...

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO TURISMO

by user

on
Category: Documents
4

views

Report

Comments

Transcript

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO TURISMO
REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE
MINISTÉRIO DO TURISMO
ESTRATÉGIA DE MARKETING TURÍSTICO
2006 -2013
Maputo, Novembro de 2006
I. INTRODUÇÃO
A “Estratégia de Marketing Turístico 2006 – 2013” tem por pressuposto
as recomendações do Plano Estrategico para o Desenvolvimento do
Turismo 2004 – 2013, aprovado pelo Conselho de Ministros, na sua 15ª
sessão, de 12 de Outubro de 2004 e resulta de um processo participativo
dos vários envolvidos na edificação da indústria turística.
A presente estratégia é parte de um processo de realizações com
enquadramento no Programa do Governo, onde o sector do turismo tem,
de entre várias, por missão materializar acções de promoção e marketing
de Moçambique como destino turístico.
Esta estratégia reflecte os objectivos emanados da Política do Turismo e
Estratégia de sua Implementação, dos quais se destacam os seguintes:
a)
Desenvolver e posicionar Moçambique como um destino turístico
de classe mundial;
b)
Contribuir para a criação de emprego, crescimento económico e
para o alívio da pobreza;
c)
Desenvolver
sustentável;
d)
Participar no desenvolvimento e protecção da biodiversidade;
e)
Preservar e disseminar os valores culturais e orgulho nacional;
f)
Elevar a qualidade de vida de todo o povo Moçambicano.
um
turísmo
economica
e
ambientalmente
Para além da presente introdução, o documento é composto por cinco
capítulos fundamentais, nomeadamente:
Na contextualização é disponibilizada informação relevante no que
concerne ao estágio e evolução do turismo no País, na região e ao nível
internacional, para além de se destacar os objectivos da Política Nacional
do Turismo no que concerne ao marketing e aos recursos que bem
aproveitados permitirão posicionar Moçambique no mapa turístico
mundial.
No “Diagnóstico da Situação Actual do Marketing em Moçambique”
faz-se uma resenha dos mercados emissores regionais e internacionais
do turismo, a organização e orçamentos para o marketing, a avaliação de
material promocional e esforços para a promoção, a situação do mercado
e do produto, a análise da competitividade, o papel das áreas prioritárias
2
para investimento no turismo e rotas turísticas, até aos mercados de
nicho para Moçambique.
No capítulo dos “Objectivos Estratégicos e Acções de Marketing” fazse menção aos objectivos definidos na Política do Turismo e no Plano
Estratégico de Desenvolvimento Turístico de Moçambique, cujo alcance
depende de várias acções de Marketing tidas como prioritárias para o
perído 2006 – 2013. Foram definidos quatro objectivos estratégicos e as
respectivas acções concretas consideradas prioritárias para o
desenvolvimento do marketing neste período.
No capítulo referente a “Resultados Esperados”, estes são apresentados
em dois espaços temporais. O primeiro período vai desde 2006 – 2010,
enquanto o segundo inicia em 2011 e termina em 2013.
Finalmente, na “Orçamentação das Acções” apresenta-se um
orçamento indicativo para o marketing durante os primeiros três anos,
horizonte temporal que coincide com o do cenário fiscal.
3
II. CONTEXTUALIZAÇÃO
2.1. Turismo em Moçambique
Moçambique possui um potencial turístico baseado nos ricos e ainda por
explorar recursos naturais, uma cultura diversificada com um povo
hospitaleiro. A combinação do turismo de praia tropical ao longo da
imensa costa, com a vida cosmopolita das nossas cidades, a
incomparável e rica diversidade de flora e fauna assim como o magnífico
mosaico cultural, oferecem uma plataforma sustentável para um destino
turístico incontestável.
Moçambique recebeu 1% do total de chegadas do continente africano e,
em 2005, arrecadou 108 milhões de dólares, tendo contribuido com 0.7
para o PIB. A presente estratégia de marketing visa posicionar
Moçambique de forma competitiva e sustentável como um destino
turístico.
Como um sector de investimento prospectivo, o turismo tem estado a
registar avanços significativos, tendo nos últimos anos (período 19982004) respondido com 16% de aplicações de investimentos totais de
Moçambique. Com um investimento total de 1,3 bilhão USD, o turismo
passa a ser o 3º maior sector em investimentos no País.
Os principais países emissores do Turismo Internacional
para
Moçambique em 2004 foram: Portugal, Reino Unido, Estados Unidos,
Alemanha, Holanda, França, Italia, India, Paquistao e China. Estes dez
países representaram em conjunto 80% do total de turistas
internacionais.
Em 2004 Moçambique recebeu 414,925 turistas internacionais, os quais
representaram 58.35% do total de 711,060 viajantes.
O turismo doméstico compreende as viagens de visitas a familiares por
ocasião da Páscoa, Natal e fins de semana longo, de funcionários
públicos em serviço, de homens de negócios, etc. Nota-se um fluxo cada
vez mais crescente de movimentação de cidadãos nacionais para pontos
turísticos, como Inhambane, Ponta De Ouro, Pemba , Bilene.
2.2. Turismo Regional
Actualmente, o Turismo Regional é o mercado mais importante para
Moçambique. Compõe-se por turistas africanos provenientes dos países
vizinhos. O Mercado Regional representou 86 % dos turistas estrangeiros
que entraram em Moçambique em 2004.
4
Os principais países emissores do Turismo Regional para Moçambique
são: África do Sul, Zimbabwe, Malawi e Suazilandia e, que representaram
64% do total de turistas africanos que entraram no país em 2004.
Estima-se que uma parte considerável dos 106678 turistas regionais
que entraram, em 2004, no país por motivos de férias e lazer procuraram
estâncias turísticas nas praias e a maioria dos visitantes africanos que
entram em Moçambique pertencem ao grupo etário de 25-44 anos e tem
um período de estadia dentro do País muito reduzido (de um a três dias
em média).
A Organização Mundial do Turismo prevê que a África Austral
colectivamente irá crescer nos próximos anos num ritmo elevado até
atingir 36 milhões de turistas estrangeiros no ano 2020. De acordo com
o compêndio de Estatística e Turismo, a África Austral regionalmente
está em alta com a África do Sul, Botswana, Lesotho e Swazilândia, a
obter a maior fatia do mercado deste crescimento.
Na África Sub-Sahariana , o turismo deverá gerar 4% do PIB da região
até 2010. Isto irá tornar o turismo numa alternativa para a redução da
pobreza, criação de emprego, geração da moeda externa para além da
sua contribuição para a balança de pagamentos.
A maioria dos Turistas regionais normalmente utiliza o seu próprio meio
de transporte e em muitos casos também traz o seu próprio meio de
alojamento (tendas de acampamento, barco, caravanas) e alimentação e
bebidas. O Turismo Regional entra no país por postos fronteiriços,
utilizando carros numa proporção de 76%.
A maioria dos turistas Africanos (65% / 67%) entram a Moçambique por
motivos de negócio e visita a familiares e amigos. Os Turistas Regionais
que entraram em Moçambique por motivo de férias representam apenas
33 % do total de turistas africanos.
2.3. Turismo Internacional
A indústria turística oferece emprego directo e indirecto para cerca de
212 milhões de pessoas no mundo e gera US$655 bilhões em receitas
estatais. As viagens e o turismo são responsáveis por 11.7 % do PIB
directo e indirecto e geram mais de US$3.5 trilhões da produção bruta
das economias. Em 2005, a indústria de viagens e turismo irá criar 1
posto de emprego em cada 2.5 segundos, de acordo com o Conselho
Mundial de Viagens e Turismo. (WTTC).
De 1950 a 2002, o número de chegadas internacionais mostrou uma
evolução de 25 milhões para 703 milhões em 2002. Isto corresponde a
5
uma taxa de crescimento anual média de aproximadamente 4%, e as
chegadas internacionais irão ultrapassar os 1 bilião em 2010 e
alcançarão os cerca de 1.6 biliões em 2020, conforme dados da OMT.
Em 2002, as chegadas internacionais para África, aumentaram em 3%
para 29 milhões o que representava 4.1% do total das chegadas
internacionais, um número relativamente pequeno se considerarmos que
a América do Norte recebe 11.6%, Ásia e o Pacífico receberam 18.7%,
Europa recebeu 56.9% e o médio oriente recebeu 3.9% do total das
chegadas internacionais.
A média de crescimento anual para todas as chegadas internacionais de
2000 a 2002 foi de 1.1%, contudo no mesmo período, a média de
crescimento anual para a chegada de turistas internacionais à África foi
de 3%. Isto contrasta com a média de crescimento anual das chegadas
de turistas que foram para a América do Norte que foi de mais de 5.4%,
Ásia e Pacífico com mais de 6.75%, Europa com mais de 0.9% e o médio
oriente com mais de 7.7%.
Quanto as receitas do turismo internacional, dos US$633.0 biliões
gerados em 2004, a África recebeu 3% enquanto que a América recebeu
21%, Ásia e pacífico receberam 20%, Europa recebeu 52% e o médio
oriente recebeu 4%.
Em 2005, a África recebeu 5% das chegadas internacionais enquanto
que a América recebeu 16%, Ásia e pacífico receberam 19%, Europa
recebeu 55% e médio oriente recebeu 5%.
6
III.
DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ACTUAL DO MARKETING EM
MOÇAMBIQUE
A Política de Turismo de Moçambique pretende promover um turismo
sustentável e responsável, priorizando áreas de desenvolvimento do
turismo direccionadas para uma linha de mercados diversificados,
contribuindo para a reabilitação, conservação e protecção de ecosistemas e a herança natural do país.
A Política do Turismo resulta de um diálogo interactivo entre vários
intervenientes, com impacto na indústria do turismo e no
desenvolvimento a longo prazo do turismo no país.
Institucionalmente, o Governo através do Ministério do Turismo é a
entidade responsável pela coordenação, dinamização e controlo da
actividade de marketing, seja na vertente de aplicação de medidas para
facilitação e incremento do fluxo de turistas assim como na promoção de
investimentos e eventos turísticos.
Paralealmente, o Governo através do Fundo Nacional do Turismo(FUTUR)
responsabiliza-se pela busca de recursos financeiros para que tanto o
sector público assim como o privado possam realizar acções de promoção
e outras que concorram para a consolidação do bom nome e prestígio do
País como destino turístico. Ao FUTUR também lhe é atribuida a função
de organizar a participação de Moçambique nas feiras de especialidade e
produzir material promocional.
O Sector Privado no seu todo seria a força motriz da promoção turística,
através de programas específicos ou corporativos dos estabelecimentos,
zonas ou regiões turísticas. O Sector Privado, em parceria com os orgãos
do Estado, participa activamente nas acções do marketing do País.
Moçambique actualmente faz a promoção nos seguintes países: África do
Sul, Grã-Bretanha, Estados Unidos da América (EUA), Portugal, Itália,
Espanha, Holanda, Alemanha, Zimbabwe, e localmente.
3.1.
Avaliação e Revisão dos Esforços de Marketing
A presença no Mercado é extremamente importante para desenvolver e
promover Moçambique eficazmente nos mercados estrangeiros.
7
3.2. Avaliação da Presença na Internet
Quando alguém acessa Moçambique na página de busca do Google por
exemplo, a página oficial de Moçambique (Bureau de Informação Pública)
(www.mozambique.mz) aparece na terceira posição. Google é um dos
principais, senão o mais potente, veículo de busca no mundo e é
altamente utilizado para obter informação sobre destinos turísticos.
Moçambique é também conhecido pelos feitos da Maria de Lurdes
Mutola, mas ela não consta em nenhuma das primeiras páginas dos sites
sobre Moçambique. Moçambique precisa de capitalizar os seus pontos
fortes e as suas referências. Consideração deverá se dada ao património
cultural tangível e intangível, sendo exemplos a destacar a Ilha de
Moçambique, a Timbila e o Nhau, como bens classificados pela UNESCO.
Nos últimos anos nota-se a tendência positiva de Moçambique estar a
aparecer referenciado em muitas revistas de especialidade e jornais de
renome como um dos destinos com atractivos naturais consideráveis e
que devem merecer atenção de turistas e da indústria turística mundial.
3.3.
Avaliação e Revisão de Materias de Promoção
Moçambique produz material informativo e promocional nas linguas
portuguesa e inglesa, desde o escrito até ao audiovisual. Contudo, dada a
elevada procura de destinos turísticos, e informação há sempre
necessidade de se rever, qualitativa e quantitativamente, o material
promocional hoje produzido sobre o País.
3.4. Análise da Competitividade de Moçambique como Destino
Turístico
A análise resulta de entrevistas a Operadores Turísticos no Reino Unido,
Portugal, Alemanha e África do Sul e intervenientes nacionais no destino
a fim de se obter a sua percepção sobre Moçambique como um destino
turístico.
Todos os operadores de turismo que oferecem Moçambique como um
destino ressaltam as férias de praia como uma das principais atracções
turísticas. Quase 75% de entrevistados indicaram que sol, praia e mar
eram os interesses principais, seguido pela cultura com 67%. Enfatizouse que Moçambique devido a sua participação no comércio mercantil com
vários povos do mundo, oferece um tipo de cultura única numa região
dominada por Estados anglófonos. O mergulho teve uma cotação de 48%
de preferência dos entrevistados. As pequenas reuniões e viagens oficiais
8
tiveram 36% e 31% da preferência dos entrevistados, respectivamente. O
Eco-turismo e as viagens de lua de mel ocuparam o sexto lugar com
19%.
