...

protocolo de assistência aos portadores de feridas

by user

on
Category: Documents
5

views

Report

Comments

Transcript

protocolo de assistência aos portadores de feridas
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
0
Sistema
Único de
Saúde
Prefeitura Municipal de Belo Horizonte
Secretaria Municipal de Políticas Sociais
Secretaria Municipal de Saúde
Gerência de Assistência – Coordenação de Atenção à Saúde do Adulto e do Idoso
PROTOCOLO DE
ASSISTÊNCIA AOS
PORTADORES DE
FERIDAS
Belo Horizonte
- Revisão 2006 -
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
SMSA/PBH
Fernando Damata Pimentel
Prefeito Municipal de Belo Horizonte
Helvécio Miranda Magalhães Júnior
Secretário Municipal de Saúde
Sônia Gesteira e Matos
Gerente de Assistência
Maria Cecília de Souza Rajão
Coordenadora da Atenção à Saúde do Adulto e do Idoso
Comissão Elaboradora - 2003
Adriana Ferreira Pereira – Enfermeira – Coordenação da Comissão de Assistência aos Portadores de Feridas
Ana Paula Aparecida Coelho Lorenzato – Enfermeira/Centro de Saúde 1º de Maio/DISAN
Elizabeth Rosa – Enfermeira/PAM Padre Eustáquio/DISANO
Kelly Viviane da Silva – Enfermeira/Centro de Saúde Miramar/DISAB
Sônia Márcia Campolina – Enfermeira/DISAB
Soraya Almeida de Carvalho – Enfermeira/Centro de Saúde Betânia/DISAO
Assessoria Técnica
Eline Lima Borges – Enfermeira/Docente da Escola de Enfermagem da UFMG
Colaboradores
Silma Maria Cunha Pereira – Enfermeira do Hospital Felício Rocho
Sandra Lyon – Médica dermatologista do Centro de Saúde Barreiro e Hospital Eduardo de Menezes
Júnia Maria Oliveira Cordeiro – Médica endocrinologista do PAM Padre Eustáquio
Paulo de Tarso Silveira Fonseca – Médico dermatologista da Atenção ao Adulto da SMSA
Apoio
Assessoria Jurídica/SMSA
Gerência de Compras e Licitações/SMSA
Gerência Administrativa/SMSA
Almoxarifado Central/SMSA
Laboratório de Manipulação/SMSA
REVISÃO – 2006
Adriana Ferreira Pereira – Enfermeira – Coordenação da Assistência aos Portadores de Feridas
Adriana Gollner Bayão – Enfermeira/Centro de Saúde Menino Jesus/GERSA-CS
Alessandra Santos Costa Miranda – Enfermeira/Centro de Saúde Santa Terezinha/GERSA-P
Elizabeth Rosa – Enfermeira/PAM Padre Eustáquio/GERSA-NO
Kelly Viviane da Silva – Enfermeira/GERASA/GERSA-B
Soraya Almeida de Carvalho – Enfermeira/Centro de Saúde Palmeiras/GERSA-O
Colaboradora
Adriana Pinheiro Guerra – Médica angiologista e cirurgiã vascular/PAM Padre Eustáquio/GERSA-NO
Tatiane Caetano – Enfermeira/PAD Oeste/GERSA-O
1
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
SMSA/PBH
2
1. ÍNDICE
1.
ÍNDICE.........................................................................................................................................................................2
2.
APRESENTAÇÃO ......................................................................................................................................................4
3.
OPERACIONALIZAÇÃO .........................................................................................................................................5
3.1.
3.2.
3.3.
4.
ATRIBUIÇÕES ...........................................................................................................................................................6
4.1.
4.2.
4.3.
5.
INSERÇÃO ..................................................................................................................................................................5
3.1.1. Público alvo ..................................................................................................................................................5
3.1.2. Critérios........................................................................................................................................................5
3.1.3 Capacidade operacional................................................................................................................................5
ACOMPANHAMENTO ..................................................................................................................................................5
CRITÉRIOS DE DESLIGAMENTO ..................................................................................................................................5
AUXILIAR DE ENFERMAGEM ......................................................................................................................................6
ENFERMEIRO .............................................................................................................................................................6
MÉDICO .....................................................................................................................................................................6
ATENDIMENTO NA UNIDADE BÁSICA ..............................................................................................................7
5.1. FLUXO DO ATENDIMENTO ..........................................................................................................................................7
5.2. FLUXO PARA AQUISIÇÃO DE COBERTURAS, CREMES E SOLUÇÕES ............................................................................8
5.3. ENCAMINHAMENTOS .................................................................................................................................................9
5.3.1. Fluxo encaminhamento para Ambulatório do Pé Diabético.........................................................................9
5.3.2. Encaminhamento para Suspeita de Leishimaniose Tegumentar...................................................................9
5.4. CONSULTA DE ENFERMAGEM ..................................................................................................................................10
5.4.1. Primeira consulta .......................................................................................................................................10
5.4.2. Consulta subseqüente .................................................................................................................................10
6.
FERIDAS ULCEROSAS MAIS COMUNS ............................................................................................................11
6.1.
6.2.
6.3.
7.
ÚLCERAS DE PERNA ................................................................................................................................................11
6.1.1. Tratamento específico de úlcera venosa .....................................................................................................12
6.1.2. Tratamento específico para úlcera neurotrófica de MMII .........................................................................12
ÚLCERAS DE PRESSÃO .............................................................................................................................................13
6.2.1. Conceito e fisiopatologia ............................................................................................................................13
6.2.2. Classificação...............................................................................................................................................13
6.2.3. Localizações mais comuns das úlceras de pressão.....................................................................................14
6.2.4. Cuidados preventivos..................................................................................................................................14
QUEIMADURAS ........................................................................................................................................................15
6.3.1. Classificação...............................................................................................................................................15
6.3.2. Cálculo da superfície ..................................................................................................................................15
6.3.3. Critérios para atendimento nas unidades básicas de saúde .......................................................................15
6.3.4. Cuidados em pacientes queimados .............................................................................................................16
ORIENTAÇÕES GERAIS .......................................................................................................................................17
7.1.
7.2.
7.3.
7.4.
7.5.
7.6.
7.7.
TÉCNICA DE LIMPEZA DA FERIDA ............................................................................................................................17
7.1.1. Realização de curativo na unidade de saúde ..............................................................................................17
7.1.2. Realização de curativo no domicílio...........................................................................................................18
DESBRIDAMENTO ....................................................................................................................................................19
TÉCNICA DE MENSURAÇÃO DA ÁREA LESADA ........................................................................................................19
TÉCNICA DE MENSURAÇÃO DA PROFUNDIDADE DA FERIDA ....................................................................................19
TÉCNICA DE MENSURAÇÃO DO SOLAPAMENTO DA FERIDA .....................................................................................19
TÉCNICA DE MENSURAÇÃO DA CIRCUNFERÊNCIA DE MEMBROS INFERIORES .........................................................20
ESCALAS DE AVALIAÇÃO ........................................................................................................................................20
7.7.1. Dor..............................................................................................................................................................20
7.7.2. Classificação da úlcera de pressão ............................................................................................................20
7.7.3. Edema .........................................................................................................................................................20
7.7.4. Tecido necrótico .........................................................................................................................................20
7.7.5. Exsudato .....................................................................................................................................................20
7.7.6. Pele ao redor da ferida ...............................................................................................................................21
7.7.7. Pulso ...........................................................................................................................................................21
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
SMSA/PBH
3
7.7.8. Teste de sensibilidade .................................................................................................................................21
TÉCNICA DE ENFAIXAMENTO ..................................................................................................................................22
EXAMES COMPLEMENTARES ...................................................................................................................................23
7.9.1. Hemograma completo.................................................................................................................................23
7.9.2. Albumina sérica ..........................................................................................................................................23
7.9.3. Glicemia de jejum ........................................................................................................................................23
7.9.4. Cultura com antibiograma...........................................................................................................................24
7.10. ORIENTAÇÃO DIETÉTICA .........................................................................................................................................24
7.10.1 Os nutrientes e suas contribuições no processo cicatricial ....................................................................24
7.10.2. Alimentos ricos em vitaminas e sais minerais........................................................................................24
7.11. COBERTURAS, SOLUÇÕES E CREMES PADRONIZADAS PELA SMSA/PBH ................................................................25
7.11.1. Solução fisiológica a 0,9% (curativo convencional)...............................................................................25
7.11.2. Creme de sulfadiazina de prata + nitrato de cério ...............................................................................25
7.11.3. Placa de hidrocolóide .............................................................................................................................25
7.11.4. Alginato de cálcio ...................................................................................................................................26
7.11.5. Fibra de carboximetilcelulose.................................................................................................................26
7.11.6. Fibra de carboximetilcelulose com prata ...............................................................................................26
7.11.7. Espuma com prata ..................................................................................................................................27
7.11.8. Carvão ativado e prata ...........................................................................................................................27
7.11.9. Filme transparente..................................................................................................................................27
7.11.10. Hidrogel amorfo....................................................................................................................................28
7.11.11. Bota de Unna ........................................................................................................................................28
7.11.12. Creme hidratante ..................................................................................................................................29
7.12. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA INDICAÇÃO DE COBERTURAS ..............................................................................29
7.8.
7.9.
8.
ANEXOS ....................................................................................................................................................................31
8.1.
8.2.
8.3.
8.4.
8.5.
8.6.
8.7.
8.8.
8.9.
9.
ANEXO I – PRODUTOS NÃO PADRONIZADOS PELA SMSA/PBH ..............................................................................31
ANEXO II – REVISÃO BIBLIOGRÁFICA – ANTISSÉPTICOS .........................................................................................32
ANEXO III – UTILIZAÇÃO DE AÇÚCAR NO TRATAMENTO DE FERIDAS .....................................................................33
ANEXO IV – CUIDADO COM OS PÉS .........................................................................................................................37
ANEXO V – ÍNDICE TORNOZELO BRAÇO..................................................................................................................39
ANEXO VI – CARTILHA DE PREVENÇÃO DE ÚLCERAS DE PRESSÃO – ORIENTAÇÕES PARA O PACIENTE E
CUIDADORES ...........................................................................................................................................................40
ANEXO VII – DELIBERAÇÕES E RESOLUÇÕES SOBRE ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM REALIZADO PELO
ENFERMEIRO ..........................................................................................................................................................41
8.7.1. Deliberação COREN-MG -65/00.............................................................................................................41
8.7.2. Resolução COFEN - 159..........................................................................................................................44
8.7.3. Resolução COFEN - 195..........................................................................................................................44
8.7.4. Resolução COFEN – 279/2003................................................................................................................45
8.7.5. Portaria SMSA/SUS-BH N.º 013/2006.....................................................................................................45
ANEXO VIII – ATENDIMENTO AO PORTADOR DE FERIDAS ........................................................................46
1. TERMO DE COMPROMISSO........................................................................................................................46
2. FICHA DE REGISTRO...................................................................................................................................47
3. EVOLUÇÃO....................................................................................................................................................48
4. CONTROLE E DISPENSAÇÃO......................................................................................................................49
ANEXO IX – MAPA MENSAL DE REQUISIÇÃO DE COBERTURAS, CREMES E SOLUÇÕES PARA
TRATAMENTO DE FERIDAS ............................................................................................................................50
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA .........................................................................................................................51
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
SMSA/PBH
4
2. APRESENTAÇÃO
O tratamento do portador de ferida é dinâmico e deve acompanhar a evolução científico-tecnológica. Na
Prefeitura de Belo Horizonte foi criada, em 1998, uma Comissão de Curativos, composta por enfermeiros
representantes dos serviços básicos e secundários da SMSA. Este grupo elaborou o Manual de Tratamento de
Feridas, publicado em 2002.
Com a utilização deste manual pelos profissionais da rede básica, percebeu-se algumas lacunas em
relação à abordagem do paciente, à indicação do tratamento para o mesmo, à dificuldade de organizar e
sistematizar a assistência prestada ao paciente portador de ferida.
Diante destas demandas evidenciou-se a necessidade de redirecionar o enfoque até então dado ao
tratamento dos portadores de ferida. A Comissão de Curativo se reuniu e discutiu com alguns enfermeiros e
médicos das unidades básicas a necessidade de disponibilizar um padrão de abordagem multidisciplinar, para
que uma assistência mais satisfatória ao portador de ferida fosse alcançada. Em acordo com este grupo e com
apoio da Gerência de Assistência, optou-se por sensibilizar os médicos e capacitar os enfermeiros das unidades
básicas e secundárias e elaborar um Protocolo de Assistência aos Portadores de Feridas.
Este protocolo visa a instrumentalizar as ações dos profissionais e sistematizar a assistência a ser prestada
ao portador de ferida, além de fornecer subsídios para implementação desta assistência.
Ocorreu também uma mudança de denominação de “Comissão de Curativos” para “Comissão de
Assistência aos Portadores de Ferida”, uma vez que os objetos de estudo, deliberações e ações desta Comissão
também se ampliaram.
Após 3 anos da implantação da primeira versão do protocolo houve a necessidade de revisá-lo,
considerando que ocorreram mudanças na operacionalização, acréscimo de tópicos teóricos, remodelação dos
impressos e inclusão de outros produtos para tratamento de feridas.
Este protocolo continua sujeito a avaliações periódicas e reformulações necessárias à adequação aos
avanços tecnológico e científico e à política de saúde vigentes na SMSA/PBH.
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
SMSA/PBH
5
3. OPERACIONALIZAÇÃO
3.1.
Inserção
3.1.1. Público alvo
Pacientes portadores de feridas, cadastrados pelo sistema de saúde do município de Belo Horizonte.
3.1.2. Critérios
- Enquadrar-se no público alvo;
- Existir vaga disponível conforme capacidade operacional da unidade;
- Assumir compromisso de continuidade do tratamento, através do preenchimento do Termo
de Compromisso (anexo VIII – p. 46)*.
* Os pacientes que não aceitarem assinar o Termo de Compromisso não serão tratados com coberturas, mas com
tratamento convencional (p. 25).
3.1.3. Capacidade operacional
O acompanhamento dos pacientes será de acordo com a disponibilidade dos profissionais das Unidades
de Saúde.
A admissão de novos pacientes pressupõe existência de vaga na agenda do enfermeiro que o acompanhará
bem como dos outros membros da equipe.
Enquanto o paciente aguarda a vaga fará o tratamento convencional (p. 25).
3.2.
Acompanhamento
Os pacientes serão acompanhados por toda equipe de saúde, levando em consideração as atribuições de
cada profissional e as particularidades de cada paciente.
A primeira avaliação será realizada pelo enfermeiro, que o encaminhará ao médico após suas condutas
iniciais (Deliberação COREN-MG -65/00 - anexo VII, p. 41).
As trocas das coberturas, cremes e soluções ocorrerão de acordo com a necessidade do paciente e critério
do profissional de saúde, não podendo extrapolar o máximo preconizado para cada produto.
Os retornos ao médico ocorrerão no período máximo de 60 dias ou quando necessário.
Os pacientes que receberem alta do curativo devem comparecer a dois retornos: o primeiro com 15 dias, e
o segundo com 30 dias para reavaliação da região afetada bem como o seu estado geral.
Aqueles pacientes cuja ferida apresentar estagnação total por três meses consecutivos não associada a
infecção ou comprometimentos sistêmicos, deverão ser encaminhados pelo médico para cirurgia ambulatorial
para realização de biópsia para diagnóstico diferencial.
3.3.
Critérios de Desligamento
Motivos:
- Cura: epitelização completa da ferida.
- Abandono:
- faltar ao retorno agendado por duas vezes consecutivas, ou três vezes alternadas sem
comunicação prévia;
- não seguir corretamente as orientações dadas pelos profissionais da equipe de saúde ou não
concordar com elas.
- A pedido: quando o desligamento é solicitado pelo paciente.
- Encaminhamento.
- Falência do tratamento: após 6 meses de tratamento sem evolução. Manter curativo convencional
após este desligamento.
- Óbito.
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
SMSA/PBH
6
4. ATRIBUIÇÕES
4.1.
-
4.2.
-
4.3.
-
Auxiliar de Enfermagem
organizar e manter a sala de curativo em condições adequadas para o atendimento;
receber o paciente, acomodando-o em posição confortável que permita boa visualização da ferida;
orientar o paciente quanto ao procedimento a ser executado;
explicar a técnica do soro em jato para o paciente no primeiro atendimento;
executar o curativo conforme prescrição do enfermeiro ou médico e sempre sob a supervisão do
enfermeiro;
orientar o paciente quanto à data do retorno, cuidados específicos e gerais;
registrar o procedimento executado no prontuário, caracterizando o aspecto da ferida, queixas do
paciente e conduta;
organizar a sala de atendimento;
proceder à limpeza do instrumental;
fazer a desinfecção de superfície.
