...

“Ser o que se é” na psicoterapia de Carl Rogers: um estado

by user

on
Category: Documents
3

views

Report

Comments

Transcript

“Ser o que se é” na psicoterapia de Carl Rogers: um estado
Brito, R. M. M. & Moreira, V. (2011). “Ser o que se é” na psicoterapia de Carl Rogers: um
estado ou um processo?. Memorandum, 20, 201-210. Retirado em / /
, da World
Wide Web http://www.fafich.ufmg.br/memorandum/a20/britomoreira01
201
“Ser o que se é” na psicoterapia de Carl Rogers: um
estado ou um processo?
“Being what you are” in Carl Rogers’s psychotherapy: a state or a process?
Rafaella Medeiros de Mattos Brito
Universidade Federal do Ceará - UFC
Brasil
Virginia Moreira
Universidade de Fortaleza – UNIFOR
Brasil
Resumo
Neste artigo discutimos a idéia que atravessa a expressão “ser o que se é”,
utilizada por Carl Rogers em seus textos para falar do processo que a pessoa vive
durante a psicoterapia. Iniciamos com um diálogo com o autor desta frase, o
filósofo existencialista Soren Kierkegaard, e em seguida realizamos uma breve
descrição sobre o estado de incongruência que é, para Rogers, a origem do
sofrimento psíquico. Descrevemos o processo de psicoterapia que facilita a
mudança do cliente para um estado de maior congruência, mostrando que “ser o
que se é” é um processo contínuo e não um estado fixo. Concluímos com a
exposição de algumas características desse processo, que inclui uma maior
abertura à experiência, a vivência existencial no aqui e agora e a confiança no
organismo como referência para o comportamento.
Palavras-chave: ser o que se é; psicoterapia; processo; Carl Rogers.
Abstract
This article discusses the idea that traverses the expression "being what you are"
used by Carl Rogers in his writings to address the process that a person lives during
psychotherapy. It begins with a dialogue with the author of this sentence, the
existentialist philosopher Soren Kierkegaard, and then it has a brief description of
the state of incongruity that is, to Rogers, the origin of psychological distress. It
follows to describe the process of psychotherapy that facilitates the client`s change
to a higher state of congruence, showing that "being what you are" is an ongoing
process and not a fixed state. We conclude with an exposition of some features of
this process, including greater openness to experience the here and now and the
trust in the organism as a reference for behavior.
Keywords: being what you are; psychotherapy, process, Carl Rogers.
Introdução
O norte-americano Carl Rogers é o criador da Abordagem Centrada na Pessoa,
teoria desenvolvida por este entre os anos 40 e 80 do século XX. Durante mais de
40 anos, Rogers presenciou e escreveu sobre o crescimento humano. A ideia
central de sua teoria se apóia no conceito de Tendência Atualizante, que segundo
Rogers (1965/1977) é uma tendência inata de todo organismo ao crescimento,
maturidade e atualização de suas potencialidades. Ele acreditava que, se fossem
dadas as condições necessárias para o individuo se desenvolver, este caminharia no
sentido da maturidade e socialização. Segundo Rogers (1961/2009), o papel do
psicoterapeuta ou facilitador, dentro desta abordagem, seria o de fornecer as
condições necessárias e suficientes para o crescimento humano (aceitação positiva
incondicional, compreensão empática e autenticidade) e, confiando na capacidade
Memorandum 20, abr/2011
Belo Horizonte: UFMG; Ribeirão Preto: USP
ISSN 1676-1669
http://www.fafich.ufmg.br/memorandum/a20/britomoreira01
Brito, R. M. M. & Moreira, V. (2011). “Ser o que se é” na psicoterapia de Carl Rogers: um
estado ou um processo?. Memorandum, 20, 201-210. Retirado em / /
, da World
Wide Web http://www.fafich.ufmg.br/memorandum/a20/britomoreira01
202
de todo ser humano para descobrir os melhores caminhos para si, colocar-se na
posição de um companheiro nesta busca e não de um guia que direciona o cliente.
Rogers acreditava que o cliente é a maior autoridade sobre si mesmo e poderia
desenvolver suas potencialidades se lhe fossem dadas as condições facilitadoras do
crescimento.
Quanto mais o cliente percebe o terapeuta como
uma pessoa verdadeira ou autêntica, capaz de
empatia, tendo para com ele uma consideração
incondicional, mais ele se afastará de um modo
de funcionamento estático, fixo, insensível e
impessoal, e se encaminhará no sentido de um
funcionamento marcado por uma experiência
fluida, em mudança e plenamente receptiva dos
sentimentos
pessoais
diferenciados.
A
conseqüência desse movimento é uma alteração
na personalidade e no comportamento no sentido
da saúde e da maturidade psíquicas e de relações
mais realistas para com o eu, os outros e o
mundo circundante (Rogers, 1961/2009, p.77).
