...

AS BANDAS DE MÚSICA NA FORMAÇÃO DO MÚSICO

by user

on
Category: Documents
3

views

Report

Comments

Transcript

AS BANDAS DE MÚSICA NA FORMAÇÃO DO MÚSICO
UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO
CURSO DE LICENCIATURA EM MÚSICA
AS BANDAS DE MÚSICA NA
FORMAÇÃO DO MÚSICO
INSTRUMENTISTA PROFISSIONAL DE
SÃO LUÍS/MA
Autor: WILSON PEREIRA ALMENDRA JÚNIOR
Orientador: DANIEL LEMOS CERQUEIRA
Linha de Pesquisa: EDUCAÇÃO MUSICAL
São Luís
2014
WILSON PEREIRA ALMENDRA JÚNIOR
AS BANDAS DE MÚSICA NA
FORMAÇÃO DO MÚSICO
INSTRUMENTISTA PROFISSIONAL DE
SÃO LUÍS/MA
Trabalho de Conclusão de Curso
apresentado ao Curso de Licenciatura
em Música da Universidade Federal do
Maranhão como requisito parcial para a
obtenção do grau de Licenciado em
Música.
Orientador: Daniel Lemos Cerqueira
São Luís
2014
WILSON PEREIRA ALMENDRA JÚNIOR
AS BANDAS DE MÚSICA NA
FORMAÇÃO DO MÚSICO
INSTRUMENTISTA PROFISSIONAL DE
SÃO LUÍS/MA
Trabalho de Conclusão de Curso
apresentado ao Curso de Licenciatura
em Música da Universidade Federal do
Maranhão como requisito parcial para a
obtenção do grau de Licenciado em
Música.
Orientador: Daniel Lemos Cerqueira
Aprovado em 20 de Novembro de 2014.
_______________________________________________
Prof. Me. Daniel Lemos Cerqueira (Orientador)
_______________________________________________
Prof. Me. Guilherme Augusto de Ávila (1º Examinador)
_______________________________________________
Prof. Lic. Leonardo Corrêa Botta Pereira (2º Examinador)
São Luís
2014
ALMENDRA JÚNIOR, Wilson Pereira.
A banda de música na formação do músico instrumentista profissional de São
Luís/MA. / Wilson Pereira Almendra Júnior. – 2014.
- 81p.
Impressos por computador (Fotocópia).
Orientador: Daniel Lemos Cerqueira
Monografia (Graduação) – Universidade Federal do Maranhão, Curso de Música,
2014.
1. Educação musical 2. Banda de música 3. Músico – formação profissional
CDU 78, 07; 37
“Ninguém caminha sem aprender a caminhar, sem
aprender a fazer o caminho caminhando, sem
aprender a refazer, a retocar o sonho.”
Paulo Freire
AGRADECIMENTOS
Primeiramente a Deus, por ter me dado a vida, coragem, saúde e
desejo de viver.
Aos meus pais Wilson Pereira Almendra e Elizane Maria de Macêdo
Almendra, pela base e estrutura pessoal de vida, pelo incentivo, e, pelo bom
caráter.
Ao meu orientador, Prof. Me. Daniel Lemos Cerqueira pela ajuda,
pelas sugestões, paciência e dedicação durante a elaboração de todo este
trabalho.
A todos os professores do Curso de Música (Licenciatura) da
Universidade Federal do Maranhão, por toda aprendizagem e conhecimentos
que me proporcionaram.
Aos amigos e irmãos de farda Adrian Ferreira Santos, Daniel
Ferreira Santos e Elder Magno Cantanhede Ferreira pelas conversas que me
auxiliaram nessa trajetória.
A todos os músicos que participaram como entrevistados, por
valiosas informações.
A todos que de alguma forma, direta ou indiretamente, contribuíram
para a realização deste trabalho.
DEDICATÓRIA
A minha esposa Luciana Saraiva Ferreira Almendra e minha filha
Isabela Saraiva Almendra pelo apoio, amor e carinho em todos os momentos.
À Banda de Música do Escolão do Mocambinho – Teresina/PI, por
ter sido meu primeiro ambiente de inserção no meio musical, e ao regente,
mestre Rocha Sousa, por sua dedicação ao ensino e formação através das
bandas.
Ao meu Irmão, Emanuel Macêdo Pereira Almendra por ter me
apresentado à Banda de Música do Escolão do Mocambinho e por sempre ter
me incentivado a continuar.
A todos que participam ou pretendem participar de uma banda de
música.
RESUMO
Demonstração da influência que as bandas de música trazem para os jovens
músicos que iniciaram seus estudos neste tipo de formação musical. Para isso,
foi necessário, além da pesquisa bibliográfica, a elaboração e aplicação de um
questionário que envolveu cinquenta músicos de bandas de nível profissional
atuantes em São Luís do Maranhão. O estudo foi realizado com músicos da
Banda de Música do 24º Batalhão de Caçadores, da Banda de Música da
Polícia Militar do Estado do Maranhão, da Banda de Música do Corpo de
Bombeiros Militar do Estado do Maranhão e da Banda de Música da Guarda
Municipal do município de São Luís. As informações colhidas foram tratadas
estatisticamente, através de abordagem qualitativa e análises cruzadas,
procurando revelar um pouco da trajetória de vida dos músicos envolvidos
nesta pesquisa para, por fim, demonstrar a importância das bandas de música
em sua formação.
Palavras-chave: Educação musical, Banda de música, Formação profissional
ABSTRACT
The present work aims to demonstrate the influece of music bands to
professional musicians that started its formation within this kind of musical
group. There is a bibliographical review and interviews with fifty interviewed
musicians from professional music corporations from São Luís, Maranhão,
through questionnaire. The study involved the following corporations: 'Banda de
Música do 24º Batalhão de Caçadores', 'Banda de Música da Polícia Militar',
Banda de Música do Corpo de Bombeiros Militar' and 'Bande de Música da
Guarda Municipal de São Luís'. Data was analyzed through quantitativequalitative approach with some cross analysis, trying to reveal the trajectory of
professional musicians and the importance of music bands for their initial
formation.
Keywords: Music education, Music bands, Professional musician career
LISTA DE FIGURAS
Figura 1: Banda de Música do Escolão do Mocambinho ................................... 5
Figura 2: O Padre José Maurício, em foto feita por seu filho.............................. 8
Figura 3: Anacleto de Medeiros, de braços cruzados ao centro, e seus
bombeiros músicos .......................................................................................... 10
Figura 4: Uniformes dos músicos do 2º batalhão de infantaria, 1850 .............. 11
Figura 5: Primeiro contato com a aprendizagem da Música ............................ 28
Figura 6: Análise cruzada acerca do primeiro contato com a aprendizagem
musical ............................................................................................................. 29
Figura 7: Quantidade de participantes por faixa etária de início das atividades
musicais ........................................................................................................... 31
Figura 8: Uso do primeiro instrumento no início da aprendizagem musical ..... 32
Figura 9: Conteúdos e abordagens no início da aprendizagem musical .......... 32
Figura 10: Tempo de aula, ensaio ou seção de prática.................................... 34
Figura 11: Quantidade de ensaios/aulas por semana ...................................... 35
Figura 12: Quantidade de tempo de estudo por semana ................................. 37
Figura 13: Tempo necessário para ingresso em uma banda após o início da
aprendizagem musical ..................................................................................... 38
Figura 14: Caracterização da primeira banda em que o entrevistado participou
......................................................................................................................... 40
Figura 15: Formação instrumental da primeira banda do entrevistado ............ 41
Figura 16: Forma de gestão da primeira banda onde o entrevistado participou
......................................................................................................................... 43
Figura 17: Tempo de permanência do entrevistado em sua primeira banda de
Música .............................................................................................................. 44
Figura 18: Tempo de permanência na banda/hora aula por dia/vezes de aula
por semana ...................................................................................................... 45
LISTA DE TABELAS
Tabela 1: Categorias das bandas de sopro e percussão com instrumentação. 13
Tabela 2: Algumas características de ensino individual e do ensino coletivo .. 18
Tabela 3: Quantitativo de músicos envolvidos por banda/corporação ............. 27
Tabela 4: Número de músicos por instrumento/especialidade ......................... 27
Tabela 5: Quantidade de participantes por faixa etária de início das atividades
musicais ........................................................................................................... 30
Tabela 6: Média de idade de início das atividades musicais por banda ........... 31
LISTA DE ANEXOS
Anexo I .............................................................. Modelo do questionário aplicado
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO ................................................................................ 3
1. AS BANDAS DE MÚSICA NO BRASIL ....................................... 7
2. PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NAS BANDAS DE
MÚSICA ........................................................................................ 15
3. RESULTADOS E DISCUSSÃO ................................................. 26
3.1 Metodologia da pesquisa e escolha das Bandas ................... 26
3.2 Análise dos dados coletados ................................................. 27
3.2.1 Primeiro contato com a aprendizagem da Música............... 28
3.2.2 Idade de início da aprendizagem musical ........................... 30
3.2.3 Uso do instrumento no início da aprendizagem musical ..... 31
3.2.4 Conteúdos e abordagens no início da aprendizagem musical
................................................................................................. 32
3.2.5 Tempo de aula, ensaio ou seção de prática........................ 33
3.2.6 Quantidade de ensaios/aulas por semana .......................... 34
3.2.7 Tempo necessário para entrar em uma banda após o início
da aprendizagem musical ........................................................ 38
3.2.8 Tipo de banda ..................................................................... 40
3.2.9 Formação da banda ............................................................ 41
3.2.10 Gestão da banda .............................................................. 43
3.2.11 Tempo de permanência na banda .................................... 44
4. CONSIDERAÇÕES FINAIS ....................................................... 46
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .............................................. 51
ANEXOS ....................................................................................... 55
INTRODUÇÃO
A banda de música1 pode ser um espaço destinado à iniciação
musical disponibilizado às camadas mais populares da sociedade. Além de seu
objetivo principal – que é a performance – neste ambiente, aprende-se a teoria
e
a
prática
musical,
as
habilidades
técnicas
necessárias
para
o
desenvolvimento da formação profissional do músico instrumentista.
Este espaço público de iniciação musical, para muitos, representa
uma oportunidade de aprender e de se inserir no mercado de trabalho. Uma
vez que, o ensino da música nas bandas de música é democrático e popular,
ou seja, qualquer classe social tem acesso e pode desenvolver a percepção e
as habilidades técnicas musicais.
Segundo Batista (2010), o acesso ao ensino nas bandas de música
deveria ser mais ampliado, para ajudar a resolver problemas sociais, não só
para
desenvolver
aptidões
artísticas
como
também
proporcionar
relacionamentos saudáveis no ambiente da sociedade em que atua. Pois, a
banda de música pode fazer muito mais para a sociedade, transformando a
vida de vários jovens e os oportunizando uma carreira profissional.
A importância que tem uma banda de música atuando na sociedade
é confirmada, pois:
O trabalho social de uma sociedade musical compreende em
tirar os meninos de origem humilde das ruas e ensinar-lhes
uma profissão para o resto da vida, aproximando-os da cultura
através da música e oferecendo uma oportunidade de crescer.
(ROCHA, 2005, p.183).
Para Rocha (2005, p. 183), as bandas, “(...) atuam, ainda, como
escolas profissionalizantes. Seus músicos, além de aprender a viver em
conjunto, aprendem uma cultura musical elevada que lhes permiti direcionar
seu futuro profissional para atuações neste sentido.” Desta forma, ao
reconhecer o papel da banda de música como instituição de inclusão social,
Como o termo “banda” é bastante amplo, é interessante identificar de qual tipo de banda
tratamos nesse trabalho. As bandas de música aqui pesquisadas são aquelas que têm em sua
formação instrumental, instrumentos que constituem a seção das madeiras, seção dos metais,
e, instrumentos percussivos. Por exemplo, no caso da seção das madeiras temos: clarinete,
saxofone, oboé, corne inglês, fagote, contrafagote, flautim, flauta, etc.; e no caso da seção dos
metais temos: trompete, trombone, trompa, bombardino, tuba, cornetim etc.
1
3
espaço democrático, popular e de grande relevância para a sociedade,
procura-se dar mais importância a essa forma de ensino.
Para Batista (2010), a relevância do papel da banda de música está
além daquilo que se consegue perceber, pois a sua importância é relativa e
somente aqueles que fazem parte dela podem realmente expressar o
verdadeiro significado e valor da banda de música para a sociedade, que nela
interage e vivencia suas práticas.
Além de ser uma instituição de inclusão social, a banda de música
também desenvolve aspectos de interação entre os alunos, de cooperação e
socialização,
de
atuação
no
processo
cognitivo,
e
permite
uma
profissionalização através dela. Pois, essas bandas formaram regentes,
músicos profissionais eruditos e populares, músicos amadores, e músicos de
bandas militares. Podemos ter como exemplo, Anacleto de Medeiros, que
contribuiu bastante para esse tipo de formação. Anacleto foi regente da Banda
do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, uma das bandas mais importantes
do Brasil, também era arranjador, compositor e instrumentista. Anacleto foi
fruto de banda de música, que já naquela época até os dias de hoje exerce um
papel formador muito relevante na formação dos músicos instrumentistas.
Tive o prazer e a oportunidade de ingressar em uma banda de
música, e, foi através dela que tracei minha vida profissional. Com isso, posso
afirmar: a formação musical que tenho hoje é devido às contribuições que a
banda de música me proporcionou no passado.
Meu primeiro contato com o ensino de música foi na banda da
escola onde estudei: a banda de música do Escolão do Mocambinho, em
Teresina – PI, no ano de 1998. Esse primeiro contato com a música não foi por
imposição de alguém da família, mas, por influência de meu irmão mais velho,
que iniciou seus estudos nesta mesma banda de música.
