos
apresentados por dispositivo, existe possivelmente um plano errado na primeira fase e um plano correcto na
segunda fase.
Todos os itens do teste são apresentados com tempo limite, ou seja, após um período de 2 minutos o item seguinte
é apresentado de forma automática.
Versões do Teste:
Está disponível uma versão do teste com 16 itens.
Avaliação:
O resultado do teste é determinado pelo número de itens resolvidos.
Fiabilidade:
Foram encontrados os seguintes coeficientes de fiabilidade: split-half (0.864), alpha de Cronbach (0.838) e
Guttman-Lambda 3 (0.842).
Validade:
Uma vez que os exercícios do MTA coincidem, tanto do ponto de vista formal como de conteúdo, com os exercícios
de outros testes técnico-mecânicos, cuja validade foi confirmada, também se poderá assumir uma validade
externa para este teste.
Um critério de validade externa (resultado final positivo/negativo da reconversão profissional numa profissão
técnica, r=.47) confirma o poder de discriminação do teste.
Normas:
-
Amostra normalizada (N=259)
-
Alunos de escolas profissionais (N=556)
-
Alunos de cursos não técnicos (N=217)
-
Alunos de cursos técnicos (N=339)
-
Utentes IEFP de Portugal (N=186)
Duração do Teste:
A fase de teste tem uma duração máxima de 40 minutos. A fase de instruções tem uma duração de
aproximadamente 5 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-83-
TESTE DE PERSEVERANÇA.................................................PERSEV
Autor do Teste:
G. Schuhfried
Campo de Aplicação:
O teste de perseverança é a implementação, agora com o apoio do computador, do Teste de Ponteado de
Mittenecker. O objectivo do teste consiste na determinação da tendência para a perseverança, em crianças e
adultos, especialmente no diagnóstico clínico. Adicionalmente ao diagnóstico clínico de rotina, o teste é também
utilizado na reabilitação neuropsicológica e na investigação.
Quadro de Referência Teórico:
Na literatura, a perseverança é geralmente entendida como uma persistência inadequada dos processos cognitivos
e padrões de comportamento. Em vez de variabilidade, flexibilidade e adaptabilidade, o sujeito revela resistência
à mudança e rigidez. A perseverança motora ou "comportamento estereotipado" é caracterizada por um grande
número de repetições de determinadas sequências de acção. A maioria das teorias descreve perseverança como
um fenómeno de excitação que segue os processos mentais e nervosos centrais. A existência de tendências para a
perseverança foi demonstrada por Mittenecker, através do Teste de Ponteado. Os examinados eram instruídos para
apontar um marcador aos números de 1 a 10, de forma completamente aleatória, não mantendo qualquer tipo de
ordem. A dimensão da tendência para a repetição, por parte de um indivíduo, era assim determinada por métodos
derivados da Teoria da Informação.
Aplicação do Teste:
São apresentados no ecrã, nove círculos largos. Tal como na configuração da experiência de Mittenecker,
adicionalmente, são apresentados 64 "beeps" por minuto. A tarefa do sujeito consiste em apontar para os círculos
com o marcador, na sequência mais aleatória possível, ao ritmo dos sinais acústicos. O teste inclui uma fase de
instruções e uma fase de treino com feedback. Após terem sido feitos 210 registos, o programa dá o teste por
terminado.
Avaliação:
Com base na teoria da informação, são calculados os seguintes resultados:
- "Redundância de primeira ordem" (R1) indicador da preferência por determinados círculos. Uma vez que esta
variável apresenta variações intra-individuais elevadas e desvios padrão também elevados, mesmo em indivíduos
saudáveis, a variável deve ser interpretada como variável de controlo. Um valor percentílico baixo indica
preferência por determinados círculos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-84-
PERSEV
- "Redundância de segunda ordem" (R2) como medida da preferência por combinações duais específicas (depois do
círculo X o marcador tende a dirigir-se para o círculo y). As 81 combinações possíveis não podem ser controladas
conscientemente pelo sujeito. Quanto mais baixo for o valor para o R2, mais aleatoriamente o sujeito apontou
para os círculos. Não existe uma preferência por determinadas combinações duais.
Pacientes com lesões cerebrais e pacientes com sintomas psiquiátricos apresentam uma preferência nítida por
sequências duais específicas.
Variáveis de controlo:
- "Número de omissões" e
- "Reacções múltiplas" no intervalo entre dois "beeps".
Fiabilidade:
A fiabilidade split-half (método pares-ímpares), para a "Redundância de Primeira Ordem", situa-se entre r=.86 e
r=.91. Para a variável "Redundância de Segunda Ordem", as fiabilidades encontradas através do mesmo método,
situam-se entre r=.81 e r=.87.
Validade:
Uma série de estudos com o Teste do Ponteado mostrou uma perseverança significativamente mais elevada em
grupos clínicos de sujeitos, na seguinte ordem crescente:
Epilépticos, indivíduos com lesões cerebrais, indivíduos depressivos, neuróticos e esquizofrénicos. Estes resultados
foram confirmados com a aplicação, assistida por computador, do Teste de Perseverança a doentes com lesões
crânio-encefálicas.
Torna-se ainda mais evidente que a rigidez e a inflexibilidade dos processos cognitivos se manifestem numa
tendência crescente para a repetição de certos padrões de acção.
Normas:
Valores percentílicos e Notas-T com intervalos de confiança para a amostra comparativa "Adultos".
Duração do Teste:
Aproximadamente 5 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-85-
PERFIL DE ESTADOS DE HUMOR............................................POMS
Teste do tipo questionário
Autores:
D.M. McNair, M. Lorr & L.F. Doppleman; Versão alemã: B. Biel, S. Dangel & A. Reiser
Campo de Aplicação:
Esta escala de auto-avaliação é aplicada em todas as áreas da Psicologia (clínica) em que o carácter transitório
(variável) dos estados de humor é relevante, assim como, na avaliação da terapia médica ou psicoterapêutica e na
investigação psicofarmacológica.
Quadro de Referência Teórico:
O teste foi construído sob a forma de uma lista de adjectivos. A versão original foi concebida nos E.U.A. (San
Diego), em 1957, com base numa lista de cem adjectivos. As reduções de itens a nível racional e estatístico,
deram inicialmente origem a uma estrutura de 6 factores. Com base em cálculos relativos a outros dados, os
autores decidiram-se por uma estrutura de 4 factores, com as escalas: 1. Abatimento (humor depressivo,
inferioridade, desespero, desânimo); 2. Fadiga (desalento, indolência); 3. Actividade (dinamismo, vivacidade,
alegria); 4. Insatisfação (mau humor, irritabilidade, raiva, agressividade).
Aplicação do Teste:
Após as instruções, os itens são apresentados de forma sequencial no ecrã. O examinado selecciona as suas
respostas entre 7 alternativas de resposta. É permitido efectuar uma única correcção e saltar itens.
Avaliação:
Para cada escala, é apresentado o valor bruto, bem como o seu valor percentual. A avaliação inclui uma tabela de
resultados com valores brutos para todas as escalas, o tempo de execução e ainda, por opção, uma matriz de
análise dos itens.
Fiabilidade:
Registam-se coeficientes de consistência praticamente análogos, para as versões americana e alemã. Os valores
característicos, para as diferentes escalas, situam-se entre rtt=.87 e .95.
Validade:
Também as análises factoriais revelaram uma equivalência significativa das duas versões do teste. Existe uma série
de estudos de validade para a versão original americana. Os estudos de prognóstico, com diversos critérios
externos, em simultâneo com a terapia, assim como, a auto e heteroclassificação, os estudos farmacológicos
controlados e um grande número de estudos relativos às validades convergente e divergente, com métodos
alternativos, garantem a validade do teste.
Normas:
Para testes que analisam quadros de "modos de estar" situacionais, uma comparação interindividual faz menos
sentido, visto se tratar de métodos inconsistentes no que se refere ao tempo e pretenderem avaliar características
intraindividuais instáveis.
Duração do Teste:
Aproximadamente 5 min.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-86-
TESTE DE PERCEPÇÃO PERIFÉRICA............................................PP
Autor do Teste:
G. Schuhfried, J. Prieler & W. Bauer
Campo de Aplicação:
Na literatura sobre a condução, a percepção visual periférica é referida em conjunto com três funções da
condução: a avaliação da velocidade, a condução do veículo e o controlo do campo envolvente. Neste contexto,
foi desenvolvido o PP que avalia a capacidade de registo e processamento da informação visual periférica. É
avaliado o reconhecimento atempado de estímulos que surgem lateralmente no campo visual.
