...

Variação na mortalidade e na demora média do internamento por

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

Variação na mortalidade e na demora média do internamento por
Organização e resultados em hospitais
Variação na mortalidade e na demora média
do internamento por dia de admissão e de alta
SÍLVIA LOPES
CARLOS COSTA
PAULO BOTO
Não existem indicadores de rotina ou mesmo relatórios/
estudos sobre a organização do processo produtivo hospitalar, neste caso particular sobre o internamento, mas academicamente é admissível que existam diferenças no número
de profissionais de saúde durante as 24 horas do dia, ou
entre os diferentes dias da semana. As alterações esperadas
a este nível durante o fim-de-semana tornam imperativa a
necessidade de estudar o seu impacte sobre os resultados da
prestação quer ao nível da saúde dos doentes, quer ao nível
da sua eficiência.
Este artigo visa ser um estudo exploratório acerca da produção e de dois resultados em saúde relevantes para os
doentes, a mortalidade e a duração de internamento, em
função dos dias de admissão ou de alta, embora a distribuição e a intensidade do trabalho não sejam analisadas e
discutidas.
Foram analisados todos os episódios de internamento nos
hospitais públicos do Continente em 2006. Apurou-se o
número de admissões em cada dia da semana, bem como a
taxa de mortalidade e a demora média observadas para
esses doentes. Os valores observados foram comparados
com os esperados, estimados com base na probabilidade de
morte ou duração do internamento previstas pelo Disease
Staging e recalibradas aos dados portugueses. Para a análise do dia de alta procedeu-se da mesma forma.
Os resultados indicam que se registou um excesso de 483
óbitos face ao esperado para os doentes admitidos entre 6ª
feira e domingo. Na análise do dia da alta, constatou-se que
6712 óbitos que ocorreram ao sábado e domingo não eram
esperados. No que se refere à demora média, os doentes
com alta à segunda-feira registaram um excesso de 57 160
dias de internamento.
O mais interessante de evidenciar é que o principal efeito
do «período fim-de-semana» é encontrado na mortalidade
e, neste particular, com especial intensidade na alta dos
doentes, mesmo após o ajustamento pelo risco. A importância da mortalidade e da demora média para os diversos
agentes envolvidos na prestação de cuidados e, em certos
casos, a magnitude das diferenças encontradas tornam premente o aprofundamento do estudo da variação da actividade hospitalar ao longo da semana.
Palavras chave: mortalidade, demora média, dia de admissão, dia de alta.
Sílvia Lopes é assistente na Escola Nacional de Saúde Pública,
UNL.
Carlos Costa é professor na Escola Nacional de Saúde Pública,
UNL.
Paulo Boto é assistente na Escola Nacional de Saúde Pública,
UNL.
Entregue em Outubro de 2008
VOLUME TEMÁTICO: 7, 2008
1. Introdução
Segundo dados do Instituto Nacional de Estatística
(2007), as despesas correntes em cuidados de saúde
em Portugal atingiram cerca de 14 449 milhões de
euros em 2005. Em 2001, este valor situava-se aproximadamente em 10 928 milhões de euros, o que
117
Organização e resultados em hospitais
significa um crescimento médio anual de 7,2%. Os
hospitais representam uma fatia considerável do
valor de 2005 (38%; 5481 milhões), dos quais cerca
de 3185 milhões (58%) são aplicados no internamento. Neste contexto, acentua-se a necessidade de
investigar os resultados em saúde proporcionados
pelo internamento hospitalar, bem como a eficiência
na utilização deste tipo de cuidados de saúde.
Não existem indicadores de rotina ou mesmo relatórios/estudos sobre a organização do processo produtivo hospitalar, neste caso particular sobre o internamento, mas academicamente é admissível que
existam diferenças no número de profissionais de
saúde durante as 24 horas do dia, ou entre os diferentes dias da semana.
Este artigo pretende analisar a produção e os resultados de saúde em função dos dias de admissão e de
alta, essencialmente durante o fim-de-semana.
Assim, pode considerar-se normal que a prática corrente no dia-a-dia dos hospitais permite supor que
existe uma menor disponibilidade de profissionais
neste período, embora se espere que a profundidade
das alterações ao nível dos recursos humanos seja
distinta consoante as diferentes áreas do hospital
(urgência, internamento, consultas) e distinta mesmo
dentro dessas áreas — por exemplo, esperam-se alterações mais significativas ao nível de uma enfermaria
que de uma unidade de cuidados intensivos.
A disponibilidade de recursos humanos, mas também
a sua experiência são factores decisivos na efectividade e eficiência da prestação (Pronovost et al.,
2002; Kane et al., 2007) Assim, as alterações esperadas a este nível durante o fim-de-semana tornam
imperativa a necessidade de estudar o seu impacte
sobre os resultados da prestação quer ao nível da
saúde dos doentes, quer ao nível da sua eficiência.
A existência de resultados em saúde distintos consoante o dia de admissão ou de alta pode configurar
uma diminuição na equidade dos doentes que acorrem aos hospitais, o que contraria os princípios base
do Serviço Nacional de Saúde (art.o 64.o da Constituição). Por outro lado, a existirem ineficiências na
prestação elas irão também reflectir-se no cidadão,
neste caso enquanto financiador do sistema.
Assim, considera-se relevante garantir a equidade ao
nível dos resultados em saúde de todos os doentes,
independentemente do dia de admissão e de alta, bem
como garantir a eficiência da prestação de cuidados
ao longo de todos os dias da semana.
Uma vez que existem razões para esperar uma alteração nos recursos humanos disponíveis nos hospitais portugueses durante o fim-de-semana, a qual
poderá potencialmente influenciar a efectividade e
eficiência dos cuidados prestados, existe um conjunto
de questões que é necessário discutir.
118
Por um lado, é importante analisar essas mesmas
alterações: se existe uma redução no número de profissionais, se esta é distinta por grupos profissionais
ou não, mas também se existem alterações ao nível
das qualificações e experiência dos recursos humanos e não apenas do seu volume.
Por outro lado, é de esperar que estas alterações
sejam mais expressivas em determinadas áreas do
hospital, as quais importa identificar para posteriormente monitorizar mais atentamente, sendo igualmente importante conhecer a magnitude das consequências destas alterações sobre os resultados
relevantes para os doentes, pois dela dependerá a
necessidade de intervenção nesta área e a sua premência.
Neste sentido, o presente artigo visa ser um estudo
exploratório sobre dois resultados em saúde relevantes para os doentes, a mortalidade e a duração de
internamento, em função das datas de admissão ou de
alta, embora a distribuição e a intensidade do trabalho não sejam analisadas e discutidas.
A importância do primeiro reside no facto de, salvo
determinadas excepções, a morte ser o pior resultado
possível de um tratamento (Iezzoni, 2003). A demora
média é também relevante por estar associada ao
consumo de recursos (Fine et al., 2000), aspecto que
importa aos doentes enquanto financiadores do sistema.
No entanto, o prolongamento desnecessário da duração de internamento pode também ter consequências
ao nível do seu estado de saúde, ao aumentar a sua
exposição ao risco de infecções nosocomiais
(Henderson, 2006). Para além de que, numa proporção significativa dos casos, os doentes preferem convalescer em casa em detrimento do internamento
(Fried et al., 2000).
Dada a sua natureza exploratória, neste estudo optou-se por considerar um conjunto de doenças tão alargado quanto possível, de maneira a permitir descrever a tendência observada a nível global, sem
prejuízo da discussão dos padrões observados em
grupos específicos de doentes, que poderão ser abordados em próximos estudos.
