...

Guilherme Henrique Ismael de Azevedo Universidade Federal

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

Guilherme Henrique Ismael de Azevedo Universidade Federal
RELATÓRIOS DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO v.13, n.2, pp. 16-28
APANHADO BIBLIOGRÁFICO DE QUESTÕES ENERGÉTICAS EM ESTUDOS ECONÔMICOS
Guilherme Henrique Ismael de Azevedo
Universidade Federal Fluminense, Departamento de Engenharia de Produção
[email protected]
Frederico Galaxe Paes
Universidade Federal Fluminense, Departamento de Engenharia de Produção
[email protected]
André Soares Velasco
Universidade Federal Fluminense, Departamento de Engenharia de Produção
[email protected]
Ricardo Bordeaux-Rego
Universidade Federal Fluminense, Departamento de Engenharia de Produção
[email protected]
Resumo
A relação entre crescimento econômico e consumo de energia é amplamente discutida na
literatura. Como evidência desta relação é possível observar que, entre 2005 e 2010, o Brasil apresentou
crescimento econômico de 24,3% e do consumo energético de 24,9%. Nos últimos anos, com a crescente
preocupação com as questões ambientais, muitos estudos econômicos foram feitos com base em questões
energéticas, tal fato foi comprovado através de estudo bibliométrico. Dada a importância da temática
realizaram-se ainda análises econômicas aplicadas relacionadas às energias renováveis, bem como breve
análise das projeções de consumo de energia no Brasil no médio prazo.
Palavras-chave: Modelagem energética, crescimento econômico, demanda energética.
1
Toda a correspondência deve ser enviada ao autor Ricardo Bordeaux-Rego
Artigo submetido em 13/6/2012. Versão final recebida em29/1/2013. Publicado em 31/1/2013
APANHADO BIBLIOGRÁFICO DE QUESTÕES ENERGÉTICAS EM ESTUDOS ECONÔMICOS
1. Introdução
Nos últimos anos, o Brasil vem conseguindo evitar a prolongada crise econômica
mundial. Segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), com exceção de
2009, o Brasil apresentou elevação do Produto Interno Bruto (PIB) durante toda a década de
2000. Ao se considerar apenas de 2005 até 2010, o crescimento acumulado do PIB chega a
24,3%. No mesmo período, segundo o IPEA (www.ipeadata.gov.br) o consumo de energia
aumentou 24,9%, sendo 8,0% apenas em 2010, último ano com disponibilidade de dados sobre
consumo energético.
Com o crescimento do consumo energético no Brasil, surge a ameaça de um novo
racionamento de energia elétrica como ocorreu em 2001, causado pela longa falta de
investimentos no sistema elétrico e de chuvas inviabilizando a geração de energia em diversas
usinas hidroelétricas do país. Naquele ano, o crescimento do PIB ficou em 1,31%, contra
4,31% no ano anterior. Esses números sugerem que, embora pareça necessário que exista uma
relação entre o PIB e o consumo energético, essa relação não é obrigatoriamente direta. Neste
trabalho, será apresentado um apanhado de estudos a respeito da relação entre contas nacionais
e o consumo energético.
Prever o crescimento econômico e antecipar a necessidade de energia é essencial para
elaborar políticas públicas relacionadas à geração, transmissão e distribuição de energia.
Contudo, existe uma grande dificuldade em prever estes movimentos, principalmente nos
países em desenvolvimento, que são responsáveis pela maior parte do crescimento no consumo
mundial de energia. Neste artigo, serão apresentados estudos recentes a respeito de modelagens
energéticas e suas aplicações para a previsão de emissões de CO2 e para o mercado de
derivativos.
Além disso, a crescente preocupação com questões ambientais e com a elevação do
preço do petróleo incentivou o desenvolvimento de fontes alternativas de energia para aumentar
a diversidade de fontes energéticas e reduzir as emissões de gases estufa. Neste trabalho, será
apresentado também um levantamento sobre estudos e avaliações recentemente realizados
sobre fontes alternativas no mundo.
O presente trabalho foi organizado da seguinte forma: Na seção 2, será realizado um
estudo bibliométrico sobre publicações relacionadas à energia em periódicos de economia e
finanças. Em seguida, serão apresentados modelos que relacionam o consumo energético ao
crescimento econômico, com destaque para estudos que avaliam os países da América do Sul.
Na seção 4, são apresentados trabalhos sobre modelagem do consumo energético. Questões
sobre energias renováveis são introduzidas na seção 5. Uma projeção para o consumo
energético no Brasil no período entre 2012 e 2016 será apresentada na seção 6. Por último, são
apresentadas as conclusões e comentários finais.
