...

Fora Temer e demais golpistas

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

Fora Temer e demais golpistas
LIGEIRINHO
Edição nº 481
20 de maio de 2016
IMPRESSO
PODE SER ABERTO PELA
ECT
Informativo do Sindicato dos Trabalhadores Técnico-Administrativos em Instituições Federais de Ensino Superior de Uberlândia (SINTET-UFU)
Fora Temer e demais golpistas
EDITORIAL
GOVERNO TEMER DÁ
CONTINUIDADE A RETROCESSOS!
Vivemos tempos muito difíceis. Presenciamos pela mídia um Congresso
Nacional corrupto, capturado pelos diversos setores do empresariado, depor
a Presidenta Dilma. Esse processo não é somente trágico, mas é também uma
FARSA! A alegação para a deposição da Presidenta Dilma, se fosse para
levar ao pé da letra, deveria também levar ao impedimento de Michel Temer
(que assumiu a presidência pelos próximos 180 dias de forma ilegítima)
e ao impedimento de governadores de 16 estados que compõe a nossa
estrutura federativa. Mas não foi isso que ocorreu. O discurso foi seletivo
e direcionado apenas para Dilma, demonstrando que o claro objetivo foi
depor a presidenta de seu cargo.
A conjuntura também está turbulenta na UFU. Estamos em um momento
de luta no Conselho Diretor pela implantação da jornada de trabalho de
trinta horas semanais para servidores técnico-administrativos em educação
na UFU que, se depender da nossa disposição e mobilização enquanto
categoria, a previsão é que o debate sobre a resolução e o parecer sejam
aprovados na próxima reunião do Conselho Diretor que ocorrerá no próximo
dia 10 de Junho. Estamos em luta no Conselho Universitário pela redução
do injusto e ilegal reajuste do ticket alimentação para uso do Restaurante
Universitário por parte dos técnico-administrativos em educação,
aposentados(as) e pensionistas. Em luta também para a construção de uma
UFU verdadeiramente democrática nas reuniões da Estatuinte e fazendo os
enfrentamentos contra o processo de privatização do HC-UFU mediante as
alterações no Estatuto da FAEPU (propostas pela Administração Superior
da UFU e Direção da FAEPU).
A nível nacional, o SINTET-UFU está somando ativamente na luta
desenvolvida pela FASUBRA e pelo Fórum das Entidades Nacionais dos
Servidores Públicos Federais, contra o PLP 257/2016 que aprofunda o processo
de ajuste fiscal no país e contra a perspectiva de Dilma e Temer de implementar
uma Reforma da Previdência que aumentará a idade para aposentadoria, sob a
mentirosa alegação de que o sistema previdenciário está em déficit.
Além disso, estão ativas as reuniões do GT de Mulheres, realizamos
o Baile do Dia das Mães e o 16º Campeonato de Futebol Society em
parceria com a DIESE-PROEX. Construímos também em conjunto com a
ADUFU-SS uma atividade para debater a previdência e realizamos junto
ao 2º Seminário Nacional de Teoria Marxista, atividade de formação
política, na qual debatemos questões relacionadas à conjuntura política
nacional e a questão sindical.
É hora de nos mantermos mobilizados para enfrentarmos os desafios que se
impõem na política nacional e na política interna da UFU, que se apresentam
de forma desfavorável para os nossos direitos. O SINTET-UFU reitera que está
aberto para a colaboração e participação de toda a categoria, para pensarmos
as melhores táticas e estratégias para construirmos esse importante processo
de resistência. O SINTET-UFU é de todos(as) nós, nesse momento delicado e
complexo da conjuntura é necessário o fortalecimento da inteligência e ação
coletiva que reforce os espaços organizativos das classes trabalhadoras, como
o SINTET. Participe dessa luta junto com a gente!
Coordenação Colegiada - SINTET-UFU
EXPEDIENTE
LIGEIRINHO é o jornal informativo
do SINTET-UFU.
Distribuição gratuita aos seus filiados.
Tiragem: 3.000 exemplares.
