...

Teoria do autocuidado na assistência às mulheres que vivem com

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

Teoria do autocuidado na assistência às mulheres que vivem com
Artículo de Investigación
Teoria do
autocuidado na
assistência às
mulheres que
vivem com aids:
utilidade da
teoria
Teoría del autocuidado
en la asistencia a las
mujeres que viven con
sida: utilidad de la
teoría
Theory of self-care
assistance in a women
living with aids: utility
of the theory
• Emeline Moura Lopes1 • Julyana Gomes Freitas2 •
• Marli Teresinha Gimeniz Galvão3 • Marcos Venícius de Oliveira Lopes4 •
•1• Doutora em Enfermagem. Enfermeira,
Maternidade Assis Chateaubriand, Universidade Federal do Ceará. Ceará, Brasil.
E-mail: [email protected]
•2• Doutora em Enfermagem. Professora
Auxiliar, Centro de Ciências da Saúde, Universidade de Fortaleza. Ceará, Brasil.
•3• Doutora em Doenças Tropicais.
Professora Associada, Departamento de
Enfermagem, Universidade Federal do
Ceará. Ceará, Brasil.
•4• Doutor em Enfermagem. Professor
Associado, Departamento de Enfermagem, Universidade Federal do Ceará.
Ceará, Brasil.
Recibido: 06/12/2012 Aprobado: 15/06/2015
doi: http://dx.doi.org/10.15446/av.enferm.v33n2.35817
241
Lopes em et al.
Av Enferm. 2015;33(2):241-250.
Resumo
Resumen
Abstract
Objetivo: Objetivou-se anali- Objetivo: Este estudio tuvo Objective: This study aimed
sar a utilidade da Teoria do autocuidado para a assistência de
enfermagem as mulheres com
aids, sob o modelo de Meleis.
Metodologia: Estudo de revi­
são integrativa, com busca nas
bases de dados lilacs, medline,
scielo, Scopus, cinahl, Cochrane
e pubmed. Após verificação dos
critérios de inclusão, foram identificados três artigos referentes à
temática. Na análise dos estudos,
focou-se o componente utilidade
da teoria de Meleis.
Resultados: A análise dos estu-
dos, segundo a utilidade, evidenciou que a Teoria do autocuidado
foi fundamental para analisar a
capacidade e os déficits de mulheres com hiv/aids quanto ao autocuidado. Com a análise crítica
de Meleis, foi possível verificar
a utilidade da Teoria do autocuidado para a assistência de enfermagem a mulheres com infecção
pelo hiv/aids. Evidenciaram-se,
ainda, diversos cenários e abordagens de aplicação da teoria, identificado sua utilização voltada a
vários objetivos do autocuidado
de mulheres com hiv.
Descritores: Teoria de Enfermagem;
Autocuidado; Mulheres; hiv (fonte:
decs bireme).
como objetivo analizar la utilidad de la Teoría del autocuidado para la atención de enfermería para las mujeres con sida,
conforme al modelo de Meleis.
to analyze the usefulness of the
Theory of Self-care for nursing
care for women with aids, under
the Meleis model.
sión integradora, cuya búsqueda se realizó en las bases de
datos lilacs, medline, s cielo,
Scopus, cinahl, Cochrane y
pubmed. D espués de comprobar los criterios de inclusión, se
identificaron tres artículos relacionados con el tema. El análisis de los estudios se centró en
el componente de Meleis de la
utilidad de la teoría.
search in lilacs, medline, scielo, Scopus, cinahl, Cochrane
and pubmed. After checking the
inclusion criteria, were identified three articles relat­ed to the
topic. The analysis of the studies
was focused on the component
of utility theory Meleis.
Methodology: Study of inteMetodología: Estudio de revi- grative review, with database
Resultados: El análisis de
los estudios, de acuerdo con la
utilidad, mostró que la Teoría
del autocuidado es esencial para
examinar la capacidad y los
déficits en las mujeres con vih/
sida como el autocuidado. Con el
análisis crítico de Meleis, pudimos comprobar la utilidad de la
teoría del autocuidado para la
atención de enfermería para las
mujeres con vih/sida. Se presentaron también diferentes escenarios y enfoques de la aplicación
de la teoría, cuyo uso fue identificado para varios objetivos encaminados a la autoatención de las
mujeres con vih.
Descriptores: Teoría de Enfermería;
Autocuidado; Mujeres; vih (fuente:
decs bireme).
242
Results: Analysis of the studies,
according to the utility, showed
that the Theory of Self-care is
essential to examine the ability
and deficits in women with hiv/
aids as self-care. With the critical
analysis of Meleis, we could ver­ify the usefulness of the Theory
of Self-care for nursing care for
women with hiv/aids. It was
apparent also different scenarios
and approaches to application of
theory, its use identified several
objectives aimed at self-care of
women with hiv.
