...

uma análise da produção de sentido da trilha sonora em desfiles de

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

uma análise da produção de sentido da trilha sonora em desfiles de
Cordeiro de Deus: uma análise da produção de sentido
da trilha sonora em desfiles de moda
Renata Voss CHAGAS1
Resumo
O presente artigo aborda a utilização da trilha sonora como forma de produção de
sentido em desfiles de moda, considerando o desfile como acontecimento-espetáculo. A
trilha do desfile da coleção “Cordeiro de Deus”, do estilista Ronaldo Fraga é o objeto
aqui estudado, considerando a análise da música popular massiva pelo viés da
comunicação. Consideramos que a trilha sonora ajuda a criar certas ambiências e
sentidos determinados na estrutura dos desfiles.
Palavras-chave: Música. Moda. Comunicação.
Introdução
A moda é um fenômeno que a partir do século XIX passou a tomar conta do dia
a dia da população. Seja através das tendências que a cada estação estão presentes
prateleiras de lojas ou mesmo por programas de televisão – como novelas, séries, dentre
outros – que agendam certos estilos e o público passa a aderir a estes. O fato é que a
moda deixou de ser um fenômeno restrito às elites, passando a figurar também em
outras camadas sociais. Como afirma Souza (1987, p. 21),
é no século XIX, quando a democracia acaba de anular os privilégios de
sangue, que a moda se espalha por todas as camadas e a competição, ferindose a todos os momentos, na rua, no passeio, nas visitas, nas estações de água,
acelera a variação dos estilos, que mudam em espaços de tempo cada vez
mais breves.
Assim, até o final do século XIX o produto tinha apenas caráter funcional; Ou
seja, tinha que servir para alguma coisa – a comida para não passar fome, por exemplo.
O cenário que temos a partir desse momento é o do valor de troca, que compreende
outro entendimento das coisas, “a ética do consumo privilegia sua “inutilidade”
1
Mestre em Artes Visuais pela Universidade Federal da Bahia. Email: [email protected]
Ano IX, n. 02 – Fevereiro/2013
1
(ORTIZ, 2007, p. 119). Desse modo é isso que faz com que o mercado da moda se
desenvolva: o modo como o valor é agregado a peças que têm a mesma utilidade. Um
casaco que aparentemente serve apenas para aquecer o indivíduo do frio, pode ter o seu
valor pecuniário bastante variado dependendo da loja onde ele seja vendido, qual é a
marca, qual é o estilista, se é uma edição limitada – com quantidade restrita de peças,
etc.
O mercado da moda no Brasil funciona através do lançamento de coleções a
cada semestre: no verão é lançada a coleção do próximo inverno e no inverno é lançada
a coleção do próximo verão. É através desse processo que o mercado funciona: numa
estação é indicada o que se deve consumir para a próxima estação.
Os principais eventos que funcionam como vitrine para as criações dos
principais estilistas e marcas são a Casa de Criadores 2, o Fashion Rio3 e o São Paulo
Fashion Week, sendo este último tendo sua primeira edição em 1996 e se tornando um
dos principais eventos de moda do país. Pontuamos aqui a necessidade freqüente de
renovação para o funcionamento da indústria da moda, afinal “toda cultura massmidiática tronou-se uma formidável máquina comandada pela lei da renovação
acelerada, do sucesso efêmero, da sedução instável” (LIPOVETSKY, 1989, p. 205)
A realização de desfiles em eventos deste porte dá uma valorização ao estilista e
ao produto que ele produz. Por isso, há um ambiente de competição no universo da
moda no sentido de que uma roupa não é apenas uma roupa, é acima de tudo, uma
marca que tem sua identidade. Assim, ao nos vestirmos, não estamos somente
protegendo o corpo, mas sim adornando-o através das roupas que são símbolos e que a
sociedade irá ler e interpretar (SANT´ANNA, 2009). Seja pelo que significa utilizar tal
marca ou tal estilo de roupa. Sobre esse processo temos que:
A vestimenta é definida comumente como proteção que o homem criou
contra as intempéries. Esse pode ser o motivo pelo qual a humanidade veio a
cobrir-se pela primeira vez, porém, o ato de cobrir o corpo — seja com pele
animal ou tecidos rústicos — tornou-se um fator de diferenciação
sociocultural. O ato de vestir-se vai além do ato simples e mecânico de
proteção do corpo, o ser humano veste e adorna sua corporalidade com
símbolos que ele sabe que os outros de sua sociedade saberão ler. Ele escolhe
o que vestir. É uma seleção da imagem da pessoa como ser social,
2
A Casa de Criadores surgiu em maio de 1997 e tinha como objetivo principal era o de criar um espaço
que permitisse a estes estilistas uma proximidade maior com o mercado da moda brasileira. Seu foco era a
criação autoral genuína e a revelação de novos talentos que, a partir do evento, tivessem a oportunidade
de impulsionar suas carreiras. (CASA DE CRIADORES, 2009)
3
Evento de moda que acontece no Rio de Janeiro que teve sua primeira edição no ano de 2002 e funciona
através da apresentação de desfiles de diversas marcas.