2. Bibliometria
Com o objetivo de identificar a relevância de estudos econômicos envolvendo questões
energéticas, foi realizado um levantamento bibliométrico através do Portal Scopus
(www.scopus.com). Os dados foram obtidos no dia 29 de novembro de 2012 e filtrados para
considerar apenas periódicos da área “Economia, Econometria e Finanças” em revistas
internacionais (do inglês “Economics, Econometrics and Finance”). O Gráfico 1 apresenta o
quantitativo de publicações desse filtro a partir de 2000, incluindo referências ao Brasil.
17
APANHADO BIBLIOGRÁFICO DE QUESTÕES ENERGÉTICAS EM ESTUDOS ECONÔMICOS
Gráfico 1 – Artigos por ano
Neste gráfico, pode-se observar uma elevação gradual do número de publicações, da
ordem de 5,8% em média por ano. Em 2012, já são mais de 2.300 publicações, o que, mesmo
faltando um mês para o término do ano, representa uma elevação de 56,2% em relação a 2011.
De 2000 a 2012, os artigos que citam o Brasil representam em média 14,5% do total, sendo que
em 2012 o percentual chegou a 18,5%, com o aumento de 86,2% em relação ao ano anterior.
O Gráfico 2 apresenta a quantidade total de artigos publicados nas últimas décadas para
a mesma pesquisa bibliométrica, também considerando o total de artigos e os que citam o
Brasil.
Gráfico 2 – Artigos por década (* apenas até novembro de 2012)
Percebe-se uma tendência de crescimento considerável. Destaca-se que apenas nos três
primeiros anos da década de 2010 (de janeiro de 2010 até novembro de 2012) já foram
publicados 5.231 artigos, equivalente a quase toda a década de 1980 ou 47,5% da década de
2000. Quanto aos artigos que citam o Brasil, seu quantitativo cresce em proporção maior que o
total de artigos, chegando a representar 16,9% dos artigos escrito nesta década.
Observando as informações obtidas através do levantamento bibliométrico, verifica-se
a crescente preocupação da comunidade científica vinculada às áreas de economia e finanças
em relação às questões energéticas no Brasil e no mundo.
O crescimento econômico tem sido relacionado com a demanda de energia através de
modelos econométricos ao longo dos anos. Assim, verificar se há ou haverá disponibilidade
18
APANHADO BIBLIOGRÁFICO DE QUESTÕES ENERGÉTICAS EM ESTUDOS ECONÔMICOS
energética que possibilite o crescimento esperado torna-se uma ferramenta de planejamento
para se evitar racionamentos de energia.
Através de levantamento bibliométrico, foram identificados 9.982 artigos sobre
modelagem energética (do inglês energy modeling) em periódicos da área de Economia e
Finanças, sendo 3.833 publicados a partir de 2008. Do total de artigos, 1.167 (11,7%) citam o
Brasil, sendo que 601 destes foram publicados a partir de 2008, 15,7% dos artigos deste
período.
A crescente importância das questões socioambientais, com a busca pela viabilização
de fontes alternativas, renováveis e não poluentes, também é representada no estudo
bibliométrico. No total, foram publicados 2.942 artigos com referências a energia renovável (do
inglês renewable energy), sendo que 1.249 (42,5%) apenas nos últimos 5 anos, destes 261
(20,9%) citam o Brasil.
A seguir, será apresentado um apanhado bibliográfico a respeito da relação entre
consumo energético e crescimento econômico.
3. Relação entre Energia e Crescimento Econômico
O crescimento econômico tem sido relacionado com a demanda de energia através de
modelos econométricos ao longo dos anos. Na tentativa de mensurar esta relação, são
apresentados alguns trabalhos relevantes sobre o assunto.
O primeiro trabalho de referência publicado por Mason (1955) (apud PINTO JR. et al.
2007) constatava a existência de uma correlação entre a renda nacional e o consumo de energia
per capita, buscando estabelecer estimativas sobre a elasticidade – renda da energia. Essa
constatação era baseada em um gráfico logarítmico, no qual foram plotados dados relativos à
renda nacional e ao consumo de energia de 42 países, para o ano de 1952.
Mainguy (1967) mostrou que existia uma relação de proporcionalidade entre as
variações no consumo de energia e na renda nacional, traduzida em uma elasticidade próxima
da unidade, para a maioria dos países.
Deste modo, havia uma percepção de que existia um único padrão de relação entre o
crescimento do consumo de energia de um país e o crescimento econômico, traduzido em uma
elasticidade – renda próxima de um, que fazia com que todos os países seguissem uma única
trajetória. Dessa forma, havia um indicativo claro da associação entre os crescentes níveis de
consumo energético e os crescentes níveis de renda, onde os países mais pobres, na medida em
que se desenvolviam, iam aumentando o seu consumo de energia na mesma proporção que os
países desenvolvidos aumentavam o seu consumo (MARTIN, 1992; PERCEBOIS, 1989; apud
PINTO JR. et al. 2007).
