...

Tipologia Textual - Portal

by user

on
Category: Documents
4

views

Report

Comments

Transcript

Tipologia Textual - Portal
COLÉGIO MILITAR DE BRASÍLIA
COORDENAÇÃO DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO
LÍNGUA PORTUGUESA
1º BIMESTRE – NOTA DE AULA 01
COORDENAÇÃO DO 1º ANO
Tipologia Textual
Vacilão (Zeca Pagodinho)
Aquilo que era mulher
Pra não te acordar cedo
Saía da cama na ponta do pé
Só te chamava tarde sabia teu gosto
Na bandeja, café
Chocolate, biscoito, salada de fruta
Suco de mamão
No almoço era filé mignon
Com arroz à la grega, batata corada
Um vinho do bom
No jantar era a mesma fartura do almoço
E ainda tinha opção
É mas deu mole ela dispensou você
Chegou em casa outra vez doidão
Brigou com a preta sem razão
Quis comer arroz doce com quiabo
Botou sal na batida de limão
Deu lavagem ao macaco, banana pro porco, osso pro gato
Sardinha ao cachorro, cachaça pro pato
Entrou no chuveiro de terno e sapato
Não queria papo
Foi lá no porão, pegou "tres-oitão"
Deu tiro na mão do próprio irmão
Que quis te segurar
Eu consegui te desarmar
Foi pra rua de novo
Entrou no velório pulando a janela
Xingou o defunto, apagou a vela
Cantou a viúva mulher de favela
Deu um beijo nela
O bicho pegou a polícia chegou
Um couro levou em cana entrou
Ela não te quer mais
Bem feito!
___________________________
Cariocas (Adriana Calcanhotto)
Cariocas são bonitos
Cariocas são bacanas
Cariocas são sacanas
Cariocas são dourados
Cariocas são modernos
Cariocas são espertos
Cariocas são diretos
Cariocas não gostam de dias nublados
Cariocas nascem bambas
Cariocas nascem craques
Cariocas tem sotaque
Cariocas são alegres
Cariocas são atentos
Cariocas são tão sexys
Cariocas são tão claros
Cariocas não gostam de sinal fechado
_____________________
Que país é esse? (Legião Urbana)
Nas favelas, no Senado
Sujeira pra todo lado
Ninguém respeita a Constituição
Mas todos acreditam no futuro da nação
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
No Amazonas, no Araguaia iá, iá,
Na baixada fluminense
Mato grosso, Minas Gerais e no
Nordeste tudo em paz
Na morte eu descanso
Mas o sangue anda solto
Manchando os papéis, documentos fiéis
Ao descanso do patrão
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
Terceiro mundo, se for
Piada no exterior
Mas o Brasil vai ficar rico
Vamos faturar um milhão
Quando vendermos todas as almas
Dos nossos índios num leilão
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
Após análise das canções, classifique como verdadeiras ou falsas as seguintes afirmativas:
Sobre a música “Vacilão” de Zeca Pagodinho, podemos concluir que:
( ) É uma narrativa pois conta a história de um casal.
( ) Aborda questões do cotidiano, usando para isso a linguagem coloquial.
( ) Não apresenta personagens.
( ) O tempo predominante do texto é o presente.
( ) Possui um narrador observador.
( ) A canção possui uma moral que poderia ser sintetizada em “valorize o que possui”.
( ) Algo quebra a linearidade do cotidiano apresentado na canção, fato que justifica o uso da expressão “bem feito” no final
da música.
Sobre a música “Cariocas” de Adriana Calcanhotto, podemos concluir que:
( ) A cantora apresenta uma imagem positiva dos cariocas.
( ) O texto é uma descrição, pois apresenta com detalhes as pessoas que nasceram no Rio de Janeiro.
( ) A maioria dos verbos utilizados pela cantora são os verbos de ligação.
( ) Todos os cariocas possuem as características citadas pela cantora, fato que justifica sua visão objetiva sobre esse grupo de
pessoas.
Sobre a música “Que país é esse?” de Legião Urbana, podemos concluir que:
( ) O tema predominante na canção é a corrupção.
( ) O cantor descreve o Brasil fazendo uma crítica política e social.
( ) A visão do cantor sobre o Brasil é objetiva.
( ) A canção é dissertativa porque o cantor apresenta o tema de forma pessoal, apontando argumentos que sustentam sua
opinião.
( ) O cantor apoia sua tese em três argumentos presentes na canção: o descaso dos que estão no poder, o descumprimento dos
deveres e sonegação dos direitos estabelecidos e desrespeito à história, à origem e ao povo brasileiro.
Narração
A narração está vinculada à nossa vida, pois sempre temos algo a contar. Narrar é relatar fatos e acontecimentos, reais
ou fictícios, vividos por indivíduos, envolvendo ação e movimento.
Há diversos tipos de narrativas que se subdividem em: Romance, Conto, Crônica e Fábula.
A estrutura de uma narrativa é a forma pela qual ela é construída para organizar o andamento da trama. Seja qual for
a modalidade, o texto narrativo dispõe-se de certos elementos primordiais, que são: tempo, espaço, personagens, narrador e
enredo( fato).
 Tempo
É a localização cronológica do acontecimento; é comum a ação se desenvolver em diferentes momentos (passado
remoto, passado próximo, presente). O tempo pode ser histórico, real ou psicológico, metafísico.
 Espaço
É o lugar ou lugares em que ocorrem os acontecimentos.
 Personagens
São os diferentes seres que participam do acontecimento. Há personagens que atuam de forma mais intensa, esses são
chamados de principais, e há os que são chamados de secundários, pois aparecem menos na história. Há também os
protagonistas e os antagonistas. Atenção! Por vezes os personagens podem ser animais ou coisas.
 Narrador
A narração pode ser feita em primeira ou em terceira pessoa. Podemos distinguir três tipos de narrador, isto é, três
tipos de foco narrativo:
O narrador-personagem conta na 1ª pessoa a história da qual participa também como personagem. Ele tem uma
relação íntima com os outros elementos da narrativa. Sua maneira de contar é fortemente marcada por características
subjetivas, emocionais. Essa proximidade com o mundo narrado revela fatos e situações que um narrador
de fora não poderia conhecer. Ao mesmo tempo, essa mesma proximidade faz com que a narrativa seja
parcial, impregnada pelo ponto de vista do narrador.
O narrador-observador conta a história do lado de fora, na 3ª pessoa, sem participar das ações. Ele conhece todos os
fatos e, por não participar deles, narra com certa neutralidade, apresenta os fatos e os personagens com imparcialidade. Não
tem conhecimento íntimo dos personagens nem das ações vivenciadas.
O narrador-onisciente conta a história em 3ª pessoa e, às vezes, permite certas intromissões narrando em 1ª pessoa.
Ele conhece tudo sobre os personagens e sobre o enredo, sabe o que passa no íntimo das personagens, conhece suas emoções e
pensamentos. Ele é capaz de revelar suas vozes interiores, seu fluxo de consciência, em 1ª pessoa. Quando isso acontece, o
narrador faz uso do discurso indireto livre. Assim, o enredo se torna plenamente conhecido, os antecedentes das ações, suas
entrelinhas, seus pressupostos, seu futuro e suas consequências.