4
Fig. 1: Banda de Música do Escolão do Mocambinho (fonte: Rocha Sousa, Abril de 1998)
As aulas aconteciam três vezes por semana, a turma era composta
por mais ou menos vinte alunos, duravam cerca de duas horas por aula. Nos
primeiros meses tivemos aulas de teoria musical, que abrangia: ditados
rítmicos, parâmetros do som - altura, intensidade, duração, timbres, e outros
elementos necessários para a leitura da partitura, como, sinais de alteração,
claves, figuras musicais e suas durações, fórmulas de tempo e compassos, etc.
Após três meses de aulas teóricas, recebi meu primeiro instrumento
musical, a Clarineta. Foi com ela que iniciei minha carreira como músico
instrumentista amador, e com ela que ingressei na carreira de músico
instrumentista profissional. O ensino da música nessa banda foi sempre de
maneira coletiva, onde todos aprendiam juntos.
Essa metodologia de ensino coletivo de instrumentos musicais é
algo que está sendo bem visto e, consequentemente pesquisada por vários
estudiosos da área. Um bom exemplo disso são os estudos feitos e idealizados
por Joel Barbosa com seu método Da Capo – Método elementar para o ensino
coletivo e individual de instrumentos de banda. Esta metodologia de ensino
coletivo de bandas será tratada em capítulo posterior.
Depois de alguns anos, ingressei na banda de música do Centro
Federal de Educação Tecnológica do Piauí (CEFET/PI), hoje conhecido como
Instituto Federal do Piauí (IFPI), e, a partir daí tive a necessidade de continuar
minha formação musical de maneira formal, prestando o seletivo para
concorrer a uma vaga no curso técnico de música desta instituição. Fui
aprovado, e no ano de 2004 ingressei no curso técnico de música oferecido
5
pelo então CEFET/PI. O curso tinha duração de um ano e meio e entre suas
disciplinas tive aulas de Clarineta.
Alguns anos depois, em 2006, prestei concurso público para vaga de
clarinetista da banda de música do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do
Maranhão. Fui nomeado, e passei a fazer parte do quadro de músicos dessa
banda em 2007. Dois anos depois, prestei vestibular para a Universidade
Federal do Maranhão, onde hoje faço parte do Curso de Licenciatura em
Música desta instituição.
Os fatores que me motivaram a abordar este tema foram a minha
própria experiência com a música, história de vida, bem como principalmente a
importância que trazem as contribuições das bandas de música na formação e
no desenvolvimento profissional de vários estudantes que delas fizeram parte.
Pois boa parte dos alunos dessa banda seguiu trajetória de vida parecida com
a minha, tornando a música sua profissão e sustento.
Toda a base teórica e prática de música eu atribuo às contribuições
que a banda de música me proporcionou. Foi através desse celeiro de músicos
que pude ingressar como músico profissional hoje. Com isso, pretendo
demonstrar através deste trabalho de pesquisa a importância que as bandas de
música trazem em sua metodologia de ensino para a formação do músico
instrumentista profissional de São Luís.
6
1. AS BANDAS DE MÚSICA NO BRASIL
Em sua obra, Fagundes (2010) aponta que a introdução das bandas
de música no Brasil é feita a partir de elementos da tradição portuguesa.
Podendo presumir que essa introdução ocorreu com os primeiros colonos que
no Brasil se estabeleceram:
[...] a banda de música representa uma instituição já inserida
em nossa realidade cultural, desde os tempos do BrasilColônia. Documentos do século XVI relatam a existência de
prática musical desenvolvida por instrumentos de sopro e
percussão e já utilizando o termo banda. Esses relatos podem
ser observados em crônicas de padres, viajantes e outros que
por aqui passavam nesse período, e, mais tarde, na literatura.
Neles, encontram-se traços da presença de grupos
instrumentais mantendo atividades que variavam da música
religiosa à animação de festas populares – familiares ou
boêmias –, atuando, no cenário nacional e tornando-se uma
das principais manifestações populares, pois se integraram à
vida social, religiosa, política e cultural das comunidades,
mostrando já fazer parte da cultura e da tradição do país.
Pode-se perceber que a musica é um grande instrumento
socializador e está totalmente ligado com as funções sociais de
um povo, indivíduo e nação. (FAGUNDES, 2010, p. 35).
O autor relata que as bandas financiadas pelos senhores das
grandes fazendas eram compostas por escravos. Segundo Fagundes (2010, p.
35), “os escravos eram obrigados a tocar um tipo de música imposta por seus
senhores e as bandas começaram a crescer no cenário nacional, contribuindo
para seu posterior desenvolvimento”. Esta afirmação destaca a importância dos
negros no desenvolvimento da banda de música no Brasil.
Outro momento importante ocorreu no século XIX na Fazenda Santa
Cruz localizada nos arredores da capitania do Rio de Janeiro, onde, ali se
organizou uma banda que passou a se chamar Banda de Música da Real
Fazenda:
Essa banda foi formada pelos padres jesuítas para o cultivo
sistemático da música. Depois, devido ao grande prestígio e
virtuosismo de seus músicos, a Coroa passou a financiar esses
músicos. A Real Banda era composta por escravos e escravas
que eram iniciados musicalmente ainda adolescentes por
mestres jesuítas, sendo introduzidos no conhecimento da
música sacra, tanto no canto como no instrumento. Por serem
escravos, eram obrigados a se dedicar ao estudo do
instrumento e das atividades musicais. (FAGUNDES, 2010, p.
36).
7
Por conta da exigência por um alto desempenho na performance, os
músicos
que
eram
ensinados
por
jesuítas
se
tornaram
verdadeiros
instrumentistas virtuosos, pois:
O ensino musical era reproduzido pelo surgimento de novos
mestres entre os alunos. Com o tempo, a fazenda passou a ser
conhecida como Conservatório de Santa Cruz. [...] Esses
músicos escravos dedicavam bastante tempo ao estudo teórico
e à pratica instrumental. O padre mulato José Maurício era um
dos talentos mestres que ensinavam na Fazenda de Santa
Cruz. (DINIZ, 2007, p. 41).
Fig. 2: O Padre José Maurício, em foto feita por seu filho
Fonte: http://formasemeios.blogs.sapo.pt/568230.html, último acesso em 18/03/2014.
Para Fagundes (2010, p. 36), “esses músicos estavam preparados
para qualquer situação em que fosse necessária sua participação, seja tocando
em solenidades, recepções e cultos, ou em execuções de óperas”.
Ainda no período colonial do século XIX, houve o surgimento das
bandas de música de barbeiros, que eram:
[...] formadas por escravos alforriados que acumulavam várias
funções. [...] Os barbeiros tiveram grande importância no
desenvolvimento da música popular, pois contribuíram para a
criação do maxixe, devido à mistura cultural dos brancos
(europeus - portugueses, em particular) e dos negros. Segundo
Santiago (1998) e Diniz (2007), esses grupos foram os grandes
incentivadores e influenciadores do choro, samba e outros
gêneros musicais brasileiros. Além disso, contribuíram para a
difusão de danças e gêneros musicais tais como: a polka, a
valse, a mazurka, a scottish, a gavotte, a quadrille, que
chegavam ao Brasil pelo porto do Rio de Janeiro, imprimindo
características nativas do Brasil a esses gêneros. Essas
bandas funcionavam como escolas livres, ou seja, como
escolas de música sem um projeto sistematizado. As bandas
8
de música tiveram uma maior importância e notoriedade com a
criação das corporações musicais e só foram se consolidar a
partir de alguns anos após a chegada da Família Real, no
século XIX. (FAGUNDES, 2010, p. 37-38).
Com a chegada da Família Real em 1808, houve a criação das
bandas de músicas dos regimentos de Infantaria e Cavalaria da Corte.
Segundo Fagundes (2010, p. 38), “A partir de 1810, as bandas militares
começaram a se formar em quase todo o estado brasileiro”. Continuando:
O surgimento das bandas militares como conjunto de sopro e
percussão iniciou uma fase de valorização das bandas de
música, propiciando o surgimento das bandas civis. [...] Em
1831, foram criadas as bandas de música da Guarda Nacional.
[...] essas bandas passaram a incluir em seu repertório, ao lado
dos hinos, marchas, dobrados, trechos de músicas clássicas e
pequenos temas de músicas populares. [...] Também
marcaram presença no acompanhamento das procissões,
fazendo surgir as marchas de procissões (FAGUNDES, 2010,
p.38).
Para entendermos o interesse das corporações militares em bandas
de música, voltamos ao século XVIII, mais precisamente no ano de 1789,
período do governo de Napoleão Bonaparte. Segundo Esperidião (2003), neste
mesmo ano o capitão do Estado Maior e da Guarda Nacional Francesa,
Bernard Sarrete, criou em Paris a Academia de Música da Guarda Nacional,
que tinha a função de formar músicos para atuarem em apresentações e
eventos de interesse do governo. A academia ensinava teoria musical e prática
instrumental.
Em 1794, a Academia de Música da Guarda Nacional foi
transformada no Conservatoire National de Musique, atual Conservatório de
Paris, e passou a ser modelo para vários conservatórios de outros países.
Segundo Esperidião:
Em 1806, o Conservatório já possuía 40 funcionários, mais de
400 estudantes e um corpo docente constituído pelos mais
famosos compositores. A instituição mantinha formação
profissional de instrumentista, canto, regente e compositor,
com um rol de disciplinas relativas a cada habilitação
(ESPERIDIÃO, 2003, p.39). (grifo nosso)
De forma análoga à idéia de Bernard Sarrete em criar o
Conservatório de Paris, que tinha a função de formar músicos para cobrir
eventos de interesse do governo, temos no Brasil as bandas de música
pertencentes às corporações militares que, além de cobrir eventos do governo,
9
se fazem presentes em cerimônias como paradas e formaturas, participando
também de eventos cívicos. Binder evidencia essas práticas, pois, segundo ele:
As bandas militares pontuaram as festas reais e oficiais em
vários momentos, ocasiões que não dispensavam de
considerável pompa oficial. A partir de 1840 bandas militares
tornaram-se mais comuns, devido à expansão do exército e
pelo surgimento de outras corporações militares, como a
Guarda Nacional e as Polícias Militares provinciais, que
também equiparam seus quadros com bandas de música. Tais
bandas intensificaram a ocupação das ruas e praças em outras
ocasiões, além das festas e desfiles oficiais. Essa atuação
constante e diversificada contribuiu para a vinculação da banda
de música a traços militares, como repertório, uniforme e
instrumentação. (BINDER, 2006, p.05).
A principal banda do Brasil no século XIX foi a Banda de Música do
Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro. Em seu livro, Diniz (2007, p. 58-59)
comenta que, em 30 de outubro de 1896, a corporação teve a permissão para
organizar esta banda, sendo que tal organização ocorreu em 15 de novembro
desse mesmo ano. Esta banda era composta por 25 músicos, e comandada
pelo maestro Anacleto de Medeiros:
Fig.3: Anacleto de Medeiros, de braços cruzados ao centro, e seus bombeiros músicos.
Fonte: Diniz, 2007
A Banda do Corpo de Bombeiros apresentava-se em festas
cívicas, religiosas e concertos, tocando um repertório
abrangente que englobava trechos adaptados de óperas,
marchas, dobrados, polcas, valsas, mazurcas e xótis. Havia
uma forte influência musical européia que, aos poucos, foi
sendo substituída pela norte-americana. Grande parte do
repertório popular vinha de compositores da própria banda ou
de nomes reconhecidos na cidade, como Chiquinha Gonzaga,
Felisberto Marques, Alberto Pimentel Carramona, Henrique
Alves Mesquita, Francisco Braga e o próprio Anacleto (DINIZ,
2007, p. 60).
10
No que diz respeito ao surgimento das bandas de música civis, elas:
[...] proliferaram-se no fim do século XIX, ostentando nomes
iniciados em geral por “Lira”, “Filarmônica”, “Associação”,
“Corporação” ou mesmo “Banda”, com uniformes que remetiam
aos uniformes militares e com os tradicionais quepes.
(FAGUNDES, 2007, p. 38).
Fig. 4: Uniformes dos músicos do 2º batalhão de infantaria, 1850.
Fonte: Binder, 2006
Para Amorim (2012), as bandas civis podem ser classificadas em
três categorias: escolares, religiosas, e as associações. Segundo Higino:
As bandas escolares têm uma tradição muito forte no Brasil. Há
agremiações musicais tão antigas quanto as escolas às quais
elas pertencem, como é o caso da Banda do Colégio Salesiano
Santa Rosa, no Rio de Janeiro, que completou, em 2006, 118
anos de atividades ininterruptas. A história das bandas de
música escolares remonta, principalmente, à chegada dos
primeiros salesianos ao Brasil, em 14 de julho de 1883, período
esse de transição da Monarquia para a República. [...], a
música nos colégios salesianos sempre ocupou lugar de
destaque. (HIGINO, 2006 apud AMORIM, 2012, p.16)
As afirmações de Amorim são fortalecidas se compararmos com os
estudos feitos por Cislaghi (2009). Segundo ele:
Dentro da categoria civil, há: banda escolar, filarmônica, banda
da igreja, entre outras. Além disso, a banda pode possuir
denominações diferentes de acordo com a instrumentação
utilizada: banda marcial; banda de percussão, banda sinfônica,
entre outras. Outro agrupamento comum desse contexto é a
fanfarra [...] (CISLAGHI, 2009, p. 17). (grifo nosso)
11
Já em relação às diferentes denominações de bandas, estas
possuem várias formações diferentes em relação à instrumentação utilizada.
