...

Falsas denúncias e o Diagnóstico diferencial das alegações de

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

Falsas denúncias e o Diagnóstico diferencial das alegações de
Falsas denúncias e o Diagnóstico diferencial
das alegações de abuso sexual*
False Statements and the Differential Diagnosis
of Abuse Allegations
William Bernet, M.D.
Tradução Brasileira: Tamara Brockhausen**
Resumo
O objetivo deste artigo é classificar e definir as várias formas de alegações de
abuso sexual infantil, uma vez que os psiquiatras infantis não têm uma forma
consistente de classificá-las e em função de não haver definições gerais aceitas
sobre as muitas formas as quais as alegações podem surgir. Método: o autor
fez uma revisão de 40 artigos, capítulo e livros que contém exemplos de falsas
alegações de abuso sexual feitas por crianças e seus cuidadores. Resultado:
Este artigo explica os conceitos de programação, sugestão, fantasia, delírio,
má interpretação, mentira inocente, mentira deliberada, confabulação, pseudologia fantástica, hiperestimulação, contágio grupal e substituição de figura
do agressor. Conclusão: A correta classificação das alegações de abuso sexual
é importante tanto no campo clínico como no campo forênsico da psiquiatria.
As definições neste artigo, são baseadas em experiências clínicas que deverão
ser estudadas através de pesquisas sistemáticas. J.Am. Acad. Child Adoles.
Psychiatry, 1993, 32, 5: 903-910.
Palavras-chave: Abuso infantil, abuso sexual, falsas alegações, mentira,
confabulação, pseudologia fantástica.
Este artigo foi publicado originalmente no periódico J. Am. Acad. Child Adolesc. Psychiatry,
32:5, William Bernet, False Statements and the Differential Diagnosis of Abuse Allegations,
p.903-910, Direitos autorais Elsevier, 1993.
**
Psicóloga pela PUC-SP, especialista em psicologia clínica e psicanálise, assistente técnica e
perita psicóloga, expert em Alienação Parental e diagnóstico diferencial de abuso sexual infantil,
mestranda na USP com tema em Síndrome de Alienação Parental. E-mail: [email protected]
hotmail.com
NOTA À EDIÇÃO BRASILEIRA
William Bernet, diretor e professor da faculdade do departamento de psiquiatria forense em
Vanderbilt, nos EUA, atua em avaliações na área criminal e civil para os tribunais, nos EUA.
*
Psic. Rev. São Paulo, volume 19, n.2, 263-288, 2010
264
William Bernet
Abstract
Objective: Because child psychiatrists do not have a consistent way to classify
the untruthful child and because there are no generally accepted definitions
of the many ways in which false statements occur in allegations of abuse,
the objective of this paper is to classify and define the various ways in which
false statements occur in allegations of abuse. Method: the author reviewed
40 articles, chapters, and books that contained examples of false statements
made by children or caregivers in the context of an abuse allegation. Results:
this paper clarifies the concepts of indoctrination, suggestion, fantasy, delusion, misinterpretation, miscommunication, innocent lying, deliberate lying,
confabulation, pseudologia phantastica, overstimulation, group contagion,
Sua práxis envolve avaliação de situações ligadas a guarda de filhos e maus-tratos infantis,
tais como abuso sexual, falsas alegações, alienação parental, entre outros. É autor dos livros,
Parental Alienation, DSM-5 and ICD 11 (2010) e Children of divorce (Bernet, Ash, 2007) e de
artigos científicos, tais como Allegations of abuse created in a single interview (Bernet, 1997)
e Practice Parameters for the forensic evaluation of children and adolescents who may have
been sexually abused (1997).
O presente artigo foi publicado em 1993 em revista científica de psiquiatria infantil. Diferentemente do Brasil, nos EUA, psiquiatras usualmente realizam avaliações em situações de
disputas de guarda ou avaliações para detectar eventual abuso sexual. Esse trabalho assemelhase ao das perícias psicológicas que ocorrem em âmbito judicial, em nosso país, envolvendo a
atuação de profissional psicólogo ou assistente social concursados.
A importância de tornar acessível em Língua Portuguesa artigo que foi publicado há praticamente dezoito anos deve-se ao contexto atual do profissional psicólogo brasileiro. Nos EUA,
esta discussão tem sido objeto de diversos tipos de investigações e estudos profundos desde
a década de 80. A evidência do tema das falsas alegações, no Brasil, iniciou-se timidamente
por volta do ano 2000, sendo portanto assunto muito recente. As falsas acusações, segundo
a opinião de muitos especialistas, têm aumentado drasticamente nos últimos anos, no Brasil,
podendo ser fruto de produto social, não merecendo atenção apenas por ser assunto emergente.
Nossas produções, embora muitas vezes sejam isentas de discussões mais avançadas, como nos
EUA, têm contribuído para trazer à tona a problemática das avaliações para detectar este tipo
de abuso infantil e para o questionamento de crenças profissionais de que crianças não fazem
falsos testemunhos sobre abuso. No meio profissional e até mesmo em pesquisas, constata-se a
realidade do trabalho do profissional e das pessoas e crianças que sofrem falsas acusações. No
entanto, diante da escassez de trabalhos sistemáticos na área da técnica dessas avaliações, do
diagnóstico diferencial, dos efeitos da falsa alegação nas crianças e nos acusados, entre outros
temas adjacentes, a práxis do psicólogo sofre em razão da carência de produções científicas
que orientem com mais rigor o seu trabalho.
As avaliações têm se baseado em métodos para detectar os abusos sexuais, porém não
incluem técnicas para identificar as falsas alegações. Dessa forma, as avaliações, no Brasil,
podem sofrer importante enviesamento, que pode levar a conseqüências mais drásticas, visto
que enseja intervenções no campo da família, infância e criminal. Diante deste cenário, o artigo
de Bernet traz uma rica revisão bibliográfica acerca de diferentes explicações sobre as falsas
alegações, sendo muito esclarecedor aos profissionais que lidam com este tipo de avaliação,
seja na esfera particular ou pública. A partir deste artigo novos questionamentos poderão
surgir, trazendo contribuição a uma área que necessita de maior atenção.
Psic. Rev. São Paulo, volume 19, n.2, 263-288, 2010
Falsas denúncias e o Diagnóstico diferencial das alegações de abuso sexual
265
and perpetrator substitution. Conclusion: the correct classification of abuse
allegations is important in both clinical and forensic child psychiatry. The
definitions in this paper, which are based on clinical experience, should be
studied through systematic research.
Keywords: child abuse, sexual abuse, false allegations, lying, confabulation,
pseudologia phantastica.
Os psiquiatras infantis freqüentemente são procurados para avaliar
crianças que podem ter sido abusadas física ou sexualmente. O propósito da
avaliação pode ser clínico, para determinar se a criança tem um distúrbio
emocional e a razão para o distúrbio; ou forênsico, para ajudar a determinar
se o abuso ocorreu e quem o perpetrou. Um importante aspecto clínico e
forense na avaliação destas crianças deve-se a avaliação da credibilidade
do testemunho infantil.