O objectivo deste artigo consiste em descrever as
diferenças na mortalidade e na demora média entre
os doentes admitidos/com alta ao fim-de-semana e os
restantes doentes, para todos os episódios de internamento nos hospitais públicos do Continente em 2006.
A variação da actividade hospitalar ao longo da
semana será abordada em três perspectivas:
•
•
A distribuição do número de admissões/altas ao
longo dos dias da semana;
A variação da mortalidade consoante o dia da
semana de admissão/alta;
REVISTA PORTUGUESA DE SAÚDE PÚBLICA
Organização e resultados em hospitais
•
A variação da demora média consoante o dia da
semana de admissão/alta.
2. Enquadramento
A distribuição das admissões ao internamento hospitalar descrita em alguns estudos parece concentrar-se
nos dias entre segunda e sexta-feira. Se a distribuição
das admissões ao longo da semana for uniforme, as
admissões ao sábado e domingo representarão 29%
das admissões totais. Bell e Redelmeier (2001) estudaram um conjunto de 3 789 917 admissões urgentes
e definiram o período de fim-de-semana como o
sábado e domingo. Neste estudo, as admissões urgentes ao fim-de-semana totalizaram 27% do total de
admissões.
Posteriormente, Bell e Redelmeier (2004) usaram a
mesma definição do período de fim-de-semana e
estudaram um conjunto de 126 754 doentes admitidos pela urgência e sujeitos a diversos procedimentos, registando que 25% das admissões ocorreram
durante o fim-de-semana.
Cram et al. (2004) seleccionaram um conjunto de 50
diagnósticos de elevada frequência e verificaram que
ao período entre as 00:00 de sábado e as 23:59 de
domingo correspondia 21% do total de admissões.
Quando a análise incluiu apenas os doentes admitidos pela urgência, este período representou 28% das
admissões da semana.
Assim, parece haver uma tendência para a diminuição no número de admissões durante o fim-desemana, mais notória nas admissões programadas.
Esta maior assimetria na distribuição das admissões
programadas deve ser encarada à luz da maior possibilidade de controlo por parte do prestador do dia de
admissão de uma admissão programada, enquanto
que nas urgentes esse poder tende a ser menor
(Schmidt et al., 2003).
Num estudo acerca de 2 403 181 doentes admitidos
de forma não programada, van Walraven e Bell
(2002) descrevem que as altas durante o fim-de-semana (sábado e domingo) totalizam cerca de 20%
do total de altas. Os resultados encontrados por
Varnava et al. (2002) num grupo de 2541 doentes
admitidos com enfarte agudo do miocárdio ilustram
também o menor número de altas que se registam
durante o fim-de-semana (sábado e domingo) comparativamente aos restantes dias da semana.
Já Schmidt et al. (2003), num estudo de 11 942 internamentos por doença cerebrovascular referem que a
percentagem de doentes com alta durante o fim-de-semana ronda os 6% do total de doentes. No estudo
de Tickoo et al. (2008), foram analisados 120 081
episódios de doença coronária, dos quais 22,5% tive-
VOLUME TEMÁTICO: 7, 2008
ram alta durante o fim-de-semana ou um feriado.
Assim, parece haver também no domínio do
momento da alta uma menor frequência durante o
fim-de-semana.
A variação da mortalidade ao longo da semana em
função do dia de admissão tem sido analisada em
diversos estudos.
Bell e Redelmeier (2001) escolheram os 100 diagnósticos com maior número de óbitos, ajustando este
indicador à idade, ao sexo e à presença de comorbilidades. As principais conclusões apontam para que
em 23 diagnósticos a admissão ao fim-de-semana
estava associada a um maior risco de morte e que em
nenhum se associava a um menor risco. No entanto,
quando consideraram uma janela para a mortalidade
de 48 horas após a admissão, o número de diagnósticos com piores prognósticos aumentou de 23 para
26.
Considerando o total de admissões de 50 diagnósticos de elevada frequência, Cram et al. (2004) observaram que a mortalidade dos doentes admitidos ao
fim-de-semana foi significativamente mais elevada
em 21 diagnósticos. Quando a análise se restringiu
apenas aos episódios admitidos pela urgência, a mortalidade dos admitidos ao fim-de-semana foi significativamente mais elevada em apenas 3 dos 50 diagnósticos.
Barba et al. (2006) estudaram um conjunto de 35 993
doentes admitidos pela urgência e constataram que a
mortalidade intra-hospitalar dos doentes admitidos ao
fim-de-semana (sábado e domingo) não era significativamente mais elevada. No entanto, constataram que
a mortalidade ajustada nas 48 horas após a admissão
era significativamente mais elevada nos doentes
admitidos ao fim-de-semana. Em ambos os casos, os
autores ajustaram para a idade, sexo, comorbilidades
e peso relativo do Diagnosis Related Group (DRG)
dos doentes.
Existem também estudos acerca de grupos de doentes
mais específicos. Relativamente a doentes admitidos
com enfarte agudo do miocárdio, os resultados
encontrados por Kostis et al. (2007) indicam uma
maior mortalidade hospitalar dos doentes admitidos
ao fim-de-semana, sendo o diferencial mais elevado
quando se considera a mortalidade nos 7 dias após a
admissão e ainda maior quando se trata da mortalidade nas 48 horas após a admissão (odds-ratio:
1,055; 1,080; 1,121 respectivamente).
Relativamente à doença cerebrovascular, a admissão
ao fim-de-semana parece estar associada a um
aumento da mortalidade ajustada durante o internamento (Hasegawa et al., 2005) e nos 7 dias após a
admissão (Saposnik et al., 2007).
Os estudos realizados em doentes admitidos em unidades de cuidados intensivos revelaram também, em
119
Organização e resultados em hospitais
alguns casos, um aumento da mortalidade ajustada
associada à admissão durante o fim-de-semana
(Barnett et al., 2002; Uusaro, Kari e Ruokonen,
2003), embora noutro estudo esta associação dependa do método de ajustamento do risco (Wunsch et
al., 2004) ou tenha sido registada apenas em alguns
tipos de unidade de cuidados intensivos (Ensminger
et al., 2004).
A mortalidade observada nos doentes admitidos num
centro de trauma não foi significativamente diferente
para os doentes admitidos durante o fim-de-semana
(Busse, Bhandari e Deveraux, 2004), não se encontrando também diferenças significativas na mortalidade ajustada dos doentes admitidos numa unidade
de cuidados intensivos durante o fim-de-semana
(Laupland et al., 2008).
O facto de os estudos citados indicarem que o «efeito
fim-de-semana» não é transversal a todas as situações estudadas e que, quando existe, tem importância
distinta, levanta a questão sobre quais os factores que
tornam um determinado grupo de doentes mais susceptível a este efeito. O impacte tende a ser maior
quando se trata de doenças de elevada frequência,
com elevada mortalidade, em que os primeiros dias
de internamento são críticos, que sejam tratáveis, que
apresentam dificuldades no diagnóstico, cuja prestação envolve dificuldades logísticas, que envolvem
cuidados peri-operatórios complexos e em que a
morte pode ocorrer num período curto de tempo e em
que os doentes habitualmente recebem cuidados
substanciais em contextos que não uma unidade de
cuidados intensivos ou o serviço de urgência (Bell e
Redelmeier, 2001; Cram et al., 2004; Foss e Kehlet,
2006).