Redação: Rua Salvador, 995
B. Aparecida - Uberlândia - MG.
Fone/Fax: 0 xx (34) 3214-1649
E-mail: [email protected]
[email protected]
Home page: www.sintetufu.org
COORDENAÇÃO COLEGIADA GESTÃO 2016-2018
COORDENAÇÃO GERAL
CELESTE FRANCISCA DA SILVA
MÁRIO COSTA DE P. GUIMARÃES JÚNIOR
ROBSON LUIZ CARNEIRO
COORDENAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO E
FINANÇAS
EDMÍLSON BORGES DA SILVA
LÁZARO MANOEL RODRIGUES
COORDENAÇÃO DE FORMAÇÃO E
RELAÇÕES SINDICAIS
STÊNIO ALVES
VALDEMIRO PAULINO DE LIMA
COORDENAÇÃO DE IMPRENSA E
COMUNICAÇÃO
MARIA CRISTINA SAGÁRIO
RODRIGO SOARES PORTO
COORDENAÇÃO DE ASSUNTOS DAS
FUNDAÇÕES
FERNANDA ROSA DOS SANTOS
PEDRO GOMES DA SILVA
COORDENAÇÃO DE ASSUNTOS DE
APOSENTADOS
ELIZETE MENDES ROSA
MARIA LAUDEMIRA DA SILVA REZENDE
COORDENAÇÃO DE ESPORTE, CULTURA E
LAZER
FRANCISCO CASSIMIRO
OSVALDO RODRIGUES SILVA
COORDENAÇÃO DE POLÍTICAS SOCIAIS
ANTIRRACISMO
MARIA AUXILIADORA GOMES DA CRUZ
MARIA JOSÉ NASCIMENTO FABIANO
COORDENAÇÃO DE AS. JURÍDICOS E
RELAÇÃO DE TRABALHO
CARLOS DÊNIS PEREIRA
CLÁUDIA REGINA PEREIRA
COORDENADORES SUPLENTES
ARISTIDES VALDIVINO DE PAULA
ARIOSVALDO PEREIRA DE LIMA
CLEIDE MARIA DE JESUS
LÁZARO ANTÔNIO DE ALMEIDA
CONSELHO FISCAL
Efetivos : JOÃO FERNANDES DA SILVA
MARLÚCIA MOURA DE OLIVEIRA
RAFAEL MACIEL REIS
Suplentes:DANIEL CURY
ROSEMARY BORGES
GENONCIONE BARBOSA DA CUNHA
JORNALISTAS
GUILHERME GONÇALVES
MTB 19666/MG
RAISSA DANTAS DE SOUSA
DIAGRAMAÇÃO: GUILHERME GONÇALVES
REVISÃO: RAISSA DANTAS
LIGEIRINHO
SINTET-UFU apoia o movimento
do poder público, sociedade civil,
empresas, entidades de classe,
associações e federações para
que medidas efetivas mudem
o cenário do trânsito mundial.
Por acreditar na seriedade
do movimento e na importância
da
discussão,
o
SINTETUFU engaja a participação e o
comprometimento com o bemestar social, educação e segurança
no trânsito. Esse é o primeiro passo
para que a verdadeira mudança
aconteça e que o amarelo se torne
a cor da ATENÇÃO PELA VIDA.
Sua marca é o laço amarelo.
Movimento Maio Amarelo
O
SINTET-UFU
apoia
o
movimento Maio Amarelo, em
especial dentro dos campi da
Universidade Federal de Uberlândia
(UFU) realizado pela Pró-Reitoria
de Gestão de Pessoas (PROGEP)
e o Setor Integrado de Ações
de Promoção á Saúde (SIAPS).
Mas o que é o Maio Amarelo?
O Maio Amarelo é um movimento
que visa chamar a atenção da
sociedade para os altos índices de
mortes e feridos no trânsito no mundo
todo. A intenção do movimento é
primeiramente construir discussões
sobre o tema, e buscar o engajamento
Movimento Maio Amarelo
Por Guilherme Gonçalves
Altos índices chamam
atenção da ONU
Os altos índices de mortes
e feridos no trânsito chamaram
a atenção da Organização das
Nações Unidas (ONU) que em sua
Assembleia Geral em março de 2010
aprovou a década atual (2011 – 2020)
como a “Década de Ações para a
Segurança no Trânsito”. A medida
foi tomada após a Organização
Mundial da Saúde (OMS) fazer
um
levantamento
alarmante.
Segundo a OMS, apenas no ano de
2009 cerca de um milhão e trezentas
mil (1,3 milhão) pessoas perderam
a vida em acidentes de trânsito
em 178 países. O levantamento
aponta ainda que 50 milhões de
pessoas sobreviveram com sequelas.
Tais números indicam uma média
de três mil mortes diariamente. O
trânsito é o nono maior causador
de mortes no mundo. O Brasil é o
quinto colocado no ranking entre
os países recordistas em mortes no
trânsito, fica atrás apenas de Índia,
China, Estados Unidos e Rússia. Os
acidentes de trânsito trazem ainda um
custo enorme para os países, são US$
518 bilhões de dólares por ano, o que
representa de 1% a 3% do Produto
Interno Bruto (PIB) de cada país.
sintet.ufu
www.sintetufu.org
[email protected]
3
LIGEIRINHO
>>
Aposentados fazem passeio e conhecem
Por Guilherme Gonçalves e Raissa
Dantas
em seguida foram conhecer como
é o funcionamento do local. Se
informaram sobre o passo a passo
detalhado da pré-produção, feitura
e finalização das reportagens.
Em seguida puderam conhecer as
acomodações do estúdio onde os
telejornais da TVU são gravados.
Os aposentados e pensionistas
aproveitaram para experimentar a
famosa bancada dos apresentadores.
No período da tarde o grupo
foi conhecer a Moradia Estudantil
do UFU, localizada no Bairro
Tibery. Lá foram recepcionados
pela gestora da moradia, Maria de
Fátima Oliveira, que mostrou a
estrutura ofertada pela universidade
aos estudantes de baixa condição
socioeconômica. “A moradia serve
para ajudar os discentes que estão
Raissa Dantas
Os aposentados, aposentadas
e pensionistas da Universidade
Federal de Uberlândia (UFU)
fizeram, no final de abril, um
passeio por setores da universidade.
A excursão foi uma iniciativa
da Coordenação de Assuntos de
Aposentados, representada pelas
coordenadoras Elizete Mendes
Rosa e Maria Laudemira da Silva
Rezende. Na ocasião os participantes
conheceram as novas instalações da
Reitoria, Rádio e TV Universitária e
a Moradia Estudantil.
O passeio começou pelo
novo prédio da Reitoria da
UFU. Apesar dos vários anos
de serviços prestados muitos
aposentados não conheciam as
instalações da administração
universitária e puderam ver como
o local funciona e é estruturado.
