...

Acho que na sociedade actual nos falta filosofia. Filosofia como

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

Acho que na sociedade actual nos falta filosofia. Filosofia como
Marcos Antônio Lorieri
Acho que na sociedade actual nos falta filosofia. Filosofia como
espaço, lugar, método de reflexão, que pode não ter um objectivo
determinado, como a ciência, que avança para satisfazer objectivos. Falta-nos reflexão, pensar, precisamos do trabalho de pensar, e parece-me que, sem ideias, não vamos a parte nenhuma.
(SARAMAGO, 2008)
O ponto de partida deste ensaio é a constatação da contrariedade e, ao mesmo tempo,
da complementaridade entre o papel conservador e inovador da educação em relação ao
mundo humano, o que a leva a propor inovações e não apenas conservação. Objetiva-se
apresentar reflexões sobre como pensar a educação nessa dupla direção e sobre o seu
papel de formadora de consciências críticas capazes de serem orientadoras das ações
das novas gerações nessa situação ambivalente, problema a ser pensado pela Filosofia
da Educação. O caminho escolhido foi o de desenvolver reflexão a partir de ideias de
Durkheim, Adorno, Arendt, Kant, Lipman, Dewey e outros, com o objetivo de trazer
contribuições para se pensar o problema posto. Os resultados obtidos apontam para a
necessidade de a educação oferecer ajuda consistente ao desenvolvimento do pensamento
reflexivo e crítico das novas gerações como recurso fundamental para a produção de
discernimentos, ajuizamentos e deliberações relativas ao que conservar e ao que inovar.
Conclui que, nas escolas, a ênfase não pode estar apenas na transmissão de informações,
mas também no trabalho de reflexão crítica a respeito e a partir dessas informações, ou
seja, no desenvolvimento do pensar bem que alimente uma razão crítica e autocrítica.
Palavras-chave: Inovação. Adaptação. Educação. Pensamento crítico. Pensar bem.
EDUCATION BETWEEN TRADITION AND INNOVATION DEMANDS: THE
ROLE OF THINKING
This paper’s starting point is the verification of both opposition and complementarity
between the traditional and innovative roles of education facing the human world,
proposing innovation and not only preservation. We aim to present reflection based
on how to think about education into these double roles and also about its task of
forming critical consciousness able to direct the new generations in this scenario. This
problem should be a matter for philosophy of education. We develop our reflection
considering the ideas of Durkheim, Adorno, Arendt, Kant, Lipman, Dewey, and others,
Doutor em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professor Titular do Programa de Pós-Graduação em
Educação da Universidade Nove de Julho (UNINOVE). Endereço para correspondência: Av. Francisco Matarazzo, 612 – São
Paulo, SP. CEP: 05001-100. [email protected]
∗
Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 21, n. 38, p. 229-237, jul./dez. 2012
229
A educação entre a tradição e as exigências de inovação: papel do pensamento.
aiming to bring contributions to the presented problem. The results show the need of
education to offer consistent help in the development of reflective and critical thinking
for the new generations as the main resource to produce insights, judgments and
consideration related to what should be preserved and what should be innovated. We
conclude that the focus, at schools, may not be only in transmission of information,
but also in critical reflective thinking that starts with the information provided, that
is, developing the good thinking that feeds critical reasoning.
Keywords: Innovation. Adaptation. Education. Critical thinking. Good thinking.
Um problema ao qual a Filosofia da Educação
precisa estar atenta é o da contrariedade e, ao mesmo tempo, da complementaridade entre o papel
conservador da educação em relação ao mundo
humano que aí está, fruto de uma história e, portanto, de uma tradição e o seu papel de crítica a esse
mesmo mundo, o que implica ser propositora de
mudanças ou inovações. Como pensar a formação
das novas gerações nesse espaço ricamente ambivalente da educação? Como pensar, nesse âmbito, os
cuidados educativos relativos à maneira de pensar
de crianças e jovens? Problema a desafiar a reflexão
filosófica sobre a educação e que se situa no debate
entre o respeito à tradição e a busca educacional
para atender exigências da atualidade que podem
opor-se ao que a tradição indica.
Parte-se, aqui, do pressuposto de que é papel
fundamental da educação apresentar às novas
gerações o que já foi feito pelos que vieram antes
e que é seu papel, também, incentivar a busca por
inovações, pois há sempre algo a faltar na vida
humana por conta da inconclusão do mundo e dos
seres humanos. Conforme diz Freire (2009, p. 76),
“[...] o mundo não é. Está sendo”. Parte-se ainda
do pressuposto de que a maneira de pensar das
pessoas é um dos fatores importantes tanto para a
compreensão crítica da realidade que aí está, fruto
do que veio antes, quanto para a busca de caminhos
para as necessárias inovações.