Quadro de Referência Teórico:
Em diversas actividades no binómio homem-máquina, tais como na condução automóvel, é de grande importância
uma boa capacidade de percepção visual. Da informação total recebida pelo condutor, mais de 90% é obtida
através do canal óptico (HÖFNER & HOSKOVEC 1973; BOOHER 1978; HARTMANN 1980).
ROCKWELL (1971) descreve a tarefa visual na condução como o controlo de uma corrente contínua de informações
na qual o veículo se movimenta. Característico da percepção específica da condução, de acordo com HOSEMANN
(1979), é seleccionar rapidamente, entre os estímulos que vêm ao encontro do condutor, aqueles cujo rápido
processamento é importante para a condução segura de um veículo.
Na literatura sobre a condução (por exemplo, B. MOURANT, ROCKWELL & RACKHOFF 1969, ROCKWELL 1971, ALLEN
1972, HÖFNER & HOSKOVEC 1973, COHEN 1976, LEE & TRIGGS 1976, ROCKWELL 1977, HARTMANN 1980), a
percepção visual periférica surge, em geral, relacionada com três funções da condução:
1. Avaliação da velocidade (grandes velocidades angulares surgem no campo visual periférico);
2. Condução do veículo (através da "passagem" periférica de objectos nas margens da estrada);
3. Monotorização do campo envolvente (através da detecção de acontecimentos e objectos como, por exemplo,
veículos que surjam das vias laterais ou que procedam a ultrapassagens).
Através de exemplos de algumas actividades de condução, ROCKWELL (1977) ilustra a conjugação e a função da
percepção visual central e da percepção visual periférica, na dinâmica da situação de condução. Devido a estas
importantes funções da percepção periférica na condução automóvel, supõe-se que as deficiências a este nível
constituam uma causa importante de acidentes.
Aplicação do Teste:
O PP compõe-se de 2 tarefas parciais: a tarefa que diz respeito à percepção periférica propriamente dita e uma
tarefa central de tracking, destinada a focalizar a atenção do examinado para o centro do campo visual. A tarefa
de percepção abrange linhas verticais luminosas que aparecem no campo periférico, em determinados intervalos
de tempo. O examinado deve reconhecer estas linhas e reagir, carregando num pedal. No total são requeridas 80
reacções, das quais 40 surgem da periferia esquerda e 40 da periferia direita.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-87-
PP
A tarefa de tracking é determinada por 2 parâmetros (velocidade e amplitude do desvio) e consiste em
movimentar uma mira azul, com o rodízio, de modo que esta se mantenha sobre um ponto vermelho. O ponto
muda de cor quando a mira se encontra na posição certa.
Foi utilizado um método de avaliação completamente inovador, que permite indicar o ângulo visual em graus. Este
método, cujo desenvolvimento foi possível graças à utilização de um aparelho de medida da distância (ultrasom),
envia exactamente a informação que se pretende receber. Os testes de percepção periférica mais antigos
procuram obter esta informação através do tempo de reacção do examinado. Com um tal procedimento, não é
levada em consideração a distância (variável) entre o examinado e o aparelho, o que é decisivo para o cálculo do
ângulo visual.
Adicionalmente, é introduzido um algoritmo adaptativo na apresentação do teste, que garante que os estímulos
periféricos só apareçam ao respectivo examinado nas posições discriminativas (50% de probabilidade de
reconhecimento). Deste modo, são evitados em grande parte os estímulos periféricos que o examinado não pode
reconhecer e/ou reconhece sempre (não discriminativos).
Avaliação:
São cotadas as seguintes variáveis:
Variáveis principais
-
Campo visual: este valor indica o campo visual total (em graus), o qual resulta da soma do ângulo visual
esquerdo e direito.
-
Ângulo visual esquerdo (em graus): o campo visual é calculado a partir da posição do estímulo, posição da
mira e distância entre a cabeça do examinado e o aparelho.
-
Ângulo visual direito (em graus): o campo visual direito é calculado a partir da posição do estímulo, posição da
mira e distância entre a cabeça do examinado e o aparelho.
Variável de controlo
-
Desvio do tracking: desvio da mira do símbolo-alvo
Variáveis adicionais
-
Número de acertos à esquerda: número de vezes que o pedal foi pressionado face a um estímulo requerido (a
mira encontrava-se no campo de tolerância).
-
Número de acertos à direita: número de vezes que o pedal foi pressionado face a um estímulo requerido (a
mira encontrava-se no campo de tolerância).
Os valores das duas variáveis acima referidas não devem ser inferiores a 11. Se tal acontecer, aconselha-se
proceder a uma repetição do teste, uma vez que podemos estar perante um problema de aplicação do teste ou
falta de motivação por parte do examinado.
-
Número de reacções erradas: número de vezes que o pedal foi pressionado na ausência de um estímulo
requerido. Este valor não deve ser superior a 4. Também neste caso podemos estar perante um problema de
aplicação do teste ou falta de motivação do examinado. Recomenda-se a repetição do teste.
-
Número de reacções omitidas: ausência de reacção na presença de um estímulo requerido. Este valor não
deve ser superior a 17. No caso de isso acontecer, aconselha-se a repetição do teste pelos motivos acima
referidos.
-
Mediana do tempo de reacção aos estímulos do lado esquerdo
-
Mediana do tempo de reacção aos estímulos do lado direito
-
Mediana do tempo de reacção
No cálculo das medianas dos tempos de reacção, são apenas tidas em conta as reacções correctas.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-88-
PP
Fiabilidade:
A consistência interna (Alpha de Cronbach) é de r = .97, para as variáveis "ângulo visual direito e/ou esquerdo" e
de r = .96, para a variável "desvio do tracking".
Validade:
Pode considerar-se a existência de uma elevada validade de conteúdo (lógica). No campo visual do examinado são
apresentados estímulos significativos (=estímulos críticos), aos quais o examinado, à semelhança do que acontece
na condução, deve reagir tão depressa quanto possível.
Relativamente à validade de critério, existem estudos que demonstram a correlação entre a percepção periférica
e provas de condução: indivíduos com uma percepção periférica claramente diminuída (abaixo de 120 graus)
apresentaram pior desempenho nas provas de condução do que indivíduos com uma percepção periférica normal
(Karner, 2001).
Normas:
Não parece de interesse a normalização do teste, uma vez que são conhecidos, na literatura, limites precisos (em
graus) do campo visual normal. Na literatura sobre a Psicologia do Tráfego é referido que um campo visual de 120
graus representa a amplitude mínima para a condução de um veículo automóvel, enquanto que um campo visual
inferior se apresenta como problemático.
Como para as variáveis principais não é necessário haver normas, procedeu-se apenas à normalização da variável
de controlo (Desvio do tracking). Está disponível uma amostra de "adultos", constituída por 78 indivíduos (68
indivíduos do sexo masculino e 10 indivíduos do sexo feminino) com idades entre os 21 e os 64 anos. A recolha de
dados ocorreu entre Março e Maio de 2000.
Duração do Teste:
A duração do teste é de aproximadamente 10 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-89-
TESTE ESPACIAL PARA PILOTOS..............................................PST
Autor do Teste:
Peter Grössenbrunner
Campo de Aplicação:
Instrumento homogéneo segundo o modelo de Rasch, para avaliação da capacidade de navegação e orientação no
espaço. O teste possui alta selectividade em níveis de elevado desempenho, para o diagnóstico da aptidão
específica para a pilotagem, em particular nos domínios da Psicologia Aeronáutica e Espacial e da Medicina do
Trabalho.
Quadro de Referência Teórico:
Entre os requisitos centrais do teste, estão dois componentes de capacidades: primeiro, a capacidade de mover
figuras, apresentadas ao longo de um ou vários eixos espaciais (rotação mental) e, segundo, a capacidade de
mudar de um sistema de referência egocêntrico para um sistema alocêntrico.
Com a homogeneização dos itens, segundo Rasch, deverá ser excluída a utilização de outras técnicas de solução
para além das requeridas e, por conseguinte, a aplicação de outras capacidades na resolução das tarefas.
Versões do Teste:
Está disponível uma versão standard, que compreende 13 exercícios.
Aplicação do Teste:
A tarefa consiste em indicar, com base na representação de um avião, que mudanças de posição (rotações sobre 3
eixos espaciais) ocorreram entre as duas posições apresentadas. As situações são representadas por pares de
figuras, fornecendo informações acerca da posição do avião, como é usual nos voos à vista ou nos voos com
instrumentos.
Avaliação:
Na avaliação são cotadas as seguintes variáveis:
"Parâmetro pessoal" (um parâmetro de desempenho independente da população, segundo o modelo de Rasch);
"Número de soluções certas"; "% Certas"; "Número de soluções erradas"; "% Erradas" e "Tempo de realização".