Viram a exposição do fotógrafo
Milton Santos localizada na
entrada do prédio. A aposentada
Maria Terezinha Silva ficou feliz
por voltar à universidade após
tantos anos e ressaltou que um
servidor público jamais deixa de
servir a população. “Servidor é
sempre servidor, quando sai da
universidade vai servir em outras
atividades lá fora”, afirmou.
Após passarem pelas instalações
da Reitoria, os aposentados
foram conhecer a Diretoria de
Comunicação (DIRCO) e a Rádio
e TV Universitária (RTU). Foram
recepcionados e acompanhados
pela equipe que coordena a RTU,
Aposentados conhecem instalações da Fundação de Rádio e Televisão Educativa de Uberlândia.
4
sintet.ufu
www.sintetufu.org
[email protected]
LIGEIRINHO
> Aposentados
rádio, TV e moradia estudantil da UFU
Raissa Dantas
Apesar dos serviços prestrados por décadas, aposentados não conheciam todas as instalações da UFU.
em vulnerabilidade socioeconômica a
permanecer na universidade e concluir
a graduação”, disse a gestora.
Encantada com o passeio, Francisca
Guilherme
Oliveira,
aposentada
há oito anos, adorou a iniciativa
que proporcionou a ela voltar à
universidade depois tantos anos.
“Crio três netos e acabei me afastando
da UFU. Uma de minhas filhas viu o
calendário de passeios enviados pelo
SINTET-UFU e me inscreveu mesmo
duvidando que eu viesse. Vim e estou
feliz por não ter desistido”, afirmou
à aposentada. Francisca ainda ficou
feliz por conhecer locais da UFU que
jamais tinha ido. “Gostei muito de
conhecer setores da UFU que sabia que
existiam, mas que mesmo após muitos
anos de trabalho na universidade não
conhecia”, finalizou.
sintet.ufu
VOCÊ SABIA?
Atenção aposentados e aposentadas, você sabia que
no mês de março foi inaugurado o Centro Esportivo
Universitário (CEU), no Campus Santa Mônica?
O espaço é destinado aos servidores e alunos da UFU
e você pode usufruir da academia montada. Para isso
basta ir ao local e agendar seu horário. O atendimento é
feito de segunda a sexta-feira, das 7 às 13 horas, e das 17
às 21 horas. É necessária a apresentação da identidade
institucional e de um atestado médico. Quanto aos
pensionistas a Coordenação de Assuntos de Aposentados
está verificando a possibilidade de também frequentarem
a academia universitária.
O SINTET-UFU entende que a prática de exercício
físico regular contribui para um sono melhor, melhora
a força muscular e ainda contribui para o aumento da
sociabilidade.
www.sintetufu.org
[email protected]
5
LIGEIRINHO
Contra os ataques aos direitos
Ribs
Da Coordenação Colegiada
6
simbolizará, sem dúvida nenhuma,
mais ataques aos nossos direitos
sociais e trabalhistas.
É importante deixar claro que
a Direção do SINTET-UFU, é
OPOSIÇÃO de Esquerda ao
Governo Dilma. Não temos
NENHUMA ILUSÃO com relação
a esse e aos últimos governos do
PT. Entretanto nos posicionamos
claramente
contra
o
golpe
institucional promovido contra
Dilma que ocorre dentro das regras
Lorenzo
Na quinta-feira, 12 de maio
de 2016, se deu o processo de
impeachment da Presidenta Dilma
Rousseff no Senado Federal.
O golpe político institucional
orquestrado nesse último período
por setores da grande mídia, do
Judiciário e do empresariado
(que sofrem do complexo de vira
lata), deu outro passo a diante.
Agora a presidenta Dilma poderá
ficar afastada por até 180 dias até
a conclusão final desse ilegítimo
processo coordenado por setores
conservadores
da
política
brasileira, e executado por um
Congresso Nacional que, em sua
ampla maioria, não legisla para
os interesses dos trabalhadores e
trabalhadoras desse país.
Alertamos mais uma vez
que o resultado do processo
de impeachment não significa
NENHUMA VITÓRIA para nós,
trabalhadores e trabalhadoras.
Não devemos depositar nenhuma
esperança no futuro que virá com
a transferência da presidência
da república para Michel Temer.
A vida tende a piorar!
Esse golpe político institucional
dessa democracia restrita que
vivemos, em virtude de que os
setores que queriam assumir (e
assumiram) o Governo Temer
pretendem ampliar os ataques aos
direitos sociais dos trabalhadores
e trabalhadoras. Querem ampliar
ainda mais os assaltes já realizados
pelo próprio Governo Dilma! Por
isso nós alertamos à categoria para
que não tenha nenhuma ilusão com
esse processo de impeachment em
curso no país. Não é possível nos
mantermos neutros ou mesmo não
nos posicionarmos nesse processo.