Há posturas que afirmam que a realidade está
em constante mudança, ou em devir. Por outro
lado, há posições que se pautam pela convicção
230
de que tudo está dado pronto e não há nada a fazer
a não ser constatar o funcionamento sempre igual
do mundo e da história humana que nele ocorre.
A segunda maneira de pensar (uma postura ontológica, como a primeira) sugere a acomodação e a
consagração do sempre igual. Será isso bom? Bom
para quem? Costuma-se denominar essa posição
de conservadora. O seu contrário poderia ser uma
posição inovadora ou revolucionária. Entretanto,
para ser inovador ou revolucionário, é necessário
estudo sério, rigoroso, profundo e crítico do que
aí está. É preciso constatar o que já existe e buscar
compreendê-lo da melhor maneira possível para
poder pensar nas necessárias mudanças, nas inovações. Vale, nesse sentido, considerar, mais uma
vez, o que diz Freire:
Não sou apenas objeto da História, mas seu sujeito
igualmente. No mundo da História, da cultura, da
política, constato não para me adaptar, mas para
mudar. [...] Constatando, nos tornamos capazes
de intervir na realidade, tarefa incomparavelmente
mais complexa e geradora de novos saberes do que
simplesmente a de nos adaptar a ela. (FREIRE, 2009,
p. 77, grifos do autor).
O que se quer com o trabalho educativo? Ajudar crianças e jovens apenas a constatarem o que
ocorre e os conhecimentos já sabidos relativos ao
que ocorre? Não cabe, ao ajudá-los a constatarem o que aí está e os conhecimentos já sabidos,
incentivá-los, também, a pensar o que pode ainda
faltar na realidade, a pensar o que mais se poderia
saber além do já sabido, a buscar saber sobre o que
não está bem no mundo no qual entraram e no qual
viverão? Não cabe fazer uma educação que, além da
busca da conservação do “antigo bom”, incentive a
busca pelo que falta, a busca pelo “novo bom”, pela
boa inovação e quiçá pela necessária revolução?
Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 21, n. 38, p. 229-237, jul./dez. 2012
Marcos Antônio Lorieri
Caberia à educação, além de apresentar às novas
gerações o mundo que aí está e os conhecimentos
a respeito dele, propor-lhes, também, que pensem
criticamente esse mundo e esses conhecimentos? E,
ao propor-lhes que pensem criticamente o mundo,
oferecer-lhes ajuda para que o saibam fazer?
Considerações a partir e em torno de ideias
de pensadores como Durkheim (2010), Adorno
(1995) e Hannah Arendt (1972) podem ajudar no
esclarecimento dessas questões e em indicações de
caminhos para sua solução.
Durkheim via a educação como tendo um papel primordial de adaptação das gerações novas à
sociedade na qual elas ingressam. Em Educação e
Sociologia ele define assim a educação:
A educação é a ação exercida pelas gerações adultas
sobre as que ainda não estão maduras para a vida social. Tem por objeto suscitar e desenvolver na criança
certo número de estados físicos, intelectuais e morais
dela exigidos tanto pela sociedade política em seu
conjunto quanto pelo meio social ao qual está particularmente destinada. (DURKHEIM, 2010, p. 36-37).
São conhecidos os posicionamentos contrários a
essa visão de educação segundo os quais a educação
não pode ser esse processo pura e simplesmente
de adaptação das gerações novas à sociedade.
Segundo esses posicionamentos, Durkheim teria
exagerado nessa definição de educação e, mais
ainda, ao reforçá-la quando afirma: “Resulta da
definição precedente que a educação consiste
numa socialização metódica da nova geração.”
(DURKHEIM, 2010, p. 37). Ele não julgava ter
exagerado na proposição de uma educação que
visasse à adaptação das gerações novas à sociedade.
Na verdade via esse processo de adaptação como
um processo de inovação a ser produzido em cada
indivíduo, pois cada ser humano nasce marcado
por qualidades naturais que o levam a ser egoísta e
associal. Uma verdadeira nulidade para a existência
em convivência, conforme afirmou. É necessário,
pela educação, criar um ser novo, um ser social
em substituição ao ser antigo, puramente natural.
É preciso que, pelas vias mais rápidas, ao ser
egoísta e associal que acaba de nascer, ela acrescente outro, capaz de uma vida moral e social. Eis
a obra da educação e nos apercebemos de toda a
sua grandeza. Ela não se limita a desenvolver o
organismo individual no sentido marcado por sua
natureza, a tornar aparentes as forças escondidas
à espera da revelação. Ela cria no homem um ser
novo. Essa virtude criadora é um privilégio especial
da educação humana (DURKHEIM, 2010).
