...

Nutrição Materno-infantil Resumo executivo da série Nutrição

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

Nutrição Materno-infantil Resumo executivo da série Nutrição
Resumo executivo Nutrição Materno-infantil
Resumo executivo da série Nutrição Materno-infantil
publicada em The Lancet
"A nutrição é essencial para o desenvolvimento individual e nacional.
Esta série destaca as evidências de que a nutrição adequada é
fundamental para o alcance de diversas metas de desenvolvimento. A
Agenda para o Desenvolvimento Sustentável pós-2015 deve priorizar a
abordagem de todas as formas de desnutrição como um dos seus
objetivos principais."
1 Resumo executivo Nutrição materno-infantil
A desnutrição materno-infantil, que engloba o déficit de estatura para idade, o déficit de
peso para estatura e deficiências de vitaminas e minerais essenciais, foi tema de uma série de
artigos publicados em The Lancet em 20081-5. Na série foram apresentadas estimativas da
prevalência destes problemas, avaliadas suas consequências a curto e longo prazo e analisada a
possibilidade de queda dos índices de desnutrição com a cobertura ampla e equitativa de
intervenções nutricionais comprovadas.
A série de 2008 identificou a necessidade de concentrar-se no período crítico que se
estende da concepção ao segundo ano de vida da criança porque a nutrição adequada e o
crescimento saudável nestes 1000 dias têm um efeito benéfico permanente para o resto da
vida. Também se reiterou a necessidade de priorizar os programas nacionais de nutrição,
aumentar a integração com programas de saúde, aprimorar as abordagens intersetoriais e
melhorar o enfoque e a coordenação do sistema de nutrição global formado por órgãos
internacionais, entidades doadoras, instituições de ensino superior, sociedade civil e setor
privado.
Passados cinco anos da publicação da série inicial, estamos reavaliando a questão da
desnutrição materno-infantil e examinando o problema emergente de sobrepeso e obesidade em
mulheres e crianças e as suas consequências em países de renda baixa e média. Considera-se que,
em muitos destes países, a carga da desnutrição dobrou, concorrendo com o aprofundamento do
déficit de crescimento e deficiência de nutrientes essenciais em paralelo à emergência da
obesidade. Também avaliamos a evolução dos programas de nutrição nos países e iniciativas
internacionais com base nas recomendações feitas anteriormente.
O primeiro artigo6 analisa a prevalência e as consequências dos agravos nutricionais ao
longo do ciclo de vida, da adolescência (no sexo feminino), passando pela gravidez e infância, e
discute as implicações para a saúde na vida adulta. O segundo artigo7 apresenta as evidências que
respaldam intervenções nutricionais específicas e os desfechos de saúde e o custo com a
ampliação do alcance na população. O terceiro trabalho8 examina abordagens e intervenções
sensíveis à nutrição e sua potencialidade em melhorar a nutrição. E o quarto9 analisa as
características de um ambiente facilitador que devem estar presentes para dar sustentação aos
programas nutricionais e como elas podem ser favorecidas. Na parte de Comentários10-15 são
consideradas as ações atualmente empreendidas e o que deve ser realizado em nível nacional e
internacional para sanar as necessidades nutricionais e de desenvolvimento de mulheres e
crianças em países de baixa e média renda.
[figura]
Benefícios ao longo do ciclo de vida
↓ morbidade e mortalidade infantil
↑ desenvolvimento cognitivo, motor e socioemocional
↑ desempenho escolar e capacidade de aprendizado
↑ estatura do adulto
2 Resumo executivo ↓ obesidade e doenças não transmissíveis
↑ capacidade de trabalho e produtividade
Programas e intervenções nutricionais específicos
• Saúde da adolescente e nutrição no período pré-concepcional
• Suplementação alimentar materna
• Fortificação de alimentos ou suplementação com micronutrientes
• Aleitamento materno e alimentação complementar
• Suplementação alimentar para crianças
• Diversificação alimentar
• Comportamento alimentar e estimulação
• Tratamento da desnutrição aguda grave
• Prevenção e tratamento de doenças
• Intervenções nutricionais em situação de emergência
Nutrição e desenvolvimento fetal e infantil ideais
Aleitamento materno, alimentos ricos em nutrientes e rotina alimentar
Alimentação e cuidados de crianças, criação dos filhos, estimulação
Baixa carga de doenças infecciosas
Segurança alimentar incluindo disponibilidade, acesso econômico e uso de alimentos
Recursos para alimentação e cuidados de crianças (aos níveis materno, familiar e comunitário)
Acesso e utilização de serviços de saúde, ambiente higiênico e seguro
Conhecimento e evidências
Política e governação
Liderança, capacidade e recursos financeiros
Contextos econômico, político, social e ambiental (nacional e mundial)
Abordagens e programas sensíveis à nutrição
• Agricultura e segurança alimentar
• Redes de proteção social
• Desenvolvimento na primeira infância
3 Resumo executivo • Saúde mental materna
• Capacitação da mulher
• Proteção infantil
• Educação em sala de aula
• Água e saneamento
• Serviços de saúde e de planeamento familiar
Criação de um ambiente facilitador
• Avaliações rigorosas
• Estratégias de divulgação da causa
• Coordenação horizontal e vertical
• Prestação de contas, regulamentação de incentivos, legislação
• Programas de liderança
• Investimentos em capacidade
• Captação de recursos internos
Figura 1: Modelo de ações para a nutrição e desenvolvimento fetal e infantil ideais
4 Resumo executivo Um novo modelo concetual
A presente série se embasa em um modelo (figura 1) para o crescimento e o
desenvolvimento fetal e infantil ideais6. O modelo expõe os determinantes alimentares, de
comportamento e de saúde da nutrição, crescimento e desenvolvimento ideais e como eles
sofrem a influência de fatores básicos como segurança alimentar, recursos para cuidados de
crianças e condições ambientais, que por sua vez são determinados por condições
socioeconômicas, contextos nacionais e mundial, capacidade, recursos e governação. A série
destaca como os determinantes podem ser modificados para favorecer o crescimento e o
desenvolvimento, examinando intervenções nutricionais específicas voltadas às causas imediatas
do crescimento e desenvolvimento abaixo do ideal e os potenciais resultados de intervenções
sensíveis à nutrição que consideram os determinantes básicos da desnutrição e incorporam metas
e ações nutricionais específicas (quadro 1). O modelo também mostra como pode ser criado um
ambiente facilitador para sustentar programas e intervenções que visam favorecer o crescimento
e o desenvolvimento.
A agenda inacabada da desnutrição
A série Desnutrição materno-infantil publicada em 2008 em The Lancet serviu como um
enorme estímulo para renovar o compromisso político de combater a desnutrição em nível
nacional e mundial. Muitos dos órgãos para o desenvolvimento reavaliaram as próprias
estratégias de combate à desnutrição para dar ênfase ao período de 1000 dias de vida da criança,
da gravidez aos primeiros dois anos, como recomendado pela série. Este compromisso
internacional renovado está sendo alavancado pelo Movimento de Ampliação da Nutrição
(SUN)18, 19. O compromisso nacional em países de renda baixa e média está ganhando terreno,
com aumento do financiamento de entidades doadoras e crescente participação ativa da
sociedade civil e do setor privado.
