...

fisioterapia em queimados

by user

on
Category: Documents
2

views

Report

Comments

Transcript

fisioterapia em queimados
FISIOTERAPIA EM QUEIMADOS: UMA PESQUISA
BIBLIOGRÁFICA ACERCA DOS PRINCIPAIS RECURSOS
FISIOTERAPÊUTICOS E SEUS BENEFÍCIOS
Marília Sampaio Rocha*
Emília Sampaio Rocha**
João Paulo Campos de Souza***
RESUMO
Sabe-se que a queimadura é uma lesão que pode acometer qualquer indivíduo, indiferentemente de
gênero e faixa etária, podendo causar alterações corporais deformantes, bem como podendo levar o indivíduo
a óbito. Posto isso, coube-nos realizar uma pesquisa demonstrando quais os principais recursos
fisioterapêuticos possíveis de utilização num quadro de queimadura, bem como enaltecer os benefícios da
realização de condutas fisioterapêuticas visando a total reabilitação e recuperação do indivíduo acometido por
lesão. Para tal, foi realizada uma pesquisa bibliográfica relatando o que há de mais novo no tratamento
fisioterapêutico das queimaduras.
Palavras-chave: Fisioterapia. Queimadura. Reabilitação.
1 INTRODUÇÃO
A queimadura é uma lesão em determinada
parte do organismo desencadeada por um agente físico
ou químico. Dependendo do agente, as queimaduras
podem ser classificadas em primeiro, segundo ou
terceiro graus (CHEM, 2007).
A intervenção fisioterapêutica neste tipo de
lesão é de extrema importância, no que se refere à
diminuição das seqüelas deixadas pela lesão, na
melhoria da qualidade de vida e da integração, não só
física, mas também psicológica, do individuo na
sociedade.
O fisioterapeuta possui aptidões específicas,
certas metodologias e linhas de conhecimento que irão
atuar no tratamento. Para cada fase cronológica do
avanço da queimadura, o fisioterapeuta possui um
recurso específico que irá permitir que a lesão se
cicatrize de maneira correta e evitando complicações
futuras (GUIRRO; GUIRRO, 2007).
Este trabalho vem com a proposta de abordar,
através de pesquisas bibliográficas, os tratamentos
fisioterapêuticos específicos para cada tipo de
queimadura, visando dar suporte para as vítimas deste
tipo de lesão, ajudando-as a possuir uma noção maior e
melhor de como elas podem tratar os diversos tipos de
queimaduras e suas conseqüências ao organismo,
desde a hora que ocorreu a lesão até ao total
restabelecimento da área afetada ou do sistema
comprometido.
* Aluna do Curso de Fisioterapia da Faculdade de Ciências Médicas, Campina Grande.
** Aluna do Curso de Fisioterapia da Faculdade de Ciências Médicas, Campina Grande.
*** Professor do Curso de Fisioterapia da Faculdade de Ciências Médicas, Campina Grande.
Campina Grande v. 9, números 13/14 - Julho 2009 / Junho 2010
Primeiramente, definiu-se o que são
queimaduras, seus tipos e os principais fatores que
acarretam este tipo de lesão. Os métodos de
atendimento emergenciais também serão relatados de
forma clara e sucinta a fim de proporcionar um suporte
básico para este tipo de atendimento, até que a vítima
seja encaminhada para o hospital, proporcionando-a
um socorro mais objetivo e completo.
Por fim, a proposta especial e principal deste
trabalho será de mostrar, de maneira direta, como a
fisioterapia pode ajudar na reabilitação das áreas e dos
sistemas acometidos por este tipo de lesão, explicando
a importância de cada recurso fisioterapêutico no
restabelecimento total (na maioria dos casos) das
queimaduras, independentemente de sua gravidade.
2 JUSTIFICATIVA
A cada ano, um grande número de pessoas
acometidas por queimaduras são atendidas nos
serviços hospitalares, às quais são prestados apenas os
tratamentos médicos básicos e emergenciais.
Sabe-se que a queimadura quando não bem
tratada em sua fase inicial, produzirá seqüelas que
prejudicam não só a estética, mas também a qualidade
de vida da vítima.
A importância do estudo de como evitar as
seqüelas, não só na área queimada, mas também em
lesões nos outros sistemas supostamente
prejudicados, é de extrema relevância porque
proporciona subsídios suficientes não só para a vítima,
mas também para o profissional que irá reabilitá- la,
tornando o tratamento mais rápido, objetivo e eficaz.
Posto isto, justificou-se a realização desta
pesquisa, visto que a mesma, pode servir como guia
para o tratamento de reabilitação dos pacientes
acometidos por queimaduras, fornecendo
metodologias e combinações de recursos
fisioterapêuticos já praticados na atualidade com
grande êxito na área de queimados e novas técnicas
que ainda estão sendo estudadas para reabilitação
deste tipo de lesão.