Na matriz de respostas, a avaliação das soluções é representada relativamente aos eixos espaciais.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-90-
PST
Fiabilidade:
A consistência interna (Alfa de Cronbach) é de rtt=.74.
Validade:
A validade relativa ao critério externo (capacidade de orientação, registada num simulador de voo) é de rtc=.56;
Quanto ao critério interno (Teste Espacial Eliot Price), é de rtc=.64.
Normas:
Está disponível uma amostra de 596 indivíduos (435 do sexo masculino e 161 do sexo feminino), com idades
compreendidas entre os 17 e os 38 anos.
É apresentado um parâmetro pessoal, independente da amostra de aferição (segundo Rasch), o qual caracteriza as
capacidades do examinado.
Duração do Teste:
Aproximadamente 15 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-91-
TESTE DE ANÁLISE DO TEMPO DE REACÇÃO.................................RA
Autor do Teste:
W.U. Dormann, Th. Pfeifer e J. Prieler
Campo de Aplicação:
Avaliação do ritmo cognitivo, no que se refere à percepção, ao processamento e à organização da resposta motora
em tarefas de reacção de escolha e busca visual; aplicável a adultos.
Principais campos de aplicação: Psicologia Clínica, Psicologia do Trabalho e das Organizações, Psicologia do
Tráfego, Psicologia Aeronáutica e Psicologia do Desporto.
Quadro de Referência Teórico:
O teste RA baseia-se no modelo dos Factores Aditivos, de Sternberg (1969). Segundo este modelo, existem estádios
de processamento em série e independentes, em que o tempo de reacção mensurável corresponde à soma dos
tempos de processamento de todos os estádios. O que varia são os factores de influência que interferem
selectivamente nos tempos de processamento de cada um dos estádios. Os valores obtidos nos tempos de reacção
permitem tirar conclusões sobre o tempo de processamento de cada um dos estádios. Quanto à influência do
estádio da percepção, a discriminação dos símbolos apresentados no ecrã (círculo, rectângulo, quadrado, estrela,
cruz, elipse), sofre alterações através da sobreposição parcial (com pequeníssimos quadrículos) dos mesmos. A
variação do estádio de processamento cognitivo baseia-se no Modelo da Análise Visual de Schneider e Shiffrin
(1977). Os autores demonstraram que os processos de busca visual são realizados por etapas de comparação,
apresentadas em série e interrompidas automaticamente. No teste, deve-se procurar um ou dois símbolos entre
dois símbolos apresentados em simultâneo. Assim, o circuito das etapas de comparação necessárias varia. Quanto à
variação do estádio de estruturação da resposta motora, é alterada a complexidade da reacção a executar
(reacção com uma tecla de cada vez ou uma sequência de três teclas). Assim, a programação mental da resposta é
influenciada nas suas componentes motoras centrais (Rosenbaum e Saltzmann, 1984).
Versões do Teste:
Está disponível uma versão standard do teste.
Aplicação do Teste:
O examinado é conduzido de forma interactiva durante o teste. São apresentadas 14 séries de 20 estímulos cada
uma, nos exercícios de reacção de escolha ou de 16 estímulos, nos exercícios de busca visual.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-92-
RA
Avaliação:
São avaliadas as seguintes variáveis: "Processamento da informação, Percepção e Organização da resposta motora",
"Tempos de reacção de escolha e tempos de reacção simples" e "Frequências dos erros".
Fiabilidade:
A consistência interna das escalas situa-se entre r=.85 e r=.99, consideradas como muito satisfatórias.
Validade:
A análise do tempo de reacção foi efectuada em simultâneo com a avaliação dos potenciais evocados (Dormann,
Pfeifer, Nickel, 1991). Ficou demonstrado que a modificação das situações de teste, que influenciam o tempo de
avaliação do estímulo (estádio de percepção, estádio de processamento cognitivo), conduz também a um
prolongamento do tempo máximo do complexo positivo tardio no potencial evocado (P300). Em contrapartida, a
modificação das situações de teste (quanto às sequências motoras, que influenciam o estádio da estruturação da
resposta motora) não conduz a prolongamentos do tempo máximo da P 300. Desta forma, confirma-se o modelo
dos estádios. Para além disto, em estudos comparativos foram comprovados resultados da lentificação
condicionada pela idade assim como em sindromas neurológicos.
Normas:
É possível a comparação com uma amostra normalizada, seleccionada por idade e nível de escolaridade.
Duração do Teste:
Aproximadamente 25 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-93-
TESTE DE REACÇÕES SIMPLES E DE ESCOLHA EM ECRÃ...................RT
Autor do Teste:
G. Schuhfried
Campo de Aplicação:
Versões S1 a S5: Indicadas para a avaliação do tempo de reacção (subdividido em tempo de reacção e tempo
motor) a sinais visuais e/ou acústicos, simples e complexos, assim como para avaliação de distúrbios da atenção.
Versão S6: Utilizada, em especial, para a avaliação do decorrer do tempo de reacção durante um longo período de
tempo sob condições de monotonia.
Versões S7 e S8: Permite avaliar o grau do aumento da activação ou alerta relativamente a um estímulo,
revelando-se na redução dos tempos de reacção aos itens com sinal de aviso (confirmado através do EEG).
Versões S9 e S10: Destinam-se à avaliação do tempo de reacção a estímulos visuais e/ou acústicos simples e
utilizam-se em situações nas quais são importantes os tempos de reacção absolutos (e não os normalizados) como,
por exemplo, em pareceres judiciais. Nestas versões, é avaliado o tempo de reacção desde o início da
apresentação do estímulo até o pressionar da tecla de reacção. A tecla de descanso não é utilizada e, portanto,
não é feita a distinção entre tempo de reacção e tempo motor.
O RT tem a sua aplicação, em especial, no diagnóstico de capacidades e aptidões, na Psicologia do Tráfego,
Psicologia do Desporto e Farmacopsicologia.
Quadro de Referência Teórico:
O RT permite a avaliação do tempo de reacção das respostas de escolha simples. Nas diferentes versões estão
disponíveis estímulos visuais e acústicos, com os atributos vermelho, amarelo e branco, podendo constituir-se
diferentes configurações de estímulos para a avaliação do tempo de reacção. Estas configurações podem variar
entre estímulos simples e combinações de estímulos, numa apresentação simultânea ou sequencial. A utilização de
uma tecla de descanso e uma tecla de reacção permite separar o tempo de reacção do tempo motor. A questão
dos tempos de reacção é explicada, frequentemente, com base no "modelo de fases" de Sternberg (1969), segundo
o qual a comparação entre o estímulo isolado e o conjunto de estímulos, armazenados na memória de trabalho,
segue uma sequência rigorosa. Os novos modelos-PDP (Parallel Distributed Processing) admitem mecanismos de
processamento sequenciais e paralelos e integram a aprendizagem, o treino e a atenção selectiva para explicar os
tempos de reacção.
Aplicação do Teste:
Após as instruções e uma fase de treino realizada com sucesso, o examinado inicia o teste. A tecla de reacção só
deverá ser pressionada perante estímulos relevantes.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-94-
RT
Versões do Teste:
Estão disponíveis dez versões standard do teste, que diferem no modo de apresentação dos estímulos, nas
exigências de reacção e na complexidade da configuração dos estímulos.
S1 - Reacção simples amarelo; S2 - Reacção simples som; S3 - Reacção de escolha amarelo/som;
S4 - Reacção de escolha amarelo/vermelho; S5 - Reacção de escolha amarelo/som, amarelo/vermelho;
S6 - Reacção simples branco, sem variação (monotonia); S7 - Medição do estado de alerta, reacção simples
amarelo (com sinal de aviso acústico); S8 - Medição do estado de alerta, reacção simples som (com sinal de aviso
visual); S9 - Reacção simples amarelo, apenas avaliação do tempo de reacção; S10 - Reacção simples som, apenas
avaliação do tempo de reacção
Avaliação:
São avaliadas as seguintes variáveis principais:
Versões S1-S6: Média do tempo de reacção, média do tempo motor, dispersão do tempo de reacção e dispersão do
tempo motor.
Versões S7 e S8: Diferença na média do tempo de reacção sem e com sinal de aviso, diferença na média do tempo
motor sem e com sinal de aviso.
Versões S9 e S10: Média do tempo de reacção e dispersão do tempo de reacção.
Fiabilidade:
As fiabilidades Alpha de Cronbach (amostra normalizada) situam-se entre r=.83 e r=.98, para o tempo de reacção e
entre r=.84 e r=.95, para o tempo motor.
