...

Comunicação e os fatores que interferem na passagem de

by user

on
Category: Documents
13

views

Report

Comments

Transcript

Comunicação e os fatores que interferem na passagem de
REVISÃO
Comunicação e os fatores que
interferem na passagem de plantão
Rosa do Socorro Miranda Barboza
Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem.
Sinome Lacava
Docente do Curso de Graduação em Enfermagem. Orientadora.
RESUMO
Passagem de plantão é um exercício de comunicação entre as equipes de enfermagem em
função da continuidade da assistência, ocorrendo no momento em que a equipe transmite
informações na troca de turno. O presente trabalho teve por objetivo identificar e descrever os
principais fatores que interferem na comunicação durante a passagem de plantão que envolve
a equipe de enfermagem. Trata-se de uma revisão bibliográfica com recorte temporal de 2000
a 2010. Compõe o trabalho 11 artigos e dentre os fatores que interferem durante a passagem
de plantão esta em evidência a má organização das unidades hospitalares direcionadas a
organização do trabalho e comportamento dos profissionais de enfermagem. As informações
transmitidas devem ser claras e objetivas por parte dos profissionais envolvidos.
Descritores: Trabalho em Turnos; Enfermagem; Comunicação.
Barboza RSM, Lacava S. Comunicaçao e fatores que interferem na passagem de plantão. Rev Enferm
UNISA. 2011; 12(2): 121-4.
INTRODUÇÃO
A comunicação é o meio através do qual, pessoas
interagem umas com as outras. O homem utiliza a comunicação nas ações do cotidiano, partilhando com os demais
suas idéias. Nessa partilha, ele está sujeito a receber aprovação
e desaprovação das outras pessoas, determinando sua
sensação de segurança e satisfação(1).
Essa comunicação pode ser verbal, e não-verbal composta
por idéias e comportamentos onde a mensagem é emitida e
recebida pelos órgãos dos sentidos, através da expressão
facial, corporal, dos gestos e do toque. A para-verbal apresenta características ligadas ao tom de voz, ritmo, períodos
de silêncio e entonação que damos as palavras. A comunicação tem várias funções, entre as quais esta a de
investigação, informação, persuasão e entretenimento(2).
Comunicar-se, verdadeiramente, implica em uma série
de aspectos que se não estiverem claros para as pessoas que
estão se comunicando podem gerar falta de entendimento(3).
Para uma melhor comunicação é preciso conhecer os
componentes desse processo sendo o emissor aquele que
emite a mensagem, receptor aquele que recebe a mensagem
e a mensagem sendo esta a informação ou emoção passada
do emissor para o receptor (4).
A passagem de plantão é um exercício de comunicação
entre a equipe de enfermagem sendo realizada em função
da continuidade da assistência, ocorrendo no momento em
que a equipe transmite informações na troca de turnos.
Podendo conter aspecto verbal, ser através da escrita,
também, ser considerada uma comunicação administrativa
em função da assistência e do processo de trabalho em
enfermagem(5-6).
A comunicação administrativa envolve a transmissão de
mensagem entre emissor e receptor, sendo realizada de
forma direta ou indireta, envolvendo a organização do
serviço. A passagem de plantão pode ser utilizada para
discutir questões administrativas no sentido de atender a
um requisito relacionado ao planejamento e organização e
como oportunidade de educação continuada, enfatizando a
comunicação e gestão requerendo do enfermeiro
conhecimentos e habilidades teórico-práticas(7).
Para que a passagem de plantão seja eficiente é preciso
que ocorra em um tempo pré-estabelecido com a equipe
transmissora e receptora, em local adequado sem interrupções desnecessárias sendo as informações transmitidas
de forma clara, objetiva e completa, tendo atenção e postura
profissional, bem como, entrosamento e respeito
interpessoal (6).
Rev Enferm UNISA 2011; 12(2): 121-4.
121
A comunicação e as informações sobre os pacientes são
essenciais entre os profissionais de saúde, para garantir a
continuidade do cuidado, principalmente quando há várias
pessoas envolvidas na assistência. E para essa comunicação e
transmissões de informações estão os relatórios conhecidos
como passagem de plantão, informações sobre os pacientes
de um turno para o outro(8).
Dessa forma, passar plantão é um acontecimento onde
se faz necessário transmitir as informações da melhor
maneira possível, na certeza de que estas estejam sendo
passadas de forma rápida e objetiva, porém concisa, garantindo o entendimento e um bom fluxo das informações(9).
OBJETIVO
Identificar e descrever os principais fatores que interferem
na comunicação durante a passagem de plantão que envolve
a equipe de enfermagem.
METODOLOGIA
O presente trabalho trata-se de revisão bibliográfica,
realizada nas bases de dados da Literatura da América Latina
e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), SciELO. O