Nessa complexa conjuntura,
a única certeza que temos é de
que se o Governo Dilma cair
no final desse processo que
durará até 180 dias, as classes
trabalhadoras estarão em uma
situação muito desfavorável; e
se o Governo Dilma não cair, as
classes trabalhadoras estarão em
uma situação muito desfavorável
também! O prenúncio é de que o
futuro próximo nos reserva violentas
contrarreformas que atacarão o
serviço público de qualidade, que
retirarão nossos direitos sociais e
trabalhistas, afetando sensivelmente
nossa vida cotidiana.
sintet.ufu
www.sintetufu.org
[email protected]
sociais: a saída é pela esquerda
Devemos estar preparados
para os próximos embates que
virão. A nossa mobilização é
imprescindível para que tenhamos
condições de barrar essa avalanche
conservadora. Precisamos nos
mobilizar contra esse movimento
articulado pelos setores mais
conservadores e reacionários da
sociedade e da política brasileira,
que querem, sem sustentação
legal e política, manter Michel
Temer
na
Presidência
da
República. Necessitamos, ainda,
nos mobilizar para lutar contra os
ataques aos nossos direitos e, em
especial, contra o PLP 257/2016
que está em regime de urgência
no Congresso Nacional (Projeto
proposto pelo Governo Dilma), e
contra a proposta de Reforma da
Previdência que foi pautada por
Dilma e agora é pautada por Temer.
Até o momento, é possível
avaliar que o governo Temer
possui uma maioria parlamentar,
construída durante o processo
do impeachment, capaz de
aprovar todas as contrarreformas
e a retirada de direitos sociais e
trabalhistas. Há uma propaganda
enorme dos setores empresariais no
sentido de que os trabalhadores e
trabalhadoras precisam “trabalhar”
para superar a crise, bem como que
os trabalhadores e trabalhadoras
devem conceder direitos sociais e
trabalhistas para salvar a economia
do país. Essa é uma propaganda
enganosa e precisamos combater
com veemência esse discurso
mentiroso do Governo, dos
empresários e da grande mídia.
O programa “Ponte para o Futuro”
apresentado pelo novo governo
indica que os ataques serão enormes
e encaminhados imediatamente. A
redução da importância das pastas
do
desenvolvimento
agrário,
do desenvolvimento social, das
sintet.ufu
LIGEIRINHO
mulheres, da igualdade racial,
da educação e da cultura – todas
fundidas a outros Ministérios
– aponta para a extinção das
já minguadas concessões dos
governos petistas aos movimentos
sociais.
As
presenças
de
Henrique Meirelles e José Serra,
respectivamente à frente dos
Ministérios da Fazenda e das
Relações Exteriores, evidenciam
a disposição para atender a todas
as reivindicações do grande capital
nacional e internacional.
trabalhadores e as trabalhadoras.
A direção do SINTET-UFU
avalia que é necessária a construção
de uma Frente de Esquerda
consciente na tarefa de superação
da política petista de conciliação
de classes para ocupar o vácuo
deixado pelo PT, além de barrar
o avanço da direita reacionária
em nosso país. Essa Frente de
Esquerda deve impulsionar as
lutas sociais nas ruas, nas praças,
nas universidades, nas escolas,
no congresso e em todos os
Diante desse cenário e para
defendermos
nossos
direitos,
a unidade de todos os setores
das classes trabalhadoras é uma
necessidade urgente. O SINTETUFU entende que a FASUBRA
deve contribuir para que as
centrais sindicais (CSP-Conlutas,
Intersindical, CUT, CTB) em
conjunto com os movimentos
sociais (MST, MTST, MLST, MTL,
Pastorais, Associações de Bairro)
devem construir, em torno de um
programa mínimo, a unidade de ação
para enfrentar os ataques contra os
espaços sociais; não dando trégua
ao ilegítimo Governo Temer e
buscando a construção de políticas
que avancem na construção de
uma
sociedade
efetivamente
democrática, com direitos sociais
e trabalhistas reais e acessíveis
aos trabalhadores e trabalhadoras.
É hora de construirmos a unidade
contra todos os ataques aos direitos
dos trabalhadores e trabalhadoras!
www.sintetufu.org
FORA TEMER! A SAÍDA É
PELA ESQUERDA!
[email protected]
7
LIGEIRINHO
Se Temer fosse o candidato a
presidente do Brasil nas últimas
eleições e apresentasse para a
população o seu programa “Uma
ponte para o futuro”, prevaleceria
a sua agenda política nas urnas? E
se fosse Dilma que apresentasse
o mesmo programa, prevaleceria
sua vitória nas urnas? Ao que
tudo indica, provavelmente não,
e o que inclusive se deu foi um
segundo turno com um discurso
(que não se efetivou na prática)
parcialmente mais à esquerda com
promessas de avanços em áreas e
programas sociais, manutenção
de direitos trabalhistas o que
8
Uma ponte para o f
garantiu sua vitória frente a
ameaça e retrocesso que naquele
momento representava a figura
do candidato do PSDB, Aécio
Neves. Quem não se lembra de
um dos seus discursos em que
a presidenta Dilma disse “não
mexo nos direitos trabalhistas
nem que a vaca tussa”? Pois é,
ela tossiu e já era previsto (e
ao mesmo tempo ignorado por
muitos) uma vez que o programa
ilusório da conciliação de classes
sociais no Brasil é um “cabo
de guerra” que só tende a ir na
direção da força dos interesses
do capital e do lucro.
