...

A Música Independente no Brasil - Portcom

by user

on
Category: Documents
3

views

Report

Comments

Transcript

A Música Independente no Brasil - Portcom
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Uerj – 5 a 9 de setembro de 2005
A Música Independente no Brasil: Uma Reflexão1
Eduardo Vicente2
Universidade Anhembi-Morumbi
Resumo
Este artigo busca comparar os dois principais momentos da produção musical
independente no país representados, respectivamente, pela atuação de Antonio Adolfo e
do selo Lira Paulistana, no início da década de 80, e pelo ressurgimento da cena
verificado na década seguinte. Seu objetivo principal é buscar a articulação entre essa
produção e as estratégias de atuação desenvolvidas pelas grandes gravadoras,
procurando vislumbrar, a partir daí, os possíveis espaços para a ampliação desse espaço
mais democrático e diversificado de produção cultural.
Palavras-chave
Indústria Cultural; Produção Musical; Música Independente
A Articulação da Cena
Mesmo que não possa ser apontado como um trabalho pioneiro, o disco “Feito
em Casa” (1977), de Antônio Adolfo é, sem dúvida, um marco para produção musical
independente no país 3 . Isso se deve ao fato de que, a partir de seu lançamento, verificouse, pela primeira vez, a formação de uma cena musical autônoma e razoavelmente
articulada. Entendo que o processo de reorganização por que então passava a indústria
fonográfica no país possa ser apontado como o principal fator a motivar essa opção pela
produção independente. Esse é o tema pelo qual irei iniciar esse artigo.
1
Trabalho apresentado ao NP 10 – Políticas e Estratégias de Comunicação, do V Encontro dos Núcleos de Pesquisa
da Intercom
2
Mestre em Sociologia pela UNICAMP e doutor em Comunicação pela ECA/USP. Atualmente, trabalha como
professor e coordenador de projeto experimental no curso de Rádio e TV da Universidade Anhembi-Morumbi, além
de ser membro do Conselho Gestor do Núcleo de Comunicação e Educação (NCE) da ECA/USP.
[email protected] .
3
Um caso frequentemente citado é o do LP Paêbirú, de Lula Cortes e Zé Ramalho, de 1972, que foi gravado nos
estúdios da Rozemblit e lançado pela Abrakadabra Produções Artísticas, Disco Independentes S/A, Jornal do Brasil,
01/07/1981. Já Tinhorão, cita os selos criados por Severio Leonetti e João Gonzaga ainda na década de 10, A onda
dos independentes, Jornal do Brasil, 30/08/1980.
1
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Uerj – 5 a 9 de setembro de 2005
Até o final dos anos 70, a constante expansão do mercado levara as indústrias –
mais numerosas, menos segmentadas e permanentemente beneficiadas pelos incentivos
fiscais à produção de música nacional – a assimilar praticamente todo o leque de
tendências e artistas surgidos no meio urbano, havendo assim poucos motivos para a
constituição de uma cena independente organizada.
Porém, a grande crise econômica enfrentada pelo país na década de 80, o cenário
muda completamente: a indústria aumenta sua seletividade, racionaliza sua atuação,
reduz os seus elencos e passa a marginalizar artistas menos imbuídos de sua lógica ou
não classificáveis dentro dos segmentos de mercado que passa a privilegiar4 . Nesses
termos, uma cena independente surge tanto como espaço de resistência cultural e
política à nova organização da indústria quanto como única via de acesso ao mercado
disponível para um variado grupo de artistas. Essa contradição tenderá a alimentar todo
o debate acerca da cena independente desenvolvido no período. Helio Ziskind e Lelo
Nazario – músicos profundamente envolvidos com essa produção – sintetizaram bem
essas posições.
Escrevendo para a Folha de São Paulo em 14/03/1982, Ziskind busca
desmistificar o movimento independente afirmando que:
Não se pode dizer que a música veiculada por um disco independente não possa ser
registrada por uma gravadora. Como também não se pode dizer que um
determinado disco não precisava ser independente. Não há uma relação de
necessidade entre música e disco independente... o fato da produção independente
permitir uma maior liberdade não significa necessariamente que a música por ela
veiculada seja mais livre, mais avançada ou incompatível com as grandes
gravadoras. Ser independente não é qualidade musical, pode ser apenas uma
contingência... No entanto, o termo independente acaba sendo usado para identificar
um certo tipo de confusão entre independência e novidade 5 .