Enredo
É o encadeamento das ações, dos fatos ou dos acontecimentos que mantêm entre si uma relação de causa e efeito. É o
esqueleto da narrativa, aquilo que sustentabilidade à história. Geralmente, está centrado num conflito. O enredo se divide nas
seguintes partes:
1. Introdução (ou apresentação) – geralmente coincide com o começo da história; é o momento em que o narrador
apresenta os fatos iniciais, as personagens e, às vezes, o tempo e o espaço.
2. Complicação (desenvolvimento ou problema) - é a parte do enredo em que é desenvolvido ou apresentado o
conflito.
3. Clímax – é o momento culminante da história, ou seja, aquele de maior tensão, no qual o conflito atinge o seu
ponto máximo.
4. Desfecho ou conclusão – é a solução do conflito, que pode ser surpreendente, trágica, cômica, ou é uma revelação
para a personagem, corresponde ao final da história.
A
um
texto
com
estas
características
damos
o
nome
de
narrativa
fechada.
Quando não conhecemos a conclusão, dizemos que se trata de uma narrativa aberta.
Para compreender melhor a estrutura do texto narrativo, podemos concluir com as seguintes perguntas:
Onde? – referindo-se ao tempo.
Quando? – referindo-se ao espaço.
Quem? – referindo-se aos personagens.
O quê? Como? – referindo-se ao enredo.
Descrição
A descrição consiste em “elaborar” um retrato – falado ou escrito – de um determinado ser, com o intuito de
transmitir a imagem e a impressão despertada na mente e nos sentidos. Para organizar um texto descritivo, é indispensável
saber observar, ter imaginação e empregar recursos de expressão.
Os recursos de expressão incluem a necessidade de usar todos os sentidos para distinguir sons, ruídos, cheiros, sentir
calor, frio, etc.
As características desse tipo textual são:
 retrato verbal;

valorização de adjetivos;

presença de verbos de ligação;

