...

INTERFERÊNCIA DE FÁRMACOS NAS DETERMINAÇÕES

by user

on
Category: Documents
1

views

Report

Comments

Transcript

INTERFERÊNCIA DE FÁRMACOS NAS DETERMINAÇÕES
INTERFERÊNCIA DE FÁRMACOS NAS
DETERMINAÇÕES ANALÍTICAS
INTRODUÇÃO
A interferência de fármacos nas determinações analíticas é um
problema frequente na prática clínica laboratorial.
A polimedicação, além de aumentar o risco de interacções entre
os vários fármacos, aumenta a probabilidade de interferência com
as metodologias analíticas usadas nos diferentes testes clínicos.
A interferência analítica é definida como o efeito produzido
pela presença de uma substância na amostra, que leva à alteração do valor correcto do resultado, habitualmente expresso
em concentração ou actividade, para um determinado analito1.
As fontes de interferência são várias e podem agrupar-se em
interferentes endógenos e exógenos, podendo ambos afectar
o resultado laboratorial de forma positiva ou negativa.1,2 Os
interferentes positivos aumentam o valor do resultado para
além do valor real da concentração do analito e o interferente
negativo actua na direcção oposta.1,3
Os compostos endógenos que interferem consistentemente
com os resultados laboratoriais são a hemoglobina, a bilirrubina, os lípidos e as proteínas totais, em concentrações acima
dos valores normais.2,3
As principais fontes de interferentes exógenos são os fármacos, entre outros, como as toxinas ou os alimentos. Os medicamentos administrados em doses terapêuticas, por qualquer
via de administração, bem como os seus metabolitos e substâncias inactivas da sua composição, têm uma elevada probabilidade de reagir com os reagentes ou analitos e interferir na
prova laboratorial.4
MECANISMOS DE ALTERAÇÃO DOS RESULTADOS
LABORATORIAIS
Na produção das diferentes alterações nos resultados laboratoriais, estão descritos vários mecanismos, que de uma forma
geral podem agrupar-se em duas categorias:3,4
1) In vivo ou efeitos biológicos – consistem na alteração da concentração ou da actividade do analito antes da colheita da
amostra, e portanto da análise, quer por substâncias endógenas, quer exógenas. Os efeitos produzidos no organismo
por substâncias exógenas, e mais frequentemente por fármacos, relacionam-se com as suas propriedades farmacológicas, podendo o efeito ser resultante da sua acção principal
ou de um efeito secundário. A magnitude da alteração observada nas diferentes funções fisiológicas depende de factores
como a dose do medicamento ou a duração da terapêutica.
Nestes casos, o resultado do teste pode ser interpretado
como normal. São exemplos deste tipo de alterações a hiperglicémia causada por vários fármacos como as tiazidas,
os corticosteróides ou os contraceptivos orais.3
2) In vitro ou interferências analíticas – consistem na alteração
do processo analítico por interferência directa com qualquer
componente químico da reacção, produzindo reacções não
esperadas por vários mecanismos, tais como: inibição de
anticorpos, efeito redutor do medicamento, formação de
complexos, modificação do pH, acção específica sobre enzimas ou proteínas, reacções cruzadas, fluorescência própria
ou inibição desta, formação de precipitados, produção de
radiação, etc.3,4
MECANISMOS DE INTERFERÊNCIA
Os mecanismos de interferência podem agrupar-se da seguinte forma:1,3
1. Reacção do fármaco com o reagente para formar um cromóforo (ex: reacção da cefoxitina ou da cefalotina com o
ensaio da creatinina baseado no método de Jaffe);
2. Reacção do fármaco ou de um metabolito com um anticorpo de imunoensaio, específico do analito, devido à similaridade estrutural (ex: interferência da cafeína no doseamento
da teofilina, da digitoxina no doseamento da digoxina, da
netilmicina no doseamento da gentamicina e dos metabolitos da ciclosporina no seu doseamento);
3. Alteração do pH do meio pelo fármaco (habitualmente urina)
de forma a inibir ou exacerbar a reacção com o reagente;
4. Similaridade de propriedades químicas entre o fármaco e o
analito (ex: interferência do paracetamol no ensaio do ácido úrico, uma vez que ambas as substâncias actuam como
agentes redutores na reacção).
5. Acção quelante de um activador enzimático ou de um co-factor pelo fármaco (ex: quelação dos iões de magnésio
pela cisteína, originando diminuição da actividade da fosfatase alcalina);
6. Inibição directa de uma enzima pelo fármaco (ex: a teofilina