Enfermeiro
fazer consulta de enfermagem;
prescrever o tipo de curativo, padronizado pela SMSA/PBH (p. 25);
solicitar, quando necessário, os seguintes exames laboratoriais: hemograma completo, albumina
sérica, glicemia jejum e cultura do exsudato com antibiograma;
prescrever, quando indicado, as coberturas, soluções e cremes para curativo das feridas, bem como
terapia compressiva e creme hidratante, conforme padronizado neste protocolo;
executar o curativo;
encaminhar o paciente para clínico ou generalista para avaliação clínica e determinação da etiologia
da ferida e em caso de intercorrências;
definir o desligamento do paciente conforme os critérios estabelecidos;
capacitar e supervisionar a equipe de enfermagem nos procedimentos de curativo;
registrar a dispensação e verificar o consumo dos produtos de curativo através do impresso Controle
e Dispensação (Anexo VIII, p. 49).
fazer a previsão dos produtos de curativo utilizando o Mapa Mensal de Requisição de Coberturas,
Cremes e Soluções para Tratamento de Feridas (anexo IX, p. 50);
Médico
avaliar clinicamente o paciente e definir a etiologia da ferida;
prescrever, quando indicadas coberturas, soluções e cremes para curativo das feridas, bem como
terapia compressiva e creme hidratante, conforme padronizado neste protocolo (p.28-29);
- solicitar, quando necessário, os seguintes exames: hemograma completo, albumina sérica, glicemia
jejum e cultura do exsudato com antibiograma e outros, conforme fluxos na SMSA/PBH;
- encaminhar o paciente para avaliação por especialista, quando necessário;
- acompanhar a evolução do quadro clínico junto ao especialista e à equipe de enfermagem da unidade
de saúde;
- programar retorno no período máximo de 60 dias ou quando necessário;
OBS.: em caso de suspeita de infecção local, deverá sempre ser solicitada cultura com antibiograma. O
tratamento com antibiótico sistêmico deverá ser iniciado logo após a coleta de material. O principal valor
da cultura é guiar o tratamento quando houver falha terapêutica após um esquema inicial.
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
7
5. ATENDIMENTO NA UNIDADE BÁSICA
TODOS OS IMPRESSOS DESTE PROTOCOLO PARA ATENDIMENTO AO PORTADOR DE FERIDA DEVERÃO SER MANTIDOS ANEXADOS
AO PRONTUÁRIO (Anexo VIII – p. 46-49).
5.1.
Fluxo do Atendimento
PACIENTE
A.C. S.
PAC IENTE
UN IDA DE DE SAÚ DE
R ece pçã o
Aco lhim en to
Sala de Cu ra tivo
Con sult a d e En fe rmag em
Ag uar da Vag a
(Cu ra tivo Co nve ncio na l)
Avalia çã o o rie nta ção
En fe rm eiro
In ser ção n o Pr og ra ma
(Cu ra tivo co m C obe rt ur a)
Avalia ção Méd ica
Ava liaç ão do Enf erm eir o
Ava liaçã o Mé dica
Des ligamen to
Cu ra
Aba nd ono
A p ed ido
En caminh am en to
Fa lên cia
Ava liaçã o Mé dica
Re tor no em
15 dia s
Ret or no em
3 0 dias
Cu ra tivo
Con ve ncio na l
Se m
a co mpa nh am en to
Cur ativ o
Co nv en cion al
Sem
ac omp an ha me nto
Ó bit o
Avalia çã o o rie nta çã o
Enfe rm eir o
Cur at ivo
C on ven cion al
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
5.2.
Fluxo para Aquisição de Coberturas, Cremes e Soluções
Previsão Mensal das Coberturas, Cremes e Soluções baseado no consolidado da Ficha
Atendimento ao Portador de Ferida - Controle e Dispensação
Preenchimento pelo enfermeiro do Mapa Mensal de Requisição de Coberturas, Cremes
e Soluções para Feridas (Anexo IX).
Encaminhamento do Mapa preenchido na data prevista pelo Cronograma (definido pela
Coordenação de Assis. Portadores de Feridas) para o Distrito Sanitário.
Encaminhamento, pelo Distrito, dos Mapas preenchidos à Coordenação de Assistência
aos Portadores de Feridas na Secretaria Municipal de Saúde, conforme Cronograma.
Consolidação e avaliação dos Mapas Mensais pela Coordenação de Assis. Portadores de
Feridas.
Autorização de dispensação das Coberturas, Cremes e Soluções para o Almoxarifado
Central da Saúde.
Distribuição das Coberturas, Cremes e Soluções do Almoxarifado para as Unidades de
Saúde.
8
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
5.3.
SMSA/PBH
9
Encaminhamentos
Seguir o fluxo e orientações de encaminhamentos para especialidades que deverá ser feito pelo médico
conforme sua avaliação e discussão com a equipe de enfermagem.
5.3.1. Fluxo encaminhamento para Ambulatório do Pé Diabético
Critério de admissão:
Serão aceitos no Ambulatório apenas pacientes diabéticos, que estejam na categoria 2 e 3 da
classificação de risco abaixo:
Sistema de classificação do risco
Categoria
Risco
0
Neuropatia ausente
1
Neuropatia presente
2
Neuropatia presente, sinais de doença vascular periférica e/ou deformidades nos pés
3
Amputação /úlcera prévia
Serão aceitos para tratamento da ferida apenas, sem acompanhamento endocrinológico:
- paciente grávida – Pré-natal de alto-risco;
- - paciente adolescente – marcar para o endocrinologista das unidades de atenção secundária.
Não serão aceitos:
- paciente com diabetes de difícil controle, que não estejam na classificação de risco 2 e 3. Marcar para
o endocrinologista das unidades de atenção secundária
- complicações agudas do Pé Diabético que configurem urgências clínicas e cirúrgicas – o APD não
dispõe de estrutura para atendimento de urgências. Esses pacientes deverão ser encaminhados dentro
do protocolo de urgências para as unidades de urgência.
Fluxo
Para ser encaminhado ao Ambulatório do Pé Diabético o médico ou enfermeiro da unidade (básica,
atenção secundária, UPA ou hospital) deverá preencher a Guia de Referência, constando justificativa do
encaminhamento e situação do paciente (exames e tratamentos realizados, medicamentos em uso). O paciente
dever trazer os últimos exames realizados e a última receita e no caso de egresso hospitalar o Sumário de Alta
completo.
Para agendar o atendimento, a unidade deverá ligar para o Ambulatório no telefone 3411.3550 – ramal
229 (de 8:00 às 18:00 horas). A consulta de admissão será agendada e deve ser comunicada ao paciente por
escrito. A primeira consulta será feita pela enfermeira da equipe do APD, que prescreverá o atendimento de
enfermagem e definirá os encaminhamentos internos na equipe (para Fisioterapeuta, Endocrinologista e
Cirurgião Vascular).
Os encaminhamentos para a primeira consulta com os especialistas de apoio (cardiologista, cirurgião
plástico, dermatologista e ortopedista) serão feitos pelo Cirurgião Vascular e pelo Endocrinologista na própria
unidade ou na unidade básica (demais especialidades e retornos).
5.3.2. Encaminhamento para Suspeita de Leishimaniose Tegumentar
O diagnóstico laboratorial deverá ser parte fundamental para conclusão do diagnóstico de Leishimaniose
Tegumentar. Tendo suspeitas desta patologia encaminhar o paciente para:
Centro de Pesquisa “René Rachou - Fiocruz/MG - Centro de Referência e Treinamento em Leishmanioses Laboratório de Pesquisas Clínicas
Av. Augusto de Lima nº 1715 (Barro Preto) Belo Horizonte - MG - CEP: 30 190 002
Tel: (31) 3295 3166 / Ramais 112/182/183
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
5.4.
SMSA/PBH
10
Consulta de Enfermagem
A agenda do enfermeiro deve contemplar vagas para a consulta de enfermagem a pacientes portadores de
feridas.
5.4.1. Primeira consulta
-
-
-
-
Avaliar o paciente (entrevista e exame físico direcionado);
Registrar as informações relativas ao perfil sócio-econômico-cultural do paciente, ao exame clínico,
aos achados laboratoriais e àquelas relacionadas à doença de base e à ferida, utilizando o impresso
Atendimento ao Portador de Feridas – Ficha de Registro (anexo VIII, p. 47) ;
Informar sobre normas do serviço, esclarecer dúvidas e apresentar ao paciente o termo de
compromisso referente ao tratamento da ferida com coberturas. O paciente só iniciará o tratamento
com coberturas após assinatura do termo pelo ele próprio ou seu responsável;
Solicitar hemograma, glicemia de jejum e albumina sérica quando houver indicação e desde que não
haja resultados com período inferior a seis meses;
Solicitar cultura e antibiograma do exsudato, em caso de sinais clínicos de infecção;
Definir o tipo de curativo e prescrevê-lo;
Prescrever, quando indicado, coberturas, cremes e soluções padronizadas pela SMSA/BH para o
tratamento da ferida, avaliando o paciente e a ferida. Quanto ao paciente é importante considerar:
queixa de dor, condições higiênicas e aceitação do tratamento. Quanto à ferida, atentar para: etiologia,
presença, volume e aspecto do exsudato, área e profundidade da ferida e sinais clínicos da infecção;
Executar o curativo;
Realizar se necessário o desbridamento mecânico desde que esteja habilitado (Anexo VII, p. 41);
Determinar o período de troca do curativo;
Fazer recomendações ao paciente (dieta, higiene, vestuário, repouso, hidratação oral e tópica, troca de
curativo, cuidado com a cobertura secundária);
Fazer encaminhamento para o médico da Unidade;
Agendar retorno.
5.4.2. Consulta subseqüente
-
-
Avaliar aspecto do curativo anterior;
Avaliar o aspecto da ferida;
Definir o tipo de cobertura e registrar a sua dispensação;
Mensurar a ferida a cada 15 dias;
Registrar a evolução no impresso Atendimento ao Portador de Ferida – Evolução (Anexo VIII, p.48);
Repetir exames laboratoriais quando:
- houver suspeita de infecção da ferida (cultura de exsudato com antibiograma);
- se glicemia maior ou igual a 99 g/dl(glicemia de jejum);
- se hemoglobina menor ou igual a 10 g/dl (hemograma 30 dias após);
- se albumina inferior a 3,0 g/dl;
OBS.: encaminhar para avaliação médica precoce, quando houver alterações laboratoriais.
Trocar curativo juntamente com o auxiliar de enfermagem;
Agendar retorno para troca do curativo;
Definir o desligamento do paciente conforme os critérios estabelecidos;
Programar os retornos após a epitelização da ferida;
Realizar as avaliações de retorno após o desligamento por cura, anotando na ficha de evolução os
aspectos tópicos da área de epitelização e considerações gerais;
Registrar o desligamento (Anexo IX, p. 50).
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
11
SMSA/PBH
6. FERIDAS ULCEROSAS MAIS COMUNS
6.1.
Úlceras de Perna
Síndrome extremamente freqüente, com múltiplos aspectos e numerosas causas. Fatores predisponentes
importantes são ortostatismo, vulnerabilidade da perna a traumas e infeções e os efeitos do aumento da pressão
venosa e a diminuição do fluxo arterial.
ARTERIOVENOSAS
Aterosclerose, Isquemia,
Trombose
arterites,
hipertensão
Venosa
CAUSAS
microangiopati venosa
e
Profunda
e
as diabéticas e fístula arterioVarizes
hipertensiva
venosa
Dorso
ou
1/3 inferior da borda externa
LOCALIZAperna próximo do pé, lateral
Variável
ÇÃO
ao
maléolo da perna ou
medial
áreas
de
traumas
NÚMERO
Única
Uma ou mais Uma ou mais
Dermatites,
eczemas
e Margens
edema
sem vermelhas ou
vinhosas,
às Margens
COMPROME- comprometer
TIMENTO
aponeurose e vezes
vinhosas
ou
TECIDOS
músculos,
exposição de vermelhas com
VIZINHOS
anquilose do aponeurose,
edema.
tornozelo ou músculos
e
retração
de tendões.
tendão.
Dolorosa com Dolorosa com
Geralmente só
comprometime comprometime
apresentam
QUEIXAS
nto do sono e nto do sono e
dor
quando
atividades
atividades
infectada.
habituais
habituais
Presente nos
Às vezes pode
EDEMA
Presente
casos de dor
estar presente
em repouso.
TEMPERATU Normal
ou
Diminuída
Diminuída
RA MEMBRO aumentada
Bordas
Leito fibroso irregulares e
ASPECTO
com
bordas isquêmicas,
Superficial
FERIDA
infiltradas
rosa, nacarada,
superficial
superficial ou
profunda.
DESBRIDAPode fazer
Não fazer
Não fazer
MENTO
ETIOLOGIA
DIAGNÓSTICO
VENOSA
Clínico
Geralmente
palpável
ENFAIX.
Indicado desde
COMPRESSI que não tenha
VO E BOTA infecção
ou
DE UNNA
pulso ausente
Lisa
e
brilhante,
descamativa,
PELE
AO hiperemiada,
hemossiderose,
REDOR
dermatite ocre,
lipodermatoesclerose
PULSOS
ARTERIAIS
Clínico
Ausente
diminuído
Clínico
NEUROPÁTICAS
NEOPLÁSICAS
METABÓLICAS
Neuropatia
Carcinomas de
diabética,
pele e tec.
Porfirias
hanseniana ou celular
alcoólica
subcutâneo
HEMATOLÓGICAS
INFECTOPARASITÁRIAS
Anemias
Bactérias, fungos,
crioglobulinem protozoários
e
ias
parasitas
Região plantar
e áreas de Variável
pressão
Variável (áreas
1/3 inferior da
de exposição
Variável
perna
solar)
Várias
variável
Uma ou mais
Calosidades,
hiperceratose e
deformidades
ósseas
Depende
invasão
tecidos
vizinhos
Geralmente
sem dor
Variável
Poder
apresentar dor
Dolorosas
Ausente
Ausente
Ausente
Às vezes pode Às vezes pode
estar presente
estar presente
Normal
Normal
Normal
Pode
estar Normal
diminuída
aumentada
Uma ou mais
Áreas
da
cicatriciais
dos
externas,
Não há
deformantes e
bolhas
Normalmente
Bordas
com
bordas
circulares,
irregulares e
hiperceratose e
feridas
profunda
vegetantes
Depende
extensão
quadro
da
do
Variável
ou
Normalmente
com presença
de
tecido
necrótico
Fundo amarelado
e secretante, às
vezes com feridas
vegetantes
Após
avaliação
Pode fazer
Pode fazer
Não pode
Clínico
Biópsia
e
avaliação do Laboratorial
especialista
Laboratorial
Laboratorial
clínico
Palpáveis
Palpáveis
Palpáveis
Palpáveis
Sem indicação
Sem indicação
Sem indicação
Sem indicação
Normal
Normal ou fria
Normal ou quente
e hiperemiada
ou Diminuído ou
Palpáveis
normal
Não fazer
Não fazer
Sem indicação
Ressecada,
pêlos escassos
Seca
com
Normal
ou
rachaduras e Normal
descamativa
quente
Pode fazer
Uma ou mais
e
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
SMSA/PBH
12
Ressalvas:
Úlcera de Marjolin
É o desenvolvimento de carcinoma espinocelular em ulceração crônica ou cicatriz. Caracteriza-se pela
progressão da ulceração com aspecto vegetante ou verrucoso, particularmente na borda. É imprescindível a
biopsia.
Leishimaniose Tegumentar
Lesões de pele ou mucosas normalmente com bordas elevadas, em moldura, fundo granuloso, com ou
sem exsudação e normalmente indolores. Podem ser localizadas (única ou múltipla), disseminadas (lesões muito
numerosas em várias áreas do corpo) ou difusas. Na maioria das vezes, a doença apresenta-se como uma lesão
ulcerada única.
O diagnóstico laboratorial deverá ser parte fundamental para conclusão do diagnóstico. Tendo suspeitas
desta patologia encaminhar o paciente para Centro de Pesquisa “René Rachou” – Fiocruz/MG, ver detalhamento
no item 5.3.2 p. 9.
Diagnóstico Diferencial de Úlceras
- Pioderma gangrenoso
- Desglobulinemias
- Neoplasias cutâneas
- Síndrome de Klinefelter
- Eritema endurado (TBC cutânea)
- Necrobiose lipoídica
- Vasculites
- Micoses profundas (Esporotricose , Cromomicose , Paracoccidioidomicose)
- Sífilis terciária
- Acroangiodermatite (Pseudo Sarcoma de Kapossi)
- Úlceras factícias
6.1.1. Tratamento específico de úlcera venosa
O tratamento das feridas de etiologia venosa deve envolver medidas que auxiliem o retorno venoso, uma
vez que estas lesões cicatrizarão mais rapidamente se o edema for reduzido. Para tal, utilizar-se-ão os seguintes
métodos:
- Terapia compressiva: meias compressivas, atadura elástica ou bota de Unna. A escolha dependerá da
cobertura utilizada e do volume do exsudato.
- Repouso: deve ser diário, duas horas no período da manhã e da tarde, ou dez minutos a cada hora, no
mínimo. É imprescindível manter os MMII elevados, acima do nível do coração, sem fletir os
joelhos.
- Exercícios: orientar a realização de 20 exercícios, três vezes ao dia, de elevação e abaixamento do
corpo, apoiando-se nas extremidades dos pés.
- Deambulação: é permitida a deambulação moderada se for seguida de repouso, como já descrito.