A respeito do processo de tornar-se pessoa, vivido durante a psicoterapia, Carl
Rogers (1961/2009) fala de sua admiração pela maneira como o filósofo Soren
Kierkegaard ilustrou o dilema do indivíduo há mais de um século:
Ele destaca que o desespero mais comum é estar
desesperado por não escolher, ou não estar
disposto a ser ele mesmo; porém, a forma mais
profunda de desespero é escolher “ser outra
pessoa que não ele mesmo”. Por outro lado
“desejar ser aquele eu que realmente se é,
constitui na verdade o oposto do desespero” e
esta
escolha
constitui
a
mais
profunda
responsabilidade do homem. À medida que leio
alguns de seus escritos, quase que sinto que ele
esteve escutando algumas das afirmações feitas
por nossos clientes ao buscarem e explorarem a
realidade do eu – freqüentemente uma busca
dolorosa e inquietante (p. 124).
Rogers identifica-se com as idéias de Kierkegaard, pois para ele o filósofo parece
estar falando do processo que seus clientes vivem em terapia, ao buscarem uma
existência mais autêntica. Ser o que realmente se é seria o oposto do desespero e
a maior responsabilidade do homem. Apesar de dolorosa e inquietante, a
exploração da realidade do eu é necessária, pois não ser quem se é é o que gera
desespero. Rogers, ao citar Kierkegaard, parece reconhecer a necessidade de ser
quem se é e o sofrimento vivido por quem não vive desta maneira. Rogers
(1961/2009), em outro capítulo do mesmo livro, volta a citar Kierkegaard (1941,
citado por Rogers 1961/2009), expondo a descrição que o filósofo faz do indivíduo
em sua existencial real:
Um indivíduo que existe está num processo
constante de tornar-se (...) e traduz tudo o que
pensa em termos de processo. Passa-se (com ele)
o mesmo que com o escritor e o seu estilo; só
quem nunca deu nada por acabado, mas “agita as
águas da linguagem”, recomeçando sempre, tem
um estilo. E é por isso que a mais comum das
expressões assume nele a frescura de um novo
nascimento (p. 79).
Memorandum 20, abr/2011
Belo Horizonte: UFMG; Ribeirão Preto: USP
ISSN 1676-1669
http://www.fafich.ufmg.br/memorandum/a20/britomoreira01
Brito, R. M. M. & Moreira, V. (2011). “Ser o que se é” na psicoterapia de Carl Rogers: um
estado ou um processo?. Memorandum, 20, 201-210. Retirado em / /
, da World
Wide Web http://www.fafich.ufmg.br/memorandum/a20/britomoreira01
203
Julgo que esta é uma excelente descrição da
direção em que o cliente se move, para ser um
processo de possibilidades nascentes, mais do
que para ser ou para tornar-se qualquer objetivo
cristalizado (p. 195).
Rogers (1961/2009) utiliza-se de Kierkegaard para falar de uma existência nunca
dada por acabada, mas sempre em mudança. Reconhece a necessidade de se estar
aberto às possibilidades do devir, sendo sempre um processo e não um objetivo
cristalizado. O filósofo utiliza as expressões “nunca deu nada por acabado”,
“recomeçando sempre” e “frescura de um novo nascimento”, que Rogers
correlaciona com o processo de possibilidades nascentes que seus clientes vivem
em terapia. O que parece ter chamado a atenção de Rogers em Kierkegaard é a
compreensão deste filósofo de que o indivíduo é um ser em constante movimento,
e que esta característica deve ser respeitada, sem que a existência seja fechada em
uma estrutura cristalizada e dada por acabada.
Rogers (1961/2009), reconhecendo a importância de o indivíduo viver segundo um
processo fluido, defende seu ponto de vista sobre o que seria o objetivo de nossas
vidas. De que estamos à procura? Rogers aposta que o que o ser humano procura,
quando tem a liberdade de escolher, é justamente “ser o que realmente se é”.
A expressão “ser o que se é” é muitas vezes mal interpretada por dar a entender
que se trata de uma busca por algo já pronto e fixo que o cliente descobriria e se
apropriaria para sempre. Esta interpretação pode ser gerada pelo verbo “ser” que
conjugado no presente denota a idéia de estado, de algo paralisado. Outro
questionamento muito freqüente poderia ser formulado da seguinte maneira: “e se
eu não for o que eu sou, o que eu seria?”. A expressão parece, então, óbvia no
sentido de que não podemos ser nada além de nós mesmos. Com base nesta
questão este artigo tem como objetivo explorar teoricamente a idéia que permeia
esta expressão, tão utilizada por Rogers, mas que dá lugar a controvérsias e mal
entendidos.