Apesar de, previsivelmente, as diferenças nos recursos disponíveis poderem influenciar não apenas os
doentes admitidos ao fim-de-semana, mas todos os
internados durante esse período, os estudos acerca da
variação da mortalidade por dia de alta são menos
frequentes. Os resultados descritos por Uusaro, Kari
e Ruokonen (2003) mostram que os doentes que faleceram na unidade de cuidados intensivos tinham uma
maior probabilidade ajustada de falecer durante a
noite, enquanto que não existiram diferenças entre o
fim-de-semana e os restantes dias. Chong et al.
(2008) referem uma quebra nos resultados funcionais
num grupo que incluía não apenas os doentes que se
dirigiram à urgência durante o fim-de-semana, mas
também nos que tiveram um acidente vascular cerebral no hospital ou foram transferidos de outro hospital com essa condição nesse período.
Contudo, em alguns estudos acerca do momento de
alta da unidade de cuidados intensivos (UCI), observou-se que a mortalidade posterior dos doentes com
alta da UCI durante a noite é mais elevada (Goldfrad
120
e Rowan, 2000; Laupland et al., 2008). Em relação à
alta durante o fim-de-semana, não se observaram
diferenças significativas (Laupland et al., 2008) ou a
mortalidade ajustada destes doentes foi significativamente mais elevada (Obel et al., 2007). Os autores
levantam a dúvida sobre se se trataram de altas precoces da UCI ou se o resultado desfavorável foi
motivado pelo tratamento prestado no serviço para
onde os doentes foram transferidos.
No que respeita à demora média, os resultados descritos por Bell e Redelmeier (2004) apontam para
uma maior demora média observada para os doentes
admitidos à sexta-feira, enquanto que os doentes
admitidos à segunda-feira apresentavam uma demora
média inferior à registada ao sábado e quinta-feira.
Barnett et al. (2002), num grupo de 156 136 doentes
admitidos em unidades de cuidados intensivos
descrevem uma demora média mais longa para os
doentes admitidos durante o fim-de-semana e à
sexta-feira, quando se ajusta para o sexo, idade,
comorbilidades, tipo de admissão e origem, diagnóstico de admissão, score do APACHE III e UCI de
tratamento. Nos doentes admitidos à segunda-feira,
não se registaram diferenças significativas.
Os resultados encontrados num grupo de doentes
admitidos com enfarte agudo do miocárdio indicam
que, mesmo após o ajustamento para idade, sexo,
etnia, ano de admissão e comorbilidades, a demora
média está associada ao dia de admissão. Os doentes
admitidos ao domingo ou à segunda-feira têm uma
demora média inferior à registada nos restantes dias,
enquanto que a mais longa foi registada nos doentes
admitidos à sexta-feira (Varnava et al., 2002).
A admissão durante o fim-de-semana está associada
a uma maior frequência de admissões inapropriadas,
motivadas por situações de doentes que poderiam ter
sido tratados em ambulatório, admitidos prematuramente ou por excesso de zelo por parte do médico
(Angelillo et al., 2000).
Schmidt et al. (2003) descreveram uma maior
demora média nos doentes com acidente isquémico
transitório admitidos à terça-feira o que, à luz da
demora média observada deste tipo de doentes,
parece ser justificado pelo facto de os doentes estarem previsivelmente em condições de ter alta
durante/próximo do fim-de-semana e esta ter sido
adiada para a segunda-feira seguinte.
Noutro estudo, a alta ao fim-de-semana esteve significativamente associada a um menor número de dias
de internamento inapropriados (Navarro et al., 2001),
sendo que a alta ao fim-de-semana ou feriado estava
também associada a uma menor demora média
(Tickoo et al., 2008).
Contudo, nos doentes em condições de ter alta
durante o fim-de-semana, a antecipação da alta para
REVISTA PORTUGUESA DE SAÚDE PÚBLICA
Organização e resultados em hospitais
o dia útil anterior (sexta-feira) é uma possibilidade
levantada por alguns investigadores (Leonard et al.,
2003), que estudaram o impacte da existência de
limiares mínimos de duração de internamento no
método de financiamento sobre esta decisão. Relacionado com esta temática, foi também investigado o
impacte desta «alta prematura» sobre as readmissões
(van Walraven e Bell, 2002).
Associado tanto à questão do aumento da mortalidade como ao prolongamento da duração de internamento, diversos estudos referem o tempo de espera
para a realização de determinados procedimentos.
Os doentes admitidos à sexta-feira e sábado apresentaram um período de tempo mais longo entre a
admissão e a realização de determinados procedimentos pouco frequentes durante o fim-de-semana.
No máximo, o fim-de-semana representou 8,0% do
total de procedimentos realizados, quando numa distribuição uniforme ao longo da semana essa percentagem seria 29%. Nos doentes com um tempo de
espera acima da mediana, observou-se uma demora
média significativamente mais longa para todos os
procedimentos e uma mortalidade significativamente
mais elevada em três dos seis procedimentos estudados (Bell e Redelmeier, 2004).
Kostis et al. (2007) referem que, num conjunto de
doentes internados por enfarte agudo do miocárdio, a
probabilidade de ser sujeito a três procedimentos
cardíacos invasivos nos dois dias após a admissão é
menor nos doentes admitidos ao fim-de-semana.
O mesmo se registou em relação à probabilidade nos
sete dias após a admissão, embora aqui a diferença
seja menor. As diferenças subsistem quando o
período é alargado para 30 dias após a admissão,
embora muito ligeiras. Para além disso, a admissão
durante o fim-de-semana deixou de ser um factor
explicativo da maior mortalidade a 30 dias destes
doentes quando se ajustou para o tempo entre a
admissão e a realização do procedimento.
Também Magid et al. (2005) referem um tempo de
espera para o tratamento mais longo nos doentes
admitidos com enfarte agudo do miocárdio ao fim-de-semana e à noite e os resultados encontrados permitem apontar esse factor como uma possível causa
da maior mortalidade registada nesses doentes. Já
Jneid et al. (2008) descrevem também um aumento
no tempo de espera, mas não um aumento da mortalidade hospitalar.
Existem diversos estudos que relatam que, à medida
que se vai alargando a janela de observação (2 dias
após a admissão, 7 dias após a admissão, por exemplo), a diferença no número de procedimentos realizados entre os doentes admitidos ao fim-de-semana e
os restantes tende a diminuir, o que indicia que estas
diferenças têm origem nos primeiros dias a seguir à
VOLUME TEMÁTICO: 7, 2008
admissão (Bell e Redelmeier, 2004; Becker, 2007;
Kostis et al., 2007; Rudd et al., 2007).
Ao padrão de variação verificado ao fim-de-semana,
seja no número de admissões/altas, seja no desempenho em termos de mortalidade ou de demora média,
estão subjacentes um conjunto de possíveis causas que
os influenciam conjuntamente. Uma das razões apontadas com frequência para o «efeito fim-de-semana»
são as alterações em termos dos profissionais envolvidos na prestação, quer em termos da diminuição do
número de profissionais disponíveis, quer em termos
da diminuição da sua experiência, que obrigam a uma
reorganização das equipas habituais de trabalho e a
uma menor disponibilidade de supervisores. Potencialmente, apontam-se como consequências desta situação
a descontinuidade dos cuidados prestados, a redução
da supervisão dos doentes e o não reconhecimento de
complicações pós-operatórias ou o seu reconhecimento tardio (Bell e Redelmeier, 2004; Cram et al.,
2004; Foss e Kehlet, 2006).
Os resultados do estudo realizado por Bendavid et al.
(2008) indicam que, das oito complicações estudadas, quatro ocorrem com significativamente maior
frequência durante o fim-de-semana, embora o efeito
tenha dimensões distintas consoante o tipo de complicação e uma é significativamente menos frequente
durante o fim-de-semana. Peberdy et al. (2008) sugerem que a sobrevivência a uma paragem cardíaca
durante a noite e o fim-de-semana é mais baixa,
depois de ajustadas as características dos doentes.