REVISÃO DA LITERATURA
Ford e outros (1998) fizeram a revisão de estudos que abordam os
aspectos gerais relacionados à mentira. Indicaram que a mentira apresenta
muitos determinantes, incluindo aspectos de desenvolvimento, biológico,
social e psicodinâmico. Chagoya e Schkolne (1986) publicaram uma revisão
de literatura a respeito de crianças que mentem articulando conceitos
psicanalíticos, conceitos de desenvolvimento e a interação entre a criança
e seus pais. Ekman (1989) discutiu as formas de mentir das crianças e suas
motivações. Questões de desenvolvimento tais como a noção gradual de
veracidade foram discutidas por Goldberg (1973), Piaget (1965) e Quinn
(1988).
As crianças podem fazer falsas alegações nas avaliações psiquiátricas.
Elas também podem fazer uma falsa negação a respeito do abuso.
As
descrições clássicas de falsas negações de abuso sexual incluem: o segredo
associado ao incesto (Rush, 1980), a “fase de supressão”, quando a família
pressiona a criança a retratar sua revelação (Sgroi, 1982); a síndrome de
Psic. Rev. São Paulo, volume 19, n.2, 263-288, 2010
266
William Bernet
acomodação do abuso sexual infantil que explica as razões complexas que
motivam crianças do sexo feminino a negarem o incesto e a experiência
que tiveram (Summit, 1983).
Algumas vezes as crianças fazem falsas alegações. Exemplos de casos
foram descritos por Benedek e Schetky (1985); Clawar e Rivlin (1991);
Everson e Boat (1989), Green (1986), Goodwin et al. (1978, 1980); Kaplan
e Kaplan (1981); Peters (1976); Schetky e Green (1988); Schuman (1986,
1987) e Yates e Musty (1988). A maior parte de exemplos de falsas alegações
citadas neste artigo foram retiradas desses artigos e capítulos. Mikkelsen
et al. (1992) classificaram quatro subtipos específicos de falsas alegações
de abuso sexual: aquelas que surgem no contexto da disputa de guarda,
aquelas que são oriundas a partir de distúrbios psicológicos do acusador,
aquelas que são resultantes de manipulação consciente e aquelas que são
causadas por elementos iatrogênicos.
Myers et. Al (1989) revisaram o papel dos peritos em processos de
abuso sexual infantil. Muitos autores sugerem protocolos clínicos para
avaliar a credibilidade da criança incluindo Benedek e Schetky (1987a,
1987b); Clawar e Rivlin (1991); Young (1986); Gardner (1992); Jones
McGraw (1987); Nurcombee Unützer (1991); Quinn (1986, 1992); Schetky
e Green (1988) e Terr (1986). A Academia Americana de Psiquiatria da
Criança e do Adolescente (1990) publicou protocolos para avaliações de
abuso. O protocolo da Academia frisa que “a possibilidade de falsa alegação
precisa ser considerada, particularmente se as alegações são oriundas de um
dos pais mais do que da criança, se os pais estão passando por uma disputa
de guarda ou ação de visitação e/ou se a criança é pré-escolar.
Existem discordâncias em como conduzir e o que concluir a partir
das avaliações de crianças que podem ter sido abusadas: por exemplo, o
artigo de Greens (1986) foi criticado por Corwin et al. (1987). Horner et al.
(1992) descreveu como os clínicos da saúde mental chegaram a diferentes
conclusões a respeito da probabilidade de que o abuso sexual tenha ocorrido
depois de escutarem a apresentação do mesmo caso.
Muitas pesquisas examinaram a sugestionabilidade das crianças. Por
exemplo, Cohen e Harnick (1980) compararam o quanto crianças pequenas
(3 anos), crianças maiores (6anos) e estudantes universitários lembravam
Psic. Rev. São Paulo, volume 19, n.2, 263-288, 2010
Falsas denúncias e o Diagnóstico diferencial das alegações de abuso sexual
267
de eventos de um filme e o quanto eram resistentes a perguntas sugestivas.
Eles concluíram que as crianças pequenas eram menos precisas com relação
à memória e mais suscetíveis a serem influenciadas por induções. Goodman
e Reed (1986), compararam o quanto crianças muito pequenas (3 anos),
crianças pequenas (6 anos) e adultos recordavam sua interação com um
adulto não conhecido e o quanto elas resistiram a questionamento sugestivo. Eles concluíram que crianças muito pequenas foram menos precisas
em responder questões objetivas e foram mais suscetíveis a indução ao
erro ao responder perguntas sugestivas. Eles também concluíram que na
rememoração espontânea, o número de lembranças aumentavam conforme
a idade. Johnson e Foley (1984) fundamentaram que crianças (com menos
de 8 anos) tinham mais dificuldade em distinguir entre eventos imaginados
e aqueles que realmente ocorreram, quando comparado a crianças mais
velhas ou adultos. Inquéritos de investigação nessa área foram publicados
em livros editados por Ceci et. Al (1987) e por Doris (1991).
Terr (1990, 1991) estudou a memória e credibilidade das crianças
no contexto de um experimento elaborado de forma naturalista. No seu
achado, crianças de Chowchilla foram capazes de dar descrições completas
e tiveram memórias vividas de detalhe de um seqüestro em massa. No
entanto, algumas crianças descreveram distorções perceptuais na forma de
ilusões visuais, as quais Terr, pensa terem ocorrido a partir de um trauma
de evento único em oposição ao trauma de eventos repetidos.
Raskin e Steller (1989) sugeriram uma “metodologia compreensiva”
para avaliar a credibilidade das alegações de abuso sexual a qual envolve
aplicação de teste poligráfico ao acusado e uma análise do testemunho da
criança. A análise do conteúdo do testemunho da criança, requer a coleta
de um longo relato realizado por um entrevistador experiente, o que depois
deverá ser analisado segundo critérios específicos. Raskin e Esplin (1991)
descreveram um experimento baseado em critérios de análise de conteúdo
de descrições de crianças sobre abuso sexual que foi utilizado para distinguir
testemunhos falsos de verdadeiros.
Apesar destes autores terem sustentado que geralmente a maior parte
das crianças que alegam abuso estão sendo verdadeiras, eles provavelmente
concordariam que falsas alegações acontecem algumas vezes. Por exemplo,
Psic. Rev. São Paulo, volume 19, n.2, 263-288, 2010
268
William Bernet
a confusão da criança da fantasia com a realidade, indocrinação feita por
um genitor malicioso ou perturbado e a sugestão ou mesmo coerção por
um entrevistador anterior.
O PROBLEMA ATUAL
Existem protocolos para distinguir a criança que mente da criança
que fala a verdade, porém os psiquiatras não têm uma maneira consistente
para entender e classificar a criança que mente. Infelizmente, não existem
definições gerais aceitas sobre as muitas formas as quais o falso testemunho
ocorre. Aquilo que para um clínico é uma “fantasia” para o outro é uma
“má comunicação”, e o que é uma confabulação para um é uma “mentira
patológica” para outro. Para avaliar estas crianças de uma maneira sistemática e confiável, nós devemos esclarecer e categorizar as formas pelas
quais crianças fazem falsos testemunhos.