Desse modo, a produção independente surgiria como uma estratégia possível
dentro da carreira do artista (qualquer artista) que, a princípio, não implicaria
necessariamente num questionamento da estrutura da indústria do disco e, menos ainda,
da sociedade como um todo. Entendo que a posição de Ziskind reforça a idéia de que
nos encontrávamos muito mais diante de uma reorganização do que propriamente de
uma crise do mercado ou do modelo de produção da grande indústria. Mas Lelo
Nazario, escrevendo ao mesmo jornal na semana seguinte, não interpreta as coisas desse
4
5
Basicamente o rock, a música romântica e a música infantil.
O disco independente, Folha de São Paulo, 14/03/1982
2
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Uerj – 5 a 9 de setembro de 2005
modo. Para ele, os significados de sua produção (e da postura independente de um modo
geral) são muito mais profundos, inscrevendo-se entre as formas de resistência a uma
“sociedade industrial totalitária”. Nesse sentido, afirma que
...arte independente é toda aquela que, partindo de uma nova ordem de
valores que contrariam visceralmente os valores comerciais do sistema,
pretende transformar aqueles que se dispõem a transformar a sociedade de
armazém de mercadorias em um ambiente humano, onde as relações entre
as pessoas não sejam mais regidas pelos interesses impostos de cima para
baixo, mas pelos desejos autênticos dos indivíduos: os que suscitam a arte e
a produzem... O que vem acontecendo com a música produzida de modo
independente é muito simples: em sua grande maioria não se enquadra
nesse conceito de independência, reproduz valores estéticos estabelecidos e
deverá ser fácil e perfeitamente absorvida 6 .
Vale lembrar que esta relação entre produção independente e contestação
política não é original do cenário brasileiro: já estava fortemente inscrita no contexto da
cena musical norte-americano, estando sua origem vinculada, segundo Lee, ao discurso
ideológico do rock´n roll (Lee, 1995: 13). De qualquer forma, e mesmo entendendo as
motivações de Nazario, não seria difícil interpretar o surgimento dessa cena
independente também como resultado da interiorização da racionalidade da indústria
por parte dos artistas. São vários os argumentos a reforçar essa tese.
Em primeiro lugar, aquele apontado por Ziskind acerca da não existência de uma
ligação clara entre a produção independente e a atuação de um grupo política e
esteticamente coeso. Talvez o que houvesse fosse na verdade a impressão de uma
ligação, dada muito mais pelo espaço que um determinado grupo de criadores
(vinculado, em grande parte, ao projeto do Lira Paulistana) ocupava junto à crítica e à
mídia escrita do que propriamente pelo volume de sua produção. A alternativa
independente foi, na verdade, largamente utilizada também por artistas que atuavam em
mercados regionais, na música sertaneja, na música instrumental e em segmentos do
rock ignorados pelas grandes gravadoras7 . Isso, no meu entender, reforça a idéia de que
6
A mistificação dos discos independentes, Folha de São Paulo, 21/03/1982.
Sobre os mercados sertanejo e regional, o Correio Braziliense oferece uma numerosa relação de artistas
(principalmente de Goiás e do Distrito Federal) em Música sertaneja, a melhor receita, Correio Braziliense,
12/08/1983. Segmentos do rock como o punk e o heavy metal, entre outros, formariam a partir do final dos anos 70 a
chamada cena underground ou do rock alternativo brasileiro. Um dos pioneiros nessa área foi Luiz Carlos Calanca
que, a partir de sua loja de discos Baratos Afins, fundada em 1978, criou em 82 o selo de mesmo nome pelo qual
gravaram Ratos de Porão, Voluntário da Pátria, Bocato, Nau, As Mercenárias, Gueto, 365, Fellini, Akira S. e Arnaldo
Baptista, entre outros, Dez anos de ousadia, Jornal da Tarde, 02/02/1988.
