...

os ataques dos governos e patrões - Sindicato dos Químicos de São

by user

on
Category: Documents
6

views

Report

Comments

Transcript

os ataques dos governos e patrões - Sindicato dos Químicos de São
208 - de 14/08 a 28/08 de 2012
Trabalhadores se organizam para enfrentar
os ataques dos
governos e patrões
NÃO ÀS
DEMISSÕES!
DENÚNCIAS
POR FÁBRICA
PÁG. 2
QUE DIMINUAM
OS LUCROS,
NÃO OS NOSSOS DIREITOS!
NÃO MEXAM
NOS NOSSOS
DIREITOS!
ATAQUES AOS
NOSSOS DIREITOS
PÁG. 3
AS LUTAS DOS
TRABALHADORES
BOCA NO TROMBONE - 02
Com a Boca no Trombone!
para liderar, faz intrigas entre os funcionários,
jogo um contra o outro e, ainda assim, a chefia não faz nada com essa pelega que está se
achando a tal. Já chegou até ao ponto de dizer que não gosta do pessoal da ISS e que
pra favorecer o lado dela passa por cima de
qualquer um. ETA nariz empinado. A queda vai
ser dura, pelegona!
Johnson
Constrangimento
O gestor Juliano da fábrica de Tapes pensa
que pode tudo. Este ano, o cara cancelou a
comemoração de resultados, que sempre ocorreu na fábrica, e, junto com o gerente Celso
Antonioli e o diretor Carlos Passini, marcou
uma noite da pizza na casa dele, em Jacareí,
em julho. O pessoal teve que passar pelo constrangimento de confirmar a participação em lista
e fazer vaquinha de R$ 9. E se ocorresse um
acidente no percurso até essa festa na casa
do gestor para comemorar resultados da empresa? Seria considerado acidente de trajeto? E o intervalo de 11 horas de jornada? Começaria a contar após o fim da festa para quem
fosse trabalhar no dia seguinte? Tem gente
que foi só por constrangimento de recusar o
convite. Qualquer um pode fazer uma festa
com vaquinha para comemorar o que quiser,
mas os resultados do setor são dos três turnos e tinham que ser comemorados com todos os trabalhadores no local de trabalho.
Johnson
Mandos e desmandos
A programadora de produção da TAPES e da fábrica de FOUDATION,
chega sem educação,
dá ordem no lugar do
GESTOR, ameaça os
operadores, além de fazer uma bagunça na
produção. Ela manda
uma programação, os
companheiros levam 4 horas para mudar o
equipamento e no outro dia ela ainda chega
toda estressadinha falando alto que o pessoal está fazendo a produção errada e está de
corpo mole. Os trabalhadores não aceitam
esse comportamento incompetente e descontrolado.
Johnson
Favorecimento
A dificultadora Marilda do Ob/Cotonetes continua fazendo das suas! Como boa cria que é
do terrível Dentinho, ela reza pela mesma
cartilha e agora deu de favorecer uma escolhida no setor! Ela tira a escolhida da máquina, deixa voando e coloca algum pião que não
dá presentinho nem fofoca dos companheiros
para trabalhar no lugar! Abre o olho,
dificultadora! Esquece a cartilha do Dentinho
e começa a rezar pela da ética!
Johnson
Assédio
A líder Sueli está se achando a tal. Ela chama
a atenção do pessoal sem necessidade, só
para se exibir, humilha todo mundo e ainda diz
que tem carta branca da gerente Carla e da
supervisora Valdirene para fazer o que bem
entender dos trabalhadores. Ela não serve
Johnson
Ilegalidade
A empresa quer restringir a apenas 20 dias o
período de férias em janeiro dos companheiros. Isso não existe, é ilegal! A empresa não
pode determinar quantos dias um trabalhador
vai ter de férias. Férias de 30 dias é DIREITO
DO TRABALHADOR independente do mês!
Sabemos que os governos e os patrões querem atacar na CLT o direito do trabalhador a
férias de 30 dias, mas nós não aceitaremos
isso nunca, muito menos agora. A empresa vai
ter que voltar atrás. Esse é um direito!
Ambitec/Johnson
Exploração
A data-base dos companheiros terceirizados
é maio e até agora nada de aumento, nem ao
menos a reposição da inflação. Fora que o
salário é baixís-simo. A super-visora Mariana
e o encarregado Marcélio não dão nenhuma
satisfação e ainda assediam os trabalhadores