6.1.2. Tratamento específico para úlcera neurotrófica de MMII
O tratamento das feridas de etiologia neurotrófica, decorrentes de hanseníase, diabetes ou alcoolismo,
deve envolver medidas para reduzir as áreas de pressão, uma vez que este é um dos fatores responsáveis pelo
surgimento e cronicidade dessas feridas. Recomenda-se:
- pesquisar áreas de risco: inspecionar freqüentemente as áreas de calosidade e orientar o paciente a
fazê-lo.
- a utilização de calçados adaptados: encaminhar o paciente à fisioterapia para que seja confeccionado
calçado especial ou palmilha.
- o lixamento das calosidades: ensinar o paciente a fazer o lixamento das áreas calosas utilizando lixa
d’água fina após o banho.
- a deambulação com muletas: orientar a supressão de apoio na região da ferida durante todo o
tratamento.
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
6.2.
SMSA/PBH
13
Úlceras de Pressão
6.2.1. Conceito e fisiopatologia
São feridas isquêmicas que ocorrem em tecidos moles, normalmente em áreas de proeminências ósseas.
Ocorrem quando uma pressão aplicada à pele excede a pressão capilar normal, ocasionando diminuição da
irrigação sangüínea e, conseqüentemente, falta de oxigênio e nutrientes para os tecidos, o que leva à formação
do processo inflamatório e morte celular.
O termo “escara” refere-se somente a um tipo de necrose, ver descrição p. 20.
6.2.2. Classificação
Estadiamento: refere-se à classificação dos danos nos tecidos em relação à profundidade.
GRAU
DEFINIÇÃO
APRESENTAÇÃO
TRATAMENTO
I
II
III
IV
Alteração da pele intacta
envolvendo
comprometimento
da
epiderme com mudança na
temperatura, consistência
do tecido, sensação de
coceira ou queimação.
Pele clara: pode ocorrer
eritema que não desaparece
após remoção da pressão.
Pele
escura:
pode
apresentar
descoloração,
manchas roxas ou azuladas.
- Prevenção da evolução para grau II.
- Hidratação da pele.
- Utilização de coberturas protetoras.
- Utilização de dispositivos de alívio da pressão
nas áreas de risco.
- Prevenção da evolução para grau III.
Pele hiperemiada com - Hidratação da pele.
Perda tecidual envolvendo presença de bolhas que - Manutenção de meio úmido, utilização de
epiderme, derme ou ambas. podem ou não estar coberturas
rompidas.
- Utilização de dispositivos de alívio da pressão
nas áreas de risco
- Prevenção da evolução para grau IV.
Úlcera superficial com - Desbridamento
instrumental
(mecânico)
Perda tecidual envolvendo
margens bem definidas, conservador ou autolítico, se necessário.
danos ou necrose do
com
ou
sem
tecido - Manutenção de meio úmido, utilização de
subcutâneo, não chegando
necrótico e geralmente com coberturas.
até a fáscia muscular.
- Utilização de dispositivos de alívio da pressão
exsudato
nas áreas de risco
- Desbridamento instrumental conservador,
Perda
tecidual
total Úlcera
profunda,
cirúrgico ou autolítico, se necessário.
envolvendo
destruição freqüentemente com tecido
- Manutenção de meio úmido, utilização de
extensa ou danos dos necrótico,
exsudato
e
coberturas
músculos
e
tecidos podendo
ter
infecção
- Utilização de dispositivos de alívio da pressão
subjacentes.
associada.
nas áreas de risco
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
SMSA/PBH
14
6.2.3. Localizações mais comuns das úlceras de pressão
Fonte: Hess (2002)
6.2.4. Cuidados preventivos
- Limpeza freqüente e sempre que necessária, porém sem força ou fricção. Não usar água quente. Usar
sabonete suave;
- Usar hidratantes na pele;
- Não massagear as proeminências ósseas;
- Não deixar a pele em contato com umidade de urina, fezes ou secreções;
- Proteger áreas de fricção com coberturas protetoras;
- Usar técnicas corretas para reposicionamento e mudanças de decúbito;
- Providenciar equipamentos para auxiliar na manutenção da atividade;
- Manter boa hidratação oral;
- Aumentar o consumo de proteínas, carboidratos e vitaminas, principalmente A, C e E, conforme
avaliação individual do paciente;
- Orientar o paciente e familiares sobre os riscos e cuidados;
- Reposicionar a cada 2 horas para pacientes acamados e a cada 1 hora quando sentado. Descompressão
isquiática nos paraplégicos a cada 15 minutos;
- Evitar posicionar sobre o trocânter do fêmur em ângulo de 90º;
- Estabelecer protocolos de horários por escrito para reposicionamentos;
- Utilizar almofadas, travesseiros ou coxins para reduzir a pressão nas proeminências ósseas (calcâneos,
joelhos);
- Não utilizar almofadas com orifício no meio (roda d’água), pois aumentam a pressão na região
central;
- Limitar o tempo que a cabeceira da cama fica elevada a mais de 30º, se as condições permitirem;
- Usar o lençol móvel com duas pessoas para movimentar o paciente (ao invés de puxar ou arrastar);
- Utilizar colchão especial para aliviar a pressão;
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
6.3.
SMSA/PBH
15
Queimaduras
Estima-se que ocorram, no Brasil, cerca de 1 000 000 de acidentes com queimaduras/ano, e foi observado
que 2/3 destes acidentes aconteceram em casa, atingindo, na sua maioria, adolescentes e crianças.
6.3.1. Classificação
Grau da Queimadura
Superficial (1º grau)
Agente
Sol, raios ultravioletas
Parcial (2º grau)
Líquidos aquecidos,
vapor quente
Total (3º grau)
Chama direta, líquidos
aquecidos, químico e
elétrico
Aparência da Superfície
Cor
Seco, sem bolhas, mínimo Avermelhada
edema
Úmida, presença de bolha Cor-de-rosa
intermeado por
coloração branca ou
vermelha
Seca, sem retorno capilar, Amarelado, marrom,
vasos sangüíneos
preto, cor de cera
coagulados, aparência de
couro
Nível Doloroso
Doloroso
Muito doloroso
Mínimo ou indolor
Fonte: Reproduzido de Jorge, S. A.; Dantas, S. R. P. E., 2003.
6.3.2. Cálculo da superfície
A Regras dos Noves é utilizada para o cálculo da Superfície Corporal Queimada (SCQ).
ÁREA
Cabeça e Pescoço
Membro Superior Direito
Membro Superior Esquerdo
Tronco Anterior
Tronco Posterior
Genitais
Membros Inferiores Direito
Membros Inferiores Esquerdo
ADULTO
9%
9%
9%
18 %
18 %
1%
18%
18%
CRIANÇA
18%
9%
9%
18 %
18 %
----14 %
14 %
6.3.3. Critérios para atendimento nas unidades básicas de saúde
Poderão ser tratados nas Unidades Básicas de Saúde apenas pequenos queimados, em áreas não críticas e
não complicados, ou seja:
- queimaduras de 1º grau;
- queimaduras de 2º grau com menos de 10% em adultos e 6% a 8% em crianças.
São consideradas áreas críticas:
- face e seus elementos
- região cervical
- região anterior do tórax (as queimaduras nestas regiões podem causar obstrução das vias respiratórias
pelo edema)
- região axilar
- punhos, mãos e pés
- cavidades
- períneo e genitália
Queimaduras em crianças e idosos ou acompanhadas por patologias agudas e crônicas (stress, hipertensão
arterial, Diabetes Mellitus), fraturas, lesões externas ou lacerações em órgãos internos são mais graves.
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
SMSA/PBH
16
6.3.4.Cuidados em pacientes queimados
Pequenas Queimaduras
Resfriamento do local
lesado
Presença de Flictenas
preservados sem
infecção
Presença de Flictenas
rompidos
Avaliar o risco de rompimento
(idade, localização, ocupação)
Sem risco
Manter a
Flictena
- Protegê-la do
trauma;
- Orientar o
paciente a não
rompê-la.
Avaliar sinais de
infecção e presença de
sujidade
Com risco
Sem infecção
Aspirar a
Flictena
Debridar a
Flictena
- Limpeza delicada
com SF 0,9% em
jato;
- Aspirar a flictena
na base com
seringa de insulina
e agulha 25x8 mm;
- Preservar a pele
queimada;
TRATAMENTO
TÓPICO:
- hidrocolóide
- Usar paramentação
para desbridamento
- Limpeza delicada com
SF 0,9% em jato;
- Aspirar a flictena na
base com seringa de
insulina e agulha 25x8
mm;
- Usar pacote de retirada;
- Fazer uso de luvas
cirúrgicas;
- Retirar todo tecido
desvitalizado com
auxílio de tesoura ou
pinças;
- Não esquecer de fazer
campo cirúrgico (pode
ser usada gaze aberta)
TRATAMENTO TÓPICO:
Ressalva:
- Em presença de soluções oleosas podese fazer a limpeza da pele com sabão
líquido hospitalar.
- Os pacientes queimados deverão seguir
todos os critérios do atendimento aos
portadores de feridas
- Hidrocolóide
- Alginato de cálcio
- Fibra Carboximetilcel.
- Espuma
- Sulfadiazina
(ver critérios escolha ver
p. 29-30 )
- Usar paramentação
para desbridamento;
- Limpeza exaustiva com
SF 0,9% em jato;
- Usar pacote de retirada;
- Fazer uso de luvas
cirúrgicas;
- Retirar todo tecido
desvitalizado com
auxílio de tesoura ou
pinças;
- Não esquecer de fazer
campo cirúrgico (pode
ser usado gaze aberta)
TRATAMENTO
TÓPICO:
- Hidrocolóide
- Alginato de cálcio
- Fibra Carboximetilcel.
- Espuma
- Sulfadiazina
(ver critérios escolha de
p. 29-30)
Com infecção
- Usar paramentação
para desbridamento;
- Limpeza exastiva com
SF 0,9% em jato (não é
necessário usar antiséptico);
- Usar pacote de retirada;
- Fazer uso de luvas
cirúrgicas;
- Retirar todo tecido
desvitalizado com
auxílio de tesoura ou
pinças;
- Não esquecer de fazer
campo cirúrgico (pode
ser usado gaze aberta)
TRATAMENTO
TÓPICO:
- Alginato de cálcio
- Fibra Carboximetilcel.
- Espuma
- Sulfadiazina
(ver critérios escolha de
p. 29-30)
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
SMSA/PBH
17
7. ORIENTAÇÕES GERAIS
7.1.
Técnica de Limpeza da Ferida
Segundo o dicionário da língua portuguesa, limpeza é o ato de tirar sujidades. Logo, limpeza das ferida, é
a remoção do tecido necrótico, da matéria estranha, do excesso de exsudato, dos resíduos de agentes tópicos e
dos microrganismos existentes nas feridas objetivando a promoção e preservação do tecido de granulação.
A técnica de limpeza ideal para a ferida é aquela que respeita o tecido de granulação, preserva o potencial
de recuperação, minimiza o risco de trauma e/ou infecção.
A melhor técnica de limpeza do leito da ferida é a irrigação com jatos de soro fisiológico a 0,9% morno.
Não havendo disponibilidade de equipamento adequado para aquecimento (microondas) e controle da
temperatura do frasco do soro fisiológico, utilizá-lo em temperatura ambiente.
Uso de anti-sépticos ver Anexo II, p. 32.
A seguir estão as etapas da técnica de limpeza do soro fisiológico em jato.
7.1.1. Realização de curativo na unidade de saúde
Material necessário:
- pacote de curativo;
- luvas de procedimento;
- luvas cirúrgicas;
- bacia;
- saco plástico de lixo (branco);
- soro fisiológico 0,9% - 250 ml ou 500 ml;
- agulha 25 x 8 mm (canhão verde) para promover pressão adequada do jato;
- lixeira;
- máscara;
- óculos protetores;
- gorro;
- cobertura, creme ou soluções indicadas;
- gaze dupla, gaze aberta, ou ambas;
- atadura crepom, conforme a necessidade;
- esparadrapo;
- álcool a 70%;
- sabão líquido apenas para pele íntegra.
Descrição do Procedimento:
- Lavagem das mãos;
- Reunir e organizar todo o material que será necessário para realizar o curativo;
- Colocar o paciente em posição confortável e explicar o que será feito;
- Realizar o curativo em local que proporcione uma boa luminosidade e que preserve a intimidade do
paciente;
- Fazer uso do EPI (óculos, máscara, luvas, gorro e jaleco branco);
Obs.: Não realizar curativo trajando bermudas, saias e sandálias, para assim evitar acidentes de
trabalho.
- Envolver a bacia com o saco plástico, retirar o ar e dar um nó nas pontas. Depois, usá-la como
anteparo para a realização do curativo;
- Utilizar frasco de soro fisiológico a 0,9%, fazer a desinfecção da parte superior do frasco com álcool
a 70%, e perfurar antes da curvatura superior, com agulha 25 x 8 mm (somente um orifício);
Obs.: O calibre da agulha é inversamente proporcional à pressão obtida pelo jato de soro.
- Calçar as luvas de procedimento;
- Retirar a atadura e a cobertura da ferida;
- Se na remoção da cobertura e/ou atadura da ferida, os mesmos estiverem bem aderidos (grudados) na
ferida, aplicar o soro fisiológico em jatos, removendo com muita delicadeza, evitando traumas e
assim, retrocessos no processo cicatricial;
- Desprezar o curativo retirado juntamente com a luva no lixo;
- Calçar novas luvas de procedimento;
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
SMSA/PBH
18
-
Irrigar o leito da ferida exaustivamente com o jato de soro numa distância em torno de 20 cm até a
retirada de toda a sujidade;
- fazer limpeza mecânica (manual) da pele ao redor da ferida com gaze umedecida em SF 0,9%. Em
caso de sujidade pode-se associar sabão líquido hospitalar;
- Não secar o leito da ferida;
- Fazer desbridamento se necessário (p. 19);
- Aplicar a cobertura escolhida conforme a prescrição do enfermeiro ou médico (calçar luvas cirúrgicas
quando a cobertura demandar);
- Passar hidratante na pele íntegra adjacente à ferida, quando necessário, sempre após a colocação de
coberturas;
- Fazer uso da cobertura secundária, se necessário;
- Enfaixar os membros em sentido distal-proximal, da esquerda para a direita, com o rolo de atadura
voltado para cima. Em caso de abdômen utilizar a técnica em z (em jaqueta com atadura de crepom
de 20 ou 25 cm);
- Fazer o enfaixamento compressivo em caso de úlcera venosa;
- Registrar a evolução na Ficha Atendimento ao Portador de Ferida - Evolução;
- Desprezar o frasco com resto de soro no final do dia;
- Promover a limpeza dos instrumentais utilizados conforme o Manual de Esterilização da SMSA/BH;
- Realizar a limpeza e organizar a sala de curativo.
Ressalvas:
- Se utilizar pinças ou tesouras, o instrumental deve ser colocado dentro de um recipiente com água
e sabão enzimático.
- Se utilizar o tanquinho, deve-se fazer a limpeza e a desinfecção do mesmo, após o procedimento;
- Retirar o plástico da bacia, de forma que não a contamine, desprezando o mesmo no lixo;
- Se não houver contaminação da bacia, utilizá-la para o próximo curativo, realizando o mesmo
procedimento já citado;
7.1.2. Realização de curativo no domicílio
- Organizar todo o material que será necessário para a realização do curativo no domicílio;
- Encaminhar-se ao domicílio após agendamento prévio com a família ou cuidador;
Obs: é de fundamental importância, a presença de um dos familiares ou cuidador para
acompanhar a realização do curativo com o objetivo de prepará-lo para o procedimento;
- Providenciar um local bem iluminado, confortável e que preserve a intimidade do paciente durante o
atendimento;
- Utilizar um recipiente, providenciado pelos familiares, para servir de anteparo durante a realização do
curativo. O mesmo ficará separado e será utilizado apenas para este procedimento. Quando não for
possível, o profissional de saúde deverá levar uma bacia da Unidade de Saúde, sendo que, ao final do
curativo, retornará com a mesma;
- Lavar as mãos com água e sabão e se não for possível, fazer a anti-sepsia das mesmas com álcool
glicerinado (levar almotolia);
- Colocar o paciente em posição confortável e orientar sobre o procedimento a ser realizado;
- Fazer uso do EPI (óculos, máscara, luvas e jaleco branco);
- Envolver o recipiente em saco plástico conforme já descrito;
- Realizar procedimento de curativo especificado no item “Realização de Curativo da Unidade de
Saúde” – (p. 17);
- Retirar o plástico da bacia, de forma que não a contamine, desprezando o mesmo no lixo;
- Organizar o local onde foi realizado o curativo e fazer as anotações devidas;
Ressalvas:
- Proteger pinças e tesouras utilizadas na própria embalagem. Ao chegar à unidade de saúde, efetuar
limpeza conforme Manual de Esterilização da SMSA/BH;
- Proteger o frasco de soro fisiológico com o plástico do mesmo, caso não tenha sido todo utilizado, e
orientar a família a guardá-lo em lugar limpo, seco e fresco por no máximo uma semana. Evitar
guardá-lo na geladeira para evitar risco de contaminação dos alimentos.
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
SMSA/PBH
19
7.2. Desbridamento
Desbridar é o ato de remover da ferida o tecido desvitalizado e/ou material estranho ao organismo.