No entanto, mesmo em situações em que se mantenha o nível de recursos humanos e materiais disponíveis ao longo de todos os dias da semana, o fim-de-semana pode estar associado a uma quebra do
desempenho. Quando ao fim-de-semana se observar
um aumento sistemático da frequência ou da gravidade dos doentes admitidos — em algumas situações,
é o caso do trauma —, a manutenção dos recursos
disponíveis pode motivar uma menor efectividade no
tratamento dos doentes admitidos ao fim-de-semana
(Carmody, Romero e Velmahos, 2002).
Alguns estudos referem um «efeito de contágio» aos
dias contíguos, nomeadamente a existência de um
tempo de espera mais longo para a realização de
meios complementares/procedimentos nos doentes
admitidos à segunda-feira comparativamente aos
outros dias úteis, possivelmente devido ao pico de
actividade gerado pelo adiamento dos procedimentos
que clinicamente se justificava terem sido realizados
durante o fim-de-semana (Carey et al., 2005).
O mesmo sucede com alguns dos doentes admitidos
à sexta-feira (Bell e Redelmeier, 2004), onde se
espera também um pico de actividade para evitar a
espera para o dia útil seguinte (Lee et al., 2005).
Aliás, a definição de fim-de-semana utilizada em
121
Organização e resultados em hospitais
alguns estudos inclui não só o sábado e domingo,
mas uma parte dos dias contíguos (Ensminger et al.,
2004; Foss e Kehlet, 2006), por considerarem que
não só o tratamento dos doentes admitidos ao sábado
e domingo está sujeito às restrições de meios materiais e humanos.
3. Metodologia
O estudo foi realizado para o ano de 2006, compreendendo todos os hospitais que disponibilizaram
os resumos de alta informatizados, os quais serviram
para o apuramento dos All-Patient Diagnosis Related
Groups (AP-DRG). Foram eliminados os episódios
cujo destino após alta registado foi a transferência
para outro hospital, alta contra parecer médico ou
alta para apoio em serviço domiciliário, bem como os
episódios não classificados pelos Diagnosis Related
Groups e/ou pelo Disease Staging e os episódios com
informação incompleta ou inválida. Assim, a população em estudo respeita a 1 030 183 episódios, tratados num conjunto de hospitais/centros hospitalares
públicos do Continente.
Foi considerada a informação registada relativamente
à data de entrada e à data de alta para apurar o dia de
admissão/alta (de segunda a domingo). Considera-se
que são admitidos durante o fim-de-semana os doentes cuja data de admissão coincidiu com um sábado
ou domingo. Para a análise do dia de alta, usou-se a
mesma definição.
Os dados constantes no resumo de alta foram agrupados com recurso ao Disease Staging. Com base nos
códigos ICD-9-CM de diagnósticos e/ou procedimentos constantes no resumo de alta de um doente,
este sistema de classificação atribui ao episódio de
internamento uma doença principal (a responsável
pelo internamento) e respectivo estadio e, se for caso
disso, uma ou mais comorbilidades, também devidamente estadiadas (Gonnella e Louis, 2005).
Na análise realizada à mortalidade, são apresentados
os resultados relativamente à taxa de mortalidade
observada e ao número de óbitos evitados/em excesso.
A taxa de mortalidade observada é o resultado da
divisão entre o número de doentes falecidos e o
número total de admissões/altas.
O número de óbitos evitados/em excesso foi apurado
com base na diferença (número de óbitos observados
— número de óbitos esperados), pelo que um valor
positivo desta diferença significa que existiram óbitos em excesso e um valor negativo que existiram
óbitos evitados.
O número de óbitos observados teve como fonte a
informação registada no campo «destino após alta»
do resumo de alta.
122
O número de óbitos esperados foi apurado a partir da
probabilidade individual de morte atribuída pelo
Disease Staging a cada episódio de internamento.
Com base na doença principal e estadio, comorbilidades e respectivo estadio, sexo, idade, procedimentos realizados e tipo de admissão de cada doente, é
atribuída uma probabilidade de morte individual
(Thomson, 2005). Essa probabilidade foi depois
recalibrada aos valores portugueses, um processo que
se encontra descrito com detalhe em Costa (2005).
O cálculo do número de óbitos esperados para, por
exemplo, um determinado dia de admissão, é realizado a partir do apuramento da média das probabilidades individuais de morte dos doentes admitidos
nesse dia e da posterior multiplicação desse valor
pelo número de episódios admitidos.
Relativamente à análise da demora média, esta foi
realizada para um grupo mais restrito de episódios.
Foram excluídos os episódios com duração de internamento anormalmente curta/longa quando comparados com a totalidade dos episódios classificados
no mesmo All Patient — Diagnosis Related Group
(AP-DRG), identificados através de (1.o quartil
–1,5*amplitude inter-quartílica e 3. o quartil
+1,5* amplitude inter-quartílica) do AP-DRG onde
estão classificados (Emerson e Strenio, 1983).
O número de dias de internamento evitados/em
excesso foi apurado por uma metodologia semelhante à usada para o número de óbitos evitados/em
excesso. A cada episódio de internamento, o Disease
Staging atribui uma duração de internamento provável com base nos mesmos parâmetros. No entanto, o
impacte de um determinado parâmetro pode ser distinto quando se trata da duração de internamento face
ao que era no caso da mortalidade. O número de dias
esperado para, por exemplo, um determinado dia da
semana, resulta da soma dos dias de internamento
esperados de cada um dos doentes admitidos nesse
dia.
Com vista a responder aos objectivos enunciados,
foram apurados o número de admissões em cada dia
da semana, bem como a taxa de mortalidade e a
demora média observadas para esses doentes. Contudo, uma vez que as características dos doentes
podem variar de forma sistemática ao longo da
semana, foi necessário analisar o número de óbitos
evitados/em excesso e o número de dias de internamento evitados/em excesso por dia da semana. Para
a análise do dia de alta procedeu-se da mesma forma.
4. Resultados
No Quadro I é apresentado o número total de episódios admitidos e com alta por dia da semana, bem
REVISTA PORTUGUESA DE SAÚDE PÚBLICA
Organização e resultados em hospitais
como a respectiva percentagem em relação ao total.
No estudo são analisados 1 030 183 episódios, dos
quais 847 728 foram admitidos entre segunda e
sexta-feira, o que corresponde a cerca de 82% do
total das admissões. Do total de episódios em estudo,
875 492 tiveram alta entre segunda e sexta-feira, o
que corresponde a cerca de 85% do total de altas.
Uma distribuição uniforme do número de episódios
ao longo da semana significaria que cada dia representaria 14,3% (1/7) das admissões/altas. Para a
população estudada, entre segunda e quinta-feira, a
percentagem de admissões variou entre 16,0%
(quinta-feira) e o máximo da semana registado à
segunda-feira (18,2%) (Quadro II). A partir de sexta-feira e até domingo, a percentagem de admissões é
sempre inferior à média, sendo o sábado o dia com
menor frequência de admissões (8,2%).
O dia da semana em que ocorreram mais altas foi a
sexta-feira (20,2%), enquanto que nos dias adjacentes este valor foi 16,9% (quinta-feira) e 9,0%
(sábado). O domingo foi o dia da semana com o
menor número de altas (6,0%).