3.4.1. Perspectiva dos Intervenientes Nacionais
Para os intervenientes nacionais, os principais destinos concorrentes de Moçambique são
os seguintes:
Tabela 1: Destinos Concorrentes de Moçambique
País
% de inquiridos
África do Sul
31%
Kenya
19%
Maurícias
17%
Zanzibar/ Tanzania
17%
Zimbabwe
12%
Brazil
10%
Madagascar
10%
Cuba
5%
Seychelles
5%
Fonte: MITUR
As razões indicadas para a classificação acima são: semelhança do
produto, por exemplo: sol e praia, sobretudo o preço e as ligações aéreas.
Existem outros países sem praia que também aparecem como principais
concorrentes, é o caso do Zimbabwe devido a produtos como Victoria
Falls.
3.4.2. Perspectiva do Mercado Britânico
Todos os operadores turísticos Britânicos inquiridos oferecem a África
do Sul como um destino nos seus programas e, em alguns casos o
Lesotho, Swazilândia ou Moçambique são tidos como uma extensão.
Os destinos mais focados pelos operadores Britânicos foram: Botswana,
Zâmbia, Tanzania, Namíbia e Malawi. Apesar da sua popularidade como
o terceiro destino mais importante na África Austral, o Zimbabwe foi
discontinuado pela maioria
dos operadores turísticos devido a
problemas políticos que podem mudar no futuro.
Outro grande concorrente a considerar é o Quénia, que é ainda o destino
de safaris mais popular na perspectiva dos Britânicos e oferece férias de
praia bem como combinações com o Uganda, Tanzania e Seychelles.
9
A maioria dos operadores turísticos consideram, entre as Ilhas do
Oceano Índico, as Maurícias como as principais concorrentes de
Moçambique.
A África Oriental foi considerada a principal concorrente, nomeadamente
Lamu (Quénia), Zanzibar, Ilhas Mafia (Tanzania), Baía de Nosi
(Madagascar) e o norte da costa do Natal na África do Sul.
3.4.3.
Perspectiva do Mercado Português
De acordo com os Operadores Turísticos Portugueses, o destino mais
popular é a Tanzania, seguido pelo Quénia e a África do Sul. Um número
reduzido de operadores incluem a Namíbia, Botswana e o Zimbabwe,
seguidos ainda de Suazilândia e Malawi.
A maioria dos Operadores Turísticos Portugueses mencionaram Tanzania
como a mais popular e a principal concorrente de Moçambique devido a
semelhança dos seus produtos com os de Moçambique e a preços mais
acessíveis.
Cerca de metade dos Operadores Turísticos Portugueses mencionaram a
África do Sul como o principal concorrente de Moçambique, seguido do
Quénia e Botswana, apesar de um operador turístico ter mencionado que
Moçambique é um destino para descanso e não aventura, e que o cliente
para Moçambique é muito diferente do cliente que vai a África do Sul.
Alguns operadores turísticos portugueses incluiram as Maurícias e
Seychelles nos seus pacotes, mas as restantes ilhas do Oceano Índico
não foram mencionadas pelos inquiridos.
3.4.4. Perspectiva do Mercado Alemão
De acordo com os Operadores Turísticos Alemães, a África do Sul,
Botswana, Namibia, Tanzania, Zambia, Suazilândia e o Zimbabwe são
destinos da África Austral que são mais oferecidos pelos operadores
turísticos.
Quatro de entre os cinco operadores turísticos Alemães inquiridos,
pensam que Moçambique não tem concorrentes por ser diferente dos
outros países da região (por exemplo, a África do Sul não possui as belas
praias, mas tem lindos parques). Entretanto um dos inquiridos
considerou a Tanzania como sendo o principal concorrente.
10
3.4.5. Perspectiva do Mercado da África Austral
Entre os operadores da África Austral houve divergências sobre quais dos
destinos consideravam como sendo os principais concorrentes de
Moçambique.
Um dos maiores operadores da África Austral identificou a Tanzania,
Maurícias, Seychelles, Quénia, Maldivas e Thailândia como sendo
concorrentes de Moçambique.
3.5. Situação do Produto
Moçambique tem 2.750 Km de costa banhados pelo Oceano Índico, com
ricas praias brancas e um mundo submarino composto por várias
espécies de animais, corais e tesouros arqueológicos. Moçambique é um
mosáico de culturas típicas da África Austral. O potencial do seu produto
estende-se desde o interior com florestas tropicais e fauna bravia, rios,
lagos, e lagoas, que se harmonizam com a simpatia e bondade do seu
povo até a costa oferecendo oportunidades infinitas para um
desenvolvimento sustentável da indústria turística.
3.6. Atracções Turísticas
Historicamente, Moçambique conquistou a posição de destino turístico
de primeira classe em África e este sector jogava um papel importante na
economia do País. O turismo desenvolveu-se em torno de 3 temas: as
praias, a fauna e o ambiente dinâmico oferecido pelos centros urbanos e
concentrava-se principalmente nas zonas Sul e Centro do País. O
produto faunístico encontrava-se muito desenvolvido e o Parque Nacional
de Gorongoza era considerado uma das melhores reservas de animais de
África Austral e a caça nas coutadas, na zona Centro, possuía padrão
internacional.
As principais regiões geográficas são: Norte (Nampula, Cabo Delgado e
Niassa), Centro ( Sofala, Manica, Tete e Zambézia) e Sul ( Província e
cidade de Maputo, Inhambane e Gaza).
Tabela 2.
Atracções Turísticas de Moçambique
ATRACÇÕES
Sol e praia
Região Sul
Maputo, Bilene,
Xai
Xai,
Macaneta,
Vilanculo, Tofo,
LOCALIZAÇÃO
Região Centro
Sofala
(Savane,
Nova
Sofala)e
Zambézia (Pebane
e Zalala)
Região Norte
Província
de
Nampula
particularmente
a
Praia de
11
ATRACÇÕES
Região Sul
Jangamo,
Paindane, Ilhas
do Arquipelago
do Bazaruto
Eco-turismo
A
área
de
conservação
transfronteira
dos
Libombos
que
inclui
a
Reserva Especial
de
Maputo.
Existe o turismo
de contemplação
. A ornitologia é
também
uma
das
principais
atracções.
Reserva
de
Pomene, Area de
conservação
transfronteira do
Limpopo
que
inclui o Parque
nacional
do
Limpopo.
Banhine
e
Zinave.
Existe
também
o
parque nacional
de
Bazaruto
abundante
em
raras
espécies
marinhas.
Turismo
LOCALIZAÇÃO
Região Centro
Região Norte
chocas
–uma
praia
muito
popular
Cabo
Delgado
exibe
areias
brancas e águas
cristalinas
na
praia do wimbe
Reserva
do
Niassa
considerada uma
das
áreas
de
conservação na
SADC. A reserva
acomoda mais de
12.000 elefantes
bem
como
Kudus, impala,
Inhalas, Javalis,
e
zebras.
O
parque nacional
das
Quirimbas
em Cabo Delgado
aloja
espécies
marinhas
e
terrestres.
O
Parque
Nacional
de
Gorongosa
em
Sofala
é
abundante
em
espécies de fauna
como
leões,
leopardos
,
elefantes,
o
búfalo,
hipopotamo,
crocodilo, vários
pássaros.
A
reserva
de
Marromeu ,
recentemente
redinamizada,
possui
vastas
espécies de flora e
fauna.
A reserva de Gilé
na província da
Zambézia,
que
possui
amplas
espécies
faunísticas
e
pássaros,
a
reserva
de
Chimanimani e a
Área
de
conservação
comunitária
de
Tchuma
Tchato
em Tete
Sofala, Manica e A
convergência
12
ATRACÇÕES
Turismo
Cultural
Região Sul
Histórico
em
Inhambane.
Maputo tem arte
e
artesanato,
museus,
património
arquitectónico
bem como uma
vida
nocturna
vibrante.
Dança
Marrabenta,
Timbila
de
Zavala. Os locais
históricos
da
resistência
à
ocupação
colonial
em
Gaza e Maputo e
as
estações
arqueológicas de
Chibuene
e
Manyiknei, que
se localizam no
distrito
de
VilanKulos
LOCALIZAÇÃO
Região Centro
Tete
constituem
centros históricos
de
valor
patrimonial. Este
património
é
representado por
conjuntos
históricos
de
edíficios antigos,
como
fortes,
igrejas antigas, as
florestas sagradas
e
fossilizadas,
locais sagrados, o
Zimbabwe
do
Songo, o painel de
pinturas,
incluindo
o
museu e centro
comunitário
de
Manica,
para
apresentação
e
interpretação
histórica. A dança
Nhau é o principal
exemplo
do
património
intangível
desta
região.
Região Norte
das
culturas
Africanas,
Árabes
e
Portuguesa
através
das
trocas comerciais
e do tráfico de
escravos criaram
uma
cultura
miscigenada em
Moçambique.
Nampula acolhe
o
proclamado
património
da
humanidade pela
UNESCO, a Ilha
de Moçambique,
que foi
um
importante
entreposto
mercantil
de
ouro, marfim e
escravos,
entre
os séculos XVI e
XIX. A Província
do Niassa possuí
um
potencial
arqueológico das
origens
humanas,
que
será
agora
valorizado com a
criação
do
museu
de
Metangula.
Nampula possui
um conjunto de
edifícios
coloniais
que
remontam desde
os tempos do
comércio árabe e
português.
13
ATRACÇÕES
Região Sul
Turismo
aventura
Turismo
Urbano
LOCALIZAÇÃO
Região Centro
Região Norte
A danças Mapiko
e
Tufo
caracterizam as
manifestações
culturais
de
Cabo Delgado e
Nampula.
Há
ainda a salientar
nesta região o
potencial
histórico
das
bases
e
monumentos da
luta armada de
libertação
de
Moçambiuqe, a
preservar.
O
arquipélago das
Quirimbas e o
conjunto
edificado do Ibo é
um dos bens que
consta na lista
tentativa
do
Património
Mundial,
para
candidatura pela
UNESCO.
Backpackers no
Pesca submarina
lago
Niassa,
Surfing
desde
Malawi
viagens de safari
Turismo
contemplativo
e 4x4 safari até ao
Niassa
montanhismo
(Alpinismo)
de Mergulho
em
Inhambane
e
Ilha
de
Bazaruto, pesca
em
profundidade,
navegação
em
Bazaruto,
Caça, Viagens de
canoagem,
windsurfing ou safari em 4 x 4
snorkeling
na
Ilha de Inhaca
Maputo
Beira
e outros Encontrados
centros
principalmente
14
ATRACÇÕES
Região Sul
Gastronomia
Camarão,
Mariscos,
Mathapa
LOCALIZAÇÃO
Região Centro
provinciais
Região Norte
em
centros
provinciais como
Pemba, Nacala e
Nampula
Camarão, Galinha Camarão,
a Zambeziana , Karakata,
Mukapata
Fonte: KPMG: Análise situacional, Fevereiro, 2004 Moçambique Terra de Contrastes &
RETOSA, The Essence of Africa 2003.
As praias em Moçambique têm uma nota elevada e são classificadas
como sendo “muito boas”.
As Áreas de Conservação são consideradas no sector do turismo como a
alavanca para o desenvolvimento de turismo no País devido a sua rica
biodiversidade, endemismo das espécies, paisagens naturais e o estado
menos perturbado dos seus ecossistemas terrestres e aquáticos naturais
e que são de grande valor turístico.
Quanto à distribuição das espécies faunísticas no território nacional, o
Norte comporta a maior parte, visto que a região é maior e possui
ecossistemas e habitats terrestres naturais menos perturbados pelo
homem.
Com relação as Áreas de Conservação Transfronteiras (ACTF) o
conceito principal da sua criação, é a conservação da biodiversidade
além fronteira. A existência das áreas protegidas entre países são os
habitats que constituem os nós de ligação. A implantação deste
programa vai estendendo-se ao longo do País, onde já estão a funcionar
a ACTF dos Lubombos, a ACTF do Grande Limpopo e a ACTF de
Chimanimani.
Esforços ao nível do Governo estão a ser feitos e aplicados no sentido de
na segunda fase da implementação do programa ACTF, a área de
ZIMOZA em Tete ligando Moçambique, Zambia e Zimbabwe e a ACTF de
Niassa e Cabo Delgado que farão a ligação com a Sealous Game Reserve
na Tanzania e Malawi sejam operacionalizadas.
As Coutadas Oficiais foram criadas com o propósito de se promover a prática da caça
desportiva, estando as principais localizadas na zona centro do País, particularmente nas
províncias de Sofala e Manica.
15
As fazendas do brávio são outro produto que enriquece a diversificação
do turismo cinegético em Moçambique.
3.7. Situação do Mercado
3.7.1.
Desempenho Actual do Sector
De forma resumida, um conjunto de tabelas demonstrativas dá o
panorama actual de Moçambique dentro das estatisticas do turismo
internacional.
Tabela 3: Estabelecimentos por Capacidade de Alojamento
Número de
Quartos
200 »
100 » 200
50 » 100
20 » 50
» 20
Total
Número de
estabelecimentos
2
8
18
75
239
342
%
0,6
2,3
5,3
21,8
70,0
100,0
Fonte: DINATUR – 2005
Pode-se notar que os estabelecimentos com menor capacidade de
alojamento estão em maior número, perfazendo 70% do total de
estabelecimentos, enquanto que os com maior capaciadade estão em
menoria, sendo 0.6% do total.