O desbridamento deve ser realizado por profissional habilitado, conforme deliberação COREN/MG
65/00 (p. 41).
- Desbridamento Autolítico: significa autodestruição, autodegradação natural do tecido necrótico.
Para que este processo possa acontecer, é necessário que o leito da ferida seja mantido com
umidade fisiológica e temperatura em torno de 37ºC, utilizando coberturas que são detentoras de
umidade. Sua vantagem é ser um método indolor, não invasivo e seletivo (destrói somente o tecido
desvitalizado).
- Desbridamento Químico: método onde são utilizadas enzimas proteolíticas para obter remoção
mais rápida do tecido desvitalizado. Não é um método seletivo. Exemplo: colagenase,
estreptoquinase e papaína.
- Desbridamento Mecânico: consiste na remoção da necrose do leito da ferida utilizando força física.
Pode ser usada fricção com gaze, irrigação com jato de soro, curativo úmido-seco, instrumental
cortante, podendo ser necessária ou não a analgesia. Em unidades básicas este desbridamento pode
ser realizado apenas em feridas que se estendem até a fáscia, desde que não haja necessidade de
analgesia ou comprometimento arterial.
OBS.: este procedimento deverá ser executado por profissional enfermeiro habilitado.
7.3. Técnica de Mensuração da Área Lesada
-
proceder à limpeza da ferida conforme técnica de soro em jato;
colocar parte interna do acetato (parte transparente da embalagem das coberturas) sobre a ferida;
desenhar o contorno da ferida com caneta para retroprojetor;
traçar uma linha na maior extensão vertical e maior extensão horizontal formando um ângulo de 90°
entre as linhas;
- anotar medidas das linhas em cm (no impresso de evolução) para comparações posteriores.
- multiplicar uma medida pela outra para se obter a área em cm².
Ressalvas:
- Na presença de duas ou mais feridas, separadas por pele íntegra de até 2 cm, deve-se considerar como
ferida única. Fazer a mensuração das feridas, calcular a área lesada e somá-la;
- Durante o processo cicatricial com a formação de ilha de epitelização, que divide a ferida em várias,
deve-se considerar na horizontal a medida da maior ferida e, na vertical, somar a medida de todas as
feridas. Calcular a área posteriormente, considerando apenas uma ferida.
7.4. Técnica de Mensuração da Profundidade da Ferida
-
-
limpar a ferida;
introduzir uma espátula ou seringa de insulina, sem agulha, no ponto mais profundo da ferida;
marcar no instrumento o ponto mais próximo da borda;
medir com uma régua o segmento marcado e anotar resultados em cm para comparação posterior.
7.5. Técnica de Mensuração do Solapamento da Ferida
Solapamento é o descolamento do tecido subjacente da pele íntegra devido à destruição tecidual.
- introduzir sonda uretral número 10 na ferida;
- fazer varredura da área no sentido horário;
- identificar o ponto de maior descolamento tecidual (direção em horas). A referência de 12 horas
deverá estar no sentido cefálico;
- marcar na sonda o ponto mais próximo da borda;
- medir na régua o segmento marcado;
- registrar na ficha o tamanho (cm) e direção (H) da medida feita para comparação posterior. Exemplo:
2 cm em direção a 3 horas.
Fonte: Hess (2002)
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
SMSA/PBH
20
7.6. Técnica de Mensuração da Circunferência de Membros Inferiores
-
posicionar fita métrica 2 cm acima do maléolo e medir a circunferência;
posicionar fita métrica 4 cm abaixo do joelho e medir a circunferência;
anotar as medidas do membro afetado e do contralateral;
comparar os resultados para avaliar edema.
7.7. Escalas de Avaliação
7.7.1. Dor
O paciente informa o escore de dor, segundo avaliação própria, após ser esclarecido da
correspondência de cada valor:
- 0 – ausência de dor;
- 1 – leve: dor sem demanda de analgésico;
- 2 – moderada: dor com demanda de analgésico relativa;
- 3 – intensa: dor com demanda de analgésico em horários específicos.
7.7.2. Classificação da úlcera de pressão
Esta classificação verifica o comprometimento tecidual:
- Estágio I: comprometimento da epiderme;
- Estágio II: comprometimento até a derme;
- Estágio III: comprometimento até o subcutâneo;
- Estágio IV: comprometimento do músculo e tecido adjacente.
7.7.3. Edema
Avalia-se a profundidade do cacifo formado a partir da pressão do dedo sobre os tecidos contra a
estrutura óssea. Quanto mais profundo o cacifo (depressão), maior o número de cruzes, conforme
escala abaixo:
- 0/4+: sem edema
- 1+/4+: leve cacifo
- 2+/4+: cacifo < 5mm, mas com pé e perna com contornos definidos.
- 3+/4+: cacifo entre 5 e 10 mm, acompanhado por pé e perna edemaciados.
- 4+/4+: cacifo > 1 cm acompanhado por edema severo da perna e pé.
Esta avaliação não se aplica em caso de edema duro (linfedema).
7.7.4. Tecido necrótico
O tecido necrótico é um tecido desvitalizado, avascular (não sangra), desprovido de terminações
nervosas (não dói) e possui odor desagradável. É uma barreira mecânica para o crescimento
tissular, é fonte de infecção e faz oposição à cicatrização.
O tecido necrótico pode mascarar a verdadeira extensão e profundidade da ferida.
Caracteriza-se conforme a cor e consistência:
- Necrose coagulativa ou por coagulação (escara): necrose seca e endurecida com coloração de
branca a preta.
- Necrose liquefeita ou de liquefação (esfacelo): necrose amolecida com coloração amarelada.
A avaliação da quantidade de tecido viável e inviável ocorre através da atribuição de valores
percentuais do que está sendo observado. Exemplo: 20% de tecido necrótico e 80% de tecido
viável.
7.7.5. Exsudato
Característica:
- Serosa
- Sero sanguinolenta
- Sanguinolenta
- Purulenta
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
SMSA/PBH
21
Volume:
- Pouco: até 05 gazes
- Moderado: de 05 a 10 gazes
- Acentuado: mais de 10 gazes
Odor:
- Ausente
- Discreto
- Acentuado
7.7.6. Pele ao redor da ferida
Característica:
- Intacta
- Prurido
- Dermatite
- 1+/4+: presença de hiperemia ou descamação na área peri-ferida;
- 2+/4+: presença de hiperemia ou descamação que ultrapassa a área peri-ferida;
- 3+/4+: hiperemia associada a descamação;
- 4+/4+: presença de hiperemia associada com pontos de exsudação em área além da peri-ferida,
podendo ou não estar associada a descamação.
- Eritema
- Macerada
- Descamação
7.7.7. Pulso
O pulso é verificado por meio da palpação de uma artéria, durante 1 min verificando as
características de intensidade e ritmicidade.
Esta avaliação deve ser feita nos pulsos pedioso, tibial posterior e poplíteo comparando os
segmentos homólogos para se estabelecer a medição. Sempre iniciar do ponto distal para o proximal
- 4+/4+: pulso normal
- 3+/4+: discretamente diminuído
- 2+/4+: diminuição moderada
- 1+/4+: diminuição importante
- 0 /4+: ausência de pulso
7.7.8. Teste de sensibilidade
- Exame da sensibilidade deve ser realizado em um ambiente calmo e relaxante;
- Aplique o monofilamento na mão ou no cotovelo ou na fronte do paciente de modo que ele saiba
o que será testado;
- Paciente não deve ver quando o examinador aplica o filamento;
- Aplique o monofilamento perpendicularmente à superfície da pele;
- Aplique apenas com força suficiente para encurvar o filamento;
- A duração total do procedimento, do contato com a pele não deve exceder 2 seg.;
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
SMSA/PBH
22
Diabéticos:
O teste de sensibilidade deverá ser realizado através do monofilamento de 10 g em ambas regiões
plantares em 03 locais: hálux, 3º e 5º pododactilos e 1º, 3º e 5º metatarsos.
-
-
-
Aplique o monofilamento em torno do perímetro de uma
úlcera, calo, cicatriz ou necrose. Nunca sobre tais lesões.
Evite deslizar o monofilamento sobre a pele, não faça
toques repetitivos sobre a área de teste.
Pressione o monofilamento sobre a pele e pergunte ao
paciente:
• SE ele sente a pressão aplicada (sim/não)
• ONDE a pressão esta sendo aplicada (pé
direito/esquerdo).
Repita a aplicação duas vezes no mesmo local e alterne
com, pelo menos, uma aplicação simulada, na qual o
monofilamento não é aplicado;
Faça três perguntas por local de aplicação.
Sensação protetora presente: resposta correta a duas
das três perguntas.
Sensação ausente: resposta incorreta a duas das três
perguntas, então o paciente é considerado em risco de
ulceração.
OBS.: Maiores informações e orientações sobre o Cuidados com os Pés ver anexo IV, p. 37.
Hanseníase:
Pontos de aplicação:
Fonte: Lehman (1997)
Filamento
0,05 g
0,2 g
2g
4g
10 g
7.8.
Cor
Verde
Azul
Roxo
Verm. Escuro
Laranja
Interpretação
Sensação Normal
Sensação Diminuída
Sens. Protetora Diminuída
Perda Sensação Protetora
Perda Sensação Protetora
- A seqüência de testagem dos pontos pode ser aleatória
- Evite deslizar o monofilamento sobre a pele, não faça toques repetitivos
sobre a área de teste.
- Iniciar o teste com o filamento verde (0,05g) em todos os pontos
indicados.
- Nos pontos em que o paciente não sentir o filamento verde, prossiga a
avaliação passando para o filamento azul e assim sucessivamente.
- A cada ponto testado, o filamento verde (0,05g) e o azul (0,2g) devem ser
tocados 3 vezes seguidas, para garantir que o paciente percebeu o toque.
Os demais filamentos geralmente devem ser tocados apenas uma vez, não
causando problemas se forem tocados mais de uma vez.
- Se o filamento escorregar na pele no momento do toque, não considerar a
resposta e repetir o teste no mesmo ponto.
- Começar o teste com o fio numa distância de 2 cm da área a ser testada.
(OBS: Evitar movimentos bruscos ou muito lentos).
- Solicitar ao paciente que responda, sim, quando sentir o toque. Em caso
de dúvida, voltar a cada ponto mais duas vezes para certificar se da
resposta.
- No caso de respostas positivas e negativas em um mesmo ponto,
considera-se certa se o paciente acertar pelo menos 1 das 3 tentativas.
Técnica de Enfaixamento
É a aplicação de uma faixa com o objetivo de:
envolver, conter e proteger as partes lesadas;
manter curativos e talas (apenas profissional médico);
facilitar a circulação venosa através de compressão;
imobilizar membros.
Observações:
O enfaixamento deve ser feito sempre da parte distal para a proximal;
Atentar para garroteamento sobre a ferida;
Não iniciar ou terminar o enfaixamento sobre a ferida;
Em úlceras venosas o enfaixamento deverá ser feito do pé até o joelho;
Em úlceras arteriais o enfaixamento não deverá ser compressivo.
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
7.9.
SMSA/PBH
23
Exames Complementares
7.9.1. Hemograma completo
É um teste de triagem básico que inclui:
- Contagem de hemácias: média importante na determinação de anemia e policitemia determina o
número total de hemácias encontrados em 1mm³ de sangue
- Hemoglobina: sua contagem determina a intensidade de uma anemia e avalia a policitemia.
- Hematócrito: determina a massa de hemácias e é a porcentagem de hemácias contida em um
volume total de sangue.
- Índice de hemácias:
ƒ Volume Corpuscular Médio (VCM): indica o tamanho da hemácia, ou seja, expressa o
volume ocupado por uma única hemácia
Tipo de deficiência:
Hemácias hipocrômicas
Anemia Normocíticas e Normocrômicas:
Anemia Macrocítica:
Concentração de Hemoglobina Corpuscular Média (CHCM): mede a concentração média de
hemoglobina nas hemácias.
ƒ Hemoglobina Corpuscular Média (HCM): mede o peso médio de hemoglobina por hemácia.
- Contagem de plaqueta: mede a quantidade de plaquetas. É útil para avaliar a possibilidade de
distúrbios hemorrágicos.
- Contagem de leucócitos: auxilia na avaliação da intensidade de um processo patológico.
- Contagem diferencial de leucócitos: expressa uma porcentagem do número total de leucócitos.
Esta contagem só será útil se for interpretada em relação à contagem de leucócitos.
ƒ Neutrófilos Segmentados: o neutrófilo é o tipo mais numeroso e importante de leucócito na
reação do organismo à inflamação, constituem uma defesa primária contra a invasão
microbiana.
ƒ Eosinófilos: agem fagocitando os complexos antígeno-anticorpos e só se tornam ativos no
estágio final da inflamação. Não são bactericidas, mas respondem a doenças alérgicas e
parasitárias. Portanto, é usado para diagnosticar infecções alérgicas, intensidade das
infestações por vermes e outros grandes parasitas e monitorizar a resposta ao tratamento.
ƒ Basófilos: são fagocíticos e contêm heparina, histaminas e serotoninas. Sua contagem é
importante no estudo das reações alérgicas.
ƒ Monócitos: é a 2ª linha de defesa do organismo contra infecção. Sua função é remover
células lesadas e mortas, microrganismos e partículas insolúveis do sangue circulante. São
estas células que produzem o agente antiviral interferon.
ƒ Linfócitos: são células que atuam em áreas de inflamação nos estágios inicial e final. São
extremamente importantes nas reações imunológicas.
7.9.2. Albumina sérica
Avalia o estado nutricional, pressão oncótica do sangue, enfermidades renais associadas com
proteinúria etc. Fatores que influenciam as concentrações séricas de albumina são: alterações na
distribuição dos fluidos corporais, condição de hidratação, perdas corporais e taxas de síntese e
catabolismo. Além disso, em situações clínicas caracterizadas por distúrbios no volume
plasmático corporal, tais como desidratação aguda, gestação, insuficiência cardíaca congestiva,
insuficiência hepática e insuficiência renal, as concentrações de albumina apresentam-se
alteradas, portanto, para interpretação adequada desses valores, essas condições devem ser
consideradas.
7.9.3. Glicemia de jejum
Estabelece diagnóstico de Diabetes Mellitus e avalia desordens do metabolismo dos
carboidratos.
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
SMSA/PBH
24
7.9.4. Cultura com antibiograma
Exame utilizado para revelar a presença de microrganismos aeróbicos e anaeróbicos e sua
sensibilidade e resistência à antibioticoterapia.
Rotineiramente, na SMSA/BH, este exame destina-se à detecção de bactérias aeróbicas. Caso
haja suspeita de infecção envolvendo bactérias anaeróbicas, é necessário fazer pedido
específico, junto ao laboratório de referência.
Os valores de referência dos exames dependem do método de análise e estão de acordo com o
padronizado pelo laboratório.
Conforme Resolução 195, do Conselho Federal de Enfermagem – COFEN (Anexo VII, p. 44), a
solicitação de exames complementares e de rotina pelo profissional enfermeiro faz parte do exercício das
atividades profissionais.
7.10.
Orientação Dietética
O estado nutricional do paciente reflete no processo de cicatrização. Devemos sempre avaliar o índice de
massa corporal (IMC), para caracterizar baixo peso ou obesidade e, sabermos assim, intervir de maneira eficaz.
A seguir tem-se a descrição de alguns alimentos ricos em vitaminas (A e C) e minerais (ferro e zinco).
Este conhecimento é essencial para nortear as orientações a serem fornecidas aos pacientes portadores de
feridas.
Alguns pacientes, conforme patologias prévias, deverão ter orientação dietética, avaliada e
adaptada a sua necessidade individual.
7.10.1.
Nutrientes
Proteína
Carboidratos
Gorduras
Vitamina C
Vitamina A
Complexo B
Zinco
Ferro
Manganês
Magnésio
Selênio
Os nutrientes e suas contribuições no processo cicatricial
Contribuição
Angiogênese, formação de linfócitos, proliferação de fibroblastos, síntese de colágeno,
remodelagem da ferida, resposta imunológica, fagocitose, transporte.
Fornecem energia para as atividades dos leucócitos e dos fibroblastos.
Formação de novas células.
Fonte de energia.
Síntese de colágeno, função dos neutrófilos, migração dos macrófagos, síntese de
complemento e imunoglobulina, aumenta a epitelização; aumenta a velocidade de síntese de
colágeno, melhora a ligação cruzada de colágeno.
Antioxidante
Ligação cruzada de colágeno.
Aumenta a proliferação das células e a epitelização. Permite mais resistência ao colágeno.
Transporte de oxigênio e síntese de colágeno.
Síntese de colágeno.
Síntese de colágeno, antioxidante, formação dos leucócitos.
Síntese de colágeno e antioxidante.
Favorece a função dos macrófagos e células polimorfonucleares; antioxidante.