Validade:
É dada a validade de conteúdo (lógica) para o RT. A apresentação de um estímulo isolado, durante um segundo,
constitui uma tarefa de tal forma simples, que se pode assumir que nada mais acontece senão a resposta ao
estímulo. Os cálculos relativos à validade de constructo confirmaram que o aumento do tempo de reacção, face ao
aumento do número de características, estão em conformidade com os pressupostos do modelo PDP para as
correspondências simples de estímulo-reacção. Isto significa que a avaliação do tempo de reacção é efectuada de
igual modo, quer em tarefas de reacção de escolha simples quer em tarefas de escolha complexa. As alterações
nas configurações dos estímulos não alteram o objecto da avaliação.
Independentemente do tempo de reacção, o tempo motor indica a "velocidade pulso-dedo" que, segundo
Fleishman (1972), constitui um factor específico da motricidade fina.
Normas:
Para as versões S1, S2 e S3 é possível a comparação com amostras normalizadas, estratificadas segundo grupos de
referência relevantes (S1: N=139, S2: N=157, S3: N=567). Estão ainda disponíveis, para a versão S3, amostras de
infractores de tráfego (N=1830), de indivíduos da África do Sul (N=935), de Psicologia do Tráfego de Portugal
(N=141), assim como de adultos de Portugal (N=127). Foi feita, também, uma normalização das versões S1, S2 e S3
para alunos do 1º ciclo do Ensino Básico (S1-N=137; S2-N=134; S3-N=126).
Existem, ainda, amostras normalizadas para as versões S4 (N=80), S5 (N=170) e S6 (N=105). As dimensões das
amostras normalizadas das versões S7 e S8 são, respectivamente, de 75 e 110 indivíduos.
Para as versões S9 e S10 existem amostras normalizadas, respectivamente, de 198 e 101 indivíduos.
Duração do Teste:
Aproximadamente 5 a 10 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-95-
ESCALAS DE AVALIAÇÃO DO STRESSE E INSATISFAÇÃO
PROFISSIONAL.................................................................SBUSB
Teste do tipo questionário
Autores:
Geerd Weyer, Volker Hodapp und Bruce Kirkcaldy
Campo de Aplicação:
Este questionário destina-se à avaliação do stresse e da insatisfação no trabalho. Recomenda-se a sua aplicação no
âmbito da Psicologia do Trabalho e da Saúde Ocupacional.
Quadro de Referência Teórico:
Os autores realizaram uma investigação no sentido de analisar o stresse laboral, com base na teoria de Lazarus.
Não se tratou de avaliar estados emocionais momentâneos (esta metodologia apenas poderia ser aplicada na
situação real de trabalho), mas sim a vivência crónica de episódios de stresse. As escalas para avaliação do stresse
subjectivo em diferentes áreas vivenciais procuram descrever os diferentes meios envolventes naqueles aspectos
que são percepcionados como stressantes.
Aplicação do Teste:
Após as instruções, os itens são apresentados no ecrã de forma sequencial. O examinado introduz as suas respostas
seleccionando as alternativas "concordo" ou "não concordo". É permitido corrigir as respostas e saltar itens. Todos
os itens não respondidos são novamente apresentados no final do teste.
Versões do Teste:
Existe uma única versão com 55 itens.
Avaliação:
São registados os resultados brutos das escalas e o tempo de resposta em cada item. A impressão dos resultados
inclui uma tabela com valores brutos e normalizados de todas as escalas, assim como o tempo de realização. Está,
ainda, disponível (opcionalmente) um perfil do teste e uma matriz de análise dos itens.
Fiabilidade:
As fiabilidades (consistência interna) das escalas (Stresse laboral, Insatisfação laboral, Clima laboral stressante e
Fadiga) situam-se entre .67 e .88.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-96-
Normas:
As normas disponíveis baseiam-se numa amostra de aferição de 1592 sujeitos. Os dados dos diferentes grupos
profissionais dividem-se em quatro subamostras:
Grupo profissional - Áreas psicossocial e médica (N=414)
Grupo profissional - Área administrativa (N=419
Grupo profissional - Força policial (N=572)
Grupo profissional - Profissões liberais e artísticas (N=187)
Duração do Teste:
5 a 10 minutos
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-97-
TESTE DE DETECÇÃO DE SINAIS..........................................SIGNAL
Autor do Teste:
G. Schuhfried
Campo de Aplicação:
Avaliação da capacidade de atenção selectiva de longo termo e da capacidade de discriminação visual de um sinal
relevante na presença de sinais distractores. O teste pode ser aplicado a partir dos 7 anos de idade.
Principais campos de aplicação: Psicologia da Saúde, Psicologia Clínica (para avaliação da capacidade de
discriminação visual e para a determinação de fenómenos de "neglect" de um hemicampo visual) e no diagnóstico
de aptidões.
Quadro de Referência Teórico:
A Teoria da Descoberta de Sinais (sinónimo, Teoria da Detecção de Sinais, de Green e Swets, 1966) descreve a
percepção de sinais fracos num fundo em constante mudança. A teoria não se limita a analisar a capacidade de
discriminação visual de um tipo específico de sinais de intensidade semelhante, mas procura investigar uma
questão muito mais geral, ou seja, sob que condições é reconhecido um sinal fraco num fundo de sinais
distractores ou face a outros sinais que, eventualmente, são susceptíveis de serem confundidos com o sinal
relevante. Neste caso, está patente uma estreita ligação com a teoria da decisão estatística. A reacção "sinal
presente" ou "sinal ausente" é avaliada não tanto como uma questão de sensibilidade à diferença, mas sobretudo
como um problema de decisão entre duas alternativas de reacção de diferentes probabilidades.
Aplicação do Teste:
Em toda a extensão do ecrã, são apresentados pontos que aparecem e desaparecem de forma pseudo-aleatória. A
"configuração de estímulos críticos", que o examinado deve detectar, consiste numa estrutura de quatro pontos
que formam um quadrado.
Versões do Teste:
S1: Standard (pontos brancos sobre fundo preto)
S2: Standard inversa (pontos pretos sobre fundo branco)
S3: Curta duração do sinal
S4: Signal-Balance (diagnóstico de "neglect")
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-98-
SIGNAL
Avaliação:
São cotadas as seguintes variáveis principais: "Número de reacções correctas e atrasadas" e "Número de reacções
incorrectas", como medida da fiabilidade do processo de detecção e a "Mediana do tempo de detecção", como
medida da rapidez. É apresentada, ainda, uma avaliação por quadrante (com valores Cut-off e intervalos de
dispersão em relação ao desempenho normal).
Fiabilidade:
Dependendo da versão do teste e da amostra comparativa, obtiveram-se como fiabilidades split-half (método
par-ímpar) para a variável "Número de reacções correctas e atrasadas" coeficientes de r=.74 a r=.85. Para a
"Mediana do tempo de detecção", calculada através do mesmo método, resultaram fiabilidades entre r=.78 e r=.84.
Validade:
Pode ser assumida a validade de constructo, uma vez que de acordo com a correspondente Teoria da Detecção de
Sinais, são avaliados exactamente aqueles aspectos do desempenho que estão contemplados no constructo
"detecção de sinais". Estudos de validação com grupos extremos também apresentaram bons resultados.
Normas:
Estão disponíveis normas (notas-T e percentis com os respectivos intervalos de confiança) para todas as versões do
teste, com base nas seguintes amostras de aferição:
Versão S1: Amostra normalizada (N=296), Indivíduos saudáveis (N=738), Psicologia do Tráfego de Portugal (N=2589)
e Utentes IEFP – Portugal (N=111).
Versão S2: Adolescentes (N=76) e Amostra normalizada (N=289).
Versão S3: Adultos (N=904).
Versão S4: Pacientes neurológicos (N=71).
Duração do Teste:
14-20 minutos
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-99-
TESTE DE COORDENAÇÃO SENSÓRIO-MOTORA............................SMK
Autor do Teste:
Bauer H., Guttmann G., Leodolter M., Leodolter U.
Campo de Aplicação:
Teste para avaliação da coordenação sensório-motora, principalmente a coordenação olho-mão e a coordenação
bimanual.
É utilizado no diagnóstico de aptidões e capacidades (especialmente para operadores de empilhadoras,
maquinistas e condutores de gruas, assim como para pessoal de controlo e monitorização de equipamentos), na
Psicologia do Tráfego, Psicologia Aeronáutica e Medicina do Trabalho. Tem também aplicação na área clínica, na
avaliação de défices de coordenação.
Quadro de Referência Teórico:
Parte-se do princípio de que os movimentos são controlados pelo feedback das informações sensoriais, resultantes
da realização do movimento actual. São percebidos os desvios entre os valores esperado e real e, de seguida,
corrigidos (Princípio de TOTE). O tempo requerido para os movimentos de coordenação é determinado,
decisivamente, pela quantidade de feedback recebida e pelo seu processamento.