período estipulado para a pesquisa foi de 2000 a 2010.
Foram selecionados artigos de língua portuguesa utilizando
os descritores: Passagem de Plantão; Trabalho em turnos;
Enfermagem; Comunicação.
Inicialmente foram encontrados 32 artigos, que após a
leitura dos títulos, selecionados 27, após leitura dos resumos
e a seleção por pesquisa de campo foram escolhidos 18
artigos. Desses após a leitura na íntegra foram selecionados
11 que constituíram os artigos usados.
Para análise dos resultados foram criadas categorias com
o propósito de unificar varias ocorrências presentes nos
artigos.
Após a leitura e análise na íntegra dos 11 artigos, foi
observada grande semelhança entre os mesmos, onde as
ocorrências que interferiam na passagem de plantão se
repetiam, apresentando similaridades entre os autores
conforme descrição à problemática.
Buscando formas claras e objetivas para análise dos artigos,
foram criadas quatro categorias onde as similaridades
descritas pelos autores se agrupam na Tabela 1. Com as
categorias foi possível observar que sete dos 11 artigos
utilizados aparecem mais de uma vez dentro das categorias,
justificando o número elevado de artigos.
RESULTADOS
Dentre os fatores que interferem durante a passagem de
plantão abordado nos 11 artigos, está em evidência a má
organização das unidades hospitalares, direcionadas a
organização do trabalho e comportamento da equipe,
características encontradas em 7 artigos e foram agrupados
na categoria Comunicação organizacional (Tabela 1).
Os aspectos relacionados á comunicação organizacional
envolvem a própria organização institucional, que incluem a
organização do trabalho, como a infra-estrutura levando
em conta o comportamento da equipe esses aspectos se
tornam capazes de interferir no andamento e êxito da
passagem de plantão(5, 8,10-12).
Comportamentos estes também estivem presentes com
maior freqüência em estudo realizado no Hospital das
Clinicas em Marília no ano de 2002, onde a equipe
enfermagem apresentava-se incompleta, gerando nos
profissionais uma ansiedade com a desproporção da relação
de demanda de trabalho em relação a quantidade de sujeitos
presentes, criando uma ineficiência nas informações
trocadas(13).
A organização para um bom desempenho dos envolvidos
se torna dependente da organização institucional a qual o
enfermeiro irá desenvolver suas atividades, favorecendo
aspectos relacionados à dinâmica e sistemática utilizada
durante o processo em que ocorrem as trocas de informação(9,14).
No entanto para os aspectos que envolvem as situações
adversas, 4 artigos descrevem as dificuldades estabelecidas
na passagem de plantão, através de alguns fatores.
Estes fatores estabelecidos estão relacionados às
conversas paralelas com tonalidades elevadas ocorridas
durante a passagem de plantão,assim como as chamadas
telefônicas, campainhas, saída e entrada de funcionários que
não pertencem à unidade, assim como brincadeiras realizadas
Tabela 1. Quantidade de artigos segundo a categorização e os fatores de interferência na passagem de
plantão da enfermagem.
Categorias
Fluxo de profissionais
e visitantes
Comunicação
organizacional
Situações adversas
Comunicação e
Responsabilidade
122
Similaridades encontradas nos artigos
Visitas médicas, chegada de pós-operatório,
distribuição de materiais, entrega de alimentos,
visitas dos familiares.
Organização do trabalho, a infraestrutura,
organização institucional.
Conversas paralelas, chamadas telefônicas,
campainhas, brincadeiras.
Responsabilidade na transição das informações,
clareza na comunicação, interpretação dos
profissionais.
Rev Enferm UNISA 2011; 12(2): 121-4.
Nº de artigos relacionados
2
7
4
5
durante a passagem de plantão(5,12,15).
Conversas paralelas também foram observadas durante
pesquisa realizada em unidade de cuidado intensivo neonatal
em Ribeirão Preto, onde durante a passagem de plantão
tornava-se comum as conversas informais no hall. Se deve
levar em consideração, que as informações trocadas durante
a passagem de plantão eram realizadas verbalmente e
próxima do leito do recém nascido(16).
Para avaliar os índices de ocorrências ligadas aos ruídos a
unidade neonatal de Ribeirão Preto realizou um inventário
das situações que ocorriam durante a passagem de plantão,
entre elas estão a presença de alarmes estridentes, a manipulação não cuidadosa do fechamento de portas, armários,
gavetas, tampas de lixo e quedas de objetos durante o
procedimento(16).
Para a categoria Comunicação e responsabilidade, estão
presentes cinco artigos, nos artigos trabalhados foi possível
observar a importância no cuidado das informações trocadas,
recaindo sobre os profissionais a responsabilidade na
transição das informações, e clareza na comunicação durante
a passagem de plantão.
A comunicação requer certa responsabilidade onde se
deve reforçar a interpretação da maioria dos profissionais