Na distribuição do número de admissões parece terse registado um ciclo de segunda a quinta-feira com
maior número de admissões, enquanto que ao fim-de-semana e sexta-feira estas foram menos frequentes. A distribuição do número de altas terá seguido
um padrão distinto, destacando-se o pico registado à
sexta-feira e a baixa frequência de altas durante o
fim-de-semana.
Assim, pode concluir-se que durante a semana existem mais admissões e mais altas do que o esperado,
sendo ainda de evidenciar que o coeficiente de
variação é maior para as altas do que para a admissão, respectivamente, de 0,50 e de 0,40, o que
para além de reforçar a existência de um padrão
distinto, tanto para as admissões, como para as
altas, parece ainda configurar uma maior predominância da oferta na justificação deste tipo de comportamento.
Quadro I
Número de episódios e percentagem do valor total
Análise do dia de admissão
Análise do dia de alta
N.o de episódios
% do total
N.o de episódios
% do total
Segunda-feira
Terça-feira
Quarta-feira
Quinta-feira
Sexta-feira
Sábado
Domingo
1 187 500
1 177 916
1 178 094
1 164 337
1 139 881
1 084 341
1 098 114
118,2%
117,3%
117,3%
116,0%
113,6%
118,2%
119,5%
1 158 176
1 162 114
1 173 153
1 174 076
1 207 973
1 092 787
1 061 904
115,4%
115,7%
116,8%
116,9%
120,2%
119,0%
116,0%
Total
1 030 183
100,0%
1 030 183
100,0%
Quadro II
Taxa de mortalidade e número de óbitos evitados/em excesso
Análise do dia de admissão
Análise do dia de alta
Taxa de
mortalidade
N.o de óbitos
evitados/em excesso
Taxa de
mortalidade
N.o de óbitos
evitados/em excesso
Segunda-feira
Terça-feira
Quarta-feira
Quinta-feira
Sexta-feira
Sábado
Domingo
3,6%
3,8%
3,7%
3,9%
4,5%
6,4%
5,2%
–217
1–86
–114
1–67
–177
–136
–170
14,0%
13,9%
13,6%
13,5%
13,0%
16,5%
10,0%
1–592
1–761
–1071
–1138
–3150
–3003
–3709
Total
4,2%
1–60
14,2%
1–610
VOLUME TEMÁTICO: 7, 2008
123
Organização e resultados em hospitais
No Quadro II são apresentados a taxa de mortalidade
observada, bem como o número de óbitos evitados
ou em excesso por dia da semana.
A taxa de mortalidade foi inferior à média (4,2%)
nos doentes admitidos entre segunda e quinta-feira.
Entre sexta-feira e domingo este comportamento
inverteu-se, destacando-se a taxa de mortalidade dos
doentes admitidos ao sábado (6,4%).
Para as altas a taxa de mortalidade foi superior nos
sábados e domingos, com especial relevância neste
último dia (10,0%). Mais uma vez, parece existir um
padrão diferente entre dias de admissão e de alta,
sendo um bom exemplo a sexta-feira, com um valor
superior à média no que respeita às admissões e apresentando o valor mínimo para as altas.
No entanto, torna-se necessário considerar as possíveis diferenças de gravidade entre os doentes admitidos durante a semana e ao fim-de-semana, pelo que
se apurou o número de óbitos evitados/em excesso
em cada dia da semana.
O número global de óbitos evitados/em excesso é
zero como consequência do processo de recalibração:
quando se considera toda a população, ou seja todos
os episódios, a taxa de mortalidade observada é igual
à taxa de mortalidade esperada.
Os dias entre segunda e quinta caracterizaram-se por
um número de óbitos observados inferior ao número
de óbitos esperados face às características dos doentes admitidos nesses dias, num total de 483 óbitos
evitados, embora com grandezas distintas (–67 à
quinta-feira e –217 à segunda-feira).
Inversamente, com base na informação registada no
resumo de alta, nos doentes admitidos à sexta-feira,
tal como ao sábado e domingo, registou-se um
número de óbitos acima do esperado (177, 136 e 170
óbitos em excesso, respectivamente).
Deve ainda referir-se que, pese embora o facto de
existir um excesso de óbitos para os doentes admitidos entre a sexta-feira e o domingo (n = 483), este
valor não atinge valores muito relevantes, dado que
corresponde a cerca de 1,1% do total de óbitos observados para a população em estudo.
Considerando agora os dias de alta, entre segunda e
sexta-feira, a taxa de mortalidade variou entre 4,0%
(segunda-feira) e 3,0% (sexta-feira). Dos doentes
com alta ao domingo, 10% faleceram durante o internamento, sendo este valor 6,5% para os doentes com
alta ao sábado.
Nos doentes com alta nos dias entre segunda e sexta-feira, o número de doentes que faleceram durante o
internamento foi inferior ao esperado todos os dias,
tendo uma maior dimensão à sexta-feira (–3150).
Nos óbitos observados ao sábado e domingo, o seu
número excedeu o esperado em ambos os dias (3003
e 3709, respectivamente).
Ao contrário do que se observou para os dias de
admissão, quando se analisa os dias de alta os óbitos
em excesso no sábado e no domingo atingem um
valor importante (n = 6712), o que representa cerca
de 16% do total de óbitos observados para a população em estudo.
Para a dimensão em análise — mortalidade — observou-se mais uma vez um comportamento distinto
entre dias de semana e dias de fim-de-semana, com
muito maior relevância no que se refere às altas dos
doentes, o que mais uma vez aponta para a oferta e
para a respectiva organização na prestação de cuidados como principal factor a analisar para alterar o
actual padrão.
No Quadro III são apresentados a demora média e os
dias de internamento evitados ou em excesso por dia
da semana.
Quadro III
Demora média e número de dias de internamento evitados/em excesso
Análise do dia de admissão
124
Análise do dia de alta
Demora média
N.o de dias de
internamento
evitados/em excesso
Demora média
N.o de dias de
internamento
evitados/em excesso
Segunda-feira
Terça-feira
Quarta-feira
Quinta-feira
Sexta-feira
Sábado
Domingo
5,2
5,0
5,0
5,1
5,6
6,1
5,7
–12 433
1–7 301
1–2 896
–16 264
–25 134
–11 965
–10 733
6,0
5,4
5,2
5,0
5,7
4,1
4,3
–57 160
–19 666
11 –709
–19 418
–12 473
–35 976
–23 196
Total
5,3
–23 190
5,3
–23 190
REVISTA PORTUGUESA DE SAÚDE PÚBLICA
Organização e resultados em hospitais
A demora média dos doentes admitidos entre
segunda e quinta-feira variou entre 5,0 (terça e
quarta-feira) e 5,2 dias (segunda-feira). Nos doentes
admitidos entre sexta-feira e domingo, os valores
foram sempre superiores a 5,6 (sexta-feira), tendo-se
registado o máximo da semana ao sábado (6,1).
Para considerar a hipótese que os resultados apresentados sejam motivados pela variação nas características dos doentes admitidos e não por um desempenho
distinto nos dois períodos de admissão, apurou-se o
número de dias de internamento evitados/em
excesso.
Nos doentes admitidos entre domingo e quarta-feira,
a demora média foi mais curta que o esperado em
todos os dias, particularmente ao domingo (–10 733)
e segunda-feira (–12 433), tendo-se evitado 10 733 e
12 433 dias de internamento, respectivamente, o que
por sua vez corresponde a uma diminuição na
demora média de 0,12 e 0,07 dias, igualmente pela
mesma ordem. A partir de quinta-feira e até sábado,
os internamentos foram mais prolongados que o
esperado, particularmente à sexta-feira (25 134).
