...

LIVROS E MULTIMÉDIA DOROTHY CROWFOOT HODGKIN

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

LIVROS E MULTIMÉDIA DOROTHY CROWFOOT HODGKIN
LIVROS E MULTIMÉDIA
DOROTHY CROWFOOT HODGKIN
MIGUEL CASTANHO*
Raquel Gonçalves-Maia
Edições Colibri, Lisboa, 2010
166 páginas * ISBN 978-9727729913
Transcrição da apresentação feita por
Miguel Castanho no lançamento do livro realizado na residência oficial do
embaixador do Reino Unido, no dia 2
de Novembro de 2010:
“Obrigado pelo convite para estar aqui
a apresentar este livro. Começo por
cumprimentar todos os presentes na
sala, em particular a autora. Um agradecimento especial ao Sr. Embaixador
por nos receber.
Durante a leitura do livro, vi um artigo
que saiu na “The Biochemist” (revista da Sociedade Britânica de Bioquímica) sobre o trabalho de Dorothy
Hodgkin que mostrava dois aspectos
interessantes:
1. A bioquímica vive agora no paradigma de que o binómio estrutura/função governa a natureza:
na natureza tudo tem uma certa
estrutura que permite determinadas funcionalidades. A bioquímica
nasceu da “função” (a reactividade das moléculas – decorrente da
“química orgânica” e da “química
fisiológica”). Foi o trabalho de Dorothy Hodgkin, entre outros, que
associou a “estrutura” à “função”.
Esta foi uma grande contribuição
que vai muito além da mera forma da insulina e do colesterol, por
*
Universidade de Lisboa
([email protected])
QUÍMICA 120 - JAN/MAR 11
exemplo. O trabalho de Dorothy e
de outros na sua área criaram o
paradigma da estrutura/função em
que vivemos.
2. O outro aspecto que achei muito
interessante neste artigo foi um
retrato que havia de Dorothy, uma
pintura (uma cópia da pintura que
está na National Portrait Gallery
de Londres). Este quadro tem a
estrutura da insulina e retrata Dorothy a trabalhar no seu escritório,
um cenário clássico de um escritório de cientista. Não havia muito
a dizer se não fosse um detalhe
especial: Dorothy está a trabalhar
e tem quatro mãos, todas elas a
trabalhar atarefadamente. Isto
ilustra o carácter incansável que
ela tinha.
Não é fácil ou simples capturar e falar
sobre a essência de um livro que nos
mostra Dorothy como este pintor tentou mostrar. Que tenho eu para dizer
sobre o livro que prova que o retrato
está correcto e que uma pessoa com
quatro mãos pode ser muito realista?
Porque aceitei eu este desafio?
A primeira razão é egoísmo: para
receber o livro antes de todos os outros e lê-lo primeiro. Foi uma das minhas leituras de verão.
Conheço a autora e sei que ela cultiva como escritora os mesmos valo-
res de investigação profunda dos factos, perfeccionismo e raciocínio minucioso e visão clara que procura como
cientista e professora. Provavelmente
nunca o confessei à autora, mas o primeiro livro da sua autoria que li foi a
sua tese de doutoramento. Eu estava
a escrever um relatório para as aulas
práticas de Cinética Química e usei-a
como fonte de informação. Era tão
clara nos seus modelos matemáticos
que eu descobri aí como o mundo podia ser descrito usando formulações
matemáticas simples. Aprendi depois
que estas são muito fascinantes e fiz
o meu doutoramento entre físico-químicos, construindo modelos matemáticos. Por isso, estava intrigado sobre
como a autora nos poderia mostrar a
complexidade da vida de Dorothy de
uma forma clara. Devo dizer que não
fiquei decepcionado.
Apenas um cientista poderia ter escrito um livro como este, desta forma.
É uma grande e fascinante viagem
que não segue uma linha recta. Os
biógrafos tendem a seguir uma linha
cronológica (Dorothy como criança,
Dorothy como adolescente, Dorothy
como jovem investigadora …). Aqui a
vida e o esforço de Dorothy são construídos em frente dos nossos olhos de
uma forma completamente diferente:
por exemplo, alguns capítulos tem
nomes de moléculas e um outro capítulo é intitulado “Assuntos amorosos”
– apenas um cientista colocaria molé-
21
culas e assuntos amorosos ao mesmo
nível. Mais que isso, apenas um químico misturaria moléculas e assuntos
amorosos.
Humanidade – a ciência é um exemplo a seguir! Defender a paz não é
uma actividade paralela para Dorothy
– é uma parte do ser cientista.
Por último, estava muito curioso
por saber que este livro seria uma
biografia. Podemos aprender mais e
melhor a partir de biografias, pois são
sobre pessoas reais num mundo real.
E isto é precisamente o que eu quero
partilhar convosco. Não vou tentar fazer uma apresentação factual do livro
(vocês vão lê-lo de qualquer forma!).
Em vez disso, irei partilhar convosco
o que aprendi do livro.
Aprendi que as pessoas reais, mesmo aquelas que mais contribuíram
para o progresso, tem as suas contradições, uma vez que a contradição faz
parte de ser humano:
O que aprendi então do livro?
Aprendi sobre alguém que adoptou
a expressão “Não percebe? Tenho