Em seu trabalho de pesquisa, Almeida (2010) revela que a Confederação
Nacional de Bandas e Fanfarras (CNBF), nos aponta três categorias diferentes
de bandas:
1) Bandas de Percussão, que podem se dividir em banda de
percussão marcial e banda de percussão com instrumentos
melódicos simples, 2) Fanfarras, que se dividem em fanfarra
simples tradicional, fanfarra simples marcial e fanfarra com
instrumento de uma válvula, e 3) Bandas, que se dividem em
banda marcial, banda musical, banda de concerto e banda
sinfônica. (ALMEIDA, 2010, p. 44).
Em relação à formação instrumental, bandas marciais são
constituídas por instrumentos de percussão e instrumentos de sopro da família
dos metais. Com relação às bandas musicais, sua formação é constituída por
instrumentos de sopro da família das madeiras, instrumentos de sopro da
família dos metais e instrumentos de percussão. Já no caso das fanfarras,
como afirma Cislaghi (2009), sua composição “é formada por instrumentos de
sopro característicos – cornetas – e instrumentos de percussão – bombos,
tambores, prato a dois, prato suspenso e caixa clara”.
Segundo Klander (2011), as bandas marciais são formadas por:
a) Instrumentos melódicos característicos: família dos
trompetes, família dos trombones, família das tubas e saxhorn;
b) Instrumentos de percussão: bombos, tambores, prato a dois,
prato suspenso, caixa clara; c) Instrumentos facultativos:
marimba, trompa, tímpano, glockenspiel, campanas tubulares e
outros de percutir. (CNBF, 2009).
No que diz respeito às bandas musicais de marcha, Klander (2011,
p. 35), afirma que elas têm em sua instrumentação:
a) Instrumentos melódicos característicos: família das flautas
transversais; família dos clarinetes; família dos saxofones e
instrumentos de sopro das categorias anteriores [banda
marcial]; b) Instrumentos de percussão: bombos, tambores,
prato a dois, prato suspenso, caixa clara; (...) Instrumentos
facultativos: celesta e xilofone. (CNBF, 2009).
Ainda segundo Klander (2011), “as bandas musicais de concerto têm
formação instrumental idêntica às bandas musicais de marcha”.
12
Para entendermos melhor essa relação de bandas e seus
instrumentos, temos a seguir um quadro demonstrando as diversas categorias
de bandas e sua instrumentação (tab. 1):
Tab. 1 – Categorias das bandas de sopro e percussão com instrumentação.
Fonte: Curso de Licenciatura em Música da UFRGS, 2010.
13
Klander (2011) afirma que, no Brasil, essas bandas são:
[...] em muitas cidades, o único lugar onde se pode aprender a
tocar um instrumento musical. Esses agrupamentos
apresentam-se como locais importantes de ensino e
aprendizagem de música, onde ocorre o ensino de instrumento
de forma individual ou coletiva, aulas de teoria musical, prática
instrumental em naipes e outras atividades musicais. Além
disso, é intenso o convívio social dentro desses grupos, o qual
proporciona diversas formas de aprendizado. (KLANDER,
2011, p. 12).
Assim, de acordo com Fagundes (2010) podemos dizer que a banda
de música no decorrer de sua história no Brasil, através de sua riqueza cultural,
“faz parte da identidade musical de uma vasta população”.
14
2. PROCESSO DE ENSINO E
APRENDIZAGEM NAS BANDAS DE
MÚSICA
A aprendizagem nas bandas de música possui uma característica
muito importante, que é o baixo índice de desistência por parte dos alunos.
Uma provável razão para tal se deve à metodologia aplicada nessas bandas.
Esta característica é reforçada em trabalho feito por Klander (2011), onde a
autora pesquisa sobre a utilização do modelo de ensino musical coletivo
aplicado por Barbosa (1996) em bandas do Estado de São Paulo. Segundo
Klander:
[...] houve redução do nível de desistência dos alunos, e em um
ano e meio de trabalho mais alunos foram formados para tocar
na banda. [...]. Com a utilização deste modelo, foi possível
obter resultados musicais em menor tempo e com baixo índice
de desistência dos alunos. Além disso, a prática musical em
conjunto desenvolve, entre outras coisas, a audição harmônica
dos alunos, os quais aprendem a ouvir os outros instrumentos,
equilibrar os sons no contexto da música que está sendo
executada, compreender a relação existente entre melodia e
harmonia e seguir o andamento indicado pelo maestro.
(KLANDER 2011, p. 24 - 25).
Tal fato se soma com a renovação contínua, ou seja, preparando
“novos instrumentistas, contando com pessoas que saibam transmitir seus
conhecimentos musicais, e manter uma ala jovem que aprenda com os
veteranos as tradições, os costumes e a história da corporação” (RIBEIRO,
2010, p. 15). É possível que esta característica tenha ajudado a manter a
existência dessas corporações no decorrer dos anos, transformando a banda
de música em um importante celeiro de músicos instrumentistas de sopro e de
percussão, direcionando-os ao mercado de trabalho como orquestras, bandas
de corporações militares como a do Exército, Marinha, Aeronáutica, Polícia
Militar, Corpos de Bombeiros, bandas das Guardas Municipais e bandas
profissionais de prefeituras, entre outros.
Segundo Barbosa:
A maioria dos instrumentistas brasileiros de sopro que
trabalham profissionalmente em bandas militares, civis, ou
15
orquestras recebeu sua formação elementar em bandas. As
bandas de música tem sido um dos meios mais utilizados no
ensino instrumental, de sopro e percussão, no nosso País. O
número dessas instituições, supera o número de escolas de
música. Alem disso, a maioria das escolas de música não
ensinam instrumentos de sopro e das que ensinam, apenas
alguns desses instrumentos são oferecidos. Enquanto, as
bandas tem ministrado aulas de todos os instrumentos que
compreendem seu quadro. (BARBOSA, 1996 apud ALMEIDA,
2010, p. 24) (grifo nosso)
Considerando a importância dada às bandas de música no Brasil,
temos a necessidade de expor aqui sua metodologia de ensino. No que diz
respeito às praticas de educação musical nessas corporações, Pereira afirma:
[...] há um movimento mundial de crescimento e de
reavaliação e revalorização da importância da educação
musical, da aprendizagem do instrumento musical e da prática
instrumental coletiva, onde a banda de música é inserida como
uma das principais práticas alternativas. (PEREIRA, 2003 apud
ALMEIDA, 2010, p. 27)
O ensino nas bandas de música é ministrado principalmente pela
figura do regente. Porém, ao mesmo tempo, recebe a ajuda de seus alunos
veteranos (que ajudam como monitores), por serem mais experientes em
relação aos recém-integrantes. Assim, a banda se torna um ambiente de
ensino e aprendizagem, pois é um espaço onde se aprende fazendo,
observando e interagindo com os colegas e, ao mesmo tempo, há a instrução
por um professor ou instrutor.
As formas de ensino ministradas nessas bandas de música se dão
de várias maneiras. Nesse contexto, destaca-se a metodologia do ensino
coletivo. Fonterrada (2008) em sua obra, De tramas e fios: um ensaio sobre
música e educação, relata sobre a importância dessa metodologia de ensino,
pois segundo a autora:
De fato, aspectos como escuta musical, formação de
habilidades específicas, domínio de conteúdos musicais,
capacidade de fazer e criar música, bem como a de atuar em
conjunto (fazer música coletivamente, isto é, praticar atividades
de canto coral, banda, fanfarra, orquestra, e participar e
oficinas de criação musical) são condições essenciais para a
instalação do fazer musical. (FONTERRADA, 2008, p. 272-273)
Só para estabelecermos uma relação, essa forma de conceber o
conhecimento de forma coletiva também pode ser vista em Alves (2006)
através de seu livro sobre a formação de professores. Neste trabalho, há uma
16
passagem que relata o modo de conceber a construção do conhecimento nas
propostas sobre a formação dos profissionais da educação, onde diz:
Entendendo-se que o conhecimento é uma busca permanente,
admitimos que ele é prático, pois se dá graças à experiência
prática do sujeito que nela se relaciona permanentemente com
o objeto. Por outro lado, admitimos que o conhecimento é
social: a inter-relação dialética sujeito-objeto só é possível, no
que se refere à construção do conhecimento, na complexa e
variada trama das relações dos homens com os outros
homens. (ALVES, 2006, p.75)
A autora ainda reitera que:
[...] a base comum nacional exige que se pense a formação
dos profissionais da educação em uma visão de totalidade. Em
um sentido horizontal, é necessário que se pense a formação
coletiva de todos estes profissionais [...]. (ALVES, 2006, p. 79)
(grifo nosso)
As duas citações acima fazem um paralelo de como deve ser a
formação desses profissionais de educação ao método de ensino coletivo
adotado nas bandas de música, destacando a importância da utilização deste
método também em outras áreas, como a formação de professores.
Para entendermos melhor esse processo do ensino coletivo, faz-se
necessário a exposição de alguns aspectos, como: “aspectos musicais,
pedagógicos, sociais e econômicos”. Alguns autores – Oliveira (1990), Cruvinel
(2008), Tourinho (2008), Cerqueira (2009), Fisher (2010) e Cerqueira et al
(2011) apontam várias características que estão diretamente relacionadas a
esses aspectos oriundos do ensino coletivo, tais como:
• Acessibilidade econômica em todos os contextos sociais;
• Autonomia a partir da necessidade de iniciativas e decisões;
• Interação com os colegas como recurso de aprendizagem – Teoria da
Aprendizagem Colaborativa (FISHER, 2010, p.51-66);
• Abordagem prática no aprendizado de conceitos teórico-musicais, permitindo
sua assimilação sensorial;
• Desenvolvimento interdisciplinar de habilidades musicais, entre elas
Treinamento Auditivo, Leitura de Notação Musical, Audição Crítica, Análise
Musical, História da Música, Improvisação, Harmonização, Composição e
Performance;
• Utilização de repertório provindo de culturas e contextos variados;
17
• Considerações sobre a técnica instrumental e suas implicações anatômicofisiológicas;
• Desenvolvimento da sensibilidade artística através da Audição Crítica.
(CERQUEIRA et al 2011, p. 3)
O ensino nas bandas de música no formato individual é raro,
principalmente pelo fato de haver apenas um profissional na maioria das
bandas para ministrar essas aulas. Porém, o ensino coletivo se torna uma
ferramenta importante nesse processo de ensino-aprendizagem, além de
contribuir no processo de socialização do ensino democratizando um possível
acesso à formação musical.
A partir de estudos feitos por Nascimento (2007), Tourinho (2007),
Benedito (2008), Sá (2010), Cerqueira (2011), Klander (2011) e Cerqueira
(2010), temos abaixo um quadro que demonstra algumas características
provenientes dos contextos de ensino individual e coletivo (tab. 2):
Ensino Individual
Ensino Coletivo
1 - É mais adequado à formação
profissional;
2 - Atende as necessidades de um único
aluno;
3 - Ensino de alto custo financeiro, se
comparado com o ensino coletivo;
4 - Necessita de um professor
especializado;
5 - Exige maior concentração do aluno;
6 - Desenvolvimento técnico mais
satisfatório;
7 - Adotado em aulas particulares
utilizando uma abordagem
interdisciplinar;
8 - Utilização de métodos específicos;
9 - Especialização do intérprete;
10 - Remonta ao modelo conservatorial;
1 - Está mais direcionado a iniciantes;
2 - Atinge um número muito maior de
beneficiados em relação ao ensino
individual;
3 - Baixo custo financeiro por atender um
maior número de indivíduos;
4 - Está presente a figura do regente;
5 - Exige maior concentração do
professor;
6 - Permite o desenvolvimento
espontâneo através da interação social e
do aprendizado independente, a partir de
observação e diálogo com os colegas;
7 – Adotado nas aulas em grupo com
abordagem cooperativa;
8 – Utiliza métodos elementares para o
ensino coletivo de instrumento de
bandas;
9 – Especialização em prol do grupo;
10 - Estimula a permanência dos
participantes em virtude do grupo.
Tab. 2 – Algumas características de ensino individual e do ensino coletivo
O ensino coletivo de instrumentos musicais também é evidenciado
por Almeida (2010). Segundo ele, é importante levar em consideração
determinados aspectos, pois:
No contexto coletivo, o ensino musical proporciona a interação
dos estudantes desenvolvendo aspectos de cooperação e
socialização, além de provocar baixa evasão. Os aspectos
técnico-musicais também são potencializados no ensino grupal,
18
pois esta metodologia contribui, também, para o
desenvolvimento da afinação instrumental, uma vez que a
vivência de tocar em grupo favorece o aprimoramento da
percepção, visto que os alunos estão em contato sonoro uns
com os outros, fazendo com que a percepção musical auxilie
no desenvolvimento de uma melhor emissão sonora.
(ALMEIDA, 2010, p. 35).
Seguindo ainda sobre as características provenientes desse ensino
a partir de práticas em bandas, Benedito (2008) reforça:
1. O aprendizado do instrumento está diretamente associado a
um objetivo muito bem definido que é tocar na banda e não
receber um diploma.
2. O treinamento de leitura musical antecede a prática
instrumental.
3. Não há seriação nem um programa unificado, ficando um
espaço aberto para adequação à realidade do aluno,
respeitando seu desenvolvimento, sem imposição de um
modelo único de aluno-padrão.
4. O aprendizado é realizado através do relacionamento com
os músicos mais antigos (cooperativa). Insiste na convivência
diária com a rotina musical da entidade como fator de
aprimoramento e renovação de seu contingente, de ampliação
e continuidade. (BENEDITO, 2008, p. 1).