Este progresso, porém, ainda não redundou em resultados globais mais satisfatórios. A
melhoria da nutrição permanece uma importante agenda inacabada. Os 165 milhões de crianças
com déficit de crescimento têm o desenvolvimento cognitivo e físico comprometido, formando
mais uma geração com capacidade produtiva abaixo do esperado6. Os países não têm como sair
da pobreza e sustentar o desenvolvimento econômico sem a garantia de nutrição adequada às
suas populações. A desnutrição freia o avanço econômico de um país em, no mínimo, 8% em
decorrência direta da perda de produtividade e de prejuízo por conta da capacidade cognitiva e
escolaridade menores de sua população20. Não se pode permitir que nada seja feito.
[quadro]
Quadro 1: Definição de programas e intervenções nutricionais específicos e programas e intervenções
sensíveis à nutrição
Programas e intervenções nutricionais específicos
• Programas ou intervenções que consideram os determinantes imediatos da nutrição e desenvolvimento fetal e
infantil como adequação na ingestão de alimentos e nutrientes, práticas de alimentação, cuidados de crianças e
criação dos filhos e baixa carga de doenças infecciosas.
• Exemplos: nutrição e saúde materna, da adolescente e no período pré-concepcional; suplementação materna
alimentar ou com micronutrientes; incentivo ao aleitamento materno ideal; alimentação complementar e práticas de
alimentação responsiva e estimulação; suplementação alimentar; diversificação alimentar e fortificação de alimentos
5 Resumo executivo ou suplementação com micronutrientes para crianças; tratamento da desnutrição aguda grave, prevenção e
tratamento de doenças; nutrição em situação de emergência.
Programas e intervenções sensíveis à nutrição
• Programas ou intervenções que consideram os determinantes básicos da nutrição e desenvolvimento fetal e infantil,
como segurança alimentar, recursos para cuidados adequados de crianças ao nível materno, familiar e comunitário,
acesso a serviços de saúde e a um ambiente higiênico e seguro, incorporando metas e ações nutricionais específicas.
• Programas sensíveis à nutrição podem servir como plataforma para distribuição de intervenções nutricionais
específicas, potencialmente aumentando sua extensão, cobertura e eficácia.
• Exemplos: agricultura e segurança alimentar, redes de proteção social, desenvolvimento na primeira infância,
saúde mental materna, capacitação da mulher, proteção infantil, escolaridade, água, saneamento e higiene, serviços
de saúde e de planeamento familiar.
Adaptado de Movimento de Ampliação da Nutrição16 e Shekar et al, 201317.
Carga dos agravos nutricionais
Desnutrição em países de renda baixa e média
O déficit de crescimento linear é hoje o principal indicador da desnutrição infantil devido
à sua elevada prevalência em quase todos os países de renda baixa e média e sérias
consequências à saúde e ao desenvolvimento. Esta medida deve substituir o baixo peso como
principal indicador antropométrico em crianças. A prevalência do déficit de estatura para idade
em crianças menores de 5 anos em países de renda baixa e média foi de 26% em 2011, o que
representa uma redução em relação aos 40%, em 1990, e 32%, em 2005, segundo estimativas da
série anterior sobre nutrição1,6. O número de crianças com déficit estatural também diminuiu em
todo o mundo, de 253 milhões, em 1990, e 178 milhões, em 2005, a 165 milhões em 2011,
representando uma redução média anual de 2,1%6.
A Assembleia Mundial da Saúde (AMS) apontou a necessidade de reduzir em 40% o
número global de crianças menores de 5 anos com déficit estatural até 2025 (em relação ao ano
de referência de 2010)21. Isso representaria uma redução de 3,9% ao ano e implicaria em redução
do número de crianças com déficit estatural de 171 milhões, em 2010, a cerca de 100 milhões,
em 20256. Ao ritmo de queda atual, estima-se que o número de crianças com déficit estatural
seria de 127 milhões, uma redução em 25% em 2025. As regiões da África oriental e ocidental e
centro-sul da Ásia têm as maiores prevalências de déficit estatural e o maior número de crianças
afetadas (69 milhões) vive na região centro-sul asiática. De acordo com as tendências atuais,
estima-se apenas uma ligeira melhoria na África, com o número de crianças afetadas aumentando
de 56 a 61 milhões, e projeta-se na Ásia uma queda substancial da prevalência do déficit
estatural.
6 Resumo executivo Restrição
de
crescimento
fetal
(<1 mês)
Déficit de estatura
para idade (1–59
meses)
Déficit de peso para
idade (1–59 meses)
Déficit de peso para
estatura
(1–59
meses)
Déficit de peso para
estatura grave (1–59
meses)
Deficiência de zinco
(12–59 meses)
Deficiência
de
vitamina A (6–59
meses)
Aleitamento
materno abaixo do
ideal (0–23 meses)
Efeito conjunto da
restrição
de
crescimento fetal e
aleitamento materno
abaixo do ideal no
período neonatal
Efeito conjunto da
restrição
de
crescimento fetal,
aleitamento materno
abaixo do ideal,
déficit de estatura
para idade, déficit
de
peso
para
estatura
e
deficiências
de
vitamina A e zinco
(<5 anos)
Mortalidade
atribuível segundo
as prevalências da
ONU*
Proporção
do
número total de
mortes
em
crianças menores
de 5 anos
Mortalidade
atribuível segundo
as prevalências do
NIMS†
Proporção
do
número total de
mortes
em
crianças menores
de 5 anos
817.000
11,8%
817.000
11,8%
1.017.000*
14,7%
1.179.000 †
17,0%
999.000*
14,4%
1.180.000 †
17,0%
875.000*
12,6%
800.000
11,5% †
516.000*
7,4%
540.000
7,8% †
116.000
1,7%
116.000
1,7%
157.000
2,3%
157.000
2,3%
804.000
11,6%
804.000
11,6%
1.348.000
19,4%
1.348.000
19,4%
3.097.000
44,7%
3 149.000
45,4%
Dados arredondados para o milhar mais próximo. * Estimativas de prevalência da ONU. † Estimativas de prevalência do
Nutrition Impact Model Study (NIMS).
Tabela 1: Mortalidade global em crianças menores de 5 anos atribuída a agravos nutricionais
7 Resumo executivo [quadro]
Principais considerações sobre a carga de agravos nutricionais
• As deficiências de cálcio e ferro contribuem consideravelmente para a mortalidade materna.
• A deficiência de ferro em gestantes está associada a recém-nascidos de baixo peso (<2.500 g).
• A desnutrição materno-infantil e ambientes familiares com pouca estimulação contribuem para déficit de
desenvolvimento infantil e efeitos negativos na saúde e produtividade na vida adulta.
• Sobrepeso e obesidade maternos estão associados à morbidade materna, prematuridade e maior mortalidade
infantil.
• A restrição de crescimento fetal está associada à baixa estatura e baixo peso maternos e é responsável por 12% da
mortalidade neonatal.
• A prevalência de déficit de estatura para idade está em lento declínio em todo o mundo, com pelo menos 165
milhões de crianças menores de 5 anos afetados, em 2011, e pelo menos 52 milhões com déficit de peso para
estatura.
• O aleitamento materno abaixo do ideal resulta em mais de 800.000 mortes de crianças ao ano.
• A desnutrição, incluindo restrição de crescimento fetal, aleitamento materno abaixo do ideal, déficit de estatura
para idade, déficit de peso para estatura e deficiências de vitamina A e zinco, responde por 45% da mortalidade
infantil, representando 3,1 milhões de mortes ao ano.
• A prevalência de sobrepeso e obesidade está aumentando em crianças menores de 5 anos no mundo todo e é um
importante fator contribuinte para diabetes e outras doenças crônicas na vida adulta.