que saber!”, o que me recorda o primeiro alpinista que chegou ao cume
da montanha K2. Quando questionado sobre porque escalou ele a montanha, respondeu “Porque estava lá”.
Por isso, existem pessoas que ouvem
uma chamada da natureza e essa
chamada é a sua motivação. Esta é a
forma moderna de “navegar é preciso,
viver não é preciso”. Por isso, provavelmente aprendemos que aqueles
que chegam mais longe respondem a
chamadas que não conseguem resistir. No entanto, isto tem um lado muito
negro: a devoção à ciência pode ser
viciante. Os problemas que temos de
resolver vão connosco a todo o lado
(para casa, ao cinema, …) e ocupam
todo o tempo (os fins de semana, as
férias, …). A maioria das pessoas
nesta sala sabem o que quero dizer.
Quando sentimos que estamos perto
da solução de um problema fascinante
não podemos pensar em mais nada.
Por vezes perdemos o contacto com
a família e com os amigos... E isto
aconteceu a Dorothy em certos períodos da sua vida. Apenas um cientista
poderia falar sobre este lado negro da
forma como a autora o faz.
Aprendi sobre alguém para quem a
ciência não era apenas uma mensagem, mas um meio de comunicação.
Ela não comunicou apenas ciência,
comunicou através da ciência: os
valores da paz, o progresso internacional mútuo, a prosperidade e a luta
contra a pena de morte. A ciência é
global, a ciência é progresso, a ciência é útil para o desenvolvimento da
22
− Dorothy é descrita como uma
mulher frágil com problemas familiares e de saúde, no entanto ela é
a razão pela qual este livro foi escrito e a razão pela qual estamos aqui,
por isso ela fez coisas que apenas
uma mulher forte poderia ter feito.
− A segunda contradição, e isto é
algo que achei muito intrigante: a
devoção que ela tinha à investigação e às pessoas jovens a trabalhar
com ela em estudos de pós-graduação não tem correspondência ao
nível de estudos de graduação.
Tive oportunidade de trocar algumas ideias sobre isto com a autora,
mas continuo muito intrigado. Acho
difícil conceber que a mesma pessoa que é tão comprometida com
a investigação, incluindo estudantes de doutoramento, não tenha o
mesmo comprometimento ao nível
dos estudos de graduação. Ela teve
o exemplo de bons professores,
porquê então esta indiferença? Estou perplexo. Margaret Tatcher por
exemplo foi estudante de Dorothy.
Imagino o que teria acontecido se
Dorothy tivesse atraído Margaret Tatcher para uma carreira em ciência.
Estudaria provavelmente a hemoglobina, atendendo à determinação
com que se tornou a dama de ferro.
Outro aspecto fascinante do livro é a
forma como as questões de diferenciação entre sexos são abordadas, que é
algo que se poderia antecipar da escrita
da autora sobre uma mulher cientista.
Por um lado, temos um aspecto feminino:
− Realçando a influência de Marie
Curie, Irene Curie e Kathleen Lansdale em Dorothy.
− A questão Powell vs. Dorothy
(Página 82) na nomeação para
leitor de cristalografia química,
onde a autora sugere que ques-
tões de diferenciação entre sexos
poderão ter estado presentes.
Por outro lado, o papel dos homens
na carreira de Dorothy é também realçado pela autora:
− O pai de Dorothy foi o principal
ajudante na sua preparação para
os exames que lhe permitiram ir
para Sommerville College para estudar química.
− Desmond Bernal apoiou a sua intenção de iniciar o doutoramento e
foi um defensor claro da igualdade
entre sexos.
− O seu marido Thomas foi aquele
que cuidou das crianças por períodos muito longos enquanto ela estava ausente por razões profissionais.
As múltiplas facetas das questões de
diferenciação entre sexos são apresentadas pela autora de uma forma
muito realista, em oposição a uma visão a preto e branco.
O ecletismo é uma palavra chave
para os sucessos científicos! Dorothy
sintetizou, cristalizou e analisou os resultados incluindo o desenvolvimento
de metodologias matemáticas. Não
é de admirar que “o minuto mais excitante da sua vida”, como ela disse,
tenha sido a observação do padrão de
dispersão de um único cristal de insulina. Este artigo foi publicado tendo
apenas um autor.
Por último, o que realmente aprendi
da vida de Dorothy foi que ela tinha
um respeito tremendo por jovens investigadores, altruísmo e sentido de
herança para as gerações seguintes.
O artigo na Nature, com nomes de
10 co-autores e outros 23 nomes nos
agradecimentos a pessoas com quem
contactou durante 30 anos de investigação é emblemático. E o efeito de
disseminação foi impressionante (Tom
Blundell, aqui presente, é um exemplo vivo). Afinal, a ciência não é sobre
moléculas. A ciência é sobre pessoas que se preocupam por pessoas e
pessoas que trabalham juntas e que
são o exemplo que perdura, tão factual como a estrutura da insulina ou do
colesterol, apenas mais importante.
Muito obrigado pela vossa atenção.”
QUÍMICA 120
Fly UP