Para Almeida (2010), o ensino coletivo ainda possui a forma
homogênea e heterogênea de se transmitir o conhecimento. O primeiro caso
ocorre quando um grupo de um mesmo instrumento é ensinado, que vem a ser
o ensino por naipes. Nesse caso, tem-se a possibilidade de abordar a técnica.
Como afirma Cerqueira et al (2011, p.3), “no ensino coletivo de bandas ou
grupos de cordas – como nos trabalhos de Barbosa (1994) e Cruvinel (2005) –
é possível tratar de técnica, tendo em vista a semelhança entre instrumentos
do mesmo naipe”. Já a forma heterogênea, ocorre quando os diferentes
instrumentos da banda estão reunidos, como afirma Almeida:
[...] as bandas de música são consideradas como ensino
coletivo musical heterogêneo, pois nesta formação existem
diferentes combinações instrumentais, compostas pelos
instrumentos de sopro da família das madeiras (flauta,
clarineta, saxofone, oboé, fagote), instrumentos de sopro da
família dos metais (trompetes, saxhorne, trompa, trombone,
bombardino, tuba) e instrumentos de percussão (bateria, caixa,
bombo, triângulo, pratos, pandeiro, etc). (ALMEIDA, 2010, p.
35)
Amorim (2012) também discorre sobre esse processo de ensinoaprendizagem nas bandas de música. Pare ele, o ensino coletivo de
instrumentos musicais também ocorre por observação. “Esse tipo de educação,
19
que é típica das bandas, tem características muito positivas”, como nos afirma
Costa:
No Brasil, a dinâmica de trabalho, a qualidade musical e a
grande diversidade de conjuntos musicais populares é
surpreendente. Os significativos resultados obtidos nestas
situações não-formais de ensino e aprendizagem musical, em
geral de grande limitação e pobreza material, demonstram o
grau de eficiência de tais processos educativos. As
informações e os conteúdos são assimilados através da
observação e experimentação do fenômeno musical em sua
concreticidade sonora: é ver, ouvir e imitar. Os iniciantes
aprendem imitando os mais experientes, e não existe espaço
para técnicas formais e apuradas de execução como finalidade
em si mesmas. Tudo é deixado ao encargo da intuição.
Partindo da reprodução atinge-se a criação, e partindo da
intuição atinge-se a consciência de ação. Quando a
aprendizagem exige uma orientação mais detalhada por parte
dos mais experientes, estas orientações muitas vezes
dispensam
explicações
verbais,
sendo
feitas
por
demonstrações práticas. (COSTA, 1997 apud AMORIM, 2012,
p.37) (grifo nosso)
Essas afirmações encontram reforço nos estudos feitos por Cislaghi,
que apontam uma comparação feita por Pereira (1999) da metodologia do
programa para banda do norte-americano Donald E. Bollinger, com a realidade
dessa mesma metodologia empregada no Brasil:
Os nossos ensaios nem sempre são utilizados de forma
pedagógica, limitando-se a repetição exaustiva de
leitura/execução das músicas, sem nenhuma correção ou
apresentação de objetivos, apenas para preparação do
repertório. Muitas vezes, o aluno nem conhece com certa
desenvoltura o nome e duração das notas, não consegue tirar
o som de uma escala maior completa e já tenta tocar as
músicas do repertório, utilizando o processo de “tirar de ouvido”
e de imitação repetitiva. O planejamento evitaria a defasagem e
o nível de dificuldade do repertório. (PEREIRA, 1999 apud
CISLAGHI 2009, p. 22)
O autor aponta a situação de vários alunos de bandas, que por não
saberem ler a partitura, se utilizam de outro método, que é o “tocar de ouvido”.
Ele ainda ressalta que há a importância de saber ler, mas, caso não saiba, o
aluno não fica impedido de realizar música, “uma vez que existem abordagens
que não consideram a notação musical como sendo fator essencial no
processo educativo, como, por exemplo, aprendizagem por imitação”
(CISLAGHI, 2009, p.23). Ramos e Marino comentam sobre esse processo de
imitação no ensino de instrumentos musicais:
20
A imitação é um recurso valioso no início do ensino
instrumental e igualmente nas etapas subseqüentes, pois,
permite o desenvolvimento da expressividade e das
habilidades técnicas de forma prazerosa, gerando um maior
envolvimento do aluno com o fazer musical. (RAMOS;
MARINO, 2002 apud CISLAGHI 2009, p. 82)
Esse processo de ensino-aprendizagem através do recurso imitação,
utilizado na educação musical, também é mencionado por Fonterrada:
[...] E se, porventura, uma criança é mais lenta do que as
outras no aprendizado da música, ela não é considerada não
musical pelo grupo, mas apenas menos rápida do que as
outras crianças. Nessas culturas, tem valor a tradição, e a
aprendizagem se dá pela imitação de um mestre ou grupo de
mestres. (FONTERRADA, 2008, p. 203) (grifo nosso)
A autora afirma que caso a criança/aluno tenha um atraso em seu
aprendizado musical, não quer dizer que essa criança não possa ser
musicalizada, nem tão pouco produzir música, pois, existem outros recursos de
se conceber a aprendizagem musical, que é o aprendizado por imitação.
Outra ferramenta importante que as bandas de música utilizam no
processo de ensino-aprendizagem, é o repertório. O uso do repertório está
diretamente ligado à importância da partitura, pois o uso dela “é de muita
importância para o desenvolvimento mínimo de um aluno de instrumento de
sopro” (Amorim, 2012 p. 49), facilitando “esse processo de aprendizagem”
(CISLAGHI, 2009, p. 79).
Silva, ao analisar o processo de ensino-aprendizagem em uma
banda chega a uma conclusão acerca do uso da partitura na banda em estudo:
O principal foco nas aulas teóricas é a leitura musical. Os
conteúdos consistem em o aluno identificar as notas na
partitura, bem como conhecer seus respectivos valores e,
posteriormente, praticá-los na realização de exercícios de
solfejo rítmico. (SILVA, 2012, p. 96) (grifo nosso)
A autora ainda completa que:
[...] a partir da partitura retira elementos musicais para serem
trabalhados nas aulas, como indicações para o aprimoramento
da sonoridade, ritmo, conexão das notas na música, a
importância da respiração para a conclusão da frase e a
familiaridade dos códigos da partitura que são importantes para
o desenvolvimento dos ensaios: barra de repetição, volta ao S,
primeira e segunda casa, coda, etc. (SILVA, 2012, p. 102)
Em se tratando do solfejo no auxílio da leitura de partitura,
Gonçalves reforça:
21
Na leitura da partitura, em alguns trechos mais complexos da
música, o professor utiliza o solfejo, que nesse caso, pode ser
denominado de solfejo ‘falado’ ou solfejo ‘rezado’.
(GONÇALVES, 2007 apud CISLAGHI, 2009, p. 126)
Bertunes realça a importância dada ao solfejo no ensino realizado
nas bandas de música, pois:
[...] considera que, no ensino de música realizado nas bandas,
é necessário o estudo de solfejo, pois esse possibilita uma
maior compreensão musical por parte dos alunos.
(BERTUNES, 2005 apud CISLAGHI, 2009, p. 126)
Voltando
conhecimentos
ao
que
uso
podem
do
repertório,
ser
obtidos
Almeida
através
comenta
dessa
outros
ferramenta,
proporcionando para os músicos de bandas, conhecimentos sobre “gêneros
musicais, formas, relações culturais e conhecimento sobre os autores das
músicas” (ALMEIDA, 2010, p. 17). Segundo este autor, o repertório é um fator
muito importante na formação de músicos e regentes de bandas, pois, os
aspectos didático-pedagógicos estão diretamente relacionados à escolha de
um repertório. Mas para isso faz-se necessário um planejamento na escolha
desse repertório, objetivando e enfatizando a formação musical dos
instrumentistas de sopro e de percussão.
O autor acima citado ainda discorre sobre os conteúdos necessários
para a educação musical nas bandas. Para ele, atualmente, “o ensino musical
nas bandas objetiva inicialmente a leitura e depois a prática instrumental para
em seguida entrar na constituição de um repertório” (ALMEIDA, 2010, p. 40).
Cajazeira ainda reforça que:
A educação musical nas bandas não segue os princípios da
oralidade, pois existem ensinamentos sobre teoria, leitura e
escrita musical, e a oralidade ocorre de forma subjetiva com a
escuta entre os músicos. (CAJAZEIRA, 2002 apud ALMEIDA
2010, p. 40)
Assim, a educação musical fornecida pelas bandas de música, como
afirma Almeida (2010, p.40) “aponta para uma pedagogia tradicional de ensino”
que é classificada por Barbosa (1996) como “metodologia de ensino
tradicional”:
A metodologia de ensino tradicional presente na maioria das
bandas está refletida na forma mecânica de aprendizagem do
solfejo, levando a uma racionalização excessiva na
aprendizagem musical. Na fase inicial de formação da maioria
das bandas, quando se dá ênfase ao ensino da teoria musical,
22
exige-se a prática da memorização e repetição de conceitos e
exercícios, aspectos constituintes de um currículo musical
tradicional situado pelo regente como necessário para a prática
instrumental. (ALMEIDA 2010, p. 40-41)
Neste momento, o autor nos revela que o currículo se torna explícito,
e que o repertório entra no currículo como um conteúdo programático oculto,
por refletir a falta de formação de alguns regentes de banda, “carecendo de
uma reflexão sobre o repertório escolhido, bem como acerca do planejamento
estabelecido diante das escolhas musicais e do contexto em que sucede a
aprendizagem musical” (ALMEIDA, 2010, p. 41).
Barbosa ainda observa que:
[...] a formação musical na maioria das bandas ocorre em
quatro fases consecutivas: aula coletiva de teoria e divisão
musical, aula individual de divisão musical, aula individual de
instrumentos e práticas de conjunto. Na quarta fase, a prática
de conjunto é o momento em que o aluno é inserido na banda.
(BARBOSA, 1996 apud ALMEIDA 2010, p. 41)
Ainda continuando sobre a exposição de formas de ensino coletivo
de instrumentos musicais em bandas de música, temos em Cislaghi um
levantamento de estudos feito por Barbosa (1994) sobre uma pesquisa de
adaptação de métodos norte-americanos no contexto do ensino coletivo
voltado à realidade do ensino feito nas bandas de música do Brasil. Barbosa
diz que:
[...] esses métodos, em geral, são divididos em três fases: na
primeira fase, o aluno exercita a produção de som no seu
instrumento com as notas do registro médio, e trabalha um
repertório fácil com divisões musicais simples; na segunda
fase, ele aprende notas de outros registros, trabalha um
repertório mais exigente, realiza exercícios técnicos
instrumentais e aprende ritmos e elementos teóricos um pouco
mais complexos; na terceira fase há uma complementação das
fases anteriores, porém concentrado num repertório mais
complexo. (BARBOSA, 1994 apud CISLAGHI 2009, p. 23)
Além das três fases acima citadas, existem algumas “atividades
básicas para o ensino coletivo de instrumentos que se constituem em: cantar,
tocar diversificadas formas e texturas musicais, e ouvir performances, para
servir de modelo para o desenvolvimento auditivo” (BARBOSA, 1994 apud
CISLAGHI, 2009).
O bastante conhecido Método “Da Capo” – Método elementar para o
ensino coletivo ou individual de instrumentos de banda – é também fruto de
23
pesquisas desenvolvidas por Barbosa sobre a adaptação de métodos norteamericanos utilizando melodias brasileiras. A principal característica desse
método, é o contato do aluno(a) com o instrumento musical desde as primeiras
lições. Cislaghi (2009) aponta que o método de Barbosa teve sua publicação
no ano de 2004, sendo composto por “15 livros individuais para instrumentos
diferentes, entre sopros e percussão, e o livro do regente (...)” (CISLAGHI,
2009, p. 24). Esse último livro, o do regente, inclui:
[...] lições para o aprendizado de instrumentos, ensino de teoria
e desenvolvimento da percepção musical”, [...] traz algumas
sugestões para a realização das atividades, como: tocar e
cantar, tocar em diversas combinações instrumentais e em
cânone, decorar melodias, exercícios teóricos, exercícios
técnicos instrumentais, exercícios rítmicos, exercícios auditivos,
ditados rítmicos e melódicos, improvisos (BARBOSA, 2004
Apud CISLAGHI 2009, p. 24).
Segundo Cislaghi (2009, p. 24), “no livro do regente também se
encontram algumas sugestões de como iniciar o trabalho”. Barbosa afirma:
No início do aprendizado, é importante dar uma boa atenção
individual a cada aluno. Sendo assim, divida a classe em
grupos (naipes): flautas, palhetas simples, palhetas duplas,
metais agudos, metais graves e percussão. Nessa fase, ensine
técnicas de respiração, posição de braços e mão, postura e
embocadura, e trabalhe até a terceira página do Livro do Aluno.
Na fase seguinte, junte os grupos em apenas uma classe e
comece o trabalho coletivo tocando desde o exercício (1) do
Livro do Aluno. Porém, continue a observar a respiração,
postura, posição de braços e mãos, e embocadura.
(BARBOSA, 2004 apud CISLAGHI, 2009, p. 24) (grifo nosso)
Para o autor, devemos sempre observar e dar importância à
respiração, posição de braços e mão, postura e embocadura tanto na forma
individual de ensinar, quanto na forma coletivo do ensino.