Descriptors: Nursing Theory; Self
Care; Women; hiv (source: decs bireme).
Teoria do autocuidado na assistência às
mulheres que vivem com aids: utilidade da teoria
Introdução
No início da epidemia da aids as mulheres não eram
incluídas em categorias de risco para a aquisição do
vírus. Ao longo do tempo, tornaram-se vulneráveis
e, especialmente, incluem a criança no contexto da
epidemia da aids, em virtude da transmissão vertical (1, 2). Deste modo, a ampliação da testagem do
hiv, dos exames sorológicos da mãe e a carga viral
são fundamentais, pois minimizam o risco da transmissão do hiv à criança. As mães-gestantes com o
hiv podem evitar a infecção da criança, melhorar
sua saúde, sua convivência com a doença, e preparar-se para receber seu filho e dar-lhe atenção, amor
e cuidados necessários à sobrevivência (3, 4).
No âmbito da família, a figura da mulher-mãe é a
principal cuidadora e é implícita como principal
responsável (5, 6). Ações de capacitação e desenvolvimento de habilidades devem ser voltadas para a
figura materna com fins de alcançar ótimo nível de
saúde da criança, sobretudo na vigência do hiv da
gestante (4).
Na enfermagem, para o desenvolvimento do cuidado integral e sistematizados das pessoas, há teorias
que fundamentam o cuidado em saúde, cuja finalidade é descrever, explicar, prever ou prescrever o
cuidado de enfermagem (7, 8).
Na vigência do hiv essas teorias orientam
soluções mediante as necessidades no contexto
da prevenção e promoção da saúde. A inda facilitam o esclarecimento de fenômenos relacionados ao cuidado com objetivo de orientar soluções
que respondam interesse das pessoas envolvidas
e instrumentalizar o enfermeiro para proporcionar ajuda a cuidar de si (9).
Na busca de subsídios para aperfeiçoar a assistência à saúde, é preciso aplicar modelos e
teorias, assim, contribuir para a redução da transmissão do hiv. Neste âmbito, em função de a maior
parte das mulheres serem mães é essencial o desenvolvimento do autocuidado (4). Quando as pessoas
apreendem as orientações e estas são seguidas, há
manutenção da integridade estrutural e do funcionamento humano, situações que contribuem para
o desenvolvimento e recuperação da saúde (10).
Neste ínterim, entre os modelos e teorias de
enfermagem com vistas aos cuidados em pessoas
vivendo com hiv/aids, observa-se o uso da Teoria
do autocuidado de Orem (9, 11). Este modelo teórico pode ser recomendado como um instrumento
para auxiliar o enfermeiro a promover a prática
do cuidado, funcionando como uma proposta de
sistematização da assistência de enfermagem (12).
O modelo de autocuidado é composto de três
teorias inter-relacionadas: Teoria do autocuidado, Teoria do déficit de autocuidado e Teoria dos
sistemas de enfermagem (10). Também são três
os requisitos de autocuidado apresentados por
Orem: universais, de desenvolvimento e de desvio
de saúde (10).
Historicamente, o desenvolvimento e o uso de
teorias fazem parte da construção da enfermagem como ciência e arte, possibilitando aos profissionais descrever e explicar aspectos da realidade
assistencial (13).
Para corroborar com processo científico é
necessário que a enfermagem utilize e avalie
as teorias, para aprofundamento dos estudos
subsidiados por avaliações utilizando Modelos de Análises, que respondem questionamentos sobre a pertinência ou não do uso de
uma teoria, no contexto biopsicossocial e de
saúde. Neste aspecto o presente estudo utilizará o Modelo de Análise de Teorias proposto por
Meleis (7), procurando auxiliar no entendimento do uso da Teoria de autocuidado de Orem
direcionado às mulheres com hiv.
Posto isso, esse estudo tem como objetivo analisar, sob o componente utilidade da Teoria de
Meleis, a Teoria do autocuidado para a assistência de enfermagem junto às mulheres com aids.
Metodologia
Estudo de análise da utilidade da Teoria de Orem
no contexto do modelo da Teoria de Meleis (7). O
modelo engloba descrição, que pode ser feita por
meio dos componentes estruturais e funcionais;
análise, definida como um processo de identificação de partes e componentes; crítica, que é
um exame ou estimativa de uma situação; teste
teórico, o qual se refere a uma avaliação para a
utilidade da teoria, e o teste de apoio, que verifica alternativas de validação, em congruência
com a natureza da disciplina (7). Neste estudo,
243
Av Enferm. 2015;33(2):241-250.
optou-se entre os componentes do item “crítica” da teoria de Meleis: utilidade da teoria. Com
vistas a realizar a análise da teoria, foi realizada revisão integrativa de estudos sobre o assunto para seguir as etapas de análise.