Darmstadter (1971) mostrou que a relação entre consumo de energia e PIB não era
próxima de 1. O modelo econométrico utilizado por ele foi log (E/P) = α + βY/P, onde E/P
representa o consumo de energia per capita (E é a energia, mensurada em toneladas
equivalentes de carvão, P representa da população, em número de habitantes) e Y/P, a renda
per capita. Além da não proximidade em ralação à unidade, foi verificada a existência de
dispersões significativas, entre diferentes grupos de países, segundo os diferentes estágios de
desenvolvimento. Assim, o autor concluiu que a renda per capita não era a única variável que
explicava o consumo per capita de energia e que seria melhor pesquisar relações que
permitissem incorporar as diferenças existentes entre os países.
Janosi & Grayson (1972) criaram um modelo que relacionava o crescimento do PIB e o
consumo de energia para 30 países. O modelo econométrico, expresso por log E = α + β.PIB,
19
APANHADO BIBLIOGRÁFICO DE QUESTÕES ENERGÉTICAS EM ESTUDOS ECONÔMICOS
confirmou a forte relação entre crescimento econômico e consumo de energia, mas os
coeficientes de elasticidade em relação ao PIB variavam de 2,07 (Filipinas) até 0,48 (Reino
Unido). Segundo Martin (1992) (apud PINTO JR. et al. 2007), o nível do PIB per capita
explicava esta dispersão, uma vez que nos países mais ricos (Japão, Estados Unidos, França,
Bélgica, Alemanha, Reino Unido) a elasticidade era quase sempre inferior à unidade, enquanto
que nos países mais pobres (Filipinas, Tailândia, Índia, Iraque, Chile, Colômbia) era superior.
Esse conjunto de estudos levou a conclusão de que o comportamento do consumo de
energia não poderia ser totalmente explicado no longo prazo pela variação da atividade
econômica, embora a abordagem econométrica seja útil para o estudo da demanda de energia
no curto prazo (equipamentos e técnicas constantes).
Neste sentido, uma das formas de medir as relações entre indicadores econômicos e
energéticos é através do Indicador de Intensidade Energética (IIE), que é a razão entre o
consumo total de energia de um país, expresso em alguma unidade energética (por exemplo, em
toneladas equivalentes de petróleo) e o valor de seu PIB, mensurado em unidades monetárias.
Em resumo, esse índice mede quanto de energia é necessário para a produção de uma unidade
monetária do PIB. Desta forma, o IIE é considerado uma medida de eficiência da utilização da
energia para a geração de riqueza no país.
As relações de causa entre consumo de energia e crescimento econômico têm sido
extensamente examinadas na literatura, gerando vários resultados em diversos países. O
conceito de causalidade diz respeito à capacidade de uma variável em auxiliar na previsão do
comportamento de outra (FOCHEZATTO A. et al.,2010). A significância representa as
implicações políticas associadas às inferências causais, desenhadas com respeito à relação
crescimento econômico versus consumo de energia.
A presença de causalidade unidirecional do consumo de energia para o crescimento
econômico (hipótese do crescimento) sinaliza que a economia é dependente de energia e neste
caso, as políticas de conservação podem ter um impacto adverso no crescimento econômico.
Por outro lado, a causalidade unidirecional do crescimento econômico para o consumo de
energia (hipótese da conservação) sugere que as políticas de conservação de energia podem ter
pouco ou nenhum impacto no crescimento econômico. É possível também, existir uma
causalidade bidirecional entre consumo de energia e crescimento econômico (hipótese do
retorno – feedback), refletindo a interdependência e possíveis complementaridades associadas
com consumo de energia e crescimento econômico. Finalmente, a ausência de causalidade entre
consumo de energia e crescimento econômico (hipótese da neutralidade) implica que políticas
de conservação de energia terão um impacto insignificante no crescimento econômico.
Diversas metodologias podem ser empregadas para investigar as relações de
causalidade, tais como: análise de correlação, análise de regressão com dados de cross-section
e técnicas de séries temporais. Segundo Fochezatto et al. (2010), as duas primeiras
metodologias não são adequadas para investigar tais relações e sugere, a utilização do teste de
não-causalidade de Granger (1969) que, segundo o autor, é frequentemente utilizada para
avaliar este tipo de relação.
A seguir, ainda na tentativa de relacionar crescimento econômico e consumo de
energia, são apresentados diversos trabalhos recentes que utilizam como metodologia testes de
causalidade para avaliar a relação para países da América do Sul.