3 OBJETIVOS
3.1 GERAL
- Averiguar como a atuação fisioterapêutica na
reabilitação de queimados vem proporcionando novos
avanços no tratamento, destacando os principais
recursos utilizados e suas particularidades.
3.2 ESPECÍFICOS
- Realizar um estudo bibliográfico abrangendo
as variáveis: Queimaduras, seus tipos, suas
conseqüências, seus tratamentos clínicos atuais, suas
novas metodologias de tratamentos que estão sendo
pesquisadas e os novos recursos fisioterapêuticos
utilizados;
- Identificar os principais recursos
fisioterapêuticos destinados ao tratamento de
queimados e sua eficácia;
- Organizar a ação de cada recurso conforme a
cronologia da queimadura;
- Comparar a eficácia entre os diversos
recursos fisioterapêuticos identificados e utilizados na
reabilitação de queimados.
4 REFERENCIAL TEÓRICO
4.1 QUEIMADURAS
A queimadura é uma lesão em determinada
parte do organismo, desencadeada por um agente
físico, que pode ser classificadas em queimaduras
térmicas, elétricas e químicas. (FILHO, 2007)
Quando se faz uma avaliação das causas das
queimaduras, observa-se que, na maioria das vezes, a
falta de cuidado é o principal elemento responsável. O
Campina Grande v. 9, números 13/14 - Julho 2009 / Junho 2010
manuseio descuidado de produtos em altas
temperaturas, como líquidos quentes ou objetos
incandescentes, e a atividade de crianças em
ambientes perigosos, como a cozinha, podem ser
considerados como a principal causa desta terrível
lesão que é a queimadura. A dor causada pela
queimadura faz com que, na situação de emergência
domiciliar, as pessoas utilizem pomadas, ungüentos e
crendices populares, que na maioria dos casos só
pioram o quadro clínico.
Costuma-se classificar as queimaduras de
acordo com a profundidade da pele lesada. Esta
classificação é importante para se avaliar o
prognóstico (previsão de cicatrização e cura) da
queimadura. Quanto mais superficiais, melhor o
prognóstico, já as queimaduras mais profundas têm
um prognóstico mais grave (SAÚDE TOTAL, 2008).
Segundo a Sociedade Brasileira de
Dermatologia, as queimaduras são classificadas em:
A. Queimadura de primeiro grau: É a
queimadura mais superficial e caracterizase por deixar a pele avermelhada
(hiperemiada), inchada (edemaciada), e
extremamente dolorida. De maneira geral
as queimaduras de primeiro grau podem ser
tratadas clinicamente com a utilização de
pomadas e evoluem satisfatoriamente.
B. Queimadura de segundo grau: Caracterizase pelo aparecimento da bolha (flictena)
que é a manifestação externa de um
descolamento dermo-epidérmico. Tem
uma profundidade intermediária.
C. Queimadura de terceiro grau: Caracterizase pelo aparecimento de uma zona de morte
tecidual (necrose).
D. Queimaduras de quarto grau:
Uma queimadura elétrica (quarto grau) envolve a
completa destruição de todos os tecidos, desde a
epiderme até o tecido ósseo subjacente. Este tipo de
queimadura ocorre normalmente em resultado do
contato com a eletricidade. Haverá uma ferida de
entrada, que estará carbonizada e deprimida.
(AZULAY, 2006)
No local da saída da eletricidade do corpo,
haverá também uma ferida de saída, que normalmente
exibe bordas explosivas. Se a ocorrente foi forte o
suficiente, também poderão ocorrer fraturas do osso
subjacente.
4 . 2 . 1 T R A TA M E N T O D O M I C I L I A R D E
EMERGÊNCIA EM SITUAÇÕES DE
QUEIMADURAS TÉRMICAS
Não interessa qual a profundidade da
queimadura térmica, o primeiro cuidado é o da
interrupção da atividade agressiva aos tecidos
orgânicos, podendo ser conseguido com a utilização
de água corrente na zona lesada. Um jato fraco de água
levemente morna, demoradamente usado na zona
queimada é o melhor tipo de tratamento imediato para
a queimadura (SAÚDE TOTAL, 2008).
Um creme que pode ser usado, e que deve fazer
parte da farmácia caseira, é o creme de Sulfadiazina de
prata a 1,00%. Trata-se de um genérico de baixo custo,
que pode ser usado topicamente em muitas outras
pequenas lesões. Existe, entretanto, a restrição para
um pequeno grupo de pessoas que são alérgicas à
sulfa. Uma camada fina deste creme aplicado na zona
lesada dá certo alívio à ardência. Se for possível deixar
a lesão exposta sem ataduras ou outros envoltórios é
melhor (CORPO SAUDÁVEL, 2008).