De acordo com essa perspectiva, a educação é,
por sua própria natureza, inovadora para as novas
gerações ao buscar adaptá-las à sociedade na qual
ingressam ao nascer. Contudo, ao mesmo tempo,
conservadora da própria sociedade tida como algo
dado pronto. Por que razões houve e há tantas vozes contrárias a essa perspectiva? Por que razões
tiveram tanto sucesso, especialmente durante o
século XX, as propostas de uma “educação para
a mudança”? Queremos realmente mudanças?
Queremos inovações? Por quê? Não queremos
conservar nada? Não compete à educação socializar
as novas gerações?
Adorno também pensou a respeito. Em Educação e Emancipação, ao tratar sobre “Educação:
para quê?”, aponta, diferentemente de Durkheim,
para um duplo papel da educação como adaptação
e como resistência ao dizer:
A educação seria impotente e ideológica se ignorasse o objetivo de adaptação e não preparasse os
homens para se orientarem no mundo. Porém, ela
seria igualmente questionável se ficasse nisto, produzindo nada além de well adjusted people, pessoas
bem ajustadas, em consequência do que a situação
existente se impõe precisamente no que tem de pior.
Nestes termos, desde o início existe no conceito de
educação para a consciência e para a racionalidade
uma ambiguidade. Talvez não seja possível superá-la no existente, mas certamente não podemos nos
desviar dela. (ADORNO, 1995, p. 143-144).
Ao não negar o papel de adaptação para a educação, afirma, ao mesmo tempo, o seu papel de
resistência ao que aí está. Resistir na busca de um
novo tipo de sociedade e, por consequência, de um
novo tipo de seres humanos. O “existente” a que ele
se refere não diz respeito apenas à época em que
vivia, mas também, e com mais intensidade, aos
nossos dias. Trata-se da massificação das pessoas
por todos os meios. Dentre eles, aqueles contra os
quais se insurgia: os da indústria cultural, isto é,
os meios que servem para tornar as pessoas cada
vez mais iguais dentro de um padrão que interessa
à dominação do consumismo, o qual beneficia
apenas a quem com ele lucra. Inovação, frente a
Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 21, n. 38, p. 229-237, jul./dez. 2012
231
A educação entre a tradição e as exigências de inovação: papel do pensamento.
essa realidade, seria promover o desenvolvimento
de consciências críticas capazes de se oporem a
toda manipulação. Seria, por certo, uma grande
inovação: a da resistência a toda imposição. “A
educação, por meio da família, na medida em que
é consciente, por meio da escola, da universidade,
teria neste momento de conformismo onipresente
muito mais a tarefa de fortalecer a resistência do
que fortalecer a adaptação.” (ADORNO, 1995,
p. 144.). Essa resistência tem como uma de suas
potentes ferramentas o desenvolvimento da consciência crítica e autocrítica. Isso é, frente a qualquer
situação de dominação (e estamos numa delas),
o “novo bom” é a emancipação das pessoas em
relação a esse estado de coisas e em relação a esse
tipo de sociedade, contrariamente ao que pensava
Durkheim. Um bom e necessário caminho inovador deve ser o do desenvolvimento da consciência
crítica. “De certo modo, emancipação significa
o mesmo que conscientização, racionalidade.”
(ADORNO, 1995, p. 143). As escolas como agências educacionais têm enfatizado os processos de
adaptação ou de socialização. O que fazer, ou o
que se pode fazer no tocante à imperiosa necessidade de desenvolvimento de consciências críticas
e autocríticas?
Hannah Arendt, em A Crise na Educação, que
consta do livro Entre o Passado e o Futuro, diz da
conservação do mundo que é tarefa da educação
frente às novas gerações e, ao mesmo tempo, da
tarefa da educação relativa ao novo e à necessidade
de inovação. A conservação faz parte da essência
da educação: conservação do mundo que aí está,
construído pelas gerações que vieram antes, mas,
também, conservação ou proteção das crianças.
Pois proteger ou conservar o mundo já construído
é garantir um mundo para as novas gerações. Proteger e conservar as novas gerações é construir a
possibilidade das inovações que garantirão a permanência do mundo que aí está, agora enriquecido
pela contribuição dos novos. Sem a conservação
do já feito, as novas gerações não encontrarão um
lugar seguro para se estabelecer. Sem a novidade
de sua vinda, esse lugar permanecerá velho e decadente e ruirá. “Exatamente em benefício daquilo
que é novo e revolucionário em cada criança é que
a educação precisa ser conservadora.” (ARENDT,
1972, p. 243).