A revisão integrativa inclui estudos experimentais e não-experimentais, dados da literatura
teórica e empírica, para uma compreensão do
fenômeno analisado. Em conjunto com a multiplicidade de propostas, deve gerar um panorama consistente e compreensível de conceitos
complexos, teorias ou problemas de saúde relevantes para a enfermagem (14).
Para a elaboração da revisão integrativa, as
seguintes etapas foram percorridas: estabelecimento da hipótese e objetivos; estabelecimento
de critérios de inclusão e exclusão de artigos —
seleção da amostra—; definição das informações
a serem extraídas dos artigos selecionados;
análise dos resultados; discussão e apresentação
dos resultados e a apresentação da revisão, última etapa.
Os critérios de inclusão foram: artigos publicados em português, inglês e espanhol, artigos na
íntegra que retratassem a temática concernente à revisão integrativa e indexados nos referidos bancos sem limite de período, em virtude de se tratar de um assunto incipiente nesta
área da enfermagem. Foram excluídos os editoriais, teses, dissertações, cartas ao editor, estudos reflexivos, revisões sistemáticas e integrativas.
Procedeu-se uma busca na Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde
(lilacs) e Medical Literature Analysis and Retrieval Sistem on-line (medline), utilizando-se os
descritores indexados Autocuidado and hiv and
Mulheres. Obtiveram-se três resumos relacionados à temática em discussão, entretanto, apenas
um estava disponível na íntegra. Posteriormente,
trabalhou-se com os descritores Saúde da Mulher
and hiv and Autocuidado.
Foram encontradas três publicações, uma repetida e duas excluídas por não terem o artigo na
íntegra. Adicionou-se, em novo cruzamento, o
descritor não controlado Orem and Mulheres
and hiv, mas não se obteve publicação. Desta
forma, nestes bancos de dados fez-se com a última busca adicionando o descritor controlado
244
Lopes em et al.
Teoria de Enfermagem and Autocuidado and
hiv. Embora tenham sido encontrados dois artigos na íntegra, relacionavam-se ao autocuidado
no contexto geral de pacientes com hiv/aids.
A segunda pesquisa foi realizada mediante os
bancos de dados: Scientific Eletronic Library
Online (sc i elo), Scopus, Cumulative Index to
Nursing and Allied Health Literature (cinahl),
Cochrane e National Library of Medicine and
National Institutes of Health (pubmed), com os
descritores controlados Self Care and hiv, and
Women. Foram encontradas 542 publicações.
Apenas uma se relacionava à temática e estava
disponível na íntegra, mas não abordava a aplicabilidade da Teoria de Orem. Logo, foi excluída. Entre as demais, uma estava repetida e as
outras não possuíam artigo na íntegra ou não se
adequavam ao objetivo proposto.
Posteriormente, fez-se novo cruzamento com
os descritores controlados Women’s Health and
hiv, and Self Care. Obtiveram-se 69 publicações
e nenhuma relacionou-se à temática. A dicionou-se, então, a palavra-chave Orem e, assim
procedeu-se o cruzamento com Women and hiv.
Foram obtidas seis publicações, entre as quais
uma era repetida; uma tratava da aplicabilidade
da Teoria de Orem em mulheres com hiv,/aids e
as demais não eram pertinentes à temática. A
última busca utilizou os descritores controlados
Nursing Theory and Self Care and hiv. Foram
encontradas 28 publicações, entretanto quatro
diziam respeito ao autocuidado no contexto
geral de pacientes com hiv/aids, uma era repetida, uma estava relacionada à temática e as
demais não possuíam congruência ao objetivo
proposto.
Desta forma, três artigos apresentaram como
marco teórico a mencionada teoria e conteúdo suficiente para a análise pretendida, além de
responder aos critérios de inclusão.
Por se tratar se artigo de revisão, cujos conteúdos dos trabalhos estão disponibilizados por
meio eletrônico e de domínio público, não houve
necessidade de anuência à pesquisa.
Teoria do autocuidado na assistência às
mulheres que vivem com aids: utilidade da teoria
Resultados
O quadro sinóptico com os aspectos pertinentes elencados: Autores/Ano; Objetivo do Estudo; Requisitos de Autocuidado; Amostra e Utilidade da Teoria (ver Tabela 1).