7
3
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Uerj – 5 a 9 de setembro de 2005
nos encontrávamos diante de um processo de maior segmentação do mercado e
autonomização de diferentes cenas musicais.
Em segundo, a atuação bem sucedida dentro do mercado independente implicava
num alto grau de compreensão dos aspectos envolvidos na produção e comercialização
do disco. A esse respeito, o próprio Antônio Adolfo afirmava: “eu mesmo lanço e
comercializo meus discos. Produzo a parte musical, faço a capa, mando prensar – há
fábricas que fazem esse trabalho – mando imprimir e viajo por todo o Brasil, indo
pessoalmente vender nas lojas o LP”8 .
Outro fator a ser considerado é que nomes de maior destaque da cena
independente como Boca Livre e Oswaldo Montenegro, entre outros, aceitaram
rapidamente os convites feitos por grandes gravadoras para integrar seus elencos9 . Isso
mostra, no meu entender, que a cena já desempenhava também o papel de campo de
formação e teste de viabilidade para novos artistas que podiam, posteriormente, ser
assumidos com menor risco pelas grandes gravadoras.
Além disso, a cena independente acabava cumprindo (embora em proporções
limitadas) também o papel de prospectar novos mercados, respondendo com maior
precisão à sua crescente segmentação e constantes mudanças. Analisado sob esse
aspecto, o projeto do Lira Paulistana parece-me exemplar.
O Teatro Lira Paulistana foi inaugurado no bairro de Pinheiros no final de 1979
e polarizou, a partir de então, a cena e mesmo o debate sobre a produção musical
independente no país 10 . Se até seu advento os nomes de destaque nesse campo eram
Antônio Adolfo, Francisco Mário, Boca Livre, Céu da Boca e Luli & Lucinha, entre
outros, o Lira trouxe a público um novo grupo, formado por artistas como Arrigo
Barnabé, Itamar Assumpção, Premeditando o Breque, Passoca e Língua de Trapo. O
Lira não foi um movimento musical, mas uma iniciativa empresarial que consistiu na
montagem de um núcleo de produção e difusão artística formado por um teatro, uma
gráfica e um selo fonográfico, tendo sido esse último criado em 1981. Esse núcleo
permitiu a aglutinação dos artistas acima citados e forneceu os meios de seu acesso ao
8
O feito em casa em busca de um lugar, Folha de São Paulo, 28/10/1979.
Oswaldo Montenegro assinou com a WEA em 1979 e o Boca Livre com a EMI em 1981. Além deles, assinaram
com grandes gravadoras nomes lançados pelo selo Baratos Afins como 365 (Continental), Nau (CBS) e Gueto
(WEA), entre outros, O kamikaze do disco conta tudo, O Estado de São Paulo, 19/04/1987.
10
O teatro foi montado em um porão
9
4
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Uerj – 5 a 9 de setembro de 2005
público. Iná Camargo Costa (1984b) fez uma análise pormenorizada desse projeto que
eu gostaria de retomar aqui.
Em primeiro lugar, Iná atribui a criação do projeto a um diagnóstico de Wilson
Souto Jr (o “Gordo”), seu idealizador, acerca da “existência de um público insatisfeito
com a produção cultural” formado principalmente por “estudantes universitários ou já
graduados, mais ou menos atentos às transformações sociais (e políticas) porque vinha
passando o país; um tanto quanto na vanguarda das assim chamadas mudanças de
comportamento... mas com um detalhe bastante significativo: de baixo poder aquisitivo”
(Costa, 1984b: 34). Ao mesmo tempo, era considerada a existência de “uma produção
cultural emergente, marginalizada pelos espaços institucionais e que vinha sobrevivendo
em porões particulares, garagens e consumida apenas pelos amigos mais próximos”.
Nesses termos, o Lira iria se constituir no “ponto fixo de encontro entre a nova
produção e o público que a ‘procurava’” (idem: 35). Assim, a criação do teatro e a
expansão do núcleo correspondem a um cálculo das potencialidades do mercado em que
pretendia atuar. Nessa sua trajetória, o projeto chegou inclusive a obter o patrocínio de
uma multinacional (a US Top) para uma série de eventos que promoveu e, ao final de
1982, a associar-se – através de seu selo fonográfico – à gravadora Continental (Idem:
36). Sem prejuízo do importante papel cultural que exerceu, parece-me evidente que o
Lira desenvolveu-se, desde seu início, enquanto um projeto capitalista, que visava
garantir lucros para seus promotores.