Este artigo pretende esclarecer os conceitos de programação,
sugestão, fantasia, delírio, má interpretação, má comunicação, mentira
inocente, mentira deliberada, confabulação, pseudologia fantástica, hiperestimulação, contágio grupal e substituição de agressor (tabela 1). Aperfeiçoando nossa terminologia, seremos capazes de refletir o diagnóstico
diferencial das alegações de abuso sexual. Uma vez que definimos o que deve
ser pesquisado em tais avaliações, será possível desenvolvermos métodos
mais confiáveis para conduzir essas avaliações.
DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE ALEGAÇÕES DE ABUSO
As possibilidades a seguir deverão ser consideradas quando uma
criança for trazida para avaliação psiquiátrica e forem feitas alegações de
abuso físico ou sexual.
1. A alegação é verdadeira
A criança e o genitor podem ser precisos e verdadeiros. Este geralmente é o caso, talvez 90% das vezes (Cantwell, 1981).
Psic. Rev. São Paulo, volume 19, n.2, 263-288, 2010
Falsas denúncias e o Diagnóstico diferencial das alegações de abuso sexual
269
Tabela 1. Os mecanismos pelos quais os falsos testemunhos ocorrem
podem ser organizados de diversas formas. Uma das formas é dividi-los
nas três categorias que seguem abaixo
1. A falsa alegação cresce no contesto do divórcio na mente de um genitor ou adulto que
acaba impondo a mente da criança
Má-interpretação ou sugestão do genitor
Má-interpretação de condições físicas
Delírio do genitor
Programação do genitor
Sugestão do entrevistador
Hiperestimulação
Contágio grupal
2. As falsas alegações são causadas primeiramente por mecanismos mentais da criança
que não são conscientes ou propositais
Fantasia
Delírio
Má-interpretação
Má-comunicação
Confabulação
3. A Falsa alegação é causada primariamente por mecanismos mentais da criança que são
normalmente considerados conscientes e propositais
Pseudologia fantástica
Mentira inocente
Mentira deliberada
2. Sugestão ou má-interpretação do genitor
O genitor pode estar ansioso, medroso e histriônico. Ele pode ter
apanhado um comentário inocente ou um fragmento de comportamento
neutro, inflado em algo pior e inadvertidamente induziu a criança a endossar
sua interpretação.
Yates e Musty (1998) descreveram o caso de uma família em que
havia ocorrido o divórcio dos cônjuges, na qual a mãe suspeitava que o pai
teria abusado sexualmente da filha de dois anos. Os serviços de proteção
investigaram e determinaram que não havia ocorrido o abuso. Depois de
Psic. Rev. São Paulo, volume 19, n.2, 263-288, 2010
270
William Bernet
cada visitação com o pai, a mãe continuou a inspecionar a área genital da
criança e questioná-la sobre o abuso sexual. A mãe levou a criança ao terapeuta porque ela estava com medo de homens. Depois de quatro meses de
terapia, a criança colocou a boneca de sexo masculino na área genital da
boneca de sexo feminino e disse a terapeuta: “Batendo, batendo, batendo”.
Os serviços de proteção investigaram novamente e mais uma vez determinaram que o abuso não tinha ocorrido.
3. Má-interpretação de condições físicas
Um genitor que é vingativo ou muito ansioso, ou ainda algum profissional de saúde mental que é mal informado pode dar um salto na conclusão
diante de algum ferimento ou doença da criança como sendo causado por
abuso sexual mais do que considerar uma explicação mais benigna.
Robert, 8 anos, era filho de pais separados. Ele morava com sua
mãe e passou um longo período de férias com seu pai. A Mãe de Robert o
levou para uma avaliação psiquiátrica porque ela achava que ele tinha sido
abusado fisicamente e talvez sexualmente pelo pai durante as férias com
ele. Ela inspecionou Robert minuciosamente no retorno das férias com o
pai e achou marcas nas suas costas que pareciam marcas de queimadura
de cigarro. Ela também achou arranhões superficiais que se estendiam do
umbigo quase até o púbis, o que parecia indicar abuso sexual. Ela colocou o
filho nú para que pudesse fotografar as marcas. Na investigação, as “marcas
de cigarro” revelaram ser mordidas de mosquito que infeccionaram e os
arranhões abdominais foram o resultado dele ter surfado na praia de Myrtle
na Carolina do Norte.
4. Delírio do genitor
Neste caso o genitor é severamente perturbado, uma pessoa paranóica. Ele dividia com a criança uma visão de mundo distorcida, a qual
por sua vez também dividia os mesmos delírios com o genitor. É um caso
Psic. Rev. São Paulo, volume 19, n.2, 263-288, 2010
Falsas denúncias e o Diagnóstico diferencial das alegações de abuso sexual
271
de “folie a deux”, outra possibilidade, a criança simplesmente se submetia
e concordava com o delírio do genitor que persistentemente insistia que o
abuso havia ocorrido.
Green (1986) descreveu o caso a respeito de uma menina de 9 anos
em que a mãe acreditava que seu ex-marido tinha molestado a criança
desde a infância. A menina de forma relutante afirmou que seu pai tinha
esfregado-a contra a cama. A criança afirmou depois que o desfecho não
era verdadeiro e que ela tinha feito uma falsa alegação de abuso sexual
para satisfazer sua mãe e ter uma pausa nas suas perguntas insistentes. Na
avaliação, a mãe revelou ter delírios a respeito da relação da filha com o pai.
5. Programação parental
O genitor fabrica a alegação e instrui a criança em relação ao que
falar.
Clawar e Rivlin (1991) apresentaram muitos exemplos de “programação” de crianças especialmente no contexto de disputa de guarda. Em
um caso (pp. 53-55), uma criança de 12 anos falsamente testemunhou na
corte que seu pai a fez tocar seu enquanto ela subia na sua cama de noite.
O falso testemunho da criança foi originado a partir da doutrinação de sua
mãe e também a partir de suas próprias mentiras.
6. Sugestão do entrevistador
As entrevistas realizadas anteriormente com a criança podem inadvertidamente contaminar as evidências ao serem feitas perguntas sugestivas
ou capciosas.
Um profissional recente na área do serviço de proteção entrevistou
uma menina de 4 anos e perguntou se o pai dela tocou suas partes íntimas. A
criança respondeu que não. O profissional perguntou novamente. A criança
respondeu que não. O profissional afirmou que iria girá-la na cadeira, o que
era divertido, se a criança contasse o que o pai dela havia feito. A menina
Psic. Rev. São Paulo, volume 19, n.2, 263-288, 2010
272
William Bernet
disse que ele não havia feito nada. O profissional a girou na cadeira e ela
gostou. Ele disse que giraria ela de novo na cadeira se ela dissesse o que ele
tinha feito. A menina respondeu que ele tocou suas partes íntimas.
Os cinco processos que foram descritos envolvem uma pessoa
influenciando a criança ou a situação de alguma forma. Os próximos quatro
processos são mecanismos mentais que ocorreram na mente da criança.