sintet.ufu
Qual
o
significado
do
documento “Uma ponte para o
futuro” e o que pode representar
na prática, caso essa agenda
política se cumpra? O documento
foi elaborado em 2015, e já
evidenciava a intenção do PMDB
em tomar o lugar da presidência,
nele existe uma sinalização para
a
sociedade,
principalmente
para empresários e o mercado
financeiro, das medidas propostas
supostamente para tirar o país da
crise em que se encontra. Vários
analistas já detectaram que para
além de “boas intenções” do
documento existe uma proposta
de reestruturação do Estado
que passa por desmantelar o
sistema de garantias sociais
(como saúde, educação,
previdência, etc.) previstas na
Constituição de 1988, afinal
como diz o documento: “as
despesas públicas primárias,
ou não financeiras, têm
crescido
sistematicamente
acima do crescimento do
PIB, a partir da Constituição
de 1988. ”
Considerar
a
questão
social como “gasto” e
não “investimento”, como
insustentável, é um antigo
artifício
retórico
para
defender o mercado, o pacto
social individualista e a
mercantilização dos serviços
públicos. O que se anuncia
em breve são ataques a
educação pública, ao SUS,
aos direitos trabalhistas,
aos movimentos sociais e as
várias declarações do novo
governo que vem sendo
dadas a mídia comprovam
tudo isso. Programa sociais
como o Minha Casa Minha
Vida, Bolsa Família, Mais
Médicos, Fies, Pontos de
Cultura, Seguro-desemprego,
Pronatec,
Ciência
sem
www.sintetufu.org
[email protected]
LIGEIRINHO
uturo (do pretérito)
Fronteiras, etc. são considerados pelas nomeações ministeriais medidas do governo do PT que vão
como gastos que precisam de homens brancos e por seus na contramão dos interesses da
ser reavaliados, o que deixa a discursos, tudo isso forma uma maioria social (os trabalhadores).
entender que possivelmente serão metáfora (e realidade concreta) Setores da classe média cumpriram
reduzidos ou até mesmos extintos. perfeita de um governo com também com o seu papel ao serem
A Previdência Social também é pedigree conservador.
mais conservadores e reacionários
alvo, sendo colocada como uma
Mesmo sob ataques dos do que a própria elite, talvez
estrutura que aumenta despesas e oposicionistas à direita (que tem motivados
pela
intolerância
causa déficit aos cofres públicos. como direção a elite econômica e preconceito com a pobreza,
A legislação trabalhista (CLT) brasileira) que hoje perpetram misturados com a insegurança e
também é criticada exigindo-se o processo de impeachment, o medo de queda no seu padrão de
maior flexibilização que beneficie governo de Dilma se dispôs a vida. É aquela velha síndrome
ainda mais os empregadores com contentar o patronato nacional de quem “come mortadela, mas
a proposta de “permitir que as com medidas que atacam direitos quer arrotar salame italiano”. É
convenções coletivas prevaleçam trabalhistas como a edição das estarrecedor a existência de um
sobre as normas legais”. Um Medidas Provisórias (MPs) 664 discurso ignorante (no mínimo
novo ciclo de privatizações e 665 que reduziram o acesso aos ingênuo) vociferando que o governo
também está sendo anunciado. benefícios da Previdência e do do PT é socialista/comunista
Se em uma tempestade o guarda- seguro desemprego, a Reforma e que a causa dos problemas
chuva protege pouco, imagina da Previdência e o Projeto de sociais de nosso país e da crise
agora sem ele. Essa é a metáfora
é em função de uma intervenção
da situação em que nós,
à esquerda, sendo que na
Considerar
a
questão
trabalhadores e trabalhadoras,
verdade o que levou o país para
estaremos submetidos.
social como “gasto” e não essa encruzilhada são políticas
Em tempos de crise a saída
alinhadas
diametralmente
“investimento”, como
proposta por Michel Temer
no lado oposto do espectro
insustentável, é um antigo político e ideológico.
requer sacrifícios maiores para
quem vive da venda da sua força
Misture tudo isso e temos
artifício retórico para
de trabalho, por isso no seu
como um de seus produtos
discurso após ser empossado defender o mercado, o pacto a chegada indireta ao poder
social individualista e a
como presidente disse, “ não fale
executivo do PMDB nas
em crise, trabalhe”. O recado mercantilização dos serviços figuras de Temer e Cunha
para os que se insurgirem é
(ambos investigados também
públicos.
bem explícito no slogan de seu
por corrupção) que realizam
governo, “ordem e progresso”,
um upgrade mais conservador
uma frase expressa na bandeira Lei Complementar nº257/2016, na agenda política e econômica
nacional que a princípio parece fora uma série de outros ataques do PT, expressos no documento
ser inofensiva e desejável para a direitos conquistados nas lutas “Uma ponte para o futuro”. O
os desavisados, mas que por trás sociais. Além disso vale lembrar futuro, na perspectiva de Temer
revela a inspiração positivista das nomeações de representantes tem cheiro e ranço de um passado
(ideologia
político-religiosa legítimos do capital para assumirem mais elitista e conservador aos
fundada por Auguste Comte) que cargos ministeriais (como foi o caso moldes da Casa Grande. O maior
sempre foi suporte para a violência de Joaquim Levy para o Ministério golpe está sendo dado em nós,
normativa
e
preconceituosa da Fazenda e Kátia Abreu para o trabalhadores e trabalhadores. É
das elites brasileiras. A própria Ministério da Agricultura).
tempo de resistir e sair às ruas,
Tudo isso não foi suficiente para caso contrário quem pagará o
estética da logomarca do governo
Temer já vem sendo criticada por segurar a ofensiva conservadora pato (da FIESP) seremos nós.
especialistas da área de design por e de direita articulada no sistema
ser associada a um padrão estético político, judiciário e na grande Ricardo Takayuki Tadokoro
que remete a algo mais formal e mídia, que se apoiou num Bacharel e Mestre em Ciências sociais,
conservador, ou seja, do discurso quadro de crise econômica e é professor de sociologia e assessor
político do SINTET-UFU.