Analisando-se de certa distância, não seria difícil ficar com uma impressão de
fracasso em relação ao projeto independente dos anos 80, já que muitas das iniciativas
então desenvolvidas acabaram não tendo continuidade.
Em 1980, por exemplo, foi criado um departamento voltado para a produção de
discos independentes dentro da Coomusa (Cooperativa dos Músicos Profissionais do
RJ), que deveria encarregar-se da divulgação e distribuição dos trabalhos produzidos11 .
Em 81, porém, Antônio Adolfo considerava que a experiência não obtivera êxito12 .
Assim, acabou sendo criada, em 16/05/1982, a APID – Associação dos Produtores
Independentes de Discos. A Associação era presidida por Antônio Adolfo, tendo Chico
Mário como vice. Porém, “devido à crise geral do disco na segunda metade da década
11
A Coomusa oferecia ainda um selo para a gravação dos discos, poupando aos independentes a necessidade de abrir
uma empresa, Os novos músicos com boca livre, Jornal Movimento, 03 à 09/03/1980
12
Disco Independente S/A, Jornal do Brasil, 01/07/1981
5
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Uerj – 5 a 9 de setembro de 2005
de 80”, ambos decidiram que a associação “deveria ficar congelada, até que tivesse
condições de ser reacesa”13 .
Já no campo da distribuição, que Helio Ziskind considerava o mais problemático
para os independentes14 , a principal iniciativa deveu-se a Cesare Benvenuti que, no final
dos anos 70, organizou a distribuição do selo Eldorado. Como eram poucos os produtos
da Eldorado a distribuir, Benvenuti passou a realizar esse serviço também para discos
independentes, estando entre eles o primeiro trabalho do Boca Livre (Boca Livre) que,
em 1980, vendeu perto de 100 mil cópias. Animado com os resultados, Benevenuti
acabou por criar uma nova empresa – a Distribuidora Independente – para atender o
setor15 . Esta, porém, acabou não sobrevivendo ao final do Plano Cruzado.
Finalmente, temos todo o projeto do Lira e, principalmente, sua associação à
gravadora Continental. O projeto conjunto trazia uma série de inovações e previa, entre
outras coisas, uma divisão mais equilibrada dos lucros entre empresas e artistas; apoio
para shows e obtenção de patrocínios; mapeamento dos espaços que poderiam sediar
eventos em todo o país e a criação, em outros estados, de núcleos de produção (ou de
aglutinamento da produção) nos moldes do Teatro Lira16 . Infelizmente, a iniciativa
conjunta jamais decolou, tendo sido definitivamente encerrada em 1987, juntamente
como as atividades do Teatro e de todo o restante do núcleo17 .
Seria fácil atribuir esse aparente fracasso à falta de uma visão mais comercial
por parte dos artistas envolvidos no setor, às dificuldades de distribuição e divulgação
enfrentadas pelos independentes, ao boicote das grandes companhias, etc. Em alguma
medida, todos esses fatores estiveram presentes. No entanto, eu entendo essa
inviabilização de um projeto independente em maior escala muito mais como índice da
precariedade do capitalismo nacional como um todo do que enquanto resultado de
fatores particulares. A espiral inflacionária, o atraso tecnológico da indústria, as
constantes mudanças nas regras econômicas, os problemas de fornecimento de matériaprima, etc, tornariam o cenário da segunda metade da década problemático até mesmo
para o planejamento das grandes companhias...
13
Conforme depoimento via e-mail que Antônio Adolfo me concedeu em 31/05/2001.
O disco independente, Folha de São Paulo, 14/03/1982
15
Disco Independente S/A, Jornal do Brasil, 01/07/1981
16
Lira Paulistana, o novo sócio da Continental, Folha de São Paulo, 28/11/1982
17
O kamikaze do disco conta tudo, O Estado de São Paulo, 19/04/1987.