inibe a actividade da fosfatase alcalina);
7. Activação directa de uma enzima pelo fármaco (ex: efeito
da cisteína na fosfoquinase);
8. Absorção do fármaco no mesmo comprimento de onda do
analito (ex: interferência do metotrexato com métodos que
usam absorvância entre valores de 340 – 410 nm).
EFEITOS SIMULTÂNEOS IN VITRO E IN VIVO
Algumas substâncias podem afectar um analito in vivo e in
vitro. Nesta situação mais rara, a interpretação é particularmente difícil. O protótipo deste exemplo é a reacção dos aminoglicosidos com as penicilinas, levando à perda de actividade
antimicrobiana in vivo, com tradução na concentração de aminoglicosido doseado e na actividade antimicrobiana in vitro.
Embora o mecanismo de inactivação não seja bem conhecido,
parece envolver a formação de ligações entre o aminoglicosido
e o anel lactâmico das penicilinas. Este mecanismo pode observar-se com outros fármacos.1,3
In vivo, a inactivação dos aminoglicosidos pelas penicilinas é
um problema com maior impacto nos doentes insuficientes
renais.3 Sabe-se que nestes doentes a carbenicilina inactiva a
gentamicina a uma velocidade idêntica à da eliminação pelo
rim, reduzindo o tempo de semivida do aminoglicosido.3 Nos
doentes com função renal normal os antibióticos são excretados a uma velocidade superior à da sua interacção, pelo que
esta questão não tem significado.
In vitro, a tobramicina é, entre os aminoglicosidos, a mais susceptível à acção inactivadora das penicilinas. A amicacina e a
netilmicina são os que se degradam mais tardiamente. Sabe-se que a refrigeração não reduz a reacção, ao contrário do que
se verifica com a centrifugação sob arrefecimento.3
O efeito in vitro das penicilinas na concentração dos aminoglicosidos pode ser minimizado por várias formas: centrifugação da amostra seguida da sua congelação, espaçamento de
tempos de administração entre os antibióticos ou colheita da
amostra antes da administração da penicilina, de forma a reduzir a concentração desta na amostra a analisar.
Os resultados laboratoriais que surgem inesperadamente
alterados e sem correspondência na clínica devem ser inter-
pretados e estudados cuidadosamente, e ainda questionados
quanto à sua validade de forma a evitar erros no diagnóstico e
no tratamento dos doentes.5,6
Os profissionais de saúde devem ser capazes de antecipar a
probabilidade de interferência num ensaio ou de a identificar,
com base no conhecimento da farmacologia, propriedades
químicas e farmacocinéticas do fármaco, nas bases químicas
do ensaio, bem como nos dados clínicos do doente. Embora
a informação farmacocinética possa ser útil na estimativa de
previsões, esta informação é sobretudo importante para confirmar as suspeitas através da reprodução de um ambiente
controlado.3,5
MECANISMOS DE INTERFERÊNCIA DE FÁRMACOS NOS
TESTES LABORATORIAIS
O médico deve suspeitar da interferência dos fármacos nos
testes laboratoriais quando:
Os resultados dos testes não se relacionam com os sinais e
sintomas dos doentes; os diferentes testes que avaliam a anatomia, a fisiologia ou a farmacologia não são concordantes;
os resultados analíticos de uma série do mesmo teste apresentam grandes variações num curto período de tempo ou
apresentam valores opostos aos esperados; observação de
um valor único demasiado elevado ou baixo comparado com o
valor normal ou com o valor esperado.1,3
INTERFERÊNCIAS CLINICAMENTE SIGNIFICATIVAS
Uma interferência analítica é considerada clinicamente significativa quando está na base de decisões inadequadas.4 A interferência torna-se clinicamente relevante quando o fármaco
está presente na amostra durante o teste habitualmente usado e a relevância aumenta quando um fármaco interfere nos
resultados de vários testes.4 Para determinar se a interferência
é clinicamente significativa devem efectuar-se estudos mais
específicos e avaliar o estado clínico do doente no momento
da análise.2 As classes de fármacos que causam maior número
de interferências analíticas incluem os antimicrobianos, anti-hipertensores, anticonvulsivantes, hormonas e agentes psicoactivos5 (Tabela 1). A interferência do ácido ascórbico é parti-
cularmente relevante por ser administrado em doses elevadas
a muitos doentes e interferir com ensaios que se baseiam no
método da peroxidase, muito usado na determinação de glucose no sangue com tiras impregnadas com reagente. O ácido