Essa metodologia de ensino coletivo direcionada para a instrução de
músicos instrumentistas de banda é um fato em crescimento no âmbito da
educação musical do Brasil. Cada vez mais observamos o interesse dessas
instituições por essa metodologia de ensino, principalmente por ela carregar
em seus alicerces características positivas do seu processo de aplicação.
Com o crescimento do número de bandas de música no Brasil,
observa-se o desenvolvimento de métodos voltados ao ensino coletivo de
instrumentos de sopro e percussão de banda. A exemplo do método Da Capo,
de Joel Barbosa, temos também o método “Gestão e Curso Batuta resultado da
Tese de Doutorado da Professora Regina” (CAJAZEIRA 2002, apud ALMEIDA
24
2010, p. 36) e o método Yamaha – Método de Ensino Individual ou Coletivo
para Banda desenvolvido por Feldstein e O’Reilly em 1989 (SILVA, 2011).
Embora o número de métodos voltados a essas práticas de ensino
sejam ainda reduzidos, tem-se aumentado o número de pesquisas voltadas às
metodologias de ensino nas bandas de música. A exemplo disso, temos:
Barbosa (1996), Cajazeira (2004), Binder (2006), Higino (2006), Lima (2006),
Nascimento (2006), Nascimento (2007), Vecchia (2008), Benedito (2008),
Campos (2008), Cislaghi (2009), Almeida (2010), Fagundes (2010), Klander
(2011), Amorim (2012) e Silva (2012), entre outros.
25
3. RESULTADOS E DISCUSSÃO
3.1 Metodologia da pesquisa e escolha das Bandas
A presente pesquisa foi iniciada com base em revisão bibliográfica
envolvendo os referenciais teóricos que abordam a importância que as bandas
de música trazem em sua bagagem metodológica e práticas musicais.
Ressaltam-se os benefícios proporcionados pelo ensino e práticas de músicas
nas bandas de música, revelando o papel formador dessas entidades na vida
de músicos instrumentistas tanto de sopro quanto de percussão que compõem
os quadros das bandas profissionais desta cidade.
Para coleta de dados, recorremos à aplicação de um questionário
(vide Anexo I) com onze questões, das quais seis eram fechadas2, quatro eram
fechadas com uma opção “outra” (onde o candidato poderia se manifestar caso
não houvesse nenhuma resposta pronta adequada) e uma era aberta3. Houve
a preocupação de se conseguir um quantitativo significativo, buscando prover
dados
mais
concretos.
Posteriormente,
os
dados
foram
tratados
estatisticamente, através de abordagem qualitativa e análise cruzada.
O questionário foi realizado com integrantes das bandas de música
em nível profissional de São Luís do Maranhão. O questionário tem o objetivo
de demonstrar a importância da banda de música para a formação dos músicos
instrumentistas profissionais deste contexto. Paralelamente, procurou-se
revelar um pouco da trajetória dos músicos protagonistas envolvidos nesta
pesquisa, buscando informações sobre a formação inicial.
As bandas de São Luís que se enquadram no perfil desejado –
bandas profissionais, onde os músicos se mantém exclusivamente através de
atividades laborais relacionadas à Música – e contempladas na presente
investigação foram:
•
Banda de Música do Vigésimo Quarto Batalhão de Caçadores (B. MÚSICA
- 24º BC);
•
Banda de Música da Polícia Militar do Estado do Maranhão (B. MÚSICA –
PMMA);
2
3
Perguntas fechadas – formadas por alternativas, com possíveis respostas definidas anteriormente.
Pergunta aberta – pergunta discursiva, que permite a livre resposta do participante.
26
•
Banda de Música do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão
(B. MÚSICA – CBMMA);
•
Banda de Música da Guarda Municipal de São Luís do Maranhão (B.
MÚSICA – GM).
3.2 Análise dos dados coletados
Na pesquisa, foram arrolados cinquenta músicos instrumentistas de
sopros e percussão, sendo a maioria de sopros. A seguir, temos dois quadros:
o primeiro (tab. 3) demonstra o quantitativo de músicos por banda envolvidos
na pesquisa, bem como o total do efetivo dessas bandas, e o segundo (tab. 4)
demonstra a relação de quantidade de músicos por instrumento especifico.
BANDA
Total de músicos
Músicos entrevistados
Banda Músico do 24º BC
Banda Música da PMMA
33
52
10
11
Banda Música do CBMMA
33
14
Banda Música da GM
49
15
Tab. 3 – Quantitativo de músicos envolvidos por banda/corporação
A quantidade de músicos envolvidos nesta pesquisa não representa
a totalidade de músicos de cada corporação. Entretanto, o quantitativo
analisado foi considerado suficiente para o estabelecimento da análise feita no
presente trabalho.
Não houve uma regra específica para escolher a quantidade de
músicos por banda; foram consultados aqueles presentes no dia da pesquisa,
haja vista que as bandas estão em permanentes trabalhos musicas tanto
internos (da corporação) quanto externos (eventos do governo, populares entre
outros).
ESPECIALIDADE
Clarinetistas
Saxofonistas
Trombonistas
Trompetistas
Tubistas
Percussionistas
Trompa
Nº de Músicos
13
6
11
9
5
5
1
Tab. 4 – Número de músicos por instrumento/especialidade
27
3.2.1 Primeiro contato com a aprendizagem da Música
Apresenta-se a seguir um gráfico com a primeira forma de contato4
com a aprendizagem musical por parte dos entrevistados (fig. 5):
Fig. 5 – Primeiro contato com a aprendizagem da Música
Do total de músicos, temos 28% que iniciaram seus estudos
musicais em igreja, outros 28% em escolas de música, 14% em bandas de
música, 6% em aulas particulares, outros 6% aprenderam sozinhos e mais 6%
tiveram seus estudos musicais iniciados em projetos sociais ou ONGs. Temos,
ainda, 12% que marcaram outras opções sobre o início de sua aprendizagem,
sendo elas: com vizinho, primos, com o pai, a família ou com um amigo.
Um fato que chamou a atenção é que boa parte dos músicos iniciou
seus estudos musicais em igrejas, em escolas de música ou bandas de
música. Observando-se os dados do gráfico acima (fig. 5), as igrejas, assim
como as escolas de música, ocupam lugares de destaque na manutenção de
grupos instrumentistas e, consequentemente, na formação de músicos
profissionais do Maranhão.
Considerando
a
presença
das
igrejas
na
formação
dos
entrevistados, fizemos um cruzamento dos dados entre os subtópicos 3.2.1
(primeiro contato com a aprendizagem da Música), 3.2.8 (tipo de banda) e 3.2.9
(formação instrumental da banda). Dos participantes que marcaram “Igreja”
como opção na questão 3.2.1, foi constatado que todos são oriundos de
“Bandas de Igreja” (respostas do item 3.2.8 e 3.2.9), seja de sopros ou outra
configuração de banda que contenha instrumentos de sopro e percussão.
A questão em discurso busca averiguar o local de acesso ao primeiro contato com o estudo e
prática de música. - seja de teoria musical, noções básicas de música, prática instrumental,
atividade com banda entre outros.
4
28
Portanto, podemos afirmar com base nestes dados que, de todos os
participantes, 42% do total (igual a 21 participantes, resultado obtido através da
intercessão entre as opções “Banda” e “Igreja”) tiveram seu primeiro contato
com a aprendizagem musical em bandas, seja marcial, fanfarra ou banda de
igreja, entre outras, confirmando assim as contribuições destes grupos
musicais para a formação de músicos instrumentistas.
Assim, se analisarmos novamente o primeiro contato com a
aprendizagem da Música com base nesta análise cruzada, ele toma a seguinte
forma (fig. 6):
Fig. 6 – Análise cruzada acerca do primeiro contato com a aprendizagem musical
De acordo com este novo gráfico, as bandas compõem na verdade
42% do total, e logo após, vem as escolas de música com 28%. Estas são as
opções mais evidenciadas pelos participantes no primeiro contato com a
aprendizagem musical.
Tendo em vista a considerável mudança de dados a partir da análise
cruzada entre os subtópicos 3.2.1, 3.2.8, e 3.2.9, com destaque para a opção
“Igreja”, foi feito um novo cruzamento entre os mesmos subtópicos, agora
analisando as opções “Igreja”, “Aula Particular”, “Aprendendo Sozinho”,
“Projeto Social ou ONGs” e “Outros”, com a preocupação de descobrir se
haveria novos resultados. Seguem abaixo as conclusões:
• Dos três entrevistados que marcaram “Foi aprendendo Sozinho” como opção
de primeiro contato com a música, dois aprenderam sozinhos em bandas
marciais, e um deles marcou “Conjunto de Música Popular”;
• Dos três entrevistados que marcaram “Aula Particular” como opção de
primeiro contato com a música, todos tiveram esse ensino em aulas
particulares dentro das bandas de igreja;
29
• Dos quatorze entrevistados que marcaram “Igreja” como opção de primeiro
contato com a música, todos tiveram esse contato em bandas de igreja;
• Dos três entrevistados que marcaram “Projeto Social ou ONGs” como opção
de primeiro contato com a música, todos tiveram esse aprendizado em
bandas de música mantidas por essas organizações;
• Dos seis entrevistados que marcaram “Outros” como opção de primeiro
contato com a música, quatro são oriundos de bandas (sendo dois de banda
de igreja, um de fanfarra, e um de banda de música), e dois são de conjunto
de música popular.
Realizando uma interseção entre os resultados obtidos a partir dos
participantes que marcaram a opção “Banda” com o novo cruzamento de dados
acima citados, concluímos que o resultado final daqueles oriundos de banda
constituem 66%, ou seja: de todos os entrevistados, 33 deles tiveram seu
primeiro contato com a aprendizagem musical em bandas, sendo esta a opção
mais evidenciada.
Portanto, ao observarmos estes dados, é possível afirmar que as
bandas de música são meios muito importantes para a formação e manutenção
de músicos profissionais de banda, considerando a realidade de São Luís.
3.2.2 Idade de início da aprendizagem musical
A faixa etária dos participantes ao entrar em contato com o ensino
musical é bastante variada, havendo alguns entrevistados que iniciaram aos
sete anos e outros aos vinte anos de idade. Abaixo, temos uma tabela (tab. 5)
e um gráfico (fig. 7) que representam de maneiras diferentes a idade dos
entrevistados durante seu primeiro contato com a aprendizagem da Música:
30
Faixa etária
(em anos)
Participantes
nesta faixa etária
07
2
08
5
09
4
10
7
11
4
12
9
13
6
14
7
17
2
18
1
19
1
20
2
Tab. 5 – Quantidade de participantes por faixa etária de início das atividades musicais
Fig. 7 – Quantidade de participantes por faixa etária de início das atividades musicais
Para estabelecermos um padrão, fizemos a média aritmética de
idade: primeiro por banda, e depois pelo total das bandas em questão. Foram
encontrados os seguintes dados, demonstrados no quadro a seguir (tab. 6):
Banda
Banda do 24º BC
Banda da PMMA
Banda do CBMMA
Banda da GM
Média de idade por banda (em anos)
11
12,09
13,14
11,47
Média geral
11,93
Tab. 6 – Média de idade de início das atividades musicais por banda
Obtivemos uma média geral de idade de 11,93 anos de idade dos
participantes no primeiro contato com o ensino de música, demonstrando ser
uma marca bem próxima à faixa etária mais recorrente demonstrada no gráfico
da figura 7, que é de 12 anos. Conclui-se, portanto, que a grande maioria dos
músicos profissionais iniciam seus estudos ainda jovens, mais na fase da
adolescência.
3.2.3 Uso do instrumento no início da aprendizagem musical
Dos cinquenta músicos participantes da pesquisa, tivemos nove
participantes (18% do total) que utilizaram o instrumento musical logo no
primeiro contato com a aprendizagem musical, enquanto os outros quarenta e
31
um participantes (82% do total) só tiveram contato com o instrumento algum
tempo depois, como nos revela o gráfico a seguir (fig. 8):
Fig. 8 – Uso do instrumento no início da aprendizagem musical
Um dado notável nesta questão foi que, dos nove participantes que
utilizaram o instrumento logo no primeiro contato com a aprendizagem da
Música, somente dois deles são percussionistas, enquanto os outros sete são
instrumentistas de sopro. Esta é uma evidência da adoção de metodologia
didática semelhante ao método Da Capo de Joel Barbosa (1998), que tem a
característica de utilizar o instrumento desde o início da aprendizagem musical.
3.2.4 Conteúdos e abordagens no início da aprendizagem musical
Este subtópico, ligado ao anterior, versa sobre conteúdos e
metodologias adotados no primeiro contato dos músicos profissionais com a
aprendizagem da Música. Segue o gráfico com os dados (fig. 9):
Fig. 9 – Conteúdos e abordagens no início da aprendizagem musical
32
De acordo com o gráfico (fig. 9), 64% dos participantes tiveram aula
de teoria musical sem praticar o instrumento, 16% tiveram noções básicas de
música, 12% tiveram o ensino do instrumento junto com o ensino de teoria
musical, 6% não tiveram a mesma oportunidade dos outros participantes e
foram aprendendo sozinhos, e, 2% marcaram outros.
Os dados demonstram que 64% dos participantes estudaram teoria
musical antes de iniciar o contato com o instrumento, sendo essa uma possível
indicação da forma de ensino adotada na maioria das bandas de música de
São Luís, onde primeiro se ensina a teoria musical para logo depois passar à
prática instrumental.
Fazendo uma análise cruzada entre os resultados obtidos nos
subtópicos 3.2.3 (uso do instrumento no primeiro contato com a música) e 3.2.4
(conteúdos e abordagens no primeiro contato), houve uma constatação
interessante: os participantes que marcaram a opção “Teoria Musical e/ou
Noções Básicas de Música” em 3.2.4 estão contidos dentro dos 82% que
marcaram “não começou a tocar o instrumento no primeiro contato” em 3.2.3.
