...

WAALER ROSE FR.CDR

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

WAALER ROSE FR.CDR
MS 10310030070
MS 103100300097*
Waaler Rose
FR
Kit para pesquisa de fator reumatóide em
amostras de soro, usando hemácias de
carneiro, sensibilizadas com IgG de soro
de coelho, anti-hemácias de carneiro,
por aglutinação indireta.
CÓD. 5860-A:
60 determinações
CÓD. 58100-A: 100 determinações
CÓD. 5800-A: 2,5ml de hemácias*
WAMA Diagnóstica
Rua Aldo Germano Klein, 100 - CEAT
CEP 13560-971 - São Carlos - SP
Fone (16) 3377.9977 / Fax (16) 3377.9970
www.wamadiagnostica.com.br
Waaler Rose FR
IMPORTÂNCIA CLÍNICA
O diagnóstico da artrite reumatóide é amplamente
baseado no exame clínico, mas os testes radiológicos
e laboratoriais são úteis para confirmar o diagnóstico
clínico e para avaliar a severidade e curso da doença.
Um dos mais úteis marcadores clínicos da artrite
reumatóide é o fator reumatóide (FR) no soro. Fator
reumatóide é o termo usado para descrever uma
variedade de anticorpos (IgM, IgG, IgA e IgE), que
podem se ligar ao fragmento Fc de uma
imunoglobulina G. São, portanto, uma antiimunoglobulina.
Numerosos testes têm sido propostos para a
detecção do FR, como os que usam eritrócitos de
carneiro ou humanos, cobertos com IgG humana ou
animal. Outros métodos têm, também, sido descritos,
como o de partículas de látex cobertas com IgG
humana.
O Waaler-Rose é um teste bastante sensível, o qual
utiliza hemácias de carneiro revestidas com IgG de
coelho purificada e estabilizada.
PRINCÍPIO DO MÉTODO
Quando a suspensão de hemácias é misturada, em
uma área do cartão-teste, com o soro contendo níveis
aumentados de fator reumatóide, observa-se uma
aglutinação nítida no período máximo de 2 minutos.
APRESENTAÇÃO DO KIT
CÓD. 5860-A (60 determinações)
1. Suspensão de hemácias sensibilizadas com IgG de
soro de coelho anti-hemácias de carneiro (1,5ml)
2. Soro controle positivo (0,5ml)
3. Soro controle negativo (1ml)
4. Varetas plásticas (60)
5. Cartões-teste (2)
6. Instruções para uso
CÓD. 58100-A (100 determinações)
1. Suspensão de hemácias sensibilizadas com IgG de
soro de coelho anti-hemácias de carneiro (2,5ml)
2. Soro controle positivo (0,5ml)
3. Soro controle negativo (1ml)
4. Varetas plásticas (100)
5. Cartões-teste (2)
6. Instruções para uso
CÓD. 5800-A (2,5ml de hemácia)
1. Suspensão de hemácias sensibilizadas com IgG de
soro de coelho anti-hemácias de carneiro (2,5ml)
2. Instruções para uso.
MATERIAL
NECESSÁRIO,
MAS
FORNECIDO
- Tubos de ensaio para diluição e titulação.
- Pipetas sorológicas
- Estante para tubos e rack de ponteiras
- Recipiente para descarte de material
- Salina a 0,9%
NÃO
P R E PA R A Ç Ã O E E S TA B I L I D A D E D O S
REAGENTES
SUSPENSÃO DE HEMÁCIAS (1): deixar em
temperatura ambiente antes de utilizá-la.
Homogeneizá-la bem antes de usar. Estável entre 28ºC, até a data do vencimento. Não congelar. Contém
azida sódica 0,1%.
SORO CONTROLE POSITIVO (2): pronto para uso.
Deixá-lo em temperatura ambiente antes de usar.
Contém azida sódica 0,1%. Estável entre 2-8ºC, até a
data do vencimento. Concentração de fator
reumatóide: maior ou igual a 8Ul/ml.