Incongruência: ser o que não se é
Para Rogers “ser o que se é” é alcançado quando o indivíduo tem a liberdade de
escolher. Muitas vezes esta liberdade não é vivida, pois o indivíduo se encontra
preso à obrigação de desempenhar determinado papel de determinada maneira.
Esta imposição deriva da necessidade do próprio indivíduo de ser aceito pelas
pessoas que têm importância em sua vida. Segundo Rogers e Kinget (1965/1977):
Em conseqüência disto, a consideração positiva de
pessoas pelas quais o indivíduo experimenta uma
consideração particularmente positiva (pessoascritério) pode se tornar uma força diretriz e
reguladora mais forte que o processo de avaliação
“organísmico”. Isto é, o indivíduo pode chegar a
preferir direções que emanam destas pessoas, às
direções que emanam de experiências suscetíveis
de satisfazer sua tendência à atualização (p.
198).
A necessidade de ser amado e aceito contribui para a construção de uma noção de
eu distante da experiência organísmica do sujeito. A noção do eu (Rogers & Kinget,
1965/1977) forma-se em conseqüência da interação do organismo com o meio, é
uma organização da consciência de existir, a partir das relações do eu com o outro
e que é permeada por um conjunto de valores que o indivíduo atribui às percepções
de si. É um padrão conceitual organizado, de percepções de características do eu,
com valores ligados a este conceito. Em seus textos, Rogers dá a mesma definição
da noção de eu para self ou autoconceito. O self, para Rogers, está, portanto,
relacionado com apreciação externa.
Memorandum 20, abr/2011
Belo Horizonte: UFMG; Ribeirão Preto: USP
ISSN 1676-1669
http://www.fafich.ufmg.br/memorandum/a20/britomoreira01
Brito, R. M. M. & Moreira, V. (2011). “Ser o que se é” na psicoterapia de Carl Rogers: um
estado ou um processo?. Memorandum, 20, 201-210. Retirado em / /
, da World
Wide Web http://www.fafich.ufmg.br/memorandum/a20/britomoreira01
204
O indivíduo percebe sua experiência de acordo com as condições às quais ele se
submeteu para ser aceito pelas pessoas significativas em sua vida (“significant
social other” traduzido para o português como “pessoas-critério”). A criança
aprende, por exemplo, que um “bom menino” não chora e gosta de seu irmãozinho,
mesmo que sua experiência seja de profunda tristeza e raiva do bebê que tomou
seu espaço.
Quando certas “pessoas critério” se mostram
seletivas na consideração que manifestam a
respeito
de
diversos
elementos
de
seu
comportamento, o indivíduo se dá conta de que,
sob certos aspectos é apreciado e que, sob
outros, não o é. Imperceptivelmente acaba por
adotar a mesma atitude seletiva ou condicional
para consigo mesmo. Conseqüentemente, avalia
sua experiência em função dos critérios de outras
pessoas em vez de avaliar baseando-se na
satisfação (ou na falta de satisfação) vivida,
realmente experimentada (Rogers & Kinget,
1965/1977, p. 177).
Para Rogers e Kinget (1965/1977), experiência é tudo “que se passa no organismo
em qualquer momento e que está potencialmente disponível à consciência.” (p.
161) Experimentar seria, então, entrar em contato com os acontecimentos do
organismo, que seria o foco de toda experiência. A definição de experiência de
Rogers (1965/1977) é psicológica e não fisiológica. Tem um caráter global, pois o
organismo, de que fala Rogers, está para além do corpo fisiológico. Desta forma, o
termo “experiência”, para Rogers, ultrapassa o que poderia ser capturado
empiricamente, afastando-se assim de abordagens positivistas.
Em abordagens baseadas em pressupostos
positivistas, a conceituação se limita ao
experimentalismo,
considerando
experiência
somente o que é passível de comprovação
empírica, eliminando valores ou relacionamentos
pessoais, ou seja,
considerando-a apenas
enquanto representação ou reação (Gaspar &
Mahfoud, 2006, p. 2).
As experiências que não estão de acordo com a noção de eu surgem como
ameaçadoras e podem ser simbolizadas de maneira deformada na consciência,
dando origem ao estado de incongruência.
A incongruência é definida como um estado
(geralmente desassossegado) em que existe uma
discrepância entre o eu, tal como é percebido, e a
experiência presente no organismo total (tudo
que é potencialmente disponível à consciência,
que está ocorrendo no organismo em um dado
momento) (Wood, 1983, p. 48).