São analisados dois constructos distintos: a "performance de coordenação antecipatória", que se refere à
capacidade de coordenação sensório-motora em atingir alvos pré-definidos (o valor esperado é conhecido de
antemão) e a "performance de coordenação reactiva" a qual diz respeito à capacidade de coordenação sensório-motora em reagir às alterações de direcção e tamanho espontâneas e imprevisíveis (capacidade de antecipação
dos movimentos).
Versões do Teste:
Existem quatro versões do teste:
S1: Versão reduzida (screening; 10 minutos); S2: Versão standard (15 minutos); S3: Versão completa (elevada
precisão de avaliação; 20 minutos); S4: Versão especial para pedais (10 minutos).
Aplicação do Teste:
Foi seleccionado o controlo de uma figura geométrica (segmento de círculo), porque é simples de instruir e pouco
influenciado por experiências anteriores. No ecrã, é representado um espaço tridimensional, no qual se encontram
um alvo (um "T" invertido, de cor verde) e uma figura a controlar (segmento de círculo, de cor amarela). O
segmento de círculo inicia a realização de três movimentos diferentes em direcções imprevisíveis (porém
constantes para todos os examinados). Em todas as quatro versões do teste, existe uma fase intensiva de
instruções e de treino.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-100-
SMK
Avaliação:
Variáveis principais
- Tempo na posição ideal (em %): Tempo, em percentagem, durante o qual o segmento de círculo se encontrou na
posição ideal, numa determinada sequência (100% = o segmento de círculo esteve sempre na posição ideal).
- Média do desvio angular (em graus): Este valor indica a capacidade do examinado para orientar e influenciar os
movimentos angulares, independentemente da posição ideal.
- Média do desvio horizontal (em pixels): Indica a capacidade do examinado para orientar e influenciar os
movimentos horizontais, independemente da posição ideal.
- Média do desvio vertical (em pixels): Indica a capacidade do examinado para orientar e influenciar os
movimentos verticais, independemente da posição ideal.
Variáveis adicionais
- Dispersão do desvio angular
- Dispersão do desvio horizontal
- Dispersão do desvio vertical
O primeiro grupo (=fase de aquecimento; 56 segundos) não é tido em conta para o cálculo das variáveis (também
não é apresentado na matriz de respostas). As variáveis são calculadas apenas quando tiverem sido realizados
quatro grupos da fase de teste.
Opcionalmente, podem ainda ser apresentados resultados intermédios após 5, 10 e 15 minutos (consoante a versão
do teste), o que permite ter acesso ao decorrer do desempenho do examinado.
Fiabilidade:
A consistência interna de todas as escalas situa-se acima de .90 e é considerada bastante satisfatória.
Validade:
Os resultados das análises de correlação estatística e das comparações intergrupos (incluindo outros testes e vários
critérios externos) apresentam bons resultados na validade convergente e discriminante do SMK.
Estão disponíveis estudos abrangentes de validação no âmbito da Psicologia Aeronáutica (selecção de pilotos) do
exército austríaco.
Normas:
Versão S1:
Adultos (N=239; 121 indivíduos do sexo masculino e 118 indivíduos do sexo feminino; idades compreendidas entre
os 18 e os 85 anos) - existem normas gerais, normas por idade e normas por nível de escolaridade
Versão S2:
Adultos (N=239; 121 indivíduos do sexo masculino e 118 indivíduos do sexo feminino; idades compreendidas entre
os 18 e os 85 anos) - existem normas gerais, por idade e por nível de escolaridade
Versão S3:
Adultos (N=239; 121 indivíduos do sexo masculino e 118 indivíduos do sexo feminino; idades compreendidas entre
os 18 e os 85 anos) - existem normas gerais, normas por idade e normas por nível de escolaridade
Versão S4:
Adultos (N=189; 86 indivíduos do sexo masculino e 103 indivíduos do sexo feminino; idades compreendidas entre os
18 e os 85 anos) - existem normas gerais, por idade, por nível de escolaridade e por sexo
Duração do Teste:
Fase de instruções: aproximadamente 5 minutos.
S1: 10 min.; S2: 15 min.; S3: 20 min.; S4: 10 min.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-101-
TESTE DAS MATRIZES PROGRESSIVAS STANDARD.........................SPM
Autor do Teste:
J. Raven, J.C. Raven e J.H.Court
Campo de Aplicação:
Teste não-verbal para avaliação do raciocínio "edutivo" (dedutivo) – uma componente da inteligência geral – em
indivíduos com idades compreendidas entre os 6 e os 80 anos. É utilizado nas áreas educacional, profissional,
clínica e investigação científica.
Quadro de Referência Teórico:
O Teste das Matrizes de Raven avalia a capacidade de reconhecimento de um padrão (ordem), numa estrutura
desordenada. Por outras palavras, avalia a capacidade de reconhecimento e raciocínio lógico. A palavra "edutivo"
deriva do verbo latino "educere" que significa "deduzir". Spearman e outros psicólogos demonstraram que o
raciocínio dedutivo constitui uma das principais componentes da Inteligência Geral ou Factor G.
Aplicação do Teste:
Após a fase de instruções, os itens são apresentados de acordo com o respectivo grau de dificuldade. O examinado
selecciona uma resposta, entre as seis ou oito alternativas apresentadas, podendo utilizar para o efeito o lightpen,
o rato, o teclado do computador ou o painel de respostas. Existe a possibilidade de corrigir várias vezes o mesmo
item, assim como voltar ao item anterior. Se o examinado não conseguir resolver um exercício, pode omiti-lo. Os
itens não respondidos são apresentados no final do teste.
Versões do Teste:
S1 – Versão standard, com 60 itens
S4 – Versão reduzida com 32 itens homogéneos, segundo Rasch:
Série A: 3 itens
Série B: 4 itens
Série C: 9 itens
Série D: 9 itens
Série E: 7 itens
S5 – Semelhante à versão S4, embora com tempo limite de 15 minutos
S6 – Versão reduzida para Psicologia do Tráfego (nesta versão são apresentados os 47 itens mais simples)
S7 – Versão paralela à versão standard, com 60 itens
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-102-
SPM
Avaliação:
Total de respostas correctas (resultado bruto e normalizado), como medida da componente dedutiva do Factor G.
Avaliações adicionais (só para as versões S1 e S7): É efectuada uma comparação dos valores brutos com os valores
esperados, para cada uma das 5 séries, o que permite controlar a validade dos resultados. Adicionalmente, é
analisado o padrão de respostas do examinado quanto a um falseamento, eventualmente intencional, do resultado
(McKinzey, 1999). Caso exista suspeita de falseamento, surgirá essa indicação no protocolo do teste.
Fiabilidade:
As fiabilidades Split-half, baseadas em mais de 40 estudos, com populações de culturas e grupos etários diferentes,
situam-se em .90. De uma forma geral, os autores do teste indicam fiabilidades teste-reteste entre .83 e .93. Para
a actual versão do SPM, os coeficientes de consistência interna, obtidos com diferentes amostras de aferição,
situam-se entre .77 e .99.
Validade:
As intercorrelações mais elevadas situam-se ao nível dos desempenhos em matemática, nas áreas técnica e
científica. As correlações do SPM com o rendimento escolar situam-se entre .26 e .82. As correlações com outros
testes de inteligência e desempenho situam-se entre .54 e .86. A análise factorial apresenta saturações elevadas
no Factor G, não sendo raras saturações até .94.
Normas:
Encontram-se disponíveis várias normas comparativas para a versão em papel-e-lápis e para a versão
informatizada. Entre outras, incluem-se normas por idade, assim como normas para grupos étnicos e profissionais
específicos. Também existem normas para grupos específicos: pacientes com disfunções orgânicas, pacientes
psiquiátricos, operários, candidatos a emprego, indivíduos à procura de emprego, adultos austríacos, amostra geral
proveniente de Portugal e utentes do IEFP de Portugal. Para a versão S4 estão disponíveis normas de candidatos a
emprego e de indivíduos à procura de emprego. Para a versão S5 existem normas de candidatos a emprego e
normas de Portugal provenientes da Psicologia do Tráfego. A versão S6 contempla apenas normas de candidatos a
emprego.