• A desnutrição durante a gravidez, afetando o crescimento fetal, e nos dois primeiros anos de vida é um dos
principais determinantes do déficit estatural e de crescimento linear e subsequente obesidade e doenças não
transmissíveis na idade adulta.
A prevalência mundial de déficit de peso para idade foi de 8% em 2011 com 52 milhões
de crianças menores de 5 anos afetadas, representando uma queda de 11% em relação aos 58
milhões estimados em 19906. A prevalência de déficit ponderal grave foi de 2,9%, ou seja, 19
milhões crianças6. Setenta por cento das crianças com déficit ponderal vivem na Ásia, na sua
maioria na região centro-sul asiática, onde se estima uma prevalência de 15% (28 milhões de
crianças)6.
Deficiências de vitaminas e minerais essenciais são muito prevalentes com grandes
consequências adversas para o desenvolvimento e a sobrevivência infantil6. As deficiências de
vitamina A e zinco causam prejuízo à saúde e sobrevivência da criança e as deficiências de iodo
e ferro combinadas ao déficit estatural impedem o desenvolvimento infantil pleno. Houve
bastante progresso no combate à carência de vitamina A, mas os esforços devem ser contínuos
para manter os níveis atuais de cobertura e evitar o retrocesso porque a ingestão de vitamina A
ainda é inadequada. Além disso, a deficiência de micronutrientes compromete seriamente a
saúde materna6.
8 Resumo executivo Apesar dos avanços verificados em alguns países, o aleitamento materno está longe do
ideal, implicando em maior risco de morte nos dois primeiros anos de vida e 800.000 mortes
todos os anos6.
Nutrição materna, neonatal e infantil
As novas evidências reforçam a importância do estado nutricional da mulher no momento
da concepção e durante a gravidez, com implicações tanto na saúde materna quanto no
crescimento e desenvolvimento fetal saudável. Estima-se que, todos os anos, nasçam 32 milhões
de crianças pequenas para a idade gestacional (PIG), o que representa 27% dos recém-nascidos
em países de renda baixa e média. A restrição de crescimento fetal acarreta mais de 800.000
mortes todos os anos no primeiro mês de vida e mais de 25% das mortes em recém-nascidos6.
Este dado novo contradiz com a suposição amplamente aceita de que, comparados aos
prematuros, os nascidos PIG não apresentam um risco substancialmente maior de morte. Os
recém-nascidos com restrição de crescimento fetal também têm risco consideravelmente maior
de apresentar déficit estatural aos 24 meses e certas doenças não transmissíveis na vida adulta6.
A desnutrição (restrição de crescimento fetal, aleitamento materno abaixo do ideal,
déficit estatural, déficit ponderal e deficiências de vitamina A e zinco) é responsável por 45% das
mortes em crianças menores de 5 anos, ceifando mais de 3 milhões de vidas ao ano (3,1 milhões
dos 6,9 milhões de mortes infantis em 2011)6. A restrição de crescimento fetal e o aleitamento
materno abaixo do ideal acarretam juntos mais de 1,3 milhão de mortes, ou 19,4% da
mortalidade em menores de 5 anos, representando 43,5% das mortes por problemas nutricionais
(tabela 1).
A nutrição adequada no início da vida é essencial para a criança atingir o seu potencial de
desenvolvimento. A má nutrição frequentemente concorre com outros riscos para o
desenvolvimento, em particular estimulação inadequada durante a primeira infância6. Além de
nutrição adequada, fazem-se necessárias intervenções para incentivar a estimulação da criança
em casa e criar oportunidades de aprendizado a fim de garantir o desenvolvimento ideal na
primeira infância e os ganhos de longo prazo em capital humano6.
Esta nova constatação sustenta a ideia de atenção contínua ao intervalo crítico de 1000
dias entre a gravidez e os primeiros dois anos de vida. Reforça também a necessidade de intervir
no início da gravidez, ou mesmo antes da concepção. Como muitas gestantes somente têm acesso
a serviços de incentivo à nutrição aos 5 ou 6 meses de gravidez, é importante que iniciem a
gestação em estado de nutrição ideal. As novas plataformas voltadas à saúde e nutrição da
adolescente podem ser oportunidades para melhores resultados7.
Há uma atenção crescente com a saúde da adolescente, pois este seria o momento certo
de investir para melhorar a saúde de mulheres e crianças, já que se estima que cerca de 10
milhões de meninas adolescentes com menos de 18 anos casam todos os anos6. Intervenções
devidamente comprovadas devem ser introduzidas no período pré-concepcional e na
adolescência em países com elevada carga de desnutrição e gravidez precoce. O desafio é chegar
a quem precisa e assisti-las em número suficiente.
Prevenção da mortalidade materna
As deficiências de cálcio e ferro contribuem consideravelmente para a mortalidade
materna. Análises anteriores, confirmadas nesta série, demonstraram que a anemia é um fator de
9 Resumo executivo risco para a mortalidade materna, provavelmente em decorrência de hemorragia, que é a
principal causa de morte materna (23% do total). Existem também dados robustos indicando que
a deficiência de cálcio aumenta o risco de pré-eclâmpsia, a segunda principal causa de morte
materna atualmente (19% do total). Portanto, sanar a carência destes dois minerais possivelmente
reduziria muito a mortalidade materna.
Carga emergente de obesidade
O excesso de peso em adultos e, a uma frequência cada vez maior, em crianças constitui
uma morbidade emergente em rápido crescimento em todo o mundo, afetando populações ricas e
pobres. A prevalência de excesso de peso materno vem em constante aumento desde 1980 e
supera à de déficit ponderal em todas as regiões do mundo. O sobrepeso e obesidade maternos
implicam em maior morbidade materna e mortalidade infantil6.
A prevalência de sobrepeso e obesidade cresce em crianças menores de 5 anos no mundo
todo, principalmente em países em desenvolvimento, e ganha importância como um fator
contribuinte para obesidade, diabetes e doenças não transmissíveis em adultos6. Apesar de a
prevalência de excesso de peso em países de alta renda ser mais que o dobro da verificada em
países de renda baixa e média, a maioria das crianças afetadas (76% do total) vive em países de
renda baixa e média. A tendência do excesso de peso na primeira infância é uma provável
consequência de mudanças históricas nos padrões alimentares e de atividade física que se
sobrepõem aos riscos atribuíveis à restrição de crescimento fetal e déficit estatural.
Se esta tendência não for revertida, as crescentes taxas de sobrepeso e obesidade infantil
terão implicações enormes, não somente em termos de gastos de saúde futuros mas também no
desenvolvimento dos países. Estes fatos reforçam a necessidade de programas e intervenções
para o rumo previsto. É fundamental identificar cedo o excesso de ganho de peso relativo ao
crescimento linear.
Divulgação de evidências para favorecer a nutrição materno-infantil
Várias intervenções nutricionais implementadas em larga escala após a publicação da
série de 2008 obtiveram bons resultados, ampliando a base de evidências de intervenções e
estratégias de distribuição bem-sucedidas. Porém, a taxa de cobertura para outras intervenções é
mínima ou nula. Realizamos a modelagem de 10 intervenções nutricionais específicas em todo o
ciclo de vida para combater a desnutrição e as deficiências de micronutrientes em mulheres em
idade reprodutiva, gestantes, recém-nascidos, lactentes e crianças com o propósito de avaliar
seus efeitos e custos para a expansão em escala (figura 2)7. As intervenções foram as seguintes:
suplementação de ácido fólico no período periconcepcional, suplementação energética e proteica
balanceada materna, suplementação de cálcio materno, suplementação com diversos
micronutrientes durante a gravidez, promoção do aleitamento materno, alimentação
complementar adequada, suplementação preventiva de vitamina A e zinco em crianças de 6–59
meses, tratamento da desnutrição aguda grave e tratamento da desnutrição aguda moderada.