232
Essa é uma tarefa complexa, anunciada nas palavras de Adorno, que remete às funções de adaptação
e ao mesmo tempo de resistência ao mundo que as
novas gerações encontram. No momento em que
vivia, apontava para a necessidade mais premente
de dar ênfase à resistência e, portanto, à crítica, mas
sem deixar de lado a tarefa da adaptação. Arendt vê
essas duas tarefas a ocorrerem concomitantemente.
Aponta a necessidade de apresentar o mundo às
novas gerações, isto é, de ensinar-lhes o que já foi
feito. Essa é uma maneira de mostrar-lhes que nos
sentimos responsáveis pelo mundo humano que
elas encontram ao nascer e ao começarem a dele
participar. Mundo no qual as pessoas são cultivadas. Sem o mundo humano, ou sem a cultura desse
mundo, nenhum ser humano se cultiva como tal,
em que pesem os seus defeitos ou carências.
A educação é o ponto em que decidimos se amamos
o mundo o bastante para assumirmos a responsabilidade por ele e, com tal gesto, salvá-lo da ruína que
seria inevitável não fosse a renovação e a vinda dos
novos e dos jovens. A educação é, também, onde
decidimos se amamos nossas crianças o bastante para
não expulsá-las de nosso mundo e abandoná-las a
seus próprios recursos, e tampouco arrancar de suas
mãos a oportunidade de empreender alguma coisa
nova e imprevista para nós, preparando-as em vez
disso com antecedência para a tarefa de renovar um
mundo comum. (ARENDT, 1972, p. 247).
O amor e a responsabilidade pelo mundo humano já construído fazem parte de uma convicção
profunda a respeito do que seja a aventura humana
no mundo. Essa aventura é a da humanização do
mundo, ou seja, da produção da cultura humana na
qual os humanos são cultivados. Ela, por carregar as
marcas do humano, tem insuficiências, tem lacunas,
é inconclusa, como diz Freire (2009). Todavia tem,
também, realizações positivas. Urge continuar essa
construção do humano no mundo que é, ao mesmo
tempo, a construção do mundo humano. Uma construção histórica, isto é, feita pelos que vieram antes
de nós, por nós adultos que aqui viemos antes de
nossas crianças e que deverá ser continuada pelas
novas gerações. Continuação essa que é requisito
fundamental para a própria continuação da humanização dessas próprias crianças e das gerações
que se seguirão a elas. Ou amamos este mundo
humano, produção dos humanos, ou não temos
Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 21, n. 38, p. 229-237, jul./dez. 2012
Marcos Antônio Lorieri
o direito de sermos educadores. Isso implica em
enorme responsabilidade.
Essa responsabilidade não é imposta arbitrariamente
aos educadores; ela está implícita no fato de que os
jovens são introduzidos por adultos em um mundo
em contínua mudança. Qualquer pessoa que se
recuse a assumir a responsabilidade coletiva pelo
mundo não deveria ter crianças, e é preciso proibi-la de tomar parte em sua educação. (ARENDT,
1972, p. 239).
Contudo esse mundo humano pelo qual Arendt
nos cobra tão grande amor e responsabilidade não
é o mundo humano, também, de tantas barbáries
desumanizadoras? Sim, é verdade. Citem-se, dentre elas, as barbáries dos diversos totalitarismos
como nos lembram, doloridamente, ela e Adorno.
A obra de ambos é rica em análises a respeito. As
barbáries de toda espécie são, na verdade, um “não
mundo” humano.
A possibilidade de constituirmos e cuidarmos
de um mundo comum no qual possamos ser livres
é uma questão central na obra de Arendt. Afirmar
a importância desse mundo, para ela, não é um
ato gratuito, nem uma proposição meramente
teórica, mas um imperativo ético que emerge da
experiência totalitária. O totalitarismo, explica a
autora, eliminou a liberdade de ação e pensamento,
fez das pessoas meros executores, ou vítimas, das
supostas leis da natureza ou da história, e mostrou
ser possível transformar seres humanos em seres
supérfluos. É principalmente em oposição às barbáries deflagradas nesse não mundo e frente às
tendências totalitárias das sociedades modernas
que Arendt evoca o amor mundi – entendendo o
possível mundo comum como um lugar eminentemente humano e humanizante (ALMEIDA, 2011).
A citação é retirada de Educação em Hannah
Arendt: entre o mundo deserto e o amor ao mundo,
de Vanessa Almeida, que traz diversos convites
para se pensar a ação educativa a partir da obra
de Arendt. Um desses convites refere-se a algo
que temos sido levados a deixar de lado, tanto na
formação dos educadores quanto na formação de
crianças e jovens por não as estimularmos para isso:
o produzir pensamentos, frutos de acurada reflexão.