Tabela 1. Caracterização dos artigos segundo autores/ano, objetivo do estudo, requisitos de autocuidado, amostra, utilidade da teoria
Autores/ano
11
Objetivo do estudo
Requisitos de autocuidado
Conhecer os déficits de autocuidado
de gestantes/puérperas com hiv/
aids e os fatores que influenciam no
engajamento ou não do autocuidado
Déficits de autocuidado quanto à alimentação;
Déficit de ingesta hídrica, ingerem menos
líquidos do que o recomendado; Alterações
profundas no seu sono e repouso, em
Dez gestantes
puérperas com hiv
decorrência da ansiedade gerada pela
doença; Falta de inserção social; As gestantes/
puérperas referiram que os parceiros não
querem utilizar o preservativo como forma de
proteção; As gestantes/puérperas referiram
o marido como a principal pessoa da família
com quem dividem sentimentos e angústias,
quando não é a única.
Scherer; Borenstein;
Padilha, 2009
14
Aplicar o processo de enfermagem
baseado na Teoria do autocuidado
de Orem em uma mulher que vive
com hiv/aids
Barroso et al., 2006
Amostra
Para cada requisito de autocuidado por
desvio de saúde sugerido por Orem (1991),
foram identificados os comportamentos
de autocuidado da paciente com hiv/aids.
Com referência a esse caso, percebe-se que
diversos comportamentos demonstravam
a ausência da prática de autocuidado, como
o não comparecimento às consultas e o
abandono do tratamento, além de mudanças
do estilo de vida após a doença, como
dificuldade para o sono, desânimo, ansiedade,
inquietação e desmotivação para atividades
diárias. Foram identificados três diagnósticos
de enfermagem:
1. Risco para infecção relacionado à imuno­
ssupressão.
Utilidadade da teoria
A Teoria do déficit de autocuidado
constitui a essência da Teoria
Geral da Enfermagem de
Dorothea Orem. Nela se observa
a necessidade da presença da
enfermagem, ou seja, quando e
por que o indivíduo, família ou o
grupo social necessita ser ajudado
pelos profissionais e pelas ações
desenvolvidas. Estas ações passam
a ser executadas quando um
adulto ou familiar se encontra
incapacitado ou limitado, para
prover autocuidado contínuo e
eficaz
Foi selec ionada
in­t en­c ionalmente
uma mulher com
infecção pelo hiv
e que já tivesse
desenvolvido a
a i d s , i n t e r n a d a
na enfermaria do
Hospital
Aplicação de um processo de
enfermagem mediante as etapas:
1. Diagnóstico de enfermagem e
prescrição.
2. Planejamento dos sistemas de
enfermagem.
3. Produção e controle do sistema
de enfermagem. Elaborou-seo
planejamento dos sistemas de
enfermagem, utilizando o Apoioeducação na tentativa de oferecer
uma contribuição para a prática
do autocuidado à mulher com
hiv/aids a partir dos diagnósticos
de enfermagem encontrados.
2. Controle ineficaz do regime terapêutico
relacionado às dificuldades econômicas,
complexidade do regime terapêutico e
falta de conhecimento.
3. Padrão de sono perturbado relacionado
à tristeza, ansiedade e inquietação.
245
Lopes em et al.
Av Enferm. 2015;33(2):241-250.
Autores/ano
11
Objetivo do estudo
Requisitos de autocuidado
Examinar a relação entre apoio social
e seu impacto sobre a habilidade de
mulheres Africano-Americanas e
hiv-positivas para realizar práticas de
autocuidado
Idade; Fatores de sistemas familiares; Orien­
tações socioculturais; Estado de saúde;
Padrão de vida.
14
Hurst et al., 2005
Amostra
62 mulheres hivpositivas
Utilidadade da teoria
A Teoria de autocuidado identifica
que o indivíduo cuida de si mesmo e é
chamado de "agente de autocuidado”.
Desta forma, se engaja para
manter um bio-psico-socio-cultural
necessidades espirituais, saúde
e bem-estar. Orem explicou que
algumas atividades de autocuidado
são inatas— por exemplo,
respiração—, enquanto outras
são comportamentos aprendid.
Portanto, autocuidado é uma
atividade contínua obrigatória que
os adultos usam para manter a
saúde em geral. O sistema familiar,
de acordo com Orem (2001), é um
de 10 condicionantes básicos que
influenciam as habilidades de
indivividuos no autocuidado e
práticas de auto-atendimento. Neste
estudo, apoio social —funcional, rede
e perda— identificado como um fator
condicionante básico sob a égide do
sistema familiar.
Fonte: Bases de dados lilacs, medline, scielo, Scopus, cinahl, pubmed e Cochrane. Fortaleza-ce; 2012.