O investimento contínuo em intervenções nutricionais específicas e estratégias de
distribuição direcionadas aos segmentos populacionais mais pobres e em maior risco pode fazer
uma enorme diferença. Se a cobertura populacional destas 10 intervenções nutricionais
específicas comprovadas fosse expandida a 90%, estima-se que cerca de 900.000 vidas poderiam
ser salvas em 34 países com elevada carga de problemas nutricionais (que compreendem 90% da
10 Resumo executivo população mundial infantil com déficit estatural, figura 3) e reduzida a prevalência do déficit
estatural em 20% e do déficit ponderal em 60%. Assim, o número de crianças com déficit de
crescimento e desenvolvimento cairia para 33 milhões7. Este avanço, além de frear as tendências
atuais, permitiria alcançar as metas da AMS para 2025.
Custo da expansão em escala de intervenções com resultados comprovados
Estima-se que o custo da expansão em escala deste conjunto de 10 intervenções
nutricionais básicas específicas com cobertura de 90% em 34 países seria de US$ 9,6 bilhões ao
ano (tabela 2)7. Dos US$ 9,6 bilhões necessários, US$ 3,7 bilhões (39%) seriam para
intervenções de suplementação com micronutrientes, US$ 0,9 bilhão (10%) para intervenções
educativas e US$ 2,6 bilhões (27%) para o tratamento de desnutrição aguda grave. Os US$ 2,3
bilhões restantes (24%) seriam para o fornecimento de alimentos para gestantes e crianças de 6–
23 meses de famílias pobres. É um custo razoável considerando-se que muitas das intervenções
seriam expandidas em escala a partir de uma cobertura populacional insignificante. O custo por
anos de vida salvos, descontados no tempo, seria de aproximadamente US$ 370 (US$ 213 por
anos de vida salvos não descontados).
Mais da metade do montante de US$ 9,6 bilhões destina-se a dois grandes países que
terão de contar sobretudo com recursos internos (Índia e Indonésia). Materiais de consumo
(medicamentos ou outros itens para transporte ou administração, por exemplo) representam
pouco menos de metade dos US$ 9,6 bilhões. E estima-se que praticamente todos os países mais
pobres tenham condições de cobrir o custo de pessoal. Portanto, US$ 3,4 bilhões provenientes de
doadores externos poderiam fazer uma enorme diferença para a nutrição infantil.
[quadro]
Atenção no período pré-concepcional: planeamento familiar, primeira gravidez em idade mais avançada,
prolongamento do intervalo entre gestações, atenção ao aborto, atenção psicossocial
Adolescente
• Suplementação de ácido fólico
• Suplementação com diversos micronutrientes
• Suplementação de cálcio
• Suplementação energética e proteica balanceada
• Ferro ou ferro e ácido fólico
• Suplementação com iodo
• Cessação do fumo
Mulheres em idade reprodutiva e na gravidez
• Clampeamento tardio do cordão umbilical
• Início precoce do aleitamento materno
11 Resumo executivo • Administração de vitamina K
• Suplementação neonatal com vitamina A
• Método mãe-canguru
Recém-nascidos
• Aleitamento materno exclusivo
• Alimentação complementar
• Suplementação com vitamina A (6–59 meses)
• Suplementação preventiva com zinco
• Suplementação com diversos micronutrientes
• Suplementação com ferro
Lactentes e crianças
Prevenção e tratamento de doenças
• Prevenção de malária em mulheres
• Desparasitação materna
• Prevenção da obesidade
Prevenção e tratamento de doenças
Tratamento da desnutrição aguda grave
Tratamento da desnutrição aguda moderada
• Zinco terapêutico para diarreia
• Água, saneamento e higiene
• Alimentação na diarreia
• Prevenção de malária em crianças
• Desparasitação infantil
• Prevenção da obesidade
Redução da morbidade e mortalidade materna e infantil
Melhor desenvolvimento cognitivo e neurológico
Maior capacidade de trabalho e produtividade
Desenvolvimento econômico
12 Resumo executivo Plataformas de distribuição: plataformas de distribuição de base comunitária, atenção integrada às doenças da
infância, campanhas de saúde infantil, plataformas de distribuição de base escolar, plataformas financeiras,
estratégias de fortificação de alimentos, nutrição em situação de emergência
Negrito: intervenções modeladas
Itálico: outras intervenções avaliadas
Figura 2: Modelo concetual
13 Resumo executivo Etiópia
Quênia
Tanzânia
Iêmen
África do Sul
Madagascar
Zâmbia
Angola
Congo
Ruanda
Uganda
Moçambique
Malawi
Sudão
Chade
Níger
Mali
Burkina Faso
Costa do Marfim
Gana
Nigéria
Camarões
Paquistão
Egito
Afeganistão
Iraque
Índia
Nepal
Bangladesh
Mianmar
Vietname
Filipinas
14 Resumo executivo Indonésia
Guatemala
Países com alta carga de doença
Outros países
Figura 3: Países com maior carga de desnutrição
Estes 34 países representam 90% da carga mundial de desnutrição.
A promessa das intervenções e estratégias e plataformas de distribuição emergentes
Estratégias de distribuição são essenciais para a cobertura de intervenções nutricionais
específicas e o alcance das populações em necessidades. Uma série de medidas oferece
oportunidades de expandir as intervenções em escala e alcançar grandes segmentos
populacionais como a fortificação dos alimentos básicos e programas condicionais e
incondicionais de transferência de renda7. Outras formas possíveis são plataformas de
distribuição de base comunitária para educação e promoção nutricional, manejo integrado de
doenças infantis, plataformas de distribuição de base escolar e campanhas de saúde infantil.
Estratégias de distribuição inovadoras, sobretudo as plataformas de base comunitária,
ajudam a expandir em escala a cobertura de intervenções nutricionais e atingir as populações
pobres e de difícil acesso por meio de comunicação e divulgação7. Elas poderiam ser integradas a
intervenções de saúde materna, neonatal e infantil e contribuir para reduzir as desigualdades.
Realização do potencial dos programas sensíveis à nutrição
Para acelerar o progresso em nutrição, aliado a intervenções nutricionais específicas,
programas efetivos de desenvolvimento sensíveis à nutrição em larga escala devem produzir
resultados nutricionais melhores8. As ações e as metas dos programas sensíveis à nutrição visam
resolver os principais determinantes básicos da nutrição como pobreza, insegurança alimentar e
acesso limitado a recursos para atenção adequada e podem contribuir para aumentar a
efetividade, a cobertura e o alcance de intervenções nutricionais específicas.