Tabela 4. Quantidade de Hotéis Por Provincia e Por Categoría (em
estrelas)
Provincias
Maputo Cidade
Maputo Provincia
Gaza
Inhambane
Sofala
Manica
Tete
Zambezia
Nampula
Cabo Delgado
Niassa
Total
Total *****
60
3
18
13
55
1
11
8
19
9
33
14
1
5
246
5
****
7
1
1
2
2
13
***
18
1
6
18
2
3
3
1
6
3
1
62
**
10
3
3
10
2
2
6
1
15
6
58
*
11
3
3
12
1
2
4
3
4
4
1
48
Sem
categoria
11
10
1
13
4
1
6
4
6
1
3
60
Fonte: DINATUR 2005
16
A Cidade de Maputo tem o maior número de estabelecimentos turísticos
do país, representando 40% num total de 60 estabelecimentos a nível
nacional. Além deste aspecto, esta cidade detém 75% (3 num total de 4)
de estabelecimentos de luxo (5 estrelas). A província de Inhambane tem
55 estabelecimentos turísticos, estando em segundo lugar em relação ao
total.
Tabela 5. Total de Camas em estabelecimentos hoteleiros
Categorias
Hotéis de Luxo
De Primeira
Económica
Outras
categorias
Total
2000
1,443
1,544
1,912
5,660
2001
1,707
1,932
2,028
6,123
2002
1,877
2,252
2,036
6,127
2003
2,339
2,597
2,412
6,253
2004
2,421
2,715
2,480
6,191
2005
2,421
2,761
2,925
6,261
10,559
11,790
12,292
13,601
13,807
14,368
Fonte: DINATUR - 2006
O número de camas tem tido um aumento médio de 762 por ano, tendose notado uma grande subida de 2002 para 2003. Entre 2003 e 2004
houve um fraco aumento de camas no país.
Tabela 6. Expansão da Capacidade de Alojamento no Período 1999 – 2004
Categorias
Hoteis de Luxo
De Primeira
Economica
Outras Categoria
Média
Crescimento
1999 – 2004
78.9 %
77.5 %
32.7 %
6.5 %
48.9 %
Fonte: FUTUR 2005
Os Hoteis de luxo e de primeira tem maior expansão em relação aos
outros.
Podemos notar que durante o período entre 2001 e 2002 houve uma
subida em mais de 100% na entrada de viajantes estrangeiros para o
País. Nos anos seguintes, notou-se uma redução na entrada de viajantes
ao longo dos anos, mas também verificou-se uma subida nos visitantes
por motivo de negócios e conferências.
17
Tabela 7. Entrada de Visitantes Estrangeiros
Motivo de Viagem
20011
2002
2003
2004
Negócios/ Conferências
143,586
183,021 165,636
198,936
Laser e ferias
114,804
222,570 141,096
130,853
108,585 112,949
402,153
284,734
85,136
296,135
942,885 726,099
711,060
Visita a amigos e familia
Outros
Total de Chegadas
64,390
81,313
404,093
Fonte: INE 2005
Tabela 8. Entrada de Turistas Estrangeiros
20012
2002
2003
2004
Turistas
322,780
540,732 441,365
414,925
Negócios/Conferencias
143,586
183,021 165,636
198,936
Lazer e Férias
Visita a
amigos/Familiares/outros
114,804
222,570 141,096
130,853
64,390
108,585 112,949
85,136
Fonte : MITUR 2005
Na tabela acima considerou-se Turista todo aquele que atravessa a
fronteira por um período não superior a 1 ano consecutivo para lazer,
negócio ou visita a familiares, considerando o conceito de Turismo
Internacional da Organização Mundial do Turismo (O.M.T.). Os turistas
que entram no país por motivo de negócios e conferências são os que
apresentam uma evolução positiva ao longo dos anos. Por outro lado, são
elevados os números dos turistas que entram por motivo de lazer e
férias, sofrendo variações significativas, ao longo dos anos.
18
Tabela 9. Entrada de Turistas Por País de Residência em 2004
País de
residência
Africa do Sul
Mozambique
Zimbabwe
Malawi
Suazilandia
Outros África.
Total África
Estados
Unidos
Outros
América .
Total América
China
Outros Ásia do
Leste.
Total Leste
Asia
India
Paquistao
Total Sul Ásia
Portugal
Reino Unido
Alemanha
Holanda
França
Italia
Outros da
Europa
Total Europa
Outros Paises
N.E.
TOTAL
TURISTAS
MOTIVO DA VISITA
negócios
44.332
40.053
17.582
5.477
4.633
2.318
114.395
oficial
TOTAL
turismo
Familiar
6.479
60.069
8.755
33.512
1.198
6.422
775
1.037
787
3.421
1.432
2.217
19.426 106.678
38.496
68.239
7.476
2.058
3.356
1.780
121.405
149.376
105.216
32.678
9.347
12.197
7.747
361.904
1.091
844
1.635
686
4.256
665
1.756
596
346
1.190
161
896
2.531
356
602
1.288
66
2.509
6.765
1.179
249
73
106
52
480
845
569
441
1.010
1.667
1.816
382
347
851
236
234
484
119
603
547
493
410
308
276
178
462
273
582
855
5.023
2.836
1.161
1.448
958
1.047
118
153
186
339
2.176
455
626
257
168
323
1.659
1.479
1.328
2.807
9.413
5.600
2.579
2.360
2.253
1.784
1.105
6.404
563
2.775
2.503
14.976
509
4.514
4.680
28.669
3.808
1.441
4.819
2.962
13.030
25.669 130.321
130.717
414.925
128.218
Fonte: INE 2005
A maior parte de turistas provem de África, estando a África do Sul em
primeiro lugar e de seguida Moçambique.
19
Tabela 10. Entrada de Turistas/entrada de visitantes estrangeiros
em 2004
Países
Africa
América
Asia
Europa
Outros N.E.
Total
Turistas
361.995
6.765
4.466
28.669
13.030
414.925
%
87,2
1,6
1,1
6,9
3,1
100
Visitantes
634.453
9.015
6.098
35.787
25.707
711.060
%
89
1
1
5
4
100
Tur / Visit
(%)
57,1
75,0
73,2
80,1
50,7
58,4
Fonte: MITUR 2005
É notável que a maior parte dos turistas e visitantes provêm de África,
perfazendo 87.2% e 89%, respectivamente. De seguida vem a Europa
com 6.9% em turistas e 5% de visitantes.
Tabela 11. Entrada de Visitantes
Meio de
Transporte
Carro
Avião
Peão
Total
por Meio de Transporte
2002
398.805
81.060
40.659
520.524
2003
2004
621.107
70.176
34.816
726.099
543.313
116.016
51.731
711.06
Fonte: INE 2005
Há mais fluxo de entrada de turistas por via terrestre, seguida por via
aérea e por fim, o peão, representando uma minoria no total.
Factores importantes a considerar, quanto as chegadas, e que já
começaram a produzir resultados são:
A materialização da superação de vistos com a África do Sul,
Botsuana, Malawi, Namibia, Suazilândia, Tanzania e Zambia.
O Processo de concessão de vistos de entrada a chegada nos
postos fronteiriços de Ressano Garcia, Machipanda e Namaacha.
Para além dos aeroportos internacionais.
A abertura do Posto Fronteiriço
Transfronteiriço do Grande Limpopo.
de
Giryondo,
no
Parque
A efectivação do processo em curso ao nível da SADC de concessão de
visto único a cidadãos dos principais mercados emissores de turismo
20
internacional e a isenção de vistos a cidadãos da Africa Austral irá
permitir maior fluxo de turistas.
Tabela 12. Entrada de Turistas por Regiões e Motivos de Viagens em
2004
Regiões
África
América
Asia
Europa
Outros Paises N.E.
TOTAL TURISTAS
Negócios
114.395
1.756
1855
6.404
3.808
128.218
Oficial
19.426
1.190
837
2.775
1.441
25.669
ferias
106.678
2.531
1317
14.976
4.819
130.321
Visita
familiar
Total
76.062 361.995
1.288
6.765
457
4466
4.514 28.669
2.962 13.030
85.283 414.925
Fonte: INE 2005
A maior parte de turistas provem da África, cujo motivo se prende com
gozo de férias.
3.7.2.
Análise de Mercado: A Demanda Turística
Ao analisar as estatísticas oficiais de Moçambique deve-se ter em
consideração os seguintes factos:
A falta de uma estratificação por segmentos de mercado, duração
da visita, e gastos por visitantes implica que estas estatísticas
incluam todo o tipo de visitantes estrangeiros ( de pouca, média e
alta renda ) a Moçambique;
A recolha de estatísticas de chegadas pela Direcção Nacional de
Migração, não permite revelar qual é realmente a percentagem de
turistas sobre o total de visitantes3;
Apesar do crescimento das dormidas de hóspedes nos estabelecimentos
hoteleiros e o aumento relativo das receitas no período analisado,
persistem constrangimentos importantes que reflectem a baixa qualidade
e quantificação incompleta do impacto económico do movimento
turístico.
3
Actualmente a Organização Mundial do Turismo considera como Turista todo
aquele que atravessa a fronteira por um período não superior a 1 ano consecutivo
para lazer, negócio ou visita a familiares.
21
Em relação a actividade nos estabelecimentos hoteleiros não se dispõe
ainda de dados estatísticos apurados que permitam fazer uma avaliação
do desempenho real da indústria hoteleira em tempo útil, sendo uma das
mais importantes dificuldades para produzir estratégias no âmbito de
Marketing e Promoção Turística.
Contudo, é possível tirar algumas conclusões preliminares da análise das
estatísticas de entrada a Moçambique de Visitantes e Turistas por região
e motivos de viagem, visando definir algumas premissas
para a
Estratégia de Marketing Turístico no periodo 2006-2013.
As tabelas permitem extrair conclusões
gerais para determinar a
proporção dos visitantes estrangeiros que podem ser realmente
considerados como turistas e poder classificar-lhes como Turistas
Regionais ou Internacionais, para assim fazer uma análise sobre a
estratégia de marketing.
Em resumo, as estatísticas do sector permitem tirar-se as seguintes
ilações:
Em 2004 entraram em Moçambique 414.925 turistas que
representaram mais da metade (58.3%) do total de 711060
visitantes estrangeiros que chegaram ao país;
A maioria dos turistas (65% / 67%) declararam como motivo da
entrada no país negócios, assuntos oficiais ou as visitas a
familiares e amigos. Só um terço dos turistas que entraram no
país foi por motivo de lazer e férias (35%);
África é a região que maior volume de turismo produz mas também
é a que apresenta maior proporção de turistas em relação ao total
de visitantes africanos (49.9 %);
86% dos turistas que entraram em Moçambique, em 2004,
residem em países africanos. Isto significa que a grande maioria
das entradas de turistas no País estão na classe do "Turismo
Regional";
Apenas 13 % dos turistas em 2004 vieram de outras regiões do
Mundo (Europa 8%, América 2% e Ásia 1%). A maioria dos turistas
provenientes destes mercados classificam claramente Moçambique
como "Turismo Internacional" porque elegeram
Moçambique
como destino de férias e entraram no país motivados pelos seus
atractivos naturais e culturais;
22
As outras regiões do Mundo também apresentam uma proporção
significativa de turistas em relação ao total de visitantes destes
países: Europa (80 %); América (75 %) e Ásia (73.2 %).
3.8.
Destinos e Segmentos Turísticos
O Plano Estratégico para o Desenvolvimento do Turismo em Moçambique
aponta os processos considerados fundamentais para o desenvolvimento
dos destinos, onde é definido o quadro espacial que identifica as Areas
Prioritarias para Investimentos no Turismo (APIT´s), os circuitos e rotas
turisticas, incluindo a dessiminação de valores historico-culturais.
As APIT’s estabelecidas no PEDTM possuem os requisitos referentes ao
factor atracção, mas poucas garantem a oferta básica de infraestruturas e
serviços, pelo que apesar de atractivas, nem todas são efectivamente
destinos turísticos.
As APIT’s por seu turno estabelecem directrizes gerais em relação ao tipo
de produtos e segmentos de mercado que cada APIT pretende desenvolver.