Ano IX, n. 02 – Fevereiro/2013
2
conformando uma construção visual frente à sociedade, pois fala aos iguais,
aos que pertencem ao mesmo grupo e suas diferenças frente aos outros.
(SANT´ANNA, 2009, p. 01)
A moda é também uma forma de significar, pois através dela pode-se comunicar
um pouco da identidade. Ela é uma linguagem que, para Souza (1987, p. 29),
reconcilia o conflito entre o impulso individualizador de cada um de nós
(necessidade de afirmação como pessoa) e o socializador (necessidade de
afirmação como membro do grupo); exprime idéias e sentimentos, pois é uma
linguagem que se traduz em termos artísticos.
Assim, através da moda as pessoas se afirmam e também se afirmam como parte
integrante de determinado grupo: “A escolha de vestes indica o que, onde (no sentido
temporal e local da palavra), quem e, até mesmo como a pessoa vestida coloca-se frente
à sociedade, aos grupos com os quais interage e a si mesma.” (SANT´ANNA, 2009).
No entanto, a própria lógica do mercado de moda faz com que sempre haja
renovação. Conforme Lipovetsky (1989, p. 209),
a obrigação de renovação própria das indústrias culturais não tem,
evidentemente, nada a ver com a “tradição do novo” característica da arte
moderna. À diferença da radicalidade vanguardista, o produto cultural se
molda em fórmulas já experimentadas, é inseparável da repetição de
conteúdos, de estruturas, de estilos já existentes.
Dentro desse amplo processo que envolve a moda, o desfile é um dos momentos
pelo qual muitos esperam. É através dele que sairão os comentários sobre tendências de
modelos de roupas, cores da estação, mas, acima de tudo, há a preocupação do estilista
em tornar o desfile um acontecimento marcante. Afinal, é dele que as pessoas vão
lembrar se ele fizer algo que se diferencie dos outros. Conforme Duggan (2002, p. 5),
assim como nas representações de palco, os desfiles criados por designers de
espetáculo exibem muito mais do que roupas. Na maioria dos casos,
interpretam-se como minidramas completos, com personagens, locações
específicas, peças musicais relacionadas e temas reconhecíveis.
A utilização de recursos como a cenografia, a luz e o som passaram a integrar os
desfiles a partir da década de 1960 (DIELH apud DUGGAN, 2002) e acreditamos que
estes elementos são de extrema importância na criação de cada narrativa proposta a cada
coleção pelos autores. São elementos que dão forma à história.
Para localizarmos tais acontecimentos, basta observar os desfiles, por exemplo,
da São Paulo Fashion Week. Percebe-se a utilização de cenários e iluminação
Ano IX, n. 02 – Fevereiro/2013
3
específicos e trilhas sonoras para um desfile que dura menos de meia hora e só acontece
uma vez no evento.
Assim, se o desfile de moda é posto como acontecimento-espetáculo, de que
forma a música contribui para tal construção? Neste artigo, pretendemos abordar a
música como forma de produção de sentido em desfiles de moda através da análise da
trilha sonora da coleção “Cordeiro de Deus”, do verão 2002/2003 do estilista mineiro
Ronaldo Fraga.