SORO CONTROLE NEGATIVO (3): pronto para uso.
Deixá-lo em temperatura ambiente antes de usar.
Contém azida sódica 0,1%. Estável entre 2-8ºC, até a
data do vencimento.
AMOSTRAS
Soros livres de hemólise, lipemia e contaminação
bacteriana. Em caso de necessidade, as amostras
podem ser conservadas em freezer a -20ºC, no
máximo por 6 semanas, ou entre 2-8ºC por 48 horas.
Os soros devem ser usados puros, ou seja, não
diluídos. Não deve ser usado plasma porque o
fibrinogênio pode causar aglutinação inespecífica.
PROCEDIMENTO
A.Teste Qualitativo
1. Deixar os reagentes e as amostras chegarem em
temperatura ambiente, antes de iniciar os testes.
2. Pipetar 25µ
l do soro do paciente em uma área do
cartão-teste.
3. Homogeneizar a suspensão de hemácias (1) e
pipetar 25µ
l na mesma área da amostra.
4. Com uma vareta plástica misturar muito bem o soro
com a suspensão de hemácias, espalhando
cuidadosamente.
5. Deixar repousar o cartão-teste sobre uma superfície
plana durante 2 minutos.
6. Imediatamente após, inclinar suavemente o cartão,
mais ou menos 45º, uma única vez, voltar o cartãoteste para superfície plana e deixar novamente em
repouso por 1 minuto.
7. Observar a formação de uma eventual aglutinação,
através de movimentos EXTREMAMENTE suaves
(importante) de inclinação.
ATENÇÃO: Para cada série de testes devem ser feitos
controles positivo e negativo para verificar a correta
execução da técnica e o estado de conservação dos
reagentes.
RESULTADOS DAS LEITURAS
Reação Positiva: Aglutinação tênue ou nítida.
Concentração igual ou superior a 8Ul/ml.
Reação Negativa: Total ausência de aglutinação.
Concentração inferior a 8Ul/ml.
ATENÇÃO: A sensibilidade do teste foi ajustada para
detectar 8Ul/ml do padrão internacional de soro
artrítico da Organização Mundial de Saúde (OMS).
b.Teste Semi-quantitativo
1. Diluir o soro do paciente em salina (NaCI a 0,9%) 1:2,
1:4, 1:8, 1:16 e mais, se necessário.
2. Pipetar 25µ
l de cada diluição em cada área do
cartão-teste.
3. Homogeneizar a suspensão de hemácias (1) e
pipetar 25µ
l em cada área onde se encontra a amostra
diluída.
4. Com uma vareta plástica (uma para cada diluição)
misturar muito bem o soro com a suspensão de
hemácias, espalhando cuidadosamente.
5. Deixar repousar o cartão-teste sobre uma superfície
plana, durante 2 minutos.
6. Imediatamente após, inclinar suavemente o cartão,
mais ou menos 45º, uma única vez, voltar o cartãoteste para superfície plana e deixar novamente em
repouso por 1 minuto.
7. Observar a formação de uma eventual aglutinação
através de movimentos EXTREMAMENTE suaves
(importante) de inclinação (vide Resultados das
Leituras). O título da amostra corresponderá à maior
diluição em que ocorrer aglutinação. A concentração
de FR será dada pelo seguinte cálculo:
Concentração (UI/ml) = 8 x D, onde 8 é a sensibilidade
do teste e D a maior diluição que apresenta
aglutinação.
EXEMPLO: Se o título obtido for 1:8, a concentração
aproximada do FR existente na amostra será: 8 x 8 =
64UI/ml.
INTERPRETACÃO
Os FRs encontram-se positivos em cerca de 70 a 80%
dos pacientes com artrite reumatóide. Entretanto, eles
não são específicos da artrite, uma vez que outras
condições, como sífilis, LES, mononucleose
infecciosa, hepatite hipergamaglobulinemia etc,
podem acarretar testes positivos, mas, na grande
maioria das vezes, com títulos baixos. Salienta-se,
também, que menos que 5% de indivíduos normais
podem ser FR. Habitualmente o teste FR torna-se
positivo após 6 meses do início da doença.