14
6
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Uerj – 5 a 9 de setembro de 2005
Nesse sentido, acredito que o projeto independente dos anos 80 esteve, na
verdade, adiante do seu tempo e das condições materiais que, nos anos 90, iriam
possibilitar a sua (espero) definitiva implementação. É para essa questão que nos
voltaremos a seguir.
A Cena Independente dos anos 90
Embora entre no início dos 80 tenha, como vimos, sido esboçado um projeto de
produção musical independente no país, foi só nos anos 90 que essa cena mostrou-se
vigorosa o suficiente para substituir a grande indústria nas tarefas de prospecção,
formação e gravação de novos artistas. Mas não foram unicamente os fatores
tecnológicos que propiciaram esse ressurgimento: também dessa vez a crise da indústria
teve um papel decisivo pois, privilegiando desde o final dos anos 80 o sertanejo e a
música romântica, além de severamente atingida pela recessão de 1990, a indústria
demonstrava pouco interesse por segmentos como o rock e a MPB ou por artistas que
não apresentassem vendagens expressivas. Assim, em 1991, nomes como “Tim Maia,
Tetê Spíndola, Quarteto em Cy, Belchior, Guinga, Hélio Delmiro e Vinícius Cantuária...
só conseguiram gravar bancando o próprio trabalho”18 . Paralelamente, a partir de selos
independentes de diferentes pontos do país começavam a surgir novos nomes no cenário
do pop/rock nacional como Racionais MC´s (Zimbabwe), Raimundos (Banguela
Records) e Sepultura (Eldorado e, depois, Cogumelo), entre outros.
Diferentemente do que ocorrera no período anterior, a oposição ideológica entre
majors e indies, ou mesmo entre arte e mercado, pouco se fez presente em discursos e
debates. Independentemente de seu projeto ou área de atuação, interessava a esses
artistas e empresários mostrar seu profissionalismo e a viabilidade comercial de sua
produção, ou seja, afastar “a imagem de falta de acabamento e de precariedade sonora”
que caracterizara a cena independente de 15 anos antes. Para muitos deles, o conceito de
selo independente no Brasil ainda estava, como declarou Pena Schmidt, da Tinitus,
“muito associado à imagem do disco artesanal, praticado aqui nos anos 70” e concluía,
“ser independente é apenas ser dono do próprio negócio”19 . Veteranos como Arrigo
18
Império dos independentes contra-ataca, O Estado de São Paulo, 13/02/1992
Como se pode ver, nada poderia ser mais distante das preocupações expressas por Lelo Nazario na década anterior,
Imagem ainda é ‘artesanal’, Folha de São Paulo, 06/01/1993
19
7
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Uerj – 5 a 9 de setembro de 2005
Barnabé, Eliete Negreiros e o Grupo Rumo, por exemplo, agora gravavam pelo selo
independente Camerati, que “masteriza e fabrica seus CDs nos EUA com supervisão do
conceituado Toby Mountain, técnico que já gravou os Stones e Frank Zappa”20 . Pois,
como sintetizava Almir Chediak, fundador da editora Lumiar e, posteriormente, da
gravadora de mesmo nome, “o importante nas produções independentes é que elas não
tenham cara de independente”21 .
Esse reforço da idéia da profissionalização evidenciava uma nova e mais
pragmática relação entre independentes e mercado, uma compreensão compartilhada e
sem rodeios de sua lógica e realidade. Isso se deveu, em primeiro lugar, ao fato de
muitos dos novos proprietários de selos terem vindo dos quadros das majors,
normalmente descartados por políticas de contenção de custos e terceirização de
atividades. Dentre os profissionais que saíram da Warner, criaram suas próprias
empresas fonográficas Pena Schmidt (Tinitus), Conie Lopes (Natasha Records)22 e
Nelson Motta (Lux). Além deles, Mayrton Bahia, ex-Odeon e PolyGram, criou a
Radical Records23 ; Marcos Mazzola, também saído da PolyGram, criou a MZA e Peter
Klam, ex-diretor da Warner e da PolyGram, criou a Caju Music. Dentre os artistas que
eram ou já tinham sido contratados de grandes gravadoras, criaram suas próprias
empresas Ivan Lins e Vitor Martins (Velas), Dado Villa-Lobos (RockIt!), Marina Lima
(Fullgás), Ronaldo Bastos (Dubas) e Egberto Gismonti (Carmo), entre outros24 .