acetilsalicílico, a morfina, o metronidazol e as cefalosporinas
também tendem a aumentar o valor real da glucose no soro.4
O metronidazol e as cefalosporinas interferem de forma positiva na determinação analítica de transaminases e da creatinina
sérica, respectivamente.3,4
CONCLUSÃO
Entre os interferentes exógenos nos testes analíticos, os medicamentos são os mais frequentes.5 A utilização de valores
analíticos alterados por interferentes pode ter implicações
na tomada de decisão médica, quando baseada na incorrecta
interpretação dos resultados, e levar à realização de exames
desnecessários, diagnósticos e tratamentos errados e ainda
ter custos adicionais.
O conhecimento do fenómeno de interferência associada a
fármacos pode orientar o clínico para a correcta interpretação
dos resultados analíticos obtidos.3
Ana Paula Carrondo
Farmacêutica
Bibliografia
1. Kroll MH, Ellin RJ. Interference with clinical laboratory analyses. Clin Chem. 1994;
40(11 Pt 1): 1996-2005.
2. Kazmierczak SC, Catrou PG. Analytical interference. More than just a laboratory problem. Am J Clin Pathol. 2000; 113(1): 9-11.
3. Traub SL. Evaluating potencial drug interference with test results. Em: Traub SL, ed.
Basic skills in interpreting laboratory data. 2ª ed. Bethesda, American Society of
Health-System Pharmacist. 2006.
4. Munive MR, Simon J, Oropeza R. Interferencia entre medicamentos y pruebas de
laboratório en pacientes hospitalizados. Rev Mex Patol Clin 2009; 56(4): 265-70.
5. Vargas R. et al. Revision de las interferências en los medicamentos más prescritos
en el servicio de atención primaria de L’Hospitalet de Llobregat (ICS) y los análisis
clínicos. Aten Prim. 2006; 37(3): 133-41.
6. Koda-Kimble MA, Young LY. Eds. Applied Therapeutics: The Clinical Use of Drugs. 9th
ed. Philadelphia, Lippincott Williams & Wilkins, 2009.
7. Medicamentos e exames laboratoriais. Boletim de Farmacovigilância 2001; 4(4).
8. Standridge JB, Adams SM, Zotos AP. Urine drug screening: a valuable office procedure. Am Fam Physician. 2010; 81(5): 635-40.
9. Ferreira B, dos Santos K, Rudolph S, Alcanfor J, da Cunha L. Estudo dos medicamentos utilizados pelos pacientes atendidos em laboratório de análises clínicas e suas
interferências em testes laboratoriais: uma revisão da literatura. Revista Electrônica
de Farmácia. 2009; VI (1): 33-43.
10. Dasgupta A. Therapeutic drug monitoring: impact of endogenous and exogenous
digoxin-like immunoreactive substances. Toxicol Rev. 2006; 25(4): 273-81.
TABELA 1 – FÁRMACOS FREQUENTEMENTE ASSOCIADOS A INTERFERÊNCIAS ANALÍTICAS
ANALITO A DETERMINAR
FÁRMACO
EFEITO DA INTERFERÊNCIA
Amicacina
Amilase7
Anfetaminas8
Beta-lactâmicos
Cipro-heptadina, contraceptivos orais, corticosteróides, tiazidas
Amantadina, cloropromazina, desipramina, fluoxetina, labetalol, metilfenidato,
fenilefrina, prometazina, ranitidina, trazodona
–
Falso positivo
Falso positivo
Antidepressivos tricíclicos1
Benzodiazepinas8
Carbamazepinab
Cetonas na urina9
Creatinina sérica3, 4, 5
Digoxina10
Cipro-heptadina
Oxaprozina, sertralina
Desipramina,10,11-epóxido de carbamazepina
Captopril, metformina
Metronidazol, cefalosporinas, enalapril
Espironolactona
Anticorpos antidigoxina, digitoxina, digoxigenina, acetildigoxina, di-hidrodigoxina
Captopril
+
Falso positivo
+
Falso positivo
+
– /+
+
–
a
Enzima de conversão
da angiotensina sérica9
Fenitoínab
Frutosamina9
Gentamicinaa
Glucose Sérica4
Opiáceosa,8
Tiroxina1
Triiodotironina1
Ureia Sérica5,9
Oxaprozina, fosfofenitoína em amostras colhidas até 2h após administração IV ou
4h após administração IM
Captopril
Netilmicina
Beta-lactâmicos
Ácido acetilsalicílico, mor na, metronidazol, cefalosporina
Fluoroquinolonas, quinina, rifampicina, verapamil, difenidramina
Fluoresceína
Fluoresceína
Propranolol, enalapril
+
+
+
–
+
Falso positivo
Falso positivo
Falso positivo
+
a) Método imunoenzimático; b) Método FPIA (Fluorescence Polarization Immunoassay); (+) - Efeito positivo na concentração; (–) - Efeito negativo na concentração
BOLETIM DO CIM - publicação bimestral de distribuição gratuita da Ordem dos Farmacêuticos Director: Carlos Maurício Barbosa Conselho Editorial: Aurora
Simón (editora); Clementina Varelas; Francisco Batel Marques; J. A. Aranda da Silva; Lígia Póvoa; M.ª Eugénia Araújo Pereira; Paula Iglésias; Rogério Gaspar;
Rui Pinto; Sérgio Simões; Teresa Soares. Os artigos assinados são da responsabilidade dos respectivos autores.
Fly UP