Duração do Teste:
Dependendo da idade e da capacidade de desempenho do examinado, a duração do teste situa-se entre os 10 e os
30 minutos (nas versões S1 e S7, por vezes, até 60 minutos). De acordo com a experiência, devem-se acrescentar
cerca de 5 minutos para a fase de instruções.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-103-
TESTE DE INTERFERÊNCIA DE STROOP.................................STROOP
Campo de Aplicação:
Experiências de interferência Cor-Palavra, segundo o efeito de Stroop, ganharam especial importância na
Neuropsicologia Clínica. Neste domínio, constatou-se que, sob condições de interferência, os doentes com
deficiências cerebrais necessitavam significativamente de mais tempo para completar o teste de Stroop e que esta
prova
representava
um
instrumento
fiável
para
diferenciar
doentes
de
indivíduos
saudáveis
(cf. Perret, 1974 em Wittling, 1983, Beaumont, 1987). Além disso, o teste dá indicações sobre a existência de
quaisquer disfunções dos lóbulos frontais, que possam fazer com que a atenção do doente seja mais facilmente
perturbada e que se verifique uma tendência para a perseverança.
Quadro de Referência Teórico:
A presente versão é uma construção informatizada, baseada no efeito de interferência cor-palavra de Stroop
(1935). Parte-se do princípio que a velocidade de leitura de uma palavra que nomeia determinada cor, fica
reduzida quando essa palavra estiver escrita com letras de uma cor diferente. De modo análogo, a cor dessas
palavras demora mais tempo a ser nomeada, quando a cor e a designação não coincidem. Com base neste efeito,
podem ser criadas duas condições de teste, nas quais não ocorre qualquer interferência:
1a. a determinação (pura) da velocidade de leitura de uma palavra que designa uma cor e
2a. a determinação da velocidade da nomeação de uma cor.
Estas performances básicas constituem a "baseline" e podem ser relacionadas com as duas condições de
interferência, que são:
1b. A performance de leitura (pura), sob condições de "interferência da cor": a velocidade de leitura da palavra
que nomeia uma cor diminui, quando essa palavra está escrita numa cor diferente, assim como
2b. a condição "interferência da palavra", na qual a nomeação da cor se torna mais difícil, pois a palavra que
nomeia a cor e a cor com que ela está escrita, não coincidem.
Aplicação do Teste:
A tarefa do sujeito consiste em pressionar, o mais rápido possível e sem cometer erros, no respectivo campo de
resposta ou tecla de resposta.
Versões do Teste:
Estão disponíveis três versões, no total. As versões S4 e S7 analisam inicialmente a "baseline" e finalmente a
"condição de interferência". Elas diferenciam-se, apenas, no meio utilizado para inserir as respostas.
A versão S8 diferencia-se entre os designados itens "congruentes" - coincidência entre cor e significado da palavra e itens "incongruentes" - não coincidência entre cor e significado da palavra.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-104-
STROOP
Avaliação:
As variáveis principais são a Interferência-Leitura (corresponde à diferença da mediana dos tempos de reacção
entre "Leitura-condições de interferência" e "Leitura-baseline") e a Interferência-Nomeação (corresponde à
diferença da mediana dos tempos de reacção entre "Nomeação-condições de interferência" e "Nomeação-baseline")
Adicionalmente, são apresentados, para cada parte do teste, os seguintes dados:
- A "Mediana dos tempos de reacção"
- O "Número de respostas erradas"
Na matriz de respostas, são imprimidas todas as reacções do sujeito, com a avaliação das respostas e os tempos de
reacção.
Fiabilidade:
Para a amostra normalizada registaram-se valores de fiabilidade split-half entre .901 e .978.
Validade:
A validade do teste de STROOP fundamenta-se num grande número de estudos comparativos entre grupos clínicos
e "indivíduos saudáveis" (validação de grupos extremos) e também em estudos de validade convergente e
divergente. A presente versão informatizada baseia-se exactamente no paradigma de interferência cor-palavra de
Stroop, tendo tido também em consideração desenvolvimentos científicos posteriores.
Normas:
Estão disponíveis dados comparativos para as versões S4 e S7.
Duração do Teste:
S4 e S7 aproximadamente 15 minutos
S8 aproximadamente 10 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-105-
TESTE DE TRÁFEGO DE MANNHEIM.....................................TAVTMB
Autor do Teste:
Bernd Biel
Campo de Aplicação:
Avaliação da capacidade visuo-perceptiva em Psicologia do Tráfego.
Quadro de Referência Teórico:
O Teste de Tráfego de Mannheim - Taquistoscópio analisa o desempenho visuo-perceptivo e a rapidez perceptiva.
O examinado tem que observar fotografias, apresentadas durante um curto espaço de tempo, mostrando situações
de tráfego. Devido ao facto de não ser necessário possuir experiência de condução nem conhecimento das regras
de trânsito, este teste pode considerar-se um instrumento imparcial e isento. Para além disso, a acuidade visual
exerce fraca influência nos resultados do teste.
Versões do Teste:
Existem duas versões do teste, cada uma com 20 itens. Uma das versões destina-se à aplicação em países com
circulação à direita e, a outra, em países com circulação à esquerda.
Aplicação do Teste:
Após a fase de instruções, com 2 itens de treino, são apresentadas seguida, o examinado deverá escolher, entre
cinco alternativas de resposta, aquela(s) que designa(m) o que observou na fotografia. As alternativas de resposta
são:
1.
Peões,
Crianças;
2.
Automóveis;
3.
Ciclistas,
Motociclistas;
4.
Sinais
de
Trânsito
e
5. Sinais Luminosos.
Existe a possibilidade de corrigir cada uma das respostas.
Avaliação:
São avaliadas as seguintes variáveis: "Introduções de respostas correctas", "Introduções de respostas erradas",
"Aquisição de visão de conjunto", "Tempo de realização".
Fiabilidade:
A fiabilidade para a variável "Aquisição de visão de conjunto" é de r=0.82, para a variável "Introduções de respostas
correctas" é de r=0.87 e para a variável "Introduções de respostas erradas" é de r=0.73. Para além disso, a variável
"Aquisição de visão de conjunto" é homogénea, segundo o modelo de Rasch.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-106-
TAVTMB
Validade:
Num estudo de Neuwirth (2000) foi demonstrado que o TAVTMB diferencia grupos de investigação ("Pacientes
psiquiátricos e neurológicos" e "Indivíduos após abuso de álcool") do grupo de controlo ("Grupo normal"). Este
estudo de validade foi realizado, de forma aleatória, a uma amostra de indivíduos que procediam a provas para o
diagnóstico da aptidão para a condução. Um relatório preliminar de um estudo (Karner & Neuwirth, 2000) mostra
correlações muito significativas entre os resultados do TAVTMB e uma prova de condução.
Normas:
Estão disponíveis as seguintes normas: Amostra normalizada (N=661); Condutores de risco (N=3550); Motoristas
profissionais (N=91); Psicologia do Tráfego de Portugal (N=723).
Duração do Teste:
Aproximadamente 10 minutos
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-107-
QUESTIONÁRIO DE INSEGURANÇA............................................UFB
Teste do tipo questionário
Autor do Teste:
Rita e Rüdiger Ullrich
Campo de Aplicação:
Este teste é um questionário para avaliação da ansiedade social e da competência social, em adultos. O principal
campo de aplicação é a área clínica.
Quadro de Referência Teórico:
A finalidade da construção do UFB assenta na possibilidade de se obter informação objectiva e quantificável sobre
perturbações da ansiedade social e da competência social. O UFB foi concebido para a investigação terapêutica
experimental, no âmbito do desenvolvimento da auto-segurança e da competência social. O presente teste,
enquanto inventário do comportamento, representa um apoio à compreensão e análise do comportamento
psicossocial desajustado. Para além do uso qualitativo no âmbito de uma entrevista estruturada, o UFB fornece
valores de comparação quantitativos para a avaliação da aprendizagem da auto-segurança e da competência
social.
Os itens encontram-se agrupados em quatro escalas principais e duas escalas adicionais. As escalas principais são:
"Receio do insucesso e da crítica", "Receio da relação", "Saber exigir", e "Não saber dizer não". Através das escalas
adicionais (secundárias), "Sentimentos de culpa" e "Etiqueta social", são avaliadas atitudes sociais.
Aplicação do Teste:
Após as instruções, os itens são apresentados de forma sucessiva, no ecrã. O examinado assinala as suas respostas
numa escala de classificação de seis graus, desde "não é verdade" até "é absolutamente verdade".
É permitido fazer uma única correcção e "saltar" itens.
Versões do Teste:
Existe apenas uma versão do teste, com 65 itens.
Avaliação:
São cotados os valores brutos para todas as escalas e o tempo de resposta para cada item. A impressão dos
resultados inclui uma tabela de resultados, com valores brutos e normalizados para todas as escalas, assim como,
o tempo de realização e, opcionalmente, um perfil do teste e uma matriz de respostas.