à aparência estética, passando descontentamento social com as
sintet.ufu
www.sintetufu.org
[email protected]
9
LIGEIRINHO
CONDIR avança no processo das 30 horas
Da Coordenação Colegiada
Na sexta-feira, 06 de maio
de 2016, ocorreu a 4ª reunião do
Conselho Diretor (CONDIR) desse
ano, na qual pautou o debate sobre
o parecer e resolução que trata da
implantação da jornada de trabalho
de trinta horas semanais para
servidores técnico-administrativos
em educação, conforme o disposto
no Decreto nº 1.590 de 10/8/1995,
com redação dada pelo Decreto nº
4836 de 9/9/2003.
O processo sobre o tema que
tramita no CONDIR é o de número
86/2015, que hoje conta com a
relatora Kárem Cristina de Sousa
Ribeiro e o relator Helvécio Damis
de Oliveira Cunha, que pediu vista
do processo ao final da 3ª reunião
do CONDIR, em abril desse ano.
Ao contrário da 3ª reunião, em
que saímos com balanço negativo
do espaço, a reunião do CONDIR
que ocorreu na última sexta foi
significativa, com saldo positivo
ao que se refere ao avanço para a
finalização desse debate.
O debate desse ponto de pauta
iniciou com a leitura do pedido
de vista do Profº Helvécio, que
realizou um novo parecer sobre
todo o processo, acatando tudo
10
que já havia sido aprovado nas
reuniões anteriores do CONDIR, e
apresentando alterações dos artigos
15 ao 33. As propostas de alterações
desses artigos, apresentadas pelo
relator, estão em sintonia com
as reivindicações propostas por
nós Técnico-Administrativos em
Educação (TAEs).
Após a leitura, iniciou-se o
debate de artigo por artigo. Sobre
os pontos debatidos nessa reunião,
as propostas apresentadas pelo Profº
Helvécio tiveram acordo com a Profª
Kárem (relatora inicial do processo),
bem como com os conselheiros e as
conselheiras do CONDIR.
Os principais pontos debatidos e
aprovados nessa reunião tratam dos
entraves que existiam na proposta de
resolução inicial, referentes à inclusão
dos TAEs que hoje fazem Adicional
de Plantão Hospitalar (APH) ou que
possuem Cargos de Direção (CD) e
Função Gratificada (FG), na jornada
de trabalho de 30 horas semanais; bem
como na constituição da Comissão que
avaliará as solicitações de adequações
dos setores nessas escalas, nas qual
na proposta inicial não incluía a
representação do SINTET-UFU na
composição dessa comissão. Foram
sintet.ufu
retirados os entraves para incluir quem
faz APH ou que possuem FG ou CD
nas escalas. Isso é uma grande vitória!
Além disso, foi aprovada a
constituição de uma Comissão que
avaliará as solicitações de alteração
na jornada de trabalho dos setores
da UFU, que inclui a representação
do SINTET-UFU. Na reunião do
Conselho foi debatido até o artigo
22 da proposta original, mas que
renumerado passou a ser o artigo
16. A previsão é que se conclua,
debata e vote a resolução no próximo
encontro do CONDIR.
A reunião foi interrompida por
falta de quorum e pelo alcance do
teto do horário (18h30), no ponto
que debate o trâmite administrativo
que regulamentará a solicitação de
cada setor para se incluir na jornada
de trabalho de 30 horas (mantendo
aberto para a comunidade acadêmica
por pelo menos 12 horas).
A próxima reunião ocorrerá em
10 de junho de 2016, na primeira
sexta-feira do mês, em que teremos
a possibilidade de encerrar o debate
sobre esse tema, para iniciar a
instituição das 30 horas semanais
de forma efetiva na UFU, o que
possibilitará um maior e melhor
atendimento da Universidade para a
comunidade interna e externa.
A Direção do SINTET-UFU
avalia que é necessária atenção e
mobilização da categoria durante
esse período, para que assim
possamos avançar e concluir esse
debate no CONDIR. A resolução
prevê inicialmente a instituição
da jornada de 30h nos Hospitais e
nas Bibliotecas. Posteriormente,
num segundo momento, abrirá a
possibilidade para que os demais
setores da UFU possam fazer
o debate e enviar propostas de
adequação da jornada de trabalho,
conforme determina a legislação
vigente (Decreto 1590/1995 alterado
pelo Decreto 4836/2003).
www.sintetufu.org
[email protected]
LIGEIRINHO
Pela concretude do NUNCA MAIS!
sintet.ufu
Acervo do arquivo da Câmara dos Deputados
Há 52 anos o Brasil passava
por um momento decisivo de
sua história. Após o anúncio das
reformas de base feito pelo então
presidente João Goulart o país
vivia um racha impulsionado por
uma direita raivosa elitizada usada
como marionete comandada, como
se viria a confirmar recentemente
através de documentos e gravações
disponibilizadas do período, por
mãos estadunidenses, não por acaso,
no auge de Guerra Fria.
Um dos carros chefes do discurso
golpista fora o anticomunismo
propagado
pelos
meios
de
comunicação apoiado pela classe
empresarial, tendo inclusive como
um de seus principais financiadores a
FIESP – Federação das Indústrias do
Estado de São Paulo – a mesma que
quer o fim da CLT e distribuiu filet
mignon para a elite branca batedora
de panela, a qual também paga
patos de borracha para estarem nas
manifestações pró-golpe, ainda hoje.
