...

[236] 110. ATEndIMEnTO AO GRAndE QUEIMAdO

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

[236] 110. ATEndIMEnTO AO GRAndE QUEIMAdO
[236]
protocolos das u nidades de pronto atendimento 2 4 h oras
110. ATENDIMENTO AO GRANDE QUEIMADO
a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO
As queimaduras podem ser classificadas quanto a etiologia em:
térmicas, elétricas, químicas e por radiação.
A classificação da gravidade da queimadura é essencial para determinar
a indicação de admissão em centro de queimados, guiar a ressuscitação
inicial e estabelecer o prognóstico.
A gravidade da queimadura depende de uma série de fatores: etiologia,
profundidade, extensão, localização, idade da vítima e comorbidades.
É importante que o socorrista saiba que a queimadura não é uniforme
e que existem vários graus de profundidade em um mesma lesão.
Classificação das queimaduras térmicas de acordo com a
profundidade
CLASSIFICAÇÃO DAS QUEIMADURAS TÉRMICAS PELA PROFUNDIDADE
GRAUS
PROFUNDIDADE
COR
ENCHIMENTO
CAPILAR
DOR
1º Grau
Epiderme Superficial
Eritema
Presente
Presente
2º Grau
Superficial
2º Grau
Profunda
Epiderme e Derme
Superficial
Eritema Bolhas
Presente
Presente
Epiderme e Derme
Profunda
Rósea ou
Esbranquiçada
Variável
Variável
Epiderme e
Derme Totais
Branca, Preta
ou Marrom
Ausente
Ausente
3º Grau
Estimativa da Superfície Corporal Queimada: pela regra dos nove, com
esta técnica estima-se que a cabeça e cada membro superior representam
9% da superfície corporal (SC) cada membro inferior representa 18% da
SC e o tronco 36% da SC.
As queimaduras nas seguintes áreas são consideradas graves: mãos,
pés, face, períneo e circunferenciais.
A inalação de fumaça ou gases é a principal causa de mortalidade precoce
em vítimas de incêndio devido a intoxicação por monóxido de carbono que
é a complicação mais comum. Podem ocorrer a lesão da via aérea pelo calor
(térmica) com edema e obstrução alta e a lesão química acompanhada as
vezes pela intoxicação sistêmica: a combustão de determinados materiais
produz substâncias químicas tóxicas, que atuam nas vias aéreas e/ou de
modo sistêmico após serem absorvidas.
A lesão elétrica: pode produzir danos extensos apesar de apresentar
poucas evidências visíveis de lesão. Pode causar arritmias cardíacas e apnéia.
Os pacientes devem ser monitorizados no APH pois a principal causa de
óbito precoce são arritmias cardíacas.
Parte IV – P R O T O C O L O S
D E
T R A U M A
[237]
A mortalidade aumenta abaixo dos cinco anos de idade e acima dos
55 anos.
Suspeitar quando a vítima for resgatada de incêndios em locais fechados,
apresentar pêlos nasais queimados, escarro enegrecido (carbonáceo),
rouquidão e estridor.
b.CONDUTA
Descontaminar com água corrente as lesões causadas por produtos
químicos líquidos, observando sempre os cuidados com sua autoproteção.
Escovar a pele de pacientes vítimas de exposição a substâncias químicas
sólidas em pó antes de descontaminá-las com água corrente.
Procurar por sinais de lesão por inalação de fumaça.
Estabilizar a coluna de pacientes inconscientes ou com mecanismo de
trauma sugestivo.
Administrar oxigênio suplementar sob máscara com reservatório 10
a 15l/min.
Considerar a intubação orotraqueal em caso de depressão do nível
de consciência, sofrimento respiratório, evidências de obstrução de vias
aéreas (estridor, rouquidão).
Monitorizar o paciente com cardioscópio, oxímetro de pulso e monitor
de PNI.
Lembrar que a oximetria de pulso e a gasometria arterial podem ser
falseadas pela intoxicação com monóxido de carbono.
Obter acesso venoso periférico com cateter calibroso.
Evitar a punção venosa em áreas queimadas, mas se não houver outra
opção ela pode ser utilizada.
Iniciar a reposição volêmica baseada na fórmula de Parkland (4 ml/
kg de salina para cada 1% de superfície corporal queimada), infundindo
50% deste volume nas primeiras 8 horas.
Administrar solução salina IV em pacientes com lesões elétricas devido
a possibilidade de rabdomiólise com hemoglobinúria.
Efetuar o cateterismo vesical de grandes queimados ou pacientes com
lesões por eletricidade.
Monitorizar o débito urinário mantendo-o superior a 100 ml/h em
caso de queimaduras elétricas.
Seguir o protocolo de arritmias cardíacas em pacientes com lesões por
eletricidade.
Efetuar a analgesia em pacientes com dor intensa, com sulfato de
morfina 2 a 10 mg IV.
Expor a área queimada.
[238]
protocolos das u nidades de pronto atendimento 2 4 h oras
Evitar romper bolhas e desbridar lesões e aplicar creme de sulfadiazina
prata pomada ou medicamento sobre a lesão.
Envolver a vítima com lençóis secos para reduzir a perda de calor e a
contaminação bacteriana.
Secar os pacientes pois os mecanismos de regulação da temperatura
corporal estão prejudicados no grande queimado e o desenvolvimento de
hipotermia é comum.
Remover anéis, braceletes e outras jóias devido ao risco de interrupção
da circulação pelo edema.
Tratar traumatismos associados.
Avaliar o paciente decidindo se o mesmo se trata ou não de um grande
queimado.
Remover para centro especializado caso indicado.
Percentual de superfície corporal queimada de acordo com a fórmula de Parkland.
Gravidade das queimaduras térmicas
QUEIMADURAS DE SEGUNDO GRAU > 25% DA SC EM ADULTOS
QUEIMADURAS DE SEGUNDO GRAU > 20% DA SC EM CRIANÇAS
QUEIMADURAS DE TERCEIRO GRAU > 10% DA SC
TRAUMATISMOS ASSOCIADOS GRAVES
MUITOS PACIENTES COM: QUEIMADURAS ELÉTRICAS, LESÃO POR
INALAÇÃO. LESÕES EM MÃOS, PÉS, FACE, OLHO E PERÍNEO.
QUEIMADOS COM LESÕES MODERADAS MAS DE ALTO RISCO CLÍNICO.
Parte IV – P R O T O C O L O S
D E
T R A U M A
c. ALGORITMO – QUEIMADURA TÉRMICA
Algoritmo de atendimento ao paciente com queimadura térmica.
d. ALGORITMO – QUEIMADURA ELÉTRICA
Algoritmo de atendimento ao paciente com queimadura elétrica.
[239]
Fly UP