Podemos perceber a construção do desfile-espetáculo na produção de Ronaldo
Fraga através de todas as suas coleções; como por exemplo, “Quem matou Zuzu
Angel?” – verão 2001/02 – que conta a história da estilista que usou a moda como
forma de denúncia e protesto. Ou mesmo a coleção inverno 2004, intitulada “Cuantas
noites não durmo” em que o autor faz uma referência a Lupicínio Rodrigues e no desfile
cria uma atmosfera que remete aos anos 1930 e 40, com modelos representando homens
e mulheres que chegam em casa pela manhã após uma noitada ao som de Jamelão
(GARCIA, 2007).
Para a coleção "Cordeiro de Deus", Ronaldo Fraga criou um personagem fictício
– Jesus da Silva Santos – que vive esperando uma visita da amada na penitenciária. As
roupas fazem referência a este universo através das cores e estampas que remetem a
tatuagens, grafites e elementos religiosos. Na passarela, lâmpadas incandescentes
penduradas por longos fios compõem a cena remetendo à cela da prisão.
A análise da trilha sonora
A trilha sonora de “Cordeiro de Deus” é composta por seis faixas e nos
propomos aqui a analisá-la4. Conforme Janotti (2009, p. 02), “Todo produto da música
popular massiva está associado a um determinado contexto, que pressupõe indicações e
constrições sobre as estratégias de produção de sentido em seus aspectos pragmáticos.”
Assim, em relação ao contexto, é interessante pontuar que a trilha em questão foi
produzida exclusivamente para o desfile, tendo assim sua significação de acordo com o
tema do desfile e sendo as faixas “projetadas” para este acontecimento.
4
A análise aqui realizada toma como base o modelo proposto no artigo “De que lado você samba? Uma
proposta de análise midiática da música popular massiva”, de Jeder Janotti Junior.
Ano IX, n. 02 – Fevereiro/2013
4
A pesquisa musical e concepção da trilha foi feita pelo próprio estilista, sendo
gravada por Fernanda Takai e John Ulhoa, ambos os músicos que compõem a banda
mineira Pato Fu. A banda foi formada juntamente com o baixista Ricardo Koctus em
1992, na cidade de Belo Horizonte; gravou seu primeiro disco independente em 1993, e
assinou com a gravadora BMG em 1994. Em 1995 o baterista Xande Tamietti entra para
a banda, que antes utilizava apenas bateria eletrônica. Em 2001 o tecladista Lulu
Camargo da extinta banda Karnak ingressa também para a banda. Em 2005 a banda
inaugura o selo independente Rotomusic. Até hoje, a banda lançou 9 álbuns. É
interessante pontuar que além do Pato Fu, os músicos se dedicam também a outros
projetos: John Ulhoa produz álbuns de outros artistas (como Wonkavision, em 2004; e
recentemente o disco da cantora Zélia Duncan); Xande Tamietti toca também na banda
de black music chamada Pretomassa; Fernanda Takai gravou álbum solo com releituras
das músicas de Nara Leão lançado em 2007. Ricardo Koctus também gravou álbum solo
em 2008, no qual ele assume os vocais e violões e tem a produção musical de Gerson
Barral e Carlos Eduardo Miranda.
A trilha do desfile foi gravada no estúdio 128 japs, construído na casa dos
músicos autores da mesma. Conforme Thérbege (2006), a medida que as tecnologias e a
própria rotina de gravação foram incorporadas ao cotidiano do músico, estes começaram
a construir seus próprios estúdios. O estúdio 128 japs foi inaugurado em 2002 com a
intenção de fazer ensaios e pré-produções do Pato Fu. No entanto, ao perceberem a
qualidade das gravações, passaram a produzir álbuns inteiros no mesmo – não só do
Pato Fu, como também o Let it bed, de Arnaldo Baptista, e os álbuns das bandas
Wonkavision e Digitaria, além das trilhas produzidas para o estilista Ronaldo Fraga.
(SABATINELLI, 2006)
É importante enfatizar aqui, que esta trilha não foi amplamente divulgada pela
banda como os álbuns usuais – que têm sua divulgação através do site da banda,
televisão, revistas, campanhas publicitárias etc. Ela foi lançada em CD com tiragem de
3 mil cópias, tendo a sua venda apenas nas lojas do estilista – e acreditamos que
também nos principais eventos de moda – e sendo a renda revertida para a ONG Corpo
Cidadão. Ressaltamos aqui que apesar de envolver dois músicos de uma banda bastante
popular do país, a trilha teve a sua circulação bastante restrita se comparada aos outros
CDs da banda, sendo o único produto midiático vinculado à trilha o próprio desfile.