Caso este estado de incongruência seja percebido, ocorre um estado de tensão e
ansiedade. E é nesse momento que o cliente geralmente chega à terapia. Ele não
consegue se reconhecer, comumente tem atitudes e reações que não entende por
que as teve, sente-se perdido e dividido. Todos esses sentimentos são decorrentes
do estado de incongruência. Neste estado:
há uma discrepância fundamental entre o
significado experienciado da situação, da forma
como é registrado por seu organismo e a
representação simbólica daquela experiência na
consciência, de uma maneira que não entre em
Memorandum 20, abr/2011
Belo Horizonte: UFMG; Ribeirão Preto: USP
ISSN 1676-1669
http://www.fafich.ufmg.br/memorandum/a20/britomoreira01
Brito, R. M. M. & Moreira, V. (2011). “Ser o que se é” na psicoterapia de Carl Rogers: um
estado ou um processo?. Memorandum, 20, 201-210. Retirado em / /
, da World
Wide Web http://www.fafich.ufmg.br/memorandum/a20/britomoreira01
205
conflito com a imagem que ele tem de si mesmo
(Rogers, 1957/2008, p. 147).
O indivíduo forma uma imagem de si que esteja de acordo com o que esperam
dele. Todas as experiências que não se adéquam a esse modelo de eu, são
distorcidas, e o sujeito acaba por ter uma experiência e um comportamento que
caminham em direções opostas, causando-lhe sofrimento e insegurança.
Psicoterapia: tornando-se o que se é
Quando o indivíduo, durante o processo de terapia, experimenta um ambiente de
aceitação incondicional, segurança e empatia, ele tende a se afastar do que ele não
é. Segundo Rogers (1961/2009), durante a terapia, o indivíduo se afasta de suas
fachadas e de tudo o que ele deveria ser. Ele pode até não saber para onde está
indo ou o que realmente é, mas sabe que não é aquilo que seus pais e outras
pessoas-critério desejam e esperam que ele seja. Quando pode vivenciar suas
experiências sem ter que ser nada, o indivíduo começa a descobrir novas formas de
ser, rejeita formas artificiais e definidas pelo exterior. Rogers (1961/2009) nos dá
um exemplo de um paciente perto do fim do tratamento, que diz:
Senti afinal que tinha simplesmente de começar a
fazer o que queria e não o que eu pensava que
devia fazer, sem me preocupar com a opinião dos
outros. Foi uma completa reviravolta de toda
minha vida. Sempre sentira que tinha de fazer as
coisas porque era o que esperavam de mim ou, o
que era mais importante, para que os outros
gostassem de mim. Tudo isso acabou! Penso a
partir de agora que serei precisamente o que sou
– rico ou pobre, bom ou mau, racional ou
irracional,
lógico
ou
ilógico,
famoso
ou
desconhecido. Portanto, obrigado por ter me
ajudado a redescobrir o “Sê verdadeiro para ti
mesmo”, de Shakespeare (p.193).
Durante o processo de terapia, o paciente caminha, então, para a autonomia,
tornando-se responsável por si mesmo, num ganho de liberdade existencial
acompanhado por uma crescente responsabilidade. Seu comportamento e escolhas
vão sendo tomados com receio e precaução, com a insegurança de quem acaba de
ter o volante de um carro em suas mãos e apesar de não saber dirigir, muito
menos para onde ir, dirige com satisfação por saber que mesmo que se perca ou
chegue a algum lugar sombrio, chegará por conta própria.
A experiência de “ser o que se é” é, assim, mágica e, ao mesmo tempo,
angustiante. Rogers (1959/1987) denomina de “momentos de movimento” na
terapia, ocasiões onde o indivíduo teria não um pensamento, mas uma experiência,
nova e sem barreiras ou inibições, naquele instante da relação. Esta experiência é
aceita e vivenciada conscientemente e visceralmente. O indivíduo entra em contato
com uma nova face de si.
Esta abertura à experiência permite que as mensagens que nosso próprio corpo nos
manda, sejam cada vez mais ouvidas e levadas em conta. O indivíduo começa,
então, a querer ficar mais próximo desta fonte interna de sabedoria. Começa a
ouvir-se a partir de suas próprias reações fisiológicas. Esta maior abertura ao que
se passa dentro dele é acompanhada de uma abertura sensível ao mundo externo.
Acreditamos ser este o motivo pelo qual ao aproximar-se mais de si, o indivíduo
não se torna individualista e com comportamentos egoístas. É capaz de ver
também o mundo externo, as outras pessoas, a sociedade, e tudo isso é levado em
conta em suas escolhas. Além disso, à medida em que é capaz de assumir sua
própria experiência, aumenta sua capacidade de aceitação da experiência dos
outros, o que contribui para a melhoria de suas relações. Descobre que pode sentir
Memorandum 20, abr/2011
Belo Horizonte: UFMG; Ribeirão Preto: USP
ISSN 1676-1669
http://www.fafich.ufmg.br/memorandum/a20/britomoreira01
Brito, R. M. M. & Moreira, V. (2011). “Ser o que se é” na psicoterapia de Carl Rogers: um
estado ou um processo?. Memorandum, 20, 201-210. Retirado em / /
, da World
Wide Web http://www.fafich.ufmg.br/memorandum/a20/britomoreira01
206
raiva e esta raiva não ser destrutiva, pode sentir medo e não ser paralisado por
este medo, ou seja, pode sentir seu verdadeiro sentimento. Rogers não nos
encoraja a agredir quando estamos com raiva de alguém, desistir de alguma
atividade por aceitar nosso medo ou fazer sempre o que queremos sem levar em
conta os sentimentos das outras pessoas. Sua aposta é de que podendo vivenciar
livremente nossos sentimentos, estaremos mais aptos a agir, mesmo que esta ação
não aconteça na mesma direção do que sentimos. A principal congruência é entre o
sentir e saber o que se sente. A expressão é uma escolha que deve ser feita
levando-se em conta o indivíduo, o outro e o meio.