mandando quem não está satisfeito se demitir. Os trabalhadores estão revoltados. Além
disso, os motoristas são obrigados a dobrar
turno e, aos domingos, ninguém descansa conforme diz
a lei. Todos têm que trabalhar
por uma escala forçada de
hora extra. Chega de exploração! Os trabalhadores exigem condições melhores de trabalho e melhores salários!
denador do almoxarifado, mandou quatro trabalhadores embora alegando que eles não estavam integrados com a
equipe. O problema é
que o coordenador é
vingativo. O pessoal não
pode expor o que pensa
e nem contrariar o que
ele diz, mesmo que não
faça sentido. O cara
mandou embora dois trabalhadores sabendo que
eles vão ser pais em breve e ainda chamou
uma reunião para dizer que foi a equipe que
os despediu. Além de assediar os trabalhadores para justificar a baixaria dele, o coordenador ainda pediu para ninguém denunciar esta
barbaridade ao Sindicato. Quem conhece esse
cara desde a época em que ele era líder e ia
dormir na boleia sabe como ele é o quanto já
usou muitas pessoas como escada. Até já derrubou dois gerentes da logística. Parece que
ele tem as costas quentes com o RH, que diz
que ele é “uma pedra bruta a ser lapidada”.
Depois de tanto tempo, essa pedra não lapida
mais. Te liga, pelegão! Estamos de olho em
você!
Ápice Automotive
Direitos
Os trabalhadores estão se organizando para
conquistar avanços na fábrica. O pessoal não
tem convênio médico, a PLR é uma vergonha,
há problemas nas condições de trabalho. Vamos nos unir para fortalecer esta luta!
Trintec
PLR
A Joyce do restaurante continua botando terror nos funcionarios. Mal assumiu o cargo e
ainda continua folgando com os trabalhadores. É mal educada, grossa e grita com os
funcionarios. Agora ela piorou, a pesar das
reclamações, e está dando mais advertencias
por qualquer coisa. Ela nao toma jeito, é melhor a ISS tomar providencias urgente!
Os trabalhadores estão revoltados porque a
empresa reduziu o valor da PLR deste ano.
No ano passado, os companheiros receberam
R$ 1.600,00 como antecipação e este ano o
valor foi de R$ 850,00. A PLR total de 2012
não deve passar de R$ 1.600,00 porque a
segunda parcela ainda está relacionada a
metas. Enquanto isso, a Intertrim, do mesmo
grupo, pagou R$ 2.300,00 na primeira parcela. Ambas são do mesmo setor, do mesmo grupo, ficam na mesma cidade e sob a mesma
base sindical dos têxteis. E o pessoal também
quer o fim da sexta-feira louca, em que o pessoal entra na sexta-feira às 22h53 e sai no
sábado às 10h. Nós apoiamos a luta destes
companheiros!
Air Liquide
Irregularidades
Betunel
Autoritarismo
Há trabalhadores na mesma função, mas com
salários diferentes. O pessoal não pode tirar férias de 30 dias e, frequentemente, não tem as
11 horas de descanso entre as jornadas, conforme prevê a CLT (Consolidação das Leis do
Trabalho). Os trabalhadores manuseiam amônia, mas não recebem periculosidade e ainda
há casos de acidentes escondidos. Nós vamos
pra cima da empresa e vamos cobrar a regularização de todos os problemas. A empresa tem
que respeitar os direitos dos trabalhadores.
A gerência da empresa está atacando o trabalho sindical. A empresa quis coibir a entrega de convites da Festa da Categoria para os
trabalhadores na empresa. Isso não existe. Os
gerentes Jaqueline e Carlos estão querendo
ditar regras contra a
lei. O contato do Sindicato com os trabalhadores faz parte da
livre-organização sindical, um direito dos
trabalhadores! Não
vamos aceitar restrição e muito menos
ataques da empresa
contra esse direito!
Johnson
ISS
IPA
Capitão do Mato
Nos últimos cinco meses, o Sr. Adriano, coor
BOCA NO TROMBONE - 03
Governos e patrões atacam;
classe trabalhadora responde
Luta atinge várias categorias no Vale do Paraíba
Quando a crise econômica nos Estados Unidos e na Europa explodiu, Lula
tentou enganar os trabalhadores falando
que era uma “marolinha”. Depois de eleita,