Ano IX, n. 02 – Fevereiro/2013
5
Acreditamos que o fato da circulação ser muito restrita dá outra valoração ao
produto: os possíveis compradores podem ser pessoas que gostem de moda ou do
estilista (e não necessariamente do artista) e os fãs mais informados da banda que
podem ter adquirido como objeto de colecionador.
A própria apresentação visual da embalagem contribui para essa idéia do
colecionador: o CD vem numa embalagem de papel com alta gramatura, com o projeto
gráfico desenvolvido pela Voltz Design, empresa que assina muitos dos materiais do
estilista – como fachada de loja, cenografia de alguns desfiles, convites, vídeos, dentre
outros produtos. Na capa, uma foto de uma das celas da Penitenciária José Maria
Alkimim (Ribeirão das Neves-MG) com a imagem estilizada do Sagrado Coração de
Jesus – que é uma das estampas que figura nas peças da coleção (Ver Figura 1).
Também a inscrição “Fernanda Takai e John / Para Ronaldo Fraga. Trilha sonora.
Coleção Verão 2002/2003”, remetendo a idéia de uma possível inscrição na parede da
cela. No interior da embalagem, a letra das três músicas cantadas, mais elementos
relacionado à coleção (estampa de sereia, imagem de Jesus, etc) e como fundo, a
imagem de uma folha de caderno pautado – imagem esta que remete ao universo criado
pelo autor: uma carta fictícia de um presidiário.
Abaixo transcrição da carta, com grifos que são úteis para melhor compreensão
do contexto narrativo no qual a música se inscreve e melhor compreensão das análises:
São Paulo, 15 de julho de 2002.
Querida amada,
Em todos os domingos, a expectativa da sua visita me transporta para
um mundo maravilhoso e perfeito. Já pela manhã, a privada do meu
pequeno catre se transforma em um banheiro de um hotel 5 estrelas. O velho
chuveiro de lata furada dá lugar a uma ducha farta e quente. Na janela, o
frasco de desodorante Avanço abraça apaixonadamente o de Leite de Rosas,
ambos presenteados por ti. Rita Cadillac, Magda Cotrofe são substituídas
por Nossa Senhora Aparecida e Nosso Senhor Jesus Cristo. Mesmo o meu
velho uniforme caqui listado, me faz sentir dentro da melhor beca de festa.
Neste momento, imagino o seu corpo de sereia mergulhado nos meus braços,
vestido de tecido mole que me deixa de pau duro. O bem e mal passam a ser
uma única coisa. Faço e refaço a barba pensando nos minutos em que
estarei com o rosto colado ao seu. Na pressa de descer para o pátio, visto a
cueca por cima da calça, o que me faz rir de mim mesmo. Os portões deste
hotel gradeado é aberto e os visitante que já faziam fila ao lado de fora desde
a madrugada, se misturam à massa de presos. Meus olhos te procuram na
procissão de tipos. Parece um caldeirão de feijoada humana. Evangélicos,
católicos e macumbeiros são os primeiros a chegar na tentativa semanal
de atrair ovelhas desgarradas para os seus rebanhos. Neste dia, hinos
religiosos misturados com rap e pagode, me soam como canções de amor.
Este pátio, antes estéreo, vira uma festa, que parece até quermesse lá no
Ano IX, n. 02 – Fevereiro/2013
6
Norte. Mulheres, na imensa maioria, namoradas, prostitutas, irmãs,
esposas, crianças e as mães. Sim, amor verdadeiro, talvez só de mãe. Elas
trazem sacolas de plástico transbordando de frutas, biscoitos, frituras e frango
assado, álbuns de debutante, de batizado e bíblias. O tempo passa e mesmo
para quem parece ter todo o tempo do mundo, ele é doído e cruel quando a
espera é por quem se ama. Tento pensar em futuro ideal ao seu lado, mas o
peso do passado não me deixa ir além do presente. O Sol já está se pondo, e
de você nem o perfume apareceu por aqui. E com o passar dos dias, tudo vai
voltando ao normal. As cores antes fosforecentes e brilhantes, vão se
desbotando pouco a pouco. Nada mais tem graça, a festa que eu esperava não
aconteceu no pátio, no fim da tarde, só as pombas fazem a festa com as
migalhas de comida. Você não veio, mas lhe confesso meu amor: parte de
mim talvez torcesse por isso, porque sendo assim esperarei ansiosamente
pelo próximo domingo, e esta é a forma que encontrei para não ser
engolido pelo tempo.