15 Resumo executivo Número de vidas salvas*
Nutrição materna ideal durante a gravidez
Suplementação
materna
com 102.000
diversos micronutrientes para todas (49.000–146.000)
as mulheres
Suplementação com cálcio para
mães em risco de baixa ingestão‡
Suplementação materna energética
e proteica balanceada, conforme
necessário
Iodização universal do sal ‡
US$ 571 (398–1191)
Alimentação de lactentes e crianças pequenas
Promoção do aleitamento materno 221.000
precoce e exclusivo por 6 meses e (135.000–293.000)
aleitamento materno contínuo por
24 meses ou mais
Educação
para
alimentação
complementar
adequada
em
populações
com
segurança
alimentar
e
suplementação
alimentar adicional em populações
que
vivem
em
insegurança
alimentar
Suplementação com micronutrientes em crianças em risco
Suplementação com vitamina A em 145.000
crianças com idade de 6 a 59 meses (30.000–216.000)
Suplementação preventiva de zinco
em crianças com idade de 12 a 59
meses
Tratamento da desnutrição aguda
Tratamento da desnutrição aguda
moderada
Tratamento da desnutrição aguda
grave
Custo por ano de vidas salvas†
435.000
(285.000–482.000)
US$ 175 (132–286)
US$ 159 (106–766)
US$ 125 (119-152) §
Os dados representam o valor (IC de 95%) ou custo em dólares internacionais na cotação de 2010 (IC de 95%).
* Efeito de cada conjunto de medidas quando simultaneamente expandidos em escala os quatro conjuntos.
† O custo por ano de vidas salvas pressupõe que salvar a vida de uma criança com menos de 5 anos implica uma
média de 59 anos de vida salvos, segundo dados da OMS (201118) de que a expectativa de vida média ao
nascimento em países de baixa renda é de 60 anos e que a maior parte das mortes em crianças menores de 5 anos
ocorre no primeiro ano de vida. Para converter o custo por ano de vida salvo descontado no tempo, estas
estimativas devem ser multiplicadas por 59/32 (ou seja, 1,84).
‡ A intervenção tem efeito na morbidade materno-infantil, mas não tem efeito direto nas vidas salvas.
§ Custo por ano de vida salvo com apenas o tratamento da desnutrição aguda grave. Os custos da alimentação
suplementar em casos de desnutrição aguda moderada não estão disponíveis.
Tabela 2: Efeito do conjunto de medidas de intervenções nutricionais com 90% de cobertura
16 Resumo executivo A nossa revisão de programas em potencial sensíveis à nutrição em agricultura, redes de
proteção social, desenvolvimento na primeira infância e escolaridade confirma que, nestes
setores, os programas conseguem obter bons resultados quanto aos determinantes básicos da
nutrição, apesar de o efeito nutricional ser pouco comprovado.
Os programas agrícolas direcionados têm um papel importante para a subsistência,
segurança alimentar, qualidade alimentar e capacitação da mulher e complementam os esforços
globais de estímulo à produtividade agrícola e consequente aumento da renda dos agricultores,
protegendo assim os consumidores contra a alta do preço dos alimentos8. Faltam ainda
evidências conclusivas sobre os efeitos nutricionais, exceção feita pelos efeitos evidenciados na
ingestão e combate à carência de vitamina A nos programas de produção agrícola de base
familiar e distribuição de batata-doce de polpa alaranjada biofortificada, rica em vitamina
A. Tudo indica que os programas agrícolas direcionados são mais efetivos quando incorporam
estratégias de comunicação para a mudança drástica de comportamento e o conceito de equidade
de gênero. Embora a insuficiência de análises rigorosas não permita tirar conclusões definitivas,
falhas na concepção e implantação dos programas também contribuem para limitar as evidências
sobre os efeitos nutricionais.
[quadro]
Principais considerações sobre intervenções nutricionais específicas
• Há clara necessidade de introduzir intervenções devidamente comprovadas no período pré-concepcional e na
adolescência em países com elevada carga de desnutrição e gravidez precoce. O desafio é chegar a quem precisa e
assisti-las em número suficiente.
• Existem intervenções oportunas para favorecer a nutrição materna e reduzir a restrição de crescimento intrauterino
e a ocorrência de recém-nascidos PIG nos meios apropriados em países em desenvolvimento, mas elas precisam de
ser expandidas em escala antes e durante a gravidez. Entre estas intervenções estão a suplementação com diversos
micronutrientes, suplementação energética e proteica balanceada e de cálcio e estratégias de prevenção da malária
na gravidez.
• A substituição de folato ferroso por suplementação com diversos micronutrientes durante a gravidez pode
favorecer maior redução da ocorrência de recém-nascidos PIG em populações de risco, apesar de serem necessários
mais dados em análises de efetividade para direcionar a reforma da política universal.
• Estratégias de incentivo ao aleitamento materno nos serviços de saúde e na comunidade têm demonstrado
resultados favoráveis com o aumento das taxas de aleitamento materno exclusivo. Porém, ainda existem poucos
dados quanto aos benefícios nutricionais e de desenvolvimento de longo prazo.
• Não existem constatações suficientes sobre a efetividade de estratégias de alimentação complementar, sendo
observados benefícios semelhantes com a diversificação e a educação alimentar e suplementação de alimentos em
populações com segurança alimentar e efeitos ligeiramente superiores em populações que vivem em insegurança
alimentar. Mais estudos de efetividade devem ser realizados com alimentos padrão (pré-fortificados e não
fortificados) em populações que vivem em insegurança alimentar a fim de avaliar a duração, definição de efeitos e
custo-efetividade das intervenções.
• As estratégias de tratamento da desnutrição aguda grave com um conjunto recomendado de medidas de atenção e
alimentos prontos para uso terapêutico são bem definidas, mas é necessário obter mais dados sobre as estratégias de
prevenção e tratamento da desnutrição aguda moderada em diferentes segmentos populacionais, em particular em
crianças menores de 6 meses.
• Os dados sobre o efeito de várias intervenções nutricionais no desenvolvimento neurológico são escassos. Os
estudos futuros devem se concentrar neste aspecto com a avaliação e o informe consistentes dos efeitos.
17 Resumo executivo • Programas condicionais de transferência de renda e redes de proteção social podem ajudar a vencer as dificuldades
financeiras e promover o acesso das famílias à atenção de saúde e a produtos nutricionais e alimentos
apropriados. Há necessidade urgente de análises de viabilidade e dos efeitos de tais abordagens para a nutrição
materno-infantil em sistemas de saúde com bom amparo.
• Estratégias de distribuição inovadoras, sobretudo as plataformas de distribuição de base comunitária, ajudam a
expandir em escala a cobertura de intervenções nutricionais e atingir as populações pobres com a geração de
demanda e prestação de serviços domiciliares.
• Pode-se reduzir em quase 15% da mortalidade em crianças menores de 5 anos (o equivalente a 1 milhão de vidas
salvas) com a expansão em escala do conjunto de 10 intervenções nutricionais fundamentais aqui identificadas.
• Verifica-se efeito máximo em vidas salvas com o tratamento da desnutrição aguda (435.000 vidas salvas, variação
de 285.000 a 482.000); 221.000 vidas (135.000 a 293.000) seriam salvas com a execução de um conjunto de
medidas de nutrição para lactentes e crianças pequenas incluindo o incentivo ao aleitamento materno e à
alimentação complementar. A suplementação com micronutrientes poderia salvar 145.000 vidas (30.000 a 216.000).
• Estas intervenções, se expandidas em escala com 90% de cobertura, poderiam reduzir a prevalência do déficit
estatural em 20,3% (o equivalente a uma redução de 33,5 milhões de crianças desnutridas) e do déficit ponderal
grave em 61,4%.
• O custo adicional para a cobertura de 90% das intervenções propostas seria de US$ 9,6 bilhões ao ano.
As redes de proteção social proporcionam a transferência de renda e de alimentos a um
bilhão de pessoas pobres e reduzem a pobreza. Elas atenuam os efeitos negativos de mudanças
globais, conflitos e desastres ao possibilitar a proteção da renda, segurança alimentar e qualidade
alimentar e, quando direcionados às mulheres, criam condições propícias à capacitação
feminina. Porém, os dados agrupados demonstram que estes programas têm efeitos limitados
para a nutrição infantil, embora tenham sido observados em estudos isolados efeitos em crianças
pobres de menor idade expostas aos programas por períodos mais prolongados8. Metas mal
definidas, falhas na concepção dos programas e má qualidade dos serviços possivelmente
explicam os resultados limitados.