estaticidade (ausência de ação);
 Verbos flexionados no presente ou no pretérito.
Além da utilização dos sentidos na elaboração de um texto descritivo, há ainda que ser considerado o ponto de vista
do observador, que revela sua posição afetiva diante do ser descrito. São três os pontos de vista que podem ser assumidos pelo
observador ao se elaborar um texto descritivo:
1º) Ponto de vista físico - distribuição das características no texto.
2º) Ponto de vista linguístico - palavras empregadas.
3º) Ponto de vista psicológico - esse ponto de vista é de extrema importância, uma vez que dele resultam dois tipos
de descrição: a descrição objetiva e a descrição subjetiva.
A descrição subjetiva evidencia impressão pessoal que se dá pela interpretação pessoal, particular do objeto. Refletese, com esse ponto de vista, o estado de espírito do observador. Dessa forma, um mesmo objeto descrito em momentos
diferentes pode se apresentar de formas diferentes, depende ndo da simpatia ou antipatia de quem o observa.
A descrição objetiva apresenta a produção descritiva de forma realista, exata. Assim, detalhes, como cor, peso,
tamanho, entre outros detalhes, são de fato como se apresentam. Esse é o ponto de vista das descrições técnicas e científicas,
dos relatórios, dos textos injuntivos, como manual para instalação ou funcionamento de aparelhos, literatura realista, novelas
policiais, textos de propaganda turística, verbetes de dicionários, enciclopédias e no jornalismo.
Atenção!
Dificilmente encontraremos um texto exclusivamente descritivo. O que ocorre mais comumente é encontrar trechos
descritivos inseridos em um texto narrativo ou dissertativo.
Dissertação
Como a dissertação será estudada mais detalhadamente durante esse ano letivo, veremos apenas as características
principais desse tipo textual nesse momento.
Dissertar é expor um assunto discutindo a problemática que nele reside; defender princípios, tomando posições;
analisar um assunto através da sequencia lógica de ideias; apresentar opiniões positivas ou negativas, baseando-se em fatos,
razões ou justificativas.
Podemos contar uma história ou descrever algo sem nos envolvermos diretamente. A dissertação, ao contrário, revela
quem somos, o que sentimos, o que pensamos. Neste ponto, é necessário ter o máximo de cuidado com os extremismos. Tudo
que expusermos numa dissertação deve ser defendido com argumentações fundamentadas. Principalmente, se estivermos
apresentando ao leitor informações científicas ou públicas. Até mesmo quando redigimos uma dissertação expositiva, estamos
deixando, nas entrelinhas, nossas opiniões sobre o assunto exposto. Por isso, devemos ter muita atenção para não cairmos no
senso comum.
Na hora de elaborar uma dissertação é fundamental:
 Conhecimento do assunto (adquirido através de leitura, observação de fatos, etc).

Reflexão sobre o tema, procurando descobrir boas ideias e conclusões acertadas (Antes de escrever é
necessário pensar!).

Planejamento. Esse item trata da estrutura do texto dissertativo que deve conter introdução, desenvolvimento
e conclusão. (Estudaremos, posteriormente, com mais profundidade cada parte).

Registro de ideias fundamentais numa sequencia (esquema).