Figura 1. Localização Geográfica das APITs
A P IT ’s T ip o ‘A ’
2 . Z o n a d e ‘G r a n d e ’ M a p u to
6 . Z o n a C o s te ira d e In h a m b a n e
7 . Z o n a d e V ila n k u lo s /B a z a ru to
A P IT ’s T ip o ‘A /B ’
1 . Z o n a d e C o s ta d e E le f a n te s
3 . Z o n a C o s te ira d e X a i- X a i
8 . Z o n a d e T u ris m o d e S o fa la
1 4 . Z o n a d e Ilh a d e M o ç ./N a c a la
1 5 . Z o n a d e P e m b a /Q u irim b a s
A P IT ’s T ip o ‘B ’
4 . Z o n a d e L im p o p o – M a s s in g ir
5 . Z o n a d e L im p o p o – M a p a i
9 . Z o n a d e T u ris m o d e G o r o n g o s a
1 0 . Z o n a d e T u ris m o d e M a n ic a
1 1 . Z o n a d e T u r. d e C a h o ra B a s s a
1 2 . Z o n a d e G ilé /P e b a n e
1 3 . Z o n a d e T u ris m o d e G u ru è
1 6 . Z o n a d e N o rte d e C a b o D e lg a d o
1 7 . Z o n a d e L a g o d e N ia s s a
1 8 . Z o n a d e R e s e rv a d e N ia s s a
Tabela 13. Destinos e Segmentos Turísticos
23
Destinos e Segmentos Turísticos
Destinos existentes (Tipo “A”)
Zon Tip Nome & Local
a
o
A
Zona do Grande
Maputo – inclui Maputo
Cidade, Marracuene e
Inhaca
A
Zona Costeira de
Inhambane – de
Inharrime até Massinga,
na Província de
Inhambane
2
6
7
A
Zona de Bazaruto
Vilankulos – inclui o
Arquipélago do Bazaruto
e a costa de Vilankulos
até Inhassoro, na
Província de Inhambane
Produtos
Chave
Turismo
urbano e de
negócios
Sol, praia e
mar
Cultura
Eco-turismo
contemplação
de fauna
bravia
Sol, praia e
mar
Desportos
aquáticos,
contemplação
de passáros,
Cultura
Eco-turismo
costeiro
Sol, praia e
mar
Desportos
aquáticos
Segmentos de
mercado
Negócios domésticos,
regionais e
internacionais
Trânsito e lazer
internacional e VFR
(amigos e familiares),
Lazer doméstico e
VRF
Lazer doméstico
Lazer regional e
internacional
Interesses especais
Backpackers
Lazer internacional
Lazer regional
Destinos existentes com desenvolvimento limitado (Tipo “A/B”)
Zon Tip
a
o
1
Nome & Local
A/ Zona de Turismo da
B Costa de Elefantes – a
zona costeira entre
Catembe e Ponta do
Ouro na Província de
Maputo
Produtos
Chave
Eco-turismo
costeiro
Desportos
aquáticos
Sol, praia e
mar,
contemplaçã
o de fauna
bravia,
contemplaçã
o de baleias
Segmentos de
mercado
Lazer regional e
doméstico
Lazer internacional de
nicho e de alto
rendimento
24
3
8
14
15
A/ Zona Costeira de Xai
B Xai – a zona costeira de
Bilene até ao Lago
Chidenguele, locais
historicos de resistência
contra a ocupação
colonial (Chaimite) na
Província de Gaza
Sol, praia e Lazer regional
Lazer doméstico
mar
Desportos
aquáticos
Cultura
Turismo
MICE
e
negócios
urbano
doméstico e regional
Sol, Praia e Lazer doméstico
mar
Lazer regional
Cultura,
eco-turismo
litoral
Cultura
Nichos de lazer
A/ Zona da Ilha de
B Moçambique – Nacala - Sol, praia e internacional
Lazer regional
da baía de Mocambo no mar
sul até à Baia de Memba, Desportos
no norte da Província de aquáticos
Nampula
Sol, praia e Nichos de lazer
A/ Zona de Pemba –
internacional
B Quirimbas – da baía de mar
Lazer regional
Desportos
Pemba, até à Ilha de
aquáticos
Matemo e os parques
Cultura
marinho e terrestre do
Eco-turismo
Parque Nacional das
Quirimbas, na Província
de Cabo Delgado
A/ Zona de Turismo de
B Sofala – inclui Beira,
Sofala e a zona costeira
de Savane em Província
de Sofala
Destinos emergentes (Tipo “B “)
Zon Tip
a
o
Nome & Local
Produtos
Chaves
Segmentos de
mercado
25
4
B
5
B
9
B
10
B
11
B
12
B
Lazer doméstico e
EcoZona do Limpopo
regional
turismo,
Massingir – inclui a vila
MICE doméstico e
de Massingir, a albufeira Aventura
de Massingir e a parte
Interesses regional
sul do Parque Nacional especiais
Lazer internacional
do Limpopo, na
Desportos Nichos de eco-turismo
Província de Gaza
aquáticos
Cultura
Lazer doméstico
Zona
do
Limpopo EcoLazer regional e
Mapai
–
– turismo,
internacional
Aventura
na Província de Gaza, na
zona norte do Parque Interesses Nichos de eco-turismo
especiais
Nacional do Limpopo
Zona do Turismo de Eco-turismo Lazer internacional e
Gorongosa – – Inclui o Observação doméstico Nichos de
Parque Nacional e a de pássaros eco-turismo
Montanha de Gorongosa caça
desportiva
e
Zona do Turismo de Eco-turismo Backpackers
Aventura
overlanders
Manica – inclui
Cultura
Nichos de eco-turismo
Manica, Chicamba e o
parte norte de reserva de Interesses
Chimanimani,
na especiais
Província de Manica
Zona do Turismo de Eco-turismo Nichos de eco-turismo
e
Backpackers
Cahora Bassa – inclui Aventura
Songo,
partes
da Interesses overlanders
Interesses especiais
albufeira Cahora Bassa especiais
Cultura
e a área comunitária de
turismo de Tchuma caça
Tchato, na Província de desportiva
Tete
de
lazer
Zona do Turismo da Eco-turismo Mercado
doméstico
Sol,
praia
e
Reserva
do
Gilé–
Nichos internacionais
Pebane – inclui a mar
Cultura
reserva de Gilé e a zona
costeira de Pebane, na Interesses
Província da Zambézia. especiais,
águas
térmicas
26
13
B
16
B
17
B
18
B
Zona do Turismo do Aventura
Guruè – zona de Gurué Eco-turismo
na
Província
da Cultura
Zambézia
Zona norte de Cabo Sol, praia e
Delgado – inclui Palma mar
e Mocímboa da Praia, Desportos
Mueda, Chai até a aquáticos
fronteira com Tanzânia Cultura
no norte da Província
de Cabo Delgado
Zona do Turismo do EcoLago Niassa – inclui turismo
as margens do lago de Desportos
Metangula até Cóbuè e aquáticos
a zona leste de Manda caça
Wilderness,
na desportiva
província de Niassa
Zona da Reserva do EcoNiassa – a reserva e as turismo
coutadas da Reserva de Cultura
Niassa, na Província do Interesses
especiais
Niassa
Lazer doméstico
Nichos internacional e
regional
Lazer internacional
Lazer regional
Interesses especiais
Lazer internacional
Lazer regional
Interesses especiais
Nichos de eco-turismo
internacionais
Fonte:PDTM
3.9. Desenvolvimento de Rotas e Circuitos Estratégicos do Turismo
A identificação e a promoção de rotas constitui uma abordagem crucial
no desenvolvimento do turismo. O desenvolvimento de rotas é também
extremamente importante porque além de estabelecer uma ligação
espacial entre produtos diversos, também reforça a atenção sobre
potenciais atracções que poderiam ser vendidas para turistas que
planificam, de forma independente, os seus itinerários.
As rotas também constituem um instrumento forte de marketing, pois
proporcionam opções para oferecer pacotes que podem ser concebidos
especificamente em função dos interesses de um cliente.
As rotas fornecem as ligações entre as APITs e destinos, além de serem
elementos essenciais do quadro espacial do turismo. Geralmente, as
rotas unem tanto os espaços, como as experiências.
27
As rotas de distribuição secundária representam as rotas turísticas ou
“jornadas do visitante” entre os pontos de entrada e as maiores atracções
do país. Este tipo de pontos turísticos satisfaz uma função de três
componentes, na medida em que permite a edificação de uma massa
crítica do produto turístico, introduz o turista a uma experiência mais
ampla de Moçambique e cria oportunidades económicas em áreas
populacionais.
As Rotas são “jornadas do visitante” a nível nacional e os Circuitos são
“jornadas do visitante” a nível regional (entre países) em movimentos
relativamente circulares. Os turistas não têm necessariamente que
seguir uma rota ou circuito desde o início até ao fim, mas podem
percorrer, de acordo com o tempo e orçamento disponível e os seus
interesses, parte de uma rota ou circuito.
Cada rota varia em termos de extensão, tempo de viagem e infraestruturas disponíveis. Contudo, o reconhecimento das oportunidades
destas rotas permite ao turismo identificar, planificar e canalizar as suas
necessidades às autoridades de transporte e obras públicas para
consideração e tomada de decisões relacionadas com a provisão de
estradas e infra-estruturas.
A maioria das rotas turísticas em Moçambique pode fazer parte de
circuitos turísticos regionais.
Sem prejuízo de outras que eventualmente possam surgir, o Plano
Estratégico para o Desenvolvimento do Turismo identificou rotas
turísticas de acordo com os quadros / tabelas abaixo indicados.
Quador 1. – O Valor de Rotas de Turismo
Os turistas nem sempre optam pela rota mais curta e mais rápida, mas tendem a equilibrar o “esforço de lá chegar” com a
qualidade da experiência e segurança.
A planificação e promoção adequadas de rotas pode influenciar e mudar os padrões de viagem dos turistas.
Rotas não se aplicam apenas às estradas. Rotas ferroviárias, aéreas e marítimas são componentes integrais para transportar
turistas de um destino para outro.
Rotas podem constituir uma plataforma credível para o marketing e o controlo de qualidade de operadores turísticos. Bons
exemplos são as famosas rotas na África.
do Sol, a ‘Garden Route’ e a ‘Wine Route’ na zona de Cabo.
Tabela 14. – Corredores Primários de Transporte em Moçambique
Corredores primários de transporte
28
N4 (Corredor de Maputo):
Joanesburgo – Maputo
EN1(Rota Costeira): Maputo –
Beira
EN6 (Corredor
Beira – Harare
da
Corredor de Tete: Tete – Malawi
Corredor de Nacala: Nacala –
Lilongwe
Beira):
Figura 2. – Extensão Geográfica das Rotas Turísticas e Circuitos de Turismo
Rotas do Sul
Rota do Libombo ou da Costa dos Elefantes
Rota da Costa das Lagoas
Rota do Limpopo
Rota da Selva-Praia
Rotas do Centro
Rota Aventura Moçambique/Zimb
Rota de Aventura Moçambique/Malawi
Triangulo de Ecoturismo (Marromeu,
Gorongosa, Chimanimani)
Rota dos Lagos (Chicamba, Cahora Bassa)
Rotas do Norte
Rota da Costa e Cultura
Rota da Costa Swahili (Moçambique/Tanzania)
Rota do Lago-Costa
Tabela 15. Rotas Turísticas Nacionais e Circuitos de Turismo
Regional
29
Rotas Turísticas do sul
Circuito dos
Libombos
Kosi Bay e Santa Lúcia (África do Sul) – Ponta
do Ouro – Reserva de Especial de Maputo –
Maputo – Namaacha (Moçambique ) –
Suazilândia
Uma experiência única que combina praia,
selva, património, desportos aquáticos,
diversidade cultural, beleza paisagística,
actividades de interesse especial que unem
Moçambique, Suazilândia e África do Sul.
Rota da “Costa
das Lagoas”
Ponta do Ouro – Reserva dos Elefantes de
Maputo – Maputo – Xai-Xai – Inhambane –
Vilankulos
Uma rota da zona costeira sul de Moçambique
que começa em Maputo ou mesmo na fronteira
África do Sul/Moçambique, na Ponta do Ouro,
e vem pela costa acima até
Vilankulos/Arquipélago do Bazaruto. Esta rota
centra-se no eco-turismo da zona costeira e
liga os vários lagos da costa sul. A rota associa
beleza paisagística, praia, desportos aquáticos,
ecossistemas e flora e fauna diversos (dunas e
florestas, lagos costeiros, aves, tartarugas, vida
marinha, etc.).
Circuito bushbeach do Grande
Limpopo
(Joanesburgo) – Nelspruit – Parque Nacional de
Kruger – Parque Nacional de Limpopo – (Pafuri
– Parque Nacional de Gonarezhou (Zim) –
Mapai) – Parque Nacional de Banhine – Parque
Nacional de Zinave – Vilankulos – Bazaruto –
Inhambane – Xai-Xai – Bilene – Maputo
Uma rota excitante que reúne eco-turismo,
cultura e costa. Capitaliza os fluxos existentes
no KNP. Para muitos turistas internacionais
isto representará umas “férias de sonho” que
liga o maior parque do mundo às lindas praias
e ilhas tropicais de Moçambique. Partindo da
RSA (Joanesburgo ou Nelspruit) ou seguindo
em sentido contrário, começando em Maputo.
30
Rota de Limpopo
Maputo – Bilene – Chokwe – Massingir –
Parque Nacional de Limpopo – Parque Nacional
de Kruger (RSA) – Malelane – Komatipoort –
Ressano Garcia – Maputo
Uma versão do Circuito do Grande Limpopo
mais consolidada. Esta rota permite uma certa
rapidez na inclusão de Moçambique no turismo
regional e fornece ao visitante, depois de
usufruir da praia, um acesso directo ao Parque
Transfronteiriço do Grande Limpopo.
Estabelece-se que seja uma rota circular com
início e fim em Maputo.
Rotas Turísticas do centro
Rota de aventura
Moç/Zim
Inhambane – Vilankulos – Gorongosa –
Albufeira de Chicamba – Manica –
Chimanimani –Zimbabwe
Virada para o mercado de backpackers e
“viajantes de aventura”, a região centro já é
uma “rota de passagem” a partir das praias
moçambicanas para o interior de África. O
desafio consiste em fornecer uma massa crítica
de atracções já prontas para o mercado e
facilidades e amenidades de turismo de modo a
alargar o tempo de permanência. Devem ser
criadas ligações estratégicas que comecem a
proporcionar atracções locais fortes aos
itinerários dos visitantes, como é o caso de
Gorongosa e Chimanimani. A Rota Moç/Zim
centra-se em rotas que começam nas praias do
sul de Moçambique e liga os destinos ecoturísticos ao longo do corredor da Beira com o
interior do Zimbabwe via Machipanda/Mutare.