O déficit estatural e o comprometimento do desenvolvimento cognitivo possuem muitos
fatores de risco em comum como deficiências nutricionais, restrição de crescimento intrauterino
e condições socioeconômicas precárias e sociais caracterizadas pela pobreza e depressão
materna6. O período de vulnerabilidade máxima também é o mesmo para o crescimento linear e
o desenvolvimento cognitivo, ou seja, os primeiros 1000 dias de vida. Combinar intervenções
nutricionais com aquelas para o desenvolvimento na primeira infância se justifica do ponto de
vista biológico e programático, já que evidências de programas sobretudo em pequena escala
indicam efeitos aditivos ou sinérgicos no desenvolvimento infantil e, em alguns casos, efeitos
nutricionais8.
Intervenções para promover a saúde mental materna têm também grande potencial de
produzir efeitos nutricionais e devem ser incluídas nos programas sensíveis à nutrição8. A
depressão materna é um importante determinante da falta de cuidados gerais e de saúde
adequados e está associada à má nutrição e desenvolvimento infantil desfavorável.
O nível de escolaridade dos pais é constantemente associado a efeitos nutricionais
positivos. O ambiente escolar, embora ainda pouco explorado, é propício à inclusão da nutrição
no currículo escolar e à prevenção e ao tratamento da desnutrição ou obesidade8. Os programas
18 Resumo executivo sensíveis à nutrição oferecem uma ótima oportunidade de atuar em meninas na adolescência (no
período pré-concepcional) e, possivelmente, de expandir as ações em escala por intermédio de
programas de base escolar e familiar.
Embora seja evidente o potencial em termos de efeitos nutricionais dos programas
sensíveis à nutrição, eles ainda são pouco aproveitados. Deve-se ressaltar que vários dos
programas documentados na nossa análise8 não incluíam metas e ações nutricionais bem
definidas no seu projeto e foram adaptados para serem sensíveis à nutrição. Pode-se conferir
maior sensibilidade à nutrição dos programas com a definição clara do segmento populacional
prioritário, uso dos problemas para gerar demanda pelos serviços oferecidos nos programas,
reforço das metas nutricionais, concepção e implantação e otimização da nutrição, alocação de
tempo, saúde física e mental e capacitação da mulher.
A orientação para aumentar a sensibilidade à nutrição e a criação de novos programas
devem fortalecer a base de evidências em um futuro próximo. Estão sendo considerados novos
programas em agricultura e redes de proteção social e projetos, métodos e conjuntos de
intervenções comuns para programas nutricionais e de desenvolvimento na primeira infância,
sendo que vários deles integram aportes complementares para contemplar outros condições
restritivas à nutrição ideal como a depressão materna ou a falta de acesso à água, saneamento e
higiene e reforçam o vínculo com os serviços de saúde.
[quadro]
Principais considerações sobre programas e intervenções sensíveis à nutrição
• Programas e intervenções sensíveis à nutrição em agricultura, redes de proteção social, desenvolvimento na
primeira infância e educação têm o enorme potencial de expandir a escala e a efetividade de intervenções
nutricionais específicas. A melhora da nutrição também contribui para o alcance dos próprios objetivos dos
programas sensíveis à nutrição.
• Programas agrícolas direcionados e redes de proteção social podem atenuar os efeitos potencialmente negativos de
mudanças globais e desastres ambientais provocados pela ação humana ao favorecer atividades de subsistência,
segurança alimentar, qualidade alimentar e capacitação da mulher e possibilitar a ampla cobertura em escala de
indivíduos e famílias em risco nutricional.
• Existem evidências limitadas sobre a efetividade dos programas agrícolas direcionados à nutrição materno-infantil,
com exceção do combate à carência de vitamina A. É preciso fortalecer metas e ações nutricionais e empreender
avaliações rigorosas da efetividade.
• A viabilidade e a efetividade da batata-doce de polpa alaranjada biofortificada e rica em vitamina A em aumentar a
ingestão materno-infantil de vitamina A e combater a carência desta vitamina foram demonstradas. Há o acúmulo de
dados sobre a efetividade da biofortificação com outros micronutrientes e combinações de culturas.
• As redes de proteção social são um poderoso instrumento para combater a pobreza, mas ainda é pouco aproveitado
o seu potencial benéfico para a nutrição materna e o desenvolvimento infantil. As metas e intervenções de
programas nutricionais e a qualidade dos serviços devem ser reforçados.
• Combinar intervenções nutricionais e de desenvolvimento na primeira infância pode ter efeitos aditivos ou
sinérgicos para o desenvolvimento infantil e, em alguns casos, efeitos nutricionais. Integrar intervenções nutricionais
e de estimulação se justifica do ponto de vista programático e pode reduzir custos e aumentar benefícios nutricionais
e de desenvolvimento.
19 Resumo executivo • O nível de escolaridade dos pais é constantemente associado a efeitos nutricionais positivos. O ambiente escolar,
embora ainda pouco explorado, é propício à inclusão da nutrição no currículo escolar e à prevenção e ao tratamento
da desnutrição ou obesidade.
• A depressão materna é um importante determinante da falta de cuidados gerais e de saúde adequados e está
associada à má nutrição e desenvolvimento infantil desfavorável. Intervenções pertinentes devem ser integradas aos
programas sensíveis à nutrição.
• Os programas sensíveis à nutrição oferecem uma ótima oportunidade de atuar em meninas na adolescência (no
período pré-concepcional) e, possivelmente, de expandir as ações em escala por intermédio de programas de base
escolar e familiar.
• Pode-se conferir maior sensibilidade à nutrição dos programas com a definição clara do segmento populacional
prioritário, uso dos problemas para gerar demanda pelos serviços oferecidos nos programas, reforço das metas
nutricionais, concepção e implantação e otimização da nutrição, alocação de tempo, saúde física e mental e
capacitação da mulher.
Avaliações rigorosas do impacto, principalmente baseadas em uma análise profunda da teoria e
do curso de impacto dos programas, estão sendo realizadas. Estão sendo analisadas as falhas
centrais verificadas em avaliações anteriores assim como os diversos efeitos nutricionais e de
desenvolvimento infantil e os resultados em termos de gênero e do agregado familiar ao longo do
curso de impacto. As evidências produzidas nos programas aprimorados e nas avaliações nos
próximos 5 a 10 anos serão de vital importância para ditar o rumo dos investimentos futuros em
programas sensíveis à nutrição nos vários setores.
Criação de um ambiente favorável para efeitos nutricionais
O panorama da nutrição mudou profundamente desde 2008. A série de 2008 mostrou que
o sistema de nutrição era mal gerido e completamente fragmentado em termos de mensagens,
prioridades e financiamento5.
[quadro]
Principais considerações sobre ambientes facilitadores para a nutrição
• As experiências dos países revelam que a redução das taxas de desnutrição pode ser acelerada com ação
deliberada.
• Políticos e formuladores de políticas imbuídos do propósito de promover o crescimento amplo e prevenir o
sofrimento humano devem priorizar investimentos na expansão em escala de intervenções nutricionais específicas e
maximizar a sensibilidade à nutrição de processos de desenvolvimento nacional.