Ou seja: dos cinqüenta entrevistados, 38 participantes (76% do total) não
estudaram o instrumento logo no primeiro contato com a aprendizagem musical
e, concomitantemente, tiveram aulas de Teoria ou Noções Básicas de Música.
Esta é uma metodologia didática utilizada tanto na Banda da Escola de Música
“Bom Menino” do Convento das Mercês quanto na Escola de Música do Estado
do Maranhão (EMEM), onde a iniciação musical é feita a partir de aulas
teóricas sem contato prévio com o instrumento.
3.2.5 Tempo de aula, ensaio ou seção de prática
O próximo gráfico (fig. 10) demonstra quanto tempo (em minutos ou
horas) os participantes tinham de aula, ensaio ou seção de prática durante sua
iniciação musical:
33
Fig. 10 – Tempo de aula, ensaio ou seção de prática
Obtivemos os seguintes dados:
• 44% dos participantes ensaiavam de uma hora a duas horas seguidas por
dia;
• 26% dos participantes ensaiavam de trinta minutos a uma hora seguidas por
dia;
• 20% dos participantes ensaiavam de duas horas a quatro horas seguidas
por dia;
• 6% dos participantes ensaiavam mais de quatro horas seguidas por dia;
• 4% tiveram de zero a trinta minutos por dia de ensaio durante sua iniciação
musical.
A partir destes dados, é possível deduzir que seções de ensaio
inferiores a uma hora são insuficientes ou ineficazes para formar músicos de
banda, considerando inclusive que os mesmos precisam chegar e se aquecer.
Ensaios de até duas horas de duração são os mais preteridos, seguindo-se de
ensaios de duas até quatro horas. A pesquisa demonstra que ensaios com
mais de quatro horas de duração são menos utilizados, sendo uma hipótese
para tal a falta de concentração proporcionada pelo cansaço de estudar por
várias horas seguidas.
3.2.6 Quantidade de ensaios/aulas/encontros por semana
Neste subtópico, temos um gráfico que demonstra a quantidade de
ensaios/aulas por semana (fig. 11):
34
Fig. 11 – Quantidade de ensaios/aulas por semana
Obtivemos os seguintes dados:
• 38% dos participantes possuíam ensaios/aulas/encontros três vezes por
semana;
• 34% dos participantes possuíam ensaios/aulas/encontros mais de três vezes
por semana;
• 20% dos participantes possuíam ensaios/aulas/encontros duas vezes por
semana;
• 8% dos participantes possuíam ensaios/aulas/encontros uma só vez por
semana.
Mais uma vez, torna-se evidente a grande demanda de tempo
necessária para a formação de um músico de banda, desde os seus anos
iniciais de preparação: três ou mais de três ensaios/aulas/encontros por
semana compuseram 72% das afirmações. Cabe aqui uma reflexão acerca do
tempo disponível para o ensino de Música na Educação Básica, que dispõe, na
maioria dos casos, de apenas cinquenta minutos ou uma hora semanal na
disciplina de Artes, sendo que geralmente este tempo é dividido com o ensino
de Teatro, Artes Visuais e/ou Dança. Ressaltamos que esta é uma demanda
que tem sido adotada como Política Pública de Educação e Cultura no
Maranhão, como podemos ver na matéria intitulada “Edital Mais Música
incentiva a produção musical dentro das escolas públicas do Maranhão”,
publicada no sítio da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento
Cientifico do Maranhão (FAPEMA) em 20 de janeiro de 2014 por Emanoel
Pascoal. Conforme o escritor, este edital tem como objetivo “estimular a
organização desses grupos com a inserção de instrutores e coreógrafos que
35
vão atuar desenvolvendo atividades musicais com alunos de Ensino
Fundamental e Médio” (2014). Ainda, de acordo com Pascoal, o que foi
percebido pelo Governo do Estado do Maranhão foi que:
Em muitos casos, o primeiro contato com os acordes musicais
vem das bandas formadas dentro do colégio. Mas o que
poucos sabem é que o estímulo à música instrumental é cada
vez maior com o fortalecimento de um movimento que ano
após ano só cresce no Maranhão, especialmente entre os
estudantes da rede pública: o das Bandas e Fanfarras.
(PASCOAL, 2014)
Ao perceber que o seguimento de bandas e fanfarras vem
crescendo em todo o Estado, o Governo lança o edital Programa Mais Música
onde, de acordo com a presidente da FAPEMA, Rosane Guerra:
(...) o edital também ajudará na criação de novas bandas e
fanfarras nas escolas públicas. Vai envolver não só as escolas
da rede estadual, mas também as escolas municipais e essa
nossa parceria estabelecida com a Secretaria de Educação
acima de tudo quer incentivar o talento artístico que cada uma
dessas crianças e jovens tem e que podem, quem sabe,
auxiliar até na escolha de um caminho profissional, observou.
(GUERRA In: PASCOAL, 2014)
Logo, as escolas regulares que pretendem possuir uma banda –
independentemente do tipo ou formação – só irão consolidá-la na forma de
projeto paralelo ou atividade extracurricular, pois observando os dados da
presente pesquisa, contata-se que é necessário providenciar pelo menos três
ensaios por semana com duração mínima de uma hora.
Fazendo uma análise cruzada entre os resultados obtidos nos
subtópicos 3.2.5 (Tempo de aula, ensaio ou seção prática) e 3.2.6 (Quantidade
de ensaios/aulas/encontros por semana), para averiguar a frequência semanal
de atividades, chegamos aos seguintes dados:
• Dos dois entrevistados que tinham seções de ensaio entre 0 e 30min, todos
possuíam mais de três ensaios/aulas/encontros por semana;
• Dos treze entrevistados que tinham seções de ensaio de 30min e 1h, seis
ensaiavam 2 vezes por semana, cinco ensaiavam 3 vezes por semana, um
ensaiava uma vez por semana, e um ensaiava mais de 3 vezes por semana;
• Dos vinte e dois entrevistados que tinham seções de ensaio de 1h a 2h, três
ensaiavam 1 vez por semana, quatro ensaiavam 2 vezes por semana, sete
ensaiavam 3 vezes por semana, e oito ensaiavam mais de 3 vezes por
semana;
36
• Dos dez entrevistados que tinham seções de ensaio de 2h a 4h, seis
ensaiavam 3 vezes por semana, e quatro ensaiavam mais de 3 vezes por
semana;
• Dos três entrevistados que tinham seções de ensaio de mais de 4h, todos
ensaiavam mais de 3 vezes por semana.
Abaixo temos o gráfico representante dos dados acima analisados
(fig.12):
Fig. 12 – Quantidade de tempo de estudo por semana
Em Higino (2006) e Almeida (2012) temos dados bastante parecidos
com os obtidos aqui. Ao pesquisar sobre a Banda de Música do Colégio
Selesiano Santa Rosa, Higino (2006, p.49) relata que os ensaios dessa banda
eram realizados duas vezes por semana com tempo de aula de 2 horas. Temos
também em Almeida (2012, p.74), Educação Musical nas Bandas de Música,
onde ele pesquisa sobre a Banda de Música Padre Assis Portela onde o autor
relata que os ensaios aconteciam 3 vezes por semana com tempo de ensaio de
2 horas.
Apesar dos dados desta análise cruzada não revelarem uma relação
entre a carga horária semanal de encontros necessária para a condução das
atividades da banda, é bastante provável que aquelas formações que possuem
uma frequência de ensaios com seções de 30 minutos a uma hora e dois ou
37
menos encontros por semana exijam que os participantes pratiquem o
instrumento em casa ou fora deste horário planejado. Esta variável ficou de
fora do questionário, sendo necessário contemplá-la em oportunidade futura
para que possa ser feita uma afirmação mais sólida sobre a relação entre carga
horária semanal e funcionamento da banda.
3.2.7 Tempo necessário para entrar em uma banda após o início da
aprendizagem musical
A seguir, apresentam-se os dados coletados acerca de quanto
tempo foi necessário para ingressar em uma banda após o primeiro contato
com a aprendizagem musical (fig. 13):
Fig. 13 – Tempo necessário para ingresso em uma banda após o início da aprendizagem
musical
De acordo com o gráfico acima (fig. 13), obtemos os seguintes
dados para esta questão:
• 32% dos participantes levaram de zero a seis meses para entrar em uma
banda após o primeiro contato com a aprendizagem musical;
• 30% dos participantes levaram de seis a doze meses para entrar em uma
banda após o primeiro contato com a aprendizagem musical;
• 20% dos participantes levaram de um a dois anos para entrar em uma banda
após o primeiro contato com a aprendizagem musical;
• 12% dos participantes levaram de dois a cinco anos para entrar em uma
banda após o primeiro contato com a aprendizagem musical;
• 6% dos participantes levaram mais de cinco anos para entrar em uma banda
após o primeiro contato com a aprendizagem musical.
38
O primeiro dado – 32% dos entrevistados participou de uma banda
entre zero e seis meses após a iniciação musical – contém, ainda, aqueles que
já iniciaram seus estudos em uma banda, aprendendo através de observação,
com a própria preparação e apresentações posteriores. É interessante
observar que em bandas de música, a demanda de ensaios é alta, mas tem o
lado positivo de abrir portas em um curto espaço de tempo: 62% dos
entrevistados ingressaram em uma banda depois de apenas um ano de
estudos.
Fazendo uma análise cruzada entre os resultados obtidos nos
subtópicos 3.2.7 (Tempo necessário para entrar em uma banda após o início
da aprendizagem musical) e 3.2.4 (Conteúdos e abordagens no início da
aprendizagem musical), no intuito de observar alguma relação entre a
metodologia de ensino adotada e uma possível rapidez para o ingresso em
uma banda, chegamos aos seguintes dados:
• Dos dezesseis entrevistados que levaram de 0 a 6 meses para participar de
uma banda, onze deles tiveram aulas de Teoria Musical sem prática de
instrumento nesse intervalo de tempo, três tiveram prática de instrumento
junto com teoria musical, um teve noções básicas de música, e um foi
aprendendo sozinho;
• Dos quinze entrevistados que levaram de 6 a 12 meses para participar de
uma banda, nove deles tiveram aulas de Teoria Musical sem prática de
instrumento nesse intervalo de tempo, dois tiveram prática de instrumento
junto com teoria musical, três tiveram noções básicas de música, e somente
um foi aprendendo sozinho;
• Dos dez entrevistados que levaram de 1 a 2 anos para participar de uma
banda, oito deles tiveram aulas de Teoria Musical sem prática de
instrumento nesse intervalo de tempo, um teve noções básicas de música, e
somente um marcou que foi aprendendo sozinho;
• Dos seis entrevistados que levaram de 2 a 5 anos para participar de uma
banda, dois deles tiveram aulas de Teoria Musical sem prática de
instrumento nesse intervalo de tempo, um teve prática de instrumento junto
com teoria musical, e três tiveram noções básicas de música;
• Dos três entrevistados que levaram mais de 5 anos para participar de uma
banda, dois deles tiveram aulas de Teoria Musical sem prática de
instrumento nesse intervalo de tempo, e somente um marcou “Outro” como
39
opção, sendo que esse único participante descreveu que foi tendo prática de
instrumento com o pai.
Observamos aqui que boa parte dos participantes que tiveram aula
de teoria musical antes de ter contato com o instrumento, assim como os
participantes que tiveram noções básicas de teoria musical, estão dentro dos
62% (resultado da soma de 32% e 30% correspondentes às duas alternativas
mais marcadas) citados anteriormente no subtópico 3.2.7, ou seja: os alunos
que tiveram teoria musical e/ou noções básicas de música tiveram um espaço
de tempo entre zero e um ano para participar das atividades da banda,
iniciando mais rapidamente sua prática em uma banda.
3.2.8 Tipo de banda
O objetivo desta questão foi averiguar a natureza da primeira banda
em que o entrevistado participara. A pergunta, complexa por natureza, só ficou
clara quando os entrevistados liam as respostas possíveis, demonstradas no
gráfico a seguir (fig. 14):
Fig. 14 – Caracterização da primeira banda em que o entrevistado participou
A questão abordou cinco opções, que resultaram nos seguintes
dados:
• 42% dos participantes marcaram “Conjunto de Música Popular”;
• 32% dos participantes marcaram “Banda de Igreja”;
• 14% dos participantes marcaram “Banda Marcial”;
• 8% dos participantes marcaram “Fanfarra”;
40
• 4% somente dos participantes marcaram “Grupos musicais de projeto
social”.
É interessante observar como as bandas de igreja constituem um
importante meio de incentivo ao estudo da Música, fato observado inclusive
entre os discentes do Curso de Licenciatura em Música da UFMA. Os projetos
sociais, importantes ferramentas de acesso à Música na atualidade, confirmam
a proposta da maioria deles, que em geral não é direcionar os participantes
para a vida de músico profissional, mesmo que boa parte dos integrantes
dessas bandas acabe por ingressar em bandas a nível profissional, como é
visto nesta pesquisa.
Outro fato a ser observado nessa questão diz respeito à
complexidade do termo “Conjunto de Música Popular”. Os participantes ficaram
em dúvida, fazendo com que a maioria marcasse esta opção por achar que a
banda onde participara – que era banda musical – se enquadrava nessa
definição. Decidimos colocar como uma das opções “Conjunto de Música
Popular” porque essa alternativa possui uma denotação particular, apesar de
ampla, assim como ocorre com o termo “banda de música”.