7.10.2. Alimentos ricos em vitaminas e sais minerais
Alimentos Ricos em
Alimentos Ricos em
Alimentos Ricos em Ferro
Vitamina A
Vitamina C
Almeirão
Acerola
Açaí
Brócolis (flores cruas)
Brócolis
Aveia (flocos crus)
Cenoura
Couve
Beterraba (crua)
Couve
Espinafre
Brócolis (flores cruas)
Espinafre
Goiaba
Café solúvel
Fígado de boi cru
Beterraba crua
Espinafre cru
Goiaba vermelha
Brócolis (folhas cruas)
Feijão preto
Manga
Caju
Fígado de boi cru
Moranga
Caju (suco)
Laranja seleta
Pimentão
Laranja (suco)
Lentilha seca crua
Taioba
Limão verde (suco)
Soja crua
Alimentos Ricos em Zinco
Carne
Fígado
Ovos
Leite
Cereais integrais
Leguminosas
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
7.11.
SMSA/PBH
25
Coberturas, Soluções e Cremes Padronizadas pela SMSA/PBH
7.11.1. Solução fisiológica a 0,9% (curativo convencional)
- Composição: cloreto de sódio a 0,9%.
- Ação: mantém a umidade da ferida, favorece o desbridamento autolítico e a formação de tecido
de granulação. Amolece os tecidos desvitalizados.
- Indicação: manutenção da umidade da ferida.
- Contra-indicações: não há.
- Aplicação e troca: umedecer as gazes de contato o suficiente para manter o leito da ferida úmida
até a próxima troca, ocluir com gazes estéreis e secas. As trocas deverão ser feitas conforme a
saturação das gazes e a umidade da ferida ou no máximo a cada 24 horas.
7.11.2. Creme de sulfadiazina de prata + nitrato de cério
- Composição: sulfadiazina de prata micronizada a 1% e nitrato de cério hexahidratado a 0,4%.
- Ação: atua contra uma grande variedade de microorganismos, como: bactérias gram negativas e
positivas, fungos, vírus e protozoários. Quando associada ao cério, inibe a liberação do LPC
(Lipoprotein Complex).
- Indicação: na SMSA/PBH será priorizado para tratamento de queimaduras.
- Contra-indicações e reações adversas: presença de hipersensibilidade aos componentes.
Disfunção renal ou hepática, leucopenia transitória, raríssimos casos de hiposmolaridade,
raríssimos episódios de aumento da sensibilidade a luz solar.
- Aplicação e troca: aplicar uma fina camada do creme sobre o leito da ferida, ocluir com gazes
estéreis. As trocas deverão ser feitas conforme a saturação das gazes ou no período máximo de
24 horas.
OBS:
- Com a ação da energia térmica sobre a pele ocorre imunossupressão induzida pelo LPC que é
altamente tóxico para o organismo.
- O uso indiscriminado da sulfadiazina de prata causa citotoxicidade e pode levar à resistência
microbiana, ver detalhamento no anexo II, p. 32.
- Raramente as bactérias são eliminadas pelos antibióticos tópicos, devido à proteção da capa
fibrinosa na superfície ulcerada e algumas espécies bacterianas são capazes de produzir um
“biofilm” protetor que dificulta a ação do antibiótico. Tecidos desvitalizados ou necróticos,
espaços mortos, coleções serosas e sanguíneas também bloqueiam a ação dos antibióticos. Tais
fatos permitem afirmar que antibioticoterapia sistêmica é a mais adequada para tratar feridas
infectadas.
7.11.3. Placa de hidrocolóide
- Composição: possuem duas camadas: uma externa, composta por filme ou espuma de
poliuretano, flexível e impermeável a água, bactérias e outros agentes externos; e uma interna,
composta de partículas hidroativas, a base de carboximetilcelulose, gelatina e pectina ou ambas;
- Ação: estimula a granulação e a angiogênese (devido hipóxia no leito da ferida), absorve o
excesso de exsudato, mantém a umidade e temperatura em torno de 37°C facilitando o
crescimento celular e a regeneração tissular, também promove o desbridamento autolítico e
alivia a dor por manter protegidas, úmidas e aquecidas as terminações nervosas.
- Indicação: feridas com baixa a moderada exsudação, com ou sem tecido necrótico, queimaduras
superficiais.
- Característica: a interação da cobertura com o exsudato da ferida forma um gel amarelado,
viscoso e de odor acentuado, que minimiza as ocorrências de danos ao leito da ferida no
momento da remoção. Também possui permeabilidade seletiva, permite a difusão gasosa e
evaporação de água, é impermeável a fluídos e microorganismos (reduz o risco de infecção).
- Aplicação e Troca: deve ser aplicada diretamente sobre a ferida, deixando uma margem de 1 a 2
cm para perfeita aderência à pele íntegra. Pode ser recortada, não precisa de tesoura estéril, pois,
as bordas da placa não entram em contato com o leito da ferida. Deve ser trocada quando
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
-
SMSA/PBH
26
ocorrer extravasamento do gel ou descolamento das margens da placa, não ultrapassando 7 dias.
Não exige cobertura secundária.
Contra-indicação: feridas infectadas e altamente exsudativas.
PLACA SACRAL: o seu envio ocorrerá mediante justificativa da necessidade, descrita no campo
“Justificativa de Pedido Extra” do Mapa Mensal de Requisição de Coberturas, Cremes e Soluções.
7.11.4. Alginato de cálcio
- Composição: fibras de ácido algínico (ácido gulurônico e ácido manurônico) extraído das algas
marinhas marrons (Laminaria). Contém também íons de cálcio e sódio.
- Ação: através da troca iônica promove a hemostasia; absorve exsudato, forma um gel que
mantém a umidade, promove a granulação, auxilia o desbridamento autolítico
- Indicação: feridas com ou sem infecção, com exsudação de moderado a intenso, com ou sem
tecido necrótico e com ou sem sangramento.
- Característica: Apresenta-se em forma de placa ou cordão estéreis
- Aplicação: pode ser recortado, mas deve utilizar tesoura estéril, manusear com luvas ou pinças
estéreis. O alginato de cálcio placa de absorção horizontal, deve ser recortado do tamanho certo
da ferida, evitando a maceração da pele ao redor. Em caso de alginato de absorção vertical,
recortar de 1 a 2 cm além da borda da ferida. Deve estar associado à cobertura secundária. Em
feridas cavitárias utilizar a forma fita preenchendo o espaço parcialmente.
- Troca: a freqüência de trocas é de acordo com a quantidade de exsudato presente na ferida
podendo ser de até 7 dias. A cobertura secundária deverá ser trocada quando houver
necessidade.
- Contra-indicação: feridas com pouca drenagem de exsudato.
7.11.5. Fibra de carboximetilcelulose
- Composição: curativo não tecido composto por fibras agrupadas de carboximetilcelulose sódica.
- Ação/Característica: apresenta-se em forma de fita ou placa, macia e estéril. Tem capacidade de
absorver de moderado a intenso exsudato formando um gel coeso, que se adapta a superfície da
ferida formando meio úmido, provendo desbridamento autolítico. Sua absorção ocorre na
vertical e horizontal.
- Indicação: ferida com moderada a intensa exsudação, com ou sem infecção, com ou sem
sangramento (controla pequenas hemorragias), com ou sem tecido necrótico, feridas cavitárias
(utilizar fita), queimaduras de 1º e 2º grau.
- Aplicação e Troca: aplicar diretamente sobre a ferida de forma que ultrapasse a borda da ferida
em pelo menos 1 cm em toda a sua extensão. Requer cobertura secundária. Trocar quando
houver saturação da cobertura ou extravasamento de exsudato, não ultrapassando 07 dias após a
aplicação. Em feridas cavitárias introduzir a fita preenchendo o espaço parcialmente, deixando
margem mínima de 2,5 cm da fita para fora da superfície para facilitar a retirada.
- Contra-indicação: reações alérgicas ou de sensibilidade aos componentes da cobertura.
7.11.6. Fibra de carboximetilcelulose com prata
- Composição: curativo não tecido composto por fibras agrupadas de carboximetilcelulose sódica
e 1,2% de prata iônica.
- Ação/Característica: apresenta-se em forma de fita ou placa, impregnado com prata, cuja função
é a de inativar as bactérias retiradas do leito da ferida e retidas dentro da fibra da cobertura. Tem
capacidade de absorver de moderado a intenso exsudato formando um gel coeso, que se adapta à
superfície da ferida formando meio úmido, provendo desbridamento autolítico. Sua absorção
ocorre na vertical e horizontal.
- Indicação: ferida com moderada a intensa exsudação, com ou sem infecção (prioritariamente
com infecção), com ou sem tecido necrótico, feridas cavitárias (utilizar fita), queimaduras de
profundidade parcial (2º grau) e feridas estagnadas.
- Aplicação e Troca: aplicar diretamente sobre a ferida de forma que ultrapasse a borda da ferida
em pelo menos 1 cm em toda a sua extensão. Requer cobertura secundária. Trocar quando
houver saturação da cobertura ou extravasamento de exsudato, não ultrapassando 7 dias após a
aplicação. Em feridas cavitárias introduzir a fita preenchendo o espaço parcialmente, deixando
margem mínima de 2,5 cm da fita para fora da superfície para facilitar a retirada.
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
-
SMSA/PBH
27
Contra-indicação: reações alérgicas ou de sensibilidade aos componentes da cobertura.
OBS.: é incompatível com produtos a base de óleo, com petrolato.
7.11.7. Espuma com prata
- Composição: espuma de poliuretano com prata.
- Ação/Característica: espuma com prata proporciona meio úmido, favorecendo cicatrização; a
prata dispersa na estrutura da espuma é dispensada no leito da ferida quando em contato com o
exsudato e é contínua à medida que a cobertura é mantida. Pode causar coloração escura no leito
da ferida.
- Indicação: ferida com moderada a intensa exsudação, com ou sem infecção (prioritariamente
com infecção), com ou sem tecido necrótico, queimaduras de 2º ou 3º grau e feridas estagnadas.
- Aplicação e Troca: aplicar diretamente sobre a ferida com o lado liso e sem impressão para
baixo de forma que ultrapasse a borda da ferida em pelo menos 2 cm em toda a sua extensão.
Trocar quando houver saturação da cobertura/extravasamento do exsudato, não ultrapassando a
7 dias após a aplicação. Não necessita de cobertura secundária.
- Contra-indicação: não deve ser utilizado em pacientes com sensibilidade à prata. Não deve ser
utilizado com soluções de hipoclorito ou peróxido de hidrogênio, pois ocorre inativação da
prata.
7.11.8. Carvão ativado e prata
- Composição: curativo não tecido com carvão ativado impregnado com prata (0,15%) envolto
externamente por uma película de nylon (selada).
- Ação/Característica: curativo estéril com ação bactericida, favorece desbridamento autolítico,
mantém umidade e temperatura adequadas à cicatrização, elimina odores desagradáveis. Não
deve ser cortado devido à liberação da prata no leito da ferida, o que pode ocasionar queimadura
dos tecidos ou formar granuloma devido aos resíduos do carvão.
- Indicação: feridas com moderada a intensa exsudação, com ou sem infecção, com ou sem tecido
necrótico, feridas cavitárias e feridas fétidas.
- Aplicação e Troca: promover limpeza da ferida com SF 0,9% em jato anteriormente a aplicação
da placa. Aplicar diretamente sobre a ferida em qualquer uma das faces usando luvas ou
materiais estéreis. Requer cobertura secundária. Trocar quando houver saturação da cobertura,
não ultrapassando a 7 dias após aplicação. A cobertura secundária pode ser trocada sem a troca
da placa se ainda não estiver saturada. Em feridas cavitárias unir as 4 pontas da cobertura
formando “trouxa” e introduzir na ferida mantendo as pontas para fora da superfície, facilitando
a retirada.
- Contra-indicação: reações alérgicas ou sensibilidade aos componentes do produto. Feridas com
pouco exsudato, com presença de sangramento, exposição óssea ou tendinosa, queimaduras.
7.11.9. Filme transparente
- Composição: película de poliuretano transparente, fino, recoberta com um adesivo
hipoalergênico que adere à pele de modo suave.
- Ação/Característica: é impermeável a água, permite vaporização do exsudato (permeável a gás e
vapor) para evitar a maceração enquanto mantém ao mesmo tempo um meio úmido ideal para
cicatrização, proporciona uma barreira de projeção contra bactérias e agressões externas. Sua
transparência permite monitorar o processo de cicatrização sem ter que expor a ferida.
- Indicação: na SMSA/PBH esta cobertura destina-se a uso restrito em pacientes de alto risco para
desenvolvimento de úlcera de pressão, úlceras de pressão em estágio I e úlceras recémepitelizadas. Entretanto, está recomendado também em feridas de baixo exsudato nas quais se
deseja a observação e proteção, tais como: queimaduras superficiais, sítios doadores, incisões
cirúrgicas, feridas com perda tecidual superficial, fixação de cateteres e utilizados como
cobertura secundária.
- Aplicação/Troca: promover limpeza da ferida com SF 0,9% em jato e secar a pele ao redor da
ferida. Abrir o centro do papel de revestimento a fim de expor a superfície do curativo. Aplicar
a parte central sobre o sítio da ferida, puxar as abas (conforme especificação do fabricante) uma
por vez ao mesmo tempo em que aplica o curativo. Não estique o curativo ao posicioná-lo.
Posteriormente, remova a margem/moldura de papel, conforme especificação do fabricante. A
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
-
SMSA/PBH
28
permanência da cobertura é de até 7 dias dependendo do volume de exsudato ou descolamento
do mesmo.
Contra-indicação: feridas exsudativas, com infecção, presença de sinus e de peri-ferida friável.
OBS.: não distender o curativo durante a aplicação devido à possibilidade de desenvolvimento
de traumatismos cutâneos provocados pela tensão.
LIBERAÇÃO PARA CONSUMO: o envio ocorrerá mediante justificativa da necessidade (observar
indicação), descrita no campo “Justificativa de Pedido Extra” do Mapa Mensal de Requisição de
Coberturas, Cremes e Soluções.
7.11.10.
Hidrogel amorfo
- Composição: Composto de goma de co-polímero, que contém grande quantidade de água,
alguns possuem alginato de cálcio e/ou sódio.
- Ação/Característica: mantém a umidade e auxilia o desbridamento autolítico. Não adere ao leito
da ferida.
- Indicação: fornecer umidade ao leito da ferida
- Aplicação/Troca: Deve ser usado sempre associado a coberturas oclusivas ou gaze. As trocas
são de acordo com a saturação da cobertura associada, ou até 72 horas quando associado com
gaze.
- Contra-indicação: feridas excessivamente exsudativas.
7.11.11.
Bota de Unna
A pasta de Unna para confecção da bota será liberada para as unidades de saúde da SMSA/PBH,
mediante relatório médico com diagnóstico etiológico de úlcera venosa e prescrição de enfermagem,
considerando todas as indicações e contra-indicações da aplicação da Bota de Unna.
Estes relatórios deverão ser encaminhados para GEAS/Atenção ao Adulto e ao Idoso/Coordenação
da Comissão de Assistência aos Portadores de Feridas para análise/cadastramento e posterior
liberação do produto. As remessas subseqüentes do produto serão dispensadas mediante previsão
mensal, nominal e anexada ao Mapa de Controle e Dispensação de Coberturas, Cremes e Soluções.
Este procedimento é restrito a profissionais que conheçam a técnica e deve ser realizado após
avaliação e diagnóstico médico. A SMSA disponibiliza treinamento no referido procedimento aos
seus profissionais.
O uso concomitante da Bota de Unna e de coberturas aumenta a eficácia do tratamento da úlcera.
- Composição: 42% glicerina, 11,1% gelatina, 10,5% óxido de zinco, 100 g água qsp, 0,2%
conservantes.
- Ação/Característica: é uma bandagem de compressão não-elástica que apresenta efeito apenas
durante a movimentação, quando ocorre a contração e relaxamento dos músculos dos membros
inferiores, auxiliando o retorno venoso. Além de auxiliar o retorno venoso, diminui edema,
promove proteção e favorece a cicatrização da úlcera.
- Indicação: úlcera venosa, úlcera de pacientes portadores de hanseníase e edema.
OBS.: Recomendado apenas para pacientes que deambulam.
- Aplicação: se o paciente utiliza outras coberturas, realizar o curativo antes do repouso e
aplicação.
- Material necessário: pote com pasta de Unna, 3 ataduras de crepom de 12 a 15 cm
(conforme o diâmetro da perna), pincel, ebulidor e recipiente para água quente.
- antes de iniciar o procedimento colocar o paciente em repouso com os membros inferiores
elevado por 30 minutos;
- colocar o frasco com a pasta (quando manipulada) em banho maria até liquefazê-la;
- mergulhar duas bandagens de crepom no frasco até ficarem totalmente embebidas com a
pasta ou usar um pincel para aplicar a pasta em cada uma das duas bandagens utilizadas no
enfaixamento. Observar a temperatura da pasta antes de aplicá-la;
- durante o enfaixamento manter o pé em ângulo de 90º em relação à perna para favorecer a
deambulação;
- iniciar o enfaixamento da região distal do metatarso, incluindo o calcanhar até 3 cm abaixo
do joelho. O enfaixamento deverá ser sobreposto em 50% em espiral ou “8”; na região do
calcanhar utilizar sempre o enfaixamento em “8”. Evitar dobras ou rugas na atadura
durante o enfaixamento;
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
SMSA/PBH
29
-
-
-
-
-
fazer pressão suficiente para manter o enfaixamento firme, porém sem garrotear o membro;
aplicar gaze sobre a primeira bandagem para absorção do excesso de exsudato na região
próxima a ferida, se houver necessidade;
- aplicar a segunda camada de atadura, observando todos os procedimentos anteriores;
- terminar o enfaixamento com atadura sem pasta.
