...

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO Vamos lá, confio em você!!! Não se

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO Vamos lá, confio em você!!! Não se
ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO - 3º ANO/2ª etapa
DISCIPLINA: Leitura e produção de textos
PROFESSORA: Fernanda Moreira
ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO
recuperação
Ato ou efeito de recuperar ou recuperar-se; recobramento, reconquista, restauração.
Fonte: Dicionário Michaelis Virtual – Acesso 02/05/2012
Vamos lá, confio em você!!!
Não se esqueça de que a ortografia, interpretação e respostas completas são muito importantes; não apenas para
esta disciplina, mas para todas!
ATENÇÃO:
Argumentação
Elementos textuais
Atualidades - notícias do Brasil e do mundo
Palavras e expressões que causam dúvida na escrita
Paragrafação
Coesão / Coerência
Artigo
Boa sorte!
Fernanda
Instrução: Os itens devem ser respondidos de acordo com o texto 1.
Texto 1
QUALIDADE DE VIDA:
UM INSTRUMENTO PARA PROMOÇÃO DE SAÚDE
Maryane Oliveira Camposa
João Felício Rodrigues Netob
Qualidade de vida (QV) é uma medida de desfecho que tem sido entusiasticamente utilizada por clínicos,
pesquisadores, economistas, administradores e políticos. Não é um conceito novo, mas tem crescido sua
importância por uma série de razões. A Organização Mundial de Saúde (OMS), em 1948, definiu saúde como não
apenas a ausência de doença ou enfermidade, mas também a presença de bem-estar físico, mental e social.
Recentemente tem sido reforçado o uso da qualidade de vida como um conceito necessário na prática dos
cuidados e pesquisa em saúde.
Para medir diretamente a saúde dos indivíduos, têm-se desenvolvido e testado instrumentos estruturados e
simplificados, capazes de reconhecer os estados de “completo bem-estar físico, mental e social” dos sujeitos. A
qualidade de vida é uma importante medida de impacto em saúde. O interesse pela mensuração da QV é
relativamente recente (mas antigo no conceito), tanto nas práticas assistenciais quanto nas políticas públicas, nos
campos de prevenção de doenças e promoção da saúde (PS).
Diante deste contexto, a QV está diretamente
associada ao termo PS. A discussão em torno da PS vem se firmando como um ponto de confluência de superação
do modelo biomédico que apresenta como enfoque a doença. A PS parte do conceito ampliado e positivo de saúde
tem como foco o processo social de sua produção, elege como objetivo a defesa da vida e o desenvolvimento
humano, superando o modelo de intervenção e passando para práticas intersetoriais e conhecimentos
interdisciplinares.
No campo da saúde pública a PS vem ganhando destaque. A visão entre condições sociais,
QV e saúde aproxima os clássicos da medicina social da discussão que vem apresentando a PS como sua
estratégia central. Apresenta-se com foco centralizado em não apenas diminuir o risco de doenças, mas aumentar
as chances de saúde e QV, acarretando uma intervenção multi e intersetorial sobre os chamados determinantes do
processo saúde-enfermidade; consiste na essência das políticas públicas saudáveis. Sendo a QV uma importante
medida de impacto de saúde, há um interesse recente de sua mensuração nas políticas públicas. Os especialistas
no assunto diferem ao conceituar QV. Não existe um consenso sobre o que constitui QV; uma tentativa de
definição engloba desde estado de saúde, assim como uma variedade de domínios, como meio ambiente, recursos
econômicos, relacionamentos, tempo para trabalho e lazer. São identificadas duas tendências na conceituação do
termo QV: um conceito genérico e outro ligado à saúde. No primeiro caso, QV apresenta uma acepção mais
ampla, aparentemente influenciada por estudos sociológicos, sem fazer referência a disfunções ou agravos.
Entretanto, quando a QV é relacionada à saúde engloba dimensões específicas do estado de saúde.
Na conceituação recente adotada pela OMS, a QV foi definida como “[...] a percepção o indivíduo sobre a
sua posição na vida, no contexto da cultura e dos sistemas de valores nos quais ele vive, e em relação a seus
objetivos, expectativas, padrões e preocupações” (The WHOQOL Group, 1995, p. 41). Um aspecto importante
que caracteriza estudos que partem de uma definição genérica do termo QV é que as amostras estudadas incluem
pessoas saudáveis da população, nunca se restringindo a amostras de pessoas portadoras de agravos específicos.
Um outro conceito é qualidade de vida ligada à saúde (QVLS), é o “[...] valor atribuído à vida, ponderado pelas
deteriorações funcionais; as percepções e condições sociais que são induzidas pela doença, agravos, tratamentos;
e a organização política e econômica do sistema assistencial” (AUQUIER; SIMEONI; MENDIZABAL, 2005, p.
18).
Em um dos primeiros documentos fundadores da promoção da saúde atual, a Carta de Ottawa, a expressão
promoção de saúde está associada a um conjunto de valores: qualidade de vida, saúde, solidariedade, equidade,
democracia, cidadania, desenvolvimento, participação e parceria, entre outros. Refere-se também a uma
combinação de estratégias: ações do Estado (políticas públicas saudáveis), da comunidade (reforço da ação
comunitária), de indivíduos (desenvolvimento de capacidades e habilidades pessoais), do sistema de saúde
(reorientação do sistema de saúde) e de parcerias intersetoriais. Isto é, trabalha com a ideia de responsabilização
múltipla, seja pelos problemas, seja pelas soluções propostas.