3.1. Relações de causalidade entre consumo de energia e crescimento econômico na
América do Sul
Estudos anteriores relacionados aos países da América do Sul apresentam uma escala
de resultados. Em um estudo com 16 países, Nachane et al. (1988) encontraram causalidade
unidirecional do consumo de energia comercial per capita para o PIB real per capita para
20
APANHADO BIBLIOGRÁFICO DE QUESTÕES ENERGÉTICAS EM ESTUDOS ECONÔMICOS
Argentina e Chile, enquanto causalidade bidirecional nos casos do Brasil, Colômbia e
Venezuela.
O estudo desenvolvido por Murray & Nan (1996) que analisou vários países, mostrou
causalidade multidirecional do PIB real para o consumo de eletricidade na Colômbia.
Já em Soytas & Sari (2003) é apresentado estudo envolvendo 12 países com mercados
emergentes, no qual encontrou-se causalidade bidirecional entre consumo de energia e PIB per
capita no caso da Argentina.
Cheng (1997) apresenta evidências de causalidade unidirecional do consumo de energia
para o PIB real para o Brasil e a ausência de causalidade entre consumo de energia e PIB real
para a Venezuela.
Em um painel de 18 países em desenvolvimento, incluindo Argentina, Chile,
Colômbia, Peru e Venezuela, Lee (2005) encontrou causalidade unidirecional do consumo de
energia para o PIB real.
Chontanawat et al. (2006, 2008) revelaram causalidade unidirecional do consumo de
energia per capita para o PIB real per capita para o Chile, Colômbia e Uruguai; causalidade
unidirecional do PIB real per capita para consumo de energia per capita para Bolívia, Paraguai,
Peru e Venezuela; causalidade bidirecional para Brasil e Argentina; e a ausência de causalidade
para Equador.
Mehrara (2007) analisou painel de 11 países exportadores de petróleo, incluindo
Equador e Venezuela. O estudo encontrou causalidade unidirecional do PIB real per capita
para consumo de energia comercial per capita.
Em um estudo sobre exportação de energia nos países em desenvolvimento,
Mahadevan & Asafu-Adjaye (2007) apresentaram indícios de causalidade bidirecional entre
consumo de energia per capita e o PIB real per capita para Argentina e Venezuela.
Em um painel com 82 países no qual – incluindo Argentina, Bolívia, Brasil, Chile,
Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela –, Huang et al. (2008) identificaram
ausência de causalidade entre consumo de energia e o PIB real per capita para países de baixa
renda enquanto que para países de média e alta rendas foi encontrada a causalidade
unidirecional do PIB real per capita para consumo de energia.
Autor
Nachane et al. (1988)
Tabela 1 – Sumarização dos estudos
Variáveis analisadas
Países da América do Sul
A
B
consumo de energia PIB real per capita
comercial per capita
Argentina
Chile
Brasil
Colômbia
Venezuela
de Colômbia
Murray
&
Nan PIB real
(1996)
Soytas & Sari (2003) PIB per capita
Cheng (1997)
Consumo de energia
Consumo
eletricidade
Consumo de energia
PIB real
Lee (2005)
PIB real
Consumo de energia
21
Argentina
Brasil
Venezuela
Argentina
Chile
Colômbia
Peru
Venezuela
Relação de
causalidade
A→B
A→B
A↔B
A↔B
A↔B
A↔B
A↔B
B→A
A─B
A→B
APANHADO BIBLIOGRÁFICO DE QUESTÕES ENERGÉTICAS EM ESTUDOS ECONÔMICOS
Chontanawat et al. consumo de energia PIB real per capita
(2006, 2008)
per capita
Chile
Colômbia
Uruguai
Bolívia
Paraguai
Peru
Venezuela
Brasil
Argentina
Equador
Mehrara (2007)
PIB real per capita
consumo de energia Equador
comercial per capita Venezuela
Mahadevan & Asafu- Consumo de energia PIB real per capita
Argentina
Adjaye (2007)
per capita
Venezuela
Huang et al. (2008)
Consumo de energia PIB real per capita
países de baixa renda
países de média e alta renda
Legenda:
B→A (B causa A),
A─B (não há relação de causalidade),
A↔B (bicausalidade)
4. Economia e Modelagem do Consumo de Energia
Nesta seção serão abordados alguns modelos recentemente apresentados na literatura
sobre a modelagem do consumo de energia. Para Greening et al. (2007), pesquisadores das
mais diversas áreas trabalham em modelagens energéticas com objetivos, abordagens e
resultados muito distintos. Nesta seção, serão apresentados apenas trabalhos que modelam o
consumo de energia sob a perspectiva área de economia e finanças.
Modelos são compostos de suposições teóricas, dados e uma diversidade de métodos
numéricos. Assim, para Greening et al. (2007), boas pesquisas devem entender e deixar claro
quais os pontos fortes e fracos de cada um destes componentes, o que nem sempre ocorre.