Em segundo lugar, a necessidade da compra, manutenção e operação dos
equipamentos, bem como a relação menos estável entre artistas e gravadoras, impunha a
necessidade da assimilação de um conjunto muito mais amplo de conhecimentos por
parte dos artistas, bem como da auto-administração de diversos aspectos de suas
carreiras. Assim, Cícero Pestana (o Dr. Silvana), ao criar com outros 4 sócios (3 deles
músicos) seu próprio estúdio, o Uptown, decretava em 1992: “acabou-se o tempo dos
músicos que sabiam apenas tocar. Hoje tem que entender estas maquininhas
(computadores)”. Moraes Moreira, ex-integrante dos Novos Baianos e da comunidade
hippie por eles formada nos anos 70, dava o tom dos novos tempos. Ao descrever a
República da Música, casarão de 3 pavimentos que abrigava seu estúdio e que
20
Imagem ainda é ‘artesanal’, Folha de São Paulo, 06/01/1993
O som da liberdade, Jornal do Brasil, 20/02/1992.
22
Além de Conie, são sócios na Natasha Paula Lavigne (esposa de Caetano Veloso) e Felipe Llerena, Independentes,
porém pragmáticos, O Globo, 26/02/1997
23
Mayrton Bahia lança novo selo radical para gravar bandas de rock, O Estado de São Paulo, 22/05/1993.
24
Independentes, porém pragmáticos, O Globo, 26/02/1997 e O som da liberdade, Jornal do Brasil, 20/02/1992.
21
8
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Uerj – 5 a 9 de setembro de 2005
compartilhava com seus técnicos no Rio declarava: “somos uma comunidade, mas com
visão profissional”25 .
Em terceiro lugar, ao crescente relacionamento entre majors e indies pois,
diferentemente do que ocorrera com o movimento independente dos anos 80, formas
bem sucedidas de associação entre as empresas tornaram-se freqüentes sendo que, em
1993, João Paulo Bandeira de Mello, diretor de marketing da EMI, descrevia a relação
entre a gravadora e os selos independentes que passara a distribuir como um dos pontos
positivos da crise26 .
Foram várias as indies que desenvolveram ou mesmo foram criadas em função
de relacionamentos de diferentes níveis com majors. Os contratos de distribuição eram e
continuam sendo – devido as dificuldades que essa área apresenta para as empresas
menores – os mais freqüentes. A Caju e a Excelente contavam com distribuição da
PolyGram; a Rock It, Radical, MP,B e Natasha tinham seus discos prensados e
distribuídos pela EMI; a Warner cuidava da distribuição do selo Zimbabwe27 , etc.
Essa maior proximidade entre majors e indies tendia a ser vista como natural por
muitos de seus proprietários. Brian Butler, da Excelente, explicava que a Polygram, ao
distribuir seus discos, acabava usando o selo como ‘laboratório’ de novas tendências28 .
Pena Schmidt, da Tinitus, declarava ter criado sua empresa visando, basicamente,
formar artistas para posterior repasse às majors (Dias, 2000: 141) e Cacá Prates, sócio
de Mayrton Bahia na Radical Records, considerava que a “tendência natural dos selos
independentes é servir de fonte para as grandes gravadoras”29 .
Assim, entendo poder afirmar que, ao longo dos anos 90, foi se constituindo uma
nova “ecologia” do mercado, com as gravadoras independentes passando a preencher
um espaço não mais ocupado pelas majors, cuidando tanto da formação de novos
artistas quanto da prospecção e atendimento a segmentos musicais emergentes ou de
mercado muito restrito.
Nesse cenário eu entendo que, como regra geral, gravadoras independentes que
operam com diversos segmentos ou com segmentos e artistas de projeção mais
‘nacional’ do que ‘regional’ tendem – diante dos problemas de divulgação e distribuição
25
O som da liberdade, Jornal do Brasil, 20/02/1992.