Não temos praticado o pensamento reflexivo até por
que temos sido impelidos a não fazê-lo pelo perigo
que a reflexão traz ao tipo de mundo que querem
nos impor: o mundo da rapidez, da eficácia, do imediatismo, dos resultados fáceis e não duradouros. Se
quisermos oferecer às crianças e jovens caminhos
para a construção de um mundo verdadeiramente
humano, teremos que lhes oferecer, também, caminhos de uma maneira de pensar que se alimenta
de reflexão crítica e autocrítica (ADORNO, 1995),
de profundidade de análises, de ajuizamentos bem
fundamentados. Se, porém, os educadores não
são formados nessa direção e nem estão convictos
dessa necessidade, como poderão oferecer às novas
gerações caminhos que levem a isso?
O desenvolvimento de consciências críticas e
autocríticas, conforme foi mencionado, pode ser
algo inovador neste momento do mundo humano em que prevalece a busca pelo imediatismo.
Temos abdicado, irresponsavelmente, desta tarefa profundamente humana que é a da reflexão
crítica, por exemplo, sobre o sentido, ou sobre a
significação de nossas vidas e de nossas condutas.
Assim como temos, também, abdicado do esforço
de convidar crianças e jovens a realizarem essa
reflexão. Fazemos coro, muitas vezes, aos que
dizem que os jovens estão perdidos e dizemos que
a sociedade perdeu o rumo. Talvez seja o caso de
nos perguntarmos: como temos nos empenhado
no nosso papel de “convidadores” para a busca
reflexiva das referências? Parece que temos sido
coniventes com algumas decisões, por exemplo,
que ocorrem no sistema educativo escolar. Nele têm
sido eliminadas com muita facilidade as disciplinas
que convidam à reflexão, especialmente a Filosofia,
a Sociologia, a Psicologia, a História, a Geografia,
a Literatura. Temos deixado que o trabalho com a
língua materna, com a Matemática, com as Ciências Naturais seja um trabalho apenas instrumental
a serviço de uma preparação para o “mercado de
trabalho”. Esquecemo-nos que o grande e importante “mercado”, no qual as pessoas se realizam,
é aquele das trocas ou das relações humanas que
têm enorme peso na sua construção como pessoas
e na construção do mundo humano.
Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 21, n. 38, p. 229-237, jul./dez. 2012
233
A educação entre a tradição e as exigências de inovação: papel do pensamento.
O que fazer? Talvez dedicarmo-nos a momentos
de profunda reflexão sobre as referências que estão
implicadas no nosso modo de agir para avaliá-las
seriamente e para, se for o caso, reformulá-las.
E, também, convidarmos as novas gerações para
esse esforço reflexivo, pois não basta que, nas
escolas, seja garantida apenas a transmissão de
conhecimentos. Ela é necessária, mas é também
necessário colocar os conhecimentos transmitidos
sob a mira da reflexão crítica. Isso alerta os alunos
a não aceitarem informações pura e simplesmente,
exigindo razões que fundamentem as afirmações
nelas implicadas. Pensar sobre as razões das afirmações, colocando-as sob questionamento, é desenvolver processos de reflexão crítica sobre elas.
Isso pode levar à aceitação ou não dos conteúdos
apresentados. Quando se trabalha assim, convidam-se alunos a pensarem e não apenas a receberem
informações prontas. Transmissão pura e simples
de informações, sem o trabalho do pensamento que
as analisa, não gera conhecimento. Kant bem sabia
disso. Ao tecer considerações sobre o ensino da
Filosofia alertava para a necessidade de não apenas
apresentar o resultado da reflexão dos filósofos aos
jovens e sim de provocá-los para uma análise crítica
desses resultados. Escreveu que apenas oferecer
conteúdos prontos e acabados ao aluno o tornará
“portador de uma ciência de empréstimo, que
nele estará, por assim dizer, apenas grudada e não
desenvolvida, ao passo que suas aptidões mentais
permanecerão tão estéreis como dantes, tendo-se
tornado, porém, com o delírio da sabedoria, muito
mais corrompidas” (KANT, 1992, p. 173-174).
Ou, no máximo ele será “discípulo” de alguma
doutrina, até mesmo sem a compreender bem.
Pois mais do que um ensino das respostas, as aulas
devem provocar uma investigação motivada por
questões que coloquem estas respostas sob a mira
da crítica.
Na mesma direção caminha Lipman: “O estudante que aprende apenas os resultados da investigação não se torna um investigador, mas apenas
um estudante instruído.” (LIPMAN, 1990, p. 58).