7. Fantasia
A criança pode confundir fantasia com realidade. Isto é mais provável
que aconteça com crianças pequenas. Por exemplo, uma criança numa
creche disse a outra criança que foi sexualmente abusada. Naquele ponto,
a criança pode ter confundido o que aconteceu com outra criança, com o
que aconteceu com ela mesma. As fantasias edípicas como explicação para
relatos de incesto foram sugeridas por Rosenfeld et al. (1979). Eles abordaram algumas dificuldades do complexo de Édipo para os clínicos quando
estes estão tentando saber se o relato de incesto do paciente é fantasia ou
realidade.
8. Delírio
Apesar de raro, delírios sobre atividades sexuais podem ocorrer em
crianças maiores e em adolescentes no contexto da psicose.
Jenny, 15 anos, foi admitida em um programa de internação psiquiátrica para pacientes em condição de psicose aguda. Ela estava desorganizada, paranóica, assustada, relutante em falar e em comer. A família sabia
que um ano antes, ela havia sido tocada inapropriadamente por um primo
mais velho, eles comentaram também que Jenny tinha visto este primo
recentemente numa reunião de família. Durante os dias que ela esta em
surto psicótico, ela afirmou por diversas vezes que o primo havia estuprado
ela. Depois que o surto passou, ela explicou que o primo tinha atacado-a
tentando beijá-la e acariciá-la mas que o estupro não havia ocorrido.
Psic. Rev. São Paulo, volume 19, n.2, 263-288, 2010
Falsas denúncias e o Diagnóstico diferencial das alegações de abuso sexual
273
9. Má-interpretação
A má-interpretação pode também ocorrer a partir de uma crença
falsa, mas é derivada de algo que ocorreu primeiramente. Uma criança
pequena fazendo uma má-interpretação pode dizer que duas pessoas
estavam lutando, quando na verdade estavam tendo uma relação sexual.
Um adolescente precoce com uma preocupação acentuada sobre a sexualidade pode interpretar erroneamente um tapinha nas costas como uma
carícia sexual.
10. Má-comunicação
Uma falsa alegação de abuso sexual pode surgir a partir de um mau
entendimento verbal. A criança pode entender equivocadamente conversas
de adulto, o adulto por sua vez pode fazer uma má-interpretação do que a
criança diz ou tirar a fala da criança do contexto.
Yates e Musty (1988) descreveram o caso de uma menina de 5 anos,
em que a mãe questionou-a sobre abuso sexual por parte do pai. A criança
aparentemente confirmou com a cabeça o que a mãe perguntou, “Ele tenta
fazer amor com você?”. Como resultado em função da pergunta, a menina foi
tratada por abuso sexual por muitos meses. Em seguida, ela foi submetida
a uma avaliação psiquiátrica que determinou que a criança simplesmente
quis dizer que ela e seu pai se gostavam muito.
Os próximos dois processos, confabulação e pseudologia fantástica,
são também mecanismos mentais que ocorrem na mente da criança. Às
vezes estes dois processos podem se confundir um com o outro porque
ambos envolvem distorções da memória da criança.
11. Confabulação
Este termo foi definido como “o ato de substituir a perda de memória
por fantasia ou por uma realidade que não é verdadeira para a ocasião”
(Campbell, 1989, p. 146). O conceito de confabulação geralmente implica
Psic. Rev. São Paulo, volume 19, n.2, 263-288, 2010
274
William Bernet
em que o paciente relate histórias para responder perguntas sobre eventos
em que a pessoa não lembra. No entanto, diferentes autores utilizaram o
termo confabulação em sentidos diferentes. Ceci (1991, p.8) usou a palavra
“confabulação” para se referir à mentira consciente e proposital. Nurcombe
(1986) definiu o termo como “fantasias pessoais as quais o sujeito considera
como reais”.
Kopelman (1987) fez achados no sentido de que pessoas normais
confabulam de forma similar aos pacientes com Alzheimer e Síndrome de
Korsakoff. A diferença é que pacientes com danos orgânicos podem confabular quando são questionados por trinta minutos depois de terem escutado
uma história, enquanto que pessoas normais geralmente não confabulam
antes de uma ou duas semanas depois de ter escutado a história.
Benedek e Schetky (1987a) afirmaram que crianças podem “tentar
preencher as lacunas da memória confabulando”. Eles também afirmam
que isso pode ocorrer quando um entrevistador repetidamente reforça para
a criança dar mais informação do que ela realmente lembra.
Crianças pequenas podem incorporar na memória sugestões dos pais
ou dos seus pares. Desse modo, elas confabulam, parcialmente ou completamente, lembranças de episódios para eventos inteiros.
Saywits et al. (1989), conduziu uma pesquisa sobre sugestionabilidade em crianças. Eles descreveram um exemplo de confabulação em
uma menina apesar de não utilizarem este termo. No estudo, 36 meninas
saudáveis, de idade entre 5 e 7 anos fizeram exames médicos completos
que não incluíam exame genital ou anal. Uma semana depois, foi pedido às
meninas que descrevessem o que aconteceu na avaliação médica. Através
da lembrança espontânea, nenhuma menina se lembrou de exames genitais
ou anais. Quando perguntadas especificamente sobre toque genital ou anal,
três garotas afirmaram que ocorreu. Este é um tipo de sugestionabilidade
induzida pelo entrevistador. Uma das meninas disse que o médico colocou
um pedaço de pau em seu reto. Este exemplo, provavelmente é o de uma
confabulação.
Psic. Rev. São Paulo, volume 19, n.2, 263-288, 2010
Falsas denúncias e o Diagnóstico diferencial das alegações de abuso sexual
275
12. Pseudologia Fantástica
A pseudologia fantástica é chamada de mentira fantasiosa mentira
patológica. Ela foi definida como “contar histórias sem discernimento ou
motivo adequado, com tanto entusiasmo que a pessoa que escuta pode ser
convencida de sua verdade”. (Campbell, 1989, p.569). Em alguns casos,
entretanto, uma observação mais próxima pode revelar o motivo subjecente
para a pseudologia. (Geracioti et al. , 1987).
A pseudologia fantástica é um termo antigo que foi cunhado pelo
psiquiatra alemão, Delbruck (1891). Na psiquiatria, o termo foi utilizado
por Kraepelin (1907, pp.526-531) e Bleuler (1924, p.108). A pseudologia
foi descrita em adultos com sociopatia que apresentavam a síndrome de
Munchausen e que tinham algum distúrbio mental orgânico. Kohut (1966)
explicou a pseudologia em termos de narcisismo, a qual envolve a hiperexpansiviadade patológica do self.
Em psiquiatria infantil, o conceito de mentira patológica foi revisto
por Healy and Healy (1915). Eles descreveram muitas formas de mentira
patológica em jovens que foram avaliados pela Primeira Clínica do Tribunal
Juvenil. Uma das primeiras questões da criança hiperativa foi dedicada à
questão da mentira patológica. Com relação a este aspecto, Selling (1942)
afirmou que a mentira patológica era “uma tendência bem definida de dizer
mentiras sobre um problema que poderia ser facilmente verificável e na
qual as mentiras não serviam a algum propósito óbvio nem a personalidade, nem individualmente, nem mesmo a uma situação a qual a pessoa se
encontra”. Meltzer (1942) descreveu a avaliação psicológica para mentirosos
patológicos.