Chefões do disco vêem retomada das vendas, Folha de São Paulo, 10/05/1993
27
Caju e Kuarup resistem com lançamentos no exterior, O Estado de São Paulo, 13/02/1992; Montar gravadora está
mais barato, O Estado de São Paulo, 06/12/1996; Selos alternativos dinamizam o mercado, Folha de São Paulo,
06/01/1993 e Selos pequenos crescem à margem da mídia, Folha de São Paulo, 15/07/1994.
28
Montar gravadora está mais barato, O Estado de São Paulo, 06/12/1996.
29
Selos pequenos crescem à margem da mídia, Folha de São Paulo, 15/07/1994
26
9
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Uerj – 5 a 9 de setembro de 2005
envolvidos – a se associarem às grandes gravadoras30 . Aos selos realmente
independentes resta a prospecção de mercados regionais ou, como resume o advogado,
empresário e compositor José Carlos Costa Netto, da Dabliú Disco, “ter sua imagem
associada a algum segmento específico”31 .
Segmentos específicos seriam, no limite, aqueles não visados pelas majors. E
vários são os que se encaixam nessa definição: o da World Music e New Age, por
exemplo, é atendido quase que exclusivamente por selos independentes como o mineiro
Sonhos e Sons e os paulistas Azul Records, Alquimusic e MCD; o da música
instrumental, pelo carioca Visom e pelos paulistas Pau Brasil, Paulus e Núcleo
Contemporâneo; a MPB contemporânea ou de perfil mais regional é atendida
majoritariamente por selos independentes como Dabliú, Velas e Trama, de São Paulo,
Kuarup (RJ) e Dubas Music (MG), entre outros. Mesmo o segmento da música infantil,
que já foi o mais importante do mercado nacional, é abastecido em grande medida por
indies como Palavra Cantada, CID e Angels Records...
Gravadoras
independentes
também
têm
respondido
pela
recuperação
e
relançamento em CD de gravações históricas. Além da paranaense Revivendo
Músicas32 , que se dedica exclusivamente a essa atividade, merecem destaque as
iniciativas de gravadoras como Atração Fonográfica (que relançou o catálogo da
Funarte) e Núcleo Contemporâneo (por seu “Projeto Memória Brasileira”), entre outras.
Perspectivas
A década atual apresentou importantes variáveis ao cenário mais ou menos
idílico dos anos 90. A mais importante delas foi, sem dúvida, a grande crise da indústria
que, pressionada pela desvalorização do real, pela recessão econômica e pelo
crescimento da pirataria, despencou da 6ª posição no ranking mundial ocupada em entre
1995 e 1998 para o 12º lugar já em 2001. Essa situação trouxe óbvias dificuldades para
a sobrevivência das empresas independentes, além de afastar grandes gravadoras das
atividades de parceria com elas na prospecção de novos mercados.
Por outro lado, as amplas possibilidades de divulgação e distribuição musical
oferecidas pela internet, aliada à crescente concentração da atuação das majors em uns
30
Entre os independentes que são (ou foram em anos recentes) distribuídos por majors destacam-se, ainda, Natasha
Records, distribuída pela BMG; Dubas Music, distribuído pela Warner e Velas, distribuído pela Sony.
31
Abismo que separa as gravadoras fica maior, Jornal da Tarde, 29/01/2000
32
Leon Barg, o caçador de insucessos, O Estado de São Paulo, 16/11/1988.
10
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Uerj – 5 a 9 de setembro de 2005
poucos artistas e segmentos, aumentaram consideravelmente as possibilidades de
atuação de uma gravadora independente fora da esfera de influência das grandes
empresas.
Podemos apontar vários fatores a corroborar essa tendência de fortalecimento do
mercado independente, como a criação da ABMI – Associação Brasileira de Música
Independente, em 2001, ou a entrada do grande capital nacional nesse mercado
representada por gravadoras como a Trama (ligada ao Grupo VR) e a Biscoito Fino
(Banco Icatú).
Mas gostaria de concluir esse texto apontando para o grande espaço de atuação
dos independentes representado pelo que eu denomino como “circuitos autônomos” de
produção musical.