Do eternamente seu,
Jesus da Silva Santos5
É possível perceber através desse texto que esses elementos ficcionais estão
presentes na sonoridade do desfile. Em relação à performance gravada, as faixas
figuram na ordem planejada para o desfile, ou seja, não há uma lógica própria da
compilação criada pelos músicos, mas sim pela narrativa própria do desfile.
A primeira faixa é a música “O Povo de Deus”, de Domínio Religioso, gravada
anteriormente pelos padres Marcelo Rossi e Padre Zezinho. Assim, uma música que
tinha uma demarcação própria da igreja, sendo cantada em missas ou procissões, através
da possibilidade de gravação pelos padres se torna um produto midiático. Essa faixa se
relaciona com a narrativa quando o autor aborda a religiosidade dentro dos presídios
(ver grifos da carta acima), reafirmando a presença de elementos do popular no massivo
(BARBERO, 2006). Ou como afirma Ortiz (2007, p. 127), “as fronteiras rígidas que
existiam, separando a arte erudita da cultura popular, se desgastaram.”.
Assim, o universo da religião e da tensividade passional dão forma à música,
através da utilização do teclado como instrumento para a base harmônica – fazendo uma
referência ao instrumento que é utilizado na maioria das igrejas em substituição do
órgão – e a voz suave da cantora, que dá a sensação de intimidade, da ambientação da
igreja e/ou procissão. Dá também a sensação de proximidade, como se estivéssemos
ouvindo um momento de intimidade daquele que canta. Nesta faixa não há outros
instrumentos, mas fazem com que a conjunção de voz e teclado sejam o enfoque
principal da música.
5
Personagem fictício criado por Ronaldo Fraga como protagonista da coleção verão 2002/2003 Cordeiro
de Deus. (grifos nossos)
Ano IX, n. 02 – Fevereiro/2013
7
Em seguida vem a track6 “Ainda queima a esperança”, sendo uma vinheta de 26
segundos com sample7 de música interpretada pela cantora Diana. Frith (2006, p. 61),
afirma que o desenvolvimento da tecnologia digital tem seus benefícios – como o
próprio registro sonoro da obra – mas, tem a ampliação da possibilidade da apropriação
de sons, sua manipulação e utilização em outras obras. Pontuamos aqui que na faixa em
questão os autores se utilizam de samples, mas devidamente autorizados pelos autores
das músicas.
A música foi gravada por Diana e é de autoria de Mauro Motta e Raul Seixas –
que num período da carreira produziu a cantora. A música “Ainda queima a esperança”
foi lançado em 1971, num compacto simples produzido por Raul Seixas.
Ao compararmos a track da trilha e a música original é possível perceber que os
primeiros 26 segundos da música foram sampleados e que o tratamento dado a esse
trecho foi outro: se na versão original é possível perceber nitidamente a presença de
instrumentos como violões, baixo e bateria, na track percebemos um pequeno
aceleramento no andamento da música e uma ênfase ao teclado através do aumento do
volume do mesmo. Talvez essa ênfase tenha sido feita devido à predominância na
maioria das faixas da trilha sonora serem dos teclados. A tentativa de simular o órgão de
igreja ou mesmo as músicas de Diana somente são possíveis devido ao desenvolvimento
dos processos de gravação, através dos softwares que simular essa estética “retrô”
(THÉRBEGE, 2006).
É interessante também lembrar que apesar de ser instrumental, se observarmos a
versão original da música o tema tratado é da paixão. A música conta a história de um
relacionamento que acabou; história que se relaciona com a carta acima transcrita: um
homem que espera a visita da amada, no entanto a visita não acontece.