3.2.9 Formação da banda
A presente questão buscou averiguar qual o tipo de formação
instrumental da primeira banda onde o entrevistado participou. Assim como a
questão anterior, há definições que não são muito claras por sua natureza, a
exemplo de “Conjunto de Música Popular”, que engloba diversas possibilidades
de formação instrumental e vocal – inclusive outras opções descritas, como
“Banda de Sopros”. Abaixo, apresenta-se o gráfico (fig. 15):
Fig. 15 – Formação instrumental da primeira banda do entrevistado
41
Aqui encontramos o seguinte resultado:
• 76% dos participantes marcaram “Bandas de Sopros”;
• 12% marcaram “Conjunto de Música Popular”;
• 10% marcaram “Outra Opção”;
• 2%, somente, revelaram que fizeram parte de “Grupo de Percussão”.
Dos participantes que marcaram “Outra Opção”, correspondente a
10% do total, foram mencionados cinco tipos de banda, descritas da seguinte
forma:
• Banda Gospel;
• Fanfarra de percussão e Cornetas;
• Filarmônica;
• Banda de sopros e cordas;
• Conjunto de música evangélica.
Ao fazer a análise cruzada entre os resultados obtidos nos
subtópicos 3.2.8 (Tipo de banda) e 3.2.9 (Formação da banda), chegamos aos
seguintes dados:
• Dos trinta e oito participantes que marcaram “Bandas de Sopros” como
formação instrumental da primeira banda que participara, 16 marcaram
“Conjunto de Música Popular”, doze marcaram “Banda de igreja”, seis
marcaram “Marcial”, dois marcaram “Fanfarra”, e dois marcaram como seu
tipo de banda “Grupos musicais de projeto social”;
• Dos seis participantes que marcaram “Conjunto de Música Popular” como
formação instrumental da primeira banda que participara, quatro deles
marcaram “Conjunto de Música Popular”, um marcou “Banda de igreja”, e
um marcou “Fanfarra”;
• Somente um participante marcou “Grupo de Percussão” como formação
instrumental da primeira banda que participara, onde, o mesmo marcou
como seu tipo de banda “Marcial”;
• Dos cinco participantes que marcaram “Outra Opção” como formação
instrumental da primeira banda que participara, um definiu como “Banda
Gospel”, um definiu como “Filarmônica”, um definiu como “Fanfarra de
percussão e corneta”, um definiu como “Banda de sopros e cordas”, e um
definiu “Conjunto de música evangélica”.
42
3.2.10 Gestão da banda
Aqui, buscou-se verificar o caráter de gestão e manutenção da
primeira banda onde o entrevistado participou: por regentes ou maestros,
projetos sociais, apoio de empresas ou do Estado (fig. 16):
Fig. 16 – Forma de gestão da primeira banda onde o entrevistado participou
O gráfico acima nos mostra o percentual de cada alternativa, onde
os participantes marcaram como era a gestão da banda na qual eles iniciaram
sua vida musical. Encontramos os seguintes dados:
• 29% dos participantes marcaram “Apoio do Governo”;
• 27% dos participantes marcaram “Outras Opções”;
• 18% dos participantes marcaram “Projeto social ou ONG”;
• 16% dos participantes marcaram “Regente ou Maestro”;
• 10% dos participantes marcaram “Apoio de Empresas”.
Dos participantes que marcaram “Outras Opções” (correspondentes
a 27%, que é igual a quatorze participantes), oito deles descreveram que a
igreja mantinha a banda; dois descreveram que a banda era mantida por
Entidade Filantrópica; um descreveu que a banda era mantida tanto pela igreja
quanto pelo Regente; um descreveu que a banda era mantida pela Fundação
Bradesco; um descreveu “Pelos Próprios músicos”; e um descreveu que a
banda era mantida por escola particular.
Fazendo uma análise cruzada entre os resultados obtidos na
alternativa “Igreja” do subtópico 3.2.1 e a alternativa “Regente ou Maestro” do
subtópico 3.2.10, temos o seguinte resultado:
43
• Dos oito participantes que marcaram “Regente ou Maestro” como opção
de gestão de sua primeira banda, seis tiveram seu primeiro contato com a
música na “Igreja”, um em escola de música, e um em aula particular.
Conclui-se, portanto, que dos oito participantes que marcaram
“Regente ou Maestro” como opção de gestão de sua primeira banda, seis estão
diretamente ligados a “Igreja”. E, se somarmos estes com os oito participantes
que descreveram “Igreja” em “Outras Opções” da questão 3.2.10, temos como
total quatorze participantes (27%) que tiveram a igreja como gestores da
primeira banda na qual os músicos participaram. O fato é que a igreja passa a
ocupar a segunda opção mais frequente desta questão (3.2.10), chegando a
27%, logo após da opção “Governo” que é 29%.
É observado aqui a importância do governo (em todas as esferas:
Federal, Estadual, e Municipal) e também das Igrejas no investimento e/ou
manutenção dessas bandas e, consequentemente, na formação dos músicos
instrumentistas de sopro e percussão do Estado do Maranhão.
3.2.11 Tempo de permanência na banda
O presente subtópico trata do tempo de permanência do
entrevistado em sua primeira banda de Música (fig. 17):
Fig. 17 – Tempo de permanência do entrevistado em sua primeira banda de Música
Obtivemos os seguintes resultados:
• 52% marcaram que passaram mais de cinco anos;
• 38% dedicaram entre dois a cinco anos;
• 10% passaram entre um a dois anos na banda.
44
Ninguém marcou de zero a seis meses nem de seis meses a um
ano, fato que reforça o longo contato dos músicos profissionais com a sua
primeira banda, reiterando a importância deste ambiente para sua formação
profissional.
Fazendo uma análise cruzada entre os resultados obtidos nos
subtópicos 3.2.5 (Tempo de aula, ensaio ou seção de prática), 3.2.6
(Quantidade de ensaios/aulas por semana) e 3.2.11 (Tempo de permanência
na banda), chegamos aos seguintes dados, demonstrados no quadro a seguir
(fig. 18):
Fig. 18 – Tempo de permanência na banda/hora aula por dia/vezes de aula por semana
O objetivo desta análise cruzada foi constatar se existe alguma
relação entre o tempo de permanência na primeira banda e a quantidade de
ensaios ou atividades exigidas. É importante ressaltar que não foram levados
em consideração os estudos individuais realizados pelos participantes da
pesquisa em sua residência ou fora do tempo designado para atividades na
banda, sendo assim, não foi possível estabelecer uma relação direta, conforme
os dados obtidos. O que se pode afirmar é que os participantes que ficaram
menos tempo na primeira banda tinham uma carga horária de ensaios bastante
alta, maior que a média observada para aqueles que ficaram mais tempo na
primeira banda.
45
4. CONSIDERAÇÕES FINAIS
O trabalho desenvolvido por bandas de música é algo que vem
chamando a atenção de vários pesquisadores da área, inclusive das Políticas
Públicas de Cultura e Educação do governo do Maranhão, a exemplo dos
programas “Mais Música” e “Mais Orquestra”. Foi possível constatar através
desta pesquisa que a banda de música é um ambiente social que pode
possibilitar a seus integrantes a inserção no mercado de trabalho, ou seja, uma
possível carreira profissional como músico instrumentista – seja em
corporações militares ou civis. É verídica a importância dessas entidades no
meio social, pois além de tirar jovens da rua e lhes dar uma possível carreira no
futuro, a banda trabalha no aluno aspectos como: interação, cooperação e
socialização, e de atuação no processo cognitivo.
Higino comenta sobre a importância do fator social que as bandas
de música oferecem à sociedade, dizendo que:
Sabemos que, grandes músicos, no Brasil e no mundo,
iniciaram suas carreiras em bandas. Esses grupos têm servido
de centros de estímulo a talentos promissores, além de espaço
de integração social que dinamiza as relações humanas. Para
as comunidades, a manutenção das bandas significa não só o
estímulo à aprendizagem musical, mas também a tranqüilidade
de os pais saberem onde estão seus filhos, o que fazem e com
quem se relacionam, longe da marginalidade. Dessa forma, as
bandas tornam-se instituições nas quais são depositados os
interesses da comunidade. (HIGINO, 2006, p. 61).
A banda de música foi o primeiro ambiente musical ao qual me
inseri. Através dela tive a oportunidade de vivenciar suas práticas e benefícios,
tanto em minha vida profissional quanto na de vários colegas que seguiram
trajetória semelhante a minha no meio musical, possibilitando-nos uma carreira
de músico profissional. Por isso, acredito que a banda de música foi para mim
o principal degrau de ascensão na minha vida profissional.
Podemos ver que a inserção das bandas na realidade cultural
brasileira se deu no período colonial, e eram mantidas pelos senhores das
grandes fazendas. Hoje, as bandas de música passaram a ser mais
comumente mantidas pelo governo, mas, também surgiram as bandas
mantidas através das ONGs, das igrejas, entre muitas outras possibilidades.
46
Vimos que o surgimento das bandas militares foi no ano de 1808
(Bandas de músicas dos regimentos de Infantaria e Cavalaria) com a chegada
da Família Real no Brasil, fato que contribuiu para a criação de varias outras
bandas militares em todo território brasileiro a partir de 1810, possibilitando até
os dias de hoje, um destino certo para a carreira de vários jovens músicos.
Hoje, tratando sobre bandas de música em São Luís, capital do
Estado do Maranhão, há quatro a nível profissional como destino para músicos
instrumentistas de nível profissional, sendo elas: Banda de Música do 24°
Batalhão de Caçadores, Banda de Música da Polícia Militar do Estado do
Maranhão, Banda de Música do Corpo de Bombeiro Militar do Estado do
Maranhão, e a Banda de Música da Guarda Municipal de São Luís – em que
alguns de seus componentes foram objeto dessa pesquisa. Essas instituições
são os atuais destinos de vários músicos que tiveram sua iniciação musical
dentro de bandas de música juvenis.
Foi possível ver também que o processo de ensino e aprendizagem
nas bandas de música possui fatores que muito contribuem para a sociedade,
que é a renovação contínua dos quadros de músicos dessas bandas juvenis,
ou seja: sempre estão entrando novos jovens para contribuir com esse
processo, e talvez por esse motivo essas bandas tenham se mantido até os
dias de hoje. A exemplo, temos a Banda da Escola de Música “Bom Menino” do
Convento das Mercês, desempenhando um papel social muito importante em
São Luis, como comenta Trajano:
No dia 19 de agosto de 1993, inicia-se este grande projeto
social dentro da sociedade ludovicense, tendo como foco
desenvolver atividades musicais voltadas para crianças e
adolescentes com a faixa etária de 9 a 14 anos. Ao chegar às
proximidades da escola é possível ouvir sons de instrumentos
musicais, cuja arte é perceptível através da música presente
em seu interior, a qual se expande a comunidade do Desterro
que cerceia o lócus memorial, trazida pelos “meninos do
convento”, como chamam os admiradores e vizinhos da escola,
sendo esta instituição pertencente à Associação dos Amigos do
Bom Menino do Convento das Mercês. (TRAJANO, 2012, p.
37).
No terceiro momento, aplicamos um questionário que continha onze
questões. Com o desenvolvimento desse questionário, tivemos a preocupação
de conseguir um quantitativo significativo de participantes para termos dados
mais concretos buscando trabalhar esses dados estatisticamente na forma de
análise cruzada, com o objetivo de estabelecer uma abordagem qualitativa,
47
sempre com a preocupação de informar da maneira mais clara possível a quem
desejar entender e estudar o processo de aprendizagem de uma banda de
música, bem como conhecer um pouco de sua história.
As contribuições que essa pesquisa poderá oferecer a quem se
dispor a estudar e pesquisar sobre as bandas de música são: conhecer um
pouco do histórico, trajetória e inserção dessas bandas na realidade cultural do
Brasil; direcionamento sobre as ideias de metodologia da pesquisa, estudos e
conteúdos utilizados; métodos de ensino na forma coletiva, suas contribuições
e pontos positivos para o ensino de instrumentos de banda; as possibilidades
de um possível futuro promissor na carreira de músico profissional, tendo como
ponto de partida a iniciação musical dentro dessas bandas de música; as
contribuições que as bandas possibilitam aos jovens que fazem parte dela,
bem como traçar uma trajetória de vida musical dos iniciantes na música até a
vida de músico profissional, entre outros. Através do trabalho aqui apresentado,
pode-se traçar uma possível trajetória de vida no mercado de trabalho no meio
musical de jovens que decidirem ter seu primeiro contato com a música dentro
de bandas. Fundamentando os dados colhidos para a efetivação do trabalho e
analisando a trajetória de vida de cada envolvido nele, podemos concluir que
os jovens que decidirem seguir carreira como músico profissional poderão ter
várias possibilidades de atuação, entre elas as orquestras e bandas militares –
seja da Marinha, Exército, Aeronáutica, das Policias Militares, Corpos de
Bombeiros, das Guardas Municipais, entre outras possibilidades. Tais
informações são verdadeiramente potencializadas na pesquisa de Trajano, que
trata sobre a Banda de Música do Bom Menino:
É possível encontrarmos ex-alunos da instituição
ocupando mais da metade das oportunidades existentes
no mercado de trabalho em música do estado e em
alguns casos fora do país. Músicos, hoje profissionais,
que por grande tempo de suas vidas dedicaram-se à
escola, mas especificamente à Banda de Música do Bom
Menino com apresentações que abrilhantaram inúmeros
eventos por toda cidade. Dentre os cargos que os exalunos ocupam estão: Marinha, Aeronáutica, Exército
Brasileiro, Polícia Militar, Guarda Municipal, professores
das principais escolas de música e projetos de São Luís.