Considero enquanto circuitos autônomos aqueles que, sem a presença de grandes
gravadoras ou redes de mídia de alcance nacional, fornecem condições para as
apresentações musicais, produção, divulgação e venda de discos dos artistas que os
integram. Estes circuitos podem ter uma localização geográfica definida ou relacionarse a identidades étnicas, religiosas, urbanas, etc. Nos termos de sua viabilidade
econômica, considero três aspectos fundamentais para a sua constituição: 1) as
possibilidades de pulverização da produção musical e redução de seus custos
propiciadas pelas tecnologias digitais, que viabilizaram não só a criação de estúdios
locais, como também o retorno do investimento a partir da venda de quantidades cada
vez menores de discos. 2) o surgimento de redes locais de comunicação, como pequenas
emissoras de TV, rádios comunitárias, livres, piratas, etc, que tendem a incorporar a
produção dos artistas locais à sua programação, ao contrário do que ocorre com as
grandes redes de mídia. 3) a possibilidade da intercomunicação global – principalmente
pela Internet – que permite a ampliação do mercado potencial dessa produção (através
de migrantes que deixaram o local, grupos que partilhem os mesmos valores
identitários, etc).
Como exemplos de circuitos autônomos podem ser considerados os da música
religiosa, do rap, do funk carioca, do rock alternativo, dos CTGs (Centros de Tradição
Gaúcha), etc.
Estudar a produção fonográfica que se desenvolve nesses espaços praticamente
invisíveis para as grandes redes de mídia seria, sob o meu ponto de vista, o caminho
11
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Uerj – 5 a 9 de setembro de 2005
para conhecer a real diversidade da música brasileira e as grandes fontes para a sua
renovação.
Referências bibliográficas
BARNET R. J. e CAVANAGH J., If Music Be the Food of Love. In: Global Dreams, New
York, Simon & Shuster, 1994
BURNETT, Robert, The Global Jukebox. London & New York, Routledge, 1996
COSTA, I. C.“Quatro Notas sobre a Produção Independente de Música”. In: Arte em Revista.
Independentes, Ano 6, nº8, São Paulo, CEAC, 1984, p.06-21
COSTA, I. C.“Como se Tocaram as Cordas da Lira”. In: Arte em Revista. Independentes, Ano
6, nº8, São Paulo, CEAC, 1984, p.34-36
IFPI, The Recording Industry in Numbers 98: the definitive source of global music market
information, London, IFPI, 1998
____, The Recording Industry in Numbers 99: the definitive source of global music market
information, London, IFPI, 1999
____, The Recording Industry in Numbers 2002: the definitive source of global music market
information, London, IFPI, 2002
MÁRIO, Chico. Como Fazer um Disco Independente. Petrópolis, Vozes, 1986
TATIT, Luiz. Antecedentes dos Independentes. In: Arte em Revista. Independentes, Ano 6, nº8,
São Paulo, CEAC, 1984, p.30-34
TINHORÃO, José Ramos. Música Popular, Do Gramofone ao Rádio e TV, São Paulo, Ática,
1981
VICENTE, Eduardo. A Música Popular e as Novas Tecnologias de Produção Digital,
dissertação de Mestrado não publicada, Campinas, IFCH/UNICAMP, 1996.
VICENTE, Eduardo. A Indústria Fonográfica Brasileira Nos Anos 90: elementos para uma
reflexão, In: Arte e Cultura da América Latina: vol VI, n º 2, 2 º sem/99, São Paulo, CESA Sociedade Científica de Estudos da Arte/Fapesp, 1999, p: 71-96
12
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Uerj – 5 a 9 de setembro de 2005
YÚDICE, G. La Industria de la Musica en el Marco de la Integración América Latina –
Estados Unidos: Conferência apresentada no seminário “Integración Económica e Industrias
Culturales en América Latina y el Caribe”, Buenos Aires, jul/98. Texto fornecido pelo autor
ZAN, J. R. A Gravadora Elenco e a Bossa Nova. In: Cadernos da Pós-Graduação, Campinas,
IA/Unicamp, 1998, v.2, n.1, p. 64-70
13
Fly UP