Troca: a permanência dependerá da quantidade de exsudato e da contenção da bandagem com
pasta, podendo ficar até 14 dias, sendo a média de troca de 7 dias.
- suspender o uso da Bota de Unna se apresentar sinais e sintomas de infecção (dor
crescente, eritema, sensação de calor e aumento da temperatura local) ou intolerância ao
produto;
- suspender se observar sinais e sintomas de insuficiência arterial (dedos pálidos ou
cianóticos, edema severo acima da bandagem, dor ou falta de sensibilidade nos dedos);
- Encaminhar para avaliação clínica pormenorizada, após cicatrização para definição do
tratamento a seguir será cirúrgico ou a manutenção com método compressivo local.
Contra-indicação: úlcera arteriais e mistas (arteriovenosa) com ITB < 0,8 (ver Anexo V, p. 39),
úlcera infectada, insuficiência cardíaca descompensada, DPOC, trombose venosa profunda,
celulite, sensibilidade aos componentes da pasta.
Orientações ao paciente: elevar membros sempre que estiver sentado, caminhar, não permanecer
muito tempo sentado ou de pé, manter a bota seca e proteger a atadura durante o banho.
7.11.12.
Creme hidratante
Composição: 8% de uréia, 2% de glicerina, 5% de óleo de amêndoa doce, 5% de óleo mineral, 11,5%
ácido esteárico, 0,1% EDTA, 1,5% alcalizante e 0,4% conservante.
Ação: a uréia presente no creme facilita a penetração de moléculas de água até camadas mais
profundas da pele;
Indicação: hidratação tópica;
Contra-indicações: pele friável, relato de alergia a qualquer componente do produto.
7.12.
EXSUDATO
Nenhum Æ
Baixo
Critérios de Avaliação para Indicação de Coberturas
NECROSE
OBJETIVO
Ausente (tec. - manter umidade
- proteger
Granulado)
Liquefeita/
Esfacelo
Ausente (tec. Granulado)
Liquefeita/
Esfacelo
Coagulativa/ escara
Coagulativa/
escara
Baixo Æ
Moderado
- desbridar
- controlar exsudação
- proteger
hidratar
desbridar
proteger
controlar exsudação
proteger
desbridar
controlar exsudação
proteger
absorver
hidratar
desbridar
proteger
-
INDICAÇÃO
hidrocolóide
hidrogel
hidrogel
hidrocolóide
hidrocolóide + hidrogel
fibra carboximetilcelulose ou alginato + hidrogel
- hidrocolóide + hidrogel (obs. Maceração)
-
hidrocolóide
fibra de carboximentilcelulose ou alginato
hidrocolóide
hidrocolóide + hidrogel
fibra carboximetilcelulose ou alginato + hidrogel
alginato de cálcio
fibra carboximetilcelulose com ou sem prata
carvão ativado com prata
espuma poliuretano com prata
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
Moderado Æ
Acentuado
- absorver
- controlar exsudação
Ausente (tec. - redução dos níveis
bacterianos
Granulado)
- adsorção de odores
desagradáveis
- desbridar
- absorver
- controlar exsudação
Liquefeita/
- redução dos níveis
Esfacelo
bacterianos
- adsorção de odores
desagradáveis
- desbridar
- absorver
- controlar exsudação
Coagulativa/
- redução dos níveis
escara
bacterianos
- adsorção de odores
desagradáveis
SMSA/PBH
-
alginato de cálcio
fibra carboximetilcelulose com ou sem prata
carvão ativado com prata
espuma poliuretano com prata
-
alginato de cálcio
fibra carboximetilcelulose com ou sem prata
carvão ativado com prata
espuma poliuretano com prata
-
alginato de cálcio
fibra carboximetilcelulose com ou sem prata
carvão ativado com prata
espuma poliuretano com prata
30
OBSERVAÇÕES:
-
-
ODOR: usar carvão ativado com prata. Em caso de baixa exsudação, associar com hidrogel.
SANGRAMENTO: usar fibra de carboximetilcelulose ou alginato de cálcio para promover hemostasia.
Não utilizar carvão ativado com prata.
EXPOSIÇÃO ÓSSEA OU TENDINOSA: utilizar fibra de carboximetilcelulose ou alginato de cálcio. Não
usar carvão ativado com prata.
INFECÇÕES: verificar sinais de infecção (dor, calor, rubor, edema e aumento da exsudação).
- Exsudação baixa a moderada com presença de infecção: usar fibra de carboximetilcelulose com ou sem
prata, alginato de cálcio, espuma de poliuretano com prata ou carvão ativado com prata.
- Se houver aderência das coberturas associar ao hidrogel.
CAVIDADE: toda cavidade deverá ser parcialmente preenchida, lembrando que os produtos saturam e se
expandem. Opções de coberturas: hidrogel, fibra de carboximetilcelulose com ou sem prata, carvão ativado
com prata, alginato de cálcio. O hidrogel poderá ser associado às outras coberturas conforme o volume de
exsudato.
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
SMSA/PBH
31
8. ANEXOS
8.1.
Anexo I – Produtos Não Padronizados pela SMSA/PBH
Uso de produtos para realização de curativos que não são padronizados pela SMSA/PBH não tem o
respaldo institucional e não são fornecidos pela SMSA. Alguns produtos como:
I. Colagenase: foi retirada da padronização devido a sua indicação restrita, ou seja, indicada como
agente desbridante em lesões superficiais. Não promove desbridamento seletivo, pois aumenta a
degradação de componentes moleculares, diminui fator de crescimento, destruindo células viáveis.
Também exige troca 2 vezes ao dia.
II. Antibióticos tópicos: segundo orientação da ANVISA, a eficácia da antibioticoterapia tópica é
extremamente limitada, sendo indicada, excepcionalmente, nos casos de queimados. A não indicação
ocorre devido ao aumento de colonização por agentes resistentes e quando a ação é contra GRAM
positivo ocorre aumento da infecção por GRAM negativo e vice-versa.
- Neomicina: foi retirada da padronização devido a sua indicação restrita, ou seja, não deve ser
usada por longos períodos, pode causar exantemas cutâneos, além de algum grau de intoxicação,
principalmente em feridas extensas, queimaduras e úlceras.
III. AGE (ácidos graxos essenciais): não foi padronizado na SMSA/BH por ser registrado na ANVISA
como cosmético.
IV. Produtos de uso culinário: (exemplo, óleo de girassol, açúcar, mamão etc) Sua fabricação é
destinada à alimentação, não existindo comprovação científica da sua eficácia em tratamento de
feridas. Existe controvérsias quanto à indicação de uso e intervalo de trocas.
Os pacientes que não estiverem dentro do Protocolo de Assistência aos Portadores de Feridas, ou seja,
utilizando as coberturas especiais, deverão ser acompanhados pela Unidade de Saúde e os curativos serão
realizados com gaze embebida com soro fisiológico 0,9% e com trocas diárias.
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
8.2.
SMSA/PBH
32
Anexo II – Revisão Bibliográfica – Antissépticos
Autores
Célula epitelial
Soluções
Resultados
LINEAWEAVER,
W. et al, 1985
Fibroblastos
humanos
PVP-I-1%;
Ácido acético-0,25%;
Ausência de fibroblastos viáveis após
Peróxido de hidrogênio-3%; Soro fisiológico- exposição às soluções, exceto ao soro
0,9%;
fisiológico
Hipoclorito de sódio 0,5%;
McCAULEY,R.L.
et al, 1989
Fibroblastos
humanos
Sulfaziadina de prata e Acetato de mafenide
COOPER,M.L.
al, 1991
et
Fibroblastos e
queratinócitos
TEEPE, R. et al,
1993
Queratinócitos
Autores
Animal
Ácido acético-0,25%;
PVP-I-0,5%;
Hipoclorito de sódio 0,12%
Clorexidina-0,01%;
Hipoclorito de sódio 0,02%;
Acido acético - 0,05%;
PVP-I-0,5%,
Sulfadiazina de prata a 0,01% e nitrato de cério
+ sulfadiazina de prata 0,01%
Soluções
RYDBERG,B.
e
SEDERFELDT, B.
1968
Rato
Soro fisiológico 0,9%; Cloreto de Benzalcônio
entre 0,01 e 0,02% (detergente catiônico)
CUSTER, J. et al,
1972
Porco
Soro fisiológico 0,9%; hexaclorofeno a 3%;
PVP-I com detergente aniônico
GERONEMUS,R.G
. et al, 1979
Porco
Soro fisiológico 0,9%; nitrofurazona; PVP-I,
sulfadiazina de prata e neosporina
LINEAWEAVER,
W et al, 1985
Rato
Soro fisiológico 0,9%; PVP-I a 1%; hipoclorito
de sódio 0,5%; peróxido de hidrogênio 3% e
ácido acético 0,25%
NIEDMER,R.
&
SCHOPF,E. 1986
Porco
1) Clorexidina a 0,5%
2) PVP-I a 0,5%
ARCHER,H.G.
al, 1989
Porco
Clorexidina a 0,5%; PVP-I a 0,8% e irgasan a
0,2%
et
Fonte: Jorge (2003)
Ausência de fibroblastos viáveis
Houve toxicidade às duas células e o PVP-I
foi considerado o mais tóxico
Todas as soluções foram citotóxicas.
A clorexidina, o PVP-I e o hipoclorito de
sódio foram inativados pelo soro.
Resultados
As feridas expostas ao antisséptico
apresentaram redução da força tensil e atraso
do processo cicatricial
As feridas expostas aos antissépticos
apresentaram aumento da resposta da
inflamatório e a ocorrência de infecção foi
maior
As feridas expostas aos antissépticos
apresentaram redução da taxa de cicatrização
A força tensil tecidual foi reduzida e o atraso
do processo de epitelização foi diretamente
proporcional ao tempo de exposição aos
antissépticos
1) Redução da camada de granulação
33,77%;
2) Redução da camada de granulação
38,0%
As feridas expostas aos antissépticos
apresentaram redução da força tensil e atraso
do processo cicatricial
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
8.3.
SMSA/PBH
Anexo III – Utilização de Açúcar no Tratamento de Feridas
33
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
SMSA/PBH
34
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
SMSA/PBH
35
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
SMSA/PBH
36
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
8.4.
SMSA/PBH
37
Anexo IV – Cuidado com os Pés
O pé diabético é uma das mais graves e onerosas complicações do diabetes mellitus. A amputação de uma
extremidade inferior ou parte dela é geralmente uma conseqüência de uma úlcera no pé. Uma estratégia que inclua
prevenção, educação dos pacientes e dos profissionais de saúde, tratamento multidisciplinar das úlceras do pés e sua rígida
monitoração pode reduzir as taxas de amputação entre 49 a 85%.
A) Inspeção regular e exame do pé em risco
Todos os pacientes devem ser examinados pelo menos uma vez ao ano para detectar potenciais problemas
no pé. Pacientes com fatores de risco comprovados devem ser examinados mais freqüentemente no intervalo de um a seis
meses. A ausência de sintomas não significa que os pés sejam saudáveis, pois os pacientes podem ter neuropatia, doença
vascular periférica ou mesmo uma úlcera sem quaisquer queixas. Os pés devem ser examinados com o paciente deitado e
em pé; os calçados e as meias também devem ser examinados.
História: úlcera e ou amputação prévias, educação terapêutica prévia, isolamento social, falta de acesso
ao sistema de saúde, caminhar descalço.
Neuropatia: sintomas: dor, formigamento, perda de sensibilidade
Condição vascular: claudicação, dor em repouso, pulsação nos pés, palidez à elevação e rubor postural.
Pele: coloração, temperatura, edema, patologia ungueal (unhas encravadas), cortes errados das unhas,
úlcera, calos, anidrose, rachaduras, maceração interdigital.
Osso, articulação: deformidades (dedos em garra, em martelo ou proeminências ósseas), perda de
mobilidade (hálux rígido).
Calçados e meias: avaliação do interior e exterior do calçado e do tipo de tecido e confecção da meia.
B) Identificação do pé em risco
Sistema de classificação do risco
Categoria
Risco
0
Neuropatia ausente
1
Neuropatia presente
Neuropatia presente, sinais de doença vascular
2
periférica e/ou deformidades nos pés
3
Amputação/úlcera prévia
Freqüência de avaliação
Uma vez ao ano
Uma vez a cada 6 meses
Uma vez a cada 3 meses
Uma vez entre 1 a 3 meses
C) Educação do paciente, da família e dos profissionais de saúde
Para o paciente, objetiva incentivar a motivação e a habilidade para os auto-cuidados e a capacidade para
reconhecer potenciais problemas e capacidade para agir diante deles. Enquanto para os profissionais, a instrução periódica
visa a melhorar o cuidado com os pacientes de risco.
Itens de instrução para pacientes
- Inspecionar diariamente os pés, inclusive as áreas entre os dedos, se necessário usar espelho ou pedir
auxílio a outra pessoa;
- Higienizar diariamente os pés
- Avaliar a temperatura da água antes de usá-la que não deve ultrapassar a 37º C;
- Usar sabão de glicerina;
- Escolher esponja macia para o dorso dos pés e áspera para a planta dos pés;
- Limpar entre os dedos;
- Enxaguar para remover todo resíduo de sabão;
- Secar os pés sem fricção, principalmente entre os dedos;
- Não deixar os pés de molho;
- Hidratar a pele dos pés e pernas e não aplicar creme ou óleo entre os dedos;
- Massagear os pés (dos dedos para a perna, exceto com varizes);
- Remover calosidades (somente com lixa d’água);
- Cortar e lixar reto as unhas sem aprofundar nos cantos e deixá-las aparadas. Não tentar cortá-las se a
visão estiver deficiente;
- Usar somente tesoura ou cortador para o corte das unhas e não remover cutículas;
- Não usar esmalte leitoso e escuro;
- Usar meias de algodão e não-apertadas. Nunca usar meias de nylon (apertam e retêm umidade);
- Não cruzar as pernas ou ficar na mesma posição por muito tempo;
- Se o peso da coberta causar dor ou incomodo, colocar um travesseiro ou almofada embaixo da coberta,
entre os pés e o guarda-cama ;
- Não usar bolsa de água quente ou aquecedor para aquecer os pés;
- Reduzir o peso corporal e adotar uma boa hidratação oral;
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
-
-
-
SMSA/PBH
38
Proteger os pés de pernilongos e de Tunga penetrans;
Redobrar cuidados com a parte que restou de uma amputação e com o outro pé;
Evitar fumo e álcool;
Providenciar avaliação regular dos pés com a equipe de saúde e sempre que notar qualquer alteração nos
pés (lesão, bolhas, calos, diferença de temperatura, dormência, micoses, doenças das unhas, “bicho-depé” etc.).
Calçados:
Evitar calçados inadequados (couro duro, com muitas costuras, sintéticos, bico fino, abertos, fáceis de sair
dos pés, com solados muito finos, deformados ou furados);
Não existe calçado perfeito. O melhor é aquele que se adapta a cada pessoa;
O ideal é que sejam de pano ou de couro macio, com forro e poucas costuras, fechados com cadarços, de
bico largo, arredondado e de boa altura, salto baixo, com apoio nos calcanhares e de solados antiderrapantes;
Comprar calçados no período da tarde do dia, com um número a mais e iniciar seu uso progressivamente;
Inspecionar e apalpar diariamente a parte interna dos calçados antes de usá-los, verificando se há pedras,
pregos, deformação nas planilhas ou qualquer coisa que possa ferir os pés;
Somente usar as palmilhas sob medida;
Não andar descalço;
O calçado adequado têm que estar adaptados às deformidades e às alterações biomecânicas são essenciais
à prevenção.
D) Tratamento da patologia não-ulcerativa
Nenhuma lesão deve ser desconsiderada no pé diabético. Os calos, patologias nas unhas e na pele devem
ser tratados adequadamente.
Screening do pé diabético: identificação dos pacientes de maior risco.
-
pobre controle metabólico (glicohemoglobina maior que 10)
maior duração do diabetes – mais de 10 anos do tipo I e qualquer tempo do tipo 2
problemas prévios com os pés: deformidades congênitas ou adquiridas
doença vascular periférica
limitação da mobilidade articular (LMA) com sinal da prece positivo
retinopatia ou nefrapatia diabética
obesidade e/ou dislipidimia
consumo de álcool
senilidade (maior de 60 anos)
- escolaridade e/ou renda baixa.
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
8.5.
SMSA/PBH
39
Anexo V – Índice Tornozelo Braço
É um teste não-invasivo, que utilizando o Doppler ultra-som manual, verifica-se a pressão sistólica das
artérias braquiais e nos membros inferiores, a pressão sistólica das artérias femorais, poplíteas ou tibiais posteriores e
pediosas.
O índice tornozelo/braço é determinado dividindo-se a pressão sistólica do tornozelo (Pt) pela pressão
sistólica do braço (Pb), ou seja, ITB = Pt/Pb.
A finalidade do teste é detectar a insuficiência arterial e graduá-la.