A utilização de analgésicos caseiros também
pode ser de grande ajuda, aliviando assim o pior
sintoma deste tipo de lesão que é a dor. Em todas as
situações deste tipo de lesão, o médico deve ser
consultado imediatamente. As queimaduras mais
profundas têm um tratamento inicial com pomadas e
freqüentemente necessitam, posteriormente, a
Campina Grande v. 9, números 13/14 - Julho 2009 / Junho 2010
utilização de procedimentos cirúrgicos, como a
enxertia de pele retirada de outras regiões, pois a
necrose destrói a zona lesada e exige este tipo de
reparação. Todas as queimaduras mais profundas
podem deixar cicatrizes mais ou menos evidentes
(SAÚDE TOTAL, 2008).
4.3.1 LESÕES POR QUEIMADURAS
Embora o prognóstico e expectativa de vida
dos indivíduos com lesões por queimadura tenham
melhorado muito nos últimos anos, a epidemiologia
das queimaduras permanece basicamente a mesma.
Há uma grande incidência em crianças entre 1 a 5 anos
de idade, devido primariamente às queimaduras por
líquidos quentes. A consideração fisiopatológica
básica na lesão por queimadura é a destruição da
integridade capilar e vascular, o que resulta na
formação de edema, com a concomitante perda do
fluido intravascular, rico em proteína, para os espaços
intercelulares, a destruição da integridade vascular e a
formação de edema na área da queimadura, bem como
nos tecidos adjacentes ( FILHO, 2007).
Uma das maiores preocupações do fisioterapeuta é
a imobilização ocorrente da parte lecionada (por
parte do paciente) para impedir o movimento por
causa da dor. Isto resulta numa acumulação ainda
maior do edema na região, bem como na rigidez da
articulação e na imobilidade dos tendões e
músculos existentes na região queimada
(GUIRRO; GUIRRO, 2007).
Na lesão haverá, a partir da formação do
exsudato que é rico em proteínas, a tentativa de
cicatrização, que é a organização de fibras colágenas.
Caso não seja implementada uma ativa intervenção
fisioterápica pode ocorrer formação de aderências que
irão limitar ainda mais a amplitude de movimento e a
mobilização dos tecidos envolvidos. Existem duas
preocupações principais na determinação da seriedade
e quantidade de área queimada. A primeira é o
percentual da área da superfície corporal total que foi
queimada. Ademais, a profundidade das áreas
queimadas precisa ser avaliada.
Numa tentativa de permitir uma estimativa
mais rápida da percentagem da área da superfície total
do corpo que foi queimada, a profundidade e o grau da
área, desenvolveram a regra dos nove. A regra dos
nove divide a área da superfície do corpo em
seguimentos que equivalem aproximadamente 9% do
total (fig. 01).
Figura 01 – Regra dos nove. Divide a área da superfície do
corpo em segmentos permitindo assim um controle da
proporção da área afetada por queimadura.
Fonte: Dermatologia Azulay; Azulay, página 821.
Cada uma das diferentes classificações das
queimaduras se apresentará com quadro clínico
diferente, e cada uma mudará radicalmente durante o
tratamento. Além da quantidade de lesão tissular
decorrente diretamente da queimadura, o estado
metabólico do paciente, suas condições fisiológicas,
grau de infecção, enfoque psicológico, todos irão
interagir, exercendo impacto sobre o estado clínico do
paciente. Dependendo da extensão da lesão por
queimadura, da profundidade da queimadura e de seu
tipo, haverá lesões secundárias (AZULAY, 2006).
Campina Grande v. 9, números 13/14 - Julho 2009 / Junho 2010
Ainda de acordo com Azulay (2006):
A saúde, idade e estado psicológico do paciente
queimado terão impacto sobre os problemas e
complicações secundárias decorrentes do
traumatismo pela queimadura. A probabilidade de
ocorrer alguma forma de complicação pulmonar
após uma significativa lesão por queimadura é
extremamente alta.
As complicações pulmonares são numerosas,
podendo exercer importante impacto quanto ao
sucesso ou fracasso de um programa de reabilitação.
Diversos estudos indicaram que a incidência de
complicações pulmonares em seguida a queimaduras
graves oscila entre 24%, até mais de 84% de todos os
acidentes com queimaduras, e que a morte devida
apenas à pneumonia pode responder por mais de um
terço das mortes das vítimas de queimaduras.
(WEBGATE, 2001).
Há três complicações primárias de origem
pulmonar: doença restritiva, lesão por inalação, e
complicações posteriores. Ao longo da hospitalização,
serão necessários procedimentos de fisioterapia
respiratória/pneumológica. As lesões térmicas
provocam uma significativa agressão metabólica e
catabólica ao corpo. As conseqüências das atividades
metabólicas e catabólica aumentadas em seguida a
uma queimadura são: uma rápida queda do peso
corporal, equilíbrio negativo do nitrogênio, perda de
componentes intracelulares, e um decréscimo nas
reservas de energia, tão vitais para o processo de
cicatrização.