Rota de aventura
Moç/Malawi
Inhambane – Vilankulos – Gorongosa –
Albufeira de Chicamba – Cahora Bassa –
Tchuma Tchato – Malawi
À semelhança do referido na rota de aventura
Moçambique/Zimbabwe, mas centrando-se na
passagem para o Malawi, dando ênfase aos
destinos de eco-turismo de Cahora Bassa e
Thcuma Tchato na Província de Tete.
31
Rota de Ecoturismo do centro
Beira – Reserva de Marromeu – Parque
Nacional de Gorongosa – Montanha de
Gorongosa – Chimoio – Reserva de
Chimanimani – Albufeira de Chicamba –
Manica – Beira
Uma rota circular que combina os destaques
de eco-turismo das províncias de Sofala e
Manica. Rica em aves e oportunidades de
hiking, esta rota atrairá entusiastas de ecoturismo.
Rota de Lagos
Beira – Albufeira de Chicamba – Chimoio – Tete
– Cahora Bassa – (Malawi –Entrelagos)
Uma rota focalizada em eco-turismo que
combina os “grandes lagos” da região centro e
do norte (Lago Niassa). A albufeira de
Chicamba é conhecida pelo peixe tilapia
enorme e a albufeira de Cahora Bassa pelo seu
peixe tigre abundante e enorme. Esta viagem
pode ser estendida até ao Lago Niassa através
do Malawi, representando uma oportunidade
magnífica de mergulho na água doce.
Rotas Turísticas do Norte
Rota de “Costa e
Cultura”
Nampula/Nacala - Ilha de Moçambique –
Pemba – Quirimbas
A única rota de curto prazo no norte que liga a
Ilha de Moçambique, património mundial da
UNESCO, com as praias tropicais, ilhas
virgens, águas quentes e recursos marinhos
ricos e vários. As oportunidades de eco-turismo
nas Quirimbas e a experiência cultural da ilha
do Ibo completam esta jornada de descoberta
dos tesouros do norte de Moçambique.
Costa “Swahili”
Tanzania: Zanzibar - Pemba (Tan) - Mtwara
Moçambique:Palma – Mocímboa da Praia –
Quirimbas – Pemba - Nacala
32
Uma oportunidade de longo prazo que liga as
experiências costeiras de Moçambique e da
Tanzânia. O sucesso depende do
desenvolvimento da APIT do norte em CaboDelgado, o Corredor de Mtwara e o Circuito do
sul da Tanzânia. A cultura dos povos da região
e a rica tradição e história de comércio, as
lindas praias e as oportunidades de desportos
aquáticos constituem os elementos-chave desta
rota.
Rota do Lago a
Costa
Pemba – Quirimbas – Reserva de Niassa – Lago
Niassa
Uma rota de longo prazo que liga as águas
quentes do Índico às águas doces do Lago
Niassa. Uma versão consolidada desta rota,
Pemba – Reserva de Niassa, ligando as praias
tropicais de Cabo Delgado com a selva absoluta
do Niassa já está a funcionar, principalmente
para caçadores e outros mercados de nichos.
Actualmente existem constrangimentos
relativamente à infra-estrutura e será
necessário fazer importantes investimentos em
estradas e tráfego aéreo.
Descoberta do
Norte
Nacala/Ilha de Moçambique – Corredor de
Nacala – Nampula – Gurué – Cuamba –
Lichinga – Metangula – Reserva de Niassa –
Palma – Quirimbas –Pemba – Nacala
Uma rota circular que liga todas as APITs do
norte. As vastas distâncias e a falta de infraestrutura vai exigir uma rede aérea entre as
APITs. A rota deve juntar cultura, praia e vida
selvagem.
Fonte: PDTM
3.10. Mercados de Nicho para Moçambique
3.10.1.Análise de Mercado de Nicho
A nível mundial, prevê-se um crescimento do Turismo que se focalizará
nos seguintes segmentos especiais: sol e praia; eco-turismo; turismo
cultural; turismo de aventura; turismo temático e turismo de cruzeiros.
33
O potencial turístico de Moçambique é largamente baseado em atracções
ligadas a natureza, cultura, gastronomia e entretenimento.
Férias de Sol e praia continuarão a desempenhar um papel fundamental
no futuro do Turismo em Moçambique como um activo vasto, atractivo e
ainda por explorar. A importância actual e futura deste património e os
progressos globais em termos de planeamento de estâncias e
desenvolvimento, oferece vantagens comparativas e interessantes
oportunidades ao país.
Moçambique tem também a possibilidade de capitalizar vantagens
comparativas maximizando ligações entre a costa e selva. Estas ligações
poderão vir a fazer a diferença em termos competitivos a favor de
Moçambique.
3.10.2. Ecoturismo
Ecoturismo pode ser referido por diferentes terminologias como turismo
cultural, de vila ou comunitário como um termo genérico que capta o
espírito desta actividade “Turismo Baseado nos Recursos Naturais e da
Comunidade.
Moçambique é um país com um alto potencial para o desenvolvimento do
Ecoturismo e pode explorar o grande mercado de viagens de aventura.
A identificação de areas com um alto valor biológico, como por exemplo
as áreas de conservação transfronteira, locais com potencial para serem
declarados património da humanidade, ecossistemas com lagos do
interior, áreas húmidas e áreas de montanha e costa, deverão ser
considerados como prioridade para o desenvolvimento do turismo e
conservação.
3.10. 2.1. Tipos de Serviços Baseados no Ecoturismo
Infra-estruturas oferecendo acampamentos, locais de alojamento
construídos com materiais rusticos e alguns serviços de catering
Guias oferecendo-se como guias aos turistas
Safari de montanhas, pesca, caça, locais sagrados, observação de
animais, etc.
Artesanato para venda aos turistas.
Actividades Culturais que podem ser exibidas aos turistas
mediante um programa desenhado para o efeito.
3.10.3. Turismo de Aventura
34
O turismo de aventura descreve as actividades que ocorrem ao ar livre e
que requerem um alto nível de energias dos participantes. Geralmente o
turismo de aventura envolve algum esforço físico.
Moçambique está bem posicionado para tirar partido do mercado de
turismo de aventura. O turismo de aventura está a ser cada vez mais
procurado por aqueles que se querem retirar da sua rotina diária ou que
buscam novas formas de passar os dias com as suas famílias.
3.10.4. Turismo Cultural e Histórico
O turismo cultural é baseado no mosaico de destinos, tradições, arte,
celebrações e experiências que retratam uma nação e o seu povo,
reflectindo a diversidade e caracter do país.
Moçambique possui uma rica tradição artística local e a que resulta de
vários séculos de contactos culturais. A nível do artesanato e arte
escultórica ganha relevo a arte Makonde no norte do País reconhecidos
como marco de identidade artística.
A música tradicional é amplamente tocada em Moçambique. Ao norte são
reconhecidos pelos seus instrumentos, ao sul são reconhecidos pelas
suas orchestras de timbilas (marimbas). A música moderna floresce nas
cidades, onde a Marrabenta é talvez o estilo mais típico. As danças
tradicionais como Nhau, Tufo e Mapiko também são reconhecidas como
sendo de grande expressividade cultural, nas regiões centro e norte do
País.
A tradição moçambicana de artes visuais e plásticas, produziu vários
artistas modernos que atingiram reconhecimento internacional. Um bom
número de pintores e escultores talentosos surgiram desde os anos 50.
Na pintura destaca-se as obras de Malangatana, enquanto para
escultura destacam-se os nomes sonantes como Renata e o já falecido
Chissano.
Há ainda, um pouco por todo o País, os bens imóveis que consistem em
conjuntos urbanos, locais históricos e arqueológicos e ainda as obras
monumentais. Alguns desses bens já se encontram inventariados ou
declarados como bens do património cultural e natural nacional.
Os viajantes que praticam o turismo histórico-cultural em Moçambique
procuram:
35
Locais históricos e Estações Arqueológicas
Galerias de arte e artesanato
Teatros
Museus
Eventos culturais e festivais
Feiras
Comunidades étnicas e bairros
Edifícios com valor histórico e arquitectónico
Locais tradicionais de culto e sagrados
Parques Nacionais
Reservas Nacionais
36
IV. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS E ACÇÕES DE MARKETING
4.1. Objectivos Estratégicos
Para o desenvolvimento do turismo em Moçambique, é necessário partir
da interpretação da “visão do futuro” contida na Política do Turismo e no
Plano Estratégico de Desenvolvimento Turístico de Moçambique
aprovados pelo Governo que perconizam os seguintes objectivos:
Posicionar Moçambique definitivamente como um “destino
turístico de classe mundial”.
Eliminar as principais fraquezas do produto turístico e alcançar
elevados níveis de competitividade nos principais mercados
emissores de turismo;
Alcançar uma taxa média de crescimento anual de 6% do
turismo doméstico, regional e internacional;
Elevar o impacto económico, social e ambiental
turístico;
do sector
4.2. Acções para o Desenvolvimento de Marketing
Para a materialização dos objectivos perconizados, impõe-se
procecussão de determinadas acções destacando-se as seguintes:
a
4.2.1. Objectivo Estratégico Específico 1: Posicionar Moçambique
como um Destino Turístico de Classe Mundial
Para a efectivação deste objectivo, é necessário materializar as seguintes
acções:
4.2.1.1: Produzir Material Promocional
Deve-se melhorar a produção de material de marketing (folhetos,
brochuras, CD-Roms, cartazes, souveniers) para distribuição em feiras
internacionais de turismo, escritórios ou empresas de representação e
em representações diplomáticas de Moçambique no exterior, bem como
em Balcões de Informação Turística nos postos fronteiriços e nas
cidades, eventos nacionais, Agências de Viagens, etc.
As acções de marketing e publicidade a realizar no exterior devem se
planear com base numa abordagem comercial competitiva. Para tal,
37
Moçambique deve, dentre outros, ter os seguintes materiais de
promoção:
Uma brochura do país (Catálogo sobre o sector do turismo);
Um guia de alojamento (depois de iniciar o processo de reclassificação de estabelecimentos hoteleiros);
Um guia turístico por regiões;
Uma brochura para Promoção dos Parques, Reservas e Coutadas
Oficiais, projectos comunitários e fazenda de bravio.
É necessário haver uma abordagem comercial e é importante desenhar o
Catálogo de Produtos e outros materiais do sector com estatísticas
oficiais do país e imagens que representem não apenas aqueles
estabelecimentos hoteleiros e produtos que hoje apresentam o maior
potencial para o turismo internacional e para segmentos altos do turismo
regional, mas também estabelecimentos que impulsionam o
florescimento do turismo doméstico.
Os materiais promocionais a produzir (catálogo de produtos, grandes
eventos e a Pasta de Negócios para investimentos) deve dar maior ênfase
aos produtos que representem vantagens competitivas, isto é, aqueles
que mais diferenciam Moçambique do produto turístico existente em
outros destinos concorrentes da região.
O conteúdo destes materiais deve também ser coerente com os
objectivos
comerciais dos grandes operadores europeus, os quais
indicaram que sol, areia e mar eram os interesses principais, seguidos
pela cultura e herança colonial diferente.
Os materiais de promoção para mergulho, pesca desportiva, pequenos
eventos, eco-turismo, turismo de aventuras, luas de mel e outros
segmentos de nicho devem ser produzidos preferencialmente com
recurso ao apoio dos operadores estrangeiros.
4.2.1.2: Criar Escritórios de Promoção no Exterior.
É importante que Moçambique tenha representações na Europa
(Portugal, Reino Unido, Alemanha, Itália) e que essas representações
sejam devidamente apetrechadas com recursos para promover
Moçambique eficientemente. As Missões Diplomáticas de Moçambique no
exterior jogam um papel importante no estabelecimento de contactos e
acompanhamento das actividades desenvolvidas pelos escritórios de
representação.
Os orçamentos devem ser suficientes para permitir a prestação de
serviços de produção de material promocional nas línguas dos países
38
alvo, visitas os operadores turísticos e agências de viagens, facilitação de
visitas de imprensa e comerciais a Moçambique, participação em
“roadshows”, feiras etc.
É importante que qualquer escritório que seja estabelecido no
estrangeiro, funcione com um plano e estratégia de marketing muito
concreto, e que as suas actividades sejam monitoradas, afim de
receberem todo o apoio no sentido de levar a cabo os seus objectivos
efectivamente.
4.2.1.3: Desenvolver Relações Públicas
A nomeação de uma Agência Especializada em Relações Publicas
prioridade.
é uma
A agência escolhida deve estar especializada em lidar com os meios de
comunicação e o consumidor final do produto. Deve ser uma empresa
familiarizada com a imprensa de mergulho e natureza, relacionar-se dar-se
bem com escritores de renome para além de ter competência e domínio dos
sistemas de informação e comunicação. Trazer a imprensa internacional a
Moçambique será uma prioridade no programa.
O Governo de Moçambique através do Ministério do Turismo tem a
responsabilidade de monitorar a eficácia do programa de relações
públicas desenvolvido pela agência contratada.
A Agência de Relações Públicas é responsável pela imagem do destino
turístico, distribuição de informação exacta e em tempo útil; assegurar
as promoções do consumidor para aumentar o interesse pelos destinos
turísticos; e controlar crises de todos os tipos, naturais ou provocadas
pelo Homem.