Suas ideias tiveram grande influência de John
Dewey que, em relação ao cultivo do pensamento
reflexivo diz: “A tarefa primordial da educação é o
cultivo deliberado do pensar reflexivo: [...] tudo o
que a escola pode ou precisa fazer pelos alunos no
234
que visa à sua mente ou seu espírito (isto é, salvo
certas habilidades musculares especializadas) é
desenvolver sua capacidade de pensar” (DEWEY,
1959, p. 167, grifo do autor). Ele afirma ainda que
[...] conhecimentos informativos separados da ação
reflexiva são conhecimentos mortos, peso esmagador
para o espírito [...] O único caminho direto para o
aperfeiçoamento duradouro dos métodos de ensinar
e aprender consiste em centralizá-los nas condições
que estimulam, promovem e põem em prova a
reflexão e o pensamento. (DEWEY, 1959, p. 167).
Como conclusão de um longo texto no qual
insiste na necessidade do cultivo do pensamento
reflexivo nas escolas, ele reforça essas ideias da
seguinte maneira:
Do que ficou dito, é evidente que a educação, quanto
ao seu lado intelectual, está vitalmente relacionada com o cultivo da atitude do pensar reflexivo,
preservando-o onde já existe, e substituindo os métodos de pensar mais livres por outros mais restritos,
sempre que possível. (...) afirmamos enfaticamente
que esta, (a educação), em seu aspecto intelectual,
consiste na formação de hábitos de pensar despertos,
cuidadosos, meticulosos. (DEWEY, 1959, p. 85-86,
grifos do autor).
Tornou-se famosa sua afirmação de que “as escolas prestam-se mais para formar discípulos que
pesquisadores” (DEWEY, 1959, p. 372). Essa frase
repete uma ideia de Kant ao afirmar que por falta de
um desenvolvimento adequado de suas capacidades
mentais, os jovens, ao apenas decorarem informações, tornam-se “portadores de uma ciência de empréstimo” que em nada lhes serve na vida a não ser
como mera ilustração. Não é isso, por certo, o que
se deseja para nossas crianças e jovens. Pois eles,
quando muito bem informados e, ao mesmo tempo,
quando exercem sobre as informações que recebem
a reflexão crítica, aí sim, produzem seus próprios
entendimentos, seus próprios esclarecimentos, suas
próprias significações. Próprios! Ocorre a “apropriação”, isto é, o tornar próprio deles o conhecimento.
Conhecimento de verdade é produzido em cada um
de nós por obra de algo que somente cada um pode
fazer: pensar. Pois o pensamento é a oficina que gera
a compreensão e a produção de entendimentos e de
significações. É somente com o processo de elaboração pensada que as informações deixam de ser
algo tomado de empréstimo e passam a fazer parte
Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 21, n. 38, p. 229-237, jul./dez. 2012
Marcos Antônio Lorieri
de nosso patrimônio intelectual. Deixamos, então,
de ser “portadores de uma ciência de empréstimo”
como denunciava Kant.
Quando somos proprietários de nossos saberes
temos uma rica parte do patrimônio cultural da
humanidade, isto é, desse mundo humano ao qual
Arendt se refere. Trata-se da parte, ou do âmbito
relativo aos saberes, o que não nos dispensa da
consideração e do agir em relação a outros âmbitos
igualmente importantes do patrimônio humano.
Apropriando-nos reflexiva e criticamente, no
caso, dos saberes, podemos nos tornar partícipes críticos e criativos desse mundo, capazes não só de entender o que nele ocorre e por que ocorre, mas também
capazes de propor novos caminhos de construção e
do cultivo do mundo humano. Não há apropriação
reflexiva e crítica de saberes quando ocorre apenas
o armazenamento de informações sem a elaboração
e reelaboração pessoal dessas informações.
Sérgio Paulo Rouanet, em artigo publicado no
jornal A Folha de São Paulo, em 2002, discute a
diferença entre informação e conhecimento. Nele
é mencionado que há uma dissimulação básica em
“tratar informação e conhecimento como se fossem
sinônimos, o que implica redefinir a sociedade de
conhecimento como sociedade de informação”
(ROUANET, 2002, p. 14). Em nossos dias, diz
ele, somos bombardeados por uma multidão de
informações e somos levados a reagir a elas de um
modo não reflexivo, mecanicamente, como autômatos. Isso é a negação da condição de autônomos
que devemos desejar para nós e para os outros.
Citando Kurz, alerta que “a informação dispensa o
trabalho reflexivo que transformaria os conteúdos
do mundo exterior, devidamente processados por
nosso aparelho psíquico, em verdadeiros conhecimentos” (ROUANET, 2002, p. 14).