4.3.2 INTERVENÇÃO CIRÚRGICA EM
QUEIMADOS
Lesões extensas provocadas por queimaduras de
terceiro grau eliminam a capacidade de regeneração
da pele, sendo necessário um restabelecimento
rápido das funções perdidas da pele, e a melhor
forma é a realização de enxertos autógenos (auto-
enxerto), que são a retirada de uma área de pele não
queimada do próprio paciente, contendo epiderme e
derme e quantidades variadas de anexos cutâneos.
O local de onde o tecido foi retirado é denominado
“sitio doador”. Este tipo de enxerto apresenta um
índice de rejeição bastante baixo. (PORTER, 2005).
Dentre os outros tipos de enxerto, segundo a
sua origem, podem-se citar:
Aloenxerto ou Homoenxerto - quando o tecido
é retirado de um cadáver, usualmente a pele
pode ser armazenada em bancos de pele por
tempo prolongado. Utilizado quando não há
possibilidade de auto-enxerto.
Xenoenxerto ou Heteroenxerto – a pele
utilizada vem proveniente de outra espécie de
animal. Geralmente a pele de porco é a
utilizada.
Enxerto temporário – a pele artificial é
utilizada quando existem extensas áreas
queimadas. Sua indicação visa à
sobrevivência.
Os principais problemas apresentados pelos
enxertos são a colorações alteradas (amarelada ou
marrom escuro), edema (impede o contato direto com
o leito receptor) e infecções (deslocamento do enxerto
e destruição enzimática) (PORTER, 2005).
Os enxertos de pele apresentam sinais de
vascularização em torno do quarto dia de pósoperatório. Só se pode afirmar que o enxerto “pegou”
após duas semanas quando
o mesmo estiver
intimamente aderido ao leito. Neste período há
algumas diferenças em relação às áreas vizinhas,
como por exemplo, a coloração e a ausência de
sensibilidade. A pele enxertada pode apresentar ainda
uma contração dita primária, ocorre imediatamente
após sua retirada, ou secundária que ocorre em torno
do décimo dia de cirurgia, podendo se estender por até
seis meses (PORTER, 2005).
Campina Grande v. 9, números 13/14 - Julho 2009 / Junho 2010
5 ABORDAGENS FISIOTERAPÊUTICAS
De acordo com Guirro e Guirro, 2006 a queimadura
promove alterações tanto locais como também
sistêmicas, apresentando grandes variações na
evolução do processo de reparação, as quais
dependem da precocidade da intervenção
terapêutica. O tratamento do paciente queimado
envolve uma equipe multiprofissional, sendo que o
tratamento fisioterapêuticos atua também de forma
complementar as cirurgias, principalmente as
enxertias. A conduta inicial a qualquer intervenção
deve ser a realização de uma anamnese efetiva cuja
finalidade é direcionar as condutas a serem
realizadas, visando resultados eficientes.
(GUIRRO; GUIRRO, 2006)
5.1 AVALIAÇÃO
Antes de qualquer intervenção é necessário
conhecer profundamente o paciente a ser tratado,
inclusive seu estado psicológico, ou, a existência de
algum prejuízo intelectual. A avaliação deve constar
de quesitos indispensáveis para a efetivação de um
protocolo de atendimento eficiente (GUIRRO;
GUIRRO, 2007):
Cabeçalho com os dados de identificação
pessoal;
Identificação de patologias
progressivas;
Identificação do tipo de acidente, agente
causador, data, hora, local, traumas
associados, inalação de fumaça ou gases, etc.;
Data de internação e número de prontuário
(para pacientes que foram hospitalizados);
Identificação do local, tipo e profundidade da
queimadura;
Identificação do percentual da superfície
corporal atingida;
Avaliação respiratória;
Avaliação articular e funcional dos segmentos
envolvidos;
Avaliação postural quando possível – servirá
de complemento na avaliação funcional;
Avaliação do estado emocional.
Após a avaliação devem-se analisar os dados
coletados, formular um plano de tratamento e
estabelecer metas a curto, médio e longo prazo.
5 . 2 I N T R O D U Ç Ã O A O T R ATA M E N T O
FISIOTERAPÊUTICO GERAL
A reabilitação do paciente queimado começa
no momento em que o paciente chega ao hospital,
sendo um processo sempre mutável, de preferência
modificado diariamente. Se o trabalho for realizado
por profissionais especializados e dedicados ao
programa de reabilitação, o paciente queimado pode,
certamente, retornar a uma vida produtiva. Para a
maioria dos pacientes, a fase mais difícil de
reabilitação ocorre após o processo de cicatrização das
feridas. Após a avaliação inicial, o fisioterapeuta dará
início à avaliação da capacidade do paciente em
movimentar-se, e medirá a amplitude de movimentos
disponível do paciente e se houve comprometimento
em outros sistemas.