4.2.1.4: Promover Visitas de Familiarização dos Media e Operadores
Turísticos
Para um destino turístico único e emocionante como Moçambique, os
operadores de turismo jogam um papel importante no marketing,
promovendo e vendendo o destino. É importante que Moçambique crie
parcerias estratégicas com operadores turísticos chaves, de modo que
vendam o Pais em seus mercados chave.
Um conjunto de acções de marketing que permitam uma penetração
efectiva do produto turistico moçambicano aos mercados emergentes,
como a China e Medio Oriente são urgentes e necessarios.
39
A fim de consolidar os mercados emissores Europeu e regional, é
importante educar os agentes de viagens sobre os produtos que
Moçambique tem para oferecer, pois estes são uma fonte importante de
informação e de registos. Visitas de Familiarização devem ser feitas com
operadores de turismo de modo a assegurar a participação de agentes de
qualidade. As viagens de familiarização devem ser somente oferecidas aos
agentes que querem ser especialistas em Moçambique.
As viagens de familiarização são uma das formas mais eficazes de dar a
primeira informação e em primeira mão, proporcionando experiência
sobre Moçambique como um destino turístico. Aqui, é importante obter
apoio das companhias aéreas que voam para Moçambique e transportes
terrestres locais.
o papel do pequeno agente de viagem assume mais importância do que
nunca. Os agentes, na maioria dos casos, não venderão um destino
turístico que nunca viram, por isso deve-se fornecer visitas de
familiarização para os agentes cuidadosamente seleccionados.
Os agentes de viagem interessados e com o potencial podem ser
identificados, também, pela expansão do Web site de Moçambique para
incluir uma secção interactiva para comércio, onde podem pedir
formulários e preencher um mini questionário. Um Boletim electrónico
de notícias periódico com actualização de produtos pode ser direccionado
a agentes que expressem interesse em o receber.
4.2.1.5: Participar nas principais Feiras de Turismo Internacional
dos principais mercados emissores e emergentes
Deve-se consolidar e inserir a participação de Moçambique no calendário
internacional de feiras nos principais mercados emissores de turismo
regional (Durbam, e Harare) e os de maior potencial de crescimento no
mercado europeu: Londres, Lisboa, Madrid, Milão, Berlim e Utrecht
(Holanda), tendo em conta o investimento necessário para a participação
em feiras, não só do sector público mas também do privado, para além
de participar na feira de turismo na China e pesquisar os mercados
emergentes localizados no continente asiatico e médio oriente.
Participar nas feiras de caça na Espanha e EUA.
4.2.1.6: Desenvolver o Portal do Turismo
Moçambique tem que produzir um Portal virtual sobre o turismo. Ao
desenvolver as páginas, deve-se prestar particular atenção ao cliente
para assegurar que a informação que o cliente precisa e procura esteja
40
disponível na internet a qualquer momento, capitalizando os seus pontos
fortes como destino turístico. Uma vez que o inglês é a língua do
comércio e turismo internacional é pertinente que exista uma versão
inglesa do mesmo.
Como em outros destinos, o Portal de Moçambique deve procurar ser o
mais abrangente possível, e ser a principal fonte de informação sobre o
país.
Confrontado por vários tipos de desafios, Moçambique deve garantir que
o seu Portal dê o máximo de informação positiva sobre o seu destino. Daí
que Moçambique tem que criar uma boa imagem e publicidade positiva.
O portal deve ter ligações com motores de busca, como google, sapo, e
outros grandes sites mundiais sobre o turismo.
4.2.1.7: Expandir os Balcões de Informação Turística para todas as
Províncias do País
Aumentar o número de Balcões de Informação Turística (BITs) á partir da
experiência dos BITs existentes na província de Maputo (Ressano Garcia,
Namaacha e Maputo cidade), bem como os localizados nas províncias de
Nampula (ilha de Moçambique) e Cabo Delgado (Pemba).
A abertura de BITs em locais estratégicos nos principais postos de
entrada de turistas ao país tem por objectivo apoiar aos visitantes em
informações úteis para orientação em locais de interesse turístico, bem
como prestar informação actualizada sobre eventos turísticos.
4.2.1.8: Implementar Acções Combinadas de Marketing
Dos dados estatísticos disponíveis e da análise realizada, conclui-se que
o Turismo Internacional representa hoje só 10% do Turismo estrangeiro,
contudo, a sua taxa de crescimento médio anual nos últimos três anos
foi de 1.26, superior a taxa média do Turismo Regional (1.14).
Nos próximos 10 anos, Moçambique deve ser considerado um destino de
turismo internacional.
Para isso,
deve-se implementar acções
integrantes de marketing que, para além da participação nas feiras
internacionais, permitam desenvolver outras formas de promoção mais
abrangentes e de maior efectividade, especialmente as produções
conjuntas de publicidade com operadores turísticos dos países que
representam o maior potencial de crescimento turístico para
Moçambique, por serem os principais emissores de turismo para África
Austral nos próximos 15 anos.
41
As acções de marketing devem-se desenhar e implementar numa
parceria entre os sectores publico e privado, principalmente os grupos
hoteleiros que operam nos estabelecimentos de categorias superiores (4 e
5 estrelas), os agentes de viagens e as linhas aéreas, as quais contribuem
com o maior volume das receitas do sector.
As acções de marketing devem abranger principalmente os âmbitos de
promoção de investimentos e a promoção de produtos estrela ou
produtos chave. O objectivo destas acções
é atrair investimentos
directos estrangeiros para operações conjuntas “joint ventures” para a
reabilitação ou construção de hotéis e levar a cabo acções de promoção
direccionadas ao incremento da estadia media e da ocupação dos hotéis
de categorias superiores.
A implementação destas acções de marketing vão depender da prévia
execução de outras acções identificadas no documento, tais como:
Acção No.1: Desenvolver um Plano de Produção de Material de Promoção.
Acção Nº.2: Criar Escritórios de Promoção no Exterior.
Acção Nº.5: Participar em Feiras de Turismo Internacionais.
Acção Nº.6: Desenvolver o Portal do Turismo.
Acção Nº.9: Reforçar a Capacidade de Produção de Estatísticas.
Acção Nº.17:Proceder a Re-classificação dos Estabelecimentos Turísticos.
Acção Nº.19:Redesenhar a Carteira de negócios para Investimentos
Directos do sector do turismo.
Como parte das acções de marketing integrado é necessário prestar
particular atenção a implementação de algumas acções específicas das
recomendações do Congresso da APAVT (realizado em Novembro de2005
na cidade de Maputo), nomeadamente:
Criar condições para receber a curto e médio prazo mais
investimentos para a área do turismo, maior fluxo de turístas
europeus e em particular portugueses;
Desenvolver e consequente consolidar o destino, e facilitar as
deslocações a partir dos países geradores de fluxos turísticos;
Criar um ambiente em que as companhias aéreas, Agentes de
Viagens devem continuar a cooperar no sentido de optimizar o
produto final;
Levar a cabo maior acção de promoção na europa, particularmente
Portugal;
42
Continuar com a transformação da base aérea de Nacala em
Aeroporto Internacional e melhorar o Aeroporto Internacional de
Mavalane;
Implementar uma política de liberalização do transporte aéreo,
para incentivar um rápido crescimento do destino;
Dispor de informação permanentemente actualizada acerca da
necessidade ou não de prévios cuidados sanitários, evitando desta
forma preocupações desnecessárias e exageradas e uma
publicidade negativa por desconhecimento da realidade.
4.2.1.9: Criar a Base de Dados de Marketing
O Governo através do Ministério do Turismo deve criar condições para
em 2006 montar a Base de Dados de Marketing (BDM).
O objectivo principal desta base de dados é permitir o estudo e pesquisa
dos destinos concorrentes e avaliar os principais mercados emissores, a
fim de produzir análises úteis para as acções de marketing operativo nos
diferentes âmbitos (promoção de produtos nas feiras internacionais,
promoção de investimentos, promoção de eventos).
Outra vertente importante é a obtenção de dados fiáveis que permitam
fazer um balanço demanda/oferta turística, de forma quantitativa,
possibilitando estimar e dimensionar o crescimento e identificar as
principais acções estratégicas do sector para os próximos 10 anos,
nomeadamente:
Quantidade de turistas a captar por cada mercado emissor;
Quantidade de quartos hoteleiros a construir;
Receitas geradas;
Pessoas a capacitar técnico e profissionalmente;
Postos de empregos a criar;
Orçamento para a promoção turística;
Elementos / recursos turísticos a considerar;
Inventariação do produto turístico nos destinos e segmentos do
Tipo A e Tipo B.
43
4.2.1.10: Divulgar as Linhas de Produto do Turismo
Deve existir um marketing direccionado para o mercado do turismo de
aventura, dado que os utentes deste produto não se comportam como
viajantes de cruzeiros que fazem as reservas via agências de Viagens.
Um conhecimento profundo dos produtos de aventura é necessário. A
comunicação estreita com os fornecedores e uma clara consciência do
espirito dos seus clientes são factores críticos de sucesso para a venda de
pacotes de aventura.
Para vender este mercado eficientemente, Moçambique, deve:
Atrair os clientes através de cartas, boletins informativos (revistas),
e:mails e outros meios de comunicação.
Criar boas relações com os fornecedores e ser capaz de agir
rapidamente para identificar ofertas de desconto a última hora.
Avaliar a pesquisa dos clientes, incluindo traços físicos e
emocionais.
Manter contacto permanente com fornecedores de destinos.
Organizar visitas de familiarização com os fornecedores.
Manter encontros com os potenciais fornecedores. Obter prova de
documentos de seguro, licenças de uso dos espaços, material de
promoção e referências.
Revelar todos os potenciais perigos e riscos.
Manter uma base de dados detalhada de clientes que podem se
interessar por pacotes especiais.
O produto moçambicano é ideal para este mercado de
turismo/aventura. Deve-se estabelecer ligações estratégicas
agências de viagens e operadores tutísticos internacionais ligados a
mercado, o que pode trazer resultados e impacto imediato para
sector.
ecocom
este
este
4.2.1. 11: Criar e Promover a Marca Moçambique
A visão do turismo em Moçambique para 2020 é que deve ser o destino
mais vibrante, dinâmico e exótico em África. A política de
desenvolvimento do turismo, de entre várias missões, visa posicionar o
País como um destino de valor elevado, garantindo um turismo
sustentável, responsável e de qualidade.
As oportunidades do produto chave que farão Moçambique realizar sua
visão podem ser sumarizadas em três produtos:
44
Turismo baseado em recursos aquáticos.
Turismo baseado em recursos naturais.
Turismo baseado na cultura e vida urbana.
Contudo, os desafios do mercado para o posicionamento de
Moçambique como um destino turístico de classe mundial são:
-
-
O Investimento maciço no desenvolvimento, reabilitação ou
o aumento do volume de oferta nestas linhas de produto.
Pacotes apropriados destas linhas de produto integrando-os
com os estados vizinhos com vista a criar algumas sinergias,
e
Atracções naturais acompanhadas por uma mão de obra
comparavelmente especializada, de modo a resultar numa
oferta de um serviço de elevada qualidade.
O turismo é uma indústria altamente competitiva e consequentemente
uma gama de mistura de produtos de primeira classe suportada por uma
mão de obra especializada e amigável, recursos financeiros substanciais
são necessários para posicionar Moçambique no mercado mundial,
ostentando um nível global capaz de atrair grupos alvos de clientes.
Moçambique pode adoptar um foco estratégico nos produtos de nicho
integrando-os com os estados vizinhos e desse modo desfrutar do
sucesso de marcas estabilizadas, por exemplo a da África do Sul.
4.2.1.12: Promover o Turismo Doméstico
Promover o turismo doméstico como um dos veículos de consolidação da
unidade nacional e da valorização do património natural, histórico e cultural.
Os objectivos estratégicos que podem ser implementados ao nível nacional,
provincial e local (combinar produtos com segmentos de mercado) são:
Obter maior retorno dos viajantes, promovendo:
a) Pacotes de viagens curtas (p.e, fins de semana longo)
b) Pacotes de longa estadia
c) Actividades diversificadas de lazer durante
uma viagem.
Converter segmentos emergentes e não explorados em
turistas através da oferta de:
a) Opções de viagens em grupo
45
b) Cartões de viagens
c) Pacotes de fim de semana acessíveis
Promover viagens ao longo do ano através do
encorajamento de viagens fora das férias escolares através
de:
a) Pacotes especiais de época baixa.
Promover mais viagens interprovinciais através de:
a) Opções de excursões
b) Publicitação de dicas e pistas sobre alguns destinos.
c) Criação de novas experiências.
Utilizar eventos para diminuir o efeito das épocas e oferecer
pacotes completos que incluem viagem, alojamento, e
eventos.
Afim de promover o desenvolvimento da indústria do turismo doméstico,
o governo de Moçambique pode implementar de um ponto de vista
nacional, o seguinte:
Promover a marca do turismo doméstico com o objectivo de
criar uma cultura nos Moçambicanos e tornar as viagens mais
atractivas;
Promover um conjunto de iniciativas relacionadas com
consumidores Moçambicanos através de pequenos pacotes de
fim de semana, viagens de longa distância, safaris, descobertas
culturais, odisseias pelo campo e eventos.
Distribuir informações apropriadas em locais específicos, e
formação sobre o turismo doméstico e produtos turísticos.
Facilitar o desenvolvimento de pacotes de produtos,
trabalhando aos níveis nacionais e provinciais para facilitar
ligações e a criação de pacotes que podem converter interesses
em acções.