de enfermagem. Onde compreendem a passagem de plantão
como a transmissão das informações sobre as intercorrências, pendências e situações referentes a fatos específicos
da unidade de internação merecendo atenção entre os
profissionais que terminam e os que iniciam o turno de
trabalho(6).
A diversidade de categorias, dentro da equipe de enfermagem apresentam pessoas com níveis diferentes de
formação, expectativas e comportamentos diferentes, neste
contexto o enfermeiro deve utilizar sempre a melhor forma
de abordar os funcionários, promovendo esclarecimento
sobre os fatos(17).
A condução e responsabilidade da passagem de plantão
na organização hospitalar recaem sobre o enfermeiro,
podendo ocorrer de diferentes formas, mas deve ser sempre
coordenado. Sendo o enfermeiro o gerenciador do cuidado
de enfermagem, sua participação torna-se fundamental no
momento da passagem de plantão(6,11-12).
Como estratégia observada para melhor desempenho
durante a passagem de plantão em Aracaju Sergipe em
Unidades de Clinica Médica e Urgência as equipes de
enfermagem adotaram medidas para solucionar os problemas presentes durante a passagem de plantão. Dentre as
medidas estão a comunicação direta ou por telefone,
verificação dos registros nos prontuários, encaminhamento
do problema à coordenação de enfermagem, discussão dos
problemas em reuniões com as equipes de enfermagem(9).
O fluxo de profissionais e visitantes estava presente em
apenas dois artigos de forma clara a interferir durante a
comunicação.
O fluxo de profissionais ocorre na troca de turnos entre
as equipes, principalmente entre diurno e vespertino. Nesse
período acontece um acúmulo de pessoas nas unidades
hospitalares, geradas por diversos fatores entre eles estão
visitas médicas, chegadas de pós-operatórios do centro
cirúrgico, a distribuição de materiais e roupas, entrega de
alimentos, além das visitas dos familiares (8-17).
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Os resultados apresentados mostram que diversos são
os fatores que interferem na comunicação durante a
passagem de plantão, sendo esta uma atividade que cada
vez mais se torna fundamental no processo de trabalho do
enfermeiro. Para um bom desempenho durante a passagem
de plantão é de extrema importância que as informações
transmitidas sejam claras e objetivas por parte dos
profissionais envolvidos.
REFERÊNCIAS
1.
Stefanelli MC. Comunicação com paciente teoria e
ensino. São Paulo: Robe editorial; 1993.
2.
Sarmento LL , Tufano D. Português: literatura,
gramática, produção de texto: volume único. São Paulo:
Moderna; 2004.
3.
Matheus MCC, Bittes Jr A. Comunicação. In:
Cianciarullo TL. Instrumentos básicos para o cuidar:
um desafio para qualidade da assistência. São Paulo:
Atheneu; 2000.
4.
Potter PA, Perry AG. Fundamentos de enfermagem:
Conceitos, processos e prática. Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan; 2002.
5.
Silva EE, Campos LF. Passagem de plantão na
enfermagem: revisão da literatura. Cogitare Enferm.
2007; 12(4): 502-7.
6.
Krutinsky DC, Cornacchia H, Leitão IC, Souza JC,
Ananias JC, Coutinho RMC. O significado da passagem
de plantão por trabalhadores de enfermagem. Rev. Inst.
Ciência Saúde; 2007.
7.
Campos LF, Melo MRAC. Os Desafios da comunicação
administrativa na enfermagem. Escola de Enfermagem
de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Simp.
Bras. Comun. Enferm. May; 2002
8.
Marcolino JS, Silva DMP, Higarashi IH, Felipes L. A
importância da comunicação na passagem de plantão e
sua interferência ma processo de trabalho da equipe de
enfermagem. Maringá: Universidade Estadual de
Maringa; 2009.
9.
Andrade JS, Vieira MJ, Santana MA, Lima DM. A
comunicação entre enfermeiros na passagem de plantão.
Acta Paul. Enferm. 2004; 17(4): 311-5.
10. Gil AC. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social.São Paulo:
Atlas;1999.
11. Zoehler KG, Lima MADS. Opinião dos auxiliares de
enfermagem sobre a passagem de plantão. Rev. Gaúcha
Enferm. 2000; 21(2): 110-24.
12. Siqueira ILCP, Kurcgant P. A passagem de plantão:
falando de paradigmas e estratégias. Acta Paul Enferm.
2005; 18(4).
13. Pirolo SM, Chaves EC. A equipe de enfermagem e o
mito do trabalho em grupo. Rev Esc Enferm. USP; 2002.
14. Portal KM, Magalhães AMM. Passagem de Plantão: um
recurso estratégico para a continuidade do cuidado em
Rev Enferm UNISA 2011; 12(2): 121-4.
123
enfermagem. Rev. Gaúcha Enferm. 2008; 29(2): 24653..
15. Machado RR. A passagem de plantão no contexto do
processo de trabalho da enfermagem [dissertação].
Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina;
2002.
124
Rev Enferm UNISA 2011; 12(2): 121-4.
16. Ichisato SMT, Scochi CGSS. Ruído na Unidade de
Cuidado Intensivo Neo-Natal durante a Passagem de
Plantão. Ciên Cuidado Saúde. 2004; 5.
17. Simões ALA, Favero N. Comunicação e liderança na
equipe de enfermagem. An. 8. Simp. Bras. Comum.
Enferm. São Pulo; 2002.
Fly UP