A Revista científica intitulada de Journal of
Burn Care Rehabilation, dedicada exclusivamente à
fisioterapia e a reabilitação do paciente queimado,
aponta três pontos nos quais os médicos devem
salientar na reabilitação do paciente queimado:
1- Cuidado especial para as queimaduras da região
da face, pescoço, pelas aderências que podem
causar na cicatrização das queimaduras de terceiro e
quarto graus, 2- queimaduras na região dos genitais
que podem causar alterações na uretra, pênis e
vagina, por destruição de tecidos nobres, 3Queimaduras de mãos e pés, que podem deixar
seqüelas de posições viciosas que, posteriormente,
impeçam na recuperação, na obtenção de atitudes
adequadas para o trabalho e para deambulação
(KNOPLICH, 2007).
Campina Grande v. 9, números 13/14 - Julho 2009 / Junho 2010
Enquanto o fisioterapeuta trabalha com o
paciente, ele precisa monitorar continuamente os
sinais clínicos, para que sejam avaliadas as respostas
cardiovasculares e respiratórias ao tratamento. A área
da mão acometida por queimaduras requer uma
avaliação mais detalhada, a fim de evitar contraturas
ou deformidades que prejudique a qualidade de vida
do paciente.
As metas para o tratamento fisioterapêutico de
reabilitação são de acordo com o prognóstico e
potencial do paciente. O fisioterapeuta tem que ter
como metas:
Obter uma limpa ferida por queimadura, para o
desenvolvimento da cicatrização e aplicação de
enxerto; manter a amplitude de movimento; impedir
complicações ou reduzir as contraturas cicatriciais;
impedir complicações pulmonares; promover total
dependência na deambulação e a independência das
atividades do dia a dia; melhorar a resistência
cardiovascular. (AZULAY, 2006)
O exercício ativo é encorajado em todas as
áreas queimadas. O exercício ativo tem início no
primeiro dia. Outras formas de exercício só devem ser
utilizadas apenas se a confusão, dor ou outras
complicações impedem o exercício ativo. Todas as
articulações, mesmo das regiões não queimadas,
devem passar por exercícios ativos de amplitude
integral (PORTER, 2005).
Geralmente, a amplitude de movimentos
ativos, são realizadas pelo menos três vezes ao dia. Os
dispositivos resistidos podem ser usados nas áreas que
não foram queimadas para a manutenção da força
muscular. (PORTER, 2005).
O exercício pode lançar mão de dispositivos de
treinamento de exercícios e do incremento da força,
mas eles podem depender de modificações, com base
no estágio do paciente e no estágio de cicatrização das
feridas. O paciente deve ser encorajado a iniciar
exercícios ativos que enfatizarão o sistema
cardiovascular, como deambular, pedalar na bicicleta
ergométrica, entre outros. Estes exercícios não só
atuarão no sistema cardiovascular como irão aumentar
a amplitude de movimento das extremidades e
ajudarão muito na reabilitação respiratória.
(PORTER, 2005)
A reabilitação na água tem uma importância
relevante no tratamento, pois:
Os curativos são retirados e a pele está úmida. Se o
paciente acabou de receber enxerto de pele os
exercícios ativos e passivos serão suspensos por
sete a dez dias. O paciente de queimadura precisará
de toda uma vida de exercícios para impedir
contraturas e perdas de movimentos. (GUIRRO;
GUIRRO, 2007)
5.3 RECURSOS FISIOTERAPÊUTICOS
ESPECÍFICOS PARA REABILITAÇÃO DE
UMA QUEIMADURA
Como já foi citado anteriormente, para cada
fase de uma queimadura existe um recurso terapêutico
especifico que irá contribuir na reparação da lesão. A
queimadura pode ser caracterizada de quatro formas
(graus), cada uma possuindo características
específicas. Discutir-se-á como cada recurso
fisioterapêutico irá contribuir no reparo de forma
específica, depois iremos explicar como em cada fase
esse recurso será administrado, dependendo do grau
que a lesão apresentará (GUIRRO; GUIRRO, 2006).
5.3.1 POSICIONAMENTO
Toda vez que um paciente é acometido por
uma infecção aguda, que inviabiliza a movimentação
espontânea no leito, ele está correndo risco de
desenvolver patologias secundárias que poderão
piorar drasticamente o quadro clínico dele. Dentre
Campina Grande v. 9, números 13/14 - Julho 2009 / Junho 2010
estas patologias poderemos citar as ulcerações
(escaras), contraturas de tecidos moles ou articulares,
posturas viciosas e até problemas respiratórios. O
fisioterapeuta irá atuar de forma que no momento em
que a pessoa queimada estiver na fase de cicatrização
ele possa posicioná-la de forma que a articulação se
oponha ao efeito de encurtamento proporcionado
pelo processo de reparação. Ele terá a preocupação de
em pequenos espaços de tempo estar movendo o
paciente de forma sutil, mas que permita a ele a
alternância de posições, evitando assim, que em certos
locais fique muito tempo parados ou que esquentem,
diminuindo bruscamente a chance do surgimento de
seqüelas secundárias. A elevação dos membros
queimados é de extrema importância porque atua na
melhora do retorno venoso linfático, prevenindo
assim, a formação de edemas no local. (GUIRRO;
GUIRRO, 2007).