Aquele trabalho apresenta um levantamento dos métodos usados para modelar o consumo de
energia industrial, que representa um terço do consumo global. Segundo eles, esse tipo de
consumo é o mais difícil de analisar, modelar e prever devido as diferentes formas de utilização
da energia em processos produtivos. Mudanças na atividade industrial reduziram, mas não
eliminaram o impacto do incremento desta atividade econômica na demanda por energia. Então
entender e predizer com precisão mudanças no consumo industrial de energia é importante,
uma vez que não há previsão de redução da sua proporção em relação ao consumo global a
curtos ou médios prazos.
O Relatório Especial Cenários de Emissão (SRES, do inglês Special Report Emissions
Scenarios) foi publicado em 2000 pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas
(IPCC, do inglês Intergovernmental Panel on Climate Change). Os cenários descritos neste
relatório foram utilizados para fazer previsões sobre possíveis mudanças climáticas no planeta.
Estes cenários utilizam modelos para prever o incremento das emissões de gases estufa
provenientes do uso de fontes energéticas.
Para Ruijven et al. (2008), a maioria dos modelos utilizados nos cenários SRES focam
em questões importantes para países industrializados, o que implicitamente considera que os
países em desenvolvimento seguirão sua experiência, e ignora as diferenças institucionais,
culturais e a existência de mercados tradicionais. Naquele trabalho, os autores pretendem
22
A→B
A→B
A→B
B→A
B→A
B→A
B→A
A↔B
A↔B
A─B
A→B
A↔B
A─B
B→A
APANHADO BIBLIOGRÁFICO DE QUESTÕES ENERGÉTICAS EM ESTUDOS ECONÔMICOS
identificar questões chave que consideram mais relevantes em sistemas energéticos de países
em desenvolvimento e que afetam os modelos utilizados. Durante o processo de identificação,
são considerados apenas países do continente asiático. Segundo aquele trabalho, a
industrialização tem gerado aumento do consumo de energia nestes países devido ao aumento
do padrão de vida e ao crescimento populacional. Considerando que os modelos são usados
como base para a elaboração de políticas públicas, podem levar ao desenvolvimento de ações
pouco precisas. Ruijven et al. (2008) concluem que a crescente relevância dos países em
desenvolvimento para o consumo energético global gera a necessidade de reformulação dos
modelos atualmente utilizados para levar em conta questões como combustíveis tradicionais,
mudanças na infraestrutura econômica, atividades informais, distribuição de renda e ampliação
do acesso à energia elétrica.
Nomikos & Andriosopoulos (2012) examinam o comportamento dos preços em 8
mercados de energia cujos contratos futuros são negociados na Bolsa de Valores de Nova
Iorque (NYMEX, do inglês New York Mercantile Exchange). Segundo eles, a política
internacional, guerras, mudanças estruturais, avanços tecnológicos etc. geram mudanças e
volatilidade no mercado energético global, requerendo maior número de participantes para
reduzir os riscos em contratos futuros e de derivativos. Os modelos de risco tradicionais não
podem ser usados uma vez que existem questões únicas ao mercado energético, fazendo com
que a suposição de que o preço da energia retorne a um determinado patamar ótimo no longo
prazo, como ocorre com as commodities, não seja sempre verdade. Assim, é importante que o
modelo escolhido seja capaz de capturar a volatilidade do mercado para que seja possível
realizar análises e previsões acuradas a partir dos seus resultados, razão pela qual foram
testados diversos modelos em diferentes mercados para avaliar qual modelo melhor se adequa a
cada um.
5. Economia e Energias Renováveis
O World Energy Outlook 2012, publicado pela Agência Internacional de Energia (IEA
– do inglês International Energy Agency), apresenta projeções sobre as tendências do setor de
energia, da sustentabilidade e do desenvolvimento econômico até 2035. Aquele estudo indica
que já, em 2015, as fontes renováveis se tornarão a segunda maior fonte mundial de geração de
eletricidade, com o equivalente a metade do gerado pelo carvão. Em 2035, o montante de
energia elétrica gerado por fontes renováveis devem se aproximar ao do carvão.
Para Menegaki (2008), a utilização de energias renováveis reduz a dependência do
petróleo e diversifica as fontes energéticas, além de contribuir com a redução de emissões de
gases poluentes. Por outro lado, ainda apresentam custo de 10% a 30% superiores, além de
depender da disponibilidade destas fontes. Nesta seção, apresentaremos alguns trabalhos que
analisam a utilização de energias renováveis. Um deles foca no sudoeste americano, outro na
Europa e o último no Brasil.