• As conclusões de estudos de processos políticos e de governação em nutrição concordam, em geral, nos três
alicerces que definem os ambientes facilitadores: conhecimento e evidências, política e governação e capacidade e
recursos.
• Enquadrar o combate à desnutrição como uma questão apolítica é contraproducente e revela uma visão estreita do
problema. O cálculo político é a base para a coordenação efetiva entre os setores, níveis nacional e subnacional,
participação ativa do setor privado, captação de recursos e prestação de contas do Estado aos seus cidadãos.
• O compromisso político pode ser obtido em curto espaço de tempo e precisa ser bem aproveitado, pois a conversão
em resultados requer um conjunto diverso de estratégias e competências.
• A liderança para nutrição em todos os níveis e de prismas diferentes é de fundamental importância para ganhar
impulso e convertê-lo em resultados.
20 Resumo executivo • Acelerar e sustentar o progresso em nutrição não será possível sem o apoio nacional e mundial a um processo de
longo prazo que fortaleça as capacidades organizacionais e sistêmicas.
• O setor privado tem potencial considerável de acelerar as melhorias em nutrição, porém estes esforços têm sido
dificultados pela pouca credibilidade das evidências e falta de confiança. É preciso dar mais atenção a estas questões
para efetivar o potencial positivo.
• Com a mudança do foco para a ação, pesquisas operacionais sobre distribuição, implantação e expansão em escala
de intervenções e análises contextuais sobre como conformar e sustentar ambientes facilitadores são fundamentais.
Houve um bom progresso desde então, em grande parte impulsionado pela nova base de
evidências apresentada na série de 2008. Nela se identificou os primeiros 1000 dias de vida como
sendo a lacuna determinante dos desfechos, destacou-se um conjunto de intervenções efetivas
para combater a desnutrição e propôs-se priorizar o investimento em um grupo de países com
alta carga de doença.
O lançamento do Movimento SUN em 2010 representou um grande passo para melhorar
a gestão global do sistema de nutrição18,19. O Movimento SUN reúne mais de 100 entidades da
comunidade de organizações da área de nutrição. Até o presente, mais de 30 países (que
contabilizam 35% da carga mundial de déficit estatural infantil) filiaram-se ao movimento
comprometendo-se em expandir em escala intervenções nutricionais diretas e promover o
desenvolvimento sensível à nutrição. Apesar de ainda ser muito cedo para avaliar o efeito na
redução das taxas de desnutrição, é evidente que o movimento possibilitou a muitos países fazer
avanços ao criar plataformas formadas por várias partes interessadas em diversos setores, alinhar
os programas nutricionais relevantes em um sistema comum de resultados e captar recursos
nacionais.
A nutrição ascendeu em prioridade na agenda global. Praticamente todos os principais
órgãos de desenvolvimento publicaram documento político sobre desnutrição e as entidades
doadoras aumentaram em mais de 60% o auxílio oficial ao desenvolvimento concedido para
nutrição básica entre 2008 e 2011, apesar da crise econômica. A nutrição ocupa hoje um lugar
mais proeminente nas agendas da ONU, do G8 e do G20 e da sociedade civil.
O impulso atual para nutrição é ainda maior do que 5 anos atrás. As metas da AMS para
reduzir o déficit estatural, déficit ponderal, baixo peso ao nascer, anemia e excesso de peso e
aumentar o aleitamento materno exclusivo nos primeiros 6 meses de vida podem ser alcançadas
em 2025 se houver o devido apoio21. Criar um ambiente propício ao compromisso e garantir que
este se transforme em resultados é crucial para ampliar o apoio.
Melhoria de dados, pesquisas e responsabilidade por resultados
Dados sobre nutrição oportunos e com credibilidade, apresentados de forma acessível,
podem servir de subsídios aos governos e outros atores ao enfrentarem circunstâncias difíceis e a
organizações da sociedade civil para que assumam responsabilidade pela efetividade das próprias
intervenções9. A evolução dos sistemas de informação de gestão da saúde e a disponibilidade
crescente de novas tecnologias facilitam o monitoramento em tempo real dos efeitos nutricionais
e a cobertura e a qualidade dos programas e deve ser estudada. Apesar do progresso no
planeamento dos custos para combater a desnutrição, é fundamental continuar contextualizando e
21 Resumo executivo explicitando estes custos nos diferentes países, junto com a firme designação de doadores e
gastos do governo, a fim de melhorar o controle dos investimentos e resultados em nutrição.
É necessário melhorar a qualidade dos dados sobre deficiências de micronutrientes e
outros agravos nutricionais ao nível nacional e subnacional. Isso requer o desenvolvimento e uso
de biomarcadores melhores para descrever os agravos nutricionais e ampliar o conhecimento
sobre como eles afetam a saúde e o desenvolvimento. Este aporte é necessário para estabelecer o
rumo dos programas de intervenção nos países e as prioridades de apoio em nível mundial.
Apesar do considerável progresso em estabelecer as necessidades em nutrição, não existe
um processo sistemático para agregar as evidências sobre implantação para que sirva de base
para a expansão em escala do enorme conjunto de intervenções nutricionais específicas e
intervenções sensíveis à nutrição com qualidade e equidade – a “ciência da implantação”. Tais
evidências são determinantes para garantir o direcionamento de investimentos futuros às
iniciativas com resultados comprovados.
Além disso, são necessárias sólidas plataformas nacionais de monitoramento e avaliação
para cobrar responsabilidade de prestadores de serviços, governos, entidades doadoras e setor
privado pela qualidade e efetividade dos seus investimentos em nutrição9. Mais compromisso e
responsabilidade com a nutrição podem ser conseguidos com a avaliação e implantação de
instrumentos e mecanismos inovadores, como sistemas informáticos de monitoramento, índices
de compromisso e mecanismos de responsabilidade social.
Participação ativa e regulação do setor privado
A extensão, competência, alcance, recursos financeiros e envolvimento do setor privado
em ações que favorecem o estado nutricional são bastante conhecidos9. Porém, foram realizadas
poucas avaliações independentes e rigorosas da efetividade do envolvimento do setor comercial
em nutrição. Existe ainda grande desconfiança do setor privado, sobretudo da indústria dos
alimentos, em parte devida a décadas de disputas relacionadas à comercialização de substitutos
do leite materno em países em desenvolvimento e continuidade do estudo de mercado de bebidas
açucaradas e alimentos de confecção e serviço rápidos em todo o mundo.
Esta história conturbada tem dificultado ao setor privado tornar-se o pivô responsável por
gerar e sustentar coletivamente o impulso para reduzir os índices de desnutrição. Talvez esteja se
perdendo uma grande oportunidade tendo em vista as necessidades e os enormes recursos,
influência e poder de convocação do setor privado. Defesa da causa, monitoramento, cadeias de
valor, cooperação técnico-científica e fortificação de alimentos básicos são formas incontestáveis
de colaboração e poderiam ser mais bem aproveitadas. O conhecimento nesta área precisa de
crescer rapidamente para conduzir o setor privado a obter resultados mais positivos em nutrição.
Esforços fiscais e de regulação são essenciais quando há o envolvimento do setor privado
na comercialização de produtos prejudiciais à nutrição ideal. A experiência adquirida com o
Código Internacional de Comercialização de Substitutos do Leite Materno deve ser aplicada na
divulgação de outros produtos alimentares prejudiciais de amplo consumo entre crianças
pequenas.