Na literatura psicanalítica, Deutsch (1982) descreveu a pseudologia
fantástica em adolescentes em um artigo originalmente publicado em
1923. Ela definiu a pseudologia como “um sonho diurno que é comunicado
como realidade”. Ela também sustentava que a pseudologia representava
a “reativação do traço de memória inconsciente de uma experiência real
primeira”. Fenichel (1955) concordou com Deustch a acrescentou que a
pseudologia é uma “medida econômica para a manutenção posterior da
repressão”. Isto é, o paciente sabe que a fantasia não é verdadeira e que ela
Psic. Rev. São Paulo, volume 19, n.2, 263-288, 2010
276
William Bernet
ajuda-o a acreditar que a memória reprimida também não é verdade. Anna
Freud (1965) acreditava que a pseudologia fantástica ocorria em crianças
normais que eram capazes de entender o significado de mentir, mas que
regrediam a uma “forma infantil de wishful thinking1” em função de severas
frustrações e desapontamentos.
Charlie, um menino de 5 anos, foi trazido para avaliação psiquiátrica
em função dele repetidamente ter iniciado atividades sexuais com garotos
da vizinhança e da escola. Ele disse à sua mãe que ele tinha aprendido
essas “brincadeiras de xixi” em sua creche anterior. Depois de sua hesitação
inicial, Charlie ficou entusiasmado em contar detalhes sobre as muitas
formas de brincadeiras de xixi. Ele contou infinitas formas delas. A fala
de Charlie, depois de uma série de entrevistas, era exuberante, expansiva,
com detalhes elaborados do cotidiano e da creche. Ele disse que ele passou
por dez tipos de escolas, que ele morou no México, que a sua professora
estava num avião que explodiu, que ele mesmo viu o avião explodir, que
mãe de um menino morreu que ele viu o garoto enfiou o pênis no sangue
dela, que outro garoto enfiou um lápis no pênis atravessando de um lado
ao outro, que ele viu uma mulher sentar no vaso sanitário, que o assento
estava levantado e ele viu ela sentar bem no cocô, que ele poderia levantar
uma mesa com um dedo apenas, que tinham seis crianças no banheiro do
consultório do entrevistador que estavam fazendo brincadeiras de xixi e
que uma dessas crianças estava vestida de palhaço, com o rosto branco,
nariz verde e chapéu.
Minha impressão é que Charlie foi estimulado sexualmente de alguma
forma mas a maior parte do que foi dito é uma mentira fantasiosa. Parte
do relato dele é semelhante ao que os outros autores descreveram. Enfiar
o pênis no sangue assemelha-se a um ritual satânico e a roupa do palhaço
parece casos em que crianças que foram abusadas disseram que a roupa com
a qual o agressor se fantasiava eram como os trajes de desenhos infantis.
Talvez o caso de tais crianças também fossem de pseudologia.
1 Wishful thinking - Wikipédia – definido como palavra de difícil tradução para o português,
utilizada no sentido de tomar os desejos por realidades e tomar decisões, ou seguir raciocínios,
baseados nesses desejos em vez de em factos ou na racionalidade. Pode ser traduzido como
optimismo exagerado.
Psic. Rev. São Paulo, volume 19, n.2, 263-288, 2010
Falsas denúncias e o Diagnóstico diferencial das alegações de abuso sexual
277
Uma revisão da literatura psiquiátrica não aponta nenhum caso
de pseudologia fantástica como base para falsa alegação de abuso sexual.
Foram publicados casos que parecem ser pseudologia fantástica, mas que
os autores não as identificaram utilizando este termo.
Yates e Musty (1988) descreveram o caso de um menino, Carl, 5
anos, que contou histórias elaboradas sobre abuso sexual e que inúmeros
psiquiatras e psicólogos referiram não acreditar ter ocorrido. Carl era uma
criança impulsiva que fazia exibicionismo genital, mentia e manipulava. Ele
“gostava de falar de abuso”. Ele disse ao serviço de proteção que sua mãe
o bateu com seu punho, chutou-o, beliscou nas partes íntimas e “mordeu
tão forte no meu pênis que eu fiz xixi na boca dela”. Quando Carl estava
num orfanato, ele acusou o terapeuta de molestá-lo e pediu para seu pai
substitutivo andasse com as calças abaixadas.
Na literatura mais antiga entretanto, Healy e Healy (1915), relataram
diversos casos de falsas alegações de abuso sexual que foram atribuídas a
pseudologia fantástica. William Healy, precursor da Clínica da Corte Juvenil
nos Estados Unidos, sustenta que a mentira patológica é um fenômeno
diferente da mentira na delinqüência juvenil. Ele descreveu que a mentira
patológica ocorre em aproximadamente 1% dos delinqüentes e que as “falsas
acusações patológicas ocorrem em aproximadamente 0.5% dos casos”.
Por exemplo, Healy descreveu como Bessie, uma menina de 9 anos,
acusou seu pai e seu irmão de incesto. Bessie viveu em inúmeras famílias
substitutas e apenas ficou junto com o seu pai por 6 meses. Bessie tinha
uma maneira dramática de dizer que ela pegou uma “doença horrível” de
seu pai. Ela disse que as relações com seu pai e irmão ocorriam toda noite.
Ela descreveu inúmeras outras atividades sexuais que começaram quando
ela tinha 5 anos. Ela disse que ela participava de diversas atividades, desde
masturbação até relações sexuais. Ela disse que suas experiências envolviam
uma série de meninos e meninas e dois homens com os quais ela viveu na
household2. Depois de avaliar este caso, Healy sustentou que Bessie “teve
muitas experiências sexuais”. Mas ele concluiu que suas histórias dramáticas
2 Household – nome dada as unidades familiares nos USA que realizam os cuidados das
crianças retiradas do lar, tais cuidados são realizados por profissionais. Seria algo semelhante
ao que no Brasil equivale aos abrigos.
Psic. Rev. São Paulo, volume 19, n.2, 263-288, 2010
278
William Bernet
foram muito além do que realmente aconteceu e ainda que ele não acreditava que a relação incestuosa com seu pai e seu irmão tenha ocorrido. Ele
alertou que “a primeira história da menina foi tão bem contada que muitos
estiveram irrevogavelmente convencidos da culpa do pai”.
Os próximos dois processos envolvem a mentira. Crianças mentem
de muitas formas. Anna Freud (1965, p.115) definiu três formas de decepção
para distinguir de mentira inocente e, mentira patológica e mentira delinqüencial. Kerns (1987) claramente distinguiu entre mentira, mentira patológica, delírio e confabulação. Chagoya e Schkolne (1986), Anna Freud (1913)
e Goldberg (1973) discutiram a questão da mentira infantil e adolescente.
13. Mentira Inocente
Crianças pequenas, especialmente por volta de 4-5 anos, freqüentemente fazem falsa alegações quando parece ser a melhor forma de lidar
com a situação em que estão envolvidas. Gesell e Ilg (1946) afirmaram que
crianças normais de quatro anos contam histórias exageradas. Para ilustrar
esse fenômeno, Goldberg (1973) descreve como um garoto de 3 anuncia
a sua mãe que ele tinha acabado de falar com o médico, quem teria dito
ao menino para não comer nenhum tipo de legumes. Quando a mãe disse
que ia ligar para o médico para ter certeza, o menino acrescentou que ele
havia morrido.