A terceira faixa é “Vem, eu mostrarei”, música também de domínio religioso
que assim como a primeira faixa da trilha foi gravada pelos padres Marcelo e Zezinho.
Já nessa faixa, há uma bateria eletrônica, baixo e guitarra fazendo a base rítimica e os
teclados fazendo a base harmônica. A composição é de Waldeci Farias e Josmar Braga e
foi também sampleada e inserida na faixa da trilha.
6
Conforme Janotti (2009, p. 04), “as tracks são as faixas instrumentais, (...), que tem como principais
referências o ritmo e as texturas sonoras”.
7
O sampler digital é um dispositivo híbrido, que permite gravar o som e que funciona como instrumento
musical. Foi projetado para reproduzir os sons dos instrumentos musicais convencionais, diminuindo os
custos de produção em estúdio ao eliminar a necessidade de contratar músicos de acompanhamento.
(THÉBERGE, 2001, p. 40)
Ano IX, n. 02 – Fevereiro/2013
8
Depois, outra track intitulada “É impossível”, música de domínio religioso,
sampleada do disco “Canções para Orar 2”, de 1998, que tem duração de 40 segundos.
O trecho retirado da música original são os primeiros 20 segundos, quando há uma
vocalização, sendo a base rítmica bateria, baixo, piano e violões. Na trilha sonora essa
vocalização teve seu volume bastante aumentado que transmite a sensação de mistério e
suspense, prepara para a cena a seguir, como na trilha sonora de um filme de suspense.
A quinta faixa é “Se Soubesses”, versão em português da música “Si Supieras”
gravada também pela cantora Diana, com versão em português de Rossini Pinto (autor
de muitas das versões interpretadas por Diana). Essa música foi lançada originalmente
no LP “Uma Vez Mais”, também produzido por Raul Seixas, em 1973.
De todas as faixas é a que tem a sonoridade mais parecida com a da banda Pato
Fu, principalmente pelo uso do theremin, instrumento que foi utilizado na faixa “Eu”,
do álbum “Ruído Rosa”, de 2001. A base rítmica é formada pela bateria eletrônica e a
base harmônica pelos violões. Essa é a única faixa da trilha que não tem os teclados
como instrumento principal. Em relação ao tema, a música contribui para a narrativa, no
sentido de parecer contar a história do ponto de vista da mulher que vai fazer a visita a
penitenciária, como se percebe também pela letra:
Se soubesses o que faço para vir te ver / Se soubesses o que fiz só pra
poder te ver / Não te zangarias nunca / Nem duvidarias do meu amor /
Se soubesses o que menti para poder te ver / Se soubesses como luto pra
poder sair / Dizem que sou muito jovem para ser feliz / Não me tratarias
desse modo tão estranho que me faz sofrer / Se soubesses o que minto pra
poder te ver / Quando vai chegar o dia / Que eu não me separe nunca
mais de ti / Quando vai chegar a hora de ficarmos juntos a falar de amor
/ E te ver, te falar toda vez que eu queira / E me ver e falar quando querias
também / Se soubesses como luto pra poder sair / Dizem que sou muito
jovem para ser feliz / Não me tratarias desse modo tão estranho que me faz
sofrer / Se soubesses o que minto pra poder te ver / Quando vai chegar o dia /
Que eu não me separe nunca mais de ti / Quando vai chegar a hora de
ficarmos juntos a falar de amor / E te ver, te falar toda vez que eu queira / E
me ver e falar quando querias também (grifos nossos)
Pontuamos aqui que a letra da música, que relaciona bastante com a carta fictícia
escrita por Ronaldo Fraga. Para enfatizar o ponto de vista da amada temos a
interpretação da canção na voz de uma mulher. A sonoridade da música nos transporta
para um ambiente melancólico, a batida sincopada da bateria nos faz pensar num
encontro que realmente não aconteceu. Somando essas informações à carta fictícia,
podemos perceber os dois lados da narrativa: do homem que ficou esperando a visita
Ano IX, n. 02 – Fevereiro/2013
9
que não e veio e através dessa música a revelação da mulher, que tentou fazer a visita,
mas não conseguiu.