Em 1º de abril de 1964 o pontapé
inicial foi dado por Olímpio Mourão,
o qual não apenas jogou o país em
21 anos de governo comandado
por militares, anos esses marcados
por torturas, mortes, perseguições e
arbitrariedade, mas também deixou
um legado em diversos segmentos da
sociedade, seja na despolitização do
ensino em sala de aula, a valorização
de uma educação voltada para gerar
mão-de-obra para o capital, uma
Polícia Militar que espanca e mata
moradores da periferia todos os dias,
além de ter deixado uma inflação
que chegava a casa dos 240% e
um endividamento externo que só
cresceu e gera juros até hoje.
No decorrer desses 21 anos
destacaram-se algumas “ilustres”
figuras que contribuíram para o
fascismo vivido nesse período, como
o Uberlandense Rondon Pacheco.
Rondon foi chefe de gabinete no
governo do ditador Costa e Silva, foi
Por memória, verdade e justiça
um dos relatores do Ato Institucional
nº 5 (AI-5), indultou assassinos
enquanto governador biônico de
Minas Gerais (indicado pelo ditador
Garrastazu Médici de 1971 até 1975)
e foi presidente da ARENA (Aliança
Renovadora Nacional) o partido de
todos os ditadores.
Isto posto, cabe a nós, povo
comprometido com o projeto
democrático brasileiro questionar:
Rondon Pacheco fora julgado
por sua participação em tantas
atrocidades ditatoriais? A resposta é
um vergonhoso não. Graças a Lei da
Anistia, feita pelos próprios militares,
ele é inocente de tudo isso, sendo que
nem mesmo o governo atual teve
coragem de pressionar por uma revisão
dessa lei, cabalmente incompatível
com a Constituição de 1988.
Como se a impunidade não
bastasse por si só, hoje em dia temos
diversas homenagens à esse cidadão
espalhadas pela cidade: nome de
teatro, de avenida, placas nos campi
da universidade, fotos em bibliotecas
de escolas. A consequência disso é
a banalização dessa herança maldita
deixada por esse período sangrento.
Uma Justiça de Transição coerente
é o mínimo que se espera de uma nação
www.sintetufu.org
que se auto intitula democrática.
O Brasil é o país mais atrasado
nesse segmento, todas as nações
latino-americanas que passaram
por ditaduras militares orquestradas
pelos Estados Unidos na segunda
metade do século XX julgaram seus
torturadores. Já passou da hora de
nós fazermos o mesmo, não, como
acusado por alguns, para exaltar um
sentimento revanchista, mas sim
como um ato de amadurecimento
democrático e justiça, conferindo um
mínimo conforto para as famílias das
vítimas, as quais têm que conviver
com o fato de que os assassinos de
seus parentes estão livres e ainda são
exaltados por parcelas da sociedade.
Portanto, a efetivação da justiça
de transição é condição indispensável
para a consolidação democrática,
superando dessa forma tudo que
ainda resta da ditadura, pois só a partir
de então poderemos gritar a plenos
pulmões uma frase que ficou marcada
como de combate aos regimes de
horror institucionalizado em todo o
continente: NUNCA MAIS!!!
Subcomissão da Verdade Ismene
Mendes – Triângulo Mineiro e Alto
Paranaíba
[email protected]
11
LIGEIRINHO
>>
Futebol como lazer aos servidores
Por Raissa Dantas
Raissa Dantas
Já imaginou um espaço de
confraternização e lazer disponível
semanalmente para todos servidores
da Universidade? Isso já existe.
Acompanhamos um sábado de futebol
com o grupo que organiza o racha,
que acontece todo fim de semana na
Centro Esportivo do Campus Glória.
São veteranos, funcionários na ativa,
diversos ex-atletas e suas famílias, que
vão acompanhar para assistir, ou para
bater uma bola com o grupo, que joga
há quase 30 anos.
O projeto atual de encontros aos
sábados está organizado há 6 anos e
busca renovação agregando diferentes
servidores da UFU. Ionaldo Batista
Rocha, veterano do grupo, recorda
com orgulho o último grande título que
ajudou a trazer para a UFU, em 1997,
quando o Campeonato Brasileiro
de Universidades teve sua final em
Salvador/BA. Ele explica, ainda, que
o espaço é colaborativo, em que todos
contribuem financeiramente por
mês para as questões estruturais do
projeto, além de auxílio do SINTETUFU com a contratação de juiz para
as partidas. Francisco “Pano”, como
é conhecido, é responsável pela
contabilidade do grupo, além de cuidar
Os Coordenadores de Esporte, Cultura e Lazer, Franciso Cassimiro e
Osvaldo Silva, incentivam o fortalecimento do projeto
de questões organizativas e logísticas.
Junto dele, Edson Martins Gonçalves
fica por conta da manutenção geral,
preparação do campo e estrutura do
espaço. Um grupo diverso em origens
e formações, mas que encontrou no
trabalho prestado à Universidade e na
paixão pelo futebol, motivo para se
unir com o propósito maior de dividir
responsabilidades para que o racha de
futebol exista.