O Tabela 1 descreve os artigos mediante a utilidade da Teoria de Orem em mulheres que vivem
com hiv/aids. O primeiro artigo analisado intitula-se Gestantes/puérperas com hiv/aids: conhecendo os déficits e os fatores que contribuem no
engajamento para o autocuidado. Conforme o
artigo descreve, por meio da estratégia metodológica de análise de conteúdo, as gestantes/puérperas com hiv apresentam déficits de autocuidado
relacionados com a alimentação, ingesta hídrica,
sono e repouso, vida sexual, lazer e recreação e
interação social. Convivem tanto com fatores que
contribuem para o engajamento no autocuidado
quanto com fatores que o dificultam. Embora com
dificuldades, as gestantes/puérperas têm conseguido sobreviver ao isolamento e ao preconceito
graças ao apoio familiar e da equipe de saúde, em
especial das enfermeiras (11, 15).
Inicialmente aponta-se para a feminilização do
hiv e as repercussões dessa mudança. O crescimento da aids entre mulheres tem um impacto social maior do que em outros segmentos da
população, porquanto, nos dias de hoje, elas ainda
246
assumem culturalmente o papel de “agregadoras
e cuidadoras” dos núcleos familiares (16). Diante
do tempo do ciclo vital da família, é instintivamente definido que a mulher é a provedora dos
cuidados (5, 6, 17).
Desse modo, o confronto entre essas realidades, a
de prestar cuidados e a de receber cuidados, é fator
determinante para a realização de práticas do
autocuidado. Enquanto a mulher é cobrada socialmente para cuidar, a realidade da doença não pode
permitir-lhe estar aquém daquilo que lhe é solicitado. E, ao cuidar dos demais, esquece o cuidar
de si mesma. Quando esse cuidar de si mesma é
deixado em segundo plano e associa-se à negação,
evidenciam-se os déficits do autocuidado. Posto
isso, as práticas de autocuidado, que são o foco da
Teoria de Orem, são essenciais para melhoria das
funções mentais e a autopercepção de saúde (4, 10).
O segundo artigo intitulado Autocuidado de
uma mulher com aids: um modelo de cuidar em
Enfermagem, destaca a importância dos indivíduos com aids serem incentivados à prática
Teoria do autocuidado na assistência às
mulheres que vivem com aids: utilidade da teoria
do autocuidado, no intuito de colaborar com a
manutenção da sua saúde. Com esta finalidade,
os pacientes devem comparecer periodicamente
às consultas médicas para avaliação do estado
de saúde e recebimento da prescrição do tratamento medicamentoso (antirretrovirais), como
também serem acompanhados na consulta de
enfermagem, que deve ser centrada nas alterações do estilo de vida, enfatizando a avaliação
clínica, psicológica e social do paciente (18).
O referido artigo justifica a escolha de uma
mulher para ser o objeto de estudo, pelo fato dela
desempenhar com mais frequência na nossa
sociedade as diferentes formas de cuidar. Além
disso, esta mulher selecionada deveria estar com
aids e não apenas viver com hiv, pois o intuito da
investigação é traçar uma assistência para que a
mulher promova o autocuidado diante dos sintomas da doença, e estes estão presentes quando se
desenvolve a síndrome. Ainda conforme a justificativa deste estudo, o cuidado pessoal é indispensável à mulher com aids, no dia-a-dia, para garantir o desenvolvimento em benefício da vida, saúde
e bem-estar (18).
Neste prisma, enfatizou-se a relevância da aplicação do processo de enfermagem proposta no
modelo teórico de Orem (19), mediante a possibilidade de capacitar a mulher que vive com hiv/aids
como agente de autocuidado.
Na Tabela 1, as fases são descritas de acordo com
o processo de enfermagem e aplicabilidade da
teoria. Após o levantamento de dados, com vistas
a identificar os diagnósticos e intervenções de
enfermagem, executou-se inicialmente a avaliação
de comportamentos de autocuidado, considerando os requisitos de desvio de saúde do modelo de Orem (10). Depois da etapa de avaliação dos
comportamentos de autocuidado, passou-se à
elaboração de diagnósticos de enfermagem.
Para dispensar atendimento ao paciente com
hiv/aids, elaborou-se um plano de cuidados de
enfermagem com os diagnósticos identificados
e as intervenções a serem realizadas. Segundo
se observou, a paciente necessitava do sistema de enfermagem apoio-educação, constante
no planejamento dos sistemas de enfermagem.
Assim, todas as intervenções foram realizadas
com o objetivo de promover a prática do autocuidado pela mulher (18).
Constatou-se, então, a importância do apoio do
enfermeiro no processo de educação e sensibilização do indivíduo para promoção e manutenção
da saúde nos diversos contextos demandados
pelo hiv/aids.