22 Resumo executivo Captação de recursos
Os países com alta carga de desnutrição, assim como as entidades doadoras, órgãos
multilaterais e setor privado, têm a responsabilidade de aumentar as dotações a programas
nutricionais específicos e programas sensíveis à nutrição. Para cobrir o déficit estimado de US$
9,6 bilhões em financiamento, os doadores terão de investir mais e os países de renda baixa e
média terão de investir na mesma medida ou mais. Rubricas do orçamento para nutrição devem
ser criadas em países com alta carga da doença7. Por se tratar de uma meta politicamente
complexa, é preciso constituir liderança, compromisso e responsabilidade em nível nacional e
internacional9. Mas estas fontes dificilmente conseguirão sanar o déficit de financiamento. É
preciso inovar em todos os setores para alavancar recursos dos setores público e privado e gerar
outras fontes de financiamento. O setor de nutrição pode tomar emprestado várias ideias
inovadoras de outros setores, como contratos antecipados de mercado para incentivar o
investimento, taxas de mercado e impostos. Mais recursos devem ser canalizados não apenas
para intervenções, mas para criar ambientes favoráveis ao avanço da nutrição, como capacidade
e liderança em todos os níveis de governo9. Um enfoque de economia política priorizando tais
investimentos é crucial para criar espaços sustentáveis e favorecedores para o estabelecimento de
agendas de longo prazo para nutrição.
Nutrição é fundamental para o desenvolvimento individual e nacional. Esta série destaca
as evidências de que nutrição adequada é fundamental para o alcance de diversas metas de
desenvolvimento. A Agenda para o Desenvolvimento pós-2015 deve priorizar a abordagem de
todos os tipos de desnutrição como um de seus objetivos principais.
A nossa oportunidade de expandir a nutrição em escala é agora22. Nunca existiu impulso
nacional e internacional tão grande para resolver o problema da nutrição humana, segurança
alimentar e necessidades de saúde relacionadas. Devemos trabalhar juntos para não deixar esta
oportunidade escapar.
23 Resumo executivo Referências
1
2
3
4
5
6
7
8
9
Black RE, Allen LH, Bhutta ZA, et al, for the Maternal and Child Undernutrition Study
Group. Maternal and child undernutrition: global and regional exposures and health
consequences. Lancet 2008; 371: 243–60.
Bhutta ZA, Ahmed T, Black RE, et al, for the Maternal and Child Undernutrition Study
Group. What works? Interventions for maternal and child undernutrition and survival.
Lancet 2008; 371: 417–40.
Victora CG, Adair L, Fall C, et al. Maternal and child undernutrition: consequences for
adult health and human capital. Lancet 2008; 371: 340-57.
Bryce J, Coitinho D, Darnton-Hill I, et al, for the Maternal and Child Undernutrition
Study Group. Maternal and child undernutrition: effective action at national level. Lancet
2008; 371: 510–26.
Morris SS, Cogill B, Uauy R, for the Maternal and Child Undernutrition Study Group.
Effective international action against undernutrition: why has it proven so difficult and
what can be done to accelerate progress? Lancet 2008; 371: 608–21.
Black RE, Victora CG, Walker SP, and the Maternal and Child Nutrition Study Group.
Maternal and child undernutrition and overweight in low-income and middle-income
countries. Lancet 2013; published online June 6. http:// dx.doi.org/10.1016/S01406736(13)60937-X.
Bhutta ZA, Das JK, Rizvi A, et al, The Lancet Nutrition Interventions Review Group,
and the Maternal and Child Nutrition Study Group. Evidence-based interventions for
improvement of maternal and child nutrition: what can be done and at what cost? Lancet
2013; published online June 6. http://dx.doi. org/10.1016/S0140-6736(13)60996-4.
Acknowledgments Maternal and Child Nutrition Study Group: Robert E Black (Johns
Hopkins Bloomberg School of Public Health, USA), Harold Alderman (International
Food Policy Research Institute, USA), Zulfiqar A Bhutta (Aga Khan University,
Pakistan), Stuart Gillespie (International Food Policy Research Institute, USA), Lawrence
Haddad (Institute of Development Studies, UK), Susan Horton (University of Waterloo,
Canada), Anna Lartey (University of Ghana, Ghana), Venkatesh Mannar (The
Micronutrient Initiative, Canada), Marie Ruel (International Food Policy Research
Institute, USA),
Ruel MT, Alderman H, and the Maternal and Child Nutrition Study Group. Nutritionsensitive interventions and programmes: how can they help to accelerate progress in
improving maternal and child nutrition. Lancet 2013; published online June 6.
http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(13)60843 0.
Gillespie S, Haddad L, Mannar V, Menon P, Nisbettt N, and the Maternal and Child
Nutrition Study Group.The politics of reducing malnutrition: building commitment and
accelerating
progress.
Lancet
2013;
published
online
June
6.
http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(13)60842-9.
24 Resumo executivo 10 Maternal and Child Nutrition Study Group. Maternal and child nutrition: building
momentum for impact. Lancet 2013; published online June 6. http://
dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(13)60988-5.
11 Horton R, Lo S. Nutrition: a quintessential sustainable development goal. Lancet 2013;
published online June 6. http://dx.doi.org/10.1016/S01406736( 13)61100-9.
12 Lemma F, Matji J. Delivery platforms for sustained nutrition in Ethiopia. Lancet 2013;
published online June 6. http://dx.doi.org/10.1016/S01406736( 13)61054-5.
13 Taylor A, Dangour AD, Reddy KS. Only collective action will end undernutrition. Lancet
2013; published online June 6. http://dx.doi. org/10.1016/S0140-6736(13)61084-3.
14 Nabarro D. Global child and maternal nutrition—the SUN rises. Lancet 2013; published
online June 6.http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(13)61086-7.
15 Pinstrup-Andersen P. Nutrition-sensitive food systems: from rhetoric to action. Lancet
2013; published online June 6. http://dx.doi.org/10.1016/ S0140-6736(13)61053-3.
16 Scaling Up Nutrition. Progress report from countries and their partners in the Movement
to Scale Up Nutrition. NewYork: UN, 2011.
17 Shekar M, Ruel-Bergeron J, Herforth A. Module A. Introduction. In: Improving nutrition
through multisectoral appraoches. Washington, DC, International Bank for
Reconstruction and Development, International Development Association of The World
Bank, 2013.
18 Scaling Up Nutrition. A framework for action. http://wwwunscnorg/files/
Announcements/Scaling_Up_Nutrition-A_Framework_for_Actionpdf (accessed April 2,
2013).
19 Bezanson K, Isenman P. Scaling up nutrition: a framework for action. Food Nutr Bull
2010; 31: 178–86.
20 Horton S, Steckel R. Global economic losses attributable to malnutrition 1990–2000 and
projections to 2050. In: Lomborg B, ed. How much have global problems cost the world?
Cambridge: Cambridge University Press, 2013.
21 WHO. Proposed global targets for maternal, infant and young child nutrition. WHO
Discussion Paper. Geneva: World Health Organization, 2012.
22 Dube L, Pingali P, Webb P. Paths of convergence for agriculture, health, and wealth.
Proc Natl Acad Sci USA 2012; 109: 12294–301. Cesar Victora (Universidade Federal de
Pelotas, Brazil), Susan Walker (The University of the West Indies, Jamaica), Patrick
Webb (Tufts University, USA) Funding: Funding for the preparation of the Series was
provided to the Johns Hopkins School of Public Health through a grant from the Bill &
Melinda Gates Foundation. The sponsor had not role in analysis or interpretation of the
evidence.
Direitos autorais da imagem da capa: Corbis
25 
Fly UP