(TRAJANO, 2012, p. 48).
Para quem pretende criar uma banda (seja uma igreja, escola,
governo, ONG, etc.), esta pesquisa nos mostra possíveis formas de traçar um
48
planejamento didático e de recursos, oferecendo informações sobre a
quantidade de hora(s), aula, prática e ensaio diário ou semanal; dias de aula
por semana; tempo necessário para o primeiro contato com o instrumento
musical (dependendo da metodologia de ensino empregada, caso seja ensino
coletivo poderá utilizar o instrumento musical logo no primeiro dia de aula de
música); tempo necessário para inserir o aluno(a) na banda; tipo de banda
(formação) existentes no meio musical de São Luís; e tempo de permanências
desses jovens nas bandas juvenis.
Por fim, após diversas considerações, conclui-se que as bandas de
música – sejam em quaisquer configurações e independentemente do
responsável por sua manutenção – são caminhos e ambientes saudáveis de
aprendizagem musical e iniciação instrumental que promovem a seus
participantes um possível futuro no meio musical. Assim, as influências que
essas bandas proporcionam tornam-se fatores reais e importantes na
manutenção do bem social no Maranhão e no Brasil.
49
50
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ALMEIDA, José Robson Maia de. Tocando o repertório curricular: bandas de
música e formação musical. Fortaleza, 2010.
ALVES, Nilda (Org.). Formação de professores Pensar e fazer. 9. Ed. São
Paulo: Cortez, 2006.
AMORIM, Herson Mendes. Contribuições das Bandas de Música para a
Formação do Instrumentista de Sopro que atua em Belém do Pará. Belém,
2012.
BARBOSA, Joel Luis da Silva. Considerando a viabilidade de inserir música
instrumental no ensino de primeiro grau. In: Revista da Abem Nº 3,
Junho/1996, p. 39-49.
BARBOSA, J. L. S. Método elementar para o ensino individual ou coletivo de
instrumentos de banda: regência. Belém: Fundação Carlos Gomes, 1998.
BATISTA, Nylton. Banda de Música: a alma da comunidade. São Paulo:
Scortecci, 2010.
BENEDITO, Celso. Curso de capacitação para Mestres de Filarmônicas: o
prenúncio de uma proposta curricular para formação do mestre de bandas de
música. In: Anais do XVIII Congresso Nacional da ANPPOM. UFBA: Salvador,
2008.
BERTUNES, Carina da Silva; FIGUEIREDO, Eliane Leão. A influência das
bandas na formação musical. In: ENCONTRO ANUAL DA ABEM, 13., 2004,
Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ABEM, 2004. CD-ROM.
BINDER, Fernando Pereira. Bandas militares no Brasil: difusão e organização
entre 1808-1889. São Paulo, 2006.
BRASIL. PARE ‘PRA VER A BANDA PASSAR’: UMA ORGANIZAÇÃO
SOCIALIZADORA DENTRO DO COLÉGIO MILITAR DO RIO DE JANEIRO.
Disponível
em
http://www.domain.adm.br/dem/licenciatura/monografia/alexandreferraz.pdf,
último Acesso em 24/08/2013.
BRASIL. “O Papel das bandas de Música no Contexto Social, Educacional e
Artístico”.
Disponível
em
http://pcdigitalbandasdemusica.files.wordpress.com/2009/07/release.pdf, último
acesso em 10/02/2014.
BRASIL. O PAPEL SOCIAL DAS BANDAS DE MÚSICA NO CAMPO DAS
VERTENTES.
Disponível
em
http://www.abrapso.org.br/siteprincipal/images/Anais_XVENABRAPSO/351.%2
0o%20papel%20social%20das%20bandas%20de%20m%DAsica%20no%20ca
mpo%20das%20vertentes.pdf, último Acesso em 06/02/2014.
51
BRASIL. A IMPORTÂNCIA DA BANDA DE MÚSICA COMO FORMADORA DO
MÚSICO
PROFISSIONAL,
ENFOCANDO
OS
CLARINETISTAS
PROFISSIONAIS
DO
RIO
DE
JANEIRO.
Disponivel
em
http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=2&ved=
0CDAQFjAB&url=http%3A%2F%2Fportal.brasilsonoro.com%2Fdownloads%2F
915&ei=xnQFU8mtI8nrkQetjYC4Dw&usg=AFQjCNHaKPod1ufsGakrNNWy4C4
DM2Ln_w, último Acesso em 21/01/2014.
BRUM, Oscar da Silveira. Conhecendo a Banda de Música. Rio de Janeiro:
Ricordi Brasileira, 1980.
CAJAZEIRA, Regina Célia de Souza. Educação continuada a distância para
músicos da Filarmônica Minerva: gestão e Curso Batuta.Tese (Doutorado em
Música) – Escola de Música da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2004.
CAMPOS, Nilceia Protásio. O aspecto pedagógico das bandas e fanfarras
escolares: o aprendizado musical e outros aprendizados. Revista da ABEM. n.
19, 2008.
CERQUEIRA, Daniel Lemos. O Arranjo como Ferramenta Pedagógica no
Ensino Coletivo de Piano. Música Hodie, vol. 9 nº 1. Goiânia: UFG, 2009,
p.129-140.
CERQUEIRA, D. L. Categorização do ensino de Instrumentos Musicais e
Canto. In: VI Encontro Regional da ABEM Norte. Manaus: UFAM, 2010.
CERQUEIRA, Daniel Lemos; ÁVILA, Guilherme Augusto de. Arranjo no Ensino
Coletivo da Performance Musical: experiência com Violão em grupo na cidade
de São Luís/MA. In: Anais do X Encontro Regional da ABEM Nordeste. Recife:
UFPE, 2011.
CISLAGHI, Mauro César. Concepções de educação musical no projeto de
bandas e fanfarras de São José – SC: Três estudos de caso. Florianópolis –
SC: 2009.
COSTA, Luiz Fernando Navarro. Ensaio de banda: Um estudo sobre a banda
de música Antônio Cruz. Monografia de especialização em “Fundamentos
metodológicos da apreciação e critica no ensino das artes”. Universidade
Federal da Paraíba. João Pessoa. 1997.
CRUVINEL, Flávia Maria. O Ensino Coletivo de Instrumentos Musicais na
Educação Básica: compromisso com a escola a partir de propostas
significativas de Ensino Musical. In: Anais do VIII Encontro Regional da ABEM
Centro-Oeste. Brasília, 2008.
DINIZ, André 1975. O Rio musical de Anacleto de Medeiros: a vida, a obra e o
tempo de um mestre do choro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2007.
ESPERIDIÃO, Neide. Conservatórios: Currículos e programas sob novas
diretrizes. Dissertação de Mestrado. São Paulo: PPGM/IA/UNESP, 2003.
52
FAGUNDES, Samuel Mendonça. Processo de transição de uma banda civil
para banda sinfônica. Minas Gerais, 2010.
FISHER, Christopher. Teaching Piano In Groups. Nova York: Oxford University
Press, 2010.
FONTERRADA, Marisa Trench de Oliveira. De tramas e fios: um ensaio sobre
música e educação. São Paulo: Editora UNESP; Rio de Janeiro: Funarte, 2008.
2ª ed
GONÇALVEZ, Lilia Neves. Educação musical e sociedade: um estudo em
espaços de ensinar/aprender música em Uberlândia-MG nas décadas de 1940
a 1960. 2007. 333 f. Tese (Doutorado em Música) – Instituto de Artes,
Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.
HIGINO, Elizete. Um século de tradição: a banda de música do Colégio
Salesiano Santa Rosa (1888-1988). Rio de Janeiro, 2006.
KLANDER, Maria Ana. Bandas Musicais do Meio Oeste Catarinense:
Características e processos de Musicalização. Florianópolis, 2011.
LIMA, Suely Simone Costa. Educação e Socialidade: Aspectos do imaginário
na Banda de Música do Bom Menino. São Luís: Dissertação de Mestrado,
Universidade Federal do Maranhão, 2006, 193p.
NASCIMENTO, Marco Antônio Toledo. O ensino coletivo de instrumentos
coletivos na banda de música. In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO
NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM MÚSICA, 2006, Brasilia.
Anais do XVI Encontro Nacional da ANPPOM, 2006, p. 94-97.
NASCIMENTO, Marco Antônio Toledo. O método “Da Capo” na Banda de
Música 24 de Setembro. In: Anais do XVI Encontro da ABEM Nacional e
Congresso Regional da ISME na América Latina. Campo Grande: EDUFMS,
2007.
OLIVEIRA, Alda. Iniciação Musical com Introdução ao Teclado – IMIT. Revista
OPUS, vol 2 nº 2. Porto Alegre: ANPPOM, jun-1990, p.7-14.
PASCOAL, E. Edital Mais Música incentiva a produção musical dentro das
escolas públicas do Maranhão. Disponível em http://www.fapema.br, último
acesso em 02/09/2014.
PEREIRA, José Antônio. A Banda de Música: Retratos Sonoros Brasileiros.
1999. 99f. Dissertação (Mestrado em Artes) – Instituto de Artes, Universidade
Estadual Paulista, São Paulo, 1999.
RAMOS, Ana Consuelo; MARINO, Gislene. A imitação como prática
pedagógica na aprendizagem instrumental. In: ENCONTRO ANUAL DA ABEM,
11., 2002, Natal, Anais... Natal: ABEM, 2002. CD-ROM.
RIBEIRO, Humberto césar. A metodologia do ensino de instrumentos de sopro
na Banda da lapa. Florianópolis: 2010.
53
ROCHA, Renata Trindade. Sobrados e Coretos: breve história de dez
municípios do interior da Bahia e suas Bandas de Música contempladas pelo
projeto Domingueiras. Salvador: Secretaria da Cultura e Turismo, 2005.
SÁ, Fábio Amaral da Silva. Ensino Coletivo de Violão: Desafios e
Possibilidades. XIX Congresso Nacional da Associação Brasileira de Educação
Musical, setembro, 2010, Goiânia. Anais... Goiânia: ABEM, 2010.
SILVA, Thallyana Barbosa da. Banda Marcial Augusto dos Anjos: processos de
ensino-aprendisagem musical. João Pessoa: 2012.
TOURINHO, Ana Cristina Gama dos Santos. Ensino Coletivo de Instrumentos
Musicais: crenças, mitos e um pouco de história. Anais do XVI Encontro da
ABEM, Cuiabá, 2007.
TOURINHO, Ana Cristina Gama. O ensino coletivo de violão na educação
básica e em espaços alternativos: utopia ou possibilidade? In: Anais do VIII
Encontro Regional da ABEM Centro-Oeste. Brasília, 2008.
TRAJANO, Tayane da Cruz. O ENSINO COLETIVO DE INSTRUMENTOS
MUSICAIS: O processo de ensino-aprendizagem da Escola de Música do Bom
Menino. Trabalho de Conclusão do Curso de Licenciatura em Música. São
Luís: UFMA, 2012.
VARGAS, Jussanete da Costa. Mãos regendo sons, formando vidas: O
Exercício da Educação Musical do Professor e Maestro Norberto Nogueira
Soares em Pelotas (1940 - 1970). 2006. Dissertação (Mestrado em Música) –
Universidade Federal de Pelotas – RS, 2006.
VECCHIA, Fabrício Dalla. Iniciação ao trompete, trompa, trombone,
bombardino e tuba: processos de ensino e aprendizagem dos fundamentos
técnicos na aplicação do método Da Capo. Salvador: Dissertação de Mestrado,
Escola de Música da Universidade Federal da Bahia, 2008, 113p.
54
ANEXOS
UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO
CURSO DE LICENCIATURA EM MÚSICA
QUESTIONÁRIO PARA PESQUISA DE MONOGRAFIA
Instrumento principal: __________________________
1) Como foi o seu primeiro contato com a Música?
Sozinho
Na Banda
Aula Particular
Em escola de Música
Igreja
Projeto Social ou ONG
Outro. Especifique: _______________________________________________
2) Com que idade se deu este contato? Aos ________________ anos.
3) Você começou a tocar o instrumento logo no primeiro contato com a música?
Sim
Não
4) Que conteúdo era abordado neste momento?
Noções Básicas de Música
Teoria Musical, sem praticar o instrumento
Fui aprendendo sozinho
Ensino de Instrumento junto com Teoria Musical
Outro. Especifique: _______________________________________________
5) Quanto tempo de aula, ensaio ou seção de prática você tinha em cada vez?
0 a 30 minutos
De 2 a 4 horas
30 minutos a 1 hora
Mais de 4 horas
De 1 a 2 horas
6) Quantas vezes por semana?
1
2
3
Mais de 3
7) Quanto tempo você levou para entrar em uma Banda após ter contato com a Música?
0 a 6 meses
2 a 5 anos
6 a 12 meses
Mais de 5 anos
1 a 2 anos
8) Qual o primeiro tipo de Banda em que você participou?
Fanfarra
Marcial
Grupos musicais de projeto social
Banda de igreja
Conjunto de Música Popular (Banda de Música)
9) Qual a formação instrumental desta Banda?
Banda de Sopros
Conjunto de Música Popular
Grupo de Percussão
Outra: ___________________________________________
10) Como era mantida esta Banda?
Iniciativa de Regente ou Maestro
Apoio de empresas
Apoio do Governo (Estado, Município, etc.)
Projeto Social ou ONG
Outro. Especifique: ________________________________________________________
11) Quanto tempo você ficou nesta Banda?
0 a 6 meses
2 a 5 anos
6 a 12 meses
Mais de 5 anos
1 a 2 anos
Muito obrigado por sua contribuição!
Fly UP