Desenvolver canais de marketing e distribuição de produtos
aos consumidores para assegurar a conversão e compra de
uma maneira relevante e eficiente.
46
Existem dois requisitos naturais para promover o turismo doméstico, que
são o poder de compra e a qualidade das infraestruturas. Quanto maior
for o poder de compra dos nacionais, aumenta o volume de praticantes
do turismo.
As tarifas das transportadoras reduzidas, descontos nos hotéis,
fornecimento grátis de refeições, taxis para a jornada e outras medidas
poderiam tornar as viagens domésticas mais atractivas.
Para fortalecer o turismo nacional, a diversidade geográfica pode ser
vendida nacional e internacionalmente. Este exercício tem muito
significado mesmo a nível regional por exemplo, para as populações
costeiras, férias de safari poderiam significar uma nova experiência, e da
mesma maneira, as praias podem ser promovidas para as pessoas do
interior. Estes produtos podem ser coordenados e combinados com os
pacotes atractivos que existem, concebidos para os viajantes
internacionais, ainda mais, o movimento de turistas domésticos, não é
limitado por épocas, mas cada época possui o seu próprio produto.
De modo a criar os destinos cada vez mais conhecidos, o sector privado
poderia realizar amplas campanhas de marketing, com o apoio da
imprensa, operadores turísticos, e Agências de Viagens, companhias
financeiras, hotéis, e companhias aéreas.
As províncias poderiam organizar feiras de turismo interprovinciais para
expor o potencial de turismo de cada uma das zonas. Pode-se promover
agressivamente o desenvolvimento de circuitos de turismo integrados o
que iria permitir que o turista nacional visitasse mais que um destino em
cada momento.
4.2.1.13: Promover o Turismo Juvenil
A juventude constitue a faixa populacional mais activa nos processos de
desenvolvimento. A Política da juventude preconiza o incentivo a prática
do turismo por adolescentes e jovens como forma de criação de emprego
e auto-emprego e de geração de rendimentos. Neste âmbito, são
consideradas as seguintes acções prioritárias:
Produzir materiais didatico-educativos sobre a importância do
turismo focalizando grupos e associações juvenis;
Fomentar a particpação da juventude em acampamentos e
excursoes a zonas potencialmente turisticas;
Construir pousadas da juventude.
47
4.2.1.14: Implementar programas de sensibilização sobre o turismo
É imprescindível para a entidade que superitentende o turismo conceber
e implementar a curto e médio prazos programas concretos para a
sensibilização e consciencialização da sociedade moçambicana sobre a
importância económica e social do desenvolvimento turistico. Para tal,
deve ser desenhado um Programa Nacional de Sensibilizaçao sobre
Turismo (PNST) que permita implementar acções para elevar o nível de
participação da sociedade moçambicana nos planos de desenvolvimento
do sector turístico.
As campanhas de sensibilização são ferramentas de comunicação social
desenhadas para envolver a sociedade civil nos grandes projectos de
desenvolvimento económico-social e diferentes programas sectoriais que
os governos estão a implementar.
O PNST deve constituir-se num mecanismo prático para apoiar a
materialização dos princípios da Política do Turismo, particularmente:
Assumpção do Governo aos níveis Nacional, Provincial e Local
da responsabilidade pela definição e controlo dos padrões de
desenvolvimento de qualidade do Turismo;
Estabelecimento de um quadro institucional de mecanismos de
planificação
e
controle
da
participação
activa
no
desenvolvimento do Turismo;
Consciencialização sobre a importância do Turismo e sobre o
valor do património natural e cultural;
Disseminação dos valores do património nacional tangível e
intangível;
Utilização de receitas do turismo para contribuir
conservação e restauração do património edificado;
na
Identificação de projectos de conservação e restauro de
monumentos onde o turismo pode intervir;
Promoção da identidade cultural e orgulho nacional, através da
disseminação de valores universais do País presentes, em
particular na Ilha de Moçambique;
Promoção e profissionalização dos recursos Humanos como
forma de elevar a qualidade do turismo;
Promoção do envolvimento efectivo
programas de desenvolvimento;
da
comunidade
nos
Inserção da temática do turismo nos curricula escolares;
48
Consciencializão ás áreas que lidam com o turista (Polícia de
trânsito, Migração, Alfândegas, guarda-fronteira).
O PNST deve ser baseado numa combinação de técnicas e meios de
comunicação: seminários, apresentações, palestras, discursos, e
diferentes suportes de publicidade: materiais impressos, videos, etc.
As duas principais linhas de abordagem do PNST, as Acções Massivas e as
Acções Sectoriais (por alvos específicos), devem ser implementadas de forma
paralela sempre que seja possivel.
As Acções Massivas dirigidas a sociedade em geral devem utilizar os
meios de comunicação, material impresso e audiovisual, realização de
actividades culturais e desportivas, como principais instrumentos de
comunicação. Os principais alvos das Acções ou Campanhas Massivas
são: a sociedade em geral nos diferentes grupos de idade, sexo e condição
social (trabalhadores, mulheres, estudantes, crianças) e os Turistas,
excursionistas dos cruzeiros e estrangeiros com autorização de
residência temporaria.
As Acções Sectoriais dirigidas a alvos específicos (instituições do sector
publico e privado)
além de
sensibilizar aos funcionários destas
instituições sobre a importância do turismo para o desenvolvimento
socio-económico do país, deve sobretudo despertar a consciência sobre a
necessidade de melhorar a qualidade dos serviços prestados por estes.
Os principais alvos das Acções ou Campanhas Sectoriais são: Sector
público (Alfândegas, Migração, Polícia); sector privado (Empresas
(Hoteleiras, Agências de Viagens, Restaurantes,
etc); Conselhos
Municipais, Comunidades locais (residentes nas areas de conservação e
zonas turisticas) e outros.
O PSNT deve ser implementado em três fases que estabelecem uma
ordem de prioridade para atingir maior eficiência organizativa no
processo de comunicação, considerando o nível de importância dos alvos
e as suas diferentes funções.
Na Primeira Fase de implementação do PNST os alvos devem ser
quadros e outros agentes multiplicadores ao nível nacional, aqueles que
têm a responsabilidade de planificar e comunicar planos de
desenvolvimento turístico ao nível de todo o país; na Segunda Fase, os
quadros e entidades provinciais encarregues de coordenar e executar a
implementação dos planos de desenvolvimento turístico a nível das
APITs; na Terceira Fase, os alvos são as Empresas Turísticas locais.
(hoteis, operadores, Agências de Viagens ,etc) , as entidades locais
consagradas na educação e formação dos recursos humanos (Escolas de
49
ensino profissional) e as Organizações locais ( juventude, mulheres,
artistas, outros).
4.2.1.15: Reforçar a Capacidade de Produção de Estatísticas
Trabalhar com o Instituto Nacional de Estatística (INE) no sentido de se
integrar um técnico do turismo, que se iria encarregar pela análise
estatística referente ao sector do turismo.
A integração do técnico iria apoiar no desenvolvimento de uma análise
estatística sectorial mais profunda e exercer um maior controlo
económico e acompanhamento do desempenho do sector.
4.2.2. Objectivo Estratégico Específico 2: Fortalecer o produto
turístico e alcançar elevados níveis de competitividade nos principais
mercados emissores de turismo.
Para a efectivação deste objectivo, é necessário materializar as seguintes
acções:
4.2.2.1: Pesquisa sobre o Mercado Regional
Com vista a realizar de forma periódica o estudo dos destinos
concorrentes de Moçambique ao nível da região de África Austral, deve-se
executar no ano 2007, uma primeira pesquisa orientada a propôr
respostas de marketing aos actuais problemas de baixo rendimento
económico que hoje gera o turismo regional.
Para o sector turístico moçambicano é crucial manter o estudo sobre o
comportamento da África do Sul no seu duplo papel de emissor e
receptor de turistas, tomando em conta que este mercado gera 47%,
quase a metade do Turismo Regional que entra anualmente em
Moçambique, além de ser a principal porta de entrada do Turismo
Internacional proveniente de outros continentes.
Qualquer mudança, positiva ou negativa, no movimento turístico da
África do Sul, terá uma rápida repercussão sobre o turismo
moçambicano. Portanto, para o sector turístico moçambicano é
importante observar e dar seguimento permanente a situação actual na
África do Sul onde está a verificar-se um ligeiro decréscimo do turismo
europeu.
50
4.2.2.2: Estabelecer Alianças Estratégicas Regionais
Estabelecer alianças estratégicas de marketing ao nível da região sobre
acordos de cooperação que visam a formação de equipes de trabalho,
abertura de escritório de serviços comerciais e marketing em
Moçambique. Estes vão contribuir grandemente para transmissão
bilateral de conhecimento e no domínio de buscas de oportunidade no
sector turístico no âmbito da conservação mesmo antes da situação dos
parques ser a mais ideal.
Fazer “lobbies” para incentivar o estabelecimento de agências de
marketing na região (Africa Austral) e ao nível internacional que tenham
domínio e experiência no âmbito de actividades turísticas. Promover e
incentivar a formação de quadros com especial enfoque para as áreas de
conservação.
Implementar acordos com entidades do turismo sul-africano para o
mundial de futebol a decorrer em 2010.
Organizar encontros com as autoridades turísticas de países
concorrentes de Moçambique (Tanzania, Seycheles, Mauricias, Ilhas
Reunião) para promoção conjunta em material promocional, incentivo
para a participação destes países na feira anual de Maputo (BTM).
Prosseguir com os acordos com os países vizinhos no âmbito da
eliminação de vistos de entrada.
4.2.2.3: Organizar Festivais de Gastronomia
Em coordenação com os restaurantes e operadores turísticos, organizar
convívios festivos onde para além de música Moçambicana se possa
oferecer a culinária composta por mariscos e pratos típicos.
Num esforço coordenado entre operadores privados deverão ser criados
pacotes de fim de semana para mercados regionais (Africa do Sul,
Zimbabwe, Botsuana e Malawi) a fim de virem deliciar-se com mariscos
e cervejas de marca Moçambicana.
4.2.2.4: Proceder a Reclassificação dos Estabelecimentos Turísticos
As acções de re-classificação devem rever com profundidade o sistema de
classificação vigente com vista a fomentar uma imagem turística positiva
de alta qualidade.
A elaboração do novo sistema de classificação hoteleira, deve ter em
consideração o estudo recente sobre a classificação de hotéis de baixa
51
catergoria com critérios legais modernos, e sobretudo com uma
abordagem comercial e competitiva para garantir maior qualidade do
produto turístico moçambicano e oferecer maior protecção aos
consumidores.
A nova base de dados a desenhar deve permitir o controlo automático do
processo de levantamento da rede hoteleira e permitir a análise para
propor as mudanças necessárias.
4.2.2.5: Implementar o Plano de Desenvolvimento dos Recursos
Humanos para a melhoria da qualidade dos serviços
O desenvolvimento dos recursos humanos constitui uma pedra angular
para vencer os desafios do processo de edificação de um destino
turístico. Três requisitos são fundamentais para se erguer um destino
turístico de referência e de sucesso:
1)
2)
3)
Uma força de trabalho, no sector do turismo competente e
motivada;
Desenvolvimento de habilidades, formação e desenvolvimento
de carreiras;
Funcionários do Governo com capacidade e vontade para
implementar os objectivos do turismo e maximizar os benefícios
económicos e sociais para a população.
O alcance das metas acima indicadas irá determinar o rumo de
desenvolvimento do sector do turismo em Moçambique, não apenas nos
próximos cinco anos, mas também num futuro próximo.
4.2.3. Objectivo Estratégico Específico 3: Alcançar uma taxa de
crescimento anual de 6% do turismo doméstico, regional e internacional.
Para a efectivação deste objectivo, é necessário materializar as seguintes
acções:
4.2.3.1: Redesenhar a Carteira de Negócios para Investimentos
Directos do Sector Turístico
Nesta fase da introdução dos seus produtos nos principais mercados
emissores de turismo internacional, Moçambique deve conceder máxima
prioridade
as acções de
marketing no âmbito da Promoção de
Investimentos, seguindo um dos princípios fundamentais da política de
desenvolvimento do turismo: o principio da planificação integrada.
52
No período 2006 – 2010 o objectivo principal de marketing estratégico do
sector turístico é:
a) captar o interesse dos investidores estrangeiros para participar no
plano do Governo para o
crescimento da infraestrutura de
acolhimento;
b) Fazer novas construções para garantir o desenvolvimento turístico
em duas vertentes: os investimentos directos hoteleiros e os
investimentos de urbanização (estradas, aeroportos, sistemas de
fornecimento de água, energia eléctrica, saneamento do meio,
comunicações e outros);
c) Implantar infraestruturas e diversificar os serviços prestados nas
áreas de conservação;
d) Estabelecer parcerias
conservação;
para
o
investimento
nas
áreas
de
e) Contribuir com investimentos na sinalização turística
monumentos, conjuntos e locais históricos existentes no País;
de
f) Incluir investimentos que permitam o apoio a grandes obras de
conservação e valorização do património cultural nacional, com
grande destaque para os monumentos e base da Luta Armada de
Libertação de Moçambique, bem como na criação de monumentos
e estátuas de heróis nacionais.