A informação, por si mesma, não é ruim. Sem
ela não há conhecimento. “Mas é este que é decisivo” (ROUANET, 2002, p. 15), diz também, e não a
pura informação. Talvez por que o conhecimento,
diferentemente da pura informação, questiona
finalidades, questiona o uso de meios, coloca necessidades humanas fundamentais acima de puros
êxitos técnicos ou funcionais. Um conhecimento
assim não pode ser apenas um processamento de
informações sem o concurso da reflexão filosófica
e das humanidades.
Finalmente, para que o conhecimento não se
limite à Ciência Natural e à técnica, o que daria
traços odiosamente tecnocráticos ao novo modelo
de sociedade, transformando-a num paraíso de
engenheiros e de analistas de sistemas, é preciso
dar ênfase idêntica a outros tipos de conhecimento,
como as Ciências Humanas, a Filosofia e às Humanidades (ROUANET, 2002).
Severino (2002) caminha na mesma direção,
apontando a necessidade, sim, dos conhecimentos
científicos, mas indicando, ao mesmo tempo, a
necessidade de que sejam acompanhados pela
reflexão filosófica capaz de articulá-los numa rede
mais ampla de significados.
Assim, se os conhecimentos científicos nos
ajudam a entender as coisas, são os conhecimentos filosóficos que nos ajudam a compreendê-las,
ou seja, a situá-las no conjunto de sentidos que
norteiam a existência humana, a atribuir-lhes um
sentido articulado numa rede maior de sentidos
dessa existência, em sua complexa condição de
unidade e de totalidade (SEVERINO, 2002).
Vivemos numa época em que se dá muito prestígio à informação, mas é necessário saber utilizá-la, saber da sua pertinência para a solução dos
problemas que nos são postos pela vida e pensar
nas finalidades e justeza das soluções encontradas.
Com relação a isso, Savater (2001, p. 5) provoca
perguntando: “Muito bem, mas é só informação
que buscamos para entendermos melhor a nós
mesmos e o que nos rodeia?”. Ele próprio responde,
apontando para a necessidade da boa reflexão para
a qual nos ajuda, conforme diz, a Filosofia.
Em resumo, não mais informações sobre o que
acontece, mas saber o que significa a informação
que temos, como devemos interpretá-la e relacioná-la com outras informações anteriores ou simultâneas, o que implica tudo isso na consideração geral
da realidade em que vivemos, como podemos ou
devemos nos comportar na situação assim estabelecida. Essas são precisamente as perguntas das
quais se ocupa o que vamos chamar de Filosofia
(SAVATER, 2001).
A inclusão da disciplina Filosofia no currículo
do Ensino Médio em nosso país veio em boa hora,
ainda que tardiamente, pois deve trazer um excelente reforço aos convites e estímulos à realização
e desenvolvimento do pensamento reflexivo e
Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 21, n. 38, p. 229-237, jul./dez. 2012
235
A educação entre a tradição e as exigências de inovação: papel do pensamento.
crítico dos jovens, por conta daquilo que deve ser
o trabalho educativo com essa disciplina. Entretanto não só a Filosofia e sim todas as atividades
desenvolvidas na educação escolar e na educação
em geral devem ter em mira o desenvolvimento,
também, do pensar bem. O “também”, aqui, é
importante, pois há muitas outras capacidades ou
competências necessárias à boa vida humana para
cujo bom desenvolvimento o processo educativo
deve se empenhar. A ênfase dada aqui à necessidade de estímulos ao desenvolvimento do pensar
bem deve-se ao seu histórico e interessado (não
neutro) esquecimento. Se as pessoas não pensam
bem, torna-se muito difícil, se não impossível,
que elas possam avaliar com justeza o que deve
ser conservado do mundo humano, por que bom,
e o que deve se tornar boas inovações para a boa
continuidade desse mesmo mundo.
Exercer intencionalmente a função educadora
nunca foi algo fácil. Depara-se, nesse exercício,
com caminhos nem sempre convergentes, mas
necessários de serem percorridos. Há os caminhos,
aqui apontados, da busca da conservação daquilo
de bom já produzido pela humanidade e, ao mesmo tempo, da busca da inovação necessária numa
realidade em constante devir. Há os caminhos do
oferecer direções às crianças e jovens e isso, parece,
é uma obrigação de adultos que as querem bem; e
há, pela mesma razão, o caminho de incentivá-los
para a autonomia, para que caminhem em novas
boas direções sem depender dos seus educadores.
Há os caminhos do ensino de conhecimentos ou da
transmissão e, ao mesmo tempo, aqueles de lhes
propor que construam ou produzam por si mesmos
os próprios conhecimentos. E tantos outros duplos
caminhos necessários e complementares ainda que,
de certa maneira, contrários entre si.