5.3.2 CINESIOTERAPIA RESPIRATÓRIA
Segundo Guirro; Guirro (2007) as
complicações pulmonares, após queimaduras graves,
são de extrema relevância porque atingem uma
porcentagem de 24% a 84%, causando mortes,
principalmente por pneumonia, e, piorando
drasticamente o quadro clínico do queimado.
Dependendo da maneira como a vitima foi acometido
pela queimadura, essas porcentagens podem se elevar
mais ainda. As principais complicações, decorrentes
na queimadura, no sistema respiratório são causadas por:
Lesão por inalação: a grande concentração de
gases como monóxido de carbono, dióxido de
enxofre e hidrocarbonetos ao entrarem nas vias
aéreas, causam danos nas mucosas
respiratórias, podendo ser reversíveis ou não
dependendo da quantidade de tempo que a
vítima ficou exposta.
Doenças restritivas: dependendo do grau pode
causar pneumonia, edema pulmonar ou
atelectasia.
Complicações tardias: sendo as mais comuns,
embolia pulmonar e edema pulmonar.
Antes da execução do tratamento preventivo
de patologia das vias aéreas, decorrentes das
queimaduras, o fisioterapeuta deve fazer uma
avaliação morfodinâmica, com o propósito de
verificar através da ausculta pulmonar a presença de
ruídos patológicos, bem como observar a expansão da
caixa torácica.
A remoção das secreções acumuladas pela
imobilização e o uso de aparelho respiratório são
importantes preocupações do fisioterapeuta na área
de queimados. A remoção do muco aderente
(possivelmente infectado) exige a aplicação de três
procedimentos básicos: 1º drenagem postural
adequada, 2º técnicas manuais e 3º exercícios
controlados de respiração e tosse. A atuação
fisioterapêutica deve constar das seguintes técnicas:
1º desobstrução brônquica, 2º Drenagem postural,
3º reexpansão pulmonar e 4º reeducação da função
muscular respiratória (GUIRRO; GUIRRO, 2007).
5.3.3 CINESIOTERAPIA GERAL
A atividade física, quando o paciente ainda
está em fase de recuperação, pode ser muito incômoda
e dolorosa, mas a atividade física precoce para este
individuo é de extrema importância para a
manutenção da amplitude articular . A deambulação
também deve ser iniciada precocemente a fim de
proporcionar ao paciente a oportunidade de manter um
contato social e exercitar os membros inferiores,
evitando possíveis perturbações funcionais. Antes de
iniciar qualquer tratamento precoce neste tipo de
paciente, deve-se fazer uma análise criteriosa acerca
de seus limites funcionais já existentes, para que os
mesmo sejam respeitados. A massagem prévia, antes
de qualquer manejo do paciente, servirá para aumentar
a mobilidade tecidual, evitando assim mais danos, não
Campina Grande v. 9, números 13/14 - Julho 2009 / Junho 2010
só em áreas adjacentes à queimadura, mas, sim na
própria região lesada. (GUIRRO; GUIRRO, 2007).
O exercício é essencial durante a cicatrização de
lesões por dois motivos. Primeiro pelo fato de
estimular a circulação e, portanto aumentar o
fornecimento de oxigênio. Segundo, o exercício
promove tensão no tecido, direcionando assim a
reestruturação do colágeno [...] A tensão excessiva
no tecido neoformado pode promover o
rompimento das novas fibras ou até mesmo a sua
proliferação em excesso (GUIRRO; GUIRRO,
2007).
bioestimula a regeneração da área através do reparo
tecidual. A sua utilização é rápida, não invasiva e
efetiva (GUIRRO; GUIRRO, 2007).
5.3.7 CRIOTERAPIA
As correntes elétricas atuarão neste tipo de
cicatrização no que se diz respeito à recuperação da
função motora perdida ou diminuída. O estimulo
elétrico produzido pelo FES gera no local um aumento
da atividade muscular por influência das propriedades
morfológicas, fisiológicas e bioquímicas que
estimularão o aumento da força muscular (AGNE,
2008).
O frio, quando é aplicado logo após a lesão,
serve para aliviar a dor e diminuir a severidade,
principalmente quando a lesão é de primeiro grau e
segundo grau. Segundo Guirro; Guirro (2007), este
método é muito eficiente e recomendável porque o
resfriamento local é benéfico, visto que ele permite
uma vasoconstrição, limitando o escape de plasma e a
prevenção da hipóxia secundária e diminuição do
metabolismo celular. A crioterapia pode ser utilizada
neste tipo de tratamento com as seguintes finalidades:
Minimizar a formação de edemas, bolhas e
promover a analgesia;
Auxilia no processo de cicatrização;
Alongamento do tecido conjuntivo.