Para finalizar a trilha sonora, temos uma versão track de “Vem, eu mostrarei”,
também com bateria eletrônica e teclado. Percebemos uma aceleração no andamento da
canção e o aumento do tom no meio da música, nos dando a sensação de finalização. A
sonoridade também remete a igreja, mas sempre com o tom de algo que está acabando:
seja o fim de uma missa, noivos saindo da igreja ou mesmo o fim de um filme, quando
os caracteres começam a aparecer com os créditos. Ou seja, a música indica também a
finalização do desfile – da narrativa.
É importante ressaltar que o estilista demonstra preocupação com a qualidade
artística de suas trilhas sonoras. A parceria com os músicos Fernanda Takai e John
Ulhoa voltou em na coleção outono/inverno 2006, intitulada “Festa no Céu”, na qual a
pesquisa musical tem participação dos músicos e não apenas do estilista. Nessa trilha há
participação de outros músicos, como Alda Rezende, Érika Machado e Lulu Camargo.
Há também uma participação especial de Elke Maravilha, que interpreta uma das
canções.
Fernanda Takai também cantou ao vivo no desfile da coleção verão 2007/2008,
intitulada “Nara Leão”, na qual o estilista retratou as várias fases da cantora.
Ressaltamos aqui que essa participação de Fernanda Takai aconteceu na época em que
ela estava finalizando o seu primeiro álbum solo com releituras das músicas dessa
cantora. Dessa forma, fez-se com que o desfile funcionasse como um produto midiático
que ajudou a divulgar o álbum “Onde brilhem os olhos teus”, que pouco tempo depois
seria lançado e amplamente divulgado, ao contrário das outras trilhas sonoras. No
entanto, enfatizamos aqui que as trilhas anteriores e esse álbum têm formas de
circulação diferentes: as trilhas com circulação mais restrita e o álbum com circulação
mais ampla.
É interessante pontuar que a música nesses casos figura como um elemento
produtor de sentido e que a sua fruição acontece no contexto do desfile. Assim, trata-se
de uma apresentação única pra um determinado grupo de pessoas (os convidados que
estejam lá para assistir o desfile). No entanto, diante das facilidades postas através do
desenvolvimento tecnológico dos processos de gravação e produção do registro sonoro
a trilha foi lançada também em CD sendo possível ter o registro gravado para ouvir a
qualquer momento (THÉBERGE, 2006).
Ano IX, n. 02 – Fevereiro/2013
10
Considerações finais
Fazemos aqui a ressalva que para a produção de sentido na relação da trilha
sonora com o tema do desfile, é preciso ter o conhecimento prévio das músicas
utilizadas. Conforme Eco (1991, p. 113) “a enciclopédia é um postulado semiótico. Não
no sentido que não seja uma realidade semiósica: ela é o conjunto registrado de todas as
interpretações, concebíveis objetivamente como a biblioteca das bibliotecas (...)”.
Assim, esse conhecimento enciclopédico é definidor na interpretação da trilha
sonora no contexto do desfile. A produção plena do sentido depende, por exemplo, de
que o espectador tenha um repertório musical – podendo, deste modo, identificar a
sonoridade de uma música de igreja ou mesmo os samples retirados das músicas de
Diana. No entanto, não queremos afirmar aqui que aqueles sem este conhecimento não
iriam entender o desfile, pois a própria sonoridade das canções – ao menos para os
brasileiros – remete aos teclados de uma música brega e ao mesmo tempo aos teclados
comumente usados nas igrejas. Pois,
enquanto do ponto de vista de uma semiótica geral se pode postular a
enciclopédia como competência global, do ponto de vista sociossemiótico é
interessante reconhecer os diversos níveis da posse da enciclopédia, ou as
enciclopédias parciais (de grupo, de seita, de classe, étnicas e assim por
diante (ECO, 1991, p. 113)
O que queremos afirmar é que a especificidade da identificação da música
original depende deste tipo de conhecimento. Ou mesmo que na condição desse desfile
circular em outros países, a trilha sonora provavelmente não teria o mesmo efeito e
sentido que teve para o público que o assistiu na São Paulo Fashion Week, a não ser na
hipótese dos espectadores terem o mesmo conhecimento do público brasileiro.