Fiabilidade:
A consistência interna do teste situa-se entre rtt=.91 e .95. A estabilidade (intervalo de 6 meses) situa-se entre
rtt=.71 e .85.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-108-
Normas:
Estão disponíveis as seguintes amostras: Indivíduos saudáveis (N=584), Pacientes psiquiátricos (N=672), Forças de
Segurança de Macau (N=1963) e Utentes do IEFP de Portugal (N=336).
Duração do Teste:
Aproximadamente 15 a 20 minutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-109-
TESTE DE VIGILÂNCIA.........................................................VIGIL
Autor do Teste:
G. Schuhfried
Campo de Aplicação:
Teste para avaliação do desempenho da atenção, no que respeita ao controlo da "atenção contínua em situações
de estímulos reduzidos" (vigilância).
Principais campos de aplicação: Psicologia Clínica, Diagnóstico de aptidões, Psicologia do Tráfego e Psicologia
Aeronáutica.
Quadro de Referência Teórico:
As tarefas de vigilância são determinadas pelos seguintes factores: É exigida ao examinado uma atenção contínua
durante um longo período de tempo. O estímulo relevante surge de forma aleatória e não desperta a atenção. Para
tal, a intensidade de apresentação do estímulo terá que ser relativamente baixa e a frequência dos incidentes
críticos também terá que ser reduzida. Na generalidade, é proposto apresentar um máximo de 60 estímulos
críticos por hora.
O declínio do desempenho, verificado em experiências de vigilância, é explicado pela diminuição do nível de
activação do sujeito e pelo aumento do tempo de latência da reacção. Segundo a teoria da activação
neurofisiológica, uma carência de estímulos faz com que o córtex receba estimulação insuficiente do sistema de
activação reticular centrípeto. O córtex cerebral não recebe, por isso, os "impulsos de alerta" necessários à
manutenção de certas actividades, o que leva à fadiga psíquica e, consequentemente, a uma quebra de eficiência
do desempenho.
A teoria da desactivação tem como base considerações similares: Quando o fluxo de informação é reduzido (sem
estímulos novos ou significativos), a activação da formação reticular é também reduzida. Isto conduz a um nível
mais baixo de vigilância e, por conseguinte, à omissão ocasional de sinais a detectar em tarefas de mero controlo.
Neste contexto, surge o conceito de "sobrecarga psíquica em situações de estimulação reduzida".
Aplicação do Teste:
Um ponto brilhante move-se ao longo de um padrão circular, efectuando pequenos saltos. Por vezes, o ponto
efectua um salto com o dobro da distância habitual. O sujeito deverá assinalar essas situações, pressionando uma
tecla de resposta.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-110-
VIGIL
Versões do Teste:
S1 - Versão de "Quatember-Maly" (25 minutos):
No ecrã é apresentado um padrão circular, composto por vários pequenos círculos. Estes círculos têm um rebordo
luminoso e um interior preto, à semelhança do restante ecrã. Os pequenos círculos iluminam-se de forma
sequencial, no sentido dos ponteiros do relógio. Desta forma surge uma ideia de movimento do ponto luminoso.
Esse ponto luminoso efectua um salto único mas, por vezes, ocorre um salto duplo. A tarefa do examinado consiste
em reagir aos saltos duplos, pressionando uma tecla de resposta. Quando a tecla é pressionada surge um sinal
sonoro como forma de controlo da introdução da resposta.
Esta versão do teste diferencia apenas no âmbito dos desempenhos situados abaixo da média, sendo especialmente
indicada para pacientes com fortes distúrbios da vigilância.
S2 - Versão de "Müggenburg" (33 minutos):
Nesta versão, o ponto luminoso também efectua saltos no sentido dos ponteiros do relógio. No entanto, ao
contrário da versão de "Quatember-Maly", os pontos que formam o padrão circular não são mostrados no ecrã.
Assim, o examinado tem de estimar se o ponto brilhante efectuou um salto duplo (=estímulo crítico). A realização
desta versão exige, assim, um esforço de concentração maior.
Nesta versão do teste, a frequência dos estímulos críticos é muito mais reduzida do que na versão S1. Assim, os
efeitos da vigilância verificam-se numa escala superior. Esta versão do teste discrimina ao nível dos desempenhos
médio e elevado.
S4 - Versão de "Müggenburg" (66 minutos):
Esta versão do teste é em tudo idêntica à versão S2, excepto no que se refere ao tempo de duração do teste o qual
foi alargado para 66 minutos.
Avaliação:
Variáveis principais: Número de correctas; Número de incorrectas; Média do tempo de reacção de correctas.
Variáveis adicionais: Aumento das correctas; Coeficiente de exactidão de correctas; Aumento do tempo de
reacção de correctas; Coeficiente de exactidão do tempo de reacção de correctas.
Fiabilidade:
Consoante a versão do teste e a amostra comparativa, foram calculados através do método "par-ímpar", os
seguintes valores de fiabilidade Split-half: Número de reacções correctas: r=.77 a r=.84 e Média dos tempos de
reacção: r=.97.
Validade:
O teste é válido no que respeita à validade de critérios: Todos os critérios para a avaliação da vigilância, exigidos
nas principais teorias, estão satisfeitos. Estudos de validade com grupos extremos indicaram resultados
significativamente mais baixos em pacientes com deficiências ao nível do hemisfério direito do cérebro, do que em
pacientes com deficiências idênticas ao nível do hemisfério esquerdo.
Normas:
Versão S1: Adultos (N=292); Crianças e adolescentes (N=619); Indivíduos à procura de emprego (N=245); Pacientes
com sintomatologia neurológica (N=51); Psicologia do Tráfego (N=143).
Versão S2: Amostra normalizada (N=306); Indivíduos à procura de emprego (N=490); Candidatos a profissões
técnicas (N=367); Pacientes psiquiátricos (N=111); Pilotos/PCA de Portugal (N=178).
Versão S4: Pacientes com apneia do sono (N=114).
Duração do Teste:
Versão S1: aprox. 30 min.; Versão S2: aprox. 35 min.; Versão S4: aprox. 70 min.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-111-
TESTE DE MEMÓRIA VISUAL...............................................VISGED
Autor do Teste:
St. Etzel & L. F. Hornke
Campo de Aplicação:
O teste VISGED avalia o desempenho da memória visual através da forma como os indivíduos apreendem e
reproduzem a informação visual (memorizando a posição de símbolos num mapa de uma cidade).
Principais campos de aplicação: Psicologia das Organizações, Psicologia do Tráfego, Psicologia Aeronáutica,
Psicologia Educacional.
Quadro de Referência Teórico:
Os itens do teste, concebidos com base num racional teórico específico, avaliam o desempenho da memória visual.
A memória visual é particularmente importante na construção do designado conhecimento de pontos de
referência, que constitui um aspecto da capacidade de orientação. Os itens do teste foram construídos
principalmente com base na teoria da representação visual de Kosslyn (1980) e no modelo integrativo de
processamento de informação de Hänggi (1989).
Aplicação do Teste:
Inicialmente, é apresentado no ecrã um mapa de uma cidade em que vários locais (bares, estações ferroviárias,
aeroporto, etc.) estão assinalados com símbolos. A tarefa do examinado consiste em memorizar a posição de cada
símbolo e, em seguida, evocá-la correctamente. Para tal, é apresentado um mapa vazio (sem qualquer símbolo),
no qual o examinado deve assinalar o local onde o símbolo se encontrava anteriormente. Logo que o examinado
realiza esta tarefa, é apresentada a verdadeira posição do símbolo, existindo, assim, feedback acerca da precisão
da resposta introduzida. As tarefas individuais variam em termos do número de símbolos e das características
espaciais.
Versões do Teste:
Estão disponíveis três versões do teste, que diferem consoante o grau de precisão através do qual é estimado o
parâmetro pessoal (PAR).
Estão disponíveis 4 versões do teste, uma versão reduzida de screening, uma versão standard, uma versão
completa (elevada precisão de medida), assim como uma versão específica para a Psicologia do Tráfego.
Avaliação:
São apresentados o parâmetro pessoal e uma comparação normalizada (percentis) em relação à variável
„desempenho da memória visual“.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-112-
VISGED
Fiabilidade:
Todos os itens estão de acordo com os critérios da teoria probabilística dos testes, pelo que é possível comprovar
que avaliam a mesma dimensão da aptidão. Uma vez que a apresentação dos itens ocorre de forma adaptativa, o
grau de precisão da avaliação é óptimo para todos os níveis de capacidade. Desta forma, o grau de precisão
exigido na avaliação pode ser conseguido recorrendo a um número de itens significativamente inferior. A
fiabilidade é de r=.064 para a versão S1, de r=.75 para a versão S2 e de r=0,84 para a versão S3.