Quanto mais ele for capaz de permitir que esses
sentimentos fluam e existam nele, melhor estes
encontram o seu lugar adequado numa total
harmonia. Descobre que tem outros sentimentos
que se juntam a estes e que se equilibram
(Rogers, 1961/2009, p. 201).
Esta capacidade de vivenciar livremente os sentimentos é um processo que ocorre
durante a terapia, que caminha da incongruência para um maior estado de
congruência do sujeito. Rogers (1951/1975) descreve as mudanças que acontecem
durante a terapia bem-sucedida. Afirma que a terapia consiste em um processo de
aprendizagem, no qual o cliente descobre novos aspectos sobre si mesmo. Percebe
mudanças no tipo de material apresentado pelo cliente e em sua percepção e
atitude em relação ao self. O cliente passa a falar mais de si mesmo, no lugar de
falar de sintomas, do ambiente externo e dos outros. Rogers relata que comumente
seus clientes sentiam que não estavam sendo seu verdadeiro self e ficavam
contentes quando se tornavam verdadeiramente eles mesmos. Sentir que não se é
o verdadeiro self é característico do estado de incongruência, quando a experiência
organísmica não está de acordo com a noção de eu formada pelo sujeito. A
satisfação de tornar-se quem se é é advinda da congruência conquistada durante o
processo terapêutico. A congruência do sujeito permite que ele sinta, pense e se
comporte de acordo com seu organismo, acabando, assim, com o estado de
ansiedade característico da incongruência.
Uma das mudanças mais importantes encontradas por Rogers no decorrer do
processo terapêutico se refere à mudança na configuração básica da personalidade.
Segundo Rogers (1951/1975) ocorre uma unificação e integração maiores da
personalidade. Começa a emergir um self mais flexível, que se baseia na
experiência global do cliente, percebida sem distorção. O novo self emergente da
terapia é mais congruente com a totalidade da experiência. O comportamento do
indivíduo passa a ser menos defensivo e mais coerente com o self e a realidade.
Como reflexo de um estado de maior congruência do indivíduo, ocorre uma maior
fluidez e flexibilidade em sua forma de ser e agir, que não estão mais baseados em
antigas estruturas rígidas.
Procurando descrever a “fluidez” que caracteriza
este modo existencial de funcionamento se
poderia dizer que a imagem do eu emergiria –
constantemente mutável – da experiência
(contrariamente ao modo habitual segundo o qual
a experiência é desfigurada ou truncada a fim de
a tornar compatível com a imagem do eu). O
indivíduo em vez de se empenhar em controlar
suas experiências, se tornaria parte inerente e
consciente de um processo constante de
experiência organísmica completa (Rogers &
Kinget, 1965/1977, p. 263).
Emergindo sempre da experiência, a imagem do eu estaria congruente com o
organismo, e o indivíduo seria o que ele realmente é, a cada novo momento.
Memorandum 20, abr/2011
Belo Horizonte: UFMG; Ribeirão Preto: USP
ISSN 1676-1669
http://www.fafich.ufmg.br/memorandum/a20/britomoreira01
Brito, R. M. M. & Moreira, V. (2011). “Ser o que se é” na psicoterapia de Carl Rogers: um
estado ou um processo?. Memorandum, 20, 201-210. Retirado em / /
, da World
Wide Web http://www.fafich.ufmg.br/memorandum/a20/britomoreira01
207
O constante processo de ser o que se é
Como podemos perceber, a idéia de “ser o que realmente se é” não significa
fechar-se em si mesmo. Ao contrário de acarretar egoísmo, é um processo que
envolve a responsabilidade do sujeito por ele mesmo e por suas ações. É uma
liberdade responsável, pois estando livre para “ser”, o sujeito deve também
assumir a responsabilidade por seus próprios desejos e ações, que não se devem
mais ao que suas “pessoas-critério” queriam ou esperavam dele. A idéia de homem
enquanto projeto, sendo responsável por suas escolhas, tão explícita na proposta
rogeriana revela seu caráter existencial, na esteira do pensamento de
existencialistas como Jean Paul Sartre. “Ser o que se é” não significa ser
esquecendo o mundo em que se vive, mas significa ser existencialmente,
responsável, também, pelo mundo (Moreira, 2007, 2009).