Para Ortiz (2007, p. 127), “um arquivo de lembranças permite que cada “dado”
individual seja agenciado em diferentes contextos. Eles são, portanto, em função de seu
uso, intercambiáveis, ajustando-se, combinando-se uns com os outros.”. Esse
agenciamento nos leva a noção também de intertextualidade, que figura na mistura dos
elementos da coleção “Cordeiro de Deus”. O tema central do presídio, somado a
elementos da religiosidade, a traços da cultura de massa – como por exemplo, as
estampas com a numeração da roupa de presidiário (ver Figura 2) e a mistura de
músicas religiosas e de Diana (que se relacionam com universo do presidiário) juntos
Ano IX, n. 02 – Fevereiro/2013
11
compõem e produzem um novo texto, um novo sentido, uma nova textualidade. Ou
como coloca Ortiz (2007, p. 127), “um texto é sempre construído a partir de outros
discursos anteriores”.
Deste modo, consideramos que a música no processo de construção do sentido
do desfile-acontecimento desempenha um papel fundamental. Associando-se à
cenografia, à iluminação e, principalmente, ao conceito que é proposto na coleção pelo
estilista, a trilha sonora ajuda a delinear esse sentido, como pudemos observar através
da análise da trilha sonora da coleção “Cordeiro de Deus”, de Ronaldo Fraga. No
entanto, pontuamos aqui nosso interesse de analisar trilhas sonoras de outras coleções
do estilista para melhor compreensão do fenômeno da produção do sentido de narrativas
em desfiles de moda.
Referências
BARBERO, Jesus Martin. Dos Meios às Mediações: comunicação, cultura e
hegemonia. Rio de Janeiro : EdUFRJ, 2006.
CASA DE CRIADORES. Disponível em:
<http://www.casadecriadores.com.br/Home/CasadeCriadores/tabid/60/Default.aspx>.
Acesso em julho de 2009.
DUGGAN, Ginger Gregg. O maior espetáculo da terra: os desfiles de moda
contemporâneos e sua relação com a arte performática. In: Fashion Theory, São Paulo,
v. 1, n.2., p. 3-30, jun. 2002.
ECO, Umberto. Dicionário versus enciclopedia. In: Semiótica e Filosofia da
Linguagem. Tradução José Carlos Fiorin. São Paulo: Ática, 1991. P. 63-140.
FRITH, Simon. La industria de La musica popular. In: FRITH, Simon, STRAW, Will,
STREET, John (Org). La outra historia Del rock. Barcelona: Ediciones Ro-binbook,
2006. p 56-85
GARCIA, Carol. Coleção Moda Brasileira: Ronaldo Fraga. São Paulo: Cosac &
Naify, 2007.
JANOTTI Jr., Jeder. De que lado você samba? Uma proposta de análise midiática da
música popular massiva. In: Revista Ícone. V. 10, n. 02. Disponível em:
http://www.icone-ppgcom.com.br/index.php/icone/article/viewFile/31/30. Acesso em
julho de 2009.
LIPOVETSKY, Gilles. O império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades
modernas. Tradução: Maria Clara Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.
ORTIZ, Renato. Mundialização e cultura. São Paulo: Brasiliense, 2007.
Ano IX, n. 02 – Fevereiro/2013
12
SABATINELLI, Rodrigo. Lar, doce lar. Revista Áudio, Música e Tecnologia. n. 177,
junho de 2006. Disponível em:
<http://www.musitec.com.br/revista_artigo.asp?revistaID=1&edicaoID=177&navID=2
016>. Acesso em julho de 2009.
SANT´ANNA, Patrícia. Moda: uma apaixonante história das formas. In: Ciência e
Cultura, vol.61 no.1 São Paulo, 2009. Disponível em: <
http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?pid=S000967252009000100020&script=sci_arttext>. Acesso em julho de 2009.
SOUZA, Gilda de Mello e. Espírito das roupas: a moda no século dezenove. São
Paulo: Companhia das Letras, 1987.
THÉBERGE, Paul. ‘Conectados’: la tecnologia e la musica popular. In: FRITH, Simon,
STRAW, Will, STREET, John (org). La outra historia Del rock. Barcelona: Ediciones
Ro-binbook, 2006. p 25-52
Ano IX, n. 02 – Fevereiro/2013
13
Fly UP