5.3.5 ULTRASSOM
5.3.8 RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA
Dyson e Young relacionaram os mecanismos
fisiológicos envolvidos no processo de reparação de
tecidos moles (inflamação aguda, proliferação e
remodelação) com energia ultrassônica. Há um
consenso no sentido de que o ultrassom pode acelerar a
resposta inflamatória, promovendo entre os efeitos
desencadeados por este processo, as liberações de
histamina, de fatores de crescimento pela granulação
de macrófagos, mastócitos e plaquetas, além de
incrementar a síntese de fibroblastos e colágeno
(GUIRRO; GUIRRO, 2007).
As possíveis ações deste recurso estão
relacionadas ao efeito bactericida atenuantes na
cicatrização. Este recurso só é empregado, nesta fase,
e ainda está em fase de estudo, mas, em todos os casos
de infecções na área lesionada, houve melhora
significativa na maioria dos casos.
5.3.4 ELETROTERAPIA
5.3.6 LASER
Este recurso é muito utilizado, quando a lesão por
queimadura se encontra em aberto, porque ele
5.3.9 RADIAÇÃO INFRAVERMELHA
Este recurso é empregado para alivio da dor,
aumento da mobilidade articular e reparo de lesões de
tecidos moles. Os efeitos fisiológicos já catalogados
pelos estudiosos deste recurso são: vasodilatação,
aumento do fluxo sanguíneo, aumento da leucocitose,
aumento da fagocitose, aumento do metabolismo,
relaxamento muscular e de outras estruturas, analgesia
Campina Grande v. 9, números 13/14 - Julho 2009 / Junho 2010
e aceleração de cicatrização (AGNE, 2008).
Na revista científica, Journal of Burn Care
Rehabilation, existe uma grande quantidade de artigos
associando os problemas psicológicos de crianças e
adultos em relação às cicatrizes e a imagem corporal.
Por isso, o tratamento multidiciplinar na reabilitação
de queimados é de extremamente importância. A
maioria dos autores afirma que o tratamento
fisioterápico deve incluir o encaminhamento a
psicólogos para cuidar desse componente emocional,
principalmente em relação às queimaduras acidentais
em adolescentes e crianças, assim como o preparo para
a cirurgia. (KNOPLICH, 2007).
6 POR QUÊ SE DEVE INTRODUZIR A
FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO?
A maioria dos autores afirma que a técnica de
fisioterapia, em relação aos queimados, encontra-se
em evolução, realizando-se atualmente uma série de
atividades que antes eram consideradas como tabus. A
mobilização das articulações, para evitar seqüelas e
aderências de fáscias, músculos e tendões, deve
começar imediatamente. Na medida das
possibilidades do quadro clínico, as massagens,
mobilizações, exercícios passivos e ativos devem ser
iniciados precocemente, ainda na fase aguda da
queimadura. Órteses simplificadas devem ser logo
colocadas para que o pescoço, as mãos e pés não
assumam posições viciosas.
A movimentação na água, com hidroginástica,
também é recomendada. Além da maior amplidão de
movimentos, os autores têm recomendado que a
fisioterapia cuide da manutenção da força muscular, e,
dificultar a aderência dos planos musculares e dos
tendões com exercícios adequados, mesmo que
doloridos. Os familiares devem receber informações
precisas para a realização dos exercícios, suas
limitações, a reação negativa inicial dos pacientes e o
longo acompanhamento. Os fisiatras são favoráveis a
uma manipulação mais precoce, por intervenção de
um fisioterapeuta, argumentando que esse fato traz um
conforto psicológico intenso, porque os pacientes
sentem que estão fazendo alguma coisa para a sua
recuperação.
6.1 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
Para a aquisição dos dados a ser discutidos e
analisados, realizar-se-á um estudo bibliográfico,
sabendo-se que a citação das principais conclusões a
que os outros autores chegaram, permite salientar a
contribuição da pesquisa realizada, demonstrar
contradições ou reafirmar comportamentos e atitudes
(MARCONI; LAKATOS, 2005).
Por se ocupar das explicações dos fenômenos,
a pesquisa lançará mão do método comparativo, visto
que o mesmo permite analisar o dado concreto,
deduzindo do mesmo os elementos constantes,
abstratos e gerais, constituindo, verdadeiramente, uma
“experimentação indireta” (MARCONI, LAKATOS,
2005).
6.2 RESULTADOS E CONCLUSÕES
Segundo O'Sullivan (2004) as metas para o
tratamento reabilitativo e fisioterápico são
contingentes com o prognóstico. Isso significa que
quanto mais cedo houver intervenções, maiores serão
as chances do paciente não ficar com seqüelas.
Durante a realização deste artigo, no decorrer
das revisões, foi percebido que os recursos utilizados
são bem destintos, o que faltava especificamente era
organizá-los de acordo com sua aplicabilidade com a
cronologia da lesão.
Este trabalho, fundamentalmente, teve este
objetivo: organizar a utilização dos recursos
terapêuticos de acordo com a cronologia da doença.