A expressão “ser o que se é”, que a princípio pode parecer ter um sentido de busca
por uma essência fixa, uma tentativa de descobrir uma identidade já pronta e
acabada, algo que existe a priori e que só precisa ser desvendado, na verdade
refere-se exatamente ao contrário de tudo isso. Ser o que se é, é abertura, é
mergulhar num processo de constantes mudanças. É aceitação da experiência
vivida pelo organismo.
Os
clientes
parecem
encaminhar-se
mais
abertamente para se tornarem um processo, uma
fluidez, uma mudança. Não ficam perturbados ao
descobrir que não são os mesmos em cada dia
que passa, que não têm sempre os mesmos
sentimentos
em
relação
a
determinada
experiência ou pessoa, que nem sempre são
conseqüentes. Eles estão num fluxo e parecem
contentes por permanecerem nele. O esforço para
estabelecer conclusões e afirmações definitivas
parece diminuir (Rogers, 1961/2009, p. 194).
Marcado pela abertura e fluidez, ser o que se é parece ser uma característica da
Pessoa em pleno funcionamento descrita Rogers (1961/2009). Seria característico
desse processo:
- Uma abertura à experiência: capacidade de vivenciar todo estímulo, pensamento
ou sentimento sem barreiras nem deturpações, sendo a experiência completamente
disponível à consciência. O indivíduo estaria apto a vivenciar o que se passa
consigo, estando consciente de seus sentimentos e os aceitando sem medo do que
eles possam lhe causar e sem julgá-los como perigosos a uma estrutura de self já
formada e rígida. Toda experiência seria válida e faria parte do organismo como um
todo. Nenhuma experiência seria rejeitada ou invalidada.
-Uma vivência existencial: capacidade de viver cada momento como sendo novo,
sem utilizar os critérios do passado para avaliar o presente. O que se é e o que se
faz nasce do momento e não pode ser previsto, pois a configuração dos estímulos
de cada situação é única. O “eu” e suas atitudes surgem da experiência presente,
em vez de serem deformados para estarem de acordo com uma estrutura já
formada. Não há estruturação preconcebida para a experiência, pois cada
experiência é nova e jamais se repetirá. A vivência existencial é a plena abertura
para o aqui e agora.
-Confiança no organismo: reconhecimento do organismo total como referência
confiável para o comportamento. O organismo é visto como fonte de sabedoria e a
pessoa passa a confiar no que sente e em suas reações sensoriais e viscerais. A
pessoa é capaz de reconhecer todos os estímulos e responder a uma situação
levando em conta todos eles.
Dizemos que há um funcionamento ótimo quando
a estrutura do eu é de um modo tal que permite a
Memorandum 20, abr/2011
Belo Horizonte: UFMG; Ribeirão Preto: USP
ISSN 1676-1669
http://www.fafich.ufmg.br/memorandum/a20/britomoreira01
Brito, R. M. M. & Moreira, V. (2011). “Ser o que se é” na psicoterapia de Carl Rogers: um
estado ou um processo?. Memorandum, 20, 201-210. Retirado em / /
, da World
Wide Web http://www.fafich.ufmg.br/memorandum/a20/britomoreira01
208
integração simbólica da totalidade da experiência.
A noção de funcionamento ótimo equivale, pois, à
noção de acordo perfeito entre o eu e a
experiência, e à noção de receptividade ou de
abertura perfeita à experiência (Rogers & Kinget,
1965/1977, p. 173).
Podemos também dizer que ser o que se é, é ser congruente. Para Rogers
(1961/2009), congruência é uma correspondência mais adequada entre a
experiência e a consciência. É uma integração entre a noção de eu e a experiência
organísmica. Ser o que se é é ser a própria experiência de um dado momento,
sendo esta experiência também adequadamente representada na consciência, sem
distorções para adaptá-la ao conceito existente de eu.
“Ser o que se é” é uma abertura ao novo. Não há um “eu” finalizado, ele é sempre
transformado e construído a partir das situações e circunstâncias vividas. Como
afirma Rocha (2004) em seu artigo intitulado “Tornar-se quem se é – a vida como
exercício de estilo”:
a fórmula “tornar-se quem se é” não pode ser
compreendida como o percurso que conduz à
atualização de uma essência. Ela não é da ordem
de um imperativo ou de uma finalidade, mas é
antes, a descrição de um processo inteiramente
imanente: a vida é percurso no qual alguém se
torna (vai se tornando, não cessa de se tornar)
quem é. E inversamente: um eu não é, a rigor,
outra coisa senão a configuração sempre mutante
e sempre provisória que resulta da combinação de
forças e efeitos. O encontro fortuito com as
circunstancia de uma vida vai transformando,
esculpindo um “eu”. (...) Longe de conduzir a
uma identidade, esse processo se abre para a
diferenciação: tornar-se quem se é, é sinônimo de
transformar-se (inventar-se, diferir de si mesmo,
reinventar-se) (p. 294).