Dilma (PT) falou que estava tudo sob controle. Agora, sem aviso prévio, as
multinacionais começam a atacar os trabalhadores violentamente tentando cortar
direitos, demitir trabalhadores e aumentar
os ritmos de produção. Por outro lado, os
governos, estadual e federal endurecem
sua postura contra os trabalhadores públicos em Campanha Salarial e negam até a
reposição da inflação.
Uma verdadeira guerra foi declarada pelas multinacionais e o governo contra
os trabalhadores e seus Sindicatos. Guerra ideológica como acontece com a GM,
que quer colocar trabalhadores e sindicato “de joelhos” para assinar acordos rebaixados e culpando-os pelas demissões.
O governo Cury (PSDB) culpa o Sindicato
e disse que os trabalhadores pedem demais! O ataque também vem com a repressão como foi na greve da Johnson, no
Pinheirinho e agora com a prisão de um
sindicalista da categoria dos Condutores.
Mas os trabalhadores não se acanham! Os professores e técnicos das universidades públicas estão em greve nacional há mais de 70 dias. Nas últimas semanas, houve paralisações importantes em
diversas categorias. Também ocorreu uma
assembleia na Johnson, principal fábrica
da nossa categoria, em que os trabalhadores votaram apoio aos companheiros da
GM. Todos os Sindicatos do Fórum de
Lutas da região participaram efetivamente
de todas as manifestações ocorridas na
região.
A única saída que nós, trabalhadores do Vale do Paraíba, temos contra os
ataques da patronal e dos governos, é nos
unirmos em uma grande luta. Devemos começar por um dia regional de lutas e para-
Assembleia na Johnson de solidariedade aos trabalhadores da GM e de outras categorias em luta
lisações de todas as categorias
e caminhar rumo à greve geral
para acabar com a tentativa deles de que a crise seja paga pelos trabalhadores. Que eles reduzam seus lucros! nós não vamos reduzir os nossos direitos!
PASSEATA NA AMBEV
ATENDIMENTO JURÍDICO PARA A CATEGORIA
Para utilizar os serviços advocatícios,
basta ir até uma de nossas sedes nos dias e
horários de atendimento de cada cidade. Os
atendimentos dos sócios ativos e aposentados
são gratuitos e ocorrem por ordem de chegada.
Processo Coletivo (Dr. Fernando)
Segunda e Quinta-feira das 9h às 12h e das
14h às 17h
São José dos Campos
Quartas-feiras alternadas das 14h às 17h
Jacareí
Processos Individuais
Segunda-feira das 9h às 12h (Dra. Isa)
Quinta-feira das 9h às 12h (Dr. Émerson)
São José dos Campos
Aposentadoria / FGTS (Dra. Marilena)
Terça-feira das 14h às 17h
Quarta-feira das 9h às 12h e das 14h às 17h
São José dos Campos
Terça-feira das 13h30 às 16h30 (Dra. Isa)
Jacareí
Terça-feira das 09h às 12h
Jacareí
Sexta-feira das 9h às 12h (Dr. Émerson)
Taubaté
Previdência/Afastamentos (Dra. Isa)
Quinta-feira das 14h às 17h
São José dos Campos
Quinta-feira das 14h às 17h (Dr. Émerson)
Caçapava
Quinta-feira das 9h às 12h - Jacareí
As lutas continuam...
Paralisação dos Condutores
em São José
Os trabalhadores do transporte urbano de São José fizeram várias paralisações contra a possível demissão dos cobradores e pela Campanha Salarial. Em uma dessas manifestações, a polícia prendeu o dirigente sindical Fabrício, trabalhador de Sorocaba que estava apoiando os companheiros do Vale.
Ele está preso como se fosse marginal e foi transferido para o
presídio de Taubaté. Campanha nacional e internacional está
sendo realizada para exigir a sua libertação. No dia 31, os Condutores paralisaram as suas atividades nas garagens das três
empresas de ônibus urbanos de São José. Os trabalhadores
lutam por aumento real e a libertação do sindicalista Fabrício. As
empresas só oferecem a reposição da inflação - 4,88%.
BOCA NO TROMBONE - 04
Greve na saúde de Jacareí
Dia 31 de julho foi deflagrada geve na Santa Casa de
Jacareí por aumento de salários e contra as péssimas condições de trabalho. Funcionários denunciam que não há materiais
básicos de trabalho, como remédios e produtos de higiene. Os