Ressalta-se o sistema de enfermagem de apoioeducação que ocorre quando o indivíduo consegue executar, ou pode e deve aprender a executar medidas de autocuidado terapêutico, regula
o exercício e desenvolvimento de suas atividades
de autocuidado, e o enfermeiro vai promover esse
indivíduo a um agente capaz de se autocuidar (18).
O terceiro artigo, intitulado The Relationship
Between Social Support, Self-Care Agency, and SelfCare Practices of African American Women Who
are hiv-Positive, objetivou examinar a relação
entre apoio social e seu impacto sobre a capacidade de mulheres africano-americanas hiv-positivas para realizar práticas de autocuidado (20).
No mencionado estudo, os autores descrevem a
existência de dez fatores condicionantes básicos:
idade, gênero, o estado de desenvolvimento, o
estado de saúde, padrão de vida, fatores de saúde
de cuidados do sistema, fatores do sistema familiar, orientação sociocultural, a disponibilidade
de recursos e ambiente externo fatores ambientais. Entre esses fatores, cinco foram considerados condicionantes básicos, a saber: idade, fatores do sistema familiar, orientação sociocultural,
o estado de saúde e padrão de vida. Esses fatores
são necessários para que os indivíduos sejam
capazes de cuidar de si mesmos. Estes cinco fatores tem maior potencial para influenciar as práticas de autocuidado em indivíduos com doenças
crônicas (20).
No referente ao fator idade, observou-se no artigo o número crescente de mulheres em idade
reprodutiva vulnerabilizadas à infecção pelo
hiv/aids. Vários estudos desenvolvidos no Brasil
corroboram estes dados ao evidenciar a feminilização da epidemia na faixa etária fértil (4, 5, 21).
Quando analisado o fator relativo a sistema familiar, o estudo ressalta a família como o principal
fator condicionante básico. Segundo Orem, o
apoio social —funcional, rede e perda— é identificado como um fator condicionante básico sob a
égide do sistema familiar (19).
247
Av Enferm. 2015;33(2):241-250.
Orem refere-se às famílias como unidades de
várias pessoas. As crianças são componentes de
uma família que podem positiva ou negativamente receber gerências de práticas de autocuidados e apoio terapêutico (19).
Acerca dos componentes básicos da orientação sociocultural, Orem identifica o nível de
educação, renda e estado civil. Assim, é de se
supor que um maior nível de educação dos participantes teria um impacto positivo na sua capacidade de reconhecer uma necessidade de autocuidado e para implementação da prática de autocuidado apropriado (19). A condição financeira
é a situação que mais interfere na qualidade de
vida de mulheres infectadas pelo hiv e sobremodo pode dificultar o autocuidado e o tratamento
específico (4).
Quanto ao estado de saúde, é definido a partir
da sua perspectiva. De acordo com Orem, uma
visão individualista do próprio estado de saúde é
determinada pela idade, educação, sentimentos,
atitudes e experiências, bem como seu ambiente bio-psico-social (19). Essa percepção influencia
a prática de gerir o autocuidado e o autoatendimento do indivíduo.
Discussão
Verifica-se a utilidade da Teoria do autocuidado na
promoção do autocuidado junto a mulheres com
hiv. Como ser mulher implica ser referência na prestação do cuidado, a infecção por um vírus causador
de doenças ainda sem cura a faz susceptível a receber cuidados, pois a mulher prestadora de cuidado
não se permite estar na necessidade de ser cuidada.
O uso da Teoria do autocuidado permitiu, no primeiro estudo, verificar os déficits apresentados por
gestantes/puérperas, bem como fatores contribuintes para execução de prática do autocuidado. Nesse
prisma, é possível, com a utilização da Teoria do
autocuidado, que o enfermeiro planeje e promova
a implementação de ações destinadas a estimular
a prática do autocuidado no referente aos déficits e
fortalecer as práticas já implementadas.
A Teoria do autocuidado de Orem permitiu ainda
ver que os déficits eram decorrentes e tinham agravantes em consequência das condições contextuais
em que viviam as gestantes/puérperas por causa
do hiv e também pela própria condição no tocante à idade, capacidade mental, estado emocional,
248
Lopes em et al.
situação econômica e social, e diversidade cultural
e social, bem como à aceitação do seu estado soropositivo (16).
Ressalta-se o enfermeiro é detentor de todos os
elementos necessários para cuidar do outro (22).
Autores afirmam ainda que toda ação de enfermagem que vise recuperar o autocuidado pleno
do indivíduo poderá remontar a importância dos
pressupostos, métodos e metas da teoria do déficit de autocuidado proposta por Orem (23).