Segundo Mozumder et al. (2011), o sudoeste americano apresenta elevado potencial
para geração de energias alternativas, porém pouco se sabe sobre a preferência dos
consumidores por energia destas fontes. A partir de 2011, o estado do Novo Mexico obriga que
distribuidoras de energia produzam ou comprem de fontes renováveis 10% do total
comercializado, o percentual chegará a 20% em 2020. Os benefícios anteriormente citados
fazem com que os consumidores prefiram esse tipo de energia, mesmo que tenham custo
superior. Naquele artigo, o método de avaliação de contingencias (do inglês, contingent
valuation method) é utilizado para identificar a vontade dos consumidores em pagar mais caro
por energias renováveis. Como a quota destas energias é decisiva para o custo energético total,
são levantados cenários com diferentes quotas. Os resultados indicam que os consumidores
gostariam de pagar mais para suportar o aumento na quota de energia renovável (de 10% para
23
APANHADO BIBLIOGRÁFICO DE QUESTÕES ENERGÉTICAS EM ESTUDOS ECONÔMICOS
20%) no portfólio energético. Contudo, os que estão preocupados com os altos preços e a
confiabilidade destas fontes, tendem a responder desfavoravelmente ao aumento.
Menegaki (2011) apresenta um estudo empírico sobre a relação de causalidade entre
crescimento econômico e energias renováveis para 27 países europeus no período entre 1997 e
2007. Para isso, é utilizado modelo de efeito aleatório que inclui o consumo final de energia,
emissões de gases estufa e variáveis independentes adicionais. Os resultados não confirmaram
causalidade entre consumo de energia renovável e PIB. Contudo, os testes indicam relações de
causalidade no curto prazo entre energia renovável, emissões de gases estufa e trabalho. O fator
de cointegração estimado indicou apenas uma fraca relação entre crescimento econômico e
consumo de energias renováveis na Europa, sugerindo evidências da hipótese de neutralidade,
que pode ser parcialmente explicado pela irregular e insuficiente exploração das fontes de
energia renovável ao longo da Europa.
Através da avaliação de 3 décadas do programa brasileiro do álcool, Rovere et al.
(2011) mostram que políticas públicas de incentivo a produção de biomassa geraram benefícios
diretos ao país como aumento da segurança energética, economia de divisas, geração de
empregos, redução da poluição em regiões urbanas e das emissões de CO2. Segundo eles, a
produção de etanol apresentou economia de escala, progresso tecnológico e ganhos de
produtividade não dependendo mais de incentivos ou subsídios para ser competitivo.
6. Projeções Econômicas e do Consumo de Energia no Brasil
a. Análise Macroeconômica
No início do ano de 2012, a situação econômica dos países desenvolvidos tornou-se
mais delicada com a situação fiscal crítica da Espanha, além do aceno da Grécia para uma
possível saída da Zona do Euro. O transtorno econômico gerado neste período não se limitou
apenas aos países desenvolvidos, mas acarretaram consequências, por meio do comércio
internacional, as economias em desenvolvimento.
No caso da China, por exemplo, houve redução nas previsões de crescimento
econômico devido à redução da demanda externa. Dado que a China é um país que apresenta
considerável proeminência na atual conjuntura do comércio mundial, principalmente de
commodities, tal redução em seu crescimento trouxe consequências, entre outras economias,
para o Brasil.
No Brasil, as contas nacionais mostraram uma desaceleração do crescimento
estimulada, sobretudo pelo baixo desempenho da indústria. O crescimento acumulado do PIB
no 1° semestre de apenas 0,6%, em relação ao mesmo período do ano anterior, demonstra a
dificuldade da economia de emergir mesmo com todos os esforços governamentais realizados
através de estímulos ao consumo e incentivos fiscais (EPE, 2012).
Com os resultados apresentados ao longo deste período, a credulidade quanto ao bom
desempenho da economia brasileira em 2012 foi se deteriorando. Ao passo que a pesquisa
realizada pelo Relatório Focus de janeiro divulgava uma expectativa de crescimento do PIB de
3,3%, em agosto esta expectativa chegava a taxa de 1,7%.
Para diversos especialistas, em relação ao crescimento do PIB para o ano de 2012, a
previsão de redução do crescimento econômico brasileiro foi apresentada de forma consensual,
apesar das ações de afrouxamento da política monetária e de estímulos fiscais implementados
pelo governo brasileiro. A seguir, são apresentadas na tabela 2 diversas previsões de
crescimento para o PIB brasileiro para o ano de 2012.
24
APANHADO BIBLIOGRÁFICO DE QUESTÕES ENERGÉTICAS EM ESTUDOS ECONÔMICOS
Tabela 2 – Brasil: Expectativas de crescimento do PIB (%)
Contudo, para o período que se desdobra até o ano 2016, o direcionamento visando a
expansão do crédito e consumo no país, promovem perspectivas favoráveis ao crescimento
econômico. Considerando as perspectivas para os cenários de um maior volume de
investimentos, sobressaem-se as perspectivas favoráveis para o setor de petróleo e gás natural,
tendo em vista as recentes descobertas na camada do pré-sal.