Derdeyn et. Al (1992) relataram um incidente originado a partir de
uma mentira inocente e que levou a uma alegação de abuso sexual. Justin,
4 anos, encostou um boneco em seu pênis e fez um barulho de beijo, o qual
foi visto pela sua mãe. Ela perguntou “Quem fez isso a você?” ele respondeu
com uma palavra “papai”. Avaliando o caso, os autores determinaram que
tinha havido conflito entre os pais que eram divorciados. O menino provavelmente fez uma “mentira inocente” para desviar para a figura do pai, a
raiva da mãe, que estava sendo deferida contra a própria criança.
Provavelmente no futuro haverá mais exemplos de mentira inocente
como base para alegação de abuso sexual. A razão para isso é que as crianças
são ensinadas sobre abuso sexual (toque bom e toque ruim) e os pais estão
atentos para a possibilidade de abuso sexual estando mais dispostos a
Psic. Rev. São Paulo, volume 19, n.2, 263-288, 2010
Falsas denúncias e o Diagnóstico diferencial das alegações de abuso sexual
279
perguntar as crianças sobre suas experiências. Em alguns casos, crianças
não abusadas vão relatar que elas foram abusadas sem realizar a importância do engano que possa estar sendo gerado.
14. Mentira deliberada
Este item se refere a fabricações intencionais e para uso próprio
que são comuns entre crianças e adolescentes. Crianças maiores podem
entender completamente as questões morais que envolvem uma alegação
de abuso mas escolhem se esquivar ou distorcer a verdade por vingança
ou vantagens pessoais.
Wanda, uma menina de 14 anos ficou grávida e estava muito preocupada com a repercussão da notícia em relação aos seus pais. Ela acusou
seu padrasto de molestá-la para proteger seu relacionamento com um
garoto de 18 anos. Sua acusação serviu a um duplo propósito de proteger
seu namorado e constranger seu padrasto.
Os próximos três processos descritos neste artigo: hiperestimulação,
contágio grupal, e substituição de figura de abusador podem também
oferecer explicações subjacentes as falsas alegações de abuso sexual.
15. Hiperestimulação
Schetky e Green (1988) descreveram de forma eloqüente como
algumas práticas parentais, tais como toque genital e nudez, podem resultar
em hiperestimulação sexual crônica. O comportamento sedutor dos pais,
apesar de não ser necessariamente abusivo por si só, se torna mais problemático no contexto da separação e do divórcio. Por exemplo, uma mãe
relativamente razoável, pode super reagir a uma relação pai-filha levemente
sedutora, alegando abuso sexual.
16. Contágio Grupal
Os pais e a criança podem ser vítimas de uma epidemia de histeria,
nas quais rumores se espalham e as pessoas assustadas modificam o que
Psic. Rev. São Paulo, volume 19, n.2, 263-288, 2010
280
William Bernet
elas escutaram de forma consistente com suas necessidades emocionais.
Conforme recontado, o rumor se torna cada vez mais e mais convincente.
As explicações sociológicas e psicológicas para o contágio histérico são
retomadas revistas por Gehlen (1977). Na sua visão o contágio histérico
é um tipo de mania nas quais os participantes dividem as expectativas
“exibindo certos comportamentos terão ganhos secundários no papel de
doente”. Kenner (1988) sugeriu que o contágio histérico era a explicação,
por exemplo, das alegações de abuso sexual que envolveram uma creche.
17. Substituição da figura do agressor
Um dos aspectos desconcertantes deste tipo de avaliação, é que a
criança pode de fato ter sido sexualmente molestada (e por essa razão
manifesta sintomas consistentes com abuso) mas identifica a pessoa errada
como abusador (fazendo uma falsa alegação). Este não é um problema
simples, uma vez que uma substituição pode ser resultado de uma série de
mecanismos já descritos. Ela pode ser baseada em fantasia, uma vez que
acriança abusada pode confundir um tio abusador com o pai em função de
desejos edípicos e em função dos flertes do pai. Um jovem psicótico que
foi abusado por uma pessoa pode desenvolver um delírio envolvendo outra
pessoa. Através do mecanismo de confabulação e de pseudologia fantástica,
uma criança abusada pode apontar uma pessoa errada como perpetuadora.
E também a criança pode simplesmente mentir a respeito da identidade
do perpetuador.
DISTINGUIR FORMAS DE FALSIFICAÇÃO
A confiabilidade dos interavaliadores será mais alta se usarem a
mesmas definições. Apesar de ser possível que estes conceitos se sobreponham ou se misture, é possível na maioria das vezes manter distinções. Os
conceitos listados neste artigo serão esclarecidos ao serem diferenciados
uns dos outros.
Psic. Rev. São Paulo, volume 19, n.2, 263-288, 2010
Falsas denúncias e o Diagnóstico diferencial das alegações de abuso sexual
281
Fantasia e Delírio versus Confabulação e pseudologia fantástica
A primeira ocorre na mente de uma pessoa enquanto a outra envolve
trocas nas relações com outras pessoas.
Fantasia versus Delírio
A fantasia é uma imagem mental que uma pessoa sabe que não
representa a realidade sendo facilmente suprimida. O delírio é uma crença
equivocada culturalmente excêntrica que resiste a modificação e ao teste
da realidade.
Confabulação versus pseudologia fantástica
Este mecanismo mental pode ser diferenciado de diversas formas. (1)
Neles o contexto social é diferente. A confabulação é evocada por perguntas
que são feitas por outra pessoa. A pseudologia fantástica é criada para
impressionar ou influenciar os outros. (2) A forma do relato é diferente. A
confabulação é relativamente um breve relato a uma pergunta específica.
Na pseudologia fantástica, histórias complexas e longas vão muito além
das perguntas feitas e são dadas de forma envolvente e entusiasmantes (3).
A confabulação e pseudologia diferem na forma como a pessoa responde
quando confrontada com evidente contradição: o confabulador adere a sua
história enquanto na pseudologia a pessoa deixa de lado a história e passa
a contar outra.
Confabulação versus má-interpretação
A má interpretação pode gerar uma crença falsa, mas é derivada de
algo que realmente aconteceu em primeiro lugar. Uma criança que faz uma
má interpretação pode dizer que duas pessoas estavam lutando quando na
verdade estavam tendo uma relação sexual. Uma criança que confabula
pode dizer que duas pessoas estavam lutando quando na realidade estavam
conversando.
Psic. Rev. São Paulo, volume 19, n.2, 263-288, 2010
282
William Bernet
Confabulação versus mentira deliberada
Neste caso a criança que está mentindo sabe que o faz e pretende
enganar. O confabulador não realiza o que ele está fazendo.
Pseudologia fantástica versus mentira deliberada
Pode ser difícil distinguir estes dois tipos de fenômeno sem compreender a motivação do sujeito. O mentiroso delinqüente mente e sabe exatamente o que ele está fazendo. Na pseudologia fantástica, o fabulista, tenta
se engrandecer na relação com outra pessoa ou influenciar essa pessoa. Ele
o faz contando histórias atrativas e pode estar tão envolvido na mentira que
pode passar a acreditar na história que conta.