Campina Grande v. 9, números 13/14 - Julho 2009 / Junho 2010
Na fase inicial deverá ser realizada uma
avaliação minuciosa da lesão e do estado geral do
paciente, para serem detectadas possíveis
complicações. Ao término da avaliação, o terapeuta
deverá utilizar crioterapia com a finalidade de aliviar a
dor e diminuir a severidade, principalmente quando a
lesão é de primeiro grau e segundo grau. Em seguida,
utilizar o infravermelho, para aumento da mobilidade
articular e reparo de lesões de tecidos moles como
conseqüência primordial. Também, deve ser
trabalhado o posicionamento do paciente, e, a
fisioterapia respiratória, a fim de evitar o
desenvolvimento de patologias secundárias, que
poderão piorar drasticamente o quadro clínico dele.
Dentre estas patologias, poderemos citar as ulcerações
(escaras), contraturas de tecidos moles ou articulares,
posturas viciosas e problemas respiratórios.
Na fase de reparo, continuaremos utilizando a
crioterapia e a radiação infravermelha, adicionaremos
o laser, com a finalidade de bioestimular a regeneração
da área através do reparo tecidual, e, o ultrassom, com
o objetivo de acelerar a síntese de fibroblastos e
colágeno. Há literaturas que afirmam que o ultrassom
pode aumentar a resposta inflamatória, mas segundo
Agne (2008), a utilização de ultrassom com a
freqüência de 16Mhz impede o aumento de resposta
inflamatória porque é atérmico e induz o processo de
síntese de colágeno e fibroblasto.
Se, durante alguma etapa do processo de
reabilitação, houver um processo de infecção, a
utilização de radiação ultravioleta e das
microcorrentes são indispensáveis devido ao seu
efeito bactericida assim pressuposto por Agne (2008).
Segundo Agne (2008), quando não há mais
perda da continuidade, inflamação ou bolhas, o
terapeuta deve priorizar a utilização de NMES para
melhorar a forma muscular da região acometida e a
amplitude de movimento possivelmente
comprometida, o TENS para melhorar a inervação
sensorial e a Terapia por Radiofreqüência que, além de
ativar o metabolismo celular, atua na renovação e
remodelação do colágeno. Terapia manual também
atuará como coadjuvante nessa fase.
Campina Grande v. 9, números 13/14 - Julho 2009 / Junho 2010
PHYSIOTHERAPY IN BURNT: A BIBLIOGRAPHICAL
ABOUT KEY FEATURES PHYSIOTHERAPEUTICS AND ITS
BENEFITS
ABSTRACT
The burn is a lesion that can handle any individual, regardless of gender and age, and that can cause bodily
deformantes as well as changes may lead an individual to death. That said, I had us performing a search
demonstrating what key features physiotherapeutics possible use within a framework of Burns, as well as
extol the benefits of performing ducts physiotherapeutics aimed at total rehabilitation and recovery of the
individual affected by such lesion. To this end, bibliographical reporting what's newest on fisioterapêutico
treatment of burns.
Keywords: Physiotherapy. Burn. Rehabilitation.
REFERÊNCIAS
AGNE, J. E. Eletrotermoterapia – Teoria prática.
Santa Maria: Orium, 2008.
AZULAY, R.D. Dermatologia. 4 ed. Rio de
Janeiro.Guanabara Koogan, 2006.
CHEM, R. C. Queimaduras. Disponível em:
http://www.abcdasaude.com.br/artig. php?357.
Acesso: 06/11/2007.
CORPO SAUDÁVEL. Queimadura, 2008.
Disponível em:
http://www.corposaudavel.com.br/portugues/content
/view/57/29/
FILHO, B. J. R. Lesões por queimaduras.
Disponível em: ..............................................
http://www.wgate.com.br/conteudo/medicinaesaude/
fisioterapia/queimaduras.htm. Acesso: 06/11/2007.
GUIRRO, E; GUIRRO, R. Fisioterapia DermatoFuncional: Fundamentos, Recursos e Patologias.
Barueri, SP: Manole, 2007.
KNOPLICH, José. Bibliomed. 2007. Disponível em:
http://portaldafisioterapia.com/site/modules.php?na
me=News&file=article&sid=1231
MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos
de metodologia científica. 6. Ed. São Paulo: Atlas,
2005.
O'SULLIVAN, Susan B. Fisioterapia: avaliação e
tratamento. 2.ed. Barueri: Manole, 2004, 1152p.
PORTER, S. Fisioterapia de Tidy. 13 ed. Rio de
Janeiro: Elsevier, 2005.
SAÚDE TOTAL, Vida on line. 2008. Disponível em:
http://vidaonline.blogtok.com/blog/9986/queimadura
s-uma-trag-dia
WEBGATE. Fisioweb, Lesões por queimaduras,
2001. Disponível em:..........................................
http://www.wgate.com.br/conteudo/medicinaesaude/
fisioterapia/queimaduras.htm
Campina Grande v. 9, números 13/14 - Julho 2009 / Junho 2010
Fly UP