Resultados
1,11 ± 0,10
0,59 ± 0,15
0,26 ± 0,13
0,05 ± 0,08
Relação entre o ITB e as diferentes fases da isquemia
Interpretação
Indivíduo normal
Doente com claudicação intermitente
Doente com dor em repouso
Doente com risco de gangrena
O ITB não é útil em avaliar a presença de comprometimento microvascular associado à artrite reumatóide,
vasculite sistêmica e diabetes mellitus.
Em pacientes com diabetes, com artérias calcificadas, estes índices podem mostrar-se elevados mesmo em
vigência de doença arterial obstrutiva.
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
40
8.6.
Anexo VI – Cartilha de Prevenção de Úlceras de Pressão – Orientações para o paciente e
cuidadores
O QUE É ÚLCERA DE PRESSÃO OU DE DECÚBITO?
As Úlceras de Pressão surgem normalmente em pacientes que passam
muito tempo assentados (cadeira de rodas) ou deitados (acamados) na
mesma posição.
As feridas iniciam com mancha avermelhada ou bolhas, que podem
aprofundar até atingir músculos, articulações, ossos ou cavidades, se não
forem tratadas adequadamente. Em pacientes de pele negra as manchas
podem ser escuras.
QUAIS AS LOCALIZAÇÕES MAIS COMUNS DAS ÚLCERAS
DE PRESSÃO?
Geralmente são as áreas onde os ossos são mais salientes, ver desenho
abaixo:
COMO PREVENIR AS ÚLCERAS DE PRESSÃO?
- Verificar a pele do paciente pelo menos 01 vez ao dia (exemplo,
horário do banho), principalmente nas áreas com saliência óssea;
- Limpar a pele com sabão neutro e água morna, após aplicar óleo
cosmético ou creme hidratante, na pele sem ferida. Evitar massagear
as saliências ósseas;
- Pacientes acamados mudar a posição de 2 em 2 horas observando o
alinhamento do corpo e a distribuição do peso, sem arrastá-lo (usar
lençol móvel com duas pessoas para movimentar o paciente);
- Pacientes em cadeira de rodas devem levantar as nádegas da cadeira
a cada 15 minutos;
- Usar travesseiros para proteger as áreas onde ocorre maior pressão;
Fonte: Cartilha I, Centro de Vida Independente.
OBS.: não usar almofadas tipo argola ou roda d’água.
- Manter o paciente sempre seco. Trocar as fraldas sempre que
necessário. Utilizar colchão revestido com material que absorva
umidade
ORIENTAÇÕES GERAIS
- Manter uma alimentação equilibrada é muito importante para a
prevenção da Úlcera de Pressão;
- Caso inicie uma Úlcera de Pressão, mesmo com todos esses
cuidados, solicite a avaliação da equipe de saúde do Centro de Saúde
mais próximo.
Fonte: Hess (2002)
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
41
8.7.
Anexo VII – Deliberações e Resoluções sobre Atendimento de
Enfermagem Realizado pelo Enfermeiro
8.7.1. Deliberação COREN-MG -65/00
Informativo técnico do cuidado a portadores de lesões cutâneas.
Finalidade
O presente documento contém informações técnicas referentes à avaliação do portador de lesão cutânea, a
avaliação, classificação e tratamento da lesão incluindo os métodos de desbridamento do tecido necrótico.
Tem por objetivo estabelecer a atuação dos profissionais de enfermagem na prevenção e tratamento das lesões
cutâneas.
I) AVALIAÇÃO DO PORTADOR DE LESÃO
1. Exame clínico
1.1.Entrevista
1.2. Exame físico
II) AVALIAÇÃO DA LESÃO
1. Característica do tecido
1.1. Tecido de granulação
1.2. Tecido de epitelização
1.3. Tecido necrótico
2. Aspecto do exsudato
2.1. Seroso
2.2. Sero-sanguinolento
2.3. Sanguinolento
2.4. Pio-sanguinolento
2.5. Purulento
3. Exposição de estruturas anatômicas
3.1. Músculo
3.2. Tendão
3.3. Vasos sanguíneos
3.4. Osso
3.5. Cavidade/órgãos
III) CLASSIFICAÇÃO DA LESÃO
1. Extensão - área = cm2
1.1. Pequena: menor que 50 cm2
1.2. Média: maior que 50 cm2 e menor que 150 cm2
1.3. Grande: maior que 150 cm2 e menor que 250 cm2
1.4. Extensa: maior que 250 cm2
Observação: Mensuração preconizada: utilizar-se-á a medida das maiores extensões na vertical e na horizontal
da ferida a ser classificada. Ressalta-se que os dois traçados devem ser perpendiculares, constituindo-se num
ângulo de 90°.
Existindo mais de uma ferida no mesmo membro ou na mesma área corporal, com uma distância mínima entre
elas de 2 cm, far-se-á a somatória de suas maiores extensões (vertical e horizontal).
2. Profundidade - comprometimento estrutural
2.1. Superficial: até derme
2.2. Profunda superficial: até subcutâneo
2.3. Profunda total: músculo e estruturas adjacentes.
Observação: Havendo tecido necrótico, utilizar-se-á essa classificação após desbridamento.
3. Comprometimento tecidual (esta classificação aplica-se somente à úlcera de pressão)
Estágio 1 -comprometimento da epiderme.
Estágio 2 -comprometimento da epiderme e derme.
Estágio 3 -comprometimento da epiderme, derme e subcutâneo.
Estágio 4 -comprometimento da epiderme, derme, subcutâneo e tecidos adjacentes.
Observações: Havendo tecido necrótico, o estadiamento deve ser reavaliado.
4. Presença de microrganismos
.Limpa
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
4.2. Contaminada
4.3. Infectada
SMSA/PBH
42
5. Tempo de existência
5.1. Aguda
5.2. Crônica
IV) TRATAMENTO
1. Limpeza
1.1. Ferida aguda
Limpeza exaustiva que visa a retirada de sujidades e microrganismos existentes no leito da lesão. É
permitido neste caso o uso de soluções antisépticas.
1.2. Ferida crônica
Limpeza que visa a retirada de debris, excesso de exsudato, resíduo de agentes tópicos e
microrganismos existentes no leito da lesão, além de preservar o tecido de granulação. Utiliza-se para
tal, somente o soro fisiológico 0,9% morno, em jato (força hidráulica), independente de apresentar
infecção ou não.
2. Desbridamento
Remoção de material estranho ou desvitalizado de tecido de lesão traumática, infectado ou não, ou adjacente a
esta, até expor-se tecido saudável circundante.
2.1. Mecânico - por ação física
2.1.1. Fricção
Esfregar a gaze ou esponja embebida com solução salina no leito da lesão em um único sentido.
Indicação: lesões agudas com sujidade;
Contra-indicação: lesão crônica.
2.1.2. Com instrumental cortante
Retirar o tecido necrótico utilizando instrumentos cortantes (lâminas e/ou tesoura).
Indicação: lesões que comprometem até o tecido subcutâneo -profunda superficial ou úlceras
de pressão de estágio 3.
Contra-indicação: úlceras isquêmicas e aquelas sem possibilidade de cicatrização, úlceras
fúngicas e neoplásicas, distúrbios de coagulação, com exposição de tendão ou com pacientes
em terapia anti-coagulante.
Procedimento
Material necessário:
- pacote contendo pinça hemostática reta, anatômica e de dissecção, tesoura delicada reta, com
ponta (Iris)
- lâmina de bisturi e cabo correspondente
- pacotes de compressas estéreis
- luvas cirúrgicas
- equipamento de proteção individual (óculos, capote, gorro e máscara)
- soro fisiológico a 0,9% e anti-séptico (para uso periferida)
Locais indicados para realização da técnica:
- sala de curativos
- ambulatórios
- à beira do leito
O ambiente deve ser privativo, limpo, com luminosidade adequada, tranqüilo e confortável,
tanto para o paciente quanto para o profissional.
Técnica
Necrose coagulativa (ex.: escara)
- Pinçar o tecido necrótico na borda, com a pinça de dissecção;
- Dissecar o tecido necrótico em finas lâminas, em um único sentido, utilizando a lâmina de
bisturi;
- No caso de tecido intensamente aderido ou profissionais com pouca habilidade, recomenda-se
a delimitação do tecido necrótico em pequenos quadrados, utilizando-se a lâmina de bisturi e
procedendo o desbridamento;
- Interromper o procedimento antes do aparecimento do tecido viável, em caso de
sangramento, queixa de dor, cansaço (do cliente/paciente ou do profissional), tempo
prolongado e insegurança do profissional.
Necrose liqüefeita (amolecida)
- Pinçar o tecido necrótico com pinça de dissecção e cortar com a tesoura;
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
-
SMSA/PBH
43
Interromper o procedimento antes do aparecimento do tecido viável em caso de sangramento,
queixa de dor, cansaço (do cliente/paciente ou do profissional), tempo prolongado e
insegurança do profissional.
2.2. Autolítico
Por autólise, ou seja, auto degradação do tecido necrótico sob ação das enzimas lisossomais,
liberadas por macrófagos.
Indicação: feridas com tecido necrótico, ressaltando-se que, em casos de escaras, este processo
pode ser prolongado. Entende-se por escara o tecido necrótico aderido ao leito da lesão de
consistência dura, seco e petrificado, geralmente de cor escura.
Contra-indicação: úlceras isquêmicas e fúngicas.
Procedimento
Material necessário:
- Soro fisiológico 0,9%
Coberturas que garantam um ambiente propício à autólise, ou seja, um ambiente com umidade
fisiológica, temperatura em torno de 37ºC, mantendo-se a impermeabilidade ou oclusão da
ferida, propiciando a hipóxia no leito da mesma.
Técnica
- Limpeza do leito da ferida com soro fisiológico 0,9% morno, em jato.
- Secar pele íntegra, periferida e aplicar a cobertura indicada.
2.3. Químico
Por ação de enzimas proteolíticas, que removem o tecido desvitalizado através da degradação
do colágeno.
Indicagão: feridas com tecido necrótico, independente da sua característica.
Contra-indicação:
- Úlceras isquêmicas, fúngicas e neoplásicas;
- Pacientes com distúrbios de coagulação.
Procedimento
Material necessário:
- Soro fisiológico 0,9%
- Medicamentos tópicos à base de enzimas proteolíticas tais como, papaína e colagenase.
Técnica
- Limpeza do leito da ferida com soro fisiológico 0,9%, morno, em jato;
- Secar pele íntegra periferida, aplicar fina camada do produto indicado sobre o leito da lesão;
- Ocluir a lesão.
3. Coberturas
As coberturas a serem indicadas devem garantir os princípios de manutenção da temperatura no leito da lesão
em torno de 37ºC, de manutenção da umidade fisiológica e de promoção de hipóxia no leito da mesma. Além
disso, a cobertura deve apresentar as seguintes características:
- preencher espaço morto;
- ser impermeável a microrganismos e outros fluidos;
- propiciar hemostasia;
- ser de fácil aplicação e remoção, evitando trauma no leito da lesão;
- ser confortável e esteticamente aceito;
- absorver excesso de exsudato;
- reduzir a dor e o odor.
V) COMPETÊNCIAS DOS PROFISSIONAIS DA ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO E
TRATAMENTO DAS LESÕES
1. Enfermeiro
1.1. Realizar a consulta de enfermagem: exame clínico (entrevista e exame físico) do cliente/paciente
portador de lesão ou daquele que corre risco de desenvolvê-la.
1.2. Prescrever e orientar o tratamento.
1.3. Solicitar exames laboratoriais e de Raios X quando necessários.
1.4. Realizar o procedimento de curativo (limpeza e cobertura).
1.5. Realizar o desbridamento quando necessário.
2. Técnico e Auxiliar de Enfermagem.
2.1. Realizar o procedimento de curativo (limpeza e cobertura), prescrito pelo Enfermeiro.
2.2. Realizar o desbridamento autolítico e químico prescrito pelo Enfermeiro.
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
SMSA/PBH
44
Parágrafo Único: O tratamento das diversas lesões deve ser prescrito pelo Enfermeiro,
preferencialmente pelo especialista na área.
Observações:
A prescrição de medicamentos e solicitação dos exames laboratoriais e de Raios X, quando realizadas,
deverão ocorrer conforme protocolo da instituição.
8.7.2. Resolução COFEN - 159
Dispõe sobre a consulta de Enfermagem
O Conselho Federal de Enfermagem (COFEN), no uso de sua competência, tendo em vista as deliberações do
Plenário em sua 214ª Reunião Ordinária,
Considerando o caráter disciplinador e fiscalizatório do COFEN e dos Regionais sobre o exercício das
atividades nos serviços de Enfermagem do País;
Considerando que a partir da década de 60 vem sendo incorporada gradativamente em instituições de
saúde pública a consulta de Enfermagem, como uma atividade fim;
Considerando o Art. 11, inciso I, alínea "i" da Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, e no Decreto
94.406/87, que a regulamenta, onde legitima a Consulta de Enfermagem e determina como sendo uma
atividade privativa do enfermeiro;
Considerando os trabalhos já realizados pelo COFEN sobre o assunto, contidos no PAD-COFEN nº 18/88;
Considerando que a Consulta de Enfermagem, sendo atividade privativa do Enfermeiro, utiliza
componentes do método científico para identificar situações de saúde/doença, prescrever e implementar
medidas de Enfermagem que contribuam para a promoção, prevenção, proteção da saúde, recuperação e
reabilitação do indivíduo, família e comunidade;
Considerando que a Consulta de Enfermagem tem como fundamento os princípios de universalidade,
eqüidade, resolutividade e integralidade das ações de saúde;
Considerando que a Consulta de Enfermagem compõe-se de Histórico de Enfermagem (compreendendo a
entrevista), exame físico, diagnóstico de Enfermagem, prescrição e implementação da assistência e evolução
de enfermagem;
Considerando a institucionalização da consulta de Enfermagem como um processo da prática de
Enfermagem na perspectiva da concretização de um modelo assistencial adequado às condições das
necessidades de saúde da população;
Resolve:
Art. 1º - Em todos os níveis de assistência à saúde, seja em instituição pública ou privada, a consulta de
Enfermagem deve ser obrigatoriamente desenvolvida na Assistência de Enfermagem
Art. 2º - Esta Resolução entrará em vigor na data de sua assinatura.
Rio de Janeiro, 19 de abril de 1993
Ruth Miranda de C. Leifert – COREN-SP nº 1.104 – Primeira-secretária
Gilberto Linhares Teixeira – COREN-RJ nº 2.380 – Presidente
8.7.3. Resolução COFEN - 195
Dispõe sobre a solicitação de exames de rotina e complementares por Enfermeiro
O Conselho Federal de Enfermagem (COFEN), no uso das atribuições previstas no artigo 8º, incisos IX e XIII
da Lei nº 5.905, de 12 de julho de 1973, no artigo 16, incisos XI e XIII do Regimento da Autarquia aprovado
pela Resolução COFEN-52/79 e cumprindo deliberação do Plenário em sua 253ª Reunião Ordinária,
Considerando a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, no seu artigo 11, incisos I alíneas "i" e "j" e II,
alíneas "c", "f" , "g", "h" e "i";
Considerando o Decreto nº 94.406, de 08 de junho de 1987, no artigo 8º, incisos I, alíneas "e" e "f" e II,
alíneas "c", "g" , "h", "i" e "p";
Considerando as inúmeras solicitações de consultas existentes sobre a matéria;
Considerando que para a prescrição de medicamentos em programa de saúde pública e em rotina
aprovada pela instituição de saúde, o Enfermeiro necessita solicitar exame de rotina e complementares para
uma efetiva assistência ao paciente sem risco para o mesmo;
Considerando os programas do Ministério da Saúde: "DST/AIDS/COAS"; "Viva Mulher"; "Assistência
Integral e Saúde da Mulher e da Criança (PAISMC)"; "Controle de Doenças Transmissíveis" dentre outros,
Considerando Manuais de Normas Técnicas publicadas pelo Ministério da Saúde: "Capacitação de
Enfermeiros em Saúde Pública para SUS - Controle das Doenças Transmissíveis"; "Pré-Natal de Baixo Risco"
- 1986; "Capacitação do Instrutor/Supervisor/Enfermeiro na área de controle da Hanseníase" - 1988;
"Procedimento para atividade e controle da Tuberculose"- 1989; "Normas Técnicas e Procedimentos para
utilização dos esquemas Poliquimioterapia no tratamento da Hanseníase"- 1990; "Guia de Controle de
Hanseníase" - 1994; "Normas de atenção à Saúde Integral do Adolescente" - 1995;
Considerando o Manual de Treinamento em Planejamento Familiar para Enfermeiro da Associação
Brasileira de Entidades de Planejamento Familiar (ABEPF);
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
SMSA/PBH
45
Considerando que a não solicitação de exames de rotina e complementares quando necessários para a
prescrição de medicamentos é agir de forma omissa, negligente e imprudente, colocando em risco seu
cliente (paciente); e,
Considerando o contido nos PADs COFEN nº 166 e 297/91,
Resolve:
Art. 1º - O Enfermeiro pode solicitar exames de rotina e complementares quando no exercício de suas
atividades profissionais.
Art. 2º - A presente Resolução entrará em vigor na data de sua publicação.