Ao mesmo tempo, o Brasil será beneficiado por grandes eventos esportivos que serão
realizados no país nesta década, tais como a Copa do Mundo de Futebol em 2014 e os Jogos
Olímpicos em 2016. Os investimentos visando solucionar os problemas de infraestrutura, no
setor habitacional e a retomada dos projetos em setores que o país possui vantagens
comparativas serão de extrema relevância para a redução de alguns componentes que obstem
ultimamente uma melhor performance da economia deste país.
b. Projeção do consumo de energia no Brasil (2012-2016)
A projeção do consumo de energia elétrica para o período 2012-2016 baseia-se na 2ª
Revisão Quadrimestral de 2012 da Nota Técnica da Empresa de Pesquisa Energética (EPE,
2012).
A projeção do consumo na rede do Sistema Interligado Nacional (SIN) para 2012 era
inferior em 1,9 TWh à projeção anterior e, para os próximos anos, essa diferença situa-se entre
4,1 e 5,3 TWh. Este resultado em 2012 decorre de um consumo industrial 7,1 TWh inferior ao
projetado anteriormente, associado a um consumo 4,0 TWh superior de “outras classes” e a
ampliação do consumo comercial de 0,9TWh. Na Tabela 3 são apresentados os resultados das
projeções para o período em destaque.
Tabela 3 – Consumo total na rede (GWh), 2012-2016: comparação de projeções
Na Tabela 4 a seguir, é apresentada a nova projeção do consumo na rede do SIN por
classe e por subsistema. Observa-se um crescimento do consumo no subsistema Norte da
25
APANHADO BIBLIOGRÁFICO DE QUESTÕES ENERGÉTICAS EM ESTUDOS ECONÔMICOS
ordem de 7,8% ao ano em média até 2016, o que foi considerado como forte aumento pela EPE
(2012). Tal elevação do patamar de consumo se deve à interligação do sistema TucuruíMacapá-Manaus, que ocorrerá em meados de 2013. Assim, espera-se que o consumo no
subsistema Norte tenha expansão da ordem de 15% nos anos de 2013 e 2014.
Tabela 4 – Projeção do consumo de energia elétrica na rede (GWh), 2012-2016
6. Conclusões e Trabalhos Futuros
Após levantamento bibliográfico, pode-se perceber a crescente importância de questões
energéticas para a economia, principalmente sobre fontes renováveis. Dentre estes artigos há
uma grande variabilidade de temas, que não foram explorados neste trabalho. Em trabalhos
futuros, os temas podem ser divididos para melhor se avaliar os interesses da comunidade
científica relacionada à área de economia e finanças por questões energéticas.
A partir do levantamento bibliográfico, é possível sugerir que o consumo energético no
longo prazo não pode ser medido apenas pelo nível de atividade econômica e deve levar em
consideração as especificidades das economias e conceitos de eficiência econômica e
energética.
O grande número de trabalhos científicos que tentam identificar as relações de
causalidade entre crescimento econômico e consumo de energia evidenciam a importância do
tema. Como sugestão para trabalhos futuros, seria interessante verificar as relações de causa
entre as variáveis citadas para o estado do Rio de Janeiro a partir da análise de séries temporais.
Quanto à modelagem energética, o levantamento apresentado indica a sua importância
para o desenvolvimento de políticas públicas relacionadas ao desenvolvimento do sistema
energético e necessidade de reformulação dos modelos para melhor incorporar os aspectos
relacionados ao consumo nos países em desenvolvimento, que apresentam maior elevação no
consumo energético.
Outra temática analisada é a inserção de fontes renováveis na matriz energética
mundial. De fato, embora os custos associados a essas fontes ainda estejam em patamar
ligeiramente superior às fontes tradicionais, o cenário mais provável para os próximos anos é o
barateamento dos custos dessas fontes e participação crescente na matriz mundial. Neste
26
APANHADO BIBLIOGRÁFICO DE QUESTÕES ENERGÉTICAS EM ESTUDOS ECONÔMICOS
contexto de energias renováveis, a avaliação do programa de álcool no Brasil mostrou que a
decisão por investir nesse tipo de combustível foi correta.
Por fim, com base na tabela 4, espera-se um aumento do consumo na rede do Sistema
Interligado Nacional (SIN) para os próximos anos, sendo a classe comercial a que mais cresce
no período (6,2 % a.a.), seguida da residencial (4,8% a.a.), indicando uma maior participação
da classe comercial no consumo total na rede em detrimento, principalmente, da classe
industrial. Com relação ao consumo por subsistema, observa-se que o que mais ganha
participação no consumo na rede do SIN é o subsistema Norte, em parte como consequência da
agregação do sistema Tucuruí-Macapá-Manaus, passando de 6,8% em 2012 para 8,2% do
consumo no SIN em 2016.