pacientes estão sendo mal atendidos por negligência da direção
do hospital que não investe na saúde nem em salários. A prefeitura do PT interveio na Santa Casa há 8 anos, mas tudo está
pior., e o governo nunca cumpriu a promessa de construir o
hospital público municipal.
Os trabalhadores
realizaram várias manifestações pelo centro da cidade, ato na prefeitura,
acampamento na frento
do hospital e contam com
grande
apoio
da
populacao. Na audiência
de conciliação, o juiz declarou a greve legal, fato
que é um importante triunfo, mas como a prefeitura só oferece
4,8% de inflação, a greve continuava até o fechamento desta
edição.
Paralisação na Cebrace
contra demissões
Mobilização dos
trabalhadores da GM
suspende demissões
Após semanas de incerteza e terrorismo criado pela GM,
a assembleia dos trabalhadores do dia 31 resolveu cortar a via
Dutra durante uma hora e meia. Essa manifestação provocou
um choque na imprensa, um justo contra-ataque à multinacional.
Posteriormente, após negociação de 9 horas entre Sindicato, empresa e governo as 1.840 demissões foram temporariamente suspensas. A proposta prevê manutenção da produção do Classic, garantindo o emprego de 900 trabalhadores até
novembro. Outros 940 entram em layoff até 30 de novembro,
após 15 dias de férias coletivas. Nesse período continuam recebendo seus salários, uma parte paga pelo governo, através do
FAT (R$1.100 para cada trabalhador). A empresa completará o
restante.
Paralelamente, será aberto um PDV (Programa de Demissão Voluntária). Durante 60 dias haverá negociações entre
Sindicato e GM para discutir as saídas. A fábrica espera que o
sindicato ceda e assine redução de direitos. Nós esperamos
que trabalhadores e Sindicato fiquem firmes na luta pela manutenção de direitos, principalmente após as eleições, quando os
governos municipal e federal podem querer rifar esses trabalhadores porque as eleições deste ano já terão passado.
EXPEDIENTE: Publicação do Sindicato dos Químicos de São José dos Campos
e Região - Redação/edição/fotos: Emerson José
MTB:31.725 Diagramação/edição: Manuel Alberto Iraola MTB:58.611 Impresso na Gráfica Imperial. Site: www.quimicosjc.org.br e-mail:
No dia 27 de julho, os trabalhadores da Cebrace de Jacareí,
fabricante de vidros, pararam por 3 horas em repúdio a 49 demissões (10% da planta). Há anos que não havia demissões
nessa multinacional francesa que lucra bilhões de dólares no
Brasil e envia esse dinheiro ao exterior. A Cebrace está recebendo dinheiro público do BNDES para construir instalações na unidade de Jacareí, mesmo assim demitiu sem sequer avisar o
Sindicato. O motivo é “reestruturação”, ou seja, trabalhar e produzir mais com menos operários. Após a paralisação, o Sindicato entrou com processo de reintegração de vários trabalhadores
com doença ocupacional e haverá novas paralisações se as demissões continuarem.
Manifestação na AmBev
Na AmBev, que fabrica a Brahma e outras marcas, houve
uma assembleia e paralisação de uma hora e meia por causa do
início da Campanha Salarial, que é 1º de julho, e de 88 demissões
recentes. Os ônibus fretados que transportam os trabalhadores
abriram as portas - a pedido do Sindicato - no cruzamento da
linha do trem no bairro do Pagador. Participaram da assembleia
100% dos trabalhadores do 1º turno e contaram com o apoio do
Sindicato dos Químicos, dos Condutores, dos Vidreiros e da
oposição dos professores da Apeoesp. A assembleia votou por
unanimidade as reivindicações da Campanha Salarial, repúdio
às demissões, assim como o apoio incondicional aos
trabalhadores da GM e à luta dos Condutores pela libertação do
Fabrício.
[email protected]
SJC: R. Cons. Rodrigues Alves, 51 CEP 12209-540 - fone/fax: 12-39218177 Jacareí: R. Floriano Peixoto, 78 Centro CEP 12308-030 - fone: 123953-3277 Taubaté: R. Sebastião Gil, 319 CEP 12100.000 - fone: 12-3632-
Fly UP