Rio de Janeiro, 18 de fevereiro de 1997
Dulce Dirclair Huf Bais – COREN-MS nº 10.244 – Primeira-secretária
Gilberto Linhares Teixeira – COREN-RJ nº 2.380 – Presidente
8.7.4. Resolução COFEN – 279/2003
Dispõe sobre a vedação da confecção, colocação e retirada de aparelho de gesso e calha gessada,
por profissional de enfermagem.
O Plenário do Conselho Federal de Enfermagem - COFEN, no uso das suas atribuições legais e regimentais,
CONSIDERANDO a Lei nº 5.905/73, artigo 8º, IV e V;
CONSIDERANDO a Lei nº 7.498/86 e seu Decreto Regulamentador nº 94.406/87;
CONSIDERANDO o Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem, aprovado pela Resolução COFEN nº
240/2000, em seus artigos 16 e 51;
CONSIDERANDO tudo o que mais consta no PAD COFEN nº 282/91, em especial, o Parecer de Relator
nº 021, de 20/04/1994;
CONSIDERANDO o deliberado na Reunião Ordinária do Plenário nº. 311;
RESOLVE:
Art. 1º - É defeso ao Profissional de Enfermagem a realização de confecção, colocação e retirada de
aparelho de gesso e calha gessada.
Art. 2º - Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogando-se disposições em contrário.
Rio de Janeiro, 16 de junho de 2003.
Gilberto Linhares Teixeira
COREN - RJ nº 2.380
Presidente
Carmem de Almeida da Silva
COREN- SP nº 2.254
Primeira Secretária
8.7.5. Portaria SMSA/SUS-BH N.º 013/2006
Dispõe sobre procedimentos a serem adotados em tratamento de usuários em uso de calha
gessada.
O Secretário Municipal de Saúde de Belo Horizonte e Gestor do SUS/BH, no uso de suas atribuições legais e:
Considerando:
as diretrizes dirimidas pela Resolução COFEN nº 279/2003;
a necessária garantia de cuidados de enfermagem a pessoas com calha gessada;
a necessária observância à missão institucional e as prerrogativas éticas do trabalho em saúde;
ser responsabilidade do Gestor Municipal as ações envolvendo o “modus operandi” da rede
assistencial, envolvendo a operacionalização, articulações e fluxos da rede;
a manifestação dos órgãos de fiscalização do exercício profissional da Medicina e Enfermagem.
Resolve:
Art. 1º - Determinar que ao usuário portador de calha gessada, inclusive com ferida aberta, serão
garantidos cuidados específicos pelos profissionais de saúde;
Art. 2º - Estabelecer que os médicos retirem, temporariamente, a calha gessada, possibilitando via de
acesso à lesão a ser tratada, recolocando-a imediatamente, quando necessário;
Art. 3º - Caberá à equipe de Enfermagem proceder ao tratamento da ferida conforme prescrição ou
indicação da melhor conduta a ser adotada;
Art. 4º - Estabelecer que caberá ao médico subscritor do tratamento e à respectiva equipe que o executar a
responsabilidade pelo acompanhamento de todo tratamento.
Parágrafo único – Estabelecer que será de exclusiva responsabilidade médica a retirada definitiva do
aparelho de gesso ou calha gessada.
Art. 5º - Esta portaria entra em vigor na data de sua publicação e aplica-se às Unidades de Saúde.
Belo Horizonte, 02 de maio de 2006
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
8.8.
SMSA/PBH
46
Anexo VIII – ATENDIMENTO AO PORTADOR DE FERIDAS
Unidade de Saúde:_____________________________________
Data: _____/_____/______
1. TERMO DE COMPROMISSO
Objetivos do tratamento
No tratamento de feridas o Serviço tem por objetivos:
Avaliar e acompanhar o portador de ferida;
Encaminhar para outros profissionais quando se fizer necessário;
Propiciar condições que facilitam a cicatrização da ferida;
Orientar e estimular o autocuidado.
Entendimento por parte do paciente
Fica claro ao paciente o direito e a oportunidade de fazer perguntas relacionadas ao Serviço,
tratamento, seus objetivos e suas regras, sendo que os profissionais do serviço estarão sempre aptos a
respondê-las.
É de sua responsabilidade:
não faltar aos retornos agendados por duas vezes consecutivas ou três alternadas sem comunicação
prévia;
respeitar e seguir todas as orientações fornecidas pelos profissionais de saúde;
não retirar ou trocar o curativo no domicílio sem a autorização do profissional;
procurar o Serviço de Saúde fora da data agendada em caso de intercorrências ou complicações;
assumir as atividades relativas a limpeza e higiene pessoal.
Consentimento
De acordo com o exposto acima, aceito participar do tratamento proposto pelo Serviço.
____________________________________________________
Assinatura do Participante
Nome legível: ___________________________________
Autorização
Autorizo que os dados referentes a evolução do meu tratamento sejam publicados na forma de
pesquisa, desde que resguarde sigilo sobre minha identidade.
____________________________________________________
Assinatura do Participante
Data:
_______________________, _____ de ___________________de_________
Foi discutido o protocolo de tratamento com o paciente, usando linguagem acessível e apropriada.
Acredita-se ter fornecido as informações necessárias e bom entendimento das mesmas.
____________________________________________________
Assinatura e Carimbo do Profissional Responsável
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
47
SMSA/PBH
2. FICHA DE REGISTRO
Identificação
Nome: __________________________________________________________________ Prontuário ___________________
Data Admissão: ______/ _____/ ______
Sexo: ________ Data de nascimento: _____/______/_________ Cor (auto-denominação) ( ) amarela ( ) branca ( )indígena ( ) negra ( ) parda
Escolaridade: _____________ Ocupação atual: ________________________________ Saneamento básico: ( ) não ( ) sim
No de moradores: ________________________
Endereço: _______________________________________________________________________________________ Eq. PSF: ____________________ Fone:__________________
Hábitos pessoais
Refeições: No/dia: _____ Preferência alimentar: ______________________________________________________________ Ingesta hídrica: _______ l/dia
Sono: ______ h/noite
Insônia: ( ) sim ( ) não Motivo:_________________________ Hábito intestinal: Freqüência: ______ vezes/dia No micções:______ vezes/dia
Etilismo: ( ) não ( ) sim Há quanto tempo: _________________ Tabagismo: ( ) não ( ) sim No de cigarros/dia:_______ Alergia tópica: ( ) não ( ) sim Produto:_________________
Anamnese
Doenças atuais __________________________________________________________________________________________________________________________________________
Medicamentos em uso: ____________________________________________________________________________ Vacina anti-tetânica: ( ) não ( ) sim Última dose ____/____/____
Lesão cutânea prévia: ( ) não ( ) sim-local: __________________ Amputação prévia ( ) não ( )sim - local:_________ Auto-cuidado prévio:__________________________ Terapia
compressiva: ( ) não ( ) sim-Qual? ______________ Repouso: ( ) não ( ) sim-Técnica:____________ Mobilidade: ( ) deambula ( ) deambula com auxílio ( ) não deambula
Exame físico
Peso: ______________Kg
Altura: _______________m
IMC: ____________ Kg/m2
P. A. ____________mm/Hg
Circunferência
MID
Pulso
MIE
Panturrilha
Tornozelo
Pedioso
MID
Tibial Posterior
Poplíteo
Pedioso
MIE
Tibial Posterior
Teste Sensibilidade
MID
MIE
Poplíteo
Circunferência: posicionar fita métrica 2 cm acima do maléolo e medir a circunferência e posicionar fita métrica 4 cm abaixo do joelho e medir a circunferência;
Pulso: 0 = ausência de pulso, 1 = diminuição importante, 2 = diminuição moderada, 3 = discretamente diminuído e 4 = pulso normal
Teste de sensibilidade: ver resultado p. 21
ƒExame local
Sinais e sintomas locais
(
(
(
(
) Micose interdigital
) Varizes
) Edema
) Linfedema
(
(
(
(
Ferida 01
) Hiperpigmentação
) Lipodermatoesclerose
) Hiperceratose
) Dermatites
Ferida 02
Ferida 03
( ) Claudicação
( ) Cianose
( ) Hipotermia
( ) Pele ressecada
Ferida 04
Ferida 05
( ) Ausência de pêlos
( ) Fissuras
( ) Calosidades
( ) Deformidades
Ferida 06
Ferida 07
Localização
Etiologia ¹
Classificação ²
(comprometimento tecidual)
Tempo de existência da
ferida
¹ Úlcera de estase, microangiopática, arteriosclerótica, anêmica, neurotróficas, pressão, queimadura,. outros (especificar). Descrição ver protocolo página 11.
² Se Úlcera de Pressão: estágio I, estágio II, estágio III e estágio IV. Descrição ver protocolo página 18.
Se Demais Úlceras: superficial (até derme), profunda parcial (até subcutâneo) e profunda total (estruturas mais profundas).
(
(
(
(
Ferida 08
) Proeminências ósseas salientes
) Incontinência urinária
) Incontinência anal
) Outros: especificar: __________
Ferida 09
Ferida 10
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
SMSA/PBH
48
3. EVOLUÇÃO
Data
Mensuração
Solapamento
correspondente) Vertical Horizontal Área Profun(cm)
(cm)
(V x H) didade Direção ¹ cm
Ferida (Nº
Tec.
Necrótico %
Exsudato ²
Edema 5
InfecDor ³ Periferida 4
ção Odor Caract Volume
MID MIE
¹ Solapamento: fazer varredura da área no sentido horário e identificar o ponto de maior descolamento tecidual ( direção em horas).
² Odor: 1=ausente, 2=discreto e 3=acentuado
Característica: 1=purulento, 2=seroso, 3=serosanguinolento e 4=sanguinolento
Volume: 1=até 5 gazes, 2=5-10 gazes e 3= >10 gazes.
³ Dor: 0 = ausente, 1 = leve, 2 = moderada, 3 = intensa, descrição do próprio paciente.
4 Periferida: 1 = intacta, 2 = macerada, 3 = eritema, 4 = descamação, 5 = prurido e 6 = dermatite.
5 Edema: 1 = 1+/4+, 2 = 2+/4+, 3 = 3+/4+, 4 = 4+/4+
6 Resultados de exame e dados vitais anotar no campo “observação”.
Observação
Assinat
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
49
SMSA/PBH
OBS.: Esta página se destina ao controle da utilização das coberturas especiais e necessária para consolidação do Mapa Mensal. Em caso de desligamento
os dados deverão ser repassados para o Mapa Mensal.
4. CONTROLE E DISPENSAÇÃO
Somatória das Áreas Lesadas: __________________
Etiologia da Ferida:_____________________________
Tempo Existência da Ferida:______
Início do Tratamento: ____/____/____
Término do Tratamento: ____/____/____
Motivo Desligamento:
Cura
Abandono
A pedido
Falência
Óbito
Encaminhamento
Qual?__________________________
QUANTIDADE UTILIZADA
DATA
Hidrocolóide Hidrocolóide Hidrocolóide Fibra Carbox Fibra Carbox
10 x 10
15 x 15
sacral
15x 15
Fita
Carvão
10 x 10
Carvão
10 x 19
Espuma
com Prata
Filme
Transpar.
Hidrogel
Sulfadiazina
de prata
Creme
Hidratante
Assinatura
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
8.9.
Anexo IX – MAPA MENSAL DE
SOLUÇÕES PARA TRATAMENTO DE FERIDAS
-
50
SMSA/PBH
REQUISIÇÃO
DE
COBERTURAS,
CREMES
E
UNIDADE DE SAÚDE: _________________________________________
PEDIDO PARA O MÊS DE: _______/_ _____ Nº DE PACIENTE INSCRITOS: ___________
Instrução de preenchimento e de dispensação:
Este formulário se destina ao controle dos produtos de coberturas, cremes e soluções para feridas, sendo também o instrumento para requisição ao almoxarifado;
A liberação dos produtos ocorrerá mediante cálculo de previsão feito pela Unidade de Saúde;
O preenchimento deverá ocorrer em 02 vias, sendo a 1ª enviada para a Coordenação de Curativo/SMSA e a 2ª via arquivada na própria Unidade de Saúde;
O não envio deste formulário em tempo hábil para a Coordenação acarretará em prejuízo à Unidade, pois impossibilitará o envio dos produtos para o mês correspondente;
A quantidade referenciada na previsão terá que obedecer o máximo de 10 pacientes em tratamento por mês, sendo que haverá provisão mínima suficiente para 02 trocas da cobertura
indicada por semana. Em caso de necessidade extra deverá ser justificada abaixo e com antecedência.
O compilados das altas deverá ser preenchido no campo próprio abaixo, a partir do da Ficha de Controle e Dispensação de Coberturas, Cremes e Soluções para Tratamento de Feridas.
Hidrocolóide Hidrocolóide Hidrocolóide Fibra Carbox Fibra Carbox Carvão Carvão
Espuma
*Filme
Sulfadiazina
Creme
PACIENTES
Hidrogel
10 x 10
15 x 15
sacral *
15x 15
Fita
10 x 10 10 x 19 com Prata Transpar
de prata
Hidratante
01
02
03
04
05
06
07
08
09
10
11
12
Quant. Utilizada
Estoque Atual
PREVISÃO
JUSTIFICATIVA DE PEDIDO EXTRA:
* Materiais que necessitam de justificativa para o envio. Observar critérios de indicação da SMSA/BH na descrição dos materiais.
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________
DESLIGAMENTOS DO MÊS (* Motivos de Desligamento: Cura, Abandono, A pedido, Encaminhamento, Falência e Óbito):
Tempo exist ferida Início tratatº Term. Tratatº Desligamento*
Nº
NOME
D.N.
SEXO Área Lesada
Etiologia
NOME RESPONSAVEL PREENCHIMENTO: ___________________________________________________________ ASSINATURA:_________________________________________
Sistema
Único de
Saúde
Protocolo de Assistência para Portadores de Ferida
SMSA/PBH
9. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
BARROS, A. L. B. L.; et all. Anamnese e exame físico: avaliação diagnóstica de enfermagem no adulto. Porto
Alegre: Artmed, 2002. 272 p.
BORGES, E. L.; GOMES, F. S. L.; LIMA, V. L. A. N.; et al. Feridas: como tratar. Belo Horizonte: Coopmed,
2001. 144 p.
Figueiredo M. Doença venosa e exercícios físicos. In: Pitta, G. B. B.; Castro, A. A., Burihan E.; editores.
Angiologia e cirurgia vascular: guia ilustrado. Maceió: UNCISAL/ECMAL & LAVA; 2003. Disponível em:
URL:http://www.lava.med.br/livro
HESS, C. T. Tratamento de feridas e úlceras. 4. ed. Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso Editores, 2002.
226p.
JORGE, S. A.; DANTAS, S. R. P. E. Abordagem Multiprofissional do Tratamento de Feridas. São Paulo:
Atheneu, 2003. 378p.
MELLO, N. A. Angiologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1998. 322 p.
PUECH-LEÃO, P.; KAUFFMAN, P. Interfaces da angiologia e cirurgia vascular. São Paulo: Roca; 2002.
480p.
Gomes, D. R.; Serra, M. C.; Macieira, L. Jr. Condutas atuais em queimaduras. Rio de Janeiro: Livraria e
Editora Revinter Ltda, 2001. 158p.
RIBEIRÃO PRETO. Prefeitura Municipal. Manual de Assistência integral às pessoas com feridas crônicas.
Ribeirão Preto, 2004. 51 p.
SANTOS, N. S. J. et al. Albumina sérica como marcador nutricional de pacientes em hemodiálise. In: Rev.
Nutr., Campinas, 2004;17 (3):339-349.
THOMAZ, J. B. Úlceras nos membros inferiores: diagnostico e terapêutica. São Paulo: Fundo Editorial BYK,
2002.
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. Úlceras Venosas e Doenças
Venosas. Ribeirão Preto, 2002. Disponível em: http://www.eerp.usp.br/projetos/feridas/tratven.htm
BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica.
Manual de condutas para úlceras neurotróficas e traumáticas / Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de
Saúde, Departamento de Atenção Básica. - Brasília: Ministério da Saúde, 2002. 56 p.: il. - (Série J. Cadernos de
Reabilitação em Hanseníase; n. 2)
BORGES, E. L.; LATINE, F. ; CARVALHO, D. V.; MACHADO, A. M . A Utilização do Açúcar No
Tratamento de Feridas Cutâneas-Revisão Bibliográfica dos Últimos 2o Anos. Revista Médica de Minas Gerais,
Belo Horizonte, v. 12, n. 3, p. 163-166, 2002.
Lehman, L. F.; Orsini, M. B. P.; Fuzikawa, P. L.; Lima, R. C.; Gonçalves, S. D. Avaliação Neurológica
Simplificada. Belo Horizonte: ALM International, 1997. 104p. Disponível em:
http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/ans.pdf
MARINGÁ. Centro de Vida Independente. Setor de Lesado Medular. Cartilha I. 7p.
ANVISA. Controle de Infecção – Uso de antimicrobiano. Disponível em:
http://www.anvisa.gov.br/faqdinamica/asp/usuario.asp?usersecoes=30&userassunto=65
Dantas, S.R.P.E; Jorge, S.A. Feridas e Estomas. Campinas ISP: edição do autor, 2005. 110 p.
51
Fly UP