PRECAUÇÕES E ADVERTÊNCIAS
1. Conservar os reagentes entre 2-8ºC. Não congelar.
2. A sensibilidade do teste diminui, se realizado em
temperaturas baixas. Recomenda-se trabalhar acima
de 10ºC.
3. Atrasos na leitura podem ocasionar resultados
falso-positivos.
4. Os resultados obtidos com a prova de Waaler-Rose
não são comparados com os obtidos com o ImunoLatex FR. A diferença de resultados entre as técnicas
não reflete as diferenças quanto à capacidade de
ambas em detectar fatores reumatóides.
5. Após o uso, lavar os cartões-teste com água
destilada. Se isto não for efetuado imediatamente, use
água com detergente e enxágüe várias vezes com
água destilada ou deionizada. Secar antes de usar.
6. Use uma vareta plástica para cada determinação.
7. Os reagentes (suspensão de hemácias e soros
controle) Waaler-Rose contêm azida sódica a 0,1%
como conservante, que pode ser tóxica quando
ingerida. O descarte dos reativos deve ser
acompanhado de grandes volumes de água, para
evitar o acúmulo de resíduos de azida nos
encanamentos, pois esta pode reagir com o chumbo
ou cobre, formando sais altamente explosivos.
8. Todos os materiais humanos usados na preparação
dos controles foram testados, com resultados
negativos para anticorpo anti-HIV e antígeno de
superfície de hepatite B (HBsAg). Porém, como
nenhum método diagnóstico oferece completa
segurança da ausência destes e de outros agentes
infecciosos, recomenda-se tratar os soros controles
humanos como materiais potencialmente infecciosos.
9. Não Substituir componentes deste Kit com o de
outros fabricantes, nem usar componentes de lotes e
código diferentes.
10.Utilizar as Boas Praticas Laboratoriais (BPLs) na
conservação, manuseio e descarte dos materiais.
SIMBOLOGIA
O conteúdo é suficiente para ( n ) testes
Data limite de utilização
IVD
Limite de temperatura
REF
Número do catálogo
Consultar instruções para uso
LOT
Número do lote
Produto diagnóstico in vitro
Proteger do calor
BIBLIOGRAFIA
1. Anderson, S. G. et al.: International reference preparation of reumathoid arthrits serum.
Bul. World Health Org., 42: 311-316, 1970.
2. Cohen, A. S.: Diagnóstico de laboratório em las enfermidades reumáticas. Salvat
Editores, 2ª ed., 1982.
3. Cruz Filho, A.: Clínica Reumatológica, Editora Guanabara Koogan, 1980.
4. Fulford, K. M. et al.: Reference preparation to standardize results of serological tests for
reumathoid factor. J. Clin. Microbiol., 7(5): 434-441, 1978.
5. Rose, H. M. et al.: Differential agglutination of normal and sensitized sheep erythrocytes
by sera of pacients with reumathoid arthritis. Proc. Soc. Exp. Biol. Med., 68: 1-14, 1948.
6. Singer, J. M. and Plotz, C. M.: The latex fixation test: Application to the serological
diagnosis of rheumathoid Arthrits. Am. J. Med., 21: 888, 1956.
7. Waaler, E.: On the occurrence of a factor in human serum activating the specific
agglutination of sheep blood corpuscles. Acta Pathol. Microbiol.,17: 172-179, 1940.
V EDIÇÃO: REV 01/2008
TERMO DE GARANTIA
A WAMA Diagnóstica garante a troca deste conjunto diagnóstico,
desde que o mesmo esteja dentro do prazo de validade e que seja
comprovado por sua assessoria técnica que não houve falhas na
execução, manuseio e conservação deste produto. A WAMA e seus
distribuidores não se responsabilizam por falhas no desempenho
do kit sob essas condições.
Fly UP