A Política Nacional de PS tem como objetivo promover a qualidade de vida e reduzir a vulnerabilidade e
riscos à saúde relacionados a seus determinantes e condicionantes – modos de viver, condições de trabalho,
habitação, ambiente, educação, lazer, cultura, acesso a bens e serviços essenciais. Proporcionar saúde significa,
além de evitar doenças e prolongar a vida, assegurar meios e situações que ampliem a QV “vivida”. Ou seja,
ampliem a capacidade de autonomia e o padrão de bem-estar que, por sua vez, são valores socialmente definidos,
importando em valores e escolhas.
(Disponível em: <http://br.monografias.com> Acesso em: 26 fev. 2011. Adaptado.)
QUESTÃO 1 (Newton Paiva 2012/1° - adaptada) Quanto ao conceito exposto no texto 1, pode-se afirmar:
a) A definição de qualidade de vida está centrada unicamente no conceito de saúde.
b) A idéia de QV tem relação direta com PS, mas uma progride independente da outra.
c) Entre os conceitos de qualidade de vida, há aqueles que consideram o lazer e os relacionamentos para a sua
promoção.
d) Para a formulação do conceito de qualidade de vida, não foi considerado nenhum aspecto ligado à saúde física.
e) Não há uma relação direta e objetiva entre qualidade de vida e promoção da saúde.
QUESTÃO 2 (Newton Paiva 2012/1° - adaptada) - Analise a proposições a seguir sobre o texto 1.
I - O conceito de qualidade de vida é novo e tem sido estudado em várias áreas.
II - A promoção da saúde vem ganhando destaque tanto na área da saúde pública, quanto na saúde privada.
III - Ao se pensar em promoção de saúde, tem-se como princípio o aumento das chances de saúde e qualidade de
vida.
IV - Segundo a Carta de Ottawa, a promoção de saúde deve ser pensada sob a perspectiva da responsabilização
múltipla.
Estão CORRETAS apenas:
a) I e III.
b) II e IV.
c) III e IV.
d) I, II e IV.
e) I e II.
QUESTÃO 3 (Newton Paiva 2012/1° - adaptada) Considere as duas tendências para a conceituação do termo
qualidade de vida (quarto parágrafo). Sobre elas, é CORRETO afirmar:
a) A raiz da problematização da saúde é a mesma.
b) A tendência ligada à saúde é mais importante e relevante.
c) A tendência que apresenta o conceito genérico tem, em sua formulação, bases sociológicas e etimológicas.
d) Diferenciam-se em relação ao foco.
e) São formuladas com base no mesmo princípio.
QUESTÃO 4 – Escolha um parágrafo do artigo, indique-o e responda: Qual o tipo de parágrafo? Justifique.
QUESTÃO 5
Leia o artigo abaixo:
Aplicativo no Facebook forma banco de doadores de sangue
Hoje é o Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue, sabia? Se você é um doador regular, faz parte
da pequena parcela de 1,9% da sociedade brasileira. Mas, como se sabe, as bolsas de sangue coletadas anualmente
no país – ao todo são 3,5 milhões – são insuficientes para atender à demanda. O ideal, segundo o MS –
Ministério da Saúde, é alcançar 5,7 milhões de bolsas a cada ano.
Se por um lado todo o dia milhares de pessoas precisam de transfusão de sangue, por outro é muito
simples ajudar. Não dói, é rápido e não afeta a saúde. E agora será ainda mais fácil: você pode se voluntariar pelo
Facebook, apenas informando seu tipo sanguíneo, idade, cidade, estado e e-mail no aplicativo Banco de
Doadores, que fica na página da campanha Doe Sangue*.
Ele foi lançado pelo MS, para facilitar o cadastro de interessados em doar sangue e, claro, aumentar o
número de voluntários. Os hemocentros do país terão acesso ao banco de dados e, quando for registrada falta de
algum tipo de sangue em determinada região, entrarão em contato com os voluntários. Viu que fácil?
Veja no site do MS* quem pode e quem não pode ser doador, participe da campanha e aproveite para
convidar seus amigos – do Facebook e fora dele – a aderir a essa corrente de doadores. Se cada brasileiro doasse
sangue duas vezes por ano, diz o MS, não haveria fila de espera para as transfusões. Já pensou se o poder de
comunicação e mobilização da rede social ajuda a tornar isso realidade?
Fonte: http://super.abril.com.br/blogs/planeta/aplicativo-no-facebook-forma-banco-de-doadores-de-sangue/ Acesso em: 28-nov-2011
Levando em consideração o artigo lido e também seus conhecimentos prévios sobre as redes sociais, redija uma
dissertação, de 15 a 20 linhas, a respeito de como as redes sociais podem contribuir positivamente e
negativamente na sociedade. Não se esqueça de dar um título ao seu texto.
Fly UP