Deste modo, o enfermeiro é ator social na transformação destas mulheres em agentes de autocuidado. As trocas de experiências verificadas
nas entrevistas entre enfermeira e gestante/
puérpera e no grupo focal tornaram oportuna
a incorporação de medidas de autocuidado. Tal
situação resultou na obtenção de mais estratégias para engajamento no autocuidado a partir
do apoio profissional e foi vital para conhecer
outras experiências que possibilitaram rever
conceitos, condutas e déficits de autocuidado na
perspectiva de ampliar os conhecimentos sobre
o hiv/aids e as representações no cotidiano de
cada uma (11).
Como proposto, o sistema de enfermagem planejado pelo profissional está baseado nas necessidades de autocuidado e na capacidade do
paciente para a execução de atividades de autocuidado (17). Segundo a Teoria do autocuidado,
nesse momento a enfermeira pode lançar mão
de métodos de ajuda, proporcionando ambiente e estratégias promotoras do desenvolvimento
pessoal, tornando a pessoa capaz de satisfazer
suas demandas atuais e futuras (19).
No segundo estudo, a Teoria do autocuidado
permitiu ênfase ao planejamento de intervenções
para promoção do autocuidado e mostrou, novamente, a importância do enfermeiro no cuidados
a essa população.
No último estudo, a teoria teve sua relevância
na identificação dos fatores que interferem nas
relações sociais e a análise destes para a promoção
dessas ações. Contudo, o reconhecimento da
importância do paciente é essencial ao alcance
dos objetivos, visto que este necessita adquirir
conhecimentos e habilidades e incorporá-los em
seu sistema de cuidado (24, 25).
Teoria do autocuidado na assistência às
mulheres que vivem com aids: utilidade da teoria
Assim, percebem-se as várias perspectivas da
utilização desta teoria e suas possibilidades de
análise da construção ou mudança de uma realidade, cujo objetivo é a apreensão de atitudes de
ações que promovam a autonomia e, desse modo,
propicie uma melhor relação com o outro, com o
social e com o meio.
Conclusão
Com a aplicação do modelo de análise crítica da
Teoria de Meleis, pode-se verificar a utilidade da
Teoria do autocuidado de Orem para a prática,
pesquisa, educação e administração voltada a
pessoas que vivem hiv/aids.
Verificam-se, ainda, diversos cenários e diversas
abordagens nos quais a teoria pode ser aplicada,
com sua utilização voltada a vários objetivos do
autocuidado de mulheres com hiv.
O estudo propiciou a aplicação do modelo de
análise de Meleis, que se apresenta como um
direcionamento eficaz para o pesquisador conhecer e avaliar a utilidade da teoria relacionada à
questão norteadora proposta.
A reflexão sobre a aplicabilidade de teorias de
enfermagem permite validar e construir novas
formas de atuar na assistência de enfermagem,
sobretudo ao identificar limites e relações entre
profissionais e indivíduos necessitados de cuidados.
Desta forma, o cuidado de enfermagem prestado
requer embasamento científico, prática baseada em evidências, aplicabilidade e utilidade de
teorias com vistas a sustentar uma prática assistencial holística, capaz de provocar transformação social destes indivíduos, em prol de ações
de saúde catalisadoras da manutenção do bemestar.
Contudo, a assistência de enfermagem direcionada para o autocuidado a mulheres com hiv/aids
é escassa. Diante desta escassez, sugere-se mais
investigações sobre esta temática para ampliar o
conhecimento científico quanto ao assunto.
Referências
(1) Vargens om, Rangel ts. Reflective analysis
on the social aspects of hiv/aids: feminization, discrimination and stigma. On­line Braz
j Nurs [serial on the Internet]. 2012 [access:
2012 Jul 14];11(1):[about 6 screens]. Avaliable
from: http://www.objnursing.uff.br/index.
php/nursing/article/view/3531/html
(2) Moreschi c, Siqueira df, Freitas hm,
Schaurich d, Biazus cd, Freitas ph. Mulheres e vulnerabilidades ao hiv/aids. Saúde
(Sta Maria). 2012;38(2):85-94.
(3) Barroso lm, Freitas jg, Galvão mt. Escala
de avaliação da capacidade para cuidar de
crianças expostas ao hiv. Rev Enferm ufpe
Online. 2013;7(3):722-730.
(4) Freitas jg, Barroso lm, Galvão mt. Capacidade de mães para cuidar de crianças
expostas ao hiv. Rev Latino-Am Enfermagem. 2013;21(4):964-972.
(5) Wegner w, Pedro en. Os múltiplos papéis
sociais de mulheres cuidadoras-leigas
de crianças hospitalizadas. Rev Gaúcha
Enferm. 2010;31(2):335-342.