Para a admissão é mais uma vez encontrado um
padrão distinto entre os dias da semana, sendo desta
vez identificados como dias que mais potenciam o
alargamento da duração de internamento a quinta-feira, a sexta-feira e o sábado. Deve igualmente terse presente que a importância do fenómeno é relativa, visto que a comparação entre a demora média
observada e a demora média esperada, permite afirmar que entre as admissões ocorridas entre a quinta-feira e o sábado somente aumentaram a demora
média em 0,09 dias (33 363 dias de internamento).
Os doentes com alta ao sábado registaram o valor
mínimo semanal da demora média (4,1), enquanto
que ao domingo este valor foi 4,3. Nos doentes com
alta à segunda-feira registou-se o valor máximo (6,0).
Com vista a isolar as variações do desempenho na
demora média das variações das características dos
doentes, apurou-se o número de dias de internamento
evitados/em excesso. O padrão por dias de alta é
aparentemente atípico, com valores observados superiores aos esperados na segunda-feira, na terça-feira
e na sexta-feira, com um valor máximo no primeiro
dia (n = 57 160 dias de internamento).
Por sua vez, para os doentes com alta nos restantes
dias, o dia em que se evitaram mais dias de internamento foi o domingo (n = 23 196).
Estes resultados permitem evidenciar dois aspectos:
(1) a reduzida expressão entre dias evitados e dias em
excesso, dado que representam somente 0,16 dias e
(2) a presença, embora indirecta, do efeito fim-de-semana para a duração de internamento nas altas,
dado que o dia com maior expressão de dias de internamento em excesso foi a segunda-feira.
VOLUME TEMÁTICO: 7, 2008
5. Discussão dos resultados
Os resultados do estudo comprovam praticamente em
todas as situações o «efeito fim-de-semana» na actividade hospitalar.
De facto, tanto para as admissões, como para as altas
foi observado um padrão distinto ao longo da
semana, com piores resultados associados ao
«período fim-de-semana».
Mais interessante de evidenciar é que o principal
efeito do «período fim-de-semana» é encontrado na
mortalidade e neste particular com especial intensidade na alta dos doentes, mesmo após o ajustamento
pelo risco.
Estes aspectos são por si mesmo relevantes e parecem traduzir um comportamento distinto do descrito
na literatura internacional, onde são mais evidenciados piores resultados na demora média para os doentes admitidos ao fim-de-semana.
Neste sentido, é importante discutir alguns aspectos
metodológicos e operacionais, tendo em vista uma
melhor percepção dos resultados apresentados.
Assim, estes resultados podem estar condicionados
por um conjunto de limitações, nomeadamente as
derivadas do tipo/fonte de dados escolhido, com as
naturais consequências sobre a validade e a fiabilidade dos registos sobre as doenças principais, complicações e patologias associadas e em menor escala
sobre o dia de admissão e o dia de alta, o destino
após alta e o número de dias de internamento.
Neste estudo optou-se por não analisar a frequência
de complicações e readmissões. Em relação às complicações, estas foram excluídas por não ser possível
distinguir no resumo de alta aquelas que estavam
presentes no momento de admissão e ainda as que
surgiram durante o fim-de-semana. Apesar de estar
disponível informação que permita uma análise das
readmissões por dia de admissão e por dia de alta,
estas não foram consideradas, dado que podem ser
mais influenciadas por outros factores que não o
momento de alta ou o momento de admissão.
Contudo, os indicadores analisados (mortalidade e
demora média), para além de terem sido seleccionados com base em dois critérios — a frequência com
que são usados em estudos de avaliação dos resultados em conjunto com a análise do dia de admissão/
alta e, simultaneamente, a sua disponibilidade para
este estudo —, são mesmo assim os que são considerados mais relevantes para se analisar o «efeito fimde-semana».
Por outro lado, deve ainda referir-se que na análise
da eficiência não foi considerada a informação relativa aos custos de tratamento. Esta opção deveu-se,
por um lado, à indisponibilidade de informação
acerca do custo por doente para os hospitais em aná-
125
Organização e resultados em hospitais
lise que pudesse ser combinada com a informação da
base de dados dos resumos de alta e, por outro lado,
à maior relevância da duração de internamento e
concomitantemente da demora média para se avaliar
o «efeito fim-de-semana».
É igualmente relevante discutir o tipo de informação
existente. Na realidade, deverá existir uma codificação exaustiva e detalhada sobre o período de admissão/alta dos doentes, designadamente a respeitante à
hora de ocorrência destes acontecimentos, uma vez
que esta poderá também influenciar os resultados
apresentados. Aliás, recentemente, esta informação
foi incluída na base de dados dos resumos de alta.
A análise realizada também poderá ser sensível à
possibilidade de a distribuição dos doentes por nível
de desempenho dos hospitais variar ao longo da
semana, nomeadamente que os hospitais com pior
desempenho admitam/dêem alta a um maior número
de doentes durante o fim-de-semana. No entanto,
deve referir-se que pese embora o facto de os resultados não terem sido apresentados, para o ano em
estudo, não se observaram diferenças nos resultados
por dia de semana por hospital.
Ou seja, o fenómeno, para além de ser transversal,
parece igualmente estrutural, visto que os resultados
são influenciados e agravados pelo «efeito fim-de-semana». A importância deste facto merece por si
mesmo que, num futuro próximo, se realizem outros
estudos que permitam uma melhor compreensão
sobre a realidade hospitalar.
Os resultados apresentados indicam que as admissões
e altas ao fim-de-semana são menos frequentes que
nos dias entre segunda e sexta-feira. Simultaneamente, à sexta-feira regista-se o número mínimo de
admissões dos dias úteis e simultaneamente o
máximo de altas da semana.
Este comportamento sugere uma distribuição irregular da actividade hospitalar ao longo da semana, a
qual parece transversal, não só a todos os hospitais,
mas também por doenças, tendo sido estas analisadas
por grandes agrupamentos.
Este facto suscita a necessidade de se detalhar no
futuro os estudos, fazendo, por exemplo, análises por
doença, mas permite igualmente afirmar que o
«efeito fim-de-semana» parece estar mais associado à
oferta do que à procura, o que parece não ser totalmente compatível com a equidade na prestação de
cuidados e com o princípio anunciado pelo SNS —
o cidadão no centro do sistema.
Constatou-se que nos doentes admitidos durante o
fim-de-semana se registaram mais óbitos que o esperado. Este comportamento foi observado também nos
doentes admitidos à sexta-feira, uma vez que se constatou um excesso de mortalidade semelhante ao do
fim-de-semana.
126
Relativamente à variação da mortalidade ao longo da
semana, importa principalmente destacar o excesso
de óbitos registado durante o fim-de-semana. A magnitude da diferença entre o número de óbitos registados durante o fim-de-semana e os esperados (excesso
de 6712 óbitos) e a importância deste resultado para
os doentes, bem como para os restantes intervenientes no processo de prestação, justificam a realização
de análises que aprofundem os resultados do estudo
exploratório aqui apresentado, designadamente para
se perceberem as razões que implicam uma mortalidade maior que a esperada nos sábados e domingos.
Assim, deverá ser investigado, em primeiro lugar, se
este comportamento foi exclusivo do ano considerado (2006). Não sendo, importará conhecer se este
excesso de mortalidade é transversal a todos os doentes tratados ou se verifica apenas em determinados
grupos, definidos em termos da razão da admissão,
dos procedimento(s) realizado(s) ou do nível de gravidade, por exemplo.
Estes estudos deverão ainda, idealmente, permitir
identificar as causas subjacentes ao diferencial registado e em que medida este se deve à metodologia
e/ou dados utilizados ou às próprias características da
prestação.