7. Referências Bibliográficas
ALMEIDA, E. F.; JUNIOR, H. Q. P.; BOMTEMPO, J. V. (2007). Economia da
energia: fundamentos econômicos, evolução histórica e organização industrial – Rio de
Janeiro: Elsevier, 2007 – 5ª reimpressão.
CHENG, B.S., (1997). Energy consumption and economic growth in Brazil, Mexico,
and Venezuela: a time series analysis. Applied Economics Letters 4, 671–674.
CHONTANAWAT, J., HUNT, L.C., PIERSE, R., (2006). Causality between energy
consumption and GDP: evidence from 30 OECD and 78 non-OECD countries. Surrey Energy
Economics Discussion Paper Series, 113.
CHONTANAWAT, J., HUNT, L.C., PIERSE, R., (2008). Does energy consumption
cause economic growth? Evidence from a systematic study of over 100 countries. Journal of
Policy Modeling 30, 209–220.
DARMSTADTER, J. (1971). Energy in the World Economy: a Statistical Review of
Trends in Output, Trade, and Consumption since 1825. Baltimore: Johns Hopkins Press.
Empresa de Pesquisa Energética (2012). Projeção de Demanda de Energia elétrica
para os próximos 10 anos: 2ª Revisão Quadrimestral de 2012.
FOCHEZATTO A., KOSHIYAMA D., ALENCASTRO D. (2010). Testando
Relações de Causalidade entre Comércio Externo e Crescimento Econômico em Países da
América Latina: Evidências de Dados em Painel e Séries Temporais. Revista Economia,
Brasília (DF), v.11, n.3, p.597–629.
GREENING, L. A.; BOYD, G.; ROOP, J. M., (2007). Modeling of industrial energy
consumption: An introduction and context. Energy Economics 29, 599–608.
HUANG, B.N., HWANG, M.J., YANG, C.W., (2008). Causal relationship between
energy consumption and GDP growth revisited: a dynamic panel data approach. Ecological
Economics 67, 41–54.
IEA (2012). World Energy Outlook 2012: Executive Summary. International Energy
Agency.
Disponível
em
http://www.iea.org/publications/freepublications/publication/Portuguese.pdf, acessado em 17
de janeiro de 2013.
IPEA (2012). Instituto de Pesquisas Econômicas e Aplicáveis. Disponível em
www.ipeadata.gov.br, acessado em 29 de novembro de 2012.
JANOSI, P.E.; GRAYSON, L.E. (1972). Patterns of energy consumption and
economic growth and structure. The Journal of Development Studies, v.8, n.2.
27
APANHADO BIBLIOGRÁFICO DE QUESTÕES ENERGÉTICAS EM ESTUDOS ECONÔMICOS
MENEGAKI A.N. (2011). Growth and renewable energy in Europe: A random effect
model with evidence for neutrality hypothesis: Energy Economics, 33, 257–263.
MAHADEVAN, R., ASAFU-ADJAYE, J., (2007). Energy consumption, economic
growth and prices: a reassessment using panel VECM for developed and developing countries.
Energy Policy 35, 2481–2490.
MAINGUY,Y. (1967). L'Économie de l'Énergie. Paris:Coll. Finances et économie,
Dunod.
MEHRARA, M., (2007). Energy consumption and economic growth: the case of oil
exporting countries. Energy Policy 35, 2939–2945.
MENEGAKI, A. N. (2011). Growth and renewable energy in Europe: A random effect
model with evidence for neutral hypothesis. Energy Economics 33, 257–263.
MOZUMDER, P.; VÁSQUEZ, W. F.; MARATHE, A. (2011). Consumers’
preference for renewable energy in the southwest USA. Energy Economics 33, 1119–1126.
MURRAY, D.A., NAN, G.D., (1996). A definition of the gross domestic productelectrification interrelationship. Journal of Energy and Development 19, 275–283.
NACHANE, D.M., NADKARNI, R.M., KARNIK, A.V., (1988). Cointegration and
causality testing of the energy-GDP relationship: a cross-country study. Applied Economics
20, 1511–1531.
NOMIKOS, N.; ANDRIOSOPOULOS, K. (2012). Modelling energy spot prices:
Empirical evidence from NYMEX. Energy Economics 34, 1153–1169.
ROVERE, E. L.; PEREIRA, A. S.; SIMÕES,A. F., (2011). Biofuels and Sustainable
Energy Development in Brazil. World Development 39, 11026–1036.
RUIJVEN, B. V.; URBAN, F.; BRNDERS, R. M. J.; MOLL, H. C.; SLUIJS, J.;
VRIES, B., (2008). Modeling Energy and Development: An Evaluation of Models and
Concepts. World Development 36, 2801–2821.
SCOPUS (2012). Portal Scopus. Disponível em: www.scopus.com, acessado em 29 de
novembro de 2012.
28
Fly UP