(6) Freitas jg, Cunha gh, Barroso lm, Galvão
mt. Administration of medications for children born exposed to human immune deficiency virus. Acta Paul Enferm. 2013:26(1):4249.
(7) Meleis ai. Theoretical nursing: devel­
opment & progress. 3th ed. Philadelphia:
Lippincott-Raven; 1997.
(8) Luz al, Silva gr, Luz mh. Theory of Dorothea Orem: an analysis of its applicability in service ostomy patients. Rev Enferm
ufpi. 2013:2(1):67-70.
(9) Barroso lm, Brito dm, Galvão mt, Lopes
mv. Utilidade da teoria de autocuidado na
assistência ao portador do Vírus da Imunodeficiência Humana/Síndrome da imunodeficiência Adquirida. Acta Paul Enferm.
2010;23(4):562-567.
(10) Orem de. Nursing: concepts of practice.
New York: McGraw-Hill; 1995.
249
Av Enferm. 2015;33(2):241-250.
(11) Scherer lm, Borenstein ms, Padilha mi.
Gestantes/puérperas com hiv/aids: conhecendo os déficits e os fatores que contribuem no engajamento para o autocuidado.
Esc Anna Nery Rev Enferm. 2009;13(2):359365.
(12) Bezerra ml, Ribeiro pr, Sousa aa, Costa
ai, Batista ts. Diagnósticos de enfermagem
conforme a teoria do autocuidado de Orem
para pacientes em tratamento hemodialitico. Rev Ciênc Ext. 2012;8(1):60-81.
(13) Schaurich d, Crossetti mg. Produção
do conhecimento sobre teorias de enfermagem: análise de periódicos da área,
1998-2007. Esc Anna Nery Rev Enferm.
2010;14(1):182-188.
(14) Souza mt, Silva md, Carvalho r. Revisão
integrativa: o que é e como fazer. Einstein.
2010;8(1 Pt 1):102-106.
(15) Holanda er, Galvão mt, Pedrosa nl,
Paiva ss, Almeida rl. Análise espacial da
infecção pelo vírus da imunodeficiência
humana entre gestantes. Rev Latino-Am
Enfermagem. 2015;23(3):441-449.
(16) Freitas jg, Paiva ss, Moreira rv, Araújo
mf, Barroso lm, Galvão mt. Philosophical
reflection on nursing care in feeding children exposed to hiv. Rev Enferm ufpe Online.
2012 Sep;6(9):2290-2297.
(17) Foster pc, Janssens np, Orem, de. Em:
George j. Teorias de enfermagem: os fundamentos para a prática profissional. Porto
Alegre: Artes Médicas; 1993. pp. 90-107.
(18) Barroso lm, Carvalho cm, Araujo tl,
Galvão mt. Autocuidado de uma mulher
com aids: um modelo de cuidar em enfermagem. Online Braz j Nurs [periódico na Internet]. 2006 [acesso: 2012 Jul
14];5(2):[aprox. 10 telas]. Disponível em:
http://www.objnursing.uff.br/index.php/
nursing/article/view/289/55
(19) Orem de. Nursing concepts of practice.
St. Louis: Mosby; 1991.
(20) Hurst c, Montgomery aj, Davis bl,
Killion c, Baker s. The relationship between
social support, self-care agency, and selfcare practices of african american women
who are hiv-positive. j Multicul Nurs
Health. 2005;11(3):11-22.
250
Lopes em et al.
(21) Stephan c, Henn, ca, Donalisio mr.
Expressão geográfica da epidemia de aids
em Campinas, São Paulo, de 1980 a 2005.
Rev Saúde Pública. 2010;44(5):812-819.
(22) Berardinelli lm, Guedes na, Acioli
s. Análise do déficit de autocuidado de
clientes hipertensos e as implicações na
produção de cuidado. Rev Enferm uerj.
2013;21(Esp 1):575-580.
(23) Vitor af, Lopes mv, Araujo tl. Teoria
do déficit de autocuidado: análise da sua
importância e aplicabilidade na prática de enfermagem. Esc Anna Nery Rev
Enferm. 2010;14(3):611-616.
(24) Souza el, Moura gn, Nascimento jc,
Lima ma, Pagliuca lm, Caetano ja. Diagnósticos de enfermagem embasados na
teoria do autocuidado em pessoas com
deficiência visual. Rev rene. 2012;13(3):542551.
(25) Lessmann jc, Conto f, Ramos g,
Borenstein ms, Meirelles bh. Atuação da
enfermagem no autocuidado e reabilitação de pacientes que sofreram Acidente Vascular Encefálico. Rev Bras Enferm.
2011;64(1):198-202.
Fly UP