DISCUSSÃO
O diagnóstico diferencial e as distinções levantadas neste artigo
são importantes por diversos motivos. Têm sido realizadas consideráveis
pesquisas para distinguir quando a criança fala a verdade ou quando mente.
Tem havido poucos esforços para identificar a natureza dessas mentiras.
Em outras palavras, além de ser necessário desenvolver um termômetro
preciso para detectar as febres, também é necessário identificar e classificar
as causas da febre. Os psiquiatras necessitam de um método fidedigno para
avaliar e classificar as crianças que fizeram uma alegação de abuso.
Alguns autores confundem as discussões sobre o tema afirmando de
forma simplista que crianças pequenas não mentem quando são perguntadas sobre abuso sexual. Autores que escreveram sobre falsas alegações
geralmente não consideraram as falsificações criadas espontaneamente por
crianças, por exemplo, pseudologia fantástica e confabulação. É possível
que alguns relatos atribuídos a atividades satânicas (por exemplo “rituais”
envolvendo sangue, infanticídio, abusadores vestidos de fantasias) são na
realidade exemplos de pseudologia fantástica.
Alguns clínicos podem considerar a avaliação da credibilidade do
testemunho da criança um processo incógnito apenas relevante para a
Psic. Rev. São Paulo, volume 19, n.2, 263-288, 2010
Falsas denúncias e o Diagnóstico diferencial das alegações de abuso sexual
283
psiquiatria forense tendo pouca importância para a avaliação da rotina
clínica e da psicoterapia. O terapeuta pode dizer, por exemplo, que não
importa se o abuso sexual de fato ocorreu, e se a criança acredita que de
fato ocorreu, o tratamento intensivo é necessário. No entanto, esta posição
pode gerar erros importantes do tratamento e diagnóstico de crianças. A
terapia de crianças que relatam abuso sexual repetido provavelmente seria
completamente diferente, se o terapeuta pensa que a criança refere eventos
verdadeiros ou se ele pensa que a criança estava iludida ou engajada em
uma confabulação, em uma pseudologia fantástica ou em uma fabricação
deliberada.
BIBLIOGRAFIA
American Academy of Child and Adolescent Psychiatry (1990). Policy
statement: guidelines for the clinical evaluation of child and
adolescent sexual abuse. Washington, D.C.: American Academy of
Child and Adolescent Psychiatry.
Benedek, E. P., & Schetky, D. H. (1985). Allegations of sexual abuse in
child custody and visitation disputes. In: Emerging Issues in Child
Psychiatry and the Law, edited by D. H. Schetky and E. P. Benedek.
New York: Brunner/Mazel.
Benedek, E. P., and Schetky, D. H. (1987a). Problems in validating
allegations of sexual abuse. Part 1: Factors affecting perception and
recall of events. J. Am. Acad. Child Adolesc. Psychiatry, 26: 912-915.
Benedek, E. P., and Schetky, D. H. (1987b). Problems in validating
allegations of sexual abuse. Part 2: Clinical evaluation. J. Am. Acad.
Child Adolesc. Psychiatry, 26: 916-921.
Bleuler, E. (1924). Textbook of Psychiatry. New York: MacMillan Company.
Campbell, R. J. (1989). Psychiatric Dictionary, 6th edition. New York:
Oxford University Press.
Cantwell, H. B. (1981). Sexual abuse of children in Denver, 1979: reviewed
with implications for pediatric intervention and possible prevention.
Child Abuse and Negl., 5: 75-85.
Psic. Rev. São Paulo, volume 19, n.2, 263-288, 2010
284
William Bernet
Ceci, S. J. (1991). Some overarching issues in the children’s suggestibility
debate. In: The Suggestibility of Children’s Recollections:
Implications for Eyewitness Testimony, ed. J. Doris. Washington,
D.C.: American Psychological Association.
Ceci, S. J., Toglia, M. P. & Ross, D. F. (1987). Children’s Eyewitness
Memory. New York: Springer-Verlag.
Chagoya, L., & Schkolne, T. (1986). Children who lie: a review of the
literature. Can. J. Psychiatry, 31: 665-669.
Clawar, S. S., & Rivlin, B. V. (1991). Children Held Hostage: Dealing with
Programmed and Brainwashed Children. Chicago, IL: American
Bar Association.
Cohen, R. L., & Harnick, M. A. (1980). The susceptibility of child witnesses
to suggestion. Law Human Behavior, 4: 201-210.
Corwin, D. L., Berliner, L., Goodman, G., Goodwin, J., & White S. (1987).
Child sexual abuse and custody disputes: no easy answers. J.
Interpersonal Violence, 2: 91-105.
Delbrück (1891). Die pathologische Lüge und die psychisch abnormen
Schwindler. Stuttgart: Enke.
Derdeyn, A. P., Poehailos, A., & Seigle, E., (1992). Adequate Evaluation
of Divorce-Related Child Sexual Abuse Allegations. Symposium
presented at the annual meeting of the American Academy of Child
and Adolescent Psychiatry, Washington, D.C., October 20-25, 1992.
de Young, M. (1986). A conceptual model for judging the truthfulness of
a young child’s allegation of sexual abuse. Am. J. Orthopsychiatry,
56: 550-559.
Deutsch, H. (1982). On the pathological lie (pseudologia phantastica). J.
Am. Acad. Psychoanal., 10: 369-386.
Doris, J., editor (1991). The Suggestibility of Children’s Recollections:
Implications for Eyewitness Testimony. Washington, D.C.:
American Psychological Association.
Ekman, P. (1989). Why Kids Lie. New York: Scribner.
Everson, M. D., & Boat, B. W. (1989). False allegations of sexual abuse by
children and adolescents. J. Am. Acad. Child Adolesc. Psychiatry,
28: 230-235.
Psic. Rev. São Paulo, volume 19, n.2, 263-288, 2010
Falsas denúncias e o Diagnóstico diferencial das alegações de abuso sexual
285
Fenichel, O. (1955). The economics of pseudologia phantastica. In: The
Collected Papers, Second Series. Eds: H. Fenichel & D. Rapaport,
London: Routledge and Kegan Paul, p. 133.
Ford, C. V., King, B. H., & Hollender, M. H. (1988). Lies and liars: psychiatric
aspects of prevarication. Am. J. Psychiatry, 145: 554-562.
Freud, A. (1965). Normality and Pathology in Childhood: Assessments of
Development. New York: International Universities Press.
Freud, S. (1913). Two lies told by children. Standard Edition,Volume 12.
London: Hogarth, 1958.
Gardner R. A. (1992). True and False Accusations of Child Sex Abuse.
Cresskill, N.J.: Creative Therapeutics.
Gehlen, F. L. (1977). Toward a revised theory of hysterical contagion. J.
Health Soc. Behav., 18: 27-35.
Geracioti, T. D., VanDyke, C., Mueller, J., & Merrin, E. (1987). The onset
of Munchausen’s syndrome. Gen. Hosp. Psychiatry, 9: 405-409.
Gesell, A., & Ilg, F. L. (1946). The Child from Five to Ten. New York:
Harper.