O grupo se encontra para jogar
todo sábado a partir das 16h, mas
desde as 15h é possível encontrar
jogadores que chegam mais cedo
para organizar os times. Cerca de 35
pessoas comparecem semanalmente,
chegando à formação de até 3 times,
mas o grupo espera que esse número
cresça. “O pessoal valoriza muito esse
projeto, é um racha extremamente
amigável, nunca tivemos nenhum
tipo de problema, é voltado ao lazer
mesmo”, reforça Ionaldo Rocha,
que reforça o convite a todos os
funcionários da UFU. O servidor
também deixa um incentivo para
que as mulheres façam parte desse
espaço, pois acredita que muitas
se interessam pelo esporte. Ele
acrescenta que os estudantes também
são benvindos ao espaço, mas explica
que a prioridade nas formações de
time é dada para os funcionários.
Raissa Dantas
Os filhos de funcionários
também participam dos
rachas e confraternizações,
a exemplo de Rafael
Justino, de 11 anos, que
acompanhado do pai,
Lázaro Reis, que é servidor
da UFU, vai toda semana aos
jogos. O garoto que sonha
ser jogador profissional diz
adorar as partidas.
12
sintet.ufu
www.sintetufu.org
O grupo de racha
que acontece no
Centro Esportivo
do Campus Glória
deixa o convite para
que os funcionários
da
universidade
somem ao projeto.
As partidas de
futebol acontecem
todos os sábados a
partir das 16 horas.
[email protected]
LIGEIRINHO
> Esporte
Security é campeão no society
Por Guilherme Gonçalves
Guilherme Gonçalves
Além do título do torneio, o Security F.C teve a defesa menos vazada.
Na manhã do dia 15 de maio, o
Security Futebol Clube foi campeão
do 16º Campeonato de Futebol Society
dos Servidores. O time composto por
trabalhadores do setor de vigilância da
Universidade Federal de Uberlândia
(UFU) empatou em dois a dois com
sintet.ufu
por 9 a 2. A artilharia do torneio
ficou com o jogador José Wilker dos
Santos, da equipe Grupo Luta Pela
Vida, que anotou 11 gols. A defesa
menos vazada foi a do time campeão,
Security F.C. que sofreu apenas cinco
gols em cinco partidas.
Guilherme Gonçalves
O 16º Campeonato de Futebol
Society – Servidores UFU teve
como principal objetivo promover a
integração de funcionários dos mais
variados setores da universidade. A
edição 2016 teve a participação de
15 equipes e 221 funcionários. Os
jogos foram realizados no recéminaugurado
Centro
Esportivo
Universitário no Campus Santa
Mônica. Ao todo, aconteceram 29
partidas com 212 gols marcados
(7,31 gols de média por partida).
O SINTET-UFU parabeniza
todos os participantes, em especial
a equipe campeã!
a equipe do Hospital do Câncer no
tempo normal, na prorrogação o
Security fez mais dois gols e levou o
título ao assegurar o quatro a dois.
O terceiro colocado na competição
foi o time Puxadinho F.C. que venceu
o time do Setor de Arquivo – GIH
Time dos seguranças da UFU assegurou o título na prorrogação.
www.sintetufu.org
[email protected]
13
LIGEIRINHO
DICAP oferece curso a distância
Por Guilherme Gonçalves
A Divisão de Capacitação de
Pessoal (DICAP) está com inscrições
abertas para o curso de Rotinas
Administrativas, primeiro curso
oferecido por videoconferência para
servidores técnico-administrativos e
docentes. Os interessados podem se
inscrever até o dia 29 de maio pelo
site da DICAP. Ao todo são 75 vagas,
sendo 30 para trabalhadores lotados
em Uberlândia, e 15 em cada um dos
campi avançados (Ituiutaba, Monte
Carmelo e Patos de Minas) da UFU.
O curso abordará temas variados
existentes no dia a dia das atividades
que a universidade exige, dentre
eles processo administrativo, ética
e disciplina, segurança no trabalho,
entre outros e terá carga horária de 20
horas. De acordo com o coordenador
do curso, Leonardo Moreira Ulhôa,
14
os facilitadores do curso possuem
alto grau de capacitação nas áreas
de atuação. “Cada módulo desse
será gerenciado por uma equipe
responsável pelo setor relacionado à
matéria para que o servidor se capacite
naquilo que ele precisa”, disse.
Para a coordenadora da DICAP,
Cláudia Oliveira Cury Vilela, o
grande diferencial desse curso
será a transmissão das aulas por
videoconferência. As aulas realizadas
na sala da Diretoria de Relações
Internacionais e Institucionais (DRII)
serão transmitidas em tempo real para
os demais campi. “Os inscritos em
Uberlândia terão as aulas presenciais
na sala da DRII e os trabalhadores
de Ituiutaba, Monte Carmelo e Patos
de Minas acompanharão o curso em
salas de videoconferência”, afirmou
à coordenadora.
sintet.ufu
A intenção da Divisão de
Capacitação de Pessoal é promover
mais cursos por videoconferência,
porém, esbarra na falta de estrutura.
“Nem a DICAP, nem a PROGEP
possuem espaço físico adequado e com
a tecnologia necessária. Nesse caso
em específico nós vamos trabalhar
com a sala da DRII e dependemos da
disponibilidade”, finalizou. A DICAP
emite certificado para todos os cursos
ofertados, e o servidor pode utilizá-los
para progredir na carreira.
Além do curso de Rotinas
Administrativas, estão abertas, até o
dia 12 de junho, as inscrições para o
curso de “Diversidades Humanas e
Relações no Trabalho: inclusão social
no âmbito da Universidade”. Mais
informações sobre esses e demais
cursos você confere no site www.
progep.ufu.br/capacitacao.
www.sintetufu.org
[email protected]
Fly UP