Validade:
A validade de constructo do teste relaciona-se, em parte, com o facto de o racional de construção dos itens
derivar de uma teoria psicológica. O envolvimento das tarefas num cenário realista contribui para a validade
ecológica do teste. Relativamente a este ponto, as oportunidades fornecidas pelo computador foram amplamente
utilizadas, com o objectivo de criar novos itens e formatos de reacção.
Normas:
O teste VISGED fornece um parâmetro pessoal de acordo com Rasch, parâmetro esse independente da amostra e
que descreve a aptidão do examinado. Para além disso, estão disponíveis normas de „estudantes“ (N=590), assim
como uma amostra representativa de N=481 indivíduos, com idades compreendidas entre os 17 e os 85 anos.
Duração do Teste:
Entre 10 e 15 minutos, dependendo do número de itens realizados.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-113-
TESTE DE PREDISPOSIÇÃO PARA O RISCO (TRÁFEGO)................WRBTV
Autor do Teste:
A. Hergovich, B. Bognar, M. Arendasy & M. Sommer
Campo de Aplicação:
Avaliação da predisposição do indivíduo para assumir riscos em situações de tráfego, de acordo com a teoria da
homeostase do risco.
Principais campos de aplicação: Psicologia do Tráfego, Psicologia Organizacional.
Quadro de Referência Teórico:
Este teste avalia a predisposição para assumir riscos em situações de tráfego potencialmente perigosas. Na
literatura científica, o termo „risco“ não é, de todo, utilizado de forma consensual. No entanto, existem
elementos comuns a todas as definições, designadamente: o potencial perigo e a possibilidade de dano (Schuster,
2000). O modelo teórico que serve de base ao teste WRBTV é a teoria da homeostase do risco, de Wilde (Wilde,
1978, 1994). A dimensão avaliada é a predisposição para assumir riscos em situações de tráfego potencialmente
perigosas.
Aplicação do Teste:
São fornecidas instruções completas sobre a realização do teste. O examinado é informado de que irá visualizar 24
situações de tráfego, as quais serão descritas verbalmente antes de serem apresentadas sob a forma de vídeo.
Cada situação é, depois, apresentada duas vezes. Na primeira apresentação, o examinado apenas observa a
situação. Na segunda apresentação, é pedido ao examinado que pressione uma tecla para indicar o momento a
partir do qual a manobra de condução previamente descrita se torna crítica ou perigosa – isto é, o ponto a partir
do qual o examinado já não realizaria aquela manobra. A primeira das 24 situações de tráfego constitui um item
de treino.
Versões do Teste:
Existe uma única versão do teste, com 24 itens.
Avaliação:
A variável „predisposição para o risco em situações de tráfego“ avalia o comportamento em situações de tráfego
potencialmente perigosas.
Fiabilidade:
Devido à aplicabilidade do Modelo de Latência (Scheiblechner, 1978) para os tempos de latência nas situações de
tráfego, é fornecida a consistência interna. A fiabilidade (Alpha de Cronbach) é de 0.92.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-114-
WRBTV
Validade:
Com a ajuda do Modelo de Latência (Scheiblechner, 1978), três estudos independentes demonstraram a validade
de constructo do teste, em relação à teoria da homeostase do risco de Wilde (1978, 1994). Todos os estudos
mostraram que o teste WRBTV avalia o constructo de personalidade unidimensional „predisposição para o risco em
situações de tráfego“. Por outro lado, estudos de validade convergente e divergente evidenciam correlações
significativas entre a variável „predisposição para o risco em situações de tráfego“ e vários testes que avaliam a
tendência para a procura de sensações e o sentido de responsabilidade. As correlações com traços de
personalidade não relacionados e com testes que avaliam a rapidez mental e a inteligência geral não diferem
significativamente de zero.
Os dados que apoiam a validade de critério do teste foram obtidos através de um estudo de Sommer, Arendasy,
Schuhfried & Litzenberger (2005), o qual demonstrou que uma bateria de testes, da qual o WRBTV fazia parte,
conseguiu classificar correctamente cerca de 89% dos condutores com ou sem registo de acidentes (R=0,837; adj.
R2= 0,636). A relevância relativa do WRBTV foi de 10.81%, o que corresponde a um coeficiente de correlação de
0,197.
Normas:
Estão disponíveis normas para uma amostra normalizada (N=895), com um intervalo de idades entre os 16 e os 91
anos.
Duração do Teste:
O tempo de realização do teste é de, aproximadamente, 15 minutos (incluindo a fase de instrução e treino).
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-115-
ANTECIPAÇÃO DE TEMPO E MOVIMENTO....................................ZBA
Autor do Teste:
Bernd Biel
Campo de Aplicação:
Teste para estimar a velocidade e o movimento de objectos. O ZBA é sobretudo utilizado na Psicologia do Tráfego
e na Psicologia Aeronáutica.
Quadro de Referência Teórico:
Uma função importante para a Psicologia do Tráfego consiste em verificar em que medida um indivíduo consegue
concentrar-se e/ou projectar-se num determinado movimento, de modo a ser capaz de estimar correctamente a
velocidade e o movimento de objectos no espaço.
Versões do Teste:
Actualmente existem 4 versões do teste: Versão S1 - Versão standard; Versão S2 - Versão reduzida;
Versão S3 - Versão linear; Versão S4 - Versão linear (apenas estimativa do tempo)
Aplicação do Teste:
No ecrã, surge um ponto verde que se desloca no ecrã. A determinado momento, o ponto desaparece e surgem
duas linhas vermelhas. Uma das linhas encontra-se precisamente no local onde o ponto desapareceu; a outra linha
é a linha-alvo. O examinado deve pressionar a tecla de resposta quando julgar que o ponto terá alcançado a linha-alvo. De seguida, o examinado deve indicar o local exacto do reaparecimento do ponto, com a ajuda de uma seta.
Na fase de instruções, é indicada toda a trajectória, assim como o local onde o ponto se encontrava, no momento
em que o examinado pressionou a tecla de resposta. Na fase de teste, esta informação não é facultada.
Os exercícios têm diferentes graus de dificuldade, que variam da seguinte forma:
1. movimentos lineares simples
2. trajectos curvilíneos
3. trajectos sinusoidais que decorrem, primeiro, de forma constante e, depois, pautados segundo a amplitude, a
frequência e a frequência/amplitude.
Avaliação:
Independentemente da versão do teste, o erro de tempo é registado em milésimos de segundo. O erro de posição é
registado em pixels, como sendo o desvio relativamente à posição-alvo correcta (apenas para as versões S1 a S3).
Nas medianas dos tempos de desvio e desvio de direcção, trata-se de valores absolutos.
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-116-
ZBA
Nas diferentes versões do teste, são avaliadas as seguintes variáveis:
Versão S1
Antecipação do tempo
-
Mediana do tempo de desvio (total)
-
Mediana do tempo de desvio no trajecto linear
-
Mediana do tempo de desvio no trajecto sinusoidal
-
Mediana do tempo de desvio no trajecto complexo
Antecipação do movimento
-
Mediana do desvio de direcção (total)
-
Mediana do desvio de direcção no trajecto linear
-
Mediana do desvio de direcção no trajecto sinusoidal
-
Mediana do desvio de direcção no trajecto complexo
Versões S2 e S3
Antecipação do tempo
-
Mediana do tempo de desvio (total)
Antecipação do movimento
-
Mediana do desvio de direcção (total)
Versão S4
Antecipação do tempo
-
Mediana do tempo de desvio da direita
-
Mediana do tempo de desvio da esquerda
-
Mediana do tempo de desvio (total)
Resultados adicionais
-
Número de estimativas exactas
-
Número de sub-estimativas
-
Número de sobre-estimativas
-
Número de sobre-estimativas extremas
Fiabilidade:
Os coeficientes de fiabilidade (consistência interna) existentes apresentam, sobretudo para a antecipação do
tempo, resultados satisfatórios:
Antecipação do tempo: Mediana do tempo de desvio total (r=.98), Mediana do tempo de desvio no trajecto linear
(r=.92), Mediana do tempo de desvio no trajecto complexo (r=.98), Mediana do tempo de desvio no trajecto
sinusoidal (r=.92).
Antecipação do movimento: Mediana do desvio de direcção total (r=.76), Mediana do desvio de direcção no
trajecto linear (r=.69), Mediana do desvio de direcção no trajecto complexo (r=.72), Mediana do desvio de
direcção no trajecto sinusoidal (r=.62).
Normas:
Versão S1: Amostra normalizada (N=271)
Versão S2: Amostra normalizada (N=301)
Versão S3: Amostra normalizada (N=271)
Versão S4: Amostra normalizada (N=304)
Duração do Teste:
Aproximadamente 20 minutos
Catálogo do Sistema de Testes de Viena
-117-
Fly UP