Goldberg, A. (1973). On telling the truth. Adolescent Psychiatry, 2: 98-112.
Goodman, G. S., & Reed, R. S. (1986). Age differences in eyewitness
testimony. Law Human Behavior, 10: 317-332.
Goodwin, J., Cauthorne, C. G., & Rada, R. T. (1980). Cinderella syndrome:
children who simulate neglect. Am. J. Psychiatry, 137: 1223-1225.
Goodwin, J., Sahd, D., & Rada R. T. (1978). Incest hoax: false accusations,
false denials. Bull. Am. Acad. Psychiatry Law, 6: 269-276.
Green, A. H. (1986). True and false allegations of sexual abuse in child
custody disputes. J. Am. Acad. Child Psychiatry, 25: 449-456.
Healy, W., & Healy, M. T. (1915). Pathological Lying, Accusation, and
Swindling: A Study in Forensic Psychology. Boston: Little, Brown.
Horner, T. M., Guyer, M. J., & Kalter, N. M. (1992). Prediction, prevention,
and clinical expertise in child custody cases in which allegations of
child sexual abuse have been made. Family Law Quarterly, 26:
141-170.
Psic. Rev. São Paulo, volume 19, n.2, 263-288, 2010
286
William Bernet
Johnson, M. K. & Foley, M. A. (1984). Differentiating fact from fantasy:
the reliability of children’s memory. In: The Child Witness, ed. G.
S. Goodman. Journal of Social Issues, 40: 33-50.
Jones, D. P. H., & McGraw, J. M. (1987). Reliable and fictitious accounts of
sexual abuse to children. J. Interpersonal Violence, 2: 27-45.
Kaplan, S. L., and Kaplan, S. J. (1981). The child’s accusation of sexual abuse
during a divorce and custody struggle. Hillside J. Clin. Psychiatry,
3: 81-95.
Kenner, W. D. (1988). Letter to the editor: the sex abuse controversy. J.
Amer. Acad. Child Adolesc. Psychiatry, 27: 800.
Kerns, L. L. (1987). Falsification in the psychiatric history: a differential
diagnosis. Psychiatry, 49: 13-17.
Kohut, H. (1966). Forms and transformations of narcissism. J. Amer.
Psychoanal. Assoc., 14: 243-272.
Kopelman, M. D. (1987). Two types of confabulation. J. Neurol.Neurosurg.
Psychiatry, 50: 1482-1487.
Kraepelin, E. (1907). Clinical Psychiatry, edited by A. R. Diefendorf. New
York: MacMillan.
Meltzer, H. (1942). The psychological testing of pathological liars. Nervous
Child,1: 314-334.
Mikkelsen, E. J., Gutheil, T. G., & Emens, M. (1992). False sexual-abuse
allegations by children and adolescents: contextual factors and
clinical subtypes. Am. J. Psychotherapy, 46: 556-570.
Myers, J. E. B., Bays, J., Becker, J., Berliner, L., Corwin, D., & Saywitz, K.
(1989). Expert testimony in child sexual abuse litigation. Nebraska
Law Review. 68: 1-145.
Nurcombe, B. (1986). The child as witness: competency and credibility. J.
Am. Acad. Child Psychiatry, 25: 473-480.
Nurcombe, B., and Unützer, U. (1991). The ritual abuse of children: clinical
features and diagnostic reasoning.” J. Am. Acad. Child Adolesc.
Psychiatry, 30: 272-276.
Peters, J. (1976). Children who are victims of sexual assault and the
psychology of offenders. Amer. J. Psychother., 30: 398-421.
Psic. Rev. São Paulo, volume 19, n.2, 263-288, 2010
Falsas denúncias e o Diagnóstico diferencial das alegações de abuso sexual
287
Piaget, J. (1965). The Moral Judgement of the Child. London: Routledge
and Kegan Paul, pp. 135-194.
Quinn, K. M. (1986). Competency to be a witness: a major child forensic
issue. J. Am. Acad. Psychiatry and the Law, 14: 311-321.
Quinn, K. M. (1988). Children and deception. In: Clinical Assessment of
Malingering and Deception, ed. R. Rogers. New York: Guilford
Press.
Quinn, K. M. (1992). The child witness. In: Clinical Handbook of Child
Psychiatry and the Law, eds. D. H. Schetky & E. P. Benedek.
Baltimore: Williams & Wilkins.
Raskin, D. C. & Esplin, P. W. (1991). Assessment of children’s statements
of sexual abuse. In: The Suggestibility of Children’s Recollections:
Implications for Eyewitness Testimony, ed. J. Doris. Washington,
D.C.: American Psychological Association.
Raskin, D. C., and Steller, M. (1989). Assessing credibility of allegations of
child sexual abuse: polygraph examinations and statement analysis.
In: Criminal Behavior and the Justice System: Psychological
Perspectives, ed. H. Wegener, F. Lösel, J. Haisch. New York:
Springer-Verlag.
Rosenfeld, A. A., Nadelson, C. C., Krieger, M. (1979). Fantasy and reality in
patients’ reports of incest. J. Clin. Psychiatry, 40: 159-164.
Rush, F. (1980). The Best Kept Secret. New York: Prentice Hall.
Saywitz, K., Goodman, G. S., Nicholas, E., & Moan (1989). Children’s
memory for a genital examination: implications for child sexual
abuse cases. Summarized in Goodman, G. S., & Clarke-Stewart,
A., Suggestibility in children’s testimony. In: The Suggestibility of
Children’s Recollections: Implications for Eyewitness Testimony,
ed. J. Doris. Washington, D.C.: American Psychological Association,
1991.
Schetky, D. H., and Green, A. H. (1988). Child Sexual Abuse: A Handbook
for Health Care and Legal Professionals. New York: Brunner/Mazel.
Schuman, D. C. (1986). False accusations of physical and sexual abuse.
Bull. Am. Acad. Psychiatry Law, 14: 5-21.
Psic. Rev. São Paulo, volume 19, n.2, 263-288, 2010
288
William Bernet
Schuman, D. C. (1987). Psychodynamics of exaggerated accusations: positive
feedback in family systems. Psychiatr. Annals, 17: 242-247.
Selling, L. (1942). The psychiatric aspects of the pathological liar. Nervous
Child, 1:335-350.
Sgroi, S. M., ed. (1982). Handbook of Clinical Intervention in Child Sexual
Abuse. Lexington, Mass.: Lexington Books.
Summit, R. C. (1983). The child sexual abuse accommodation syndrome.
Child Abuse & Neglect, 7: 177-193.
Terr, L. C. (1986). The child psychiatrist and the child witness: traveling
companions by necessity if not by design. J. Am. Acad. Child
Psychiatry, 25: 462-472.
Terr, L. (1990). Too Scared to Cry: Psychic Trauma in Childhood. New
York: Harper & Row.
Terr, L. C. (1991). Childhood traumas: an outline and overview. Am. J.
Psychiatry, 148: 10-20.
Yates, A., & Musty, T. (1988). Preschool children’s erroneous allegations of
sexual molestation. Am. J. Psychiatry, 145: 989-992.
Psic. Rev. São Paulo, volume 19, n.2, 263-288, 2010
Fly UP