Acrescentar o que falar ou suprimir o que for supérfluo ou desnecessário. Eis a importância do rascunho!
 Desenvolvimento do plano com clareza e correção, mantendo-se sempre fiel ao tema proposto.
Referências
Texto descritivo. Disponível em: http://www.leonardoonline.com.br/uploads/0205201309551278369690.pdf Acesso em 24
jan 2014.
O texto narrativo. Disponível em: <http://www.brasilescola.com/redacao/narracao-tipos-narrador.htm> Acesso em 24 jan
2014.
RODRIGUES, Paulo Sérgio. Técnicas de Redação. 133ª ed. Londrina: Editora UEL, 1998.
TERRA, Ernani; NICOLA, José de. Curso Prático de Língua, Literatura e Redação. 4ª ed. São Paulo: Scipione, 1997. 1 v.
Exercícios
1) Leia os textos abaixo e classifique-os quanto ao seu tipo
textual, justificando sua resposta. Para tanto, leve em
consideração o tipo textual predominante:
“Eu adoraria que Cristo tivesse um pequeno cachorrinho
negro, de pelo encaracolado e fofo como o meu; com duas
longas orelhas sedosas e um nariz redondo e úmido, olhos
brilhantes, castanhos e terno.”
a) ________________________________________
________________________________________
O homem e a morte
Manuel Bandeira
O homem já estava deitado
dentro da noite sem cor.
Ia adormecendo, e nisto
á porta um golpe soou.
Não era pancada forte.
Contudo, ele se assustou,
pois nela uma qualquer coisa
de presságio adivinhou.
Levantou-se e junto à porta
- Quem bate? Ele perguntou.
- Sou eu, alguém lhe respondeu.
- Eu quem? Torna.
-A Morte sou.
( ) A manhã abria as portas para a entrada do sol, e os
pássaros se espreguiçavam na laranjeira que lhes esticava
seus ramos floridos. O céu, aos poucos, ia adquirindo um
azul mais vivo e intenso.
b) _________________________________
___________________________________
Há momentos
Autor desconhecido
a) 2 – 3 – 1
b) 1 – 3 – 2
c) 3 – 1 – 2
1–2–3
Há momentos na vida em que sentimos tanto
a falta de alguém que o que mais queremos
é tirar esta pessoa de nossos sonhos
e abraçá-la.
d)
3. (EAGS-B/2004) Assinale a alternativa que apresenta os
elementos da narrativa o quê?, quando?, Onde?, quem?.
a) “Quando eu era pequeno
Eu achava a vida chata.”
(Lulu Santos)
Sonhe com aquilo que você quiser.
Seja o que você quer ser,
porque você possui apenas uma vida
e nela só se tem uma chance
de fazer aquilo que se quer.
b) “De tarde quero descansar
Chegar a praia e ver
Se o vento ainda está forte
Vai ser bom subir nas pedras”
(Renato Russo)
Tenha felicidade bastante para fazê-la doce.
Dificuldades para fazê-la forte.
Tristeza para fazê-la humana.
E esperança suficiente para fazê-la feliz.
c) “Fizemos a última viagem
Foi lá no sertão de Goiás
Fui eu e o Chico Mineiro
Também foi um capataz.”
(Chitãozinho e Xororó)
c) ________________________________________
________________________________________
Falando de livros
Roseana Murray
d) “Esse seus cabelos brancos, bonitos
Esse olhar cansado, profundo
Me dizendo coisas num grito, me ensinando tanto.”
(Roberto Carlos)
O livro é a casa
onde se descansa
do mundo
4.
O livro é a casa
do tempo
é a casa de tudo
Mar e rio
no mesmo fio
água doce e salgada
O livro é onde
a gente se esconde
em gruta encantada.
d) ________________________________________
_________________________________
2. (EAGS-2002) Coloque 1 para descrição, 2 para
narração, 3 para dissertação, e assinale a alternativa
com a sequencia correta.
Os viajantes e a ursa
Dois amigos viajavam por um caminho deserto. De
repente surge uma ursa. Um deles logo sobe numa árvore para
se esconder. O outro, vendo-se quase pego, deitou no chão e se
fingiu de morto. A ursa passa o focinho sobre ele, fareja-o
daqui, fareja-o dali, e ele de respiração presa. O animal se foi e
o que estava na árvore desceu e perguntou ao amigo o que a
ursa lhe havia dito ao ouvido. “Para não viajar mais com amigos
que nos deixam sozinhos no perigo”, respondeu.
Moral: É nas vicissitudes que conhecemos os verdadeiros
amigos.
(Esopo. Fábulas. Trad. Antônio Carlos Vianna. Rio de Janeiro: L E PM, 1997,
p.11)
(FAPEC-MS) Quanto á tipologia e ao gênero textual, é correta a
alternativa:
a) O texto é predominantemente narrativo e classifica-se
como fábula.
b)
O
texto é predominantemente descritivo e classifica-se
( ) Marta não entendia como aquele bilhete poderia
como
fábula.
mudar completamente sua vida. Teria duas horas para
c)
O
texto
é predominantemente dissertativo e classificaarrumar a mala e embarcar de avião para muito longe.
se como charge.
d) na
Trata-se
crônica
em fatos
que predomina
narração.
) A “Que
Terra país
é uma
grande
nave. Legião
Nós, tripulantes
5. A(música
é esse?”,
do grupo
Urbana, fez sucesso
décadade
80.uma
Com
base nos
atuais e noaseu
e) Trata-se de uma tira, em que predomina a descrição.
suicidas, agredimos constantemente a natureza,
conhecimento
de mundo,
escreva de
umágua
textopotável
dissertativo-argumentativo
respondendo à seguinte pergunta:
poluindo nosso
reservatório
sem nos
preocuparmos com o dia de amanhã.
A temática abordada na canção “Que país é esse?” pode ser considerada atemporal?
Observe os critérios abaixo:
Aspectos textuais
Aspectos textuais
Total

Coesão e coerência
01
(mais de 6 erros)
02
(4 a 6 erros)
03
(3 erros)
04
(sem erros)
Pontuação
01
(mais de 6 erros)
02
(4 a 6 erros)
03
(3 erros)
04
(sem erros)
Acentuação/ortografia
01
(mais de 6 erros)
02
(4 a 6 erros)
03
(3 erros)
04
(sem erros)
Utiliza a linguagem padrão, nível
formal
Não
Desenvolve o texto de acordo com a
proposta, considerando a articulação
das ideias e a progressão
0
Sim
1
2
3
16 escores ….................................. ______________
Mínimo de 08 (oito) e máximo de 15 (quinze) linhas.
_____________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________
Fly UP