No que respeita à demora média, os doentes admitidos entre quinta-feira e sábado mostraram, em média,
uma duração de internamento superior à esperada.
O prolongamento do internamento foi também constatado nos doentes com alta à segunda-feira,
enquanto que nos doentes com alta ao sábado e
domingo se registou o inverso. Assim, os resultados
sugerem que não só o fim-de-semana parece estar
associado de alguma forma ao prolongamento do
internamento, mas também que pode existir um
«contágio» para os dias adjacentes.
Tanto em termos da análise do dia de admissão como
de alta, resultam indícios de possíveis fontes de ineficiência no tratamento dos episódios considerados,
que deverão ser descritas de forma mais aprofundada, nomeadamente em termos da sua consistência
ao longo do tempo e dos diversos perfis de doentes
tratados.
O excesso de óbitos constatado nos doentes admitidos ao fim-de-semana foi acompanhado por um comportamento semelhante nos doentes admitidos à
sexta-feira e o excesso de dias de internamento nos
doentes admitidos ao sábado também foi constatado
nos doentes admitidos à quinta e sexta-feira. Por
outro lado, os doentes admitidos ao domingo mostram um comportamento na demora média semelhante ao registado nos doentes admitidos à segunda-feira.
Estes resultados reforçam a necessidade de em análises futuras considerar a informação relativa à hora de
REVISTA PORTUGUESA DE SAÚDE PÚBLICA
Organização e resultados em hospitais
admissão e à hora de alta. A possibilidade de definir
períodos de admissão ou de alta com base nesses
dados poderá dar indicações mais precisas acerca da
variação da mortalidade e demora média ao longo da
semana.
afectação de recursos que seja compatível com as
necessidades da procura ou das populações.
Bibliografia
6. Conclusão
O presente estudo visou descrever a variação do
número de admissões e de altas ao longo da semana
e analisar a variação da mortalidade e da demora
média por dia de admissão/alta. Considera-se que
estes são resultados importantes num Serviço Nacional de Saúde que se pretende efectivo, eficiente e
equitativo, pelo que será desejável que a prestação de
cuidados se paute pelos mesmos padrões de exigência independentemente do dia de admissão/alta do
doente.
Tratando-se de um estudo exploratório, procurou-se
considerar todo o universo de doentes tratados nos
hospitais, de forma a descrever as tendências verificadas a nível geral e apontar linhas de investigação
futura. Neste sentido, os resultados descritos devem
ser interpretados com cautela. Não é possível excluir
totalmente a hipótese de os comportamentos descritos se registarem apenas em grupos específicos, não
sendo ainda possível extrapolar este comportamento
para outros anos.
Contudo, ainda que os efeitos descritos se possam ter
feito sentir apenas no período analisado e apenas em
grupos restritos de doentes, a importância da mortalidade e da demora média para os diversos agentes
envolvidos na prestação de cuidados e, em certos
casos, a magnitude das diferenças encontradas tornam premente o aprofundamento do estudo da variação da actividade hospitalar ao longo da semana.
Essas investigações poderão passar pela análise de
grupos específicos de doentes, pela consideração de
outros períodos de tempo ou eventualmente períodos
mais longos. Não será de excluir a hipótese de recorrer a outras fontes de dados e/ou metodologias.
Com a omissão deste assunto das preocupações dos
decisores e gestores a vários níveis, bem como dos
investigadores, corre-se o risco de desperdiçar uma
oportunidade de aperfeiçoamento do estudo da eficiência e da efectividade na prestação de cuidados,
bem como de melhoria destes resultados na prática
dos hospitais.
Finalmente, deve referir-se que esta melhoria nos
resultados também poderá ser alcançada com uma
diferente organização dos hospitais tendo em atenção
que se a doença não escolhe a hora ou o dia de ocorrência, a actividade hospitalar deve aproximar-se o
máximo possível desta realidade, ou seja, com uma
VOLUME TEMÁTICO: 7, 2008
ANGELILLO, I. F. et al. — Appropriateness of hospital
utilisation in Italy. Public Health. 114 : 1 (2000) 9-14.
BARBA, R. et al. — Mortality among adult patients admitted to
the hospital on weekends. European Journal of Internal Medicine.
17 : 5 (2006) 322-324.
BARNETT, M. J. et al. — Day of the week of intensive care
admission and patient outcomes : a multisite regional evaluation.
Medical Care. 40 : 6 (2002) 530-539.
BECKER, D. J. — Do hospitals provide lower quality care on
weekends? Health Services Research. 42 : 4 (2007) 1589-1612.
BELL, C. M.; REDELMEIER, D. A. — Mortality among patients
admitted to hospitals on weekends as compared with weekdays.
The New England Journal of Medicine. 345 : 9 (2001) 663-668.
BELL, C. M.; REDELMEIER, D. A. — Waiting for urgent
procedures on the weekend among emergently hospitalized
patients. American Journal of Medicine. 117 : 3 (2004) 175-181.
BENDAVID, E. et al. — Complication rates on weekends and
weekdays in US hospitals. American Journal of Medicine. 120 : 5
(2007) 422-428.
BUSSE J. W.; BHANDARI, M.; DEVEREAUX, P. J. — The
impact of time of admission on major complications and mortality
in patients undergoing emergency trauma surgery. Acta
Orthopaedica Scandinavica. 75 : 3 (2004) 333-338.
CAREY, M. R.; SHETH, H.; BRAITHWAITE, R. S. — A
prospective study of reasons for prolonged hospitalizations on a
general medicine teaching service. Journal of General Internal
Medicine. 20 : 2 (2005) 108-115.
CARMODY, I. C.; ROMERO, J.; VELMAHOS, G. C. — Day for
night : should we staff a trauma center like a nightclub? The
American Surgeon. 68 : 12 (2002) 1048-1051.
CHONG, J. Y. et al. — Weekend and evening presentation with
acute stroke or TIA is associated with longer emergency
department stay, prolonged total hospital stay, and poor outcome.
In International Stroke Conference 2008, New Orleans, Louisiana,
EUA, February 19-22, 2008 — ISC Poster Presentations. New
Orleans, Louisiana : American Hearth Association, 2008. p. 701.
COSTA, C. — Produção e desempenho hospitalar : aplicação ao
internamento. Lisboa : Escola Nacional de Saúde Pública. Universidade Nova de Lisboa, 2005. Tese de doutoramento.
CRAM, P. et al. — Effects of weekend admission and hospital
teaching status on in-hospital mortality. American Journal of
Medicine. 117 : 3 (2004) 151-157.
EMERSON, J. D.; STRENIO, J. — Caixas de bigodes e comparação de colecções. In HOAGLIN D.C.; MOSTELLER, F.;
TUKEY, J.W., ed. lit. — Análise exploratória de dados : técnicas
robustas. Lisboa : Edições Salamandra; 1983. p. 59-96.
ENSMINGER, S. A. et al. — The hospital mortality of patients
admitted to the ICU on weekends. Chest. 126 : 4 (2004) 1292-1298.
FINE, M. J. et al. — Relation between length of hospital stay and
costs of care for patients with community-acquired pneumonia.
American Journal of Medicine. 109 : 5 (2000) 378-385.
127
Organização e resultados em hospitais
FRIED, T. R. et al. — Older person’s preferences for home vs
hospital care in the treatment of acute illness. Archives of Internal
Medicine. 160 : 10 (2000) 1501-1506.
FOSS, N. B.; KEHLET, H. — Short-term mortality in hip fracture
patients admitted during weekends and holidays. British Journal
Anaesthesia. 96 : 4 (2006) 450-454.