Ao longo do processo terapêutico, o individuo é cada vez mais capaz de significar
sua experiência livremente, sem barreiras nem deturpações. Não precisa mais se
esconder de qualquer parte ou faceta do seu ser, pode ser inteiro, e por isso
mesmo, intenso. Este não é um caminho fácil e nem sempre é prazeroso. Também
não é um objetivo que uma vez alcançado, encerra-se. É um processo de existência
constante e desafiador. Ser o que se é, é ser todo em cada momento, como diria o
poeta Fernando Pessoa (1933/1994):
Para ser grande,
sê inteiro:
Nada teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa.
Põe quanto és
No mínimo que fazes.
Assim em cada lago
a lua toda brilha,
porque alta vive (p. 148).
A expressão “ser o que se é” pode de início parecer sem sentido ou contraditória,
pois não podemos ser nada além do que somos. Porém, ao nos aproximar dela,
percebemos o quanto é rica e desafiadora. Nas palavras de Rogers:
Significa que uma pessoa é um processo fluido,
não uma entidade fixa e estática; um rio corrente
de mudanças, não um bloco de material sólido;
Memorandum 20, abr/2011
Belo Horizonte: UFMG; Ribeirão Preto: USP
ISSN 1676-1669
http://www.fafich.ufmg.br/memorandum/a20/britomoreira01
Brito, R. M. M. & Moreira, V. (2011). “Ser o que se é” na psicoterapia de Carl Rogers: um
estado ou um processo?. Memorandum, 20, 201-210. Retirado em / /
, da World
Wide Web http://www.fafich.ufmg.br/memorandum/a20/britomoreira01
209
uma
constelação
de
potencialidades
continuamente mutáveis, não uma quantidade
fixa de traços (Rogers, 1961/2009, p.138).
Conclusão
Torna-se quem se é seria, então, o processo de viver existencialmente no aqui e
agora, estando aberto à experiência e às reações organísmicas. É um processo que
envolve abertura e criatividade. Ao contrário de se chegar a uma identidade
cristalizada, torna-se o que se é, é abrir-se às possibilidades da existência. Envolve
a coragem de assumir nossas experiências, sem deturpá-las por não estarem de
acordo com uma imagem já formada do que somos.
O novo, em nós, assusta e desestabiliza. Em uma vida quase automática, onde
produzimos em série e não paramos para pensar sobre o que sentimentos e
fazemos, torna-se difícil lidar com o que se apresenta diferentemente do que já
estávamos habituados. O conhecido é seguro e o novo gera estranhamento.
Durante o processo da psicoterapia nos deparamos com novos sentimentos e novas
significações, que nos abrem para novas e diferentes formas de existir e atuar no
mundo. “Ser o que se é” é aceitar e vivenciar a cada instante o novo, o fluido e o
mutável em nós. Desta forma, a frase que melhor expressaria a idéia de processo
contínuo seria: ser o que se está sendo, pois esta transmite melhor a idéia de
processo e fluidez que perpassa esta expressão. Trata-se de um modo de
funcionamento onde tudo o que se passa no organismo é aceito e validado,
propiciando, assim, um estado de congruência. “Ser genuíno significa fazer aquilo
porque a situação clama” (O’Hara, 1983, p. 120) ao contrário de agir baseando-se
em situações e comportamentos anteriores. É aceitar cada momento como novo, e
agir segundo a experiência atual, sem se fixar em estruturas passadas. É
acompanhar o fluxo e a fluidez das experiências de cada momento. A noção de eu
deve ser flexível para abarcar uma diversidade maior das experiências de cada
momento, sem se fechar a uma estrutura já cristalizada. Se toda experiência
organísmica fosse simbolizada corretamente, teríamos o ponto máximo de
congruência e funcionamento pleno. Logo, esta pessoa seria a cada momento o que
ela realmente é. Pois seria na consciência e na ação tudo o que é em sua
experiência organísmica, sem negar ou deixar de lado qualquer sentimento. “Ser o
que se é” é um processo que envolve sabedoria, coragem e responsabilidade,
sendo o que se está sendo.
Referências
Gaspar, Y. E. & Mahfoud, M. (2006) Uma leitura histórica do conceito de
experiência e uma proposta de compreensão do ser humano em seu caráter
essencial: experiência elementar e suas implicações para a psicologia. Em
Sociedade Brasileira de Estudos e Pesquisa Qualitativa (Org.). Anais do III
Seminário Internacional de Pesquisa e Estudos Qualitativos & V Encontro de
Fenomenologia e Análise do Existir em São Bernardo do Campo. São Paulo:
SE&PQ.