Para atingir o anterior objectivo de promover os investimentos em
infraestruturas é necessário acelerar o actual processo de Planeamento
físico, ordenamento territorial das Áreas Prioritárias de Investimento
Turístico, nomeadamente nas APITs Tipo A e A/B, localizadas nas
zonas costeiras das regiões sul e norte do país. Depois deve finalizar-se
também o processo de zoneamento (plano urbanístico detalhado) e a
elaboração do plano de maneio das Áreas de Conservação e ACTF´s.
A partir da definição do potencial real disponível em cada APIT para o
desenvolvimento urbanístico da infraestrutura de acolhimento, deve-se
produzir a “Carteira de Negócios” que o Governo moçambicano, numa
aliança estratégica com o empresariado nacional, adoptará como
principal meio de publicidade no âmbito de promoção de investimentos.
Neste caso uma entidade do Governo, com apoio do Centro de Promoção
de Investimentos (CPI) e outros intervenientes do sector turístico, deve
representar o Estado moçambicano para desempenhar o seu papel de
principal promotor de investimentos directos para projectos no sector
hoteleiro.
53
Requer-se a mobilização do orçamento necessário para implementar
estas acções á partir de 2006.
4.2.3.2: Envolver o Sector Privado na Implementação da Estratégia
de Marketing
Para o sucesso da estatégia é crítico que o sector privado jogue um papel
na sua execução. Este sector deve participar na publicidade conjunta do
destino turístico. É importante que a indústria trabalhe em conjunto
para que as viagens de familiarização sejam bem coordenadas. Todos os
fornecedores de serviços podem ser envolvidos no processo.
Para além de atender bem e servir melhor, o sector privado também deve
estar activamente envolvido nas promoções “give aways” necessitando
para isso de colaborar nos pacotes que podem ser oferecidos em cada
um dos mercados geográficos.
4.2.3.3: Criar o Calendário Nacional de Eventos e Festivais
Deve-se definir uma lista de actividades e festivais de carácter nacional e
provincial que possam ser implementados de forma estável, com carácter
anual e/ou bienal, para sua inclusão permanente no Calendário Anual
de Eventos de Moçambique.
Este Calendário deve ser publicado anualmente com uma antecedência
de seis meses no mínimo para poder ser promovido adequadamente no
mercado turístico internacional.
4.2.3.4: Projectar a Feira Permanente Cultural e a Bolsa do Turismo
de Maputo(BTM)
A feira cultural será um espaço onde possam concentrar-se diversas
manifestações da cultura de Moçambique, com ênfase nas
artes
plásticas, artesanato e música e dança tradicional.
O objectivo é criar pontos de referência nas principais regiões do país
com suficiente poder de atracção onde os turistas possam entrar em
contacto com a população numa atmosfera de cultura e de segurança.
Deve-se analisar uma possível localização do projecto CULTUR nas
áreas da Feira Popular. No lugar seleccionado, em dias e horas
determinadas de cada semana, programar-se-ão diferentes actividades
culturais (lançamento de livros, desfiles de modas, grupos de música,
danças e outros), para além de uma exposição permanente de arte
moçambicana.
54
A oferta aos visitantes complementar-se-á com pontos de venda de
artesanato, bebidas nacionais e gastronomia de diferentes regiões do
País. A materialização do projecto permitirá concretizar uma das acções
mais eficazes de promoção cultural que se possa organizar dentro do país
e, simultaneamente, criar um produto turístico de alto interesse para a
sua comercialização por parte dos operadores turísticos estrangeiros e
nacionais.
4.2.3.5: Maximizar a Contribuição do Desporto para o Turismo
Aproveitando o seu clima e extensa linha costeira com um mar rico de
recursos marinhos de valor inestimável, Moçambique deverá promover
eventos desportivos, tais como:
Desportos naúticos e Pesca de Alto Mar.
Léguas, maratonas e outras provas de fundo
Torneios e campeonatos de nível continental ou de região da Africa
Austral nas modalidades diversas.
Em lugares adequados deverá promover o estabelecimento de campos de
golfe, estádios de futebol de modo a tornar mais diversificado o produto
turístico.
Deve-se combinar sinérgias de modo a tirar maiores proveitos aos
campeonatos mundiais ou continentais que ocorram no País ou região da
Africa Austral, por exemplo o campeonato mundial de futebol 2010, a ter
lugar na África do Sul.
Esforços devem ser feitos de modo a trair vedetas do desporto mundial
para passarem férias ou estágios em zonas turísticas de Moçambique, o
que acrescenta valor ao destino.
As montanhas e trilhos também devem ser aproveitados através da sua
inclusão nos pacotes turísticos. Os turistas poderão ser encorajados a
praticar caminhadas e escalar montanhas.
4.2.4. Objectivo Estratégico Específico 4: Maximizar o Impacto
Económico e Social do Sector do Turismo
Para a efectivação deste objectivo, é necessário materializar as seguintes
acções:
55
4.2.4.1:
Mobilizar, Sensibilizar e Capacitar as Comunidades para
Participar em Negócios do Turismo
O crescimento do turismo também depende do sentido de propriedade, o
envolvimento comunitário, o emprego de moçambicanos a diferentes
níveis profissionais, as oportunidades de investimento para os
empresários nacionais e os programas de educação e formação
orientados para o desenvolvimento dos recursos humanos.
Deve-se apoiar o envolvimento das comunidades na gestão dos
produtos e recursos turísticos, na preservação e disseminação do
património cultural;
Fomentar a prática da gastronomia local e a produção de vestuário
típico, bem como promover as diferentes manifestações das artes
cénicas e visuais das diversas comunidades;
Evitar a exploração indevida de certas manifestações culturais
indígenas, tais como cerimónias religiosas e ritos tradicionais e
controlar a frequência dos turístas, assegurando o devido respeito;
Sensibilizar os residentes sobre o turismo: conceitos, benefícios,
problemas, políticas, programas e moldes de sua participação no
turismo;
Proporcionar aos turistas informações pertinentes sobre a cultura
tangível e intángivel das diversas comunidades, com vista a
observância das devidas normas de cortesia e respeito pela sua
maneira de ser e estar;
Encorajar a comunidade e o turista a visitar monumentos, locais
históricos e museus e contribuir na criação de condições logísticas
para tal (quiosques, casas de banho, etc.);
Sensibilizar os jovens a encararem o turismo como uma das áreas
para desenvolver actividades de geração de rendimentos.
4.2.4.2: Promover Investimentos e Assegurar o Apoio às Pequenas
Medias e Micro Empresas (PMMEs) Nacionais
O desenvolvimento do sector do turismo depende da habilidade do País para
atrair investimentos e de, efectivamente envolver as pequenas, médias e micro
empresas (PMME´s) e comunidades no desenvolvimento e comercialização de
produtos e serviços turísticos.
56
É intenção do Governo encorajar a participação de investidores nacionais,
PMME´s e iniciativas das comunidades no turismo através da criação de um
quadro financeiro que incentiva o surgimento de instituições financeiras;
facilitar o acesso ao crédito e financiamento; e criar um ambiente favorável ao
investimento directo estrangeiro.
O Governo através do Fundo Nacional do Turismo prevê apoiar:
As autoridades locais para construção de mercados de fruta na praia do
Bilene, Cumbana, Pambara, Muchungue, Tica, Nicoadala e Angónia;
As autoridades locais (Municipios ou Distritos) para construção de
sanitários públicos em Maputo cidade, Ponta de Ouro, Vilanculos,
Pemba, Cuamba e Angónia;
Construção de Estabelecimentos de Alojamento, Motéis em Caia,
Mandimba/Cuamba, Angónia, EN4 (entre Ressano Garcia e Matola) e
nos principais corredores de desenvolvimento.
57
V. RESULTADOS ESPERADOS
5.1. Período
2006 – 2010
Incrementado gradualmente o Turismo Regional que entra em
Moçambique principalmente proveniente da África do Sul, com
uma taxa média de crescimento anual de 6%.
Incrementado o turismo de caça
Incrementada a taxa de ocupação média dos hotéis, para acima de
50%.
Incrementado gradualmente o número de empresas
moçambicanas de transporte turístico: Autocarros, Rent-car, Taxis.
Dinamizado o desenvolvimento de infraestruturas nos destinos e
segmentos turísticos do tipo A
Comercializadas as rotas turísticas e pacotes multi-destino que
integram Moçambique, por contratos comerciais
entre os
operadores turísticos estrangeiros e as agências de viagens dos
países vizinhos.
Ampliada a pista de aterragem do aeroporto de Pemba e reabilitado
o aeroporto em Nacala, para acolher voos de longo curso.
Alcançada a competitividade das linhas aéreas nacionais.
Diversificadas as fontes de recursos para promoção turística,
através da promoção de parceiras com sector privado.
Incentivadas alianças estratégicas entre o sector privado
moçambicano e empresários de países vizinhos para promover
sinergias no marketing.
Incentivadas alianças estratégicas com outros países da região
para promover sinergias no marketing.
Concebida e iniciada a promoção da marca de Moçambique como
destino turístico.
Incrementado o Turismo Regional de negócio, lazer e visita a
familiares.
58
Abertas as representações do turismo nos principais mercados
emissores.
Melhorado o atendimento aos viajantes, nos postos oficiais de
Migração e ao longo das rodovias, pelos agentes de Migração,
polícia de trânsito, guarda-fronteira e alfandegas;
Incrementada a prática do turismo juvenil;
Aumentado o numero de acampamentos juvenis;
Construidas 2 pousadas juvenis em Inhambane e Nampula.
5.2. Período 2011- 2013
Atingido o volume de 1,260,000 turistas internacionais, a taxa de
crescimento anual de 6%.
Incrementado o turismo internacional em voos directos desde os
principais emissores de Europa, América e Ásia.
Oferta diversificada do produto turístico.
Melhorada a qualidade de serviços prestados pelas agências de
viagens e empresas de transportes moçambicanas.
Desenvolvida a comercialização de rotas turísticas por contratos
directos entre os operadores estrangeiros turísticos e as agências
receptoras moçambicanas.
Estimulada a criação de novas rotas turísticas e o aumento da
comercialização de pacotes (beach & bush)
Estimulado o aumento da capacidade nos transportes
passageiros que contribuirão para a baixa de preços.
de
Garantido o posicionamento de Moçambique em mercados de
nicho: eco-turismo, pesca desportiva, mergulho, caça, observação
de pássaros.
59
VI. ORÇAMENTAÇÃO DAS ACÇÕES
Considerando que o orçamento do marketing fica sujeito a mudanças ou
oscilações de preço e moedas, a presente estratégia apresenta uma tabela
de orçamento indicativo para os primeiros três anos, período que respeita
a planificação seguida pelo Estado quanto ao cenário fiscal.
Tabela 16:Programa de Acções – Orçamento 2006 - 2008
Programa de Acções
Orçamento 2006 – 2008 (MTn x1000)
Acção
1. Produzir Material
Promocional
2. Criar Escritórios de
Promoçao no exterior.
3.Desenvolver Relações
Públicas
4.Promover Visitas de
Familiarização dos Medias e
Operadores Turísticos
5.Participar nas principais
Feiras
de
Turismo
Internacional
dos
principais
mercados
emissores e emergentes
6.Desenvolver o Portal do
Turismo
7. Expandir os Balcões de
informação Turística (BITs).
8.Implementar Acções
Combinadas de Marketing
9. Criar Base de Dados de
Marketing e Promoção
10. Divulgar as Linhas do
Produto Turismo
11. Criar e Promover a Marca
Moçambique
12.Efectuar pesquisa sobre o
mercado doméstico.
13.Promover o Turismo
Juvenil
14. Implementar a primeira
fase do Programa Nacional
de Sensibilização Turística
2007
2008
2009
Total
9.100
9.100
24.700
15.600
20.800
36.400
1.300
1.820
3.120
260
520
520
1.300
5.200
6.500
6.500
18.200
1.820
2.210
2.860
6.890
1.300
2.080
2.600
5.980
130
390
390
910
1.040
1.300
2.340
1.820
1.300
3120
1.300
1.300
2.600
1.350
1.250
1.000
3.600
260
520
780
1.560
6.500
60
15. Reforçar a Capacidade de
Produção de Estatísticas
16. Pesquisa sobre o
Mercado Regional
17.Estabelecer Alianças
estratégicas Estratégicas
Regionais
18.Organizar Festivais de
Gastronomia
18. Reclassificar os
Estabelecimentos Turísticos
20. Implementar o Plano de
Desenvolvimento dos
Recursos Humanos no
Sector de Turismo
21.Redesenhar a Carteira de
Negócios para Investimentos
do Turismo
260
260
1.040
1.300
1.300
2.600
780
910
910
2.600
130
260
260
650
780
520
260
260
1.300
1.300
2.600
260
260
520
22. Envolver o Sector Privado
na implemntação da
Estratégia de Marketing
23.Criar o Calendário
nacional de Eventos e
Festivais
24. Projectar a Feira
Permanente Cultural e BTM
25.Maximizar a Contribuição
do Desporto no Turismo
26. Mobilizar, Sensibilizar e
Capacitar as Comunicades
para Participarem em
Negócios do Turismo
27. Promover Investimentos
e assegurar o apoio a
PMME´s Nacionais
Orçamento Total
20.590
1.300
520
1.040
1.300
1.300
390
390
780
520
390
910
2.600
2.600
5.200
53.610
58.200
132.400
A tabela resume uma estimativa preliminar para a implementação das 27
Acções de Marketing Turístico 2006 – 2013, cujo os valores estão
representados em MTn (metical de nova família) e foi calculado ao
cambio USD26 (vinte e seis dolares).
61
Fly UP