No tocante especificamente ao duplo caminho
do ensinar e do incentivar a produção autônoma de
conhecimentos, algumas considerações cabem aqui
e podem ser indicativas de caminhos a seguir, ao
menos nos processos da educação escolar.
Com a palavra “conhecimentos” referimo-nos a
resultados do processo de conhecer. Eles são regis236
trados de alguma maneira, acumulados ao longo da
história humana e tornados uma parte importante do
nosso patrimônio cultural. Desse acervo, uma parte,
por critérios variados, é destinada aos processos de
transmissão ou de ensino para as novas gerações.
São, em geral, registrados em livros didáticos e em
planos de ensino. Ao serem apenas transmitidos, são
informações. Como tais, podem ficar “grudadas”,
como diz Kant, ou serem tomadas de empréstimo.
Contudo não são, ainda, conhecimento tornado
próprio (ou apropriado), pelo fato de as informações não terem sido elaboradas e reelaboradas
pelos estudantes, exercendo sobre elas e com elas o
processo de pensar. As informações precisam sofrer
uma usinagem na oficina do pensamento, pois é
ali, e somente ali, que elas podem ser processadas
e podem tornar-se entendimentos, explicações e
significações. É aí que se dá a construção ou a produção ou a elaboração de conhecimentos.
Essas considerações podem ser aplicadas aos
demais conteúdos culturais já produzidos pela
humanidade, como costumes, valores, maneiras de
se produzir algo, modos de consumo, maneiras de
morar, modos de organização social e outros. Todos
são produtos que podem ser conteúdos “antigos
bons”, ou não. Para todos eles pode haver algum
“contrário novo”, alguma inovação. Não apenas
pode, mas talvez deva haver sempre o novo. Caso
contrário, como mencionado antes, o mundo humano ruirá por falta das necessárias mudanças. Como
saber o que conservar e o que mudar ou inovar?
Quando se pergunta pelo como saber, pergunta-se pelo discernimento, pelo ajuizamento e pela
deliberação. Pergunta-se por ações de pensar. De
preferência, ações de pensar bem.
Há aqui um convite a se apostar na necessidade imperiosa do pensar bem. Um grande recurso
humano é o pensamento, pois, como diz Arendt
(1995, p. 143), “homens que não pensam são como
sonâmbulos”. Não sabem nem por que e nem para
onde caminham. Se Saramago tem razão ao dizer
que nos falta reflexão, pensar, e que precisamos
do trabalho de pensar, pois sem ideias, não vamos
a parte nenhuma, vale a pena considerar o que diz
e pensar seriamente como oferecer, na educação
das novas gerações, a ajuda necessária para que o
pensar esteja presente como algo indispensável, a
merecer todo o nosso cuidado.
Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 21, n. 38, p. 229-237, jul./dez. 2012
Marcos Antônio Lorieri
ADORNO. Theodor W. Educação e emancipação. 4. ed. Tradução de Wofgang Leo Maar. Rio de Janeiro: Paz e
Terra, 1995.
ALMEIDA, Vanessa Sievers de. Educação em Hannah Arendt. Entre o mundo deserto e o amor ao mundo. São
Paulo: Cortez, 2011.
ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. Tradução de Mauro W. Barbosa de Almeida. São Paulo: Perspectiva, 1972.
______. A vida do espírito. 3. ed. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1995.
DEWEY, John. Democracia e educação. 3. ed. Tradução de Godofredo Rangel e Anísio Teixeira. São Paulo:
Nacional, 1959.
DURKHEIM, Émile. Educação e Sociologia. Tradução de Maria de Fátima Oliva do Couto. São Paulo: Hedra, 2010.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 39. ed. São Paulo: Paz e Terra,
2009.
KANT, Immanuel. Lógica. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1992.
LIPMAN, Matthew. A Filosofia vai à escola. São Paulo: Summus, 1990.
ROUANET, S. P. Fato, Ideologia, Utopia. Folha de São Paulo, São Paulo, 24 mar. 2002. Caderno Mais, p. 14-15.
SARAMAGO, José. Outros Cadernos de Saramago. Pensar, pensar. Lisboa, 2008. Disponível em: <http://caderno.
josesaramago.org/69370.html http://caderno.josesaramago.org>. Acesso em: 18 jun. 2010.
SAVATER, F. As perguntas da vida. Tradução de Monica Stahel. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
SEVERINO, A. J. A filosofia na formação do jovem e a ressignificação de sua experiência existencial. In: KOHAN,
W. Ensino de filosofia: perspectivas. Belo Horizonte: Autêntica, 2002. p. 183-194.
Recebido em 12.08.12
Aprovado em 05.12.12
Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 21, n. 38, p. 229-237, jul./dez. 2012
237
Fly UP