Retirado
em
08/09/2010,
da
World
Wide
Web:
http://www.sepq.org.br/IIIsipeq/anais/pdfs/pchf11.pdf
Moreira, V. (2007). De Carl Rogers a Merleau-Ponty: a pessoa mundana em
psicoterapia. São Paulo: Annablume.
Moreira, V. (2009). Clínica humanista fenomenológica: estudos em psicoterapia e
psicopatologia crítica. São Paulo: Annablume.
O’Hara, M. M. (1983). Psicoterapia centrada na pessoa: tecnologia da mudança ou
busca de conhecimento. Em C. R. Rogers, J. K. Wood & M. M. O’Hara
(Orgs.). Em busca de vida: da terapia centrada na pessoa à abordagem
Memorandum 20, abr/2011
Belo Horizonte: UFMG; Ribeirão Preto: USP
ISSN 1676-1669
http://www.fafich.ufmg.br/memorandum/a20/britomoreira01
Brito, R. M. M. & Moreira, V. (2011). “Ser o que se é” na psicoterapia de Carl Rogers: um
estado ou um processo?. Memorandum, 20, 201-210. Retirado em / /
, da World
Wide Web http://www.fafich.ufmg.br/memorandum/a20/britomoreira01
210
centrada na pessoa (pp. 103-121). (A. H. L. da Fonseca, Trad.). São Paulo:
Summus. (Original publicado em 1980).
Pessoa, F. (1994). Para ser grande, sê inteiro. Em F. Pessoa. Odes de Ricardo Reis
(p. 148). Lisboa: Ática. (Original publicado em 1933).
Rocha, S. P. V. (2004). Tornar-se quem se é: a vida como exercício de estilo. Em
D. Lins (Org.). Nietzsche e Deleuze: arte, resistência (pp. 292-303). Rio de
Janeiro: Forense Universitária.
Rogers, C. R. (1975) Terapia centrada no cliente (M. do C. Ferreira, Trad.). São
Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1951).
Rogers, C. R. (1987). A essência da psicoterapia: momentos de movimento (A. M.
dos Santos, Trad.). Em A. M.Santos, C. R. Rogers & M. C. V. B. Bowen
(Orgs.). Quando fala o coração: a essência da psicoterapia centrada na
pessoa (pp. 13-19). Porto Alegre: Artes Medicas. (Original publicado em
1959).
Rogers, C. R. (2008). As condições necessárias e suficientes para a mudança
terapêutica da personalidade (J. Doxey, L. M. Assumpção, M. A. Tassinari,
M. Japur, M. A. Serra, R. Wrona, S. R. Loureiro & V. Cury, Trad.). Em J. K.
Wood (Org.). Abordagem centrada na pessoa (4ª ed., pp.155-177). Vitória:
Edufes. (Original publicado em 1957).
Rogers, C. R. (2009). Tornar-se pessoa (6ª ed.). (M. J. do C. Ferreira & A.
Lamparelli, Trads.). São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em
1961).
Rogers, C. R. & Kinget, G. M. (1977). Psicoterapia e relações humanas (vol. I). (M.
L. Bizzotto, Trad.). Belo Horizonte: Interlivros. (Original publicado em 1965).
Wood, J. K. (1983). Sombras da entrega: tendências na percepção interior nas
abordagens centradas na pessoa. Em C. R. Rogers, J. K. Wood & M. M.
O’Hara (Orgs.). Em busca de vida: da terapia centrada na pessoa à
abordagem centrada na pessoa (pp. 23-44). (A. H. L. da Fonseca, Trad.).
São Paulo: Summus. (Original publicado em 1977).
Nota sobre as autoras
Rafaella Medeiros de Mattos Brito – Graduada em Psicologia pela Universidade
Federal do Ceará. Aluna do Curso de Formação em Psicoterapia HumanistaFenomenológica. Contato: [email protected]
Virginia Moreira – Psicóloga; Psicoterapeuta humanista-fenomenológica; Doutora
em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC-SP
(São Paulo, SP, Brasil); Pós-doutorada em Antropologia Médica pela Harvard
Medical School (CAPES/Fulbright); Docente Titular da Universidade de Fortaleza –
Unifor (Fortaleza,CE, Brasil); Visiting Lecturer do Departamento de Medicina Social
de Harvard Medical School; Supervisora Clínica Especialista em Psicoterapia
credenciada pela Sociedad Chilena de Psicología Clínica (Santiago do Chile, Chile).
Data de recebimento: 12/08/2010
Data de aceite: 17/05/2011
Memorandum 20, abr/2011
Belo Horizonte: UFMG; Ribeirão Preto: USP
ISSN 1676-1669
http://www.fafich.ufmg.br/memorandum/a20/britomoreira01
Fly UP