GOLDFRAD, C.; ROWAN, K. — Consequences of discharges
from intensive care at night. Lancet. 355 : 9210 (2000) 1138-1142.
GONNELLA, J. S.; LOUIS, D. Z. — Severity of illness and
evaluation of hospital performance. Revista Portuguesa de Saúde
Pública. Volume temático : 5 (2005) 39-46.
OBEL, N. et al. — Mortality after discharge from the intensive
care unit during the early weekend period : a population-based
cohort study in Denmark. Acta Anaesthesiologica Scandinavica.
51 : 9 (2007) 1225-1230.
PEBERDY, M. A. et al. — Survival from in-hospital cardiac
arrest during nights and weekends. JAMA. 299 : 7 (2008) 785-792.
PRONOVOST, P. J. et al. — Physician staffing patterns and
clinical outcomes in critically ill patients : a systematic review.
JAMA. 288 : 17 (2002) 2151-2162.
RUDD, A. G. et al. — Access to stroke care in England, Wales
and Northern Ireland : the effect of age, gender and weekend
admission. Age and Ageing. 36 : 3 (2007) 247-255.
HASEGAWA, Y. et al. — The effect of weekends and holidays
on stroke outcome in acute stroke units. Cerebrovascular
Diseases. 20 : 5 (2005) 325-331.
SAPOSNIK, G. et al. — Weekends : a dangerous time for having
a stroke? Stroke. 2007 Apr; 38 : 4 (2007) 1211-1215.
HENDERSON, D. K. — Managing methicillin-resistant
staphylococci : a paradigm for preventing nosocomial
transmission of resistant organisms. American Journal of
Medicine. 119 : 6 Suppl 1 (2006) S45-52; discussion S62-70.
SCHMIDT, W. P. et al. — The impact of the day of the week and
month of admission on the length of hospital stay in stroke
patients. Cerebrovascular Diseases. 16 : 3 (2003) 247-252.
IEZZONI, L. I. — Range of risk factors. In IEZZONI, L. I. d lit.
— Risk adjustment : measuring health care outcomes. 3rd ed. Chicago (IL) : Health Administration Press, 2003. p. 33-70.
INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA — Despesa corrente em cuidados de saúde a preços correntes (Base 2000 —
euros) por tipo de prestador e tipo de função. Lisboa : INE, 2000-2005. (Conta Satélite da Saúde). [Consult. em 25 de Agosto de
2008]. Disponível em http://www.ine.pt/bddXplorer/htdocs/
minfo.jsp?var_cd=0000886&lingua=PT.
JNEID, H. et al. — Impact of time of presentation on the care and
outcomes of acute myocardial infarction. Circulation. 117 : 19
(2008) 2502-2509.
KANE, R. L. et al. — The association of registered nurse staffing
levels and patient outcomes : systematic review and metaanalysis. Medical Care. 45 : 12 (2007) 1195-1204.
KELZ, R. R. et al. — Time of day is associated with postoperative
morbidity : an analysis of the national surgical quality
improvement program data. Annals of Surgery. 247 : 3 (2008) 544-552.
KOSTIS, W. J. et al. — Weekend versus weekday admission and
mortality from myocardial infarction. The New England Journal of
Medicine. 356 : 11 (2007) 1099-1109.
LAUPLAND, K. B. et al. — Hospital mortality among adults
admitted to and discharged from intensive care on weekends and
evenings. Journal of Critical Care. 23 : 3 (2008) 317-324.
SHWARTZ, M. et al. — Do severity measures explain differences
in length of hospital stay? : the case of hip fracture. Health
Services Research. 31 : 4 (1996) 365-385.
THOMSON MEDSTAT — Medstat Disease Staging Software :
Version 5.23 : reference guide. Ann Arbor, MI : Thomson
Medstat, 2005.
TICKOO, S. et al. — Weekend/holiday versus weekday hospital
discharge and guideline adherence (from the American Heart
Association’s Get with the Guidelines-Coronary Artery Disease
database). American Journal of Cardiology. 102 : 6 (2008) 663-667.
UUSARO, A.; KARI, A.; RUOKONEN, E. — The effects of ICU
admission and discharge times on mortality in Finland. Intensive
Care Medicine. 29 : 12 (2003) 2144-2148.
Van WALRAVEN, C.; BELL, C. M. — Risk of death or
readmission among people discharged from hospital on Fridays.
Canadian Medical Association Journal. 166 : 13 (2002) 1672-1673.
VARNAVA, A. M. et al. — Restricted weekend service
inappropriately delays discharge after acute myocardial infarction.
Heart. 87 : 3 (2002) 216-219.
WUNSCH, H. et al. — Hospital mortality associated with day and
time of admission to intensive care units. Intensive Care Medicine.
30 : 5 (2004) 895-901.
LEE, L. H. et al. — Optimizing weekend availability for
sophisticated tests and procedures in a large hospital. The
American Journal of Managed Care. 11 : 9 (2005) 553-558.
LEI CONSTITUCIONAL n.o 1/2005. D.R. I.a Série-A n.o 155.
(2005-08-12) 4642-4686 — Constituição da República Portuguesa.
LEONARD, K. J. et al. — The effect of funding policy on day of
week admissions and discharges in hospitals : the cases of Austria
and Canada. Health Policy. 63 : 3 (2003) 239-257.
MAGID, D. J. et al. — Relationship between time of day, day of
week, timeliness of reperfusion, and in-hospital mortality for
patients with acute ST-segment elevation myocardial infarction.
JAMA. 294 : 7 (2005) 803-812.
MENENDEZ, R. et al. — Initial risk class and length of hospital
stay in community-acquired pneumonia. European Respiratory
Journal. 18 : 1 (2001) 151-156.
NAVARRO, G. et al. — Review of the utilisation of a university
hospital in Barcelona (Spain) : evolution 1992-1996. European
Journal of Epidemiology. 17 : 7 (2001) 679-684.
128
Abstract
VARIATION IN MORTALITY AND LENGTH OF STAY
BY DAY OF ADMISSION AND DISCHARGE
To date, there is no routine data or reports on the organization
of hospital activities, particularly in the inpatient department.
However, it is academically possible to expect differences in
the availability of human resources during the 24 hours of the
day or during the week. The changes expected during the
weekend recommend the study of their impact on the outcomes
of treatment as well as on its efficiency.
REVISTA PORTUGUESA DE SAÚDE PÚBLICA
Organização e resultados em hospitais
This article aims to be a preliminary investigation about the
output and about two relevant issues for patients: mortality and
length of stay by day of admission or discharge, even though
the distribution and intensity of workload are not considered.
All inpatient admissions in Portuguese public hospitals during
2006 were considered. The number of admissions, mortality
rate and length of stay were calculated by day of admission.
Observed values were compared with expected values obtained
from Disease Staging’s probability of death or expected length
of stay recalibrated to Portuguese data. The same methods
were used for day of discharge.
Our results indicate that there were 483 more deaths than
expected in patients admitted between Friday and Sunday. By
VOLUME TEMÁTICO: 7, 2008
day of discharge, 6712 deaths that occurred on Saturday and
Sunday were not expected. For patients discharged on Monday,
there were 57.160 days over the expected.
The highest «weekend effect» was found on mortality and by
day of discharge, even after risk adjustment. The relevance of
the mortality and of the average length of stay for those
involved in the healthcare delivery and, in some cases, the
relevance of the differences found point to the need for further
research on this subject.
Keywords: mortality, length of stay, admission day, discharge
day.
129
a,
de cap
Preço
24 ¤
Fly UP